Você está na página 1de 2

A viagem

Era uma vez uma hemácia muito pequenina que andava a passear com os seus pais e a sua

irmã, quando o pai disse:

- Família, agora estamos no sítio mais importante, o coração. É aqui que vai começar a nossa

viagem.

- Tens o dióxido de carbono, filha? - perguntou a mãe.

- Tenho sim -respondeu a irmã mais velha.

- Por que é que vocês têm dióxido de carbono e eu não? – perguntou a hemáciazinha.

- Eu já te explico, agora segura-te à tua irmã porque vamos passar para o ventrículo direito

– advertiu o pai.

- Uaaah!

- Ufa, já está – disse a mãe.

- Bom, respondendo à tua pergunta: nós temos dióxido de carbono para o levarmos aos

pulmões que por sua vez o trocarão por oxigénio. Depois levamos o oxigénio às células e em troca

recebemos dióxido de carbono e é sempre assim. Quanto à tua outra pergunta, nós levamos dióxido

de carbono porque somos crescidos e tu não porque ainda és pequena – explicou o pai.

- Ah! Agora já percebi. – sorriu a filha mais nova.

- Olhem, agora vamos sair pela artéria pulmonar – mostrou a mãe.

E assim a família foi percorrendo a artéria pulmonar até aos pulmões.

Quando chegaram aos pulmões a hemáciazinha viu os pais e a irmã a deixarem o dióxido de

carbono e a receberem oxigénio nos vasos capilares, passando para a veia pulmonar. Na veia

pulmonar a família de hemácias encontrou dois micróbios, mas os glóbulos brancos trataram deles.

Escorregaram pela aurícula esquerda até ao coração e só aí é que tiveram tempo de

respirar, pois foi tudo muito rápido. Fizeram pontaria ao ventrículo esquerdo e saíram pela artéria

aorta.

Na artéria aorta aconteceu uma coisa que a hemáciazinha não percebeu. Os pais e a irmã

começaram a andar mais depressa porque o coração estava a bombear o sangue a uma velocidade

alucinante.

Quando a família chegou aos vasos capilares a hemáciazinha viu os pais e a irmã a darem

oxigénio e a receberem dióxido de carbono, e viu também a respiração celular. Enquanto percorria

a veia cava inferior a família dividiu-se. Os pais foram para a veia cava superior e as filhas ficaram
na veia cava inferior. Ao princípio ficaram preocupadas, mas voltaram a encontrar os pais no

ventrículo direito.

-Bem a nossa viagem não termina aqui! Vamos fazer isto sempre, porque fazemos parte do

ciclo do sangue – avisou o pai.

As pequenas hemácias ficaram contentes porque aquele tinha sido o dia mais feliz das suas

vidas.

Tiago Carmo 6ºC Nº20