Você está na página 1de 19

• Ônus – físico, financeiro, social, e

psicológico
• Idade e vulnerabilidade da saúde
física e mental

Flesch LD, Lins AES, Carvalho EB (2017)


• A empregabilidade é afetada, ou são
até mesmo impedidas de exercer a
profissão
• Conflitos familiares (falta de
revezamento e reconhecimento)
• Restrição às relações sociais
Flesch LD, Lins AES, Carvalho EB (2017)
Pinto FNF, Barham EJ (2014)
• Grau de dependência do idoso
• Prognóstico
• Duração do cuidado
• Condições materiais e objetivas da família
• Disponibilidade de recursos formais

Flesch LD, Lins AES, Carvalho EB (2017)


Broese van Groenou MI et al. (2013
• Burden – Sentimento de sobrecarga
experienciado pelo cuidador a o realizar
uma gama de atividades potencialmente
geradoras de estresse que surge em
função do trabalho

Pinto FNF, Barham EJ (2014)


São influenciados por:
• Qualidade do vínculo com o recebedor de
cuidados
• Suportes sociais
• Estilos de enfrentamento
• Motivações que os levam a serem
cuidadores
Broese van Groenou MI et al. (2013)
• Aprender novas habilidades
• Sentir-se útil
• Sentir-se necessário e importante
• Sentir-se bem em relação a si mesmo
• Sentir-se forte e confiante
• Mudança de valores
• Vida significativa
• Aprender novas habilidades
• Há correlação positiva entre avaliação mais positiva sobre
cuidar e a confiança ao lidar com problemas de
comportamento.
Kate N et al. (2012)
Broese van Groenou MI et al. (2013)
• Apoio social
• Atividade
• Religiosidade
• Alto senso de Autoeficácia de um
cuidador – percepção de ter boa
capacidade de gerenciar demandas
relacionadas à vida e ao cuidado
Neri AL (2014)
C. M. GILLIAM & A. M. STEFFEN (2006)
• Lazarus & Folkman(1984)
• São processos afetivo-cognitivos
acionados quando sujeitos deparam-se
com fator ou situação estressante que
colocam à prova seus recursos
adaptativos

Neri AL (2014)
1- Avaliar a situação
2-Avaliação sobre os recursos (internos e externos) para
manejá-la
3- Comparação da situação atual com experiência
anteriores
4- Situação suportável ou superior aos seus recursos?
5- Sintetizam situações passadas para selecionar
mecanismos mais apropriados para dar conta da situação
6- Tomada de decisão
7- Atuação
9- Avaliação da funcionalidade dos mecanismos de
enfrentamento que adotaram
Neri AL (2014)
Dois grandes tipos de estratégias de enfrentamento:

• Focalizadas no problema- modificação das condições


geradoras de estresse em situações passíveis de
modificação.

• Focadas na emoção- modificação dos pensamentos e


sentimentos gerados pelos estressores, mais comuns em
situações de incontrolabilidade

Neri AL (2014)
• Busca por apoio social
• Religiosidade
• Revelação de sentimentos
• Uso de medicamentos psicotrópicos (com
prescrição)
• Distrair-se (caminhar, divertir-se, jardinagem, ter
algum passatempo)
• Buscar informações
• Tentar relaxar e procurar entender que o idoso
tem limitações por causa dessa doença
Barham EJ, Pinto FNF (2014)
Gonçalves LO et al. (2015)
Magalhães JF et al. (2018)
1-Quais os seus pontos fortes e fracos?
2-Quais as duas palavras que melhor te definem nesse
instante?
3-De qual qualidade mais gosta em você?
4- Você se espelha em alguém? Quem? O que admira nessa
pessoa?
5- Você tem algum projeto pessoal ou profissional? Qual a
primeira ou próxima etapa para realizá-lo? Se não tem,
gostaria de criar um?
6- O que tem feito? (próxima página)
Broese van Groenou MI, de Boer A, Iedema J. Positive and negative evaluation of caregiving among three different types of informal
care relationships. Eur J Ageing. 2013. 10: 301-311. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5549208/

Flesch LD, Lins AES, Carvalho EB. Cuidado Familiar a Idosos Físicca e Cognitivamente Frágeis – Teoria, Pesquisa e Intervenção. In:
Elizabete Viana de Freitas, Ligia Py. Tratado de Geriatria e Gerontologia . 4ª Ed. Rio de Janeiro: Koogan; 2017. P 3302-3314

Gilliam CM, Stefen AM. The relationship between caregiving self-efficacy and depressive symptoms in dementia family
caregivers .Aging & Mental Health. March 2006; 10(2): 79–86. Resumo disponível em:
https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13607860500310658?scroll=top&needAccess=true

Gonçalves LO, Ferreira CB, Zanini DS, Vasconcelos CLB, Gonçalves SSS. Coping em pacientes crônicos, cuidadores e profissionais de
saúde. SPAGESP. 2015. 16(1):107-121. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v16n1/v16n1a09.pdf

Kate N, Grover S, Kulhara P, Nehra R. Scale for positive aspects of caregiving experience: development, reliability, and factor
structure. East Asian Arch Psychiatry. 2012. 22: 62-9. Disponível em: https://www.easap.asia/index.php/component/k2/item/158-
1202-v22n2-62-oa

Magalhães JF, Lopes RE, Nóbrega-Therrien SM, Vasconcelos SB. Estratégias de enfrentamento de mulheres cuidadores de pessoas com
esquizofrenia. Fundam. Care. Online .2018. 10(3):793-800. Disponível em:
http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewFile/6206/pdf_1

Marigliano RX, Silva JF, Miranda MLJ, Rodrigues GM, Gil CA. Estratégias de autocuidado usadas por cuidadores de idosos: análise
de produção científica. Mudanças. 2015. 23(2): 37-45. Disponível em:
https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/view/6435/5273

Neri AL. Palavras-chave em Gerontologia. 4ª ed. Campinas, SP: Editora Alínea; 2014.

Pinto FNFR, Barham EJ. Habilidades sociais e estratégias de enfrentamento de estresse: relação com indicarores de bem-estar
psicológico em cuidadores de idosos de alta dependência. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v17n3/1809-9823-rbgg-17-03-00525.pdf
Contato: fabianagarzillo@gmail.com