Você está na página 1de 39

INTEGRANTES:

Alex Prata
Bernardo Luiz da Silva Ferreira
Edson S. de Paula Roque
Evando de Moura
Felipe Augusto Almeida de Lima
Marlon Cesar Bernardo Pereira
Nicholas Daniel Ramos Amaro
INTRODUÇÃO:
Os processos de transformação dos metais e ligas metálicas em peças para utilização em conjuntos
mecânicos são inúmeros e variados: você pode fundir, conformar mecanicamente, soldar, utilizar a
metalurgia do pó e usinar o metal e, assim, obter a peça desejada. Evidentemente, vários fatores
devem ser considerados quando se escolhe o processo de fabricação. Como exemplo, podemos
lembrar: o formato da peça, as exigências de uso, o material a ser empregado, a quantidade de peças
que devem ser produzidas, o tipo de acabamento desejado, e assim por diante.
Dentre essas várias maneiras de trabalhar o material metálico, a fundição se destaca, não só por ser
um dos processos mais antigos, mas também porque é um dos mais versáteis, principalmente quando
se considera os diferentes formatos e tamanhos das peças que se pode produzir por esse processo.
HISTÓRICO

Existem relatos de peças fundidas de 5000 anos atrás (figuras, armas e jóias) na idade do bronze,
que se iniciou no Oriente Médio e Índia.
Hoje não existe praticamente nenhuma atividade da nossa vida diária em que uma peça fundida não
desempenhe um papel fundamental na sociedade. (andar de carros, voar, cozinhar, costurar,
construir)
:
IMPORTÂNCIA
Cerca de 200 milhões de toneladas de peças fundidas são produzidas anualmente no mundo
A fundição é frequentemente o processo mais econômico para a produção de peças complexas em
uma única etapa.
Tanto uma simples esfera como uma complicada carcaça de modelo de locomotiva podem ser
fundidas
Tão numerosos quanto as aplicações de peças fundidas, são os metais utilizados na fundição (metais
ferrosos: ferro fundido e aço; metais leves: ligas de alumínio e magnésio; metais a base de cobre:
bronze e latão; outros metais: níquel, cromo, nióbio, tântalo, titânio, chumbo, zinco e estanho).
O QUE É ?
É o processo de fabricação de peças metálicas que consiste essencialmente em encher com metal
líquido a cavidade de um molde com formato e medidas correspondentes aos da peça a ser fabricada.
A fundição é um processo de fabricação inicial, porque permite a obtenção de peças com formas
praticamente definitivas, com mínimas limitações de tamanho, formato e complexidade, e também é o
processo pelo qual se fabricam os lingotes. É a partir do lingote que se realizam os processos de
conformação mecânica para a obtenção de chapas, placas, perfis etc.
PROCESSOS:
Modelação
Confecção do modelo – réplica da peça, utilizada para confeccionar o molde;
Moldagem e macharia
Confecção do molde – cavidade a ser preenchida com metal líquido + confecção do macho – insertos
refratários com a geometria de vazios internos da peça fundida que se deseja;
Fusão
Preparo do metal líquido a ser vazado na cavidade do molde;
Vazamento
Preenchimento do molde com metal líquido;
Desmoldagem
Retirada do fundido do molde, após solidificação do metal;
PROCESSOS:
Pós-operações
Rebarbação, corte de canais, limpeza;
Inspeção
Para detecção de defeitos;
Recuperação
No caso de defeitos não comprometedores;
Conformação final
Usinagem, furação;
Tratamento térmico e outros
Obtenção das propriedades finais desejadas.
PROCESSOS
Através de numerosos processos de moldagem e fundição, esses metais são transformados em
peças fundidas.
Moldes podem ser de areia – utilizável apenas uma vez, ou de metal – utilizável muitas vezes, ou
ainda de cerâmica, cesso ou grafite.
O metal pode ser vazado no molde simplesmente vertendo-se sob gravidade ou empurrado com
aplicação de pressão.
fluxograma:
modelagem
macharia moldagem
molde

fusão do metal vazamento beneficiamento

desmoldagem
sucata limpeza areia
rebarbação

controle de
qualidade
FUNDIÇÃO EM MOLDE CHEIO
 Um modelo para cada peça (poliestireno espandido -isopor);
 Molde conformado em torno desse modelo (modelo não removido, sendo decomposto durante o
vazamento);
 Interessante para fabricação de peças únicas e protótipos;
 Custo e tempo de fabricação de um modelo em isopor é menor do que os feitos em madeira;
 Fundição sob pressão;
 Fundição por centrifugação;
 Fundição contínua.
FUNDIÇÃO EM MOLDE PERMANENTE
 Um modelo para cada peça (poliestireno espandido -isopor);
 Molde conformado em torno desse modelo (modelo não removido, sendo decomposto durante o vazamento);
 Iteressante para fabricação de peças únicas e protótipos;
 Custo e tempo de fabricação de um modelo em isopor é menor do que os feitos em madeira;
 Fundição sob pressão;
 Fundição por centrifugação;
 Fundição contínua.

 Variante do processo de fundição em coquilha;


 O metal é pressionado sob baixa pressão e baixa velocidade, dentro de um molde permanente;
FUNDIÇÃO POR INJEÇÃO
Basicamente obedece ao mesmo processo da coquilha, porém o molde é mecanizado. Existem
menos restrições à geometria das peças, pois o molde é fabricado por modernos processos como
eletroerosão, por laser, entre outros, que dão excelente acabamento, possibilitando menos usinagens
nas peças. O mesmo que fundição sob Pressão .
FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO
 Envolve solidificação num molde rotativo;
 O metal é vazado em um molde de forma cilindrica ou de anel (coquilha) que gira em torno do seu eixo
axial. pela alta velocidade de rotação, surge uma força centrifuga que lança o metal líquido contra a
parede da coquilha;
 O metal toma a forma interna do molde;
 Coquilha geralmente de aço podendo ser ou não refrigerado;
 Uma variante: pequenos moldes de formado irregular são montados em disposição simétrica ao redor
de um alimentador central.
FUNDIÇÃO CONTÍNUA
Neste processo, as peças fundidas são longas, com secções quadrada, retangular, hexagonal ou de
formatos diversos. Em outras palavras, o processo funde barras de grande comprimento com as
secções mencionadas, as quais serão posteriormente processadas por usinagem ou pelos métodos de
conformação mecânica no estado sólido. Em princípio, o processo consiste em vazar-se o metal líquido
num cadinho aquecido. O metal líquido escoa através de matrizes de grafite ou cobre, resfriados na
água.
FUNDIÇÃO SOB PRESSÃO
Consiste em forçar o metal liquido sob pressão, a penetrar na cavidade do molde, chamado matriz.
Esta é metálica, portanto de natureza permanente e , assim pode ser usada inúmeras vezes.
Devido à pressão e a consequente alta velocidade de enchimento da cavidade do molde, o processo
possibilita a fabricação de peças de formas bastante complexas e de paredes mais finas do que os
processos por gravidade, permitem.
A matriz é geralmente construída em duas partes, que são hermeticamente fechadas no momento do
vazamento do metal líquido. Ela pode ser utilizada fria ou aquecida à temperatura do metal líquido, o
que exige materiais que suportem essas temperaturas. O metal é bombeado na cavidade da matriz e a
sua quantidade deve ser tal que, não só preencha inteiramente esta cavidade, como também os canais
localizados em determinados pontos para evasão do ar. Esses canais servem igualmente distribuídos
para garantir o preenchimento completo das cavidades da matriz.
Assim, simultaneamente, produz-se alguma rebarba. Enquanto o metal solidifica, é mantida a
pressão durante um certo tempo, até que a solidificação se complete. A seguir, a matriz é aberta e a
peça é expelida. Procede-se, então, a limpeza da matriz e a sua lubrificação. Fecha-se novamente e o
ciclo é repetido.
PRINCIPAIS VANTAGENS
Produção de formas mais complexas do que no caso da fundição por gravidade;
Produção de peças de paredes mais finas e tolerâncias dimensionais mais estreitas;
Alta capacidade de produção;
Produção de peças quase que acabadas;
Utilização da mesma matriz para milhares de peças, sem variações significativas nas dimensões das
peças produzidas;
As peças fundidas sob pressão podem ser tratadas superficialmente por revestimentos superficiais,
com um mínimo de preparo prévio da superfície;
Algumas ligas, como a de Alumínio, apresentam maiores resistências do que se forem fundidas em
areia.
PRINCIPAIS DESVANTAGENS
As dimensões das peças são limitadas - normalmente seu peso é inferior a 5kg; raramente ultrapassa
25kg;
Pode haver dificuldade de evasão do ar retido no interior da matriz dependendo dos contornos das
cavidades e dos canais; o ar retido é a principal causa de porosidade nas peças fundidas;
O equipamentos e os acessórios, são relativamente caros, de modo que o processo somente se torna
econômico para grandes volumes de produção;
Processo com poucas exceções, só é empregado para ligas cujas temperaturas de fusão não são
superiores às da liga de cobre.
FUNDIÇÃO DE PRECISÃO
Os processos de fundição por precisão utiliza um molde obtido pelo revestimento de um modelo
consumível com uma pasta ou argamassa refratária que endurece à temperatura ambiente ou
mediante a um adequado aquecimento. Uma vez que essa pasta refratária foi endurecida, o modelo é
consumido ou inutilizado. Tem-se assim uma casca endurecida que constitui o molde propriamente
dito, com as cavidades correspondentes à peça que se deseja produzir. Vazado o metal líquido no
interior do molde, e solidificada a peça correspondente, o molde é igualmente inutilizado.
PRINCIPAIS VANTAGENS
Possibilidade de produção em massa de peças de formas complicadas que são difíceis ou
impossíveis de obter processos convencionais de fundição ou por usinagem;
Possibilidade de reprodução de pormenores precisos, cantos vivos, paredes finas etc.;
Obtenção de maior precisão dimensional e superfícies mais macias;
Utilização de praticamente qualquer metal ou liga;
As peças podem ser produzidas praticamente acabadas, necessitando de pouca ou nenhuma
usinagem posterior, o que torna mínima a importância de adotarem-se ligas fáceis de usinar;
O processo permite um rigoroso controle do tamanho e contornos dos grãos solidificação direcional e
orientação granular, o que resulta em controle mais preciso das propriedades mecânicas;
O processo pode adotar fusão sob atmosfera protetora ou sob vácuo, o permite a utilização de ligas
que exijam tais condições.
As dimensões de peso são limitados, devido a considerações econômicas e físicas, e devido à
capacidade do equipamento disponível. O peso recomendado dessas peças não deve ser superior a
5kg.
O investimento inicial para peças maiores (de aproximadamente 5kg a 25kg) é muito elevado...
ETAPAS DO PROCESSOS DE FUNDIÇÃO DE
PRECISÃO POR CERA PERDIDA
A partir da matriz:
A cera é injetada no interior da matriz para confecção dos modelos;
Os modelos de cera endurecida são ligados a um canal central;
Um recipiente metálico é colocado ao redor do grupo de modelos;
O recipiente é enchido com uma pasta refratária (revestimento), para confecções do molde;
Assim que o material do molde endurecer, pelo aquecimento, os modelos são derretidos e
deixam o molde;
O molde aquecido é enchido do metal líquido, sob ação de pressão, por gravidade, a vácuo
ou por intermédio da força centrifuga:
O material do molde é quebrado e as peças fundidas são retiradas;
As peças são separadas do canal central e dos canais de enchimento, esmerilhadas.
CONTROLE DE QUALIDADE DE PEÇAS
FUNDIDAS
O controle de qualidade compreende as seguintes etapas:
A inspeção de peças fundidas - como de peças produzidas por qualquer outro processo
metalúrgico - tem dois objetivos:
*Rejeitar as peças defeituosas;
*Preservar a qualidade das matérias-primas utilizadas na fundição e a sua mão-
de-obra.
O controle de qualidade compreende as seguintes etapas:
INSPEÇÃO VISUAL: usada para detectar defeitos visíveis, resultantes das operações de
moldagem, confecção e colocação dos machos, de vazamento e limpeza;
INSPEÇÃO DIMENSIONAL: é realizada geralmente em pequenos lotes produzidos, antes que toda
a série de peças seja fundida;
INSPEÇÃO METALÚRGICA: inclui análise química; exame metalográfico, para observação de
microestrutura do material; ensaios mecânicos, para determinação de suas propriedades
mecânicas; ensaios não-destrutivos, para verificar se os fundidos são totalmente 'perfeitos'.
Muitas vezes, uma inspeção, para ser completa, exige testes de uma montagem, onde são
incluídas as peças fundidas, e onde simulam ou duplicam as condições esperadas em serviço.
Pr ocessos de Fundi ção

Tarefas Depende De: Horas


A Modelagem 25 min
B Macharia A 30 min
C Fusão AeB 1 hora
D Vazamento A,B e C 1 hora
E Desmontagem C 20 min
F Pós-operações BeC 30 min
G Inspeção Ee F 20 min
H Recuperção G 1 hora
I Conformação Final E,F e G 30 min
J Tratamento Térmico He I 30 min
K Controle de Qualidade IeJ 40 min
OBSERVAÇÃO:
A palavra fundição é usada para o processo enquanto o produto denomina-se fundido
Um lingote é uma massa de metal ou de um material semicondutor, que após ter sido aquecida a
uma temperatura superior ao seu ponto de fusão é vertida num molde, tomando uma forma que torna
mais fácil o seu manuseamento, geralmente uma barra ou um bloco.
A matéria-prima metálica para a produção de peças fundidas é constituída pelas ligas metálicas
ferrosas (ligas de ferro e carbono) e não-ferrosas (ligas de cobre, alumínio, zinco e magnésio).