P. 1
A IMPORTÂNCIA DO FACTORING PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO FACTORING PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

|Views: 247|Likes:
Publicado porbatmanroxa

More info:

Published by: batmanroxa on Mar 21, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/09/2015

pdf

text

original

126 Revista Gestão Empresarial, p. 126-136, Vol. 01, N.

01, jan-jun 2011, ISSN 2236-2681

A IMPORTÂNCIA DO FACTORING PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS
CIRIBELI, João Paulo1 RIBEIRO JÚNIOR, Miguel Ângelo2 RESUMO Analisa-se a relevância do factoring para a gestão dos micro e pequenos empresários. Tratase de pesquisa bibliográfica, que estuda a evolução e os serviços prestados pelas empresas de factoring (de fomento mercantil), e, também, o perfil e as características das microempresas e pequenas empresas brasileiras, e os principais problemas de sua sobrevivência no mercado. As abordagens apresentadas demonstram que o factoring mantém como principais características a flexibilidade e o dinamismo, sendo uma de suas funções o fomento do setor produtivo, quando busca suprir as demandas de cada cliente e, por conseguinte, de cada mercado. Dessa forma, o fomento mercantil desempenha função socioeconômica fundamental no que tange às oportunidades de crédito e ao auxílio da sustentabilidade, tanto dos micro e pequenos empresários, quanto do próprio setor de factoring. Palavras-chave: Factoring; financiamento; gestão; pequenas empresas; microempresas.

1. INTRODUÇÃO A atividade comercial factoring procura priorizar o incentivo às empresas para que obtenham lucros financeiros, possibilitando a manutenção de suas contas sempre em dia, promovendo a expansão e ampliação das vendas. É bastante útil para que haja o avanço das micro e pequenas empresas, que são as grandes responsáveis pelo crescimento da economia, além de serem geradoras de empregos. As empresas de factoring, ou simplesmente factoring, não intermedeiam o dinheiro no mercado financeiro. Elas são empresas comerciais que possuem diversos tipos de atividades nas mais variadas áreas, conjugando prestação de serviços com a compra de direitos. Dependem, essencialmente, de recursos próprios, e o seu sucesso está na administração do seu fundamento.

1

Mestre em Gestão de Empresa pela Universidade de Évora, Portugal, Especialista em Gestão da Informação no Agronegócio pela UFJF e Graduado em Administração com Habilitação em Administração de Cooperativas pela UFV. Atualmente é professor da Faculdade Governador Ozanam Coelho (FAGOC) e Secretário Municipal de Administração de Planejamento e Recursos Humanos da Prefeitura Municipal de Guiricema. E-mail: jpciri@hotmail.com. 2 Graduado em Administração. Faculdade Governador Ozanam Coelho – FAGOC. miguel_arj@hotmail.com.

no qual se busca verificar a grande problemática das pequenas empresas com relação à sobrevivência de longo prazo. visando atendê-los de maneira mais rápida. além da introdução. na importância das microempresas e das pequenas empresas no cenário brasileiro. A importância do factoring ocorre a partir do panorama atual do setor. essas empresas não utilizam fatores competitivos com relação às taxas de juros que são oferecidas pelos bancos.127 No Brasil. com a intenção de gerarem mais capital. isto é. o que representa uma grande oportunidade de negócios sob cada economia. Partindo dessa premissa. cujos dados resultam da pesquisa bibliográfica. Em termos estruturais. prática e eficaz. conforme o contexto econômico e também institucional a que os seus clientes. no sentido de resolver os problemas de crédito mais urgentes. constituinte de um dos pilares que sustentam economias poderosas. alavancando as vendas e as receitas. Assim. para gerar e incrementar mão de obra. que estão filiadas à Associação Nacional de Factoring (ANFAC). este artigo constitui uma pesquisa exploratória. Apesar de enfrentar essas desvantagens relacionadas com o setor bancário. . recorrem à prestação de serviços. com ênfase na definição. o factoring representa quaisquer atividades de apoio ao negócio do cliente não proibidas em lei e exercidas de forma continuada. além de diversas outras empresas que estão distribuídas em mais de 50 países em todo o mundo. esse tipo de negócio já é praticado por aproximadamente. podendo variar de aproximadamente 3. especialmente dos países da Europa. O seu objetivo é demonstrar como suas operações servem de alternativa de financiamento e de crédito para os empresários. este artigo analisa a importância do factoring para a gestão de pequenos negócios. na sequência. graças à agilidade nas negociações e à eficácia do factoring. Desde o seu início. já que diversos empresários. adapta-se ao mercado. na história e nos conceitos de factoring. o artigo apresenta as considerações teóricas sobre o estudo. que independe do governo e poderá contribuir. No entanto. Frente aos custos e também às diversas dificuldades que as organizações empresariais brasileiras enfrentam. cada vez mais. Factoring é um termo que indica fomento mercantil. estão submetidos. 732 empresas. o setor conquista. decisivamente. assim como não poderão prestar os outros serviços disponíveis por eles. um bom lugar no mercado. as pequenas empresas.0% ao mês. vale ressaltar que o serviço de factoring é um mercado genuíno da iniciativa privada. e no factoring como alternativa de crédito para os empresários.5% a 7.

especialmente as de pequeno porte. No Brasil. no Brasil. de confiança. de armazenagem e também de consultoria. inicialmente. em função da incorporação de novos territórios e também da exploração do comércio local. ainda enquanto era uma colônia da Inglaterra. sendo permitido. muitas vezes. só se consolidou de fato no dia 11 de fevereiro de 1982. na qual deviam garantir para os proprietários das mercadorias as vendas que eram realizadas. a concepção de factoring é muito bem delineada por autores citados ao longo do texto. na Inglaterra. Aparece como prestação de serviço no sentido de dar maior apoio às pequenas empresas. econômica e financeira do factoring. em busca de solidez. com a agiotagem. o factoring era exercido da mesma forma que a usada nas civilizações mais antigas. o factoring surgiu no ano de 1968. De acordo com Leite (2003). expandir o seu ativo e ampliar suas vendas. o factoring se adaptou às necessidades do mercado e incorporou funções primitivas que garantiam o recebimento pelas vendas. Assim. porém esse equívoco só acontece até que ocorra o aprofundamento da filosofia de atuação do factoring. De acordo com Donini (2003). quando a ANFAC foi fundada. Até meados dos anos de 1600. o factoring é mais uma entre tantas alternativas não apenas para alavancar o capital. que era integrante de um conglomerado financeiro. além do seu enquadramento de maneira adequada às outras atividades financeiras. portanto. nos Estados Unidos. nos dias de hoje. para que se obtenham recursos financeiros e não financeiros. conforme descrição do autor acima mencionado. sob o regime de metrópole-colônia. Verifica-se a inexistência desse mecanismo de apoio no Brasil. manter suas contas em dia. Factoring: história e conceitos As primeiras atividades de factoring são bastante antigas e datam da época do império Romano. É uma relação fiduciária. fomentando o comércio entre ambas. com a finalidade de agrupar as empresas de factoring e também de divulgar os objetivos e as vantagens do serviço para o mercado-alvo: as pequenas e médias empresas. quando se examinou um relatório de inspeção realizada pelo Banco Central em um banco de investimento do Estado de São Paulo. pois “as dificuldades de obter o capital de giro junto às fontes legais de financiamento e a escalada brutal dos . Nesse aspecto. a emergência do factoring se confunde. Nessa época se prestavam serviços tradicionais de distribuição.128 2. ao longo dos anos. Mais tarde. a América do Norte passou a usar. No entanto. mas também para identificar-se como prestadora de serviços diversos para as empresas brasileiras. Para Leite (2003). já se incorporava uma nova função aos agentes de comércio.

já que elimina o endividamento. aumentando as vendas. p. O segundo. p. com isso. Além disso. Donini (2003.129 impostos e dos custos financeiros induziram o pequeno e médio empresário a tomar outro rumo em busca dos meios indispensáveis à sua sobrevivência” (LEITE. produtos e mercados) e pesquisa cadastral. reitera-se ser uma atividade legalmente concebida no cenário econômico brasileiro. 3. pode-se observar uma grande demanda de pequenas empresas pelo factoring. 235) ora sintetiza: Sem dúvida. No entanto. na direção do serviço customizado. p. representado pelas reciprocidades e saldos médios. há diferenças. o factoring distingue-se por sua flexibilidade. ele é um mecanismo de gestão comercial que consegue expandir os ativos. E mais. Assim. faturizador e faturizado. Relação entre factoring x bancos A comparação do factoring com bancos é inevitável. O primeiro. conjugados ou separadamente. leva a empresa a manter caixa sem que contraia dívidas. apresentando como vantagens principais dois pontos importantes. inclusive com entidade representativa formalmente constituída (DODL. como antes mencionado. o factoring é caracterizado por uma extensão contínua de prestação de serviços. e. 2003. antecipação de recursos não-financeiros (matéria-prima) e a prestação de serviços convencionais ou diferenciados. altera vendas a prazo para vendas à vista. diminui os gastos. podendo adquirir o perfil demandado pelo cliente. a transferência de riscos da empresa usuária – pequena e média empresa para o factoring house. elevando a produtividade da empresa-cliente. a inexistência de exigências do floating. Segundo Leite (2003). Respaldando a transcrição acima. Nesse sentido. como Leite (2003. fator que reduz . Acompanhamento de contas a receber e a pagar. como: Alavancagem mercadológica (busca de novos clientes. a título oneroso entre dois empresários. Seleção de compradores sacados. assim como por outras atividades. Compra de créditos (direitos) resultantes das vendas mercantis realizadas a prazo pela empresa-cliente. 4) complementa: Factoring ou fomento empresarial resume-se em atos que envolvem a compra de crédito. o factoring é um substituto eficiente das operações bancárias. 234). 2006).

é previsível. na maior parte. os factorings acabam sendo parceiros dos bancos. vem se tornando perigoso concorrente do factoring. o desconto de cheques pré-datados. o risco . com desconto de cheques. mas não há certeza de acontecer. Porém. Qualquer deliberação financeira é tomada num ambiente de dúvida quanto aos resultados. os chamados pré-datados. mediante o conhecimento das probabilidades associadas à ocorrência de determinados resultados ou valores. Visualizam nesse nicho de mercado significativo potencial de retorno e menor risco em comparação com outras operações financeiras. Em geral. e sobre o futuro não se tem certeza de nada. 4. No caso da empresa de factoring. onde encontram facilidade para aquisição do crédito. Estas são impedidas de captar dinheiro no mercado. nem todas as pequenas e médias empresas conseguem aprovar seus cadastros diante das rigorosas políticas de crédito adotadas pelos bancos. A saída. que têm um custo de oportunidade que acaba gerando incremento no fator de compra dos factorings (LEITE. as decisões são tomadas voltadas para o futuro. o risco pode ser entendido como a capacidade de mensurar o estado de incerteza de uma decisão. então. os bancos possuem gama maior de serviços e produtos que os oferecidos pelos factorings. está nas empresas de factoring. Com todas as diferenças entre factoring e bancos frente às empresas de médio e pequeno porte. Factoring e riscos O risco está inserido nas decisões para o futuro. como empréstimos. pois. redirecionando-o para o desconto de duplicatas e cheques dos clientes (LEITE. ou até mesmo o reinvestimento desse capital na própria empresa. Esse novo produto vendido pelos bancos.130 a liquidez das empresas. possibilitando à empresa-cliente a obtenção de capital necessário para seu ciclo produtivo. Com frequência. 2003). sendo forçados a trabalhar com o capital social da empresa e os mútuos dos sócios. visto que as taxas de desconto são inferiores àquelas praticadas pelas empresas de fomento mercantil. na atualidade. É evidente que as taxas praticadas pelos bancos são inferiores àquelas adotadas pelo factoring. Os bancos. 2003). Logo. além do desconto de duplicatas. pois as empresas-clientes das empresas de fomento mercantil colocam o dinheiro em bancos. porquanto os bancos captam dinheiro a baixo custo no mercado financeiro e até mesmo sem qualquer custo. e o risco que antes era do banco passa a ser delas. Tais características contribuirão decisivamente para forçar a baixa dos custos de obtenção de capital de giro pelas pequenas e médias empresas. por não constituírem instituição financeira. estão trabalhando.

Se esse tipo de empreendimento trabalhar com base em competente análise de crédito. pois ambos podem se negar a pagar o título e gerar um prejuízo para essas empresas. o mesmo não ocorre em se tratando dos bancos. mesmo recorrendo a essa prática. Quer dizer. baixa concorrência e carga tributária menor. os quais adotam políticas discriminatórias em relação a clientes com determinadas características. No entanto. a sobrevivência das microempresas e pequenas empresas. rentabilidade alta. em grande parte. Segundo Leite (2003). em teoria. inclusive no que diz respeito à sustentabilidade. o título tem solvência. O risco começa quando se compra um título de um cliente sem saber se. para que assim se possa correr o risco da responsabilidade assumida. é de fundamental importância a boa administração dos problemas gerados pelas informações desencontradas. A consequência da presença de informações assimétricas no contexto de crédito gera arranjos institucionais que oneram o custo. porém. Outro ponto relevante é o desencontro constante de informações que. uma boa tecnologia de seleção e o monitoramento dos clientes. Dessa forma. de fato. Logo. obrigando-o a pagar o título devolvido. já prevendo possível falta de pagamento do título por parte do sacado (cliente dos clientes de factoring). o risco é de total responsabilidade do factoring. desde as primeiras operações de factoring no Brasil até meados do Plano Real. Para Braga (2000).131 está embutido no fator de desconto. segundo descrição detalhada de Leite (2003). as empresas passam o risco ao cedente. constitui um dos entraves constantes do nicho de mercado das empresas de factoring. por conseguinte. registra-se volume pequeno (apesar de crescente) de negócios de factoring. Ainda de acordo com esse autor. é essencial que tanto as empresas de factoring quanto as próprias empresas-clientes possuam as informações necessárias sobre o negócio. a empresa de factoring fica descoberta caso o cedente não honre seu compromisso. E ele acontece tanto em nível de cedente (cliente das empresas de factorings) quanto em nível de sacado. como a concentração em nichos de mercado para minimizar o ônus da inadimplência. com possibilidade da adoção do regime de lucro presumido. resultando em ambiente propício para a especialização das entidades de financiamento. Na prática. como Dodl (2006) preconiza. com a operacionalização de contratos adequados. exatamente com o intuito de diminuir os riscos. o risco tende a reduzir até zero. porque somente mediante gerenciamento satisfatório é possível se viabilizar. aproximadamente. a dificuldade de acesso ao mercado de crédito para empresas com menor capacidade de prestar garantias e de fornecer dados sobre sua situação econômica e financeira . caso haja demanda.

mais da metade não consegue superar os entraves surgidos no decorrer das atividades. Ainda de acordo com pesquisas realizadas pelo IBGE (2003). sua avaliação de risco. etc. 5. baixo investimento e inovação tecnológica.7% do total da população ocupada. ou seja. Entende-se. as micro. pessoa física e jurídica.132 reduz as expectativas de obter capital de giro junto às instituições financeiras. tanto nos setores de comércio quanto de serviço. gerenciar um negócio é fácil. Muitas vezes. 2003). no volume dos negócios e na concorrência. pequenas e médias empresas assumem fundamental importância. Por outro lado. 60%. Afinal.8 bilhões. são responsáveis pela geração de empregos de 7. estão baixa intensidade de capital.3 milhões de pessoas. as microempresas e pequenas empresas. aumento na quantidade de empresas que atuam no setor. quando necessário. não se distinguindo. A prestação de serviços. correspondendo a 9. deslocando a atenção principal da empresa-cliente. 2003) permite inferir que a situação enfrentada pelas empresas de menor porte é bastante difícil. conscientização e treinamento.2 bilhões e R$ 61. e poder decisório centralizado. principalmente em termos contábeis e financeiros. No cenário atual. aproximadamente. (IBGE. portanto. Klapper (2004 apud DODL. maior dificuldade de acesso ao financiamento de capital de giro. Análise dos percentuais de pesquisas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE. qualquer empresário deve estar muito bem informado a respeito de seu negócio e do mercado onde atua. R$ 168. 2006) estabelece paralelo entre concessão de crédito sob bases tradicionais do mercado financeiro e atuação das empresas de factoring. altas taxas de mortalidade. Exemplificando: o percentual de fechamento para aquelas com até quatro anos de existência chega a. aquelas que se baseiam na credibilidade do devedor. Microempresas e pequenas empresas no mercado brasileiro Para a economia brasileira. . pois são as principais responsáveis pela geração de renda e emprego em âmbito nacional. Os indicadores de receita operacional líquida e valor adicionado alcançam. enquanto as factorings consideram prioritário o recebível. ser imprescindível a disponibilização de tecnologia administrativa ao micro e pequeno empresário. representando a garantia um recurso secundário. Há estreito vínculo entre proprietários e empresas. historicamente. Dentre suas principais características. respectivamente. bem como. no dia-a-dia. constitui pressuposto básico da atividade de factoring. verifica-se queda acentuada na rentabilidade da atividade. forte presença dos proprietários e dos membros da família como mão-de-obra direta nos negócios.

isso se dá porque as empresas de pequeno porte. pois presta não apenas orientação à gestão empresarial. 193) acrescenta. o crédito bancário está cada vez mais difícil. todas as empresas e. por pessoas sem condições financeiras para alocar recursos necessários ao giro dos negócios. p. Tomando como referencial essa citação. E mais. consequentemente. afirma-se que o factoring é um recurso destinado a ajudar micro. emprego e renda.133 as micro e pequena empresas necessitam suplantar recursos para atender às suas demandas diversificadas. além de terceirizar uma série de atribuições administrativas financeiras para a . cuja essência é a prestação de serviços. como mecanismo. muitas vezes. a exigência referente à documentação a ser apresentada para obtenção de um crédito torna o processo ainda mais burocrático. No caso das microempresas e pequenas empresas. não dispõem de estrutura administrativa capaz de suportar as incertezas do mercado econômico. as de pequeno porte. além de buscarem se manter competitivas e alavancar seus processos produtivos a fim de assegurar permanência no mercado. como Leite (2003. em especial. fornecendo maior visão conceitual das atividades. com todos esses entraves. o que dificulta a restrição de crédito para esses empreendimentos. Além disso. as operações de factoring representam alternativa de recursos para as empresas de menor porte e. com frequência. “o factoring. destina-se a dar apoio e assistência àquele segmento da economia que não tem acesso às fontes normais de crédito”. 6. cuja administração prescinde de profissionais especializados. gerando resultados com a rentabilidade dos negócios e. sobretudo. em tempo de crise. como também concede capital de giro para que as PME possam produzir. passa a surgir e se consolidar uma relação de parceria no mercado entre as empresas de factoring e as micro e as pequenas e médias empresas (PME). Com a escassez de crédito bancário. têm necessidade de capital para fazer frente aos custos e aos encargos do processo inflacionário. Factoring: alternativa de crédito para microempresas e pequenas empresas Como antes enunciado e de acordo com Dodl (2006). Na opinião de Leite (2003). frente ao valor assumido para arcar com a majoração das despesas administrativas e fornecer os demonstrativos contábeis e gerenciais adequados para embasar a análise prevista em norma se torna bastante complexo. O factoring representa excelente oportunidade. Ainda segundo colocações de Cochrane (2005). na atual conjuntura econômica. as quais são constituídas. pequenas e médias empresas.

(Serasa) ou no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). seguido dos juros acima da capacidade de pagamento. que a relação entre empresas-clientes e factoring é bem mais . ele não possui domínio pleno. libera o empresário das ações mais rotineiras. inadimplência da empresa. aponta como principais fatores de desmotivação para os pequenos e micro empresários pesquisados. ainda. e medo dos juros. Pela venda de recebíveis. para as micro e pequenas empresas. Oliveira (2007). pois é. a principal vantagem é não gerar endividamento. por conta de potencial de lucratividade. apesar de ser o diferencial de longo prazo ofertado pelas empresas de factoring. no município de Itabuna (Bahia). Ainda para essa autora. concentrando. principalmente no que diz respeito à captação de recursos por meio do desconto de cheques pré-datados. esta ainda não mantém. o excesso de burocracia (61% das opiniões dos entrevistados). É interessante lembrar que são também muito importantes os motivos que levam os micro e pequenos empresários a buscarem os serviços de factoring. Trata-se de antecipação de receita. percentuais significativos que pontuam o uso dos serviços de factoring: maior rapidez na prestação dos serviços em relação às demais instituições financeiras. com 20%. Percebe-se. os entrevistados mencionam. não posse de capital de giro nem de crédito em bancos ou em outras instituições. portanto. Com isso. sobre as quais.A. em geral. as atividades de factoring estão se consolidando no mercado brasileiro com previsão legal sob dois focos de atuação: prestação de serviços e compra de recebíveis. duplicatas ou outros títulos de crédito. as microempresas e as pequenas empresas têm sido o principal mercado alvo das empresas brasileiras de factoring. Segundo o autor supracitado. A este respeito. quando da solicitação do crédito bancário. ética e gestão. pois. De fato. a dimensão que pode alcançar. a empresa recebe à vista as vendas feitas a prazo. na opinião de Dodl (2006). Dentre elas.134 empresa de factoring. Outro aspecto que não pode ser negligenciado são as vantagens na realização das operações de factoring. uma vez que a corporação de factoring tem maior preocupação na qualidade do título que está comprando (sacado) do que na empresa que está vendendo o título (sacador). limites de crédito insuficientes perante as instituições bancárias. Os demais índices estão assim distribuídos: utilização de recursos próprios para investir em seus negócios. esse tipo de operação passa a ter maior relevância. seus esforços na gestão empresarial. que se evidenciam os efeitos negativos do desempenho do negócio. em sua deficiência. Para os empreendimentos com problema cadastral na Centralização dos Serviços dos Bancos S. O fornecimento de capital de giro é a necessidade mais evidente para as empresas-clientes. em recente pesquisa. Em se tratando da prestação de serviços.

a principal frente de trabalho das empresas de fomento mercantil ainda é o fornecimento de capital de giro e a prestação de serviços que envolvem a operacionalização dessa atividade. pequenos e médios empresários. em sua maioria. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conforme referenciado. o setor econômico e produtivo do País. uma vez que as formas de resgate e de cobrança dos devedores são mais rápidas e mais diretas. Em síntese. as empresas clientes veem nas empresas de factoring a alternativa de crédito mais ágil e com maior facilidade de que tanto precisam para atender às demandas. de forma essencial. principalmente o denominado capital de giro. de inflação acelerada e de escassez de crédito. No entanto. porque o contato é feito diretamente com o empresário fornecedor do cheque. Nessa relação. como já dito. Por exemplo: caso um cheque pré-datado obtido pelo factoring esteja sem fundo. que vão desde os processos de gestão até a falta de políticas públicas. Estas. Nesse sentido. no que tange à absorção de mão de obra e à geração de renda. que vem crescendo significativamente e contribuindo. mais e mais. integram. o surgimento e o crescimento das micro e pequenas empresas incrementam e fortalecem. Isto é. percebida pelas empresas-clientes ao recorrerem aos serviços de factoring. primando por uma relação mais próxima e de parceria com os clientes. 7.135 estreita e apresenta maior grau de confiabilidade do que as demais instituições financeiras. é essencial a confiabilidade. o sistema de cobrança para com a empresa-cliente é mais veloz. para esses empresários. fortalecendo não só as empresas ora surgidas. de acordo com Dodl (2006). médios e micro empresários. numa época histórica. pequenas e médias empresas atravessam sérias turbulências para sobreviverem no mercado devido a diferentes fatores. o factoring surge no mercado brasileiro como novo ramo de negócios. micro. em que o desemprego integra um cenário de baixo crescimento. desenvolvendo-se parceria e confiabilidade entre as empresas de factoring e as empresas-clientes. no sentido de lhes fornecer recursos financeiros de forma menos burocrática. as empresas de pequeno porte são bastante significativas para a economia brasileira. em especial. a falta de disponibilidade de crédito e de recursos que garantam sua sustentabilidade. incrementam-se medidas na esfera do setor de crédito. nas demais . mas também as instituições e as entidades financeiras que promovem linhas de crédito aos pequenos. Além disso. uma vez que. as micro. Assim.

DONINI. As empresas de factoring e as micro e pequenas e médias empresas: parceria. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Factoring passo a passo: as quatro estações. Factoring no Brasil. São Paulo: Atlas. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico) – Universidade Federal do Paraná. 2003. A.planejamentotributario. 2003.136 instituições financeiras.. Disponível em: <http://www. consideravelmente. M. LIMA. I. 2006. Von B. A. por exemplo. Monografia (Graduação em Administração de Empresas) – Universidade Estadual de Santa Cruz. J. face à facilidade de concessão de créditos. 2006. portanto de contribuição positiva para a conjuntura social e econômica nacional. A atuação das empresas de factoring e o perfil dos empresários que utilizam esses sistemas na cidade de Itabuna-Ba. de. as pequenas empresas em sua sustentabilidade. 2007. Micros e pequenas empresas nos setores de comércio e de serviço. A. Situação das empresas de menor porte. o crédito é mais inacessível. SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (Sebrae). L. esses serviços auxiliam. L. os bancos. 2. C. Mercado financeiro: aspectos históricos e conceitos. por conta da singularidade na conjunção de assessoria gerencial e viabilidade de capital de giro a preços competitivos. A. Curitiba. A atividade de factoring no mercado brasileiro. V. . F. REFERÊNCIAS ANDREZO. LEITE.ufc. em períodos de crise econômica. 2010. OLIVEIRA. principalmente. 2003. T. ed. Logo. ao mesmo tempo em que promovem o crescimento do próprio setor.br> Acesso em: 8 de out. COCHRANE. 2005. as empresas de factoring representam valioso recurso para os pequenos e micro empresários. São Paulo: Klarear. 2007. sendo. 2002. Brasília. C. DODL. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. S. como. Brasília. Como decorrência. 2003.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->