Você está na página 1de 68
Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software Aula 01 PROFESSOR ANDERSON SIQUEIRA JULHO -
Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software Aula 01 PROFESSOR ANDERSON SIQUEIRA JULHO -
Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software Aula 01 PROFESSOR ANDERSON SIQUEIRA JULHO -
Análise e Desenvolvimento de Sistemas
Análise e Desenvolvimento de
Sistemas
Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software Aula 01 PROFESSOR ANDERSON SIQUEIRA JULHO - 2015

Engenharia de Software

Aula 01

PROFESSOR ANDERSON SIQUEIRA

JULHO - 2015

Agenda Apresentação do docente Comunicados importantes Metodologia de ensino empregada Bibliografia indicada

Agenda

Agenda Apresentação do docente Comunicados importantes Metodologia de ensino empregada Bibliografia indicada

Apresentação do docente

Comunicados importantes

Metodologia de ensino empregada

Bibliografia indicada

Avaliações

Conteúdo Programático

Introdução à Engenharia de Software (Nivelamento e case inicial)

Dúvidas?

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

2

Apresentação Docente

Apresentação

Docente

Apresentação Docente Formação, experiência & linhas de pesquisa: Graduação em Administração de Sistemas de

Apresentação Docente

Apresentação Docente Formação, experiência & linhas de pesquisa: Graduação em Administração de Sistemas de

Formação, experiência & linhas de pesquisa:

Graduação em Administração de Sistemas de Informação (IBERO, 1997);

Aperfeiçoamento em Marketing (FASP, 2001);

Especialização em Sistemas de Computação (UFU, 2005);

Especialização em Tecnologias e Sistemas de Informação (UFABC, 2011);

Mestrado em Engenharia da Informação (UFABC, 2014);

Mais de 20 anos de experiência no mercado de TI, desenvolvimento, consultoria e atuando com projetos (PMI);

Docente FATEC, FAMA, Tutoria em curso de Especialização na UFABC.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

4

Apresentação Docente LATTES e contato: LATTES : http://lattes.cnpq.br/7967924494958799 ; Contato :

Apresentação Docente

Apresentação Docente LATTES e contato: LATTES : http://lattes.cnpq.br/7967924494958799 ; Contato :

LATTES e contato:

LATTES: http://lattes.cnpq.br/7967924494958799;

Contato : siqueirastos.ifsp@gmail.com

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

5

Comunicados importantes

Comunicados importantes

Comunicados Aulas teóricas & práticas com Prof Anderson ; Uso de celular (desligado e/ou sem

Comunicados

Comunicados Aulas teóricas & práticas com Prof Anderson ; Uso de celular (desligado e/ou sem som);

Aulas teóricas & práticas com Prof Anderson;

Uso de celular (desligado e/ou sem som);

Sem uso de fones de ouvido;

Alimentos são proibidos dentro do INFO;

Desligar os computadores ao término da aula, por favor;

Participação dos alunos nas aulas, com questões, cases e afins;

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

7

Comunicados Evitem conversas paralelas (há muita teoria) ; Relação com o ENADE ; Faltas :

Comunicados

Comunicados Evitem conversas paralelas (há muita teoria) ; Relação com o ENADE ; Faltas : atenção

Evitem conversas paralelas (há muita teoria);

Relação com o ENADE;

Faltas : atenção as suas faltas. Limite 75%, mais que isso há reprovação;

E-mail, mais uma vez: siqueirastos.ifsp@gmail.com

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

8

Metodologia de Ensino

Metodologia de Ensino

Metodologia Metodologia e estratégia de ensino: Aulas expositivas / dialogadas (slides e/ou lousa); Desenvolvimento de

Metodologia

Metodologia Metodologia e estratégia de ensino: Aulas expositivas / dialogadas (slides e/ou lousa); Desenvolvimento de

Metodologia e estratégia de ensino:

Aulas expositivas / dialogadas (slides e/ou lousa);

Desenvolvimento de atividades individuais (programas) em laboratório;

Análise de situações-problema;

Desenvolvimento de projeto de

software, em grupo.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

10

Bibliografia recomendada

Bibliografia recomendada

Bibliografia Básica: SOMMERVILLE, I. Engenharia de software. 8.ed. Addison Wesley, 2007. PRESSMAN, Roger S. Engenharia

Bibliografia

Bibliografia Básica: SOMMERVILLE, I. Engenharia de software. 8.ed. Addison Wesley, 2007. PRESSMAN, Roger S. Engenharia

Básica:

SOMMERVILLE, I. Engenharia de software. 8.ed. Addison Wesley, 2007.

PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software: Uma Abordagem Profissional. 7.ed. Bookman, 2011.

KONCIANSKI, A.; SOARES, M. S. Qualidade de Software. Novatec, 2006.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

12

Bibliografia Complementar: BECK, K. TDD - Desenvolvimento Guiado por Testes . Bookman, 2010. BROD, C.

Bibliografia

Bibliografia Complementar: BECK, K. TDD - Desenvolvimento Guiado por Testes . Bookman, 2010. BROD, C. Scrum

Complementar:

BECK, K. TDD - Desenvolvimento Guiado por Testes. Bookman,

2010.

BROD, C. Scrum – guia prático para projetos ágeis. São Paulo:

Novatec, 2013.

COCKBURN, A. Escrevendo Casos de Uso Eficazes: Um guia prático para desenvolvedores de software. Bookman, 2005

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

13

Bibliografia Complementar: COHEN, M. Desenvolvimento de software com Scrum . Porto Alegre: Bookman, 2011 Treinamento

Bibliografia

Bibliografia Complementar: COHEN, M. Desenvolvimento de software com Scrum . Porto Alegre: Bookman, 2011 Treinamento

Complementar:

COHEN, M. Desenvolvimento de software com Scrum. Porto Alegre: Bookman, 2011

Treinamento Scrum. Disponível em http://www.mountaingoatsoftware.com/

DAVIS, S.; MEYER, C. Blur: a velocidade da mudança na economia integrada. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

14

Bibliografia Complementar: FITZPATRICK, B. W.; COLLINS-SUSSMAN, B. Equipes de software . São Paulo: Novatec, 2012

Bibliografia

Bibliografia Complementar: FITZPATRICK, B. W.; COLLINS-SUSSMAN, B. Equipes de software . São Paulo: Novatec, 2012

Complementar:

FITZPATRICK, B. W.; COLLINS-SUSSMAN, B. Equipes de software. São Paulo: Novatec, 2012

FOWLER, M. Refatoração Aperfeiçoando o projeto de código existente. Bookman, 2004.

KANAT-ALEXANDER, M. As leis fundamentais do projeto de software. São Paulo: Novatec, 2012

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

15

Bibliografia Complementar: NOGUEIRA, M. Engenharia de Software - Um Framework . Ciência Moderna, 2009. PEZZE,

Bibliografia

Bibliografia Complementar: NOGUEIRA, M. Engenharia de Software - Um Framework . Ciência Moderna, 2009. PEZZE, M.;

Complementar:

NOGUEIRA, M. Engenharia de Software - Um Framework. Ciência Moderna, 2009.

PEZZE, M.; YOUNG, M. Teste e Análise de Software. Bookman,

2008.

PILONE, D.; MILES, R. Use a cabeça! Desenvolvimento de Software. Alta Books, 2008.

PRESSMAN, R.S. Engenharia de Software. São Paulo: Pearson Makron Books, 2007.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

16

Avaliações da disciplina

Avaliações da disciplina

Avaliações Avaliações a serem aplicadas: Média Final = (60%*P1 + 40%*T1) + ( (50%*P2 +

Avaliações

Avaliações Avaliações a serem aplicadas: Média Final = (60%*P1 + 40%*T1) + ( (50%*P2 + 40%*T2)

Avaliações a serem aplicadas:

Média Final = (60%*P1 + 40%*T1) + ( (50%*P2 + 40%*T2) + ENADE)

Provas (P): Serão aplicadas duas avaliações teóricas P1 e P2.

Trabalhos (T): Serão aplicados dois trabalhos T1 e T2.

ENADE: ponto do simulado do ENADE (até 1 ponto)

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

18

Avaliações Avaliações DATAS previstas: P1 17/09/2015; T1 21/09/2015; P2 26/11/2015; T2 30/11/2015; IFA

Avaliações

Avaliações Avaliações DATAS previstas: P1 17/09/2015; T1 21/09/2015; P2 26/11/2015; T2 30/11/2015; IFA

Avaliações DATAS previstas:

P1 17/09/2015;

T1 21/09/2015;

P2 26/11/2015;

T2 30/11/2015;

IFA 10/12/2015.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

19

Conteúdo Programático Previsto

Conteúdo Programático Previsto

Conteúdo Programático Tópicos a serem abordados: Introdução a Engenharia de Software ; Processo de Software;

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Tópicos a serem abordados: Introdução a Engenharia de Software ; Processo de Software;

Tópicos a serem abordados:

Introdução a Engenharia de Software;

Processo de Software;

Engenharia de Requisitos;

Verificação e Validação de Software;

Gerenciamento de Configuração.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

21

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software

Case Processamento de arquivos transacionais em relação aos dias de hoje (menos integração, para começar

Case

Processamento de arquivos transacionais em relação aos dias de hoje (menos integração, para começar o problema)

Engenharia de Software (ES) 24
Engenharia de Software (ES)
24
Nivelamento Dado, informação e conhecimento

Nivelamento

Dado, informação e conhecimento

Dados Dados ou dado: Registros de observações ao longo de uma série temporal (ou não);

Dados

Dados Dados ou dado: Registros de observações ao longo de uma série temporal (ou não); São

Dados ou dado:

Registros de observações ao longo de uma série temporal (ou não);

São isolados, mas devem ser precisos;

Fora de sequencia lógica, não permitem o conhecimento e MUITO menos a tomada de decisão;

Devem representar a área de domínio.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

26

Dados: exemplos Valor da massa corporal do sujeito; Idade de uma pessoa; Valor do salário;

Dados: exemplos

Dados: exemplos Valor da massa corporal do sujeito; Idade de uma pessoa; Valor do salário; Vermelho
Dados: exemplos Valor da massa corporal do sujeito; Idade de uma pessoa; Valor do salário; Vermelho

Valor da massa corporal do sujeito;

Idade de uma pessoa;

Valor do salário;

Vermelho (cor);

Valor da TR (Taxa de referência);

Nome de um produto.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

27

Informação A informação é: Conjunto de dados registrados em ordem/lógica que permita a compreensão; Não

Informação

Informação A informação é: Conjunto de dados registrados em ordem/lógica que permita a compreensão; Não é

A informação é:

Conjunto de dados registrados em ordem/lógica que permita a compreensão;

Não é isolada;

Organizada em um sequencia lógica que permite o conhecimento e a tomada de decisão;

Deve ser precisa e representar a área de domínio em questão.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

28

Informação: exemplos O Os O A UM saldo investimentos DBA salário maçã do da João

Informação: exemplos

Informação: exemplos O Os O A UM saldo investimentos DBA salário maçã do da João Oracle

O Os O A UM saldo investimentos DBA salário maçã do da João Oracle é Argentina conta é de de um vermelho forte que brilha de 4.000,00 cada corrente aluno do cuja da Carlos profissão turma é é Desenvolvedor chega de a Engenharia receber de de Software 15.000,00 12.000,00 somam por 1.000.000,00 mês

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

29

Conhecimento Conhecimento é: O processo de aprender com a informação , ponderar; Informações úteis para

Conhecimento

Conhecimento Conhecimento é: O processo de aprender com a informação , ponderar; Informações úteis para um

Conhecimento é:

O processo de aprender com a informação, ponderar;

Informações úteis para um propósito, permitem que o sujeito compreenda os fatos. Após a análise, surge o conhecimento;

Tomar ciência dos fatos, aprender com eles e assim tomar decisões mais precisas (dentro do possível).

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

30

Conhecimento: exemplos Exemplos: Cerca de 20% dos clientes de uma organização representam 80% do faturamento

Conhecimento: exemplos

Conhecimento: exemplos Exemplos: Cerca de 20% dos clientes de uma organização representam 80% do faturamento desta.

Exemplos:

Cerca de 20% dos clientes de uma organização representam 80% do faturamento desta. Que decisão tomar?

A TR é a taxa de corrige a caderneta de poupança. Um financiamento imobiliário no banco X tem o valor de sua mensalidade corrigida por ela. Que decisão tomar?

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

31

Engenharia de Software Conceito

Engenharia de Software

Conceito

Engenharia de Software (ES) Conceituação inicial: O que é software ? O que é Engenharia

Engenharia de Software (ES)

Engenharia de Software (ES) Conceituação inicial: O que é software ? O que é Engenharia de

Conceituação inicial:

O que é software ?

O que é Engenharia de Software?

Engenharia de Software Conceito, envolve: Processos (conjunto de atividades); Conjunto Conjunto de métodos ( técnicas

Engenharia de Software

Engenharia de Software Conceito, envolve: Processos (conjunto de atividades); Conjunto Conjunto de métodos ( técnicas ,

Conceito, envolve:

Processos (conjunto de atividades);

Conjunto

Conjunto

de métodos (técnicas, práticas);

de ferramentas (normalmente, softwares CASE);

Está relacionada à produção de software.

OBJETIVO: gerar software de QUALIDADE

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

34

Engenharia de Software O que se espera do ENGENHEIRO DE SOFTWARE? Seja organizado e sistemático

Engenharia de Software

Engenharia de Software O que se espera do ENGENHEIRO DE SOFTWARE? Seja organizado e sistemático ;

O que se espera do ENGENHEIRO DE SOFTWARE?

Seja organizado e sistemático;

Empregar ferramentas apropriadas (IDEs);

Usar técnicas apropriadas (O.O., Engenharia de Requisitos);

DEPENDE do problema, das restrições e dos recursos envolvidos

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

35

Engenharia de Software DICA: Recursos escassos , a prática, conceito e exemplos Créditos:

Engenharia de Software

Engenharia de Software DICA: Recursos escassos , a prática, conceito e exemplos Créditos:

DICA: Recursos escassos , a prática, conceito e exemplos

DICA: Recursos escassos , a prática, conceito e exemplos Créditos: http://www.christianbarbosa.com.br/bet

Créditos:

http://www.christianbarbosa.com.br/bet

a/bn_conteudo_artigos.asp?cod=280&o

pr=113

a/bn_conteudo_artigos.asp?cod=280&o pr=113 Créditos: https://falandodeconsultoria.wordpress.com

Créditos:

https://falandodeconsultoria.wordpress.com

/2014/01/15/vida-de-vendedor-saiba-como-

atender-10-tipos-de-clientes/

atender-10-tipos-de-clientes/ Créditos: http://www.libertarianismo.org/index.p

Créditos:

http://www.libertarianismo.org/index.p

hp/artigos/caros-politicos-recursos-sao-

escassos/

hp/artigos/caros-politicos-recursos-sao- escassos/ Créditos: http://trivialjuridico.com.br/?p=1203 Prof

Créditos:

http://trivialjuridico.com.br/?p=1203

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 Créditos: http://tombrito.ninjasdaweb.com/2013/

Créditos:

http://tombrito.ninjasdaweb.com/2013/

12/01/redes-neurais-do-

reconhecimento-de-caracteres-para-o-

reconhecimento-de-ruas/

36

Engenharia de Software Diferenças entre ES e Ciência da Computação (CC) CC dedicação à teoria

Engenharia de Software

Engenharia de Software Diferenças entre ES e Ciência da Computação (CC) CC dedicação à teoria e

Diferenças entre ES e Ciência da Computação (CC)

CC dedicação à teoria e fundamentos da computação;

ES prática, com uso de técnicas & processos. Desenvolvimento de software e a sua entrega para uso. E com qualidade!

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

37

Engenharia de Software Diferenças entre ES e Engenharia de Sistemas (ESis) Esis dedicação ao desenvolvimento

Engenharia de Software

Engenharia de Software Diferenças entre ES e Engenharia de Sistemas (ESis) Esis dedicação ao desenvolvimento de

Diferenças entre ES e Engenharia de Sistemas (ESis)

Esis dedicação ao desenvolvimento de sistemas para computadores, aliando software, hardware e o processo;

ES parte da Esis. Está envolvida na especificação, arquitetura, construção, integração e implantação de sistemas. E com qualidade!

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

38

Software Conceito & importância

Software

Conceito & importância

Software Conceito: Programa executável com finalidade específica; É lógico, intangível; A documentação associada

Software

Software Conceito: Programa executável com finalidade específica; É lógico, intangível; A documentação associada

Conceito:

Programa executável com finalidade específica;

É lógico, intangível;

A documentação associada (requisitos, modelos e manuais de usuários);

Dados.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

40

Software Exemplos: http://www.firebirdsql.org/ http://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/

Software

Software Exemplos: http://www.firebirdsql.org/ http://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/

Exemplos:

Software Exemplos: http://www.firebirdsql.org/ http://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/

http://www.firebirdsql.org/

Software Exemplos: http://www.firebirdsql.org/ http://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/
Software Exemplos: http://www.firebirdsql.org/ http://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/

http://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/

http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson

http://www.mysql.com/

http://www.oracle.com
http://www.oracle.com
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
http://www.mysql.com/ http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 http://www.postgresql.org/ 41

http://www.postgresql.org/

http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 http://www.postgresql.org/ 41
http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 http://www.postgresql.org/ 41
http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 http://www.postgresql.org/ 41
http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 http://www.postgresql.org/ 41
http://www.oracle.com Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1 http://www.postgresql.org/ 41
41
41
Software Importância do Software: “ Tecnologia única mais importante no cenário mundial ”, segundo Pressman

Software

Software Importância do Software: “ Tecnologia única mais importante no cenário mundial ”, segundo Pressman (2011)

Importância do Software:

Tecnologia única mais importante no cenário mundial”, segundo Pressman (2011)

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

42

Software Lei das consequências não intencionais : Software é um EXEMPLO desta lei, de forma

Software

Software Lei das consequências não intencionais : Software é um EXEMPLO desta lei, de forma que

Lei das consequências não intencionais:

Software é um EXEMPLO desta lei, de forma que não foi possível prever a importante contribuição que tem nas mais diversas áreas do conhecimento humano, dentre elas:

Medicina

Pesquisa

Engenharia

Interface entre áreas

Negócios processos)

(suporte

aos

Internet

Equipamentos

Negócios (B2C / B2B)

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

43

Software para o negócio (EXEMPLO) 44 Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula
Software para o negócio
(EXEMPLO)
44
Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1
Software Software Aplicações : é e será cada vez mais crescente, demandando assim: Novas técnicas

Software

Software Software Aplicações : é e será cada vez mais crescente, demandando assim: Novas técnicas de

Software

Aplicações : é e será cada vez mais crescente, demandando assim:

Novas técnicas de desenvolvimento;

Velocidade no desenvolvimento;

Com foco na qualidade.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

45

Software Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho /

Software

Software Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015

Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso):

Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –
Softwares para apoio ao desenvolvimento (circulo virtuoso) : Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 –

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

46

Software Natureza do Software Como PRODUTO : transmite, complexas); codifica adquire, produz, armazena, modifica,

Software

Software Natureza do Software Como PRODUTO : transmite, complexas); codifica adquire, produz, armazena, modifica,

Natureza do Software

Como PRODUTO:

transmite,

complexas);

codifica

adquire, produz, armazena, modifica,

(decodifica)

informações

(simples

ou

Como DISTRIBUIR: atuando, por exemplo, como um Sistema Operacional, na comunicação de informações dentro de uma estrutura de rede.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

47

Software Questões do programador solitário MAS que são as mesmas das equipes de desenvolvimento atuais

Software

Software Questões do programador solitário MAS que são as mesmas das equipes de desenvolvimento atuais (PRESSMAN,

Questões do programador solitário MAS que são as mesmas das equipes de desenvolvimento atuais (PRESSMAN, 2011, pág

21)

1. Por que concluir um software leva tanto tempo?

2. Por que mantemos tanto tempo e esforço para mantendo programas existentes?

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

48

Software Software é fabricado? C r é d i t o s : h t

Software

Software Software é fabricado? C r é d i t o s : h t t

Software é fabricado?

Software Software é fabricado? C r é d i t o s : h t t

Créditos: http://www.tagview.com.br/

/ w w w . t a g v i e w . c o m

Créditos: http://www.cpcon.eng.br/gestao-patrimonial/gestao/producao-inventarios/

Processo de ES; Custos se concentram na engenharia; Não se desgasta, mas se deteriora; Complexo para manutenção; Sem componentes de reparo; Não tem poeira.

Hardware se desgasta; Custos se concentram produção (todo o processo); Tem componentes para reparo; Influenciado pela poeira, ambiente

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

49

Software Em termos de reutilização de componentes Software Hardware Ainda em fase inicial; Passos já

Software

Software Em termos de reutilização de componentes Software Hardware Ainda em fase inicial; Passos já foram

Em termos de reutilização de componentes

Software

Hardware

Ainda em fase inicial;

Passos já foram dados e melhorou muito;

Já existem componentes reutilizáveis que encapsulam dados e codificação funcional (O.O.).

Padrão no uso de componentes (CIs por exemplo);

Mesmo tipo de componente pode ser usado em vários projetos diferentes;

O engenheiro foca na inovação e não nos componentes;

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

50

Software Sete categorias de aplicação do software (PRESSMAN, 2011) Sistema Aplicação Científico/Engenharia Software

Software

Software Sete categorias de aplicação do software (PRESSMAN, 2011) Sistema Aplicação Científico/Engenharia Software

Sete categorias de aplicação do software (PRESSMAN, 2011)

Sistema

Aplicação

Científico/Engenharia

Software Embutido

Software

produtos Aplicações para WEB

linha

para

de

Software para Inteligência Artificial

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

51

Software Abrindo aspas com a qualidade

Software

Abrindo aspas com a qualidade

Software Qualidade: Qualidade tem sua prática desde os mais remotos tempos. Exemplo: o cúbito; Nos

Software

Software Qualidade: Qualidade tem sua prática desde os mais remotos tempos. Exemplo: o cúbito; Nos anos

Qualidade:

Qualidade tem sua prática desde os mais remotos tempos. Exemplo: o cúbito;

Nos anos 40 teve início do Japão, bem como a criação da ABNT no Brasil e a ISO;

Philip Crosby

Erro zero;

Qualidade é conformidade com os requisitos. Exemplos.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

53

Software Após a qualidade, voltamos aos conceitos

Software

Após a qualidade, voltamos aos conceitos

Software Softwares para Sistemas Aqueles que interagem com o HW e executam outras aplicações a

Software

Software Softwares para Sistemas Aqueles que interagem com o HW e executam outras aplicações a partir

Softwares para Sistemas

Aqueles que interagem com o HW e executam outras aplicações a partir dele. Exemplos:

com o HW e executam outras aplicações a partir dele. Exemplos: Prof Anderson Siqueira – Julho

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

55

com o HW e executam outras aplicações a partir dele. Exemplos: Prof Anderson Siqueira – Julho
Software Softwares para aplicações Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos: Prof Anderson

Software

Software Softwares para aplicações Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos: Prof Anderson Siqueira

Softwares para aplicações

Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos:

Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos: Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015
Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos: Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015
Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos: Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

Aqueles que dão apoio ao processo de negócios. Exemplos: Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015

56

Software Softwares Científico / Engenharia Cálculos complexos; Processamento pesado, como imagens , Biologia Molecular;

Software

Software Softwares Científico / Engenharia Cálculos complexos; Processamento pesado, como imagens , Biologia Molecular;

Softwares Científico / Engenharia

Cálculos complexos;

Processamento pesado, como imagens, Biologia Molecular;

Uso para apoio em pesquisas científicas, tanto o Software como o HW devem ter bom poder de processamento.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

57

Software Softwares Científico / Engenharia Cálculos complexos; Processamento pesado, como imagens , Biologia Molecular;

Software

Software Softwares Científico / Engenharia Cálculos complexos; Processamento pesado, como imagens , Biologia Molecular;

Softwares Científico / Engenharia

Cálculos complexos;

Processamento pesado, como imagens, Biologia Molecular;

Uso para apoio em pesquisas científicas, tanto o Software como o HW devem ter bom poder de processamento.

tanto o Software como o HW devem ter bom poder de processamento. 58 Prof Anderson Siqueira
58
58
tanto o Software como o HW devem ter bom poder de processamento. 58 Prof Anderson Siqueira

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

Software Software EMBUTIDO Residentes em equipamentos, mas com função de gestão e/ou de apoio a

Software

Software Software EMBUTIDO Residentes em equipamentos, mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades;

Software EMBUTIDO

Residentes em equipamentos, mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades;

mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /
mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /
mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /
mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /
mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /
mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /
mas com função de gestão e/ou de apoio a funcionalidades; Prof Anderson Siqueira – Julho /

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

59

Software Software para linha de produtos Determinados produtos com mercado limitado e personalizado. Prof Anderson

Software

Software Software para linha de produtos Determinados produtos com mercado limitado e personalizado. Prof Anderson

Software para linha de produtos

Determinados produtos com mercado limitado e personalizado.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

60

Software Software para Inteligência Artificial Uso em aplicações complexas (robótica, reconhecimento de padrões );

Software

Software Software para Inteligência Artificial Uso em aplicações complexas (robótica, reconhecimento de padrões );

Software para Inteligência Artificial

Uso em aplicações complexas (robótica, reconhecimento de padrões);

Redes Neurais Artificiais;

reconhecimento de padrões ); Redes Neurais Artificiais; Uso em Aprendizado de Máquina. Prof Anderson Siqueira –

Uso em Aprendizado de Máquina.

); Redes Neurais Artificiais; Uso em Aprendizado de Máquina. Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015
); Redes Neurais Artificiais; Uso em Aprendizado de Máquina. Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

61

Software Aplicações para WEB (mais recente) Meados da década de 90 e as opções de

Software

Software Aplicações para WEB (mais recente) Meados da década de 90 e as opções de acesso

Aplicações para WEB (mais recente)

Meados da década de 90 e as opções de acesso à internet;

Neste mesmo período, páginas MUITO estáticas, com gráficos pobres;

HTML em conjunto com o Java permitiu aos engenheiros de ES desenvolverem aplicações para WEB mais dinâmicas.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

62

Software Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente) Uso intensivo de redes; Simultaneidade ,

Software

Software Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente) Uso intensivo de redes; Simultaneidade , muita

Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente)

Uso intensivo de redes;

Simultaneidade, muita gente acessando ao mesmo tempo;

Carga não previsível. Em um dia, um determinado número de usuários; em outro um número menor. Ou maior;

Desempenho. Um bom exemplo de Marketing/CRM;

Orientados a dados. Além de ser hipermídia, acessa dados de BDs;

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

63

Software Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente) Sensibilidade no conteúdo . Forte relação

Software

Software Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente) Sensibilidade no conteúdo . Forte relação com

Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente)

Sensibilidade no conteúdo. Forte relação com a qualidade do conteúdo;

Evolução contínua. Conforme as demandas, que podem ser de mercado e/ou tecnológicas;

Imediatismo. Aplicação deve ser desenvolvida rapidamente, e muitas vezes, pode passar por modificações em poucos dias;

Segurança. HTTPS é imperativo bem como outras práticas de segurança. Estar na WEB é um risco.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

64

Software Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente) Estética: orte relação com a IHC,

Software

Software Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente) Estética: orte relação com a IHC, o

Aplicações para WEB e seus atributos (mais recente)

Estética: orte relação com a IHC, o que determina a qualidade da página;

Evolução contínua. Conforme as demandas, que podem ser de mercado e/ou tecnológicas;

Imediatismo. Aplicação deve ser desenvolvida rapidamente, e muitas vezes, pode passar por modificações em poucos dias;

Segurança. HTTPS é imperativo bem como outras práticas de segurança. Estar na WEB é um risco.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

65

Próxima aula

Próxima aula

Aula 2 - previsão Engenharia de Software –continuação; Camadas da Engenharia de Software; Processos de

Aula 2 - previsão

Aula 2 - previsão Engenharia de Software –continuação; Camadas da Engenharia de Software; Processos de software

Engenharia de Software –continuação;

Camadas da Engenharia de Software;

Processos de software e seus modelos.

Prof Anderson Siqueira – Julho / 2015 – Aula 1

67

Dúvidas ?

Dúvidas ?