Você está na página 1de 3

O Arcadismo

O arcadismo é uma escola literária surgida na Europa no século XVIII. O


nome dessa escola é uma referência à Arcádia, região do Peloponeso, na
Grécia, tida como ideal de inspiração poética. No Brasil, o movimento
árcade toma forma a partir da segunda metade do século XVIII. A principal
característica desta escola é a exaltação da natureza e de tudo que lhe diz
respeito. É por isto que muitos poetas ligados ao arcadismo adotaram
pseudônimos de pastores gregos ou latinos (pois o ideal de vida válido era o
de uma vida bucólica). O arcadismo, também chamado de setecentismo (do
século XVIII, ou os "anos de 1700") ou neoclassicismo é o período que
caracteriza principalmente a segunda metade do século XVIII, tingindo as
artes de uma nova tonalidade burguesa. A primeira metade do século XVIII
marcou a decadência do pensamento barroco, para a qual colaboraram
vários fatores: a burguesia ascendente, voltadas para as questões
mundanas, passou a deixar em segundo plano a religiosidade que
permeava o pensamento barroco; além disso, o exagero da expressão
barroca havia cansado o público, e a chamada arte cortesã, que se
desenvolvera desde a Renascença, atingia um estágio estacionário e
apresentava sinais de declínio, perdendo terreno para a arte burguesa,
marcada pelo subjetivismo. Surgiram, então, as primeiras arcádias, que
procuravam a pureza e a simplicidade das formas clássicas. No Brasil e em
Portugal, a experiência neoclássica na literatura se deu em torno dos
modelos do Arcadismo italiano, com a fundação de academias literárias,
simulação pastoral, ambiente campestre etc. Esses ideais de vida simples e
natural vêm ao encontro dos anseios de um novo público consumidor em
formação, a burguesia, que historicamente lutava pelo poder e denunciava
a vida luxuosa da nobreza nas cortes. O desejo da natureza, a realização da
poesia pastoril, a reverência ao bucolismo são traços marcantes da
literatura arcádica, disposta a fazer valer a simplicidade perdida no Barroco.
A transição do barroco para o Arcadismo se dá com a publicação, em 1768,
do livro Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa (1729-1789), um dos
integrantes da Inconfidência Mineira. Entre os árcades se destacam ainda o
português que viveu no Brasil e participou da Inconfidência Mineira, Tomás
Antônio Gonzaga (1744-1810), autor de Marília de Dirceu e Cartas Chilenas;
Basílio da Gama (1741-1795), autor do poema épico O Uraguai; Silva
Alvarenga (1749-1814), autor de Glaura; e Frei Santa Rita Durão (1722-
1784), autor do poema épico Caramuru. A escola predomina até o início do
século XIX, quando surge o Romantismo.

Momento Histórico:

1. No mundo:

-Séc. XVII – o “Século das Luzes”; O Iluminismo.

2. No Brasil:
-A expulsão dos Jesuítas do Brasil (1759); Ciclo da Mineração; Minas Gerais
como centro econômico e político; A Inconfidência Mineira (1789);

I- Início: 1768 com “Obras Poéticas” de Cláudio Manuel da Costa

II- Etimologia: Arcádia = região pastoril da Grécia

III- Definição: restabelecimento da simplicidade e do equilíbrio

IV- Local: MG = ciclo da mineração

V- Aspectos Centrais:

-racionalismo – superação dos conflitos espirituais do período Barroco;


retomada dos valores clássicos – o belo, o bem, a verdade, a perfeição;
pastoralismo – utilização de pseudônimos pastoris; valorização das
convenções clássicas e da mitologia greco-romana; bucolismo – vida no
campo; predomínio da razão – ênfase aos estatutos da razão, do
conhecimento e da ciência; a beleza e o racional caminham lado a lado;
idealização do amor e da mulher; objetivismo; sátira política; linguagem
simples.

Realismo

Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os escritores


realistas desejavam retratar o homem e a sociedade em sua totalidade. Não
bastava mostrar a face sonhadora e idealizada da vida como fizeram os
românticos; era preciso mostrar a face nunca antes revelada: a do cotidiano
massacrante, do amor adúltero, da falsidade e do egoísmo humano, da
impotência do homem comum diante dos poderosos. Uma característica
comum ao Realismo é o seu forte poder de crítica, adotando uma
objetividade que faltou ao romantismo. Grandes escritores realistas
descrevem o que está errado de forma natural. Se um autor desejasse
criticar a postura da Igreja católica, não escreveria um soneto anticristão,
porém escreveria histórias que envolvessem-na de forma a inserir nessas
histórias o que eles julgam ser a Igreja Católica e como as pessoas reagem
a ela. Em lugar do egocentrismo romântico, verifica-se um enorme interesse
de descrever, analisar e até em criticar a realidade. A visão subjetiva e
parcial da realidade é substituída pela visão que procura ser objetiva, fiel,
sem distorções. Dessa forma os realistas procuram apontar falhas talvez
como modo de estimular a mudança das instituições e dos comportamentos
humanos. Em lugar de heróis, surgem pessoas comuns, cheias de
problemas e limitações. Na Europa, o realismo teve início com a publicação
do romance realista “Madame Bovary” (1857) de Gustave Flaubert. O
contexto social propiciado pelo Realismo, aliado a leitura de grandes
mestres realistas europeus como Stendhal, Balzac, Dickens e Victor Hugo,
propiciarão o surgimento do mesmo movimento literário no Brasil. Assim,
em 1881 Aluísio Azevedo publica “O Mulato” (primeiro romance naturalista
brasileiro) e Machado de Assis publica “Memórias Póstumas de Brás Cubas”
(primeiro romance realista do Brasil). O aparecimento do Realismo em
Portugal deu-se na Questão Coimbrã. Polêmica esta que significou, nas
palavras de Teófilo Braga, “a dissolução do Romantismo”, nela se
manifestaram pela primeira vez as novas ideias e o novo gosto de uma
geração que reagia contra o marasmo do Romantismo. O segundo episódio
do aparecimento do Realismo verificou-se em 1871 nas Conferências do
Casino (ou Conferências Democráticas do Casino). A implantação efetiva do
Realismo dá-se com a publicação de “O Crime do Padre Amaro”, seguida
dois anos mais tarde pelo “Primo Basílio”, obras de Eça de Queiroz, que são
caracterizadas por métodos de narração e descrição baseados numa
minuciosa observação e análise dos tipos sociais, físicos e psicológicos,
aparecendo os fatores como o meio, a educação e a hereditariedade a
determinarem o caráter moral das personagens. Embora por vezes
doutrinariamente fraco e/ou confuso o Realismo em Portugal apresenta-se
por isso mesmo, mais do que um movimento consistente, como uma
tendência estética, um sentir novo, que se opôs ao Idealismo e ao
Romantismo. A sua consequência mais importante foi a introdução em
Portugal das influências estrangeiras nos vários domínios do saber.
Alargando as escolhas literárias e renovando um meio literário que estava
muito fechado sobre si mesmo.

Principais correntes da época:

-Positivismo; Determinismo; Darwinismo.

Alguns expoentes do realismo europeu: Gustave Flaubert, Honoré de Balzac,


Eça de Queiroz, Charles Dickens.

Alguns expoentes do realismo brasileiro: Machado de Assis, Raul Pompéia,


Artur Azevedo.

Aspectos centrais: distanciamento do narrador; valoriza o que se é; crítica


direta; objetividade; textos, às vezes, sem censura; imagens sem fantasias,
reais; aversão ao amor platônico; mistura de épico e lírico nos textos;
cosmopolita.