Você está na página 1de 1

Jornal Jovem

O TERRAMOTO DE 1755
No dia 1 de Novembro de 2005, fez 250 anos que um violento tremor de terra, atingiu
Lisboa e reduziu a Baixa da cidade a escombros.
No dia 1 de Novembro de 1755, um terramoto assolou a cidade de
Lisboa e provocou a destruição de grande parte da cidade e a morte de
cerca de 60.000 pessoas. Só na cidade de Lisboa, onde viviam à volta de
250.000 pessoas, morreram perto de 20.000. O abalo foi tão forte que se
sentiu até no sul de França e norte de África.
A terra começou a tremer às 9h45 da manhã do feriado religioso
de Todos-os-Santos, quando grande parte da população se encontrava
dentro de igrejas. Por isso, muitas mortes aconteceram nesses locais. Os
sobreviventes refugiaram-se na zona portuária, mas o terramoto sentiu-
se também no mar, tendo provocado um maremoto que causou a
As ruínas do Convento do Carmo,
destruição dos barcos, a morte dos seus tripulantes e fez submergir o símbolo do terramoto de 1755
porto e o centro da cidade.
Pouco depois sentiu-se um segundo abalo. Como estava muito frio, as lareiras estavam acesas
e a cidade incendiou-se.
Durante três dias, a terra não parou de tremer. O terramoto atingiu tais proporções que causou
fissuras de cinco metros que cortaram o centro da cidade. Cerca de 85% das construções de Lisboa
ficaram destruídas, incluindo palácios famosos, bibliotecas, igrejas e hospitais… mas verificaram-se
também estragos em vários pontos do país.
Passado o horror, o rei D. José I ordenou ao seu primeiro-ministro, o Marquês de Pombal, que
reconstruísse a baixa da cidade. A maior parte dos monumentos foi restaurada, mas alguns, como o
Convento do Carmo, continuam em ruínas e simbolizam este dia trágico que atingiu o nosso país.

Marquês de Pombal,
o reformador de Lisboa
Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal,
primeiro-ministro do Rei D. José I, foi responsável pela
reconstrução de uma cidade moderna, após a destruição da
antiga, devido ao grande terramoto que assolou Lisboa.
Nasceu a 13 de Junho de 1699, em Lisboa, o mais velho
de onze filhos de Manuel de Carvalho e Ataíde e de Teresa
Luísa Mendonça e Melo, fidalgos da província. Estudou Direito na Universidade de Coimbra mas
desistiu do curso e alistou-se no exército. Voltou a desistir e mudou-se para Lisboa. Casou-se duas
vezes, tendo tido cinco filhos no segundo casamento.
O Marquês de Pombal ficou conhecido como o grande reformador de Lisboa, pois fez
renascer das cinzas uma cidade inteira, segundo uma planta de ruas largas, paralelas e
perpendiculares. É a ele que se devem os primeiros edifícios, a nível mundial, com protecção anti-
sismo, testados recorrendo a modelos de madeira. Mas a sua vida não conta apenas com os grandes
feitos históricos, como a reconstrução de Lisboa. Ele foi responsável por um ataque feroz àqueles
que considerava contrários aos interesses de um poder central forte; as perseguições à Companhia
de Jesus e a execução de membros da nobreza, como os Távoras e o Duque de Aveiro, são um
exemplo dessas práticas.
Faleceu em Maio de 1782, com 83 anos de idade.
Cátia Manta e Daniel Duque, 6.º C
3