Você está na página 1de 36

DICIONÁRIO DA MAÇONARIA

“A”
É a primeira letra do alfabeto. Quando seguido da tri-pontuação (A∴), expressava a
abreviatura da palavra Arquiteto. Hoje se usa “Arquit∴”

Abater Colunas – Diz-se quando uma Loja deixou de trabalhar.

Abelha - Símbolo do trabalho; é a produtora do melhor alimento que é o mel.

Abertura – As Sessões das Oficinas de qualquer Grau ou Rito, são abertas por seus Rituais
próprios.

Ablução – Parte
da iniciação pela qual passa o Candidato, chamada de “prova da água”, para
simbolicamente ser considerado purificado.

Abóbada – Parte dos edifícios em forma de cúpula, principalmente os da antiguidade, como o próprio “Templo
de Salomão”.

Abóbada-Celeste – É o firmamento celeste com seus astros e estrelas; nos Templos, está representada pela
decoração do teto.

Abóbada de Aço – São várias, determinadas pelo protocolo Maçônico, que fazem os Irmãos, para que por
debaixo das espadas passem as autoridades, quando em visitas às Lojas.

Abóbada Estrelada ou do Templo – Céu, imensidade.

Abraço Fraterno – Amizade.

Abreviatura – É a escrita Maçônica, que dificulta sua leitura aos profanos, como A∴R∴L∴
S∴,ou Aug∴e Resp∴Loj∴Simb∴, ou Gr∴Or∴, Grande Oriente, Ir∴do ; membro da .

Acácia - Árvore sagrada da “Antigüidade”, cujo atributo simbólico só é de conhecimento dos


Mestres Maçons. Sua madeira de longa durabilidade foi usada para fins navais; seus ramos e
suas flores são usados em muitos símbolos do R∴ E∴ A∴ A∴; imutabilidade, inocência,
incorruptibilidade, tristeza, recompensa da prudência.

Acampamento – Lugar onde trabalha um “Consistório de Príncipes do Real Segredo”.

Aclamação – É o consentimento geral para dispensar formalidades Ritualísticas. Significa


também Exaltação (Veja Vivat e Huzza).

Adar – É o 6º mês do calendário judaico.

Adjunto – Dignidade, oficial ou autoridade substituta de funcionário em qualquer Corpo


Maçônico.

Adoção – Amor fraternal.

Adoção de Irmão – É o ato filantrópico de uma Loja, em chamar sobre si a responsabilidade


de cuidar, em todos os sentidos, de um Ir∴ idoso ao qual lhe faltem recursos para a sua
manutenção.
Adoção de Lowtons – É o ato de uma Loja em adotar um filho de um Irmão, quando se
compromete, se necessário for, dar-lhe educação e sustento até que possa viver das suas
próprias expensas.

Adonhiran – Personagem bíblico, a quem o “Rei Salomão”, confiou a responsabilidade da


administração dos Obreiros do Templo divididos em: Aprendizes, Companheiros e Mestres;
nas variadas atividades profissionais.

Adormecer – Para as Lojas, tem a mesma significação de “abater colunas”. Para os Irmãos, é
o ato de deixar de comparecer aos trabalhos de sua Loja.

Adro – Sala que se situa junto à entrada de um Templo Maçônico.

Ágape – (Em linguagem de Banquete). É toda e qualquer refeição servida, na qual, ao seu
final se dá mutuamente o “ósculo da paz e da fraternidade”.

Água - Purificação, o primeiro dos elementos da natureza, aparece no Ritual do Grau “1”.

Água Lustral - Maçonicamente é o emblema da purificação, para os Aprendizes é uma forma


de purificação, quando mergulha as suas mãos na “água lustral” durante a sua Iniciação.

Água Tofana – Produto mortalmente tóxico, que na antiguidade era destinado ao perjuro.
Modernamente, é tomada como símbolo do desprezo, que os Maçons votam aos maus
Maçons.

Águia - Rainha das aves, pela sua inteligência e força aparece de várias formas em nossos
Rituais. Muito usado em heráldica, principalmente à “águia bicéfala”, que vigia o passado e o
futuro, poder, liberdade, sabedoria.

Águia Bicéfala – Em Maçonaria é muito usada como símbolo, sendo a “jóia” de um


“Supremo Conselho”, pois exprime a perene vigilância, para o passado e para o futuro.

Alavanca – É um símbolo de força, firmeza, coragem inquebrável.

Alfabeto – A Maçonaria sempre usou alfabetos próprios para escritas Maçônicas, existindo
vários: como o inglês, o alemão, o hieróglifo do Grau “33”.

Alimentos - Reino animal.

Alinhar – (Em mesa de Banquete). Significa colocar em linha os canhões e barricas.

Alquimia – Foi à chamada arte de manipular o reino mineral, maçonicamente admitida no


Grau de Aprendiz: terra, ar, água e fogo.

Alta Maçonaria – Diz-se na Maçonaria, quem pratica os Altos Graus, para alguns, são os
Graus acima do “3”, mas muitos só consideram como tal os Graus acima do Grau “30”.

Alta Observância – É o lado da Maçonaria que se dedicou e ainda se dedica, ao estudo da


alquimia, cabala e magia.

Altar – Mesa de forma especial, onde trabalham o Venerável e os Vigilantes. Existem outros
como: “Altar dos Juramentos, Altar dos Pães Propiciais” e etc...
Altar dos Holocaustos – É usado no Grau “23” do R∴E∴A∴A∴, para conter várias alfaias
desse Grau.

Altar dos Juramentos – É uma pequena mesa quadrada ou triangular, que fica ao centro do
Ocidente de um Templo, para conter atributos necessários aos compromissos Maçônicos.

Altar dos Perfumes – Faz parte de vários Graus Superiores, que contém o necessário para a
purificação do Templo ou dos Irmãos.

Altar dos Sacrifícios – É colocado ao Norte do Templo, sobre o qual se põem as taças da
amargura.

Altos Graus – São os Graus acima do Grau “3”; em todos os Ritos conhecidos, nos quais se
transmite o lado Filosófico da Ordem.

Altruísmo – Virtude que cada Maçom possui, é o oposto de egoísmo.

Amarelo - Sabedoria, magnificência. Esta cor é muito usada em vários Graus do R∴E∴A∴
A∴, é uma das sete cores primitivas, que fez parte importante da Maçonaria oculta, quando
estudou a importância das cores.

A.M.F.D.V. – Abreviaturas de palavras conhecidas, só dos Mestres. (Ver Sinal de Socorro).

Amor – Sentimento profundo enraizado na alma do homem, que se expressa das mais
variadas formas. Toda a filosofia da Ordem é calcada na “Lei do Amor Fraternal”.

Ampulheta - Brevidade da vida humana.

Anel - Ano, tempo, amizade perene, aliança, união. É muito usado pelos Maçons, e pode
conter as mais variadas formas e símbolos. Em um dos Altos Graus do Rito Escocês, é usado
como forma de “aliança” entre os Irmãos.

Alma do Mundo – (Anima Mundi em latim) – A essência divina que anima todas as coisas
desde o átomo ao universo.

Anjos – Os anjos são mencionados em todas as religiões, e na Maçonaria são citados, muitos
deles pelos exemplos que representam.

Aplausos – Nas Sessões Maçônicas, expressam alegrias e satisfação, e são apresentados por
certo número de pancadas, conforme o Grau em que se trabalha. (Ver Baterias).

Aprendiz – Maçom que está no “primeiro Grau” de qualquer dos Ritos Maçônicos
conhecidos.

Aprendizagem – É o estado do Aprendiz no primeiro “Grau do Simbolismo Maçônico”.

Aprovação – Gestos que os Maçons usam para aprovarem algum pedido, existindo várias
delas como a simbólica, a nominal e a secreta.

Ar – Um dos quatro elementos conhecidos no passado, maçonicamente o ar serve para


designar uma das “provas” do Ritual de Aprendiz do R∴E∴A∴A∴. (Ver Prova do Ar).
Arca da Aliança – Foi uma caixa de forma especial construída por Moisés, para nela guardar
as “tábuas da lei”. Adorno obrigatório nos trabalhos dos Graus Inefáveis do R∴E∴A∴A∴
(“4 a 14”).

Armas – Em Loja de Banquete: copos.

Arminho - Magnificência e esplendor da Maçonaria, pureza dos filiados.

Arquiteto – É o Irmão encarregado de montar a Loja, para o perfeito funcionamento das


Sessões, decorando-a e ornamentando-a convenientemente.

Arquitetura – Em Maçonaria relaciona-se, sobretudo com todas as suas práticas; todos os


“Símbolos Maçônicos” são baseados na arquitetura, na arte de construir, principalmente na
construção do “Templo de Salomão”.

Arquivo – Lugares onde se conservam documentos, livros e etc, de um Corpo Maçônico.

Arte Real – Designação antiga dada a Maçonaria, mas ainda em uso atualmente. Assim é
considerado o trabalho dos Maçons, que simbolicamente constroem monumentos à virtude.

Ashmole (Elias) – Sábio, alquimista e antiquário, considerado o verdadeiro pai da moderna


Maçonaria. Desvinculando-a da Maçonaria operativa, foi quem criou os primeiros Rituais de
Aprendiz, Companheiro e Mestre da Maçonaria especulativa, ou seja, a moderna.

Asno - Ignorância.

Aspirante – Todo Candidato a Maçom, quando acaba de passar pelas “provas” da Iniciação.

Assiduidade – É a freqüência constante dos Maçons aos trabalhos de sua Loja, aos quais
obrigatoriamente devem comparecer.

Astrologia – Antigamente era uma ciência oculta. Hoje é muito estudada pelos Maçons sendo
que, muitos astros e planetas são representados nas decorações dos Templos Maçônicos.

Ataduras – Muito usado nas Cerimônias Maçônicas, em que os Iniciados (em vários Graus),
se apresentam amarrados com cordas, simbolizando a escravidão em que se acham, dos quais
devem se libertar.

Ateísmo – Doutrina considerada como contrária à Maçonaria. Hoje os “ateus” encontram


abrigo na Ordem através do Rito Moderno, especialmente criado para os agnósticos, pois
entre eles existem sábios, filósofos e homens probos de boa vontade.

Atributo – São os emblemas, alfaias, jóias e tudo o que se relaciona com os Graus e Cargos
Maçônicos.

Átrio – Espaço situado entre a sala dos “passos perdidos” e o Templo Maçônico.

Aumento de Salário – Passagem de um Irmão a um Grau Superior ao que está investido.

Ausência – É o período em que o Maçom se afasta dos trabalhos de sua Loja, o que não é
permitido fazer-se sem a devida autorização.

Av – É o 11º mês do calendário judaico.


Avenidas – Corredores ou salas por onde se passa para chegar ao Templo propriamente dito.

Avental – É um dos símbolos mais importantes da Ordem, por simbolizar o trabalho. A


nenhum Maçom é permitido estar nas Sessões Maçônicas sem esse adorno. Os aventais
variam: de cor, tamanho e atributos; conforme o Rito ou Função que se exerce.

Azeite - Sabedoria, paz, conforto, prudência.

Azul - Piedade, temperança, doçura, lealdade, sabedoria. Recompensa, amizade, fidelidade,


perfeição infinita de Deus.

“B”
topo

“É a segunda letra do alfabeto. Seguida da tri-pontuação (B∴), é a abreviação do nome da


coluna BOOZ, situada à entrada de um Templo. Também aparece no avental de um Mestre
Maçom, como a inicial da” palavra sagrada “deste Grau M∴B∴(Mac-Benath)”.

Bafomet – Palavra designativa de “satanás ou demônio”, que é citada no Ritual do Grau “30”.

Balança – Símbolo da retidão, é a libra dos “doze signos dos zodíacos”.

Balandrau – É uma capa longa de cor preta, para esconder a roupa comum, que pode ser
eventualmente usada nas Sessões ordinárias de uma Oficina, entretanto nas Sessões Magnas,
o traje é obrigatoriamente o prescrito nos Rituais: camisa branca, gravata, sapatos e terno
preto.

Balaustrada do Templo – É o conjunto de balaústres, ou grades, que separa o Oriente do


Ocidente de um Templo.

Balaústre – Em Maçonaria serve para designar a ata, ou o relato do que se passou em uma
“Sessão Maçônica”.

Bandeira – Pedaço de pano de várias formas ou tamanhos, com desenhos alusivos a um


Corpo Maçônico, Simbólico ou Filosófico, ou ainda Potência Regular. Em linguagem de
Banquete: guardanapo.

Banquete – Festividade que os Maçons realizam, para comemorar uma data ou


acontecimento importante. Há Rituais especiais para os vários Banquetes Maçônicos.

Barrica – Em Banquete Maçônico: garrafas.

Bastões – Vara de madeira ou metal, com jóias próprias, colocadas nas extremidades
superiores dos mesmos, fazendo alusão aos cajados dos antigos peregrinos, são usados pelo
Mestre de Cerimônia e pelos diáconos.

Baterias – Aplausos que são dados durante as Sessões para manifestar alegria. São dadas por
pancadas, que variam de números, ou combinações de números, conforme o Grau em que se
está trabalhando.

Beijo – (Vide Ósculo).


Beijo de paz - Amizade, reconciliação.

Beleza – É uma das “três colunas simbólicas” que adornam uma Loja, as outras são: Força e
Sabedoria.

Bem – É o princípio moral que está em constante luta com o mal. A Ordem deseja o bem em
todos as suas formas. O bem dos Irmãos, o bem da pátria e o bem da humanidade.

Beneficência – É uma das práticas que deve ser cultivada pelos Maçons, de qualquer forma,
que se apresente à necessidade dos nossos semelhantes.

Bíblia – Livro contendo o “antigo e o novo testamento” dos católicos, e outras crenças
consideradas cristãs. Nos países católicos é usada como “Livro da Lei Sagrada”, do qual se lê
um pequeno trecho na abertura das Sessões.

Boi - Fortaleza, trabalho.

Booz – Também conhecida como “Boaz”, foi o nome de um dos filhos de “Salomão”; e nome
de uma das Colunas de bronze, mandado fundir por ordem de “Salomão”. Nos Templos atuais
é a “palavra sagrada” do Grau de Aprendiz, é representa pela letra “B”, numa das Colunas
situadas no interior dos Templos.

Branco - Uma das cores mais importantes usadas pela Maçonaria, simboliza a inocência, a
candura e é a cor dos Aventais de Aprendizes e Companheiros.

Brevê – Diploma do Ir∴ que atinge o Grau “18” do R∴E∴A∴A∴, “Cavaleiro Rosa Cruz”.

Buril – Em Maçonaria assim são chamados simbolicamente o lápis e as canetas, com que se
burilam os escritos Maçônicos.

“C”
topo

Cabala – (Ver kabala). Teosofia dos hebreus, que tem recebido as mais variadas explorações,
quanto a sua finalidade e poderes sobrenaturais, que são atribuídos aos cabalísticos do
passado. O termo hebreu Kabbalah significa tradição; daí conclui-se, que a “cabala” é a
tradição antiga dos hebreus, passada de pai para filho.

Cadeia - Escravidão, superstição, intolerância, ilustração, união.

Cadeia de Flores - Alegria. Assim são chamadas as grinaldas, que ornam os Templos em suas
Sessões festivas.

Cadeia de União - Aliança. Forma-se de modo especial para a comunicação da “palavra


semestral”, ou no final dos banquetes ritualísticos, para o “ósculo da paz”.

Caduceu - Ciência e progresso.

Caim - Males, paixões.


Calendário – Os Maçons possuem calendário próprio, a “Maçonaria Simbólica” acrescenta
4.000 ao calendário atual, assim 1999 registra-se 5.999.

Calendário Maçônico – Diversos calendários já foram adotados pela Ordem, conforme os


Ritos, hoje prevalece o calendário hebraico; designando como ano da “Verdadeira Luz” (V∴L
∴). Sendo o nosso calendário usual designado como ano da “Era Vulgar” (E∴V∴).

Cálice da Amargura – O cálice é usado pela “igreja católica” de várias formas,


principalmente para a consagração do vinho; para os Maçons, o cálice da amargura lembra os
maus momentos e dificuldades que temos que passar. É também lembrado na Iniciação do
Grau de Aprendiz, numa das provas por que passa.

Câmara – Nome que recebem os locais onde se reúnem os Maçons, conforme o Grau de cada
Rito em que estão reunidos, também assim são chamadas as reuniões diversas, para
transmissão de instruções específicas.

Câmara Ardente – É o lugar que realiza uma das partes da cerimônia de Iniciação do Grau
de Aprendiz. Quem não se lembra da frase: “este clarão pálido e lúgubre...”.

Câmara de Instrução – É a Sessão destinada tão somente ao ensinamento e estudo do


simbolismo, liturgia e história geral da Ordem.

Câmara de Perfeição – (Ver Loja de Perfeição).

Câmara de Reflexão – Lugar geralmente subterrâneo, onde os Candidatos permanecem para


meditarem a cerca das coisas materiais do mundo. Simboliza o centro da terra de onde viemos
e para onde teremos que voltar.

Câmara do Meio – Sessão onde os Mestres recebem o seu salário, e se reúnem para
deliberarem.

Câmara Simbólica – Nome dado às reuniões das Lojas Simbólicas em geral.

Candelabro – Utensílio usado em todas as cerimônias Maçônicas, variam de forma e de


número de luzes conforme o Grau que se está trabalhando. Modernamente não se usam mais
as velas, mas sim, lâmpadas elétricas.

Candidato – Nome dado ao profano que está sendo proposto ao ingresso na Ordem. É
necessário fazer-se a devida diferenciação entre: Candidato, Postulante, Recipiendário,
Aspirante e Neófito.

Cão - Por ser o melhor amigo do homem, é considerado o símbolo da fidelidade; aparece no
Ritual do Grau “9” do R∴E∴A∴A∴.

Capitação – É uma taxa anual que cada Obreiro, obrigatoriamente, recolhe ao “Grande
Oriente” a que pertence. Em algumas Potências, essa taxa é devida para o âmbito Estadual e o
Federal.

Caracteres Maçônicos – Abecedário de que se serviam os antigos Maçons, para


comunicarem-se entre si. Hoje está em desuso.

Carbonizar - Diz-se quando se coloca uma esfera negra na urna, que se usa para votação da
admissão de um Candidato.
Carta Constitutiva – Documento que uma Potência concede a uma Loja, que se instala como
reconhecimento de sua legalidade.

Casula – Vestimenta constituída por um pano, devidamente decorado, com bordados de


figuras e dizeres simbólicos, com que se reveste o Maçom, quando de sua recepção no Grau
de CAV∴R∴C∴ do R∴E∴A∴A∴.

Cavaleiro – Na Maçonaria, assim são chamados todos os Maçons, que foram Iniciados nos
Graus que têm origem na “antiga cavalaria”, que existem em muitos Ritos.

Cavaleiro de Malta – Ordem militar conhecida por “Hospitaleiros de São João de


Jerusalém”, foi extinta em 1798.

Cavaleiro Rosa Cruz – Título do 18º Grau do Rito E∴A∴A∴.

Caveira – Em Maçonaria é objeto imprescindível nas “Câmaras de Reflexão”, para lembrar


ao Candidato da brevidade da vida; que deve estar voltada para o bem.

Caverna – (Ver Câmara.).

Cego – Simbolicamente aquele que não viu a “Verdadeira Luz”. Como regra não se deve
admitir os cegos nos mistérios da Maçonaria, porém os Maçons que tiverem a infelicidade de
se tornar cegos, devem permanecer na Ordem.

Ceia – Cerimônia ritualística, realizada pelos “Cavaleiro Rosa Cruz”; onde são servidos pão e
vinho, alimentos emblemáticos da imortalidade.

Certificado – Documento através do qual uma Loja atesta a qualidade dos seus membros:
Aprendiz, Companheiro ou Mestre.

Cetro - Poder.

Chamas - Purificação.(Ver Provas).

Chanceler – Um dos oficiais de uma Loja, que controla a freqüência dos seus membros, ao
trabalho da mesma, as visitas em outras Oficinas e expede certificado de presença aos
visitantes.

Chantre – Assim é designado, no Rito Brasileiro, o Irmão responsável pela “coluna da


harmonia”.

Chave - Inteligência, tesouro. Símbolo Maçônico da prudência e discrição. Silêncio.

Chaves Místicas – Palavra sagrada ou de “passe”, que servem simbolicamente para abrir o
Templo.

Cheshvan – É o 2º mês do calendário judaico.

Chover – É quando está presente um profano no meio Maçônico.

Christos – (Em Grego), também é como os gnósticos chamam a “Jesus Cristo”.

Ciências Ocultas – Eram os conhecimentos ensinados pelos antigos, mistérios das Iniciações
egípcias.
Cinco Pontos da Perfeição – São os “cincos pontos” que só são transmitidos a Mestre
Maçom, de viva voz, nas instruções próprias do Grau.

Cinzas - O nada.

Círculo - Criação, universo. Para os Maçons é considerado o “símbolo do universo, e do


cosmo”. Na escrita Maçônica a Ordem é representada por um círculo, tendo em seu centro a
tríplice pontuação (tri-pontuação) .

Cisma – Separação de facções Maçônicas, motivadas por discórdias intestinas, que


infelizmente ocorrem entre os Maçons.

Clandestino – São todos os Corpos Maçônicos, não reconhecidos pelas Potências Regulares.

Clepsidra - Relógio de água.

Coberto – (Ver Estar a Coberto).

Cobridor – É o oficial de uma Loja encarregado de “trolhar os visitantes”, deve ser de


preferência um Irmão conhecedor de todos os Regulamentos e Ritual.

Cobridor do Grau – É o conjunto de meios para o reconhecimento, que se concede aos


Irmãos, a cada Grau de qualquer Rito. Ao visitante de uma Loja ser-lhe-á solicitado essa
identificação.

Cobrir o Templo – Retirar-se dos trabalhos de uma Loja, quando esta estiver trabalhando.

Co-Irmã – Qualquer Loja com a qual deve ser mantida correspondência ou visitas regulares.
Não são Lojas Co-Irmãs as Lojas consideradas espúrias, ou pertencentes a Potências, não
reconhecidas oficialmente.

Colméia - Trabalho.

Colares – São colares de pano, que se usa ao pescoço, contendo desenhos inerentes ao Rito e
Grau, em que está trabalhando um Corpo Maçônico; servindo para prender, em sua ponta, a
“jóia” do Cargo de quem o exerce. (Ver Fitões).

Colunas - Virtudes, teologias, interior dos Capítulos, parte da Loja. São as duas “Colunas” no
interior do Templo, próximas a sua entrada. Sendo que, no R.E.A.A., na “Coluna do Norte”
está a letra “J”, e na “Coluna do Sul” está a letra “B”, que designam onde ficam os:
Aprendizes, Companheiros e Mestres. No Rito Moderno estas letras são invertidas.

Colunas da Infâmia – Uso antigo de algumas Lojas, que colocaram nessa simbólica coluna,
os Irmãos que se tornaram indignos da Ordem. Essa prática não prosperou e, modernamente
basta a eliminação dos que se tornaram maus Maçons.

Colunas de Harmonia – Irmão, ou coro que se responsabiliza pela parte musical, de qualquer
solenidade Maçônica.

Colunas Gravadas – Qualquer tipo de prancha ou comunicado escrito, que circule, ou seja,
depositado na bolsa de propostas e informações.

Colunas Zodiacais – São as “doze colunas” que circundam os Templos Maçônicos. São seis
masculinas do lado direito, e seis femininas do lodo esquerdo.
Comissão – É um grupo de Irmãos, geralmente de três, podendo ser de maior número, que
são nomeados por quem de direito, para executarem um trabalho, ou representarem o Corpo
Maçônico a que pertence em qualquer solenidade tanto profana como Maçônica.

Comitiva – É o grupo de Irmãos que acompanha autoridade Maçônica, em missões oficiais


ou em simples visita de cortesia.

Companheiro – Assim são chamados os Irmãos que estão no Grau “2”, da Maçonaria
Simbólica.

Compasso – É o emblema da justiça. Pela abertura do ângulo formado pelas suas pernas, é
que simbolicamente os Maçons regulam seus sentimentos e seus atos.

Condecoração – Insígnia que acompanha um título concedido como: honorário, benfeitor, e


etc. Pode ser um distintivo ou laço para ser usado na lapela.

Conselho de Kadosch – É a “Câmara Filosófica”, que administra os Graus “19 a 30” do R∴


E∴A∴A∴, com poderes de conferir esses Graus e as instruções correspondentes.

Conselho de Mestres Instalados – Assim á chamado um grupo de no mínimo três Mestre


Instalados, designados para proceder à Instalação de um Venerável, recém eleito;
transmitindo-lhe todos os segredos inerentes a essa função.

Consistório – Alta Câmara do R∴E∴A∴A∴ em que se reúnem os Irmãos investidos nos


Graus “31 e 32”.

Constituição - É o regulamento maior de qualquer Potência Maçônica, através do qual, são


determinados os direitos e obrigações dos Corpos e membros, que são subordinados.

Convocação – É o chamado oficial que se faz aos componentes de qualquer Corpo Maçônico,
para reunirem-se em trabalhos especiais.

Coração – Hiram, o arquiteto do Templo de Salomão.

Corda com 81 nós – Fraternidade e amizade.

Cordão de União – Fraternidade e união.

Cordeiro - Símbolo da paz, no passado foi usado para os sacrifícios em honra aos “deuses
pagãos”. Aparece de várias formas, no Ritual do Grau “18” do R∴E∴A∴A∴.

Coroa - Poder, glória, triunfo.

Corpo Maçônico – Diz-se de diversos seguimentos da Maçonaria: “Loja Simbólica, Loja de


Perfeição, Sublime Capítulo, Assembléia Legislativa” e etc...

Corvo - Ave considerada de mau agouro para uns, disseminadora de doenças por alimentar-se
de carniça para outros. E ainda considerada exterminadora de germes. Aparece como símbolo
de argúcia em um dos Altos Graus do R∴E∴A∴A∴.

Cotização – É a importância anual, que cada Corpo ou Loja, recolhe à Potência a que pertence. Há Potências
que recolhem essa importância mensalmente.

Cruz - Imortalidade, fé, santidade.


“D”
topo

Dar Entrada – Dar entrada ao Templo, é permitir a um Irmão, comissão ou autoridade para
participar dos trabalhos de um Corpo Maçônico.

Decoração – Ornamento que se faz no local onde as Lojas trabalham, variam conforme o Rito
e o Grau em que funcionam.

Degraus - Maçonicamente, subindo são as dificuldades para a vitória das idéias, e o esforço
que se despende para chegar a “Luz”; descendo é a facilidade com que podemos cair na
imperfeição ou vício.

Delta – É o triângulo luminoso, símbolo do “Poder Supremo”, que se situa por trás da cadeira
do Venerável Mestre.

Deputação – Irmão de uma Loja, por ela nomeada, para representá-la em qualquer solenidade
ou missão oficial.

Deputado – Irmão eleito por uma Loja, para representá-la na “Assembléia Legislativa” de
uma Potência. Há Potências com Assembléia Estadual e Federal.

Diácono – Existem no Rito Escocês dois Diáconos: o 1º e o 2º; que são os encarregados da
transmissão de Ordens do Venerável ao 1º Vigilante, e deste para o 2º Vigilante.

Dignitários – São os cincos primeiros oficiais de uma Loja Simbólica.

Diploma – Certificado que atesta, que seu portador é Mestre Maçom.

Direitos – Cada Potência Maçônica, em suas “Leis”, mencionam os direitos que concedem aos seus membros;
direito de votar e ser votado, justa proteção moral e etc...

Dissidência – Sempre houve, e possivelmente haverá outras na Maçonaria, no Brasil em


especial já houve muitas, destacando-se as maiores a de 1927, quando foram criadas as
“Grandes Lojas”; e a de 1973, quando apareceram os “Grandes Orientes Independentes”.

Docel – É a cobertura colocada sobre o Altar do Venerável, que varia de cor ou formato,
conforme o Rito.
Dualismo – É a existência de dois princípios opostos; o bem e o mal, o preto e o branco; que
são princípios necessários para o equilíbrio do procedimento.

“E”
topo

Elementos - São os quatros elementos usados nas provas da Iniciação, já conhecidos dos
antigos: terra (matéria física), ar (matéria psíquica), água (matéria sensitiva) e fogo (matéria
mental).
Elevação de Grau – Genericamente é a passagem de um Grau para o Superior, mas cada
cerimônia tem denominação especial. Iniciação para o Grau de Aprendiz. Elevação para o
Grau de Companheiro. Exaltação para o Grau de Mestre. Havendo outras designações para os
“Graus Filosóficos”.

Elul – É o 12º mês do calendário judaico.

Emblemas – Figuras representativas, insígnias, distintivo de Loja ou “Corporação


Maçônica”.

Encarnado – É a cor do R∴E∴A∴A∴, com o significado de zelo e fervor.

Encíclica – Circular que o Grão-Mestre, dirigi às Lojas, ou esta aos seus Obreiros.
Modernamente este termo está em desuso, mas ainda em prática pela “Igreja Romana”.

Era Maçônica – Época da qual se começam a contar os anos na cronologia da Ordem.


Expressão atualmente em desuso.(Ver Verdadeira Luz e Era Vulgar).

Era Vulgar – Assim designa o calendário, usado modernamente no mundo todo. Nos
documentos Maçônicos após a data apõe-se a sigla (E∴V∴), o que quer dizer do “calendário
gregoriano”, adotado mundialmente.

Escada – Símbolo de ascensão ou decadência, que é usada em Maçonaria.

Escada de Jacob – Emblema, figura no painel do Aprendiz, para lembrar as “sete” virtudes
indispensáveis: temperança, prudência, justiça, fé, esperança, caridade e fortaleza da alma.

Escada de Mestres – Possui dois lances de “cinco degraus”, cada um representa: a candura,
clemência, franqueza, temperança e descrição.

Escada Misteriosa – No Grau “30” do R∴E∴A∴A∴, há uma escada com sete degraus para
subir, consagrada: à justiça, à pureza, à doçura, ao trabalho, à prudência, à sinceridade, à
coragem. Para descer: à gramática, à retórica, à lógica, à aritmética, à geometria, à música e à
astronomia.

Escocês – Nome de “Sete Ritos”, que geralmente são confundidos com um só:

- Rito Escocês Filosófico, fundado em Paris com “15” Graus.

- Rito Escocês Filosófico, criado em Marselha com “18” Graus.

- Rito Escocês Primitivo, fundado em Paris com “25” Graus.

- Rito Escocês Primitivo de Namur, concebido em Namur com “33” Graus.

- Rito Escocês Primitivo de Narbona, fundado em Narbona com “10” Graus.

- Rito Escocês Reformado, criado na Prússia com “7” Graus.

- Rito Escocês Antigo e Aceito, criado com “33” Graus.

Escocismo – É a prática dos Ritos Escocês, que trata dos Graus acima dos “Graus
Simbólicos”. Atribui-se a André de Ramsay, a criação desses Graus, tendo seu
desenvolvimento acontecido a partir de 1745, na França.
Escopro - Profissões industriais. Instrumento de aço com que se lavram madeira e pedra.

Escrutínio Secreto – Ato de recolher e contar as esferas, que entraram em uma urna. Este
modo de votação é obrigatório, nos processos de ingresso na Ordem.

Escudo - Em Maçonaria, os Graus por ela concedidos.

Esferas - Ciência, regularidade, sabedoria. Servem para votação em escrutínio secreto: as


brancas aprovam e as negras reprovam.

Esfinge - Segredo, silêncio. Monstro que no Egito era representado por uma estátua de leoa,
com peito e cabeça de mulher; símbolo da deusa da sabedoria, “Neith”. É usada como
símbolo dos trabalhos Maçônicos, que devem ser impenetráveis.

Esmola – (Ver Hospitaleiro).

Espada - Símbolo de honra e da proteção, recorda a combatividade.

Esperança – Uma das virtudes recomendadas aos Maçons em qualquer situação. “A


esperança é a última que morre”.

Espiga - Recompensa do trabalho, fertilidade.

Espiga de Trigo – Emblema da recompensa de trabalho e ressurreição da vida.

Esquadria – Símbolo da retidão, recorda os deveres de vida reta.

Esquadro – Emblema da retidão e da conduta, pela qual deve o Maçom pautar as suas ações.

Esqueleto – Fim da vida, caos, eternidade. Símbolo da “morte” é usado nas “Câmaras de
Reflexão”, para lembrar-nos de que a ambição, vaidade e orgulho, nada valem, tudo fica, pois
a igualdade da vida não pode ser mudada.

Estandarte – Adornos usado pelas Lojas, em seus Templos e serve de “bandeira”, quando a Loja comparece a
qualquer outra cerimônia de Co-Irmã.

Estar a Coberto – É o momento em que uma Loja está regularmente aberta, e isenta de olhares de profanos.
Nos trabalhos da Loja, são os Vigilantes os responsáveis pela perfeita cobertura dos trabalhos.

Estar a Nível – Simbolicamente significa estar no lugar certo, estar em dia com as obrigações.

Estrela – Divindade. Tocha que servia para clarear a introdução de um Maçom, ao local onde a Loja estava
reunida. Modernamente se usam velas, ou mesmo lâmpadas acesas por pilhas elétricas.

Estrela de cinco pontas - Em Maçonaria tem vários usos, representando o corpo do homem com as pernas e
braços abertos; representam ainda os cinco sentidos do homem. A cabeça representa o Venerável, o braço direito
o Orador, o braço esquerdo o Secretário, o pé direito o 1º Vigilante, e o esquerdo o 2º Vigilante.

Estrela de nove pontas - Formada por três triângulos eqüiláteros sobrepostos, que representam respectivamente:
o Rei Salomão, o Rei Tiro, e Hiran Abiff o “Arquiteto do Templo”.

Estrela de seis pontas - Constituída por dois triângulos eqüiláteros sobrepostos, que significam a fonte
reprodutora, a do macho e da fêmea, aparece em muitos símbolos Maçônicos. É também chamado “Estrela de
David”.

Estrela Flamejante ou Resplandecente – Símbolo da Divindade.


Evangelho – Durante as Iniciações do passado, todos os Candidatos juraram sobre o
“Evangelho”. Hoje juram sobre o “Livro Sagrado”, da religião adotada pelo país onde se situa
a Loja; exceto no Rito Moderno, onde o juramento é feito sobre a “Constituição da Potência”
a que pertence a Loja.

Exata Observância – Sistema Maçônico derivado da Estrita Observância, e tinha por fim a
defesa do “jesuitismo”.

Exotérico – O que é ensinado de maneira particular, só aos Iniciados em qualquer filosofia.

Exoterismo – É o ensino que pode divulgar a filosofia, ou o lado oculto das coisas, ao vulgo
em geral.

Expertos – São oficiais de uma Loja Simbólica. Há três: 1º, 2º, e 3º no R\E\A\A\.

“F”
topo

Falso Irmão – Diz-se do Irmão que trai seus juramentos, profano que conhece alguns
segredos da Ordem, ou que Iniciado em Loja Irregular.

Fênix - Ave da “mitologia” que renascia de suas próprias cinzas, por isso foi tomada como símbolo da
imortalidade, ressurreição.

Festas – Na Maçonaria são as “Cerimônias Especiais”, destinadas à comemoração de datas ou


acontecimentos. Há festas, destinadas só aos Maçons, mas há também as destinadas aos
parentes e amigos, chamadas de “Sessões Brancas”.

Figuras Alegóricas – São os “Símbolos Maçônicos” representados por desenhos ou


esculturas, com os quais são ornados os Templos Maçônicos.

Filhos da Viúva – Simbolicamente assim são chamados todos os Maçons do universo, por se
considerarem Irmãos entre si. (Ver Viúva).

Filiação – É o ato pelo qual uma Loja admite em seu quadro um Irmão Regular, de outra Loja
pertencente à mesma Potência. Não é conveniente que um Maçom pertença a várias Lojas.

Filiando Livre – No passado era o Irmão que obtinha o direito de freqüentar regularmente
outra Loja, que não a sua, porém sem direito de voto. Posteriormente quando no Brasil só
havia o “G.O.B.”, tais Irmãos tinham todos os direitos inerentes ao seu Grau. Hoje só existe a
figura de “Membro Honorário”.

Fitões – São colares de pano, com desenhos atribuídos ao Cargo, em que está investido cada
Irmão, sendo usados ao pescoço. (Ver Colares).

Flores - Alegria, beleza, virtude.

Fogo - O terceiro dos elementos da natureza, conhecido no passado como elemento de


renovação. “O fogo renova a natureza toda”. Verdade, purificação, fervor, zelo...
Fogo Sagrado – Fogo que os antigos conservavam em seus Templos. Os romanos rendiam
cultos a “Vesta”, deusa do fogo. A Ordem rende-lhe tributo de diversas formas, como a da
purificação de um Candidato na “prova do fogo”; mas a principal delas é na “Cerimônia de
Sagração” de um Templo, quando o “Fogo Sagrado”, é levado para iluminar simbolicamente
os trabalhos, que ali serão realizados.

Força – Maçonicamente é um dos três “pilares” que sustentam um Templo, sendo


representada por uma estátua de “Hércules”. É um título especial do 1º Vigilante, que
representa a “Coluna da Força”.

Formiga – Economia e trabalho.

Fraternidade – É o principal axioma da Maçonaria, pois o espírito da Ordem é transformar


toda a humanidade em uma “Grande Fraternidade”. Sem fraternidade não há Maçonaria.

“G”
topo

“Letra que se vê nos Templos, gravada no centro da” Estrela Flamejante “, também é a inicial
da palavra geometria, e muitas outras para o Rito Escocês. No Rito Moderno foi substituída
pela palavra “IOD” dos hebreus, ou seja, a inicial da palavra “JEOVÁ”.

Galo - Aparece no Ritual do Grau “1” do R∴E∴A∴A∴, nas “Câmaras de Reflexão” como
símbolo da vigilância e perseverança. Na bíblia é citado pelo seu canto, quando “Pedro negou
Cristo por três vezes”.

Gomel – Um dos deuses, gravados sobre as doze pedras do “sumo sacerdote hebraico”, e
serve também de palavra sagrada de muitos Graus Maçônicos.

Goteira - Assim é chamado um profano, que está presente entre os Irmãos.

Gládio – (Em linguagem de Banquete) – Faca.

Globo – Símbolo Maçônico da regularidade e sabedoria, representa também a extensão da


Ordem, que é universal.

Grande Arquiteto do Universo ou G\A\D\U\ – É o termo com que os Maçons designam o nome de “Deus”.
Poder Supremo.

Grande Oriente – É a designação das “cúpulas”, que dirigem e governam as Lojas Simbólicas, de um país,
estado ou território.

Grande Secretário – Assim é designado o Secretário de um Alto Corpo Maçônico, servindo o termo “Grande”,
para indicar que o Cargo é exercido em uma “Câmara Superior”.

Grão-Mestrado – Cargo exercido por um Grão-Mestre.

Grão-Mestre – Título da maior autoridade que preside um “Grande Oriente”, assim também é chamado o
presidente de algumas Oficinas Filosóficas do R\E\A\A\.

Graus – Estágio de aprendizagem dos Maçons, que variam de número conforme os Ritos. O Rito Escocês com
“33” Graus, o Rito Moderno com “7” Graus, o Rito Adonhiramita com “13” Graus; havendo Ritos que admitem
até “96” Graus. Porém todos eles possuem os três primeiros “Graus Simbólicos”: Aprendizes, Companheiros e
Mestres.

Graus Capitulares – São os Graus concedidos pelos “Capítulos”, que no R\E\A\A\ são os dos Graus “15 ao
18”, podendo ser estendidos dos Graus “4 ao 14”; caso no local não haja uma “Loja de Perfeição”.

Guarda do Templo – Irmão encarregado da segurança interna de uma Loja.

Gravar – Escrever.

Guarda dos Selos – Oficial de um “Supremo Conselho”, que tem sob sua responsabilidade os selos, ou timbres
que os apõem em documentos oficiais.

“H”
topo

Harmonia – Música, concórdia e amizade entre os Irmãos da Ordem.

Hierarquia – Em Maçonaria são duas: “as dos Graus e as dos Cargos”. A primeira ensina aos
Maçons respeitar os IIr∴ de Graus Superiores; e a segunda, a respeitar os Cargos que
exercem.

Hieróglifos – Escrita antiga do Egito, que conservada como mistério, acabou sendo decifrada
após anos de estudos.

Hiram Abif – Arquiteto a quem “Salomão” confiou a construção do seu Templo, morreu
assassinado por três maus operários que estavam a suas ordens.

Homem – O único animal racional que “Deus” criou, nele há três princípios: a alma, a vida e
o corpo.

Honras – São prestadas às autoridades, na entrada dos Templos, quando em visitas; sendo
reguladas pelo protocolo próprio conforme o Cargo ou missão que vão desempenhar.

Hospitaleiro – É o oficial da Loja incumbido de receber os donativos, para socorros aos


necessitados, bem como visitar os Irmãos enfermos.

Humanidade – O cérebro da terra.

Huzza – Grito de alegria dos Maçons do R∴E∴A∴A∴. Esta palavra, com as muitas
variações de Rituais tomaram várias grafias, mas não são corretas.

“I”
topo

Idade Civil – De conformidade com os regulamentos conta-se para ingresso na Ordem, e


alcançar alguns Graus ou Cargos na hierarquia Maçônica.
Idade Maçônica – Conta-se em anos a partir da data da Iniciação; em alguns casos prevalece
para a ocupação de Cargo.

Ignorância – Um dos flagelos da humanidade, que a Ordem pretende exterminar, por ser uma
das causas que afligem o homem.

Igualdade – Uma das três palavras que formam uma das “Trilogias Maçônicas” - Igualdade,
Liberdade e Fraternidade.

Ilustre Irmão – Tratamento que se dá a um Irmão investido no Grau “33’; ou que ocupa
posição de relevância na Ordem, ou no mundo profano”.

Inamovibilidade – Condição estabelecida na França em 1725, que considerava vitalícios


altos cargos, inclusive o de Venerável; que podia nomear ou cassar arbitrariamente qualquer
Cargo. Esta condição permaneceu até 1772, quando houve um grande cisma na “Grande Loja
da França”.

Inativo – Assim é chamado o Maçom, que deixa de pertencer a uma Loja Regular.

Inauguração – É a cerimônia regulada por Rituais próprios, que se faz para dar uso aos
edifícios Maçônicos recém construídos.

Iniciação – Cerimônia para admissão de um profano, nos “Mistérios Maçônicos”.

Iniciado – Aquele que passou pela cerimônia de Iniciação.

Insígnias – Fitas, faixas, colares, jóias e outros paramentos pessoais dos Maçons, para uso
nos diversos Graus.

Instalação – Cerimônia especial para regularizar uma Loja recém fundada, dando-lhe caráter
de Loja Regular, ou para instalar os Veneráveis eleitos.

Instância – Estado no qual se acha uma Loja que, tendo sido fundada, aguarda os trâmites
legais para a sua regularização.

Instrução – É o ensino da doutrina Maçônica, que se passa aos Maçons em cada Grau que
alcançam.

Interpretação A interpretação dos símbolos e alegorias Maçônicas, constitui um difícil estudo, pois depende
muito do preparo de cada Irmão; quer intelectual ou científico.

Interstício – Espaço de tempo que medeia dois atos de uma Loja. Espaço de tempo que
separa a colação de dois Graus, na escala de cada Rito.

Introdução – É o ensino da doutrina Maçônica, que se passa aos Maçons em cada Grau que
alcançam.

Intuição – Chama-se intuição a capacidade do homem, que o faz intermediário do raciocínio dedutivo, intuitivo
ou por analogia, que o leva a uma percepção exterior.

IOD – Inicial de “IEVÉ”, colocada no centro do “delta sagrado”, para os judeus é a inicial da
palavra “JEOVÁ”.

Irmão – Tratamento Maçônico que é mantido entre os Maçons de todo o mundo.


Irmão Gêmeo – Diz-se do Irmão ou Irmãos Iniciados na mesma Sessão.

Irmãos da Harmonia – Irmão músico ou cantores que abrilhantam as cerimônias Maçônicas.

Irregular - É o Iniciado em Loja clandestina, ou aquele que freqüenta uma Loja, sem a ela
pertencer.

“J”
topo

Jacques DeMolay – Último Grão-Mestre da “Ordem dos Templários”, que foi condenado à
fogueira, quando da destruição da Ordem, pelo Papa Clemente V, aliado ao rei Felipe o Belo.
(Ver Templários).

Jakin – Palavra hebraica que significa: estabilidade, firmeza ou força. Que se traduz - “minha
força está em Deus”. Jakin foi o quinto filho de “Salomão”. A inicial de seu nome figurou em
uma das “Colunas de Salomão”, cujo uso, se conserva até hoje nos Templos Maçônicos.

Janelas – São as três aberturas que figuram no painel da Loja de Aprendiz, para lembrar por
onde os antigos Maçons observavam a marcha do Sol.

Jeová – “Deus” dos judeus, “Mitra” dos persas, “Osíris” dos egípcios, “Théos” dos gregos e
G∴A∴D∴U∴ para os Maçons.

Jóia – Existem várias: “jóia da Loja, jóia da Ordem, dos Graus e jóia dos Cargos e Funções”;
variam conforme o Rito que se pratica.

Justa e Perfeita – Diz-se de uma Loja regularmente constituída, isto é, a que é composta de
no mínimo de “sete” Mestres.

“K”
topo

Kabala (Cabala) - Ocultismo tradicional dos israelitas, transmitido oralmente pelos hebreus
nos Templos bíblicos.

Kadesch - Santo, um dos grandes nomes de “Deus” do Rito de Heredon.

Kadmon - Segundo a antiga filosofia era uma emanação primitiva, e segundo a também
antiga cabala é a imagem de “Deus”.

Kadosch - Cavaleiro Kadosch, serve para designar o Grau “30” do R∴E∴A∴A∴ (esta
palavra é largamente usada nos vários Ritos da Maçonaria). Santo purificado.

Kama-Rupa – O instinto animal, a sede dos desejos sensuais que leva o homem a nivelar-se
tão somente como macho.

Kanuca - Grau “69” do Rito de Menfis.


Karma - É a “Lei da causa e efeito”. Esta doutrina é o que determina a modificação do
espírito em cada encarnação.

Ki ou Kaki - Palavra escrita sobre o túmulo de “Hiram Abiff”, representado por um quadro
da Loja de Secretários Íntimos.

Kilwining - Assim se chamou uma torre da Escócia, que foi a primeira construção dos
Maçons, naquele país.

Kislev - Nome do 3º mês do calendário hebraico, que também é usado na Maçonaria.

“L”
topo

Lágrimas Brancas - Saudades.

Landmarks – São princípios imutáveis, que determinam todas as Leis que governam a
Ordem.

Latitude – Os “Supremos Conselhos” do R∴E∴A∴A∴, determinam onde se situam suas


sedes, sobre o globo terrestre; para datar seus documentos, indicando a longitude e latitude
onde se situam.

Leão - Símbolo da força e do poder, é o nome de uma das constelações do zodíaco. Aparece
no R∴E∴A∴A∴ muitas vezes, principalmente no Grau “20”, como símbolo da discrição, e
no Grau “27” como guardião das chaves misteriosas; valor.

Lebre – Timidez.

Leo Taxil – Jornalista e farsante francês, que não conseguindo entrar para a Ordem, passou a
atacá-la, por livros e artigos, relacionando-a como o culto “Bafomet”, ou seja, ao “diabo”.

Leste – Dentro do Templo, é o lado esquerdo, de quem do Oriente olha o Ocidente ou o Sul.

Levantar Colunas – Diz-se quando se funda uma Loja, ou quando se reativa os trabalhos de
uma Loja adormecida.

Lira - Símbolo da música. É a jóia do Irmão encarregado da música, durante as Sessões de


uma Loja.

Livre e de Bons Costumes – É a qualidade que deve ser inerente a todos aqueles que desejam
ser Maçons. No passado, “ser livre”, queria dizer: não ser escravo. Modernamente quer dizer:
não estar preso a preconceitos.

Livro da Lei Sagrada – (Ver Bíblia).

Livro de Arquitetura – Livro especial para registro de balaústre das Sessões Maçônicas.

Livro de Presença – Livro para tomada de assinaturas dos Irmãos, presentes às Sessões de
uma Loja. Cada Loja deve possuir dois livros de presença: um para os Irmãos do quadro, e o
outro, para os visitantes.
Livro Negro – Assim é chamado o registro dos profanos, recusado por uma Loja; e aos
Maçons que por qualquer motivo, sejam eliminados da Ordem.

Liz – Candura.

Lobo - Crueldade.

Loja – São chamadas as reuniões dos Maçons, quando regularmente reunidos dentro dos
Templos. (Ver Loja Aberta).

Loja Aberta – Diz-se de uma Sessão de Loja, quando regularmente aberta de acordo com o
Ritual, e com a presença de no mínimo de sete Irmãos.

Loja de Perfeição – É a Câmara do R∴E∴A∴A∴, que confere os Graus Filosóficos (do


Grau “4 ao 14”). A localidade onde trabalha uma Loja de Perfeição tem tratamento de “Vale”.
A exemplo de um “Sublime Capítulo”, que também é denominado “Vale”, o lugar onde
trabalha.

Loja Irregular – É uma Loja formada por Maçons, que transgridem as “Leis Maçônicas”,
mas que trabalham sem estarem subordinadas a uma Potência Maçônica Regular.

Loja Mãe – É a Loja na qual o Maçom foi Iniciado.

Loja Simbólica – É a primeira Câmara do R.E.A.A., que tem a responsabilidade de iniciar


Candidatos nos “Mistérios Maçônicos”. Elevá-los ao Grau “2” e Exaltá-los ao Grau “3”.

Lojas da Correspondência – Lojas subordinadas a uma Potência, que trabalham


regularmente.

Lojas de Adoção – São as Lojas Maçônicas de senhoras, que se estabeleceram na França em


1772. No Brasil, já existem essas Lojas, e até um “Grande Oriente Feminino”, que não é
oficialmente Maçonaria Feminina.

Lojas de Instrução – É a Loja quando reunida para estudo das coisas Maçônicas.

Lótus - Planta sagrada, para muitos povos do passado principalmente na Índia. É a principal
flor adotada como símbolo pelo “Rito Adonhiramita”.

Louro - Para os gregos foi à “planta sagrada” símbolo da vitória e do triunfo, ainda hoje é
usada para a confecção de coroas que cingem os vencedores de provas esportivas. Em
Maçonaria aparece em muitos símbolos, principalmente em “estandartes”. Recompensa do
Mérito.

Lua - É considerada como “símbolo do princípio feminino do universo”, constância e


regularidade.

Luvas – Candura. As brancas, usadas nos Graus Simbólicos, constituem no símbolo da


pureza. Variam de cor nos diversos Graus Filosóficos do Rito Escocês Antigo e Aceito.

Luz - Simbolicamente se recebe de uma Loja, durante a cerimônia de Iniciação. Significa a


verdade ou o conhecimento de todas as virtudes.

Luzes – Luzes de uma Loja são: o Venerável, os dois Vigilantes, o Orador e o Secretário.
Luzes Inanimadas – É o livro da “Lei Sagrada”, o Compasso e o Esquadro.

Luzes Materiais ou Litúrgicas – São as que servem para iluminar os Altares de uma Loja.

Luzes Místicas – São em números de três que devem circundar o Altar do Juramento.

Lowtons – Filho de Maçom, adotado por uma Loja Regular, que se incumbe da instrução e
sustento do mesmo, até que se torne maior de idade.

“M”
topo

A letra “M” é a abreviatura de “Mestre, Maçom e Maçonaria”; repetida M∴M∴ é a


abreviatura de “Mestre Maçom”, ou MM∴MM∴ que é o plural de Mestres Maçons.

Mac-Benac – Palavras hebraicas que significam “a carne se desprende dos ossos”. Suas
iniciais são obrigatórias nos aventais dos Mestres.

Maço – (Ver Malhete).

Maçom Ativo – São os Irmãos que pertencendo a uma Loja Simbólica, nela trabalham
regularmente.

Maçom Inativo – É o Irmão que tendo passado pelas “provas” da Iniciação, afasta-se
regularmente de sua Loja (Ver Adormecer).

Maçom Irregular - É o profano Iniciado em uma Loja, não pertencente a uma Potência
Regular, ou que regularmente Iniciado venha pertencer a uma Loja espúria.

Maçonaria dos Altos Graus – São as práticas Maçônicas dos Graus Filosóficos dos diversos
Ritos, que completam os Graus Simbólicos. No R∴E∴A∴A∴ Os Altos Graus dividem-se
em quatro Câmaras: “Lojas de Perfeição, Sublimes Capítulos, Conselho de Kadoch,
Consistórios, e ainda o Supremo Conselho”, este último, constituído só por Irmãos investidos
no Grau “33”.

Maçonaria Feminina – Embora os “Landmarks” proíbam a Maçonaria Feminina, ela existe


desde 1774, quando na França se estabeleceu a “Loja de Adoção”, para recepcionar mulheres,
trabalhando com quatro Graus: “Aprendiz, Companheira, Mestra e Mestra Perfeita”. Em São
Paulo, já existe um “Grande Oriente Feminino”, que mais cedo ou mais tarde, será totalmente
reconhecido oficialmente.

Malhete – Martelo de forma especial. Entre os Maçons é o emblema do poder, em Loja é


usado pelo Venerável e pelos Vigilantes. Trabalho, força, poder, autoridade.

Medalha Cunhada – Para os Maçons é o dinheiro corrente no país, ouro, prata ou cobre.

Meia Noite – Hora simbólica em que se encerram os trabalhos de uma Loja.

Meio Dia – Assim também é chamado o Sul de um Templo, lugar onde tem assento os
Mestres, quando em trabalhos regulares. É a hora de iniciar-se os trabalhos de uma Loja, no
Templo é a parte mais iluminada.
Membro Ativo – É o Maçom que pertence a uma Loja, nela está investido nos seus direitos e
obrigações.

Membro Correspondente – O Maçom Ativo que se ausenta do seu Oriente, mas não se
desliga de sua Loja é considerado membro correspondente.

Membro Cotizante – É o Irmão que contribui com mensalidade, para com a sua Loja.

Membro de Honra – Título que se confere aos Irmãos, que de alguma forma prestam
serviços a uma Loja, que não a sua.

Membro Honorário – Título que um Corpo Maçônico concede a um Irmão, que se destaca
na Ordem; ou que atinge idade provecta, que prestou relevantes serviços ao Corpo, que
concede essa honraria.

Membro Inativo – É o Maçom que por alguma razão, é desligado de sua Loja, e não se filia a
outra.

Membro Regular – É o Maçom que está inscrito, e freqüentando regularmente sua Oficina.

Mesa – Céu, época solar.

Mestre – É o nome que se dá aos Maçons, investidos no Grau três de qualquer Rito
conhecido.

Mestre de Banquetes – É o funcionário da Loja encarregado de organizar os águapes, e os


Banquetes Ritualísticos.

Mestre de Cerimônia – É um dos importantes Cargos de uma Loja, dele depende a


regularidade e brilhantismo das cerimônias; principalmente as Magnas.

Mestre Maçom – É o Irmão investido no Grau “3”, de qualquer dos Ritos Regulares.

Metais – Moeda corrente, ouro, prata, cobre e outros. (Ver Medalha Cunhada).

Mistérios – São os ensinamentos destinados aos Iniciados de todas as épocas, como os


mistérios de Zeus, os de Dionísio e muitos outros Rituais, práticas e cerimônias Maçônicas.

Morte Civil – É o desprezo total que os Maçons votam a um Irmão perjuro.

Mundo Profano – É considerado como mundo profano o ambiente ou a sociedade não


Maçônica, o que de forma nenhuma deve ser tomado com uma expressão pejorativa. Fora dos
Templos, todos os Maçons fazem parte do “Mundo Profano”.

“N”
topo

Nadir - Ponto que se supõe ficar no centro da terra, sob os nossos pés, oposto ao Zenit, (este
termo aparece em vários Rituais).

Negro –Cor do luto nos Graus Simbólicos.


Neófito – Nome dado ao Iniciado, durante a cerimônia de Iniciação. (Ver Candidato).

Ne Varietur – Assinatura que um Maçom coloca em seus documentos, diplomas e


certificados Maçônicos, para afirmar a autenticidade dos mesmos.

Nissan – É o 7º mês do calendário judaico.

Nível – Igualdade entre os Maçons, e também a “jóia” do 1º Vigilante.

Nome Simbólico – Nome adotado por Maçom, para dificultar a sua identificação, o que foi
usado num passado remoto.

Norte – Lado menos iluminado do Templo, onde têm assento os Aprendizes.

Números – Os números tem largo uso em Maçonaria, do “1 ao 81”, destacando-se os “3, 5, 7


e 9”.

“O”
topo

Obreiros – Simbolicamente todos os Maçons são Obreiros de sua Loja, que trabalham para a
reconstrução do Templo Social.

Obrigação – Juramento ou compromisso de fidelidade à Ordem e aos seus Regulamentos.

Ocidente - Lado do Templo onde se situa a porta de entrada do mesmo.

Oficial de Loja – Maçom que exerce Cargo em Loja.

Oficialmente – Trabalhar dentro e fora do Templo, em desempenho de seu Cargo ou missão.

Oficina – Assim são designadas todas Corporações Maçônicas, quando em trabalho.

Old Charge – Leis antigas.

Olho Aberto – Sabedoria.

Oliveira – Planta sagrada da antiga Grécia, símbolo da paz, muito usado no R∴E∴A∴A∴.
Recompensa da fidelidade.

Oração – São as expressões evocativas, suplicantes ou gratulatórias, como as dos Maçons


que não se empenham em uma empresa, sem invocar o nome do G.A.D.U.

Orador – Oficial da Loja que representa o “Ministério Público”, e como tal é o “Guarda da
Lei”.

Ordem – Assim são chamadas as coletividades que se voltam para um fim benemérito, daí o
título de “Ordem Maçônica”.

Ordem do Dia – É o trabalho programado para uma “Sessão Maçônica”.


Oriente – Em Loja é o lugar onde tem assento o Venerável, onde se achava o Santo dos
Santos, cidade onde se situa uma “Loja Simbólica”.

Orla Dentada – É a figura que circunda o Pavimento Mosaico de um Templo Maçônico,


simboliza, amor.

Ornamentos – Em Maçonaria são muitos, tais como: Pavimento Mosaico, Estrela


Flamejante, Corda de Oitenta e Um Nós e etc...

Ósculo – Amizade.

Ósculo Fraternal – Beijo de acolhimento fraternal, de paz e de fraternidade, em vários


Graus.

“P”
topo

Padrinho – Assim é chamado, pelo Candidato, o Maçom que o apresenta a uma Loja, para
ser Iniciado, ou Maçom responsável por um Lowton.

Painel – Quadro onde estão gravadas figuras alegóricas, que servem de instrução a cada Grau.

Palavras – São vocábulos que caracterizam Graus ou Funções em todos os Ritos como:
“Palavra de Passe, Palavra Semestral, Palavra Sagrada, Palavra de Reconhecimento” e muitas
outras.

Palavra de Ordem – É aquela que é dada periodicamente em Altos Graus.

Palavra Misteriosa – Palavra para identificação em alguns Altos Graus.

Palavra Semestral – Palavra concedida pelo Grão-Mestre às Lojas, cada seis meses, que é
passada de modo especial a todos os membros da mesma, para poder provar sua freqüência.
(Ver Cadeia de União).

Pão - É o alimento do corpo, aparece em alguns Graus Filosóficos do R∴E∴A∴A∴.

Paramento – Nas Lojas são: “o Livro da Lei, o Compasso e o Esquadro”. Para o Maçom são
as suas alfaias.Passagem – (Ver Interstícios).

Passos – Cada Grau tem seus “passos misteriosos”: sinais, toques e palavras para
identificação.

Past-Master – Ex-Venerável de uma Loja. È o nome dado ao primeiro Grau do Rito de York,
depois do Grau de Mestre.

Patente – Diploma que se concede aos Irmãos, que chegam aos Graus “30, 31, 32 e 33”.

Pátria - A Maçonaria respeita a nacionalidade de cada um dos seus membros, embora seja
internacional.
Patrono – A Ordem respeita a antiga prática de adoção de um Santo Patrono, para cada
corporação assim como, São João é o Patrono da Maçonaria, como ainda é admitida hoje.

Pavão - Vaidade.

Pavimento de Mosaico – É formado de ladrilhos quadrados, brancos e pretos, e simboliza a


estreita união que deve existir entre todos os Maçons, apesar da diferença de nacionalidade,
credo e opiniões.

Paz – Doutrina Maçônica que contraria toda e qualquer espécie de violência.

Peça de Arquitetura – Discurso, relato, ou trabalho escrito, lido dentro de um Templo.

Pedra Angular – É o começo das construções, princípio sobre o qual descansa a Ordem.

Pedra Bruta – Imperfeição, pedra na qual se exercitam os AApr∴.

Pedra Chata – Moeda de ouro, prata, cobre, níquel ou papel.

Pedra Cúbica – Pedra sobre a qual se exercitam os Companheiros.

Pedra Filosofal – Foi e será sempre o ideal de todos, para que se viva bem com saúde e
completa felicidade.

Pedra Polida – Ata dos trabalhos de uma Loja, pedra trabalhada pelos Mestres.

Pedra Angular - Amor fraternal. Pedra fundamental de um Templo.

Pelicano - É o principal símbolo do Grau “18” , como representação do sacrifício por ter sido
considerado como a ave, que alimentava seus filhotes com a carne de seu próprio peito,
caridade.

Pena de Morte – No passado à pena de morte existia, para todos os traidores em geral, hoje a
Ordem Maçônica não possui em sua legislação a tal penalidade.

Pentáculo – Estrela de cinco pontas, formando no centro um pentágono. (Ver Estrela de


Cinco Pontas).

Pentágono –Figura geométrica de cinco lados iguais, usada na jóia do Grau “32” do R∴E∴A
∴A∴.(Ver Estrela Flamejante ou Resplandecente).

Pentalfa - Paz, amizade fraternal. (Ver Estrela de cinco pontas).

Perfeição – É o Grau de Excelência a que pode chegar uma coisa.

Perfume – Data da mais remota antiguidade o uso do perfume. Os egípcios foram os


primeiros a usarem os aromas, para os ofícios aos deuses.

Perpendicular - Igualdade, retidão.

Perpétuas - Probidade.

Peristilo – Frente ou entrada de um Templo.


Personalidades – O homem tem três personalidades: a divina, a racional e a irracional.

Phoenix - (Ver Fênix).

Pilares – No sentido figurado são cincos em uma Loja: o Ven∴, os Vigilantes, o Orador e o
Secretário.

Pinças – Espivitador (peça de apagar velas).

Pincel – A pena de escrever para os Maçons.

Pirâmide – Monumento de pedra, que tem a forma triangular, mas pode haver mais de três
faces.

Placet - É o documento dado por uma Loja, através do qual, declara que um Ir∴ se desligou
do seu Quadro.

Plenitude dos Direitos Maçônicos – Diz-se do Maçom que é Exaltado ao Grau “3” de
qualquer Rito conhecido.

Polir – Escrever, redigir. (Ver Buril).

Pontos Cardeais – Assim são chamados os quatros lados de um Templo Maçônico.

Pontos Geométricos - Perfeição, regularidade.

Pomba - Símbolo da paz. Foi a ave que “Noé” soltou após o dilúvio e, que voltou com um
“ramo de oliveira”, anunciando que as águas haviam desaparecido da superfície da terra.

Pórtico – Duas ou mais “Colunas” encimadas por um delta, ou trave que se põe na entrada de
um Templo.

Pórtico do Templo – Sala que precede à “Sala dos Passos Perdidos”.

Potência – Maçonicamente é o Órgão Soberano, que governa um conjunto indeterminado de


Lojas Simbólicas, ou de Corpos Filosóficos.

Prancha – Carta, ofício, ou qualquer comunicado escrito Maçônico.

Prancha a Traçar – Papel de carta em branco.

Profano – Todo e qualquer indivíduo não Maçom.

Prova da Água – Uma das “provas” a que se submetem os Iniciados, para poderem receber
as Instruções Maçônicas.

Prova da Terra – É a primeira “prova” por que passa o Candidato, para lembrar-lhe entre
outras coisas, que somos mortais, e os compromissos que vai assumir para com a Ordem.

Prova de Fogo – “Prova” por que passaram os Iniciados, para se tornarem aptos a ingressar
na Maçonaria, uma das formas de purificação simbólica.

Prova do Ar – È a que é submetido o Iniciado, na primeira das três viagens que faz durante a
Iniciação.
Punhal – Em Maçonaria lembra ao Candidato que, deve se enfrentar, de todas as maneiras, as
dificuldades da vida. Lembra ainda a vingança.

Purificação - Em Maçonaria lembra que o Maçom deve tirar de si todo o sentimento do mal.

Purificar – Fazer passar pelas “provas” da Iniciação: terra, ar, água e fogo.

Púrpura - Dignidade de mando e jurisdição.

Preto - Tristeza, morte, circunspeção.

Prova do Ar – Prova com ruídos e sons de fenômenos da natureza, que modernamente nos
chama a atenção para as dificuldades que o homem tem de enfrentar.

Prumo – (Ver Perpendicular).

“Q”
topo

Quadrilongo – Assim é chamado o retângulo, que forma o contorno de um Templo. (Ver


Pontos Cardeais).

Quadro da Loja – Número de Irmãos que compõem uma Loja.

Quatro – Número importante para os Maçons, principalmente pelo tetragrama “IEVE”, cuja
inicial é “IOD”, lembra ao Aprendiz as quatro “provas” por que passou.

Questões – Perguntas que se fazem ao Neófito, durante a Iniciação.

Querubins – São citados em vários Rituais, destacando-se o quarto Grau do R∴E∴A∴A∴,


quando descreve a ARCA DA ALIANÇA, “Debaixo das Asas dos Querubins”.

“R”
topo

Raposa - Astúcia.

Real Arco – É um Corpo Filosófico, que governa o Rito de York, e é o quarto Grau desse
Rito.

Receber a Luz – É o ato de se Iniciar na Maçonaria; simbolicamente retirar do Iniciado a


venda do obscurantismo.

Recepção – Ato de Iniciar um Candidato.

Recipiendário – O Candidato que vai passar pelas “provas da Iniciação”.


Reconhecimento – É um documento, através do qual, duas ou mais corporações, reconhecem
as suas legalidades de funcionamento.

Recreação – Suspensão dos trabalhos de uma Sessão de Loja Simbólica, por alguns minutos.

Régua – Símbolo da Perfeição, a de “24 polegadas”, lembra que devemos dividir e aproveitar
o tempo: “8 horas” para o trabalho, “8 horas” para descansar e “8 horas” para instruir-se.

Regulamentos – Leis particulares de uma Loja, ou Corpo Maçônico.

Regularização – Ato pelo qual, um Maçom adormecido volta a atividade, também, quando
são Instaladas as Lojas recém fundadas.

Reinstaladores – Irmãos, devidamente nomeados que Instalam de novo uma Loja


Adormecida.

Rito – É o desenvolvimento de fórmulas usadas em cerimônias, costumes, ordens ou práticas


de qualquer religião.

Romã - A família Maçônica.

Rosa - Segredo, discrição.

Rosa-Cruz – Antiga associação, pseudo “Cavalaria Templária”. (Ver Cavaleiro Rosa Cruz).

Roxo - Afeição, caridade.

“S”
topo

Saco de Propostas e Informações ou Saco das Proposições - Bolsa que circula durante uma
Sessão, para receber propostas, indicações e outras solicitações, que fazem os membros da
Loja.

Sagração de Templo Maçônico – É a primeira “cerimônia” que se realiza em Templo, para


torná-lo em condições de nele se realizar qualquer outra cerimônia Ritualística.

Sala dos Passos Perdidos – Assim é chamada a “sala de espera dos Templos”.

Salário – Em Maçonaria chama-se à concessão de um novo Grau, concedido ao Maçom, que


recebeu todas as instruções do Grau em que está.

Salomão – Rei da Judéia, que por “Ordem Divina”, construiu o Magnífico Templo em honra
a JEOVÁ, “Deus dos Judeus”.

Sandália – Calçado modesto composto de sola e correias, com que um profano se apresenta
para a sua Iniciação Maçônica.

Sangria – Prova Simbólica, através da qual se ensina ao recipiendário a ajudar seus Irmãos,
derramando para isso seu próprio sangue, se for necessário.
Santos dos Santos – Lugar no Oriente dos Templos, onde nas cerimônias dos Graus
Inefáveis, é colocada a “Arca da Aliança”. (Ver Sanctus-Sanctorum).

São João Batista – Padroeiro do Rito Escocês Antigo e Aceito.

São João Esmoler – Canonizado como São João de Jerusalém, é tido como padroeiro do Rito
Adonhiramita.

Sanção – Sinal de aprovação, que se dá em Loja.

Sanctus-Sanctorum – Santo dos Santos, o lugar mais sagrado dos Templos Antigos, é onde
os Israelitas guardaram a “Arca da Aliança”. Aparece nos Graus de Perfeição do R∴E∴A∴A
∴.

Santuário - Consciência.

Saudação Maçônica – É o Sinal que os Irmãos fazem ao entrar em Loja.

Schiboleth – Palavra hebraica, que significa “espiga de milho”.

Segredo Maçônico – São os conhecimentos passados ao Maçom, durante a sua carreira na


Ordem, que só podem ser transmitidos a um bom Irmão.

Selo – É um selo com características de um Corpo Maçônico, aplicável em documentos como


prova de que o valor da taxa correspondente fora paga. (Ver Timbre).

Sempe -Vivas – Flor tida como símbolo, da recompensa e da probidade.

Sentenças Morais – Frases colocadas nas “Câmaras de Reflexão”, para predisporem o


espírito do Candidato à meditação.

Serpente - Símbolo da astúcia e da sabedoria, aparece no Grau “25” do R∴E∴A∴A∴, que


leva o nome de “Cavaleiro da Serpente de Bronze”. Na Bíblia é citada no episódio na fuga do
Egito, a serpente ardente, que com seu veneno, matavam muitos hebreus; mas foram elas, que
ensinaram a “Moisés” como curar muitos que foram mordidos por elas. Combate, bom
gênio.

Sessões – Reuniões que os Corpos Maçônicos realizam; nos Graus Simbólicos são
classificadas de: Econômicas, Extraordinárias, Magnas e Brancas.

Shevat – É o 5º mês do calendário judaico.

Sílex – Pedra da qual se tira o fogo necessário, para a “Sagração de um Templo Maçônico”.

Simbolismo – É o conjunto dos três primeiros Graus, Aprendiz, Companheiro e Mestre, que
todos os Ritos, sem exceção, devem possuir.

Símbolo – Representação, por objeto ou gravura, de uma idéia ou ação que não é revelada a
todos.

Sinais – São gestos que os Maçons usam, para se reconhecerem em qualquer parte do mundo,
sem falarem o mesmo idioma. (Ver Toques).
Sinal de Socorro – Sinal que só é conhecido do Mestre-Maçom, para usá-lo em caso de
perigo eminente, que não pode ser negado, mesmo com risco de vida.

Sisma – Divergência entre Lojas ou Irmão, que pretendem suplantar os demais.

Sivan – É o 9º mês do calendário judaico.

Soberano Grande Comendador – Título designativo das “Funções do Chefe Máximo de um


Supremo Conselho, a Alta Câmara”, que governa os Graus Filosóficos de um Rito.

Sol – Astro que obrigatoriamente, é representado na “abóbada” de um Templo, em seu


Oriente, de onde emana a Luz, fonte da vida, sem o qual nada existiria, é ainda jóia de um
Grão-Mestre.

Sono – Uma Loja que deixa de trabalhar, entra em estado de “sono”, isto é Adormeceu.

Sublime Capítulo – Também chamado “Sublime Capítulo Rosa Cruz”, Câmara do Rito
Escocês Antigo e Aceito, que confere os Graus “15 a 18”. A localidade onde trabalha um
Capítulo é denominada “Vale”. Um Capítulo, também confere os Graus “4 a 14”, quando em
um Vale não há Loja de Perfeição.

Supremo Conselho – É o Órgão Superior que, governa os “Graus Filosóficos” do R∴E∴A∴


A∴, ou seja, do Grau “4 ao 33”. O nome deste Órgão varia nos demais Ritos conhecidos. O
lugar onde existe um Supremo Conselho, recebe a denominação de “Zênite”.

“T”
topo

Taça da Amargura – É a taça pela qual, o neófito toma um líquido específico para lembrar-
se de que a vida não é só alegria, e também, para lembrar-se que não pode ser perjuro ao
compromisso que, assumiu ao ingressar na Ordem.

Tabernáculo – Tenda portátil, construída por “Moisés”, para abrigar a ARCA DA ALIANÇA,
que continham as “Tábuas das Leis”, durante a caminhada pelo Sinai. A palavra
“Tabernáculo” aparece muitas vezes nos Rituais dos Graus do R∴E∴A∴A∴.

Tábua da Loja - (Ver Balaústre).

Tamuz – É o 10º mês do calendário judaico.

Tau – É a 19ª letra do alfabeto Grego, tem a forma de um “T”, que é usado invertido no
Avental do Ven∴ Mestre de uma Loja Simbólica.

Templário – Cavaleiro da Ordem, fundada em Jerusalém no ano 1.118, com o fim de proteger
os peregrinos que iam à Cidade Santa. (Ver Jacques DeMolay).

Templo – Lugar onde se reúnem os Maçons, para os seus trabalhos. O Templo interior é o
coração do homem, que deve ser trabalhado até alcançar a perfeição.

Templo de Jerusalém – Foi o único Templo dos judeus construído por “Salomão”, de 1013 a
1006 antes de J.C. (ou AC), destruído pelos caldeus em 588, reconstruído por Zorobabel em
516; e novamente destruído pelos romanos do ano 70 da nossa era (DC). Hoje, reconstruído
com novas linhas, é o lugar mais “sagrado” dos judeus, muçulmanos e católicos romanos.

Templo de Salomão – Templo construído pelo Rei Salomão, para o culto ao “deus” dos
israelitas. Para os Maçons o Templo é alegórico, com a representação do universo, que serve
de modelo para o ensino da Simbologia Maçônica.

Tenda – Além de outras definições, é a barraca usada em campanha dos oficiais do exército
em guerra, por isso, aparece muitas vezes no Grande Acampamento, símbolo principal do
Grau “32” do R∴E∴A∴A∴.

Teogonia – Doutrina mística relativa aos deuses antigos, suas origens e seus atos.

Teosofia - Sabedoria divina, mas não é uma religião, e sim um conjunto de doutrinas, que
pretende a total união do homem com a divindade, no movimento iniciado por Helena
Blavatsky.

Ternário – Tudo o que é simbolizado pelo número três: Pai, Filho e Espírito Santo;
Liberdade, Igualdade e Fraternidade; passado, presente e futuro; e, tantas outras. Em
Maçonaria aparecem inúmeras vezes como: “Sabedoria, Força e Beleza”.

Terra - O quarto elemento da natureza, para os antigos, na Maçonaria, é representada pela


“Caverna do Ritual de Iniciação” ao Grau “1”.

Tetragrama – Conjunto de quatro letras, para expressar a divindade sem pronunciar o seu
nome. Em Maçonaria a mais usada é “IAVE”, que é a inicial da palavra hebraica “IOD”, ou
seja “JEHOVAH”. Existem muitos tetragramas, como INRI, GADU e etc...(Ver URIM).

Teurgia – Movimento místico com o qual o homem colabora com Deus, para obter uma
relação plena com os “espíritos celestes”, o que constitui uma espécie de magia.

Tevet – É o 4º mês do calendário judaico.

Tigre – Ferocidade, falsidade e traição.

Tishrei – É o 1º mês do calendário judaico.

Timbre – Carimbo próprio para autenticar documentos Maçônicos. Nos Graus Simbólicos, a
tinta a ser usada é a de cor negra. Nos Graus Filosóficos, variam de cor conforme cada
Câmara.

Toques – Sinais pelos quais os Maçons identificam a sua qualidade, bem como o Grau em
que estão investidos. Os sinais são sempre seguidos por palavras que confirmam o “toque”,
que por vezes são conhecidos por profanos.

Touro - Símbolo da força, nome de uma “constelação do zodíaco”. A carne bovina tornou-se
uma das principais fontes da alimentação do homem, merecimento.

Trabalhos – São as ocupações dos Maçons, quando reunidos dentro dos Templos.

Traçar – Escrever ou redigir qualquer documento Maçônico.


Traje – Vestuário próprio que o Maçom usa nas várias cerimônias, que deve estar de acordo
com o personagem que representa, e a época da ação. Usualmente o Maçom deve estar de
terno, gravata, sapatos pretos e camisa branca.

Três – Número muito usado pelos Maçons, por representar equilíbrio, firmeza, tríade e tudo o
mais que significa segurança, principalmente o triângulo eqüilátero e o “delta”, cuja presença
é obrigatória nos Templos Maçônicos.

Trevas – Estado em que se acha o homem não Maçom, isto é o homem profano.

Tríade – Os três termos de um ternário; Deus, Pátria e Família; Nascer, Zenit e Ocaso;
Passado, Presente e Futuro; e tantas outras.

Triângulo - Figura geométrica muito usada em Maçonaria, principalmente o triângulo


eqüilátero, que é símbolo do equilíbrio. O “delta sagrado” é representado por um triângulo
isóscele, unidade e triplicidade, “Deus”.

Tridente – Cetro do mitológico Netuno, terminado por três dentes. Em linguagem de


Banquete Maçônico são os garfos, com que se come.

Tríplice triângulo - Trindade filosófica e geração.

Tri-pontuação – É usada em Maçonaria para abreviar palavras, e dificultar a leitura do texto


por parte de profanos.

Trolha – Colher de pedreiro, considerada a mais importante ferramenta de um Mestre.


Simbolicamente serve para alisar imperfeições, sendo um símbolo de fraternidade e
tolerância.

Tronco de Beneficência – Caixa destinada a receber donativos, destinados a socorrer os


necessitados.

Trono – Lugar situado no Oriente de um Templo, debaixo de um Docel, onde fica o Ven∴
Mestre de uma Loja.

Trono de Salomão – Assim é chamado à cadeira, onde tem assento o Venerável de uma Loja.
Em cerimônia própria um Venerável eleito é Instalado no “Trono de Salomão”, sem o que não
pode presidir Sessões, em que haja juramentos: Iniciação, Elevação e outros.

Tubalcaim – Filho do “Patriarca Lamec”, foi o inventor das artes, e quem primeiro trabalhou
com metais.

Tumim – Palavra sagrada usada por “Salomão”. Nome de uma espécie de espelho
decomponente de luz espiritual, do que “Salomão” se valia para analisar o valor das pedras
preciosas, bem como o valor espiritual dos homens que o cercavam.

“U”
topo

Um – É o primeiro dos números; a unidade, o princípio de todas as coisas, que não é


compreendida senão pelo efeito da dualidade.
Urim – Palavra hebraica da qual se valia “Salomão”, para se comunicar com JEOVÁ, em
suas orações.

Utensílios da mesa - Reino mineral.

“V”
topo

Vale – Localidade onde se situa uma Loja de Perfeição, Sublime Capítulo ou outro Corpo
Filosófico.

Velas – São as luzes, que se usam em cerimônias Maçônicas, determinadas pelo Ritual que se
usa, variando em número e cor. Não confundir com a iluminação do Templo, que hoje é feita
com lâmpadas elétricas.

Venda - Ignorância do mundo. Faixa de pano preto, com a qual são cobertos os olhos do
Candidato, durante parte da cerimônia de sua Iniciação.

Venerável – É assim chamado o Ir∴ eleito e Instalado, para dirigir uma Loja Simbólica.

Ver a Luz – Ser Iniciado em uma Loja Maçônica.

Verdade - A busca constante da verdade é o principal trabalho que o Maçom emprega desde a
data de sua Iniciação, mas que não consegue terminá-lo e pergunta a si próprio “Onde está a
verdadeira verdade?”.

Verdadeira Luz – Verdadeira Luz é a que o Maçom recebe ao ser Iniciado, que lhe é dada de
modo especial. No Calendário Maçônico, se considera Ano da Verdadeira Luz (V∴L∴). O
calendário judaico, cujos meses são: 1º TISHREI, 2º CHESHVAN, 3º KISLEV, 4º TEVET, 5º
SHEVAT, 6º ADAR, 7º NISSAN, 8º YIAR, 9º SIVAN, 10º TAMUZ, 11º AV, 12º ELUL.

Vergonha – É um sentimento humilhante para quem reconhece uma falta praticada. O


Maçom não pode sentir vergonha, pois os seus atos devem ser do mais altos valores éticos e
de moral.

Verde – Uma das cores usadas na decoração Maçônica, com o sentido de esperança, cor do
Grau “4” do R∴E∴A∴A∴, bem como a de uma Loja de Perfeição.

Vermelho – Cor do Rito E∴A∴A∴, por ser um Rito Monárquico. O vermelho é muito usado
em Maçonaria, existindo ainda a Maçonaria azul, que é à francesa; e a vermelha que é a
escocesa, porém ambas como mesmo espírito por adotarem os “LANDMARKS” universais.

Vestido – Assim é chamado o avental, que obrigatoriamente usa o Maçom, quando está
trabalhando dentro de um Templo. Para cada Grau há um Avental específico, assim como para
Cargo exercido, variando conforme o Rito praticado.

Viagens – São as caminhadas feitas durante a Iniciação, para lembrar ao Candidato, que não é
sem dificuldade que se adquire o dom das virtudes.
Vingança – Sentimento rancoroso que não pode ter guarida no Maçom. A vingança É
mencionada no Grau “3”, e profundamente combatida no Grau “9”, ambos do R∴E∴A∴A
∴.

Vinho – Bebida de baixo teor alcoólico, citado na Bíblia, que tem seu uso prescrito em
Maçonaria, principalmente nos Graus “18 e 33” do R∴E∴A∴A∴. Com o vinho se faz as
libações prescritas no Ritual de Banquete Ritualístico.

Violação – A violação do juramento prestado no ato da Iniciação, é o delito mais grave que
pode cometer um Maçom, que deve ser castigado com a expulsão sumária da Maçonaria.

Virtude – Disposição para o bem, para o que justo e ético, é ainda a origem de sentimentos
honestos e de ações corajosas.

Visitação – Um dos direitos do Maçom de visitar as Lojas do mundo todo. É um dos direitos
estabelecidos pelos Landmarks da escala de Mackey.

Visitante – Irmão que eventualmente comparece aos trabalhos de uma Loja, que não a sua.

Visão – Um dos cinco sentidos do homem. Por particular uso deste sentido, o Maçom
compreende, os homens distanciados em si pela linguagem, religião ou nacionalidade e se
aproximam de modo fraternal.

Vivat – Grito de alegria que fazem os Maçons, trabalhando no Rito Moderno e no


Adonhiramita.

Vitriol – Palavra composta pelas iniciais de uma expressão latina, que quer dizer: visita o
interior da terra e, retificando encontraras a pedra oculta, palavra que aparece nas “Câmaras
de Reflexão”.

Viúva – Alegoricamente é a mãe de Hiram Abif, e numa alusão a falta que a morte do famoso
arquiteto do Templo fez a sua mãe, os Obreiros a tomaram como a mãe de todos, e passaram a
se tratar como IIr∴.

Vontade – É a disposição que nos induz a levar a termo um desejo, um ideal ou uma
determinação. Para o Maçom a prática do bem deve ser a maior de suas vontades.

“X”

Xilólatra - Aquele que adora ídolos de madeira.

XinXen - Palavra hebraica, cuja inicial está gravada no “Sepulcro de Adonhiran”; também
aparece no Grau “6” do Rito Escocês Reformado.

“Y”
topo
Yiar – É o 8º mês do calendário judaico.

York - Cidade da Inglaterra onde nasceu o Rito de York. “Carta de York” é um documento
histórico, que se constitui num dos mais antigos códigos de Franco-Maçonaria.

Yschim-Kibbontz - Divisa que circunda a esfera terrestre, que é colocada sobre a entrada do
“Supremo Conselho dos Príncipes Hasid” no Grau “76” do Rito Misraim.

Yzed - Sábio, o mensageiro da ciência. Título de um dos grandes dignitários do “Grande


Areópago dos Sábios das Pirâmides”.

“Z”

Zabalon - Também Zabulum. Este nome varia muito nos diversos Rituais, é a palavra de
“passe” de um dos Graus do Rito do Real Arco.

Zabud - Filho do profeta “Natham”, principal oficial e amigo do Rei Salomão.

Zacoris - Nome do grande tesoureiro do “Grande Areópago dos Sábios das Pirâmides”.

Zakai - Puro, universal. Um dos grandes nomes de “Deus”, contido no Ritual Grau “6”, do
Rito Escocês Reformado.

Zekarian – Nome de um dos seis porteiros do “Templo de Salomão”, segundo o Grau de


Príncipes de Jerusalém, 8º do Rito Escocês Reformado.

Zend-Avesta – Coleção de livros sagrados dos persas, atribuídos a Zoroastro, que contêm os
princípios da filosofia dos persas.

Zenit - Ponto imaginário da esfera celeste, que se supõe, estar situado perpendicularmente
sobre a nossa cabeça, oposto a “Nadir”.

Zerbal – Favorito, o que prevalece com o Senhor, é o nome de um capitão dos guardas de
Salomão. Nome que aparece em vários Graus do R∴E∴A∴A∴.

Zeus – Sobrenome que os gregos davam a Júpiter, o “Supremo Deus do Olimpio”, é


considerado como o autor da vida.

Zillah – Significa proteção ou uma sombra. Uma das mulheres de Lameck a qual foi a mãe de
Tubalcaim.

Ziza - Resplandecente, superabundante. Filho de “Siph”, citado na Bíblia. em alguns Rituais


aparece como ZIZOR e também ZIZON.

Zodiacal - Referente a zodíaco. (Ver Colunas Zodiacais).

Zodíaco – É a faixa do céu que circunda a terra, por sobre a linha do Equador, que no seu
todo de 360º, está dividido em doze partes de 30º cada, contendo em cada uma, um signo
zodiacal. Estes signos marcam preponderantemente a decoração de um Templo Maçônico. O
zodíaco, com seus signos, atualmente servem para, uma exploração desenfreada por parte de
indivíduos inescrupulosos, que exploram a boa fé, e a crendice do povo. (Ver Colunas
Zodiacais).

Zoroastro – Rei dos bactrianos, que reinou 5.000 anos antes da guerra de Tróia. Os dogmas
principais deste reformador estabeleceram que, “Ormuz” é o autor de todo o bem e belo que o
mundo encerra.

Zorobabel – Personagem bíblico, que desempenha importante papel em alguns Graus


Superiores do R∴E∴A∴A∴.

Zorro – Animal parecido com uma raposa, astuto, sagaz. No Rito da Estrita Observância, se
apresentava ao Mestre-Maçom, mostrando-lhe que devia ter a força de um leão, a inteligência
da águia e a dissimulação de uma raposa.

Zweg – Palavra derivada do tudesco Zweig, que significa gérmen, fecundidade com que os
pitagóricos designaram a Terra, mãe fecunda de toda a produção.