O Que é Unificação Espírita ?

“A Unificação Espírita é a meta para onde o Movimento Espírita deve convergir seus esforços. Se alcançar esse objetivo, todos os outros terão sido atingidos.” “Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços!” - O Espírito de Verdade – ESE XX, item 5
Bezerra de Menezes O serviço de unificação em nossas fileiras é urgente, mas não apressado (…).É urgente porque define o objetivo a que devemos todos visar; mas não apressado, porquanto não nos compete violentar consciência alguma. (Trechos da mensagem “Unificação”, Médium: F.C.Xavier – Reformador, dez/1975) FONTE: CEI – Conselho Espírita Internacional.) O serviço de unificação é o movimento intenso e rico entre as instituições e grupos espíritas que, nas palavras de Kardec, correspondendo-se entre si, visitando-se e permutando observações, podem, desde já, formar o núcleo da grande família espírita, que um dia consorciará todas as opiniões e unirá os homens por um único sentimento: o da fraternidade, trazendo o cunho da caridade cristã (LM – Cap. XXIX, Item 334). As instituições espíritas, respeitando, colaborando e amparando umas as outras, vão constituir o feixe de varas inquebrantável de que nos fala Bezerra de Menezes, propiciando o fortalecimento dessas mesmas instituições e criando um campo fértil para o surgimento de muitas outras. Mas para isso, é fundamental respeitar a autonomia de cada instituição, o livre arbítrio de seus membros e ter na mente e no coração o lema de Kardec: Trabalho, Solidariedade e Tolerância. Sem isso, a unificação não será possível e crescerá o joio do isolacionismo, fundado no personalismo. A autonomia e a seriedade de um grupo espírita se constroem no estudo aprofundado da Doutrina dos Espíritos e no esforço de seus membros na conquista de valores nobres, na reforma íntima de sua conduta, na conquista das virtudes do homem de bem, enfim, no esforço sincero por se tornar um verdadeiro cristão. Um grupo assim dá frutos doces e abundantes. Sua unificação com os demais se faz naturalmente. Bezerra de Menezes - Ensinar, mas fazer; - Crer, mas estudar; - Aconselhar, mas exemplificar; - Reunir, mas alimentar.

Bezerra de Menezes - Unificação Espírita

Por isso a meta da Unificação é tão importante para o Movimento Espírita. Na sua busca, os espíritas precisam reformar suas instituições. Mas, como vimos, isso só se alcança com a reforma íntima e real de seus próprios membros, que é o objetivo maior de estarmos reencarnados. Nesta macroeconomia do Amor, a Unificação é riqueza maior que cada espírita constrói dia a dia, procurando ser mais fraterno e solidário com todos.

Unificar não é uniformizar. é formulá-la em todas as suas partes e até nos mais mínimos detalhes. ressaltando que é preciso irmanar. novos entendimentos e formulemos novos planos trabalho para construirmos a humanidade de amanhã. exige o estudo aprofundado da Doutrina dos Espíritos.) A Unificação é uma conquista que se dá em dois campos de batalha: o do sentimento e o da razão. Muito pelo contrário. em torno da Doutrina Espírita e das ações no bem. unidos. sede os vencedores da impiedade‟”. Retornando a Bezerra. o comprometimento e a motivação. todos os sonhos de um mundo melhor estarão frustrados. Nesse campo do sentimento. bem como de suas consequências filosóficas e morais. que só ganha alcance e relevância quando realizado em paralelo com a vivência cristã. codificada por Kardec. é preciso aprender a conviver e trabalhar com temperamentos. O único meio de evitá-la. e harmonizando nossos pensamentos e ideais no estudo em conjunto e contínuo dos ensinos dos espíritos. Projeto 1868 Portanto. vozes vos clamam: „Irmãos! Nada perece. necessário se faz conhecer o Espiritismo e vivê-lo em intensidade. a indulgência. buscando a união de sentimentos na vivência da insuperável mensagem de amor do Cristo.“Espíritas! amai-vos. que vão formar a base cristã para que. senão quanto ao presente. Obras Póstumas. A missão do espírita é divulgar a palavra divina.Allan Kardec. em pensamentos e sentimentos. É no campo do sentimento que cultivamos a paciência. Emmanuel nos lembra que a tolerância é o cimento da união ideal. o exercício da Ciência Espírita. de selecionar as sementes. por isso a Unificação não é apressada. Entretanto. com tanta precisão e clareza. que impossível se torne qualquer interpretação divergente. Bezerra de Menezes aconselha os nossos corações. . plantá-las e regá-las. do intercâmbio com os espíritos e da análise metódica do mundo espiritual. Sem isso. é forçoso considerar o imperativo da . com base em Kardec e na Boa Nova. É preciso observar que a diversidade da qual falamos diz respeito às infinitas possibilidades de aplicação dos conceitos espíritas nas atividades humanas. Kardec. é a prática do Espiritismo. iluminada pela doutrina nova do Consolador Prometido e pelos Espíritos do Senhor. pelo menos quanto ao futuro. este o primeiro ensinamento. instruí-vos. deixa patente uma de suas principais preocupações ao sintetizar e codificar meticulosamente os conhecimentos que produziu durante sua pesquisa do mundo espiritual: “Um dos maiores obstáculos capazes de retardar a propagação da Doutrina seria a falta de unidade. e não do entendimento desses conceitos. pois a riqueza do Movimento Espírita reside na diversidade dos grupos que o compõe. a ética da unificação exige o respeito mútuo entre os grupos espíritas. Zelar pela pureza doutrinária é trabalhar pelo profundo e integrado dos fenômenos e conceitos espíritas. confraternizar e compreender. Jesus-Cristo é o vencedor do mal. Emmanuel nos explica que quando as sociedades espíritas se aliam para salvaguardar a pureza e a simplicidade dos nossos princípios. são de origem humana os erros que nele se enraizaram. O amor entre nós pretere o amor à causa. aproximar.” . esse trabalho se dá através do estudo da vasta bibliografia espírita. O primeiro exige o cuidado de preparar a terra. a tolerância. 1860. E o que não é Unificação Espírita ? Altamir da Cunha Que o amor à causa não dificulte o amor que deve existir entre nós. Na prática. No Cristianismo encontram-se todas as verdades. Eis que do além-túmulo. ele nos alerta da importância de respeitarmos a consciência alheia sem impor entendimentos.O Espírito de Verdade (Paris. mas sua força emana da união desses grupos. este o segundo. em outras palavras. que julgáveis o nada. Para dar fiel cumprimento a tamanha tarefa. submeter ou constranger o livre pensar de cada um. alcancemos o consenso. Nesse sentido. O segundo campo de batalha exige o labor da razão para apartar o joio do “achismo” e colher o fruto do nosso entendimento sobre as questões do espírito. atitudes e opiniões diferentes das nossas. Neste sentido. zelando pela autonomia de que goza cada instituição e cada indivíduo.

Vemos assim que os companheiros que. Diante disso. no interesse dos estudos e por bem da causa mesma. desta forma. reunir. da indulgência. aposentando a lâmina da crítica. mas sim darmos o tom correto a nossa fala. no campo de nós mesmos. nos leva a dizer que. visitando-se. ainda que seja uma página por ano. Entendendo os termos Reunir: Tornar a unir o que estava esparso ou separado. trazendo o cunho da caridade cristã. Para aprender junto é preciso nos sentirmos à vontade e confiantes uns nos outros. a nossa edificação de concórdia. Aderir: unir-se a um partido. se escreve para construir. Emmanuel nos recomenda que iniciemos. Não se trata de sermos negligentes e fecharmos os olhos às incongruências doutrinárias ou às atitudes incompatíveis com os postulados espíritas. lembrando que o Divino Mestre “não nos chamou para exercer a função de palmatórias na Instituição universal do Evangelho”. ainda grande.O Livro dos Médiuns – Cap. V. Unir: Tornar um só.pr.Jesus A Reforma Íntima está para o espírita assim como a Unificação está para o Movimento Espírita. XXIX. agregar. exaurindo-lhes as forças”. mas não sob um clima inquisitorial como se tivesse ocorrido uma heresia. juntar. Unificar: Tornar único ou unido. Não podemos exigir que todos pensem como nós. Ampliando o alcance deste entendimento. . do perdão e da orientação amiga e afetuosa uns dos outros. na busca do melhor entendimento e da melhor conduta. podem. Diz ele que “zurzir os irmãos de luta é retalhar-lhes a própria alma. ligar. procurando o momento oportuno. foi categórico ao afirmar: Os meus discípulos serão conhecidos por muito se amarem. interpretam ou aplicam os postulados espíritas de maneira distorcida não devem ser marginalizados e recriminados. que o colocam em um determinado ponto de observação. que lhe permite observar as coisas de outra perspectiva. permutando observações. justapor: reunir as duas pontas de um cordel. reunir num só corpo ou num todo. correspondendo-se entre si. Por fim. congregar. e.” . harmonizar. Fazer convergir para um só fim: unificar forças. sociais. encorajar-lhe o esforço nobre (…)”. conglomerar: reunir todo o povo numa só luta. juntar-se. Deixando a última palavra com Allan Kardec. congregar-se. Esses grupos. a nosso ver.aproximação. Estabelecer comunicação entre. a Reforma Íntima é para o homem o que a Unificação é para Humanidade. A reforma das sociedades virá da reforma do homem. Pôr-se em contato. as reuniões espíritas devem tender antes à multiplicação de pequenos grupos. ainda que sejam algumas frases por dia. assim. Emmanuel exemplifica a questão e nos diz que “se o companheiro fala para o bem. de reunir crescido número de elementos homogêneos deste ponto de vista. formar o núcleo da grande família espírita. desde já. Agrupar. que contém as sementes de um mundo novo e mais feliz que já desponta no horizonte. abraçando todos os grupos e sociedades humanas em um único sentimento de fraternidade. que um dia consorciará todas as opiniões e unirá os homens por um único sentimento: o da fraternidade. construindo o clima de aprendizado em conjunto. o insigne Codificador: “(…) A dificuldade. Nenhum de nós é servidor perfeito e plenamente fiel: cometemos erros. Urge preservar e estimular a motivação e a confiança das pessoas na contribuição que traz a causa. Somar. Emmanuel cita Jesus. necessitando. Conciliar. V. ligar-se. sim. Ajuntar-se. omissões e abusos. Ligar (pessoas) por laços afetivos. Antes.pr. Cada pessoa teve experiências únicas. Tornar-se unido ou único. estende-lhe concurso espontâneo para que enriqueça o próprio verbo. constituindo a grande família universal. Item 334 . do que à constituição de grandes aglomerações. devem ser acolhidos e convidados a rever seus entendimentos.