Você está na página 1de 1
Client: RAKUTEN Media: CLIENTE S/A Date: 10.01.2012 U R L : http://www.clientesa.com.

Client: RAKUTEN Media: CLIENTE S/A Date: 10.01.2012

URL: http://www.clientesa.com. br/estatisticas/47925/baixo indice do uso dedispositivos moveis para compras online/Ler.aspx

Baixo índice do uso de dispositivos móveis para compras on-line

Má experiência de compra é o principal motivo para não comprar por m- commerce, aponta estudo01/10/2012 12:12 A Rakuten, especializada em e-marketplace global, divulgou estudo sobre as tendências de compras através de dispositivos móveis. De acordo com o levantamento, os países do Sudeste Asiático são quase duas vezes mais propensos que seus colegas ocidentais a fazer compras através de dispositivos móveis, com 15% de indonésios e 13% de tailandeses felizes em comprar através de seus aparelhos, em comparação com apenas 8% dos norte- americanos, 8% dos britânicos e 9% dos brasileiros.

No âmbito global, a principal motivação para comprar através de um PC ou notebook em vez de um dispositivo móvel foi a percepção de uma experiência de compra inferior no móvel, com pouco menos da metade de todos os entrevistados em cada país citando este como o principal motivo para fazer compras utilizando seus notebooks. Na Europa, por exemplo, os britânicos foram os mais preocupados com a segurança móvel, com 27% dos entrevistados afirmando que esta era a sua maior preocupação em m- commerce, em comparação com 20% dos brasileiros e apenas 14% dos italianos e japoneses.

De acordo com a pesquisa, os tablets foram anunciados como um fator decisivo a favor do m-commerce, permitindo uma experiência de navegação mais rica e semelhante a um PC. No entanto, apesar do crescimento nas vendas deste dispositivo na Europa Ocidental, com aumento de 142% ao ano no primeiro semestre de 2012 de acordo com pesquisa da GFK, a Tailândia despontou na adoção de tablet para e-commerce, com 35% utilizando o tablets para compras, comparado ao mercado Europeu com taxas mais próximas, a Itália, com 18% e na América do Sul, o Brasil, com 15%.