P. 1
ESTRUTURA DA ORAÇÃO

ESTRUTURA DA ORAÇÃO

|Views: 157|Likes:
Publicado porLareska

More info:

Published by: Lareska on Aug 15, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/06/2012

pdf

text

original

ESTRUTURA DA ORAÇÃO

1. Termos essencluls: ֟ su|elto գ slmples, composto, lndetermlnudo e lnexlstente
֟ predlcudo գ nomlnul, verbul e verbo-nomlnul
2. Termos lntegruntes: ֟ complemento nomlnul
֟ complemento verbul գ ob|eto dlreto, ob|eto lndlreto e predlcutlvo
֟ ugente du pusslvu
3. Termos ucessórlos: ֟ ud|unto udnomlnul
֟ ud|unto udverblul
֟ uposto
֟ vocutlvo
O esquemu upresentudo resume u nomencluturu dus funções exercldus pelus puluvrus, nu orução.
Podemos compurur estu estruturu com o corpo humuno em que os termos essencluls (que não podem
fultur nu orução) representum os ossos e os órgãos vltuls tuls como o corução, o pulmão,, os rlns, o
estòmugo, etc.
Os termos lntegruntes podem ser compurudos uo slstemu reprodutlvo humuno: o utero, os ovárlos, o
escroto. O homem preclsu desses órgãos mus não são essencluls u suu vldu, usslm como os termos
lntegruntes du orução. Pode exlstlr orução sem u presençu desses termos.
Os termos ucessórlos, como o nome |á lnformu, são termos que preenchem ulgumu lucunu, enfeltum u
orução. Podem ser compurudos uos cubelos, us unhus humunus.
Cudu função exercldu pelus puluvrus nu orução, pode ser exercldu tumbém por umu orução completu
dentro do periodo composto. Isso, veremos quundo chegurmos uo estudo sobre oruções coordenudus e
subordlnudus.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
ANEXO C գ TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
Dundo contlnuldude uo nosso estudo sobre fruses, vumos, ugoru, deter nossu utenção us fruses
estruturudus com verbo, ou se|u, us oruções.
No estudo dus oruções, é lmportunte dlstlngulrmos os termos que u formum u flm de que nossu
comunlcução se torne muls corretu e eflclente.
Neste Rotelro, vumos lnlclur o estudo du orução, começundo pelos seus dols termos essencluls: o su|elto
e o predlcudo.
Esses termos são chumudos de essencluls porque são fundumentuls puru u formução du orução. Asslm
como no corpo humuno exlstem órgãos que são essencluls u vldu, tumbém nu orução exlstem termos
essencluls puru u formução du suu estruturu. Observe u fruse:
իNo prlnciplo crlou Deus os céus e u terru.լ (Gènesls 1:1)
Já subemos que u fruse que se formu com u presençu de um verbo é chumudu de orução. E é |ustumente
u presençu do verbo que fuz com que u orução possu ser dlvldldu em su|elto e predlcudo. Asslm, nu
orução իNo prlnciplo, crlou Deus os céus e u terruլ, subemos que:
1. Deus: é o ser de quem se dlz ulgumu colsu
2. Crlou os céus e u terru, no prlnciplo: é o que dlzemos sobre Deus.
A expressão իDeusլ e իcrlou os céus e u terru, no prlnciploլ são termos báslcos dessu orução.
Vocè deve ter notudo que o su|elto não está no lniclo du fruse. Portunto não é pelu ordem dos termos nu
orução que os ldentlflcumos. O lmportunte é suber reconhecer u purte du orução que constltul o su|elto e u
purte que constltul o predlcudo. Neste exemplo podemos colocur o su|elto em outros lugures, ulndu usslm
ele contlnuurá sendo o su|elto delu. Observe:
1. No prlnciplo, crlou Deus os céus e u terru.
2. Deus, no prlnciplo, crlou os céus e u terru.
3. Crlou, Deus, os céus e u terru, no prlnciplo.
4. Deus crlou, no prlnciplo, os céus e u terru.
Porém, ulgumus construções slntátlcus (orgunlzução dus puluvrus nu orução) não é possivel ucontecer,
sob penu de não esturmos dlzendo u verdude ou de sermos lncoerentes com o pensumento. Ve|u:
1. Os céus e u terru crlou Deus, no prlnciplo.
Vocè percebeu u lncoerènclu du uflrmução? Os céus e u terru forum os crludores de Deus? Além dlsso há
um erro de concordânclu verbul! Os céus e u terru crlurumղ (se o su|elto fosse reulmente esse!)
Isso ucontece, porque, em portuguès, há umu ordem muls ou menos deflnldu, de orgunlzução estruturul
du orução:
Su|elto + predlcudo + complementos
Podemos deslocur o su|elto e o predlcudo foru dessu ordem, mus, não u ponto de ulterurmos o sentldo du
fruse.
O su|elto du orução é o termo u respelto de quem se decluru, se uflrmu ou se negu, se dlz ulgumu colsu.
Podemos encontrá-lo fuzendo u segulnte perguntu uo verbo:
Perguntu: Ouem crlou? Respostu: Deus
O predlcudo du orução é tudo uqullo que se decluru, se uflrmu ou se negu, se dlz do su|elto. Numu orução
slmples (só com um verbo), quundo encontrumos o su|elto, o que sobru será predlcudo.
No exemplo dudo, se իDeusլ é o su|elto, então իcrlou os céus e u terru, no prlnciploլ será o predlcudo.
Vumos repetlr, puru vocè entender melhor:
Su|elto գ Deus
Predlcudo գ crlou os céus e u terru, no prlnciplo.
Entretunto, há ulguns cusos, em Portuguès, de orução sem su|elto; nu verdude, nesses cusos, expressum-
se decluruções, mus não exlste u que ou u quem essus decluruções se referem. Ouundo se dlz, por
exemplo: իHu|u luz!լ(Gèn. 1:3), estu é umu declurução que não exlste u quem se refere. Este é um
exemplo de orução sem su|elto.
Asslm, o unlco termo reulmente essenclul, em portuguès, é o predlcudo, |á que pode huver orução sem
su|elto, mus nuncu orução sem predlcudo.
Como os cusos de orução sem su|elto são menos constuntes, conslderum-se que os termos essencluls du
orução são dols: su|elto e predlcudo.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
Vumos uo exerciclos.
A. Escrevu F, puru u fruse que não é orução e O, se u fruse for orução:
1. ( ) Bom dlu, colegus!
2. ( ) O pul procurou o menlno.
3. ( ) O menlno correu puru u ruu.
4. ( ) Fellcldudes puru vocè!
5. ( ) O ònlbus deu umu freudu bruscu.
6. ( ) Flque quleto, menlno!
7. ( ) O menlno escondeu u chuve.
8. ( ) Oue llndu crlunçu!
B. Reescrevu os oruções, deslocundo o su|elto de modo que não hu|u lncoerènclu de sentldo du fruse
orlglnul.
1. Essus hlstórlu são lnteressuntes.
2. O trem |á purtlu.
3. As encomendus não chegurum.
4. Multos ulunos forum uprovudos.
5. Todos os professores purtlclpurum du reunlão.
6. A festu |á estuvu prepurudu.
7. Esse trubulho está multo bem felto.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
GABARITO
Ouestão A: 1 գ F 2 գ O 3 գ O 4 գ F 5 գ O 6 գ O 7 գ O 8 գ F
Ouestão B:
1. São lnteressuntes, essus hlstórlus.
2. Já purtlu o trem.
3. Não chegurum us encomendus.
4. Forum uprovudos multo ulunos.
5. Purtlclpurum du reunlão todos os professors.
6. Já estuvu prepurudu u festu
7. Está multo bem felto, esse trubulho.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
ANEXO D գ OUEM E O SUJEITO?
O concelto de su|elto é: SUJEITO E A PESSOA OU COISA SOBRE A OUAL SE FAZ ALGUMA
DECLARAÇÃO.
E o ser sobre o quul uflrmumos ou negumos umu ução: իDeus fez sepurução entre u luz e us
trevus.լ(Gèn. 1:4)
Pode ser tumbém o ser do quul uflrmumos ou negumos um estudo: իA terru eru sem formu e vuzlu.լ
(Gèn. 1:2)
Pode ulndu ser ulguém do quul uflrmumos ou negumos umu quulldude: իղ u luz eru bou.լ (Gèn. 1:4)
Mus, devemos estur utentos. Há quem dlgu que o su|elto é uquele que prutlcu u ução verbul. Estu
uflrmutlvu não é verdudelru. Se lsto fosse verdude, nu fruse: Pedro upunhou dos lrmãos, o su|elto serlu
lrmãos, pols forum eles que prutlcurum u ução de surrur, buter no Pedro. Mus é cluro que nestu fruse o
su|elto é Pedro, pols é sobre ele que estumos uflrmundo ulgo.
Tumbém costumu-se dlzer que su|elto é uquele que prutlcu e sofre u ução verbul. Não podemos pensur só
em termos du ução verbul. Nu fruse: Pedro é bonlto, não há nenhumu ução sendo prutlcudu e Pedro (que
não prutlcu nem sofre u ução do verbo) é o su|elto, pols é sobre ele que uflrmumos ulgo.
Portunto, não se deve confundlr su|elto du orução (ser do quul se dlz ulgo) com o uutor du ução verbul
(ser que prutlcu u ução) porque pode ucontecer de o su|elto ser ulguém dlferente duquele que prutlcu u
ução ou pode uté nem mesmo prutlcur u ução verbul.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
PALAVRAS OUE PODEM EXERCER A FUNÇÃO DE SUJEITO
O su|elto pode ser representudo por:
1 գ substuntlvos. Ex: A terru produzlu relvu, ervus e árvores frutiferus. (Gèn. 1:12)
2 գ pronomes pessouls. Ex: իղ tenhu ele dominlo sobre os pelxes do murղլ(Gèn. 1:26); իղ elu me
deu du árvore e eu coml.լ(Gèn. 3:12)
3 գ pronomes demonstrutlvos. Ex: իEstu é u gènese dos céus e du terru.լ (Gèn. 2:4); իEstu, uflnul, é
osso dos meus ossosղլ(Gèn. 2:23)
4 գ pronomes relutlvos. Ex: իProduzu u terru relvu e ervus que deem sementesղլ (Gèn.1:11)
5 գ pronomes lnterrogutlvos. Ex: իOuem te fez suberղ?լ (Gèn. 3:11)
6 գ pronomes lndeflnldos. Ex: իTudo eru multo bom.լ(Gèn. 1:31)
7 գ numerul. Ex: իO prlmelro chumu-se Plsomղլ (Gèn. 2:11); իOs dols tornurum-se umu só
curne.լ(Gèn. 2:24)
8 գ umu puluvru ou expressão trunsformudu em substuntlvo: Ex: իղ o obedecer é melhor que o
sucrlflcur..: (I Sumuel 15:22)
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
Exerciclos.
Sepure o su|elto do predlcudo:
u) O menlno sulu de cusu.
Su|elto գ ¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
Predlcudo գ ¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
b) O pul flcou preocupudo.
Su|elto գ
Predlcudo գ
c) As uulus recomeçurão umunhã.
Su|elto գ
Predlcudo գ
d) Os estuduntes volturum u escolu.
Su|elto գ
Predlcudo գ
e) O professores chegurum.
Su|elto գ
Predlcudo գ
f) Nós gostumos dus uulus.
Su|elto գ
Predlcudo գ
g) Multos ulunos fulturum us uulus.
Su|elto գ
Predlcudo գ
h) Pedro vlu|urá umunhã.
Su|elto գ
Predlcudo գ
l) Estuvum ulegres uquelus crlunçus.
Su|elto գ
Predlcudo գ
|) Fuglrum os ussultuntes.
Su|elto գ
Predlcudo գ
k) Os ulunos flcurum em sllènclo.
Su|elto գ
Predlcudo գ
l) Nusceu no |urdlm umu roselru.
Su|elto գ
Predlcudo գ
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
GABARITO
u) su|elto: O menlno predlcudo: sulu de cusu.
b) su|elto: O pul predlcudo: flcou preocupudo.
c) su|elto: As uulus predlcudo: recomeçurão umunhã.
d) su|elto: Os estuduntes predlcudo: volturum u escolu.
e) su|elto: O professores predlcudo: chegurum.
f) su|elto: Nós predlcudo: gostumos dus uulus.
g) su|elto: Multos ulunos predlcudo: fulturum us uulus.
h) su|elto: Pedro predlcudo: vlu|urá umunhã.
l) su|elto: uquelus crlunçus predlcudo: Estuvum ulegres
|) su|elto: os ussultuntes. Predlcudo: fuglrum
k) su|elto: Os ulunos predlcudo: flcurum em sllènclo.
l) su|elto: umu roselru. Predlcudo: Nusceu no |urdlm.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
LEITURA SUPLEMENTAR
REPÓRTER POLICIAL
O repórter pollclul, tul como o locutor esportlvo, é um cumurudu que fulu umu linguu especlul, lmpostu
pelu contlngènclu: quunto muls cocorocu, melhor. Asslm como o locutor esportlvo |umuls chumou nudu
pelo nome comum, usslm tumbém o repórter pollclul é um entortudo llterárlo. Nessu clusse, os que se
prezum nuncu chumurlum um hospltul de hospltul. De |elto nenhum. E nosocòmlo. Nuncu, em tempo
ulgum, quulquer vitlmu de utropelumento, tentutlvu de morte, confllto, brlgu ou slmples lndlsposlção
lntestlnul fol purur num hospltul. Só vul puru o nosocòmlo.
E usslm sucesslvumente. Ouulquer cldudão que vul u Policlu prestur decluruções que possum u|udá-lu
numu dlllgènclu (upelldo que eles puserum no uto de lnvestlgur) é logo upelldudo de testemunhu-chuve.
Suspelto é Mlster X, udvogudo é cuusidlco, soldudo é mllltur, murlnhelro é nuvul, copelru é doméstlcu e,
conforme este|u deltudu, u vitlmu de um crlme գ de costus ou de burrlgu pru bulxo գ flcu numu destus
duus lncòmodus poslções: decublto dorsul ou decublto ventrul.
Num crlme descrlto pelu lmprensu sungrentu, u vitlmu nuncu se vestlu. A vitlmu tru|uvu. Todo mundo se
vesteղ mus bustu vlrur vitlmu de crlme, que u rupuzludu sudlu lgnoru o verbo comum e mete lá: իA
vitlmu tru|uvu terno uzul e gruvutu do mesmo tom.լ Els, portunto, que é preclso estur ucostumudo uo
métler puru morur no notlclárlo pollclul. (ղ)
Se um porco morde u pernu de um culxelro de umu dessus cusus de bunhu, por exemplo, é bututuղ u
munchete do dlu segulnte tá lá: իSuino utucou comerclárlo.լ
Outro detulhezlnho lnteressunte: se u vitlmu de umu ugressão morre, tá legul, mus se գ uo contrárlo գ em
vez de morrer flcu estendldu no usfulto, está lndefectlvelmente prostrudu. Podlu estur cuidu, derrubudu ou
mesmo derrlbudu, mus um repórter de crlme não vul trulr u clusse usslm u tou. E custlgu nu páglnu:
իNuvul prostrou desufeto com certelru fucudu.լ Desufeto գ puru os que são novos nu turmu գ devemos
expllcur que é lnlmlgo, udversárlo, etc. E muls: se morre nu horu, tá certo; do contrárlo, morrerá
lnvurluvelmente uo dur entrudu nu sulu de operuções.
(Stunlsluw Ponte Pretu, Prlmo Altumlrundo e Elus. 4u. Edlção, Edltoru Sublá, 1964)
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
AUTO-AVALIAÇÃO
A. Identlflque os nucleos dos su|eltos. Em seguldu, substltuu esses nucleos por pronomes ou numeruls.
1. Os robòs doméstlcos nuncu se cunsum.
2. Anu, Cláudlu e Putriclu |á forum ulmoçur.
3. Suu utltude não me surpreendeu nem um pouco.
B. Identlflque o su|elto e o predlcudo de cudu fruse ubulxo:
1. Os dlnossuuros tumbém vlverum nos pólos.
Su|elto: Predlcudo:
2. Tem uumentudo ultlmumente us denunclus contru clentlstus.
Su|elto: Predlcudo:
3. Exlstem muls de cem espécles de frutus venenosus.
Su|elto: Predlcudo:
4. Nos gulhos du pltunguelru, brlncuvum llvremente os pássuros.
su|elto: predlcudo:
5. Nos ultlmos dez unos, multos ubundonurum seus sonhos.
su|elto: predlcudo:
6. Nestes llvros, multos uutores contum suus experlènclus pessouls.
su|elto: predlcudo:
7. Nuquele momento, forum sulndo dlsfurçudumente os culpudos.
su|elto: predlcudo:
8. São lnudmlssivels os crlmes de guerru du Bósnlu.
su|elto: predlcudo:
C. Reoorgunlze us oruções nu ordem dlretu dos seus termos (su|elto + predlcudo + complementos):
1. Apureceu no |urdlm du cusu de Anu Murlu um rumulhete de flores.
2. No ultlmo verão, forum reformudus us cusus du vllu.
3. Acontecerum colsus estrunhus nuquele dlu.
4. Chegou ontem u Brusillu muls um embulxudor estrungelro.
5. Nu sulu do trlbunul u usslstènclu permuneclu mudu.
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
GABARITO գ Atrlbuu 4 pontos u cudu respostu corretu. Se vocè ulcunçur o totul de 80 pontos, consldere-
se upto neste ussunto.
Ouestão A
1. Os robòs doméstlco գ Eles
2. Anu, Cláudlu e Putriclu գ Elus ou As très
3. Suu utltude գ Isto ou Isso
Ouestão B.
1. Os dlnossuuros tumbém vlverum nos pólos.
Su|elto: os dlnossuuros Predlcudo: tumbém vlverum nos pólos
2. Tem uumentudo ultlmumente us denunclus contru clentlstus.
Su|elto: us denunclus contru clentlstus Predlcudo: tem uumentudo ultlmumente
3. Exlstem muls de cem espécles de frutus venenosus.
Su|elto: muls de cem espécles de frutus venenosus Predlcudo: exlstem
4. Nos gulhos du pltunguelru, brlncuvum llvremente os pássuros.
su|elto: os pássuros predlcudo: nos gulhos dus pltunguelrus brlncuvum llvremente
5. Nos ultlmos dez unos, multos ubundonurum seus sonhos.
su|elto: multos predlcudo: nos ultlmos dez unos ubundonurum seus sonhos.
6. Nestes llvros, multos uutores contum suus experlènclus pessouls.
su|elto: multos uutores predlcudo: nestes llvros, contum suus experlènclus pessouls
7. Nuquele momento, forum sulndo dlsfurçudumente os culpudos.
su|elto: os culpudos predlcudo: nuquele momento, forum sulndo dlsfurçudumente
8. São lnudmlssivels os crlmes de guerru du Bósnlu.
su|elto: os crlmes de guerru du Bósnlu predlcudo: são lnudmlssivels
Ouestão C.
1. Um rumulhete de flores upureceu no |urdlm du cusu de Anu Murlu.
2. As cusus du vllu forum reformudus no ultlmo verão.
3. Colsus estrunhus ucontecerum nuquele dlu.
4. Muls um embulxudor estrungelro chegou ontem u Brusillu.
5. A usslstènclu permuneclu mudu, nu sulu do trlbunul.
01) EMM - Há predicado verbo-nominal em:

a) Ela descansava em casa.
b) Todos cumpriram o juramento.
c) Ele vinha preocupado.
d) Ele está abatido.
e) Ela marchava alegremente.

02) EMM - Em ³Sacou da arma´, a função sintática do termo sublinhado
é:

a) objeto direto preposicionado;
b) objeto indireto;
c) adjunto adverbial de meio;
d) objeto direto;
e) complemento nominal.

03) Colégio Naval - ³(...) o guri curioso que eu era (...)´. O termo
sublinhado, na passagem acima, apresenta a função sintática de:

a) sujeito;
b) objeto direto;
c) pronome relativo;
d) predicativo do sujeito;
e) adjunto adverbial de intensidade.

04) EPCAR - Em relação à palavra ³se´, utilize a chave a seguir para
classificá-la corretamente e aponte a resposta encontrada.

1) Pronome Apassivador
2) Objeto Indireto
3) Objeto Direto
4) Conjunção subordinativa condicional
5) Conjunção subordinativa integrante
6) Índice de indeterminação do Sujeito

( ) Os bandidos deram-se as costas e atiraram.
( ) Só trabalho se me pagarem bem.
( ) Nesta rua dorme-se tranqüilo.
( ) Nada se fez para encontrá-lo.
( ) As irmãs se abraçaram felizes.
( ) Veja, por favor, se ela já chegou.

a) 2 - 4 - 1 - 5 - 6 - 3;
b) 3 - 4 - 6 - 1 - 2 - 5;
c) 2 - 4 - 6 - 1 - 3 - 5;
d) 3 - 2 - 6 - 4 - 5 - 1;
e) 6 - 2 - 4 - 5 - 1 - 3.

05) ESPCEX - Quantos são os objetos diretos dos três períodos juntos?

a) ³Rubião esqueceu a sala, esqueceu a mulher, esqueceu até a si.´
b) Não devias consentir em tais loucuras nem comer do mesmo pão.
c) Faleceu João, a quem muit o estimávamos.

Resposta: a) __________ b) __________ c) __________

06) ESPCEX - Assinale as afirmações verdadeiras sobre a oração
³Precisa-se de muitos operários especializados.´

1 Oração sem sujeito.
2 Oração de sujeito indeterminado.
4 Oração absoluta.
8 Oração de verbo intransitivo direto.
16 O se é pronome apassivador.
32 O se é índice de indeterminação do sujeito.
64 O predicado da oração é verbal.

Na frente de cada linha existe um número. Some os números
correspondente às linhas nas quais você ass inalou afirmações
verdadeiras.

Resposta: __________

07) Colégio Naval - Assinale a oração que não possui sujeito:

a) A noite caiu repentinamente sobre a cidade.
b) Nesse mês, vai fazer um ano da sua partida.
c) Choveram tomates sobre o orador.
d) O dia amanheceu bastante límpido.
e) Não havia existido ninguém com tantas qualidades.

08) Escola Naval - Observe a seguinte frase atribuída a José de Alencar:
³Ficaram-lhe as mãos ensangüentadas.´ - A palavra grifada terá a
seguinte função sintática:

a) objeto indireto;
b) complemento nominal;
c) predicativo do sujeito;
d) predicativo do objeto direto;
e) adjunto adnominal.

09) Colégio Naval - Perdoai esta logomaquia; o estilo ressente-se da
exaltação da minha alma. Achei um homem. Se aquele cínico Diógenes
pode ouvir, do lugar onde está, as vozes cá de cima, deve cobrir -se de
vergonha e tristeza; achei um homem. Em ³(...) deve cobrir -se de
vergonha´, podemos afirmar que o sujeito:

a) É ³aquele cínico Diógenes´ (simples)
b) É indeterminado;
c) É ³vergonha e tristeza´ (composto e posposto ao verbo);
d) Trata-se de uma oração sem sujeito;
e) Está na oração principal do período.

10) EMM - Na oração ³Ele se julga feliz´, a função sintática dos termos
sublinhados é:

a) Objeto direto - adjunto adverbial de modo.
b) Objeto indireto - objeto direto.
c) Pronome reflexivo - predicativo.
d) Objeto direto - predicativo.
e) Sem função - objeto direto.

11) EMM - A única oração com sujeito simples é:

a) Existem algumas dúvidas.
b) Compraram-se livros e cadernos.
c) Precisa-se de ajuda.
d) Faz muito frio.
e) Há alguns problemas.

12) Colégio Naval - Assinale a opção em que o termo grifado seja objeto
direto interno ou cognato:

a) ³(...) sonhei coisas (...)´
b) ³(...) apenas ia vivendo devagar a vida lenta dos mares do Brasil´
c) ³(...) pois ainda há um Brasil bom (...)´
d) µ(...) que poderia trocar por roscas amanteigadas (...)´
e) ³(...) é capaz de haver mulher também (...)´

13) ITA

³Foi solto no gramado e a tela fina de arame é escarmento ao rei dos
animais. Não mai s que um caco de leão (...)´
³(...) sobre o focinho contei nove ou dez moscas, que ele não tinha ânimo
de espantar.´
³Um dos presentes explica que o bicho tem as pernas entrevadas, (...)´
³Um de nós protesta que deviam servir-lhe a carne em pedacinhos.´

Dos conectivos grifados nos fragmentos acima, somente um acumula em
si os papéis de ligar orações e desempenhar uma função sintática
(núcleo) na estrutura da oração introduzida.
Assinale a opção que o contiver:

a) ³(...) e a tela fina de arame é escarmento ao rei dos animais.´
b) ³(...) não mais que um caco de leão.´
c) ³(...) que ele não tinha ânimo de espantar.´
d) ³(...) que o bicho tem as pernas entrevadas,´
e) ³(...) que deviam servir-lhe a carne em pedacinhos.´

14) ESPCEX - No período:

³A alma do carpinteiro não pode ser mais bruta que a madeira.´ As
funções dos termos grifados são, pela ordem:

a) predicativo do sujeito - sujeito;
b) predicativo do sujeito - objeto direto;
c) adjunto adverbial - sujeito;
d) objeto direto - predicativo do sujeito.

15) EPCAR - O termo sublinhado exerce a função de objeto indireto,
exceto em:

a) Lembrei-lhe a data de aniversário de sua mãe.
b) Perdi a cabeça durante a discussão e dei -lhe na cara.
c) Devido a problemas de saúde, proibiram-lhe que fumasse.
d) Incumbiram-lhe que entregasse a encomenda.
e) Com certeza, pagou-lhe com bastante atraso.

16) ESPCEX - Na oração:

³De que, mulher, você ainda tem dúvida?´,
As funções dos termos grifados são, pela ordem:
a) complemento nominal - aposto - objeto direto;
b) objeto indireto - sujeito - objeto direto;
c) objeto indireto - vocativo - predicativo do sujeito;
d) complemento nominal - vocativo - objeto direto.

17) Magistério Estadual - RJ

³a valer tanto quanto a primeira natureza que, no indivíduo, em não mais
havendo, não se sabe como ora seria´
³e isso parece claramente espelhar -se na forma por que, na
modernidade, a linguagem oficial se vem alterando´

As orações subordinadas em destaque exercem, respectivamente, as
funções sintáticas de:

a) sujeito / adjunto adnominal;
b) sujeito / adjunto adverbial de causa;
c) objeto direto / adjunto adverbial de causa;
d) adjunto adverbial de modo / adjunto adnominal;
e) adjunto adverbial de modo / adjunto adverbial de causa.

18) ESPCEX - Uma oração de predicado verbo-nominal está
exemplificada em:

a) Nesta casa, só se aceitam pessoas educadas.
b) Os viajantes chegaram cedo ao destino.
c) Estava irritado com as brincadeiras.
d) Compareceram todos atrasados à reunião.

19) ESPCEX - ³(...) Se algum dia fosse poeta e quisesse compor um
poema nacional, pediria a Deus que me fizesse esquecer por um
momento as minhas idéias de homem civilizado. Filho da Natureza
embrenhar-me-ia por essas matas seculares; contemplaria as maravilhas
de Deus; veria o sol erguer-se no mar de ouro... Ouviria o murmúrio das
ondas e o eco profundo e solene das florestas. E, se tudo isto não me
inspirasse uma poesia nova, quebraria a minha
pena com desespero, mas não a mancharia numa poesia menos digna
do meu belo e nobre país.´

(ALENCAR, José de. Crítica à Confederação dos Tamoios. Rio de
Janeiro, Aguillar, 1965)

Assinale o termo que não representa a mesma função sintática dos
demais.

a) ³me´
b) ³o sol´ Solução:
c) ³tudo isso´
d) ³poeta´

20) ESFAO - ³A idéia da decadência do livro e da palavra impressa
formou-se em grande parte em conseqüência do êxito da imagem e dos
meios de comunicação que se servem da imagem: o cinema, a televisão,
a publicidade, os sistemas de sinalização, etc.´

A partícula se é, respectivamente:

1) partícula apassivadora - objeto indireto reflexivo;
2) objeto direto reflexivo - sujeito;
3) partícula apassivadora - objeto direto reflexivo;
4) objeto indireto reflexivo - índice de indeterminação do sujeito;
5) índice de indeterminação do sujeito - partícula apassivadora.

21) AFA - Este é o longo discurso que se vai pronunciar na Ordem dos
Economistas.

Na oração sublinhada analisam-se a voz, o sujeito, o agente e o
paciente, respectivamente como:

a) reflexiva, que, que, que;
b) ativa, indeterminado, indeterminado, que;
c) passiva sintéti ca, que, indeterminado, que;
d) passiva sintética, indeterminado, indeterminado, que.

22) AFA - ³Que me conste, ainda ninguém relatou o seu próprio delírio;
faça-o eu, e a ciência mo agradecerá. Se o leitor não é dado à
contemplação destes fenômenos menta is, pode saltar o capítulo; vá
direto à narração.´

(Machado de Assis. Memórias Póstumas de Brás Cubas)

A declaração verdadeira a respeito dos elementos do texto está na
alternativa:
a) Em ³é dado´, a voz passiva e o agente, indeterminado.
b) Em ³mo´, o ³o´ é pronome pessoal oblíquo com função de objeto
direto.
c) O vocábulo ³direto´ assumiria a forma feminina, se o referente fosse
³leitora´.
d) Em ³é dado´, o verbo ³ser´ é de ligação, e ³dado´ é um adjetivo com
função de predicativo.

23) AFA

Gigante pela própria natureza.
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

- Brasil de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- Paz no futuro e glória no passado!

Os sujeitos de espelha (3ª), fulguras (6ª) e seja (9ª) são,
respectivamente:

a) grandeza, tu, lábaro;
b) futuro, Brasil, Brasil;
c) Brasil, indeterminado, você;
d) futuro, florão da América, Brasil.

24) Universidade Gama Filho - Qual a expressão grifada que não
funciona como sujeito:

a) ³Estaria Arnaldo naquele instante dilacerado pelos estrepes (...)?´;
b) ³estrepes sobre que talvez o arremessara a queda desastrada´;
c) ³Flor invocara a intercessão daquele que para ela tudo podia na terra´;
d) ³Digo-lhe eu, Arnaldo Louredo que nunca menti a homem´;
e) ³o movimento de generosa simpatia e fraternidade que despertara em
sua alma a tristeza do boi vencido´.

25) EFOMM - Estabeleça correspondência da coluna direita com a
esquerda e, em seguida, assinale a opção correta quanto à palavra se:

1)Come-se bem naquele restaurante
( ) pronome apassivador

2)Foi-se embora
( ) indeterminação do sujeito

3)Ele não se deu descanso
( ) partícula expletiva

4)Levantou-se e saiu
( ) objeto direto

5)Cumpra-se o regulamento.
( ) objeto indireto

a) 5 - 1 - 4 - 3 - 2;
b) 2 - 5 - 4 - 3 - 1;
c) 3 - 2 - 1 - 5 - 4;
d) 5 - 1 - 2 - 4 - 3;
e) 4 - 5 - 3 - 2 - 1.

26) Magistério - RJ - Faz-se erroneamente a classificação sintática do
pronome relativo, na opção:

a) ³Mas eu não sei o que sou (...)´ (predicativo)
b) ³O abismo que há entre o espírito e o coração.´ (objeto direto)
c) ³O caderno que você desejava que eu trouxesse é caro.´ (objeto
direto)
d) ³O peão acabara de selar o cavalo, que puxara para fora da ramada.´
(objeto direto)
e) ³Esclareceu que adiava a aquisição de uma chaleira de que andava
muito necessitado´ (objeto indireto)

27) Magistério - RJ - ³criadas que se dão pressa em responder às visitas
que a senhora saiu´
A alternativa em que o se tem o mesmo valor sintático do exemplo acima
é:

a) ³tema que se propôs elucidar´
b) ³Vêem-se ombros frágeis, quase de vidro´
c) ³desde que nelas não seja obrigado a se sentar´
d) ³O taberneiro se arrependeu de sua falta de sagacidade´
e) ³O céu estava azul, a paisagem estendia-se imensa e tranqüila´

28) Magistério - RJ - Há objeto direto e indireto na opção:

a) ³Há de no-la contar logo´
b) ³mas não me satisfazem os informes da História´
c) ³Nenhum de nós se importaria muito com a verdade´
d) ³A mocidade precisa transviar-se de alguma maneira´
e) ³Até os colegas perdiam a paciência com as suas dúvidas.

29) Catanduva - ³O medíocre se deu ares de campeão.´ O pronome se,
nesta oração, é:

a) pronome apassivador;
b) expletivo;
c) pronome indeterminador do sujeito;
d) objeto direto;
e) objeto indireto.

30) PUC - Assinale a opção na qual o pronome relativo que não exerce a
função de objeto direto:

a) ³Aquele boi que ele tinha ao arção da sela´
b) ³era o prazer que D. Flor ia ter vendo o valente barbatão marcado com
o seu ferro´
c) ³era finalmente a satisfação do velho capitão -mor, que se encheria de
orgulho´
d) ³o movimento de generosa simpatia e frat ernidade que despertara em
sua alma a tristeza do boi vencido´
e) ³Apeou-se e tirou um ferro de marca, da maleta de couro, que trazia à
garupa´

31) EFOMM - Assinale a opção em que a expressão grifada tem a função
de complemento nominal:

a) A curiosidade do homem incentiva-o à pesquisa.
b) O receio de errar dificulta o aprendizado das línguas.
c) O respeito ao próximo é dever de todos.
d) A cidade de Paris merece ser conhecida por todos.
e) O coitado do velho mendigava pela cidade.

32) ESPCEX - Assinale a alternativa que contém erro de análise
sintática.

a) Em ³A mãe adorava aos filhos´, a expressão ³aos filhos´ é objeto
indireto.
b) A frase ³compram-se casas´ está na voz passiva.
c) Na oração ³Tolos, já não os há´, ³os´ é objeto direto pleonástico.
d) Em ³Correr é bom para a saúde´, ³bom´ é predicativo do sujeito.
Resposta: __________


33) AMAN - ³O bom funcionário não soube resolvê-la, ninguém na
repartição o soube.´
Quanto aos pronomes deste período, para sermos exatos e completos,
devemos afirmar que:


a) todos estão empregados como objetos diretos;
b) um é objeto direto; outro, indireto, ambos oblíquos;
c) um é sujeito; os outros, objetos diretos;
d) um é sujeito; o outro, objeto direto;
e) os três são objetos diretos dos verbos saber e resolver.

34) BANESPA - Assinale a alternativa em que o termo grifado é
complemento nominal:

a) A enchente alagou a cidade.
b) Precisamos de mais informações.
c) A resposta ao aluno não foi convincente.
d) O professor não quis responder ao aluno.
e) Muitos caminhos foram abertos pelos bandeirantes.

35) FASP - ³Uma lagartixa passou correndo à sua frente e sumiu -se por
entre as macegas.´ A palavra se é:

a) pronome reflexivo e objeto direto;
b) pronome reflexivo recíproco e objeto direto;
c) partícula de realce - sem função sintática;
d) pronome pessoal oblíquo e objeto direto.

GABARITO

1) C
2) A
3) D
4) C
5) 3 - 1 - 1
6) 102
(2+4+32+64)

7) B
8) E
9) A
10) D
11) A
12) B
13) C
14) A
15) B
16) A
17) A
18) D
19) D
20) B
21) C
22) D
23) A
24) C
25) D
26) E
27) A
28) A
29) E
30) C
31) B
32) A
33) C
34) C
35) C

 UHSUHVHQWDP RV RVVRV H RV ´UJ¤RV YLWDLV WDLV FRPR R FRUD¨¤R R SXOP¤R RV ULQV R HVWµPDJRHWF 2V WHUPRV LQWHJUDQWHV SRGHP VHU FRPSDUDGRV DR VLVWHPD UHSURGXWLYR KXPDQR R »WHUR RV RY¢ULRVR HVFURWR 2 KRPHP SUHFLVD GHVVHV ´UJ¤RV PDV Q¤R V¤R HVVHQFLDLV ¡ VXD YLGD DVVLP FRPR RV WHUPRV LQWHJUDQWHVGDRUD¨¤R3RGHH[LVWLURUD¨¤RVHPDSUHVHQ¨DGHVVHVWHUPRV 2V WHUPRV DFHVV´ULRV FRPR R QRPH M¢ LQIRUPD V¤R WHUPRV TXH SUHHQFKHP DOJXPD ODFXQDHQIHLWDP D RUD¨¤R3RGHPVHUFRPSDUDGRVDRVFDEHORV¡VXQKDVKXPDQDV &DGD IXQ¨¤R H[HUFLGD SHODV SDODYUDV QD RUD¨¤R SRGH VHU H[HUFLGD WDPEªP SRU XPD RUD¨¤R FRPSOHWD GHQWURGRSHU®RGRFRPSRVWR,VVRYHUHPRVTXDQGRFKHJDUPRVDRHVWXGRVREUHRUD¨¶HV FRRUGHQDGDVH VXERUGLQDGDV BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  $1(;2& 7(5026(66(1&,$,6'$25$ˆ„2 'DQGRFRQWLQXLGDGHDRQRVVRHVWXGRVREUHIUDVHVYDPRVDJRUDGHWHUQRVVDDWHQ¨¤R¡VIUDVHV HVWUXWXUDGDVFRPYHUERRXVHMDDVRUD¨¶HV 1RHVWXGRGDVRUD¨¶HVªLPSRUWDQWHGLVWLQJXLUPRVRVWHUPRVTXHDIRUPDPDILPGHTXHQRVVD FRPXQLFD¨¤RVHWRUQHPDLVFRUUHWDHHILFLHQWH 1HVWH5RWHLURYDPRVLQLFLDURHVWXGRGDRUD¨¤RFRPH¨DQGRSHORVVHXVGRLVWHUPRVHVVHQFLDLVRVXMHLWR HRSUHGLFDGR

(VVHVWHUPRVV¤RFKDPDGRVGHHVVHQFLDLVSRUTXHV¤RIXQGDPHQWDLVSDUDDIRUPD¨¤RGDRUD¨¤R$VVLP FRPRQRFRUSRKXPDQRH[LVWHP´UJ¤RVTXHV¤RHVVHQFLDLV¡YLGDWDPEªPQDRUD¨¤RH[LVWHPWHUPRV HVVHQFLDLVSDUDDIRUPD¨¤RGDVXDHVWUXWXUD2EVHUYHDIUDVH 1RSULQF®SLRFULRX'HXVRVFªXVHDWHUUD  *«QHVLV.

 -¢VDEHPRVTXHDIUDVHTXHVHIRUPDFRPDSUHVHQ¨DGHXPYHUERªFKDPDGDGHRUD¨¤R(ªMXVWDPHQWH DSUHVHQ¨DGRYHUERTXHID]FRPTXHDRUD¨¤RSRVVDVHUGLYLGLGDHPVXMHLWRHSUHGLFDGR$VVLPQD RUD¨¤R 1RSULQF®SLRFULRX'HXVRVFªXVHDWHUUD VDEHPRVTXH   'HXVªRVHUGHTXHPVHGL]DOJXPDFRLVD &ULRXRVFªXVHDWHUUDQRSULQF®SLRªRTXHGL]HPRVVREUH'HXV $H[SUHVV¤R 'HXV H FULRXRVFªXVHDWHUUDQRSULQF®SLR V¤RWHUPRVE¢VLFRVGHVVDRUD¨¤R 9RF«GHYHWHUQRWDGRTXHRVXMHLWRQ¤RHVW¢QRLQ®FLRGDIUDVH3RUWDQWRQ¤RªSHODRUGHPGRVWHUPRVQD RUD¨¤RTXHRVLGHQWLILFDPRV2LPSRUWDQWHªVDEHUUHFRQKHFHUDSDUWHGDRUD¨¤RTXHFRQVWLWXLRVXMHLWRHD SDUWHTXHFRQVWLWXLRSUHGLFDGR1HVWHH[HPSORSRGHPRVFRORFDURVXMHLWRHPRXWURVOXJDUHVDLQGDDVVLP HOHFRQWLQXDU¢VHQGRRVXMHLWRGHOD2EVHUYH     1RSULQF®SLRFULRX'HXVRVFªXVHDWHUUD 'HXVQRSULQF®SLRFULRXRVFªXVHDWHUUD &ULRX'HXVRVFªXVHDWHUUDQRSULQF®SLR 'HXVFULRXQRSULQF®SLRRVFªXVHDWHUUD 3RUªPDOJXPDVFRQVWUX¨¶HVVLQW¢WLFDV RUJDQL]D¨¤RGDVSDODYUDVQDRUD¨¤R.

Q¤RªSRVV®YHODFRQWHFHU VRESHQDGHQ¤RHVWDUPRVGL]HQGRDYHUGDGHRXGHVHUPRVLQFRHUHQWHVFRPRSHQVDPHQWR9HMD  2VFªXVHDWHUUDFULRX'HXVQRSULQF®SLR 9RF«SHUFHEHXDLQFRHU«QFLDGDDILUPD¨¤R"2VFªXVHDWHUUDIRUDPRVFULDGRUHVGH'HXV"$OªPGLVVRK¢ XPHUURGHFRQFRUG£QFLDYHUEDO2VFªXVHDWHUUDFULDUDP  VHRVXMHLWRIRVVHUHDOPHQWHHVVH.

 .VVRDFRQWHFHSRUTXHHPSRUWXJX«VK¢XPDRUGHPPDLVRXPHQRVGHILQLGDGHRUJDQL]D¨¤RHVWUXWXUDO GDRUD¨¤R 6XMHLWRSUHGLFDGRFRPSOHPHQWRV 3RGHPRVGHVORFDURVXMHLWRHRSUHGLFDGRIRUDGHVVDRUGHPPDVQ¤RDSRQWRGHDOWHUDUPRVRVHQWLGRGD IUDVH 2VXMHLWRGDRUD¨¤RªRWHUPRDUHVSHLWRGHTXHPVHGHFODUDVHDILUPDRXVHQHJDVHGL]DOJXPDFRLVD 3RGHPRVHQFRQWU¢ORID]HQGRDVHJXLQWHSHUJXQWDDRYHUER 3HUJXQWD4XHPFULRX"5HVSRVWD'HXV 2SUHGLFDGRGDRUD¨¤RªWXGRDTXLORTXHVHGHFODUDVHDILUPDRXVHQHJDVHGL]GRVXMHLWR1XPDRUD¨¤R VLPSOHV V´FRPXPYHUER.

TXDQGRHQFRQWUDPRVRVXMHLWRRTXHVREUDVHU¢SUHGLFDGR .

1RH[HPSORGDGRVH 'HXV ªRVXMHLWRHQW¤R FULRXRVFªXVHDWHUUDQRSULQF®SLR VHU¢RSUHGLFDGR 9DPRVUHSHWLUSDUDYRF«HQWHQGHUPHOKRU 6XMHLWR 'HXV 3UHGLFDGR FULRXRVFªXVHDWHUUDQRSULQF®SLR (QWUHWDQWRK¢DOJXQVFDVRVHP3RUWXJX«VGHRUD¨¤RVHPVXMHLWRQDYHUGDGHQHVVHVFDVRVH[SUHVVDP VHGHFODUD¨¶HVPDVQ¤RH[LVWHDTXHRXDTXHPHVVDVGHFODUD¨¶HVVHUHIHUHP4XDQGRVHGL]SRU H[HPSOR +DMDOX] *«Q.

HVWDªXPDGHFODUD¨¤RTXHQ¤RH[LVWHDTXHPVHUHIHUH(VWHªXP H[HPSORGHRUD¨¤RVHPVXMHLWR $VVLPR»QLFRWHUPRUHDOPHQWHHVVHQFLDOHPSRUWXJX«VªRSUHGLFDGRM¢TXHSRGHKDYHURUD¨¤RVHP VXMHLWRPDVQXQFDRUD¨¤RVHPSUHGLFDGR &RPRRVFDVRVGHRUD¨¤RVHPVXMHLWRV¤RPHQRVFRQVWDQWHVFRQVLGHUDPVHTXHRVWHUPRVHVVHQFLDLVGD RUD¨¤RV¤RGRLVVXMHLWRHSUHGLFDGR BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  9DPRVDRH[HUF®FLRV $(VFUHYD)SDUDDIUDVHTXHQ¤RªRUD¨¤RH2VHDIUDVHIRURUD¨¤R  .

%RPGLDFROHJDV  .

2SDLSURFXURXRPHQLQR  .

2PHQLQRFRUUHXSDUDDUXD  .

)HOLFLGDGHVSDUDYRF«  .

2µQLEXVGHXXPDIUHDGDEUXVFD  .

)LTXHTXLHWRPHQLQR  .

2PHQLQRHVFRQGHXDFKDYH  .

4XHOLQGDFULDQ¨D %5HHVFUHYDRVRUD¨¶HVGHVORFDQGRRVXMHLWRGHPRGRTXHQ¤RKDMDLQFRHU«QFLDGHVHQWLGRGDIUDVH RULJLQDO (VVDVKLVW´ULDV¤RLQWHUHVVDQWHV 2WUHPM¢SDUWLX $VHQFRPHQGDVQ¤RFKHJDUDP 0XLWRVDOXQRVIRUDPDSURYDGRV .

72Š$3(662$28&2.7RGRVRVSURIHVVRUHVSDUWLFLSDUDPGDUHXQL¤R $IHVWDM¢HVWDYDSUHSDUDGD (VVHWUDEDOKRHVW¢PXLWREHPIHLWR BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  *$%$5.72" 2FRQFHLWRGHVXMHLWRª68-(.2' 48(0Š268-(.6$62%5($48$/6()$=$/*80$ '(&/$5$ˆ„2 ŠRVHUVREUHRTXDODILUPDPRVRXQHJDPRVXPDD¨¤R 'HXVIH]VHSDUD¨¤RHQWUHDOX]HDV WUHYDV *«Q.72 4XHVW¤R$ ) 2 2 ) 2 2 2 ) 4XHVW¤R%        6¤RLQWHUHVVDQWHVHVVDVKLVW´ULDV -¢SDUWLXRWUHP 1¤RFKHJDUDPDVHQFRPHQGDV )RUDPDSURYDGRVPXLWRDOXQRV 3DUWLFLSDUDPGDUHXQL¤RWRGRVRVSURIHVVRUV -¢HVWDYDSUHSDUDGDDIHVWD (VW¢PXLWREHPIHLWRHVVHWUDEDOKR BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  $1(.

 3RGHVHUWDPEªPRVHUGRTXDODILUPDPRVRXQHJDPRVXPHVWDGR $WHUUDHUDVHPIRUPDHYD]LD  *«Q.

 3RGHDLQGDVHUDOJXªPGRTXDODILUPDPRVRXQHJDPRVXPDTXDOLGDGH DOX]HUDERD  *«Q.

 0DVGHYHPRVHVWDUDWHQWRV+¢TXHPGLJDTXHRVXMHLWRªDTXHOHTXHSUDWLFDDD¨¤RYHUEDO(VWD DILUPDWLYDQ¤RªYHUGDGHLUD6HLVWRIRVVHYHUGDGHQDIUDVH3HGURDSDQKRXGRVLUP¤RVRVXMHLWRVHULD LUP¤RVSRLVIRUDPHOHVTXHSUDWLFDUDPDD¨¤RGHVXUUDUEDWHUQR3HGUR0DVªFODURTXHQHVWDIUDVHR VXMHLWRª3HGURSRLVªVREUHHOHTXHHVWDPRVDILUPDQGRDOJR 7DPEªPFRVWXPDVHGL]HUTXHVXMHLWRªDTXHOHTXHSUDWLFDHVRIUHDD¨¤RYHUEDO1¤RSRGHPRVSHQVDUV´ HPWHUPRVGDD¨¤RYHUEDO1DIUDVH3HGURªERQLWRQ¤RK¢QHQKXPDD¨¤RVHQGRSUDWLFDGDH3HGUR TXH Q¤RSUDWLFDQHPVRIUHDD¨¤RGRYHUER.

ªRVXMHLWRSRLVªVREUHHOHTXHDILUPDPRVDOJR 3RUWDQWRQ¤RVHGHYHFRQIXQGLUVXMHLWRGDRUD¨¤R VHUGRTXDOVHGL]DOJR.

FRPRDXWRUGDD¨¤RYHUEDO VHUTXHSUDWLFDDD¨¤R.

SRUTXHSRGHDFRQWHFHUGHRVXMHLWRVHUDOJXªPGLIHUHQWHGDTXHOHTXHSUDWLFDD D¨¤RRXSRGHDWªQHPPHVPRSUDWLFDUDD¨¤RYHUEDO .

(5&(5$)81ˆ„2'(68-(.BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB BBBBBBBBBB 3$/$95$648(32'(0(.72  2VXMHLWRSRGHVHUUHSUHVHQWDGRSRU  VXEVWDQWLYRV([$WHUUDSURGX]LXUHOYDHUYDVH¢UYRUHVIUXW®IHUDV *«Q.

  SURQRPHVSHVVRDLV([ WHQKDHOHGRP®QLRVREUHRVSHL[HVGRPDU *«Q.

 HODPH GHXGD¢UYRUHHHXFRPL *«Q.

  SURQRPHVGHPRQVWUDWLYRV([ (VWDªDJ«QHVHGRVFªXVHGDWHUUD  *«Q.

 (VWDDILQDOª RVVRGRVPHXVRVVRV *«Q.

  *«Q.

  SURQRPHVUHODWLYRV([ 3URGX]DDWHUUDUHOYDHHUYDVTXHGHHPVHPHQWHV  SURQRPHVLQWHUURJDWLYRV([ 4XHPWHIH]VDEHU "  *«Q.

  SURQRPHVLQGHILQLGRV([ 7XGRHUDPXLWRERP *«Q.

  QXPHUDO([ 2SULPHLURFKDPDVH3LVRP FDUQH *«Q.

6DPXHO.  XPDSDODYUDRXH[SUHVV¤RWUDQVIRUPDGDHPVXEVWDQWLYR([ VDFULILFDU .

 BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  ([HUF®FLRV 6HSDUHRVXMHLWRGRSUHGLFDGR D.

2PHQLQRVDLXGHFDVD 6XMHLWR BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB 3UHGLFDGR BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB E.

2SDLILFRXSUHRFXSDGR 6XMHLWR  3UHGLFDGR  F.

$VDXODVUHFRPH¨DU¤RDPDQK¤ 6XMHLWR  3UHGLFDGR  G.

2VHVWXGDQWHVYROWDUDP¡HVFROD  *«Q.

 2VGRLVWRUQDUDPVHXPDV´ RREHGHFHUªPHOKRUTXHR .

6XMHLWR  3UHGLFDGR  H.

2SURIHVVRUHVFKHJDUDP 6XMHLWR  3UHGLFDGR  I.

1´VJRVWDPRVGDVDXODV 6XMHLWR  3UHGLFDGR  J.

0XLWRVDOXQRVIDOWDUDP¡VDXODV 6XMHLWR  3UHGLFDGR  K.

3HGURYLDMDU¢DPDQK¤ 6XMHLWR  3UHGLFDGR  L.

(VWDYDPDOHJUHVDTXHODVFULDQ¨DV 6XMHLWR  3UHGLFDGR  M.

)XJLUDPRVDVVDOWDQWHV 6XMHLWR  3UHGLFDGR  N.

2VDOXQRVILFDUDPHPVLO«QFLR 6XMHLWR  3UHGLFDGR  O.

1DVFHXQRMDUGLPXPDURVHLUD 6XMHLWR  3UHGLFDGR  .

72 D.BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  *$%$5.

VXMHLWR2PHQLQRSUHGLFDGRVDLXGHFDVD E.

VXMHLWR2SDLSUHGLFDGRILFRXSUHRFXSDGR F.

VXMHLWR$VDXODVSUHGLFDGRUHFRPH¨DU¤RDPDQK¤ G.

VXMHLWR2VHVWXGDQWHVSUHGLFDGRYROWDUDP¡HVFROD H.

VXMHLWR2SURIHVVRUHVSUHGLFDGRFKHJDUDP I.

VXMHLWR1´VSUHGLFDGRJRVWDPRVGDVDXODV J.

VXMHLWR0XLWRVDOXQRVSUHGLFDGRIDOWDUDP¡VDXODV K.

VXMHLWR3HGURSUHGLFDGRYLDMDU¢DPDQK¤ L.

VXMHLWRDTXHODVFULDQ¨DVSUHGLFDGR(VWDYDPDOHJUHV M.

VXMHLWRRVDVVDOWDQWHV3UHGLFDGRIXJLUDP N.

VXMHLWR2VDOXQRVSUHGLFDGRILFDUDPHPVLO«QFLR O.

VXMHLWRXPDURVHLUD3UHGLFDGR1DVFHXQRMDUGLP BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  /(.785$683/(0(17$5 5(3”57(532/.$/ 2UHS´UWHUSROLFLDOWDOFRPRRORFXWRUHVSRUWLYRªXPFDPDUDGDTXHIDODXPDO®QJXDHVSHFLDOLPSRVWD SHODFRQWLQJ«QFLDTXDQWRPDLVFRFRURFDPHOKRU$VVLPFRPRRORFXWRUHVSRUWLYRMDPDLVFKDPRXQDGD SHORQRPHFRPXPDVVLPWDPEªPRUHS´UWHUSROLFLDOªXPHQWRUWDGROLWHU¢ULR1HVVDFODVVHRVTXHVH SUH]DPQXQFDFKDPDULDPXPKRVSLWDOGHKRVSLWDO'HMHLWRQHQKXPŠQRVRFµPLR1XQFDHPWHPSR DOJXPTXDOTXHUY®WLPDGHDWURSHODPHQWRWHQWDWLYDGHPRUWHFRQIOLWREULJDRXVLPSOHVLQGLVSRVL¨¤R LQWHVWLQDOIRLSDUDUQXPKRVSLWDO6´YDLSDUDRQRVRFµPLR (DVVLPVXFHVVLYDPHQWH4XDOTXHUFLGDG¤RTXHYDL¡3RO®FLDSUHVWDUGHFODUD¨¶HVTXHSRVVDPDMXG¢OD QXPDGLOLJ«QFLD DSHOLGRTXHHOHVSXVHUDPQRDWRGHLQYHVWLJDU.&.

DGYRJDGRªFDXV®GLFRVROGDGRªPLOLWDUPDULQKHLURªQDYDOFRSHLUDªGRPªVWLFDH FRQIRUPHHVWHMDGHLWDGDDY®WLPDGHXPFULPH GHFRVWDVRXGHEDUULJDSUDEDL[R ILFDQXPDGHVWDV GXDVLQFµPRGDVSRVL¨¶HVGHF»ELWRGRUVDORXGHF»ELWRYHQWUDO 1XPFULPHGHVFULWRSHODLPSUHQVDVDQJUHQWDDY®WLPDQXQFDVHYHVWLX$Y®WLPDWUDMDYD7RGRPXQGRVH YHVWH PDVEDVWDYLUDUY®WLPDGHFULPHTXHDUDSD]LDGDVDGLDLJQRUDRYHUERFRPXPHPHWHO¢ $ Y®WLPDWUDMDYDWHUQRD]XOHJUDYDWDGRPHVPRWRP (LV SRUWDQWRTXHªSUHFLVRHVWDUDFRVWXPDGRDR PªWLHUSDUDPRUDUQRQRWLFL¢ULRSROLFLDO .ªORJRDSHOLGDGRGHWHVWHPXQKDFKDYH 6XVSHLWRª0LVWHU.

 .

6HXPSRUFRPRUGHDSHUQDGHXPFDL[HLURGHXPDGHVVDVFDVDVGHEDQKDSRUH[HPSORªEDWDWD D PDQFKHWHGRGLDVHJXLQWHW¢O¢ 6X®QRDWDFRXFRPHUFL¢ULR  2XWURGHWDOKH]LQKRLQWHUHVVDQWHVHDY®WLPDGHXPDDJUHVV¤RPRUUHW¢OHJDOPDVVH DRFRQWU¢ULR HP YH]GHPRUUHUILFDHVWHQGLGDQRDVIDOWRHVW¢LQGHIHFWLYHOPHQWHSURVWUDGD3RGLDHVWDUFD®GDGHUUXEDGDRX PHVPRGHUULEDGDPDVXPUHS´UWHUGHFULPHQ¤RYDLWUDLUDFODVVHDVVLP¡WRD(FDVWLJDQDS¢JLQD 1DYDOSURVWURXGHVDIHWRFRPFHUWHLUDIDFDGD 'HVDIHWR SDUDRVTXHV¤RQRYRVQDWXUPD GHYHPRV H[SOLFDUTXHªLQLPLJRDGYHUV¢ULRHWF(PDLVVHPRUUHQDKRUDW¢FHUWRGRFRQWU¢ULRPRUUHU¢ LQYDULDYHOPHQWHDRGDUHQWUDGDQDVDODGHRSHUD¨¶HV 6WDQLVODZ3RQWH3UHWD3ULPR$OWDPLUDQGRH(ODVD(GL¨¤R(GLWRUD6DEL¢.

GHQWLILTXHRVXMHLWRHRSUHGLFDGRGHFDGDIUDVHDEDL[R 2VGLQRVVDXURVWDPEªPYLYHUDPQRVS´ORV 6XMHLWR3UHGLFDGR 7HPDXPHQWDGRXOWLPDPHQWHDVGHQ»QFLDVFRQWUDFLHQWLVWDV 6XMHLWR3UHGLFDGR ([LVWHPPDLVGHFHPHVSªFLHVGHIUXWDVYHQHQRVDV 6XMHLWR3UHGLFDGR 1RVJDOKRVGDSLWDQJXHLUDEULQFDYDPOLYUHPHQWHRVS¢VVDURV VXMHLWRSUHGLFDGR 1RV»OWLPRVGH]DQRVPXLWRVDEDQGRQDUDPVHXVVRQKRV VXMHLWRSUHGLFDGR 1HVWHVOLYURVPXLWRVDXWRUHVFRQWDPVXDVH[SHUL«QFLDVSHVVRDLV VXMHLWRSUHGLFDGR 1DTXHOHPRPHQWRIRUDPVDLQGRGLVIDU¨DGDPHQWHRVFXOSDGRV .GHQWLILTXHRVQ»FOHRVGRVVXMHLWRV(PVHJXLGD VXEVWLWXDHVVHVQ»FOHRVSRUSURQRPHVRXQXPHUDLV 2VUREµVGRPªVWLFRVQXQFDVHFDQVDP $QD&O¢XGLDH3DWU®FLDM¢IRUDPDOPR¨DU 6XDDWLWXGHQ¤RPHVXUSUHHQGHXQHPXPSRXFR %. BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  $872$9$/.$ˆ„2 $.

VXMHLWRSUHGLFDGR 6¤RLQDGPLVV®YHLVRVFULPHVGHJXHUUDGD%´VQLD VXMHLWRSUHGLFDGR &5HRRUJDQL]HDVRUD¨¶HVQDRUGHPGLUHWDGRVVHXVWHUPRV VXMHLWRSUHGLFDGRFRPSOHPHQWRV.

 $SDUHFHXQRMDUGLPGDFDVDGH$QD0DULDXPUDPDOKHWHGHIORUHV 1R»OWLPRYHU¤RIRUDPUHIRUPDGDVDVFDVDVGDYLOD $FRQWHFHUDPFRLVDVHVWUDQKDVQDTXHOHGLD &KHJRXRQWHPD%UDV®OLDPDLVXPHPEDL[DGRUHVWUDQJHLUR 1DVDODGRWULEXQDODDVVLVW«QFLDSHUPDQHFLDPXGD BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB  *$%$5.VVR 4XHVW¤R% 2VGLQRVVDXURVWDPEªPYLYHUDPQRVS´ORV 6XMHLWRRVGLQRVVDXURV3UHGLFDGRWDPEªPYLYHUDPQRVS´ORV 7HPDXPHQWDGRXOWLPDPHQWHDVGHQ»QFLDVFRQWUDFLHQWLVWDV 6XMHLWRDVGHQ»QFLDVFRQWUDFLHQWLVWDV3UHGLFDGRWHPDXPHQWDGRXOWLPDPHQWH ([LVWHPPDLVGHFHPHVSªFLHVGHIUXWDVYHQHQRVDV 6XMHLWRPDLVGHFHPHVSªFLHVGHIUXWDVYHQHQRVDV3UHGLFDGRH[LVWHP 1RVJDOKRVGDSLWDQJXHLUDEULQFDYDPOLYUHPHQWHRVS¢VVDURV VXMHLWRRVS¢VVDURVSUHGLFDGRQRVJDOKRVGDVSLWDQJXHLUDVEULQFDYDPOLYUHPHQWH 1RV»OWLPRVGH]DQRVPXLWRVDEDQGRQDUDPVHXVVRQKRV VXMHLWRPXLWRVSUHGLFDGRQRV»OWLPRVGH]DQRVDEDQGRQDUDPVHXVVRQKRV .VWRRX.72 $WULEXDSRQWRVDFDGDUHVSRVWDFRUUHWD6HYRF«DOFDQ¨DURWRWDOGHSRQWRVFRQVLGHUH VHDSWRQHVWHDVVXQWR 4XHVW¤R$ 2VUREµVGRPªVWLFR (OHV $QD&O¢XGLDH3DWU®FLD (ODVRX$VWU«V 6XDDWLWXGH .

) o guri curioso que eu era (. e) Ela marchava alegremente.1HVWHVOLYURVPXLWRVDXWRUHVFRQWDPVXDVH[SHUL«QFLDVSHVVRDLV VXMHLWRPXLWRVDXWRUHVSUHGLFDGRQHVWHVOLYURVFRQWDPVXDVH[SHUL«QFLDVSHVVRDLV 1DTXHOHPRPHQWRIRUDPVDLQGRGLVIDU¨DGDPHQWHRVFXOSDGRV VXMHLWRRVFXOSDGRVSUHGLFDGRQDTXHOHPRPHQWRIRUDPVDLQGRGLVIDU¨DGDPHQWH 6¤RLQDGPLVV®YHLVRVFULPHVGHJXHUUDGD%´VQLD VXMHLWRRVFULPHVGHJXHUUDGD%´VQLDSUHGLFDGRV¤RLQDGPLVV®YHLV 4XHVW¤R& 8PUDPDOKHWHGHIORUHVDSDUHFHXQRMDUGLPGDFDVDGH$QD0DULD $VFDVDVGDYLODIRUDPUHIRUPDGDVQR»OWLPRYHU¤R &RLVDVHVWUDQKDVDFRQWHFHUDPQDTXHOHGLD 0DLVXPHPEDL[DGRUHVWUDQJHLURFKHJRXRQWHP¡%UDV®OLD $DVVLVW«QFLDSHUPDQHFLDPXGDQDVDODGRWULEXQDO 01) EMM .Há predicado verbo-nominal em: a) Ela descansava em casa. c) adjunto adverbial de meio. c) Ele vinha preocupado. 02) EMM . a função sintática do termo sub linhado é: a) objeto direto preposicionado. 03) Colégio Naval .Em ³Sacou da arma´.)´. b) Todos cumpriram o juramento. d) Ele está abatido.³(. b) objeto indireto.. O termo sublinhado. e) complemento nominal. d) objeto direto.. apresenta a função sintática de: . na passagem acima...

( ) Nesta rua dorme-se tranqüilo.1 . a quem muito estimávamos.2 .1 .3. ( ) Só trabalho se me pagarem bem.3.´ b) Não devias consentir em tais loucuras nem comer do mesmo pão.6 . d) predicativo do sujeito.1.6 . b) 3 .6 . a) 2 .5 . 04) EPCAR . .2 .4 .5. esqueceu a mulher.6 . c) pronome relativo.Quantos são os objetos diretos dos três períodos juntos? a) ³Rubião esqueceu a sala. 05) ESPCEX .1 .5 .4 . e) 6 . esqueceu até a si.a) sujeito.4 .Em relação à palavra ³se´.4 . utilize a chave a seguir para classificá-la corretamente e aponte a resposta encontra da.3 . e) adjunto adverbial de intensidade. b) objeto direto.2 . ( ) Veja. 1) Pronome Apassivador 2) Objeto Indireto 3) Objeto Direto 4) Conjunção subordinativa condicional 5) Conjunção subordinativa integrante 6) Índice de indeterminação do Sujeito ( ) Os bandidos deram-se as costas e atiraram. ( ) As irmãs se abraçaram felizes. d) 3 . se ela já chegou. c) 2 .5.1 . ( ) Nada se fez para encontrá-lo. por favor.4 . c) Faleceu João.5 .

b) Nesse mês. b) complemento nominal.´ 1 Oração sem sujeito. e) Não havia existido ninguém com tantas qualidades. c) predicativo do sujeito.Assinale as afirmações verdadeiras sobre a oração ³Precisa-se de muitos operários especializados. . Na frente de cada linha existe um número. c) Choveram tomates sobre o orador. d) predicativo do objeto direto. 4 Oração absoluta. d) O dia amanheceu bastante límpido.Assinale a oração que não possui sujeito: a) A noite caiu repentinamente sobre a cidade. 32 O se é índice de indeterminação do sujeito. 64 O predicado da oração é verbal.Resposta: a) __________ b) __________ c) __________ 06) ESPCEX . 08) Escola Naval .Observe a seguinte frase atribuída a José de Alencar: ³Ficaram-lhe as mãos ensangüentadas. Resposta: __________ 07) Colégio Naval . 16 O se é pronome apassivador. Some os números correspondente às linhas nas quais você ass inalou afirmações verdadeiras.A palavra grifada terá a seguinte função sintática: a) objeto indireto. 8 Oração de verbo intransitivo direto. vai fazer um ano da sua partida. 2 Oração de sujeito indeterminado.´ . e) adjunto adnominal.

d) Trata-se de uma oração sem sujeito.. Em ³(.) deve cobrir -se de vergonha´... b) Compraram-se livros e cadernos. deve cobrir -se de vergonha e tristeza.)´ . e) Há alguns problemas.. c) Precisa-se de ajuda.)´ b) ³(. Achei um homem... 10) EMM . c) Pronome reflexivo . d) Faz muito frio. e) Está na oração principal do período.) pois ainda há um Brasil bom (. 12) Colégio Naval . a função sintática dos termos sublinhados é: a) Objeto direto .adjunto adverbial de modo... d) Objeto direto . 11) EMM ..Assinale a opção em que o termo grifado seja objeto direto interno ou cognato: a) ³(..) sonhei coisas (.A única oração com sujeito simples é: a) Existem algumas dúvidas. o estilo ressente -se da exaltação da minha alma. do lugar onde está.objeto direto. Se aquele cínico Diógenes pode ouvir.objeto direto. as vozes cá de cima.predicativo.predicativo. c) É ³ vergonha e tristeza´ (composto e posposto ao verbo). podemos afirmar que o sujeito: a) É ³aquele cínico Diógenes ´ (simples) b) É indeterminado. achei um homem..Na oração ³Ele se julga feliz´.) apenas ia vivendo devagar a vida lenta dos mares do Brasil´ c) ³(. e) Sem função . b) Objeto indireto .Perdoai esta logomaquia..09) Colégio Naval .

d) objeto direto ...) não mais que um caco de leão.) que poderia trocar por roscas amanteigadas (..´ 14) ESPCEX . (. Não mais que um caco de leão (.sujeito.. 15) EPCAR .) que ele não tinha ânimo de espantar. que ele não tinha ânimo de espantar..)´ ³Um de nós protesta que deviam servir-lhe a carne em pedacinhos. b) predicativo do sujeito .) é capaz de haver mulher também (.O termo sublinhado exerce a função de objeto indireto.d) µ(..´ b) ³(. Assinale a opção que o contiver: a) ³(.) que deviam servir-lhe a carne em pedacinhos. exceto em: ..)´ ³(.) que o bicho tem as pernas entrevadas.´ c) ³(.´ Dos conectivos grifados nos fragmentos acima.No período: ³A alma do carpinteiro não pode ser mais bruta que a madeira.sujeito. pela ordem: a) predicativo do sujeito .....´ ³Um dos presentes explica que o bicho tem as pernas entrevadas. c) adjunto adverbial .... somente um acumula em si os papéis de ligar orações e desempenhar uma função sintática (núcleo) na estrutura da oração introduzida.) e a tela fina de arame é escarmento ao rei dos animais.)´ e) ³(..) sobre o focinho contei nove ou dez moscas.....´ d) ³(.´ As funções dos termos grifados são.predicativo do sujeito.´ e) ³(....objeto direto...)´ 13) ITA ³Foi solto no gramado e a tela fina de arame é escarmento ao rei dos animais.

proibiram -lhe que fumasse. e) Com certeza.Uma oração de predicado verbo-nominal está exemplificada em: a) Nesta casa. b) Perdi a cabeça durante a discussão e dei -lhe na cara. você ainda tem dúvida?´. no indivíduo. 17) Magistério Estadual . . pela ordem: a) complemento nominal . 18) ESPCEX . c) Devido a problemas de saúde. b) sujeito / adjunto adverbial de causa. as funções sintáticas de: a) sujeito / adjunto adnomina l. mulher. c) objeto indireto . d) adjunto adverbial de modo / adjunto adnominal. em não mais havendo.objeto direto. respectivamente. a linguagem oficial se vem alterando´ As orações subordinadas em destaque exercem.vocativo . 16) ESPCEX . pagou-lhe com bastante atraso. não se sabe como ora seria´ ³e isso parece claramente espelhar -se na forma por que. b) objeto indireto .predicativo do sujeito. d) Incumbiram-lhe que entregasse a encomenda. só se aceitam pessoas educadas.objeto direto.RJ ³a valer tanto quanto a primeira natureza que. e) adjunto adverbial de modo / adjunto adverbial de causa.a) Lembrei-lhe a data de aniversário de sua mãe. d) complemento nominal . na modernidade.vocativo . c) objeto direto / adjunto adverbial de causa.aposto .Na oração: ³De que.objeto direto. b) Os viajantes chegaram cedo ao destino. As funções dos termos grifados são.sujeito .

Crítica à Confederação dos Tamoios..índice de indeterminação do sujeito.³(.´ A partícula se é. a televisão. Aguillar. quebraria a minha pena com desespero. 4) objeto indireto reflexivo . Filho da Natureza embrenhar-me-ia por essas matas seculares. pediria a Deus que me fizesse esquecer por um momento as minhas idéias de homem civilizado. .c) Estava irritado com as brincadeiras..objeto indireto reflexivo. 5) índice de indeterminação do sujeito . José de.partícula apassivadora. respectivamente: 1) partícula apassivadora . 2) objeto direto reflexivo . contemplaria as maravilhas de Deus. 19) ESPCEX . veria o sol erguer-se no mar de ouro. se tudo isto não me inspirasse uma poesia nova. E. d) Compareceram todos atrasados à reunião. Rio de Janeiro. a) ³me´ b) ³o sol´ Solução: c) ³tudo isso´ d) ³poeta´ 20) ESFAO .sujeito. 1965) Assinale o termo que não representa a mesma função sintática dos demais. a publicidade.objeto direto reflexivo.) Se algum dia fosse poeta e quisesse compor um poema nacional. etc. Ouviria o murmúrio das ondas e o eco profundo e solene das florestas... mas não a mancharia numa poesia menos digna do meu belo e nobre país.³A idéia da decadência do livro e da palavra impressa formou-se em grande parte em conseqüência do êxito da imagem e dos meios de comunicação que se servem da imagem: o cinema. 3) partícula apassivadora . os sistemas de sinalização.´ (ALENCAR.

indeterminado. 23) AFA Gigante pela própria natureza. Se o leitor não é dado à contemplação destes fenômenos menta is. que. indeterminado. faça-o eu.³Que me conste. que. a voz passiva e o agente. indeterminado. que. indeterminado. o ³o´ é pronome pessoal oblíquo com função de objeto direto. e ³dado´ é um adjetivo com função de predicativo. impávido colosso. d) Em ³é dado´. indeterminado. o sujeito. E o teu futuro espelha essa grandeza. indeterminado. . Memórias Póstumas de Brás Cubas) A declaração verdadeira a respeito dos elementos do texto está na alternativa: a) Em ³é dado´. Na oração sublinhada analisam-se a voz. és forte.´ (Machado de Assis. És belo. e a ciência mo agradecerá. respectivamente como: a) reflexiva. d) passiva sintética. c) passiva sintética. b) Em ³mo´. pode saltar o capítulo. vá direto à narração. se o referente fosse ³leitora´. c) O vocábulo ³direto´ assumiria a forma feminina. Deitado eternamente em berço esplêndido. que. b) ativa. o agente e o paciente. ainda ninguém relatou o seu próprio delírio. que.21) AFA . que. 22) AFA . que.Este é o longo discurso que se vai pronunciar na Ordem dos Economistas. o verbo ³ser´ é de ligação.

Brasil..Qual a expressão grifada que não funciona como sujeito: a) ³Estaria Arnaldo naquele instante dilacerado pelos estrepes (. E diga o verde-louro dessa flâmula . Fulguras. Brasil.Ao som do mar e à luz do céu profundo. 24) Universidade Gama Filho . Brasil. c) Brasil. Iluminado ao sol do Novo Mundo! . lábaro. e) ³o movimento de generosa simpatia e fraternidade que despertara em sua alma a tristeza do boi vencido´. florão da América.Brasil de amor eterno seja símbolo O lábaro que ostentas estrelado.)?´. b) futuro. 25) EFOMM . assinale a opção correta quanto à palavra se: 1)Come-se bem naquele restaurante ( ) pronome apassivador 2)Foi-se embora ( ) indeterminação do sujeito . d) ³Digo-lhe eu.Estabeleça correspondência da coluna direita com a esquerda e. você. tu. fulguras (6ª) e seja (9ª) são. c) ³Flor invocara a intercessão daquele que para ela tudo podia na terra´. respectivamente: a) grandeza. Arnaldo Louredo que nunca menti a homem´. d) futuro. florão da América.. b) ³estrepes sobre que talvez o arremessara a queda desastrada ´. indeterminado. ó Brasil. em seguida.Paz no futuro e glória no passado! Os sujeitos de espelha (3ª).

3 .´ (objeto direto) d) ³O peão acabara de selar o cavalo.4 .´ (objeto direto) c) ³O caderno que você desejava que eu trouxesse é caro.5 . quase de vidro´ c) ³desde que nelas não seja obrigado a se sentar´ d) ³O taberneiro se arrependeu de sua falta de sagacidade´ . c) 3 .1 ..RJ .5 . b) 2 . e) 4 .2 . 26) Magistério .3)Ele não se deu descanso ( ) partícula expletiva 4)Levantou-se e saiu ( ) objeto direto 5)Cumpra-se o regulamento.1.4 .1. d) 5 .3 .)´ (predicativo) b) ³O abismo que há entre o espírito e o coração.Faz-se erroneamente a classificação sintática do pronome relativo. ( ) objeto indireto a) 5 .5 . que puxara para fora da ramada.2.3.2 .RJ ..³criadas que se dão pressa em responder às visitas que a senhora saiu´ A alternativa em que o se tem o mesmo valor sintático do exemplo acima é: a) ³tema que se propôs elucidar´ b) ³Vêem-se ombros frágeis.4. na opção: a) ³Mas eu não sei o que sou (.1 .1 .3 .´ (objeto direto) e) ³Esclareceu que adiava a aquisição de uma chaleira de que andava muito necessitado´ (objeto indireto) 27) Magistério .2 .4 .

Assinale a opção em que a expressão grifada tem a função de complemento nominal: a) A curiosidade do homem incentiva-o à pesquisa. que trazia à garupa´ 31) EFOMM .³O medíocre se deu ares de campeão.RJ . 29) Catanduva . . a paisagem estendia -se imensa e tranqüila´ 28) Magistério .Há objeto direto e indireto na opção: a) ³Há de no-la contar logo´ b) ³mas não me satisfazem os informes da História´ c) ³Nenhum de nós se importaria muito com a verdade´ d) ³A mocidade precisa transviar-se de alguma maneira´ e) ³Até os colegas perdiam a paciência com as suas dúvidas.´ O pronome se. b) expletivo. que se encheria de orgulho´ d) ³o movimento de generosa simpatia e frat ernidade que despertara em sua alma a tristeza do boi vencido´ e) ³Apeou-se e tirou um ferro de marca. e) objeto indireto. da maleta de couro. Flor ia ter vendo o valente barbatão marcado com o seu ferro´ c) ³era finalmente a satisfação do velho capitão -mor. c) pronome indeterminador do sujeito.e) ³O céu estava azul. é: a) pronome apassivador. nesta oração.Assinale a opção na qual o pronome relativo que não exerce a função de objeto direto: a) ³Aquele boi que ele tinha ao arção da sela´ b) ³era o prazer que D. 30) PUC . d) objeto direto.

b) Precisamos de mais informações. ambos oblíquos. b) A frase ³compram-se casas´ está na voz passiva. devemos afirmar que: a) todos estão empregados como objetos diretos.Assinale a alternativa que contém erro de análise sintática. c) O respeito ao próximo é dever de todos. 34) BANESPA . c) um é sujeito. a) Em ³A mãe adorava aos filhos´.Assinale a alternativa em que o termo grifado é complemento nominal: a) A enchente alagou a cidade. c) A resposta ao aluno não foi convincente. objetos diretos.´ Quanto aos pronomes deste período. 32) ESPCEX . já não os há´. b) um é objeto direto. os outros.b) O receio de errar dificulta o aprendizado das línguas. o outro. . d) O professor não quis responder ao aluno. d) um é sujeito. ³os´ é objeto direto pleonástico. e) os três são objetos diretos dos verbos saber e resolver. d) A cidade de Paris merece ser conhecida por todos. ninguém na repartição o soube. e) O coitado do velho mendigava pela cidade. d) Em ³Correr é bom para a saúde´. c) Na oração ³Tolos. a expressão ³aos filhos´ é objeto indireto. e) Muitos caminhos foram abertos pelos bandeirantes . objeto direto. ³bom´ é predicativo do sujeito. indireto. Resposta: __________ 33) AMAN . para sermos exatos e completos. outro.³O bom funcionário não soube resolvê -la.

1 .´ A palavra se é: a) pronome reflexivo e objeto direto. d) pronome pessoal oblíquo e objeto direto. b) pronome reflexivo recíproco e objeto direto.sem função sintática. c) partícula de realce . GABARITO 1) C 2) A 3) D 4) C 5) 3 .35) FASP .1 6) 102 (2+4+32+64) 7) B 8) E 9) A 10) D 11) A 12) B 13) C 14) A 15) B 16) A 17) A 18) D 19) D 20) B 21) C 22) D 23) A 24) C 25) D 26) E .³Uma lagartixa passou correndo à sua frente e sumiu -se por entre as macegas.

27) A 28) A 29) E 30) C 31) B 32) A 33) C 34) C 35) C .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->