P. 1
Quais os procedimentos para abertura de uma empresa de exportação e importação

Quais os procedimentos para abertura de uma empresa de exportação e importação

|Views: 582|Likes:
Publicado porRafael Pereira

More info:

Published by: Rafael Pereira on May 31, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/20/2013

pdf

text

original

Quais os procedimentos para abertura de uma empresa de exportação e importação?

A abertura de uma empresa é um processo normal que deve ser efetuado através de um escritório de contabilidade. No contato com o contador, deve-se explicar claramente que a atividade da empresa será comercialização de produtos de terceiros ou de produção própria, e que será através de importação e exportação. A tributação ocorre sobre o faturamento da empresa, não importando se é de origem nacional ou internacional. O importante é obter orientação do contador sobre o enquadramento da empresa no que se refere aos impostos municipais, estaduais e federais. Também é importante ter orientação do contador que por ocasião da emissão de uma nota fiscal para exportação, dependendo do enquadramento fiscal da empresa, poderá ter benefícios de redução ou isenção do PIS, Cofins, IPI e ICMS, cuja legislação deverá constar no corpo da Nota Fiscal. No caso da importação, também é importante saber sobre a emissão de nota fiscal de entrada da mercadoria após desembaraço aduaneiro feito pela Receita Federal, e os impostos incidentes sobre a importação da mercadoria. Finalmente, é fundamental ter conhecimento dos procedimentos tanto na exportação quanto na importação. Para poder elaborar um planejamento, formação de preço na exportação, planilha de custos na importação, e verificar a viabilidade dessa atividade, acessar essas informações através do site: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Quero abrir uma empresa de importação e exportação. Como me inscrevo no RADAR? Para obtenção do Radar é necessário o cadastro inicial no site www.radarcomercial.desenvolvimento.gov.br 1. INTRODUÇÃO O Decreto nº 1.248/1972 implantou condições para o desenvolvimento, no Brasil, das Empresas Comerciais Exportadoras, conhecidas no mercado internacional como Trading Companies. A atividade dessas empresas se caracteriza, especialmente, pela aquisição de mercadorias no mercado interno para posterior exportação. As operações efetuadas por Tradings caracterizam-se, principalmente, por: a) exportação de produtos de diferentes fornecedores de forma consolidada; b) necessidade de menor capital de giro, devido às operações casadas; c) melhor atendimento aos clientes, por oferecer variada gama de produtos; d) redução dos custos operacionais; e) estoques que permitam regularidade de fornecimento; f) atuação em diversos mercados. 2. ATIVIDADE PARA O FIM ESPECÍFICO DE EXPORTAÇÃO O legislador afirma que para usufruir dos benefícios fiscais estabelecidos no Decreto nº 1.248/1972, as empresas devem realizar operações destinadas ao fim específico de exportação, ou seja, as mercadorias devem ser diretamente remetidas do estabelecimento do produtor-vendedor para: a) embarque de exportação por conta e ordem da Empresa Comercial Exportadora; b) depósito em entreposto, por conta e ordem da empresa comercial exportadora, sob regime aduaneiro extraordinário de exportação, nas condições estabelecidas. 3. REQUISITOS LEGAIS Além da delimitação de atividades mencionada no item anterior, para que as Empresas Comerciais Exportadoras possam usufruir dos benefícios fiscais, é necessário que: 1) obtenham registro especial na SECEX e SRF; 2) sejam constituídas sob forma de sociedade por ações; 3) possuam capital mínimo fixado pelo Conselho Monetário Nacional equivalente a 703.380 (setecentos e três mil, trezentos e oitenta) UFIR, tomando-se por base a expressão monetária da UFIR mensal para o mês de abril

III . devidamente qualificados. elegeram a diretoria e estabeleceram o capital social mínimo exigido. destacamos a possibilidade de utilização do regime de drawback. os quais após serem submetidos a beneficiamento.páginas originais do Diário Oficial. obrigatoriamente. b) número de inscrição no CNPJ. 5. a empresa deverá encaminhar correspondência ao DECEX informando: a) denominação social da empresa. pode ser considerada para fins de comprovação do referido regime a venda no mercado interno efetuada à Empresa Comercial Exportadora.248/1972. ou cópia autenticada. livre do pagamento de impostos na importação. alterada pela Portaria SECEX nº 01/2000. contendo as atas das assembléias que aprovaram os estatutos sociais. devidamente acompanhada.imediatamente anterior à data do pedido de Registro Especial. ORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA A Trading Company deverá ser constituída sob a forma de sociedade de ações e possuir capital mínimo de acordo com as condições fixadas na Resolução BACEN nº 1.páginas do Diário Oficial. como dirigente ou acionista. sua composição acionária. contendo as atas de assembléias que aprovaram a constituição de cada estabelecimento da empresa que pretenda operar como Empresa Comercial Exportadora. para cada estabelecimento. A Empresa Comercial Exportadora fica obrigada a comunicar ao DECEX e à SRF qualquer modificação em seu capital social. 6. com os respectivos percentuais de participação.928/1992 já mencionadas. com indicação de arquivamento na Junta Comercial. um incentivo fiscal à exportação que permite à empresa industrial e mesmo comercial importar insumos. Tais impedimentos se estendem para empresa da qual participe. e) indicação dos estabelecimentos que irão operar como Empresa Comercial Exportadora. c) endereço. d) telefone e fax. seus dirigentes ou dados de localização. IMPEDIMENTOS Não será concedido Registro Especial à empresa impedida de operar em comércio exterior ou que esteja sofrendo ação executiva por débitos fiscais para com a Fazenda Nacional e/ou Fazendas Estaduais. deve ser exportado. transformação ou integração industrial geram outro produto que. pessoa física ou jurídica impedida de operar em comércio exterior ou que esteja sofrendo ação executiva por débitos fiscais.relação dos acionistas com participação igual ou superior a 5% (cinco por cento) do capital social. com a indicação de arquivamento na Junta Comercial. 4. II . Após efetuar o registro. ou cópia autenticada. com o fim específico de exportação Despacho Aduaneiro de Importação . Segundo a Portaria SECEX nº 04/1997. "DRAWBACK" Entre os benefícios decorrentes de operações através das Empresas Comerciais Exportadoras constituídas ao amparo do Decreto-lei nº 1. de 2 (dois) jogos dos seguintes documentos: I .

matérias-primas. O registro da Declaração de Importação (DI) fica condicionado à prévia habilitação no Siscomex. quanto do importador por encomenda. Antes de iniciar uma operação de importação.DI O despacho aduaneiro de importação é processado com base em declaração a ser apresentada à unidade aduaneira sob cujo controle estiver a sua mercadoria. em razão de contrato previamente firmado. em seu nome. que deverão permanecer no regime por prazo certo e conforme a finalidade destinada. como a realização de cotação de preços e a intermediação comercial. em duas categorias: o despacho para consumo. em razão de contrato firmado entre elas. Entre outros. Toda mercadoria procedente do exterior. após cumprirem a sua finalidade. Declaração de Importação . pelo prazo previsto no contrato. e o despacho para admissão em regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. O despacho para admissão em regimes aduaneiros especiais ou aplicados em áreas especiais tem por objetivo o ingresso no País de mercadorias. com vistas ao seu desembaraço aduaneiro. sem sofrerem a incidência imediata de tributos. O controle aduaneiro relativo à atuação de pessoa jurídica importadora que opere por encomenda é exercido conforme o estabelecido na Instrução Normativa SRF no 634/06. ainda que parcialmente. o importador pode optar pelo despacho aduaneiro simplificado. caso em que as mercadorias devem retornar ao exterior. que pode compreender. O despacho aduaneiro de importação é dividido. antes de iniciar a sua operação de importação. O despacho para consumo ocorre quando as mercadorias ingressadas no país forem destinadas ao uso. produtos ou bens provenientes do exterior. pois. Não é considerada importação por encomenda a operação realizada com recursos do encomendante. A DI deve conter. que é realizado com base em declaração apresentada à unidade aduaneira sob cujo controle estiver a mercadoria. para atuar como importador por conta e ordem do adquirente. aos documentos apresentados e à legislação específica. o interessado deve sempre verificar se a mercadoria a ser importada está sujeita a controle administrativo. deve ser submetida a despacho de importação. em regra. que pode se dar por meio do Siscomex ou por formulários. como insumos. registrada no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex). importada a título definitivo ou não. tanto do encomendante. o despacho aduaneiro de importação de mercadorias por ela adquiridas no exterior. em seu nome. a prestação de outros serviços relacionados com a transação comercial. bens de produção e produtos intermediários. ainda. Assim. os quais permanecem suspensos até a extinção do regime. portanto. conforme descrito abaixo. O despacho para consumo visa. sob pena de pagamento de multa. bem como quando forem destinadas ao consumo próprio e à revenda. o despacho aduaneiro de importação de mercadoria adquirida por outra. este deve ser efetuado anteriormente ao embarque da mercadoria no exterior.O despacho aduaneiro de mercadorias na importação é o procedimento mediante o qual é verificada a exatidão dos dados declarados pelo importador em relação às mercadorias importadas. se aplica às mercadorias em trânsito aduaneiro (para um outro ponto do território nacional ou com destino a um outro país) e em admissão temporária. O registro da Declaração de Importação (DI) pelo contratado é condicionado à sua prévia habilitação no Siscomex. pelo aparelho produtivo nacional. a identificação do importador e do adquirente ou encomendante. para revenda a empresa encomendante predeterminada. Importação por Conta e Ordem de Terceiro Entende-se por operação de importação por conta e ordem de terceiro aquela em que uma pessoa jurídica promove. conforme o caso. em algumas situações. Importação por Encomenda Entende-se por operação de importação por encomenda aquela em que uma pessoa jurídica promove. o interessado deve verificar se a sua habilitação para utilizar o Siscomex será necessária e se ela se encontra em vigor. Em geral. O controle aduaneiro relativo à atuação de pessoa jurídica importadora que opere por conta e ordem de terceiros é exercido conforme o estabelecido na Instrução Normativa SRF nº 225/02. entre outras informações. Entretanto. a nacionalização da mercadoria importada e a ele se aplica o regime comum de importação. sujeita ou não ao pagamento do imposto de importação. e à prévia vinculação entre eles realizada nesse sistema. caso não . nos termos da Instrução Normativa SRF nº 680/06. o despacho de importação é processado por meio de Declaração de Importação (DI). basicamente.

o valor aduaneiro e a origem da mercadoria. a verificação física da mercadoria e a aplicação de procedimento especial de controle aduaneiro. mas nunca é inferior a 05 anos. para verificação de elementos indiciários de fraude. a classificação. natureza da operação. de acordo com o tipo de declaração e a modalidade de despacho aduaneiro. salvo nos casos de Despacho Antecipado. O mesmo acontece com a mercadoria cujo despacho de importação tenha seu curso interrompido durante sessenta dias. vermelho e cinza) Uma vez registrada a declaração de importação e iniciado o procedimento de despacho aduaneiro. A importação selecionada para o canal verde é desembaraçada automaticamente sem qualquer verificação. o que acarretará a aplicação da pena de perdimento e a destinação da mercadoria para um dos fins previstos na legislação. .Gerais . inclusive no que se refere ao preço declarado da mercadoria. por essa razão. amarelo. além da conferência documental. há. Se o despacho de importação. . quando a DI é selecionada para o canal cinza.sejam a mesma pessoa. entre outros. não for iniciado nos prazos estabelecidos na legislação. O próprio Siscomex contém as alíquotas dos tributos aplicáveis e. Documentos de Instrução da DI Regra geral. Parametrização (canais verde. Tributos incidentes na importação Os tributos incidentes sobre uma determinada importação e os seus montantes dependem do tipo de mercadoria. via original da fatura comercial. quando aplicável. Os canais de conferência são quatro: verde.correspondentes à operação de importação. Os documentos de instrução da DI devem ser entregues à fiscalização da SRF sempre que solicitados e. assinada pelo exportador. Finalmente. é realizado o exame documental. É no momento desse registro que ocorre o pagamento de todos os tributos federais devidos na importação. ele executa os cálculos necessários e debita os valores devidos diretamente na conta corrente informada. e outros. No caso de seleção para o canal vermelho. os documentos que servem de base para as informações contidas na DI são: y y y y via original do conhecimento de carga ou documento equivalente. amarelo. a DI é submetida a análise fiscal e selecionada para um dos canais de conferência. por ação ou por omissão do importador. em uma de suas modalidades. Tal procedimento de seleção recebe o nome de parametrização. seu valor. fiscal e cambial sobre cada tipo de mercadoria. a conferência física da mercadoria. Início do Despacho Aduaneiro de Importação O ato que determina o início do despacho aduaneiro de importação é o registro da DI no Siscomex. exigidos em decorrência de Acordos Internacionais ou de legislação específica. que pode variar conforme o caso. no momento do registro da DI. O tratamento aduaneiro a ser aplicado à mercadoria importada é determinante para a escolha do tipo de declaração a ser preenchida pelo importador. A DI é formulada pelo importador ou seu representante legal no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex) e consiste na prestação das informações constantes do Anexo Único da IN SRF nº 680/06. Essas informações estão separadas em dois grupos: . ela é considerada abandonada. assim como a identificação. romaneio de carga (packing list). que variam entre 45 a 90 dias da chegada da mercadoria ao País. o importador deve mantê-los pelo prazo previsto na legislação.contendo dados de natureza comercial. com base nas informações fornecidas pelo importador. qualidade do importador. O canal amarelo significa conferência dos documentos de instrução da DI e das informações constantes na declaração.Específicas (adição) . vermelho e cinza. origem.

Desembaraço Aduaneiro O desembaraço aduaneiro é o ato pelo qual é registrada a conclusão da conferência aduaneira. É com o desembaraço aduaneiro que é autorizada a efetiva entrega da mercadoria ao importador e é ele o último ato do procedimento de despacho aduaneiro. .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->