Você está na página 1de 74
Universidade Federal de Sergipe (UFS) Centro de Ciências Exatas e Tecnologia (CCET) Departamento de Engenharia

Universidade Federal de Sergipe (UFS) Centro de Ciências Exatas e Tecnologia (CCET) Departamento de Engenharia Civil (DEC)

Danilo Rafael Lima Santos

de Engenharia Civil (DEC) Danilo Rafael Lima Santos Aplicação de Reúso de Águas Cinzas para Uso

Aplicação de Reúso de Águas Cinzas para Uso em Cobertura Verde

São Cristóvão – SE

2015

Danilo Rafael Lima Santos

Aplicação de Reúso de Águas Cinzas para Uso em Cobertura Verde

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Uni- versidade Federal de Sergipe – UFS, para encerra- mento do componente curricular e conclusão da gra- duação em Engenharia Civil.

Orientador: Prof. Dra. Denise Conceição de Góis Michelan

São Cristóvão – SE

2015

É concedida à Universidade Federal de Sergipe permissão para reproduzir cópias desta mono- grafia e emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte deste trabalho acadêmico pode ser reproduzida sem a autorização por escrito do autor.

Assinatura

LIMA SANTOS, Danilo Rafael.

APLICAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUAS CINZAS PARA USO EM

COBERTURA VERDE /

São Cristóvão, 2015 74 p. : il. Trabalho Acadêmico Orientado. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. I. Universidade Federal de Sergipe/Sergipe. CDS

II. Título.

Danilo Rafael Lima Santos

Danilo Rafael Lima Santos

Aplicação de Reúso de Águas Cinzas para Uso em Cobertura Verde

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Uni- versidade Federal de Sergipe – UFS, para encerra- mento do componente curricular e conclusão da gra- duação em Engenharia Civil.

Aprovada em: 26 de fevereiro de 2015

Banca Examinadora:

Nota

Prof. Dra. Denise Conceição de Góis Michelan – Universidade Federal de Sergipe (Presidente – Orientador)

Nota

Prof. Dra. Luciana Coêlho Mendonça – Universidade Federal de Sergipe (Examinador 1)

Nota

Dedico esse trabalho à minha família pelo apoio, carinho e dedicação,

aos amigos pelo companheirismo e a todos os professores do curso, em especial a professora Denise, que foram muito importantes

na minha vida acadêmica.

Agradecimentos

Quero agradecer a todos que, de forma direta ou indireta, me ajudaram a realizar esta conquista. Meu muito obrigado vai para Deus, para meus pais, Sebastião e Lindinalva, meus irmãos, James

Lidiane, minha sobrinha e afilhada, Cecília, meus avós paternos, José Joaquim (in memoriam)

Maria Ducarmo, meus avós maternos, João (in memoriam) e Inês, minha namorada, Natália,

toda sua família, meus cunhados, Fabrício e Morgane, todos os meus tios, tias, primos, primas

e demais familiares, a Antônio Souza pelo apoio e amizade, além de todos os meus amigos, de infância, do colégio CCPA, da universidade e da vida. Agradeço também aos professores do Colégio de Ciências Pura e Aplicada - CCPA, do Colégio Módulo e da Universidade Federal de Sergipe - UFS por me abastecerem com uma base enorme de ensinamentos. Agradeço ainda

a todos que convivi nos lugares em que tive a oportunidade de estagiar ao longo do curso, aos quais me proporcionaram muito conhecimento: Prefeitura do Campus da Universidade Federal de Sergipe - UFS, CEMP Construções e Empreendimentos e RGM Construções Ltda. Meus agradecimentos vão a todos vocês!

e

e

e

“Ando devagar Porque já tive pressa E levo esse sorriso Porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte Mais feliz, quem sabe Só levo a certeza De que muito pouco sei Que nada sei.”

(Renato Teixeira)

Resumo

O homem vem buscando soluções para reverter os problemas ambientais surgidos ao longo dos tempos com o progresso tecnológico. Com isso, há a necessidade de criar tendências susten- táveis para buscar a renovação de técnicas e de materiais alternativos que possam abrir novos caminhos para um futuro mais viável a todos. O presente trabalho visa desenvolver duas dessas tendências, através da elaboração de um projeto, em um estudo de caso em edifício público, para analisar a instalação de cobertura verde por meio do sistema de reúso de águas cinza para sua irrigação e seus possíveis benefícios. Para a instalação do sistema proposto foram anali- sados parâmetros de oferta e demanda de água para assim avaliar a possibilidade executá-lo. Foram elaborados projetos para descrever o modo de instalação e possibilitar o levantamento dos custos de implantação. Por fim, foram analisados alguns custos e benefícios com a implan- tação do sistema projetado, obtendo por meio do cálculo do Payback simples o possível período de retorno do investimento em 15 meses. O trabalho possibilitou analisar que além do retorno financeiro, apesar do período longo, as novas tecnologias precisam ser divulgadas para a me- lhor compreensão dos benefícios das mesmas. Um passo importante para incentivar a execução dessas novas tendências é a criação de leis de incentico fiscal, como já foi dado início em alguns munícipios.

Palavras-chave: Tendências Sustentáveis. Cobertura Verde. Reúso de Águas Cinzas.

LIMA SANTOS, Danilo Rafael. Aplicação de Reúso de Águas Cinzas para Uso em Co- bertura Verde. São Cristóvão: UFS, 2015 (Trabalho de Conclusão de Curso, Graduação em Engenharia Civil).

Abstract

The man has been looking for solutions to reverse the environmental problems that arises over the years with the technological progress. So, there is the need to create sustainable tendencies to seek renewal of techniques and alternative materials that can open up new ways for a more viable future for all. This work aims to develop two of these tendencies through the develop- ment of a project, in a case in a public building, to analyze the green cover installation through the reuse of gray water system for irrigation and its potential benefits. For installation of the proposed system were analyzed supply parameters and water demand to evaluate the possibility to execute it. Projects were developed to describe how to install and allow the measure of im- plantation costs. Finally, were analyzed some costs and benefits with the implementation of the designed system, obtaining by calculating the simple Payback the possible payback period on investment in 15 months. This study has helped analyze that beyond financial return, despite the long period, new technologies need to be disclosed to a better understanding of their benefits. An important step to encourage the implementation of these new trends is the creation of tax incentive laws, as has been initiated in some municipalities.

Keywords: Sustainable Trends. Green Cover. Reuse of Gray Water.

Lista de ilustrações

Figura 1

Figura 2

Diferença entre águas cinzas e águas negras

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

Modelo de aplicação do reúso de águas cinzas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

Figura 3

Características físicas, químicas e bacteriológicas das águas cinzas originada

Figura 4

Figura 5

. Atividades do sistema de reúso de águas cinzas

em banheiros brasileiros .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

24

Esquema dos componentes de um conjunto elevatório

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

Figura 6

Corte esquemático de cobertura verde extensiva

28

Figura 7

Figura 8

. Camadas de cobertura verde intensiva

Edifício em Chicago - USA

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

29

Figura 9 – Edifício da prefeitura de Chicago, USA.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

Figura 10 – Comparação sistema SkyGarden com tradicional .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

Figura 11 – Exemplo da linha de produtos da SkyGarden .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

Figura 12 – Corte esquemático SkyGarden

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

Figura 13 – Comparação de Escoamento de uma Cobertura Verde com uma Cobertura

Convencional

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

Figura 14 – Exemplo de cobertura verde em um Shopping de São Paulo - BRA

 

35

Figura 15 – Modelo do Sistema de Reúso de Águas Cinzas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

40

Figura 16

– Desempenho da Eficiência do Sistema de Bioágua Familiar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

44

Figura 17 – Cobertura do Edifício da Incubadora

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

Figura 18 – Montagem Passo-a-Passo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

. Figura 20 – Bancos para jardim da Tramontina

Figura 19 – Filtro Biológico

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

55

59

Lista de tabelas

Tabela 1

Tabela 2

Classificação, reúsos previstos e suas exigências

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

Parâmetro de consumo de água potável para irrigação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

Tabela 3

Usos finais de água em dez edifícios públicos

38

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Tabela 4 – Contribuição diária de esgoto (C) e de lodo fresco (Lf) por tipo de prédio e

.

de ocupante

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

Tabela 5

. Estimativa de consumo mensal de água

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

50

Tabela 6

Oferta mensal de água cinza no edificio estudado

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

50

Tabela 7

Tabela 8

Dimensionamento dos ramais de descarga Dimensionamento das caixas sifonadas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

51

51

Tabela 9 – Dimensionamento dos tubos de queda

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

52

Tabela 10 – Dimensionamento dos coletores de água cinza

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

52

Tabela 11 – Conexões e Comprimentos Equivalentes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

54

Tabela 12 – Custo das Tubulações

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

56

Tabela 13 – Custo das Conexões

Tabela 14 – Investimento e Economias .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

60

Lista de abreviaturas e siglas

ANA

Agência Nacional de Águas.

NBR

Norma Brasileira.

ABNT

Associação Brasileira de Normas Técnicas.

TQAC

Tubo de Queda de Água Cinza.

SERGIPETEC

Parque Tecnologico de Sergipe.

UHC

Unidades Hunter de Contribuição.

Sumário

 

Lista de ilustrações

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

Lista de tabelas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

1

INTRODUÇÃO

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

1.1

Considerações Iniciais .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

1.2

Objetivos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

1.2.1

Objetivo Geral

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

1.2.2

Objetivos Específicos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

2

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

2.1

Reúso de Águas Cinzas .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

2.1.1

Possibilidades para uso de águas cinzas

 

20

2.1.2

Legislação sobre reúso de águas servidas

21

2.1.3

Qualidade das Águas Cinzas .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

2.2

Sistema de Coleta e Reúso de Águas Cinzas

 

23

2.2.1

Sistema de Coleta

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

2.2.2

Sistema de Tratamento

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

2.2.3

Sistema de Reserva

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

2.2.4

Sistema Elevatório .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

2.2.5

Sistema de Distribuição

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

2.3

Cobertura Verde .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

2.3.1

Definição .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

2.3.2

Tipos de Coberturas Verdes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

2.3.2.1 Cobertura Verde Extensiva

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

2.3.2.2 Cobertura Verde Intensiva .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

2.3.3

Modelo e Detalhes Construtivos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

2.3.3.1 Modelo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

2.3.3.2 Métodos Construtivos .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

2.3.4

Benefícios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

2.3.4.1 Redução da Contribuição do Escoamento Superficial

 

32

2.3.4.2 Conforto Ambiental

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

2.3.4.3 Ganhos Relacionados a Estética (Paisagismo)

 

34

2.3.4.4 Vida Útil da Cobertura

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

2.3.4.5 Ganho Financeiro .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

2.3.5

Manutenção

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

35

2.3.6

Cuidados Especiais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

2.3.7

Políticas Públicas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

3

METODOLOGIA

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

3.1

Edificação Estudada .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

3.1.1

Caracterização da Edificação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

3.1.2

Parâmetros da Estimativa de Consumo de Água na Cobertura Verde da

 

Edificação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

3.1.3

Parâmetros da Estimativa da Oferta de àgua Cinza

 

38

3.2

Sistema de Reúso de Águas Cinzas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

3.2.1

Tipo de Reúso

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

3.2.2

Modelo do Sistema de Reúso

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

3.2.3

Coleta de Águas Cinzas

 

.

.

.

.

.

.