Você está na página 1de 5

Acertando o passo [Formação de times]

Fotos Ignácio costa

Não é fácil,
mas vale a pena
n Sandra Mara

“Q
uando se forma um time a produti- profissionalismo e criam as estratégias corre-
Algumas
vidade se amplia, a qualidade atinge tas. Márcio acredita que a base desse sucesso
empresas níveis de excelência, a criatividade se tem sido o time que conseguiu formar.
estão multiplica e a satisfação no trabalho torna-se re- Esse time afinado do Supermercado Guarim
alidade”. Essa frase do supermercadista Márcio não se fez sozinho. Márcio explica que nem
conseguindo Guarim resume em poucas palavras a importân- sempre foi assim. Tudo começou há cerca de
formar times cia de se formarem times nas empresas. Ele é dois anos, quando os quatro irmãos percebe-
um dos quatro proprietários do Supermercados ram que havia muitos problemas com a equipe
de verdade Guarim, uma pequena empresa de origem fami- da empresa e que eles sozinhos não dariam
e já colhem liar, com quatro lojas de quatro check outs em conta de resolver. “Ficávamos apagando incên-
média e cerca de 150 funcionários. dios todos os dias e então percebemos que
excelentes
É uma empresa que, apesar de pequena, deveríamos agir na raiz do problema”, conta.
resultados. está dando um show de bola na vizinhança
Confira em que atua e provando que não importa o Ajuda profissional
tamanho da empresa: até mesmo os pequenos Para resolver a situação, Márcio contratou
conseguem inovar e crescer quando agem com uma psicóloga, que criou uma estratégia para

O bom humor e a
cooperação são sinais
de que a empresa
possui times

32 novembro de 2009 Gôndola 33


Acertando o passo [Formação de times]

resolver os problemas com os colaboradores do peão”, diz Márcio. Ele conta que hoje tudo flui
supermercado. Entre as várias ações adotadas muito melhor na empresa, inclusive as vendas.
estavam treinamentos, reuniões, campanhas Com as ações nosso time trabalha afinado e
de valorização do funcionário e até mesmo uma um cobre alguma falha do outro, o trabalho
festa de confraternização do final do ano. Além nas lojas é melhor, o cliente sai satisfeito, as
disso, ela passou a escutar as preocupações e vendas aumentaram e o faturamento também.
problemas de cada um, tanto na esfera profis- “Os resultados compensam o investimento re-
sional, como também na pessoal. “Orientamos alizado”, ensina.
a ela que respondesse rapidamente a todos os
pedidos dos funcionários, mesmo que a respos- Valorização do trabalho
ta fosse negativa”, afirma. A valorização do trabalho foi elemento-
Depois de iniciado esse trabalho, a equipe chave na formação do time do Supermercado
se tornou um verdadeiro time. Márcio conta SJ, que tem sede administrativa e CD, em
que os resultados foram surpreendentes. Me- Contagem, e cinco lojas, sendo duas em Ma-
lhorou o relacionamento entre os colaboradores riana e as outras em Caeté, Barão de Cocais
do escritório e das lojas, os gerentes das dife- e Santa Bárbara. Houve um intenso trabalho
rentes lojas passaram a se comunicar melhor com os profissionais para que todos estives-
O treinamento e ainda funcionários que tinham vontade de sem em sintonia. Confiança, comprometimento
permanente é uma deixar a empresa desistiram e agora pensam e transparência são elementos fundamentais
das ferramentas para a
formação de times nas em fazer carreira dentro da loja. nas relações deste time, “Nossos profissionais
empresas “Considero que hoje somos um time cam- sabem reconhecer a diferença e valor de cada um, e isso é imprescindível para a formação do Liberdade e responsabilidade Em algumas seções
de uma loja, como
time”, explica Sinthya Jácome, diretora de RH Ela conta que não foi fácil formar um time
o açougue por

divulgação
e marketing da empresa. de colaboradores unidos, mas é muito im- exemplo, os times
Segundo ela, é preciso oferecer benefícios portante que todo supermercadista comece permitem aprimorar a
para exigir dedicação do time. “Todo mundo de- a realizar esse trabalho, pois os resultados qualidade, aumentar
a produtividade
seja ter seu trabalho reconhecido e ser recom- positivos são muitos. “Quando formamos um e aperfeiçoar o
pensado por isso. Um dos diferenciais da nossa time, a tendência é de que o funcionário este- atendimento
empresa é que preferimos dar oportunidade de ja cada vez mais satisfeito com seu ambiente
crescimento aos que já estão na empresa. Para de trabalho, assim conseguimos diminuir a
todas as vagas disponíveis, é feito um recru- rotatividade, e o diálogo entre as partes se
tamento interno, dando ao funcionário a opor- torna mais fácil”, acrescenta.
tunidade de participar da seleção. A maioria O Supermercado SJ é formado por um time
dos gerentes começou na empresa, em outros de profissionais que sabem a importância de
cargos, e foi formada lá dentro”, relata. seu papel para o funcionamento da empresa.
Hoje são exatamente 508 funcionários, Todos têm liberdade de se expressar, acesso
divididos nas cinco lojas e na central de dis- às discussões e a colocarem seus pontos de
tribuição. É indispensável o diálogo constante vista. Na verdade, liberdade é a palavra que
entre todas essas partes da empresa, para move nosso time, assim como em qualquer
formar um time unido e coeso. “Como esta- relação, é preciso haver confiança mútua para
mos distribuídos em cinco cidades diferentes, que funcione.
no início, a distância geográfica foi uma preo- Assim como em um time de futebol, os
cupação para a formação desse time, porém funcionários do Supermercado SJ recebem trei-
a constante transição de funcionários do de- namento constantemente, pois a empresa obje-
partamento de RH, entre todas as lojas, e um tiva formar funcionários empreendedores e com
contínuo diálogo claro e preciso com todos capacidade de decisão. Muitos desses colabora-
os departamentos de cada loja, conseguimos dores receberam treinamento através do curso
driblar esse empecilho”, conta. Gestão Nota 10, que a AMIS realiza em diversas

34 novembro de 2009 Gôndola 35


Acertando o passo [Formação de times]

cidades mineiras. “Os resultados do G10 são colaboradores. “Os líderes precisam também
imediatos. Eles voltam para as lojas cheios de respeitar e reconhecer as qualidades de seus
ideias para pôr em prática, e querendo realmen- colaboradores, do contrário nunca serão um
te fazer parte de um grande time”, ressalta. time verdadeiro”, salienta.
O líder deve ainda agir como se fosse um
Processo em construção grande treinador de futebol e extrair o que o
Para Érika Francisca, gerente de recursos seu colaborador tem de melhor. “Não adianta
humanos do Bretas, maior empresa super- colocar um zagueiro no ataque, assim como
mercadista de Minas, e sexta do País, com não será proveitoso para a empresa colocar um
cerca de 10 mil empregados, o desafio é pessoa com característica de ficar na retaguar-
permanente. “A formação de times é um pro- da para trabalhar no chão de loja”, exemplifica.
cesso contínuo e nunca totalmente finalizado Além disso, é necessário reconhecer que cada
em uma empresa de grande porte”, explica. um tem a sua função dentro da empresa, e ela
“Nosso time precisa de treinamento diário, é importante para o bom andamento do todo.
pois, como a maioria é ainda muito jovem, Érika mais uma vez reconhece que o tra-
tem muita vontade de vencer, energia, inteli- balho para tornar o time unido não é fácil. “É
gência e capacidade, mas não sabe canalizar muito grande o desafio de manter o time unido,
todas essas qualidades”, afirma. mas temos feito um trabalho intenso e os resul-
Boa parte do trabalho para a formação de tados têm sido proveitosos”, reforça. Uma das
Os times brasileiros times no Bretas passa pela conscientização estratégias da empresa é realizar treinamentos
de vôlei são bons
exemplos de como se dos líderes das equipes e da identificação das voltados, principalmente para as lideranças, e
formam campeões potencialidades de cada um dos milhares de reuniões quinzenais com todos os diretores,

36 novembro de 2009
Acertando o passo [Formação de times]

O colaborador Ao todo, a Cônsul tem 535 colaboradores,


que integra times distribuídos em três lojas, e para que o time
normalmente está mais
bem preparado para fique sempre unido existe a preocupação com
atender o consumidor o bem-estar do empregado, com a manutenção
de um ambiente saudável para se trabalhar e
com a alimentação dos colaboradores. Além
de sorteio de prêmio aos funcionários que cum-
prem as metas de vendas.
Ele aconselha ao supermercadista que ain-
da não conseguiu transformar sua equipe num
grande time a fazer um processo de seleção
adequado, admitindo somente pessoas que
tenham vontade de trabalhar no varejo. Além
disso, deve capacitar continuamente todos os
níveis da empresa, para que se tornem mem-
bros de um verdadeiro time.

Não é fácil
De acordo com William Caldas, consultor
e palestrante de empresas, o time se compro-
mete com o objetivo comum e os resultados
da empresa. Já a equipe é um agrupamento de
pessoas que não enxerga o objetivo comum,
vê apenas o resultado individual. “Um time
tem senso de cobertura, ou seja, as pessoas
compartilham a liderança do próprio grupo e um
caminho comum”, explica.
O consultor diz ainda que os supermerca-
distas devem trabalhar para ter um time ven-
cedor. Comparando com um time de futebol,
um supermercado precisa ter as pessoas do
ataque, ou seja, aqueles que marcam gols
no atendimento, superam expectativas dos

que têm a missão de desdobrar as informa- têm o mesmo ideal, contudo os recém-admiti-
ções, metas e diretrizes da empresa para todos dos ainda se caracterizam como equipe.
os funcionários. “Os novatos ainda precisam se adaptar ao
time, mas isso é normal, e com a preparação
Um desafio a vencer e o treinamento eles vão se alinhando à visão
A Cooperativa de Consumo dos Empregados de time”, disse. Ele explica que os funcionários
da Usiminas (Consul), com sede em Ipatinga mais antigos já se comportam como um ver-
(MG), ainda tem um desafio a vencer. Segundo dadeiro time, pois passaram por um processo
Divaldo Pires Guerra, diretor administrativo e educacional e formação profissional dentro da
financeiro da Consul, os funcionários com mais empresa, por meio de reuniões, treinamentos e
tempo na organização já formam um time e acompanhamento pessoal.

38 novembro de 2009
Acertando o passo [Formação de times]

clientes. Precisam ter camisas 10, aqueles te saber seus pontos mais fortes. “Quando o Segundo ela, para que uma empresa for- Mas para criar um time vencedor é neces-
que observam e distribuem o jogo de forma chefe foca apenas naquilo que a equipe não me uma grande equipe, é fundamental que o sário ainda ter bons colaboradores. “A forma-
harmônica. “Os camisas 10 são aqueles pro- faz, com certeza a própria liderança coopera líder aja como um bom treinador. Cabe ao líder ção do time precisa de pessoas dispostas a co-
fissionais que chamam a responsabilidade de para a destruição do time”, ressalta. formar o time, assim como cada membro se laborar, que sejam competentes, que consigam
jogar e ao mesmo tempo liderar o grupo, sen- responsabilizar por sua parte. Trabalhar o lado enxergar além do óbvio, que saibam questionar,
do capitães dentro do time”, compara. Esquema de jogo emocional dos colaboradores é um dos desa- que gostem de trabalhar com outras pessoas,
Ele ainda completa que o time precisa O supermercadista deve saber ainda que o fios do líder. As pessoas precisam de espaço que não sejam vaidosas e que saibam acima de Saiba mais
ter uma boa defesa, no supermercado são esquema de jogo e a cara do time vão se for- para falar de suas dificuldades, você já deve ter tudo compartilhar o aprendizado e as experiên- Supermercado Consul:
representados pelos estoquistas, pessoal de mando aos poucos. Neste momento, o papel ouvido: “meu chefe nunca me ouve”. cias com os colegas”, ensina. (31) 3824-5219
serviços gerais, seguranças e todo o pessoal do técnico, ou melhor do gestor, é fundamen- Por isso, as empresas acabam perdendo Bárbara avisa que o supermercadista que Supermercado Bretas:
que dá o suporte ao time, prestando atenção tal para tornar o time vencedor ou perdedor. excelentes profissionais. “Outro desafio do líder investir nos seus nos funcionários terá retorno, (31) 3399-3602

onde o jogo não está coordenado. “Times de alto desempenho são formados é aprender a tratar os problemas como time e mas não de forma imediata, pois a formação Supermercado SJ:
(31) 3911-5840
Formar um time vencedor não é tarefa por pessoas com alto nível de conhecimen- não como problemas pessoais. O que nos leva de um time não é tarefa fácil. “Com o tempo,
Supermercado Guarim:
Em times bem fácil, admite igualmente o consultor, mas o to”, ressalta William. Para produzir grandes a compreender que o convívio e o relaciona- observam-se comportamentos mais maduros, (31) 3283-4949
preparados, um supermercadista necessita conhecer profun- resultados é necessário que a empresa invista mento interpessoal são tão importantes quanto profissionais motivados, com auto-confiança,
colaborador está William Caldas:
sempre pronto para damente cada um do time. Seus sonhos, an- pesado na identificação de pessoas talentosas a realização de uma tarefa, uma vez que as mais preparados e dispostos a desenvolver as (31) 9731-8401
ajudar o outro gústias, medos, expectativas, e principalmen- no mercado. pessoas produzem mais quando estão satisfei- tarefas, repercutindo na satisfação do cliente e Bárbara Praxedes:
Além disso, deve pensar também no retor- tas e acabam por atingir o resultado definido com resultados muito positivos para a empre- (31) 2122-0500

no que o time vai ter, afinal de contas todos pela organização”, completa. sa”, finaliza. n
sabem que profissionais de grandes times são
muito bem-remunerados. “Existem empresas
que perdem talentos maravilhosos, simples-
mente por querer alto desempenho com pouco
retorno a estes profissionais”, afirma.
Por isso, sugere que a empresa tenha a fa-
ma de que é a que melhor remunera, pois desta
forma ela naturalmente atrairá os melhores do
mercado. Quando a empresa é reconhecida
pelo mercado como a que pior remunera, na-
turalmente ela atrairá profissionais que outras
empresas não querem contratar, e os que não
produzem resultados expressivos.

Harmonia
Para Bárbara Praxedes, psicóloga, coorde-
nadora de Recursos Humanos da AMIS, numa
equipe, os profissionais preferem se calar para
evitar conflitos e confrontos diretos. Já num
time, os profissionais sabem separar o lado
pessoal do profissional, ao discordar de um
ponto de vista, mas fazem isso em harmonia.
“No time, as pessoas colaboram e se dispõem
a fazer o trabalho do outro, quando necessário.
Na equipe, os membros assumem uma postura
defensiva para não colocar em risco sua ima-
gem”, acrescenta.

40 novembro de 2009