Você está na página 1de 18

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

SOLUÇÃO DO CASO PRÁTICO DE AUDITORIA

PLANEJAMENTO DA AUDITORIA

Memorando de Planejamento Auditada S.A.

1. Termos de referência

Conteúdo

2. A empresa e os riscos inerentes e correlatos

3. O ambiente de controle

4. Práticas contábeis

5. Determinação dos segmentos de negócios

6. Riscos inerentes e ambiente de controle para segmentos de negócios

7. Decisões de planejamento para componentes

8. Rotação de ênfase de auditoria

9. Expectativas do cliente

10. Políticos contábeis relevantes

11. Limite de materialidade

12. Administração do trabalho

13. Natureza, conteúdo e oportunidade do Parecer e Relatórios a serem emitidos.

14. Aprovação do memorando de planejamento.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

AUDITADA S.A.

1. TERMOS DE REFERÊNCIA

Este memorando resume nosso plano de auditoria em relação ao exame das demonstrações contábeis da AUDITADA S.A. do exercício a findar em 31 de dezembro de XB.

1.1 Objeto de nosso trabalho

Emitir parecer sobre as demonstrações contábeis do exercício a findar em 31 de dezembro de XB, elaboradas segundo as práticas contábeis adotadas no Brasil complementado por Memorando de Avaliação dos Controles Internos.

2. A EMPRESA E OS RISCOS INERENTES E CORRELATOS

2.1 Origem e participação no capital social

É uma empresa de origem brasileira constituída em XY. Em XA, foram vendidos 85% do capital para o Grupo Brasil Corporation, ficando seu capital distribuído como segue:

Acionistas

% de Participação

Brasil Corporation (Brasil)

57

Brasil Corporation (UK)

28

Outros acionistas

15

 

100

2.2 Atividades operacionais

Sua atividade é uma complementação dos serviços das siderúrgicas; é um centro de serviços e comércio de aços laminados, onde são feitos processamentos (cortes, principalmente) dos materiais das usinas, visando atender às necessidades específicas dos clientes. A empresa atende ao mercado através da matriz localizada em São Paulo e de uma filial localizada em Cubatão, a qual contribuiu com participação de 17% das vendas do período e 25% dos serviços prestados.

Comercialização dos produtos:

Mercado interno Representa 95% do faturamento da empresa; as vendas são efetuadas por vendedores internos, que contribuem com 97%, e representantes, com 3% das vendas.

Mercado externo

Participa com 5% no faturamento da empresa; as vendas são efetuadas por representantes no exterior.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves 2.3 Resultados operacionais preliminares

Os primeiros três meses do exercício foram considerados fracos para a empresa, tanto em nível de volume (61.000 toneladas) quanto em nível de preços, pois houve necessidade de redução de preços de vendas após o plano de estabilização econômica e, para os nove meses restantes, não há previsão de melhorias. As vendas do período alcançaram $ 2.321 mil. Os custos dos produtos vendidos foram de $ 1.006 mil no período. As despesas operacionais totalizaram $ 718 mil. O lucro antes do IR foi de $ 72 mil. Esses dados foram extraídos do demonstrativo do resultado de março de XB.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

2.4 Demonstrações contábeis

2.4.1 Balanço patrimonial

ATIVO

       

Circulante

31.03.XB

%

31.12.XA

%

Caixa e bancos

6,54

0,32

8,45

1,99

Aplicações financeiras

19,00

0,92

100,12

23,58

Contas a receber de clientes

588,18

28,55

68,74

16,19

Saques exportação

(9,25)

(0,45)

(5,77)

(1,36)

Estoques

581,39

28,22

126,73

29,85

Adiantamentos a fornecedores

9,13

0,44

7,12

1,68

Impostos a recuperar

0,50

0,02

8,94

2,11

Outros créditos

63,29

3,07

1,75

0,41

Despesas do exercício seguinte

1,19

0,06

0,61

0,14

 

1.259,97

61,15

316,69

74,60

Realizável a longo prazo

       

Depósitos judiciais

101,86

4,94

4,88

1,15

Empréstimos compulsórios

8,26

0,40

0,80

0,19

Depósitos para investimentos

1,08

0,05

0,15

0,04

Imposto de renda diferido

6,19

0,30

 

-

 

117,39

5,70

5,83

1,37

Permanente

       

Investimentos

82,97

4,03

8,96

2,11

Imobilizado

599,38

29,09

92,84

21,87

Diferido

0,73

0,04

0,19

0,04

 

683,08

33,15

101,99

24,03

 

2.060,44

100,00

424,51

100,00

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

PASSIVO

31.03.XB

%

31.12.XA

%

Circulante

       

Fornecedores

233,25

11,32

55,34

13,04

Financiamentos

12,68

0,62

13,59

3,20

Salários e encargos sociais

182,73

8.87

8,52

2,01

Impostos a pagar

68,29

3,31

20,14

4,74

Adiantamentos de clientes

9,63

0,47

16,70

3,93

Contas a pagar

83,25

4,04

9,09

2,14

Provisão para tributos sobre lucros

61,30

2,98

61,38

14,46

Outras obrigações

 

-

6,67

1,57

 

651,13

31,60

191,43

45,09

Exigível a longo prazo

       

Financiamentos

66,01

3,20

10,52

2,48

Outras obrigações

6,19

0,30

 

-

 

72,20

3,50

10,52

2,48

Patrimônio líquido

       

Capital social

70,50

3,42

4,40

1,04

Reservas de capital

401,43

19,48

66,04

15,56

Reservas de lucros

83,12

4,03

13,69

3,22

Lucros acumulados

731,97

35,52

138,43

32,61

Lucro do período antes dos tributos

50,09

2,43

 

-

 

1.337,11

64,89

222,56

52,43

 

2.060,44

100,00

424,51

100,00

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

2.42 Demonstração do resultado

 

31.03.XB

%

31.12.XA

%

Receita bruta de vendas

2.321,49

127,76

462,05

117,07

Impostos e deduções de vendas

(504,44)

(27,76)

(67,38)

(17,07)

Receita liquida das vendas

1.817,05

100,00

394,67

100,00

Custo dos produtos vendidos

(1.00,6,62)

(55,40)

(207,86)

(52,67)

Lucro bruto

810,43

44,60

186,81

47,33

Despesas operacionais

       

Despesas com vendas

(220,84)

(12,15)

(34,93)

(8,85)

Despesas administrativas

(293,62)

(16,16)

(22,63)

(5,73)

Receitas (despesas) financeiras

(203,58)

(11,20)

59,89

15,17

 

(718,04)

(39,52)

2,33

0,59

Lucro operacional

92,39

5,08

189,14

47,92

Despesas não operacionais

(42,53)

(2,34)

(47,21)

(11,96)

Receitas não operacionais

23,00

1,27

(3,00)

(0,76)

Lucro líquido antes dos tributos

72,86

4,01

138,93

35,20

Contribuição social

 

-

(12,69)

(3,22)

Imposto de renda

 

-

(48,69)

(12,34)

Lucro líquido do exercício

72,86

4,01

77,55

19,65

2.5 Análise de índices, tendências, posição e condições financeiras 2.5.1 Situação financeira

Principais indicadores

31.03.XB

31.12.XA

Índice de liquidez imediata

0,04

0,57

Índice de liquidez seca

1,03

0,95

Índice de liquidez corrente

1,94

1,65

Índice de liquidez geral

1,90

1,60

Prazo médio de faturamento – dias

39

28

Atraso médio de recebimento – dias

4

 

Rotatividade dos estoques – dias

134

65

Prazo médio de pagamento – dias

35

18

Situação financeira sólida, melhor do que a observada no ano anterior.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

2.5.2 Circunstâncias econômicas e tendências do negócio

A AUDITADA divide o mercado com cerca de cem concorrentes. No entanto,sua participação no mercado é significativa em relação a esses concorrentes.

após a decretação do plano econômico “Brasil Novo”; em

decorrência desse reajuste de preços, ocorreu uma queda significativa nas vendas.

Os preços praticados foram liberados

2.6 Transações significativas

Vendas e contas a receber de clientes.

Compras e contas a pagar a fornecedores.

Estoques.

Aplicações financeiras.

2.7 Políticas e práticas financeiras

Principais operações financeiras segundo as instituições envolvidas:

Banco/Operações Financeiras

I

II

III

IV

América do Sul

 

X

X

 

Do Brasil

 

X

X

X

Bradesco

X

X

X

 

Crédito Nacional

X

X

X

 

Econômico

X

X

X

 

Banespa

 

X

 

X

Francês e Brasileiro

X

X

X

 

Operações financeiras

I – Aplicações financeiras II – Conta corrente

III – Cobrança simples

IV – Descontos de cambiais

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

3 O AMBIENTE DE CONTROLE

Em discussão com o Gerente de Divisão Contábil e ainda com base nas características dos administradores das diversas divisões com as quais tivemos contatos, existem evidências de que a alta administração reconhece a importância de a companhia possuir bons controles internos. Há uma estrutura organizacional claramente definida que caracteriza uma adequada segregação de funções, o que vem minimizar o conflito de interesses nas várias áreas da empresa. As diversas divisões e departamentos preparam análises e relatórios mensalmente, os quais são encaminhados para os superintendentes, que, posteriormente, os reportam à diretoria para que as decisões sejam tomadas.

4 PRÁTICAS CONTÁBEIS

O cliente adota as práticas contábeis de acordo com os princípios contábeis geralmente aceitos no Brasil.

5 DETERMINAÇÃO DOS SEGMENTOS DE NEGÓCIOS

Nossos trabalhos serão desenvolvidos na matriz, na cidade de São Paulo, onde está localizado o centro administrativo da companhia. Para a filial de Cubatão, não efetuaremos nenhum serviço.

6 RISCOS INERENTES E AMBIENTE DE CONTROLE PARA SEGMENTOS DE NEGÓCIOS

Para definição do risco de auditoria, aplicamos os seguintes conceitos:

Risco inerente é a susceptibilidade da ocorrência de erros ou irregularidades relevantes antes de se conhecer a eficácia dos sistemas de controle. Essa susceptibilidade varia de um componente para outro em função da:

Natureza do negócio.

Natureza dos componentes.

Natureza dos sistemas de informações e contábeis.

Por exemplo, se uma empresa centraliza seus créditos em poucos clientes ou entidades governamentais, o risco inerente, na realização dos seus ativos, pode ser considerado alto. Risco de controle é o risco de que os sistemas de controle possam falhar na prevenção ou detecção, em tempo hábil, de erros ou irregularidades relevantes. Com base nos assuntos explanados nos tópicos 3 e 5, concluímos que o risco inerente e o risco de controle para o presente exercício são de nível médio. Essa conclusão foi obtida após mensurarmos os seguintes assuntos com suas respectivas particularidades:

Tipo de negócios.

Situação de mercado.

Resultados preliminares obtidos.

Situação financeira.

Ambiente de controle.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

7 DECISÕES DE PLANEJAMENTO PARA COMPONENTES

 

Componentes específicos de riscos

Fatores Específicos de Riscos

Risco

Risco de

 

inerente

controle

Procedimentos de Auditoria

Caixa, bancos e aplicações financeiras.

Opera com sete contas correntes;

Baixo

Baixo

Circularização bancária na base de 100%, para 31 de dezembro, e análise das conciliações bancárias;

Conciliações bancárias são preparadas pela contabilidade;

$

25,54 = 1%

Aplicações financeiras – departamento financeiro efetua controle diário das aplicações; não é conciliado o saldo do mapa de aplicação do financeiro com a contabilidade. A contabilidade confia nos registros feitos com base nos documentos bancários.

 

Teste de transferências bancárias; teste de aplicações financeiras; teste específico de taxas obtidas em determinadas aplicações financeiras. Análise de saldos bancários não aplicados.

Análise de razoabilidade de taxas obtidas em relação aos montantes aplicados;

 

Análise de flutuações.

Contas a receber de clientes

Provisão para devedores duvidosos constituída por ocasião do balanço com base na

Médio

Médio

Análise da adequação contábil da provisão para devedores duvidosos com base no aging list;

$

588,18 = 29%

expectativa de perdas com cliente nacionais. As exportações têm garantias de carta de crédito;

Circularização e respectivo follow-up de saldos de contas a receber em aberto e saques de exportação para 30 de outubro;

Saques de exportação

Reajustes de preços de acordo com o mercado;

Análise do tié-up;

-$9,25

Teste de recebimentos subseqüentes, se necessário, para obtenção de satisfação de auditoria;

Exame da documentação correspondente a saques de exportação existentes;

O departamento financeiro emite os relatórios, aging list, tié-up, a contabilidade não recebe cópias desses relatórios.

Teste de vendas;

Trabalho de revisão analítica dos saldos e das transações (vendas, devoluções, despesas de vendas, descontos, custos dos produtos vendidos, margem bruta etc.);

Análise de flutuações.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

Componentes específicos de riscos

Fatores Específicos de Riscos

Risco

Risco de

 

inerente

controle

Procedimentos de Auditoria

Estoques

No balanço patrimonial, não existe a conta “Estoques” de

Médio

Médio

Teste de custo;

Revisão analítica dos custos

$

581,39 = 28%

produtos em processo e acabados; o processo de beneficiamento é rápido, além de ser por encomenda. No final do mês, pode existir algum estoque físico de produtos acabados que não fecha sido faturado; no entanto, o montante envolvido não deve ser relevante; O giro médio dos estoques é de 60 dias; A empresa trabalha com programação de compras; O custo mensal dos estoques é composto pela matéria-prima consumida, valorizada ao custo médio global dos materiais, mas mão-de-obra de fábrica e gastos gerais de fabricação.

de produções mensais,

bem

 

como

variação

das

quantidades produzidas/vendidas mensalmente;

Acompanhamento e foliow-up de inventários físicos (31.1. XB);

Circularização dos estoques com terceiros ou de terceiros em poder da empresa;

Análise da rentabilidade de alguns produtos em conexão com o teste de custo x mercado;

da

Análise

flutuação

dos

preços

das

principais

matérias-primas;

 

da

Análise

flutuação

dos

saldos.

Despesas do exercício seguinte

Basicamente,

refere-se

a

Baixo

Baixo

Análise das conciliações preparadas pela contabilidade;

despesas do exercício seguinte

$

1,19

com prêmios de seguros e despesas financeiras;

Análise das flutuações.

 
 

A

contabilidade prepara

 

conciliação

das

contas

mensalmente.

Demais contas a receber

As conciliações são preparadas

Médio

Baixo

Análise das conciliações preparadas pela contabilidade;

mensalmente

pela

$

63,29 = 3%

contabilidade; O maior saldo está representado pelo grupo Contas correntes devedoras, das quais as coligadas/controladas fazem parte.

Análise das flutuações.

 

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

Componentes específicos de riscos

Fatores Específicos d Riscos

Risco

Risco de

 

inerente

controle

Procedimentos d Auditoria

Realizável a longo prazo

Depósito judiciais –

Baixo

Baixo

Cálculo global da correção monetária;

referentes a ações trabalhistas

 

e

contribuição social,

Teste de custo x mercado para os depósitos ELETROBRÁS;

$

117,39 = 6%

empréstimos compulsórios e contas a receber de clientes a cargo de departamento jurídico.

 

Análise da realização dos depósitos judiciais;

Teste de adições significativas;

 

Análise de flutuações.

Investimentos

Participação em controladas

Baixo

Baixo

Cálculo global de correção monetária;

$

82,97 = 4%

em outras empresas; imóveis à venda.

e

 

Análise da necessidade de aplicação do método de equivalência patrimonial;

 

Teste de custo x mercado;

Teste de adições, se significativas;

Análise de flutuações.

Imobilizado

Todo controle passou a ser feito por processamento

Baixo

Baixo

Cálculo global de correção monetária;

$

599,38 = 29%

eletrônico de dados.

Cálculo global de depreciação;

 

Teste de adições;

Teste de baixas;

Análise de flutuações.

Fornecedores

Principais fornecedores,

Baixo

Baixo

Circularização e respectivo fol-low-up do saldo de fornecedores em 30 de outubro;

Usiminas, COSIPA, CSN,

$

233,25 = 11%

representavam 86% do saldo de fornecedores em 30 de

 

março;

Teste de compras;

São compras programadas de acordo com as de vendas e cotas de fornecimento das usinas.

Análise de flutuações;

Teste de liquidação subseqüente, se necessário, para obtenção de satisfação de auditoria.

Financiamentos

Um financiamento de ativo permanente atualizado com

Baixo

Baixo

Circularização e respectivo fol-low-up;

$

12,68 = 1%

base na variação cambial

Teste das movimentações ocorridas no exercício;

 

Teste de divisão entre curto e longo prazos;

Discriminação das garantias fornecidas.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

Componentes específicos de riscos

Fatores Específicos d Riscos

Risco

Risco de

 

inerente

controle

Procedimentos d Auditoria

Provisão para o Imposto de Renda

Constantes mudanças na legislação;

Médio

Baixo

Cruzamento dos papes de trabalho do departamento de impostos com os nossos; Aplicação de questionário sobre Imposto de Renda a ser fornecido pelo departamento de impostos.

A provisão é revisada pelo departamento jurídico.

$

61,3 = 2,98%

Impostos a pagar

Conciliações preparadas pela contabilidade.

Baixo

Baixo

Revisão das conciliações; Testes de liquidação subseqüente para saldos significativos; Análise de flutuação.

$

68,29 = 3%

Salários e contribuições sociais

existência de, aproximadamente, 607 funcionários entre horistas e mensalistas;

Baixo

Baixo

Teste de provisão de férias; Testes de lliquidação subseqüente

$

182,73 = 8%

provisão para férias constituída mensalmente por estimativa e ajustada por ocasião do encerramento do exercício.

de encargos sociais; Análise de flutuação.

Demais contas a pagar

conciliações são preparadas pela contabilidade;

Baixo

Baixo

Circularização e respectivo fol-low-up de saldos de adiantamento de clientes;

o maior saldo está representado

$

83,25 = 4%

pelo grupo Contas correntes credores, das quais as coligadas/controladas fazem parte.

Análise das conciliações preparadas pela contabilidade;

 

Testes de liquidação subseqüente de saldos significativos;

 

Análise da adequação das provisões e de suas respectivas reversões;

Análise de flutuação.

Patrimônio líquido

Remessa de dividendos.

Baixo

Baixo

Cálculo global da correção monetária;

$

1.337,11 = 63%

Movimentação do patrimônio líquido.

Demonstração do resultado antes do IR

Neste saldo serão refletidos muitos dos efeitos levantados nas áreas.

Médio

Baixo

Voucher de receitas e despesas;

$

72,86 = 4%

Voucher de despesas de diretores;

   

Análise de flutuações.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

8 ROTAÇÃO DE ÊNFASE DE AUDITORIA

Por componente significativo

XB

XC

XD

Vendas e contas a receber

0

1

0

Estoques e custos da produção

0

3

0

Compras e contas a pagar

0

0

0

Salários e encargos sociais

0

4

4

Imobilizado/depreciação

0

4

4

Tesouraria/caixa

0

2

4

Para os demais componentes não relacionados acima, serão aplicados apenas testes de comprovação de saldos e revisão analítica, conforme programa de auditoria.

0 – Aplicação de testes de cumprimento.

1 – Aplicação apenas dos passos-chave dos testes de cumprimento, que são: análises comparativas mensais e teste de vendas.

2 – Aplicação apenas dos passos-chave dos testes de cumprimento, que são: testes de aplicação em open e taxas, conforme programa de trabalho de aplicações financeiras. 3 – Aplicação apenas dos passos-chave dos testes de cumprimento do programa de trabalho, que são:

conciliação das contas de fornecedores com o razão; teste de compras; análise da evolução dos preços dos fornecedores e verificação da consistência no custo dos produtos.

4 – Satisfação de auditoria a ser obtida através da aplicação de testes de comprovação, previstos nos programas de auditoria (inclusive revisão analítica). Portanto, não serão aplicados testes de cumprimento.

9 EXPECTATIVAS DO CLIENTE

Com base em nossa experiência do exercício anterior, entendemos que as expectativas do cliente com relação a nossos trabalhos sejam:

Identificação de aspectos que possam dar origem a economias fiscais para a empresa;

Relatório contendo recomendações de controle interno.

10 POLÍTICAS CONTÁBEIS RELEVANTES

Destacamos, a seguir, assuntos que requererão especial atenção durante a execução de nossos trabalhos:

a) Devemos ficar atentos para o volume de produtos acabados e estocados por ocasião do encerramento do balanço. A empresa não possui, em seus registros, conta de produtos acabados, pois o processo produtivo é muito rápido e o faturamento ocorre imediatamente após esse processo. Por essa razão, teoricamente não existem estoques de produtos em elaboração e acabados que não estejam faturados; no entanto, os seguintes aspectos devem merecer nossa atenção no final do período:

Comprovar que a produção do último dia foi efetivamente aturada;

Verificar que as mercadorias faturadas e não entregues até o fechamento foram embarcadas dentro do prazo permitido pelo fisco e se estão suportadas por pedidos. Avaliar, também, o tratamento contábil dado a essas operações.

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

b) Os estoques de matérias-primas são valorizados com base no custo médio de aquisição; de forma global, seu custo é, aproximadamente, 50% inferior ao de mercado. Devemos analisar a situação e verificar o volume de estoques antigos.

c) A empresa possui estoques de terceiros em seu poder, destinados a beneficiamento, e de sua propriedade em poder de terceiros. Esses estoques são controlados extra contabilmente.

Em março, existia a seguinte posição:

Toneladas

Estoques de terceiros

Estoques em poder de terceiros

312

d) A provisão para créditos com devedores duvidosos é constituída por ocasião do encerramento do balanço com base na experiência de perdas com clientes nacionais.

a) A empresa não constitui provisão para perda com os depósitos e ações Eletrobrás.

11 LIMITE DE MATERIALIDADE

Será determinado com base nos limites a seguir, qual seja maior, por ocasião dos trabalhos de pré-balanço e

final.

Até 2% do lucro do exercício antes do Imposto de Renda;

1,0% do total do patrimônio líquido.

Esses valores são referências para a ênfase dos trabalhos. Entretanto, deverá ser observada a relevância dos valores envolvidos.

12 ADMINISTRAÇÃO DO TRABALHO

12.1 Época das visitas e distribuição de horas por visita

 

Pessoal envolvido

 

Período da visita

Horas

Planejamento detalhado

Gerente e Sênior

10

a 12.05.XB – 3 dias

24

Teste sobre operações, controles internos e visita à fábrica (São Paulo)

Sênior e 2 assistentes

05

a 09.10.XB – 5 dias

120

Total de horas planejadas para visita de ínterim

   

144

Pré-balanço, data-base 31 de setembro de XB

Sênior e 2 assistentes

12

a 16.11.XB – 5 dias

120

Revisão de impostos

Sênior (fiscal) (1)

12

a 13.12. XB

16

Inventário físico (São Paulo) (2)

Sênior e 2 assistentes

02

a 03.01.XC – 2 dias

48

Visita final

Sênior e 2 assistentes

04

a 08.02.XC – 5 dias

 

Revisão da provisão para Imposto de Renda

Sênior (fiscal) (1)

08.03.XC

8

Horas de campo

   

456

Supervisão do gerente

Gerente

 

56

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

Supervisão do sócio

Sócio

32

Horas da equipe

 

544

Administração do escritório

 

52

Total

 

596

1)

Essas datas foram comunicadas ao departamento jurídico para que efetuasse a

2)

programação dos respectivos trabalhos. Reunião para planejamento do inventário (a confirmar).

12.2 Detalhe e análise das horas planejadas

Planejamento

Horas

Planejamento do trabalho

24

Ínterim – Avaliação dos Controles Internos

 

Teste de operações e controles internos

 

Vendas / contas a receber

24

Compras / contas a pagar

16

Adições e baixas de bens do imobilizado

12

Teste sobre a formação dos custos industriais

16

Contagem de caixa, em base de surpresa

4

Revisão sumária dos controles sobre cobrança de títulos em carteira

2

Preparação da carta de controles internos

10

Treinamento em campo

12

Circularizações

8

Outros

16

 

120

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

Pré-balanço

Horas

Análise dos saldos

 

Bens numerários – revisão analítica

1

Bancos – revisão das conciliações bancárias

5

Teste sobre aplicações financeiras

4

Contas a receber de clientes

 

Prazo médio de vendas x rotação de contas a receber

2

Teste sobre aping list

2

Teste sobre tié-up

5

Adequação da provisão para devedores duvidosos

2

Verificar e explicar as variações de preço x volume em relação ao ano anterior

2

Testar o saldo e o principio contábil adotado no caso dos Saques Exportação descontados

4

Estoques

 

Testar consistência de valorização em relação ao ano anterior

4

Calcular rotação ou verificar cálculo da contabilidade, atentando para sua adequação

1

Observar se existem estoques obsoletos em volume relevante

1

Demais contas do circulante e do realizável a longo prazo

 

Proceder a uma revisão analítica

12

Permanente

 

Investimentos

 

Teste de operações

3

Analisar as contas

4

Ativo imobilizado

 

Confrontar, para alguns bens, físico x fichas individuais e vice-versa

4

Movimentação

4

Testar depreciação

4

Diferido

 

Revisão analítica

3

Fornecedores

 

Cálculo da rotação

1

Financiamentos

 

Análise dos encargos, garantias, prazo e finalidade

5

Segregação de curto e longo prazo

1

Outras contas

 

Revisão analítica

8

Provisão para férias

8

Patrimônio líquido

 

Movimentação

2

Resultados (teste de outras contas que não vendas, custo vendas, receitas e despesas financeiras)

12

Flutuações em relação a 31 de dezembro de 19XA

8

Carta de controle interno

8

Total pré-balanço

120

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

Departamento de impostos

 

Revisão de IPI e ICMS com relatório

16

Inventário físico de estoques

48

Visita final

Horas

Exame de flutuações em relação ao pré-balanço, inclusive com relação à rotação de contas a receber, fornecedores e outras relevantes.

16

Eventuais verificações relacionadas com flutuações mais significativas, contas novas etc.

20

Follow-up dos inventários físicos e do cult-off de vendas e de compras

16

Follow-up da circularização

24

Complementação dos mapas de movimentação das contas do:

 

Permanente

8

Patrimônio líquido

4

Empréstimos

8

Revisão da provisão para férias

8

Relatório

16

Total

120

Departamento de impostos

 

- Provisão para Imposto de Renda

8

12.3 Circularização

Contas/Áreas

Data-base

Bancos

31.12

Clientes

30.10

Fornecedores

30.10

Adiantamentos a fornecedores

31.12

Adiantamentos de clientes

31.12

Estoques em poder de terceiros

31.12

Estoques de terceiros em poder da empresa

31.12

Comissões a pagar

31.12

Seguros

31.12

Advogados

31.12

Fundação Visconde de Cairu Faculdade de Ciências Contábeis

Prof.: Paulo Sávio L. G. Alves

12.4 Pessoal envolvido

(a)

Administração da empresa auditada

 

Paulo Poderoso

Diretor administrativo-financeiro

Pedro Parente

Superintendente administrativo

Antônio Xavier

Superintendente de exportação

Luiz Souza

Superintendente comercial

Eduardo Santos

Gerente de divisão contábil

Maria Amélia

Supervisora contábil

(b)

Auditoria

Sócio

JHP

Gerente

LEH

Sênior

HS

Assistente A

JPF

Assistente B

PUV

Departamento de impostos

 

Gerente

JTB

13 NATUREZA, CONTEÚDO E OPORTUNIDADE DO PARECER E RELATÓRIOS A SEREM EMITIDOS

Serão emitidos os seguintes relatórios:

Data prevista para entrega ao cliente

Relatório de controles internos Relatório de inventário físico Parecer sobre as demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 19XB

30.10.XB

15.01.XC

28.02.XC

14 APROVAÇÃO DO MEMORANDO DE PLANEJAMENTO

Esse plano foi preparado no mês de abril de XB e está baseado em informações e dados apurados em nossas reuniões e levantamento prévio. Esse plano de auditoria será modificado quando for necessário, de acordo com os resultados de nossos trabalhos e outros fatos que o afetem; nesse caso, emitiremos os respectivos “memorandos sobre as mudanças no escopo posteriores ao planejamento.” São Paulo, maio de XB. Gerente – Iniciais e assinatura Sócio – Iniciais e assinatura