Você está na página 1de 4
DUTOS CONVENCIONAIS E PRÉ-ISOLADOS A importância dos ensaios Realizar corretamente os ensaios na rede de

DUTOS CONVENCIONAIS E PRÉ-ISOLADOS

A importância dos ensaios

Realizar corretamente os ensaios na rede de dutos do ar condicionado é fundamental, especialmente para salas limpas e ambientes controlados. O objetivo é evitar vazamentos que podem causar perda do controle de temperatura, da umidade relativa e da pressurização dos ambientes

Foto: Arquivo SBCC
Foto: Arquivo SBCC

Ensaios devem ser previstos na fase de projeto como garantia da qualidade da instalação

G arantir a eficiência energéti -

ca e prevenir a ocorrência de

vazamentos que podem ocasionar

descontrole de temperatura, perda da

umidade relativa do ar e até mesmo

problemas de pressurização. Essas

14
14

são algumas das principais finalidades

dos ensaios realizados em dutos e

dutos pré-isolados dos sistemas de ar

condicionado, especialmente quando

se trata de salas limpas e ambientes

controlados.

Adriana Carvalho

O Diretor Técnico da Anthares So -

luções em HVAC, Alexandre Zanardo,

exemplifica sobre a importância da

realização de ensaios com o caso de

um cliente que ficou um ano sem pro -

duzir por não conseguir qualificar uma

área. “Esse cliente possuía uma área

com umidade relativa abaixo de 30%.

Quando ajustavam a pressurização dos

ambientes, perdia-se o controle da umi -

dade relativa e vice-versa. Executou-se

uma investigação e constatou-se que

os dutos estavam com uma taxa de va -

zamento muito alta”, explica ele. A solu -

ção encontrada, segundo Zanardo, foi

a substituição de toda a rede de dutos

da área de produção, sendo que 100%

deles passaram então por ensaios.

“Em alguns casos os ensaios são

de extrema importância para se man -

ter as condições baixas de umidade re -

lativa ou garantir a não contaminação

de ambientes por vazamentos. Eles

também vão ajudar a manter a pres -

são ambiental adequada bem como a

eficiência energética”, afirma Marcos

Antonio Vargas Pereira, Diretor Técni -

co Comercial da Termica Brasil.

SBCC - Mai/Jun - 2014

Especificações do ensaio De acordo com Alexandre Zanar - do, o principal ensaio que deve

Especificações do ensaio

De acordo com Alexandre Zanar- do, o principal ensaio que deve ser executado é o de vazamento da rede

de dutos. “No Brasil, a NBR 16401 es - pecifica que o ensaio de vazamento de dutos deve ser executado conforme a ANSI/Smacna 016-2012. O projetista deve definir qual a classe de vazamen -

to os dutos devem atender, bem como

qual será a pressão de ensaio. Com

esses dois parâmetros é determinada

a taxa de vazamento máximo admiti -

do”, explica. Para realizar o ensaio, deve-se pressurizar o duto com a pressão de ensaio e verificar se o vazamento ob - tido está abaixo do máximo permitido. Caso isso não seja constatado, deve - -se parar o ensaio, encontrar e corrigir os vazamentos e executar o ensaio no - vamente, até se atingir um vazamento abaixo do máximo permitido. “Estando

o vazamento dentro das especifica -

ções, deve-se deixar o duto pressuri - zado por quinze minutos e, após esse

período de tempo deve-se despressu - rizar o duto e pressurizá-lo novamente, verificando se o vazamento permane - ceu abaixo do especificado. Nunca se deve pressurizar o duto acima da clas -

se de pressão especificada em projeto,

pois podem ocorrer danos irreparáveis na rede”, comenta Zanardo. Marcos Pereira, da Termica Bra - sil, recomenda que os ensaios sejam

previstos já na fase de projetos. “Em determinadas obras os ensaios são previstos na concepção do projeto como garantia da qualidade da insta - lação. Realizá-los nessa fase também atende a necessidade de escolha da classe de vazamento mais adequa - da”, explica, acrescentando que não

é aconselhável que os ensaios sejam

feitos mais de uma vez, pois isso de -

mandaria um trabalho de vedação nos pontos de descarga das redes.

Diferenças entre dutos convencionais e dutos pré-isolados Nos dutos fabricados em painéis pré-isolados o próprio
Diferenças entre dutos convencionais e dutos pré-isolados Nos dutos fabricados em painéis pré-isolados o próprio
Diferenças entre dutos convencionais e dutos pré-isolados Nos dutos fabricados em painéis pré-isolados o próprio
Diferenças entre dutos convencionais e dutos pré-isolados Nos dutos fabricados em painéis pré-isolados o próprio
Diferenças entre dutos convencionais e dutos pré-isolados Nos dutos fabricados em painéis pré-isolados o próprio

Diferenças entre dutos convencionais e dutos pré-isolados

Nos dutos fabricados em painéis pré-isolados o próprio isolante tér- mico confere a rigidez ao duto. Além disso, como se trata de um material já com propriedades de isolante térmico, não existe a necessidade de se efetuar o isolamento posterior. “Os dutos convencionais, por sua vez, ne - cessitam ser isolados termicamente para que não ocorra condensação nos mesmos”, diz Alexandre Zanardo. Ele pontua ainda que como o mate - rial dos dutos pré-isolados é mais leve do que o dos dutos convencionais, há diminuição da carga sobre a estrutura do prédio, o que influencia nas dimensões dos sistemas de sustentação. Segundo Zanardo, os dutos de painéis pré-isolados são aplicados na maioria em instalações de conforto. “A norma de construção exige que eles devam atender à NBR-16401 com relação à estanqueidade e classe de pressão”, explica. No caso dos dutos fabricados em painéis pré-isolados com núcleo de poliuretano expandido, os dutos são colados com cola de contato o que ajuda a garantir um alto grau de estanqueidade.

de poliuretano expandido, os dutos são colados com cola de contato o que ajuda a garantir
de poliuretano expandido, os dutos são colados com cola de contato o que ajuda a garantir
de poliuretano expandido, os dutos são colados com cola de contato o que ajuda a garantir

Mai/Jun - 2014 - SBCC

um alto grau de estanqueidade. Mai/Jun - 2014 - SBCC A opinião é compartilhada por Alexandre

A opinião é compartilhada por Alexandre Zanardo, que afirma que er- roneamente muitos clientes solicitam

o ensaio após a rede de dutos estar

totalmente concluída. “Salvo raras exceções, os dutos apresentam vaza - mento acima do permitido, implicando em retrabalho nos mesmos”, diz ele.

permitido, implicando em retrabalho nos mesmos”, diz ele. ABNT NBR 16235: Em vigor desde 1º de

ABNT NBR 16235:

Em vigor desde 1º de dezembro do ano passado, a norma ABNT NBR 16235 determina quais são os requisi - tos básicos e as características para a

fabricação de dutos fabricados em pai - néis pré-isolados e que são utilizados em sistemas de ventilação, exaustão

e ar condicionado de edificações. Sua

elaboração contou com a participação do grupo de trabalho CB 55 da Abrava. “Como a NBR 16401 de 2008 não con - templa os dutos fabricados em painéis pré-isolados, os fabricantes e importa -

dores de painéis pré-isolados sentiram

a necessidade de normatizar este tipo

de solução que traz grandes benefícios tanto para os instaladores quanto para os usuários finais de uma instalação de AVAC”, comenta Robert van Hoorn, Di - retor da Multivac/MPU, que participou da elaboração da Norma. Segundo ele, a norma não deverá provocar grandes impactos entre os fa - bricantes nacionais, visto que a maio - ria já atende aos requisitos. “A grande vantagem da norma é que fica claro como utilizar os painéis pré-isolados e quais são as recomendações e restri - ções da aplicação de dutos em painéis pré-isolados”, comenta van Hoorn. Ele ressalta que os dutos fabri - cados em painéis pré-isolados têm muitas vantagens técnicas que podem contribuir para uma qualidade superior

15
15
DUTOS CONVENCIONAIS E PRÉ-ISOLADOS Foto: Divulgação/Térmica Ensaios em dutos da instalação, inclusive em salas lim

DUTOS CONVENCIONAIS E PRÉ-ISOLADOS

Foto: Divulgação/Térmica
Foto: Divulgação/Térmica

Ensaios em dutos

da instalação, inclusive em salas lim -

pas e ambientes controlados. “Uma

vantagem pode ser a opção dos dutos

com aplicação de antimicrobiano na

superfície. A norma 16235 ajuda os

projetistas com referências de como

aplicar esta solução”, explica.

Para a elaboração da ABNT NBR

16235, o CB 55 utilizou como base a

norma europeia EN 13403:2003. Du -

rante cerca de 18 meses o grupo tradu -

ziu e adaptou essa diretriz à realidade

brasileira. “Como fizemos a tradução e

o grupo estava bem alinhado sobre a

norma não tivemos muitas dificuldades

durante o trabalho. O mais trabalhoso

foi pesquisar referências brasileiras

para garantir que os ensaios mencio -

nados na norma possam ser feitos

facilmente aqui no Brasil”, observa.

possam ser feitos facilmente aqui no Brasil”, observa. Detalhes sobre ensaios A ABNT NBR 16235 especifica

Detalhes sobre ensaios

A ABNT NBR 16235 especifica al -

guns requisitos que os painéis para du -

tos devem atender e de como ensaiar

as características técnicas dos painéis,

conforme explica Robert van Hoorn.

“Ela explica, por exemplo, como deve

ser a resistência à pressão, o grau de

deformação e a rigidez do painel, o

que é importante para saber a quan -

tidade de reforços a serem utilizados

em dutos grandes e/ou com pressão

mais alta”, diz ele. Outras orientações

dizem respeito à higienização, proibi -

ção da existência de crescimento mi -

crobacteriano e durabilidade do painel.

“Após 20 ciclos de limpeza a superfície

não pode soltar partículas no fluxo de

ar”, explica van Hoorn.

A norma determina ainda que os

dutos fabricados em painéis pré-isola -

dos não podem ser utilizados para fina -

lidades como transporte de partículas

ou gases corrosivos, sob condições

extremas de temperatura (quando me -

didas devem ser tomadas para evitar

condensação externa ou interna) ou

quando os níveis de umidade relativa

são maiores que os especificados pelo

fabricante do painel para dutos.

que os especificados pelo fabricante do painel para dutos. A opinião dos fabricantes Veja o que
que os especificados pelo fabricante do painel para dutos. A opinião dos fabricantes Veja o que

A opinião dos fabricantes

Veja o que alguns dos principais fabricantes pensam sobre a norma ABNT NBR 16235 e o desenvolvimento do mercado de dutos.

MULTIVAC/MPU

 

“No caso da MultiVac/MPU não precisamos fazer grandes adap - tações à norma NBR 16235. Desde o inicio da nossa produção já atendemos aos requisitos de outras normas, como a NBR 16401 e a EN 13403. A principal vantagem da norma é que ela mostra ao mercado que é uma solução técnica viável com respaldo em nor- mas nacionais. Desde que lançamos os painéis pré-isolados de po - liuretano no mercado brasileiro temos insistido muito na qualificação de mão de obra. A solução do sistema MPU traz grandes benefícios em termos de facilidade de fabricação de dutos de ar de qualidade e de grande estanqueidade, porém há algumas técnicas básicas que precisam ser observadas. Por este motivo temos oferecido treina - mentos no Brasil inteiro para os nossos clientes. Quando lançamos o sistema MPU em 2008, ele era uma grande novidade no mercado e precisamos vencer muitas resistências. Mas agora, um pouco mais de cinco anos depois, este tipo de solução já é uma realidade e acredito que ainda vamos ver um crescimento grande deste tipo de duto no mercado” – Robert van Hoorn, diretor da MULTIVAC/MPU

que ainda vamos ver um crescimento grande deste tipo de duto no mercado” – Robert van

Foto: Divulgação/Multivac

duto no mercado” – Robert van Hoorn, diretor da MULTIVAC/MPU Foto: Divulgação/Multivac SBCC - Mai/Jun -

SBCC - Mai/Jun - 2014

16
16
Powermatic Foto: Divulgação/Powermatic “A edição da norma não impactou em nada pois esse não é

Powermatic

Foto: Divulgação/Powermatic
Foto: Divulgação/Powermatic

“A edição da norma não impactou em nada pois esse não é produto de nossa linha, mas achamos sua criação muito importante para dar ao produto sua devida aplicação. No nosso caso, como fabricantes de dutos de aço, as maiores demandas dos clientes dizem respeito à eficiência contra os vazamentos, redução do custo final e principalmente envolvi - mento do fabricante quanto ao correto levantamento de materiais. Isso nos levou desde o início da empresa a nos comprometer em fornecer to - dos os dutos prontos para a montagem. Outro fator importante que tem sido levado em conta, principalmente nos projetos “green building”, é a questão do descarte dos materiais utilizados na obra” – Dilson Carreira, proprietário da Powermatic Dutos e Acessórios

Elite “Nossa empresa ainda tem preferência pela fabricação de du - tos em chapa galvanizada,
Elite
“Nossa empresa ainda tem preferência pela fabricação de du -
tos em chapa galvanizada, inox ou chapa preta. Toda tecnologia é
bem-vinda, porém precisa ser consagrada, ou seja, precisa de tem -
po e retorno de instalações em diferentes situações e ambientes,
para poder dizer que vingou. O custo e tempo de mão de obra dos
dutos fabricados em painéis pré-isolados, para nossa empresa,
acabaria até saindo mais alto, pois possuímos linha automatizada
para fabricação. Acreditamos que os dutos em painéis pré-isolados
tenham um campo de aplicação muito bom para as instalações de
pequeno e médio porte para climatização de conforto. Em relação
às principais demandas que os usuários fazem sobre dutos, o que
podemos afirmar é que nossa atuação é bem focada para as in -
dústrias e um dos pontos solicitados é sempre a robustez, aliada
com facilidade para limpeza, como portas de inspeção, além das
tradicionais questões de estanqueidade e resistência mecânica” –
Christiano Borges, proprietário da Elite Equipamentos Industriais
17
Mai/Jun - 2014 - SBCC
mecânica” – Christiano Borges, proprietário da Elite Equipamentos Industriais 17 Mai/Jun - 2014 - SBCC