Você está na página 1de 7

Professor: _____________________________________ Nota: ______ Data: _______

Nome: ____________________________________________ No:___ Turma:_______

TRABALHO INDIVIDUAL PARA AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE QSMA -


2009/1º BIM.

1.Elabore uma resenha com os principais fatos históricos relativos à saúde e segurança
do trabalho?
Em 1697 surge a primeira monografia sobre as relações entre trabalho e doença de
autoria de Paracelso: "Von Der Birgsucht Und Anderen Heiten". São numerosas as
citações relacionando métodos de trabalho e substâncias manuseadas com
doenças.Destaca-se que em relação à intoxicação pelo mercúrio, os principais
sintomas dessa doença profissional foram por ele assinalados.
Em 1700 era publicado na Itália, um livro que iria ter notável repercussão em todo o
mundo. tratava-se da obra "De Morbis Artificum Diatriba" de autoria do médico
Bernardino Ramazzini que, por esse motivo é cognominado o "Pai da Medicina do
Trabalho". Nessa importante obra, verdadeiro monumento da saúde ocupacional, são
descritas cerca de 100 profissões diversas e os riscos específicos de cada uma. Um
fato importante é que muitas dessas descrições são baseadas nas próprias
observações clínicas do autor o qual nunca esquecia de perguntar ao seu paciente:
"Qual a sua ocupação?".
Condições totalmente inóspitas de calor, ventilação e umidade eram encontradas,
pois as "modernas" fábricas nada mais eram que galpões improvisados. As máquinas
primitivas ofereciam toda a sorte de riscos, a as conseqüências tornaram-se tão
críticas que começou a haver clamores, inclusive de órgãos governamentais,
exigindo um mínimo de condições humanas para o trabalho.
O trabalho em máquinas sem proteção; o trabalho executado em ambientes f
echados onde a ventilação era precária e o ruído atingia limites altíssimos; a
inexistência de limites de horas de trabalho; trouxeram como conseqüência elevados
índices de acidentes e de moléstias profissionais.
A sofisticação das máquinas, objetivando um produto final mais perfeito e em maior
quantidade, ocasionou o crescimento das taxas de acidentes e, também, da gravidade
desses acidentes.
No Brasil, podemos fixar por volta de 1930 a nossa revolução industrial e, embora
tivéssemos já a experiência de outros países, em menor escala, é bem verdade,
atravessamos os mesmos percalços, o que fez com que se falasse, em 1970, que o
Brasil era o campeão mundial de acidentes do trabalho.
2.Definir e exemplificar o que é doença profissional, o que é doença do trabalho,
acidente de trajeto, e acidente típico?
- Doença profissional

Exemplos de doenças profissionais


a) As lesões por esforço repetitivo (LER)
O conjunto de doenças que atingem os músculos, tendões e nervos superiores e que têm
relação com as exigências das tarefas, dos ambientes físicos e da organização do trabalho, é
chamado de LER. São inflamações provocadas por atividades de trabalho que exigem
movimentos manuais repetitivos durante longo tempo. As funções mais atingidas têm sido
os datilógrafos, digitadores, telefonistas e trabalhadores de linha de montagem.

b)Perda auditiva
A perda auditiva é a mais freqüente doença profissional reconhecida desde a Revolução
Industrial, sendo provocada, na maioria das vezes, pelos altos níveis de ruído.

-Doença do trabalho
Doença do trabalho é definida legalmente como a adquirida ou desencadeada em função de
condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente....
Exemplos:
-de todos os benefícios por acidente de trabalho concedidos por doença mental, 81%
foram registrado no setor de intermediação financeira (bancários);
- dos 73 casos de reação aguda ao estresse relacionados com o trabalho, 72 (98,6%) foram
concedidos aos bancários;
- dos 82 casos de doença do trabalho por síndrome cervicobraquial (dor na região da
coluna vertebral, na parte superior da mesma, próximo ao pescoço) 72% foram concedidos
a bancários;

- Acidente de trajeto
Em se tratando de acidente de trajeto, que se refere ao "percurso da residência para o
trabalho ou desta para aquela" ou ainda "no percurso para o local de refeição ou de volta
dele, em intervalo de trabalho", a Lei é clara ao dizer que há uma ligação direta entre causa
e efeito. O acidente de trabalho também se caracteriza quando o trabalhador vem a ser
atropelado ou assaltado no trajeto, mas se há um desentendimento com alguma pessoa por
divergências pessoais e o trabalhador sofre lesões corporais por isso, não se caracterizará
acidente de trajeto, sendo com isso não amparado na lei acidentária. Outra observação a ser
feita e quando o trabalhador se desvia do trajeto, ou seja, altera o percurso que caracteriza o
trajeto para o trabalho; nesse caso ele receberá apenas benefícios de ordem previdenciários.

-Acidente típico
o que ocorre a serviço da empresa
O acidente típico do trabalho ocorre no local e durante o horário de trabalho. É considerado
como um acontecimento súbito, violento e ocasional.
Mesmo năo sendo a única causa, provoca, no trabalhador, uma
incapacidade para a presta-çăo de serviço e, em casos extremos, a
morte. Pode ser conseqüęncia de um ato de agressăo, de um ato de
imprudęncia ou imperícia, de uma ofensa física intencional, ou de causas
fortuitas como, por exemplo, incęndio, desabamento ou inundaçăo.

3.Disserte sobre a visão legal e prevencionista de Acidente do Trabalho?


Por que devemos prevenir os acidentes e doenças decorrentes do
trabalho?
Sob todos os aspectos em que possam ser analisados, os acidentes e doenças
decorrentes do trabalho apresentam fatores extremamente negativos para a empresa,
para o trabalhador acidentado e para a sociedade.
Anualmente, as altas taxas de acidentes e doenças registradas pelas estatísticas oficiais
Expõem os elevados custos e prejuízos humanos,sociais e econômicos que custam muito
para o País, considerando apenas os dados do trabalho formal
O somatório das perdas, muitas delas irreparáveis, é avaliado e determinado
levando-se em consideração os danos causados à integridade física e mental do trabalhador,
os prejuízos da empresa e os demais custos resultantes para a sociedade.
As estatísticas da Previdência Social, que registram os acidentes e doenças decorrentes
do trabalho, revelam uma enorme quantidade de pessoas prematuramente mortas ou
incapacitadas para o trabalho.
As micro e pequenas empresas são fortemente atingidas pelas conseqüências dos
acidentes e doenças, apesar de nem sempre os seus dirigentes perceberem este fato.
O custo total de um acidente é dado pela soma de duas parcelas: uma refere-se ao custo
direto (ou custo segurado), a exemplo do recolhimento mensal feito à Previdência Social,
para pagamento do seguro contra acidentes do trabalho, visando a garantir uma das
modalidades de benefícios estabelecidos na legislação previdenciária.A outra parcela
refere-se ao custo indireto (custo não segurado). Estudos informam que a relação entre os
custos segurados e os não segurados é de 1 para 4, ou seja, para cada real gasto com os
custos segurados, são gastos 4 com os custos não segurados
Os custos não segurados impactam a empresa principalmente
nos seguintes itens:
salário dos quinze primeiros dias após o acidente; transporte e assistência médica de
urgência; paralisação de setor, máquinas e equipamentos; comoção coletiva ou do grupo de
trabalho; interrupção da produção; prejuízos ao conceito e à imagem da empresa;
destruição de máquina, veículo ou equipamento; danificação de produtos, matéria-prima e
outros insumos; embargo ou interdição fiscal; investigação de causas e correção da
situação; pagamento de horas-extras; atrasos no cronograma de produção e entrega;
cobertura de licenças médicas; treinamento de substituto; aumento do prêmio de seguro;
multas e encargos contratuais; perícia trabalhista, civil ou criminal; indenizações e
honorários legais; e elevação de preços dos produtos e serviços.
A incorporação das boas práticas de gestão de saúde e segurança no trabalho no
âmbito das micro e pequenas empresas contribui para a proteção contra os riscos presentes
no ambiente de trabalho, prevenindo e reduzindo acidentes e doenças e diminuindo
consideravelmente os custos. Além de diminuir os custos e prejuízos, torna a empresa
mais competitiva, auxiliando na sensibilização de todos para o desenvolvimento de uma
consciência coletiva de respeito à integridade física dos trabalhadores e melhoria
contínua dos ambientes de trabalho.
4.Com base na Lei 8213/91, quais são as equiparações legais aos acidentes de trabalho e
exceções?

Lei 8213/91 Acidente de Trabalho


Art. 19. Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da
empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do Art. 11
desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a
perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

Lei 8213/91 Acidente de Trabalho


Art. 20. Consideram-se acidente do trabalho, nos termos do artigo anterior, as seguintes
entidades mórbidas:

I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do


trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada
pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social;

II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de


condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente,
constante da relação mencionada no inciso I.

§ 1º Não são consideradas como doença do trabalho:


a) a doença degenerativa;
b) a inerente a grupo etário;
c) a que não produza incapacidade laborativa;
d) a doença endêmica adquirida por segurado habitante de região em que ela se
desenvolva, salvo comprovação de que é resultante de exposição ou contato direto
determinado pela natureza do trabalho.

§ 2º Em caso excepcional, constatando-se que a doença não incluída na relação prevista


nos incisos I e II deste artigo resultou das condições especiais em que o trabalho é
executado e com ele se relaciona diretamente, a Previdência Social deve considerá-la
acidente do trabalho.

Art. 21. Equiparam-se também ao acidente do trabalho, para efeitos desta Lei:

I - o acidente ligado ao trabalho que, embora não tenha sido a causa única, haja
contribuído diretamente para a morte do segurado, para redução ou perda da sua
capacidade para o trabalho, ou produzido lesão que exija atenção médica para a sua
recuperação;

II - o acidente sofrido pelo segurado no local e no horário do trabalho, em conseqüência


de:
a) ato de agressão, sabotagem ou terrorismo praticado por terceiro ou companheiro de
trabalho;
b) ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa relacionada ao
trabalho;
c) ato de imprudência, de negligência ou de imperícia de terceiro ou de companheiro de
trabalho;
d) ato de pessoa privada do uso da razão;
e) desabamento, inundação, incêndio e outros casos fortuitos ou decorrentes de força
maior;

III - a doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua


atividade;

IV - o acidente sofrido pelo segurado ainda que fora do local e horário de trabalho:

a) na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da empresa;


b) na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para lhe evitar prejuízo ou
proporcionar proveito;
c) em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo quando financiada por esta
dentro de seus planos para melhor capacitação da mão-de-obra, independentemente do
meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de propriedade do segurado;
d) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que
seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado.

§ 1º Nos períodos destinados a refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação de


outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante este, o empregado é
considerado no exercício do trabalho.

§ 2º Não é considerada agravação ou complicação de acidente do trabalho a lesão que,


resultante de acidente de outra origem, se associe ou se superponha às conseqüências do
anterior.

* § 3º A comunicação a que se refere o § 2º não exime a empresa de responsabilidade


pela falta do cumprimento do disposto neste artigo.

* § 4º Os sindicatos e entidades representativas de classe poderão acompanhar a


cobrança, pela Previdência Social, das multas previstas neste artigo.

* Art. 23. Considera-se como dia do acidente, no caso de doença profissional ou do


trabalho, a data do início da incapacidade laborativa para o exercício da atividade
habitual, ou o dia da segregação compulsória, ou o dia em que for realizado o
diagnóstico, valendo para este efeito o que ocorrer primeiro.
5. Qual o documento a ser expedido no caso de acidentes de trabalho, para quais órgãos, quem
é o responsável por essa emissão, punições, etc?
CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho, que pode ser adquirido em papelarias, nas
Agências da Previdência Social ou por meio da Internet.
A CAT deverá ser feita pela empresa, ou na falta desta o próprio acidentado, seus dependentes,
a entidade sindical competente, o médico assistente ou qualquer autoridade pública.
É obrigatória a emissão da CAT relativa ao acidente de trabalho ou doença profissional, a fim
de que o trabalhador (segurado) possa receber o benefício de AT - Acidente do Trabalho ou DO
- Doença Ocupacional.
O prazo para emissão da CAT é até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de
morte, de imediato.

6.Qual a importância de se considerar os acidentes sem vítimas, sem perdas financeiras ou


materiais em um programa de saúde e segurança de uma empresa?
Toda empresa tem que ter registrado tudo o que acontece com seus funcionários para que possam
ser resolvidos problemas que possas surgir futuramente, até mesmo cobrança de ex ou atuais
funcionários.

7.Citar os benefícios pecuniários pagos pelo INSS por afastamento do trabalhado por motivo de
acidente ou doença do trabalho?
A alta que ilegalmente a autarquia conceder ao acidentado pode ser objeto de medida
judicial (tutela antecipada da lide - art. 273 do CPC, por exemplo), desde que o interessado
disponha de meios razoáveis de prova da conduta precipitada ou ilegal do INSS.
Ainda que o trabalhador acidentado seja demitido por seu empregador, não perde ele o
direito ao benefício em estudo, na eventualidade de apresentar, após a demissão, doença
profissional ou doença que seja resultante das condições de trabalho. Se não houver
reconhecimento administrativo do INSS, como ente segurador que é, caberá ao procedimento
judicial devido (ação acidentária) definir a obrigação da autarquia federal conceder o benefício,
incumbindo-se o infortunado de demonstrar tratar-se de moléstia profissional ou que foram as
condições de trabalho que provocaram o desencadear ou agravamento das doenças
incapacitantes.
O art. 90 da lei 8.213/91 estabelece que a prestação relativa à reabilitação profissional é
devida em caráter obrigatório aos segurados, inclusive aos aposentados. Concluído o processo
de reabilitação, ordena o art. 92 que a autarquia emita certificado individual, indicando as
atividades que poderão ser exercidas pelo beneficiário, norma legal, aliás, geralmente
descumprida pelo Instituto Nacional do Seguro Social-INSS.

8. Disserte sobre falhas ativas e falhas latentes? Descreva um acidente (real ou fictício)
discriminando as possíveis falhas ativas e as possíveis falhas latentes?
Quanto que a falha ativa tende a ser única para um respectivo evento, as condições
latentes, se não identificadas ou não corrigidas a tempo, podem contribuir para diferentes
números de acidentes. Elas podem aumentar a probabilidade de incidência de falhas ativas
através da criação de fatores locais promovendo erros e violações. Podem ainda agravar as
conseqüências de atos não seguros por transpor as defesas e as barreiras de segurança do
sistema.Se uma pessoa sem habilitação conduz um veículo mal conservado por uma rodovia
também mal conservada, à noite e sob chuva forte, pode chegar incólume ao seu destino, desde
que outros fatores não ocorram durante o trajeto ; em contrapartida, se um pedestre cruzar à
frente deste mesmo motorista, pode haver um acidente devido às condições inseguras (falhas
latentes). Uma ultrapassagem em local inadequado seria uma falha ativa.
9.Elabore uma resenha com base na NR-01 - Disposições Gerais?
As Normas Regulamentadoras - NR, relativas à segurança e medicina do trabalho, são de
observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos da
administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário,
que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.As
disposições contidas nas Normas Regulamentadoras – NR aplicam-se, no que couber, aos
trabalhadores avulsos, às entidades ou empresas que lhes tomem o serviço e aos sindicatos
representativos das respectivas categorias profissionais. A observância das Normas
Regulamentadoras - NR não desobriga as empresas do cumprimento de outras disposições que,
com relação à matéria, sejam incluídas em códigos de obras ou regulamentos sanitários dos
estados ou municípios, e outras, oriundas de convenções e acordos coletivos de trabalho.A
Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho - SSST é o órgão de âmbito nacional competente
para coordenar, orientar, controlar e supervisionar as atividades relacionadas com a segurança e
medicina do trabalho, inclusive a Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho -
CANPAT, o Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT e ainda a fiscalização do
cumprimento dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho em
todo o território nacional. Compete, ainda, à Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho -
SSST conhecer, em última instância, dos recursos voluntários ou de ofício, das decisões
proferidas pelos Delegados Regionais do Trabalho, em matéria de segurança e saúde no
trabalho. A Delegacia Regional do Trabalho - DRT, nos limites de sua jurisdição, é o órgão
regional competente para executar as atividades relacionadas com a segurança e medicina do
trabalho, inclusive a Campanha Nacional de Prevenção dos Acidentes do Trabalho - CANPAT,
o Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT e ainda a fiscalização do cumprimento dos
preceitos legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho.
Compete, ainda, à Delegacia Regional do Trabalho - DRT ou à Delegacia do Trabalho
Marítimo - DTM, nos limites de sua jurisdição:Podem ser delegadas a outros órgãos federais,
estaduais e municipais, mediante convênio autorizado pelo Ministro do Trabalho, atribuições de
fiscalização e/ou orientação às empresas, quanto ao cumprimento dos preceitos legais e
regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho. Sempre que uma ou mais empresas,
tendo, embora, cada uma delas, personalidade jurídica própria, estiverem sob direção, controle
ou administração de outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra
atividade econômica, serão, para efeito de aplicação das Normas Regulamentadoras - NR,
solidariamente responsáveis a empresa principal e cada uma das subordinadas. Para efeito de
aplicação das Normas Regulamentadoras - NR, a obra de engenharia, compreendendo ou não
canteiro de obra ou frentes de trabalho, será considerada como um estabelecimento, a menos
que se disponha, de forma diferente, em NR específica.