Você está na página 1de 5

Fluorescência

Fluorescência e Estrutura Atômica

1 – INTRODUÇÃO Luminescência é o nome do fenômeno mais genérico que engloba a fluorescência e a fosforescência. A luminescência é definida como a emissão de luz na faixa do visível (400-700 nm) do espectro eletromagnético como resultado de uma transição eletrônica. O início de um processo de luminescência envolve a absorção de quanta de luz (fótons) por uma molécula/íon e, conseqüentemente, a produção de um estado eletronicamente excitado. Isto significa dizer que a molécula/íon absorveu uma quantidade discreta de energia, suficiente para promover um elétron de um nível inferior para um nível superior de energia. A energia do fóton deve coincidir com aquela correspondente à transição eletrônica. Como a molécula/íon não pode permanecer indefinidamente no estado excitado, a energia absorvida pode ser dissipada através dos seguintes processos:

Fluorescência – emissão do fóton de luz e retorno ao estado fundamental.

Fosforescência – o elétron excitado decai para um nível intermediário de energia e ocorre emissão de radiação do intermediário ao estado fundamental.

Transição vibracional ou não radiativa – a molécula retorna ao estado fundamental emitindo energia térmica através de uma série de transições vibracionais;

Reação fotoquímica – a molécula sofre algum tipo de reação no estado eletronicamente excitado.

Fluorescência

A energia da radiação eletromagnética envolvida pode ser calculada

através da equação de Planck:

pode ser calculada através da equação de Planck: Onde h = constante de Planck; c =

Onde h = constante de Planck; c = velocidade da luz no vácuo; λ = comprimento de onda.

e também pode ser expressa em termos de freqüência (υ):

também pode ser expressa em termos de freqüência ( υ ): A energia da radiação eletro

A energia da radiação eletromagnética depende apenas de sua

freqüência: quanto maior a frequência, menor o comprimento de onda e maior

a energia.

A luz visível compreende uma faixa de comprimento de onda que

abrange de 400 a 700nm; já a radiação infravermelha (IV), invisível, está

compreendida entre 700 a 200.000nm. A radiação ultravioleta (UV) está entre

10 e 400 nm (veja a figura abaixo).

7x10 ‐7 4x10 ‐7
7x10 ‐7
4x10 ‐7
10 e 400 nm (veja a figura abaixo). 7x10 ‐7 4x10 ‐7 De acordo com suas

De acordo com suas propriedades físicas e efeitos biológicos, parte da

radiação UV é dividida em três sub-regiões: UV-A de 320 a 400nm, UV-B de

290 a 320nm e UV-C abaixo de 200 a 290nm. Dentre elas, a radiação UV-A é a

menos nociva, sendo que suas fontes podem ser adquiridas comercialmente

com o nome de luz negra. A radiação UV-B é a responsável pelo câncer de

pele e a UV-C não chega a atingir a superfície terrestre.

Fluorescência

A coloração da luz emitida depende da variação de energia envolvida na transição eletrônica; assim, uma emissão avermelhada deverá ocorrer em uma faixa de energia associada a comprimentos de onda próximos de 700nm. Os vegetais verdes, a água tônica, a vitamina B 2 , a casca dos ovos marrons e até mesmo os sabões em pó têm em comum o fato de possuírem compostos fluorescentes em sua composição. Já os mostradores de relógios e enfeites de quartos exibem o fenômeno da fosforescência. De uma forma bastante simplificada, pode-se distinguir os fenômenos com relação ao tempo de emissão de radiação: enquanto na fluorescência a emissão é instantânea e cessa quando a fonte de energia é desligada, na fosforescência esta pode durar horas, depois de desligada a fonte de excitação.

2 – OBJETIVOS Introduzir o conceito de energia quantizada. Descrever o fenômeno da excitação eletrônica e estabelecer a relação com o modelo atômico de Bohr. Introduzir os alunos ao fenômeno de fluorescência.

3 – MATERIAIS E REAGENTES

Material necessário para um grupo de 4 alunos:

Reagentes/Materiais:

2 Pipetas de Pasteur; Proveta; bastão de vidro; 30 mL de HCl 6 mol.L -1 ; 1/5 da casca de um ovo vermelho; almofariz e pistilo; 15 mL Solução de Fluorosceína 1g/L; 5 mL solução de NaOH 1,0 mol.L -1 ; 1 comprimido de complexo B; H 2 O; 1 folhas de Hortelã; acetato de etila; suporte universal; 7 bequers de 50 mL; 1 erlenmeryer de 125 mL; Lâmpada UV (luz Negra);

Soluções previamente preparadas:

HCl 6 mol.L -1 (400 mL de HCl conc – 37% diluído para 1 litro); Fluorosceína (1,00 g de Fluorosceína em 100 mL de Etanol e 900 mL de H 2 O); NaOH 1,0 mol.L -1 (40 g de NaOH em 1 litro de H 2 O).

Fluorescência

4 – PROCEDIMENTO Para todos os experimentos: Colocar as soluções obtidas sob a luz Negra e anotar as cores observadas Tabela 1;

4.1. Casca do Ovo – Protoporfirina IX: Triturar 1/5 de casca do ovo; Em um béquer, adicionar a casca triturada e 20 mL de HCl 6 mol.L -1 ; Aguardar cerca de 5 minutos; Recolher em um erlenmeyer;

4.2. Extrato de Folhas Verdes – Clorofila: Triturar 1 folha de hortelã com

10 mL de acetato de etila até se obter uma solução verde intenso.

Coletar em um béquer;

4.3. Complexo B – Riboflavina: Triturar 1 comprimido de complexo B com

10 mL de água. Coletar em um béquer;

4.4. Sabão em pó: Pesar 0,5 gramas de sabão em pó. Dissolver o sabão em 10 mL de água destilada em um béquer;

4.5. Fluorosceína: Colocar 5,0 mL de solução de fluorosceína em três bequers ; Em um dos bequers, adicionar 20 gts de HCl 6 mol.L -1 ; em outro, adicionar 20 gts de NaOH 1,0 mol.L-1; Observar o que ocorre.

Tabela 1: Cores emitidas pelas soluções iluminadas por Radiação UV

Amostra

Cor Observada

Protoforfirina IX

Clorofila

Riboflavina

Sabão em Pó

Fluorosceína

Fluorescência

QUESTÕES

1. Os modelos atômicos de Dalton e Thomson podem explicar o fenômeno da luminescência? Explique.

2. Quais evidências experimentais não podiam ser explicadas com os modelos atômicos anteriores ao de Bohr?

3. Utilize o modelo de Bohr para explicar as transições eletrônicas.

REFERÊNCIA

1. QUÍMICA – A Ciência Central”, Brown, LeMay e Bursten, 9ª Ed. Pearson, Cap.6 “Estrutura eletrônica dos elementos”

2. INORGANIC CHEMISTRY, Catherine E. Housecroft and Alan G.Sharpe,

3ª Ed. Pearson, Capítulo 25, pgs 854-877.

3. QUÍMICA NOVA NA ESCOLA, n 0 19, 2004 pgs 53-56 “Fluorescência e Estrutura Atômica: Experimentos Simples para Abordar o Tema” Autores: Ana Luiza Petillo Nery e Carmen Fernandez