Você está na página 1de 76
REDESREDES INDUSTRIAISINDUSTRIAIS AULAAULA 22 –– CAMADACAMADA FÍSICAFÍSICA 2/10/2014 Redes Industriais - R. C.
REDESREDES INDUSTRIAISINDUSTRIAIS
AULAAULA 22 –– CAMADACAMADA FÍSICAFÍSICA
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
1
2.2. TOPOLOGIATOPOLOGIA DEDE REDESREDES DEDE COMPUTADORESCOMPUTADORES  TopologiaTopologia éé aa
2.2. TOPOLOGIATOPOLOGIA DEDE REDESREDES DEDE
COMPUTADORESCOMPUTADORES
 TopologiaTopologia éé aa estruturaestrutura físicafísica dede
interconexãointerconexão dasdas váriasvárias estações.estações.
 RefleteReflete
 LocalizaçãoLocalização geográficageográfica
 FluxoFluxo dede informaçõesinformações entreentre estaçõesestações
 ConfiabilidadeConfiabilidade dodo sistemasistema
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
2
Fig.Fig. 22--1:1: RelaçãoRelação entreentre osos NósNós dede ComunicaçõesComunicações ee asas
Fig.Fig. 22--1:1: RelaçãoRelação entreentre osos NósNós dede ComunicaçõesComunicações ee asas
EstaçõesEstações
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
3
2.12.1 RedesRedes GeograficamenteGeograficamente DistribuídasDistribuídas 2.1.12.1.1 TopologiaTopologia
2.12.1 RedesRedes GeograficamenteGeograficamente DistribuídasDistribuídas
2.1.12.1.1 TopologiaTopologia TotalmenteTotalmente LigadaLigada
 N(NN(N--1)/21)/2 ligaçõesligações pontoponto aa pontoponto
necessáriasnecessárias
 CustoCusto dede comunicaçãocomunicação ee hardwarehardware
muitomuito elevado.elevado.
 AltamenteAltamente confiávelconfiável (Fig.(Fig. 22--2)2)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
4
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 5
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
5
2.1.22.1.2 TopologiaTopologia emem LaçoLaço  TotalmenteTotalmente inversoinverso aoao casocaso anterioranterior
2.1.22.1.2 TopologiaTopologia emem LaçoLaço
 TotalmenteTotalmente inversoinverso aoao casocaso anterioranterior
 LigaçõesLigações halfhalf--duplexduplex
 BaixoBaixo custocusto dede comunicaçõescomunicações ee
hardwarehardware
 PoucoPouco confiávelconfiável
 BaixaBaixa velocidadevelocidade (Fig.(Fig. 22--3)3)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
6
Fig.Fig. 22--3:3: TopologiaTopologia emem LaçoLaço 2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 7
Fig.Fig. 22--3:3: TopologiaTopologia emem LaçoLaço
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
7
2.1.32.1.3 TopologiaTopologia ParcialmenteParcialmente LigadaLigada  TopologiaTopologia
2.1.32.1.3 TopologiaTopologia ParcialmenteParcialmente LigadaLigada
 TopologiaTopologia intermediáriaintermediária entreentre laçolaço ee
totalmentetotalmente ligada.ligada.
 TopologiaTopologia maismais usadausada emem redesredes dede
longalonga distância.distância.
 PodePode serser feitafeita porpor chaveamentochaveamento dede
circuitos,circuitos, mensagensmensagens ouou pacotes.pacotes.
 NecessidadeNecessidade dede definirdefinir mecanismosmecanismos dede
endereçamentoendereçamento (Fig.(Fig. 22--4,4, 22--5).5).
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
8
Fig.Fig. 22--4:4: TopologiaTopologia ParcialmenteParcialmente LigadaLigada 2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 9
Fig.Fig. 22--4:4: TopologiaTopologia ParcialmenteParcialmente LigadaLigada
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
9
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 10
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
10
2.1.32.1.3 TopologiaTopologia ParcialmenteParcialmente LigadaLigada  EmEm redesredes comutadascomutadas porpor
2.1.32.1.3 TopologiaTopologia ParcialmenteParcialmente LigadaLigada
 EmEm redesredes comutadascomutadas porpor pacotepacote háhá aa
necessidadenecessidade dede sistemassistemas externosexternos dede controlecontrole
responsáveisresponsáveis pelo:pelo:
 RoteamentoRoteamento
 ArmazenamentoArmazenamento dede pacotespacotes recebidos,recebidos, ee pacotespacotes aa
seremserem transmitidostransmitidos
 SequenciaçãoSequenciação
 DetecçãoDetecção ee correçãocorreção dede erroserros dede transmissãotransmissão ee aa
retransmissãoretransmissão
 etc.etc.
 OsOs ECD’sECD’s ouou DSE’sDSE’s ouou IMPsIMPs sãosão responsáveisresponsáveis
pelaspelas tarefastarefas anterioresanteriores mencionadas.mencionadas. (Fig.(Fig. 22--6)6)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
11
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 12
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
12
2.1.52.1.5 EstrelaEstrela ouou RadialRadial  UtilizadoUtilizado bastantebastante emem sistemassistemas dede
2.1.52.1.5 EstrelaEstrela ouou RadialRadial
 UtilizadoUtilizado bastantebastante emem sistemassistemas dede
computaçãocomputação ““ tradicionais”tradicionais”
 DecisãoDecisão dede roteamentoroteamento concentradaconcentrada nono nónó
central.central.
 LigaçãoLigação dodo tipotipo pontoponto--aa--pontoponto
 SimplicidadeSimplicidade dede implementaçãoimplementação dosdos nósnós
 DesvantagensDesvantagens parapara fluxofluxo dede comunicaçõescomunicações
entreentre asas estações.estações.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
13
2.1.52.1.5 EstrelaEstrela ouou RadialRadial  ProblemaProblema dede confiabilidadeconfiabilidade dodo
2.1.52.1.5 EstrelaEstrela ouou RadialRadial
 ProblemaProblema dede confiabilidadeconfiabilidade dodo sistema.sistema.
 GrandeGrande númeronúmero dede nósnós implicaimplica emem grandegrande
númeronúmero dede ligaçõesligações
 OO nónó centralcentral temtem queque suportarsuportar umauma grandegrande
capacidadecapacidade dede processamento.processamento.
 TopologiaTopologia dede ligaçõesligações dede sistemasistema PBX:PBX:
CompartilhamentoCompartilhamento dede redesredes digitaisdigitais ee canaiscanais
dede vozvoz emem PBXPBX digitaisdigitais CPA.CPA. (Fig.(Fig. 22--7)7)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
14
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 15
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
15
2.1.62.1.6 TopologiaTopologia emem ÁrvoreÁrvore  NormalmenteNormalmente associadaassociada aa redesredes dede
2.1.62.1.6 TopologiaTopologia emem ÁrvoreÁrvore
 NormalmenteNormalmente associadaassociada aa redesredes dede longalonga
distância.distância.
 CadaCada nónó éé conectadoconectado aoao seuseu predecessorpredecessor ee
aoao seuseu sucessor.sucessor.
 UsaUsa roteamentoroteamento fixo.fixo.
 UsaUsa hierarquiahierarquia dede níveis.níveis.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
16
2.1.62.1.6 TopologiaTopologia emem ÁrvoreÁrvore  LigaçãoLigação dodo tipotipo pontoponto--aa--ponto.ponto.
2.1.62.1.6 TopologiaTopologia emem ÁrvoreÁrvore
 LigaçãoLigação dodo tipotipo pontoponto--aa--ponto.ponto.
 SimplicidadeSimplicidade dede conexãoconexão dosdos nós.nós.
 NóNó dede hierarquiahierarquia superiorsuperior suportasuporta
umum tráfegotráfego maior.maior.
 ConfiabilidadeConfiabilidade dodo sistemasistema dependedepende
dosdos nósnós hierárquicoshierárquicos superiores.superiores.
(Fig.(Fig. 22--8)8)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
17
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 18
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
18
2.22.2 RedesRedes LocaisLocais ee MetropolitanasMetropolitanas  BaixaBaixa taxataxa dede erroerro  AltaAlta
2.22.2 RedesRedes LocaisLocais ee MetropolitanasMetropolitanas
 BaixaBaixa taxataxa dede erroerro
 AltaAlta velocidadesvelocidades
 BaixoBaixo custocusto
 PrivacidadePrivacidade
 TopologiasTopologias maismais usadas:usadas: estrela,estrela, anelanel ee
barra.barra.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
19
2.2.12.2.1 TopologiaTopologia emem EstrelaEstrela  NóNó centralcentral (mestre)(mestre) ee estaçõesestações
2.2.12.2.1 TopologiaTopologia emem EstrelaEstrela
 NóNó centralcentral (mestre)(mestre) ee estaçõesestações secundáriassecundárias
(escravas)(escravas)
 NãoNão possuempossuem necessidadenecessidade dede roteamento.roteamento.
 OO nónó centralcentral podepode realizarrealizar funçõesfunções de:de:
 ChaveamentoChaveamento
 ProcessamentoProcessamento normalnormal
 CompatibilidadeCompatibilidade dede velocidadesvelocidades dede
comunicaçãocomunicação entreentre oo transmissortransmissor ee oo
receptorreceptor
 ConversorConversor dede protocolos,protocolos, etcetc
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
20
2.2.12.2.1 TopologiaTopologia emem EstrelaEstrela  BaixaBaixa confiabilidadeconfiabilidade  PoucaPouca
2.2.12.2.1 TopologiaTopologia emem EstrelaEstrela
 BaixaBaixa confiabilidadeconfiabilidade
 PoucaPouca modularidademodularidade
 DesempenhoDesempenho dependentedependente dodo nónó central.central.
(Fig.(Fig. 22--9)9)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
21
2.2.22.2.2 TopologiaTopologia emem AnelAnel  AdaptadoAdaptado aa redesredes locaislocais dede
2.2.22.2.2 TopologiaTopologia emem AnelAnel
 AdaptadoAdaptado aa redesredes locaislocais dede comunicação.comunicação.
 EliminaElimina aa necessidadenecessidade dodo nónó dede
comunicaçãocomunicação central.central.
 OO fluxofluxo dede comunicaçãocomunicação entreentre osos nósnós tendetende aa
serser descentralizado.descentralizado.
 SemSem roteamento.roteamento.
 ReduçãoRedução dada complexidadecomplexidade dede instalaçãoinstalação dodo
meiomeio físico.físico.
 OsOs nósnós sãosão endereçadosendereçados logicamente.logicamente.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
22
2.2.22.2.2 TopologiaTopologia emem AnelAnel  MensagensMensagens transmitidas.transmitidas.
2.2.22.2.2 TopologiaTopologia emem AnelAnel
 MensagensMensagens transmitidas.transmitidas. unidirecionalmenteunidirecionalmente
dede nónó emem nónó atéaté atingiratingir oo nónó destinatário.destinatário.
 OsOs nósnós intermediáriosintermediários funcionamfuncionam comocomo
repetidores,repetidores, permitindopermitindo umum maiormaior alcance.alcance.
 ComoComo nãonão existeexiste armazenamentoarmazenamento
intermediáriointermediário dede mensagemmensagem aoao nívelnível dada subsub--
rede,rede, podepode--sese obterobter emem geralgeral umum melhormelhor
desempenhodesempenho dada rederede emem termostermos dede atrasoatraso ee
vazão.vazão.
(Fig(Fig 22--10)10)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
23
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 24
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
24
RepetidoresRepetidores  MovemMovem seletivamenteseletivamente mensagensmensagens dada rederede ouou passampassam
RepetidoresRepetidores
 MovemMovem seletivamenteseletivamente mensagensmensagens dada
rederede ouou passampassam estasestas àà frentefrente parapara oo
próximopróximo nó.nó.
(Fig.(Fig. 22--11)11)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
25
RepetidoresRepetidores  SãoSão alimentadosalimentados ee mantidosmantidos separadosseparados dodo
RepetidoresRepetidores
 SãoSão alimentadosalimentados ee mantidosmantidos separadosseparados dodo
hardwarehardware dada estação.estação. (Fig.(Fig. 22--12)12)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
26
RepetidoresRepetidores  OO relérelé removeremove mecanicamentemecanicamente oo repetidorrepetidor dada rederede
RepetidoresRepetidores
 OO relérelé removeremove mecanicamentemecanicamente oo repetidorrepetidor dada
rederede emem casocaso dede falha.falha.
(Fig.(Fig. 22--13,13, 22--14)14)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
27
RepetidoresRepetidores MelhorasMelhoras nana TopologiaTopologia emem AnelAnel  TornamTornam aa rederede
RepetidoresRepetidores
MelhorasMelhoras nana TopologiaTopologia emem AnelAnel
 TornamTornam aa rederede praticamentepraticamente nãonão
vulnerávelvulnerável aa falhas.falhas.
 IsolaIsola aa falhafalha
 PossibilitaPossibilita aa adiçãoadição dede novasnovas estaçõesestações
semsem aa parapara totaltotal dada rede.rede.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
28
ConcentradorConcentrador PassivoPassivo ouou HubsHubs  PermitemPermitem aa concentraçãoconcentração dede
ConcentradorConcentrador PassivoPassivo ouou HubsHubs
 PermitemPermitem aa concentraçãoconcentração dede todotodo oo
cabeamentocabeamento ee isolamisolam oo anelanel emem casocaso
dede falha.falha. (Fig.(Fig. 22--15)15)
 AA distânciadistância entreentre doisdois concentradoresconcentradores
nãonão deverádeverá ultrapassarultrapassar oo limitelimite máximomáximo
permitidopermitido semsem regeneraçãoregeneração dodo sinal.sinal.
(Fig(Fig 22--16)16)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
29
ConcentradorConcentrador PassivoPassivo 2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 30
ConcentradorConcentrador PassivoPassivo
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
30
ConcentradorConcentrador AtivoAtivo ouou HubsHubs  SãoSão concentradoresconcentradores dosdos
ConcentradorConcentrador AtivoAtivo ouou HubsHubs
 SãoSão concentradoresconcentradores dosdos repetidoresrepetidores dodo anel.anel.
 FalhasFalhas nosnos segmentossegmentos entreentre concentradoresconcentradores podepode
pararparar aa rede.rede.
 Solução:Solução: utilizaçãoutilização dede caminhoscaminhos alternativos.alternativos.
(2(2--17,17, 22--18)18)
Fig.Fig.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
31
VáriosVários AnéisAnéis ConectadosConectados porpor PontesPontes  AumentaAumenta aa
VáriosVários AnéisAnéis ConectadosConectados porpor PontesPontes
 AumentaAumenta aa confiabilidade.confiabilidade.
 MelhoraMelhora oo nívelnível dede desempenho.desempenho. (Fig.(Fig. 22--19)19)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
32
2.2.32.2.3 TopologiaTopologia emem BarramentoBarramento  AdaptadoAdaptado asas redesredes locaislocais dede
2.2.32.2.3 TopologiaTopologia emem BarramentoBarramento
 AdaptadoAdaptado asas redesredes locaislocais dede comunicação.comunicação.
 EliminaElimina aa necessidadenecessidade dodo nónó dede
comunicaçãocomunicação central.central.
 SemSem roteamento.roteamento.
 ReduçãoRedução dada complexidadecomplexidade dede instalaçãoinstalação dodo
meiomeio físico.físico.
 OsOs nósnós sãosão endereçadosendereçados logicamente.logicamente.
 AA únicaúnica decisãodecisão necessárianecessária emem cadacada umum dosdos
nósnós dede comunicaçãocomunicação éé aa identificaçãoidentificação dasdas
mensagensmensagens queque lhelhe sãosão destinadas.destinadas.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
33
2.2.32.2.3 TopologiaTopologia emem BarramentoBarramento  OO meiomeio físicofísico éé compostocomposto dede umum
2.2.32.2.3 TopologiaTopologia emem BarramentoBarramento
 OO meiomeio físicofísico éé compostocomposto dede umum únicoúnico segmentosegmento dede
transmissãotransmissão multiponto,multiponto, compartilhadocompartilhado pelospelos nós.nós.
 AltaAlta confiabilidade,confiabilidade, oo nónó temtem comportamentocomportamento passivopassivo
comcom relaçãorelação aa comunicaçãocomunicação ee oo meiomeio físico.físico.
 HáHá limitaçãolimitação nono alcancealcance dada rede,rede, ee dosdos meiosmeios físicosfísicos
disponíveis.disponíveis.
(Fig.(Fig. 22--20)20)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
34
2.2.32.2.3 TopologiaTopologia emem BarramentoBarramento (Continuação)(Continuação)  TransceptorTransceptor
2.2.32.2.3 TopologiaTopologia emem BarramentoBarramento (Continuação)(Continuação)
 TransceptorTransceptor ligaliga asas estaçõesestações aoao meiomeio dede
comunicaçãocomunicação (transmissão/receptor)(transmissão/receptor)
 TerminadorTerminador evitaevita reflexõesreflexões espúriasespúrias queque
interfiraminterfiram nono sinalsinal transmitido.transmitido. (Fig.(Fig. 22--21)21)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
35
HubsHubs ouou ConcentradoresConcentradores  FacilitamFacilitam aa localizaçãolocalização ee oo
HubsHubs ouou ConcentradoresConcentradores
 FacilitamFacilitam aa localizaçãolocalização ee oo isolamentoisolamento dede falhasfalhas
 PermitePermite aa inserçãoinserção dede novasnovas estaçõesestações nana barrabarra
semsem aa paradaparada dodo sistema.sistema. (Fig.(Fig. 22--22)22)
 PermitemPermitem aa expansãoexpansão dodo tamanhotamanho dada rede.rede.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
36
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 37
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
37
2.32.3 SatéliteSatélite ouou RadioRadio  DestinadasDestinadas principalmenteprincipalmente aa
2.32.3 SatéliteSatélite ouou RadioRadio
 DestinadasDestinadas principalmenteprincipalmente aa transmissõestransmissões
multiponto.multiponto.
 PodePode serser usadausada emem redesredes locais,locais,
metropolitanasmetropolitanas ouou dede longalonga distância.distância.
 UsoUso dede roteamentoroteamento fixo.fixo.
 MeioMeio físicofísico baratobarato porémporém equipamentosequipamentos
transmissorestransmissores ee receptoresreceptores caros.caros.
 TransmissõesTransmissões diretasdiretas semsem nónó intermediário.intermediário.
 VelocidadesVelocidades limitadas.limitadas. (Fig.(Fig. 22--24,24, 22--25)25)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
38
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 39
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
39
2.42.4 ConfiguraçõesConfigurações HíbridasHíbridas  AssociaçãoAssociação dasdas topologiastopologias
2.42.4 ConfiguraçõesConfigurações HíbridasHíbridas
 AssociaçãoAssociação dasdas topologiastopologias básicas:básicas:
 AnelAnel
 BarramentoBarramento
 EstrelaEstrela
 VisamVisam solucionarsolucionar problemasproblemas de:de:
 IncompatibilidadeIncompatibilidade tecnológicatecnológica comcom oo meiomeio dede transmissão.transmissão.
 DificuldadesDificuldades dede manutençãomanutenção ee operação.operação.
 LimitaçõesLimitações nono númeronúmero dede estaçõesestações ee nono alcancealcance dada rede.rede.
 ConfiabilidadeConfiabilidade
 NecessidadeNecessidade dede interconexãointerconexão dede redes,redes, etc.etc.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
40
2.42.4 ConfiguraçõesConfigurações HíbridasHíbridas (Continuação)(Continuação)  TiposTipos maismais
2.42.4 ConfiguraçõesConfigurações HíbridasHíbridas (Continuação)(Continuação)
 TiposTipos maismais comunscomuns
 AnelAnel--EstrelaEstrela
 BarramentoBarramento--EstrelaEstrela
 MultianelMultianel ouou EstrelaEstrela--AnelAnel
 ÁrvoresÁrvores dede barramentosbarramentos
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
41
2.4.12.4.1 AnelAnel--EstrelaEstrela  EstruturaEstrutura dede interconexãointerconexão dodo tipotipo anel,anel,
2.4.12.4.1 AnelAnel--EstrelaEstrela
 EstruturaEstrutura dede interconexãointerconexão dodo tipotipo anel,anel, comcom
suportessuportes físicosfísicos dede transmissãotransmissão centralizadoscentralizados
emem estrela.estrela.
 AA centralizaçãocentralização éé passiva.passiva.
 FacilidadeFacilidade dede operaçãooperação ee manutençãomanutenção dada
rede.rede.
 LocalizaçãoLocalização dede falhasfalhas dodo meiomeio físico.físico.
 InserçãoInserção ee retiradasretiradas dede nós.nós. (Fig.(Fig. 22--26)26)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
42
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 43
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
43
2.4.22.4.2 BarramentoBarramento--EstrelaEstrela  EstruturaEstrutura dede interconexãointerconexão dodo tipotipo
2.4.22.4.2 BarramentoBarramento--EstrelaEstrela
 EstruturaEstrutura dede interconexãointerconexão dodo tipotipo
barramento,barramento, comcom suportessuportes físicosfísicos dede
transmissãotransmissão centralizadoscentralizados emem estrela.estrela.
 AA utilizaçãoutilização éé motivadamotivada pelaspelas dificuldadesdificuldades nana
conexãoconexão multipontomultiponto comcom certascertas tecnologiastecnologias
dede transmissão,transmissão, taltal comocomo fibrasfibras óticas.óticas.
 AcopladorAcoplador centralcentral temtem aa funçãofunção dede difusãodifusão dede
mensagens.mensagens. (Fig.(Fig. 22--27)27)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
44
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 45
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
45
2.4.32.4.3 MultianelMultianel ouou EstrelaEstrela--AnelAnel  CombinaCombina característicascaracterísticas dasdas
2.4.32.4.3 MultianelMultianel ouou EstrelaEstrela--AnelAnel
 CombinaCombina característicascaracterísticas dasdas topologias:topologias:
estrelaestrela ee anel.anel.
 AnéisAnéis interconectadosinterconectados atravésatravés dede umauma ouou
maismais pontespontes ouou nós.nós.
 QuandoQuando osos anéisanéis sãosão interconectadosinterconectados porpor umum
únicoúnico nónó dede interconexão,interconexão, temostemos aa
configuração:configuração: estrelaestrela--anel.anel.
 ResultaResulta dada necessidadenecessidade dede interligaçãointerligação dede
redesredes dodo tipotipo anelanel ee dada necessidadenecessidade dede
aumentaraumentar aa confiabilidadeconfiabilidade dada rederede emem anel.anel.
(Fig.(Fig. 22--28)28)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
46
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 47
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
47
2.4.42.4.4 ÁrvoreÁrvore dede BarramentosBarramentos  EstruturaEstrutura dede interconexãointerconexão parapara
2.4.42.4.4 ÁrvoreÁrvore dede BarramentosBarramentos
 EstruturaEstrutura dede interconexãointerconexão parapara váriosvários
barramentos.barramentos.
 SuperarSuperar limitaçõeslimitações dede alcancealcance ee númeronúmero dede
nós.nós.
 AA interconexãointerconexão éé feitafeita porpor umum nónó simplificadosimplificado
(nó(nó repetidor).repetidor). (Fig.(Fig. 22--29)29)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
48
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 49
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
49
2.52.5 FornecedoresFornecedores  QuantoQuanto aosaos fornecedoresfornecedores asas redesredes ee osos
2.52.5 FornecedoresFornecedores
 QuantoQuanto aosaos fornecedoresfornecedores asas redesredes ee osos
equipamentosequipamentos podempodem ser:ser:
 HomogêneosHomogêneos
 HeterogêneosHeterogêneos
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
50
SistemasSistemas HomogêneosHomogêneos  VantagensVantagens  AplicaçãoAplicação específicaespecífica
SistemasSistemas HomogêneosHomogêneos

VantagensVantagens
 AplicaçãoAplicação específicaespecífica àsàs necessidadesnecessidades
 EficiênciaEficiência
 NãoNão háhá problemasproblemas dede ligaçãoligação dede seusseus componentes.componentes.
 ConfiabilidadeConfiabilidade

DesvantagensDesvantagens
 CustoCusto
 DependênciaDependência dede umum únicoúnico fornecedorfornecedor
 EvoluçãoEvolução lentalenta (o(o sistemasistema dede comunicaçãocomunicação nãonão éé produtoproduto
final,final, masmas umum componente.)componente.)
 IncompatibilidadeIncompatibilidade comcom sistemassistemas dede fabricantesfabricantes diferentesdiferentes ouou
atéaté dodo mesmomesmo fabricante,fabricante, masmas dede geraçõesgerações anteriores.anteriores.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
51
SistemasSistemas HeterogêneosHeterogêneos  VantagensVantagens  CustoCusto  EvoluçãoEvolução
SistemasSistemas HeterogêneosHeterogêneos

VantagensVantagens
 CustoCusto
 EvoluçãoEvolução tecnológicatecnológica
 VáriosVários fornecedoresfornecedores
 FacilidadeFacilidade dede InterligaçãoInterligação entreentre osos sistemassistemas (conhecimento(conhecimento
dodo protocolo)protocolo)

DesvantagensDesvantagens
 AplicaçãoAplicação genérica.genérica.
 MuitasMuitas estruturasestruturas desnecessáriasdesnecessárias parapara umauma dadadada aplicação.aplicação.
 DificuldadeDificuldade dede implementaçãoimplementação dede necessidadesnecessidades específicasespecíficas
 DemoraDemora nana definiçãodefinição dede padrõespadrões
 OsOs padrõespadrões prevêemprevêem evoluçãoevolução tecnológicatecnológica parapara viabilizarviabilizar
suasua utilização.utilização.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
52
3.3. TRANSMISSÃOTRANSMISSÃO DADA INFORMAÇÃOINFORMAÇÃO 3.13.1 ConceitosConceitos dede SistemaSistema 
3.3. TRANSMISSÃOTRANSMISSÃO DADA INFORMAÇÃOINFORMAÇÃO
3.13.1 ConceitosConceitos dede SistemaSistema
 ComunicaçãoComunicação éé aa artearte dodo transportetransporte dede
informaçãoinformação dede umum pontoponto aa outro.outro.
 SinalSinal éé oo fenômenofenômeno físicofísico capazcapaz dede assumirassumir
configuraçõesconfigurações diferentes,diferentes, asas quaisquais sese
associamassociam oo conteúdoconteúdo dada informação.informação.
 SinalSinal analógicoanalógico variamvariam continuamentecontinuamente comcom
oo tempo.tempo. (Fig.(Fig. 33--1)1)
 SinalSinal digitaldigital assumeassume valoresvalores fixosfixos durantedurante
discretosdiscretos intervalosintervalos dede tempo.tempo. (Fig.(Fig. 33--2)2)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
53
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 54
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
54
3.23.2 ModeloModelo dodo SistemaSistema dede ComunicaçõesComunicações 3.2.13.2.1 FonteFonte ee
3.23.2 ModeloModelo dodo SistemaSistema dede ComunicaçõesComunicações
3.2.13.2.1 FonteFonte ee DestinatárioDestinatário
 FonteFonte éé oo enteente queque produzproduz aa informação.informação.
ParaPara tantotanto dispõedispõe dede umum modomodo generalizadogeneralizado
dede elementoselementos simplessimples ee símbolos.símbolos.
 ElementoElemento éé oo componentecomponente maismais simplessimples queque
entraentra nana composiçãocomposição representativarepresentativa dada
informação.informação. Ex.:Ex.: letras,letras, números.números.
 SímboloSímbolo éé oo conjuntoconjunto ordenadoordenado dede
elementos.elementos. Ex.:Ex.: atravésatravés dodo alfabetoalfabeto A,A, B,B, C,
C,
podempodem comporcompor--sese osos símbolossímbolos AA,AA, BB,BB, AB,AB,
etc.
etc
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
55
3.2.13.2.1 FonteFonte ee DestinatárioDestinatário (Cont.)(Cont.)  AA saídasaída dada fontefonte serasera
3.2.13.2.1 FonteFonte ee DestinatárioDestinatário (Cont.)(Cont.)
 AA saídasaída dada fontefonte serasera sempresempre dede símbolos,símbolos,
ficandoficando entendidoentendido queque nosnos casoscasos dede sistemassistemas
maismais simplessimples oo símbolosímbolo coincidecoincide comcom oo
elemento.elemento.
 MensagemMensagem éé oo queque aa fontefonte produz,produz,
consistindoconsistindo emem umum conjuntoconjunto ordenadoordenado dede
símbolossímbolos queque aa mesmamesma selecionaseleciona dede seuseu
alfabetoalfabeto conformeconforme critérioscritérios próprios.próprios. (Fig.(Fig. 33--
3,3, 33--4)4)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
56
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 57
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
57
3.2.13.2.1 FonteFonte ee DestinatárioDestinatário (Cont.)(Cont.)  DestinatárioDestinatário éé oo enteente aa
3.2.13.2.1 FonteFonte ee DestinatárioDestinatário (Cont.)(Cont.)
 DestinatárioDestinatário éé oo enteente aa quemquem aa
informaçãoinformação éé dirigida.dirigida.
 ProblemaProblema básicobásico parapara oo técnico:técnico:
 EstudarEstudar aa maneiramaneira comocomo serãoserão
transmitidostransmitidos estesestes
símbolos(mensagens)símbolos(mensagens) dede modomodo queque aa
informaçãoinformação associadaassociada nãonão sejaseja
perdidaperdida nemnem alterada.alterada.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
58
3.2.23.2.2 CanalCanal  CanalCanal éé umum meiomeio queque transportatransporta osos símbolossímbolos ee aa
3.2.23.2.2 CanalCanal
 CanalCanal éé umum meiomeio queque transportatransporta osos símbolossímbolos
ee aa informaçãoinformação associada,associada, dada fontefonte aoao
destino.destino.
 Ex.:Ex.: sinalsinal dede naturezanatureza elétricaelétrica exigeexige umum canalcanal
queque sejaseja projetadoprojetado parapara transportartransportar sinaissinais
elétricos.elétricos. (Fig.(Fig. 33--5)5)
 AA fontefonte nãonão dispõedispõe dede potênciapotência suficientesuficiente
parapara cobrircobrir asas perdasperdas dada propagação.propagação.
 EstaEsta potênciapotência éé supridasuprida pelopelo emissoremissor
 EmissorEmissor éé umum enteente que,que, acionadoacionado pelapela fonte,fonte,
entregaentrega umum sinalsinal dede energiaenergia adequadaadequada aoao
meio.meio.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
59
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 60
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
60
3.2.23.2.2 CanalCanal  ModuladorModulador éé umum componentecomponente internointerno dodo emissoremissor queque
3.2.23.2.2 CanalCanal
 ModuladorModulador éé umum componentecomponente internointerno dodo
emissoremissor queque transformatransforma osos elementoselementos
entreguesentregues pelapela fontefonte emem sinaissinais convenientesconvenientes
parapara seremserem transmitidostransmitidos pelopelo meio.meio.
 MeioMeio éé oo enteente queque propagapropaga aa energiaenergia
entregueentregue pelopelo emissoremissor atéaté oo receptor.receptor.
 ReceptorReceptor éé oo enteente queque retiraretira aa energiaenergia dodo
meiomeio ee recuperarecupera osos símbolos,símbolos, dede modomodo aa
reproduzirreproduzir aa mensagemmensagem aa serser entregueentregue nono
destino.destino.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
61
3.2.23.2.2 CanalCanal  DemoduladorDemodulador componentecomponente internointerno aoao receptorreceptor ee
3.2.23.2.2 CanalCanal
 DemoduladorDemodulador componentecomponente internointerno aoao
receptorreceptor ee acopladoacoplado aoao meiomeio queque recupera,recupera, aa
partirpartir dada energiaenergia recebida,recebida, osos símbolossímbolos
portadoresportadores dada informação.informação.
 DistorçãoDistorção éé aa alteraçãoalteração dasdas característicascaracterísticas
dodo sinalsinal provocadaprovocada pelopelo processoprocesso dede
transmissãotransmissão ee limitaçõeslimitações físicasfísicas dodo sinalsinal queque
sese propagapropaga pelopelo meio.meio.
 RuídoRuído sãosão sinaissinais espúriosespúrios dede naturezanatureza
térmicatérmica ouou aleatóriaaleatória queque sese somamsomam aoao sinal.sinal.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
62
3.2.33.2.3 CodificadorCodificador ee DecodificadorDecodificador  CodificadorCodificador alteraaltera aa
3.2.33.2.3 CodificadorCodificador ee DecodificadorDecodificador
 CodificadorCodificador alteraaltera aa naturezanatureza dosdos
elementoselementos dosdos símbolossímbolos geradosgerados pelapela
fontefonte dede taltal formaforma queque eleseles sejamsejam
adequadosadequados parapara acionaracionar oo canalcanal dede
transmissãotransmissão (transmissão).(transmissão). (Fig.(Fig. 33--6,6, 33--
7)7)
 DecodificadorDecodificador desempenhadesempenha umum papelpapel
inversoinverso aoao codificador.codificador.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
63
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 64
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
64
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 65
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
65
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 66
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
66
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 67
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
67
3.2.43.2.4 ModeloModelo CompletoCompleto dede umum SistemaSistema dede ComunicaçõesComunicações  OsOs
3.2.43.2.4 ModeloModelo CompletoCompleto dede umum SistemaSistema dede
ComunicaçõesComunicações
 OsOs elementoselementos ouou símbolossímbolos geradosgerados pelapela
fontefonte aa suasua saída,saída, podempodem serser transformadostransformados
emem outrosoutros elementoselementos ouou símbolossímbolos aoao longolongo
dodo processoprocesso dede transmissão.transmissão.
 PorémPorém oo conteúdoconteúdo dede informaçãoinformação geradogerado
pelapela fontefonte devedeve serser preservadopreservado aoao longolongo dede
todotodo oo processo.processo. (Fig.(Fig. 33--8)8)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
68
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 69
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
69
3.2.53.2.5 VelocidadeVelocidade dede TransmissãoTransmissão  VelocidadeVelocidade dede transmissãotransmissão
3.2.53.2.5 VelocidadeVelocidade dede TransmissãoTransmissão
 VelocidadeVelocidade dede transmissãotransmissão digitaldigital
serialserial dede umum ETDETD éé aa quantidadequantidade dede
bitsbits transmitidostransmitidos nana unidadeunidade dede tempotempo
(V(V TT ).).
 UnidadeUnidade == bitbit porpor segundosegundo (bps)(bps)
 AA 96009600 bpsbps =>=> cadacada bitbit temtem duraçãoduração
dede 104,2104,2 microsegundosmicrosegundos
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
70
3.2.63.2.6 TaxaTaxa dede SinalizaçãoSinalização  TaxaTaxa dede sinalizaçãosinalização ouou
3.2.63.2.6 TaxaTaxa dede SinalizaçãoSinalização
 TaxaTaxa dede sinalizaçãosinalização ouou velocidadevelocidade dede
modulaçãomodulação éé aa quantidadequantidade dede modulaçõesmodulações
feitasfeitas durantedurante aa unidadeunidade dede tempotempo (V(V MM ))
 UnidadeUnidade == BaudBaud
 VV TT == VV MM loglog 22 LL
 LL == LL níveis,níveis, ondeonde LL éé umauma potênciapotência inteirainteira
dede 2.2.
 FigsFigs (3(3--9,9, 33--10,10, 33--11)11)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
71
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 72
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
72
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 73
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
73
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 74
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
74
3.33.3 BandaBanda PassantePassante  SérieSérie dede FourierFourier éé umauma somasoma infinitainfinita dede
3.33.3 BandaBanda PassantePassante
 SérieSérie dede FourierFourier éé umauma somasoma infinitainfinita dede
senossenos ee cossenoscossenos dede diversasdiversas frequências.frequências.
(Fórmula(Fórmula 1)1)
 UmUm sinalsinal periódicoperiódico g(t)g(t) sempresempre podepode serser
descrito:descrito:
 EmEm funçãofunção dodo tempotempo tt
 EmEm funçãofunção dada frequênciafrequência ff
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
75
3.33.3 BandaBanda PassantePassante  TransformadaTransformada dede FourierFourier G(f)G(f) dede umauma
3.33.3 BandaBanda PassantePassante
 TransformadaTransformada dede FourierFourier G(f)G(f) dede umauma funçãofunção g(t)g(t) éé
umauma funçãofunção dada frequênciafrequência queque representarepresenta aa energiaenergia
dodo sinalsinal emem cadacada umauma dede suassuas componentescomponentes dede
frequência.frequência. (Fórmula(Fórmula 2)2)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
76
3.33.3 BandaBanda PassantePassante  BandaBanda passantepassante dede umum sinalsinal éé oo intervalointervalo
3.33.3 BandaBanda PassantePassante
 BandaBanda passantepassante dede umum sinalsinal éé oo intervalointervalo dede
frequênciasfrequências queque compõemcompõem esteeste sinal.sinal.
 LarguraLargura dede bandabanda dessedesse sinalsinal éé aa diferençadiferença entreentre aa
maiormaior ee menormenor frequênciafrequência queque compõemcompõem oo sinal.sinal.
 BandaBanda passantepassante dodo meiomeio físicofísico éé aa faixafaixa dede
frequênciasfrequências queque permanecepermanece praticamentepraticamente preservadapreservada
pelopelo meio.meio. (Fig.(Fig. 33--12)12)
 QuantoQuanto menormenor aa larguralargura dede bandabanda passantepassante dodo meiomeio
menormenor aa probabilidadeprobabilidade dede sese receberreceber umum sinalsinal dede
formaforma correta.correta. (Fig.(Fig. 33--13)13)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
77
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 78
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
78
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 79
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
79
3.43.4 FiltrosFiltros  FiltroFiltro ouou filtrofiltro dede frequênciafrequência éé umum elementoelemento
3.43.4 FiltrosFiltros
 FiltroFiltro ouou filtrofiltro dede frequênciafrequência éé umum elementoelemento físicofísico
queque ageage sobresobre aa bandabanda dodo sinalsinal dede entrada.entrada.
 Tipos:Tipos:
 PassaPassa--baixo:baixo: DeixaDeixa passarpassar somentesomente asas
frequênciasfrequências abaixoabaixo dede umum valorvalor específicoespecífico FF CC
 PassaPassa--alto:alto: DeixaDeixa passarpassar somentesomente asas frequênciasfrequências
acimaacima dede FF CC
 PassaPassa--bandabanda:: DeixaDeixa passarpassar asas frequênciasfrequências queque
estiveremestiverem contidascontidas numanuma faixafaixa F2F2--F1.F1.
 CortaCorta--banda:banda: DeixaDeixa passarpassar asas frequênciasfrequências queque
estiveremestiverem forafora dede umauma faixafaixa F2F2--F1.F1. (Fig.(Fig. 33--14)14)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
80
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 81
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
81
3.53.5 SinalSinal dede VozVoz  UmUm ouvidoouvido humanohumano normalnormal podepode sentirsentir
3.53.5 SinalSinal dede VozVoz
 UmUm ouvidoouvido humanohumano normalnormal podepode sentirsentir
frequênciasfrequências desdedesde 2020 HzHz aa 20.00020.000 Hz.Hz.
 AA estaesta faixafaixa dede frequênciafrequência audívelaudível deramderam oo
nomenome dede “faixa“faixa dede áudio”áudio”
 QualquerQualquer sinalsinal queque nelanela sese acomodeacomode chamachama--
sese “sinal“sinal dede áudio”áudio”
 VozVoz humanahumana:: 100Hz100Hz aa 80008000 Hz.Hz.
 AA maiormaior parteparte dada energiaenergia sese concentraconcentra emem
tornotorno dede 400400 Hz.Hz. (Fig.(Fig. 33--15)15)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
82
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 83
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
83
3.53.5 SinalSinal dede VozVoz  UmUm filtrofiltro queque deixadeixa passarpassar asas frequênciasfrequências dodo
3.53.5 SinalSinal dede VozVoz
 UmUm filtrofiltro queque deixadeixa passarpassar asas frequênciasfrequências dodo sinalsinal dede
vozvoz maioresmaiores queque 300300 HzHz ee menoresmenores queque 34003400 HzHz
geragera umum sinalsinal dede vozvoz inteligível.inteligível.
 AA importânciaimportância dede mantermanter aa inteligibilidadeinteligibilidade estaesta entreentre
700700 HzHz aa 30003000 Hz.Hz.
 FaixaFaixa dede Voz:Voz: faixafaixa dede 300300 aa 34003400 Hz.Hz.
 CanalCanal dede Voz:Voz: éé umum canalcanal dede 31003100 Hz.Hz.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
84
3.63.6 MultiplexaçãoMultiplexação ee ModulaçãoModulação  NaNa práticaprática aa bandabanda
3.63.6 MultiplexaçãoMultiplexação ee ModulaçãoModulação
 NaNa práticaprática aa bandabanda passantepassante necessárianecessária parapara
umum sinalsinal é,é, emem geral,geral, bembem menormenor queque aa
bandabanda passantepassante dosdos meiosmeios físicosfísicos
disponíveis.disponíveis. (Fig.(Fig. 33--16)16)
 MultiplexaçãoMultiplexação éé aa técnicatécnica queque permitepermite aa
transmissãotransmissão dede maismais dede umum sinalsinal emem umum
meiomeio físicofísico (FDM(FDM ee TDMTDM).). (Fig.(Fig. 33--17)17)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
85
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 86
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
86
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 87
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
87
3.6.13.6.1 MultiplexaçãoMultiplexação nana FrequênciaFrequência  ModulaçãoModulação sãosão
3.6.13.6.1 MultiplexaçãoMultiplexação nana FrequênciaFrequência
 ModulaçãoModulação sãosão técnicastécnicas utilizadasutilizadas parapara
permitirpermitir umum deslocamentodeslocamento ouou shiftshift dede
frequências.frequências. (fig.(fig. 33--18,318,3--19)19)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
88
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 89
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
89
3.6.23.6.2 TécnicasTécnicas dede ModulaçãoModulação  TodasTodas asas técnicastécnicas dede
3.6.23.6.2 TécnicasTécnicas dede ModulaçãoModulação
 TodasTodas asas técnicastécnicas dede modulaçãomodulação
envolvemenvolvem oo deslocamentodeslocamento dodo sinalsinal
original,original, denominadodenominado sinalsinal modulador,modulador,
dede suasua faixafaixa dede frequênciafrequência originaloriginal parapara
outraoutra faixa.faixa.
 OO valorvalor dessedesse deslocamentodeslocamento
correspondecorresponde àà frequênciafrequência dede umauma ondaonda
denominadadenominada portadora.portadora. (Fig.(Fig. 33--20)20)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
90
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 91
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
91
3.6.33.6.3 SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga ee emem BandaBanda BásicaBásica SistemasSistemas emem BandaBanda
3.6.33.6.3 SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga ee emem BandaBanda BásicaBásica
SistemasSistemas emem BandaBanda BásicaBásica (Sinalização(Sinalização Digital)Digital)
 TodoTodo oo espectroespectro dede frequênciafrequência dodo meiomeio éé utilizadoutilizado
parapara produzirproduzir oo sinal.sinal.
 OO sinalsinal éé colocadocolocado nana rederede semsem sese utilizarutilizar qualquerqualquer
tipotipo dede modulaçãomodulação
 NãoNão necessitanecessita dede modemsmodems ee possibilitapossibilita transmissãotransmissão
emem altaalta velocidadevelocidade (para(para 11 KmKm dede cabocabo 11 aa 22 GbpsGbps éé
possível.possível.
 NãoNão éé adequadaadequada aa circuitoscircuitos queque estãoestão sujeitossujeitos aa
ruído,ruído, interferênciasinterferências ee erroserros aleatórios.aleatórios.
 AdequadaAdequada parapara redesredes locais.locais.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
92
SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga (Sinalização(Sinalização Analógica)Analógica)  RealizaRealiza
SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga (Sinalização(Sinalização Analógica)Analógica)
 RealizaRealiza multiplexaçãomultiplexação emem frequência.frequência.
 ExistemExistem sistemassistemas dede baixobaixo custocusto queque utilizamutilizam apenasapenas
umum canalcanal (banda(banda largalarga dede únicoúnico canalcanal -- singlesingle--
channelchannel broadband)broadband)
 EE ondeonde oo espectroespectro dede frequênciafrequência dodo meiomeio éé divididodividido
emem váriosvários canaiscanais (FDM(FDM broadband)broadband)
 GeralmenteGeralmente utilizadautilizada emem redesredes locaislocais emem barrabarra (custo(custo
bembem menormenor queque topologiatopologia emem anel).anel).
 SinaisSinais inseridosinseridos nono meiomeio podempodem propagarpropagar emem apenasapenas
umauma direçãodireção
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
93
SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga (Sinalização(Sinalização Analógica)Analógica)  NãoNão éé
SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga (Sinalização(Sinalização Analógica)Analógica)
 NãoNão éé viávelviável emem termostermos dede custocusto aa construçãoconstrução dede
amplificadoresamplificadores queque passempassem sinaissinais dede váriasvárias
frequênciasfrequências nasnas duasduas direções.direções.
 DestaDesta formaforma doisdois caminhoscaminhos sãosão necessários:necessários: caminhocaminho
inboundinbound ee outboundoutbound
 EstesEstes caminhoscaminhos sese juntamjuntam emem umum pontoponto dada rederede
conhecidoconhecido comocomo centralcentral repetidorarepetidora ((headendheadend).). Figs.Figs. 33--
2121
 TodasTodas asas estaçõesestações devemdevem transmitirtransmitir emem umum dosdos
caminhoscaminhos nana direçãodireção dada centralcentral repetidorarepetidora ((caminhocaminho
inbound).inbound).
 OsOs sinaissinais recebidosrecebidos pelapela estaçãoestação repetidorarepetidora sãosão
transmitidostransmitidos aoao longolongo dodo segundosegundo caminho,caminho, sendosendo
entãoentão recebidosrecebidos pelaspelas estaçõesestações (caminho(caminho dede retornoretorno --
outbound).outbound).
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
94
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 95
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
95
SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga (Sinalização(Sinalização Analógica)Analógica)  NaNa
SistemasSistemas emem BandaBanda LargaLarga (Sinalização(Sinalização Analógica)Analógica)
 NaNa transmissãotransmissão emem bandabanda largalarga comcom cabocabo único,único, osos
tráfegostráfegos dede transmissãotransmissão ee dede retornoretorno sãosão
multiplexadosmultiplexados emem frequência.frequência.
 AA meiameia bandabanda inferiorinferior dodo cabocabo éé usadausada parapara canaiscanais
dede retorno.retorno.
 AA meiameia bandabanda superiorsuperior parapara canaiscanais dede transmissão.transmissão.
 AA centralcentral repetidorarepetidora contémcontém umum dispositivodispositivo conhecidoconhecido
comocomo conversorconversor dede frequências,frequências, parapara aa traduçãotradução dasdas
frequênciasfrequências dede transmissãotransmissão nasnas frequênciasfrequências dede
retorno.retorno. (Fig.(Fig. 33--22)22)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
96
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 97
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
97
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica) ExemploExemplo dede TrêsTrês divisõesdivisões dede
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)
ExemploExemplo dede TrêsTrês divisõesdivisões dede frequênciasfrequências utilizadasutilizadas parapara asas
configuraçõesconfigurações emem cabocabo simplessimples (único):(único):

SubSub--split:split: 55 aa 3232 MHzMHz comocomo caminhocaminho dede retornoretorno ee 5454 aa 300300
MHzMHz comocomo caminhocaminho dede transmissãotransmissão (utilizado(utilizado pelapela indústriaindústria dede
TVTV aa cabo)cabo)

MidMid--split:split: 55 aa 102102 MHzMHz comocomo retorno,retorno, 162162 aa 300/400300/400 MHzMHz comocomo
transmissãotransmissão (adequada(adequada parapara redesredes locais).locais).

HighHigh--split:split: 55 aa 174174 MHzMHz comocomo retorno,retorno, 234234 aa 300/400300/400 MHz.MHz.
UtilizadosUtilizados pelapela indústriaindústria dede TVTV aa cabo.cabo. (Fig.(Fig. 33--23)23)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
98
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 99
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
99
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)  Para uma rede de 10 Mbps o IEEE
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)
 Para uma rede de 10 Mbps o IEEE 802.4 recomenda o uso dos
canais 3´ e 4´ e os canais P e Q, que são adjacentes, como canais de
uso compartilhado.
 Largura do canal: 1,5 MHz em 1 Mbps, 6 MHz em 5 Mbps, 12 MHz
em 10 Mbps.
 Canais recomendados:
 (59,75 MHz - 71,75 MHz) e (252 MHz - 264 MHz) em 10 Mbps
 (59,75 MHz - 65,75 MHz) e (252 MHz - 258 MHz) em 5 Mbps
 (65,75 MHz - 71,75 MHz) e (258 MHz - 264 MHz) em 5 Mbps
 Para 1 Mbps qualquer dos oito subcanais de 1,5 MHz igualmente
espaçados entre (59,75 MHz - 71,75 MHz) e o correspondente
entre (252 MHz - 264 MHz)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
100
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)  AA rederede emem bandabanda largalarga dede umum únicoúnico
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)
 AA rederede emem bandabanda largalarga dede umum únicoúnico canalcanal podepode serser
expandidaexpandida parapara umauma rederede bandabanda largalarga comcom todatoda aa
suasua capacidadecapacidade (evitando(evitando todotodo oo custocusto dede fiaçãofiação ee
instalação).instalação).
 TiposTipos dede sinaissinais aa seremserem transportados:transportados: analógicosanalógicos
(imagem(imagem ouou voz)voz) ouou digitais.digitais.
 TiposTipos dede canais:canais: dedicadosdedicados ouou chaveados,chaveados, pontoponto--aa--
pontoponto ouou multiponto.multiponto.
 CanaisCanais pontoponto--aa--pontoponto podempodem ser:ser:
 Simplex:Simplex: maioriamaioria dosdos casoscasos emem canaiscanais pontoponto aa pontoponto emem
redesredes bandabanda larga.larga.
 HalfHalf--duplexduplex
 FullFull duplexduplex (Fig.(Fig. 33--24)24)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
101
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 102
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
102
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)  CanaisCanais pontoponto aa pontoponto chaveadoschaveados
Sistemas em Banda Larga (Sinalização Analógica)
 CanaisCanais pontoponto aa pontoponto chaveadoschaveados nãonão sãosão prépré--
estabelecidos.estabelecidos.
 ModemsModems dede frequênciafrequência variávelvariável (frequency(frequency--agileagile
modems),modems), trocamtrocam suasua frequênciafrequência dede operaçãooperação
atravésatravés dede comandocomando eletrônico.eletrônico.
 PodemosPodemos terter taxastaxas menores,menores, iguaisiguais ouou maioresmaiores dede 5656
kbps.kbps. (Fig.(Fig. 33--25)25)
 CanaisCanais multipontomultiponto podempodem serser dedicadosdedicados ouou
chaveados,chaveados, síncronossíncronos ouou assíncronos.assíncronos. (Fig.(Fig. 33--26)26)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
103
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 104
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
104
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 105
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
105
3.6.43.6.4 MultiplexaçãoMultiplexação nono TempoTempo  VáriosVários sinaissinais podempodem serser
3.6.43.6.4 MultiplexaçãoMultiplexação nono TempoTempo
 VáriosVários sinaissinais podempodem serser transportadostransportados
porpor umum únicoúnico caminhocaminho físico.físico.
 IntercalamentoIntercalamento dede porçõesporções dede cadacada
sinalsinal durantedurante oo tempo.tempo.
 TDMTDM síncronasíncrona ee assíncrona.assíncrona.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
106
3.6.4.13.6.4.1 TDMTDM SíncronoSíncrono  Frames:Frames: intervalosintervalos dede tamanhotamanho fixofixo dede
3.6.4.13.6.4.1 TDMTDM SíncronoSíncrono
 Frames:Frames: intervalosintervalos dede tamanhotamanho fixofixo dede tempotempo
T.T.
 Slots:Slots: CadaCada frameframe éé subdivididosubdividido emem NN
subintervalossubintervalos {{tt 11 ,,
, ,
tt nn }} denominadosdenominados slots.slots.
 Canal:Canal: éé oo conjuntoconjunto dede todostodos osos segmentos,segmentos,
umum emem cadacada frame.frame. (Fig.(Fig. 33--27,27, 33--28)28)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
107
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 108
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
108
3.6.4.23.6.4.2 TDMTDM AssíncronoAssíncrono ouou STDMSTDM (Statistical(Statistical TDM)TDM)  EliminaElimina oo
3.6.4.23.6.4.2 TDMTDM AssíncronoAssíncrono ouou STDMSTDM
(Statistical(Statistical TDM)TDM)
 EliminaElimina oo desperdíciodesperdício dede capacidadecapacidade
existenteexistente nono TDMTDM síncrono.síncrono.
 ParcelasParcelas dede tempotempo sãosão alocadasalocadas
dinamicamentedinamicamente dede acordoacordo comcom aa demandademanda
dasdas estações.estações.
 NecessitaNecessita dede umum cabeçalhocabeçalho identificandoidentificando aa
origemorigem ee oo destino.destino. (Fig.(Fig. 33--29)29)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
109
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 110
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
110
3.6.4.33.6.4.3 RedesRedes HíbridasHíbridas  PossuiPossui canaiscanais dedicadosdedicados ouou chaveadoschaveados
3.6.4.33.6.4.3 RedesRedes HíbridasHíbridas
 PossuiPossui canaiscanais dedicadosdedicados ouou chaveadoschaveados comcom
TDMTDM síncronosíncrono ee canaiscanais multipontomultiponto atravésatravés
dede TDMTDM assíncrono.assíncrono.
3.6.53.6.5 HierarquiasHierarquias dede TransmissãoTransmissão DigitalDigital
 FormasFormas dede particionamentoparticionamento dodo tempotempo numnum
meiomeio físicofísico usadausada nasnas técnicastécnicas dede TDMTDM
síncrono.síncrono.
 UtilizadoUtilizado nana telefoniatelefonia digitaldigital ee transmissãotransmissão dede
dados.dados. (Fig.(Fig. 33--30)30)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
111
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 112
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
112
3.73.7 ComutaçãoComutação  ComutaçãoComutação ouou chaveamentochaveamento refererefere--sese aa
3.73.7 ComutaçãoComutação
 ComutaçãoComutação ouou chaveamentochaveamento refererefere--sese
aa alocaçãoalocação dosdos recursosrecursos dada rederede parapara aa
transmissãotransmissão pelospelos diversosdiversos dispositivosdispositivos
conectados.conectados.
 Tipos:Tipos: ComutaçãoComutação dede circuitoscircuitos ee
pacotes.pacotes.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
113
3.7.13.7.1 ComutaçãoComutação dede CircuitosCircuitos  EnvolveEnvolve 33 fases:fases:
3.7.13.7.1 ComutaçãoComutação dede CircuitosCircuitos
 EnvolveEnvolve 33 fases:fases: estabelecimentoestabelecimento dede circuito,circuito,
transferênciatransferência dada informaçãoinformação ee desconexãodesconexão dodo
circuito.circuito. (Fig.(Fig. 33--31)31)
 OO caminhocaminho dedicadodedicado entreentre aa origemorigem ee oo destinodestino
podepode ser:ser:
 UmUm caminhocaminho físicofísico formadoformado porpor umauma sucessãosucessão dede
enlacesenlaces físicos.físicos.
 UmaUma sucessãosucessão dede canaiscanais dede frequênciafrequência alocadosalocados
emem cadacada enlace.enlace.
 UmaUma sucessãosucessão dede canaiscanais dede tempotempo alocadosalocados emem
cadacada enlace.enlace. (Fig.(Fig. 33--32)32)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
114
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 115
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
115
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 116
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
116
3.7.2 Comutação de Mensagens  NaNa comutaçãocomutação dede mensagensmensagens nãonão éé precisopreciso oo
3.7.2 Comutação de Mensagens
 NaNa comutaçãocomutação dede mensagensmensagens nãonão éé precisopreciso oo
estabelecimentoestabelecimento dede umum caminhocaminho dedicadodedicado entreentre asas
estações.estações. (Fig.(Fig. 33--33)33)
3.7.3 Comutação de Pacotes
 MensagensMensagens sãosão quebradasquebradas emem unidadesunidades menoresmenores
denominadasdenominadas pacotes.pacotes. (Fig.(Fig. 33--34)34)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
117
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 118
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
118
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 119
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
119
3.7.4 Comutação de Circuitos vs. Comutação de Pacotes  ComutaçãoComutação dede CircuitosCircuitos 
3.7.4 Comutação de Circuitos vs.
Comutação de Pacotes
 ComutaçãoComutação dede CircuitosCircuitos
 UsadoUsado parapara redesredes dede fluxofluxo contínuocontínuo dede
informaçãoinformação (tarifada(tarifada porpor tempo)tempo)
 NãoNão necessitanecessita dede empacotamentoempacotamento dede bitsbits parapara aa
transmissão.transmissão.
 ComutaçãoComutação dede PacotesPacotes
 RecomendadoRecomendado parapara redesredes dede tráfegotráfego emem rajadas.rajadas.
 AA capacidadecapacidade dosdos meiosmeios dede comunicaçãocomunicação éé
sempresempre dinamicamentedinamicamente alocada.alocada.
 MecanismosMecanismos dede prioridadeprioridade podempodem serser
implementados.implementados.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
120
3.83.8 CodificaçãoCodificação ee TransmissãoTransmissão dede SinaisSinais emem BandaBanda BásicaBásica  AA
3.83.8 CodificaçãoCodificação ee TransmissãoTransmissão dede SinaisSinais emem
BandaBanda BásicaBásica
 AA codificaçãocodificação dede sinaissinais maismais conhecidaconhecida emem bandabanda
básicabásica éé denominadadenominada codificaçãocodificação NRZNRZ ((NonNon ReturnReturn
toto Zero).Zero). (Fig.(Fig. 33--35)35)
 ParaPara umauma amostragemamostragem correta,correta, receptorreceptor ee
transmissortransmissor precisamprecisam terter relógiosrelógios ajustadosajustados
(sincronizados)(sincronizados) emem frequênciafrequência ee fase.fase. (Fig.(Fig. 33--36)36)
3.8.13.8.1 TransmissãoTransmissão AssíncronaAssíncrona
 TransmissãoTransmissão dede caracterescaracteres delimitadosdelimitados porpor bitsbits
especiaisespeciais dede startstart ee stop.stop. (Fig.(Fig. 33--37)37)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
121
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 122
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
122
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 123
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
123
3.8.23.8.2 TransmissãoTransmissão SíncronaSíncrona  ExistênciaExistência dede umauma referênciareferência
3.8.23.8.2 TransmissãoTransmissão SíncronaSíncrona
 ExistênciaExistência dede umauma referênciareferência únicaúnica dede tempotempo parapara
transmissortransmissor ee receptor.receptor.
 DoisDois modos:modos:
 TécnicaTécnica NRZ:NRZ: existeexiste umum canalcanal separadoseparado dosdos dados,dados,
parapara enviarenviar oo relógiorelógio dodo circuitocircuito transmissortransmissor (pouco(pouco
usado).usado).
 SegundaSegunda técnica:técnica: consisteconsiste emem enviarenviar dadosdados ee
informaçãoinformação dede sincronismosincronismo queque permitapermita recuperarrecuperar oo
relógio,relógio, juntosjuntos emem umum mesmomesmo canal,canal, utilizandoutilizando
algumaalguma técnicatécnica dede codificaçãocodificação (mais(mais usada).usada).
 TécnicaTécnica dede codificaçãocodificação ManchesterManchester ouou ManchesterManchester
Diferencial.Diferencial.
 EmEm ambosambos osos casoscasos háhá aa necessidadenecessidade dede envioenvio dede
informaçãoinformação dede sincronismosincronismo antesantes dodo inícioinício dada
transmissão.transmissão. (Fig.(Fig. 33--38)38)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
124
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 125
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
125
3.93.9 ControleControle dede ErrosErros ErrosErros seriaisseriais ee intermitentes.intermitentes. 3.9.13.9.1 TaxaTaxa
3.93.9 ControleControle dede ErrosErros
ErrosErros seriaisseriais ee intermitentes.intermitentes.
3.9.13.9.1 TaxaTaxa dede ErrosErros
 GeralmenteGeralmente osos padrõespadrões dede qualidadequalidade exigemexigem valoresvalores
entreentre 1010 --44 ee 1010 --77 ,, ouou seja,seja, umum bitbit erradoerrado entreentre 10.00010.000
ee 10.000.00010.000.000 dede bitsbits transmitidos.transmitidos.
 TaxaTaxa dede erroserros éé aa relaçãorelação entreentre oo totaltotal dede
bits/caracteres/blocosbits/caracteres/blocos recebidosrecebidos comcom erroerro ee oo totaltotal dede
bits/caracteres/blocosbits/caracteres/blocos transmitidos.transmitidos.
 AssimAssim temtem--sese aa taxataxa dede erroserros dede bitbit (BER),(BER), taxataxa dede
erroserros dede caracterescaracteres (CER)(CER) ee taxataxa dede erroserros dede blocosblocos
(BLER).(BLER).
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
126
3.9.13.9.1 TaxaTaxa dede ErrosErros  AA taxataxa dede erroserros dede bitsbits éé útilútil parapara
3.9.13.9.1 TaxaTaxa dede ErrosErros
 AA taxataxa dede erroserros dede bitsbits éé útilútil parapara expressarexpressar aa
qualidadequalidade dodo canal,canal, poispois geralmentegeralmente incluiinclui osos erroserros
geradosgerados pelopelo meiomeio dede transmissãotransmissão (nível(nível 1)1)
 AA taxataxa dede erroserros dede blocobloco éé oo métodométodo queque fornecefornece oo
melhormelhor parâmetroparâmetro parapara análiseanálise dede umum sistemasistema dede
comunicaçãocomunicação dede dados.dados.
 PoisPois osos dadosdados sãosão transmitidostransmitidos emem blocosblocos ee osos
processosprocessos dede detecçãodetecção ee correçãocorreção dede erros,erros, tambémtambém
sãosão feitosfeitos aa nívelnível dede blocos.blocos.
 AA BLERBLER estáestá intimamenteintimamente relacionadarelacionada aoao nívelnível 22 dodo
modelomodelo dede referênciareferência OSI.OSI.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
127
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros  ParaPara ocorrerocorrer aa detecçãodetecção dede erroserros
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros
 ParaPara ocorrerocorrer aa detecçãodetecção dede erroserros háhá aa necessidadenecessidade
dodo envioenvio dede bitsbits redundantes.redundantes.
 OuOu seja,seja, oo envioenvio dede bitsbits adicionaisadicionais aoao conjuntoconjunto dede
bitsbits componentescomponentes dada mensagemmensagem útil.útil.
 EsseEsse processoprocesso resultaresulta nono parâmetroparâmetro redundânciaredundância
queque relacionarelaciona oo númeronúmero dede blocobloco transmitidotransmitido (bits(bits
redundantesredundantes ++ bitsbits úteis).úteis). (fórmula)(fórmula)
 ExistemExistem doisdois tipostipos dede redundância:redundância: dentrodentro dodo
caracterecaractere ee dentrodentro dede umum blocobloco dede caracteres.caracteres.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
128
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros   AA redundânciaredundância dentrodentro dodo
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros


AA redundânciaredundância dentrodentro dodo caracterecaractere podepode serser feitafeita usandousando osos
sistemassistemas dede testestestes dede paridadeparidade ouou usandousando aa formaforma dede
codificaçãocodificação dede caracterescaracteres emem razãorazão constante.constante.
NaNa redundânciaredundância dentrodentro dede umum blocobloco dede caracteres,caracteres, umum blocobloco
dede caracterescaracteres éé seguidoseguido porpor umum conjuntoconjunto dede bitsbits dede verificaçãoverificação
dede erros,erros, implementadoimplementado atravésatravés dede códigoscódigos cíclicos.cíclicos.

OsOs principaisprincipais códigoscódigos típicostípicos dede detecçãodetecção dede erroserros são:são:
 Paridade:Paridade: RedundânciaRedundância verticalvertical (VRC),(VRC), ee redundânciaredundância
longitudinallongitudinal (LRC).(LRC).
 RazãoRazão constanteconstante
 CódigosCódigos cíclicoscíclicos (CRC)(CRC)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
129
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros ControleControle dede redundânciaredundância porpor paridadeparidade
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros
ControleControle dede redundânciaredundância porpor paridadeparidade (VRC)(VRC)
 EsteEste controlecontrole tambémtambém chamadochamado dede ControleControle dede
RedundânciaRedundância VerticalVertical (VRC),(VRC), éé efetuadoefetuado atravésatravés dada
ediçãoedição dede umum bitbit (bit(bit dede paridade)paridade) apósapós oo últimoúltimo bitbit
dede cadacada caracterecaractere transmitido.transmitido.
 ÉÉ utilizadoutilizado emem transmissõestransmissões síncronassíncronas ee assíncronasassíncronas
sendosendo poucopouco eficiente.eficiente.
 EsteEste controlecontrole podepode serser implementadoimplementado atravésatravés dede
paridadeparidade parpar ouou paridadeparidade impar,impar, efetuadoefetuado nana basebase dede
cadacada caractere.caractere.
 ParidadeParidade ImparImpar consisteconsiste nana obtençãoobtenção dede umum
númeronúmero ímparímpar dede bitsbits “1”,“1”, incluindoincluindo oo bitbit dede paridade.paridade.
 ParidadeParidade ParPar consisteconsiste nana obtençãoobtenção dede umum númeronúmero
parpar dede bitsbits “1”.“1”. (Fig.(Fig. 33--39)39)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
130
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 131
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
131
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros ControleControle dede RedundânciaRedundância LongitudinalLongitudinal
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros
ControleControle dede RedundânciaRedundância LongitudinalLongitudinal (LRC)(LRC)
 ÉÉ umum caracterecaractere obtidoobtido emem funçãofunção dodo totaltotal dede bitsbits ““ 11 ““
dosdos diversosdiversos caracterescaracteres dada mensagem.mensagem.
 OO caracterecaractere éé denominadodenominado dede BCCBCC (Block(Block CheckCheck
Caractere).Caractere).
 OO exemploexemplo dada figurafigura aa seguirseguir explicaexplica aa obtençãoobtenção dodo
BCCBCC empregandoempregando paridadeparidade parpar nana basebase dede cadacada
caracterecaractere ASCII.ASCII. (Fig.(Fig. 33--40).40).
 OO métodométodo dede paridadeparidade longitudinallongitudinal permitepermite aa
detecçãodetecção dede conjuntosconjuntos parespares dede erros,erros, comcom aa
restriçãorestrição dede detecçãodetecção dede erroserros emem disposiçãodisposição
quadrada.quadrada.
 PorPor exemplo:exemplo: 22 erroserros emem duasduas linhaslinhas maismais doisdois erroserros
emem duasduas colunas.colunas.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
132
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 133
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
133
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros ControleControle dede RazãoRazão ConstanteConstante  NesteNeste
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros
ControleControle dede RazãoRazão ConstanteConstante
 NesteNeste métodométodo osos caracterescaracteres sãosão geradosgerados dede taltal
formaforma queque aa razãorazão entreentre oo númeronúmero dede “1”“1” ee oo númeronúmero
dede “0”“0” componentescomponentes dodo caracterecaractere sejaseja constante.constante.
 EsteEste métodométodo nãonão éé muitomuito utilizadoutilizado porqueporque diminuidiminui oo
númeronúmero dede combinaçõescombinações possíveispossíveis dede caracteres.caracteres.
 PorPor exemplo,exemplo, sese forfor utilizadoutilizado aa razãorazão dede 55 “uns”“uns” ee 33
“zeros”“zeros” numnum códigocódigo dede 88 bitsbits parapara formaçãoformação dede umum
caractere,caractere, aa combinaçãocombinação 1100110111001101 podepode serser
utilizadautilizada parapara representarrepresentar umum caractere,caractere, aoao passopasso
queque aa combinaçãocombinação 0101101001011010 nãonão podepode serser utilizadautilizada
nana representaçãorepresentação dede nenhumnenhum caractere.caractere.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
134
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros ControleControle dede redundânciaredundância cíclicacíclica
3.9.23.9.2 DetecçãoDetecção dede ErrosErros
ControleControle dede redundânciaredundância cíclicacíclica (CRC)(CRC)
 EsteEste métodométodo dede controlecontrole éé realizadorealizado pelopelo
envioenvio dede umum caracterecaractere dede controlecontrole nono finalfinal dada
mensagemmensagem obtidoobtido matematicamentematematicamente atravésatravés
dada divisãodivisão dede polinômios.polinômios.
 OO dividendodividendo éé umum polinômiopolinômio representativorepresentativo
dodo valorvalor numériconumérico bináriobinário dada mensagemmensagem ee oo
divisordivisor éé umum polinômiopolinômio padrãopadrão ouou gerador.gerador.
 OO quocientequociente encontradoencontrado éé desprezadodesprezado ee oo
restoresto constituiráconstituirá nono caracterecaractere dede controlecontrole
(BCC(BCC nono casocaso dodo protocoloprotocolo BSC)BSC) queque seráserá
acrescentadoacrescentado nono finalfinal dada mensagem.mensagem.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
135
ControleControle dede redundânciaredundância cíclicacíclica (CRC)(CRC)  NaNa recepçãorecepção
ControleControle dede redundânciaredundância cíclicacíclica (CRC)(CRC)
 NaNa recepçãorecepção haveráhaverá novamentenovamente aa
divisãodivisão dodo polinômiopolinômio obtidoobtido pelapela
mensagemmensagem ee polinômiopolinômio padrãopadrão (idêntico(idêntico
aoao dada transmissão).transmissão).
 OO restoresto destadesta divisãodivisão éé comparadocomparado comcom
osos últimosúltimos bitsbits recebidosrecebidos nono quadro.quadro.
 SeSe osos bitsbits foremforem iguais,iguais, oo receptorreceptor
assumeassume queque recebeurecebeu osos dadosdados semsem
erro.erro. (Fig.:(Fig.: algunsalguns polinômios)polinômios)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
136
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 137
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
137
3.103.10 MétodosMétodos parapara RecuperaçãoRecuperação dede DadosDados CorretosCorretos  QuandoQuando forfor
3.103.10 MétodosMétodos parapara RecuperaçãoRecuperação dede DadosDados CorretosCorretos
 QuandoQuando forfor detectadodetectado oo recebimentorecebimento dede dadosdados
contendocontendo erros,erros, emem funçãofunção dosdos métodosmétodos dede detecçãodetecção
anteriormenteanteriormente descritosdescritos há,há, ainda,ainda, aa necessidadenecessidade dede
recuperaçãorecuperação dosdos dadosdados parapara aa formaforma correta.correta.
 OsOs métodosmétodos empregadosempregados são:são:
3.10.13.10.1 TransmissãoTransmissão dede RetornoRetorno
 ConsisteConsiste emem queque todastodas asas mensagensmensagens sãosão enviadasenviadas
dede voltavolta àà estaçãoestação transmissoratransmissora nono sentidosentido dede corrigircorrigir
oo erroerro dada comparaçãocomparação entreentre asas mensagensmensagens
transmitidatransmitida ee refletida.refletida. (Fig.(Fig. 33--41)41)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
138
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 139
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
139
3.10.23.10.2 SistemasSistemas comcom DiversidadeDiversidade ouou MultienvioMultienvio  ConsisteConsiste emem
3.10.23.10.2 SistemasSistemas comcom DiversidadeDiversidade ouou MultienvioMultienvio

ConsisteConsiste emem transmitirtransmitir simultaneamentesimultaneamente duasduas ouou trêstrês vezesvezes aa
mesmamesma informaçãoinformação ouou atravésatravés dede viasvias paralelasparalelas ouou seriaisseriais dede
umauma únicaúnica via.via.
3.10.2.13.10.2.1 SistemaSistema ARQARQ (Automatic(Automatic RetransmissionRetransmission Request)Request)
ContínuoContínuo

NesteNeste sistemasistema oo terminalterminal transmissortransmissor continuacontinua enviandoenviando blocosblocos
semsem aguardaraguardar pelopelo reconhecimentoreconhecimento dede umum blocobloco enviado.enviado.

OO transmissortransmissor aoao mesmomesmo tempotempo queque transmitetransmite váriosvários blocos,blocos,
observaobserva oo fluxofluxo dede reconhecimentoreconhecimento dede blocosblocos recebidos.recebidos.

EsteEste sistemasistema éé utilizadoutilizado nosnos protocolosprotocolos dodo tipotipo “full“full--duplex”duplex”
(HDLC,(HDLC, SDLC,SDLC, etc.)etc.)

NesteNeste sistemasistema háhá aa necessidadenecessidade dede numeraçãonumeração dosdos blocos,blocos,
normalmentenormalmente numeradosnumerados emem módulomódulo dede 88 ouou 128128 blocos.blocos.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
140
3.10.2.13.10.2.1 SistemaSistema ARQARQ (Automatic(Automatic RetransmissionRetransmission Request)Request)
3.10.2.13.10.2.1 SistemaSistema ARQARQ (Automatic(Automatic
RetransmissionRetransmission Request)Request) ContínuoContínuo

QuandoQuando oo transmissortransmissor receberreceber umum reconhecimentoreconhecimento
negativo,negativo, esteeste podepode efetuarefetuar aa recuperaçãorecuperação dodo blocobloco dede duasduas
maneiras:maneiras:
 (1)(1) NaNa primeiraprimeira maneira,maneira, oo transmissortransmissor fazfaz aa retransmissãoretransmissão
dede todostodos osos blocosblocos subsequentessubsequentes aoao blocobloco identificadoidentificado comcom
erroerro (inclusive),(inclusive), independenteindependente dodo estadoestado dede recepçãorecepção dosdos
blocosblocos posteriores.posteriores. ÉÉ oo casocaso dodo protocoloprotocolo SDLC.SDLC.
 (2)(2) NaNa outraoutra maneira,maneira, oo transmissortransmissor sósó retransmiteretransmite oo blocobloco
identificadoidentificado comcom erro.erro. EstaEsta éé aa técnicatécnica utilizadautilizada pelopelo
protocoloprotocolo HDLC,HDLC, atravésatravés dada técnicatécnica dede rejeiçãorejeição seletivaseletiva dodo
blocobloco (SREJ).(SREJ). (Fig.(Fig. 33--42)42)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
141
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 142
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
142
3.10.2.23.10.2.2 SistemasSistemas ARQ:ARQ: “Stop“Stop andand Wait”Wait”  ConsisteConsiste nono fatofato
3.10.2.23.10.2.2 SistemasSistemas ARQ:ARQ: “Stop“Stop andand Wait”Wait”
 ConsisteConsiste nono fatofato dodo transmissortransmissor aguardaraguardar oo
reconhecimentoreconhecimento positivopositivo ouou negativonegativo dodo
últimoúltimo blocobloco enviado,enviado, parapara retransmitirretransmitir ouou
enviarenviar umum novonovo bloco.bloco.
 SeSe oo reconhecimentoreconhecimento forfor positivopositivo enviaráenviará oo
blocobloco seguinteseguinte ee sese oo reconhecimentoreconhecimento forfor
negativonegativo retransmitiráretransmitirá oo últimoúltimo blocobloco enviado.enviado.
 EsteEste éé oo sistemasistema utilizadoutilizado emem protocolosprotocolos
“half“half--duplex”,duplex”, comocomo porpor exemplo,exemplo, oo BSC.BSC. (Fig.(Fig.
33--43,43, Tab.Tab. 33--1).1).
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
143
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 144
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
144
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 145
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
145
3.103.10 SistemasSistemas dede AutocorreçãoAutocorreção (FEC(FEC -- ForwardForward ErrorError Control)Control)
3.103.10 SistemasSistemas dede AutocorreçãoAutocorreção (FEC(FEC --
ForwardForward ErrorError Control)Control)
 ÉÉ oo sistemasistema queque permitepermite aa detecçãodetecção ee aa
correçãocorreção dodo blocobloco erradoerrado pelapela receptora.receptora.
 NesteNeste sistemasistema haveráhaverá necessidadenecessidade dodo envioenvio
dede umauma maiormaior proporçãoproporção dede bitsbits redundantesredundantes
ee aa exigênciaexigência dede terminaisterminais comcom maiormaior
complexidade,complexidade, parapara permitirpermitir aa identificaçãoidentificação
corretacorreta dodo blocobloco dede dados.dados.
 R.R. W.W. HammingHamming introduziuintroduziu oo primeiroprimeiro
tratamentotratamento sistemáticosistemático dede detecçãodetecção
automáticaautomática dede erroserros pelopelo receptor.receptor.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
146
3.103.10 SistemasSistemas dede AutocorreçãoAutocorreção (FEC(FEC -- ForwardForward ErrorError Control)Control)
3.103.10 SistemasSistemas dede AutocorreçãoAutocorreção (FEC(FEC --
ForwardForward ErrorError Control)Control)
 OO métodométodo dede HammingHamming consiste,consiste,
basicamente,basicamente, nana inserção,inserção, emem posiçõesposições
detalhadasdetalhadas dede bitsbits dede controlecontrole entreentre osos bitsbits
dada informação.informação.
 AA mensagemmensagem transmitidatransmitida tantotanto seráserá
compostacomposta dede bitsbits dede controlecontrole ee bitsbits dada
informação.informação.
 OsOs bitsbits dede controlecontrole ocuparãoocuparão asas posiçõesposições
correspondentescorrespondentes asas potênciaspotências dede 2,2, ouou seja:seja:
1,1, 2,2, 4,4, 8,8, 16,16, 32,32,
ee osos bitsbits dada informaçãoinformação
ocuparãoocuparão asas demaisdemais posições.posições. (Fig.(Fig. 33--44)44)
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
147
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 148
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
148
3.103.10 SistemasSistemas dede AutocorreçãoAutocorreção (FEC(FEC -- ForwardForward ErrorError Control)Control)
3.103.10 SistemasSistemas dede AutocorreçãoAutocorreção (FEC(FEC -- ForwardForward
ErrorError Control)Control)
 CadaCada bitbit dede controlecontrole éé obtidoobtido emem funçãofunção dada paridade,paridade,
parpar ouou ímparímpar (quantidade(quantidade dede “1”)“1”) verificadaverificada nono
conjuntoconjunto formadoformado pelopelo bitbit dede controlecontrole ee pelospelos bitsbits dada
informaçãoinformação dede suasua abrangência.abrangência. (Tab.(Tab. 33--2,2, 33--3).3).
 OO exemploexemplo dada tabelatabela anterioranterior auxiliaauxilia oo entendimentoentendimento
dodo métodométodo dede Hamming,Hamming, ondeonde osos bitsbits dede controlecontrole
foramforam obtidosobtidos atravésatravés dede paridadeparidade par.par.
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
149
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 150
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
150
2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 151
2/10/2014
Redes Industriais - R. C. Betini
151