Você está na página 1de 134
COLECAO TEORIA E HISTORIA | Sumario Cosco Editor: { José Ava Moises José César A. Gnaceaint Paulo Sie i Sed Hirano Vistor Knol Apresentasio, a ae PARTE I: PROBLEMAS TEORICOS E PRATICOS DAS ENQUETES Capa de Introdusdo: & Procura de Alternatvas Metodoligias 1s LOcIg YUTAKA KUME) ©) Captus 41 Definite das Téonicas de Pesquisa coe Cop tea Neti dan Enact Soins 1 Neutralidade Asildpia eNeutralidade Metodolipica 41 soe2e [As Técnicas de Pesquisa como "Teoras em Atos" =.-- 44 ‘A Imposigao de Problemitica do Questionio -.....+ 47 909.08 /Desnves de Comanicago entre Investigadores © Ene Taaac teeistados 2 3-ac0 Principios Morale Politic de Prodogio das Opinites = ° 7 |. Limitagao "Conformista” do Questioniie 8 enn Conteris Poifico das Sondagens de Opiaito e Ui Fase ‘ago Ideolgica de Resultados de Pesquisas Eleitrais 66 spog/ii7et Capitulo I © Process de Batzevita 2 7327 1. Da Entrevista Padronizada A nirvista Nao Dietva | 79 1, Problematizapio da Situagto de Erevistas..----- 82 LL Uso Soviligico da Entrevista Nao-Diretiva a 1982 IV. Captagto de Informagao na Intersegto do Social © do LIVRARIA E EDITORA POLIS LTDA Psicotiaico 8 04135 — R. Caramura, 1196 — (011) 275-7586 | LV. Atengdo Flutuante e Nao-Dirctividade “ 0 Sto Paulo | VE Cotegorizagto e Projesto 88 Trias) 5 me, o8 Eble | Copitulo 1V: Sobrea Enguete Opersria - 108 1, Enguete Operirae Tradgao Socialisia 102 1A Problematica do Questondro de 1880 10s IL. Objetvos Metodogicns eBeitos de Explicagio ».--. 109, IV. Fungo Poltica da Enguete e Reeusos Socioligicos =. 114 V. Altematva em Socilogia do Trabalbo 120 VI. Bxigénias Cientificase Exigéncias Polis 00.002. 124 Conctusio . mw PARTE Il: TEXTOS SELECIONADOS Testo: Opinit Pig nto Exe Pere BOURDIEU 117 Testo 2: Os Doxésotoe — Piere BOURDIEU. “Texto 3: Reflexdes sobre o Uso da Entrevista, Especiamente ‘Nao-Ditetia, e sobre as Pesquisas de Opinito — Liliane KANDEL. 169 Testo 4 Sobre a Uitlizaco da Entvevisia Nao-Dieeiva em Socio logia — Guy MICHELAT cova. ee 191 Texto 5 Sociologia da Ideologia © Enirevsta Nig Dirtva — Sacques MATTRE 213 ‘esto 6 A Concepsto Socialist da Enguete Opeiria — Raniera PANZIERI conve 228 Texto 7: Marx ea Bnguete Operiria ~ Dario VANZARDO 233 ANEXOS Anes 1: Q Questionsrio de 1880 — Karl MARX 9 ‘Anexo 2: Pesquisa sobre a Conseiéncia de Classe — Bruno TREN. "TIN ees 257 Indice Onoméstco 2 283 Ince Reis oon 267 Apresentacao © objetivo da publicagto deste vr & trnar acessvel 20 litor brasileiro interesadoem metodologia das cles sociais um cojunto tk texts rlaivos 4 erfca das tnieas de pesquisa, prinipalmente {hustonaos e enteistas, O-questionamento propesto abrange dois Tiniveraos de pesquisa a) O universs da pesquisa de opinio al somo & pratieada por homens de marketing, peliesogos esoislogos e (b) 0 Universo da enquete opera tal como & pratesvel numa concepe80 rlitante da investiga, ‘Com lag ao primeiro, fram sclcionados cinco texts — ois artigos de Pere Bourdieu, "A Opinizo Pablica mio existe" "Os Doxisofon",” spreseatam elementos de uma ada etica ‘la metodologia da pesquisa de opiniso,expecaimente no contexte ‘la sociloga letra. A erten dslaca carder forgado da cap {aco das opnides © aponta fang Ideologca das sondagens = Os amigos de Liliane Kandel, “Reflexes sobre 0 Uso da Entre ‘int, Especaimente a Nuoireiva, e sobre as Pesquisas de Op ito,” Ge Guy Mishelat, “Sobre s Uuiizagao da Entrevista Nao Dirvtivaem Sovilogin"" ede Jacques Mare, "Sociologia da Ide logit e Entrevista Nao-Diretiva"> so 8 importantes contsibu ‘es sobre uso socolgico das tenicas de entrevista. A refleo “pistemolgica gue estes atigor dewenvolvem mostra toda s com ‘lexidade dor dados obsidos em sitagao de entrevista mareada pela intersego do campo socal ed campo pscalbgico, {Com relagio ao sepundo univers, bibliografia & esassa, De ‘extos foram seleionados: Os artigos de Raniero Panzer, “Concepsdo Socialists da Enguete Operiria”¢ de Dario Lanrarto, "Mars es Enauete Operiie apresentam reflexes sobre a investigagio concreta no coteto 3a tcora e da pritiea do materialise hstrico. A partir de umn tea ‘alia do questions concebido por K- Mark em 1880, pro. Dstt dos autores visa uma atualzagao de um modo de invest {rag junto ao movimento eperiro no capitalismo de hoje. De ‘coro com R Panzer, evar em consieragao, de manera critic, 438 contribuiges da soiologisconvencional€ uma condi neces Sisia para o apefegoamento da engueteoperriaa ser concsbida, Segundo nessa interpreta, como un tipo muito partialar de (s ste textos seleionads conttuem a segunda parte do io. A primeira, de nossa autora, €composta de abseragtesc comentarios relacionadas com o contedo dos textos de referencia, Mais do que tia simples apreentagdo, tatase de uma elaboragio propria co ‘objetivo € principalmente didstic, pelo fato de var a tornar mals explicit a presenga de varias linhas metodoloyieas ou de vires qua ‘ros de referencia no Sein do que € comsiderado pesquisa socolies, ‘Ao acompanharem ov trés grupos de artigos anteriorments citados, ‘4ossoscomentitios ineluem informagtes complementaresproveientes ‘ie outas fontes para compararmos varias Posies © dscutirmes 08 temas princpais. partir da diversidade vigente nao pretendemos chegar'a uma pesgio defini, mio queremos consrair umm medelo Weal de metodotogia cleniica nem divir as diferentes opgdes no cletisma, 0 Capitulo 1, de cariter descrivo, tem como objetivo ume simples defnigao dis principais tenicas dle peaguisae de certas def hips téenieas (por exemplo, questa aberta questa fechada). rat Sede estabilizaro vocabulie minima pars fata a ompreesao © ‘vita cerios malentendidos, A letura do capitulo € ispensivel para ‘Quem jest a par dese vocabolrio, 10 Capitulo 2 acompanha or texts 1 © 2 de Pierre Bouieu. ‘Apresentamos uma selegao de temas metedeloicoerelaconad com problematica do autor © que dizem respeit 8 false teutraliade das ‘enguetes secioligicas: (a) A evtca da nevtrlidade metodoliyica deve ultrapassar a clissca concepedo da newralidade axolpica deseavel ‘ida por Max Weber. (0) Segundo a cpistemologs, cada técnica uma | ‘cori em aos", stg, contém pressupostos tires eelativos a estr tora do abjeto iivestigada, Como se aplia este principio 40 esso da Ueniea do quesionirio de opniaa?(c} Os questionios, mesmo os init "neutos", eontém ma problemitca que €imposta’ as ent ‘stad independentemeate da nua felevinca, o que torna duvide & omparabildade das respostas. (d) Na comunicayso entre investigae ‘dren ¢eatevistados iste sim desnveleutura Ean que metida 0s tsforcos de redigiro ques iondrio em feros familiares solucionam problema? (@) Certas Tespostas moras a eserentipadss frmiladas pos homens simple sho interpreta pelos ccstsas como resposts Policas, 0 que, segundo P. Bourdieu, distonce x inerpetagto de Pro blemas fais come o autoritarisme, (7) Na sua concepgto conveneonal, © questoniriocontém uma limitagao “eonformiste™ que o tora it ‘apar de aprender fendmencs de crse ou de tobliza de opines {g) Os presupostos das sondagens de opinio predxpoery a una ui ‘acho idoligia (tip consensuaist) do resultados, especialmente no apo das pesquisa eleltoras, quando se tata de contribu iusto de ‘lactis, elativo a0 processo de entrevista, 0 Capitulo 3 acompanta a Iotyra'dos textos 31'S de Liliane Kandel, Guy Michelate Taegu Matte, respectvamente. Entre os dneres axpectos do contd, der tacaremos 0s seguintes: (a) Muitas as eritieas metodologias rel renles a0 questoniro, presentadas no capitulo anterior, splican-s também is tenicas de emtensa, especialmente entrevista Mode iva (O) A problematizagio da sivagao de entrevista pode sr feta em teemos psieolgicos(situagao face a face) em termon scilogios (aspectosinstituionas da pesquisa). Criticar a desiualade dav tro fasem situagao de entrevista supe que seja questonada a no-nil tiva das pessoas dos grupos investigaden. Tal aunénci de nit ‘io & condigio sine qua non de clenficidade (c} Es seg ¢ die {ida auto da entrevista no contexto da pesqusssotlogia como Ineo de deseever es modelos cults contdos nas verbullagtes © Gus Slo reeladores de determinadas poses sciais (d) A busca de mo dcos cultrais nas verbalizagies dos entrevstados envolve complexss ‘questdeslebriet reltivas tinersgto do campo sosal edo camo Pricolosico.(e) As contebuigdes freudiana e rogeianalevantadas por MMichelate Martre meracem ser diseatidas de maneia mais pore ns Fizada. Atengdo Mutuante e ntodirevidade mo devem ser conn Aida) Decorentes dos itens precedents, as quests da categrt apo eda pojeyi, que exisem tanto ao nivel das resposts do ete visiados quanto ao nivel das ‘elerpretagdes dos snaistas, merece gums cservagesespectfias. 'O Capitulo 4 coresponde aos textos 6 € 7 de Raniero Pasir e Dario Lancardo sobre a enquete operri. (a) Em primeito gar, fuamos aenqueteoperria no seu cntesto istic, onde ela € it smamenteassociada 8 prics do morimento socialist desde o fim do “Zeulo pasado, (b} Em seguida€ dicullda a problematica do questo. nario na concepyao da engucteoperiria. () Esta problemtica entra “Svcontadigae com a concepgdo convencional ds pesquisa de opinite, ‘Nexplctaimposigo de problemtica nao pode se avaliada neg ‘ements tal como no case do questondrio comum. Pois, na enquele opera, talase de produzir certosesclarecimentos para inetar os spondéntes a superarem as fespostasestereotipadas ea desenvol- ‘erem suas fculdades de observapao efica. Isto supde uma red nig dor abjetvos metodologicose des efeitos de explcagao. Rel (ia atualizagao da engucteopersria como modo de investigagio & ‘cme instumento de trabab poltico junto classe operaria, a pro- posta de R, Panvierl merece ser examinada tanto do ponto de vista do fraraismo como da sacilogin, Qua seriam ax possvescontrbuiges {Te sccologia? () O modo de investgagao derinado da enqueteoperirla. Seria evetualmenteapliciel dentro de uma concepgaoalterativa em Scciologia do rabalbo. ) Finalmente, sto indicada lgumas das ext ‘oncia eda difeuldades reltivas ao equilbro entre 0 lado tenico- "Seni ola poli da inventigagdo. ‘Sem dvidar este kvantamento de temas ¢ de problemas no choga a esgotar 4 iqueza dos textos selecionades. Contando com ‘lla referencias adicionas, nowon comentiros oferecem ao leitor Ua guia a seraproveltads, com a letra simultnea dos textos, para par em questin.0 proprio questionamento soiologico suas impli Encbes polices fato'no ciso da sociologa convencional como. no ‘context da investiga nao conrencional 'Nio prtendemo que a aaligao das t6enicas de pesquisa con- sida nest nro soit Unica posivel ou 4 mas agradével. Em ruptara ‘Com a conotpo buroeriicn on aademicstacomparlliada por mul toe universitrioe e pesguisadores, os argumentos da nossa avaiaclo {aly scam instants para quem jl passou da idade de questonar sua propria praca. Todavia, estamos sonvencdos de que esta aallagio Savao eacontro das preacupagies de muitos estadaatesepesquisadares ‘i clincias scian,particlarmente entre aqules que procuram ca Ihinhos de pesquise fort da facldade:Tivemos oportunidade de pre ‘Star os princi temas abordados no lirroem euros de metodologia ‘seminios organizados em vrias universidades brasliras desde 1975. A ima reeptividade dos alunos eas discussdespromovidas por les consituiram o maior apolo para a realzagaoe a publicaao deste lio [Noseu conjunto, Critica Merodoigicn, Invertigagdo Sociale En quereOperira no € um manval de" Metodose Técnicas de Pesquisa” tem Gum breve de "Metodo Ciena"; € apenas um instromento Sertrabatho ede ellecto para quem utliza questonérios © entrevistas ‘sociologi,ciéncia politics, pesquisa em educagto ou em comics {ete} com cero Feeu ele. ‘leita brasileiro no €convidado a assimilar mais wm textbook de autores strangers. O carter aber das diversas indicagbes meto- ‘Sologicasapresemadas a referencla a problemas encontaveis a co epeto das pesgulsas no Brasil devem inctar 0 leltor a um esforco fnfelectul que tad fem a ver com 9 consumismo cultural 80 qual tanta gente acaba we acoatumand, A refiexso e 2 trea de-experincias em matéria de pesquisa overdo permite, num futuro primo,» elaboragaoe a publiasao de {entor mais desenvlvidos e ais sistematicos sobre a ctca da meto ‘ologt sociolopica, Esperatnos que a nossa Critica Metodolipica con Uribue para estmular a discustioe 4 "imaginaga0 soildgica". spe ‘almente entre estudantese joven pesqusaores. [Nesta 38 edigto sto incorporadas relerénclas a trabalhos mi recentes dando continuidade ao empreendimento(vea, p33). 1" Parte I: Problemas Teéricos e Praticos das Enquetes Introdugao: A Procura de Alternativas Metodolégicas Adliscussto das téenicas de pesquisa socolgica pode apareer, 8 primeira vista, como asuntoestranho: multas vere esas vnieas 580 [presentadas como istrumentos do "Método Cieniic” que fogem a ‘Gualgue erties, Embora sjam ignorads ou despevadas pelos t cos da investigagao cil, tas eieas foram formuladas a es- peito do uso de questiondrios« de entrevsias individuais no contexto {3 anise socioiyies, Nio se trata de negar a necesidade de tls instrument sem os quas a pesquisa soctologiea perdera sua espect ficidade, mas sim de pir em queso concepjao da técnica, soa csirutora interna as condigser de aplicago, varigves segundo o& tipor de populagao © de ast. Tal questionamento desomboea hum dseursdo acerca da price dos soclogos.O tipo de canhect mento social encomendsdo elas burvcracas€condicionado pela ex sencias do mercado, por ceria caracteristicas cultura ¢ pelos ime Fatlvoe de carrera doe investigadores, tendo como cfeito dvestimulat 0 ‘split cleo, a problematzagdo ea teorzagao sem compromisso. A "plicago dos instrament se torna um fim em s Ernest context que ‘chamos Si wm questonamento das tcnicas, prsseguindo um de hate, Jd antigo na histria das iéacias soca, cos elementos gram ‘en fomo do empiricisma, ¢ eventualmente do posivsmo da obser ‘ado, Considerando que a critica Jo empiieisme € indispensvel © ‘oe, cm alguns casos, quando mal dfinda, a mesma efi se torma {im obstdculo veallzagto de investigagtes conreta, achamos neces” Sila uma rdpida apresentacao de sevs principas aspectos que esto fm discus dentro don quai situaremos a nossa propia perspctiva ‘de disessio das enicas de investiga. 6 Nog slimes trinta anos, a invstgagio sosiligcs tem sido ‘dominada, em varios pales. por uma orientagto mitodolgea gue Pr ‘ili as tenias de'medigao das opinies e da ates india ‘oes por melo de questondros.A'maiorquantidade de pesguaas ‘este po abrange as mais dere reas, tas como as comunicages fem massa. a propaganda, a educagio. oe preconceits racists, 0 Melo fabri a setatidade, 0 eonsumo, ete. Todavia, o¢ propioe organ zaores de tas pesqusas — quando dsptem de episitcritico esto ‘lentes da dispersao eda fagueea dor resitadoe, que teizem poucss ‘contributes &cicia social: Maton universitiiosconsideram que 8 pesquisa empiria predominante apresenta uma grande wlidade Pars ‘os eres de empress, os potion, ox propagandist, ete © Pouca ‘levincia para a cllnci, sobreudo quando esta € concebida num Sentide citco. A fraqueza dos resultados cieniicosc © compromiss —eaplcitamente assumido ov ndo — com os "homens do rstema foram os principas alvos dav erteas ao empiricism ta metodo ddascéncne soci. Citas de carter global relatvas a0 empiricism sociléyico foram formbladas por auiores de diferentes escolase partir de die renlespreblemitiess. Entre os mais conhecidos, podemos citar PA, Sorokin e C. Wright Mill no contesto da sociologin americana,’ "T.W. Adorno e outros pensadores da Escola de rant no context 4a scciolopaalema®e, no contexto da sociologia Trancesa, ierre Bourdieu (euja problemitia srk amplamenteapresentada no Capt ‘lo 2) eouttos autores de orentagao marisa althsseriana.® Nao hi espaso, nesta introdugao, para inventariarmos todas as critics proveniente das diveras escola, Simplesmente, destacaremos ‘ois grupos de dias gerais azoavelmente acct. (a) Ectcado oe ef ahistrico ot antilaiico dos procedimentos que petendem ‘aptar a reaidade social partir de uma “fotografia” nstantanen da ‘opinito pablica sem problematizar o que € a opinito publica e sem ‘Ada p.aVtan Vers cles dn“npiene tec! cme MILLS, Wok (2) ADORNO, TW, "Salagn yess emi em La Dip at “{S OUNDIU'T, PRSMERON. Ie CHANBOREDON, 7 CL Meier 4 Se nn, Rr hE can 16 ‘evar em conta as esruturase os morimentos sciais. Quando cons {nuida a partir de dados obtides pr teenies de penis de opiniso os invkiuos. a eepresentasa0 do socal 6 atomiista, individoaista Ov Pricoogizante. A sosiedade chege a er considerada, no limite, con di de individuos, as tdeologas ou a cultura con adigao de op nese comportamentosindviduas ee. Isto impede uma equa oncetuagdo da estutura socal, sdbretado yuan eta tence dat conta das relagdes de classes. (5) A concepedo empresa € também “riticaa peo fato de desprerat a elaboragaotebrica ede superar 8 olservago concebida em moldes positnntas. Os sooo epi tas pretendem constrrteorias nto a partir de problematcas Pre vias, may sim a partir do processamenta de dads de onde devertam sunk os conceitos, a hipoeses eas teriasentendids com goer liagdes de hipiteses empiriamente comprovadss. A ertcn mostra «que todas esas operagdes sempre so aimentadss por uma problems {ica implicit, mits ers ideoligia. Os das pr st 6 nig so ger: bores de concits ede expiagtes. Sempre interémn uta problems ‘ica: Aonivel da observa enquanto momento de obtengo de dado. os empiricistas demonstram uma nila prefrénsia Para a concepyao Pesitista derivada da concep lists da sbservagio. A realidede Social €considerada como realidade natural: trata-se de & decompor fm unidadeselementares, no caso em indsiduos grupos, questi Sulbmetidos& medigdo de certo de seus atributos (opie, atitudes Fenda, idade, ete) A natureza sical envolvene da felagao entre sbservador observado escapa tproblematizaga da stg de obser ‘gio quando esta & eoncebia.em moldes polit, “Apesar-da dvrsidade eda amplitude da clcas de ordens eps temoligics pritica 4 orlentagan empiricista dominante, devemos constalar que, ao conterto socal da atuagao Go sovilogo, existem ‘Pouca alternaasconeretas. A superagto do empiricism no supe pens uma abstrata adesto aes principios gers da erica. Pata se tfetvar al superagdo, € preciso imsginarmos.profundas transfor ‘magies nas instuigdes de pesquisa, nos ineresses aoe quais respon ‘dem, na formagae, nes valores ena mentalidade dos pesqisedores& Finalmente, nos medos de eelagao entre o univers dow inventigadores& ‘os investigados. Entre tantos aspects do problems, poems notat {que a profsionalizagio dos soclogos. —possvel lgitinadelesa omporativa — tende a exigit dles 0 sonhecimento de Ieeicas roth reas que, independentemeate dese fraco valor centiico, € reque- Fido em termos de qualfcagdo profisional para competi o mercado te abalho. Tal requisite tem a vor coma dependencia da sioogin © mais ainda da psiconsocitopia, para con as buroracias eo mundo dos Iegcis em gral. sto consul para reduziro leque das opgoes met ologicss, = inibir as Inovagbesdescomprometidas © 2 semen ‘istincia’entre a pesquisa comvencional © toorizag8o socologiea, ” |o Nowase que o“realsmo profisiona” indus mites pesgusadores ase toymaren meros buocrata, as thos ds quais qualquer esfrgo cee tio parece ser preocupagio Je desermpregados, de marginals, 90 ‘roo ete. Sera inresante investiga come o dominio de wm certo Saber técnica enrjece opensamentoeconformiza os comportaen: {ox Tal to ratramont independents de evetuas fags pl ‘erlcagerl do empltcsmo ou a denécia do compromisso desta vintaghe com sstema vigete s sem dvi um passo Stcessrio, ma se rvelam isatisfatirias quando 00 desembocam um segundo paso ode oma rfleao sobre s istumentos part ules daponies Tal efleao deveiacondri a uma relaborg30, ima modifcagd das nies convenconls mesmo nos contexts is {tucnnais dmtinantes quando o permite. to 6. quando no chee fam ae ponto de serem iteramente "totais" 0 foalitros, tea: tesa reflex devera tember imaginar noes dispositvs de aus Honamento ede inerpreayao da realdade social sem dependénc {fattuctonale de um modo metodologeamentergoroso cultural e poiamente decomprometdo. " ao empircamo foram Tonge demals, até o ponto de se forarem uit Sisto para a investing sobre problemas coneretse elevants Stperar tl osteulo supte que see Tedfiido 0 empiri com ‘uldades para eitaro sors) Sh partir do fim desanor x sever nia formuladas contra 1 ies de vetiyfano oas epee geo no ano ecioplitce ontibulram para despestigir a socoloiaemp- Fe, prnepalmenis 4 norteamercana. © fato se desencadcou em ‘io pases © ampliowse por inermédio da conestagto estodan Truly iva na ce Jy sacar seca A erica entrou hes programas {Ts cursos das unieridads considers com es mai "abertas” 0 ‘nis “areas” Pratt,» metaaogaempieta eco wndents tecnologia de peau tendiam a seem monopolizadas Por instinigese cents da etude echados 3 onda de contestagao € Tgudos co mundo da propaganda, da administra © dos egécios, ‘Em virion estabelecimentos deeming “avangado™ ou “ero chogou-se a uma situagao de rato impasse, laver por insufieéncs ‘t'ahernaas reais a0 bel da organiagao de pesgubas ao nivel da tidtien, A organzagao de pesquisa depende Gas fontes de Snanca ‘neato que, em gurl relutam em apolar grupos de pesauisadoes no Comenconai No plano diatco, vemos ola ave, fequentemente 8 a condenagio do empirichino & ofereida a08alonos em cursos de tmctnologa dade comoyo da graduagho sem que or prfesoes tGnham dingo cuidadonsmcnte em qe sonst 9 propre emp Sono, o que index elon slunor«confndgem empitlioo ober. {acto em gral relarem qualquer tipo de lenin de pesquisa ¢ Nite sonst, quando nio recta em Blco.& soso & con derada como discpline cusencaimentsfumanistca ov polica que mo recs observa ou gueronara realidad coneret, nem constr ou ica hipotses- Org, considerando as dfencias do enino das Inara dita Ydrcae a jeg. pron das tenes as "emp ‘sas; muttosslunorsesentem bate desrentads a0 salem das nveridaie, Sto peso fisofoe ao nivel da manipolgao. ‘as gers psimos pesgulsadors, pore ieapaaes de quale ‘hnerag qc mi sea donde inti, No esi ein eta SSempiio ca condensed do mesos mula vers apresudas nao oercem siternatnar adequadarO mesmo fendmene & obser ‘Enercon comets eens Oy Nk Em ave de pos-graduasto, a inadequada critica ao empircismo com Ani para reforgar,naescahdos temas de tees, as Tondncas l Hints, tupertoreantes ou até megalomaniacas. O estudo dos proble- ‘as sols grtanes 6 desprezadoe «elaboragdo de novos modes de {elacionamento entre mondo académico e mundo real desaparece et ‘quanto preocupacto critica, —~ TNa nossa perspectia,trata-se de crtcar 0 uso das tencas de pesquls, partir de umn conhecimento relativamente aprofundado de Sus mocanismos e nfo a partir da condenagao de um deménio char ‘mado "empiricism". A nego de obseragdo nao deve ser consderada ome sindnima de empiricismo, F preiso entendermos que ete timo apenas uma idelogia particular da abservagao. Celta a deologias / ‘da observagdo, seam elas emplncistas, postistas 00 psiclogstas, ‘no consist'em reeitar too tipo de observagio ou de questionamento Concreto, sempre indispensivel em qualquer pesquisa cieniiea para ‘dar conta do real eventualmente enriquecer a teorla. A efiea do fmpircimo dove ser encarada como exten de um enfoque tenden ‘oso, de um desvo de investiga ou de uma paralsia do raciocinio, Isto ndo pode ser interpretado como recusa em examinar pormenor zadamente a reafidadeconerea eas opnides que se manifestam a res peta dela A cia do empireismo nto deve favorecero deviooporto ‘ue podenias chamar “tworieismo” e que comsiste em um scurso Supergeneralizante. Tal dscurso tira a sua forga de convigdo nao da omprovagio fatal, mas apenas de argomentos simbuliss depen Aentesdossarusdoocutor ara deseavlver crea ao empircismo sem risco de af 4 prior, todos 0s tipos de observagio, € bom lembrarse que, em franets, na tinguagem popular do século XVI, 0 ubstantivo emp 9 rique designava, com conotago pejorativa, os preudomdicas ou eu em reustrareortas correlagdes entre of fates objetivose subjtvos Fandeios, Hoje om da, poderiamos defini o socilogo empirsta como Sm cheparem a explier como a idade, o sexo ou a prfisto deter ‘om tipo de “eurandero socal” que investiga a reaidade sem conhe- fminar alu qual opinito. Meson sem querer, cempincsta€ evade ‘iment treo adequado e sem vigilinsiaebsiemoldyia. Suss cren- fazer depender ov fendmenos sociais de erty caracterstcas ind ‘ss. geralmente ligadas is Mesogias coformistas da ase media dis, Mais do-que resllados das priticas heoligest daw cases funciona no decorrer da pesquisa como erties de avaliagaoe de de> Sica, do Estado © uras Inatuigtes, ax opines aparecem como ‘sie metodoogiea A pesquisa empiricistaconsste apenas na aplea- , [tsibutos escolidos pelos indviduos. Verdadetas tera celacknande ‘Sho de regras de contagem de opinibes ov sentiments ej ftichizagto “pines com Wade, sexo oy profiskodeveriam ser derivades de proble {ko aspect téenicotenta simular es presupostosIdeobgicos que, itcas da ieologia ede suas vaagbes relacionadas com as gerases, tuitt wezes,revelam alguma afinidade com otenocratisme. Apedido ‘sotualidade as clases Soca. Tals problemticas nunca sari abt thos donos do poder os "eurandetossacais” propdem remédhos tc- ‘das apenas nos resultados de enguete.E preciso leva em conta a8 Prt isos © pecsogicos (dpa manipula dat aides) para os males tcorias disponivets para construir modelos explicaivos Oy interpret {octal ca dimensio plies fea ignored tivos a serem estado pr diteros prosedimentos de pes Nata versio "nga", «empinism consste na pretensto de Enquanto instrumento de cbseragao e/ou de questionamento -\ cular einen st as pelgclaorsi ein, Par mn (veremos a distingao no proximo item), a enguetesoiaoyica€ indi Fitts puro, todas a tooraspréviass0 vs ilootas.O ponte de par pensivel para obter a informagio necssiia ao cote dos fatos com a {ada sri ofato brut observado sem medayo de categotias ou de um feoria, Sem imvestigagso conreta,asocioloia no est longe de ser um. ‘corpo febrico pressstene.O que consul uma iusto na medida que, tiscursoHosico ou politic arbiter. Por outro ad, sem proble- Sejam qua Torem as palavras,€ impossivel descreverqualguer objeto fF utcatdrica a soviloga & considerada apenas come enquetee dege Semoinermédio da linguagem,cujs eategorias «cua sitaxe sempre nora em vulgar pesquisa de opinio ou em pesquisa adminisvatia Cimlvem pressupostoscomprometidos com alguma epresentagao de totalmente permeada pelo empiricism e pea ieolopn 9 curt pst ‘dem coltaral, idenigien om teria O empiricism se_apresenta Cosutizadores da pesquisa. O uso de questondri e entrevista mia & ‘oma desprero da conceituagao e da teorizagao em prol de uma “el Snimo de empiricismo quando esas tGenieas, cosideradas como filo" da odseragao dos dados. Nesta aha, a conceituaedo ea teria Incios de captaco de informagao, a ser criticada, © nao como fis em ‘oso pontos de partida da Investigaeto a serem retificadss, ent Ssio submetidas 20 controle metodoligio e subordinadas 4 uma ‘ducides'ov comprovadas pela obsergao, 2s, 40 contro, So os ‘erdadela prveupagio de leer sociayies-O controle metodo {sultados de um “arranj™ de dado coletados. Esta dependénca da | ‘de que'se tata agul pode ser considerado como ua das aspectos a ‘bservago, sempre considerada neueae desprovida de interferéness, ‘gine epistemoloica redfinida por P. Bourdieu" Tal comtole pose ser caracteriada como a “iusto da imaculad percepga, ito onsste, em particular, na evideneagdo dos pressupestos de eoria Ay {ssi segundo o gal seria pos obra pres ol sem tm aton api cada nin ambien dod | sonceitor ou sategris preetstentes ao ato de observa ou de perceber Tones de distoredo, inclusive a distorao inerente 3 distnela cultural Em fermos iis abstraton e de um ponto de vista epistemolgico, © eistonte entre 0 universe acadtmico e 0 mundo das pessoas invest ‘mpircinmo pode sr caracterizado como um tipo de relaglo entre © fdas e que interfere na obtengao dos dados. Além dos aspectos est Sajeltocognoscentee oabjeto de conhecimento na qual osjeto"desa {mente metodoligios, a viglincia eistemoligicaabrange todos 0s ‘arsce"em prol do objeto ov “Tato cujo conhecimeato estaiacontido sspectos da pesquisa (conceltuaao,terizagdo, et) hse proprio, independentemente da intervensao de uma problemi. ‘Voltando aos problemas da formacao de pesqusadores no con “Tal poset supte que permancam confundids 0 cbjeto real 0 obje texto univesitro, podemos dizer que, dentro de uma concepgto do ‘de conhecnent a fepresemtago do primeit. ‘onhesimento que mo sja empitiista nem teoiclt, tl formas (© empircismo "ingénuo' existe 4 1avestiggo socolgica devera combinar a0 menos ie clementon (a) as teoriss scilopeah quando opeequsador pretende, sem problematica preva, descobrir (@) as tdeneas de pesquisa ee) a eplstemologia ou metodaogia geal \[burtr de tim procestamento de dad, “lei” 0 até “iors” ee Formalmente, estes ts elementos constam em qualquer programa. ates pont de vista da scilogia. O procestmento comum con- sue falta mesino €a sua articulaga. As toras Socolgicns nao deve “te ocruzamento de dadosobjetinos ide, sexo, pofisso, renda) © te dadessubjetivos (opines, preferéncas, etc). Teoras constuldas & PartirdesesGados #0 feqientemente dusérias porque se contentam (4) BOURDIEU,Peouto oc 20 a riam ser apresentadas come elementos de cultura geral ou como cole ‘ho de obras dos gonios do pattado, mas sim como problemitcas, ‘Somo font de coneetos ou de hipiesesnecesaris A concepgto de projets de pesquisa relatives a determinadorstsunts cua relevancla {Goll eclentfica provsa ser dsutida. Ax ténlcas de pesquisa no ‘deveram sor ensinadas como feceitas ou Instrumentos neues e intr trosivis, mas sim como dispostves de obtengio de informagio ujas {talidade,hinitagBeseditorges deer ser metodolopicamente con {foladas, A epistemologia no devera se eninada como dsipina em Stem se espesaizar aos mai abstrator problemas, 08, a6, nat ape Fias doconhecimente humano, Tratase de delinear wma epstemelogia propramente sciol6gcs,vllada o contole dos processos de ives- {ago Nesta finfa, 4 metodalogia € considerada como “rama” da “pisemologia que se especalza no controle das tencas de pesgulsa © fi obtengao dow dadoe A epistemologa etabelee a slegdes ou 05 futurasconestuas necestrns e, em asoclagao com a legica, control Soleo dos dado com ot slementos forces, a verfcagao de en lados hipotsticor ea estatrago do conhecimento em elaboragao. Essa pias indcagdes nao resoiem os dileds problemas de deter. fminayo do condo dos curs de Chncias Soias,Todavi,schames ‘ie seria um ponto de pari vlido para a conperagio etre vros Profesor tendo em vista formagae de socilogospesquisadores, Hentro de uma concep global do proceso de investgasio capaz de ‘sitar oempiricsmo,o leorieismo eoutas formas de dsr intelectual [Nas cigncas soca, a dscussdo metodoligica € muito divers ficada: mitasvezes la diz rexpeito& nterpretagho dos dads, 2 com ‘siulizagdo, aor modelos de verifeayao de hipoteses, anise de ‘Ssusadade enrevrlives ou 3 teorizagao em geral O tipo de discus: So qucentendemes prvlegiar no presente ivr de fatoy deren, e, hums certs madi, anterior «tudo que precede: trata sede por em Foo «propria formacio des dow ul como €reaizada na pratica de invesigagh por intermtao de enicasconhecidas como questionies {entrevista Questionaremos os dados © os instramentos que os mol ‘ism, Telosupte que a nevtralidade ou 8 ndo-neutralidade dos mesmas ‘xsjam posts em questio desde o comeyo, ito desde a formulagao ‘do questondrio ov desde a situagdo de enirevista. O po de reflexto Inctodoloics( epstemologics) sue propomos neste nel € indepen. dente da diseussio da construgio ou da verifiagao de hipéteses que incorprant ox dados, mas io’ substitu Uma pereta verifiasno de hipstese concebide segundo a prevalecente Togea da obtengto dos ‘ldo pode estar errada peo simples fat de ado questonar tal lgiea 2 due, no ito da sosiologi, depends doce relaor ¢ representasdes ‘Eclat Aste don dads mplica masa erica dos struments, AO nivel di obtengo do dads, €pontel question os fnstrumentos de ‘osguissdsixand provsramente em abert as qester metosls {eat de maior alcance qu dzem respit natures da interpreta ‘Su da explicagtoem soclesa. we" Na fase de oblengto de dads, noma pesquisa scilic, tudo & sia o objeto investiga, a8 pessoas conetetasmplicadas ee, © frupo de peguaadorescacu sistema de epresemayh tbc del [co propre e por fim, a nics de penis gadas ao sistema de prevents gue emolve raciomatentosnerpessaisecomn ‘orto de simbolos. Na perspectiva osivista (ou fist) dominate {rsccinlogi empirca concepao da observagio €enganadora 0 pustular implicamente, « newrakdade do peasador «da tcica Ulead po le: Na prspectva tia, tal neuralade€ negada em prods na concep nu qual tGnica de pesquisa considerada no Panosocit eno pion do conhecinentgspresetaa como tenes de Felaconamento ou de somuniaeao entre o polo ivenigadr © 0 plo investgedo, amos socilmentedeerminadoe ‘Orelacionamento € visto como comunicagto de informasto num dkerminado expagesocopltic configurado em formas que arm Segundo ss populgie, ov problema ivestgado, sua rlago com 9 rales grupos eistiugbes de pexguits,omitereaes gue et em Shun, te Neste contesto, mae o'que a preciso de qualgur tipo de tretiao,o que importa a portincia dar qucster © ds respons formas a intra ene ox dis poe. Por parte do él snes. {ior bseragho”Eessencaimente um gusstensment A nose at quedionnmento€rmito ais adequada do u's de Sberapto STuando se tata de solo nio-poniist. Certo ators propoem Sew Gmina da obseragto por estar comprometia com 0 fst {Samo em rol do quesGonamento '\ pevcupagio tea relative 4 mod de obtengo de das foi principainente desennovia pela sociloga fenomenoViica «pela s- ‘logs eitca, Na lina da prmeis, Alfred Shut consider que & tnalse da cbservagio do comportamento do outo 6a chave para + ‘ompreensto da mancra come so extabeecidoso dado ds cenclas Souk"! Ac ents de Schutz indica que situs de observagao ‘Smvenconal € unilateral, no 6 diferente do elsehonamento face ‘face que permite wma rel Intrcomunicagto oa eal compreensto {nite os dole parsito:E justament 0 qucstonamento que devena Spear a nilatralidade da observaga do outro aa permit ua Fal 23 ( { Intercomunicagdo. Sem concordasmos com o subjetivsmo paiprio & Sociologia fenomenolgica, que redurarealidade soil ao universo das felagesinterpessais ea sigificagdes que ele tm lugar, parece. nos Jsticada a erica da wnilsteraidage que caraceriza 4 cbservagao oncebida em moldespositnists. A informagio obtida em stuagto ‘nilateralé mals signiicatva das categoras eas representages co tidas no dispositive de eaptagio do que da representayao do universo investigado. Tal ida pode ser exempliieads a0 nivel dos proce ‘mentos de questiondrioe de entrevista, amas ems propria no const uma altemativa a0 nivel da teorzagdo. Por sua vez. ba tetativa de laborar uma socistogis celles eapar de reunir tora e price numa perspectiva de emaneipacio, Jurgen Habermas propoe subaituir ‘bservagao pelo quesionamento enquaita io metodeligio. A pro posta leva em considerario uma base fenomenoligica ao ecard © {Uestionamento como “comnicayio'na qual osbeto que compreende ‘deve introduzir os elementos de sua subjelisidade que sj, de algum ‘modo, controliveis para encontrar seu parceiro no tren imersub Jet e uma possiveeompreensio™ Nocontexto da eluca das convencionas técnica de investgagdo, a superacio da unilateraidade da observagio e 4 compreenso intr Subjetiva sto dois objtivos importantes a seem acangados por ques tionamento. No-entanto, scresentaremos a esta caracerzagio “estonamento fato que este deve levar em conta, no relssionament Tavestigadore plo inigstigado, todos aspects int ttclondlGu comuntacional ive 16 espagesociopalico da pes ula sciologic, asim como o aspect cognitive. 5 ‘A respeit destes linen, para evtarmos certs confusies quanto so uso da palavra "qucsionamento", devemos dstiaguirquato aves ‘de aplicagto: (a) o questionamento da obtengao de dade (B) 0 ques. tionamento das convencionaistsnieas de pesquisa, (0) © questions ‘mento des pressupanos, das caegorase de outos elementos reativos AVisdo do mundo dos scilogos que sto apicadas om gral de mado | impliito, na coneepeto da investigaao, na formulacdo de questo. | niros, et. e(d) 0 questonamentasiolgica enquanto subsite da tservagd. E claro que estes verso nivel $0 relacionados uns com | ‘outros, O questionamento da obtengao de dados englobs v questions ‘mento das éenicase dos pressupostos da prticasociligicse Tar parte {i atnidade metodldyien eeprtemologi que, coma tal, deve com Panharo desenriar de qualquer pesquisa deals. Notes, de pas Sgem, que questonamento de pote & privilegiado em si proprio | ‘riemtacto ditt "sociologareflexiva" que evocaremos no peSximo tem.) ncorporando os tes nes Je questonamentometeoligin anterior mente distinguidos, oquestionamento socolgico(d) pode ser dfindo omo modelo de pesquisa que se apresenta como alternatva citica a0 ‘modelo posits de observagao. Sob constaute controle metodo ‘perando aos ts nivels de questonamento, 0 questonamente soo. logic, dependente de uma problemdtica teria, consiste na invest- ‘zig da fealidade socal por meio de umn sista de pergunias © de Fespostas que circolam dentro'da ede comunicacional que exvolve © Felacionamento entre'o_pslo iavestigador e 0 plo investgade. Tal ‘lnculagao €iterativa até 0 ponta de ae chegar& melhor compreenso fecipmoca posivel. Por sis 0 questionamento no cont todays Sarantist de aniempirismo. E no controle de sa artculagQo com Problematicatorca que tai garantae poder ser enconrades, ‘O questonamento salleta a necesidade dese extabelecer uma Imtercomunicagio enreo pio investipadore » polo investiga, tas também pode ser concebido dentro de una sittagao de autoinvest ‘zag (quando os dis pos sg reumis) e em divers formas de pes ‘tua. agao. Embora nao seja tratado em si proprio, este tema teens Patece no Capital, w ‘Quando indicamos que se deve mante so controle as categorias sda anise uttzadas a apicagao das Wenicas de investiga para se ‘la o sococentrimo dos pesguisadore ¢outras formas de distorgao iWeoligea, elitr pode notar uma semehanga com os prinlpios da seviologia‘reflexva. E preciso definirmos melior tal pronimigade, © uestinamento da atvidade do svilogo foi comer por ‘A. Gouldner como hase de uma "soctologia reflexiva” que sera ung ‘rientagio alternativa no contexto da soolgia cident em ere. Tal orentagao consiste em um tipo de "scilogi da soiloga" por iio do qua osccélogodeveriachegara uma autoconseigncs Je ss rene, dos premupostos des vsio da sovedade ede Sua posto Fespeito da mesma. Crtcando seus preconceits de superioidade, Scctiogo podera rlativizar suas pretenses clasaficaras ou suas interpretagnese estaia em condigio de estabelver unt verdadero. ‘idlogo com o mundo des homens simples. Assim, contibuirseia a bm novo tpe deconecimento social mas ive edescomprometi do ‘que conecimento que prevalese hoje em da, Nao chegaremos ao ponto de considerar 9 nos “questions ‘mento" como um esboga de uma nova sciloyia, Sea ela "reflexive emunecs 2 [eauotess serena se eovcsane “radicalowoutra. Na fase em quese situa nossa refer, tatase de pr tem lc eros mecaninmos soca e cogtves que esio operand m0 {ho das téeicas da soctloglaconveneional. Tal tipo de preecupasio ‘de eritica metedoligiea no nos parece incompatvel com certs ele tment da propor de Gouldner- Todava, la é mais espectia e, Tuer, mais longs» Concordamos com B. Smart quando esree: "A Sociologia reflena deve ir sem dvida,alem da autoconseigneia Gelenda por Gouldner, part tornarse um programa de idaga es mo 38 de Grengas econcltes, mas também de métodos © progesos pelos qusis se fas indagai, sobre erengas — por asin zc, wm [uetionamets das questoes"* (ios nose). ‘Soguitemos una orentago bem proxima a sugerida pla ctagho die Smart sem, todavia, darmos especial destaque 8 nogao de "socio isin refleviva" A orentagio visa aslaborar um programa de critica ‘metodologica ds procedimentos de pesquisa mals usados, especil mente agueles ques do por objetivo 4 indagagao sobre creas ou Heologas. Por exemplo, ao Caplulo 2. acompanhando as criticas feitas por P. Bourdicw a divers estudos sabre 4 questao do "autor {arin day clases inferior", exempliiearemos um tipo de erica metaologeague mona lem do carstr discutive dos procedimentos ‘lizados para aaltaro-autoritrisme”, ocarater idelbgico dos pres Stpostoscontidos na visio de mundo dos estudionos do assunto, Uma Critica smethante¢aplidvel a moitaspesguisas reatvas ao tema da ‘rginalldade social, Trata-se de questonaro tipo de question de {tudes e também, no Capital 3 situagze de entrevista como fonts {de informagio e de oblenyae de dados questonaves. A fala neutra- Tisade das téenicas, a t4-consderagao a distancia socal que existe tive o univers dos pesqusadores o univrso das pessoas entrevs+ {igs es "imposigio de problematic” que resulta dela, assim como o “Ststoentrism do investigadores, sao alguns dos principals temas da itca apreseniados nos textos de-P. Bourdien. Iso consttul um tlelmitado questonamento do modo de invesUgagao, mas ado estamos Sschando que seja uma nova secinogi, v Ampliando as demarcagdes anterirmente apresntadas, deve rmoseslarecer pongo relative A engoete operria discutia no Capi- {up #e nos texon Ge 7. Embors o ualverso de aplicagao sea muito Sierent,€ poset encontrar na dscussdo da engueteoperiria pro (i SMART, BSc, Femme Andie Masi, Za, Rl Se 26 blemas que foram abordados no context ds pesquisa convensinl as adguirem rleo esolugbes diferentes. €wcaso, em particular, joproblema de demarcagio pars com o empiricism e, mai ainda, do [No marxismo contemporineo, no se pode dizer que exsta uma posiao dnica a respeito da investigagto em geral © da invetgagao Socioigicn em particular, Nas universidads aberias a eta corrente de Pensamento form privilegiadas as sbordagenshstria, economics ou Flostica 34a aordagem politica compra riscos matores. Devemos rota qc, muitas vezes, mesino no que se tefere hu histria eco. omiano que &chamado "andlise marsista consist nur iscesi0 “trea interpretago de certos textos clsscor sem problematzagio do Tevantamento © da incorporagao de dads novos relatives situagdes ‘Sonctotas. Em geral, ete lato pode ser apontad como forma de tor ‘hmo. Nos estudosfilses, 0 lerilame & muita vezes formalist © onssteem priilepara dscusso daestutura das obras elascas. Na prea deconhecimento a lgica de investigagao Tot separada da liv ct de apresentagio ela itima se tornou objeto preci da discs Ho académica,O que no quer dizer que ela nao sea importante, Mas, Sem investigagbes novs sem preocupagao dese elaborar novos mos deinvestgagao se pode disetiea forma da apresentagho de sone ‘iment antigo ea eapacdade de dar conta da atuslidade ¢ probe. iaites, ?rincipalmente a partir des ans 60, a0 lado das discustes to ricizantes — ej raz de sero diacutiremos —, comegou 4 dese ‘oherse uma preseupacao de invesigagao soiolgicavltada part & Jndliseconcreta dss stugbes de classe. Tal procupagda constitu uma ‘is possveis posigbes do maraismo a eespeito da vesgaga0 s0co- Tigien, Mas no € a nica, Nio existe posigho undaime 4 pel investgagao em geal e podemos dizer que a plualidade de pontos de vist € maior ainda no que lange invstgasao propriamente socio: logia." E posivel encoatea, hoje em dia, as mals diversas posiges, {ais como (a) A antiga edefinitna condenagho da soiologin, 2 quai seria, por essénca, uma discipline idealista e burguesa destinada combuter 0 materalismn histiric, nia ciencia socal verdad (GA aceitagto quase lrestrita da metodologia de invesigagao emp fia ipicamente norte-americana por pare de socislogs sovticos ou ‘e certossocisogosligudos aos partides comunistasocidenais c) O ‘conhecinento da sociologin como disciplinada pexquisa empirica ‘uj utlidade ¢tnitada ecompardvel 4d demogratin no quadro das revsdesnecessrias a planejamento socialist (d) A procura de uma (9) Ver rt pane as ee mine ss ms BURN saunter Marat Sony Sc eh a NX J seciologia critica insprads em ceros ects de Mars de autores de ‘radio inclectua ferent (prineiplmentefenomensyia, susce tive de conti emancipagao tanto tos pases capitalists quanto tos ples de"sotalima bureriieo Deno de nossa perspsctiva metodoligea, no gueremes enci- minhar a discos no sentido de saber quem € gu nto maraista, Maik “que qoalquer preocupagto de ortodoia ou de alinhamento, 9 que are fanart oa dear ya cepa ie tiagio socopolcs ou pesgulsa-aga) ue ea relevant ano para 8 snaise cine da stuaga da clase operarin quanto para a orien sro de uma pratea de classe no campo indica e/ow alte. Em Heng det pepo ae cna» ich cn mo tima concepeao de enquete devada do quesondrio fomulado Por Ki Manvem 1880." ‘rejentement exquci pelos trios do marxisio e deco hecido ou despre pelo soctlogo, 0 questonéro de K. Mart merece erame tu reavaiagao tanto do ponto de vista do marisa omo do ponta de sta du soccogin, A concepeto de invesigago Seviopolfea que pode result de ta eavlasao demarearseia tanto dn excgese marclogea quanto da buroraicaconcepeto de pesgusa SecilGeca que nrevalsemn hoje em dia. A primeira exquce 8 neces Sidade de gu ao efor de torizagdo unas enguce sobre situagzo ‘alas opel eds outa lasses, Asepundy privileia a enguete “empires em detrimento da torizagao que, quando exis, ratamente onsegue descartar a rpresetagaoideoldgiea dominant consens itt, onde as opines eaptadss atifeialmente se juntam para for tmarim a dita “opinito poblica’. A dupla emarcagto supde, den Tho, aue ea superada a fetichizagao da tora marusta forma cor Cisa ov academies) e, por outro lad, que sea superado 0 chpi Feisno scilopcoe35represenagbesieolgieas implies gue ope ‘am no seo da tvestigagi apesar das deiaragoes de netralldade ede ‘hjtvidade de seus pata, ‘Sem entrrmos usa complbxa discssto sobre o problema da neutralidadee da ubjetividade de diversosprocessos de penguin scl, \, onsideraremos sue a neutralidade inerste © que a objetidade. 6 Sempre rlaia. A nevtaldade € fal ow existe na medida que ‘alguer procedimento se investigagao enol pressuposts teicos€ Dritcosrariveis egunde ev ntresessociopotins que esta em oo ho ato de concer. A objtividade€relativ, ma media que o cone ‘ntento social sempre coniste em aprosimagées sucesias rlacl- ‘ads com perspectvas de mantengao ou de Wansformagio. A passe ‘om de uma aproximagio a outra mio € de tipo aperfigamento ou Pormenorzagio da informasaocoletads, Sempre ete dsiocamentos ruturas de perpectian Certs academics consideram que o quetionirio de Marx & panfledrio ou contro objetvidade ov & neural des questi ‘iron sociligcoscomuns, Be acorto com a abservagdo precedente ‘em nese perspectva nao se tata de procurar instvar ue tal ust hiro € mais ou € menos objetivo ou neuro do que ® duestontio onvencinal. También io queretenapologetizat 0 qutnirio de Mara, nem sogerir que a engueteoperaras en um modo de pesca sto dervado dea sca um remdio para oalual mal esta extent no ‘ei do ents wxih. Spleen gues sea que cada fo de pesquisa tem sews presuposis le es. Os press stor leircos do questoniri convenconal slo. mutas vere ane [aos &representagho atomic a sciiade € na aigho de ind \Niduos) eas ideotois de quem forma ow encomenda » questions. 10s presupostos priticos esto no exercsi do pdt, a masiptagae ou na simples eomercislizagio. Os presupowios tances da engecte opera, tal como € dcutda pels autores tallanoa so inlets na \cora marasta da ute de cases e seus pressposts price se amt lis exizencias do movimento polio. OF das modes de invesisagae, ‘com perapectivas diferentes, endo opstas, consttem das motos de Sprouimacao na itura do eal co objenade eatve. deve er ietodalogicartetecontolada. As eras da ivestiagao conenconal ‘to nos parecem constr dnicopadetodelegtimdade Senta no tuese rolere dneuraliad' tobe Na discuss da engueteopcrria,podemos sugerr que o con bemitca dos socélogos empinistas, sso nao quer dizer sue © Meal seria um tipo de pesquisa sem utiliza de ums determina proble ‘iti, No queremos propor come modelo 2 concepy30 fenonen> logic ingénua, muito tredente entre aquckes que pretendem apicar ntrvistas ndo-dretivas ot metodos amtrpoligios", para desceser ‘univers das pessoas ivestigadas aeanés do gue elas ize, Contras iusto empiricist € preciso reafirmar que & peablematica sempre teste. O que gueremen ericar nis precedente chacragdes ma ¢ ‘stain de uma problemitiea de favestigagio, sempre necesiria mas sim a dissimutagao de problemsticas ieologcamente mareadas ty soccentradas nas formas de representagao do secal das sasses Imétiasou de diferentes elites. Logo, o que ext em jogo ¢& usenci, ree = eovenene 5 BLT. Te goucneno — ORCS por parte don nvestigadores, da auto avatagt da problema eds Interferences totic que neat gar Inca ao vel da fo. Imulyao de ads porgun Em outas pales, 0 que ceed, ‘Shon nose aterpretgd, & fala de “etleridade” tal como 6 “cing pela dit "socolog reflexes mas gue BE0 deve se Lorna {im fim em como js apontanos na now Inrodugao gral. No que tinge mais expect a apo “inponigso da problemitiee © {qutlnesercrcado a anna de elatnmo caltural por parte dos {ivestgador cj imoginagh soilienao tapas os limites do unerso mental de su proprio melo sora Reflexiidadee rela Siomo cultural io duss qusdades nctsaras paiaae iT vest — Enon tad qu de obserag ulate. Tater noe fora daleance de mutts planejadores de pes 1V, Desniveis de comunicasdo entre investigadores enireistados © problema a seguir itimamenteigado a0 prosedente, Reside no eelaclnamento cultural do sociologo e doe homens spies. Eat Tar a inposigto se problematcs, ners agora destacada 4 questo ‘dos desives de comprosnsio nu de comunicagaoobservados naguele relacionament, Em todas a iénias, inclusive as natura, a ertica dos press postosterios do instrumento de obervaglo € indlpensével. Para a ‘Sccologia, conta o mito da neutalidade nbservacional € necesario slcrescenae consideragGes sobre carer soial da aplicagto dos ins- trumentos, que consistem, po fund, uma determinada rela social. Segundo a expresso de P: Bourdieu, as ténicas de pesquisa soil sto ‘Cikenlcas de sociabilidadssocalmente qualifienday”-*) Os pressupos” tos de uma tsnicn de engocte nao remetem apenas Y uma implica Tepresentagdo do objeto soil. A situagzo de colela de dados opina- tivos ou fatuaisenvolve um cerio tipo de socabilidade manifestada no ‘Sonata efetvo dos ivestgadores com ts diversas populages, onde os problemas de comunicagio sto scialmente determinades. Especial- mente, a entrevista (sj ela drgida ou no) cia uma situaglo a ser problematizadn ni metida que a rela ealtevistador/entrevistado ‘og igval para todos. Os details soctoculturais dos entevstados se Imanifetam na lauldade de abstrago ou de casiieagao, 0 que pode {ornar duvidoss uma imediata compara entre elementos do material recolhido, Para srarem a iin segunda a gus as tenga de pesquisa sto “encas de socablidadesoialmentequaliadas", os autores 30 “Meuer de Sociogue recorem uh esto Je Le Schatiman © Strauss sobre a dferenea dos modos de somunicago em fangio das classes socas. Os dos autores estudarem, a partir de enters Srresposis ama situagie de catitoe natural ida pla ppulaglo dena rei do Arkanns no anor 0. Ale de derngas de vocab liso de gramites, fr deta que, sontaramente so lostor de clase mea, o lout de clase poplar no adota tion ponton de sista para desreero sconce, les ints a una perspectva ie deserito visual com trace eapacidade de absrado, de catego taco ou de clasiticago das pessoas. das ages on das iitues frais as eonseghénas da eatatofe A partir deat seh Se, os autores concebem que cada clase stil poss! modos de omunicagto particulates, ‘Quando naoenxersum as diferengs de modos de comunicas2o, 08 investigadoresempirios postulam a exit@nca de wm mod nico, em sera oseu proprie de tipo clase média. Ito € font de dstogio site Idtca ao nivel da stuagho de entrevista e ao nivel de interpretagio dos ‘esultados. No primeiro, a diferenga de mod de comunicagto interfere ‘nv enunciagdo da pergunta por parte do nvestigador, na compresnsto 6b perguntae na formulagao da resposta por parte do respondent Finalmente, na ranserigto da resposta. No segundo aivel, a interpre. ‘ade feta sem lvarem conta as dferengas de modos de comunicagso ‘ecalineitavelmente nos problemas de sococentrismo ou de falta de ‘elaivismo cultural antriormenteapontados. Em ambos os nivel, 2 eutralidade dos procedimentos tenico ests posta om questo, Enmbora raramentesja problematizada nos seus devidestrmos, a iferenga de modos de comnnicagao segundo as clases sempre apa” eee, na prea do soclilogo, quando se tata de forma a pergunas ‘de um questonirio. Mais do que dferengassistemtieas de modes de ‘comunicagio 0 que chama i atengio dos invstgudores seo pencil Imente a iferengas observadas na compreensto das palavts abst ‘as, Uma das principais preocupagtes consist, entao, em "traduzit™ ion" em American ral of Sli, hag VX 9 4 1S 9.3003 Fr ae er dein, es Freer: Conn Sl aia, Sip Pa Noa oe 53 ss palavras abstratas em palaeas mais concretas, ou, mais sind, em palavras mais familiares. Um cacmplo deste ipo de operagto de “tradugto” & dado por {Ledncio Martins Rodrigues quando, para aplica e dsc a ee lips tiana do “autortarismo da classe operria” no contexto brasileieo, formala a pergunta: "Que tipo de governo poderia apressa 9 desen ‘olvimente do pase clevaro nel de ida do pono?" A formlagao ds pergunts € comentada em nota de rodape da seguinte manera “Como seria de se esperar. dado 0 baixo nivel eultral dos entrevi ludos ea difewidade de conceltnago e expresso, as respostas nem sempre foram muito preisss, havendoideniieagto do ipa de govern ‘oma pessoa do goverante. Poder sea objetar que nossa indagagao ‘de certo modo cere eresringe a esala de variagio das respotas 30 luilizar a palavra ‘govern’ e no "regime, sistema police, et. De fato, inhamos pensadoinicialmenteem vizar a segunda foriaula, No centanto, verficamos no preteste do_questondri, que, amide, ox teabathadores mio entendiam seu sigaticado. Assim vendo, optamos pela palaveagorerno, mais familia ede iguficado sufilentemente listicoe vago no uso comum para englobar © sentido do termo "te time’, ct. Na maior parte das yeres, fl impossvel estabelecer Rens nai precisos para tbulagio. Esidentement, ese inconveniente Pode ‘a ser superado caso o fespondonte teste que aptar por altemativas ‘ferecidas de antemao. Contudo, julgames que, asim procedendo, Poderiamosinflaenciar as respstas e que melhor seria deisar a per ‘uta inteiramente aberta,devendo oentrevstador ante pts liters $ responta do entrvistada* ‘Sem diva, a “tradugdo” das palavras abstratas em palavras mais concretas € um procedimentoineitivel, emiboraimpereto, Sun Utlizagto supoe, como faz 0 autor citado, multasprecaugées so nivel ‘da capiasao da resposta A principal delasconsste em anota © con Junto da veralizagao do respondente na gual se trata de detectar © ‘quaeo de refernea que da setido 3 resposta “Ampliando um pouco a discussie do procedimento de “trad: 0", devemos assinalar que no vis pena a obter melhor compre So por parte do entevistado de baixa nivel cultural. A melhor com preensio a partir do "eoneeto™ tem um limite assovindo 8 motivago {do respondente. Nox questiondris ou rteros de entrevista, segundo snrlB AQORIQUES ern «Aids Opa, Bain, (24 RODIIGLES. Lt pnt dered, p 1368 54 Kahne Cannel primeira fang das penguntas consists em “teadurir ‘os objetivosexpoilicos da peaguist numa forma gue os forme cout ‘lve ao respondente com a maxima eetsdade”-> A segunda fang onsite na motivagio do respondente. E preciso no esquecer esas ‘Suan fungdes para obter uma adequada formulagio das persunas Devese "ulizar a lnguagem que comnicasaistatoramente com & respondente menos soisteado e que ao mesmo wmpocita a aparénca ‘Se exagerada simplficagao".® Uma supersimplficacto pode prj ‘Sicara motivagio do respondedor mas sfisticado ao sentir desprezada ‘Sta propria “eapacidade intelectual”. sss rgras de planejamento de pesquisa (concepeto de questo nivios entrevisas), por ites e indispensiveis que sem, no ultra ‘passim o bom senso clementar sempre postulam a exstnela de Um Unico mode de comunicaAo a ser lextiizado para se adaptar ao nivel “Secompreensio ou de motvacae dos respondentes que variaem funea0 ‘Severtacaracteristicay cuter Ems rela com os homens simples, ‘uss caraclerseas sao apreendidas Pele socdlogor de oientagho ‘Shverconal em erm de inferiordade cultural ¢ no nos termos de uma verdaeira dferenga de modes de comunicasao,) ‘Para abter os objetivos correntes da pesquisa de opinigo, & claro ‘que a problematisacao do manos de comunicagio poss apareer aot ‘os ds prticos, como preseupagio de "purist pouco eiciente em termos de rentabildade imedlata. A partir de uma refledo metodo digi sobre ab erghncias da proquisn esecicamentesocilgic, este arsumento nao tem relevant ‘Os femdios que consstem em tornar mais familiar ov mais modivante © vocubulirio dos questioniios no chegam a atingir © entra do problema da relagao ene 0 sociale Hinguagers. O uso dt Tingonger nunea pode sr consderado como neutto porgue, soca mente delerminado, produs siglfcagdesdiferenciadss segundo 05 ‘modes de comusicagao prprie a cada classe ou a cada cirenstanca, Ciayeau © 8. Legros-Bawin resem 9 problema eseresendo: Siporse que a mesma perguntae as reposts propestas (mila cS otha) tem o mesmo sentido para as pessoas interrogadas que S00 ‘Separadas por diferengas de cultura ou de afingo de classe, ignorat {que as linguagens no diferem apenas pela extensdo dese Keo ot pelo grat de abstragao, mas tambem pelo po de problemas que vee lam" A Wale programdtice, podemes sugerit que os problemas (28) CANNEL, CF e KAHN, RL The Domai fens, Sb Ne [28 JAVEAU. C « LEGROS.BAWIN, B., Les Somes ow Quetian, A. De {a comunicagao entre o po investigador eo plo investigado deveriam se recolocados& luz das modernasaquisgdes da socolingdstica, O ‘que ultrapassa a5 nassas stuns prescupayoes, Alm da “tradoga0” dos termes complicados em fermos aparen- lemente mais simples, o plancjadores de pesguise empties imaginary ‘outros procedimentos tenicon para falar a resposta dos ndiduos Inerrogados, Umm dos mais utlizados nos questindtios cosiste ha inclusto de perguntas que ofercem rexpostas pelormuladas, ene as ‘quaiso respondent pode escother.O procedimento€aplied & pet. ‘guns stuns, opintivas, atitudinas, et A sua principal vantagem ‘consste na simplifiagio da codificagio das resposta © 40 procesa ‘mento mecinico ou computacioal. A desvatagem tem a Ver com & *eniualinexanstnidade do equedealternatias proposta e« influen 18 da formulagio das alterativas sabre as exclhas do respondent “Apresentaremos alguns tens de discus relativos a desvant sem. Arantagem de simplicidade tenia tida por evident ‘A questo da etentual inexaustiridade do logue de altrnativas € soloeada por Amaury de Souza da seguinte maneiat "A Tortulagzo de ‘uma pergunta pode induzie uma respost envied pr exemplo, una Detguntafechada pode oferecer um numero insuficiemte ou incompleto ‘dealternativas de resposas. A questio:"Por que or. ressveu lugar a ‘ash onde mora’, seguida das alternativas (a) "O alugusl € bao’, (6) casa €confortivel'e (e) “A vainhanga € bos’, Pade erst uma ‘espsta lendencios justamente por nio ter especificnd alternativas provines do tip: "A casa fea perto do meu trabalho Pela forme da ‘Questo, o entrevisado se vé frgado a esolher ui alternativa que ‘Mo expressaasua real motivagdo™.” Ete tip decolocagio de om senso 6, sem divida, vido para & ‘maioria das perguntas fatuais. Parém, no exemplo eta ja nao fat “escrito simples porque investiga 4 motivagto do suet Quando © objetivo da pergunta se afasa da simples descrgto de ftoe commun © Sirigese para os assuntos motivacionas, opinativos ou. atudinas, podemos consierar que a pelormlago constitu um problema mele. “oligco muito mais complicado do quem ide entrevata retfianel Pela abertra de mais uma alterativa na casa da qual © respondedor poder marca, se quise, mais uma cturisha ‘Além da distorgao por causa da inexaustividade do leque de alternativas, que pode ser corrigida por mio le entrevista nadie (0) SOUZA, A. esp cp tivas ma fase de estudo-piloto,existem tipos de infléncia primi Sodre as escolhas do rexpondente, por exemplo, eordem de apreseh lag das alternativa ow aspect mais “smpitico” da Formule de lgumas elas. Mas existe também um outre tipo de inflvencas mals fundamental que muita veesexcapa 8 atengao dos Planjadores de pesquisa convencional. A preformulagao is resposta, sobretudo ‘quando se tata de assuntos subjetivos, fore as ecothas dos respo fea, Merecem umn tratamentosoeilico para se evideniar 0 eariter Sci do relacionamento de pesqulsa no gual se manifesiam as pos ‘hes representagdes dos iestigadores frente is earactersices cul turais dos investgados. A nto consieragio deste fato constitu na maioria os estudossocblogices empirices, uma profonda Timitagto {ue podemos defini como limitagto de socioenteumento da conker ‘mento social em torno das posites cultura da lite ow das classes focias que estas exprimem no campo cultural da sociedad, Av lado ‘esa Timitaga0 — sem divida a principal —, outras imitagdes cara terizam o uso das tenleas de perquisaempirca em sociloyin. Uma ‘elas, ao nivel da captagao de informagao por melo de questonario de ‘pinia, diz respeito ao prlegiamento da passvidade dos indvduos Stomizadose a ncapacidade de da conta das sitagies de ese, © que ‘xaminaremos agora. Uma outta linitag, relativa as possivels util ‘ages dos resultados de sondage, ser spresentada no tem proxi. ‘Ao conceberem questonaris, os planejadores de pesquisa esto ‘numa situagao paradonal: de um lado, uma das suas preooupactes est ‘ollada para vontade de nio influ sabre as opinies do respondedor «por outro lado, os diversosaspectos da imposigao de problemstica ‘Que vimos anteriormente, Ths permanecem desapercebids, Para duc © questionirio no influence as tespsta, os plancjadores concentra Sus euldados sobre a eliminagto dos efeitos de contamina que PPodem existir na ordem de apresentagto das perguntas, ow sobre formulagto das perpuatas em termes "noutroe” eacesivel™ Ora, esas operagdes no afastam a presenga de wm problemiica etraha ‘do respondedores.O seu unico efeto consiste em rebaiila ao nisl to senso comm oa da banalizagio propria &representagao cotiiana ‘0u familiar. Neste terreno, nada estimula 0 entevistador 4 mabiliza ‘a energia mental propiia a respostas relevantes. A respon, al ‘omo a pergunta estorrega no plano do senso comme, nel, fom femprestadas as imagens, esteretpos ou representagies que slo tals Imedtatamenie acssiveis, quasesugerdce pela perguntas Muites tes posts persunls de opinito om de attude te apresentan como relia fondicionado dependente da ideologia ambiente e estimulado pelo Sina ieoligico que consttl a peeguata.Tsio no revela necessiia. mente que haja profundo apego do sueto para com = opinilo que teanstou na Seqdtncia: pergunta/senso comun/resposta, De acordo como sistema de pergunaslechadas o de miltipla escola, «oping hem precisa ser formulada pelo respondedor. Seu papel € pasiv, {quae smethante ao do animal eujosFellxoscondiciondos so inves {izados em laboratéie. O problema da. sequéncia: pergunta senso ‘comunvFesposta etd ao fato de ue senso comum & sempre domi ‘ado 0 “informado” pls idcologia dominante (ou por certs de seus omponentes moras, Feligioses ou politics). NBo hi, no questions ‘mento habitual, nada que desperte ateneto do enreistado para Superagdo da espeta fl interamente moldada no senso commu. AD sontrio, tudo € feito para asegurar a reprodueo das eviénciae primis, Acnivel das respostas. os membros da lasses populares pode ermanecer no “autortariai ou adert-@ qualquer forma moral ‘Sominante ot acreditarem mito tas com oda “ascens80 soil em ‘gue ito consttua uma cnseiéncia expecta, Na fal de inves {Que mio Gm acesso a que P. Bourdieu chama “contraproblematias {tia surpreendenteencontrar-se um sistema de opnito Independent ‘do senso comm e dt ieologia dominante, Ax “contraproblematicas” ‘elativas vida plies, sexual familia ou educaeional nao sto "scere- {dss expontaneantente pels dversce grupos da populagho. Em pr ‘io lugat,crculam em circulosrestingdos,princtpalmente intel {ua antes de ae difundiem de maneirdesignal em fonpao das pe ticas don grupos [\ tenia de pesqlsa empiricist nao leva em cons ‘oragao as condigoes de produgioe de dfusdo das opaides) Mantendo ‘ov entrevistados na pasvidade do dia-a- din, a coleta de Opinies, tal somo & coneebida pelos planeladores de pews, verifies apenss o "fetes da domiagao ou, em outros lrmos,apreende de modo stan ino certosaspctos da teprodugto sible. A no se em stuago Arsmtia, somo no cato de ma revolts, of indivi entevstdoe fi exquina da rot nao tém motivo especial para emitirem opiniges ‘Contras conformidade e 4 tangdildade ambiente. Das eexpestas ‘hlidasnesas condlgoes io se pode infers muita coisa arespelt des ‘Somportamentor que os individuos seam eapazes de asumir moms Situaglo de eise ot de mobilizagio coltiva, Mesme os dees sindinis ‘ou politics qe tem aceaw #contraproblemstieas soca os polls, Tera ger, exldo em condigdo de produsiropinides morals em uptura com as formas morals que predominamn ha atual sciedade Resumindo, poderiamts dcr que a pasvidade ¢ indvigeaiasio dos entrvitidos que sto conseradas como eondiao de objetvidade ‘ow de comparatlidade, do a0 questionario una limitagho "conser ‘eidora” og “conformisia"- © questionrio £satsatrio para confer {ue idologiadominante domina ou que o status quo € amplamente Fespetado. No entanto,a no separa fins de justifieativa ideale, tai veifieagies 0 de poe relevanla cent pate A timitagio “conformista” das t6nieas de pesquisa comum & apontada no Métir. quando eserevem os autores: "As enguetes sobre as relaghes ene a clases, © mais precsamente sobre o aspecto Polio destanrelaghes, so quase inevtavelmente condenadas a co ‘Shir no desaparecimente dos onfitos de classe por cause dts exgén- ‘as tenfcas 38 quas las enguetes se submetem e que incam a des ‘attar as situagbes deers; por bso, tona-se df captar ou prever as ‘onde que surgrto de ma stung de confit” No seu artigo “A Opinio Pablia mio Exist, P. Hourdiew sdesenvave o problema das pessbilidades de pesquisa em sitagdo de indicande que, em tals eicunstincas, um “elite de pol Teagto™ exige dos indivduos tomadas de Posto a respeto das pi ies dos aiversos grupes em cont. ‘Tratase de um proceso de ‘mobilzagao” das opines que a pesquisa comum no consegue cap tar aa medida que o erterios de amostragem atomizante o ecole mento de opiniesindviduas 0 pracsdimentos de aig das opines ome se todas fossem de mesmo pese aa movimentagao social, enfin todos os pressupostos da engueteempiria induzem ma representagao do objeto social inadequsda 8 realidad PPoderlamos dizer que a repesentago do social induzida pelos pressuposts do empiriiamo & bastante semethante & representagto Juridicoeoligica da democracia, onde todos Um opiniges © Peso ‘gual nas decisbescoletvas, iso 6 uma representagto bastante ass {ada da dura realidade da dominagdo e dos confltos. Como notou 0 jomalistaP. Vianson-Pontd: "As sondage de opinies mio anunciam evolagao™. Em fatima relagdo com a timitagio “conformist” interna 40 procedimento do questioniro de opiaigo,coloa-se uma outs limi ‘io que se relere co context social de sua validadee aes pressupoton Teolgicese pltcos da uiizagio dos resltados, VIL. Contestopaltico das sondagens de opinido e uilizagao ideoogica de resultados de pesquisa elettorais ‘Todas as téenicas de invertigagto empiri, questonétoseentee ‘ists, podem ser questinadas no plano metodolplo e no plano soci logic. A pretensaneutralidads metodolopea& ertebel tanto no Pr meio quanto no sequndo, Além das linitagtesInternas dos proved mentos.€ preciso levar em conta contexto socal no gual sf0 vl ‘aids € que Ihes confere uma certa“validade™ nivel da obtengao de ‘aden e de interpretagio dos resultados. Examinaremos os principis aspects dese problema dentro dos debates ou poémicat que acom- pnham a divlgayio de resltadoe de sondagens,scbretudo no con {exioeletoral.Cantrariamente &opiniao dos porta-vozes das empresas de sondagens, a "validade” sparente € muito relative © estetamente ‘elacionaa ao context ideolgico eplltco da sociedad, (48 VANSON PONTE. Pte nde, 30/91 ut 972 Em verso pases europeus, 0 uso ¢ abuso das sondagens de sopinitona rea poltea deu lugar a importantes debates ea propostas ‘& reguamentagto, No Brasil, durante 0 periodo de campanha cle tonal anterior Av eleiges de novembro de 1978, varios elementos do mesmo debate chegaram ds colunas de jrnais da grande prensa. Nossa inten nto consist, neste quaio, em analisar todos os aspec {ovdeum tl debate, ito exgiia um vo dati. Indicaremes apenas "sarandes inhas do debate, deando pata ulterior artigo uma anise mais pormenoeizadadocaso brasil. Distinguiremos duas ses de observagde: (1) A primeira € rela tiva ao context social da valldade da pesquisa de opin, especi tente no easo da pesquisa clitoral. Al, destacam’se contronesias Sobre o problema de determinagio da amosirae contovrsia sobre 0 trino nivel de informagio dor respondedoves. (2) A segunda série de tservages tratando problema da utlizagao social dos resultados da Soudagem. Este 6, som david, o problema-chave do debate em periodo Drésleitoral. Na poldmica, alguns etiam as sondagens como sendo Innis uma ara que o poder ule para maaipalar 0 letorado a set favor, outos fom na sondagene ta publicag de seus resltados um Jnstrumento da democraci para esclarecer as escolhas. do publico, ‘Veremos que etic, laeza iis adoquada, diz respeto ao tipo de represcntagto da socedade que &veiulada pea sondagem eleitoral spenguiss de pinto publica em eral U) A discus do tamanti eda estratura da amostra das pessoas entrevistedas¢ sempre um de elementos da coatonesia sobre ES sondagens de opin. Mult neve, comtestadores ingénuos ‘Chocam as sondagens por causa da dGvida que tm a respi da ‘epresentatidade de uma amest de 2000 ou S000 pessoas numa pomulago global de dezenas de milhdes de indviducs. Um conheie fento em estaistica, mest superficial, bastaria para afastar a ir ‘ida Outras discusses, mais comple, fazem inerirem logar do {amano da anostao problema dessa estutura. Tratase de saber se 1 omponigio da amostra eo erténios de ponderagio que uliza so Sotsfatrion para represenaeo conjunto da popolagao sem que certs Classes A. BV ow D, certs categoras de sexo ou de dade ou certas Teeides slam sobrerepresntadas em detimento das outras. Exceto fm caso de excepcional faa tenica ou em caso de distorglo mal Jenclonida, achamos que a dscuss20 da amostragem tal como & praticads peias companhias de sondagens uma discusio pouco Prevdutiva, De fate, tecnicamente, o statistics ees especiaists em Computagio dessa companis estdo em condigho de determinar amostras represenatvas com razoSveis margens de confiabilidade, Sein qual fora complesidade da populago global. Sempre existe trios e distrgbes possvels, mas puccemn controlaves © parcaimente felfeiveis. Iso nao quer dizer que as amostas sempre Slam plane jadas com honestidade. como, por exemplo, no cio de pesquisa Telimpago felts por teefone na hora que segue 0 scurse de um ‘homer pico. Decortente do que precede: uma primeira exigenca & respeito da publiagao dos resultados de sondagens consiste na iu ‘opt dtalnada ds enn deamostragem ulead Analidide de uma pesquisa de opinio nao sera problemtica se ‘ados os individuos que compsem a sciedadefosem iguais em termos ‘de scesoinformaga e de capacidade de formular opinites politica ‘Una simples consatagto mostra que a desigualdade & muita grande, Muita gente rica as sondagens pelo fo de adicionarem as opiaibes de pessoas entre as goals nem todas tn verdadeiramente opinifo, por fala de tnformagae."No context eeitoral, onde a8 opnibes invest suas so as intengoes de voto o mesmo argumento consste na const ‘eto do baixo nivel de informagdo de cerascategoias de entrevista dos: mites vezes, nem se conhece a data das eleibes, 0 moto. a tendéncas, os eandidato, ete O que na predispe an pessoas re Ponderem Je manera sensata. No Brasil, no dbate anterior as elt ‘es do J5 de novembro de 1978, Claudio Wiles leitor do Jorma da Tarde, critcos uma sondagem Gallup ulllzande, entre oto, 0 mes ‘mo argument, Segundo el, no inisio da pesgusa (10-15 de seten bro) apenas 20% dos entrevistadon sequersablam gue haveia le independentemente do contextoeeitorl,o mesmo problema de desinformacio existe de maneia variével em fuga das eategoray de assuntos. Mesmo em pases deemvovidos, onde ws meis de eomun gio atingem a maloria da populagso,« nine de infrmagao empl "mente constatado éelatvamente aco sobe oy assunts nacional ¢ ‘muito fraco sobre os assuntos de politica exterior Not EUA, una Pesquisa feitaem 1949 mostrou que 30% da populagao nonce nha ‘vido Tolar de problemas de politica exterior. 48% fhm uma vag represenlagho e apenas 25% dispunha de um randval nivel de ior: © problema da desinformasio do piblico &diferencado segundo clasts (os pobres nao tém acesio informa © 4 eulture) Segundo os sexox: as mulheres sBo consideradts como menos infor (35) MARKEL, t. pubic Option and Foreign Poy, Nove trav, 193 singe srortar. 5: SanB9% SadisOpte i,F sadas do gue os homens sobee os asunts de interes gra so se Imanfsta mov nn de indessto observes pela prporgto &e mio ‘Rapostas nos questions. Embore sea dependents dos ssunton do Suenonirin, apropongio doko reposts vari mn ung do sexo da peso entering em mais de day vee Asim, as pergunias Que {hlém ene os homens Se de nioespouts ote ete se mulheres 4e 10 4 20% de nioespestan, Quan ov homens alo Tpons ‘numa proporee de 10, 20. 30%, x propor de ato respota a simulhres pana rexpectvamente Je30 2 Wy de 30 Sb de 50 hv (Estas etimativan foram cleladas & parti de wndagons ral ‘das na Europa) ‘De modo geal falta de infrmagto pode serum argumento de peso para eritcer a valida dat sondagent de epinito oy carer Towcado" de sua interpreta. Exe problema €squacionado por P. Bourdieu como fata de competéncn dos enrevisadon em at ‘lar fata de ompetela pea pare rexponderem policamente & Sma peunta politica” Iapiadoe por uma concopto semclant, Le"Ster'e'A. Cauqueln consieram gue, a base de desnfrmagso sigente,«posquisa por guerGonario nto €apenar ura tics de stro ou de coleta de opines ela desempena oma Tango sta 9a Prope formagho da apni. O objetivo da sondagem consist co Formula inormlado,toraatexpto © pie, corporat epinit informal” Tratase de formulaguo ou de expisagao pede {Srminada pels eategoris, pels presupostos, efi, ela problems tea do questonérive daguces qu oencomendaram. Ox reside do tas pesquisa so uilladas come infornagio ns mevanismes do rer pata fins eleptimizago osu pls. (9) Tom deciisia por PDs si 1 «2.0 br mine ‘mesma problemi loon ue ume cm pao de een sir ¢8 ‘Teplice ess gee Dena sui am sta ee 3 {eto lugocom npretiner tiger dn a ska pe de ‘cece: epee eases O ona compbne ie ai ‘Regaesansere"A ses pntei tes pac com sses ttn cp 7G) SPEA. Le sCAUQUELI, A "La Communion Pig em Dae ara se evitar cota exteapolagbes, parece-nosnecesirio refrir ‘ste tipo de ertca ap questionrio de opinigo sobre assuntos eat ‘amente complexes. Nao se aplica 4 cerassondagonseleitoras radi ‘mentares onde bse rata de simular ocomportamento clitoral. A res peito da simples intengdo de voto, 0 problema pode ser colocado de ‘mancra sensvelmente diferente. Pos sabe-se que a falta de informa. 0, a falta de competéncia pola, a alts de inteente ou de mobi Tzacto podem indicar que as pessoas irto opinar oa volar de mancira ‘adicional.seguindo a simples reproduclo do sistema, AS respostas de onteido “ple” podem Indiar que pessoa, sobretudo em reides furaise afastadas, nto dispie de Informagao e de ums problemdtiea {que permitam uma rutura com os comporlamentos anteriores. E neces Siriofazerse uma dstingao entre a pesquisa scilipca (baseada em tum medeloLedrico e ullizando diverse tenons), 2 pesquisa de opi hide (téenica de coeta de opines indiiduais por meio de sondagens © ‘pesquisa clitoral (pesquisa de opinio restringida a coleta de inten ‘pes de voto) De acordo com tal dstingze. achamos que nto se pode alicar 2 pesquisa eletoral de no ser tho aprfundads quanto sms esquitasociolopies. Para um objetivo timitado, tal em aintengao de ‘oto, a imposito de problemitia kitoral ea desinformagto ger 80 ‘chegam a ser necessariamente clementes que invalidam os resultados. ois, nao ter opinido € também uma opinito, Todas as erticas que enfaizam a imposigao de problemi eseus efeitos de “enatamento™ fu de “corportiayae” de opinibes nao formadas nos parecem mais ‘ilidas quando se apicam a pesquisas mais ambiciosas do que simples levantamentos clitoris, por exemplo nas pesqusas de opto, even- ‘almente eleioris, mas de Abita superior A simples anteiparao dor resultados, como no caso de pesquisas sobre a representagao da vida politica. As ertcas sto mals importantes ainda quando se apicam @ Pesquisas sociologcas de pretnsao ciemifia, como no caso dos est tds sobre a “margialidade”, a "partipagio™ ou 0 (as claces “inferiores (2) Atém dos argumentos sobre « amostragem, sobre a desin formagio ou a incompeténia dos entrvistades. os contstadores de Sonidagens contram a sua erica na fongdo tein! ov politica que tis procedimentes ego eercendo nas “democracias ocidentais"s A res Peito de tal fongd0, os argumentos sto de dferentes natureras! uns _Enfatim a utizagto joralistica das sondagens, outros 0 carter ‘cult ds organizagio das sondagens ov o crater antidemocratico de Sua ulizagio,outos ainda destacary uma mistiieago mats profunds, {um ipo de isto de democracia, Por sua vez, os administradores ¢ ‘vogsdor” das companhias de sondagens contra-argumentam Por meio de um sistema de defesatecnocriticacujos principals sepectos Serlo apontados depots de termes apresentado os argumentos erie 7% Segundo P. Bourdieu, a apresentagsojornalistics dos resultados de sondagens se Tornou, na Franca, como também em outos pases ‘ccidentais, ui instramento politico para dissimula as fora em Pre $Sengae conta legitimieaeao da politica do governoy A eiminag30 ‘das ndo-espostas, em particular, produz um “eleito de consenso™ a0 ‘Sar uma isto de maria absolta,JO mesmo arifici é wtiizado na Spresentagio dos resultados de escrutniosefetives quando os Volos brancos ou ulos sto descontados. Nas pesquisaseleltarals, quando © partido X obtém 38% das preferéncias,o partido Y obtém 20% e que 55% dos cletores ainda esta sem opinio, a apresentagiojoralisics ‘roseiramente paridinia da tendancia X consiste em publicar que 0 Partdo.X vee’ partido ¥ numa proporgio de 3,5% contra 40.5%, Slog eliminando os "indecisos. Mas isto constitu um casorlimite de fel critica. Existem aspectos menos evidentes. ‘O centro da debate publica consiste em saber se pubicagso dos resultado de sondagens clitoris antes da data das lege infuencia ‘ comportamento dos elitores. E em que sentido? Considera-se que & Femtuncia da publicagao das sondagens é um clemento entre outos pols, ainfluéneia précetoraldispe de diversos meio de propaganda fos partidos, dos candidatos, dos grupos de presio, de discursos de presidentes aa véspera do voto, etc. A influéncia das sondagens & ‘arvel em Tungto do tipo de divulgagio, A. divugagao resin a0 Tinanciador da pesquisa constite um intrumento pivado que os di [getes politicos uta para o planejamento das campanhas elitoras ‘0 deseneadeamento de oensivas ideolgicas em dire de cetas ‘lasses da sviedade. Considerando-se prego elevado das pesquisa de ‘pini, somente os partidos que dispdem de recursos importantes eos Ihomens do gorerno podem wilizaro resultado de tals pesgulsas. Por isso, 2 publcagaa testingida apenas aos clientes das instuigdes de pesguisa goralmente considerada como antidemocttica ¢ sempre [Evorinel aos mais poderosoe Quando » pesquiks¢ feta + pedo de tm jornal que publice or revlados, em geral com 0 abjtive de au- mentar sua tiragem, comiderase que a fangto da sondagem € mais ‘emocrdtiea, Pos todos os partidos e tendEncase fodos os eleltres ‘esto, dv absraco, em condoesiguas diante da informagtodispont ‘el todos podem wlan da melhor manera possve. © que constitu ‘ertamente uma isto de iberalismo Podemos imaginar que a iafuencia absoluta, apreensivel pelo ‘nimeredeelatores que mudam de intengto de voto ap a publiagao ‘dos resultados de sondagens, ej edurida. No entant, esta inflyencia Emwito mai importante em termes relatives, sobretudo nas elegtes pertadas", como no caso a Franga, onde a decsto entre maioria © ‘minora € fea, mutta vezes, dentro de um interval inclldo entre 9 © ‘Sis dos vtorexprimidos, Em muitos municipios ou distitos, os pre feitor ow deputados vencem os seus adversiros por diferengas de n ouces cetenss, ou até dezents, de vols, Em al context, €Gbvo que Sinfoéeia da mercadoria“sondagem de opinite™ ands que no bo. lel de eutasinfugncis, tem um papel daisies Tal snereadoria & muito cara c, cm fungdo dato, sua divulgagio eta utlizagto sho ‘ependenes de propos de interese econo poles que dominam “horn to au Pardo Comune o Paro Swale Seiam também clientes das companhas de sondagens nto chegaa alte ‘endéncia mais favorivel relia, Os resliado das pelos sto encenadas no palo da“ poltis-spetdulo™ pela grande prensa fa teleisto. A publcagao de reultadonfavrives 8 sxquerda € feeqtentementeencoraada pela imprena de dist, etn cates mo mento da campanaekitoral, para spavorar "maior slencios™¢ ‘timular em sepuida uma reagho conservadora de dima hora por taste de letra atone © problema da rel influncia da publicagdo das sondagens no pode er abordado fra da conjuntorae das trades polcas proprias {cada pats Podemer sugeir que gra gel, ako 9 tesultade at Pesquisas pré-letoras que ied deerminar quem serd eetvamente Sleito, Pos, a reagdes de foras pola so basa em process ‘ociisinfinitamente mais pesados” do que a publica de esclados de enguete, mesmo com "trugues". No entanto, em vitude ds mt tages metodolgiens inrentes ao procedimentocmpirista een fungio tas conde de divulge gerlmentessbmetida fe do mai forte, exblem muita pedisposigbes pare un utlizaglo das sondagens ue Sciafavorivel aos homens da stuaglo. Na airia Gos casos 8 predic Posto se tor eft, ‘Alda med interfeénca da publicaso dos resulades de sondayens sobre» comportamento dos Ckltores outor argument Sttcsenfatzam aspectos menos seit” a fang Woloen des besgusas de opinide.P. Bourdieu da destagve a uma isto de dein fraciainerente& probleméitcs da sondage cletorl. Plo ato do ftir o postlado um homem = um oto sondagem fa abstagso das desigualdades socalmentedeterminadas ue existe ents ond. vidos, A-pesquisa lettoralrlela sms imagem ds socisae ¢ 00 individuos sto equafentese cada te dele tem mesma capecidade ‘de intervengio na decisio final. ms Os espeialiss "dotrndrios” em sondagensconsideram ext etl como um fto rele naral numa scene demcrin SSsinilam pido a um sto com ax mesma propedades de eq Yalencae de avdade Segundo). stocasl hCard" opal «cum aio tem ano peso quanto eum oto por ue ats n cada um.) tm uma importincia igual para os dirigentes™.* Esta Fiqao socolgica de fao, revela que a igualdade dos individuos & ypensada como ipualdade dante dos drgentes,o qe presse que os Sirgents nao pertencem ao conjunto dos indvidues Igual. Mesmo ‘ecomhocendo a foncionalidade das opinides para com os rgentes, ot {utoresnepam qualquer compromisso idelbgico da pesquisa de pi ‘ito om 0 sistema de poder vigente. Para eles, a ubllzayio das sow ‘Sagens€ apenas instrumental, somente as eels tm um papel ideo Tic para asseguraroconsensoem torno do poder, Os dois autores se ‘sforgam em montrar que as pesgulss de opnigo e a elles, ainda ‘Que Daseadas na egulaléneia dos indviduose na adidade das opi rides ou dos votes, tm das finalidades dstntas. A funeRo da sonda~ femconsistecm fazer conecer a opnitopibica ao dirgentes fora dos [Scrutniosedethes dar aoportunidade dealevarem conta,” Isto uma Tango dstnta dos votos que, nas democraia, S30 "expresso da von~ te gral” ¢"“ornecem ao governo a autoidade necessiria para api ‘orga do Estado"-® Aolimitarem a fungdo ds sondagens a0 coneci- ‘mento ds opinigo, anda que numa perspectvafeconhecidamenteine- festada, os alors excluem a sua fangio ldeelbgicaeafatizada por Bourdieu. O mecanismo de autoridade ov de busca do consenso feria apenas obli através do resTtado dss elegbes no seria exer {ido dorant os preparatives (sondagens pr-eletoras). ‘Para nés, est clare que © mecanisme eleitoral seus resultados exercem « papel determinate na realiayao do dito “consenso", se pre scompanhado de ameayase repress. No entant, isto no inv Fida'a tose da funeze ideolgca da sondagem.. A representacto do ‘indo social yeiculada pela sondagem e sua divulgagto é a de uma emocracia perfeita onde todos os cidados sto iguals, bem infor- tmados, conde nio existe “volo de cabrsto”, vols "comprados" ou ‘qualquer outra forma de pressio sobre os eeteres. Considerando, sem ‘vida, que todos os palses do “mundo livre" satsfgam tas eau Ses, J Stostzl eA. Girard confessam, na concusto dese liv, que ‘apicagto das sondagens de opinito se limita a0 conlexto de tals Palscs Escrovem eles:""As sondagens de opnize naceram e se dese ‘olveram em um contexte hisricee cultural dterminado, nas soci thades eja autridade Basia na isttuigdo do sufrgio universal © ‘nde as decisdes sto tomadas pela majria nas assembiias poltias E por assimilagao que assondagens procedem adigio ei contagem dos ‘oto ngvidvais,e po eausa desta assimlagao que os resultados sto ‘ilidos. Noutras palaras, para se ella todo malentendido, pes ‘uit em matéra de opinio publi eas aplicapbes que se pode ti (gp STOETZEL 1 eGIRARD, Ap. ct 9.34 (5D Jaen (5) BUPREEL,E, ido por STOETZEL, J. < GIRARD. A. op. 9:3 B deta.) concernem apenas esta ordem defendmenos nas demcta Sas lipo ident Nesta ato de autores que no sommpartiam ds cca agi preentadas,encontramonprofundo sngumentos convergent com nose: () Se a sondagem premupte una vealdade perietamente demoertca ese sono politics mostra que, napsoiedads Jo fund cident demostacns rehntemenc us fst, dren ascuir que a sondagem reprodess inagem de ume Hust.) ‘Otande¢ context socal &sufiontentente democricy pata perme Sa adtyidade ds vots no plano poiicosatidade dan opinien no Plano da pesquisa, nada torn aplicasio d mesmo provements $entmenos de ora dem, so lenmenos no ao, ais come As deol pr exempla. ‘aig das epinies individ de membros de desu lasses ‘u grip sviais ao €. em 3! pra, um procedimento cee. Esta edgio ext socinimente come meio de leptimidade, quando a “pinibes se materialamem voor na semble ou nas kite, Sem Stilcar este provedimento democrats no soatexto duvide palace Poderos dizer qv o mesmo prosdimento no conesto ds ongusa mio Eiguire especial ietfiidae,oo, as ainda, poe sore pre. simentoideolgico. Este ponto de vita apresenado por 1-P-Cote J.-P: Mounier quando exrevem que, nis psgusas de opin, “sgh { propriamente elo, fe errs uma opiito pai inde. sitda (..) 0 atomized, sem lvar tm cont sua esutuoqae em fis Sava tno ar xsi maj de um pa ‘Mo'é dar uma explieacdosocolgias Mas spresentar tal pesquisa Goma se fosse wine abordagem entice conse stbui a oma Slemarche patie v prestige + leaitimade da lace, por conse Bunt, prorat ‘A relatiavaldade das pesquisis lito exbida,geralment, els expeilistas em sondagens quando resultado dando das Deterncas ual ou qoase ual a resultado da ago dos vtos Jos Siverson grapes, Esa valid sie fat de ust unne holo fntre de um lad, a ado dat pines indruais, no case Intengoes etre, por cut lado, adiuo dos votes, Com’ um interalo de tempo mut crt, ¢ com x soposgo de que no enstem «ausasinportates de moifiagio a passage du intengao dears So too cet, a "ogra" da opinio tetrad pode se formar ‘revisto do resitad de oto, dentro decerts marge que dependem 4a precio da amotragem, Ente Tato no justfca a'pretenag de 1974, Tomo, , 32, (Ense eho portaguen pela Meru Ere Lhe) ” -entifiidade do procedimentoe no justin a sua aplcago a fend- fenos sols nication as como a dita "popularidads” dos pl ‘om, por exemple, ‘tes das eigdes, os politics esto preacupados pelo ugar que ccupam ene as preferénclas dos eleltores. Por iso, encomendam peatuisas de opto para lentarem melhorar as suas posigoes. Uma {er lets os polticos se prescupam com sua cota de popularidade. De novo, encomendaro pesquisa de oinito. Os pesguisadres con foci eaclas de populardade e ox jomais-acompankam “politica tspeticulo” com imagens “termomricas™” +2 para Fulato, — 3 pars Sicrano, ete. Ao construe cotas de popularidade, os pesau xdovesesquecem vm principio importante de eda pesquisa empire ‘da nlocomparsbilaade ou da m-aditinidade de repost prod “dos pastir de quadros de referencia diferente, Para saber Se as pesto ent a favor do president (ot out pollico nacionalmente Eonnecido) sto aplcadss pergunas cas respotas sim ou 140 580 interpretadas sem considerapao as quadron de referencia do fespon ‘odor, Assn, no total dos "sim" podertamos encontrar, alm de die fonts intnsidades de aprvagao, vee referencias do po: apo. {ov presidente porgoe ado incondiionalmente a seu partido 04 ida que de tendencia oposta, este do gue ele disse Sobre © pro- ‘ema do menor abandonado, "gostei da cara dele ontem na fle tisto™ ele A indferenclagao dos quadron de tefeénca permite & omstrigio de cotas de poplardade Tantisticas totalmente despro- ona o peso eketoral fet, ov mesmo independente quando © presidente ao ello, Nao € rato encontarmos polos eets com Show 5% dos sufrigioe ufanarem se de cota de popularidade de 60 in 70%, © rigor du smostae da computagdo don resllades no fodem dssmlar aks neutalidade da tenia, Na pesquisa sobre as Imtengbes de voto €legitimo acinar as epinitesindependentemente ‘dos quads de referencia, na medida que, sea qual for 0 motivo do Soros conta‘ resultado, Tal adigho ao se justia para um estudo Nero sobre o que & ou poderia ser, 4 "populridade™ dos homens Politicos, que stologcamente pode ser feorzado em termos deiflo: Enc idcoligica ow em terms de erisma et: ‘No debate reat is pesquisa eleltoris no Bras 0 problema ds iasto-de democracia veiulada pela sondagem & inplictamente tpontada pelo eter do Jornal da Tarde quando escreve, polemizando ono distor da companhia Gallup do Bras: "No logar de um arte fnudo de objetivo e tenis wllaas em outros pais econtextos — {nde ocorem pric efetnamente demcratca, ou algo um pouco Imai semelhante a elelgbes lives dietas — 0 mesmo tabalho ode Ser dipendido na abordagem de quests socologcamenterelevantes, to contexo brasileiro, Valea pena pesquser melhot © gra de ‘esinformagao do cktr brasego(.) bem como as fntes de infor B ‘macio,inluénease presses que letivamenteatuam sobre o elior, te teatro do absurdo no qua se transforma as prticas eeitorais no Brasil" Talvez 0 argumento sobrestime a eletnidade da demo _acia nos paises democriticos ma. ea com fo, toda abordagem da fealidade, tal como el 6, contasta com a representagdo juriica, ‘oligca da demecracia, onde todos Yém opines © peso igual nas decides polities. caro que o tipo de shordagem propesto ulrapassa muito a competéacia de ums oganisma de pesquisa de opto, Pols ‘ratuse de uma verdadera pesquisa socioligca Podemos indica, a margem do debate, que os administadores «as companhias de sondagens, mulinaionas ou ao, asim como ot sacs burvcraas, estaeacostumades, no mundo ito «rece. ‘prem crtieas relatives Taba nevtralidade das sondagens de opis, 4s ertcas provi dos mais diversos horizates: © das homens pol ‘ices, o dos joralistas, 0 dos socblogos radicals, ete, Nem sempre 58 relevntes ey muita vzes, se baseam em entimentos humanist do lnresarbitro ow da Hierdade de opinitoIndvidyal qu seta incom ‘ative com as fotaizagoes em pereentagens. Outras cities so elas ‘no plano instrumental, a nivel da dlerminagho sa amost, pine palmente por parte de estatsticos. Contraoconjunta desas eres 05 Administradores eburoeratas de pesquisa dpoem de um sstems de ‘delesa que sempre contém ts elementos: (a) Una refotagao stele mente técnica, (6) Uma decaragao de fé apolitita ow wideoligica, {) Us arroginciaespecifica para com os contraditores. Os ds i ‘cits elementos sto tpios de um modelo Je pensemente lecnosts ico: es problemas sca so visor como problemas tenivos de qua ltiago do real; 0 que ndo quantficivel mio et Tonge de init Alem iss, a dimensio sociopolties do proceso de pesisa, ede sas lzagoes com a encomenda do poder, ¢ negada em onte de aparente Ueralsmo. Todo © mundo pode pensar utlicar os results como quer. A arroginca dos defensores da vigene organteagao das som, slagens se manifesta em diverscsargumentorpscalogico que ism 4 hhumithar as pessous conestadorase iasnuar a incompetenia, das ‘mesmas. Para se entender a significa de tl tipo de strogincay € Incesrio mo se exquecer que ela € 0 fato de comerciantesespecia livados nesta mercadoria particular que se cham "sondagem de opi ido". vendida muito caro no mercado dos bens simblios, Tal arto. sini, contra tudo © que se opte & imagem de cienicdade © de ‘eviridade que os comercante em sondagens ten forado em orn ‘a sua atvidad, € comparavel 3 arogincia dos capitalisas comuns «quando os produis qu les fabricam ext sendocriticadas por conte ‘em substaneias poluenes ou prejudicais & sade das opulagice, A resposta € sempee imediata © pré-padronizada na medida em que ‘qualquer alteragao da imagem do produto teed repeteussdo negara Sores demands, ‘nto dn sari omn se eran eens esa rr ponco gains cada etnias pal wir espera vs foe inp crn” pcs ok cs ctl ‘realign ending ace edo a ‘Sates ecm ues onde rome open ead See ‘eSports tsp Capitulo O Processo de Entrevista 1. Da entrevista padronizada é entrevista ndo-diretiva ‘Queremos abordar agora diersos problemas rlaivos ao pro ces deentrestaem geral = inferioming —e chia de entrevista to dietva em pariclae. Multa das obseragtes. por exemplo, so brea imponigao de poblemtca, que foram apresentaas.a resplto do ‘tustionari, também concernem a alesis, sobretudo quando ‘Stow so apenas o moments de splicagso de um questioniio pad, NNocsao, entrevista € drgida: 0 entevstador communica aramente a Ca cnisevitado as mmesmas perguntas fechadss, Hvre ede excl ‘lip, e-anota ay resportay imeistamente dadas. Entre as im lates do questonito alicado deste modo, slo apontadas como ine: fetes a seu carter echt, a parera daresposta, 0 desconhesimmento ‘lo quadros de feferénea, a indugao da resposta pela formulagso da perp, et. A problematizagao da situagao de entrevista dirigda se limita, muita eres, 8 questo da desconflanes do entrevista quando ‘entrvistadoré de raga, ou apaacia sociocultural diferente. A maior pretcupagao dos onganizadores de sondagens nao consist na avalay 30 “te utlevas a situagdo de entrevista O que importa, para ces. 4 ‘Standardizaclo ¢ 4 rntabildade da entrevista. as quals sto proce fdas por meio de uma defingio muito riga dos paps do eae ‘istador edo entreistado, Por exemplo, E» Noelle Neuman, dietora {Sc uina tnstuigh de sondagem sem considera a entrevista como tims situagto moi estraturada, sem iberdade de wma conversag30 ‘Conde an entenstados deve str submetios & mesma frmlagao © 8 tnonma oem das pesguntas, Oxentrevitadores so apenas executors ypasios das insrugies do qoestondrioe descarregados de toda incl Tia ou esforg intelectual O enteeristador ndo pode sor pesquisador, Seu tcinamento he dé ona visio fragmenta e deve The pera Ser esabelocera sntato ncesdri para 4 transmisao das pergun 73 {as ea coets das respostas com a menor’ dstongdo potivel Nesta ‘oncepgio a entrevista, os entreisadores sho intermediios, subal- tern, Interiocivesesubmtidos aw controle dos administeadores de pesquisa que aplicam normas buroraticas, Tal padronizagho € const ‘leraa, no referencia pris, como requisite comparebilidade ¢ ‘te coniabildade das resposta clog, base nevessirin da quant ‘aeio. Ors, 0 que a pesgusa gana cont isto tem conrapartida @ Pobreza dos resides ou 0 fechameato do dscurs antes dete Para se superar certs dos incomvenientey © das limitagbes do ‘qustionario tradiiona,akim da incorporagao de wma maior propor ‘lo de perguntas lives, diversos autores prope usta maior sertora {u tberdade a ser alana pelo tao de entrevista ndo-digia, Ou ‘ilodiretiva quando concebida com relerincin 8 orintagio de C: Rogers. Frogientemente, a entrevista naodietiva fa parte dos extudos exploratérios para peeparar questionaro-paeso os cconecbidacomo Incio de aprofundamento qualitative da investigacio. O vbjetivo dela pode ser, por exemplo, a desrigao dos quads de toerénca a part flos quais as pesanas repondcram "sim" ow "nio™ a perguntas fe ‘hada do questlonri. Fil indicartos desde ja que e ntodivet Viki, mutts vezs defini de maneira vag, fo eniticada por d Yersov autores tanto-na tea da pesquisa social quanto na dt peda ‘owia. Nesta itima, onde se define papel do profesor como seo 9 ‘dem animador que nao imple contetido aos slomos, a node ‘ide fo ertcada por G. Snyders como sendo umn tipo de demissto Uiante do Senso comum ou como “inter erorla” dos posts desta ene os interlocutores” Na tea da pesgutsa, segundo a lin etic fie P. Bourdieu amplamente apresentada no capitulo anterior, + ner Uietiidade no const um remo a0 problema da imposigto de Problematic etraz ainda mais iusdes quando se perderm Ge Vita Siferengassoiate que existem ao nivel da capacidade de verbiage 4s indviduos. Fm fangio das easses ou de outros elementos de dite eniae3o, todos os indvidaos mio tem mesma capacidade de lala tobretida em situagao artificial na qual um interlocutor exterior eu esranho"” permanece, na maior parte do tempo. numa pesigao de cousinte, Segundo P. Bourdieu, "a enteevista nao-dretia que fompe om a eciprocidade das trocas habitais(desigualmenteexigiel 3 tgndo os mes sociise situagies)inita 0s sueltos'@ prodesit am lrtefao verbal que desigualmente atifil, sgundo « dita exis tenty ene a rela com a inguagem favored pela classe social dos sueitor © a relago artificial com a linguagem dels exigila" > Alem iso, segundo 0 mesmo autor, nas pesguisas polio, a ete. sista nfo-diretivaprivlegia a pessoas de clase supers que S80 aos. {umadas ao dscurso polio ea seas abstagies, Tals psoas saber responder poltcamente a uma pergunta pose, embora ela em Termos plidose nettalizado, de acordo com a5 “ispoigbes dsser tatvas” adguridas em escoas superores eae permitem discuss sem referncia a situagées pratias. Este tipo de erica, Haseada na ‘esiqualdadee na dilerenga dos mocks de comunicagao em fungao das ‘lasts, por jostifiedel que sea, ndo invlida nevesseriamente o uso de fentevstaato-diretiva, na medida gue oabjliva nao consist em eta belcer comparagies ou "adigdes” dos discursn das pessous cules € igorantes. Antes de tudo, trata-se de explorar 9 universe cult ‘riprio de certesindisidues em referncia as capacidades de verbal Zagio espcifiea do grupo a6 dual pertencem, sem comparasdo Com ‘utes grupos ‘Soja como for, o estado da entrevista ao diretiva com insu mento de pesquisa socioléuca € indispensivel para podermos avalist Sema prion seus mecanismes,possbilidades, imitates e implicates Para iso, uma problematizaco €necessria.O pesquisador no pede realizar enteistas alo-dretivas na base da intugto, nem do bom Senso do ato ou da pica gens das entrevista comuns ncorrerse-ia no isco de eaptar o vazio da fala ordindsia, A sltuagio de entrevista, a rela entrevistadorenteystado sto perso- hulizadas e, em Tungao dist, deram lugar a uma abordagert mals Prscolgica do que sociolgien. No entanto, sem perdermos de vista 2 timensio psicolgca,encontramos 4 novesidade de ua ssacaogia ts situa de entrevista para una avaiagto da seevancia infor magto eaptada e suas distorgtes. Nesesfermos, © problema & tanto sctolgico quanto epistemologce, ambes os aspocterreunidos numa reacupagao de metodlogia ds iécias socials, ‘Ao nivel da entrevista, tenia de pesquisa particular, & neces Séria uma justa avatiagdo da artculagse do socal do psioligico, Dela dependem 3s respostas metodoleas a serem encaminhadas para a Solo de certes problemas de interprstagao sociologica, Por ‘xemplo, jf sugerimos no capttulo anterior que a avilagto da dimen Sto psicolgiea parece insatisfatira quando se explica 0 "auton "smo dos pobres como resltado da endénctapsiogica que feta 9 ntrevstado a dizer mas Tacitmente “sim” do que "mio" nasituay’o ‘de entrevista onde le se sente infeiorizado, Sem divida, enstom (3 Rout PMS, Sound Pare. Tent ar ‘muitos oteosexemplos de pesquisa nos quas deveria ser questionada 1 inerpretagae sacolgica em funeao da concepelo da téenica de oles deiformagao uiizada ‘Examinaromos, neste capitulo, as earacterstias das enrevistas ‘suas postibidades para a pesquisa sciolipia har das abrangentes ‘ontifuigbes de ly Randel G, Micbeat e J. Males, Como teremot roas, quando se trata de questonaro tipo de infrmagdo captada eos todos de Integpretagto pons, 4 dscuss8o metodolipics da tenia fe entrevista nn pode gnorar os problems gerais da tlagdo entre Scio plolona IL Problematizasio da stwagao de entreit Litiane Kandel spresenta uma interessante reavalagao da meto ologa das entrevista ulizadas em psicologaclltia, psiclogias0- ‘Gale sociologia para mostra os mites da nao-dretividade © propor lm ipo deinterrogagi eapae de rest a iniciatva os interrogados Ph enievsta, candida de mod dirtivo ou mio, no €uma te nica to simples quanto parece a0 utllzador superficial, Muitosauto- ‘es. problematizam come situagio de ineragao entre dois indviduos fut qual se manifesta um certo condiionamento das respostas das Interpretagdespostiveis. Por exemplo, R. Kahn e C. Cannell desre ‘ram 3 ineragan prncipalmente ao nivel psicoligco, ineuindo os "specs cmotivos cognitvs. Na relagdo entrevistador/entrevstado, ‘mostraram de que modo as caracteristcasbisicas (idade, educagao, exo nga, status, rlgio) de ead um fterferem na percepebo, na stad, nas expectatias eos motives do outo,e comb ess carae teristieas condcionam, de um lado, adequapo ob inadequagao 4 ‘spesiae, por outo lado os eros de condusio da enreisa. ‘Onitror perquisadores descrevram as distorges produsidas pola situaghopsiooica de entrevista, Os efeitos da interag entre ox dois Dpersonagens ni se limitam ao conteido explicito da fla, Também Forum incorporados, 1 luz da metodoogia da entrevista cca, 8 ele mentor nao-verbais do comportamento:skncis, mises, hesitagbes, cle Alem iso, inflagneta das erengas pscossocials entre ent ‘siadore entrevstado fol equacionada come condiconamento n30- ‘verbal da resposta, Essesesfogos, por imitados que seam, tm va tagem de posibiitar a apreenao dss opinibes, nao como coleta de dias” coo respondenteseria dono na er por toda, tas sim como comportamento de interacao com outtem. Ai, traarseie de substi {Tonceprto comum da peaqusa de Opinio extudo do comport ‘mento verbal ¢ nlo-verbal de diversas categorise indiduos. L. Kandel sublinha tal aspecto posit eo ltrapasta 30 crear ins fieénca da abordagem pscoligia dasituagan de eaters ea ind. ‘car a necssidade de considrar os seus aspectos sociolGgcoe poll tics, A autora observa inadequagio de divers remédion propastor contra as distorgbes da entrevista, tl como aguele que comise a imterrogagao dos preto pelos pretes ou dos judeus pelos judeus. Supe Fando a abordagem que reaciona of eeitor de efor, de cond lonamento ou de dstryae com as caractristicas individuals dos fentrevistadorese dos eatevisades, «avira propse sma problema: tiagto da situagao de entrevista enftlzando os aspect esttuturas: & ‘esigualdade da toca e a privatiagio da intrrogagao a Serem ambas relacionadas com o quadroisttuconal da esau ‘A respelto do condicionamento da resposta © da tendéncia & agueseénea,L, Kandel indice que a dsigualdade da toca carateiaa ‘Siimagao de maneira bem mais adequada do que a simples reterncla 2 Uierengas individuals, por exemple, o aparentestavus superior do {ntrevstadorcontrastando com s humildade do entrevitado. A dest. fualdade €inerente a uma situagi0 de comunlcseao sobre a qual © Fespondedor mio tem controle permancceseparado da intrpretago e ‘i ilzago soil da informagao tansmitidn. Em situagao como esta, ‘\nto-inetvidadedissimula, sob rniscara deFeclprocdade © de ber dade de fale a hirarguia e's monopolizao do sabe (aspect inst tueionad, "A Segunda cargcterisca biica da stuagdo de entrevista, espe: ialmentenao-diretiva, consis, sepundo a autos, a privtiag30 dos problemas sobre s uals as pessoas sao inctadas a falar Iavestiga a8 ‘hamatdas “atitudes profundas™ se limita, treqdentemente. azar produse pelo entrevistado,s partir do retrsimento na sia vida “pr ‘vada, uma informasio “familiaista”, O que, em outro contest, foi encarado como "regress psiofamilal” por G. Mendel. "Jd vimos «que cada téenica 6 uma “teort em stos", ao incorporur no objeto de pesquisa presspostos que permanecem impliitos to 6 exempliicado Sul pelt téenica nfosiretiva, eujos pressupostos podem favorece Ua indviduaiaacho rerossiva ~do social para psiolica — mal sdequada ao objeto da sacologi, ‘Nenrevistamlodirtiva nao tem o prio de ir muito além do procedimentodiretivo, Noafual ambient insitcional ds pesquisa dita cenifies, ambasreproduzem a mesma separagao entre oanalisa © os analisandes, 0 mesmo monopiio do saber pelo poder, a mesma Incapacidade de eal artculagho com as exigéncias dos movimentor Socials Sem desenvoler& proposta, L- Kans encaminha a diseuselo Lhe Pay Pais 7 «as tnicas em diregdo a um nov tipo de pesquisa capar de restitulr ‘05 indvidues ou grupos sciaishmplieador una capacidade de "in ‘tira ede "contole das ages de nterrogng’.” ‘Aertca da desigualdade das trocas ea do monopiio da infor. magio a0 nivel da Unies de pesquisa st, sem dni, necessirios, Nocatanto, tl abordsgem pode leva ua ius: problema no se sift apenes no uso de una tenica particular. Nao hasta subsite uma tenica de entrevista por uma ula. Como aponta Barty Sart ‘as elnclas, através da dvisdo do trabalo, sepuragio do trabalho Inolectual e manual da resitente monopdlio. do conhecimento, jntamente com enipteyo pelos cenistas sos de abordagens post iiss do estudo da realidae social, tornam-se outro insiramento de Aonini, no de ibertag Nesta linbay ito € responsive, &o conjunto da pti dita Fesses sovais que a drigom que eda em jogo, A restituigao da capa ade de iniclativa dos indiiduos dentro dos process de pesgulsa lo pode ser apenas a0 nel psiclogio, vemos no content da ‘equeteoperdria" certo elementos de uma perspectva ie conser ste problema de inclatva na sua dimensio explsitemente polite. Ut, Uso socoligico da entrevista ndo-direiva © artigo de Guy Michelat prope uma discussto sobre 0 uso de ‘entrevista nto diretiva em sosilogiay Sern desconhecer acti feito por Liliane Kandel a este procediment, 0 autor nao se calea noma Petspectiva eve. Pretende ele fundamentar «entrevista nto-dretia ome instrumental para.o estado das cultura ¢svbcuturas(onjuntor 4e valores, normas, representagies, simboloy, et, ado 0 que cetos autores chamam Ideologias). Os nossos comentios se baseiam ‘a Teitura do artigo reprodurido na segunda parte deste lv ¢ na let dos estudos que G. Micheal publicon em colaborasao com Michel Simon em 1977; Classe, Religion et Comportemen Paige. A ree- rida obra contém ume primeira parte que consist uma fase de ‘exploragdo sobre o tema "visto do mundo © percepo do campo politico realzada a partir de entrevista no-disivas de eatlicoee de opi soe Op ‘Segonda Pave Teto3. roe ea FoR soe Pali oa Sa Pe cy stews na Franga, As outras partes contéay resultados de sondagens de ‘opines procesados por diversas ténicas quanttaivas, tal como “anise hierrguia que ndo sao objeto da nose al preseupaea, ‘Tentaremos descrever a concepeto da enters nao-ditena tue de su aplicagsoconeret. Seundo o autor, a entrevista nao-diretva, contariamente & ‘entrevista digi, ndo prope so entevstado ina completa estat rag do campo de investiga: "eo entrevistado que detém s atiude deexploragho”.™ A partir da instrugas (consign) transmit pelo pesquisa, por exemplo: "Pode me dizer gue a politica ¢ 8 Pat {ios politicos represemam para vooé?", o entrevistade define como 4quisero “campo a explorar” sem se submeter au extaturagdo pre ‘elerminada." G. Michelat enfatiza que «entrevista no dietv favo rece a captagio de uma informagio mais “profuna’ ow menos “cen Strada do ‘que no caso de_outres praceimentes. © problema da Drvatizagto da resposa sublinhado por L- Kandel, nest colocado-e por asim dizer, subsituido por uma tse sepunido a qual, “o que & tilordem afetiva & mats profand, mais significative mn nants dos comportamentos do que o que intelectualzad". "A pro Tundidade da entrevista permits pela nto ‘apacidade de “Tasltar a produgao de sgnifcardesfortemente ‘as de afetividade, mesmo quando se apresentam como eteredtpos ‘que nbs procuramos poe 2 lur, de fato, 6-4 Kyica subjconte 3s entrevstado a 0 inividuo & considerado como portador de cultura (ou sub- ultra) que entrevista no dietiva pode exploar a pati ds verb. Tzagtes, inclusive as de conteddo seve. Nelas sto procurades sit tomas dos modelos culturais que se manifestam na vivncin os ind vidos ov grupos consideratas Os modelos cultura so progressive mente evidenciados a partir da revelagdo de uso de estereipos e a influéncia dos grapos aos quais os Indlvdes pertencem ou se rere fem fungi dasha secaliraco, 'A pesquisa de G, Micheiat selecionow um grupo de pessoas cat tias, principalmente de origem rural e um grupo de ates, todos ‘perinos. Aanilise das enteistas sobre o tema da pollica permite ‘elnea,além dos esterebtpes, dois sistemas de representagies © de send ME, stot i be Not em Ss Iplicasbesafetivas cuja coertnca respectva se impés progressive ‘monte ao entender do pesqusador. O primeiro mevel, 0 ds eticos, Scestrutrou em torn da representaro religiosa! os principals termos {So dscurso politico correspondente sho a pessoa humana «fala, 0s ‘aloresespntuals, © tadlea, a caridade, ete. O segundo modelo, © ‘dos operrios atts, se extruturaem torno da clase das relagtes de ‘lasses: of principals ermos do discuteo polio remetem a ralidades conbmiease socials 'A dematche propesta € fundamentada em reerénca 3 antropo logia deE. Sapir, M. Mauss © C. Lev:Strauss ena psicanilise de. Freud, sem compieta identifica com elas ao nivel conceitual. Vere- ‘ton, apa letra dos comentiri del. Male, que acocronci dstes ‘mpréstimos pode ser questioned “Antes de entrarmos na discissto das referénsastericas, pre sentaremos de moo resumido, em 8s fies,» demarche qve prope G. Michoat. (7) Eseolha de um pequeno némery de pests diver Sicadas representativas do asunto estudado, Nao se trata de amos. tragem, mas sim de sles dos indviduos em funga0 dos eri do Snvestigador. A seleyao deve inclu representantes das posiges at mait versa: por exemplo, para estudar 0 Tendmeno relighos, serdo Sele ‘ionadas pessoas rligiosas e aas: para problemas racas, seria ‘scofhdas racistas eantracstas (2) Gravagdo das entrevistascondu: ‘ia sem immpongao de problemas. O ponta de parida € dado pela instrugao do pesguisador. No decorrer da entrevita, 0 enlenstador permanece numa situagao de “atengzo Mutuante™ que peels est tar 0 entrevistado a exporaro Se universo cultural Sem question famento forgado. (3) A analise do conjunto das entrevista sleco ‘ads (corpus) levanta 36 veebalzages asim como 36 heiagde, o¢ Siéncos. o isos 0s apsos ee. questo consderados revladores de Significacao latenie. O todo analsago em referencia aos dados Bi Sos das pesos ade, sexo, profs, religdo, nivel de instrugho, te O corpus ado &consierado como texto nie. Cada eres € !nalisada para tentar encontrar os sitomas relativos 40 “sistema de representagoes, de valorizagbesafetivas, de reerasSoclas, de codigos ‘Smbulicosiatertorizado peo individve no decorer de sua sxiliza 30 esuarelagao, eventualmeate coaiivs, com a diversas dimensbes ‘Se uma experignciaatual que ele parting com muitos outros" A interpretaghe do material éreallzada por vétios analistas para redusit (n thcos da subjlvidade individual, Com impregnagto™ obliga por ‘elas Telturas sucesivas © com “aienedo flutbante"y cada an ‘escubre €Tolaiona os elementos signiiealivos que iso permit & construed progresiva dos modelos cultura dando conta do vivido pes pessoas." As dvergéncias de interpretagao entre os analists $30 Progresivamentesuperadas em exquema preestabelcigo, Como se v8, a téenica proporta, esencalmente qualitaiva ov Iterpetativayexcui os procedimentor sissies anise de contig (ais como definids por B. Berelsn, D Cartwright ou Ph. Stone)” "que consistem em classificaea e quamtifica do material m funglo tke cateporas redeterminadas. A'tcniea de G. Michels aprsenta 4 ‘antagem de evitar, na entrevista, a predelnicao das respostas elas Perguntase. na interpretaci, a incorporagdo forgada do conte cmt ategoris. ito corresponde ao que J. Matte define como “esraégia {Ge retardamento da eateporzagao". Uma outa vantagem consiste 80 favo de que a tenia proposta, contrariamente a anise quantita 0 objetivo metodoligico consiste em poder captar ideo simultancamente no "campo dos procesion seca" ¢ no "campo ot process subjetivsindviduais", No que tange an primeio, cultura {0a ideologia (o autor no parece extabelecer uma nti distin {entre os dois conceitos) emete as representagoes ¢ valores dem Eropo fo classe om elagao com tor grupos ou outras classes, A ind ‘idvalizago da representagso € dada, segundo a sugestio de L. AF {husser, como "elagaoimagnivia dos inaividuos a sae condigties de txsincia™ ecomo fete deinterpelaga0" dos sueitos por um Sujeito ental (Deus, o Estado, ete). No campo dos process subjeivos, Sequndo uma Sugestao de Willy Baranyer ideologn € reccbida pelos invidvos por meio de uma série de "identiicagdes introjelivayes A ideologia é apreendida pela decifragem dessas dentiicagbes ds ‘duos ue ela manifesta. Em termos snsivelmente diferente, deo Togia€ apreendida na sua rela com 9 ego como int tipo de iusto Social (no sentido de 8. Freud) ba qual se moldam os tagos da ind ‘algae No proceso de invetigasio,o objetivo da entrevista no-diretiva cconsste em captar as identifica através da fala dos inavidos, mediante a Superasio das censuras que nelas se manifesta. Isto permitiria uma apreensio da ideologia nas suas dimensdes socal ¢ Indiv ‘Ao nivel da condugioe da interpretagao da entrevista, J. Maite apontadiversosabsticuos que devem Sct superados. Por exemplo, a “unio da transparent nogao wilizada por P. Bourdieu pata crt tear os soilogoscmpiricitan que confundem a expicag sciligi cs motives verbalvados pols eatevstados. A simples coleta dot ‘notivos ow opinides & nese caso, dade por substitute de explicate Esta onfusao freqienteem etd da migragbes ou da marginal clade: quando &porguntad a um lilo de camponés por gue matin cle (20) MATYRE, 1, "Sahl TSN ALTHUSSER "Os Aponte engi wre Mtr de Sino,» 20, 89 ver ir embora para cidade © a resposta & do to “pare subi na ‘il 0 socilogo empiiista joa tl argumento somo exphcasto do {xode rural. Com a iusao dn transparenca", basta ao empieista ‘radurr” as verbalizagdespopularesem termos mae scademicos, Pot exemplo, “Subir a vida” pode ser"radurida como “ascent sci ‘ou "coniduta de mobilidade ascendente". Outros tpon de obstacles ‘Sto também apontados por J. Mare: sao obstaclor de comunicagso ‘que distorcem a percepeao das perguntas (ou instrugies) © dat es postas na relagdo entevstadr entevistado. Todos ees obsiculos ‘emetom 3 problematies de P. Bourdieu ahordada no capital anterior ‘Alem das medidas tomadas para superar esses obsticuls,& es tratéiaesbocada por J. Mare cont dus fats: operaconalizagto & interpetagio. A operaconalzagao permite a parsagem d tora par ‘tempira por intrmédio de hipstests gland a costae dadon. Neste context, a entrevista nie-diretva, mesmo se nao inpoe uta esr Turaeao rgida como no aso do questonirin, apresenta essai ‘mente uma detrminada problemética. J. Maire inden a init da ‘Mo-dietividade, que G. Micelat aig patecia comidera, se lowe ‘omada a0 pé-da-teva a ida de total iberdade la entrevista ves ‘igagao se trnaria impossve. Na segunda fase, fede interpreta, allamse or dads recolidcs para a valida das hipteses Anda ‘ue seu objetivo consis na investiga da arteuapao do campo Slate do campo picolbpico, a interpreta & rigorosamente sock igi Tratase-de relaconar entre avers clementon sciis 04 cultura ate cegar ordenagio delesem wm modelo construido. Iterpretagao nao ¢pricanaitiea: a situa social nau ¢interpretada pela tora reudianas confit eipian,impulsom et. Para). Maite, referencia &psieanlie se Tima a nivel relacioal (a) welagso Enirevstadorentrevistado, com iberdade do send © “aengio fi {uunte™ do primero: (B)relagdo analistas'corpur das entersas na ‘qual os anata inteepretam ocontetdo a parte de wma orte"impre agao” e manutengto da "steno flutuante™ Into corespondetis & ta "esteatgia de etadamenta da catgorizagao”enguanto aera liva 4 proctegorizagdo intente aon Procedimentos retinas. Ess ojos serio pont de paride nosso comentirios a seRui, V. Ateneo futwanteendo-diretividade Aleitura dos artigos de G, Mihelate J. Maite sapere diversas prblemas febrieos que mereceriam cerosexcareimentor © aprofun. ‘amentes '1) Nos artigos consierados, a releréncia& picanlise ext nse rida numa dscusszo da entrevista ndo-dtetivacujo quadro tebrico & fsetalmente associado A concepgio de C. Rogers © ako-A concepyto 90 Areudiana, Parosem-nos necessrias aguas considerayies para evtar 1 jslapongao de releréneas baseatss em concetuagdes diferentes ‘Os autores se referem a pscandlise para delinirem o rlacona smentaenir investigador eo dicurso dos invetigados, Observtse que {alreferinia permanese bastante ra, © principal aspecto considerado € ». nogdo. de “ateng20 fu ‘ante so to Sou sentido estritamente psicanaiico, mas apenas ‘como forma de Dexbilidade présima ou compare, endo idéntca ‘tude ndo-dretiva, Isto nos parece revelar que os autores no proble ‘atizam com sfiiente ides a diferenga exntente etre @ reac lo freudiana ea elagio roperiana. Outros autores tem coniderado que sts difernga & apenas uma qUesido de "nuance" Por exemploy 3 ‘undo Eagar Morin," entenista noire cnt wm do ramos "teniados da comersago freuiana”® Este tipo de argumento 10 tos satisfaz. Parese-nos necessiie salientar que a 'ateogio futuante” oad da epra de "Ire associagao faz parte dodispositvoanaitieo ‘asta diferente da “ati ndo-diretia’ propria & piclogia e 3 pedagoga rogeriana Segundo a concepso analitica frewdiana, a rlagdo terapoutica envolve im mecanimo de transerecia de afetsentreo analsando eo ‘nasa. Investigando a relages que exsiem entre a pscanise © a perspctiva centeada no paciente, C. Rogers eonsierou que a trans ‘Enca ao constitu problema. Para ele tata'se de uma atitude afetiva ‘deextrema dependéncia do pacinte para com o terapeuta. E Um caso limite que nfo égencralizioe e que nao caracerza 0 elaionamnento sre os dois Isto constitul uma diferenga bisiea na aprecnsao da felagtoterepeutin 'A diferensa de perspectva & ainda mais aida no plano met oligce ow plano da "tenica"- Segundo a concepeao analtca, @ ‘elagaolerapeulica & metodologicamente rientada por varios pine ios: entre outas, a regra de dizer tudo, a Tegra dele assoiagao 4 ogra de atengaofutuante, Ax dua Gina esto no centro de nossas Drencupagdes A primeira recomends ao snalnando falar ea segunda Fecomenda a0 anata oui e interpreta. A regra de assocagao livre ons, segundo a defingao de J. Laplanche e J. B. Ponalis, "em “xprimirindscriminadamente todos a pensamenios que acodem ao Spit, quera artirde um element dad pale numero, mage ‘deum sono, qualquer eepresentagac), quer deforma espontinen™ a A rear visa a “elimina a selagdo voluntiria dos pensamentos, ‘ou sea, segundo os termos da primeira topics Ieudianas por fora de iowo a segunda censora (ent 0 consciente © 0 preconaciente) Ela ‘evela assim as defstsinconsienes, quer ce, © agao a primeira ‘consuraentreo precnseiente em nconscente)" Por sua er, a atengio flatuante & “o modo como, segundo S. Froud, 0 anatisia deve eseutar 6 analisandor aio deve priilear rior’ qualquer elemento do Seu discurs,. que implica que deine Tuncionar 0’ mais ivrementepossvel a sua propria tvidade incon sfente suspend as motivastes que diriget habitvalmente a stew ao" Associago live eatengofutuantetornam possivel uma com nicapa0 “profuada” entre o analista © analisando, iso quer dizer, iano da conseiénia. As inter sta que ajuda o analisando a superar ‘cus problemas nto sto apenas dias a partir do plano cognitive elas cnvolvem a afetiridade ecipeocae somtrolad pelo anaisa em termes deeansferencia eeontraranstrencia, Segundo a concepeo rogeriana, a rlagSo terapcutca se baseia ‘no principio da empatia’oterapeutaneutalza seus aletos ese coca fo lugar do paciente para poder sentir ov compreender como eee O ‘spect principal resige no centramento no paciene. Eo paciente due ‘determina odecorrer das sesses de crap. O tera fem apenas 9 papal de aconsehar ou ajudar a comproensio do paciente, Exist Sigumas anafogias entre a altude freudiana ta attude roperiana Ambassaoatiues baste "reservadas” ou “silencloas” por parte ‘lo terapeuta para dear maior iberdade expresso do pacieme: Mas istog superficial, Pos, as intervenes do terapeuta sd profundamente iferentes eo referencial terico também. A dferema € indicads ‘esumidamente por Mareel Lesne quando eseree: "4 attude an ‘ica €esvenciaente explora e interprelaga ate rogeiana € essoncialmente atitude de compreensao que consste em expressar 0 ‘ave acontece no outro som o interpretar”" O relacionamento de po ‘oyeriano aio pode ser assiifad a0 relaionamento.anaiico 0 Primero prvi a expressio do vivido do pacientes partir de ome Focaizagao de suas dicudadesexistencais¢ que & facta pela empatia do terapeuta. Tvatase de uma fenomenologa bastante Sm ples. A empatia, que permite a terapeuta identifica se parcalmente ‘como ponto de vista do pacente ecomparilar seus sentmentos alo 92 A sa prtaroemmennya ‘out 4 problematizar 9 mecanismo de transferénia © coteatesns lertneia.'O segundo tipo de rlacionamentoy«freudine, pivilesa & Interpreiagao releida& tenia do incoascietc. Tal iterprotayao se 0 zn intercomunicaydo onde so apiendas ex eres de asecisga lore € de atengao Mutyante. Cada uma relacionada toma outee a lees ‘sssociages da fla do analisandoentram em elagh com utvagao ‘laatensao do analista que ecu interpreta. Podemos asinlar que a apicago da nto dirtvidade em pes- quis socilyica é multas vevs truneada, ou até mesmo ima simp ‘Questdo de jargio sem rea feito le centrament, Vlamos de tei Na literatura psicosocolgica sobre as téenicas de peaauisa, & rientagto nio-diretva muito valgada wo que di respeito a técnica ‘Se ents. Ea éentenida coma fleiblzagao do relaconamento Pesquisador/pesquisado ou como media visando a redurt os letos ‘Gr imposigto de problemaica dos modes de investigagao mal die tiv: No context terapeutco, a expressbes“orientaga0” 0 atid ‘o-dietva” sio dadas como sindnimas da expressio “perspectva ‘entrada no paciente E interesante notar que em svilagia oy futores favoriveis entrevista nao-dietiva, multas ves, exam & Feteencia i noyao de euntramento da investgasa0 no enteistado, Taber seja af uma escotha terminologies reveladora do fato de que 8 nlo-tireividade &utlizada como simples Rexbiizacao de eelacion ‘nto parecia ds medias de “relages humanas", © a0 em eal prencupagio de centrarainvestlgagao nos problemas rlevantes entre {dos pelos pessoas enrevistadas.O centtamento da Hnvetgngto D0 jenuevstado supe que oinvestigador acta, pelo meno stulo prove Siri. os quads de elereneia do seu interlocutor para juntos peerem ‘explora os diversos aspectos do problema em discssio odo universe ‘ultra questionado 2) O segundo problema que queremos aponta é mals complexo 4o que o precedente Ele envlneo toma da relagdo entre a piclogla vou prcanilise ea socislgi Now atiosesfudados, os autres Se "Sem spreetsrnac um hii da quit Poemes, sewers omen even pani ote : uta “amntane do rit © des pose referem & psicanilie para conceberem wm tipo de selacionamento ner os perquisadores © o discurso das pesous entovstadas, mas ‘ecusam rscurso da tooia freudiana para a explicagio ou a inter prota da realidad socal ou cultural Tal posgao supse que haja tna separagio entre a t6enicsanalitien ea teria anaiea para poder sidequar a primeira aos objetvos da imestigago socalgica e manter Sioslada 1 teora ana do corpo da expicagao om inlerpretapo Soli. A posigo dos autores presupoe,juaiments, que uso da ‘Wenica anata possa st a problematizagao do relaionamento Peaquisidor/entrevstado no contexto da investigagto sociolgcs, Independentemente do fato de que ténica anal term urna fna- Tidade terapoutca © que tinvestgagdo socioligcs é em geal despro- ‘ide de toda dimenstoterapéutica.™ a ia ise acto Panaiea San Gt ori elt ‘ps Iannone steep ea ‘sitesi umn obey sige ‘roa rs Snag Snr me onan "ares S-li Ed RES, Pot, 17, 9.6). A smcepho de SOS SST tang wets stm fy sp nine wee ig ‘sss mn his oe inernn mands tart ete cae get ce pe ‘eleustsaigsrtm nme seta [A questio pode tambien ser coloeada ao nivel da apicagto da ‘erapia entrada no paciente go contexto nzeterapéutico densest fag, So aspects que deverimosindicar para chamar a atengao do Isitor, mas que mao’ podemes tratar no. guadro do presente Ivo. VE Categorzaedo e prjecao Para completarmos o quadro de discussto da enteeisté no irtva apreventade até agora, devemos eomentar dois assunts di- Tinton que enretém alpuma rela, na medida que, em lima ands, amos dizem respeto ao problema da intrferéncia da inguagem oud ilegorizagao na aprecnsto da realidade. O primero assunto nos & ‘gerido pela nogdo ve relardamento. de cateporizagio wtllzada no frtigo de. Malte. O segundo elaionado com as tenieas projetivas ‘un abjelivn 6 eapiaeinformagto reveladora sem passar pela interme Siagto das eategorizages ou dos jogos de lingagem socialmente ace ‘Sveis ao respondente na sua forma deresposta 1A “estratéga de retardamento da catogorizasio" proposta por. Malte atranés do uso socioligco da entrevista ndo-dretiraexige $igumas observagies da nos parte. Vimos, no Capitulo 2, que uma ‘ts principais questbesrelaivas &fasa neutralidade des’ pesquisas “cioigiea dir respelt & presena, em todos os nves da investigagao (Ga formolago de hipstes elaboragto do questionaioe até ater pretagio dos resultado) dems problemaiesldeoglea "sce entrada” na posiglo socal do peaguisadores. Com a impesigao de Droblemites,«tenica de ivestigagao correo risco de eateorizagio Sintec, ito quer dizer, uma letra do real por melo de etege predeterminadas antes da obserapio e inadequadas & espciiidade. ‘Gientistaaurupa, rotul ov interpreta de maneira"Torgada” diversos ‘slementos de observagio, em aeescentar nada ao que € jiconbeeido, ‘sem afasar os ahcos de unllateralidade ou de preconceitosintuides ‘ne problemi, ‘Scemuaitah lige peur unasetossen pens csc: Eat us grep sas pra ie ‘Satie tren scvsPo aiguem om chet E para evita ese tip de difculdade que J. Maite ebogow uma ‘statin de retardamentn da sstegoriag to" ao nivel da feiss do entrevista, O eetardamento de satay td ela nadie ida, pla atengo Tutante do ivesigador¢ mpreanao do Stina que intrpeta dics dos entenistado. Par eros tn dhe conse ete etardmentae determina até que momento cle a & ncesroencararmos a cteprzug denn das condgbe do Po cestode essa Narpratca da entrevista ndo-ieta retardamento de cater sean corresponde aa fenfata de fnmirar eet de lagem dos compertmentn, das opis tudes Ov renga, ‘reir momento, ple etrevstadore. mim segundo manent, plo Pesuisador princi. No bata captacbo de um sna ola na {ala do entrrstedo para que ele ses imetitamenecategorado em fungo das prefertnias atdras dor peagusadores. Por exeapo, mresposta me prgunta bere, sna "a mulher deve apna de ‘rem quando" nao basa para clasifcar, sem demais consergtey suet na eategoria dos fascia A Tiberdade de props que € fstimulada'nasivagao de enteita ao ditva deve’ permit ab “ntrevistao a emis do aioe somjunto de sins posse O peng Sador est, enti, em melhores comics ara abu una Sia ‘ato an dicorecaptado ,evetoalment, apo ftuss soca {ar uma saisltrincotegoriagio de sous Ghersos elementos, 1 torrespnde a retardsmento da extgorzagao gue sompre€ wlan. No eviste criti formal para dvr partir de gue moment 30 _lrapassa fase de rotlagem aprenada para uma fase de cae “aan em paras ua ssc Poe = SSSA respeto deste limo apecto, a mar sensbdade se ensonira «re scilogos pritipamenteanropdogos ge pesquisa so instead uma onentago metodclpn propria &fenomenologl 4s reas pratcada de manera ingtaus, ioe sem coments lprofundado ds suas bases iosfica, Nesta ia, sbetho conse fm procura. ao comtato das peso envolidas a sth ou m0 ‘cotccimenio pesquisado, umn conbecimento nto conecitulizado io estgorzado que see relatno depercncin vida, O conker meni obtido no plan da ntersbjetiatade pengunaderpeguiad pretenders a representa oo pono de ita do indo. Sor de sa situaga, Nese contest, correo aco diigto Jo onecinento nating do iid, gue em vida, €simetico 40 ‘ico de eategoreagto “forgada” (relate ew “rouge Paras afestar os ics da catogrzaguoantspada da tar. data podemos imaginar un ero tps de contol ator a dade de psa Emiborn nto ests ero formal o eefinitve para {nlempreendiment, podemor Selinear algunas cones minis de ‘ordem epistemologica. primeira desas condigtes supe que o pace “imenco de pesquisa ja spicade dentro de um dispositive de questo ‘namente (ceagdo suettonador/questonad) io qual safe wocado 0 mo de informacio passivel © eximulada 4 maior propercio de “jalormagho inédita, O- que elimina os. procedimentos fechatos. E ‘eno da Comonicagio entre ov dal polos do dispositive ¢-ndo na ‘aplagio wnilaterl das respostas que se deve opera ma categrizaclo prowresiva e controlada, Sho submetidas a0 comtole as ealegoras {okuladas plas perguntas, a interpretagao elas pelos respondent, Svcatogoris de desrig willzadas na resposts. Ao nivel da formu: ineho das perguntas eda inerpretagto ou ayrupamento dos resulta tio, a catogorias “observacionas™ devem set relacionadas com as agora "edricas” das quai dependem. Essa categoras“Worias" | observacionais" pertencem a problemitiasideligieas quando no ‘tocstabelecidas stupas epistemolieasnecessiras 3 formagio de {ima problemdtica cena, A evidenclagao de todos es pressupostos {elatives i problemitia dss cateporissuflizadasna pesquisa consti {segunda das condiges que querlamos evocar. Como exemplo deste Tipo de controls da telgao entre categoria de Observagho categoria ~"USbaEH", pvdemos indica, como ji fol visto no Capitulo 2, a neces Shiade de evidencar @relagdo entre # nogdo sociobgica (marginal ‘Sade, por exemplo)¢ as nogbes das tcorias preudocientficas ow das ‘Tepresentagbessoviosentradas nas classes burgoesas 2) Emibora ato sja um tipo de entrevista particular, a,“enias prajetivas”uiizads em socolgla © pscossciologia contém certos ‘dos aspectos le ums teniea analitea ¢ de um relacionamento inves: tiendorinvestigado sem dimensio ferapéutca. Entre as mais con Cas dese tenicas, baseadas no principio de "assocagdo lee, tlestacan seas técnica yerbais assocagto de palavras« complemen: {soto desemengas, eas tenlaspictiricasderiadas do TAT (Teste de [Apercepsao Tematia). Desde or anos 40, nos BUA, as tenicas pre fas foram shacgamente splicadas em estudos sobre « personalidad futortria," sobre as agus rests ecm pesqulsas mereadogicas Soke as Imagens de marca dos produtos eas motivagbes ds cons Imidores" Na tenica de asncingao de palaras, Inspirada em pes {Guists de C. Jung, 0 sujito reece wma Ista de palavas. Depois de da unt dela, cle deve responder com a primeira palavra que The passa pela eabepar Na técnica de complementaglo de Sentongas, € 0 Ver apa de mtio peor em: ADORNO, TW cnt, The Auta 1 Se fr ek Tomo Pai p te "Sera ert in ew SELLTI Cn, ME toy se Pina Redes Sra, EPU'EDUSP. Sto Pol. pS 97 apresentado ao entrevistado um tipo de questionio cujas perguntas ‘Sto substtuidas pela primetaspalavras de uma sentenga pose. Sujeto deve completa sentenga de maneir espontea, som ree. {Eemplos de sentengas: "Or ricor sto "=" problema dos negros "YA complementagan deve revelarpreconectos, esterotipos que ‘oy indviduos nao manifestariam to nladamente em respostay& per funtas de formutacto expliita. Nas técnica pictorcas, 0 estimulo & {ima jmagem, 00 um conjutto de desenhos ent quadrinhos sem Tepe: fs. que represontam cortas situagoes sociais ou ineradiiduais O fenuevstado deve dizer 0 que as cenas the sugerem ou imaginar di logos entre as personagens das cenas representadas. Al poeriam ser reveladoscerlonpreconcelts ou crt ideology dv sufi em fang ‘os tposraciis ou socioculturis das personages INo contexto da pesguisasoiolgic, as tenicas projtivas st0 sais “asimetricas” do que as enias de questiondtio ou de entrevista Commun. Pos, nests mas, oobservad tem purciolmente acess 80 fonhecimento das intengbes do pesquisador afravés da compreensio fas perguntsse por melo de seu fuciocino mobilzado para msponde, No caso das tenicasprojetias, isto ado oxorte. O observado esti ‘mantido numa situagae de objeto pasivo eomparivel i situacto do ‘atom apacelhagem de lboratdio. As tecnica de enrevistas drei, ‘as tGenieas projetivas sto ambas fundamentalmenteamtidialgeas © ‘Sservador no "esclarece” raciacnio do abservado e este mo tem facesso is interpretagbes das suas respastas ou projegdes. Podemos hotar que o teste de associa de palavras é diferente di assoiaga0 live do verdidsrorelactonamento anaitlen que supoe uma intragae entra fala do analisando eas interpretages formuladss pelo anaista Tal interagto & substituida peo siéncio do pesquisadore pela sub missdo do pesqunado a una ordem predcterminada. Na ena proj tivausada em sceologia, © observadr et, requeniemente, autocos ‘enc de deter tado confecimento necesieo &interpretagto das projets sem preisarsubmeté-la ao entendimento do cbservado. OF Ste principio pode se cies a0 considerarmos que 4 inerpretaga0 Ala projgao também €, Treqdentemente, um tipo de projegdo do ee Dentro do quadro empirista em que se movem tais pesquisa, ‘nada impede uma diversidade de interpretagbe possivls. Por xem plo, quando a resposta projetada do individ pobre revela uma exrta hosilidade para com os cos, o observador pode adotr, em Tun da sa visio do mundo, uma interpetagdo-projeco enfaizando quer © stam posiivo de comtidnea de classe quero auortaism ou a pet ‘ulosdade des classes inferines, Para estabuecer ma relativa sme Triana relapto obseriador/abservado, os pesquisadores deveriam se “bier tests projetvos ates de apicar esta tsnien aos outros. Ot preconciis.eatitudes das indviduos de clases dias “inerores” m0 Poalem ser definidos independentemente da representagto do mundo ‘quem esl interpretando. O-questonamenta da prvjegao do obser “fdor¢ mais importante ao esp socologco do que ne campo mais “xrtamente pcollyio. Neste mo, aaterferéncta cultural ou ideo ihgica,embora estea bem presente, scupa wm haga de Segundo plano “Somparativamente sox mecanisns piguics Em conelusio, os problemas da categorzagio € da projecto enconteudon na apecensio da realidad psiossocial devem se cOMs ‘eras a net don avestigadosTormulagao das respostas) 40 nivel ‘dos imestgadores(Kormulagio das perguntas e interpretagao das 5 Dosti), No priito caso, 8 existe muitos estudonsociaingsticos {lative comparagio das earacerslias de eateporzagao dos indiv- ‘duos em fund da clase Socal a que pertencem. No segunda caso, & problematiagio das caractersias de eaegorizagao e de prego dos Desquinadores €um assonto poco trabalhado, 08 alé mesino “tabu, ha mega que tal problemalizaeao azo deixar de desvendar cert Imiscaras da dita iecias humana, tas como 880 pratcadas {Sinan Sapa isto we cite pe Se ota icine mi sm ara rg ‘ns pena ame ‘Wnt gente contd, Fiat com vues dus cateyreate © presses ‘ecuyummpc cg ao ne An Capitulo 1v Sobre a Enquete Operaria Apés tormos questionado o questionio e as entrevista tai ‘como sto concebidos e pratcados em pesquisas sciloyias conven ‘Shona ou em pesgusas de opinito, abservaremos agora com & cones belo questionario os, de modo gra. quesionamento, no context is investigagao social Uigada 2 pedtica polite da classe opersrs. ‘Tomaremos como textos de referencia ov artigos de RanieroPanvie ¢ Dario Lanzard, dos Quaderni Rosi cuj conteddo apresenta uma sri Sina Ge Ents Oe” eR ani ¢ a, cana wae oa as Sinker mma ce oss gee a ent interesante diacassio sobre oquestonsie formula por K. Mars mm Tsa0. sobre os pases objeion de ma enqucle opera ju aos leabathadores das fibrieas FIAT de Trim em 1965'e sobre as even tunis contribuiges da soiologia atl Neste capitulo apeseataemos um conjunto de elementos dando conta de quests metodagiasrlaivasdenqueteoperirae de ques tees poltcasfigadas a0 contexto de sua ullizacao. Apés um breve histric da nogao de engueteoperiia, mostraremos como ela se at cla com a probleméiica marisa. Em seguida, como proposta de Stualizaga0 da enguete operdra, sclinmos cs objetivs metodo Togios.s aientagao ava da imestigagaoe os efeitos de explicacto ssoviados& probiemsties do questionario.Indicaemos a especiic ‘kde da proposta de R.Pansie,queconssteem slabora ut mod de investiggto insrido na relagao entre um gropo politico de vanguard {cas masa, levande em conta cotribulgessocolgicas. Por su vez, rosso coments tentardo explorar 4 pessivelutlizagdo de orient ‘es Soilyiesseecentn. Daremo como exempt ponto de vst $Mlemacivo a eea de socologia do trabalho. Por fin, apontaremos 38 Aitcuidades de arculato, 20 nlel do grupo politico, entre ex ‘Sncias cionlficas © as exigéncias poteas di prtica da enguete opera 1. Enguete operiiaetadiga socilista ‘Antes de mais nada, sem apresentarmos aqui ohistrico det thado da nogio de enqete perina,& neers lembrarmos que cla sin na primeira metade do século XIX, em patses europe marca ‘los pea industalzacao captalista onde crescents a miséra as revolas da classe operdea foram percebidos como amcaga ou Perigo para a'sociedade no seu conjuntoe, em particular, para as classes thominantes A supereseutura, aquelaépoce, ainda nto dispunha do ‘onecimenioe da pola sain ncesaron o controle da dita "gues. {ao sori”. A burguesia ainda no dominava os mecanisms do om Senso nosis da nova socedade global que emerga da antiga soiedase "stories, O Estado tnha gan expeiéncia seu modo de tratar “tena por slg iene como ene esoome peng. Teco et ‘taste na coment ores silo a ie tng ¢ Poe ‘ar dengue rina Qader atm hate Open eet op sre Sc mcs parr cts sm sor poe oe 102 ‘om as lasses eamponesas 0 gue nao ocortia no tecane case ope Firiaem formagio. A legisla rabalhisa fol formulada aps dcadas Cedas de Totase debates. Por sua ver a clase operdea ainda no Tina conseguigoeeunios meio itlectuaispeopcios 30 Jvioconecimento de sua condigze conereta e& iterpretagao de a Saiicagto histrca, Numa primeiea fase, principalmente a peimelra bnctade do século XIX, as enguetesoperatins eam investigages tas {pedi dos governs dos representantes das lasses dominantes para tentarem entender a "questo opera” © propor divers femedios Nunta segunda fase, prncipalmente na segunda metade do secuo, & Htia de engucte opera fl apropriada pelos grupos socialists cn instruments de sutoconhecimente da classe operiria sm compromise com ae auorigades eu a0 academia O-questionirio que K. Mare fowl em 188) a pedido da Revue Socalate na Franga iscrevese hase content, O quetiniri fo divuigado na perspestiva de elaborar publicarInnoe sobre a situagbo da clase operina. Por causa de diver ‘Spuiluldades, revista desaparecen pouco tempo depois, em 1881 ‘Oobjetvo mao fi aeancado, De acon com os cmenties que formularemos, nose rata de ‘onsiderar que questiondio de 1880 €perfeito ou apicivel como tl mawalguer cicunstincia ou Epoca, Po as realidades do ata cap {alismoe das organizagbes da clase operdria S20 muito diferentes das tio sgoulo pasado, Ov que aos parece importante & a concepae do “estionirio. O estado desta, em comparacho ou contraposizao & da Pesquisa conversion aver seja um dos eaminos eondazindo 3 ela Rorayao de urn nova tipo de engucte operiiaatualieado e adaptado @ tjtivos espesificos dependents ews avaliagao da conjuntura oxiopoite eta pelo grupo promotor. ‘Antes de insiarmor a discuesio da concepsao dt engucte ope iva, devemo lembrur que independentemente dela, obra de K. ‘Marte Engels apresnton um constants enorgo de assocar a tor 2agto do modo de prod capitalist com a elaboragde de um cone ‘mento da stuacio conerets da clase operaria. Estes dis aspectos emetemn a um duplotaballo eo: erica do conbectnentottrico “dgponinel (no caso, principalmente economia polllea ea Slosfia ‘lassicas) levantamento eitco da inormaedo social sobre a classe ‘operisia dispose now mos oils (Pariamento, comissdes Je hi idee, cic), Amas a rticas so animadas do mesmo ponto de vista {Ecclasec prestupie descompromisso com a8 astride. "A Situapd’ do Case Trabalhodora ma Inglaterra, obra de F. Engels publicadn em 1815, é om exemplo de pesgusa sobre a classe speririn eo proetariad rural ealizadaindependentemente ds eno tondas ofc: Embora nao sa uma pesquisa por meio de questio- "eos, obra leva em consideragio uma grande qoantulade de mate Fal emplrio, inclusive sobre as conden de moradia,e Supde o que 103