Você está na página 1de 1

Kant e a Metafsica

[...] A que se deve o fato de no se ter podido aqui [na metafsica] encontrar ainda o caminho seguro da cincia? porventura impossvel? Pois de onde a natureza inculcou em nossa razo a aspirao incansvel de rastre-lo como um de seus interesses mais importantes? Mais ainda, quo pouco motivo temos para confiar em nossa razo quando no s nos abandona num dos aspectos mais importantes da nossa nsia de saber, mas ainda nos entretm com simulaes e por fim nos ludibria! Ou ento s ter sido errado at agora? Em que indcios podemos nos apoiar para esperarmos ser, numa renovada tentativa, mais felizes do que outros o foram at agora?

[...] At agora se sups que todo o nosso conhecimento tinha que se regular pelos objetos; porm todas as tentativas de, mediante conceitos, estabelecer algo a priori sobre os mesmos, atravs do que ampliaria o nosso conhecimento, fracassaram sob esta pressuposio. Por isso tente-se ver uma vez se no progredimos melhor nas tarefas da Metafsica admitindo que os objetos tm que se regular pelo nosso conhecimento, o que concorda melhor com a requerida possibilidade de um conhecimento a priori dos objetos que deve estabelecer algo sobre os mesmos antes de nos serem dados. O mesmo aconteceu com os primeiros pensamentos de Coprnico que, depois das coisas no quererem andar muito bem com a explicao dos movimentos celestes admitindo-se que todo o exrcito de astros girava em torno do espectador, tentou ver se no seria melhor que o espectador se movesse em torno dos astros, deixando estes em paz. Na Metafsica pode-se ento tentar algo similar no que diz respeito intuio dos objetos. Se a intuio tivesse que se regular pela natureza dos objetos, no vejo como se poderia saber algo a priori a respeito da ltima; se porm o objeto (como objeto dos sentidos) se regula pela natureza de nossa faculdade de intuio, posso ento representar-me muito bem essa possibilidade.

(Emmanuel Kant, Crtica da Razo Pura. Trad. Valrio Rohden e Udo Moosburguer. "Os Pensadores". Abril S.A. Cultural, So Paulo, 1979 2? edio, 1983.)