P. 1
Regras do Acordo Ortográfico 2012

Regras do Acordo Ortográfico 2012

|Views: 1.968|Likes:
Publicado porLegacyforlive

More info:

Published by: Legacyforlive on Feb 13, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/25/2013

pdf

text

original

Novo Acordo Ortográfico

O Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa é um tratado internacional, assinado por todos os países de língua oficial portuguesa, que visa defender a unidade da língua portuguesa no mundo. Em Portugal, a primeira grande reforma ortográfica data de 1911. Desde então foram realizadas várias tentativas com vista à criação de uma norma ortográfica única. Em Maio de 2008, o Parlamento aprovou o Segundo Protocolo, abrindo caminho à aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, que só agora, em 2011, entra oficialmente em vigor. Numa tentativa de criar uma norma ortográfica única, este acordo privilegia o critério fonético (ou da pronúncia), aproximando a língua escrita da língua falada. As principais alterações são cinco e dizem respeito a: 1. O Alfabeto O nosso alfabeto passa de 23 letras para 26, sendo incluídos o K, o W e o Y. Estas letras utilizam-se em palavras originárias de outras línguas, quer sejam topónimos (nomes de lugares), antropónimos (nomes de pessoas) e seus derivados, siglas ou símbolos. Ex. Washington – washingtoniano; Darwin – darwinismo; Kant – kantiano. Kg – quilograma; Kw – quilowatt; K – potássio; W – oeste (west) 2. Maiúsculas e minúsculas Passam a escrever-se com minúscula: a) os nomes dos meses e das estações do ano. Ex. janeiro, verão. b) os nomes dos pontos cardeais, colaterais e subcolaterais: norte, sul; noroeste, sudoeste; nor-noroeste, su-sudoeste; etc. Mantém-se a maiúscula nas abreviaturas (NW por noroeste) ou quando designam regiões (Norte por norte de Portugal). Podem escrever-se com maiúscula ou minúscula: a) os títulos dos livros, mas sempre com a primeira letra e com os nomes próprios em maiúscula. Ex. As Aventuras de João Sem Medo ou As aventuras de João sem medo. b) formas de tratamento e títulos dos santos. Ex. Senhor Arquiteto ou senhor arquiteto; Santa Mónica ou santa Mónica. c) os nomes das áreas do saber, cursos e disciplinas. Ex. Português ou português; Biologia ou biologia; Direito Romano ou direito romano. d) nomes de vias, lugares públicos, templos ou edifícios. Ex. avenida ou Avenida da República; palácio ou Palácio de Belém; mosteiro ou Mosteiro dos Jerónimos; etc. 3. Supressão do acento gráfico Elimina-se o acento gráfico nos seguintes casos: a) nos ditongos oi na sílaba tónica das palavras graves. Ex. heroico, jiboia, joia, boia, asteroide... b) nas formas verbais graves, na 3ª pessoa do plural, apenas as terminadas em -êem. Ex. creem, deem, leem, veem, releem, preveem, reveem... c) nas palavras pára, pêlo, pêra, pólo, que passam a escrever-se para, pelo, pera e polo. É facultativo o acento gráfico: a) nas formas verbais de pretérito perfeito do indicativo, do tipo amámos e louvámos, para as distinguir das formas do presente do indicativo amamos e louvamos. b) na forma verbal dêmos (1ª pessoa do plural do presente do conjuntivo), para a distinguir da forma do pretérito perfeito do indicativo demos. 4. Manutenção e supressão do hífen Mantém-se o hífen: a) nas palavras compostas cujos elementos mantém a sua independência e acentuação próprias. Ex. ano-luz; arco-íris; decreto-lei; tio-avô; trabalhador-estudante; amor-perfeito; couve-flor; queima-roupa; és-sueste... b) em algumas locuções. Ex. água-de-colónia; cor-de-rosa; andorinha-do-mar; mais-que-perfeito; c) nas palavras com os prefixos terminados em vogal quando o segundo elemento começa pela mesma vogal. Ex. anti-inflamatório, micro-ondas… d) nas palavras derivadas por prefixação em que o segundo elemento começa por h. Ex. anti-higiénico; pré-história; super-homem; semi-hospitalar; anti-herói; sobre-humano... e) nos compostos que designam espécies botânicas ou zoológicas. Ex. beija-flor, bem-me-quer, feijão-frade… f) com os prefixos terminados em consoante quando o elemento seguinte começa por uma consoante igual. Ex. hiper-realista, super-resistente, inter-regional… g) com o prefixo sub- quando a palavra seguinte começa por r. Ex. sub-região, sub-regional…

h) com os prefixos além-, aquém-, ex-, pós-, pré-, pró-, recém-, sem-, vice-. Ex. além-fronteiras, aquém-mar, ex-aluno, pós-graduação, pré-natal, pró-desarmamento, recém-nascido, sem-terra, vicepresidente… i) nos compostos que têm palavras iguais ou idênticas, sem qualquer elemento de ligação. Ex. pingue-pongue, reco-reco, zum-zum, tique-taque… Suprime-se o hífen: a) no verbo haver acompanhado pela proposição de. Ex. hei-de; hás de; há de; hão de... b) nos seguintes compostos: Ex. fim de semana; cão de guarda; cor de vinho; cor de laranja… c) nas palavras derivadas em que o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s, duplicando-se estas consoantes. Ex. contrarregra; antirracismo; autorretrato; antissocial; minissaia; contrassenso; biorritmo... d) nas palavras derivadas em que o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente. Ex. autoavaliação; autoestrada; antiaéreo; extraescolar; aeroespacial; contraindicação; infraestrutura... e) nas palavras derivadas por prefixação com o prefixo co- mesmo quando o segundo elemento começa por o. Ex. coadministração; coocorrência; coprodutor... 5. Supressão e manutenção das consoantes mudas c e p a) Eliminam-se as consoantes c e p nas sequências consonânticas cc, cç, ct e pc, pç e pt quando não se pronunciam. Ex. acionar, ação, afetivo, excecional, conceção, exceto... b) Conservam-se as mesmas consoantes se estas se pronunciarem. Ex. compacto, convicção, convicto, ficção, friccionar, pacto, adepto, apto, erupção, eucalipto, inapto, núpcias, rapto... c) São facultativas (eliminam-se ou conservam-se) quando oscilam entre as duas pronúncias. Ex. característica ou caraterística; infeccioso ou infecioso; decepcionar ou dececionar; insecticida ou inseticida... Nota: Quando, nas sequências mpc, mpç e mpt se eliminar o p, o m passa a n. Ex. assumpção e assunção; peremptório e perentório...

O que muda e o que não muda
MUDA cc c cc = cc ficcional, friccionar, etc. - Porque a consoante se pronuncia. cç = cç convicção, ficção, sucção, etc. - Porque a consoante se pronuncia. ct = ct bactéria, compacto, convicto, facto, intelectual, néctar, pacto, etc. - Porque a consoante se pronuncia. pc = pc egípcio, núpcias, opcional, etc. - Porque a consoante se pronuncia. pç = pç corrupção, erupção, interrupção, opção, etc. - Porque a consoante se pronuncia. pt = pt adepto, apto, eucalipto, inapto, rapto, etc. - Porque a consoante se pronuncia. accionar ~ acionar // fraccionar ~ fracionar coleccionar ~ colecionar // seleccionar ~ selecionar direccional ~ direcional // leccionar ~ lecionar cç ç acção ~ ação // fracção ~ fração colecção ~ coleção // direcção ~ direção injecção ~ injeção // selecção ~ seleção ct t electricidade ~ eletricidade adjectivo ~ adjetivo // objecto ~ objeto colectivo ~ coletivo // projecto ~ projeto directo ~ direto // actual ~ atual pc c anticoncepcional ~ anticoncecional decepcionar ~ dececionar excepcional ~ excecional recepcionista ~ rececionista pç ç adopção ~ adoção // recepção ~ receção decepção ~ deceção // excepção ~ exceção intercepção ~ interceção pt t adoptar ~ adotar // óptimo ~ ótimo baptizar ~ batizar // Egipto ~ Egito contraceptivo ~ contracetivo susceptível ~ suscetível NÃO MUDA

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->