1

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

NIGHT WORLD 05: THE CHOSEN

2

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

visite!
www.pirate-ebooks.blogspot.com

Esta obra foi digitalizada/traduzida pela Comunidade Traduções e Digitalizações para proporcionar, de maneira totalmente gratuita, o benefício da leitura àqueles que não podem pagar, ou ler em outras línguas. Dessa forma, a venda deste e‐book ou até mesmo a sua troca é totalmente condenável em qualquer circunstância. Você pode ter em seus arquivos pessoais, mas pedimos por favor que não hospede o livro em nenhum outro lugar. Caso queira ter o livro sendo disponibilizado em arquivo público, pedimos que entre em contato com a Equipe Responsável da Comunidade – tradu.digital@gmail.com Após sua leitura considere seriamente a possibilidade de adquirir o original, pois assim você estará incentivando o autor e a publicação de novas obras. Traduções e Digitalizações Orkut - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057 Blog – http://tradudigital.blogspot.com/ Fórum - http://tradudigital.forumeiros.com/portal.htm Twitter - http://twitter.com/tradu_digital Skoob – http://www.skoob.com.br/usuario/mostrar/83127

Feito por:

Nívia

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

3

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

NIGHTWORLD: THE CHOSEN

O Mundo da Noite O Mundo da Noite. Amar nunca foi tão assustador. O Mundo da Noite não é um lugar. É tudo o que nos rodeia. É uma sociedade secreta de vampiros, lobisomens, bruxas e outras criaturas da escuridão que vive entre nós. Eles são lindos e imortais e irresistíveis para os seres humanos. O seu professor da escola pode ser um, e seu namorado também. As leis do Mundo da Noite dizem que é certo caçar os seres humanos. Que não tem problema brincar com seus corações, e até mesmo matá-los. Existem apenas duas coisas que você não pode fazer com eles. 1 - Nunca deixe eles descobrirem que o Mundo da Noite existe. 2 - Nunca se apaixone por um deles. Estas são histórias sobre o que acontece quando essas regras são quebradas. Rashel Jordan tem vivido uma vida dupla. Estudante de dia, caçadora de vampiros de noite. Desde seu encontro horrível com um vampiro quando tinha cinco anos, Rashel prometeu caçá-los. Enquanto limpava uma área do armazém, em Boston, Rashel vê uma garota correndo por sua vida. Rashel salva a menina que se apresenta como Daphne das garras de seus captores vampiros. Quando Daphne conta a sua história Rashel percebe que tropeçou em cima de algo grande e terrível. No topo de tudo isto, há o sentimento que se agita dentro dela depois que conheceu e salvou o vampiro chamado Quinn. Ela não pode tirá-lo da cabeça. De que maneira vai acabar com isso?

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

4

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 01
Foi o que aconteceu na festa de aniversário de Rashel, no dia em que completou cinco anos de idade. "Podemos ir aos tubos?” Ela estava tendo seu aniversário em um carnaval e tinha a maior estrutura de tubos e lâminas de escalada que ela já tinha visto. A mãe sorriu. "Ok gatinha, mas cuide de Timmy. Ele não é tão rápido como você é." Foram as últimas palavras que sua mãe lhe disse. Não precisava ser dito para Rashel, no entanto. Ela sempre teve o cuidado com Timmy: ele era um mês mais novo do que ela era, e ele não estaria mais no jardim de infância no próximo ano. Ele tinha cabelo liso preto, olhos azuis e um sorriso muito doce. Rashel tinha cabelo muito escuro, mas seus olhos eram verdes, verdes como esmeraldas, mamãe sempre disse. Verde como um gato. À medida que subia pelos tubos, ela olhava para ele, e quando chegaram a uma longa fila de vinil com escadas acolchoadas e escorregadia, fácil de deslizar ela estendeu a mão para ajudá-lo. Timmy sorriu para ela, seus olhos azuis inclinados brilhando com adoração. Quando ambos tinham rastejado para o topo da escada, Rashel soltou a mão. Ela estava indo em direção a teia de aranha, uma grande sala inteiramente feita de corda e teias. De vez em quando ela olhava através da janela de peixe em um dos tubos e via sua mãe acenando para ela de baixo. Mas, então, outra mãe veio falar com ela e Rashel ficou parada olhando para fora. Os pais nunca parecem ser capazes de falar e acenar ao mesmo tempo. Ela concentrou-se na passagem através dos tubos, que cheirava como o plástico com uma pitada de meias velhas. Ela fingiu que era um coelho em um túnel. E ela manteve um olho no Timmy, até que chegaram à base da teia de aranha. Era muito na parte de trás da estrutura de escalada. Não havia outras crianças ao redor, grande ou pequenas e quase nenhum ruído. Uma corda branca com nós em intervalos regulares esticados acima de Rashel, mais e mais, levando a própria teia. "Ok, você fica aqui, e eu vou subir e ver como você faz isso", disse ela para Timmy. Esta era uma espécie de mentirinha. A verdade é que ela não pensou que Timmy poderia fazê-lo, e se ela esperasse por ele, nenhum deles subiria. "Não, eu não quero que você vá sem mim", Timmy disse. Houve um toque de ansiedade em sua voz. "Só vai levar um segundo", disse Rashel. Ela sabia que ele estava com medo, e acrescentou: "Nenhum grandalhão vai vir e empurrá-lo". Timmy ainda parecia duvidoso. Rashel disse pensativamente, "Você não quer bolo gelado quando chegarmos de volta à minha casa?" Não era mesmo uma ameaça velada. Timmy parecia confuso, então suspirou pesadamente e assentiu.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

5

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Tudo bem. Vou esperar."

E essas foram as últimas palavras que Rashel o ouviu dizer. Ela subiu na corda. Foi ainda mais difícil do que ela pensava que seria, mas quando ela chegou ao topo, foi maravilhoso. O mundo inteiro foi um movimento de massas irregulares de compensação. Ela tinha que agarrar com as duas mãos para manter o equilíbrio e tentar enrolar os pés em todo o comprimento vibrante do cabo. Ela podia sentir o ar e a luz solar. Ela riu com alegria e voltou a olhar para os tubos de plástico coloridos ao seu redor. Quando olhou abaixo para Timmy, ele se foi. O estômago de Rashel ficou tenso. Ele tinha que estar lá. Ele prometeu que ia esperar. Mas ele não estava. Ela podia ver todo o quarto acolchoado abaixo da teia de aranha daqui, e ele estava vazio. Ok, ele deve ter ido para trás através dos tubos. Rashel fez o seu caminho, cambaleando e oscilando, de um pega para outro até que ela achou a corda. Então ela desceu rapidamente e enfiou a cabeça dentro de um tubo, piscando na escuridão. "Timmy?" Sua voz era um eco abafado. Não houve resposta e o que ela pôde ver do tubo estava vazio. "Timmy!" Ok, ele deve ter ido para trás através dos tubos. Rashel fez o seu caminho, cambaleando e oscilando, de um pega para outro até que ela achou a corda. Rashel estava recebendo uma sensação muito ruim em seu estômago. Na cabeça, ela ouvia a mãe dizer: Cuide de Timmy. Mas ela não tinha tomado conta dele. E ele poderia estar em qualquer lugar agora, perdido na estrutura gigante, talvez chorando, talvez enfiado em torno das crianças grandes. Talvez até mesmo fosse contar a sua mãe. Foi quando ela viu a fenda na sala acolchoada. Era grande o suficiente apenas para um menino de quatro anos de idade ou um muito magro de cinco anos passar. Um espaço entre duas paredes que levava para o exterior. Rashel soube imediatamente que era onde Timmy tinha ido. Era como se ele tomasse o caminho mais rápido para fora. Ele estava provavelmente a caminho de sua mãe agora. Rashel era muito magra para cinco anos de idade. Ela entrou na abertura, só um passo de cada vez. Então, ela estava fora, sem fôlego na sombra empoeirada. Ela estava prestes a virar a cabeça em direção à frente da estrutura de escalada quando percebeu a agitação na tenda. A tenda era feita de vinil brilhante e suas listras vermelhas e amarelas eram muito mais brilhantes do que os tubos de plástico. O retalho solto movido na brisa, e Rashel viu que alguém poderia apenas levantá-la e caminhar por dentro. Timmy não teria ido para lá, ela pensou. Não seria como se ele pudesse. Mas de alguma forma Rashel tinha um sentimento estranho. Ela olhou para o retalho, hesitando, cheirando pó e pipoca no ar. Eu sou valente, disse a si mesma, e se esgueirou para frente. Ela empurrou a tenda ao lado da aba para alargar o fosso, e ela esticou o pescoço e olhou para dentro. Era muito escuro para ver alguma coisa, mas o cheiro de pipoca ficou mais forte. Rashel se moveu mais e mais até que ela estava realmente na tenda. E então seus olhos se ajustaram e ela percebeu que não estava sozinha. Havia um homem alto, na tenda. Ele estava usando uma luz de instrutor, mesmo fora dela estava quente. Ele não pareceu notar Rashel porque ele tinha algo nos braços, e sua cabeça estava inclinada para baixo, e ele estava fazendo algo com ele. E então Rashel viu o que ele estava fazendo e sabia que os adultos haviam mentido quando disseram que livros de contos de ogros, monstros e fadas não eram reais. Porque o homem alto tinha Timmy, e ele estava comendo ele.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

6

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 02
Sugando-o ou fazendo algo com os dentes. Dilacerando e sugando. Fazendo barulhos como quando seu cão fazia quando comia. Por um momento Rashel ficou congelada. Todo o mundo tinha mudado e tudo parecia um sonho. Então, ela ouviu alguém gritando e sentiu machucar a garganta e ela sabia que era ela. E então o homem alto olhou para ela. Ele levantou a cabeça e olhou. E ela sabia que seu rosto sozinho iria dar a ela pesadelos para sempre. Não que ele era feio. Mas ele tinha os cabelos vermelhos como sangue e os olhos cor de ouro brilhante, como um animal. Havia uma luz neles que era como nada que ela tinha visto. Ela correu em seguida. Ela errou ao deixar Timmy, mas ela estava com muito medo de ficar. Ela não era brava, era um bebê, mas ela não podia ajudá-lo. Ela ainda estava gritando quando ela se virou e disparou através do retalho na tenda. Quase que voou. A cabeça e os ombros fora e viu os tubos de plástico vermelho elevando-se acima dela e, em seguida, uma mão presa nas costas de sua camisa Gymboree. Uma mão grande e forte que ela parou no meio do vôo. Rashel era tão indefesa como um gatinho bebê. Mas assim como ela foi arrastada de volta para a barraca, ela viu alguma coisa. A mãe dela. A mãe dela estava chegando ao virar a esquina da estrutura de escalada. Ela tinha ouvido Rashel gritando. Os olhos de sua mãe eram grandes e sua boca estava aberta, e ela estava indo rápido. Ela estava vindo para salvar Rashel. "Mamãeeeeeeee!" Rashel gritou, e então ela foi para dentro da tenda. O homem a atirou de lado da mesma forma como uma criança no pré-escolar jogaria um pedaço de papel amassado. Rashel aterrissou fortemente e sentiu uma dor na perna, que normalmente teria a feito chorar. Agora, ela dificilmente notou. Ela estava olhando para Timmy, que estava deitado no chão perto dela. Timmy olhou estranho. Seu corpo era como um boneco de trapo braços e pernas para fora. Sua pele era branca. Seus olhos estavam olhando para cima, na parte superior da tenda. Havia dois grandes buracos na garganta, com sangue à sua volta. Rashel choramingou. Ela estava assustada demais para gritar mais. Mas só depois que ela viu a luz do dia branca, e uma figura na frente dela. Mamãe. Mamãe estava puxando a aba da tenda aberta. Mamãe estava lá dentro, olhando em volta para Rashel. Foi quando o pior aconteceu. O pior e mais estranho que a polícia nunca acreditou quando Rashel disse a eles mais tarde. Rashel viu a boca da mãe dela aberta, viu a mãe olhando para ela, a ponto de dizer algo. E então ela ouviu uma voz, mas não era a voz da mamãe. E não era uma voz, em voz alta. Ele estava dentro de sua cabeça. (Espere! Não há nada de errado aqui. Mas você precisa ficar muito, muito ainda.) Rashel olhou para o homem alto. Sua boca não se mexia, mas a voz era dele. A mãe dela estava olhando para ele também, e sua expressão foi mudando, tornando-se relaxada e. . . estúpida. Então o homem alto bateu mamãe uma vez na lateral do pescoço e ela caiu, sua cabeça caiu de forma errada como uma boneca quebrada. Seu cabelo escuro estava deitado no chão. Rashel depois viu que tudo era ainda mais como um sonho. Sua mãe estava morta. Timmy estava morto. E o homem estava olhando para ela. (Você não está chateada) veio à voz em sua cabeça. Você não está assustada. (Você quer vir aqui.)
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

7

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Rashel podia sentir a força da voz. Foi puxando para mais perto e mais perto. Foi confundindo-a e tranqüilizando-a, fazendo-a esquecer sua mãe. Mas então ela viu os olhos de ouro do homem alto e eles estavam com fome. E de repente ela se lembrou o que ele queria fazer com ela. Não eu! Ela empurrou longe da voz e mergulhou para o retalho da tenda novamente. Desta vez, ela se jogou para fora. E atirou-se diretamente para a fenda escalando a estrutura. Estava pensando de uma maneira diferente do que ela jamais tinha pensado antes. A Rashel que tinha visto a queda da mãe foi trancada em uma pequena sala dentro dela, chorando. Foi uma Rashel nova que mexeu desesperadamente pela abertura na sala acolchoada, uma Rashel inteligente que soube que não havia nenhum ponto em chorar porque não havia ninguém que se importava mais. Mamãe não podia salvá-la, por isso ela teve de se salvar. Ela sentiu uma mão agarrar seu tornozelo, quase o suficiente para esmagar seus ossos. Ele puxou, tentando arrastá-la para trás da abertura. Rashel chutou para trás com toda sua força, torceu e sua meia saiu e ela puxou a perna até a sala acolchoada. (Volte! Você precisa voltar agora mesmo! ) A voz era como a voz de um professor. Não era difícil ouvir. Mas Rashel já tinha sumido pelo tubo de plástico na frente dela. Ela foi mais rápida do que ela nunca tinha sido antes, machucando os joelhos, impulsionando-se com o pé descalço. Quando ela chegou à janela do primeiro peixe embora ela visse um cara olhando para ela. Era o homem alto. Ele estava olhando para ela. Ele bateu no plástico que ela passou. Medo bateu em Rashel como um cinto. Ela se moveu mais rápido, e as pancadas no tubo seguiram. Ele estava debaixo dela agora. Mantendo-se com ela. Rashel passou outra janela e olhou para baixo. Ela podia ver o cabelo brilhando ao sol. Ela pôde ver seu rosto pálido olhando para ela. E os seus olhos. (Desce) veio a voz e não era mais severa. Era doce. (Desça e vamos conseguir um sorvete. Que tipo de sorvete você mais gosta?) Rashel sabia que era assim que ele chegou em Timmy na tenda. Ela nem sequer fez uma pausa em sua codificação. Mas ela não conseguia ficar longe dele. Ele estava viajando com ela, logo abaixo dela, esperando para ela sair ou chegar a um lugar onde ele poderia alcançar e agarrá-la. Subir. Eu preciso chegar mais alto, ela pensou. Mudou-se instintivamente, como se um sexto sentido, dizia seu caminho cada vez que ela tinha uma escolha. Ela passou por tubos dobrados, tubos em linha reta, os tubos que não estavam sólidos em tudo, mas feito de tiras de tecido de lona. E, finalmente, ela chegou a um lugar onde não podia ir mais alto. Era uma sala quadrada com um piso almofadado e os lados de compensação. Ela estava à frente da estrutura de escalada; ela podia ver mães e pais de pé e sentados em pequenos grupos. Ela podia sentir o vento. Abaixo dela, olhando para cima, estava o homem alto. (Bolo de chocolate? Mint Chip? Chiclete?) A voz estava colocando imagens em sua mente. Sabores. Rashel olhou em volta freneticamente. Havia muito barulho, todas as crianças na estrutura de escalada estavam gritando. Quem iria perceber se ela gritasse? Eles achariam que ela estava brincando.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

8

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

(Tudo que você tem a fazer é vir para baixo. Você sabe que você tem que descer em algum momento.) Rashel olhou para o rosto pálido virado para ela. Os olhos eram como buracos escuros. Faminto. Paciente. Determinado. Ele sabia que estava indo buscá-la. Ele estava indo para vencer. Ela não tinha como lutar contra ele. E depois algo se rompeu dentro de Rashel e ela fez a única coisa que uma menina de cinco anos poderia fazer contra um adulto. Ela enfiou a mão entre os fios ásperos raspando a pele. Ela empurrou o braço inteiro através e ela apontou para o homem alto. E ela gritou de um jeito que ela nunca tinha gritado antes. Gritos penetrantes que cortaram através do ruído feliz das outras crianças. Ela gritou do jeito que o Sr. Bruce na préescola havia ensinado a ela para fazer se qualquer estranho a incomodasse. "Socorrooo! Socoroooo! Aquele homem tentou me tocar" Ela continuou gritando e apontando. E ela viu as pessoas olharem para ela. Mas eles não fizeram nada. Eles só olharam. Lotes de faces olhando para ela. Ninguém se moveu. De certa forma, era ainda pior do que tudo o que tinha acontecido antes. Eles podiam ouvir ela, mas ninguém iria ajudá-la. E então ela viu alguém se movendo. Era um menino grande, não um homem adulto. Ele estava vestindo um uniforme como o pai de Rashel estava acostumado a usar antes de morrer. Isso significava que ele era um fuzileiro naval. Ele estava indo em direção ao homem alto e seu rosto estava escuro e com raiva. E agora como se tivessem apenas necessitado este exemplo, outras pessoas estavam se movendo também. Vários homens que se pareciam com os pais. Uma mulher com um telefone celular. O homem alto virou-se e correu. Ele se abaixou sob a estrutura de escalada, caminhando para trás, em direção à tenda. Onde a mãe de Rashel estava. Ele se moveu muito rápido, muito mais rápido do que qualquer das pessoas na multidão. Mas ele estava enviado à mente de Rashel antes que ele desaparecesse completamente. (Vejo você depois.) Quando ele tinha ido definitivamente o pano caiu, sentindo a mordida do cordão áspero em seu rosto. As pessoas lá embaixo estavam chamando ela, apenas crianças foram atrás dela sussurrando. Nada realmente importava. Ela podia chorar agora, seria bom, mas ela não parecia ter quaisquer lágrimas. A polícia não era boa. Havia dois policiais, um homem e uma mulher. A mulher acreditava em Rashel um pouco. Mas cada vez que seus olhos começavam a acreditar, ela balançava a cabeça e dizia: "Mas o que era que o homem realmente estava fazendo com Timmy? Querida, eu sei que é horrível, mas apenas tente lembrar." O homem não acreditava nem um pouco. Rashel teria trocado os dois pelo Marinheiro do carnaval. Tudo o que tinham encontrado na barraca era sua mãe com o pescoço quebrado. Nada de Timmy. Rashel não tinha certeza, mas pensou que o homem provavelmente o tinha levado. Ela não queria pensar sobre o porquê. Eventualmente, a polícia a levou a sua tia Corinne, que era a única família que lhe restava agora. Tia Corinne estava velha e suas mãos ossudas feriram os braços de Rashel quando ela agarrou-a e chorou. Ela colocou Rashel em um quarto cheio de cheiros estranhos e tentou dar remédio para fazê-la dormir. Era como xarope para a tosse, mas ele fez a sua língua dormente. Rashel esperou até que a tia Corinne tinha ido embora, então cuspiu ele na mão e enxugou-lhe a mão nas folhas, foi até ao pé da cama, onde os cobertores tinham caído dobrados e então ela colocou os braços ao redor dos joelhos e ficou olhando para a escuridão. Ela era
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

9

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

demasiado fraca, demasiado desamparada. Esse era o problema. Ela não ia poder fazer nada contra ele quando ele voltasse. Porque é claro que ele ia voltar. Ela sabia que o homem iria, mesmo se os adultos não acreditassem nela. Ele era um vampiro, assim como na TV. Um monstro bebedor de sangue. E ele sabia que ela o conhecia. Foi por isso que ele tinha prometido vê-la mais tarde. Mais tarde quando a casa da tia Corinne ficou tranqüila, Rashel foi na ponta dos pés para o armário e o abriu. Ela subiu a sapateira e se contorceu a pontapés até que ela estava na prateleira superior da roupa. Ela era estreita, mas larga o suficiente para ela. Isso era uma coisa boa em ser pequena. Ela tinha que usar toda a vantagem que tinha. Com seu dedo do pé, ela deslizou a porta do armário de volta fechada. Então ela empilhou camisolas e outras coisas dobradas da prateleira em cima de si, cobrindo até a cabeça. E, finalmente fechou os olhos. No meio da noite ela cheirou fumaça. Ela desceu da prateleira e viu as chamas no quarto dela. Ela nunca soube exatamente como ela conseguiu passar por elas e sair da casa. A noite toda foi como um longo pesadelo borrado. Porque tia Corinne não saiu. Quando os caminhões de bombeiros vieram com suas sirenes e suas luzes a piscar, já era tarde demais. E mesmo que Rashel soubesse que tinha sido o vampiro que ateou fogo a polícia não acreditaria nela. Eles não entendiam por que ele tinha que matá-la. Pela manhã, eles a levaram para um lar adotivo, que seria o primeiro de muitos. As pessoas ali eram agradáveis, mas Rashel não iria deixá-los abraçá-la ou confortá-la. Ela já sabia o que ela tinha de fazer. Se ela ia sobreviver, tinha de fazer-se dura e forte. Ela não podia se preocupar com ninguém, ou alguém de confiança, ou confiar em ninguém. Ninguém poderia protegê-la. Nem mesmo a mamãe tinha sido capaz de fazer isso. Ela tinha que se proteger. Ela tinha que aprender a lutar.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

10

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 03
Deus, isso fedia. Rashel Jordan tinha visto um monte de tocas de vampiro em seus dezessete anos, mas esta foi provavelmente a mais repugnante. Ela prendeu a respiração quando ela mexeu no ninho de pano esfarrapado com a ponta da bota. Ela podia ler a história desta sobra do lixo tão facilmente como se o morador tivesse escrito uma confissão completa, assinado, e afixado na parede. Um vampiro. Um patife, um pária que vivia à margem tanto do mundo humano como do mundo da Noite. Ele provavelmente muda-se para uma cidade de novo todas as semanas, para evitar ser pego. E ele, sem dúvida, parecia como qualquer outro cara sem-teto, com exceção de que nenhum dos desabrigados humanos estaria rondando em volta de uma doca em Boston em uma noite de terça-feira no início de março. Ele traz suas vítimas aqui, Rashel pensou. O cais é deserto e privado, ele pode tomar o seu tempo com eles. E é claro que ele não conseguia resistir manter alguns troféus. Seu pé mexeu no lixo suavemente. Um casaco de malha rosa e azul bebê, uma faixa da manta de uniforme da escola, um tênis Spiderman. Todos manchados de sangue. Tudo muito pequeno. Houve uma erupção de crianças desaparecidas recentemente. A polícia de Boston nunca iria descobrir pra onde eles tinham ido embora, mas agora Rashel sabia. Ela sentiu os lábios dela recuar ligeiramente sobre os dentes em algo que realmente não era um sorriso. Ela estava consciente de tudo ao seu redor: o suave marulhar das águas contra os cais de madeira, o cheiro espesso de cobre que era quase um gosto, a escuridão de uma noite iluminada apenas por uma meia-lua. Mesmo a umidade da brisa fria contra a sua pele. Ela estava consciente de tudo isso sem se preocupar com nada disso, e quando o pequeno arranhão soou atrás dela, ela se moveu da forma mais tranqüila e graciosa, como se estivesse tendo a sua vez em uma dança. Ela girou sobre seu pé esquerdo, puxando sua espada bokken no mesmo movimento, e sem uma pausa no movimento, ela esfaqueou direto no peito do vampiro. Ela levou o golpe nos quadris, exalando um assobio colocou todas as suas forças por trás dele. "Tem que ser mais rápido que isso", disse ela. O vampiro, espetado como um cachorro quente agitava os braços inarticuladamente. Ele estava vestido com uma roupa suja e seu cabelo era um emaranhado espesso. Seus olhos estavam arregalados, cheios de espanto e ódio, brilhando prata como um animal na luz fraca. Seus dentes não eram dentes tanto como presas: totalmente estendidos, chegaram quase ao queixo. "Eu sei", disse Rashel. "Você realmente, realmente queria me matar. A vida é dura, não é?" O vampiro rosnou mais uma vez e, em seguida, a prata foi para fora deixando apenas o olhar de espanto. Seu corpo enrijeceu e caiu para trás. Ele chão. Fazendo caretas, Rashel puxou a espada de madeira para fora do peito. limpar a lâmina na calças do vampiro, então hesitou, olhando-o mais de perto. definitivamente horrível. E os cobertores eram tão repulsivos. de seus olhos, ficou imóvel no Ela começou a Sim, aquilo era

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

11

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen Oh, bem. Use seus próprios jeans. Não será a primeira vez.

Ela limpou cuidadosamente a bokken. Faltavam dois centímetros e meio de comprimento, graciosamente curva, com uma estreita ponta afiada, angular. Projetada para entrar em um corpo de forma tão eficiente quanto possível, se esse organismo era suscetível à madeira. A espada escorregou para trás em sua bainha com um sussurro. Então Rashel olhou para o corpo novamente. Sr. Vampiro já estava mumificado. Sua pele agora estava amarelada e dura, seus olhos fitando se secaram, os beiços encolhidos, suas presas em colapso. Rashel se agachou sobre ele e mexeu em seu bolso traseiro. Ela puxou o que parecia ser um coçador de bambu que era exatamente o que era. Ela tinha isso há anos. Muito precisamente, Rashel moveu os cinco dedos do coçador para baixo na testa do vampiro. Na pele amarelada apareceram cinco marcas marrons, como as marcas das garras de um gato. A pele de vampiro era fácil de marcar após a morte. "Esta gatinha tem garras", ela murmurou. Era uma frase ritual, que ela repetia desde a noite que ela matou seu primeiro vampiro quando tinha doze anos. Em memória de sua mãe, que sempre a tinha chamado de sua gatinha. Em memória de si mesma quando tinha cinco anos e toda a inocência que ela tinha perdido. Ela nunca seria uma gatinha indefesa novamente. Além disso, era uma brincadeira. Vampiros... morcegos. Ela mesma... uma gata. Qualquer um que tinha crescido assistido Batman e Mulher Gato iria entender. Bem. Tudo feito. Assobiando baixinho, ela rolou o corpo mais e mais com o pé até o final do cais. Ela não se sentiu bem arrastando a múmia todo o caminho para os pântanos, os pântanos salgados, onde os corpos eram tradicionalmente deixados em Boston. Com um pedido de desculpas mentais para todo mundo que estava tentando limpar o porto, deu ao cadáver um empurrão final e ouviu um splash. Ela ainda estava assobiando quando ela saiu do cais para a rua. Oi-ho, ho-oi, é para o trabalho que nós vamos... Ela estava em um humor muito bom. A única decepção constante era que não tinha sido o vampiro, o que ela tinha estado procurando desde que ela tinha cinco anos de idade. Tinha sido um malandro, tudo bem, um monstro depravado que matou as crianças humanas estupidamente perto de habitações humanas. Mas não tinha sido desonesto. Rashel nunca esqueceria seu rosto. E ela sabia que um dia iria vê-lo novamente. Entretanto, não havia nada a fazer, a não ser um churrasco com muitos dos parasitas restantes. Ela percorreu as ruas enquanto andava alerta para qualquer sinal de Pessoas da noite. Tudo o que viu foram prédios de tijolos e candeeiros de ouro brilhando. E isso foi uma vergonha, porque ela estava em excelente forma esta noite, ela podia sentir isso. Ela era o pior inimigo de todos os sanguessugas. Ela poderia estacar seis deles antes do café e ainda estar livre para química no primeiro período. Rashel parou de repente, distraída por uma sombra de um carro da polícia que cruzou silenciosamente pela rua transversal à frente. Eu sei, ela pensou. Eu vou ver o que os Lancers estão fazendo. Se alguém sabe onde estão os vampiros são eles. Ela dirigiu-se para o Norte. Meia hora depois ela estava de pé em frente a um prédio de apartamentos tríplex, tocando a campainha.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

12

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Quem está aí?" Em vez de responder, Rashel disse, "A noite tem mil olhos." "E o dia apenas um", foi a resposta do porteiro. "Ei você aí, menina. Entre." No interior, Rashel subiu uma escada escura e estreita a uma porta de madeira marcada. Havia um olho mágico na porta. Rashel encarou, em seguida, tirou o lenço que ela estava usando. Ele era negro, de seda e gasto. Ela o usava enrolado em volta da cabeça e do rosto como um véu, para que apenas seus olhos aparecerem, e ainda estavam na sombra. Ela sacudiu os cabelos, sabendo que a pessoa do outro lado podia ver. Uma menina alta, vestida como um ninja, toda de preto, com cabelo preto caindo soltos sobre os ombros e olhos verdes em chamas. Ela não havia mudado muito desde que ela tinha cinco anos, exceto na altura. Agora ela fez uma cara de bárbaro no olho mágico e ouviu o som do riso por trás da porta, as trancas foram retiradas. Ela esperou até que a porta se fechou atrás dela novamente antes de dizer: "Oi, Elliot." Elliot era um ano mais velho que ela, e magro, com olhos intensos por trás de óculos brilhantes que estavam sempre escorregando pelo nariz. Algumas pessoas o teriam chamado de geek. Mas Rashel tinha visto uma vez ele enfrentando dois lobisomens, enquanto ela tinha sido uma garota humana em uma janela, e ela sabia que ele tinha praticamente sozinho começado os Lancers uma das organizações mais bem sucedidas de caçadores de vampiros, na costa leste. "Tudo em cima, Rashel? Quanto tempo." "Eu estive ocupada. Mas agora eu estou entediada. Vim ver se vocês tinham alguma coisa acontecendo." Enquanto Rashel falava, ela estava olhando para as outras pessoas na sala. Uma garota de cabelos castanhos estava ajoelhada carregando objetos de uma caixa em uma mochila verde escuro. Outra menina e um menino estavam sentados no sofá. Rashel reconheceu o menino de outras reuniões dos Lancers, mas nenhuma das garotas era familiar. "Sortuda", disse Elliot. "Esta é Vicky, meu novo segundo no comando." Ele acenou para a menina no chão. "Ela acabou de se mudar pra Boston, era o líder de um grupo na costa sul. E esta noite ela fará uma pequena expedição para alguns armazéns em Mission Hill. Nós recebemos uma ligação que tem havido alguma atividade lá". "Que tipo de atividade? Sanguessugas?" Elliot encolheu os ombros. "Vampiros definitivamente. Lobisomens talvez. Houve um boato sobre adolescentes sendo seqüestrados e escondidos em algum lugar próximo de lá. O problema é que não sabemos exatamente onde, nem por que." Ele inclinou a cabeça, seus olhos brilhando. "Você quer ir?" "Não é qualquer um que vai me interrogar?" Vicky disse, endireitando-se de sua mochila. Seus olhos azuis estavam fixos em Rashel. "Eu nunca vi essa garota antes. Ela poderia ser um deles."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

13

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen Elliot ajeitou os óculos no nariz. Ele olhou divertido. "Não diria isso se você soubesse Vicky. Rashel é a melhor." "Em quê?"

"Em tudo. Quando você estava indo para a sua escola de preparação de fantasia, ela estava fora nas favelas de Chicago. Ela tem estado em Nova Iorque, Nova Orleans... e até mesmo Vegas. Ela dizimou mais parasitas do que todos nós juntos.” Elliot olhou maliciosamente Rashel, em seguida, inclinou-se para Vicki. "Já ouviu falar do gato?”, disse ele. A cabeça de Vicki ergueu. Ela olhou para Rashel. "O Gato? O que todas as pessoas da noite têm medo? O que eles estão oferecendo uma recompensa? O que deixa uma marca." Rashel atirou a Elliot um olhar de advertência. "Não faz mal", disse ela. Ela não tinha certeza de que ela confiava nas pessoas novas. Vicky estava certa sobre uma coisa: cuidado nunca é demais. E ela não gostou muito de Vicky, mas ela não podia recusar uma oportunidade tão boa de caçar vampiros. Não esta noite, quando estava em excelente forma. "Eu vou com você, se você quiser", disse a ela. Os olhos azuis pálidos Vicky analisou Rashel por um momento, então ela concordou. "Basta lembrar que eu estou no comando." "Claro", Rashel murmurou. Ela podia ver o sorriso de Elliot pelo canto do olho. "Você conhece o Steve, e esta é Nyala." Elliot indicou o menino e a menina no sofá. Steve tinha cabelo louro, ombros musculosos e uma expressão de equilíbrio; Nyala tinha pele como cacau e um olhar distante em seus olhos, como se estivesse sonâmbula. "Nyala é nova. Ela acaba de perder sua irmã há um mês atrás", Elliot acrescentou em voz suave. Ele não precisava dizer como a irmã tinha sido perdida. Rashel acenou para a menina. Ela simpatizava. Não havia nada como o choque de descobrir o mundo da noite, quando você percebe que as coisas como vampiros, bruxas e lobisomens era real, e que eles estavam por toda parte, juntos em uma gigante organização secreta. Que qualquer um poderia ser um e você nunca saberia até que fosse tarde demais. "Todo mundo pronto? Então vamos lá", disse Vicky. Steve e Nyala se levantaram. Elliot mostrou-lhes à porta. "Boa sorte", disse ele.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

14

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Lá fora, Vicky abriu o caminho para um carro azul escuro com lama endurecida estrategicamente nas placas de licença. "Nós vamos conduzir para a área do armazém", disse ela. Rashel estava aliviada. Ela estava acostumada a andar pelas ruas da cidade durante a noite sem ser vista, é importante quando você estava carregando uma espada indisfarçável, mas ela não tinha certeza de que esses outros três conseguiriam. Requer prática. O grupo ficou em silêncio, exceto pelo murmúrio da voz de Steve ocasionalmente ajudando Vicky com as direções. Eles passaram por bairros respeitáveis e veneráveis áreas com um número considerável de edifícios antigos, até chegarem a uma rua onde tudo mudou de repente. De repente, como se tivessem atravessado alguma linha divisória invisível, as sarjetas estavam cheias de lixo úmido e as cercas foram cobertas com arame farpado. Os edifícios eram projetos governamentais de habitação e armazéns escuros. Vicky entrou em um estacionamento e parou o carro longe das luzes de segurança. Então ela levou através de daninhas mortas da altura do joelho de um terreno baldio de uma rua que era mal iluminada e totalmente silenciosa. "Este é o posto de observação," Vicky sussurrou quando chegou a um prédio de tijolos, uma parte do projeto habitacional que tinha sido abandonado. Na seqüência ela andou em ziguezague através de destroços e sucata para chegar a uma porta lateral e em seguida, eles subiram uma escada escura coberta de grafite para o terceiro andar. Suas lanternas eram a única iluminação. "Lugar legal", Nyala sussurrou, olhando em volta. Ela obviamente, nunca viu nada parecido antes. "Você não acha que, pode haver outras pessoas aqui além de vampiros?" Steve deu um tapinha tranqüilizador. "Não, está tudo bem." "Sim, parece que até mesmo os junkies abandonaram esse lugar", disse Rashel, terrivelmente divertida. "Você pode ver toda a rua da janela", Vicky disse. "Elliot e eu estivemos aqui ontem observando os armazéns do outro lado da rua. E a noite passada, vimos um cara no final da rua, que parecia muito com um vampiro. Você sabe os sinais." Nyala abriu a boca, como se dissesse que não sabia os sinais, mas Rashel já estava falando. "Você quis testá-lo?" "Nós não quisemos chegar tão perto. Vamos fazer isso esta noite, se ele aparecer de novo." "Como você testa-os?" Nyala perguntou. Vicky não respondeu. Ela e Steve tinham expulsado um casal de ratos mastigando os colchões e estavam descarregando as malas e mochilas que tinham trazido. Rashel disse: "Uma maneira é acender uma lanterna em seus olhos. Normalmente você vê
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

15

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

os olhos brilharem como um animal." "Há outras maneiras, também", Vicky disse, organizando as coisas que ela estava descarregando sobre as tábuas nuas do assoalho. Havia máscaras de esqui, facas feitas de metal e madeira, uma série de vários tamanhos, e um malho. Steve acrescentou duas estacas de carvalho branco à pilha. "Madeira machuca-lhes mais do que o metal", Vicky disse para Nyala. "Se você cortá-los com uma faca de aço se curam bem diante dos seus olhos, mas se cortá-los com madeira eles continuam sangrando." Rashel não gostou muito do jeito que ela disse isso. E ela não gostou da última coisa que Vicky estava tirando de sua mochila. Era um dispositivo de madeira que parecia um pouco como uma fotografia em miniatura. Dois blocos de madeira articulada que se encaixava confortavelmente em torno dos pulsos de uma pessoa e fechada com um cadeado. Algemas. "Vampiros", disse Vicky orgulhosa, vendo-a olhar. "Feita de carvalho branco. Feita para prender qualquer parasita. Eu trouxe de lá do sul." "Mas mantê-los para quê? E para o que você precisa de todas essas pequenas facas e estacas? Levaria horas para matar um vampiro com isso." Vicky estava sorrindo ferozmente. "Eu sei". Ah. O coração de Rashel pulou uma batida e em seguida ela desviou o olhar para controlar sua reação. Ela entendeu que Vicky tinha em mente agora. Tortura. "Uma morte rápida é muito bom para eles," Vicky disse, ainda sorrindo. "Eles merecem sofrer do modo que fazem nosso povo sofrer. Além disso, podemos obter algumas informações. Nós precisamos saber onde eles estão mantendo as meninas, e o que eles estão fazendo com elas." "Vicky". Rashel falou seriamente. "É praticamente impossível falar com vampiros. Eles são teimosos. Quando eles estão mal, eles só ficam zangados, como animais.” Vicky sorriu. "Eu fiz alguns falarem. Depende apenas do que você faz, e quanto tempo você faz isso durar. Enfim, não há mal em tentar.” "Será que Elliot sabe sobre isso?" Vicky levantou um ombro defensivamente. "Elliot me deixa fazer as coisas do meu jeito. Eu não tenho que dizer-lhe todos os pequenos detalhes. Eu era o líder de mim mesmo, você sabe." Desamparada Rashel olhou para Nyala e Steve. E viu que pela primeira vez que os olhos de Nyala tinham perdido a sua expressão de sonambulismo. Agora, ela olhou atenta e selvagemente contente.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

16

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Sim", disse ela. "Devemos tentar fazer o vampiro falar. E fazer ele sofrer, assim, a minha irmã sofreu. Quando eu a encontrei, ela estava quase morta, mas ela ainda podia falar. Ela me disse o que ela sentia, depois de ter todo o sangue drenado de seu corpo enquanto ela ainda estava consciente. Ela disse que doeu. Ela disse...". Nyala parou, tragou e olhou para Vicky. "Eu quero ajudar a fazer isso", disse ela com a voz grossa. Steve não disse nada, mas do que Rashel sabia dele era típico. Ele era um cara de poucas palavras. Enfim, ele não protestou. Rashel sentiu-se estranha, como se estivesse vendo o pior de si mesma refletida em um espelho. E isso a... envergonhou. A deixou abalada. Mas quem sou eu para julgar? Ela pensou, virando-se. É verdade que os parasitas são maus, todos eles. Toda a raça deve ser exterminada. Vicky está certa, por que eles deveriam ter uma morte limpa, quando geralmente não dão uma a suas vítimas? Nyala merece vingar a irmã. "A menos que você discorde ou alguma coisa", disse Vicky pesadamente, e Rashel podia sentir aqueles olhos azuis pálidos sobre ela. "A menos que você seja algum tipo de simpatizante dos vampiros." Rashel poderia ter rido disso, mas ela não estava com humor pra rir. Ela respirou fundo e disse sem se virar, "Este é o seu show. Concordei que você estava no comando." "Bom," Vicky disse, e voltou ao seu trabalho. Mas a sensação de mal estar na boca do estômago de Rashel não ia embora. Ela quase esperava que o vampiro não viesse.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

17

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 04
Quinn estava frio. Não fisicamente, claro. Isso era impossível. O ar gelado de março não teve nenhum efeito sobre ele, seu corpo era imune a pequenas coisas como o clima. Não, este frio estava dentro dele. Ele ficou olhando a baía e a cidade próspera. Boston brilhava como as estrelas. Tinha levado muito tempo para voltar a Boston depois... da mudança. Ele viveu lá uma vez, quando ele tinha sido humano. Mas naqueles dias Boston não era nada além de três montes, um farol, e um punhado de casas com telhados de colmo. O lugar onde ele estava agora tinha sido uma limpa praia cercada por uma planície de sal e de floresta densa. O ano foi 1639. Boston tinha crescido desde então, mas Quinn não tinha. Ele ainda tinha dezoito anos, ainda o jovem que amara os pastos ensolarados e o deserto de águas azuis. Quem viveu simplesmente, sentindo-se grato quando havia comida suficiente para o jantar na mesa de sua mãe, e que sonhava um dia ter sua própria escuna de pesca e se casar com a bonita Dove Redfern. Foi assim que tudo tinha começado, com Dove. A linda Dove e seu cabelo castanho suave... doce Dove, que tinha um segredo que o pobre menino Quinn nunca poderia ter imaginado. Bem. Quinn sentiu os lábios frisarem. Isso estava tudo no passado. Dove tinha sido morta há séculos, e seus gritos ainda o perseguia todas as noites, ninguém sabia senão ele mesmo. Porque ele não poderia ser mais velho do que ele tinha sido no dia das colônias, mas ele tinha aprendido alguns truques. Como colocar gelo em volta do seu coração para que nada no mundo pudesse machucá-lo. E como colocar gelo no seu olhar, de modo que quem olhasse em seus olhos negros só veria uma escuridão glacial infinita. Ele era muito bom nisso. Algumas pessoas realmente empalideciam e recuavam quando ele virava os olhos sobre eles. Tinha trabalhado os truques por anos, permitindo-lhe não apenas sobreviver como um vampiro, mas ser brilhante e bem sucedido nisso. Ele era Quinn, cruel como uma serpente, cujo sangue corria como água gelada, cuja voz suave pronunciava a morte de qualquer um que ficasse em seu caminho. Quinn, a essência das trevas, que provocava igualmente o medo nos corações dos seres humanos e nas pessoas da noite. E justamente no momento, ele estava cansado. Cansado e frio. Havia uma espécie de frieza dentro dele, como um branco que nunca iria mudar na Primavera. Ele não tinha idéia do que fazer sobre isso, embora tenha ocorrido a ele saltar para dentro do compartimento e deixar as águas escuras acima de sua cabeça, e depois ficar lá por alguns dias sem alimentação... bem, todos os seus problemas seriam resolvidos, não? Mas isso era ridículo. Ele era Quinn. Nada poderia tocá-lo. A sensação sombria iria embora eventualmente. Retirou-se fora de seu devaneio, afastando-se da escuridão cintilante da baía. Talvez ele devesse ir para o armazém em Mission Hill, verificar os seus habitantes. Ele precisava de algo para fazer, para detê-lo de pensar. Quinn sorriu, sabendo que era um sorriso para assustar as crianças. Ele partiu para Boston. Rashel estava sentada perto da janela, mas não do modo como as pessoas comuns se sentam. Ela estava ajoelhada em uma espécie de agachamento, o peso repousando sobre a
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

18

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

perna esquerda, perna direita flexionada e apontando para frente. Era uma posição que permitia a deslocação rápida e sem restrições em qualquer direção. Sua bokken estava ao lado dela, ela poderia saltar e atacar em um segundo. O prédio abandonado estava tranqüilo. Steve e Vicky estavam fora verificando a rua. Nyala parecia perdida em seus próprios pensamentos. De repente, Nyala, estendeu a mão e tocou a bainha da Bokken. "O que é isto?" "Hm? Oh, é uma espécie de espada japonesa. Usam espadas de madeira para a prática de esgrima em vez de aço porque seria muito perigoso. Mas ela pode realmente ser letal, mesmo para os seres humanos. É ponderada e equilibrada, como uma espada de aço." Ela puxou a espada da bainha e virou a lanterna então Nyala podia ver o pau verde e preto acetinado. Nyala exalou e tocou a graciosa curva levemente. "É lindo." "É feita de pau-santo: A madeira da Vida. Essa é a mais rara e mais pesada de madeira que há, é tão denso como o ferro. Eu a esculpi especialmente para mim." "E você usa para matar os vampiros." "Sim." "E você matou um monte." "Sim." Rashel deslizou de volta a espada na bainha. "Bom", Nyala, disse com uma vibração em sua voz. Ela se virou para olhar a rua. Ela tinha uma cabeça pequena, com o cabelo preso na parte de trás como a coroa de Nefertiti. Quando ela voltou para Rashel, sua voz era calma. "Como você sabe tudo isto, em primeiro lugar, quero dizer, você parece saber muito. Como você aprendeu tudo isso?" Rashel riu. "Pouco a pouco", disse ela por alguns instantes. Ela não gostava de falar sobre isso. "Mas eu comecei a gostar de você. Eu vi um deles matar a minha mãe quando eu tinha cinco anos. Depois disso, eu tentei aprender tudo o que podia sobre vampiros, assim que eu poderia lutar contra eles. E contei a história em cada lar adotivo em que vivi, e finalmente, eu encontrei algumas pessoas que acreditaram em mim. Eles eram caçadores de vampiros. Eles me ensinaram muito.” Nyala parecia envergonhada e enojada. "Eu sou tão estúpida, eu não tenho feito nada parecido. Eu nem teria conhecimento sobre os Lanceiros se Elliot não houvesse me chamado. Ele viu o artigo no jornal sobre minha irmã e supôs que poderia ter sido um vampiro. Mas eu nunca os encontrei por conta próp ria.”

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

19

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Você simplesmente não teve tempo suficiente."

"Não. Eu acho que é preciso um tipo especial de pessoa. Mas agora que sei como combatê-los, eu vou fazer isso." Sua voz era forte e instável, e Rashel olhou para ela rapidamente. Havia algo instável apenas sob a superfície desta menina. "Ninguém sabe que eles mataram minha irmã, então eu acho que eu vou matar o maior número deles que eu puder. Quero..." “Silêncio!" Rashel sibilou a palavra e colocou uma mão sobre a boca de Nyala, no mesmo instante. Nyala congelou. Rashel ficou tensamente sentada, ouvindo, em seguida, levantou-se como um desenrolar de uma mola e colocou a cabeça fora da janela. Ela ouviu outro momento, depois pegou o lenço e vendou o rosto com movimentos praticados. "Agarre a sua máscara de esqui e vamos lá." "O que é isso?" "Você vai realizar o seu desejo, agora. Há uma luta lá em baixo. Fique atrás de mim... E não se esqueça sua máscara." Nyala não precisava perguntar sobre isso, ela notou. Era a primeira coisa que qualquer caçador de vampiros aprendia. Se você fosse reconhecido por um vampiro e ele fugisse... bem, tudo acabou. As pessoas da noite iriam te procurar até encontrar, em seguida, atacar quando você menos esperasse. Com Nyala atrás dela, Rashel correu levemente abaixo das escadas e próximo à rua. Os sons eram provenientes de um poço de escuridão ao lado de um dos armazéns, longe da rua mais próxima. Quando Rashel chegou ao local, ela poderia reconhecer as formas de Steve e Vicky, seus rostos mascarados, os porretes em suas mãos. Eles estavam lutando com uma outra forma. Ah, pelo amor de Deus, Rashel pensou, façam silêncio. Os dois, armados com madeira e numa emboscada, não conseguiam lidar com um vampiro por si mesmos? Devido à algazarra, ela pensou que deviam ter sido surpreendidos por um exército inteiro. Mas este vampiro parecia ser experiente em uma luta, e na verdade ele estava claramente vencendo. Jogando seus atacantes por aí com força sobrenatural, como se fossem seres humanos normais e não como caçadores de vampiros destemidos. Ele parecia estar gostando. "Temos de ajudá-los!" Nyala sussurrou no ouvido Rashel. "Sim", disse Rashel sem alegria. Ela suspirou. "Espere aqui, eu vou bater na cabeça dele." Não foi assim tão fácil. Rashel ficou atrás do vampiro sem problemas, estava preocupada com os outros dois arrogantes o suficiente para serem descuidados. Mas então ela tinha um problema. Sua bokken, a espada de um guerreiro honrado, tinha um propósito: dar um golpe limpo capaz de matar instantaneamente. Ela não poderia fazer-se dar a pancada em alguém inconsciente como ele.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

20

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Não que ela não tinha outras armas. Ela tinha muitas em casa em Marblehead. Todas as ferramentas de um ninja, e algumas que os ninjas nunca tinham ouvido falar. E ela sabia alguns métodos extremamente sujos de luta. Ela poderia quebrar os ossos e esmagar os tendões, ela poderia arrancar a traquéia de um inimigo fora de seu pescoço com suas mãos ou unir suas costelas em seus pulmões com os pés. Mas aquelas eram medidas desesperadas, para serem usadas como um último recurso, quando sua vida estava em jogo e a oposição era esmagadora. Ela simplesmente não podia fazer isso com um único inimigo, quando ela tinha saltado em cima dele. Só que então o único inimigo jogou Steve contra uma parede, onde ele pousou com um abafado poof. Rashel sentiu pena dele, mas ele resolveu seu dilema. Ela pegou o porrete de carvalho que Steve estava segurando quando foi jogado no concreto. Depois, ela circulou agilmente quando o vampiro se virou, tentando encará-la. Naquele instante Nyala atirou-se na luta, criando uma distração e Rashel fez o que ela disse que faria. Ela bateu no vampiro na cabeça, dirigindo o porrete com a força de seus quadris. O vampiro gritou e caiu imóvel. Rashel levantou o porrete, observando-o. Então, ela abaixou, olhando para Steve e Vicky. "Vocês estão bem?" Vicky balançou duramente a cabeça. Ela estava tentando controlar sua respiração. "Ele nos surpreendeu", disse ela. Rashel não respondeu. Ela estava muito infeliz, e seu sentimento de estar em sua melhor forma hoje à noite tinha evaporado completamente. Esta foi a luta mais indigna que tinha visto em muito tempo, e... ... e isso a incomodava, a forma como o vampiro havia gritado quando ele caiu. Ela não conseguia explicar o porquê, mas tinha. Steve levantou-se. "Ele não deveria ter sido capaz de nos surpreender", disse ele. "Isso foi nossa culpa." Rashel olhou para ele. Era verdade. Neste negócio, você estava pronto o tempo todo, esperando o inesperado a qualquer momento, ou você estava morto. "Ele apenas era bom", disse Vicky breve. "Vamos, vamos tirá-lo daqui antes que alguém nos veja. Há uma adega no outro edifício.” Rashel tomou conta dos pés do vampiro, enquanto Steve agarrou seus ombros. Ele não era muito grande, da altura de Rashel e compacto. Ele parecia jovem, da idade de Rashel. O que significava nada, ela lembrou. Um parasita poderia ter mil anos e ainda parecer jovem. Eles ganhavam a vida eterna a partir do sangue de outras pessoas. Ela e Steve carregaram a sua carga descendo as escadas para uma sala grande que cheirava a mofo e podridão úmida. Eles o jogaram no chão de concreto frio e Rashel se ajeitou para aliviar as costas. "Tudo bem. Agora vamos ver como ele é" Vicky disse, e virou a lanterna para ele. O vampiro estava pálido, e seus cabelos negros pareciam ainda mais negro contra a sua pele branca. Seus cílios eram escuros em seu rosto. Um pouco de sangue emaranhava seu cabelo nas costas. "Eu não acho que ele é o mesmo que Elliot e eu vimos na noite passada. Aquele parecia
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

21

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

maior", disse Vicky. Nyala pressionou para frente, olhando para o vampiro no cativeiro. "Que diferença isso faz? Ele é um deles, certo? Nenhum humano poderia ter jogado Steve assim. Ele pode até mesmo ser a pessoa que matou a minha irmã. E ele é nosso agora." Ela sorriu, parecendo quase como alguém apaixonado. "Você é nosso", disse ela para o garoto inconsciente no chão. "Apenas espere." Steve esfregou o ombro onde tinha batido na parede. Tudo o que ele disse foi "Sim", mas seu sorriso não era agradável. "Eu só espero que ele não morra logo", disse Vicky, examinando o rosto pálido criticamente. "Foi muito difícil batê-lo." "Ele não vai morrer", disse Rashel. "Na verdade, ele provavelmente vai acordar em alguns minutos. É melhor esperar que ele não seja um telepata realmente poderoso." Nyala levantou bruscamente. "O que?" "Oh, todos os vampiros são telepáticos", Rashel disse distraidamente. "Mas há uma gama grande de como elas são poderosas. A maioria deles só podem se comunicar através de uma curta distância, como dentro da mesma casa. Mas alguns são muito mais fortes." "Mesmo se ele for forte, não importa a menos que existam outros vampiros por aí", disse Vicky. "Que pode haver, se você e Elliot viram na noite passada." "Bem..." Vicky hesitou, então disse: "Podemos buscar no exterior, certifique-se que ele não tenha amigos escondidos em torno desse armazém." Steve estava acenando e Nyala estava ouvindo atentamente. Rashel começou a dizer que desde o que ela tinha visto, eles não poderiam encontrar um vampiro na clandestinidade para salvar suas vidas, mas depois mudou de idéia. "Boa idéia", disse ela. "Você leva Nyala e faz isso. É melhor ter três pessoas do que dois. Vou amarrá-lo antes que ele acorde. Eu tenho um cabo liberiano.” Vicky olhou rapidamente, mas sua hostilidade parecia ter desvanecido Rashel já tinha batido o vampiro na cabeça. "Ok, mas vamos usar as algemas. Nyala corra para cima e pegue-as." Nyala fez e ela e Vicky fixaram as algemas de madeira nos pulsos do vampiro. Então eles o deixaram com Steve. Rashel sentou no chão. Ela não sabia o que estava fazendo, ou por que ela tinha enviado Nyala pra longe. Tudo que ela sabia era que ela queria ficar sozinha, e que ela se sentia... podre. Não que ela não tinha raiva. Houve momentos em que ela ficou tão zangada com o universo que era realmente como uma vozinha dentro dela sussurrando, Matar, matar, matar. Houve vezes, quando ela quis atacar cegamente, sem importar a quem doer. Mas só agora em silêncio, e Rashel sentiu-se mal. Para manter-se ocupada, ela amarrou seus pés com uma corda
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

22

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

feita a partir da casca de árvores. Era tão bom para o vampiro como as algemas ridículas de Vicky. Quando foi feito, ela virou a lanterna pra ele novamente. Ele era bonito. Características limpas fortemente esculpidas, mas quase delicado. Uma boca que no momento parecia bastante inocente, mas que poderia ser sensual se ele estivesse acordado. Um corpo que era ágil e musculoso, se não for muito alto. Tudo o que não tinha efeito sobre Rashel. Ela tinha visto antes, eram atraentes de fato um número excessivo deles parecia ser realmente muito bonito. Isso não significa nada. Isso só era um contraste com o que eles tinham lá dentro. O homem alto, que tinha matado sua mãe tinha sido bonito. Ela ainda podia ver seu rosto, seus olhos dourados. Parasitas imundos. Escoria do mundo da noite. Eles não eram realmente pessoas. Eles eram monstros. Mas eles ainda podem sentir dor, como qualquer humano. Ele estava ferido quando ela bateu nele. Rashel saltou e começou a andar na adega. Tudo bem. Este vampiro merecia morrer. Todos eles mereciam. Mas isso não significa que ela tinha que esperar Vicky voltar e picar-lhe com paus pontudos. Rashel sabia agora por que ela tinha enviado Nyala pra longe. Assim, ela poderia dar o vampiro uma morte limpa. Talvez ele não merecesse isso, mas ela não conseguia ficar ao redor e ver Vicky matá-lo lentamente. Ela não podia. Ela parou de andar e foi para o garoto inconsciente. A lanterna no chão ainda estava apontando para ele, para que ela pudesse vê-lo claramente. Ele estava vestindo uma camisa preta não levava casaco. Vampiros não precisam de proteção contra o frio. Rashel desabotoou a camisa, expondo seu peito. Embora a ponta em ângulo de sua bokken poderia furar a roupa, era mais fácil dirigi-lo em linha reta na carne do vampiro sem qualquer barreira entre eles. Em pé com um pé em cada lado da cintura do vampiro, ela levantou a pesada espada de madeira. Ela segurou-a com as duas mãos, uma perto da guarda, o outro perto do botão no final do punho. Ela posicionou o final exatamente sobre o coração do vampiro. "Este gatinho tem garras", ela sussurrou mal ciente de que ela estava dizendo isso. Então, ela respirou fundo, os olhos fechados. Ela precisava trabalhar seu foco, porque ela nunca tinha feito nada parecido antes. Os vampiros que ela tinha matado tinham sido geralmente pegos no meio de algum ato desprezível e todos eles tinham lutado no final. Ela nunca matara um que ainda estava deitado. Concentre-se, pensou. Você precisa Zanshin, mente tranqüila, a consciência de tudo sem fixar em nada. Ela sentiu seus pés se tornar parte do concreto frio debaixo deles, seus músculos e ossos tornando-se extensões de terra. Transportando a energia da própria Terra. Suas mãos trouxeram a espada para cima. Ela estava pronta para a matança. Ela abriu os olhos para aperfeiçoar o seu objetivo. E então ela percebeu que o vampiro estava acordado. Seus olhos estavam abertos e ele estava olhando para ela.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

23

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 05
Rashel congelou. Sua espada permaneceu no ar, posicionada sobre o coração do vampiro. "Bem, o que você está esperando?" disse o vampiro. "Vá em frente e faça." Rashel não sabia o que ela estava esperando. O vampiro estava em posição de bloquear sua espada com as algemas de madeira, mas ele não fez tal coisa. Ela poderia dizer pela sua linguagem corporal que ele não iria. Ao contrário, ele apenas ficou ali, olhando para ela com olhos que eram tão escuros e vazios como as profundezas do espaço. Seu cabelo estava desgrenhado na testa e sua boca era uma linha sombria. Ele não parecia com medo. Ele só passou a olhar com aqueles olhos insondáveis. Tudo bem, Rashel pensou. Faça. Até mesmo o sanguessuga está dizendo para você fazer. Faça isso rápido agora. Mas, em vez disso, ela encontrou-se negando e se afastando dele. "Desculpe", disse ela em voz alta. "Eu não recebo ordens de parasitas." Ela manteve sua espada em guarda no caso de ele fazer qualquer movimento súbito. Mas tudo que ele fez foi olhar para baixo para as algemas de madeira, mexeu os punhos em si mesmas, e, em seguida deitou-se. "Eu vejo", disse ele com um sorriso estranho. "Então, é tortura, desta vez, certo? Bem, isso deve ser divertido para você." Estaca ele, veio a vozinha na cabeça de Rashel. Não fale com ele. É perigoso entrar em uma conversa com a sua espécie. Mas ela não poderia reorientar-se. Em um minuto, disse a voz. Primeiro eu tenho que pegar meu próprio controle de volta. Ajoelhou-se em sua posição pronta para a ação e pegou a lanterna, iluminando o rosto. Ele piscou e olhou pra longe. Lá. Agora ela podia vê-lo, mas ele não podia vê-la. Os olhos de vampiros são hipersensíveis à luz. E mesmo se ele conseguisse ter uma idéia dela, ela estava vestindo o lenço. Ela tinha todas as vantagens e isso fez ela se sentir mais no comando da situação. "Por que você acha que nós queremos torturá-lo?" disse ela. Ele sorriu para o teto, tentando não olhar para ela. "Porque eu ainda estou vivo." Ele levantou as algemas. "E isso não é tradicional? Vampiros a poucos metros da costa sul apareceram mutilados com ações como essas. Parecia ter sido feito para se divertir." Sorriu. O trabalho de Vicky, Rashel pensou. Ela desejou que ele parasse de sorrir. Era um sorriso tão inquietante, bonito e um pouco louco. "A menos que", o vampiro estava se movendo, "seja informação o que você quer." Rashel bufou. "Eu poderia ser susceptível de obter informações sobre você, se eu quisesse isso?"
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

24

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Bem." Sorriu. "Não é provável." "Eu não penso assim", Rashel disse secamente. Ele riu alto. Oh, Deus, Rashel pensou. Estaque ele. Ela não sabia o que estava errado com ela. Ok, ele era encantador, de uma maneira estranha. Mas ela tinha conhecido outros vampiros encantadores e suaves, bajuladores que tentaram falar doce ou persuadir a sua saída do jogo. Alguns tinham tentado seduzi-la. Quase todos tinham tentado o controle da mente. Foi só porque Rashel tinha a vontade de resistir à telepatia que ela estava viva hoje. Mas este vampiro não estava fazendo nenhuma das coisas comuns, e quando ele riu, ele fez o coração de Rashel bater estranhamente. Seu rosto todo mudou quando ele riu. Uma espécie de luz brilhou. Menina, você está em apuros. Mate-o rápido. "Olha", disse ela, e ela se surpreendeu ao encontrar sua voz um pouco trêmula. "Isto não é pessoal. E você provavelmente não me importa, mas eu não sou a única que iria torturá-lo. Isto é negócio, e é o que eu tenho que fazer." Ela respirou fundo e pegou a espada de seu joelho. Ele virou o rosto para a luz. Ele não estava sorrindo agora e não havia nenhuma diversão em sua voz, quando disse: "Eu entendo. Você tem... Honra." Olhando para trás, o teto, ele acrescentou: "E você está certa, essa é a maneira que sempre tem que terminar quando as duas raças se encontram. É matar ou ser morto. A lei da natureza." Ele estava falando com ela como um guerreiro para outro. Rashel de repente sentiu algo que nunca sentira por um vampiro antes. Respeito. Um desejo estranho que eles não estivessem em lados opostos nesta guerra. Apesar de que nunca poderiam ser qualquer coisa além de inimigos mortais. Ele é alguém que eu podia falar, ela pensou. Uma solidão estranha tomou conta dela. Ela não tinha percebido que ela se importava de ter alguém para conversar. Ela se viu dizendo desajeitadamente, "Se você quiser eu posso notificar alguém depois? Quero dizer, você tem família? Eu poderia fazer a notícia se espalhar, então eles saberiam o que aconteceu com você." Ela não esperava que ele realmente lhe desse qualquer nome. Isso seria loucura. Neste jogo o conhecimento era poder, com cada lado tentando descobrir como os jogadores do outro lado estavam. Se você pode identificar alguém como um vampiro ou um caçador de vampiros você sabia quem matar. Era Batman e Mulher Gato. O importante era preservar a sua identidade secreta. Mas este vampiro era obviamente um lunático, disse pensativamente: "Bem, você poderia enviar uma nota para meu pai adotivo. Ele é Hunter Redfern. Desculpe-me não posso te dar um endereço, mas ele deve estar em algum lugar no leste." Outro sorriso. "Eu me esqueci de te dizer o meu nome. É Quinn.” Rashel sentiu como se tivesse sido atingida com um porrete de carvalho. Quinn. Um dos vampiros mais perigosos em todo o mundo da noite. Talvez o mais perigoso dos vampiros que
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

25

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

existia, aquele que tinham começado como humano. Ela sabia-o pela reputação de cada caçador de vampiros. Era suposto ser um lutador mortal e um estrategista brilhante, inteligente, engenhoso... e frio como gelo. Ele desprezava os seres humanos. Ele queria que o mundo da noite os eliminasse, com exceção de alguns a serem utilizados para a alimentação. Eu estava errada, Rashel pensou. Eu deveria ter deixado Vicky torturá-lo. Tenho certeza que ele merece o que qualquer um deles fizer. Só Deus sabe o que ele fez em seu tempo. Quinn tinha virado a cabeça em direção a ela novamente, olhando diretamente para a lanterna mesmo devendo ferir os olhos. "Então você vê, é melhor você me matar rápido", disse ele em uma voz suave como a neve caindo. "Porque isso é certamente o que vou fazer com você se eu ficar solto." Rashel deu uma risada tensa. "Eu deveria ter medo?" "Só se você tiver um cérebro para saber quem eu sou." Agora, ele parecia cansado e desprezo. "O que obviamente você não tem." "Bem, deixe-me ver. Acho que me lembro alguma coisa sobre o Redferns... Não é a família que controla a parte vampiro do Conselho do Mundo da noite? A família mais importante de onde todos os Lâmia nasceram. Descendentes diretos de Maya, a primeira vampira lendária. Hunter Redfern é seu líder, o defensor da lei do Mundo da Noite, o que colonizou a América com os vampiros por volta de 160 anos. Diga-me se estou errada.” Ele deu-lhe um olhar frio. "Você vê, nós temos as nossas fontes. E parece-me lembrar-lhes que citam o seu nome, também. Você foi feito um vampiro por Hunter... E uma vez que seus filhos eram todas filhas, você também é seu herdeiro." Quinn riu amargamente. "Sim, bem, isso é uma coisa nova. Pode-se dizer que tenho um amor e ódio pelos Redferns. Gastamos a maior parte do tempo desejando uns aos outros no fundo do Atlântico." "Brigas de família de vampiros", Rashel disse. "Por que é sempre tão difícil ficar junto com seus pais?" Apesar de suas palavras de luz, ela teve que manter o foco para controlar sua respiração. Não era medo. Ela realmente não estava com medo dele. Era algo como confusão. Claramente, ela devia matá-lo, neste momento, em vez de bater papo com ele. Ela não conseguia entender por que ela não estava fazendo isso. A única desculpa que ela tinha era que parecia torná-lo ainda mais confuso e com raiva do que ele a fez. "Eu não acho que você já ouviu falar bastante sobre mim", disse ele, mostrando os dentes. "Eu sou seu pior pesadelo, humano. Eu mesmo choco outros vampiros. Como o velho Hunter... ele tem algumas idéias sobre o decoro. Como você matar e a quem. Se ele souber de algumas das coisas que eu faço, ele ia cair morto. " O bom e velho Hunter, Rashel pensou. O patriarca de moral rígida do clã Redfern, ainda vivendo no século XVII. Ele pode ser um vampiro, mas ele era definitivamente um da Nova Inglaterra.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

26

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Talvez eu devesse encontrar uma maneira de dizer a ele", disse ela caprichosamente. Quinn deu-lhe outro olhar frio, desta vez temperado com respeito. "Se eu achasse que você pudesse encontrá-lo, eu me preocuparia." Rashel foi subitamente atingida por algo. "Você sabe, eu acho que eu nunca ouvi ninguém dizer seu primeiro nome. Quer dizer, eu presumo que você tenha um." Ele piscou. Então, como se ele fosse surpreendido, ele disse, "John". "John Quinn. John." "Eu não aconselharia me chamar assim." "Tudo bem, o que quer." Ela disse distraidamente, no fundo do pensamento. John Quinn. Um nome tão normal, um nome de Boston. O nome de uma pessoa real. Isso fez pensar nele como uma pessoa, em vez de Quinn o terrível. "Olha", disse Rashel, e então ela perguntou-lhe algo que ela nunca perguntou a uma pessoa da noite anterior. Ela disse: "Você quis que Hunter Redfern o tornasse um vampiro?" Houve uma longa pausa. Em seguida, Quinn disse, "Por uma questão de fato, eu queria matá-lo por isso." "Eu vejo". Eu quero fazer o mesmo, Rashel pensou. Ela não quis fazer mais perguntas, mas ela encontrou-se, dizendo: "Então por que ele fez isso? Quero dizer, por que escolher você?" Outra pausa. Apenas quando ela tinha certeza que ele não iria responder, ele disse: "Eu estava, eu queria casar com uma de suas filhas. Seu nome era Dove." "Você queria se casar com um vampiro?" "Eu não sabia que ela era um vampiro!" Desta vez, a voz de Quinn foi rápida e impaciente. "Hunter Redfern morou em Charlestown. Algumas pessoas disseram que sua esposa tinha sido uma bruxa, mas naquela época as pessoas diziam isso se você sorrisse na igreja." "Então, ele apenas viveu lá e ninguém sabia", disse Rashel. "A maioria das pessoas o aceitava." Um leve sorriso zombeteiro curvo os lábios de Quinn. "Meu pai aceitou e ele era o ministro." Apesar do mesmo, Rashel estava fascinada. "E você tinha que ser um vampiro para se casar com ela? Dove quero dizer." "Eu não cheguei a casar com ela", disse Quinn sem emoção. Ele parecia tão surpreso quanto ela, que ele estivesse dizendo essas coisas. Mas ele continuou, parecendo quase falar para si mesmo.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

27

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Hunter queria me casar com uma de suas outras filhas. Eu disse que preferia se casar com um porco. Garnet que é a mais velha era tão interessante como um pedaço de madeira. E Lily, a do meio era mal. Eu poderia ver que em seus olhos. Eu só queria Dove." "E você disse isso a ele?" "Claro. Ele concordou, e então finalmente ele me contou o segredo de sua família. Bem." Quinn riu amargamente. "Ele não me disse na verdade. Foi mais uma demonstração. Quando acordei, eu estava morto e um vampiro. Foi uma experiência forte." Rashel abriu a boca e depois fechou novamente, tentando imaginar o horror. Finalmente, ela apenas disse: "Eu aposto." Sentaram-se por um momento em silêncio. Rashel nunca me sentiu tão... perto de um vampiro. Ao invés de repulsa e ódio, sentia pena. "Mas o que aconteceu com Dove?" Quinn parecia tenso. "Ela morreu", disse ele porcamente. Ficou claro que as suas confidências foram entregues. "Como?" "Não é da sua conta!" Rashel inclinou a cabeça e olhou para ele com sobriedade. "Como, John Quinn? Você sabe, há algumas coisas que você realmente deveria dizer às outras pessoas. Pode ajudar." "Eu não preciso de um maldito psicanalista”, ele cuspiu. Ele ficou furioso agora, e havia uma luz escura nos olhos dele que deveria ter assustado Rashel. Ele parecia tão selvagem como ela se sentia, por vezes, quando ela não se importava com a quem doer.Ela não estava assustada. Ela estava estranhamente calma, o tipo de calma que sentia quando seus exercícios de respiração faziam sentir-se uma com a terra e absolutamente certa de seu caminho. "Olha Quinn." "Eu realmente acho que é melhor você me matar agora", disse ele com firmeza. "A menos que você seja muito estúpida ou muito assustada. Esta madeira não me conterá para sempre, você sabe. E quando eu sair vou usar essa espada em você." Assustada, Rashel olhou para as algemas de Vicky. Elas estavam dobradas. Não era o carvalho é claro, eram as dobradiças de metal que foram deixadas de lado. Logo ele teria espaço suficiente para escorregar-las fora. Ele era muito forte, mesmo para um vampiro. E então, com a mesma calma estranha, ela percebeu o que ela estava indo fazer. "Sim, isso é uma boa idéia", disse ela. "Dobre-as. Posso dizer que é assim que você saiu." "O que você está falando?"
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

28

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Rashel levantou-se e procurou por uma faca de aço para cortar as cordas em seus pés. "Eu estou deixando você ir, John Quinn” disse ela. Ele fez uma pausa na sua deslocação das algemas. "Você está louca", disse ele, como se tivesse acabado de descobrir isso. "Você pode estar certo." Rashel encontrou a faca e cortou as cordas através das liberianas. Ele deu as algemas uma torção. "Se", disse ele, deliberadamente, "você acha que porque eu era uma vez humano, tenho alguma pena deles, você está muito, muito errada. Eu odeio os seres humanos mais do que eu odeio o Redferns." "Por quê?" Ele mostrou os dentes. "Não, obrigado. Eu não tenho que explicar nada para você. Apenas tome minha palavra nisso." Ela acreditou nele. Ele parecia zangado e tão perigoso como um animal numa armadilha. "Tudo bem", disse ela, recuando e colocando a mão no punho da sua bokken. "Tome seu melhor tiro. Mas lembre-se, eu bati em você uma vez. Eu fui a única que bateu." Ele piscou. Então, ele balançou a cabeça em descrença. "Foi um pouco idiota", disse ele. "Eu não estava prestando atenção. Pensei que fosse mais um daqueles idiotas caindo sobre seus próprios pés. E eu não estava mesmo combatendo a sério." Sentou-se em um movimento fluido que mostrou a força que tinha, e o controle de seu próprio corpo. "Você não tem uma chance", disse ele baixinho, virando os olhos escuros sobre ela. Agora que ele não estava olhando para a lanterna, suas pupilas estavam enormes. "Você já está morta." Rashel tinha uma sensação de que estava dizendo a mesma coisa. "Eu sou mais rápido do que qualquer ser humano", a voz suave prosseguiu. "Eu sou mais forte que qualquer ser humano. Eu posso ver melhor no escuro. E eu estou muito, muito irritado." Pânico explodiu dentro Rashel. De repente, ela acreditou nele com certeza. Ela não conseguia chegar à respiração dela e abriu um vazio em seu estômago. Ela perdeu qualquer vestígio de sua calma anterior. Ele está certo, você é uma idiota, disse-se descontroladamente. Você teve todas as chances de pará-lo e você estragou tudo. E por quê? Porque você estava triste por ele?

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

29

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen Sentindo por um monstro demente que vai rasgá-la membro a membro agora?

Alguém tão estúpido como você merece isso. Ela sentia como se estivesse em queda, incapaz de se apossar de nada... E, de repente ela parecia pegar alguma coisa. Algo que ela se agarrava desesperadamente, tentando resistir ao medo de que queria tomá-la na escuridão. Você não poderia ter feito qualquer outra coisa. Foi a voz em sua mente, sendo útil outra vez. E, estranhamente Rashel sabia que era verdade. Ela não poderia ter matado ele quando estava amarrado e impotente, não sem se tornar um monstro sozinha. E depois de ouvir sua história, ela não poderia ter ignorado a pena que sentia. Provavelmente, vou morrer agora, pensou. E eu ainda estou com medo. Mas eu faria tudo de novo. Ele estava certo. "Que vergonha cortar sua garganta", disse ele. Quinn deu um puxão final na chave de algemas, e as dobradiças de metal gritaram. Em seguida caiu ruidosamente sobre o concreto e ele levantou-se livremente. Rashel não podia mais ver seu rosto, ele estava acima do alcance da lanterna. "Bem", ele disse calmamente. Rashel sussurrou: "Bem". Eles ficaram frente a frente. Rashel estava esperando movimentos involuntários minúsculos do corpo que iria dar a ela a direção da estocada. Mas ele era melhor do que qualquer inimigo que já tinha visto. Ele manteve a tensão dentro, pronto para explodir somente quando ele atacasse. Seu controle pareceu ser completo. Ele tem Zanshin, pensou. "Você é muito bom", disse ela baixinho. "Obrigado. Então, você também." "Obrigada." "Mas isso não vai importar no final." Rashel começou a dizer: "Vamos ver", e ele rosnou. Ela teve um instante de advertência. Um movimento quase imperceptível de sua perna lhe disse que estava indo para a sua direita, sua esquerda. Seu corpo reagiu em sua direção, movendo-se suavemente... e ela não sabia até que ela estava fazendo aquilo que ela não estava usando a espada. Ela tinha um passo à frente, dentro de seu ataque, e desviou-o com palma, atingindo a parte interna do braço com o braço esquerdo. Batendo os nervos para tentar paralisar o membro. Mas não cortou ele. Ela percebeu com uma sensação vertiginosa de horror que ela não queria usar a espada nele. "Você vai morrer, idiota", disse ela, e por um instante que ela não tinha certeza se era ele dizendo isso ou a voz em sua cabeça. Ela tentou afastá-lo. Tudo o que ela conseguia pensar era que ela precisava de tempo, para tomar seus reflexos de sobrevivência de volta. Ela empurrou-o e, em seguida sua mão tocou a dele e aconteceu algo que estava completamente fora de sua experiência.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

30

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 06
O que sentiu foi como um choque tremendo, que começou na palma da mão e correu até seu braço, como a eletricidade. Deixando um formigamento pelo caminho. Mas o verdadeiro choque estava na sua cabeça. Sua mente explodiu. Essa era a única maneira de descrevê-lo. A explosão silenciosa de calor quebrou completamente. De repente, Rashel não poderia suportar seu próprio peso mais. Ela podia sentir os braços de Quinn apoiando ela. Ela não tinha noção do espaço ao seu redor. Ela estava flutuando em uma luz branca e a única coisa sólida para se agarrar era Quinn. Era algo como o terror que ela tinha sentido antes... mas não foi só o terror. Inacreditavelmente, o que sentia era mais parecido com júbilo selvagem. Ela percebeu que Quinn estava segurando ela com tanta força que doía. Mas, mais forte do que a sensação de seus braços era a sensação que tinha de sua mente. Um canal direto parecia ter se aberto entre eles. Ela podia sentir seu espanto, o choque, e seu deslumbramento. E ela sabia que ele podia sentir o dela. É telepatia, alguma parte distante de si mesma, disse, tentando desesperadamente conseguir o controle novamente. É algum novo truque de vampiro. Mas ela sabia que não era um truque. Quinn foi tão surpreendido como ela, ela podia sentir isso. Talvez pra ele fosse ainda pior. Ele tinha a respiração rápida e superficial e um tremor parecia ter tomado o seu corpo. Rashel pensou coisas malucas. Ela queria confortá-lo. Ela podia sentir, provavelmente melhor do que ele próprio, como assustadoramente vulnerável ele estava sob o exterior congelado. Como eu supus, Rashel pensou vertiginosamente. E então de repente ela percebeu que ele estava sentindo sua vulnerabilidade tal como ela sentia a dele. Medo brotou tão drasticamente que ela entrou em pânico. Ela tentou encontrar uma maneira de expulsá-lo, de resistir da forma como ela resistiu ao controle da mente, mas ela sabia que era inútil. Ele já tinha passado a guarda. Ele estava dentro. "Está tudo bem", disse Quinn, e ela percebeu que ele tinha parado de tremer. Sua voz era quase desapaixonada e ao mesmo tempo loucamente suave. Rashel tinha a sensação de que ele decidiu já que não podia lutar contra essa coisa, ele poderia muito bem ser tão insano quanto possível. O mais estranho de tudo, ela descobriu que suas palavras eram tranqüilizadoras. E não havia gelo sob o fogo que parecia encerrar-lo. Ela podia sentir isso agora, e ela teve a sensação vertiginosa que ela foi a primeira a descobrir isso. Eles tinham caído no chão de algum modo, e apenas estavam sentados na beira da luz. Quinn estava segurando-a pelos ombros, e Rashel foi surpreendida por sua própria resposta ao aperto clínico. Parou a respiração dela, segurou-a absolutamente imóvel. Então, assim com cada movimento deliberado, Quinn encontrou o final de seu lenço e começou a desenrolar-lo. Ele ainda estava cheio de mansidão louca da calma lunática. E ela não estava parando ele. Ele iria expor seu rosto, e ela não estava fazendo nada sobre isso. Ele a queria. Apesar de seu terror, ele queria vê-la, para saber quem ela era. Ela queria estar cara a cara com ele na luz estranha que tinha envolvido suas mentes. Não pareceu importar o que aconteceu depois. Ela disse "Jonh". Ele desenrolou outro comprimento do cachecol, preocupado e atento, como se ele estivesse fazendo alguma descoberta arqueológica.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

31

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Você não me disse seu nome." Foi uma declaração. Ele não a pressionou. Ela poderia muito bem escrevê-lo em uma sentença de morte e entregá-lo a ele. Quinn poderia revelar-se a seres humanos, mas em seguida Quinn poderia desaparecer completamente se quisesse em algum enclave vampiro escondido onde nenhum humano poderia achá-lo. Rashel não podia. Ele sabia que ela era uma caçadora de vampiros. Se ele soubesse seu nome e seu rosto, ele teria todo o poder para destruí-la. E a coisa mais assustadora de tudo era que alguma parte dela não se importava. Ele foi até a última volta do cachecol. Em um momento o rosto seria exposto ao ar... e para os olhos do vampiro que podia ver na escuridão. Sou Rashel, Rashel pensou. Ela não conseguia articular a palavra em seus lábios. Ela tomou uma respiração profunda. E no mesmo instante uma luz brilhou nos seus olhos. Não a luz fantasmagórica de sua mente. Verdadeira luz, as vigas de várias lanternas de alta potência, dura e brilhando horrivelmente. Elas cortaram o porão escuro e jogou Rashel e Quinn na iluminação forte. Rashel engasgou. Uma mão instintivamente voou para o seu cachecol para mantê-lo em seu rosto. Ela se sentiu como se tivesse sido apanhada nua. E ela ficou horrorizada ao perceber que ela não tinha ouvido alguém entrar no porão. Ela tinha sido completamente absorvida, alheia ao seu redor. O que havia acontecido com toda a formação dela? O que estava errado com ela? Ela não conseguia ver nada além da luz. Seu primeiro pensamento foi que era um vampiro chamado por Quinn vindo salvá-lo. Ele parecia estar a pensar que poderia ser também, pelo menos ele estava de pé, ombro a ombro com ela, ainda tentando empurrá-la um pouco para trás. Com uma pontada estranha, Rashel percebeu que ela só poderia adivinhar o que ele estava pensando agora. A ligação entre eles havia sido cortada de forma limpa. Então veio uma voz de além do brilho terrível, uma voz aguda cheia de indignação. "Como ele ficou solto? O que vocês dois estão fazendo?" Vicky. Eu estou ficando louca, Rashel pensou. Eu esqueci completamente sobre ela e os outros. Não, eu esqueci a sua existência. Mas havia mais de três lanternas nas escadas. "O grandão enviou-nos algum apoio", Vicky estava dizendo, e Rashel sentiu uma onda de medo. Ela contou cinco lanternas, e nas bordas das vigas ela pegou os números de um casal de rapazes. Lanceiros. Rashel tentou desesperadamente reunir o seu juízo. Ela sabia o que tinha de ser feito, pelo menos. Ela cutucou Quinn com seu ombro e sussurrou: "Dá o fora daqui. Deve haver outra escada do outro lado da sala. Quando você correr para lá, eu vou entrar no caminho." Ela armou a sua voz tão baixa que só ouvidos vampiro poderiam ouvi-la. A boa coisa sobre ter o rosto velado era que ninguém podia ler os lábios. Mas Quinn não estava indo. Ele olhou como se tivesse acabado de ser acordado com um balde de água gelada. Chocado, irritado, e ainda um pouco tonto. Ele ficou onde estava, olhando para todas as lanternas, como um animal acuado. As luzes estavam avançando. Rashel poderia reconhecer figura de Vicky agora na frente. Ia ser uma luta, e as pessoas seriam mortas. A voz de Steve disse, "O que ele fez para você?" "O que ela está fazendo com ele, essa é a questão," Vicky retrucou. Então ela disse claramente: "Lembre-se todos, queremos ele vivo."
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

32

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Rashel deu mais um empurrão em Quinn. "Vai". Quando ele apenas olhou, ela sussurrou: "Você não percebe o que eles querem fazer com você?" Quinn voltou a olhar os outros avançando, não podia ver seu rosto. Ele rosnou, "Eles não estão exatamente muito felizes com o que você quer." "Eu posso cuidar de mim." Rashel tremia de frustração. "Basta deixar. Vá!" Quinn parecia tão zangado com ela, como com os caçadores. Ele não queria a ajuda dela, ela percebeu. Ele não estava acostumado a tomar nada de ninguém, e ser forçado a fazê-lo, o fez furioso. Mas não havia outra escolha. E Quinn finalmente pareceu reconhecer isso. Com um brilho, ele foi para a escuridão no outro lado da adega. As lanternas oscilaram em confusão. Rashel, feliz por ser capaz de se mover, surgiu entre os caçadores de vampiros na escada. E então havia um monte de confusão, com pessoas correndo para todos os lados, xingando e gritando. Rashel apreciou a chance de trabalhar sua frustração. Ela ficou no caminho de todos, tempo suficiente para que um vampiro muito rápido desaparecesse. Depois quando era apenas ela e os caçadores de vampiros. Cinco lanternas sobre ela e sete pessoas espantadas e irritadas olhando. Rashel levantou-se e afastou-se. Hora de enfrentar as conseqüências. Ela estava de pé, cabeça erguida, olhando para todos eles. "O que aconteceu?" Steve disse. "Será que ele hipnotizou você?" O bom e velho Steve. Rashel sentiu uma onda de calor na direção dele. Mas ela não poderia usar o que ele lhe oferecia. Ela disse: "Eu não sei o que aconteceu." E isso era verdade. Ela não podia nem começar a explicar o que havia acontecido entre ela e o vampiro. Ela nunca tinha ouvido falar de nada parecido. "Acho que você o deixou escapar de propósito", disse Vicky. Rashel não podia ver os pálidos olhos azuis de Vicky, mas ela percebeu que eles eram tão duros como bolas de gude. "Acho que você planejou desde o início, é por isso que nos disse para ir até a rua." "Isso é verdade?" Uma das lanternas oscilou para baixo e de repente Nyala estava na frente de Rashel, o corpo tenso, a voz quase suplicante. Seus olhos estavam fixos em Rashel, pedindo a Rashel para dizer que não era assim. "Você fez isso de propósito?" Tudo de uma vez Rashel sentiu-se muito cansada. Nyala era frágil e instável, e em sua própria mente tinha feito de Rashel em um herói. Agora a imagem estava sendo quebrada. Pelo bem de Nyala, Rashel quase desejava que ela pudesse mentir. Mas isso seria pior no final. Ela disse inexpressiva. "Sim. Fiz isso de propósito.” Nyala recuou como se Rashel a tivesse esbofeteado. Eu não culpo você, Rashel pensou. Acho que isso é loucura, também. A verdade é que quanto mais longe da presença de Quinn, menos ela podia entender o que ela tinha feito. Ele estava começando a parecer um sonho, e não um sonho muito claro. "Mas por quê?" um dos meninos Lancer na parte de trás perguntou.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

33

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Os Lanceiros, Rashel sabia, conheciam sua reputação. Eles não querem pensar o pior dela. Como Nyala, queriam desesperadamente uma desculpa. "Eu não sei por que", Rashel disse, desviando o olhar. "Mas ele não estava controlando minha mente." Nyala explodiu. "Eu odeio você", ela explodiu. Ela estava tremendo de raiva, cuspindo frases em Rashel como dardos envenenados. "Esse vampiro poderia ter sido aquele que matou a minha irmã. Ou ele poderia saber quem fez isso. Eu ia lhe perguntar isso, mas agora eu nunca terei a chance. Por causa de você. Você o deixou ir. Nós o tínhamos e você o deixou ir!" "É mais do que isso," Vicky colocou em sua voz fria e desdenhosa. "Nós iríamos perguntar a ele sobre os adolescentes sendo seqüestrados. Agora não podemos. Então, ele vai continuar fazendo isso e tudo vai ser sua culpa." E eles estavam certos. Mesmo Nyala estava certa. Como Rashel saberia que Quinn não tinha matado a irmã de Nyala? "Você é uma amante de vampiro," Vicky estava dizendo. "Eu poderia dizer desde o início. Eu não sei talvez você seja um desses malditos Daybreakers que quer que todos se dêem bem, mas você não está do nosso lado." A par dos Lanceiros começaram a protestar contra isso, mas a voz de Nyala cortou através deles. "Ela está do seu lado?" Ela olhou de Rashel para Vicky, seu corpo rígido. "É só esperar. Basta esperar até que eu diga às pessoas que Rashel é o gato, e que ela está realmente do lado do mundo da noite. É só esperar." Ela está histérica, Rashel concluiu. Mesmo Vicky estava surpresa com isso, como se ela estivesse apreensiva com o que ela tinha começado. "Nyala ouça..." Rashel começou. Mas Nyala parecia ter chegado a um pico de fúria em que nada de fora poderia tocá-la. "Eu vou dizer pra todo mundo, em Boston! Você vai ver!" Ela deu meia-volta e mergulhou em direção à escada como se estivesse indo começar a fazer isso agora. Rashel olhou atrás dela. Então ela disse a Vicky. "É melhor você enviar um par de caras para pegar até ela. Não é seguro por si só neste bairro." Vicky deu-lhe um olhar que estava meio irritada e meio abalada. "Sim. É razoável. Steve vá atrás dela. Vocês levem-na para casa." Eles saíram, não sem olhar um pouco para trás para Rashel. "Nós vamos levá-la de volta", disse Vicky. A voz dela não estava quente, mas não era tão hostil como tinha sido. "Eu vou a pé para o meu próprio carro", disse Rashel categoricamente.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

34

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Ótimo." Vicky hesitou, então exclamou: "Ela provavelmente não vai fazer o que ela disse. Ela está apenas zangada." Rashel não disse nada. Nyala soava e parecia, como se ela queria fazer exatamente o que ela disse. E se ela fizer... Bem, seria uma questão interessante quanto a quem iria matar Rashel primeiro, os vampiros ou caçadores de vampiros. Quarta de manhã amanheceu com céu cinzento e a chuva gelada. Rashel marchou de uma classe para outra, perdida em pensamentos. Em casa sua mais recente família de acolhimento, deixou-a sozinha, estavam acostumados a ela a sua própria maneira. Ela se sentou em seu pequeno quarto na casa com as luzes apagadas pensando. Ela ainda não conseguia entender o que havia acontecido com ela, mas a cada hora a memória foi desaparecendo progressivamente. Foi estranho demais para caber na realidade da vida, e tornou-se mais e mais como um sonho. Um desses sonhos em que você faz coisas que nunca faria ordinariamente, e têm vergonha de quando você acorda pela manhã. O que era todo aquele calor e proximidade que ela tinha sentido, por um vampiro? Ela tinha estado animada por tocar um parasita? Ela queria o conforto de um sanguessuga? E não apenas qualquer sanguessuga, tampouco. Quinn o infame. O inimigo lendário da raça humana. Como ela poderia tê-lo deixado ir? Quantas pessoas sofreram por causa de seu lapso de sanidade? Quem sabe, ela decidiu finalmente, talvez tivesse sido algum tipo de controle da mente. Ela certamente não poderia achar qualquer sentido de outra forma. Na quinta-feira, pelo menos, uma coisa ficou clara em sua mente. Vicky tinha razão sobre as conseqüências do que ela tinha feito. Rashel não tinha pensado nisso na época, mas agora ela tinha de enfrentá-lo. Ela tinha que fazer isso direito. Ela tinha de encontrar as meninas raptadas por conta própria, se as meninas estavam sendo seqüestradas. Não havia nada sobre o desaparecimento de adolescentes no Globo. Mas se isso estava acontecendo, Rashel tinha que saber e parar com isso... se pudesse. Certo. Assim que ela voltar da Missão de hoje à noite começaria a investigar. Verificar a área do armazém novamente, desta vez, a sua maneira. Havia outra coisa que ficou claro para ela, que se tornou óbvio assim que ela teve suas prioridades. Algo que tinha de fazer, não para Nyala, ou para Vicky, ou para os Lanceiros, mas apenas para si mesma. Por sua própria honra, e para todos que vivem no mundo da luz solar. A próxima vez que ela visse Quinn, ela teria que matá-lo. Rashel moveu-se ao longo da rua deserta, mantendo-se nas sombras, movendo-se silenciosamente. Não é fácil quando o chão estava molhado e coberto de vidro quebrado. Não em calçadas, sem grama, sem vida vegetal de qualquer natureza, exceto as ervas daninhas mortas nos lotes abandonados. Apenas o lixo úmido e garrafas quebradas.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

35

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Um lugar sombrio. Combinava com o humor de Rashel quando ela fez seu caminho furtivamente para o projeto de construção abandonada onde Vicky a tinha trazido na terça à noite. Desde a sua porta da frente, ela examinou o resto da rua. Lotes de armazéns. Vários deles foram protegidos com cercas de alta tensão ligados com arame farpado. Todos eles tinham janelas gradeadas ou sem janelas e portas de metal. As precauções de segurança não incomodaram Rashel. Ela sabia como cortar o alarme e abrir fechaduras. O que incomodava era que ela não sabia por onde começar. O povo da noite poderia estar usando qualquer um dos armazéns. Mesmo sabendo onde Steve, Quinn e Vicky tinham lutado não ajudava, porque ele tinha saltado neles. Ele tinha obviamente visto eles de emboscada e deliberadamente ido atrás deles. O que significava que seu verdadeiro destino poderia ter sido qualquer um dos edifícios nesta rua ou nenhum deles. Tudo bem. Paciência aqui. Ela só tinha que começar por algum lado... Rashel perdeu o seu pensamento e pulou para trás nas sombras antes que ela conscientemente percebesse o porquê é que ela estava fazendo isso. Suas orelhas tinham apanhado um som de um baixo estrondo vindo de algum outro lado da rua. Ela se achatou contra a parede de tijolos atrás dela, em seguida, manteve o seu corpo totalmente imóvel. Seus olhos desviaram-se de um prédio a outro e ela prendeu a respiração para escutar melhor. Lá. Estava vindo do interior do armazém, na outra extremidade da rua. E ela poderia identificá-lo agora o som de um motor. Enquanto ela observava, a porta de mercadorias na parte da frente do armazém foi deslizando para cima. Faróis vararam a noite de trás dele. Um caminhão estava saindo para a rua. Não era um caminhão muito grande. Ele baixou as portas e parou. A figura foi puxando a porta de metal deslizando. Agora ele estava fazendo o seu caminho para a cabine, Rashel observou tensa com os olhos, tentando identificar quaisquer sinais de vampirismo nos movimentos da figura. Ela pensou que poderia detectar certa fluidez indicadora na caminhada, mas era demasiado longe para ter certeza. E não havia mais nada para lhe dar uma pista sobre o que estava acontecendo. Poderia ser um humano, ela pensou. Alguns proprietários do armazém indo para casa depois de uma noite de equilibrar livros. Mas seu instinto lhe disse de maneira diferente. O cabelo na parte de trás do pescoço dela estava em pé. E então, quando o caminhão começou a sair, alguma coisa aconteceu que se instalaram suas dúvidas e a mandou voando abaixo na rua. As portas de trás do caminhão abriram um pouco, e uma menina caiu. Ela era magra e um poste iluminou seu cabelo loiro. Ela pousou sobre os escombros espalhados na estrada e ficou ali por um instante como se tonta. Então, ela pulou, olhou ao redor descontroladamente, e começou a correr em direção a Rashel.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

36

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 07
Até o momento em que Rashel interceptou a menina, o caminhão já estava freando para virar. Alguém estava gritando, "Ela escapou! Perdemos um!" "Por aqui!" Rashel disse, indo em direção a menina com uma mão e gesticulando com a outra. De perto, ela podia ver que a menina era pequena, com cabelo louro despenteado caindo sobre a testa. Seu peito estava ofegante. Em vez de olhar agradecida, ela parecia aterrorizada pela chegada de Rashel. Ela olhou para Rashel um momento, então ela tentou manter distância. “Sou sua amiga! Vamos! Temos que ir entre ruas, onde o caminhão não pode seguir -nos.” O caminhão estava terminando a volta. Faróis varrendo na direção delas. Rashel lançou um braço em torno da cintura da menina e saiu correndo. A menina loira foi levada junto. Ela choramingou, mas ela correu também. Rashel se dirigia para a área entre dois dos armazéns. Ela sabia que se houvessem realmente vampiros no caminhão, sua única chance era fazer com que ela e a menina loira pegassem seu carro. Os vampiros poderiam correr muito mais rápido que qualquer humano. Ela escolheu estes dois armazéns, porque a cerca de arame, por trás deles não era muito alta e não tinha arame farpado no topo. Quando elas chegaram, Rashel deu a menina um pequeno empurrão. "Suba!" "Eu não posso!" A moça estava tremendo e ofegante. Rashel olhou-a e percebeu que era provavelmente a verdade literal. A menina não parecia como se ela já tivesse subido algo em sua vida. Ela estava vestindo o que parecia ser roupas de festa e saltos altos. Rashel viu os faróis do caminhão na rua e ouviu a desaceleração do motor. "É preciso!" disse ela. "Se você não quiser voltar com eles." Ela entrelaçou os dedos, fazendo um apoio com as mãos. "Aqui! Ponha seu pé aqui e depois apenas tente agarrar quando eu impulsionar você." A menina não parecia ter muito medo de tentar. Ela colocou o pé na mão de Rashel assim que os faróis desligaram. Foi o que Rashel esperava. A escuridão era uma vantagem para os vampiros, eles podiam ver muito mais nela do que os seres humanos. Eles iriam seguir a pé. Rashel respirou, então empurrou para cima de forma explosiva enquanto exalava. A menina loira voou em direção ao topo do muro com um guincho. Um instante depois, Rashel lançou-se no topo do muro, pegou, e balançou as pernas. Ela caiu no chão quase sem ruído e segurou os braços até a garota loira. “Vamos lá! Eu vou pegar você.” A menina escalou desajeitadamente por cima, olhou por cima do ombro. "Eu não posso." "Pode!"
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

37

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

A menina caiu. Rashel amorteceu sua queda e agarrou o braço acima do cotovelo. "Vamos!" Enquanto corriam, Rashel escaneava os edifícios ao seu redor. Ela precisava de um canto, um lugar onde pudesse ficar com a garota atrás dela segura. Ela poderia defender um canto se não houvesse mais do que dois ou três vampiros. "Quantos deles estão lá?” Ela perguntou a menina. "Huh?" A menina estava ofegante. "Quantos deles estão lá?" "Eu não sei, e eu não posso correr mais!" A menina escorou em uma parede e curvou as mãos sobre os joelhos, tentando tomar fôlego. "Minhas pernas... estão como geléia." Não adiantava, Rashel concluiu com desânimo. Ela não podia esperar que este bocado de cabelo louro ficasse fora do radar de um vampiro. Mas se elas parassem aqui no aberto, elas seriam mortas. Ela lançou um olhar desesperado ao redor. Então ela viu. Uma tradição de Boston, um carro abandonado. Nesta cidade, se você cansou de seu carro era só abandonar no próximo aterro. Rashel abençoou o benfeitor desconhecido que tinha deixado esse presente. Agora, se elas pudessem só entrar... "Por aqui!" Ela não esperou a menina protestar, mas a agarrou e arrastou-a. "Vamos lá, você pode fazê-lo! Faça, quando chegar ao carro você não tem que correr mais." As palavras parecem inspirar a menina em um último esforço. Elas chegaram ao carro e Rashel viu que uma das janelas quebradas atrás foi limpa. "Entra!" A menina era pequena desossada e atravessou a janela facilmente. Rashel pulou depois dela. Então, ela empurrou-a para dentro no espaço dos pés na frente do banco e sussurrou: "Não faça um som". Ela estava tensa, escutando. Ela mal teve tempo para respirar duas vezes antes de ela ouvir passos. Passos suaves, camuflados como um tigre na espreita. Andar de vampiro. Rashel prendeu a respiração e esperou. Perto, Perto... Rashel podia sentir a outra menina tremendo. Ela observou o teto escuro do carro e arquitetou um plano de defesa se elas fossem capturadas. Os passos estavam mais perto agora. Ela ouviu um vidro quebrar, não mais de dez metros da porta do carro. Só por favor, não deixe que eles tenham um lobisomem com eles, ela pensou. Vampiros podem ver e ouvir melhor do que seres humanos, mas um lobisomem poderia farejar sua presa. Não poderia deixar passar o cheiro de humanos dentro do carro. Lá fora, os passos pausaram e o coração de Rashel afundou. Olhos abertos, em silêncio, ela colocou a mão em sua espada. E então ela ouviu os passos se deslocarem rapidamente se afastando. Ela os ouviu desaparecerem, mantendo-se completamente imóvel. Então, ela ainda esperou um pouco mais, enquanto ela contava até duzentos. Então, com muito cuidado, ela se sentou e olhou em volta. Nenhuma visão ou som de vampiros. “Eu Posso, por favor, levantar agora?" veio uma pequena voz choramingando do chão.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

38

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Se você ficar quieta", Rashel sussurrou. "Eles ainda podem estar em algum lugar próximo. Nós vamos ter que chegar ao meu carro sem nos apanharem." "Qualquer coisa, contanto que eu não tenha que correr", disse a menina chorosa, emergindo do chão mais despenteada do que nunca. "Você já tentou correr com quatro polegadas nos calcanhares?" "Eu nunca uso saltos altos", Rashel murmurou escaneando acima e abaixo na rua. "Ok, eu vou sair primeiro, então você vem." Ela deslizou os pés primeiro pela janela. A moça enfiou a cabeça completamente. "Você nunca usa portas?" "Shhhhh. Vamos", Rashel sussurrou. Ela abriu o caminho pelas ruas escuras, passando de sombra a sombra. Pelo menos a menina poderia andar suavemente, ela pensou. E ela tinha senso de humor mesmo em situações de perigo. Isso era raro. Rashel respirou com alívio quando chegaram à curva do beco estreito onde seu Saturno estava estacionado. Elas não estavam seguras ainda, entretanto. Ela queria ficar com a garota loira de Mission Hill. "Onde você mora?" disse ela, quando ela ligou o motor. Quando não houve resposta, ela virou. A garota estava olhando para ela com o mal-estar aberto. "Uh, porque é que você está vestida assim? E quem é você, afinal? Quer dizer, eu estou feliz que você me salvou, mas eu não entendo nada." Rashel hesitou. Ela precisava de informação desta menina, o que ia levar tempo e confiança. Com a decisão tomada de repente, ela desenrolou o lenço com uma mão, até que seu rosto estava exposto. "Como eu disse, eu sou uma amiga. Mas primeiro diga-me: você sabe o tipo de pessoas que estavam no caminhão?" A menina virou-se. Ela já estava tremendo de frio, agora ela estremeceu mais ainda. "Eles não eram pessoas. Eram... Ugh". "Então, você sabe. Bem, eu sou uma das pessoas que persegue esse tipo de pessoas". A garota olhou da cara de Rashel à espada embainhada que descansava entre elas. Seu queixo caiu. "Oh, meu Deus! Você é Buffy a caça vampiros!" "Huh? Oh". Rashel tinha perdido esse filme. "Certo. Realmente, você pode me chamar de Rashel. E você...?" "Daphne Childs. E eu vivo em Somerville, mas eu não quero ir para casa." "Bem, isso é bom, porque eu quero falar com você. Vamos encontrar um Dunkin Donuts." Rashel encontrou um fora de Boston, um que ela sabia que não tinha ligações com o Mundo da Noite. Ela puxou um casaco sobre sua roupa ninja negra e a Daphne emprestou um
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

39

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

suéter de reposição do porta-malas de seu carro. Em seguida, elas entraram e pediram Donuts e chocolate quente. "Agora", Rashel disse. "Diga-me o que aconteceu. Como é que você acabou nesse caminhão?" Daphne colocou as mãos em concha em torno de seu chocolate quente. "Foi tudo tão horrível..." "Eu sei". Rashel tentou fazer a sua voz suave. Ela não tinha muita prática nisso. "Tente me dizer. Comece pelo começo". "Tudo bem, bem, isso começou na Cripta." "Uh, como em O Tales... »? Ou, como no Old Burial Ground?" "Como no clube em Prentiss Street. É um clube de metro realmente underground. Quero dizer, ninguém parece saber sobre isso, exceto as pessoas que vão lá, e eles são todos da nossa idade. Dezesseis ou dezessete anos. Nunca vi adultos, nem mesmo os DJs ". "Vá em frente." Rashel estava ouvindo atentamente. O povo da noite tinha Clubes, geralmente escondidos cuidadosamente dos seres humanos. Daphne poderia ter saído de um? "Bem. É extremamente sério e frio, ou pelo menos é o que eu pensava. Eles têm algumas músicas incríveis. Quer dizer, é além do gótico, é parecido com rock. Basta ouvir e faz você ficar todo estranho. E o lugar é todo decorado como um terreno baldio pós apocalipse. Ou talvez, como o submundo... " Daphne olhou para longe. Seus olhos, um profundo azul sob pesadas pestanas, parecia melancólico e quase hipnotizado. Rashel a cutucou e o chocolate derramou sobre a mesa. "Falaremos sobre isso mais tarde. Que tipo de pessoas estavam no clube? Vampiros?" "Oh, não." Daphne olhou chocada. "Apenas as crianças normais. Eu sei de alguns da minha escola. E há muitos fugitivos, eu acho. Meninos de rua, você sabe." Rashel piscou. "Fugitivos..." "Sim. Eles são na sua maioria muito legais, exceto aqueles que fazem as drogas. Esses são assustadores." Um clube ilegal cheio de crianças em fuga, alguns dos quais, provavelmente usavam drogas. Rashel podia sentir um formigamento na pele. Eu acho que tropecei em algo grande. "Em todo caso", Daphne estava falando, "eu estava indo para lá por cerca de três semanas, você sabe, sempre que eu podia ficar longe de casa" "Você não contou a seus pais sobre isso", Rashel adivinhou categoricamente. "Você está brincando? Não é um lugar que você diz aos pais. Enfim, a minha família não se importa aonde eu vou. Eu tenho quatro irmãs e dois irmãos e minha mãe e meu pai estão a um passo de se divorciarem... Eles nem notam quando eu vou.” "Vá em frente", disse Rashel sombriamente.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

40

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Bem, então tinha esse cara." Os olhos de Daphne pareciam melancólicos novamente. "Esse cara que era realmente lindo, e muito misterioso, e realmente diferente de qualquer um que eu já conheci. E eu pensei que ele estava interessado em mim, talvez, porque eu o vi olhando para mim, uma ou duas vezes, então eu meio que me juntei às meninas que estavam sempre por perto dele. Nós costumávamos a falar sobre coisas estranhas”. "Como?" "Oh, como entregar-se à escuridão e coisas assim. Era como a música, você sabe, todos nós vamos realmente morrer. Como qual seria o meio mais horrível de morrer, quais seriam as mais terríveis torturas que você poderia viver, o que você parece quando você está no seu túmulo. Coisas assim." "Pelo amor de Deus, por quê?" Rashel não conseguia disfarçar sua repulsa. "Eu não sei". Tudo de uma vez, Daphne parecia pequena e triste. "Eu acho que porque a maioria de nós sentia que a vida era muito podre. Então, falávamos esse tipo de coisas, você sabe, para tentar se acostumar com eles. Você provavelmente não entende", ela acrescentou, fazendo careta. Rashel entendeu. Com um choque repentino, ela entendeu completamente. Estas crianças estavam com medo, deprimidos e preocupados com o futuro. Eles tinham que fazer algo para aliviar a dor... mesmo que isso significasse abraçando a dor. Eles escaparam de uma escuridão, indo para outra. E eu sou diferente? Quer dizer, essa obsessão que eu tenho com vampiros... não é exatamente o que você chamaria de normal e saudável. Passei minha vida inteira lidando com a morte. "Sinto muito", disse ela, e sua voz saiu mais suave do que antes quando ela estava tentando acalmar Daphne. Sem jeito, ela bateu no braço de outra menina uma vez. "Eu não deveria ter gritado. E eu não entendo, realmente. Desculpe-me." "Bem". Daphne ainda parecia na defensiva. "Algumas das meninas iriam escrever poesias sobre a morte... e algumas delas picam-se com alfinetes e lambem o sangue. Disseram que eram vampiros, você sabe. Apenas fingindo.” Ela olhou com cautela a Rashel. Rashel simplesmente assentiu. "E assim eu falei da mesma maneira, e fiz a mesma coisa. E esse cara Quinn parecia adorar... Ei, cuidado!" Daphne recuou para evitar uma onda de chocolate quente. Os movimentos bruscos de Rashel haviam batido seus copos. Oh, Deus, o que há de errado comigo? Rashel pensou. Ela disse: "Desculpe," através de seus dentes, e pegou um maço de guardanapos. Ela deveria ter esperado isso. Ela estava esperando por isso, ela sabia que Quinn devia estar envolvido neste processo. Mas de alguma maneira a menção de seu nome havia mexido com ela. Ela não tinha sido capaz de controlar a reação dela. "Então", disse ela, ainda através de seus dentes, "o cara lindo misterioso chama-se Quinn.” "Sim". Daphne limpou o chocolate de seu braço. "E eu estava começando a pensar que ele realmente gostava de mim. Ele me disse para vir para o clube no último domingo e para encontráComunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

41

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

lo sozinha no estacionamento." "E você fez." Ah, eu vou matá-lo, Rashel pensou. "Claro. Olha como eu estou vestida..." Daphne olhou para seu traje sujo. "Bem, isso pareceu fantástico uma vez. Então eu o conheci e fomos para seu carro. E então ele me disse que ele tinha me escolhido. Eu estava tão feliz que eu quase desmaiei. Eu pensei que ele queria dizer para sua namorada. E então..." Daphne parou novamente. Pela primeira vez desde que ela começou a história, ela parecia assustada. "Então ele me perguntou se eu realmente queria render-se à escuridão. Ele fez o soar tão romântico.” "Eu aposto", disse Rashel. Ela descansou a cabeça na mão. Ela podia ver tudo agora, e foi o golpe perfeito. Quinn verificava as garotas, descobria quem seria escolhida e quem não iria. Ele as seqüestrava do estacionamento de modo que ninguém visse, ninguém ligava para a Cripta. Quem iria notar que as meninas estavam desaparecendo? Meninas estão sempre indo e vindo. E não havia nada no jornal, porque o mundo da luz do dia não percebeu que as meninas estavam sendo seqüestradas. Provavelmente nem sequer havia uma luta durante o seqüestro, porque essas meninas estavam dispostas a ir no começo. "Deve ter sido um choque", Rashel disse secamente, "descobrir que realmente havia uma escuridão para render-se." "Uh, sim. Sim, foi. Mas eu realmente não descobri isso depois. Eu acabei de dizer que com certeza, eu queria. Quer dizer, eu teria dito a mesma coisa se ele me perguntasse se eu realmente queria assistir reprises de Lawrence Welk com ele. Ele era lindo. E ele estava me olhando desta forma totalmente com a alma, e eu pensei que ele ia me beijar... E então eu dormi.” Daphne olhou com a cara amarrada seu copo de papel. "Não, você não fez." "Eu fiz. Sei que parece loucura, mas eu adormeci e quando acordei estava neste lugar, em um pequeno escritório neste armazém. E eu estava sobre esta cama estreita de ferro com este colchão patético irregular, e eu estava acorrentada. Eu tinha as cadeias em meus tornozelos, como as pessoas na cadeia. Quinn se foi e havia duas outras m eninas acorrentadas em outras.” Sem aviso, Daphne começou a chorar. Rashel lhe entregou um guardanapo, sentindo-se desconfortável. "São as meninas da Cripta, também?" Daphne fungou. "Eu não sei. Elas poderiam ser. Mas não queriam falar comigo. Elas estavam como em um transe. Elas apenas ficaram ali e olhando para o teto." "Mas você não estava em transe", disse Rashel pensativa. "De alguma forma você acordou do controle da mente. Você deve ser resistente como eu.” "Eu não sei nada sobre controle da mente. Mas eu estava tão assustada que fingi ser como as outras meninas quando esse cara veio trazer-nos comida e nos levar para o banheiro. Eu só olhava para frente como elas. Eu pensei que talvez dessa forma eu tivesse a chance de escapar." "Garota esperta", Rashel disse. "E o cara Quinn?"
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

42

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Não. Eu nunca vi o Quinn novamente. Este era um cara loiro chamado Ivan do clube, eu o chamava Ivan o Terrível. E lá estava uma menina que nos trazia comida às vezes eu não sei o nome dela, mas eu costumava vê-la no clube, também. Era como Quinn; cada um tinha seu próprio grupo pequeno, você sabe.” Pelo menos dois outros além de Quinn, Rashel pensou. Provavelmente mais. "Eles não nos feriram nem nada, e no escritório era aquecido, e a comida estava bem, mas eu estava tão assustada", Daphne disse. "Eu não entendia o que estava acontecendo com todos. Eu não sabia onde estava o Quinn, ou como eu tinha chegado lá, ou o que eles iam fazer com a gente." Ela engoliu. Rashel não entendeu o que tinha passado. O que os vampiros faziam com as meninas no armazém? Obviamente não as matava. "E então a noite passada..." A voz de Daphne vacilou e ela parou de respirar. "Na noite passada Ivan trouxe esta nova garota. Ele nos levou e a colocou em uma cama estreita. E... E... Então ele mordeu. Mordeu ela no pescoço. Mas não era uma brincadeira." Os olhos azuis olhavam distante, lembrado com grande horror. "Ele realmente mordeu. E saiu sangue e ele bebeu. E quando ele ergueu a cabeça para cima, vi os dentes." Ela começou a hiperventilar. "Está tudo bem. Você está segura agora", disse Rashel. "Eu não sabia! Eu não sabia que essas coisas eram reais! Eu pensei que tudo era apenas..." Daphne balançou a cabeça. "Eu não sabia", disse ela baixinho. "Tudo bem. Sei que é um grande choque. Mas você está lidando com isso muito bem. Você conseguiu fugir do caminhão, não é? Conte-me sobre o caminhão." "Bem que foi esta noite. Eu poderia dizer o dia e a noite, olhando para essa pequena janela no alto. Ivan e a menina vieram e tiraram as cadeias de nós e nos fez entrar no caminhão. E então eu estava realmente com medo Eu não... não sei onde eles estavam nos levando, mas eu ouvi algo sobre um barco. E eu sabia onde ele estava, eu não queria ir." "Eu acho que você está certa sobre isso." Daphne tomou outro fôlego. "Então eu prestei atenção a forma como Ivan fechou a porta do caminhão. Ele estava de volta com a gente. E quando ele estava olhando para o outro lado, eu meio que pulei na porta e conseguiu abri-la. E então eu só caí. E então eu corri eu não sabia para que lado ir, mas eu sabia que tinha que ficar longe deles. E então eu vi você. E ... Eu acho que você salvou a minha vida." Ela considerou. "Uh, eu não sei se me lembrei de dizer obrigado." Rashel fez um gesto de demissão. "Não há problema. Na verdade você salvou a si mesma." Ela franziu a testa, olhando para uma gota de chocolate na mesa de plástico sem vê-la. "Bem. Eu sou grata. O que eles iam fazer comigo, eu acho que ia ser terrível." Uma pausa, então ela disse: "Uh, Rashel? Você sabe o que eles iam fazer comigo?"
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

43

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Hm? Oh". Rashel assentiu com a cabeça devagar, olhando para cima da mesa. "Sim, eu acho que sei."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

44

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 08
“Bem?“ Disse Daphne. "Eu acho que é o comércio de escravos." E, Rashel pensou, eu acho que estava certa, isso é algo grande. No Mundo da Noite o comércio de escravos tinha sido proibido há muito tempo por volta da era medieval, se ela se lembrava das histórias corretamente. O Conselho, aparentemente, havia decidido que seqüestrar seres humanos e vende-los ao povo da noite para alimentação ou diversão era muito perigoso. Mas, soou como se Quinn pudesse estar revivendo-o, provavelmente sem a permissão do Conselho. Como empreendedor. Eu estava certa sobre matálo, também, Rashel pensou. Não há escolha agora. Ele é tão ruim quanto eu imaginava e pior. Os olhos de Daphne se arregalaram. "Eles iriam me tornar um escravo?" ela quase gritou. "Shhh". Rashel olhou para o homem por trás do balcão de rosca. "Eu acho que sim. Bem escravo e uma espécie de fonte de alimento perpétua se você fosse vendida para vampiros. Provavelmente apenas jantar se fosse para os lobisomens." Os lábios de Daphne repetiram lobisomens silenciosamente. Mas Rashel estava falando novamente antes que ela pudesse perguntar sobre isso. "Olha, Daphne, você tem alguma idéia sobre onde poderia estar acontecendo? Você disse que mencionaram um barco. Mas um barco para onde? Que cidade?” "Eu não sei. Eles nunca falaram sobre qualquer cidade. Eles apenas disseram que o barco estava pronto... E algo cerca de um enclave.” Ela pronunciou um enclave? “A menina disse: ´Quando chegarmos ao enclave... '" Daphne parou quando Rashel agarrou seu pulso. "Um enclave", Rashel sussurrou. Pequenos arrepios de emoção estavam correndo através dela. "Eles estavam falando sobre um enclave". Daphne assentiu, parecendo alarmada. "Eu acho". Este era grande. Este era... maior do que grande. Era incrível. Um enclave de vampiros. As meninas raptadas foram levadas para um dos enclaves ocultos, um dos redutos secretos que nenhum caçador de vampiros jamais conseguiu penetrar. Nenhum ser humano tinha ainda descoberto a localização de um. Se eu pudesse chegar lá... se eu pudesse entrar... Ela podia aprender o suficiente para destruir uma cidade inteira de vampiros. Expurgar um enclave da face da terra. Ela sabia que podia. "Uh, Rashel? Você está me machucando." "Desculpe". Rashel largou o braço de Daphne. "Agora, ouça", disse ela ferozmente. "Salvei sua vida, certo? Quero dizer, eles iam fazer coisas terríveis com você. Então você me deve, né?"

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

45

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Sim, com certeza, eu lhe devo." Daphne massageou as mãos. "Você está bem?"

"Sim. Eu estou bem. Mas eu preciso de sua ajuda. Eu quero que você me diga tudo que sabe sobre esse clube. Tudo que eu preciso fazer para entrar e ser escolhida". Daphne olhou para ela. "Desculpe-me, você está louca." "Não, não. Sei o que estou fazendo. Contanto que eles não saibam que eu sou um caçador de vampiros, vou ficar bem. Tenho que chegar a esse enclave." Daphne lentamente balançou a cabeça loura. "O que você vai fazer matar todos eles? Por si mesma? Nós não podemos apenas dizer a polícia?" "Não só. Eu poderia ter um par de outros caçadores de vampiros para me ajudar. E a polícia..." Rashel parou e suspirou. "Tudo bem. Acho que há algumas coisas que eu deveria explicar. Então talvez você vá entender melhor." Ela levantou os olhos e olhou para Daphne persistentemente “Primeiro, devo te contar sobre o Mundo da Noite. Olha, antes mesmo de você se encontrar com os vampiros, não teve sempre a sensação de que havia alguma coisa estranha acontecendo?" Ela fez isso tão simples como ela poderia, e tentou responder a perguntas de Daphne pacientemente. E, finalmente, Daphne sentou, olhando doente e mais assustada do que Rashel a tinha visto. "Eles estão por toda parte," Daphne disse, como se ela ainda não acreditasse. "Nos departamentos de polícia. No governo. E ninguém jamais foi capaz de fazer qualquer coisa sobre eles." "As únicas pessoas que tiveram algum sucesso são aqueles que trabalham em segredo, em pequenos grupos ou sozinhos. Ficamos escondidos. Tomamos muito cuidado. E nós matamos um por um. É isso que significa ser um caçador de vampiros”. Ela se inclinou para frente. "Agora você vê porque é tão importante para eu chegar a esse enclave? É uma oportunidade de chegar a um monte deles de uma vez, para acabar com um de seus esconderijos. Sem mencionar acabar o comércio de escravos. Você não acha que deveria ser interrompido?” Daphne abriu a boca, calou-se novamente. "Tudo bem", disse ela, finalmente, e suspirou. "Eu vou ajudar. Eu posso lhe dizer o que falar, como agir. Pelo menos o que funcionou para mim." Ela levantou a cabeça dela. "Você vai ter de se vestir de maneira diferente..." "Vou pegar um par de outros caçadores de vampiros e vamos nos encontrar amanhã, depois da escola. Agora, eu estou te levando para casa. Você precisa dormir. "Ela esperou para ver se Daphne iria recusar, mas a outra menina apenas balançou a cabeça e suspirou de novo. "Sim. Você sabe, depois de algumas das coisas que eu aprendi, minha casa está começando a parecer melhor." "Só mais uma coisa", disse Rashel. "Você não pode contar a ninguém sobre o que aconteceu com você. Diga-lhes qualquer coisa que você fugiu, o que quiser, mas não a verdade. Está bem?" "Ok."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

46

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"E, sobretudo não conte a ninguém sobre mim. Entendeu? Minha vida pode depender disso." "Elliot não está aqui." A voz ao telefone era fria e tão hostil como Rashel nunca tinha ouvido falar. "Vicky, eu preciso falar com ele. Ou alguém. Estou lhe dizendo, esta é a nossa chance de chegar a um enclave. A menina os ouviu falarem sobre isso." Era uma tarde de sexta-feira e Rashel telefonou de uma cabine próxima à sua escola. Vicky falava rápido. "Temos vigiado a rua por dias e não vimos nada, mas você só passou a estar no lugar certo na hora certa para ajudar uma menina a escapar. "Sim. Eu já lhe disse.” "Bem, isso é conveniente, não é?" Rashel segurou o telefone com mais força. "O que você quer dizer?" "Só que seria uma coisa muito perigosa, ir a um enclave de vampiros. E que uma pessoa teria que confiar em quem realmente estava dando-lhes a informação sobre ele. Você teria que ter certeza que não era uma armadilha." Rashel olhava para as teclas do telefone, controlou sua respiração. "Eu vejo." "Sim, bem, você não tem muita credibilidade por aqui. Não desde que deixou o vampiro fugir. E isso soa exatamente o tipo de coisa que você faria se estivesse com eles." Ótimo, Rashel pensou. Consegui convencê-la de que eu realmente sou um simpatizante do vampiro. Em voz alta, ela disse, "É isso o que está dizendo Nyala a todos? Que estou trabalhando com o Mundo da Noite?" "Eu não sei o que Nyala está fazendo." Vicky soava petulante e um pouco desconfortável. "Eu não vi ela desde terça-feira e ninguém responde em sua casa." Rashel tentou fazer a voz calma e razoável. "Você pode dizer, pelo menos ao Elliot o que estou fazendo? Então ele pode me ligar se quiser." "Não segure a respiração," Vicky disse, e desligou. Ótimo. Sensacional. Rashel segurou o telefone pensando se ela não era para prender a respiração até Elliot chamar ou até Vicky passar a mensagem. Uma coisa era clara: ela não podia contar com nenhuma ajuda dos Lanceiros. Ou quaisquer outros caçadores de vampiros. Nyala poderia estar espalhando qualquer tipo de boatos, e Rashel não ousava até mesmo chamar um outro grupo. Não havia escolha. Ela teria que fazer isso sozinha. Naquela noite ela foi até a casa de Daphne. "Bem, ela esta ocupada," Mrs. Childs disse na porta. Ela era uma mulher pequena com um bebê em uma mão, uma Pampers na outro, e uma criança segurando sua perna. "Mas eu acho que você pode ir lá em cima." Lá em cima, Daphne teve de correr atrás de uma irmã mais nova de fora do quarto antes que Rashel pudesse sentar-se. "Você vê, não tenho sequer meu próprio quarto”, disse ela. "E você está de castigo. Mas você está viva", Rashel disse, e levantou as sobrancelhas.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

47 "Oi".

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Ah. Oi." Daphne olhou envergonhada. Então ela sorriu, sentado de pernas cruzadas em sua cama. "Você está vestindo roupas normais." Rashel olhou para o suéter e jeans. "Sim, o traje ninja é apenas o uniforme do meu trabalho." Daphne sorriu. "Bem, você ainda vai ter que parecer diferente se você vai entrar no clube. Devemos começar agora, ou você quer esperar pelos outros?" Rashel encarou uma fila de frascos de perfume na penteadeira outro lado da sala. "Não vai haver qualquer outro." "Mas eu pensei que você disse..." "Olhe. É difícil explicar, mas eu tive um pequeno problema com os caçadores de vampiros por aqui. Então, eu estou fazendo isso sem eles. Não é nenhum problema. Nós podemos começar agora." "Bem..." Daphne franziu os lábios. Ela parecia diferente da criatura selvagem e desgrenhada que Rashel havia resgatado da rua na noite passada. Seu cabelo loiro estava mole e macio, seus olhos azuis eram grandes e inocentes, seu rosto era redondo e doce. Ela estava elegantemente vestida e parecia relaxada. Foi Rashel que se sentiu fora do lugar. "Bem... vai apenas levar um amigo ou algo assim?" Daphne perguntou. "Eu não tenho um amigo", Rashel disse categoricamente. "E eu não quero um. Amigos são pessoas que se preocupam, eles são bagagem. Eu não gosto de bagagem." Daphne piscou lentamente. "Mas e na escola..." "Eu não permaneço na mesma escola mais de um ano de cada vez. Eu vivo com famílias adotivas, e eu costumo ficar em uma nova cidade a cada ano. Dessa forma eu fico à frente dos vampiros. Olha isto não é sobre mim, ok? É sobre o que eu quero saber." "Mas..." Daphne estava olhando para o espelho. Rashel seguiu o seu olhar para ver que a superfície refletora foi quase completamente coberta por imagens. Fotos de caras com Daphne, Daphne com outras meninas. Daphne tinha seus amigos em massa, aparentemente. "Mas, não é solitário?” "Não, não é solitário", disse Rashel através de seus dentes. Ela pegou uma almofada rendilhada no colo. "Eu gosto de ser eu mesma. Agora estamos numa conferência de imprensa?" Magoada Daphne assentiu. "Tudo bem. Conversei com algumas pessoas na escola e em tudo no clube está acontecendo o mesmo de sempre, exceto que Quinn não foi lá desde domingo. Ivan e a menina estavam lá na terça e quarta-feira, mas não Quinn.”

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

48

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Ah, é?" Isso foi interessante.

Rashel achava que seu maior problema ia ser Quinn. Os outros dois vampiros não a tinham visto, ela não achava que eles perceberam que Daphne havia fugido com um caçador de vampiros na noite passada. Mas Quinn tinha falado com ela. Tinha sido... muito próximo a ela. Ainda assim, o que ele poderia ter visto na adega, mesmo com a sua visão de vampiro? Não seu rosto. Nem mesmo o cabelo dela. Seu traje ninja cobria do pescoço ao punho e ao tornozelo. Tudo o que ele poderia saber era que ela era alta. Se ela mudasse de voz e mantivesse os olhos para baixo, ele não iria ser capaz de reconhecê-la. Mas seria ainda mais fácil se ele não estivesse ali, em primeiro lugar, e Rashel poderia tentar Ivan. "Isso me lembra", disse ela. "Ivan e a menina são dos pequenos grupos de morte, também?" Daphne assentiu. "Todo mundo em todo o lugar é, basicamente. É esse tipo de lugar." Um lugar perfeito para os vampiros, em outras palavras. Rashel saberia rapidamente se o Povo da Noite fosse proprietário do clube ou se alguns seres humanos obrigados tinham acabado de construir o habitat ideal para eles. Ela teria que verificar isso. "Na verdade," Daphne estava dizendo, um pouco timidamente, "Tenho um poema aqui para você. Eu pensei que você poderia dizer que você escreveu. Seria uma espécie de prova que é a mesma coisa que as outras meninas." Rashel pegou o pedaço de papel de caderno e leu

Há calor no gelo. Não há arrefecimento da paz no fogo e a luz da meia-noite para nos mostrar todo o caminho. A chama dançante se torna uma pira funerária A escuridão é mais atraente do que o dia.

Ela olhou para Daphne drasticamente. "Você escreveu isto antes se saber sobre o Mundo da Noite?" Daphne assentiu. "É o tipo de coisa que o Quinn gostava. Ele costumava dizer que estava na escuridão e no silêncio e coisas assim." Rashel desejava que ela tivesse Quinn ali na sala. Estes jovens eram como mariposas para a sua chama, e ele estava se aproveitando de sua inocência. Ele não estava fingindo ser inofensivo, em vez disso ele estava incentivando-os a amar a sua própria destruição. Fazendo-os pensar que era a sua idéia.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

49

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Sobre suas roupas," Daphne estava falando. "Minha amiga Mamie é do o seu tamanho e ela emprestou-me este material. Prove e vamos ver se ela está certa." Ela jogou pra Rashel um pacote. Rashel desdobrou-o, examinou-o desconfiada. Poucos minutos depois, ela estava a analisar ainda mais em dúvida no espelho. Ela estava vestindo um macacão de veludo preto, que se agarrou a ela como uma segunda pele. Foi cortado em um V profundo na frente, mas as mangas como os góticos chegavam sobre as costas de suas mãos quase no dedo médio. Em torno de seu pescoço estava uma gargantilha de couro negro que parecia para ela como uma coleira de cachorro. Ela disse: "Eu não sei...” “Não, não, você está ótima. Como uma espécie de ultra modelo Betsey Johnson. Caminhe um pouco... vire... Ok, sim. Agora tudo o que temos de fazer é pintar as unhas de preto, adicione um pouco de maquiagem, e..." Daphne parou e franziu a testa. "O que há de errado?" "É a maneira que você anda. Você caminha bem, como eles, na verdade. Assim como os vampiros. Como se você estivesse perseguindo alguma coisa. E você não faz barulho. Eles vão saber que você é uma caçadora de vampiros da maneira como você se move.” Era um bom ponto, mas Rashel não sabia o que fazer sobre isso. "Umm..." "Eu tenho uma idéia", disse Daphne brilhantemente. "Vamos colocar saltos." "Oh, não", disse Rashel. "Não há absolutamente nenhuma maneira que eu vá usar essas coisas." "Mas vai ser perfeito, né? Você não será capaz de andar normalmente." "Não, e eu não vou ser capaz de caçar qualquer um." "Mas você não vai lá para caçar. Você vai falar e dançar e coisas assim." Com as mãos nos quadris, ela balançou a cabeça. "Eu não sei, Rashel, você realmente precisa de alguém para ir lá com você, para te ajudar com isso..." Daphne parou os olhos estreitados. Ela olhou para o espelho por um momento, então ela concordou. "Sim. É isso. Não há outra escolha", disse ela, exalando. Ela virou para examinar Rashel. "Eu mesma vou ter que ir com você." "O que?" "Você precisa de alguém com você, você não pode fazer isso sozinha. E não há ninguém melhor do que eu. Eu vou com você e desta vez nós vamos conseguir ser escolhidas." Rashel sentou na cama. " “Sinto muito, desta vez você está louca. Você é a última pessoa que os vampiros iriam
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

50

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

escolher. Você sabe tudo sobre eles." "Mas eles não sabem disso", disse Daphne serenamente. "Eu disse a todo mundo na escola hoje que eu não me lembro de nada que aconteceu a partir de domingo. Eu tinha que dizer-lhes algo, você sabe. Então eu disse que eu nunca consegui encontrar Quinn; que eu não sei o que aconteceu comigo, mas eu acordei a noite passada sozinha nesta Rua em Mission Hill." Rashel tentou pensar. Será que algum dos vampiros acreditaria nessa história? A resposta a surpreendeu. Eles teriam. Se Daphne tinha começado a sair do controle da mente, enquanto ela estava no caminhão... se ela tinha saltado para fora e começou a correr, só para se tornar plenamente consciente um pouco mais tarde ... Sim. Os vampiros iriam supor que ela sofreu de amnésia durante todo o período que estava em transe, e talvez um pouco antes. Poderia funcionar... "Mas é muito perigoso", disse ela. "Mesmo se eu deixar você ir para o clube comigo, eu nunca poderia deixar você ser escolhida." "Por que não? Você já disse que devo ser resistente ao controle da mente, certo?" Os olhos azuis de Daphne estavam brilhantes com energia e suas bochechas estavam coradas. "Assim que me faz perfeita para o trabalho. Eu posso fazer isso. Sei que posso ajudá-la.” Rashel ficou impotente. Como pegar este coelhinho fofo de menina e jogar em um enclave de vampiros? Deixá-la ser vendida como escrava para ser sugada por monstros? "Eu gosto de trabalhar sozinha", disse ela em uma voz afiada. Daphne cruzou os braços sobre o peito, recusando-se a ser intimidada. "Bem, talvez seja a hora que você tentar algo diferente. Olha, eu nunca conheci ninguém como você. Você é tão independente, tão aventureira, tão ... incrível. Mas mesmo você não pode fazer tudo sozinha. Eu sei que não sou uma caçadora de vampiros, mas eu gostaria de ser sua amiga. Talvez você deva tentar confiar em um amigo neste momento. " Seus olhos se encontraram Rashel, e naquele momento ela não se parecia com um coelho fofo, mas como uma mulher pequena, confiante, inteligente e jovem. "Além disso, fui eu que fui seqüestrada", Daphne disse, encolhendo os ombros. "Você não acha que eu deveria começar a fazê-los pagar um pouco?" Rashel surpreendeu-se quase sorrindo. Ela não conseguia deixar de gostar dessa garota, ou sentir um brilho de calor em seu louvor. Mas ainda... Ela tomou uma respiração cuidadosa e Daphne assistiu de perto. "E você não está com medo?" "Claro que eu estou com medo. Eu seria estúpida de não estar. Mas eu não estou tão assustada que não possa ir." Foi a resposta certa. Rashel olhou ao redor da sala rendilhada desordenada e acenou com a cabeça lentamente. Depois ela disse, "Ok, você está dentro. Nós vamos fazer isso amanhã à noite."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

51

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 09
Quanto tempo desde que ele se identifica com os seres humanos? Que todos haviam parado no dia que ele mesmo parou de ser humano. Não no momento que ele parou de ser humano, no entanto. No início toda a raiva dele tinha sido para Hunter Redfern... Acordar dos mortos é uma experiência que você não esquece. Para Quinn, aconteceu na cabine se Redfern sobre um colchão de palha em frente ao fogo. Ele abriu os olhos para ver três garotas bonitas inclinando-se sobre ele. Garnet, com seu cabelo cor de vinho brilhando na luz como rubi, Lily com o cabelo preto e olhos como topázio, Dove, sua Dove, de cabelos castanhos suave, com a expressão de amor ansiosa em seu rosto. Foi quando Hunter informou-lhe que ele tinha estado morto por três dias. "Eu disse a seu pai que tinha ido para Plymouth, não lhe diga o contrário. E não tente se mover ainda, você está muito fraco. Nós vamos trazer algo em breve e você pode se alimentar." Ele ficou atrás de suas filhas, seus braços ao redor delas, todos eles olhando para Quinn. "Seja feliz. Você é um de nós agora." Mas tudo que Quinn sentia era horror e dor. Quando ele colocou seus polegares nos dentes, ele descobriu a origem da dor. Seus dentes caninos eram tão longos como um gato selvagem e pulsava ao menor toque. Ele era um monstro. Uma criatura profana que precisava de sangue para sobreviver. Hunter Redfern estava dizendo a verdade sobre sua família, e ele transformou Quinn em um deles. Insano e com fúria, Quinn saltou e tentou colocar as mãos em torno da garganta de Hunter. Hunter apenas riu, defendendo-se do ataque com facilidade. A próxima coisa que Quinn soube, ele estava correndo na pista da floresta, rumo à casa de seu pai. Cambaleando e tropeçando na fuga. Ele estava quase fraco demais para caminhar. Então, de repente Dove estava ao lado dele. A pequena Dove que parecia como se ela não pudesse machucar a uma flor. Ela segurou-o, prendeu-o, e tentou convencê-lo a voltar. Mas Quinn só conseguia pensar em uma coisa: chegar ao seu pai. Seu pai era um pastor, seu pai saberia o que fazer. Seu pai iria ajudar. Dove finalmente concordou em ir com ele. Quinn mais tarde iria perceber que é claro que ele deveria saber melhor. Chegaram à casa de Quinn. Nesse ponto, Quinn estava com medo de alguma coisa, que seu pai não iria acreditar nesta história a sede de sangue selvagem e a morte. Mas um olhar para os novos dentes de Quinn convenceria seu pai de tudo. Ele poderia reconhecer o Diabo, quando via um, disse ele. E ele sabia o seu dever. Como todos os puritanos, era para expulsar o pecado e o mal onde quer que ele se encontre. Com isso, o pai pegou uma vara de pinheiro do fogo e depois agarrou Dove pelos cabelos. Foi nessa hora que começou a gritar, Quinn seria capaz de ouvir isso pra sempre depois do que ele ouviu. Dove era muito gentil para colocar-se em uma luta. E Quinn era fraco demais para salvá-la. Ele tentou. Ele se jogou em cima de Dove para protegê-la. Ele teria sempre a cicatriz do lado dele para provar isso. Mas a madeira que pegou ele perfurou Dove no coração. Ela morreu olhando para ele, a luz em seus olhos castanhos se apagando.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

52

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Então, tudo era confusão, com seu pai, perseguindo-o, chorando, brandindo a estaca sangrenta retirada do corpo de Dove. Ele terminou quando Hunter Redfern apareceu na porta com Lily e Garnet. Levaram Quinn e Dove pra casa com eles, enquanto o pai de Quinn foi correndo para os vizinhos pedir ajuda. Ele queria ajuda para queimar a cabana de Redfern. Foi quando Hunter disse a única coisa que romperia os laços diplomáticos de Quinn com seu velho mundo. Ele olhou para a filha morta e disse: "Ela foi muito gentil para viver em um mundo cheio de seres humanos. Acha que pode fazer melhor?" E Quinn, atordoado e faminto, tão assustado e cheio de horror que ele não podia falar, decidiu então que ele faria. Os seres humanos eram o inimigo. Não importa o que ele fez, nunca o aceitaria. Ele tinha se tornado algo que só poderia odiar por isso ele pode muito bem tornar-se completamente. "Você vê, você não tem uma família mais", ponderou Hunter. "A menos que seja um Redfern." Desde então, Quinn tinha pensado em si mesmo apenas como um vampiro. Ele balançou a cabeça, sentindo-se mais clara do que tinha há dias. A menina o tinha perturbado. A garota no porão, a menina cujo rosto nunca tinha visto. Durante dois dias depois daquela noite, tudo que ele conseguia pensar era alguma forma de encontrá-la. O que havia acontecido entre eles... bem, ele ainda não entendeu isso. Se ela tivesse sido uma bruxa, teria pensado que ela o tinha enfeitiçado. Mas ela era humana. E ela o fez duvidar de tudo o que sabia sobre os seres humanos. Ela despertou sentimentos que tinham adormecido desde que Dove morreu em seus braços. Mas agora... Agora, ele pensou que era bom que ele não tinha sido capaz de encontrá-la. Porque a menina da adega não era apenas humana, era uma caçadora de vampiros. Assim como seu pai. Seu pai, que, de olhos selvagens e soluçando, tinha introduzido a estaca no coração de Dove. Como sempre, Quinn sentiu-se perder o controle sobre sua sanidade como toda vez que se lembrava disso. É uma pena que ele teria de matar a menina da adega da próxima vez que a visse. Mas não havia nenhuma ajuda para ela. Caçadores de vampiros eram piores do que os vermes humanos comuns, que eram estúpidos. Caçadores de vampiros eram o pecado e o mal que tinha que ser expulso. O Mundo da Noite era o único mundo. E eu não vou para o clube faz uma semana, Quinn pensou, mostrando os dentes. Ele riu alto, um som estranho e frágil. Bem, acho melhor eu ir hoje à noite. É tudo parte do grande baile, você vê, ele pensou que a menina da adega, naturalmente não poderia ouvi-lo. A dança da vida e da morte. A dança que está acontecendo neste exato momento em todo o mundo, em savanas Africanas e montanhas no Ártico e em arbustos comuns em Boston. Matar e comer. Caçar e morrer. A aranha com uma mosca; um urso polar agarrando uma foca. Um coiote caçando um coelho. É a maneira como o mundo sempre foi. Os seres humanos eram parte dele, também, exceto que fazem a matança nos matadouros e receberam suas presas sob a forma de hambúrgueres do McDonald's. Havia uma ordem nas coisas. A dança exige que alguém seja o caçador e alguém seja o caçado. Com todo o anseio das jovens para oferecer-se à escuridão, seria cruel Quinn não fornecer uma escuridão. Eles estavam todos jogando apenas seu jogo. Quinn foi para o clube, rindo de uma forma que mesmo ele ficaria com medo dele. O clube estava apenas algumas ruas de distância do armazém, Rashel observou. Fazia sentido. Tudo sobre esta operação tinha o selo de eficiência, e ela sentiu a mão de Quinn nisso.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

53

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Eu me pergunto o quanto ele está sendo pago para fornecer as meninas para a venda? Ela pensou. Ela tinha ouvido dizer que Quinn gostava de dinheiro. "Lembre-se, uma vez que estivermos dentro, você não me conhece", disse ela a Daphne. "É mais seguro para nós duas assim. Eles podem suspeitar que algo se soubessem que primeiro você escapou e agora você está trazendo um estranho." "Certo". Daphne parecia animada e um pouco assustada. Sob o casaco, ela estava usando um top preto colante e uma saia curta, e suas pernas em meias pretas brilhavam enquanto corria em direção à porta do clube. Sob o casaco de Rashel, escondido no forro, estava uma faca. Como sua espada, que era feita de pau-santo, a madeira mais dura sobre a terra. A bainha tinha vários compartimentos secretos. Era a faca de um ninja, e o Sensei que tinha ensinado Rashel as artes marciais, não teria aprovado. Ele não teria aprovado Rashel e o que ela fazia também, a sua história devia ter passado pela inspeção. Isso era um alívio. No interior, o lugar parecia o inferno. Não era uma balbúrdia. Ele literalmente parecia o inferno. Hades. O mundo dos mortos. As luzes transformaram em um lugar de fogo infernal e sombras roxas. A música era estranha, dissonante e soava a Rashel como se estivesse sendo jogada para trás. Ela pegou pedaços de conversa enquanto andava. "... Saindo mais tarde..." "... Não há dinheiro. Então eu tenho o que Jack..." "... Mamãe disse que estaria na reunião do clube..." Você começaria uma seção transversal real aqui, pensou ela secamente. Todos tinham uma coisa em comum, porém, eles eram jovens. Crianças. O mais velho parecia ter dezoito anos. O mais novo bem, Rashel poria doze, lá estavam algumas meninas. Ela teve um impulso de voltar e enfiar algo de madeira em Ivan. Um fogo lento que tinha começado no peito quando ela ouviu pela primeira vez sobre a cripta estava queimando mais quente, com tudo o que viu aqui. Este lugar inteiro era uma armadilha, uma gigantesca Vênus papa-moscas1, pensou ela enquanto ela tirava o casaco e acrescentou a uma pilha no chão. Mas se ela queria acabar com isso, ela teria que ficar calma e manter seu plano. Firme como uma coluna de ferro fundido, ela examinou o espaço atrás de vampiros. E ali, em pé com um pequeno grupo de idiotas com Daphne, estava Quinn. Deu um choque estranho em Rashel ao vê-lo, ela queria desviar o olhar. Ela não podia. Ele estava rindo e, de alguma forma, isso agarrou ela como um anzol. Por um momento de iluminação mórbida da sala parecia um colorido arco-íris no esplendor derramado por seu riso. Assustada, Rashel percebeu que seu rosto ficou ruborizado e seu coração estava batendo rapidamente. Eu o odeio, pensou, e isso era verdade. Ela o odiava pelo que ele estava fazendo com ela. Ele a fez se sentir levitando e à deriva. Confusa. Desamparada. Ela entendeu por que essas meninas estavam aglomeradas em torno dele, desejando atirar-se em sua escuridão, como um monte de sacrifícios virgens a saltar em um vulcão.
1

planta carnívora Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

54

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Quer dizer, o que mais você faz com um cara como esse? Pensou. Matá-lo. Seria a única solução, mesmo que ele não fosse um vampiro, ela decidiu com súbito ânimo insano. Porque o contato prolongado com aquele sorriso eria, obviamente, aniquilála. Rashel piscou rapidamente, obtendo o controle sobre si mesma. Tudo bem. Concentre-se no trabalho a ser feito. Ela teria que matá-lo, mas agora não, agora ela tinha que ser escolhida. Andando com cuidado em seus saltos, ela foi tentar participar do grupo de Quinn. Ele não a viu em primeiro lugar. Ele estava enfrentando Daphne e um par de outras meninas, rindo com muita freqüência. Ele parecia selvagem e um pouco febril Rashel percebeu. Uma espécie de Mad Hatter diabólico em uma festa de chá insano. "... E eu me senti tão totalmente horrível que eu não cheguei a conhecê-lo," Daphne estava dizendo, "e eu só queria saber o que aconteceu, porque ele estava tão sério estranho..." Ela estava contando a sua história, Rashel concluiu. Pelo menos nenhuns dos espectadores pareciam abertamente desconfiados. "Eu não a vi aqui antes", disse uma voz atrás dela. Pertencia a uma menina com cabelo escuro impressionante, pele muito pálida e olhos de cor âmbar ou topázio... como um falcão. Rashel congelou, tencionando cada músculo, tentando manter o rosto inexpressivo. Outro vampiro. Ela tinha certeza disso. A pele suave como uma pétala, a luz nos olhos... Esta deve ser a menina vampira que tinha trazido comida para Daphne no armazém. "Não, esta é minha primeira vez", disse Rashel, fazendo sua voz leve e ansiosa. "Meu nome é Shelly." Era parecido o suficiente com o seu próprio nome que ela iria responder automaticamente, se alguém falasse isso. "Eu sou Lily." A menina disse sem calor, e aqueles olhos de falcão continuou a furar Rashel em linha reta. Rashel teve que lutar para permanecer em seus pés. É Lily Redfern, pensou ela, trabalhando desesperadamente para manter um sorriso idiota engessado em seu rosto. Eu sei que é. Como Lily pode não ser quem estaria trabalhando com o Quinn? Eu tenho um Redfern aqui na minha frente. Eu tenho a filha de Hunter Redfern aqui. Por um instante ela estava tentado simplesmente pegar a faca. Matar uma celebridade como Lily parecia quase vale a pena desistir do enclave. Mas por outro lado, Hunter Redfern era uma espécie de vampiro moderado, com muita influência no Conselho do Mundo da Noite. Ele ajudou a manter os outros vampiros na linha. Feri-lo através de sua filha iria apenas fazer-lhe louco, e então ele poderia começar a ouvir os Conselheiros que queriam o abate em massa dos seres humanos. E Rashel perderia qualquer esperança de chegar ao coração do comércio de escravos, onde a escória real estava. Eu odeio política, Rashel pensou. Mas ela já estava sorrindo para Lily e tagarelando. "Foi meu amigo Marnie que me falou deste lugar, e estou realmente contente por ter vindo, porque isso é ainda melhor do que eu pensava, e eu tenho este poema que escrevi..." "Realmente. Bem, eu não estou morrendo de vontade de ouvi-la", disse Lily.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

55

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Seus olhos de falcão tinham perdido o interesse. Seu rosto estava cheio de desprezo, ela tinha rejeitado Rashel como uma idiota desesperada por bajulação. Ela foi embora sem olhar para trás. Dois testes passaram. Próximo. "Isso é o que eu gosto em Lily. Ela é absolutamente fria", uma menina ao lado Rashel disse. Ela tinha cabelo bronze ondulado e lábios cheios. "Oi, Eu sou Juanita", acrescentou ela. Ela é importante, Rashel pensou quando ela se apresentou. O grupo de Quinn tinha notado ela e todos pareciam concordar com Juanita. Eles ficaram fascinados pela personalidade fria de Lily, sua falta de sentimento. Eles viram isso como força. Sim, porque o sentimento dói. Talvez eu devesse adorar ela, também, Rashel pensou. Ela estava encontrando muitas coisas em comum com essas meninas. "Lily a princesa do gelo", uma outra menina murmurou. "É como se ela não fosse da terra como todos. É como se ela fosse de outro planeta." "Segure esse pensamento", disse uma nova voz, uma rápida e risonha voz um pouco louca. O efeito que teve em Rashel foi notável. Ele fez sua volta formigando e enviado as sensações até as palmas das mãos. E fechou sua garganta. Ok, teste número três, ela pensou, com base em cada grama da disciplina que aprendera em artes marciais. Não perca Zanshin. Fique relaxada e fria, como ele. Você pode fazer isso. Ela virou-se para satisfazer os olhos de Quinn.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

56

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 10
Ou não encontrá-los tanto quanto ela podia, antes de se concentrar em seu queixo. Ela não se atrevia a olhar diretamente para eles por muito tempo. "Talvez ela seja de outro planeta", Quinn estava dizendo para a menina. "Talvez ela não seja humana. Talvez eu não seja." Tudo bem, Rashel pensou. Tire sarro delas dizendo-lhes uma verdade que elas não vão acreditar. Mas, ela percebeu que Quinn parecia como se ele não se importasse com o que elas descobrissem, como se estivesse zombando delas. "Talvez ela seja de outro mundo. Você já pensou nisso?" Rashel estava confusa novamente. Quinn parecia estar tentando se matar. Ele parecia estar à beira de dizer a estes jovens sobre o mundo da noite, e sob as leis do mundo da noite, isso era punido com a morte. Você está realmente se encrencando, Rashel pensou. Primeiro, o comércio de escravos, agora isso. Pensei que era suposto ser como um defensor da lei. "Há dimensões mais escuras”, Quinn estava confiando ao grupo "do que você jamais imaginou. Mas, veja você, tudo é parte do grande projeto da vida, por isso está tudo certo. Sabe", ele colocou o braço em torno de um ombros da menina, apontando para fora como se a convidála a olhar para um horizonte "há um certo tipo de vespa que coloca seus ovos no corpo de uma lagarta? A lagarta viva. E ela permanece viva, você vê, enquanto os ovos comem a lagarta de dentro para fora. Agora, quem você acha que inventou isso?" Rashel não sabia se vampiros podiam ficar bêbados. "Isso seria provavelmente a maneira mais horrível de morrer", Daphne disse em sua assombrosa voz musical. "Ser comidos por insetos. Ou talvez for queimado." "Provavelmente, dependeria de quão rápido você queimou", disse Quinn meditando. "Uma explosão de fogo com uma temperatura suficientemente alta queimaria os nervos nos primeiros segundos. Cozimento lento seria diferente." "Eu estou escrevendo um poema sobre o fogo", disse Rashel. Ela ficou surpresa ao descobrir que ela estava irritada porque Quinn realmente não parecia ter notado ela. Pensando bem, ela deveria estar incomodando; seu plano dependia disso, não só observar, mas ser escolhida. Ela ia ter de chamar a sua atenção. "O que você tem com você?" Daphne estava tentando ser prestativa. "Não terminei, mas posso dizer-lhe o começo", disse Rashel. Ela se preparava para olhar Quinn quando ela recitou: "Não há calor no gelo, não há arrefecimento da paz no fogo, E a luz da meia-noite para nos mostrar todo o caminho. A chama dançante se torna uma pira funerária; A escuridão é mais atraente do
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

57

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen que o dia."

Quinn piscou. Então ele sorriu e olhou mais para Rashel, começando do macacão de veludo e terminando com o rosto dela. Ele olhou em toda parte... exceto em seus olhos. "Isso mesmo, você tem isso", disse ele com a mesma alegria frágil. "E há muita escuridão lá fora para todos." A preocupação de Rashel que se ele pudesse olhar muito profundo, ele reconheceria seu olhar era infundada. Quinn não parecia estar realmente vendo ninguém aqui. "Há uma abundância de trevas", Rashel disse. Ela moveu-se para ele, sentindo-se estranhamente corajosa. Seus instintos sentiram uma fraqueza nele, uma falha. "Está em toda parte. É inevitável. Então a única coisa que podemos fazer é abraçá-la." Ela estava parada em frente dele agora, olhando para sua boca. "Se nós tomarmos uma dose, não vai doer tanto." "Pois bem. Exatamente." Quinn mostrou seus dentes, mas não era o sorriso maníaco. Foi uma careta. Ele não parecia mais feliz, de repente, por um instante, ele parecia cansado e doente. Ele estava quase se inclinando para longe de Rashel. "Eu vim aqui para que eu pudesse fazer isso", Rashel disse em uma voz abafada. Ela estava assustando-se um pouco. Em nome da farsa, ela estava fazendo tudo o que podia para seduzi-lo, mas foi surpreendentemente fácil e surpreendentemente agradável. Havia uma espécie de formigamento por todo o corpo, como se o macacão tivesse pegado uma carga elétrica. "Eu vim para olhar a escuridão", disse ela. Suavemente. Quinn sorriu abruptamente. O bom humor febril veio à tona. "E você o encontrou", disse ele. Ele continuou rindo e rindo, e ele chegou a tocar na bochecha de Rashel. Não deixe ele te tocar! O pensamento passou pela mente Rashel e comunicou aos seus músculos em um instante. Sem saber como ela sabia, tinha certeza que se ele a tocasse, tudo estaria acabado. Foi o contato pele a pele que tinha quase frito cada circuito em seu cérebro antes. Ela dançou de volta a ponta dos dedos e sorriu provocadoramente, enquanto seu coração tentava bater o seu caminho para fora do peito. "Este lugar é tão cheio", disse ela ofegante. "Huh? Oh. Então, por que não fazemos algo mais privado? Eu poderia buscá-la amanhã à noite. sete horas no estacionamento.” Bingo. "Mas Quinn.” Era Daphne, parecendo ofendida. "Você me disse para encontrá -lo amanhã." Ela tremia o queixo. Quinn olhou para ela, e pela primeira vez, Rashel conseguiu ler seu rosto com facilidade. Ele estava pensando que alguém tão estúpido merecia.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

58

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Bem, você também pode vir", disse expansivamente. "Por que não? Quanto mais, melhor." Ele se afastou rindo e rindo. Rashel assistiu ele ir, resistindo a um impulso de agitar sua cabeça. Ela tinha feito isso, ela passou no último teste e foi escolhida. Então, por que o seu coração ainda estava batendo? Ela olhou de lado nos olhos de Daphne. "Bem, eu não sei sobre qualquer outra pessoa, mas eu tive emoção suficiente para esta noite." Ela foi buscar o casaco, com o resto da confraria de Quinn sentindo ciúmes dela. Ela teve uma experiência agradável na maneira como isso saiu. Ivan, ainda desleixado tentou impedi-la na porta. "Shelly, hey. Pensei que íamos ficar e se conhecer melhor uns aos outros." Rashel não precisava mais dele, ela tinha o seu convite. "Eu prefiro ficar e conhecer um piolho", disse ela na sua voz doce, e ela pisou no seu pé forte com o salto alto. No carro, ela esperou vinte minutos, vendo a frente do clube, antes de Daphne se juntar a ela. "Desculpe, mas eu não queria que ninguém pensasse que estávamos saindo juntas." "Você fez um ótimo trabalho", disse Rashel, afastando. "Você ainda conseguiu que nós fossemos convidadas para conhecer Quinn juntas o que era perigoso, mas funcionou. A única coisa que me surpreendeu é que ele convidou-nos na frente de todos. É assim que ele fez isso antes?" "Não. De todo. Da ultima vez, ele meio que sussurrou para mim quando ninguém estava por perto. Mas, você sabe nada foi normal hoje. Quero dizer, ele geralmente faz perguntas às novas meninas, eu acho que para descobrir se elas têm famílias quem vai sentir falta delas. Ele não é normalmente assim...” "Maníaco? "Sim. Gostaria de saber o que está acontecendo com ele?" Rashel pressionou os lábios e olhava para frente através do pára-brisa. "Você tem certeza que deseja continuar com isso?" Era domingo à noite e elas estavam chegando ao estacionamento da Cripta. "Eu disse-lhe", disse Daphne. "Eu estou pronta. Posso fazer isso." "Tudo bem. Mas, escute, se houver algum problema, eu quero você corra. Fuja do clube e não olhe para trás por mim. Tudo bem?" Daphne assentiu. Por sugestão de Rashel, ela estava usando algo mais sensato hoje: calça preta pesada o suficiente para proporcionar um pouco de calor, uma camisola escura, e sapatos que ela poderia correr, Rashel estava vestida da mesma maneira, exceto que ela estava
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

59

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

usando botas de cano alto. A faca estava em uma delas. "Você primeiro", disse Rashel, o parque de estacionamento ficava numa rua longe do clube. "Eu vou em um minuto." Ela viu Daphne ir de pé, esperando que ela não estivesse fazendo com que esse coelhinho loiro fosse morta. Ela mesma estava em perigo. Quinn iria usar o controle mental sobre elas para levá-las ao armazém em silêncio. E Rashel não tinha certeza do que iria acontecer quando ele fizesse isso. Só não deixe ele te tocar, ela disse a si mesma. Você pode fazer isso enquanto ele não te tocar. Cinco minutos depois, ela partiu para a cripta. Quinn estava no estacionamento escuro, parado em frente de um Lexus cinza prateado. Quando Rashel chegou ao carro, ela viu a mancha do rosto pálido de Daphne, através da janela. "Eu quase pensei que não viriam." Havia agora uma espécie de selvageria misturada com bom humor lunático em Quinn. Como se ele estivesse com raiva porque ela não era inteligente o suficiente para salvar-se. "Oh, eu não perderia isso por nada no mundo." Rashel manteve os olhos no carro. Ela queria acabar com isso. "Nós estamos indo a algum lugar?" Não havia sequer uma minúscula hesitação, que costumava vir toda vez que ela falava com ele, como se fosse levar um minuto para se concentrar. Ou como se ele estivesse tentando entender alguma coisa, pensou ela, nervosa. Então ele respondeu suavemente: "Oh, bem, entre." Quando Rashel estava dentro olhou uma vez para Daphne no banco de trás. Daphne disse "Tudo em cima?" com uma voz alegre atada com a rivalidade feminina. Boa menina. Quinn estava se colocando no lado do condutor. Uma vez que a porta estava fechada, ele ligou o motor para funcionar o aquecedor. As janelas começaram imediatamente a embaçar. Rashel sentou-se em um estado de espírito permanente, pronta para o inesperado a qualquer momento. Somente que o inesperado não veio. Nada veio. Quinn estava apenas sentado no banco do motorista. Olhando para ela. Com um súbito vazio no estômago ameaçador, Rashel percebeu que estava muito escuro. Muito familiar. Eles estavam sentados juntos aqui em silêncio, tão perto, visível para o outro apenas na silhueta, assim como eles tinham na adega. Ela quase podia sentir a confusão de Quinn, enquanto ele tentava descobrir o que o estava incomodando. E Rashel tinha medo de dizer alguma coisa, com medo de que não seria boa o bastante disfarçando sua voz. A sensação horrível de conexão foi se instalando, como uma onda verde gigante que pairava sobre ambos. Em um momento iria quebrar e Quinn e diria: "Eu sei quem é você", e acender a luz para ver sua cara sem véu. Os dedos de Rashel colocaram a faca em sua direção. Então, através do zumbido elétrico em seus ouvidos, ela ouviu Daphne dizer:

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

60

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Você sabe, eu adoro este carro. Aposto que ele vai muito rápido também. Isto tudo é tão emocionante que eu estou tão feliz por ter este momento. Não é como na semana passada.” Ela continuou, dizendo besteiras com facilidade, enquanto Rashel afundava com alívio. A ligação foi interrompida; Quinn estava olhando para o painel de instrumentos, como se tentando escapar da conversa. E agora Daphne estava falando sobre como foi emocionante para ela andar no escuro. Esperta, menina inteligente. Quinn teve de interrompê-la: "Então, vocês meninas querem se entregar à escuridão?" Ele disse isso, como se estivesse perguntando se elas queriam encomendar uma pizza. "Sim", disse Rashel. "Oh, sim", disse Daphne. "É como sempre dizemos. Penso que seria apenas mais legal." Quinn fez um gesto para ela, como se dissesse: "Pelo amor de Deus, cale a boca." Não era um gesto áspero. Era mais como um diretor de coro exasperado tentando passar alguns sopranos que não iriam alcançar a medida. “Pare aqui Daphne e cale a boca.” Assim mesmo. Como se tivesse desligado um interruptor nela. Rashel virou levemente para olhar para o banco de trás e viu que Daphne tinha caído para um lado, o corpo mole, sua respiração tranqüila. Oh, Deus, Rashel pensou. Ele usou nela o controle da mente que outros vampiros tinham tentado nela. A voz sussurrante persuasiva na cabeça. E quando Quinn não tinha tentado usar isso, ou para pedir ajuda no porão, ela presumiu que ele era fraco telepaticamente. Agora ela sabia a verdade. Ele usou isso como um soco telepático. Não, como um golpe de karatê: rápido, preciso e mortal. Ele se virou para olhar para ela, uma forma escura contra a escuridão. Rashel tentou fortalece-se. "E o resto é silêncio", disse Quinn, e apontou para ela. Rashel caiu no vazio. Ela acordou quando estava sendo levada para o armazém. Ela teve presença de espírito suficiente para não abrir os olhos ou fazer qualquer outro sinal de que ela estava consciente. Quinn a estava carregando, ela podia dizer mesmo com os olhos fechados. Quando ele a colocou em um colchão, ela deliberadamente caiu de modo que sua cabeça estava voltada para longe dele e seu cabelo estava em seu rosto. Ela tinha medo de que em algum momento ele iria descobrir a faca na bota quando ele a algemasse. Mas ele nem sequer arregaçou a perna da calça. Ele parecia estar fazendo tudo o mais rapidamente possível, sem realmente prestar atenção. Rashel ouviu o estalo da manilha ao ser fechada. Manteve-se perfeitamente imóvel. Deitou-se e ouviu que ele trouxe Daphne e acorrentou a ela. Então ouviu vozes por perto e o som de passos de outros. "Coloque esse aqui. o que aconteceu com sua bolsa?" Isso era Lily. “Ainda está no carro." Disse Ivan. "Ok, traga-a com a outra. Vou prender os seus pés." O baque de um corpo batendo em um colchão. Passos indo embora. O tilintar metálico das correntes. Em seguida, um suspiro de Lily. Rashel poderia imaginá-la se endireitando e olhando ao redor com satisfação.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

61

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Bem, é isso. Ivan vinte e quatro. Eu acho que nós vamos ter uma cliente muito feliz." "Maravilha", Quinn disse categoricamente. Vinte e quatro? Um cliente? "Vou deixar uma mensagem de que tudo vai estar pronto para o grande dia." "Faça isso." "Você está muito temperamental, você sabe. Não sou só eu quem percebeu isso." Uma pausa, Rashel imaginou Quinn dando um de seus olhares negros. "Eu estava pensando que era irônico. Recusei um trabalho como comerciante de escravos, uma vez. Isso foi antes. Lembras-te de antes, Lily? Quando vivíamos em Charlestown e sua irmã Dove ainda estava viva. Um capitão da Marblehead perguntou se eu queria sair em um navio para a Guiné com carga humana. acho que ele chamou de ouro negro. Pelo que me lembro, eu soquei-lhe o nariz.” "Quinn, o que há de errado com você?" "Apenas rememorando os velhos tempos à luz do sol. Claro, você não sabe sobre isso, como saberia? Você é Lâmia, que nasceu desse jeito. Tecnicamente, suponho que nasceu morta." "E, tecnicamente, eu suponho, você está ficando estranho. Meu pai sempre dizia que isso iria acontecer." "Sim, e eu quero saber o que seu pai iria pensar sobre tudo isso? Sua filha vendendo seres humanos por dinheiro. E, para um cliente, e por tal razão." Naquele momento, enquanto Rashel estava ouvindo desesperadamente, capturando cada palavra, passos pesados os interromperam. Ivan tinha retornado. Quinn parou, e ele e Lily permaneceram em silêncio quando outro corpo bateu em uma cama. Rashel amaldiçoou mentalmente. O cliente? O motivo? Ela supôs que as meninas estavam sendo vendidas como escravos domésticos ou como abastecimento alimentar. Mas é evidente que não era o caso. E então aconteceu algo que tirou os pensamentos do futuro de sua mente. Ela ouviu passos ao lado de sua cama, e ela estava consciente de alguém se inclinando. Não Quinn, o cheiro estava errado. Ivan. Uma mão áspera agarrou seu cabelo e puxou a cabeça para trás. Outro braço deslizou em sua cintura, levantando-a. Um tiro de pânico atravessou Rashel, e tentou afastá-lo. Ela se forçou a ficar flácida, os olhos fechados, braços balançando passivamente. Eu deveria ter estado preparada para isso. Ela percebeu que desde o início ao se incluir estaria permitindo-se a ser mordida. Sentir os dentes de vampiro no pescoço, permitindo derramar seu sangue. Mas nunca aconteceu isso com ela antes,e tomou cada gota de sua vontade deixar de lutar.Ela estava com medo. Sua garganta arqueada sentindo-se exposta e vulnerável, e ela podia sentir o pulso batendo descontroladamente.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

62

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "O que você está fazendo?" A voz de Quinn era forte como o rachar do gelo na geleira. Rashel sentiu Ivan ainda ir. "Eu tenho algo a resolver com essa garota. Ela é uma espertinha." "Tire as mãos dela. Antes que eu bata você através da parede." "Quinn", disse Lily. A voz de Quinn era extremamente distinta. "Deixe-a. Agora". Ivan deixou Rashel.

"Ele está certo", Lily disse friamente. "Elas não são para você, Ivan, e elas têm que estar em perfeita forma." Ivan ficou carrancudo e resmungou algo, Rashel ouviu passos se afastando. Deitou-se e ouviu seu coração lentamente se acalmando. "Vou dormir um pouco", disse Quinn, soando plano e maçante. "Até terça-feira, Lily", disse. Terça-feira, Rashel pensou. Grande. Vão ser dois dias muito longos.Eles foram os mais chatos dois dias de sua vida. Ela conhecia todos os cantos da pequena janela de vidro do escritório. As janelas eram um problema, já que ela nunca teve certeza absoluta de que Lily ou Ivan estavam atrás delas, de pé no próprio armazém e olhando através. Ela ouviu atentamente as portas do armazém, congelando instantaneamente a qualquer som suspeito.Daphne acordou de manhã. Rashel tinha o pescoço torcido para o lado e estava olhando através do vidro do escritório até o pequeno conjunto de janelas em uma alta parede do armazém. Assim que virou cinza com o amanhecer, Daphne sentou-se e gritou. "Shh! Está tudo bem! Você está aqui no armazém comigo." "Rashel?" "Sim. Fizemos isso. E eu estou feliz que você está acordada." "Estamos sozinhas?" "Mais ou menos", disse Rashel. "Há duas outras meninas, mas ambas estão hipnotizadas. Você vai ver quando estiver mais claro." Daphne soltou sua respiração. "Uau... o que fizemos. Isso é ótimo. Então como é que eu estou tão completamente e totalmente aterrorizada?” "Porque você é uma garota inteligente," disse Rashel. "Basta esperar até terça-feira, quando eles nos levarem para fora." "Levar-nos para onde?" "Essa é a questão."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

63

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 11
O U-Haul zumbia através do pavimento liso e Rashel tentava adivinhar onde eles estavam. Ela tinha tentado desenhar um mapa em sua mente, tentando imaginar cada movimento que eles fizeram, cada mudança de estrada debaixo deles. Ivan estava com elas, bloqueando as portas traseiras do caminhão. Seus olhos eram pequenos, e eles cintilaram sobre as meninas constantemente. Em sua mão direita segurava um taser, uma arma de choque elétrico de mão, e Rashel sabia que ele estava morrendo de vontade de usá-lo. Mas a carga estava sendo muito dócil. Daphne estava ao lado de Rashel, inclinando-se contra ela por conforto, os seus escuros olhos azuis fixos distraidamente na parede distante. Elas estavam algemadas juntas: embora ambos Lily e Ivan tivessem estado verificando Daphne constantemente buscando os sinais de acordar, eles eram muito cuidadosos não davam chance. No lado oposto do caminhão estavam as outras duas meninas. Uma delas era Juanita, cabelos bronze ondulados e emaranhados de dois dias sem escovar, seus lábios entreabertos, o olhar vazio. A segunda menina era desconhecida, com cabelos esvoaçantes e olhos de Bambi olhando fixamente. Ivan a chamou de Missy. Ela tinha cerca de doze anos. Rashel se permitiu sonhar com coisas que iria fazer com Ivan. Em seguida, ela se concentrou. A van parou. Ivan deu um pulo, e um minuto depois ele abriu as portas de trás. Então, ele e Lily estavam libertando as meninas e conduzindo-as, dizendo-lhes que se apresassem. Rashel respirou profundamente grata pelo ar fresco aberto. Maresia. Mantendo o seu olhar sem rumo e vítreo, ela olhou ao redor. Era o crepúsculo e eles estavam em uma doca de Charlestown. "Mantenha-se movendo", disse Ivan, uma mão em seu ombro. Adiante, Rashel viu que uma figura de cabelos escuros que estava no convés, fazendo algo com as linhas. Quinn. Ele mal olhou para cima quando Ivan e Lily apressaram as meninas para o barco, e ele não ajudou Missy quando ela quase perdeu o equilíbrio no cais. Seu humor mudou novamente, Rashel concluiu. Ele parecia retraído, voltado para dentro, reflexivo. "Mexa-se!” Ivan a empurrou, e por um instante, a atenção de Quinn mudou. Ele olhou para Ivan com os olhos negros como a morte, infinito e insondável. Ele não disse uma palavra. A mão de Ivan caiu de volta. Lily levou-as para uma cabine apertada e apontou-lhes um sofá em forma de L atrás de uma mesa pequena de sala de jantar. “Aqui. Sente-se. Vocês duas aqui. Vocês duas lá." Rashel caiu em sua cadeira e olhou vagamente a pia da cozinha minúscula. "Vocês todos ficam aqui", disse Lily. "Não se movam. Fiquem.” Ela teria feito um grande feitor de escravos, Rashel pensou. Ou um instrutor de cão. Quando Lily tinha desaparecido até as escadas e a porta bateu acima fechando, Rashel e Daphne ao mesmo tempo se permitiram respirar.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

64

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Você está bem?" Rashel sussurrou. "Sim. Um pouco insegura. Onde você acha que estamos indo?"

Rashel apenas balançou a cabeça. Ninguém sabia onde estavam os enclaves de vampiros. Uma idéia começava a se formar em sua mente, apesar de tudo. Deve haver uma razão pela qual eles estavam viajando de barco, teria sido mais fácil e seguro manter os prisioneiros no U-Haul. A menos que eles estavam indo para um lugar que você não podia chegar com o U-Haul. Uma ilha. Por que não alguns dos enclaves serem em ilhas? Havia centenas deles ao largo da costa oriental. Era um pensamento muito inquietante. Em uma ilha que seria completamente isolada. Para onde fugir se as coisas ficarem ruins. Não havia esperança possível de ajuda de fora. Rashel estava começando a se arrepender por ter trazido Daphne. E ela teve a sensação sinistra de que quando chegarem ao seu destino, ela iria lamentar ainda mais. O barco cortou através da água, na escuridão. Atrás de Quinn estava o horizonte de Boston, as luzes da cidade, mostrando onde o mar acabou e a terra começou. Mas antes não havia horizonte, não havia diferença entre o céu e o mar. Houve apenas o vazio infinito. Na escuridão ocasionalmente aparecia barcos solitários piscando luz. Eles só pareciam fazer a imensidão de água vazia mais solitária. Quinn ignorou Lily e Ivan. Ele não estava de bom humor. Deixou o ar frio banhar ele, permeando seu corpo, misturando com o frio que sentia por dentro. Imaginou-se congelando um pensamento um pouco agradável. Basta chegar ao enclave, pensou vagamente. E acabar com isso. Este último grupo de meninas o perturbou. Ele não sabia o porquê, e ele não queria pensar nisso. Eles eram vermes. Todos eles. Mesmo a morena que era tão linda que era quase tão ruim que fosse comprovadamente louca. A loira era um pouco louca também. Aquela que, tendo tido a sorte de cair fora da frigideira uma vez, tinha vindo de volta, revestindo-se com manteiga e farinha de rosca, e saltou novamente. Idiota. Alguém assim merecia isso... o pensamento de Quinn quebrou. Em algum lugar dentro dele havia uma vozinha dizendo que ninguém, mesmo idiota, merecia o que estava para acontecer às meninas. Você é o idiota. Basta levá-las para o enclave e, em seguida, você pode esquecer tudo isso. O enclave... Hunter Redfern foi quem primeiro pensou em enclaves nas ilhas. Por causa de Dove, ele disse. "Precisamos de um lugar onde os Redferns possam viver em segurança, sem olhar por cima dos ombros para os seres humanos com estacas. Uma ilha." Quinn não se opôs à classificação de si mesmo como um Redfern, embora ele não tivesse intenção de casar-se com Garnet ou Lily. Em vez disso, ele disse, praticamente, "Pescadores visitam as ilhas o tempo todo. Os seres humanos são imprevisíveis. Teríamos que mudar em breve." "Há feitiços para proteger os seres humanos locais. Conheço uma bruxa que vai fazê-lo, para proteger a Lily e Garnet.” "Por quê?" Hunter tinha sorrido. "Porque ela é a mãe delas."
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

65

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

E Quinn tinha dito nada. Mais tarde ele conheceu Maeve Harman, a bruxa que misturou o seu sangue com o Lâmia. Ela não parecia gostar muito de Hunter, e ela manteve sua filha caçula, Roseclear, que estava sendo criada como uma bruxa, longe dele. Mas ela fez a magia. E eles todos se mudaram para a ilha, onde Garnet finalmente desistiu de Quinn e se casou com um rapaz de uma família lâmia agradável. Seus filhos foram autorizados a levar o nome Redfern. E como o tempo passou, outros enclaves surgiram... Mas nada era completamente como o Quinn pensava agora. Ele se mexeu em seu assento na cabine. À frente, havia um horizonte novo. A lua prateada luminosa foi subindo acima da lagoa de água escura. Brilhava como um encantamento. Scrrrunch. Rashel estremeceu quando o barco foi ancorado. Alguém não estava sendo cuidadoso. Mas eles chegaram, e só podia ser uma ilha. Eles estavam indo para o leste há mais de duas horas. Daphne ergueu a cabeça fraca. "Eu não me importo se eles nos comerem no minuto em que sairmos, enquanto eu sentir terra firme novamente." "Isso praticamente é terra firme", Rashel sussurrou. "Estava calmo por todo o caminho." "Diga isso ao meu estômago." Daphne gemeu e Rashel a acotovelou. Alguém estava descendo as escadas. Era Lily. Ivan esperou acima com o taser. Eles agruparam as meninas fora do barco em um pequeno cais. Rashel fez o seu vago olhar ao redor de novo, à bênção do luar que lhe permitiu ver. Não era bem uma doca. Um cais com uma bomba de gás e um barracão. Havia três barcos a motor ancorados. E isso era tudo. Rashel não conseguiu ver nenhum sinal de vida. Os barcos flutuavam como navios fantasmas na água. Havia silêncio, exceto pelo marulhar das ondas. Uma ilha privativa, Rashel pensou. Algo sobre o local fez o cabelo na parte traseira de seu pescoço levantar. Lily na frente com Ivan nas costas levou o grupo a uma pista de caminhada que acabava em um penhasco. É apenas uma ilha, Rashel disse a si mesma. Você deve estar dançando com alegria. Este é o local que você queria chegar. Não há nada... estranho... sobre este lugar. E então, quando eles chegaram ao topo do penhasco, ela viu as pedras. Pedras grandes. Monólitos que lembrava estranhamente de Stonehenge. Era como se um gigante tivesse espalhado eles ao redor. E havia casas construídas entre elas, penduradas no rochedo solitário, olhando para o vasto mar escuro. Todas pareciam desertas, e de alguma forma lembraram Rashel de gárgulas, curvadas e esperando. Lily estava indo para a casa mais distante na estrada de terra arenosa. Era uma daquelas enormes casas de "Verão", que era realmente uma mansão. Uma casa de madeira maciça branca com ornamentação elaborada. Choque percorreu Rashel. Uma casa de madeira. Madeira. Este lugar não foi construído por vampiros. Os lâmias construíam em tijolo ou rochas, não saíam no bosque, que era letal para eles. Devem ter comprado a ilha dos seres humanos. o formigamento passou da cabeça aos pés. Isto definitivamente não é um enclave normal. Onde estão as pessoas? Onde está a cidade? O que estamos fazendo aqui?

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

66

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Movam-se."

Lily marchou em torno da parte de trás da casa e no interior. E, finalmente, Rashel ouviu os sons de outras formas de vida. Vozes de algum lugar dentro da casa. Mas ela não conseguiu ver a quem as vozes pertenciam. Lily as levou em uma grande cozinha antiga, passado uma despensa com prateleiras vazias. No final da copa estava uma pesada porta de madeira, e em um banquinho ao lado da porta estava um menino da idade de Rashel. Tinha cabelo castanho espesso e usava botas de caubói. Ele estava lendo uma revista em quadrinhos. "Ei, Rudi, disse Lily. "Como estão nossas presas?” "Quietas como cordeirinhos." A voz de Rudi foi lacônica, mas ele levantou-se respeitosamente quando Lily passou. Seus olhos cintilaram sobre Rashel e as outras meninas. Lobisomem. Os instintos de Rashel estavam gritando. Os nomes de... lobisomens, muitas vezes tinham nomes como Lovell ou Felan que significava lobo em sua língua nativa. Rudi significava "lobo famoso" em húngaro. Melhores guardas em todo o mundo, Rashel pensou sombriamente. Vai ser difícil passar por ele. Rudi foi abrir a porta. Com Lily estimulando por trás dela, Rashel desceu uma escada estreita e muito íngreme. Na base da escada estava outra pesada porta. Rudi destrancou e conduziu pelo caminho. Rashel entrou no porão. O que ela viu foi algo que ela nunca tinha visto antes. Uma grande sala de teto baixo. Mal iluminada. Com duas linhas de doze camas de ferro ao longo das paredes opostas. Havia uma garota em cada cama. As garotas. Todas as idades, todos os tamanhos, mas cada uma bonita à sua maneira única. Parecia uma ala de hospital ou uma prisão. Quando Rashel caminhou entre as linhas, ela teve que lutar para manter seu rosto branco. Essas meninas estavam acorrentadas às camas, e despertas... e assustadas. Olhos assustados olharam Rashel de cada cama, em seguida, disparou em direção ao lobisomem. Rudi sorriu para elas, acenando e acenando para os dois lados. As meninas encolheram. Apenas algumas pareciam corajosas o suficiente para dizer qualquer coisa. "Por favor..." "Quanto tempo nós temos que ficar aqui?" "Eu quero ir para casa!" As últimas duas camas em cada linha estavam vazias. Rashel foi colocada em uma. Daphne parecia doente e assustada com as algemas sobre os tornozelos, mas ela continuou corajosamente olhando para frente. "Durmam bem, garotas", disse Rudi. "Amanhã é um grande dia." E então ele, Lily e Ivan saíram. A porta de madeira pesada bateu atrás deles, ecoando na pedra da adega murada. Rashel sentou-se em um movimento. Daphne torceu-lhe a cabeça. "É seguro para conversar?" ela sussurrou. "Eu acho que sim", Rashel disse em uma voz normal. Ela estava olhando com os olhos
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

67

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

estreitados para baixo as linhas de leitos. Algumas das meninas estavam olhando para elas, algumas estavam chorando. Algumas tinham seus olhos fechados. Daphne explodiu com a força da ruptura de uma represa. "O que eles vão fazer conosco?" "Eu não sei", disse Rashel. Sua voz era dura e lisa, seus movimentos precisos e disciplinados, ela deslizou a faca da bota. "Mas eu vou descobrir." "O que você vai fazer com as cadeias?" "Não." De um guarda do lado da bainha, Rashel puxou uma fina tira de metal. Ela colocou os dentes levemente em um sorriso. "Eu vou abrir a fechadura." "Oh. Razoável. Ótimo. Mas então o que quero dizer, o que está acontecendo aqui? Que tipo de lugar é este? Eu estava esperando algum tipo leilão romano de escravos ou algo assim, como, com todos vestidos com togas e vampiros acenando." "Você ainda pode ver algo como isso", Rashel afirmou. "Eu concordo, é estranho. Este não é um enclave normal. Eu não sei, talvez seja algum tipo de centro de exploração, e eles irão nos levar para outro lugar para nos vender..." "Realmente, eu não estou com medo", uma voz tranqüila a sua esquerda, disse. Rashel virou. A menina na cama ao lado dela estava sentada. Ela tinha um flamejante cabelo ruivo, olhos melancólicos, e uma forma tímida. "Sou Fayth", disse ela. "Shelly," Rashel disse brevemente. Ela não confiava em ninguém aqui ainda. "Esta é Daphne. O que quer dizer, você não está com medo?" "Eles não estão nos levando a outro lugar para nos vender." Fayth parecia quase apologética. “Bem eu gostaria de saber o que vão fazer com a gente aqui "Rashel disse. "Vinte e quatro meninas em uma ilha com uma casa habitada? É uma loucura." "É um festival sangrento." Ela olhou para Fayth e disse bem baixinho: "Que?" "Eles estão tendo uma festa de sangue. No equinócio da primavera, eu acho. A partir de amanhã à meia-noite." Daphne estava fazendo toda a diferença para Rashel. "O quê? O que é uma festa de sangue? Diga-me." "É..." Rashel arrastou-a da atenção de Fayth. "É uma festa para os vampiros. Uma grande festa, um banquete. Três sacrifícios, você sabe." Ela olhou ao redor da sala. "Três meninas. E há vinte e quatro de nós..." "São oito vampiros", Fayth disse baixinho, olhando apologética. "Então você está dizendo que eles pegam um pouco de sangue de cada uma das três
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

68

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

meninas." Daphne estava inclinada ansiosamente para Rashel. "Isso é o que você está dizendo, certo? Certo? Um golinho aqui, um gole lá" Ela rompeu quando Rashel e Fayth olharam para ela. "Você não está dizendo isso." "Daphne, me desculpe ter trago você para isso." Rashel respirou fundo e abriu o segundo bloqueio em suas manilhas, evitando os olhos de Daphne. "A idéia de uma festa de sangue é que você beba o sangue de três pessoas em um dia. Todo o seu sangue. Você tem que drená-los." Daphne abriu a boca, calou-se, então finalmente disse pateticamente: "E você não estoura?" Rashel sorriu friamente, apesar de si mesma. "É suposto ser a grande final ou algo assim. Você toma o poder de seu sangue e o poder de sua força vital, de uma só vez." Olhou Fayth. "Mas foi ilegal por um longo tempo.” Fayth assentiu. "Então, é escravidão. Eu penso que alguém quer fazer um retorno." "Alguma idéia de quem?" “Tudo o que sei é que alguém muito rico convidou sete dos vampiros mais poderosos aqui para a festa. Quem quer que seja, ele quer realmente agradá-los." "Para fazer uma aliança”, disse Rashel lentamente. "Talvez." "Os vampiros transformados unidos contra os Lâmia.” "Possivelmente." "E o equinócio de primavera... Eles estão comemorando o aniversário do primeiro vampiro transformado. O dia que Maya transformou Thierry." "Definitivamente." "Espere um minuto”, disse Daphne. "Basta fazer uma pausa, ok? Como é que você sabe sobre tudo isso?" Ela estava olhando para Fayth. "Vampiros transformados, Maya... eu nunca ouvi falar de nenhuma dessas pessoas." "Maya foi à primeira dos Lâmia", Rashel disse rapidamente, olhando para ela. "Ela é o ancestral de todos os vampiros que podem crescer e ter filhos, os vampiros da família. Os vampiros que são transformados são diferentes. Eles são seres humanos que ficam transformados em vampiros por ser mordido. Eles não podem crescer, envelhecer ou ter filhos.” "E Thierry foi o primeiro homem a ser transformado em um vampiro", disse Fayth. "Por Maya no equinócio de primavera... Há milhares de anos." Rashel estava assistindo Fayth de perto. "Então, agora talvez vá responder a pergunta", disse ela. "Como você sabe tudo isso? Nenhum ser humano sabe sobre as historias do Mundo da Noite, exceto os caçadores de vampiros e os malditos Daybreakers”. Fayth estremeceu e, em seguida Rashel entendeu o porquê ela parecia tão apologética.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

69

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Eu sou um maldito Daybreaker." "Oh, Deus." "O que é um Daybreaker?" Daphne perguntou, cutucando Rashel.

"O circulo Alvorada é um grupo de bruxas que está tentando juntar os seres humanos e pessoas da noite para... Não sei para todos dançarem ao redor e beber Coca-Cola juntos", Rashel disse, perplexa. Ela estava confusa e revoltada, esta menina parecia tão normal, tão sensata. "Para viverem em harmonia, na verdade", Fayth disse a Daphne. "Para parar de odiar e matar uns aos outros." Daphne franziu o nariz. "Você é uma bruxa?" "Não. Eu sou humana. Mas tenho amigas que são bruxas. Tenho amigos que são vampiros. Sei de Lâmias e seres humanos que são almas gêmeas." "Não seja nojenta!" Rashel quase gritou pra ela. Levou um momento para se apossar de si mesma. Então, respirando com cuidado, ela disse: "Olha Daybreaker. Preciso de sua informação, por isso estou disposta a trabalhar com você temporariamente. Mas atenção à língua ou eu vou te deixar aqui, quando eu tirar o resto do nós para fora. Então você pode viver em harmonia com oito vampiros em seu próprio país.” Apesar de seu esforço de controle, sua voz tremia. De alguma forma as palavras de Fayth pareciam se manter ecoando em sua mente, como se tivessem alguma importância terrível. A palavra "almas gêmeas” parecia ricochetear em torno e dentro dela. E Fayth estava agindo estranhamente, também. Em vez de ficar brava, ela apenas olhou para Rashel seria e constantemente. Então ela disse suavemente, "eu vejo..." Rashel não gostou da forma como ela disse. Ela se virou para Daphne, que estava dizendo ansiosamente. "Então nós vamos sair daqui? Como uma fuga da prisão?" "Claro que sim. E nós vamos ter que fazer isso rápido." Rashel estreitou os olhos, tentando pensar. "Achei que teríamos mais tempo... E temos que passar por um lobisomem. E então quando nós estivermos fora, nós estamos em uma ilha. Isso é ruim. Nós não podemos viver muito tempo na natureza, é muito frio e eles vão nos achar. Mas tem que haver uma maneira...” Ela olhou para Fayth. "Eu não suponho que há alguma chance de outros Daybreakers aparecendo para ajudar.” Fayth sacudiu a cabeça. "Eles não sabem que estou aqui. Nós tínhamos ouvido que algo estava acontecendo em um clube de Boston, que alguém estava recolhendo as meninas para uma festa de sangue. Vim para verificar e fui presa antes de fazer meu primeiro relatório.” "Então, nós estamos por nossa conta. Tudo bem." A mente de Rashel estava em marcha agora, vibrando com idéias. "Ok, em primeiro lugar, nós vamos ter que ver o que essas meninas podem fazer no que elas podem nos ajuda.r"

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

70

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Fayth e Daphne estavam escutando atentamente, quando Rashel foi interrompida pela última coisa que esperava ouvir de um lugar como este. O som de alguém gritando seu nome. "Rashel! Rashel a caçadora de vampiros! Rashel o gato!"

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

71

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 12
A voz era estridente, quase histérica. Desequilibrada, Rashel pensou olhando ao redor. O som de seu segredo ser gritado em voz alta surpreendeu-a. Mas só por um instante. O momento seguinte, ela estava se movendo rapidamente entre as fileiras de meninas, procurando... "Nyala!" "Eu sei por que você está aqui!" Nyala sentou-se tensa. Ela parecia como quando Rashel a tinha visto, sua pele cacau, a coroa de rainha na cabeça, grandes olhos assombrados. Ela estava vestida com a mesma roupa escura que ela estava vestindo na noite em que apanharam Quinn. "Você está aqui porque você estava nisso o tempo todo! Você finge ser uma caçadora de vampiro” "Cala a boca!" Rashel disse desesperadamente. Nyala gritava alto o suficiente para ser ouvida do outro lado da porta. Ela se ajoelhou na cama de Nyala. "Eu não estou fingindo, Nyala.” "Então como é que você está livre e todas nós estamos acorrentadas? Você está do lado deles! Você diz que é o gato" Rashel fechou a mão sobre sua boca. "Ouça-me", ela sussurrou. Seu coração estava batendo. Todas as garotas à sua volta olhavam, e ela esperava ouvir a porta do porão aberto a qualquer momento. "Nyala ouça. Eu sei que você não gosta de mim e não confia em mim, mas você tem que parar de gritar. Podemos ter apenas uma chance de sair daqui." A expressão de Nyala era exigente. Seus olhos, cor de ameixa escura, olhavam para a Rashel. "Sou uma caçadora de vampiros", sussurrou Rashel quando Nyala se dispôs a ouvir. "Eu cometi um erro ao deixar o vampiro ir naquela noite... eu admito. Mas eu tenho tentado desde então colocar as coisas no lugar. Eu fui capturada de propósito para que eu pudesse descobrir o que estava acontecendo aqui e agora eu vou tentar fazer com que todas essas garotas fiquem livres.” Ela falou devagar e claramente, na esperança de que Nyala pudesse sentir a verdade de suas palavras. "Mas, Nyala, se o povo da noite descobrir que eu sou uma caçadora de vampiros e ainda mais o Gato vão me tirar daqui e me matar neste minuto. E então eu não acho que o resto de vocês terá uma chance.” Ela parou para respirar. "Eu sei que é difícil confiar em mim. Mas, por favor, tente. Você acha que pode fazer isso?"
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

72

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Uma longa pausa. Os olhos de Nyala a observaram. Então, finalmente, Nyala assentiu. Rashel tirou sua mão da boca de Nyala. Ela sentou na cama e elas olharam uma para a outra. "Obrigada", disse Rashel. "Eu vou precisar de sua ajuda." Então, ela balançou a cabeça. "Mas como você chegou até aqui? Como você encontrou o clube?" "Eu não encontrei nenhum clube. Voltei para a rua dos armazéns na quarta-feira. Eu pensei que talvez o vampiro pudesse voltar. E então, alguém me agarrou por trás." "Oh Nyala." Quarta-feira, Rashel pensou. A noite que Daphne viu Ivan levar uma menina nova e colocá-la em uma cama. Aquela garota era Nyala. Rashel pôs a mão em sua cabeça. "Nyala, eu quase te salvei. Eu estava lá na noite seguinte, quando Daphne caiu do caminhão. Você se lembra disso? Se eu soubesse..." Nyala, não estava escutando. "Então havia este sussurro em minha mente, dizendo-me para dormir. E eu não podia me mover, eu não podia mover braços ou pernas. Mas eu não estava dormindo. E então ele me levou para um armazém e me mordeu.” Sua voz era individual, quase agradável. Mas seus olhos congelaram em Rashel. "Ele me mordeu no pescoço e eu sabia que ia morrer, assim como minha irmã. Eu podia sentir o sangue saindo. Eu queria gritar, mas eu não podia me mover. Eu não podia fazer nada." Ela sorriu estranhamente para Rashel. "Eu vou lhe contar um segredo. Ela ainda está lá, a mordida. Você não pode vê-la, mas ela ainda está lá." Ela virou a cabeça para mostrar um pescoço liso sem marca. "Oh, Nyala, a Deus." Rashel sentia estranho tentar fazer gestos de conforto como Daphne, mas agora ela não pensava. Ela só pegou Nyala e a abraçou rigidamente. "Ouça-me", ela disse ferozmente. "Eu sei como você se sente. Quero dizer, não, eu não sei, porque nunca aconteceu comigo. Mas eu sinto muito. E eu sei como você se sentiu quando você perdeu a sua irmã." Ela se inclinou para trás e olhou para Nyala, quase sacudida. "Mas temos que continuar lutando. Isso é que é importante agora. Não podemos deixá-los ganhar. Certo?" "Sim..." Nyala olhou lentamente ao redor de sua cama, depois para Rashel. "Sim, isso está certo." Seus olhos pareciam tentar concentrar-se. "Eu estou fazendo um plano para sair daqui. E você tem que manter a calma e ajudar-me." "Sim." Nyala soou mais definida neste momento. Então ela sorriu serenamente e quase sussurrou: "E nós vamos começar a nossa vingança." "Sim". Rashel apertou sua mão. "De alguma forma, nós o faremos. Eu prometo a você". Ela caminhou de volta para sua cama sentindo olhos sobre ela, mas ninguém fez nenhuma
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

73

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

pergunta. Seus olhos estavam picando. O que tinha acontecido para Nyala era culpa dela. A menina já estava na borda, e por causa da Rashel, ela foi apanhada e atacada por um vampiro. E agora... Agora Rashel estava preocupada com a sanidade de Nyala, mesmo que elas conseguissem sair da ilha. No entanto ela tinha razão numa coisa, Rashel pensou. Vingança. É a única maneira de acabar com as coisas que têm sido feitas a essas meninas. O fogo no peito estava de volta, como se houvesse carvões em sua garganta e coração. Ela deixou endurecer ela e queimar todos os pensamentos dispersos de misericórdia para Quinn. Estranho como ela se manteve pensando nele, muito tempo depois que tinha feito a resolução de matá-lo. "Ela está bem?" Daphne disse preocupada. "Lembro-me dela lá do armazém." "Eu sei." Rashel pegou o canivete e sentou-se na cama de Daphne. Ela começou a trabalhar nas manilhas de Daphne. "Eu não sei se ela está bem. Os vampiros não têm convivido em harmonia com ela." Ela olhou amargamente para Fayth, que apenas olhou para trás grave e constante. "Ninguém acha que todas as pessoas da noite são boas", disse Fayth. "Ou todos os seres humanos. Nós não aprovamos a violência. Queremos parar tudo." "Bem, às vezes leva-se violência para acabar com a violência", disse Rashel rispidamente. Fayth não respondeu. "Mas por que ela estava te chamando de gato?" Daphne perguntou. Rashel podia sentir o olhar de Fayth sobre ela. "O Gato. É o nome de um caçador de vampiros, aquele que matou um monte de vampiros." Os olhos azuis escuros Daphne aumentaram ligeiramente. "É você?" Rashel hesitou. De alguma forma, com estas duas meninas olhando para ela, ela não se sentia tão impetuosa como ela estava um momento atrás. Ela não se sentia terrivelmente orgulhosa de ser o gato. Sem olhar para cima, ela disse, "Sim". Então ela olhou para trás na direção de Fayth. Fayth não disse nada. "Vai haver mais mortes antes de tudo isso ser feito", disse Rashel. "E eu não consigo pensar em ninguém que mereça mais do que os vampiros que nos trouxe aqui. Então me deixe cuidar disso, e não vamos discutir sobre isso. Tudo bem?" Ela quebrou o bloqueio das correntes de Daphne. Daphne imediatamente estendeu suas pernas luxuosamente, em seguida, pousou-as no chão. Fayth apenas balançou a cabeça lentamente. "Tudo bem, então. Ouça. A primeira coisa que temos a fazer é organizar essas meninas." Rashel passou a trabalhar nas cadeias de Fayth. "Vocês duas são boas oradoras. Quero que vocês duas vão ao redor e conversem com elas individualmente. Eu quero saber quem vai ser capaz de nos ajudar e quem ainda está sob o controle da mente. Eu quero saber quem vai ser um
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

74

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

problema. E eu particularmente quero saber quem tem alguma experiência com barcos.” "Os barcos?" Fayth disse. "Não há lugar seguro nesta ilha. Temos que sair. Existem quatro barcos no porto agora se pudermos apenas encontrar alguém para guiá-los." Ela olhou de Daphne para Fayth. "Eu quero que vocês me tragam de volta, pelo menos, duas meninas que têm alguma chance de não afundar um barco a motor. Entendido?" Daphne e Fayth se entreolharam. Elas concordaram. "Certo chefe", Daphne murmurou, e começou. Rashel pegou uma cadeia na sua mão e pensou. Não havia necessidade ainda de dizer a Daphne que ela não tinha um plano para enviar para fora com os barcos. Meia hora depois, Daphne e Fayth estavam diante dela sorrindo. Pelo menos Daphne estava radiante; Fayth estava usando aquele sorriso grave que estava começando a deixar Rashel louca. "Permita-me apresentar Annelise", disse Daphne, levando Rashel a uma cama. "Originalmente, uma nativa da Dinamarca. Ela fez o circuito de corrida em Antigua. De qualquer forma, ela diz que pode lidar com um barco.” A menina na cama era uma das mais velhas lá, dezoito ou dezenove. Ela era loira, de pernas longas. Rashel gostava dela de primeira vez. "E esta aqui é Keiko”, disse Fayth em sua forma simples. "Ela é jovem, mas ela diz que cresceu em torno de barcos." Esta Rashel não tinha tanta certeza sobre ela. Ela era pequena, com cabelos como seda preta e uma boca de roseta. Ela parecia uma boneca de colecionador. "Quantos anos você tem?" "Treze", Keiko disse suavemente. "Mas eu nasci em Nantucket. Meus pais têm uma Sunbridge Ciera. Acho que posso fazer o que você está pedindo, é apenas a navegação que me preocupa." "Não há mais ninguém", Daphne sussurrou no ouvido da Rashel. "Então, meu conselho é nós confiarmos na criança." "Acho que a navegação será para oeste em linha reta", disse Rashel. Ela sorriu tranqüilizando Keiko. "De qualquer forma, mesmo o oceano aberto é mais seguro do que aqui." Ela apontou para Daphne e Fayth voltar para seu canto. "Tudo bem. Bom trabalho. Você está certa sobre a confiança, eu não acho que temos outra escolha. Precisamos, definitivamente, de dois barcos para todas estas meninas. O que mais você descobriu?" "Bem, as que ainda estão sob controle da mente são os que vieram com a gente", disse Daphne. "Juanita e Missy. E o que poderia causar o problema é sua amiga Nyala. Ela não está totalmente desarticulada, se você sabe o que quero dizer." Rashel assentiu. "O controle da mente pode ser um problema, quanto tempo demorou a se desgastar os outros, Fayth?" "Um ou dois dias depois que vieram, mas isso não é o único problema, Rashel. Acho que Annelise e Keiko podem lidar com os barcos, mas não hoje à noite. amanhã."
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

75

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Nós não podemos esperar até amanhã", disse Rashel impaciente. "Eu não acho que temos uma escolha. Rashel, todas essas garotas estão sedadas. Drogadas." Rashel piscou. "Como?" Ela fechou os olhos. "Oh." "A comida", disse Fayth, Rashel assentiu com resignação. "Percebi imediatamente que havia algo nela. Acho que a maioria das meninas sabe e elas preferem ser tranqüilizadas a pensar sobre o que está acontecendo com elas." Rashel esfregou a testa com ar cansado. Não admira que as meninas não tenham qualquer dúvida. Não admira que elas não estejam todas gritando. Elas foram dopadas. "A partir de agora temos que impedi-las de comer", disse ela. "Elas precisam ter a mente clara se vamos escapar". Ela olhou para Fayth. "Tudo bem. Vamos esperar. Mas isso vai fazer tudo mais perigoso. Quantas vezes eles trazem comida aqui?” "Duas vezes por dia. Tarde da manhã e por volta das oito da noite. E então eles nos levam para a casa de banho de duas em duas." "Quem faz isso?" "Rudi. Às vezes ele tem outro lobisomem com ele." Daphne mordeu o lábio ansiosamente. "Estamos preparadas para os lobisomens?" Rashel sorriu. Segurando a faca, puxou o botão decorativo no final da bainha. Ele saiu, revelando uma lâmina de metal. Ela inverteu o botão e ele prendeu no final da bainha, de modo que a lâmina ficou presa fora como uma baioneta. A própria bainha de madeira dura era agora uma arma. "A lâmina é de aço revestido de prata", disse ela com satisfação. "Estamos preparadas para lobisomens." "Você vê?" Daphne disse a Fayth. "Essa menina pensa em tudo." Rashel guardou a faca. "Tudo bem. Vamos conversar com todo mundo novamente. Eu quero explicar o meu plano. Quando fizermos isso amanhã à noite, vamos precisar de cooperação e precisão." E, pensou ela, muita sorte. "Hora da comida!" Rudi caminhou entre as filas de camas, lançando pacotes de saco plástico para cada lado. Ele parecia, Rashel pensou exatamente como um treinador jogando peixe para as focas. Ela percorreu o corredor por trás dele. Nenhum outro lobisomem na porta. Bom. Tinha sido uma noite longa e um longo dia. As meninas ficaram tontas pela falta de alimentos, e cada vez mais tensas a cada hora. Algumas delas não conseguiram se desfazer da primeira impressão de Rashel, que tinha vindo do grito de Nyala. "Comam garotas. Tem que manter a sua força." A embalagem de alumínio ligeiramente quente bateu em Rashel. Mesma coisa com os
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

76

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

cachorros-quentes, do tipo que você compra em uma loja de conveniência. Untados com mostarda e drogas. As meninas foram sobrevivendo com o suco de uva que tinha derramado para elas. Conforme Rudi virou-se para lançar um pacote para Juanita, Rashel saiu suavemente de sua cama berço. Em um movimento ela pulou e caiu exatamente no alvo. "Não faça barulho", disse ela na orelha de Rudi. "E nem sequer pense em se mover." Ela tinha o braço torcido atrás das costas e faca de prata em sua garganta. Rudi não parecia saber como tinha chegado lá. Havia cachorros-quentes por todo o chão. "Agora", Rashel disse. "Vamos falar sobre jiu-jítsu. Isto é o que você chama de manter sem esforço. Resistência causará dor grave e muito possivelmente uma articulação fraturada. Você está entendo isso, Rudi?" Rudi mexeu um pouco e Rashel exerceu pressão sobre os nós dos dedos para cima. Rudi ganiu e dançou na ponta dos pés. "Silêncio! O que eu quero saber é onde está o outro lobisomem?" "Guardando a doca." "Quem está no banco?" "Ninguém". "Tem alguém na escada ou na cozinha? Não minta para mim Rudi, ou eu vou ficar irritada." "Não. Eles estão todos na sala de reunião." Rashel acenou para Daphne. Daphne saltou de sua cama. "Lembre-se todas de serem rápidas e calmas”, disse ela, como se promovido ela a sargento. Rashel sentiu a vacilação da menina e Rudi começou a chutar. "O que?" "Agora, Rudi.” Mantendo o cotovelo presos contra a pressão que Rashel exerceu novamente, levando-o facilmente no sentido que ela queria. "Você vai primeiro. Você vai destravar a porta superior para nós." "Annelise e Keiko na frente", disse Daphne. "Missy aqui. Vamos." “Não posso destrancar. Eu não posso. Eles vão me matar”, Rudi resmungou enquanto Rashel o levava até as escadas. "Rudi, olhe para estas jovens mulheres." Rashel oscilou em torno dele para que ele tivesse uma boa visão dos presos atrás dele. Elas estavam em com uma expressão tensa, a massa respirando levemente. "Rudi, se você não abrir essa porta, vou amarrá-lo e deixá-lo sozinho com elas... E esta faca é de prata. Eu prometo tudo o que os vampiros vão fazer não vai ser pior."
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

77

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Rudi olhou para as meninas, que olharam de volta para ele. Todas as idades, todos os tamanhos, unidas. "Eu vou destrancar a porta." "Bom rapaz". Ele se atrapalhou destrancando a porta. Quando foi feito, Rashel o empurrou primeiro, olhando nervosamente ao redor. Se houvesse vampiros aqui, ela tinha que mudar de tática rápido. A cozinha estava vazia e a música estava tocando em algum lugar dentro da casa. Rashel deu um sorriso selvagem. Foi um golpe de sorte que ela teve vontade de orar. A música pode salvar a vida dessas meninas. Ela puxou Rudi fora do caminho e balançou a cabeça para Daphne. Daphne estava no topo da escada, em silêncio acenando para as garotas. Fayth conduziu e Annelise e Keiko vieram atrás dela. As outras garotas passando apressado, Rashel estava orgulhosa de como silenciosas eram. "Agora", ela sussurrou, empurrando Rudi de volta para a escada. "Uma última pergunta. Quem está organizando a festa de sangue?" Rudi sacudiu a cabeça. "Quem te contratou? Quem comprou os escravos? Quem é o cliente, Rudi?" "Eu não sei! Eu estou te dizendo! Ninguém sabe quem nos contratou. Foi tudo feito por telefone!" Rashel hesitou. Ela queria continuar a interrogá-lo, mas agora o importante era fazer com que as meninas saíssem da ilha. Daphne ainda estava esperando na cozinha, assistindo Rashel. Rashel olhou para ela e, em seguida, a impotente cabeça marrom espessa de Rudi. Ela devia matá-lo. Era a única coisa inteligente a fazer, e foi o que ela tinha planejado fazer. Ele era um conspirador do plano para assassinar brutalmente vinte e quatro garotas e ele gostou. Mas Daphne estava assistindo. E Fayth lhe daria esse olhar. Rashel soltou sua respiração. "Durma bem", disse ela, e bateu na cabeça de Rudi com o cabo da faca. Ele caiu inconsciente, e ela fechou a porta do porão em cima dele. Ela se virou rapidamente para Daphne. "Vamos." Daphne foi à frente. Elas saíram pela porta dos fundos e pegou o caminho. Rashel moveuse rapidamente, em todo o galope amortecido pela grama selvagem. "É isso aí, Missy” ela sussurrou. "Calma e tranqüila. Nyala, você está mancando, a perna não dói? Um pouco mais rápido todo mundo." Ela fez seu caminho até a frente. "Ok, Annelise e Keiko. Quando chegarmos lá, eu vou cuidar do guarda. Então vocês sabem o que fazer." "Encontrar os barcos. Destruir tudo o que pudermos sobre os outros e pô-los à deriva. Então, cada um pega a metade das meninas e segue a oeste", Annelise disse.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

78

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Certo. Se você não puder chegar, faça o seu melhor e depois chame a Guarda Costeira." "Mas não imediatamente", Keiko interferiu. "Muitos dos ilhéus utilizão o rádio dos navios para a costa em vez de telefone. Os vampiros podem ter vigilância." Rashel apertou seu ombro. "Garota inteligente. Eu sabia que você era a certa para o trabalho. E lembre-se, se você chamar a Guarda Costeira, não dê o nome correto do barco e não mencione esta ilha." Era perfeitamente possível que houvesse pessoas da noite na Guarda Costeira. Elas estavam quase no fundo do precipício, e até agora os alarmes não tinham soado. Rashel observou o grupo em movimento novamente, depois se tornou ciente de que Daphne estava atrás dela. "Tudo bem?" "Até agora", disse Daphne sem fôlego. Ela acrescentou: "Você é boa nisso, você sabe. Encorajando-as e tudo." Rashel sacudiu a cabeça. "Eu só estou tentando mantê-las juntas até que elas não sejam mais problema meu." Daphne sorriu. "Eu acho que isso é o que eu disse." O cais estava abaixo delas, os barcos flutuando calmamente. O mar estava calmo e vítreo. O luar de prata deu à cena um olhar postal. Ela foi à frente novamente. “Fique atrás de mim todas vocês." Ela acrescentou pra Daphne, "Eu vou te mostrar no que eu sou boa." A poucos metros de rochas e areia estava o cais. Olhos no barraco, uma faca pronta, ela moveu-se silenciosamente. Ela queria cuidar do lobisomem, sem ruído, se possível. Em seguida, um vulto escuro veio apressado para fora da barraca ao luar. Ele deu uma olhada para Rashel e atirou a cabeça para uivar.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

79

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 13
Rashel sabia que ela tinha que parar o guarda antes que ele pudesse fazer qualquer som. A mansão dos vampiros estava nas falésias, com vista para mar aberto em vez do porto, e a música devia ajudar a afogar os ruídos, mas o maior perigo ainda era eles serem ouvidos antes que as meninas pudessem fugir. Lançou-se no lobisomem, jogando um chute frontal no peito. Ela podia ouvir o ar mover-se quando ele caiu para trás. Bom. Sem fôlego para uivar. Ela desembarcou com os dois joelhos em cima dele. "Isto é prata," ela sussurrou, pressionando a lâmina contra a garganta. "Não faça barulho ou eu vou usá-lo." Ele olhou para ela. Tinha o cabelo desgrenhado e os olhos que já estavam semi-animal. "Há alguém nos barcos?" Quando ele não respondeu, ela apertou mais a faca de prata. "Tem alguém lá?" Ele resmungou num fôlego. "Não." Seus dentes estavam se transformando, também, curvando e alongando. "Não se transforme." Rashel começou, mas naquele momento ele decidiu jogá-la fora. A pressão de seu pulso teria mergulhado a lâmina de prata em sua garganta até que ela caiu. Em vez disso Rashel rolou para trás em uma cambalhota, dobrando a cabeça e terminando no joelho direito. Então, quando o lobisomem saltou para ela, ela bateu a bainha da faca para cima, contra sua mandíbula. Ele caiu inconsciente. Muito ruim, eu queria perguntar-lhe sobre o cliente. Rashel olhou em direção à praia, vendo que Daphne, Annelise e Nyala estavam no cais com ela. Elas estavam cada uma segurando uma pedra ou um pedaço de madeira quebrado do cais. Elas iam me ajudar, Rashel pensou. Sentiu-se estranhamente aquecida por isso. "Tudo bem", disse ela rapidamente. "Annelise e Keiko, comigo. Todas as outras fiquem. Daphne vigie." Em questão de minutos, ela e as meninas tinham verificado os barcos e encontrou dois com as características que elas pensavam que podiam manipular... e com o combustível. Annelise tinha removido um par de peças cruciais do motor para fora dos outros. "Tirei os impulsores e os solenóides", disse ela a Rashel misteriosamente, segurando a mão suja. "Bom. Vamos colocá-las à deriva. Todas entrem no barco. Encontrem um lugar para sentar-se rapidamente e sentem-se." Rashel moveu-se de volta para o grupo, onde Fayth tinha os braços em torno de um casal de meninas que parecia assustadas com o oceano escuro. "Vamos lá, pessoal." Ela tentou agrupá-las na frente. Foi quando aconteceu. Rashel teve um momento de alerta. E então algo bateu com força incrível no meio das costas. Ele bateu no chão e mandou-a faca voar. Pior, ele enviou a sua mente um estado de choque. Ela não tinha estado preparada. Aquele instante de alerta não tinha sido suficiente, porque ela já havia perdido o zanshin. Ela não
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

80

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

tinha mais o presente de espírito permanente. Ela havia perdido seu único propósito. Nos velhos tempos, ela havia fixado em uma coisa para matar as pessoas da noite. Não tinha havido nenhuma hesitação, nenhuma confusão. Mas agora... ela já vacilou duas vezes hoje à noite, deixando os lobisomens inconscientes em vez de matá-los. Estava confusa, incerta. E, como resultado, despreparada. E agora eu estou morta, ela pensou. Sua mente entorpecida tentava desesperadamente recuperar a sua estratégia. Mas havia um rosnar selvagem em seu ouvido e um rastro de dor quente pelas costas. Garras de animal. Havia um lobo em cima dela. Rudi tinha ficado inconsciente. Rashel reuniu-se e tentou jogar para fora o lobo. Ela escorregou e tentou rolar para fora para debaixo dele, os braços para cima para manter protegida a garganta. O lobisomem era muito pesado e muito irritado. Ele mexeu sobre seu corpo rolando como um lenhador. Seu focinho rosnando e tentando pegar sua garganta em estocadas rápidas. Rashel poderia ver seu casaco espesso na extremidade. Ela sentiu o fogo em suas costelas suas garras tinham rasgado através de sua camisa. Ela ignorou-o. Seu único pensamento era mantê-lo longe de sua garganta. Mantendo o cotovelo para cima, ela pegou a faca com a outra mão. Não é bom. Ela não tinha rolado o bastante. Seus dedos só perderam o cabo. Rudi o lobo estava encima do seu rosto. Tudo o que ela podia ver eram afiados dentes molhados, gengivas pretas, olhos amarelos e ardência. Seu rosto estava com a respiração canina quente. Cada batida dos maxilares fez um barulho oco. Rashel só tinha a opção de bloquear cada estocada que ele deu. Mas ela não poderia manter isso para sempre. Ela já estava cansada. Acabou ela pensou. As meninas que poderia ter ajudado, Daphne, Nyala e Annelise que estavam no extremo do cais ou nos barcos. As outras meninas estavam, sem dúvida, com muito medo, mesmo de tentar. Rashel estava sozinha, e ela iria morrer em breve. A culpa é da minha própria estupidez, pensou vagamente. Seus braços estavam tremendo e sangrando. Ela foi ficando fraca rapidamente. E o lobo sabia. Seu braço escorregou para o lado. Sua garganta foi exposta. Em câmera lenta, viu as garras do lobo pela ampla abertura, em sua direção. Ela viu o triunfo naqueles olhos amarelos. Ela sabia, com uma curiosa sensação de resignação, que a próxima coisa que ela sentiria seria os dentes rasgando sua carne. A mais antiga forma de morrer no mundo. Sinto muito Daphne, pensou. Sinto muito, Nyala. Por favor, vá e estejam seguras. E então tudo pareceu congelar. O lobo parou, empurrando a cabeça para trás. Seus olhos estavam arregalados e fixos. Suas mandíbulas estavam abertas, mas sem se mover. Era como se fosse uivar. Mas isso não aconteceu. Ele entrou em colapso, um montão quente tremendo em cima de Rashel, pernas duras. Rashel se moveu para fora automaticamente. E viu a faca. Quinn estava acima dele. "Você está bem?" Ele estava respirando rapidamente, mas ele parecia calmo. O luar brilhou no seu cabelo preto. O mundo inteiro foi uma enorme, trêmula e estranhamente brilhante luz. Rashel ainda se sentia como se estivesse se movendo em câmera lenta. Ela olhou para Quinn, em seguida, olhou em direção ao cais. As meninas estavam espalhadas por toda parte, como se tivessem congelado no meio da fuga. Algumas estavam sobre as plataformas dos dois barcos restantes. Algumas estavam indo em direção a ela. Daphne e Nyala estavam apenas a quinze metros de distância, mas ambas
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

81

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

estavam olhando para Quinn. A expressão de Nyala era de horror, ódio e reconhecimento. Ondas assobiaram suavemente contra o cais. Pense. Agora pense menina, Rashel disse a si mesma. Ela estava em um estado de consciência expandida mais estranha e ela sentiu. Suas mãos estavam geladas e ela parecia estar flutuando, mas sua mente estava clara. Tudo dependia de como ela lidasse com os próximos minutos. "Por que você fez isso?" Quinn perguntou baixinho. Ao mesmo tempo, ela disparou a Daphne o mais rápido e mais intenso olhar de sua vida. Significava: Vá agora. Ela quis que Daphne compreendesse. "Você acaba de perder um guarda", continuou ela, levantando-se lentamente. Mantenha os olhos em você. Mantenha a mover-se. Faça-o falar. "Não era um muito bom", disse Quinn, olhando com desgosto a pilha de peles. Vá Daphne, Rashel pensou. Ela sabia que as meninas ainda tinham uma chance. Não havia outros vampiros descendo o caminho. Isso significava que Rudi tinha estado demasiado irritado para dar um alarme geral ou com medo. Isso era uma coisa boa sobre lobisomens, eles agiam por impulso. Quinn era o perigo agora. "Por que não um bom?”, perguntou ela. "Porque ele danificou a mercadoria?" Ela levantou a camisa rasgada afastando de suas costelas. Quinn jogou a cabeça para trás e riu. Algo empurrou no peito Rashel, mas ela aproveitou o momento para mudar sua posição. À direita para o lobo agora, com a mão esquerda ao nível exato da faca. "Isso é certo", disse Quinn. Um sorriso amargo e selvagem em torno de seus lábios. "Ele era arrogante. Você quase se rendeu à escuridão lá, Shelly. De qualquer forma, onde você arranjou uma faca de prata?” Ele não sabe quem eu sou, Rashel pensou. Ela sentiu tanto alívio e uma dor estranha subjacente. Ele ainda pensava que ela era uma garota do clube, talvez uma caçadora de vampiros, mas não o caçador de vampiros. O que ela admitiu que fosse bom. Então, ele está despreparado. Ele está fora de sua guarda. Eu posso matá-lo com um golpe, antes que chame os outros vampiros, as meninas podem ir embora. Ela olhou para o cais de novo, deliberadamente, esperando para desenhar o seu olhar. Mas ele não olhou para trás, e Daphne e as outras garotas estúpidas não estavam saindo. Recusando-se a ir sem ela. Idiotas! Agora ou nunca, Rashel pensou. "Bem, de qualquer maneira", disse ela, "eu acho que você salvou a minha vida. Obrigada." Mantendo os olhos para baixo, ela estendeu a mão. Sua mão direita. Quinn olhou surpreso, depois estendeu a mão automaticamente. Com um único movimento suave, como uma serpente desenrolando, Rashel atacou. Sua mão direita passou a mão e prendeu em seu pulso. Sua mão esquerda mergulhou para baixo para pegar a faca. Seus dedos sobre o punho fechado
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

82

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

e puxou a bainha com a lâmina de prata que ficou ligado no pescoço do lobisomem. Assim como ela tinha planejado. A faca em si veio de graça, a faca real, feita de madeira. E então Quinn tentou jogá-la e seu corpo respondeu automaticamente. Ela estava se movendo sem direção consciente, antecipando seus ataques e bloqueando ao mesmo tempo quando ele começou a atacar. Ela transformou a luta em dança. Mais rápido do que se pensava, graciosa como uma leoa, ela rebateu cada movimento que ele fez. Zanshin ao máximo. Ela acabou com a faca na garganta dele. Agora. Rápido. Termine. Ela não se mexeu. Você precisa fazer, ela disse a si mesma. Rápido, antes que ele chame os outros. Antes de socá-la telepaticamente. Ele pode fazer isso, você sabe disso. Então porque é que ele não tentou? Quinn ficou imóvel, com a ponta da faca de madeira no oco de sua garganta, justamente onde o colarinho escuro repartia. Sua garganta estava pálida sob o luar e seu cabelo era negro contra a areia. Passos soaram atrás de Rashel. Ela ouviu a respiração rápida. "Daphne, pegue os barcos e vá agora. Deixe-me aqui. Você entendeu?" Rashel falou cada palavra distintamente. "Mas Rashel" "Faça-o agora!" Rashel colocou uma força que ela não sabia que ela tinha por trás das palavras. Ela ouviu a entrada rápida de ar de Daphne, então passos recuando. Ao mesmo tempo, ela não tinha tirado os olhos de Quinn. Como tudo o mais, a lâmina verde negro da sua faca foi tocada com o luar. Parecia quase um brilho liquido. Pau - santo, a madeira da Vida. Seria a morte para ele. Um impulso iria colocá-lo através de sua garganta. A próxima parada seria o seu coração. "Sinto muito", Rashel sussurrou. Ela sentia. Ela estava verdadeiramente arrependida que isto tinha de ser feito. Mas não havia saída. Era para Nyala, para todas as meninas que ele raptou, caçou e vendeu. Era para manter as meninas seguras no futuro. "Você é um caçador," Rashel disse suavemente, tentando manter a estabilidade. "Então eu sou. Nós dois entendemos. Esta é a maneira que é. É matar ou morrer. Tudo se resume a isso no final." Ela fez uma pausa para respirar. "Você entendeu?" "Sim." "Se eu não parar, você vai ser um perigo para sempre. E eu não posso deixar isso acontecer. Eu não posso deixar você machucar ninguém." Ela estava consciente de que ela estava balançando a cabeça levemente em sua tentativa de explicar a ele. Seus pulmões doíam, e havia lágrimas em seus olhos. "Eu não posso.” Quinn não falou. Seus olhos eram negros e sem fundo. Seu cabelo estava ligeiramente despenteado na testa, mas ele não mostrou qualquer outro sinal de ter estado em uma luta. Ele
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

83

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

não vai lutar, Rashel concluiu. Então faça isso rápido e misericordioso. Não há necessidade de ele sentir a dor da madeira através de sua garganta. Ela trocou seu controle sobre a faca, elevando-a sobre o peito. Segurando-a com ambas as mãos, pousada sobre o coração. Um curso rápido para baixo. Pela primeira vez desde que ela tinha matado uma pessoa da noite, ela não disse o que ela sempre dizia. Ela não tinha o direito da gata agora, isto não era uma vingança por ela. Era uma necessidade. "Sinto muito", ela murmurou, e fechou os olhos. Ele sussurrou: "Este gatinho tem garras." Os músculos de Rashel travaram. Seus olhos se abriram. "Vá em frente", disse Quinn. "Faça. Você devia tê-lo feito na primeira vez." Seu olhar era tão firme como o de Fayth. Ela podia ver o luar em seus olhos. Ele não tinha o olhar selvagem, ou amargo, ou zombeteiro. Ele só olhou sério e um pouco cansado. "Eu deveria ter percebido antes que você era a caçadora da adega. Eu sabia que havia algo sobre você. Eu só não consegui descobrir o quê. Pelo menos agora eu vi seu rosto." Os braços de Rashel não desceram. O que estava errado com ela? Sua resolução foi esvaindo. Todo o seu corpo era fraco. Ela sentiu-se começar a tremer, e percebeu, para seu horror, que ela não podia parar. "Tudo o que você disse é verdade", disse ele. "É assim que tem que acabar." "Sim." Algo tinha inchado na garganta de Rashel e isso machucava. "A única outra possibilidade é que eu te mato. Melhor assim do que isso." Ele parecia exausto ou doente de repente. Ele virou a cabeça e fechou os olhos. "Sim", disse Rashel desanimada. Ele acreditava nisso? "Além disso, agora que eu vi seu rosto, eu não posso suportar a visão de mim em seus olhos. Eu sei o que você pensa de mim." As armas de Rashel caíram. A lâmina apontada para cima, entre os próprios pulsos. Ela sentou-se ali com seus dedos em seu peito e olhou para um arbusto de framboesas silvestres que cresciam para fora do penhasco. "Eu não posso matar você", ela sussurrou. "Deus me ajude, eu não posso." Ele balançou a cabeça uma vez, os olhos ainda fechados. Ela esperou ele atacar, mas ele não fez nada. Então, ele olhou para ela. "Eu disse a você antes. Você é uma idiota." Rashel o acertou sob a mandíbula do jeito que ela bateu no guarda. O punho de sua adaga pegou de frente. Ele não se mexeu para evitar o golpe. Ela o nocauteou. Rashel enxugou o rosto e se levantou, olhando em torno procurando por algo para amarrá-lo. Sua vida toda foi feita em pedaços, caindo ao seu redor. Ela não compreendia nada. Tudo o que ela podia fazer era tentar
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

84

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

terminar o que ela tinha vindo fazer aqui. Ação era o que ela precisava. Pensou que podia esperar. Teria que esperar. Então ela olhou para o cais. Ela não podia acreditar. Parecia como se pelo menos uma semana passou desde que ela gritou com Daphne, e eles estavam todos aqui. Os barcos estavam aqui, as meninas estavam aqui, e Daphne estava correndo em sua direção. Rashel caminhou ao seu encontro. Ela agarrou Daphne pelos ombros e a sacudiu rigidamente. "Saiam daqui! Você entendeu? O que eu tenho que fazer? jogá-la na água?" Os olhos de Daphne eram grandes e azuis. Seu cabelo loiro voava. Quando Rashel parou, ela suspirou. "Mas você pode vir conosco agora!" "Não, eu não posso! Ainda tenho coisas para fazer." "Como o quê?" Então os olhos de Daphne dispararam para o precipício. Ela olhou para Rashel. "Você está indo atrás deles? Você está louca!" Olhando assustada, agarrou as mãos de Rashel sobre seus ombros. "Rashel, não é suposto ser oito deles, certo? Lily e Ivan e quem sabe mais o quê! Você realmente pensa que pode matar todos eles? Que vão todos se alinharem?" "Não. Eu não sei. Mas eu não preciso matar todos eles. Se eu conseguir o cara que organizou isso, o cliente, vai valer à pena." Daphne foi sacudindo a cabeça, em lágrimas. "Isso não vai valer a pena! Não se você morrer. Você já está ferida" "Vai valer a pena se eu puder impedi-lo de fazer isso de novo", Rashel disse calmamente. Ela não podia gritar mais. Ela não tinha força. Sua voz se apagou, mas ela manteve os olhos em Daphne. "Agora, arranje alguém para me jogar uma corda ou algo para amarrar esses caras. E depois saia. Não, me dá cinco minutos para chegar ao topo do penhasco. Seis minutos. Dessa forma, talvez eu possa surpreendê-los antes deles perceberem que vocês se foram.” Daphne estava chorando constantemente agora. Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, Rashel continuou. "Daphne, a qualquer minuto eles podem perceber isso. Alguém é obrigado a verificar a adega antes da meia-noite. A cada segundo que estamos aqui poderia fazer a diferença. Por favor, por favor, não lute mais por mim." Daphne abriu a boca e depois a fechou. Seus olhos estavam desolados. "Por favor, tente cuidar de si mesma", ela sussurrou. Ela deixou Rashel ir e abraçou-a duramente. "Nós todos sabemos que você está fazendo isso por nós. Tenho orgulho de ser sua amiga." Então ela virou e correu, agrupando as outras nos barcos. Um momento depois, ela jogou pra Rashel dois pedaços de linha. Rashel amarrou Quinn em primeiro lugar, em seguida, o
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

85 lobisomem.

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Seis minutos", disse a Daphne. Daphne assentiu, tentando não chorar. Rashel não diria adeus. Ela odiava isso. Mesmo que ela soubesse perfeitamente bem que ela nunca mais ia ver Daphne novamente. Sem olhar para trás, ela voltou pela trilha de caminhada.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

86

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 14
A primeira pessoa que Rashel encontrou na mansão foi Ivan. Foi pura sorte, a mesma sorte que tinha ajudado a mantê-la viva até hoje. Ela escorregou pela porta de trás, do jeito que ela e as meninas tinham saído. De pé na cozinha no enorme silêncio, ela escutou por um instante a música que ainda explodia através do interior da casa. Então ela se virou para verificar o porão e encontrou Ivan; o terrível, correndo as escadas. Ele tinha claramente acabado de descobrir que suas vinte e quatro meninas escravas valiosas estavam faltando. Seu cabelo loiro estava voando, seus olhos estavam arregalados de alarme, sua boca estava torcida. Ele tinha o taser em uma mão e um monte de algemas de plástico de uso policial do tipo que se usa em manifestantes. Quando Rashel de repente apareceu na escada, seus olhos se abriram ainda mais. Sua boca abriu em espanto e, em seguida, o pé de Rashel impactou com a testa dele. O chute o bateu para trás, e ele caiu da escada de madeira. Rashel saltou depois dele, levando apenas um segundo depois dele. Mas ele já estava fora. "O que é isso? Você veio pegar algumas garotas?" Ela chutou as algemas de plástico. Ivan inconsciente não respondeu. Ela olhou para o relógio. Apenas 25 minutos para as nove. Talvez ele estivesse tomando as meninas para lavar ou algo assim. Pareceu-me demasiado cedo para começar a festa. Correndo sem fazer barulho para trás até as escadas, ela fechou a porta silenciosamente. Agora ela tinha que seguir a música. Ela precisava ver onde os vampiros estavam, como se encontravam, como ela poderia atacar os melhores deles. Ela se perguntava onde Lily estava. A cozinha estava aberta em uma sala grande com uma enorme estante embutida. Tinha, sem dúvida, sido feita para acomodar leitões ou algo assim, mas Rashel teve uma visão terrível de uma menina deitada na prateleira de mogno, mãos amarradas atrás dela, enquanto um vampiro parava para tomar um lanche. Ela expulsou essa idéia pra fora de sua mente e moveu-se silenciosamente entre as tábuas do assoalho. A sala de jantar levou a uma sala, e era no final do corredor que a música estava vindo. Rashel escorregou no corredor mal iluminado, como uma sombra, movendo-se cada vez mais perto das portas de lá. A última porta era a única que mostrava uma luz. É essa, pensou. Antes que ela pudesse chegar perto dela, algo bloqueou a luz. Imediatamente Rashel correu para a próxima porta. Ela prendeu a respiração, de pé no quarto escuro, olhando o salão. Se apenas um ou dois vampiros saíssem, ela poderia pegá-los fora. Mas ninguém saiu e ela percebeu que deve ter sido apenas alguém passando na frente da luz. No mesmo momento ela percebeu que a música era muito alta. Este não era outro quarto era o mesmo quarto. Ela estava em um gigantesco quarto de casal, com uma tela enorme de madeira dividindo em dois espaços distintos. A tela era sólida, mas esculpida em um padrão rendilhado que permitia a passagem da luz. Rashel enfiou a faca em sua cintura, em seguida, arrastou-se até a tela e olhou. Um quarto espaçoso, muito masculino, com painéis, como a sala de jantar em mogno e chão em assoalho de cerejeira. Vidro opaco nas janelas. Todos se preocuparam que alguém olhasse. O fogo queimando em uma enorme lareira, a luz trazendo os tons roxos de madeira. A sala inteira parecia vermelha e secreta.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

87

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

E lá estavam eles. Os vampiros da festa de sangue. Sete dos vampiros transformados mais poderosos no mundo, Fayth tinha dito. Rashel contou as cabeças rapidamente. Sim, sete. Nada de Lily. "Vocês não parecem muito assustadores", ela murmurou. Isso foi uma coisa sobre vampiros transformados. Ao contrário dos Lâmia, que poderiam parar o envelhecimento ou iniciar de novo quando eles queriam, vampiros transformados estavam presos. E desde que o processo de transformar um corpo humano em um corpo de vampiro era incrivelmente difícil, só um jovem humano poderia sobreviver. Tentar mudar alguém maior de vinte em um vampiro iria queimá-lo. Fritá-lo. Matá-lo. O resultado era que todos os vampiros transformados ficavam presos como adolescentes. O que Rashel olhava poderia ter sido o elenco para um sabonete novo da TV. Sete rapazes adolescentes, de diferentes tamanhos, cores diferentes, mas todos com a beleza de Hollywood, e todos vestidos para matar. Eles poderiam ter estado conversando e rindo sobre uma viagem de pesca ou uma escola de dança... exceto pelos olhos. Isso foi o que os entregou, Rashel pensou. Os olhos mostram uma profundidade que um cara da escola nunca poderia ter. Uma experiência, uma inteligência... e frieza. Alguns destes jovens tinham, sem dúvida, centenas de anos, talvez milhares. Todos eles eram absolutamente mortais. Ou então não estaria aqui. Cada um deve matar três jovens inocentes a partir da meianoite. Estes pensamentos passavam pela mente Rashel em questão de segundos. Ela já havia decidido sobre a melhor forma de mergulhar na sala e começar a atacar. Mas uma coisa que a impedia de fazê-lo. Havia apenas sete vampiros. E o oitavo era o que ela queria. O cliente. O que tinha contratado Quinn e organizado a festa. Talvez tenha sido um desses. Talvez seja o alto com a pele escura e o olhar de autoridade. Ou o louro prateado com um sorriso estranho... Não. Ninguém realmente se parecia com um anfitrião. Eu acho que é o único que ainda está faltando. Mas talvez ela não pudesse se dar ao luxo de esperar. Eles podem ouvir os bascos por rãs do mais o barulho constante da música. Talvez ela devesse apenas... Algo a agarrou por trás. Desta vez não teve nenhum aviso. E ela não se surpreendeu mais. Sua opinião de si mesma como um guerreiro havia caído. Ela destinou-se a lutar, apesar de tudo. Ela ficou mole para afrouxar o aperto, então alcançado entre suas próprias pernas para agarrar o tornozelo do atacante. Um empurrão para cima iria jogá-lo fora de equilíbrio. Não faça isso. Eu não quero ter que bater em você, mas eu vou. Quinn. Ela reconheceu a voz mental, e a mão presa em sua boca. E tanto a telepatia e o contacto com a pele estavam tendo um efeito sobre ela. Não era como antes, sem relâmpagos, sem explosões. Mas ela foi esmagada com o senso de Quinn. Ela parecia sentir a sua mente e o sentimento era de se afogar em um caos escuro. Uma tempestade que parecia ter a mesma probabilidade de matar Quinn como ninguém. Ele a ergueu silenciosamente e retirou-se do quarto com ela, no corredor, depois de um lance de escadas. Rashel não lutou. Ela tentou limpar a cabeça e esperar por uma oportunidade. Até o momento que ele puxou-a para um quarto no andar de cima e fechou a porta, percebeu que não ia ter uma oportunidade. Ele era muito forte, e ele poderia atordoá-la telepaticamente no instante que ela mover-se para fugir. Os quadros tinham virado. Não havia
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

88

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

nada a fazer agora, mas esperava poder enfrentar a morte com toda a calma que ele tinha. Pelo menos, pensou, iria acabar com a confusão. Ele a deixou ir devagar e ela se virou para olhar para ele. O que ela viu enviou calafrios entre as omoplatas. Seus olhos eram tão escuros e caóticos como as nuvens que ela sentia em sua mente. Era mais assustador do que a fome e o frio que tinha visto nos olhos dos sete caras lá embaixo. Então, ele sorriu. Um sorriso que derramou arco-íris. Rashel pressionou suas costas contra a parede e tentou preparar-se. "Dá-me a faca." Ela simplesmente olhou para ele. Ele puxou-a para fora de sua cintura e jogou-a sobre a cama. "Eu não gosto de ser nocauteado", disse ele. "Eu não sei por que, mas é algo que realmente me incomoda." "Quinn, basta acabar com isso." "E levou um tempo para me desatar. Toda vez que eu te encontro, parece que eu acabo amarrado e inconsciente. Está ficando monótono.” "Quinn... Você é um vampiro. Eu sou uma caçadora de vampiros. Faça o que você precisa fazer." "Também estamos sempre ameaçando uns aos outros. Já reparou? É claro que tudo o que continuo dizendo é verdade. É matar ou ser morto. E você matou um monte do meu povo, Rashel o gato." "E você matou um monte do meu, John Quinn.” Ele desviou o olhar, olhando para uma distância média. Suas pupilas estavam enormes. "Menos do que possam pensar, na verdade. Não costumo matar para me alimentar. Mas, sim, eu fiz o suficiente. Eu disse antes, eu sei o que você pensa de mim." Rashel não disse nada. Ela estava assustada e confusa e tinha estado sob pressão por um bom tempo. Ela sentia que a qualquer momento ela poderia ruir. "Nós pertencemos a duas raças diferentes, raças que se odeiam. Não há nenhuma maneira de contornar isso." Ele virou seus olhos escuros em sua volta e deu um sorriso brilhante. "A menos que, naturalmente, nós mudarmos isso." "O que você está falando?" "Eu vou fazer de você um vampiro." Algo dentro de Rashel pareceu ceder e cair. Ela se sentia como se suas pernas poderiam entrar em colapso. Ele não podia dizer isso, ele não poderia estar falando sério. Mas ele estava. Ela poderia dizer. Havia uma espécie de superfície de serenidade colada por cima das nuvens escuras em seus olhos. Era assim que ele resolveria um problema insolúvel. Ele a tinha agarrado. Rashel sussurrou: "Você sabe que não pode fazer isso."
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

89

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Eu sei que eu posso fazer isso. É muito simples, na verdade, tudo o que nós temos que fazer é intercambiar sangue. É o único caminho." Ele pegou os braços acima do cotovelo. "Você não entende? Contanto que você é humano, a lei do Mundo da Noite diz que você tem que morrer se eu te amo." Quinn tinha parado a curta distância, como se ele tivesse se assustado com o que ele disse. Então ele deu uma risada estranha e balançou a cabeça. "Se eu te amo", repetiu ele. "E esse é o problema, é claro. Eu te amo." Rashel encostou-se à parede procurando apoio. Ela não conseguia mais pensar. Ela não conseguia nem respirar corretamente. E em algum lugar profundo dentro dela havia um tremor que não iria parar. "Eu te amei desde a primeira noite, Rashel o gato. Eu não queria admitir isso, mas era verdade." Ele ainda estava segurando-a com força pelos braços, inclinando-se para ela, mas seus olhos estavam distantes, perdidos no passado. "Eu nunca conheci um ser humano como você", ele disse baixinho, como se lembrando. "Você foi forte, você não era fraca e patética. Você não estava olhando para a sua própria destruição. Mas você ia me deixar ir. Força e compaixão. E... Honra. Claro que eu te amei." Seus olhos escuros focaram novamente. Ele olhou-a bruscamente. "Eu teria sido um louco por não fazer isso." Caindo na escuridão... Rashel tinha um desejo terrível de simplesmente cair em seus braços. Cada polegada dele era tão estranhamente bela, e o poder de sua personalidade era esmagadora. E é claro que ela o amava também. Isso foi de repente dolorosamente claro. Inegável. Desde o início ele tinha tocado algo nela que ninguém jamais havia tocado. Ele era tão parecido com ela, um caçador, um lutador. Mas ele tinha a honra, também. No entanto, ele pode tentar negá-lo ou contorná-lo, mas dentro dele ainda havia honra. E como ela, ele sabia do lado escuro da vida, a dor, a violência. Ambos tinham visto e feito coisas que pessoas normais não entenderiam. Ela devia odiá-lo... mas desde o início ela se viu nele. Ela sentiu o vínculo, a ligação entre eles. Rashel sacudiu a cabeça. "Não!" Ela tinha que parar de pensar nessas coisas. Ela não iria render-se a escuridão. "Você não pode me parar, você sabe", Quinn disse suavemente. "Isso deve facilitar as coisas para você. Você não tem mesmo que tomar uma decisão. É tudo culpa minha. Sou muito, muito ruim, e eu vou fazer de você um vampiro." De alguma maneira, Rashel teve sua voz de volta. "Como você pode fazer isso para alguém que você ama"? Cuspiu.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

90

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

"Porque eu não quero que você seja morta! Porque, enquanto você é humana, você vai se matar!" Ele colocou seu rosto perto dela, suas testas quase se tocando. "Eu não vou deixar você se matar", disse ele através de seus dentes. "Se você me fizer um vampiro, eu vou me matar", disse Rashel. Sua mente tinha desaparecido. Por mais que ela tentasse, no entanto a escuridão pode ser sedutora, tudo desapareceu quando ela pensou em como iria acabar. Ela seria um vampiro. Ela seria conduzida pela sede de sangue e faria coisas que poderiam escandalizá-la agora. E ela, sem dúvida, encontraria desculpas para fazê-las. Ela iria se tornar um monstro. Quinn estava abalado. Ela tinha medo dele, podia ver isso em seus olhos. "Você vai se sentir diferente, uma vez que é feito", disse ele. "Não. Ouça-me Quinn." Ela manteve os olhos nos seus, olhando fundo, tentando deixá-lo ver a verdade do que ela estava dizendo. "Se você me fizer um vampiro, no momento em que eu acordar eu vou apunhalar-me com a minha própria faca. Você acha que eu não sou corajosa o suficiente?” "Você é muito corajosa, o que é o seu problema." Ele estava vacilante. A serenidade da superfície estava quebrando. Mas isso não era realmente útil, Rashel percebeu, porque debaixo dela estava uma agonia de confusão desesperada. Quinn realmente não via solução. Rashel não podia ver alguma, exceto que ela realmente não esperava sobreviver esta noite. A face de Quinn endureceu, e ela podia vê-lo afastar dúvidas. "Você vai se acostumar com isso", disse ele asperamente, a voz falhando. "Você vai ver. Vamos começar agora", acrescentou. E então ele a mordeu. Ele foi tão rápido. Inacreditavelmente rápido. Ele pegou o queixo e inclinou a cabeça para trás e para o lado, mas não com um controle irresistível e precisão. Então, antes que Rashel tivesse tempo de gritar, sentiu uma picada quente. Ela sentiu os dentes, dentes de vampiro, alargado com uma delicadeza e precisão impossível, perfuraram a carne dela. É isso. Esta é a morte. Pânico a inundou. Mas não era a morte, é claro, ainda não. Ela não ia mesmo ser transformada em vampiro por uma única troca de sangue. Não, em vez disso, seria uma lenta tortura... dias de agonia... dor... Ela ficou à espera da dor. Em vez disso, ela sentiu um calor estranho e fraqueza. Ele estava realmente bebendo seu sangue? Tudo o que ela podia sentir era a boca de Quinn em seu pescoço, os braços em torno dela com força. E. Sua mente. Aconteceu tudo de uma vez. Em uma repentina explosão em silêncio, a luz branca envolveu-a. Estourou em torno dela. Ela estava flutuando nela. Quinn estava flutuando nela. Foi brilhando ao seu redor e, através deles, e ela podia sentir uma conexão com Quinn que fez sua última conexão parecer uma linha telefônica com defeito. Ela o conhecia. Ela podia vê-lo, sua alma, o que você queira chamá-lo, o que fez John
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

91

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Quinn. Eles pareciam estar flutuando juntos em algum outro espaço, em lume branco que revelou tudo e sem piedade iluminou todos os lugares mais secretos. E se alguém lhe perguntasse, Rashel teria dito que seria horrível, e ela teria corrido por sua vida para ficar longe dele. Mas não era horrível. Ela poderia ver no escuro terrível, pedaços da mente de Quinn, e pedaços escuros e terríveis na dela. Um emaranhado de fios, espinhosos, peças assustadoras, cheio de raiva e ódio. Mas havia muitas outras peças, algumas delas quase não utilizadas que eram bonitas e fortes e completas. Havia muito potencial. Arco - íris em lugares que pediam pra crescer. Outras peças que pareciam vibrar com a luz, desesperada para ser despertada. Pedimos tão pouco de nós mesmos, Rashel pensou em perguntar. Se todo mundo é assim, conhecendo nós mesmos tão mal. Nós poderíamos ser muito mais... Eu não quero que você seja mais. És espantosa o suficiente do jeito que é. Era Quinn. Nem mesmo a sua voz, apenas Quinn. Seus pensamentos. E Rashel sabia que seus pensamentos fluíam-lhe sem ela, mesmo fazendo um esforço. Você sabe o que eu quero dizer. Não é estranho? Será que isso sempre acontece com os vampiros? Nada como isso já me aconteceu na minha vida, Quinn disse. O que ele sentia era ainda mais, e Rashel podia sentir-lo diretamente, em uma onda de vertigem doce. Houve um entendimento entre eles que corria mais profundo do que qualquer palavra poderia transmitir. O que quer que estivesse acontecendo com eles, mas eles tinham chegado a este lugar, uma coisa era óbvia. Sob a luz branca que revelou seu próprio interior, ficou claro que pequenas diferenças como ser vampiro ou humano não importa. Eram duas pessoas apenas. John Quinn e Rashel Jordan. Pessoas que estavam tropeçando ao longo da vida a tentar lidar com a dor. Porque não havia feridos. Havia dor na paisagem da mente de Quinn. Rashel sentiu-o sem palavras ou mesmo imagens, ela podia sentir os sentimentos que tinham marcado Quinn. Seu pai fez algo que matou Dove? Oh, John. Oh, John, eu sinto muito. Eu não sabia. Arco-íris de luzes brilhavam quando ela o chamou de John. Foi a parte dele que tinha reprimido mais cruelmente. A parte que ela quase podia sentir a crescer em sua presença. Não admira que odeie os humanos. Depois de tudo o que você passou, o seu próprio pai queria você morto... E não é de admirar que odiasse vampiros. Mataram alguém importante pra você, a sua mãe? E você era tão jovem. Eu sinto... muito. Ele não era tão fácil, com palavras como ela foi, mas aqui eles não precisam de palavras. Ela podia sentir a sua tristeza, sua vergonha, e sua proteção feroz. E ela podia sentir a emoção por trás de sua próxima pergunta. Quem fez isso? Eu não sei. Eu provavelmente nunca saberei.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

92

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Rashel não quis persegui-lo. Ela não queria alimentar o lado escuro de Quinn, ela queria ver mais a luz tremeluzente. Ela queria fazer a luz crescer até a escuridão desaparecer. Rashel acho que não pode ser possível. O pensamento de Quinn não era amargo, era grave e delicado. Tingido com tristeza infinita. Eu posso não ser capaz de me tornar algo melhor. Claro que você pode. Nós todos podemos. Rashel pensou com absoluta determinação. Ela podia sentir o frio profundo que tinha estabelecido nele anos atrás, que tinha permitido ajustar-se dentro. Eu não vou deixar você ser frio. Disse-lhe. E ela começou uma brincadeira em sua mente, beijando as coisas e soprando calor dentro delas, pensando na luz solar e conforto em todos os lugares. Por favor, pare, eu acho que você está me matando. O pensamento de Quinn era precário meio histérico e meio grave, como o suspiro de alguém indefeso sendo agradado. Rashel estava toda cantante com alegria. Ela era jovem, como é estranho que nunca tinha realmente sentido jovem, até agora, e ela estava amando mais forte do que ela nunca tinha estado antes. Ela tinha John Quinn o vampiro semi-histérico. Ela estava imparável. Tudo era possível. Eu vou aquecer tudo, ela disse a Quinn, e ela ficou feliz ao ver que tinha mandado a sua dúvida e sua tristeza embora, pelo menos por um momento. Você realmente quer me parar? Não. Quinn parecia atordoado e confuso agora. Eu decidi que vou gostar de morrer desta forma. Mas... Rashel não poderia seguir o resto do seu pensamento, mas sentiu um frio novo, algo como um vento de fora. Fora. Ela tinha esquecido que havia um fora. Em aqui, no casulo privado de suas mentes, não havia nada, mas do que ela e Quinn. Era quase como se nada mais existisse. Mas... Havia todo um mundo lá fora. Outras pessoas. Coisas acontecendo. Coisas que Rashel tinha que parar. "Oh, Deus, Quinn, os vampiros."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

93

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 15
O som de sua própria voz enviada a Rashel através da luz. Era como se ela estivesse emergindo de águas profundas de um mundo para outro. Ou, como se ela fosse re-entrar em seu próprio corpo. Por um momento, tudo era confusão e Rashel não tinha certeza de onde estava ou como estava posicionada... e, em seguida, sentiu os braços e as pernas e viu uma luz amarela. Brilhando. Ela estava em um quarto no andar de cima em uma mansão em uma ilha privada, e Quinn estava segurando ela. Eles tinham de alguma forma acabado no chão, meio ajoelhada, meio apoiada pela parede, seus braços em volta dela, a cabeça de Rashel em seu ombro. Ela não tinha idéia de quando ele parou de morder ela. Ela também não tinha idéia de quanto tempo tinha passado. Ela tossiu um pouco abalada com o que tinha acontecido. O outro lugar, com a luz, parecia ainda mais real do que as placas duras e brilhantes do chão debaixo dela e as paredes brancas da sala. Mas também parecia envolta em sua própria realidade. Como um sonho. Ela não sabia se seria capaz de voltar lá novamente. "Quinn?” Ele era Quinn novamente. Não John. "Sim". "Você sabe o que aconteceu? Quero dizer, você entende isso?" "Eu acho", disse ele, e sua voz era suave e plana "que o sangue pode reforçar a partilha de uma ligação telepática. Eu sempre fui capaz de bloqueá-lo quando me alimentei antes, mas..." Ele não terminou. "Mas aconteceu antes. Ou algo como isso aconteceu. Quando eu te conheci." "Sim. Pois bem. Bem, eu acho que é... há algo chamado..." Ele desistiu e recorreu à comunicação não-verbal. Há algo chamado de alma gêmea. Eu nunca acreditei nisso. Eu ri das pessoas que falavam sobre isso. Eu teria apostado minha vida que... "O que é Quinn?” Rashel tinha ouvido falar, também, especialmente nos últimos tempos. Mas não era algo do seu mundo, e ela queria que uma pessoa da noite explicasse. É a idéia de que toda pessoa tem uma e apenas uma alma gêmea no mundo, e que, se você a encontra, você é capaz de reconhecer imediatamente. E... Bem, é isso. "Mas não é suposto acontecer entre seres humanos e pessoas da noite. Certo?" Há algumas pessoas que pensam que está acontecendo agora, por algum motivo em especial entre seres humanos e pessoas da noite. Parece que com os Redferns em particular. Houve uma pausa, em seguida, Quinn disse em voz alta: "Eu provavelmente deveria pedir desculpas a alguns deles, realmente." Ele parecia confuso.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

94

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Rashel sentou-se, o que foi difícil. Ela não queria deixar Quinn ir. Ele manteve a pressão de seus dedos, o que ajudou um pouco. Ele parecia mais despenteado do que ele estava no cais, com o cabelo arrumado desordenado, seus olhos grandes e escuros e atordoado. Ela prendeu seu olhar diretamente. "Você pensa que somos almas gêmeas?" "Bem". Ele piscou. "Você tem uma explicação melhor?" "Não." Ela respirou. "Você ainda quer me fazer um vampiro?" Ele olhou para ela, e algo inflamado e, em seguida, caiu na dor em seus olhos. Por um instante, tudo o que ela podia ver era seu arrependimento. "Oh, Rashel" Em um movimento ele a pegou e segurou-a. Seu rosto estava pressionado em seu cabelo. Ela podia sentir sua respiração como uma criatura ferida e, em seguida, o sentiu recuperar o controle, capturou a disciplina em algum lugar, enrolando-se nele. Ele descansou o queixo sobre sua cabeça. "Eu sinto muito que você tem que perguntar isso, mas eu entendo. Eu não quero fazer de você um vampiro. Quero" Eu quero que você seja o que você era a dois minutos atrás. Que seja feliz, sonhadora... Ele soou como se fosse algo que tinha sido perdido para sempre. Mas Rashel sentiu uma alegria nova e uma nova confiança. Ele tinha mudado. Ela podia sentir o quanto ele já havia mudado. Eles estavam no mundo real, e ele não estava delirando sobre a necessidade de matála, ou ela a necessidade de matá-lo. "Eu só queria ter certeza", disse ela. Ela apertou os braços em torno dele próprio."Eu não sei o que vai acontecer, mas enquanto nós estamos bem juntos, acho que posso enfrentá-lo." Eu acho que nós vivemos ou morremos juntos a partir de agora, Quinn disse simplesmente. Sim, Rashel pensou. Ela ainda podia sentir a tristeza remanescente em Quinn e confusão, mas eles estavam bem juntos. Ela não precisa duvidar mais dele. Eles confiaram um no outro. "Temos que fazer alguma coisa sobre o povo lá embaixo", disse ela. "Sim". “Mas não podemos matá-los." "Não. Não é o suficiente matar. Eles têm que parar." Quinn parecia um nadador que havia caído em uma correnteza, e cujos pés tinha finalmente encontrado terreno firme. Rashel sentou-se para olhar para ele. "Mas não podemos simplesmente deixá-los sair daqui. E se eles tentarem de novo, quer dizer, quem organizou esta festa de sangue..." De repente, ela percebeu que ela havia perguntado a todo mundo, mas ele não. "Quinn, quem organizou isso?" Ele sorriu um eco fraco do seu sorriso selvagem. Agora era sombrio e zombando de si
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

95

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

mesmo. "Eu não sei." "Você não sabe?" "Alguns vampiro que queriam ficar com os vampiros fizeram juntos. Mas eu nunca o conheci. Lily era o vão entre eles, mas eu não tenho certeza que ela sabe quem é. Ela só falou com ele ao telefone. Nenhum de nós pediu um monte de perguntas. Nós estávamos fazendo pelo dinheiro. "Ele disse categoricamente não a poupando. E para ser rebelde, Rashel pensou. Para ser tão ruim e tão amaldiçoado quanto possível, porque achava que podia. Ela disse: "Quem sozinho poderia ir para outro lugar e encontrar alguém para obter seus escravos para ele. Os sete indivíduos poderiam ter uma festa de sangue de novo no próximo mês." "Isso tem que ser interrompido, também", disse Quinn. "Como parar isso sem violência, é a questão." Seus dedos ainda estavam apertados sobre Rashel, mas ele estava olhando para longe, perdido em pensamentos sombrios e concentrado. Era um novo lado de Quinn. Rashel tinha visto quase todo o humor desesperado e maníaco, mas ela nunca tinha trabalhado com ele antes. Agora, ela percebeu que tinha um forte aliado e recursos. De repente, Quinn parecia concentrar-se. "Eu sei", disse ele. Ele sorriu de repente, zombando, mas sem amargura. "Quando a violência não irá funcionar, não há outra escolha senão tentar a persuasão." "Isso não é engraçado." "Isso não deveria ser." "Você vai dizer: 'Por favor, não mate nenhuma das jovens garotas?" "Eu vou dizer, 'Por favor, não mate qualquer uma das jovens meninas ou eu vou fazer um relatório para o Conselho. Ouça Rashel". Levou-a pelos braços, os olhos faiscando de excitação. "Eu tenho alguma autoridade no mundo noturno sou o herdeiro de Redfern. E Hunter Redfern é poderoso. Entre nós, podemos trazer todos os tipos de problemas para esses vampiros transformados.” "Mas Fayth uma amiga minha disse que eles eram muito poderosos." Na intensidade do momento, Rashel quase perdeu o fato de que ela tinha acabado de chamar Fayth de sua amiga. Quinn sacudiu a cabeça. "Não, você tem que entender. Estes não são bandidos, são cidadãos do Mundo da Noite. E o que eles estão fazendo é totalmente ilegal. Você não pode simplesmente matar um monte de garotas de uma área sem autorização. Escravidão é ilegal, festas de sangue são ilegais. E não importa o quão poderosos eles são, eles não podem contra o Conselho Mundo da Noite” "Mas" "Nós vamos ameaçá-los com a exposição ao Conselho. Expor eles para Hunter Redfern e os Lâmia. Os lâmia vão ficar loucos com a idéia de vampiros transformados juntos em algum tipo de aliança. Eles vão entender como uma ameaça de guerra civil". Pode funcionar, Rashel estava pensando. Os vampiros transformados são apenas
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

96

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

indivíduos, eles não podem contra todas as famílias lâmia. Especialmente contra a família Redfern, o clã mais antigo e respeitado de vampiros. "Todo mundo tem medo de Hunter Redfern," ela disse lentamente. "Ele tem uma tremenda influência. Ele é praticamente o dono do Conselho. Ele poderia expulsa-los do Mundo da Noite se quisesse. Acho que vão ouvir." "Você realmente acha que ele é um pai, não é?" Rashel disse, sua voz macia. Ela procurou os olhos de Quinn. "Tudo o que você diz sobre odiá-lo, você o respeita." "Ele não é tão ruim como a maioria. Ele tem... Honra, eu acho. Normalmente." E ele é um da Nova Inglaterra, Rashel pensou. Isso significa que ele é contra a imoralidade. Ela considerou por outro momento, ela balançou a cabeça. Seu coração batia rápido, mas ela podia sentir um sorriso quebrando em seu rosto. "Vamos tentar a persuasão." Eles ficaram e depois fizeram uma pausa, olhando um para o outro. Somos fortes, Rashel pensou. Temos unidade. Se alguém puder fazer isso, somos nós. Ela pegou a faca quase distraída. Era uma obra de arte, uma posse valorizada, e ela não queria perdê-la. Desceram as escadas lado a lado. A música ainda tocava na sala no final do corredor. Não tinha sido muito tempo, Rashel concluiu. O mundo inteiro mudou desde que ela tinha estado neste corredor, mas de alguma forma, tinha tudo acontecido em questão de minutos. “Agora”, Quinn disse silenciosamente antes de irem para dentro “não deve haver qualquer perigo, não acho que vão ser estúpidos o suficiente para me atacar, mas de qualquer forma fique alerta.“ Rashel assentiu. Ela sentia calma e preparada, e ela pensou que era perfeitamente racional. Foi só depois que ela percebeu que havia caminhado para o quarto como cordeirinhos em um covil do tigre, ainda tonta e cambaleando desde a descoberta do amor. Quinn entrou primeiro e ela podia ouvir as vozes parando quando ele entrou. Então, ela estava andando através da porta, na sala as luzes oscilavam lançando sombras dançantes nas paredes. E lá estavam eles novamente, esses caras lindos e jovens que se pareciam com o elenco de séries de TV. Eles estavam olhando para Quinn com várias expressões de interesse e surpresa. Quando a viram, as expressões afiadas iam do prazer e interrogação. "Ei, Quinn!" "Olá, Quinn. "Então você chegou por último. Você nos manteve esperando tempo suficiente." Apesar do escuro estava olhando para o relógio. Quinn disse: "Desligue a música." Alguém foi a um armário embutido em mogno e desligou um estéreo caro. Quinn estava olhando ao redor da sala, como se avaliando cada um deles.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

97

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Campbell", disse ele, inclinando-se ligeiramente. "Radhu. Azarius. Max".

"Então você é o que nos trouxe aqui", disse Campbell. Ele tinha cabelos enferrujados e um sorriso sonolento. "Nós todos estamos morrendo de vontade de descobrir." "Quem é ela?" alguém acrescentou, olhando Rashel. "A primeira?" Quinn sorriu com um olhar que fez o cara dar um passo para trás. "Não, ela não é o primeira," ele disse suavemente. "Na verdade, infelizmente, todas as presas desapareceram" Houve um silêncio. Todos olharam para ele. Então o cara com o cabelo loiro prateado disse: "O quê?" "Elas todas apenas desapareceram". Quinn fez um gesto expressivo. "Escaparam. Sumiram". Outro silêncio. Rashel percebeu não como o de antes. Ela estava começando a ficar com uma impressão estranha do grupo, como se ela estivesse em uma sala, não com pessoas, mas com animais que foram mantidos após seu tempo de alimentação. "Que diabos você está falando?" O escuro, que Quinn tinha chamado de Azarius, disse firmemente. "Que tipo de brincadeira é essa?" Campbell acrescentou. "Não é uma piada. As meninas que foram trazidas para a festa de sangue sumiram", disse Quinn devagar e claramente, apenas no caso de alguém não tenha entendido ainda. Então ele disse: "E, de fato, é uma coisa boa." "Uma coisa boa? Quinn estamos morrendo de fome." "Elas não podem ter ido longe demais", disse o loiro prateado. "Afinal de contas, é uma ilha. Vamos" "Ninguém vai a lugar nenhum", disse Quinn. Rashel aproximou-se dele. Ela ainda estava nervosa. Esses caras estavam à beira de ficar fora de controle. Mas ela confiou em Quinn, e ela sabia que eles estavam com medo dele. E disse a si mesma, eles ficarão com ainda mais medo em um minuto. "Olha Quinn, se você nos trouxe aqui" "Eu não trouxe vocês aqui. Na verdade, eu não sei quem te trouxe aqui, mas isso não importa. Eu tenho a mesma coisa dizer a todos vocês. Não vai haver qualquer festa de sangue, agora ou nunca. E quem persistir leve seu problema ao Conselho." Isso calou a todos. Eles simplesmente olharam para Quinn. Era claramente a última coisa que eles esperavam. "Na verdade, se você não quer que o Conselho ouça sobre isso, eu aconselho a todos a irem para casa em silêncio e fingir que isso nunca aconteceu. E ter uma dor de cabeça na próxima vez que alguém lhe convidar para uma festa de sangue". Esse silêncio foi quebrado por alguém resmungando: "Você sujo..." Enquanto isso, a mente de Rashel tinha começado a marcar. Assim, como esses caras vão
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

98

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

voltar para casa em silêncio? Não havia nenhum barco. A menos que o anfitrião trouxesse um quando ele veio, se ele veio. E onde ele estava afinal? E onde estava Lily? "Quinn", ela disse suavemente. Mas alguém estava falando. "Você diria ao Conselho?" um rapaz magro mal encarado com cabelos castanhos perguntou. "Não, eu deixaria Hunter Redfern dizer ao Conselho", disse Quinn. "E eu realmente não acho que você quer isso. Ele pode colocá-lo em uma luz má. Levante sua mão todo mundo que pensa que Hunter Redfern aprovaria essa festa." "Eu recebo um voto?" A voz veio da porta. Era mais profunda do que as vozes dos rapazes na sala. Rashel reconheceu o som do perigo e virou-se instintivamente. E depois lhe pareceu que, mesmo antes de ela se virar, ela sabia o que iria ver. Um homem alto, de pé com facilidade, com uma menina e um menino atrás dele na sombra. Ele foi colorido pela luz bruxuleante rubi do fogo, mas Rashel ainda podia ver que seu cabelo era vermelho como sangue. E seus olhos eram dourados. Dourados como olhos de falcão, como âmbar. Como os olhos de Lily Redfern. Por que ela não percebeu isso antes? O cara era um cara que ela jamais esquecerá. Ele veio para ela todas as noites em seus sonhos. Era o homem que tinha matado sua mãe. O homem que a tinha perseguido através da estrutura de escalada, prometendo-lhe sorvete. De repente, Rashel tinha cinco anos de novo, frágil e indefesa e aterrorizada. "Olá, Quinn", disse Hunter Redfern. Quinn estava absolutamente imóvel ao lado de Rashel. Ela tinha a sensação de que ele não podia sequer pensar. E ela entendia o porquê. Ela tinha visto em sua mente, ela sabia o que Hunter representava para ele. Severidade, até mesmo a crueldade, mas a honra, também. E ele iria agora descobrir que era tudo mentira. "Não fique triste", disse Hunter. Ele se adiantou com um sorriso amável. Seus olhos dourados estavam fixados em Quinn, ele não tinha sequer olhado para Rashel ainda. "Há uma razão para tudo isso." Ele gesticulou para os vampiros na sala, e sua voz era suave, racional. "Precisamos de aliados no Conselho, os Lâmias estão ficando muito relaxados. Quando eu explicar tudo para você, você vai entender." A maneira como ele tinha feito Quinn entender que Quinn tinha que ser um vampiro, Rashel pensou. A maneira como ele tinha feito Quinn compreender que os seres humanos eram o inimigo. Ela tremia toda, mas não havia um fogo em brasa dentro dela que ardia através do medo. "Havia uma razão para matar a minha mãe?" Disse ela. Os olhos dourados se voltaram para ela. Hunter olhou ligeiramente espantado. Ao lado dela, a cabeça de Quinn inclinando. "Eu tinha apenas cinco anos, mas lembro-me de tudo", disse Rashel. Ela deu um passo mais perto de Hunter. "Você matou exatamente assim, agarrou seu pescoço. Havia uma razão
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

99

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

para matar Timmy? Ele tinha quatro anos e você bebeu seu sangue. Havia um motivo para matar minha tia-avó? Você acendeu o fogo para me pegar, mas a pegou.” Ela parou, olhando para aqueles olhos predatórios de ouro. Ela procurou por este homem, durante doze anos, e agora ele não pareceu reconhecê-la. "O que está errado, você caçar muitas criancinhas para te acompanhar?", disse ela. "Ou você é tão louco que você acredita na sua própria imagem pública?" Quinn sussurrou: "Rashel..." Ela se virou. "Eu tenho certeza. Ele foi o único." Nesse instante, ela viu Quinn endurecer, a face implacável contra o homem que fez dele um Redfern. Seus olhos ficaram escuros como os buracos negros sem luz escapando. Rashel de repente teve sensação de frio glacial. Olhe nos meus olhos e assim você verá por si só, pensou. Mas ela tinha seu próprio fogo dentro dela, a sua própria vingança. A faca estava na sua cintura. Se ela pudesse apenas chegar perto o suficiente... Ela se virou para Hunter Redfern novamente. "Você destruiu minha vida. E você não se lembra, não é?" "Eu me lembro", a pequena sombra ao lado dele, disse. E então o mundo virou e Rashel sentiu o chão fugindo dela. A criança atrás de Hunter estava andando em direção à luz e, de repente, ela podia sentir o cheiro de plástico e meias velhas, e ela podia sentir o vinil em suas mãos. Memórias estavam inundando-a tão rapidamente que ela estava se afogando nelas. Tudo o que consegui dizer foi "Oh, Timmy. Oh, Deus, Timmy". Ele estava lá, assim como ela tinha visto ele pela última vez, há doze anos. Cabelo escuro e grosso inclinado sobre os olhos azuis. Só que os olhos não eram exatamente os olhos de uma criança. Eles eram uma combinação estranha e terrível da criança e do adulto. Não havia muito conhecimento em si. "Você me deixou", Timmy disse. "Você não se importa comigo." Rashel afundou seus dentes em seu lábio, mas as lágrimas derramaram de qualquer maneira. "Me desculpe..." "Ninguém se preocupava comigo", Timmy disse. Ele chegou até a tomar a manga de Hunter. "Nenhum ser humano, de qualquer maneira. Os seres humanos são vermes." Ele sorriu seu sorriso doce. Hunter olhou para Timmy, depois para Quinn. "É impressionante a rapidez com que eles aprendem. Você não encontrou Timmy, não é? Ele está morando em Las Vegas, mas acho que ele pode ser útil aqui." Virou-se para Rashel e seus olhos eram pura maldade. "Claro que eu me lembro de você. Você mudou um pouco, você está mais velha. Você é diferente de nós, você vê." "Você é fraca", Lily interveio e se adiantou também, para ficar ao lado de seu pai. Agora ela pegou seu braço. "Você é de curta duração. Você não é muito brilhante, e não muito importante. Em uma palavra, você é... O jantar."

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

100

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Hunter sorriu. "Bem colocado." Então ele deixou cair o sorriso e disse a Quinn, "Afaste-se dela filho." Quinn moveu-se um pouco, mais perto de Rashel. "Esta é minha alma gêmea", disse ele, com sua voz mais suave e mais preocupada. "E nós estamos juntos." Hunter Redfern olhou para ele por muito tempo. Algo parecido com a descrença cintilou em seus olhos. Em seguida, ele se recuperou e disse baixinho: "Que vergonha". Atrás de Rashel havia ruídos da agitação. Era como se um vento quente do cerrado havia soprado, e os leões tinham capturado o seu perfume. "Você sabe, eu já estava preocupado com você, Quinn", disse Hunter. "No verão passado você deixou Ash e suas irmãs fugirem para um enclave. Não pense que eu não percebi isso. Você está ficando frouxo, ficando relaxado. Há muita coisa acontecendo em torno ultimamente." “Dê a volta pra trás,” Quinn disse a Rashel. Ela já estava se movendo para a posição. Os vampiros estavam formando um anel, circundando-os. Ela podia ver os sorrisos em cada rosto. "E Lily disse que você estava estranho esses últimos dias, de mal - humor. Ela disse que você parecia preocupado com uma garota humana." Rashel puxou uma faca. Os vampiros estavam olhando para ela com a atenção fixa de felinos de grande porte observando sua presa. Foco absoluto. "Mas a idéia de alma gêmea é realmente a última gota. É como uma doença infectando o nosso povo. Você entende porque eu tenho que acabar com isso." Hunter fez uma pausa. "Por causa dos velhos tempos, vamos terminar isso rapidamente." A voz que não era Quinn acrescentou na mente de Rashel Te disse, eu te vejo mais tarde. Rashel ficou nas pontas dos pés, deixando que as palavras de Hunter escorregassem nela e irem embora. Ela não podia pensar nele agora. Ela tinha que concentrar-se na sua consciência, abra a sua energia, e livre sua mente. Esta vai ser a maior luta de sua vida, e ela precisava do zanshin. Mas mesmo que ela encontrasse, uma vozinha dentro dela estava sussurrando a verdade. Havia simplesmente vampiros demais. Ela e Quinn não podiam com todos de uma só vez.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

101

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 16
Um guerreiro sabe instintivamente quando não há nenhuma chance. Mas Rashel iria lutar de qualquer maneira. E então ela percebeu algo errado. Os vampiros deveriam ter pegado ela primeiro. Mas os seus sentidos estavam voltados para dentro, focado nas vítimas em frente deles. Rashel foi a única cujos sentidos estavam virados para o exterior, alerta a tudo, mas focado em nada. Havia um cheiro que estava errado e um som. O cheiro era forte, pungente, e por perto. O som era suave, distante, mas reconhecível. Gasolina. Ela podia sentir o cheiro da gasolina. E ela podia ouvir um barulho fraco maçante que soava como a lareira na sala de reunião, mas vinha de algum lugar na casa. Isso não faz sentido. Ela não entendeu. Mas ela acreditou. "Quinn, prepare-se para correr", disse ela, em um suspiro de uma respiração suave. Alguma coisa estava para acontecer. Não, nós temos que lutar... Seu pensamento para ela se rompeu. Rashel olhou para a porta. Hunter Redfern tinha se movido para a sala de reunião, mas havia alguém no corredor. Então, alguém se adiantou e Rashel podia ver seu rosto. Nyala estava sorrindo brilhantemente. Sua cabeça pequena era alta e os olhos escuros estavam piscando. Ela estava segurando um galão gasolina vermelho em uma mão e um litro de sumo de toranja no outro. A garrafa estava quase cheia de líquido e tinha um pedaço de pano queimando no topo. Gás. Gás da bomba no cais, Rashel pensou. "Está sobre toda a casa", disse Nyala, e sua voz era melodiosa. "Galões e galões. Todos os quartos e as portas." Mas ela não deve carregar isso com ela, Rashel pensou. Essa garrafa vai explodir. "Você vê, eu sou um caçador de vampiros real, Rashel. Eu acho que assim, vamos nos livrar de todos eles ao mesmo tempo." E a casa já está queimando... Atrás da tela esculpida no lado direito da sala, uma luz vermelha estava piscando, crescendo. O rugido fraco que tinha perturbado Rashel era mais alto agora. Perto. Tudo é de madeira, Rashel pensou. Painéis de madeira, pisos de madeira. Casa de madeira. Uma armadilha para os vampiros. "Peguem-na", disse Hunter Redfern. Mas nenhum dos vampiros foram para Nyala com ela prestes a explodir a garrafa da morte e acelerar o fogo. Na verdade, eles foram se afastando, movendo-se para o extremo da sala. Hunter girou para enfrentar Nyala diretamente.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

102

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Você precisa colocar isso no chão, ele começou em tons telepáticos de autoridade absoluta, ao mesmo tempo Rashel gritou: "Nyala, não" O som parecia expulsar a telepatia par fora da mente de Nyala. Piscando um sorriso selvagem deslumbrante, ela quebrou a garrafa de suco de toranja em seus pés. Com quase o mesmo movimento, ela jogou a gasolina também. Ele estava voando em um arco gracioso para a lareira, derramando o líquido, e os vampiros estavam espalhados tentando sair do caminho. E então tudo estava explodindo, ou talvez em erupção fosse uma palavra melhor. Era como se um dragão tinha respirado de repente na sala, enviou um vendaval rugindo de fogo por ele. Mas Rashel não teve tempo para assistir, ela e Quinn ambos mergulharam. Quinn estava mergulhando para o chão tentando arrastar Rashel com ele. Rashel estava mergulhando para Timmy. Ela não sabia por quê. Ela não pensou nisso conscientemente. Ela simplesmente tinha que fazê-lo. Ela bateu Timmy com toda a força de seu corpo e caiu no chão. Ela cobriu-o quando o fogo irrompeu por detrás dela. Então ela mexeu os joelhos, braço travado em torno de seu peito. Tudo era ruído, calor e confusão. Vampiros estavam gritando um com o outro, correndo, empurrando uns aos outros. Os que tinham sido salpicados de gás estavam em chamas, tentando colocá-lo para fora. "Vamos!" Quinn disse, puxando Rashel. "Eu sei uma maneira de sair." Rashel olhou para Nyala. Ela não a viu. Quinn arrastou-a para o corredor, viu fumaça escura vindo da sala de jantar. O salão estava banhado em luz avermelhada. "Vamos!" "Vamos!" Quinn estava puxando-a através do corredor, através da fumaça. Em um quarto que estava cheio de chamas alaranjadas. "Quinn" Timmy estava chutando e lutando nos braços de Rashel. Gritando com ela. Ela manteve seu domínio sobre ele. E ela foi com Quinn. Ela tinha que confiar nele. Ele conhecia a casa. Ela não tinha percebido como assustador o fogo era, no entanto. Era como uma fera com a respiração quente. Pareceu vivo e parecia querer levá-la, urrando para ela de lugares inesperados. E se espalhou tão rápido. Rashel nunca teria acreditado que poderia se mover tão rapidamente através de uma casa, até mesmo uma casa encharcada com gasolina. Em questão de minutos, o prédio tornou-se um inferno. Em todo lugar que olhasse, havia fogo, fumaça, e um reflexo assustador de chamas. Eles estavam do outro lado da sala agora, e Quinn estava chutando a porta. Sua camisa estava em chamas. Rashel torceu-lhe a mão para fora dele e bateu nele para acabar com o fogo. Ela quase perdeu a pressão em Timmy. Então, a porta estava balançando ar fresco externo e foi correndo e o fogo rugia como uma coisa louca para encontrá-la. Ela estava simplesmente correndo, em pânico, ela só pensava em segurar Timmy e ficar com Quinn. Eles foram para fora. Mas ela cheirou fumaça. E agora, Quinn estava agarrando ela, revirando uma e outra vez sobre a estrada de terra arenosa. Rashel percebeu, vagamente, que suas roupas estavam em chamas nas costas. Quinn parou rolando ela. Rashel sentou-se, tentou olhar para suas costas, depois olhou para Timmy. Ele estava agachado na estrada, olhando para a casa. Rashel podia ver chamas saindo das janelas. A fumaça subia e tudo parecia tão brilhante como o dia abaixo dela. "Você está bem?" Quinn disse com urgência.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

103

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Ele estava procurando por ela. O corpo inteiro de Rashel foi lavado com adrenalina e seu coração batia loucamente. Mas ela não conseguia tirar os olhos da casa. Ela tropeçou em seus pés. "Nyala está lá, eu tenho que buscá-la." Quinn olhou para ela como se ela estivesse delirando. Rashel apenas balançou a cabeça e começou a andar impotente para a casa. Ela não queria ir a qualquer lugar perto dele. Ela sabia que o fogo queria-a morta. Mas ela não poderia deixar Nyala lá para queimar. Então Quinn foi a empurrando para trás. "Você fica aqui. Eu vou buscá-la." "Não, eu tenho que..." "Você tem que ver Timmy! Olha, ele está fugindo!" Rashel rodopiou. Ela não teve nenhuma idéia clara de onde Timmy estava indo, mas ele estava em pé e em movimento. Para a casa, depois longe dela. Ela agarrou-lhe novamente. Quando ela se virou para trás para Quinn, Quinn se foi. Não, lá estava ele, correndo pra casa. Timmy estava gritando novamente, chutando em seus braços. "Eu te odeio!”, gritou ele. "Largue-me! Por que você me tirou de lá?" Rashel olhou para a casa. Quinn estava dentro agora. Nesse holocausto das chamas. E ele tinha ido por causa dela, para salvá-la de ir sozinha. Por favor, ela pensou de repente e distintamente. Por favor, não o deixe morrer. As chamas estavam rugindo mais alto. A noite era brilhante. Fogo estava chovendo em pedacinhos queimando do céu, e o nariz e os olhos Rashel picando. Ela sabia que deveria chegar mais para trás, mas não podia. Ela tinha que prestar atenção em Quinn. "Por quê? Eu odeio você! Por que você me tirou de lá?" Rashel olhou para a criatura estranha em seus braços, que estava mordendo e chutando como se quisesse voltar para a casa em chamas. Ela não sabia o que Timmy havia se tornado uma combinação estranha de criança, adulto e animal, aparentemente. E ela não sabia que tipo de futuro que ele poderia ter. Mas ela sabia, agora, por que ela o trouxe para fora. Ela olhou para o rosto infantil, os olhos irritados cheio de ódio. "Porque minha mãe disse-me para cuidar de você", ela sussurrou. E então ela estava chorando. Ela estava segurando ele e soluçando. Timmy não tentou segurá-la de volta, mas ele não a mordeu. Ainda soluçando, Rashel olhou por cima da cabeça em direção a casa. Tudo estava em chamas. Quinn ainda estava dentro... Então, ela viu uma figura recortada contra as chamas. Duas figuras. Um segurando a outra metade levando-o. "Quinn!" Ele estava correndo em sua direção, Nyala apoiada. Ambos estavam cobertos de fuligem.
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

104

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Nyala estava balançando, rindo, os olhos enormes e distantes. Rashel atirou braços em volta de ambos. O alívio que caiu sobre ela era quase mais doloroso do que o medo. Suas pernas, literalmente, sentia como se não tivessem ossos e ia desabar a qualquer momento. Ela estava cambaleando. "Você está vivo", ela sussurrou para Quinn. "E você a trouxe." Ela podia sentir o braço de Quinn em torno dela, segurando rígido. Nada mais parecia importar. Mas agora, Quinn estava tomando seu braço, empurrando-a ao longo da estrada. "Vamos! Temos que chegar ao cais antes deles." Em um flash, Rashel entendeu. Ela agarrou de novo Timmy e se virou para correr em direção ao caminho. Seus joelhos tremiam, mas ela descobriu que poderia agüentar. Eles oscilaram o caminho na grama selvagem, Quinn apoiando Nyala, ela carregando Timmy. Rashel não sabia quantos vampiros tinham saído da casa, não tinha visto nenhum, mas ela sabia que qualquer um se dirigiria para a doca. Ela e Annelise tinham desativado os barcos. Mas, quando o cais apareceu, Rashel viu algo que não estava lá quando ela o deixou. Havia um iate no porto, balançando a âncora. "É de Hunter", disse Quinn. "Depressa!" Eles estavam voando morro abaixo, cambaleando até o cais. Rashel viu nenhum sinal do lobisomem que tinha enfrentado antes, mas ela viu alguma coisa nova. Um bote inflável vermelho foi amarrado ao cais. "Rápido! Você entra primeiro." Rashel abaixou Timmy e entrou, Quinn levantou Timmy em seus braços, e depois o colocou dentro e depois Nyala. Nyala olhava à sua volta agora, rindo em jorros, em seguida, parando para respirar. Rashel colocou o braço livre em torno dela quando Quinn subiu no bote. A cada segundo, Rashel estava esperando ver Hunter Redfern aparecer, enegrecido e fumegante, com os braços estendidos, como algum demônio vingativo. E então o pequeno motor ronronava e eles foram se afastando do cais. Eles estavam deixando para trás. Eles estavam no oceano, frio e escuro, libertando-se da terra e do perigo. Rashel viu como o barco ficou cada vez maior. Eles estavam perto dele agora. Eles estavam lá. "Vamos lá. Podemos subir a escada da piscina. Vá lá, rápido", disse Quinn. Ele estava se aproximando dela, o rosto estranho em uma máscara de fuligem, os olhos intensos. Absolutamente focado, absolutamente determinado. Graças a Deus ele sabe o que fazer em um barco. Eu não saberia. Ela deixou Quinn ajudá-la até a escada, então ajudou Timmy e Nyala. Nyala tinha parado de rir totalmente agora. Ela estava simplesmente ofegante, parecendo desnorteada. "O que aconteceu? O que?" Ela olhou para os penhascos, onde chama laranja estava atirando para o céu. "Eu fiz isso. Eu fiz isso?" Quinn tinha levantado a âncora. Ele estava indo para o cockpit. Timmy estava chorando. Ajoelhado no deck. Rashel observou Nyala, os cílios estavam queimados, os cachos crispados. Havia cinzas brancas nas extremidades. Sua boca tremia e seu corpo tremia como se estivesse tendo convulsões.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

105

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen "Eu tinha que fazer", saiu com uma voz grossa. "Você sabe que eu tive Rashel".

Timmy chorou adiante. O motor rugiu para a vida. Tudo de uma vez eles estavam se movendo rapidamente, e a ilha com sua tocha acesa foi ficando para trás. "Eu tive que..." Nyala disse em uma voz embargada. "Eu tinha que fazer. Eu tinha que fazer." Rashel inclinou-se para descansar a cabeça no cabelo de Nyala. O vento estava girando em torno dela enquanto se dirigiam pra longe. Ela segurou o pequeno vampiro em um braço e a menina humana tremendo no outro. E ela viu o incêndio ficar menor e menor até que ele se parecia com uma estrela no oceano.

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

106

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

CAPÍTULO 17
O iate de Hunter era maior do que o bote que Quinn tinha trazido para a ilha. Havia um salão de beleza abaixo da cabine e duas cabines separadas. Agora, Timmy estava em um deles. Nyala estava em outro. Quinn tinha colocado os dois para dormir. Quinn e Rashel estavam no cockpit. "Você acha que algum dos vampiros saíram?" Rashel disse suavemente. "Eu não sei. Provavelmente." Sua voz era tão tranqüila como a dela. Ele estava sujo, coberto com areia e fuligem, queimado aqui e ali, e descontroladamente bagunçado. Ele nunca tinha parecido mais bonito pra Rashel. "Você salvou a Nyala”, ela sussurrou. "E eu sei que você fez por mim." Ele olhou para ela e alguns anos saíram dos seus olhos. A dureza no rosto suavizado. Rashel pegou sua mão. Ela não sabia dizer o que o resto significava. Que ela sabia que ele tinha mudado, que estava mudando a cada minuto. Ela quase podia sentir as novas peças de seu espírito se abrindo e crescendo, ou melhor, as peças velhas, as peças que ele tinha intencionalmente deixado para trás quando ele deixou de ser humano. "Obrigado, John Quinn", ela sussurrou. Ele riu. Não era uma gargalhada selvagem, ou um riso amargo, ou mesmo o encantador riso do Chapeleiro Maluco. Era apenas um riso real. Cansado e instável, mas feliz. "O que mais eu poderia fazer?" Então ele estendeu a mão para ela e eles estavam abraçados. Eles podiam parecer com dois refugiados de um filme de catástrofe, mas tudo que Rashel sentia era alegria com a sua proximidade. Era tal conforto ser capaz de segurar a Quinn, e saber como ele sentiu segurando-a de volta. Um sentimento de paz caiu sobre ela. Havia ainda problemas pela frente. Ela sabia disso. Sua mente já estava clicando com eles, formando uma lista de coisas para se preocupar quando ela recuperasse a capacidade de se preocupar. Hunter e os outros vampiros. Eles ainda podem estar vivos. Eles podem vir à procura de vingança. Mas mesmo que eles fizessem... Rashel passara a vida inteira lutando contra o Mundo da Noite sozinha. Agora ela tinha Quinn ao lado dela e, juntos, poderiam assumir o mundo. Daphne e as meninas. Rashel tinha certeza de que elas estavam a salvo, ela confiava em Annelise e Keiko. Mas uma vez que chegasse em casa, elas estariam traumatizadas. Elas precisariam de ajuda. E alguém precisaria descobrir o que eles deveriam dizer ao resto do mundo. Não que alguém iria acreditar que era real que os vampiros as tinham seqüestrado se elas disserem isso, Rashel pensou. A polícia iria passá-lo como uma seita ou algo assim. Ainda assim, as meninas sabiam a verdade. Poderiam ser novos recrutas para a luta... Contra o quê?

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

107

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Como ela poderia ser um caçador de vampiros agora? Como ela poderia tentar destruir o mundo da noite? Onde poderia um vampiro reformado e uma caçadora de vampiros queimados irem quando eles se apaixonam? A resposta, claro, era óbvia. Rashel sabia mesmo antes de formar a pergunta, e ela riu silenciosamente no ombro de Quinn. Circulo Alvorada. Eles tornaram-se malditos Daybreakers. Tudo bem, eles não eram do tipo que dança em círculos com flores no cabelo, cantando sobre amor e harmonia e tudo isso. Mas se o Circulo Alvorada ia fazer qualquer progresso, ele precisava de algo além do amor e da harmonia. Ele precisava de um braço armado. Alguém para lidar com os vampiros que estavam irremediavelmente mal e inclinados à destruição. Alguém para salvar as pessoas como a irmã de Nyala. Alguém para proteger as crianças, como Timmy. Ao pensar sobre isso, o Círculo Alvorada era onde Nyala e Timmy pertenciam também. Agora eles precisam de paz e cura, e pessoas que iriam entender o que eles passaram. Eu não sei, Rashel pensou, talvez as bruxas possam ajudar. Ela esperava que sim. Ela pensou que Nyala estaria bem, havia uma espécie de força interior na garota que a manteve lutando. Ela não tinha tanta certeza sobre Timmy. Preso em um corpo de quatro anos de idade, sua mente distorcida de tudo o que for que Hunter lhe tinha dito... que tipo de vida normal ele poderia ter? Mas ele estava vivo, e havia uma chance. E talvez houvesse partes em sua mente brilhantes e que estavam quentes e pedindo para crescer. Elliot e Vicky e os outros caçadores de vampiros. Rashel teria que conversar com eles, tentar explicar o que tinha aprendido. Ela não sabia se iriam ouvir. Mas ela teria que tentar. "Tudo que qualquer um pode fazer é tentar", disse ela baixinho. Quinn se mexeu. Ele se inclinou para trás para olhar em seu rosto. "Você está certa", disse ele, e ela percebeu que ele estava pensando a mesma coisa. Nossas mentes trabalhando juntas, ela pensou. Tinha encontrado o seu parceiro, seu igual, para trabalhar e viver o amor com ela. Sua alma gêmea. "Eu amo você, John Quinn", ela disse. E então eles estavam se beijando e ela encontrou nele uma ternura que ainda não tinha imaginado. Mas isso fazia sentido. Afinal, o oposto da crueldade absoluta é ternura absoluta e quando você partiu, isso foi deixado com os outros. Eu me pergunto o que mais eu vou descobrir sobre ele? Ela pensou tonta com a descoberta. Seja o que for, é certeza de ser interessante. "Eu te amo, Rashel Jordan", disse ele contra seus lábios. Não Rashel o Gato. O gato foi morto, e toda a raiva e o ódio antigo tinham queimado. Era Rashel Jordan, que estava começando um novo futuro. Ela beijou Quinn novamente e sentiu a
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

108

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

beleza e o mistério dos seus pensamentos. "Abrace-me apertado”, ela sussurrou. "Estou com um pouco de frio." "Você está? Eu me sinto tão quente. É primavera amanhã, você sabe." E então os dois ficaram quietos, perdidos um no outro. O barco se apressou em meio ao oceano espumante e a promessa da noite enluarada.

FIM!!!

Aproveita que você acabou de ler o ebook e deixe um recado lá no blog da comu sobre este livro para os próximos leitores: www.tradudigital.blogspot.com
Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057

109

Lisa Jane Smith – Nightworld 05 – The Chosen

Esta obra foi digitalizada/traduzida pela Comunidade Traduções e Digitalizações para proporcionar, de maneira totalmente gratuita, o benefício da leitura àqueles que não podem pagar, ou ler em outras línguas. Dessa forma, a venda deste e‐book ou até mesmo a sua troca é totalmente condenável em qualquer circunstância. Você pode ter em seus arquivos pessoais, mas pedimos por favor que não hospede o livro em nenhum outro lugar. Caso queira ter o livro sendo disponibilizado em arquivo público, pedimos que entre em contato com a Equipe Responsável da Comunidade – tradu.digital@gmail.com Após sua leitura considere seriamente a possibilidade de adquirir o original, pois assim você estará incentivando o autor e a publicação de novas obras. Traduções e Digitalizações Orkut - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057 Blog – http://tradudigital.blogspot.com/ Fórum - http://tradudigital.forumeiros.com/portal.htm Twitter - http://twitter.com/tradu_digital Skoob – http://www.skoob.com.br/usuario/mostrar/83127

Feito por:

Nívia

Comunidade Orkut Traduções e Digitalizações - http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=65618057