Você está na página 1de 1

Animadores Noir

Release

Quem somos?

Animadores Noir surge em 2013, na cidade de Fortaleza, fazendo o seu primeiro show na Calourada de História da UFC, tradicional festa que alia diversão e politização, no dia 19/07. A banda começa nesse marco temporal e espacial, mas, a trajetória dos integrantes já caminha há bastante tempo. Em 2005

foi gestada a primeira formação do que viria a ser a

banda Animadores Noir. Josias Henrique funda a banda Alta Frequência” que posteriormente viria a ter seis formações diferentes ao longo do tempo. Um ano após a fundação Iran Alves assume os vocais e, em 2008, Pedro Harrison assume a segunda guitarra da banda, até então composta apenas por uma guitarra, baixo e bateria. Sofrendo alteração no nome para Diferencial 5”, a banda seguiu um bom tempo com essa formação. Até que em 2011, com a saída do baixista Clairton Barbosa, componente desde a

primeira formação, entra em cena o até então

guitarrista Leonardo Araújo que vinha acompanhando a banda em algumas apresentações. Com o convite dos membros anteriores Leo assume o baixo. Participando de festivais, festas e concursos a todo vapor, no final de 2012 a banda decide dar um tempo logo após a saída do baterista “graveto”. Com

novas perspectivas, novas ideias e fôlego novo os integrantes decidem voltar, mas com uma nova banda, um novo caminho. Contando agora com o baterista Sandro Vasconcelos, vindo das bandas

USMAH e DéFé, estava composta a Banda

Animadores Noir. Novos capítulos serão anexados a esse ser vivo que é a música e a banda

Integrantes

Iran Alves (voz, violão, percussão)

Josias Henrique (guitarras, violão, gaita cromática e voz)

Pedro Harrison (guitarras e voz)

Leonardo Araújo (baixo, viola caipira, voz)

Sandro Vasconcelos (bateria, percussão)

nome “Animadores

Noir”?

A proposta da banda é não só divertir-se com

o que faz, mas, também pensar o seu lugar no mundo, na sociedade. A vida sendo feita de

brincadeira/seriedade nos faz crê que nós

somos assim também. A vida imitando a arte

ou a arte imitando a vida? Animadores, inspirado do vocábulo inglês Entertainers, quer dizer alguém que é contratado para entreter as pessoas. Isto pode vir em uma ampla variedade de formas, desde um músico, para um ator, para um mágico. Noir

é uma palavra francesa que carrega muitos

significados dentre os quais dois formam uma distância/ proximidade com a ideia de animadores: Noir com um sentido de negro

(obscuro) e Noir ligado à literatura policial

que surgiu nos EUA pós 1° Guerra Mundial, trazendo histórias violentas, mas cheias de humor, que escondiam, sob tramas aparentemente despretensiosas, críticas contundentes à sociedade americana. É uma tentativa de diálogo com a nossa realidade, mas a apropriação sonora se dá da forma que melhor soar aos ouvidos, cabendo até um “Animadores no ar (entrada em cena nos artistas)”.

Por

que

o

O que tocamos?

Tentando sair dos rótulos e tomando cuidado

pra não cair no clichê, fazemos um som livre!

Sair do clichê? Não ser rotulado? É possível? Quando falamos em um som livre, falamos que a nossa banda busca uma pluralidade de som tanto nas composições próprias quanto nas interpretações de outros artistas.

Tocamos desde a música que se convencionou

a chamar de brega, passando pelas

guitarradas, flertando o reggae, enamorando

o punk, dialogando com a raiz caipira.

Buscamos tocar as músicas que embalam nossas mentes e corações, sem nos

importarmos muito com rótulos A ou B, mas sempre alinhavando, costurando as canções com as velhas guitarras distorcidas, se não identificadas ao rock, pelo menos o espírito

do rock.