Você está na página 1de 23

| |||

 
u
 
| |||
 

|    


      ! "  
#  $"  %&

!    ' !    " (    
#  $ ' ! |      %  
     !" &
| |||
 
O FIDALGO
Traz consigo um pajem,
símbolo da sua tirania e
desprezo pelo povo, um
rabo (manto), símbolo da
sua classe social, e uma
cadeira de espaldas que
representa a sua falsa
religião.
É altivo, presunçoso,
tirano e infiel.
| |||
 

ßFidalgo ± s   

   
 

Anjo ±  

 
      
 
 


 

     
    
   


  
| |||
 

O ONZENEIRO
Traz consigo um bolsão,
símbolo do seu pecado em
vida. O Onzeneiro é aquele
que vive do juro exorbitante
(onze por cento) aplicado
aos empréstimos de
dinheiro.
É avarento e ambicioso.
| |||
 

ßOnzeneiro ± Eu para o Paraíso


vou.
Anjo ± h 
    

      
Essa barca que lá está
Vai para quem te
enganou.
Onzeneiro ± Porquê?

Anjo ± Porque esse bolsão


Tomará todo o navio.
Onzeneiro- Juro a Deus que vai
vazio!
Anjo ± Não já no teu coração.´
| |||
 

O PARVO

Não traz consigo qualquer


símbolo cénico. É um pobre
de espírito, um simples. É
essa simplicidade que o
salva, pois se errou em vida
não o fez de forma
premeditada, o que fez não
foi por mal.
| |||
 

' 
 ! "

 




#
    

 


 $ 

 
| |||
 

O SAPATEIRO
Entra em cena com o seu avental
e carregado de formas, símbolo
da sua profissão e dos seus
pecados, pois roubava o povo
com o seu ofício. É desonesto e
falso, pois acredita que se salva
apenas porque rezou muito, fez
donativos à igreja e morreu
confessado e comungado.
| |||
 

ß  ! s
     %
&   
   '
s  ! ( )  

 
' 
 !   

*  +
  

  

 
  #

  
 

" 
    

      
 
| |||
 
O FRADE
Entra em cena a cantar e a
dançar com uma moça, traz
consigo um broquel (escudo),
uma espada e um casco
(capacete). É um frade que
viveu os prazeres mundanos
típicos da vida da corte, sem se
preocupar com a prática
religiosa, com os princípios da
sua condição social, pois
acreditava que o hábito que
vestia o salvaria.
| |||
 
ß  !  
%s  
 
 ! s,
    '
  ! h   '&   
%
 ! h 
  % 
 

 


  

'
  ! h     

    
 ! '  


 

   
 '
  !  
    %
| |||
 

A ALCOVITEIRA
A Alcoviteira, de seu nome Brízida Vaz
entra em cena trazendo consigo as
moças que vendia e outros apetrechos
da sua profissão: seiscentos virgos
postiços, jóias e vestidos roubados, uma
casa movediça, um estrado de cortiça e
dois coxins.
Na época a Alcoviteira era aquela que
servia de intermediária nos amores. No
fundo, angariava jovens para a
prostituição.
| |||
 

ßAlcoviteira ±
Eu sou aquela
preciosa
que dava as moças
a molhos, a que
criava as meninas
para os cónegos da
Sé«´
| |||
 

?-. .

O Judeu chega ao cais com um


bode às costa, símbolo do seu
apego à religião. O bode era
imolado nos sacrifícios rituais
da sua religião, por isso não se
queria separar dele.
O Judeu é um fanático
religioso.
| |||
 

ß- ! h

)     

 !      '

- ! h 
    )  

 ! / 

 

  

- ! s      '

 !     

 0

| |||
 

?&? 1 ? ?


h ?&.  ?

?&     h   
 



 
2  
 
 
  



 
    
s  
  0
 

 
2    
  
 
  



 
0
 
s 


 
 )


2   
   
   

 

 

| |||
 

?? & ?

?       


   3 h 


  
    

 2 
h  
    
  &   
1 (  
(
 42(  
5
  

     
     


       
  
| |||
 

ß  ! 6 
   
  %
/ 1 ( '

  !      +


  )   
     
     
 
 
  
    
| |||
 

?s/." ?&657 ?s


   
/ & 
 
    
 &  & 
 ?
/ 
& 
      

   h $
h 

  )
  3
4  h $
  
    )

     
| |||
 

& 
! ß  3 
       3
  3 %

 ! 8& 
  



 
 
 

  
 & 
 s  

& 
%
s 

    
 
( 7  
    
  
    
| |||
 

 
| |||
 

|! . . (

Pais, Amélia Pinto, ed. lit )  4  7  (edição escolar). 2ª ed., 1ª
tir. Porto : Areal Editores, 2000. 143, [1] p ; 16 cm.

Pinto,Elisa Costa e Baptista, Vera Saraiva, h ; Lisboa Editora, 2004.

#)" ""  ""% "       * &+,#


  -  " .(#%&/