Você está na página 1de 60

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru - PE

0

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru - PE

1

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA
FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA – FAVIP
COORDENAÇÃO DE ARQUITETURA E URBANISMO
CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

AMANDA GOMES CARVALHO

ARQUITETANDO O SABER
Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru – PE

Projeto de Pesquisa apresentada junto ao Curso
de Arquitetura e Urbanismo da FAVIP, como
requisito à obtenção do título de Graduação.
Orientadora: Prof.ª Rafaella Estevão

Caruaru
2011

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru - PE

C331a

2

Carvalho, Amanda Gomes.
Arquitetando o saber: anteprojeto para um Complexo Cultural em
Caruaru-PE / Amanda Gomes Carvalho. -- Caruaru : FAVIP, 2011.
58 f. :
Orientador(a) : Rafaella Estevão.
Trabalho de Conclusão de Curso (Arquitetura e Urbanismo) -Faculdade do Vale do Ipojuca.
Inclui apêndice.
1. Arquitetura. 2. Complexo Cultural. 3. Lazer. I. Título.
CDU 72[12.1]

Ficha catalográfica elaborada pelo bibliotecário: Jadinilson Afonso CRB-4/1367

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru .PE 3 .

os quais me apoiaram ao longo de toda minha jornada de vida.PE 4 Dedico todo meu esforço aos meus pais. na construção do que sou e do tudo que alcancei.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . .

PE 5 Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus. servindo de exemplo e auxiliando minha escolha pelo curso. com quem pude desenvolver e aprofundar meu conhecimento na área. onde encontrei minha base de apoio dentro ao longo de todo curso. que tem me guiado em seus caminhos e abençoado minha vida grandemente. Agradeço a professora Andreza Procoro. que graças a sua exigência. Agradeço ao meu namorado. Agradeço a professora Aline Figueirôa. . constituindo amizades que irão além dele. pioneira da família nesta área. Agradeço ao quarteto fantástico. Agradeço a minha prima Juliana Carvalho. ex-coordenadora do curso e supervisora de estágio. Agradeço a professora Rafaela Estevão. que acompanhou toda minha jornada de perto e sempre me apoiou em todas minhas decisões. Agradeço aos meus pais por seu eterno carinho e amor. construiu arquitetos melhores. orientadora da minha monografia. Wesley. que me ajudou a evoluir bastante durante este curto período de tempo. Agradeço a todos os professores do curso de Arquitetura e Urbanismo da FAVIP.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . os quais nos acompanharam ao longo de toda nossa jornada.

lazer.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . desde a análise de estudos de casos à elaboração do programa arquitetônico. o qual servirá de alicerce para o futuro desenvolvimento de um complexo cultural. foi realizada uma revisão teórica sobre questões pertinentes à temática de lazer e cultura.PE 6 Resumo O presente projeto de pesquisa tem por objetivo propor um anteprojeto de um complexo cultural em Caruaru a partir das análises de atividades de lazer e cultura e sua relação com os aspectos sociais. além de um estudo empírico relacionado às etapas de desenvolvimento projetual. complexo cultural. observando os reflexos e influências dessa relação nas construções das cidades através da arquitetura. Para tanto. Sumário . Palavras-chave: arquitetura.

2 2ª Análise: Condicionantes físico-ambientais 43 10.3 3ª Análise: Condicionantes Legais 45 11.3 3ª Consideração: As necessidades de uso continuam as mesmas de tempos atrás? 20 5.5 5ª Consideração: Quais os aspectos fundamentais para a elaboração 22 de um Centro de Cultura? 5.1 1ª Etapa: Pesquisa Teórica 15 4. Programa e Pré-dimensionamento 36 38 8. Justificativa 08 3.3 3ª Análise: Museu e Centro Cultural. Referencial Teórico 17 5. Rio de Janeiro 28 6.1 Objetivo Geral 14 3. Estudos de Caso 24 26 6. Análises do terreno 42 10.2 Objetivos Específicos 07 14 4.3 3ª Etapa: Projeto Arquitetônico 16 5. Objetivos 14 3. Apêndice 58 .5 5ª Análise: Resumo dos dados 7. Recife/Olinda 27 6.2 2ª Consideração: Qual a importância do Lazer para a sociedade? 19 5. Considerações Finais 55 13.PE 7 Sumário 1. Questionário 40 9.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru .4 4ª Análise: Pavilhão.6 6ª Consideração: Onde Construir os Centros de Cultura 6. Introdução 07 2. Organofluxograma 41 10.4 4ª Consideração: A quem se destinam os Centros de Cultura? 21 5. Procedimentos Metodológicos 15 4.1 1ª Análise: Centro de Convenções de Pernambuco. Referencial Bibliográfico 56 14.1 1ª Análise: Escolha do Terreno 42 10.1 1ª Consideração: Qual a importância da cultura para as cidades? 17 5. Londres 33 6. Memorial Justificativo 48 12.2 2ª Etapa: Pesquisa Empírica 15 4. Vilnius 31 6.2 2ª Análise: Museu da Imagem e do Som.

a segunda parte equivale a um estudo empírico e a terceira aos procedimentos e desenvolvimento do anteprojeto arquitetônico. os quais por sua vez refletem o conhecimento adquirido na construção dos espaços. o trabalho discute questões relacionadas ao lazer e cultura. Na primeira etapa. A segunda etapa fornece dados mais específicos realizados a partir de observações e constatações diretas. investigando as relações existentes entre as temáticas de lazer e cultura diante do contexto social. fornecendo dados para futura elaboração de um complexo cultural em Caruaru. o trabalho foi dividido em três etapas: a primeira refere-se ao embasamento teórico. Foram realizados recortes e aplicação ao contexto da cidade. os quais serviram de suporte para a terceira e última etapa: a elaboração do anteprojeto. além da analise de aspectos referentes à importância e demandas de uso para tais atividades em Caruaru. este trabalho objetivou a elaboração de um anteprojeto para um complexo cultural. a exemplo dos estudos de caso e do questionário.PE 7 1 | INTRODUÇÃO Diante de um contexto de constante desenvolvimento mundial. Deste modo. bem como de aspectos relevantes para elaboração de um complexo cultural. Partindo desse pressuposto. .ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . tornado-se ferramentas essenciais para educação e integração social. as atividades culturais e de lazer se caracterizam como impulsionadoras dessa evolução: estas áreas exercem grande influência na formação dos indivíduos.

abastecendo muitos dos municípios circunvizinhos. 2010). é a maior cidade do interior pernambucano. 2011). a Feira de Caruaru foi relocada para um novo espaço físico e atravessa um processo de descaracterização. tendo como destaque seu pólo de confecções. 2010). o crescimento acelerado de Caruaru apresenta cada vez mais credibilidade e destaque em Pernambuco.300 em 2008. É provável que esta descaracterização esteja relacionada ao rápido desenvolvimento que Caruaru vem apresentando. Segundo a Agência de Planejamento e Pesquisa de Pernambuco (2010) a cidade detém o sétimo maior Produto Interno Bruto (PIB) do estado e o segundo maior do interior pernambucano. ou seja.195. sendo possível a perda de seu registro. Além desta troca intraestadual de mercadorias. Impulsionada por estas duas atividades. seu registro ocorreu no âmbito do patrimônio imaterial equivalente ao conhecimento empírico. Diante desse desenvolvimento promissor.PE 8 2 | JUSTIFICATIVA Caruaru. defesa e seguridade social) (CONDEPE/FIDEM. recorte geográfico deste trabalho. já que o mesmo foi concedido devido ao “modo de fazer” peculiar desta área. situada na região Agreste a aproximadamente 130km da capital Recife. Caruaru constitui uma cidade influente em seu panorama. A principal atividade equivale ao comércio e ao APU (Administração pública. Caruaru recebe muitos visitantes de outros estados visando principalmente o comércio nos dias de Feira. ganhando renome popular de Capital do Agreste Pernambucano. possuindo uma população estimada em 314 mil habitantes e 921km² de extensão territorial (IBGE. Seu comércio é reconhecido e divulgado pela presença de sua Feira. os quais encontram em Caruaru uma maior oferta de mercadorias a baixo custo. estimulando a busca por uma modernização diante do mercado a fim de suprir as novas demandas que surgem e mudam constantemente na sociedade. . Apesar de ter recebido este título. apresentando uma receita aproximada de R$ 2.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . a qual recebeu o registro de patrimônio imaterial pelo IPHAN em 2006 (IPHAN.

de edificações projetadas para disseminação da cultura. sendo os principais deles o Alto do Moura. Neste aspecto. nos deparamos com uma problemática: a cidade dispõe de poucos equipamentos de qualidade destinados ao lazer e ao saber. Caruaru não dispõe de áreas significativas destinadas ao lazer público e.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Este turismo de negócios atrai um público bem específico à Caruaru de profissionais e empreendedores. que constitui uma paisagem mais tranqüila e relaxante. Outro ponto preponderante equivale à qualidade destes espaços: o estado de conservação em que se encontra grande parte das praças e edificações públicas culturais existentes apresenta indícios de uma preservação defasada e uma segurança negligente. o Parque Ambientalista Severino Montenegro. bem como para uso dos moradores locais. entre outros. concentrando restaurantes e comércio de artesanatos. constituindo um público em potencial para usufruto de equipamentos da Cidade que proporcionem conhecimento e entretenimento. Diante deste cenário de importância econômica e turística. e o Memorial de Caruaru. com exposição fixa do acervo histórico e econômico da cidade. o qual só oferece entretenimento no período de São João. situado no antigo mercado de farinha. buscando fazer parte deste cenário neste período festivo. como o São João e eventos relacionados ao turismo de negócios. o complexo da Estação Ferroviária. dispondo de algumas exposições no Galpão. principalmente. não possuem contato direto com a cultura nordestina. a cidade deveria oferecer áreas de qualidade destinadas ao entretenimento e a divulgação de cultura. Seu São João é conhecido nacionalmente e. Tais áreas serviriam como pontos turísticos para os visitantes. exposições. geralmente. Caruaru dispõe de um número considerável de visitantes em eventos periódicos. e apresentar uma quantidade relativa de pequenas praças em sua malha urbana.PE 9 Além da Feira. feiras de negócios. . a partir de atividades como palestras. bastante visitado por turistas que. sobretudo quando unimos estes dois usos. Apesar de dispor destes equipamentos de lazer e/ou saber de pequeno e médio porte.

Acesso:abril 2011. atraindo diferentes públicos. de uso predominantemente comercial. além de dispor de uma grande área interna. pois sua estrutura física não foi concebida e não bem adaptada para este fim. Fonte: http://www.pernambucoeaqui. a biblioteca funcionou na edificação da estação ferroviária de Caruaru. a Figura 01. cuja estrutura era precária e insuficiente para o acervo. Por um bom tempo. com.pernambucoeaqui. Apesar da diversidade de usos ser. biblioteca foi fechada e. em estado degradado. 01). Aqui a problemática é diferente do equipamento citado anteriormente.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . hall de entrada. Como já comentado. Biblioteca Pública de Caruaru. Impulsionado por estes fatores. Autoria: Ana Paula Vasconcelos. refere-se à biblioteca municipal. este Figura 04. Acesso:abril 2011. foi reaberta em uma casa próxima a Caixa Econômica Federal do Centro da cidade (ver fig.PE 10 acarretando em vandalismo e degradação das áreas (ver fig. na maior parte das vezes. 2011. Vista interna do Memorial da Cidade. no centro da cidade (ver figura 03 e 04). o equipamento está localizado no Centro de Caruaru. Praça Saldanha da Gama . Este fato colabora para a diminuição de usuários nestes locais e até mesmo para o seu abandono. apresentando ainda os mesmos problemas da instalação anterior.br Autoria:não informado. Outro equipamento público destinado a Figura 02. Fonte: http://www. divulgação cultural que apresenta problemas relevantes quanto ao uso se refere ao Memorial da Cidade. após algum tempo. além de sua localização ser pouco conhecida pelos moradores. Vista Externa do Memorial da Cidade. 2011. Um bom exemplar do problema em questão. um aspecto positivo para o local. Para comportar este novo uso. Autoria: acervo pessoal. no que diz respeito a edificações culturais. preservação. 02). localizado no prédio do antigo Mercado de Farinha de Caruaru. de instalações precárias em relação à demanda da população.br Autoria:não informado. o edifício do antigo Mercado de Farinha foi restaurado e se encontra em um bom estado de conservação e Figura 03. . com.

temos ainda outro grande problema nesta área. recepção e constante permuta de conhecimentos. como serviços. o fenômeno cultural.arcoweb. promovendo diversos concursos para equipamentos públicos culturais (ver fig. vencedor do concurso internacional para filial do Victoria & Albert Museum.PE 11 fenômeno não ocorre com o Memorial de Caruaru. Fonte: http://www. com o fortalecimento da globalização. Projeto do escritório alemão Wolfgang Tschapeller. pois não dispõe de outros atrativos como. Neste sentido. presente em quase todas as cidades consolidadas ou em crescimento acelerado: apresenta insuficiência quanto à oferta de estacionamento. reforçando a subutilização da área durante todo o dia. o Memorial da Cidade também fecha. Deste modo. . Fonte: http://www. na Escócia. estado e. o indivíduo tem a possibilidade de construir um pensamento embasado. por exemplo.com. considerando ainda o avançado crescimento mundial. Por fim.arcoweb. contribuindo Figura 06. desenvolvendo um senso crítico e questionador a respeito das problemáticas das cidades. se torna essencial para um bom convívio coletivo e para o crescimento das cidades de forma consciente. entre outros. vencedor do concurso para Centro Cultural. na Sérvia. Durante a noite. sociais. quando o comércio não funciona. Esta importância parece ter suporte no fato que. consequentemente.br Autoria: Wolfgang.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . presente até mesmo nas pequenas cidades interioranas. de cada cidade. um café. reforçando aspectos políticos. 05 e 06). culturais. a partir dos processos de transmissão.br Autoria: Kengo Kuma. Figura 05. se torna dependente do centro comercial. de cada país. Este fato pode está atrelado ao fato de o Memorial ser o único exemplar cultural nesta área de uso comercial e de serviço. Este é um fato que ocorre nas grandes cidades e. tendo sua demanda e funcionamento comprometidos pelo mesmo. a procura de quem vai ao centro gira em torno de atividades do ramo comercial e similares. os países desenvolvidos já despertaram para a importância da obtenção de conhecimento. Acesso: maio 2011. Por ser ainda um equipamento de pequeno porte. Projeto do arquiteto japonês Kengo Kuma. através do acesso ao conhecimento. o que acaba por não gerar fluxo de visitantes para o Memorial.com. econômicos. Acesso: maio 2011.

a qual é fruto direto da produção humana e. sendo muito mais . em específico na cidade de Caruaru. Apesar de se refletir na construção coletiva de uma cidade. impulsionando o desenvolvimento social. a proposta de um complexo cultural entrou em cena então para suprir esta demanda identificada de áreas destinadas à disseminação do lazer e saber. sugerem que a incorporação de uma cultura local não precisaria ser literal. a diferenciação arquitetônica pode apresentar sentimentos de curiosidade. terá fundamentos e questionará constantemente o mesmo.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Desperta assim um interesse em cada pessoa. Neste contexto de democratização. 1997). Muitas vezes. ou ainda ser a reprodução de costumes e ou tradições locais. a troca e disseminação cultural proporcionam aos indivíduos uma visão ampla e abrangente de diferentes contextos. semelhante a um alerta. 1986). já que o acesso ao saber se encontra. construindo um pensamento evolutivo. Esse aprendizado reflete. Com a democratização do espaço. Possui ainda a importância de facilitar o acesso ao conhecimento. situações e fenômenos (OSTROWER. cultural e econômico de Caruaru.PE 12 diretamente para melhoria das mesmas a partir da conseqüente mudança de postura e conscientização pessoal. 1987). em grande parte. por sua vez. portanto. Considerando este processo de aprendizagem e suas consequências imediatas. interesse e atração na população. reflexo de sua compreensão e entendimento geral (LYNCH. detido pelas classes mais favorecidas financeiramente. Depois de exemplificar todo cenário global e local de interesse e demanda por este tema. pessoas de qualquer classe social terão fácil acesso a diversas áreas do conhecimento. após deter conhecimento sobre determinado assunto. por se tratar de um equipamento público conforme proposta do presente trabalho. o qual automaticamente. diretamente na construção da Cidade. o conhecimento servirá como impulsionador do desenvolvimento de Caruaru: é a partir de um processo de aprendizado denominado de endoculturação que o homem desenvolve sua compreensão cognitiva e percepção de mundo (LARAIA. os exemplares onde ocorrem troca e disseminação cultural mundo afora.

considerando que as áreas de lazer e convívio público estimulam o interesse para o conhecimento e utilização do equipamento.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . o projeto teve como objetivo contemplar a demanda dos moradores locais enquanto conteúdo programático. . Tendo este fenômeno em mente. gerando demanda de uso para o equipamento. proporcionando um complexo com atividades desejadas pelo mesmo e. portanto. os quais servem de referencial e estímulo o constante crescimento da cidade. Outro diferencial do equipamento proposto por esta pesquisa consistiu na união de áreas destinadas ao uso de lazer e saber. evidencia-se que é fundamental se pensar no desenvolvimento de equipamentos públicos de qualidade para Caruaru. espacial e artístico aos moradores e que possa estimular o desenvolvimento de valores culturais e intelectuais em Caruaru. Por fim. atuando assim como ambientes convidativos. atraindo a população para conhecer e usufruir do complexo. contribuindo para a melhoria de qualidade do local como um todo. um dos pontos de partida para o anteprojeto foi o de assumir uma concepção arquitetônica com traçado diferenciado dos equipamentos existentes na cidade e região. diante desta discussão. não apresentando características regionais literais. a fim de proporcionar um novo repertório visual.PE 13 proveitoso para a experimentação lúdica e intensiva do espaço e ambiência arquitetônica de um centro cultural. Deste modo.

1 Objetivo Geral Elaborar um anteprojeto para um complexo cultural. .Criar ambientes flexíveis e multifuncionais.PE 14 3 | OBJETIVOS 3. 3. desde o público infantil ao idoso.Implantar o equipamento de forma a contrastar com seu entorno. disposições e composições arquitetônicas inusitadas. contemporânea e de seus espaços convidativos. na cidade de Caruaru – PE. despertando na população curiosidade em conhecer e experienciar o centro cultural.2 Objetivos Específicos .ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . os quais atendam as demandas de lazer e saber das diversas faixas etárias. através de sua arquitetura. . interesse pela cultura na população.Elaborar um ambiente para exposição fixa destinado à divulgação do acervo cultural e histórico de Caruaru.Propor uma edificação com espaços lúdicos a partir de formas. integrando programas destinados ao lazer e ao saber. . .Elaborar um equipamento que desperte. .

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru - PE

15

4 | PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
Para o desenvolvimento de um anteprojeto de um complexo cultural, a pesquisa foi
dividida em três etapas gerais: a primeira etapa diz respeito à pesquisa teórica; a segunda
equivale a um estudo empírico de observações e análises de campo; e a terceira e última
etapa aos procedimentos de análise arquitetônica referentes à elaboração do
anteprojeto.

1ª Etapa: Pesquisa Teórica
1.1 | Levantamento Bibliográfico
Foram realizadas pesquisas de referências teóricas que se equiparam de algum
modo ao tema trabalhado, complexo cultural, para conhecimento geral e aprofundado a
respeito de questões pertinentes para reflexões.
1.2 | Recorte e Aplicação
Após o conhecimento das teorias gerais sobre o tema em questão, foram
realizados recortes de modo a relacionar e aplicar estas teorias para um contexto
específico, ou seja, para subsidiar a elaboração do Complexo Cultural em Caruaru,
embasando tanto a análise das etapas preliminares como o próprio desenvolvimento do
anteprojeto.

2ª Etapa: Pesquisa Empírica
2.1 | Estudo de caso
Foram coletadas referencias em projetos que se assemelhassem aos objetivos
propostos por este estudo, analisando todos os aspectos essenciais os quais auxiliaram
no desenvolvimento do anteprojeto do Complexo Cultural, tendo sido pontuado tanto os
aspectos positivos como as possíveis deficiências dos projetos selecionados.
2.2 | Aplicação dos Dados
Após concluir o estudo de caso, foi elaborada uma tabela relatando os aspectos
positivos e negativos referentes aos projetos analisados, de forma sucinta e reunindo os

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru - PE

16

pontos chave de cada um deles, de modo que buscou-se a importância e aplicação para
projeto do Complexo Cultural. Além desta análise, criou-se também uma tabela geral dos
dados obtidos em relação aos programas e dimensões dos estudos de caso, a qual
embasou a escolha do programa e o pré-dimensionamento do projeto.
2.3 | Questionário
Um questionário também foi aplicado, com uma amostragem variada sócioculturalmente, o qual abrangeu questões pertinentes ao tema enquanto programa,
identificando os ambientes desejados pela população para um complexo cultural. Sua
aplicação possibilitou levantar os anseios programáticos dos moradores da cidade para
gerar uma demanda de uso a partir das necessidades observadas.

3ª Etapa: Anteprojeto Arquitetônico
3.1 | Etapas Pré-projetuais
Para complementar o estudo realizado nas etapas anteriores, esta etapa foi
essencial, fornecendo subsídios para a concepção projetual a partir de observações de
campo. Buscou-se analisar aspectos referentes ao espaço físico escolhido, a exemplo do
estudo dos aspectos legais da Cidade para o terreno, da análise do entorno imediato e
delimitação do programa, pré-dimensionamento, organofluxograma, entre outros; assim
como aspectos bioclimáticos, localização das árvores existentes no terreno, e realização
do estudo de insolação, ventilação, entre outros.
3.2 | Desenvolvimento Projetual
Tendo como referência todas as análises realizadas, foi desenvolvido o
anteprojeto de um complexo cultural, condizente com a demanda, enquanto programa e
dimensões, dos moradores de Caruaru. No desenvolvimento projetual buscou-se evitar as
problemáticas detectadas ao longo das etapas anteriores, respeitando além destes
aspectos, o plano diretor de Caruaru e as características naturais do terreno.

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru - PE

17

5 | REFERENCIAL TEÓRICO
Observamos com facilidade atualmente o constante desenvolvimento de novos
centros de cultura em todo o mundo, parecendo haver um despertar global para a
importância da disseminação do conhecimento. Neste contexto mundial, têm destaque
os países desenvolvidos, os quais promovem diversos concursos públicos para centros de
cultura: como bibliotecas, museus, casas de música, teatro e o próprio centro cultural.
Sendo assim, por que não desenvolver mais complexos culturais no Brasil? O fato de
ser um país subdesenvolvido interfere neste desenvolvimento? E os pequenos municípios,
por sua vez, não poderão construir centros culturais de grande porte e de qualidade?
Tendo estes questionamentos pertinentes em mente, podemos prosseguir para as
contextualizações específicas, embasadas teoricamente, onde serão discutidas as
possíveis respostas ou introduções necessárias a estes e outros aspectos, oferecendo
considerações a respeito das teorias existentes sobre os temas de cultura e lazer, as quais
subsidiaram o desenvolvimento projetual.

1ª Consideração: Qual a importância da Cultura para as cidades?
De acordo com Lynch (1997), as cidades, bem como a arquitetura, são fruto da
produção humana, diferindo apenas em sua escala e em sua formação, mais extensa ao
longo do tempo. Deste modo, entende-se que o homem atua na cidade de duas maneiras:
primeiramente, atua como agente ativo à medida que cria e transforma o espaço físico
em que convive, a partir de seu repertório e imaginário. Por outro lado, atua como agente
passivo, onde todo contexto a sua volta - como a arquitetura, os elementos urbanos, as
interações sociais, a mídia, entre tantos outros - transforma constantemente seu
repertório de vida. Mas como este fato se relaciona com a cultura?
Desde o conceito moderno de cultura formulado por Tylor (TYLOR, 1958 apud
CASTRO, 2005) no campo da antropologia, o conceito de cultura tem sido reformulado e
evoluído constantemente. Contudo existe um consenso dos teóricos atuais que o homem
não nasce predeterminado a algo, como no determinismo geográfico ou biológico,
conforme entendido no passado. Neste sentido, Laraia (1986) defende que o
comportamento e o consciente de cada indivíduo dependem de um aprendizado,

O saber capacita o indivíduo de modo que ele poderá disputar por maiores oportunidades de trabalho (MILANESI.PE 18 denominado endoculturação – processo de aprendizagem e educação em uma cultura desde a infância até a fase adulta – o qual proporcionará ao indivíduo a construção do seu repertório. se faz necessário conhecer o precedente (MILANESI. constata-se que indivíduos de culturas diferentes enxergam o mundo de maneira diferente e. Para que esta produção seja qualitativa de modo a se criar o novo. podemos voltar ao questionamento inicial: como a construção das cidades está relacionada com o aprendizado cultural? Como dito por Lynch (1997). que por sua vez reflete seu modo de ver e perceber o mundo diretamente nesta produção. podendo assim impor seus desejos e necessidades diante da sociedade. É a partir deste crescimento cultural que cada pessoa desenvolverá seu senso crítico e questionador. bem como conseguir uma boa qualidade de vida através desse aprendizado. tanto global quanto regional. têm visões desencontradas das coisas (BENEDICT. reflete seu repertório adquirido ao longo de sua vida pelo processo cultural de aprendizado. Considerando a afirmação acima. através da atuação humana. O estimulo a cultura se torna assim essencial para um país em desenvolvimento como o Brasil. o qual apresenta uma evidente carência informativa da população. por isto.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . o processo cultural exerce um papel primordial: promove o conhecimento. 2006). portanto. Sabendo então que a cultura atua como base e reforço do aprendizado. proporcionando ao indivíduo uma visão ampla e abrangente de vários contextos. a cidade é produto da mente humana. Homens de culturas diferentes usam lentes diversas e. a endoculturação (LARAIA. A difusão democrática de bens culturais deveria constituir a base de uma política cultural preocupada com a desigualdade social. Para se inventar o novo. se faz necessário conhecer o . que é o diferencial para o crescimento qualitativo de qualquer local. formulando constantemente o repertório de vida de cada indivíduo. ou seja. é importante a troca e disseminação cultural. A cultura é como uma lente através da qual o homem vê o mundo. 2003). 2003). que por sua vez será diretamente refletido nas tomadas de decisões que ele terá que realizar durante sua vida. 1986). Diante de todo este contexto.

do local em que ele reside. 2007). se deparam com uma discriminação social que os afastam da mesma. considerando ainda que as camadas da sociedade não são homogêneas. o meio técnico-informacional muda tão rapidamente que. sendo que as atividades de lazer devem ainda ser escolhidas e traçadas de acordo com o perfil dos indivíduos. além da criatividade. De acordo com Melo (2003). 2003). As comunidades carentes. são impulsionados. 2003). através da qual é possível a compensação da desigualdade social a partir do crescimento e desenvolvimento individual e. Outro ponto diz respeito às constantes mudanças que ocorrem no contexto atual. as tecnologias de ponta de um dia. a questão central desta transformação a partir do lazer se baseia na disponibilidade dessas áreas destinadas ao entretenimento e na conscientização da sociedade para superação. estimulando mudanças na conduta e decisões pessoais. no qual convivem simultaneamente hábitos antigos junto às invenções mais atuais. coletivo (MARCELLINO. Em relação ao primeiro. Ainda no contexto da coletividade. 2ª Consideração: Qual a importância do Lazer para a sociedade? O lazer é uma ferramenta indispensável para reformulação do degradante cenário brasileiro. criando um cenário cotidiano indefinido. o lazer deve ser compreendido como uma ferramenta de educação.PE 19 precedente (MILANESI. É através da visão diferenciada de mundo que a evolução e o desenvolvimento de cada indivíduo e consequentemente. e não impostas arbitrariamente sem que se conheçam os desejos destes. através de suas atividades. consequentemente. Com o grande avanço das tecnologias. defende que através das experiências coletivas as pessoas evoluem e adquirem valores.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Já a vivência lúdica propicia relações de interação coletiva essenciais para construção de redes sociais. aceitando a ausência de uma participação ativa na sociedade. refletindo diretamente no bem do mesmo. as quais dispõem de escassas opções de lazer. . uma sensação de prazer imediato. considerando as atividades de lazer no âmbito cultural. as atividades de lazer proporcionam outros dois fatores importantes à sociedade: o bem estar e a vivência lúdica. Neste aspecto. o lazer provoca no indivíduo. Thompson (THOMPSON. 1995 apud MELO.

As antigas bibliotecas possuíam um regime completamente normativo a respeito do campo do conhecimento. fator este que impulsiona a construção e o desenvolvimento do pensamento de modo evolutivo. . Com este regime arbitrário criava uma atmosfera propícia para o afastamento do público do local mais do que sua aproximação. Para tal. que ocorria na maioria das vezes apenas quando se fazia necessário a realização de “pesquisas” que mais se aproximavam de cópias escolares (MILANESI. vídeo. Estes espaços constituíam verdadeiros recintos sagrados do saber. suprindo as carências dos diferentes moradores da cidade. o lazer se depara com um desafio: se inserir nesta dinâmica mutável. onde o silêncio era lei dentro deste ambiente. as quais passaram a ser oferecidas por diferentes meios: livros.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . entre tantos outros. objetivando facilitar o acesso ao conhecimento. Este ambiente repleto de normativas impossibilitava. Como as bibliotecas tinham a lei do silêncio. Considerando esta realidade. 2003). novos programas e atividades foram sendo incorporados às funções pré-existentes das bibliotecas públicas. quando comparado com equipamentos culturais do passado. 3ª Consideração: As necessidades de uso continuam as mesmas de tempos atrás? Diante de várias construções de centros culturais. Estas transformações criaram novas necessidades quanto à obtenção de informações. de acordo com Milanesi (2003).PE 20 passam a ser ultrapassadas em semanas ou meses depois. Todavia. consequentemente. tendo que se adequar as novas demandas da sociedade. não existia a troca entre diferentes interpretações. no fim do século XX esta barreira de uso existente nos antigos sistemas bibliotecários foi rompida com o avanço das tecnologias e a necessidade por um acervo abrangente que fosse além do campo do visual. qualquer discussão e debate de grupos não eram possíveis e. cabe saber qual demanda de usos este equipamento apresenta que os diferencia dos demais. 2003). revistas. bem como prever suas futuras projeções (MASCARENHAS. uma das etapas mais importantes no processo de elaboração do pensamento: a troca de idéias. música.

que por sua vez fica perdido entre as programações para crianças e para adultos. A grande problemática dos centros. equivale aos adolescentes. Isto porque. não são usuários do centro? Milanesi (2003) defende que os adultos são mais presos em suas regras e diretrizes. os centros de cultura atuais equivalem a uma evolução natural dos antigos recintos culturais. Pensando nesta consideração. pois a busca por conhecimento é constante e necessária durante toda vida. museus. de qualquer que seja a área de atuação profissional. ocorre um grande erro ao imaginar que os centros culturais se destinam apenas aos estudantes. oferecendo espaços que promovam interação social e ofereçam diferentes meios de difusão do conhecimento. posteriormente. é importante conhecer bem o público-alvo a quem se destina o projeto. e todos os equipamentos destinados à disseminação cultural ou a junção de todos eles. para realizar suas ‘pesquisas’ escolares que. lugar onde encontram o que precisam. de maneira rápida.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru .PE 21 Desta forma. De acordo com Milanesi (2003). ocorre justamente o contrário: o adolescente não interage com os espaços construídos. devem atender estas mudanças de usos. assim como por demandar por opções alternativas de lazer. são cópias das obras encontradas sobre o assunto. Mas e os adultos. por estar em um estágio que necessita de bastante pesquisa avançada. que compõem o próprio complexo cultural. em relação ao público. 4ª Consideração: A quem se destinam os Centros de cultura? Ao se desenvolver um projeto. a quem se destinam os centros culturais? Esta relação com o público constituirá. o próprio perfil do centro cultural. não dispõe de uma área específica para o adolescente. Contudo os espaços devem ser pensados também para este público. dificultando muitas vezes sua frequência nos centro culturais. grande parte dos equipamentos. Com certeza os estudantes constituem a maior parte de usuários do centro. . Este público deveria ser maioria nos espaços culturais. sobretudo nas áreas de convívio público e de lazer. a fim de propor soluções condizentes com a demanda e desejos destes usuários. na maior parte das vezes. No entanto. principalmente das bibliotecas. nos quais as bibliotecas. teatros.

uma etapa fundamental se refere ao conhecimento dos aspectos indispensáveis a tal projeto.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . outro fator importante diz respeito à vivacidade dos cenários. Milanesi (2003) oferece esta base. equivale a toda cidade. com uma identidade visual sólida. é a característica que permite a identificação e admiração de um objeto. Um cenário vivo e de integração social. Devem-se conhecer os índices de escolaridade do local para traçar estratégias quanto ao programa. Dentre estes fatores. ampliando-se possivelmente para os municípios circunvizinhos. considerando que Caruaru não dispõe de nenhum equipamento deste tipo. relatando ao longo de seu livro quais os fatores essenciais para elaboração de um bom centro cultural. Assim. distinguindo dentre eles os interesses secundários ou pessoais. proporcionando atividades culturais e de lazer variadas. Neste desenvolvimento. 1997) Tendo analisado aspectos gerais. se a cidade apresentar um elevado índice de analfabetismo. começaremos com o índice de analfabetismo do município. uma das qualidades da forma. Para tal. sendo o contraste com o entorno um dos elementos que conferem esta qualidade de singularidade. Ainda em um contexto amplo da percepção humana. é importante passar para um plano específico.PE 22 Analisando estas considerações. a . conclui-se que o público a quem se destina o complexo cultural em questão. no campo das cidades. Assim sendo. poderá exercer um papel social. 5ª Consideração: Quais os aspectos fundamentais para elaboração de um Centro de Cultura? Durante o processo de desenvolvimento projetual. (LYNCH. Partindo de um plano geral. deve-se pensar em um complexo que atenda as necessidades das diversas faixas etárias. observando fatores diretamente relacionados com os centros culturais. oferecendo a base para elaboração de novos símbolos e crenças sociais. é necessário saber o que é crucial dentre tantos questionamentos levantados ao longo do processo. Lynch (1997) considera que a singularidade.

PE 23 estratégia não será a implantação de ambientes de leitura. Em paralelo aos aspectos relatados anteriormente. O perfil físico deste projeto do Complexo Cultural em Caruaru foi projetado para atender a demanda do público a quem se destina. mas sem ambientes que promovam o entendimento a partir de outros sentidos.39% de pessoas analfabetas com 25 anos ou mais em 2000. este perfil será resultante da demanda existe no local. atrativos com acervo amplo de diferentes meios comunicativos. 2000). este deverá suprir as necessidades da mesma. sendo o município que apresenta a menor taxa de analfabetismo da Região Agreste e 12ª menor de Pernambuco (ATLAS DE DESENVOLVIMENTO HUMANO. Estes elementos estão diretamente ligados aos “três verbos” que o autor defende como necessários para qualquer equipamento cultural: informar. sempre que possível. ou seja. Neste sentido. através de questionários. ele foi pensado a partir de um programa diversificado para atender várias faixas etárias. atividades que supram estes desejos. o autor defende ainda que: Um arquiteto ao planejar um centro de Cultura. observamos um o município tem investido no setor de educação. o qual deverá apresentar estratégias para este público. Relacionando este aspecto com o município de Caruaru. a exemplo dos audiovisuais. as áreas como biblioteca. por exemplo. com atividades que visem à reintegração social. deve levar em consideração os três elementos essenciais: área de acesso ao conhecimento. o perfil físico do centro é o reflexo direto do perfil dos usuários potenciais do centro. observamos que a taxa de analfabetismo é relativamente baixa. espaços para a convivência e discussão. de todo município. Então. quanto do saber. expondo . e que existe um público alvo potencialmente grande para usufruto do futuro complexo cultural. cinema e teatro são necessárias no campo de informar. se o centro se localizar próximo a uma comunidade. ou seja.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . ou seja. Analisando estes dados. setor de oficinas e laboratórios. Assim sendo. oferecer além dos serviços básicos. com o percentual de 25. tanto no campo do entretenimento. Outro aspecto diz respeito ao perfil físico do centro cultural. Foi necessário analisar também os anseios dos moradores locais. Deste modo. discutir e criar. inserindo.

após proporcionar às população as informações necessárias e ambientes para discussões e debates. Sendo assim. Por exemplo. atendendo a demandas específicas da cidade. dispondo de alguns centros culturais.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Ainda direcionando esta escolha. Por outro lado. por sua vez. Entre os aspectos que direcionam a escolha. a exemplo de bares e restaurantes. se faz necessário para reformulações do conhecimento através da interação social em ambientes descontraídos. segundo Milanesi (2003). a fim de ser propor uma solução condizente com os objetivos do projeto e que gere o fluxo desejado. a exemplo de salas de aula para realização de oficinas. o segundo aspecto seria a análise quantitativa de habitantes e centros culturais que o município apresenta. o centro de cultura deverá ser construído em um local de fácil acesso à todos. se o objetivo de uma determinada biblioteca for atender a demanda de uma comunidade carente. deverá ser elaborado um centro cultural que atenda a demanda de cidade como um todo. podem-se distribuir novos centros em localidades que sejam distante dos centros existentes. Milanesi (2003) defende que o primeiro deles deriva da seguinte pergunta: a quem se destina? A resposta deverá oferecer subsídios que justificará a escolha do local. 6ª Consideração: Onde construir os Centros de Cultura? A escolha do terreno é um passo importante e deve ser bem analisado segundo os diversos aspectos que norteiam esta escolha. onde na maioria dos casos equivale ao centro da cidade. o seu programa será reduzido e direcionado a atividades mais urgentes desta localidade. Neste caso. com atividades diversas e um programa mais extenso e abrangente. Por fim. a mesma deverá ser construída o mais próximo possível desta comunidade. para atender o município.PE 24 às pessoas o existente já produzido pela humanidade. criando e recriando seu espaço físico constantemente. se o município não oferecer um centro cultural significativo. se faz necessário um ambiente onde as pessoas possam colocar em prática o aprendizado. que necessita de um centro cultural de grande porte que . O discutir. Se o município apresentar um número significativo de habitantes. Este segundo caso se aplica a cidade de Caruaru. podemos dizer que.

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . consequentemente. os fatores de continuidade e visibilidade são cruciais. sempre que possível. apresenta dimensões consideráveis para atender o programa abrangente de lazer e cultura e está delimitado por locais de junção ou interrupção de tráfego. mais fluidez e flexibilidade terá a implantação. com possibilidade de grandes áreas de lazer e convívio público. no mínimo. a própria edificação e suas áreas préestabelecidas. a fim de ser facilmente percebido. exigindo grande atenção dos observadores. Os locais de junção ou interrupção de fluxo de trânsito são pontos nodais. se tornar subutilizada. . respeitando as devidas proporções. aos municípios circunvizinhos. Em relação à imagem do local. estendendo-se. O primeiro deve obrigatoriamente comportar. 1997) Percebemos então que o terreno escolhido para comportar o complexo cultural em Caruaru está em conformidade com os parâmetros descritos acima. prestando atenção para esta área não ser superdimensionada e. os quais passam a ser percebidos com uma clareza incomum. o qual está situado no centro da cidade para facilitar o acesso a toda cidade. Quanto maiores as dimensões.PE 25 atenda a demanda dos moradores locais. (LYNCH. Este fato confere uma importância especial aos equipamentos situados em pontos conflitantes de fluxo de trânsito. Outro aspecto diz respeito às dimensões e imagem da área.

Dentre os aspectos que guiaram a escolha dos projetos. Leonardo Oba e Guilherme Zamoner. apresentando restrição de dados.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru .PE 6 | ESTUDOS DE CASO Para a escolha dos exemplares que serviram de estudo de caso. do escritório nova-iorquino. vencedor do concurso. Vale salientar que. foi elaborado a partir de observações e análise das representações técnicas e das perspectivas eletrônicas. partiu-se da premissa que os aspectos projetuais destes deveriam se equiparar com os objetivos gerais e específicos estabelecidos por este projeto de pesquisa. de Zaha Hadid. e um referencial local: o Centro de Convenções de Pernambuco (CECON). ocorreu através de uma pesquisa in locu. salientando que não foi possível ter acesso aos desenhos técnicos desta edificação. Buscando atender alguma destas características e para obtenção de dados mais diversificados. e o Museu e Centro Cultural de Zaha Hadid. Diller Scofidio + Renfro. com registro fotográfico. de impacto visual em seu entorno. para coleta e análise dos dados necessários. em Vilnius . 26 . portanto. um referencial nacional: o Museu da Imagem e Som. foram escolhidos dois referenciais internacionais: o Pavilhão de Jean Nouvel. com previsão de conclusão para 2012. uso de materiais inovadores e tecnológicos. dos arquitetos modernistas Joel Ramalho. obtidas através de contato eletrônico realizado com o escritório da arquiteta e. Já o estudo de caso do projeto do museu e centro cultural em Vilnius. analisando o espaço e funcionamento arquitetônico diretamente. e/ou programa flexível e diversificado de cultura e lazer. os estudos de caso do Pavilhão de Londres e do Museu da imagem e som do Rio de Janeiro tiveram como base de pesquisa a Revista Projeto. em Londres – 2010. o estudo de caso do Centro de Convenções de Pernambuco.2009. Por fim. vencedores do concurso nacional e construído em 1978. pode-se citar a opção por um partido arquitetônico de volumetria arrojada. no Rio de Janeiro. a exemplo da não obtenção de dados a respeito dos materiais empregados.

2011). . Leonardo Oba e Guilherme Zamoner. 2011. Construída em concreto aparente e de concepção modernista. por apresentar similaridades de uso com o complexo cultural proposto. constituindo um Figura 07. Autoria: acervo pessoal. e é sede de importantes e diversos eventos. Recife/Olinda A realização de um estudo local e in locu se fez necessária para entender o funcionamento deste tipo de equipamento na prática. 2011. Autoria: acervo pessoal. Autoria: acervo pessoal. o centro apresenta uma boa iluminação obtida através de clarabóias. Autoria: acervo pessoal.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . rasgos na coberta e grandes panos de vidro em sua fachada. além da presença de reentrâncias e saliências. Além destes aspectos. Buscou-se também inserir o plano regional no estudo para melhor entendimento da realidade do Estado. Assim. nome pelo qual o estado era conhecido.PE 27 1ª Análise: Centro de Convenções. quanto áreas para feiras e exposições. Vista interna do lounge central. O projeto explorou também plasticamente a utilização do concreto através de balanços e superfícies curvas. localizado entre Recife e Olinda. 2011. excelente exemplar para analise. sendo o maior do Nordeste e o terceiro maior do País (CECON. o equipamento escolhido e em que se realizou o estudo de caso local foi o Centro de Convenções. além de ser um centro de grande porte. Vista interna teatro principal. Vista da fachada frontal de um dos blocos. o centro de convenções foi desenvolvido por os arquitetos Joel Ramalho. 2011. Figura 10. oferecendo tanto áreas de palestras e aulas. nacional de 1976. Sua resolução volumétrica revela um aspecto interessante referente ao partido arquitetônico dos arquitetos: os dois blocos foram elaborados na forma de duas patas de leão fazem alusão ao Leão do Norte. Vista da clarabóia. Figura 09. vencedores do concurso Figura 08.

os quais convergem em um grande lounge central. sendo estes acessados apenas por escadarias. a fim de substituir as antigas sedes construídas em 1965 e localizadas no centro da cidade e na Lapa. . O espaço destinado às feiras apresenta uma solução arquitetônica interessante. proporcionando visibilidade de todo o evento. dois teatros. o qual se dá através de um grande corredor central que passa acima do espaço em questão. Rio de Janeiro O projeto do escritório nova-iorquino Diller Scofidio + Renfro para o Museu da Imagem e do Som (MIS) no Rio de Janeiro foi escolhido através de um concurso elaborado pela prefeitura do Estado e pela Fundação Roberto Marinho. alertando que a demanda de uso para este ambiente é reduzida e não deve. aspecto este desejado e aplicado no anteprojeto do complexo cultural. além de abrigar o Museu Carmem Miranda. Os únicos ambientes acessíveis de um modo geral são o lounge. os ambientes que se situam junto a ele e as salas de convenções. dispor de muitas opções. uma recepção. o fluxo é distribuído para os demais ambientes do equipamento. O Centro de convenções apresenta ainda. área essa que foi construído posteriormente. que se encontra no mesmo nível do primeiro. praça de alimentação e várias galerias. teatros e espaço para feiras. 2011). que diz respeito ao seu acesso pelo pavimento superior. equivale à falta de acessibilidade à portadores de deficiências físicas aos principais ambientes do equipamento: auditórios.PE 28 Em relação à disposição espacial. 2ª Análise: Museu da Imagem e do Som. Através do lounge. além de oferecer uma grande área de 26 mil m² destinada à feiras e exposições em geral. acessado através de rampas. portanto. com a reforma do centro de convenções (CECON. Outro problema observado.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . situado atualmente no bairro do Flamengo. no lounge central. Um dos aspectos negativos observados neste projeto consta na grande quantidade de galerias criadas: nota-se que a quase sua totalidade se encontra fechada. o centro conta com dois acessos principais rampados. dois auditórios com capacidade para comportar mais de seis mil pessoas sentadas. embora acessado por escadas. O centro dispõe de 22 salas de convenções. sendo possivelmente o de maior gravidade.

com cabine de projeção. Vista externa do futuro Museu da Imagem e Som. Para tal.br Autoria: não informado.br Autoria: não informado. O partido arquitetônico adotado pelo projeto vencedor teve concepção oposta ao pavilhão de Jean Nouvel: a idéia do escritório norte-americano foi proporcionar uma relação de interação e equilíbrio com Figura 13. A facilidade do acesso se dá por sua localização ser. referente à Copacabana. dobrado várias vezes e posto em plano vertical. demonstrando a racionalidade da construção.arcoweb. Fonte: http://www. a qual apresenta guarda-corpo em vidro. Esta estratégia de localização apresenta dois pontos primordiais: a facilidade de acesso e uma vista privilegiada. Vista do anfiteatro aberto no último pavimento. sendo aberta para contato direto com o exterior. Fonte: http://www. 2011 apresentando o fechamento da fachada frontal em vidro e chapas metálicas perfuradas.com.arcoweb. os quais promovem certa permeabilidade e grandes rampas irregulares e assimétricas externamente. assim como para turistas brasileiros e estrangeiros. 2011 seu entorno. em um ponto estratégico da cidade: na Figura 11.Acesso: maio. . referente à vista privilegiada. Fonte: http://www. com rampa na fachada.Acesso: maio. 2011 Avenida Atlântica. Vista externa da fachada posterior do MIS. foram criados na fachada frontal grandes panos de vidro. numa das principais vias do Rio de Janeiro e no bairro de grande demanda turística.Acesso: maio. da vista diz respeito ao lote situar-se frente ao mar. A inspiração para tal partido foi defendido pelos arquitetos norteamericanos como alusão aos calçadões de Copacabana.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . permitindo a visualização desta paisagem natural até mesmo no interior do equipamento. promovendo um ponto de encontro para os moradores locais. Já o segundo aspecto.br Autoria: não informada.com.arcoweb.PE 29 A proposta do concurso tinha por objetivo a elaboração de um centro de cultura da identidade carioca.com. Figura 12. como já dito anteriormente. principal Avenida de Copacabana. Condizente com o objetivo proposto foi sua localização.

além de restaurante panorâmico. bem como a presença das tecnologias necessárias para tal ocorrência. galeria externa. auditório para 300 pessoas. terraços. A terceira característica observada foi a divisão interna da biblioteca. a propagação do som para o exterior do equipamento. fator este que contém. que proporciona a organização geral do equipamento. resultando em um equipamento multiuso com ambientes flexíveis. nos deparamos com um fato interessante: este é o primeiro museu áudio-visual brasileiro. O quarto aspecto diz respeito ao restaurante situado no penúltimo pavimento apresentando vista panorâmica. o acervo áudio-visual foi adquirido através de doações de coleções particulares e a partir de produções próprias do MIS. Dentro destes temas. todas disponíveis para consulta. o programa foi dividido em temas a fim de representar o contexto carioca geral.PE 30 Passando para a análise espacial. A partir da análise dos ambientes e da interação entre eles. os ambientes foram dispostos ao longo dos sete pavimentos do edifício. O programa apresenta áreas de exposições fixas do acervo. já que a cidade é conhecida por sua diversidade de ritmos musicais. O primeiro diz respeito à boate e o auditório estarem locados no subsolo. e o modo de vida. O quinto e . nos quais o acesso se dá através de escadas e de elevadores. bem como a facilidade de localização e identificação dos ambientes por parte do observador. Deste modo. as quais conferem razão de existência aos centros culturais contemporâneos. de certo modo. O segundo aspecto é relativo à divisão do programa em temas. Em relação às exposições fixas. seu programa reflete a inserção da percepção auditiva nestes espaços. Este dado revela a preocupação de alguns estados brasileiros em se adaptar para atender as demandas de uso da sociedade atual de diversidade programática e insersão de novas formas de exposições além da visual. ao debate e interação e ainda salas reservadas para estudos. a qual apresenta áreas separadas destinadas à leituras em silêncio. pode-se citar cinco fatores principais. Como pontos positivos. boate e bar. piano-bar e mirante. o que proporciona uma vista privilegiada da paisagem externa. este no último pavimento. Para atender estas novas necessidades de uso. a música. entre eles: o humor. observou-se alguns pontos positivos e negativos na proposta. conferindo boa visualização da paisagem circundante.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . sendo assim acessível à portadores de deficiência. onde foi inserido o acervo de Carmem Miranda.

foi pensada em estrutura metálica. capital da Lituânia. Foram eles: as dimensões reduzidas da boate e da galeria. é uma cidade bastante influente em seu panorama no que se refere ao aspecto cultural. Quanto aos materiais utilizados. servindo de . o projeto Desenvolvido pela arquiteta Zaha Hadid para o museu e centro cultural em Vilnius teve como intuído refletir as modificações das manifestações culturais do local. 2011). Diante deste cenário de importância cultural e turística da cidade. 3ª Análise: Museu e Centro Cultural. apesar de apresentar uma rampa irregular na fachada. foi considerada a Capital Européia da Cultura. sendo inclusa na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO em 1994 por apresentar um vasto número de exemplares arquitetônicos do estilo gótico. sendo a última constituída de uma única loja. áreas estas que apresentam um fluxo intenso entre elas e deveriam ser próximas.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . a forma assimétrica do volume não foi bem aproveitada internamente. gerando diversos espaços residuais. renascentista. sem apresentar atrativos que estimulassem a criatividade dos usuários. o restante da obra tem concepção racional amplamente utilizada no Brasil: o concreto armado para o sistema estrutural do equipamento e laje nervurada para possibilitar grandes vãos livres. em 2009. destinado principalmente a um público mais jovem. A rampa. Quanto aos aspectos negativos. o espaço multimeios é um espaço estreito e fechado. e por fim as salas de aula são distantes da biblioteca. auxiliando na concepção irregular deste elemento. por sua vez. gerando um ambiente diferenciado em sua demanda de uso. barroco e edifícios clássicos.PE 31 último aspecto equivale ao anfiteatro aberto com projeções no último pavimento do edifício. a qual permite grandes balanços e fluidez das formas. foram observados quatro pontos considerados principais. Este aspecto revela uma preocupação com a apropriação do lugar com o equipamento. compondo um importante cenário turístico para a cidade (VILNIUS. por se tratar de uma releitura de um espaço já consolidado na cultura carioca: a utilização da laje. os quais sobressaem em relação à gravidade de uso. Vilnius Vilnius. bem como por manter seu traçado medieval e ambiente natural e. observa-se que.

2009). Fonte: http://www. Figura 14. Fonte: http://www. Vista externa do equipamento. 2011 Lobby central.com Autoria: Zaha Hadid Architects. Acesso: junho. 2011 dos depósitos para estocagem dos materiais expostos e das salas técnicas de controle.zaha-hadid. transmitindo a sensação que o equipamento flutua sobre o chão. Vista interna . Acesso: junho. a partir do uso de reentrâncias e saliências entre pavimentos. Vista externa do equipamento.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . O acesso ao equipamento.PE 32 referência para o desenvolvimento da futura linguagem arquitetônica da cidade. no subsolo foram locados os ambientes relacionados ao setor de serviços. fluidez e leveza. 2011 . A idéia da arquiteta era que as pessoas pudessem experimentar a complexidade espacial e o movimento (ZAHA. observa-se no geral uma articulação bem elaborada entre eles. constituída por escadas e elevadores em ambas as extremidades do complexo. O equipamento em questão constitui mais um exemplar do partido arquitetônico que define a concepção volumétrica da arquiteta de características conceituais de velocidade. a exemplo Figura 15. a qual apresenta um bom dimensionamento.com Autoria: Zaha Hadid Architects.zaha-hadid. proposta também desejada para o desenvolvimento do anteprojeto do complexo cultural em Caruaru. o qual se interliga diretamente com os auditórios.exposições. 2011 No que se refere à disposição espacial dos ambientes. Ainda no Lobby.com Autoria: Zaha Hadid Architects. além de dispor de circulações verticais que dão acesso aos demais pavimentos superiores. com extensos balanços e vista panorâmica.zaha-hadid. Fonte: http://www. Vista externa do Museu e Centro Cultura Vilnius e sua implantação. Figura 17. Assim sendo. facilitando o ingresso da população conforme a direção em que o mesmo se encontrar. se dá através de três das quatro fachadas do projeto.zaha-hadid.com Autoria: Zaha Hadid Architects. as áreas de exposições e a galeria de lojas. se encontram dois balcões de recepção. por sua vez. de formas sinuosas e com extensos balanços. Estas três entradas dão acesso a um grande Figura 16. Acesso: junho. todos dispostos no térreo do edifício. Acesso: junho. Fonte: http://www.

sendo assim uma construção de caráter temporário. quando se deseja que a área infantil esteja no espaço interno da área de consulta geral. permitindo que os pais observem e controlem seus filhos. abordando novas tecnologias de design digital e métodos de fabricação. pois esta é uma das áreas que geram as maiores demandas de uso. Por fim.PE 33 Em relação às áreas de exposições temporárias. ocasionalmente. nas extremidades opostas da edificação. A localização do setor administrativo no último pavimento é favorável. possuindo ligação com o subsolo. o último pavimento favorece sua localização à medida que oferece uma vista privilegiada do entorno. áreas para consulta geral e infantil. A área de consulta geral apresenta ainda um subdimensionamento em relação ao equipamento como um todo.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . . 2ª Análise: Pavilhão. os quais tornam possível transferir as curvas características da arquiteta. pode-se constatar um ponto negativo da disposição espacial em relação às áreas de consulta: as duas áreas específicas de consulta foram dispostas uma em cada extremidade do equipamento. Londres O Pavilhão de Londres é um projeto desenvolvido pela Serpentine Gallery. foram dispostas áreas destinadas às exposições fixas. a única informação obtida através de contato com o escritório foi que os materiais fazem parte de uma pesquisa inovadora dentro do escritório. Já no segundo pavimento. para o público externo. Assim também para o restaurante. do papel para a construção (ZAHA. a qual todo ano convida um arquiteto de renome para projetar um pavilhão de aproximadamente 500m² no Hide Park. 2009). uma vez que este setor apresenta uma demanda de uso específico para os funcionários e. Quanto aos materiais empregados. o centro de mídia e o café integrado ao bar com vista panorâmica. observa-se uma boa resolução para a problemática de transporte dos materiais expostos: dois elevadores de carga/descarga foram locados no interior destas áreas. pavimento este que dispõe de áreas destinadas ao carregamento e estocagem do acervo. o último pavimento apresenta apenas o setor administrativo e o restaurante panorâmico. Neste pavimento.

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru .arcoweb.000 visitantes. 2011 para elaboração do estudo de caso. escolhido Figura 18. próximo ao Hyde Park. Vista interna do Pavilhão. na cor vermelha.br Autoria: John Offenbach e Philippe Ruault Acesso: maio. Figura 20. Vista da fachada frontal do Pavilhão. Fonte: http://www. a exemplo dos ônibus e cabines telefones presentes em Londres. foi desenvolvido por Jean Nouvel e apresenta uma concepção volumétrica conforme a desejada para o projeto que será desenvolvido.arcoweb.com. com entrada gratuita (Serpentine Galery. O projeto de 2010 (ver fig. de coberta em toldos retráteis. mais de 800. 2011). Atrai.com. Para tal. criando uma sinfonia visual que controla o grau de intimidade de cada ambiente através da passagem de luz. reflexivas e opacas. o emprego desta cor em todo o equipamento. e é destinada à exposição de arte moderna e contemporânea. O 10º pavilhão do programa Serpentine Summer Pavilion teve como partido separação do equipamento Figura 19. Vista da fachada posterior do Pavilhão. Jean Nouvel elaborou um projeto monocromático. Fonte: http://www. Estas camadas foram divididas do seguinte modo: a . 18. sendo considerado por alguns como um ambiente exaustante que causa inquietação aos olhos. 2011 com o parque.PE A Serpentine Gallery está localizada 34 no Kensington Gardens. bem como no mobiliário utilizado gerou controvérsias de opiniões.br Autoria: John Offenbach e Philippe Ruault Acesso: maio.com. A composição do pavilhão se baseia em diferentes materiais com superfícies que variam entre transparentes. sua utilização se dá através de três camadas: no passo que o visitante vai utilizando as camadas. despertando interesse nos transeuntes. 19 e 20). a fim de criar uma atmosfera única para o pavilhão. 2011 Todavia. No referente à disposição interna. translúcidas. por ano. vai adentrando no equipamento e se familiarizando com o mesmo.arcoweb.br Autoria: John Offenbach e Philippe Ruault Acesso: maio. Fonte: http://www. defendendo o uso desta cor como necessária para alcançar o intuito desejado de contraste com seu entorno imediato. com assentos semienterrados para jogos. além de ser uma cor recorrente na cidade.

explorando o grau de permeabilidade da luz e criando um equilíbrio visual através de diferentes texturas. sobretudo da cor. o arquiteto explorou bem as potencialidades dos mesmos. equivale à área destinada ao pingue-pongue e ao piquenique que ficam ao ar livre. Quanto aos materiais. ele apresenta características diferenciadas em relação à concepção de projeto. mais interna. onde está localizado o programa multiuso: durante o dia funciona como café. 2010). por sua vez mais interna. tirando o máximo proveito da área inicial disponível para a elaboração do projeto. constituindo a área mais íntima do pavilhão. apresenta uma ampla flexibilidade de uso e uma dinâmica espacial bem elaborada através de camadas. o seu programa. seu partido arquitetônico.PE 35 primeira. que Nouvel define como ‘uns enormes óculos de sol’ (NOUVEL. foi utilizado de maneira inovadora. Apesar de ter sido uma característica intencional do arquiteto a fim de provocar curiosidade da população. criando uma estrutura de grande impacto visual. Em segundo lugar. Na última camada.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . apresentando como diferenciais os toldos retráteis. com mesas de xadrez e gamão. Embora este projeto escolhido tenha caráter temporário e apresente um programa curto se comparado a um complexo cultural. 2010 apud REVISTA PROJETO. transformando-se à noite em auditório para comportar as Parks Nights. embora bastante difundidos no mercado. seus materiais construtivos. o exagero pode comprometer o uso do equipamento à medida que causa um desconforto físico e visual . se apresenta de forma arrojada e impactante em sua paisagem. um aspecto negativo que se observou neste projeto foi o exagero. evento de verão que promove palestras. foi coberta por toldos e cortinados retráteis. foram locados assentos semi-enterrados. a luz vermelha através dos toldos penetra em todo espaço interno. e a parede inclinada com 12 metros de balanço em policarbonato alveolar. mais externa. A segunda. Nesta área. apesar de restrito. Primeiramente. Por fim. concertos e exibições diversas. Além dos aspectos positivos descritos acima. que permitem o controle da passagem de luz de acordo com o horário do dia. de grande liberdade de expressão. onde não se tem mais lembrança de estar no parque. pontuados por objetos vermelhos espalhados sobre o gramado.

inacessíveis à deficientes físicos à está área. e outra pontuando as potencialidades e problemáticas dos projetos (ver tabela 02). É importante ressaltar que o estudo de caso do centro cultural de Pernambuco não foi incluso na primeira tabela. Outra problemática observada diz respeitos às mesas de jogos situadas no semi-enterrado. deste modo. buscou-se empregar materiais e formas de maneira diferenciada. tornando-as. 5ª Análise: Resumo dos Dados Após descrição dos quatro estudos de caso selecionados. bem como suas respectivas dimensões. as quais também serviram de base para o a definição do programa e pré-dimensionamento do complexo cultural que será desenvolvido (ver tabela 01). Deste modo. consequentemente. alguns dos princípios utilizados no mesmo foram aplicados no anteprojeto do complexo cultural de Caruaru. às dimensões dos ambientes.PE 36 nas pessoas. além de elaborar ambientes flexíveis e multifuncionais. pois não foi possível ter acesso às plantas e. . Após refletir sobre este equipamento. se fez necessário a realização de duas tabelas sucintas.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . gerando grande impacto visual. resumindo de uma forma geral os dados observados dividindo em duas análises distintas: uma relatando o programa geral destas edificações.

Fonte: acervo pessoal. Dados baseados na revista PROJETODESIGN. Problemas e Potencialidades dos estudos de caso. 2011. 37 . 2011 e 2010 e no escritório Zaha Hadid Architects. 2011. Fonte: acervo pessoal.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru .PE Tabela 01. Tabela 02. Programa e dimensões dos estudos de caso. 2009.

Diante deste fato. definitiva. bem como a confirmação de outros.” (GADAMER. foram levados em consideração os seguintes fatores: atender a demanda de públicos com diferentes faixas etárias. Conforme Gadamer afirma (GADAMER.PE 38 7 | PROGRAMA E PRÉ-DIMENSIONAMENTO Para a delimitação do programa. além de ser construído em um local específico.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . sendo adequado para esta pesquisa. marcante. elaborou-se um questionário. 1996 apud MALARD.) Programa e sítio são os dois componentes essenciais da Arquitetura. apresentando sua própria identidade física. acrescentou-se alguns ambientes que não estavam previstos na primeira elaboração do programa geral.. Observando o sítio. suas dimensões foram elaboradas respeitando os estudos de caso realizados.. encontraremos a inserção adequada. o qual por sua vez é fruto de uma demanda social. buscando levantar os desejos dos moradores de Caruaru. dos anseios dos moradores de Caruaru enquanto dimensão programática. e o contexto espacial em que se insere. 2006). e respeitar o fator humano com ambientes que promovam interações sociais. Assim o edifício deve atender a um propósito. que relaciona o dimensionamento os ambientes com a quantidade de habitantes do município. 1996 apud MALARD. Se dermos a devida atenção ao programa. enquanto programa. Tendo esta importância da apropriação do espaço pelos moradores locais em mente. as áreas tiveram que ser ajustadas para se . relatado no item a seguir. já que a mesma tem por objetivo atender a demanda dos moradores de Caruaru. a concepção deste projeto teve como princípio a contemplação regional. chegaremos ao usuário. decorrente da análise dos estudos de caso. Como resultado. oferecer diversas opções de atividades de cultura e lazer. “(. o plano diretor de Caruaru e as diretrizes traçadas por Milanesi (2003). Durante a execução do anteprojeto. o qual foi aplicado com públicos diversos. 2006). É importante ressaltar ainda que a apropriação do equipamento por parte da população consiste em um dos aspectos relevantes para se refletir. Em relação ao pré-dimensionamento destas áreas estabelecidas. um edifício é determinado por dois fatores: o contexto cultural.

dimensionamento. Programa e Pré .ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . ganhando dimensões variadas das préestabelecidas. O resultado destes dados pode ser observado conforme tabela a seguir: Tabela 03. . Fonte: acervo pessoal. 2011.PE 39 adequar ao traçado irregular da edificação.

Fonte: acervo pessoal. pois como o objetivo deste projeto foi contemplar o público-alvo do complexo cultural de Caruaru. Resultado do Questionário 120 110 97 100 80 73 64 60 60 55 48 30 40 20 0 Biblioteca Teatro Exposições Boate/Bar Show Parques Esportes Restaurante Gráfico 01. O resultado observado confirmou a necessidade da cidade por equipamentos de lazer e. Resultado do Questionário. por ser um índice insatisfatório em relação ao número total de questionários realizados. como os parques e espaço para prática de esportes. considerando ainda que os programas que foram citados menos de cinco vezes não foram inclusos no resultado geral. Os ambientes citados nos questionários confirmam ainda o programa que tinha derivado da análise dos estudos de caso. suprindo as necessidades variadas.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . 2011. a fim de atingir uma grande diversidade de público dos moradores de Caruaru. além de inserir outros ambientes de desejo da cidade no programa elaborado. notoriamente. . bem como os anseios dos mesmos por atividades não encontradas na cidade. por equipamentos culturais.PE 40 8 | QUESTIONÁRIO Sua aplicação se fez necessária. Deste modo. o questionário possibilitou o levantamento do perfil dos moradores de Caruaru. no qual resultado por ser observado no gráfico abaixo. Cada pessoa que respondeu o questionário pôde escolher várias opções de lazer e de cultura que gostaria que Caruaru oferecesse. ou seja. O questionário foi aplicado com 130 pessoas em uma amostragem variada de faixas etárias e classes sociais. os moradores locais enquanto demanda programática para gerar uso ao equipamento.

moderado e ocasional. considerando ainda a divisão do fluxo entre ambientes em: intenso. . pois forneceu dados necessários para entender seu funcionamento. bem como dimensionado das circulações a partir do fluxo observado.PE 41 9 | ORGANOFLUXOGRAMA O organofluxograma equivale a um esquema gráfico de organização dos ambientes do projeto. Organofluxograma do Complexo Cultural. 2011.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Deste modo. Consistiu em uma etapa essencial para o desenvolvimento do anteprojeto. auxiliando na implantação dos ambientes no terreno. o organofluxograma desta pesquisa foi dividido conforme setores estabelecidos anteriormente no programa. Fonte: acervo pessoal. Gráfico 02. com o intuito de identificar as áreas que apresentam ligação de uso. demonstrando também a intensidade do fluxo entre elas.

concentrando diversas modalidades das atividades culturais e de lazer em um grande centro (ver fig. Adaptado de: Prefeitura de Caruaru. Celton Capelo e Belmiro Pereira.000m². A quadra escolhida se situa ainda ao lado do Pátio de Eventos de Caruaru. preferencialmente. outro fator preponderante diz respeito às dimensões do lote. lote de esquina a fim de proporcionar um contexto visual único. reunindo ainda um grande fluxo de pessoas graças a este uso comercial está consolidado nesta área. Manoel Surubim. Estas características tornam a escolha democrática. O lote em questão equivale. sendo de tal modo adequado segundo os dois aspectos relatados anteriormente.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . além de ser. considerando seu comércio variado. foi selecionado o lote localizado entre as ruas: Capitão Nilton Prado. 2011. uma vez que todas as classes sociais têm fácil acesso a esta área escolhida. fazendo limite com o centro da cidade (ver fig. . na verdade. Por apresentar um programa extenso com ambientes que demandam grandes espaços internos. a qual é delimitada por quatro esquinas. o terreno necessitava apresentar grandes dimensões para comportar tal complexo. a uma quadra de aproximadamente 23.PE 42 10 | ANÁLISES DO TERRENO 1ª Análise: Escolha do Terreno A escolha do terreno que comportou o projeto do complexo cultural teve como critérios de escolha sua proximidade com o centro da Cidade – Bairro Nossa Senhora das Dores – uma vez que consiste em um lugar que reúne classes sociais diversas. de grande clareza e interesse social. Diante destas premissas. Além deste fato. Figuras 21. no Bairro Maurício de Nassau. como defendido por Lynch (1997). 21). Mapa dos bairros. Secretaria de obras. 22). e em frente à Estação Ferroviária de Caruaru.

com 460m² aproximadamente. se encontra ocupado em . conforme mostra o esquema abaixo: Figura 23. Condicionantes Físicos. 2ª Análise: Condicionantes Físico-ambientais Grande parte deste terreno pertence atualmente à empresa do ramo de supermercados Bonanza. estas representam uma porcentagem pequena do terreno total.070m² (área relativa ao local em que o galpão está inserido).470m². e foi demolida para dar lugar ao equipamento do novo complexo cultural. 1. uma clínica particular que se encontra fechada e à venda.760m². 2011. 2011. Localização do Terreno. Fonte: acervo pessoal. o qual já oferece grandes áreas livres. Fonte: acervo pessoal. e por último. Foto aérea: Google Earth. Além disto.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . por se tratar do ponto inicial do surgimento da cidade. O restante da área é ocupado por edificações comerciais.PE 43 Figuras 22. 9. uma área de estacionamento privado do Grupo Bonanza com aprox. com aproximadamente 10. Foto aérea: Google Earth. encontram-se distribuídos um grande galpão de estoque do supermercado. 2011. Ao longo de sua extensa superfície plana. 2011. Apesar de apresentar de edificações construídas. o centro. alguns edifícios comerciais que ocupam uma área de aprox.

Grande parte destas árvores se encontra na face oeste do terreno. Quanto à análise dos condicionantes ambientais. a interna. Foto aérea: Google Earth. 2011. 2011. pode ser observado a seguir um esquema gráfico com esta análise de modo geral. possibilitando uma maior liberdade na distribuição espacial interna.PE 44 quase sua totalidade. o terreno escolhido já dispõe de rede elétrica. Apenas uma das árvores foi removida. Em relação à vegetação. Assim sendo. Figura 24. coleta de lixo e rede de água e esgoto. as árvores foram mantidas ao longo do terreno e acrescentadas outras nas fachadas que não dispõe de vegetação (Ruas Capitão Nilton Prado e Manoel surubim). Deste modo. Fonte: acervo pessoal. . devido a estar situado em uma área bastante habitada e densa. sendo os terrenos que ainda estão vazios pequenos e dispersos entre edificações de usos variados. observam-se a presença de algumas árvores no terreno. elementos estes necessários para a adequação do projeto do complexo cultural aos condicionantes naturais. Condicionantes Ambientais. devido à ocupação pelo equipamento construído. possibilitando um bom funcionamento do mesmo. de grande importância para o local. proporcionando uma barreira natural quanto à insolação poente sendo. todas ao longo do perímetro e apenas uma em sua área interna. Quanto à infra-estrutura.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . é importante verificar as condições climáticas e os obstáculos naturais presentes no terreno. dispensando o processo de solicitação e ampliação da rede dos serviços básicos. portanto.

. como também procurando facilitar a passagem dos ventos. 25). Este último fator revela um aspecto interessante para o projeto. uma vez que o intuito do mesmo seria criar um grande centro cultural abrangendo o futuro complexo cultural. observamos que a maior face do terreno está voltada para o Leste.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . predominantes em diferentes períodos do ano. criando barreiras contra a insolação direta. Deste modo. o pátio de eventos de Caruaru e a estação ferroviária. o desenvolvimento do projeto deverá ser elaborado de modo a minimizar tais problemas. ao longo do terreno. Zonas da Cidade. até a face oeste. uma vez que a inserção de um equipamento arquitetônico no contexto urbano deve respeitar os parâmetros e diretrizes estabelecidas por cada município. Secretaria de obras. Fonte: Prefeitura de Caruaru. sendo que os dois últimos já são reconhecidos pelo caráter cultural da área.PE 45 Passando para a análise da insolação e da predominância dos ventos. A face Oeste. por sua vez. observa-se que o terreno escolhido está localizado entre duas zonas: a “zona residencial 3” e o “eixo de atividades múltiplas”. é a segunda maior face do terreno e apresenta desvantagens evidentes: dificuldades na ventilação e insolação poente. Considerando estas desvantagens. 2011. fator este que proporcionará a insolação nascente em uma boa parte do futuro equipamento. além de fazer limite com a “zona de proteção cultural 1” (ver fig. bem como a presença dos ventos Sudeste e Nordestes. Figuras 25. 3ª Análise: Condicionantes Legais A análise dos aspectos legais constitui uma etapa obrigatória. facilitando a inserção do projeto que será desenvolvido neste contexto.

os parâmetros que serão levados em consideração serão os parâmetros da Zona “Eixo de atividades múltiplas” o qual incentiva a ocupação de equipamentos de uso diversos (ver tabela 04). Eixo de Atividades Múltiplas.PE 46 Levando-se em consideração a presença de duas zonas e que a proposta do equipamento não se destina ao uso residencial. 2011. Fonte: Prefeitura de Caruaru. Tabela 04. .ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Secretaria de obras.

000m². resultando em uma área de utilização de até 46. sobretudo quando o aplicamos à área do terreno escolhido que apresenta aproximadamente 23.25 m a cada pavimento que for acrescido. é preferível que sejam aplicados afastamentos frontais em todas as áreas. resultando em uma área de 4. afastamento lateral de 1.600m². respectivamente. Quanto ao coeficiente de utilização e a taxa de solo natural. os dois parâmetros apresentam os mesmos índices: 2. Sendo assim.0 e 20%. com a consolidação do comércio e serviços nesta zona. Quanto à taxa de solo Natural.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Já para os parâmetros urbanísticos para construção de mais de dois pavimentos.PE 47 Deste modo. a única diferença de abordagem será o aumentos dos afastamentos. o coeficiente de utilização pode ser considerado como elevado. Por se tratar de um lote com 4 esquinas. devendo ser somados ao afastamento inicial de 5m o valor de 0.000m². o projeto deve contemplar no mínimo 20% da área do terreno.5m e afastamento de fundo de 2.5. observa-se que esta zona prevê as novas demandas de uso da população que vem surgindo em simultâneo ao crescimento do local. principalmente ao longo da Avenida Agamenon Magalhães. Na análise dos parâmetros urbanísticos para construções de até dois pavimentos para lotes isolados. mesclando usos distintos em uma mesma área. . observa-se afastamento frontal de 5m.

já que esta é reflexo direto da produção e pensamento humano. mostrando por meio da diferenciação da arquitetura.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . contudo adquirindo uma configuração diferenciada das mesmas. no desenvolvimento das cidades. foram levados em consideração os aspectos positivos e negativos observados nos estudos de caso. Inserido nas partes acima citadas. a concepção volumétrica e partido arquitetônico interferem na reformulação do repertório individual e. Fazendo analogia deste objetivo com o plano visual. foi realizada a análise de cada uma das partes do processo projetual. constituiu em oferecer uma arquitetura diferenciada do repertório presente na cidade. o impacto do complexo. sem negar as suas raízes. Desta forma. por ser um complexo de grande porte e marco para Caruaru. a disposição espacial. bem como os preceitos dos teóricos observados e os objetivos geral e específicos deste projeto de pesquisa. justificando sua aplicação em relação aos fatores acima expostos. refere-se ainda às relações de conforto ambiental. iniciou-se o desenvolvimento do anteprojeto. o objetivo deste projeto. . Tendo este fenômeno em mente e as considerações anteriormente discutidas. contudo sem desvalorizar a cultura local. Trata-se então de uma arquitetura que está “nascendo” na mesma terra que as demais. Foram elas a implantação. o partido arquitetônico do projeto teve como inspiração o “brotar da terra”. consequentemente.PE 48 11 | MEMORIAL JUSTIFICATIVO Para a elaboração do projeto em questão. 1ª Análise: Partido Arquitetônico Como já dito anteriormente. contemplando-a através de um programa diversificado e de conformidade com a demanda local e a releitura de alguns elementos locais. Detendo todas estas informações coletadas ao longo do trabalho. o partido arquitetônico e a resolução volumétrica.

através do verde. Deste modo. e um dos bloco apresenta angulação para lateral contrária. Foto: Google. Além dos planos inclinados inversamente. resultando em um jogo de volumes interessante e diferenciado. que perdurou durante o desenvolvimento do projeto. realizando-se uma releitura de um elemento regional: a chita. Assim. A idéia inicial do “brotar da terra’’ foi aplicada então nas vedações externas. a proteção termo-acústica. porém retos. consistiu no seguinte pensamento: observando as ramificações das plantas. percebeu-se que a idéia de “brotar” só seria possível através de planos inclinados. fazendo alusão direta ao partido arquitetônico. Em três dos blocos optou-se por revesti-los com trepadeiras. não gerando nenhuma angulação inclinada em relação ao piso. os blocos receberam também revestimentos da placa cimentícia distintos para demarcar a idéia de divisão em blocos. 2011. Fonte: acervo pessoal. a volumetria do equipamento foi dividida em quatro blocos. embora passem também a idéia de continuidade e conecção através de suas junções e do balanço que os unem. Este . placas cimentícias. Esta idéia inicial. todo o equipamento foi levantado de modo regular e ortogonal.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . dos quais 3 apresenta inclinação para um lado. a volumetria seria formada apenas por cubos irregulares. Resolução Volumétrica.PE 49 2ª Análise: Resolução Volumétrica A fim de facilitar a construção. surgindo a partir do piso e que dariam a sensação que estariam surgindo da terra. buscou-se a racionalização das vedações internas e estruturas que seguem sua forma. oferecendo além da resolução plástica. No outro bloco foi aplicada às raízes caruaruenses. que fazem todo contorno da edificação. não oferecendo nenhum atrativo inovador ao equipamento. Esquema 01. 2011.

Assim. 3ª Análise: Disposição Espacial O Partido arquitetônico foi refletido na disposição espacial a partir das irregularidades e angulações do traçado interno. As placas foram inclinadas para proporcionar o partido desejado e recuadas do equipamento. O primeiro passo foi dispor o edifício de modo que a menor fachada do bloco fosse voltada para o poente. foram dispostos para o poente. além de retratar bem a cultura local. Fonte: acervo pessoal. mas. 2011. um edifício que brota da terra. Esquema 02. ele se enquadra no partido arquitetônico de organicidade presente no “brotar da terra”. . Foi feita uma estilização dessa padronagem. Um dos aspectos norteadores da disposição interna foi a preocupação com o conforto ambiental da edificação. portanto. como os banheiros e cozinha. sempre que possível. Placas Cimentícias.PE 50 elemento foi escolhido. as ramificações referentes ao tema. Constitui. protegendo os demais ambientes. Para gerar ainda maior conforto termo-acústico à edificação. Por apresentar traçado irregular. gerando um espaçamento para a circulação dos ventos. através destes. pois. preservar as áreas sociais do complexo em relação à insolação direta. a partir dela. criando um elemento contemporâneo e ornamentativo da fachada. já que essas proporcionam tais qualidades de conforto ambiental.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . as áreas de serviço. toma novos rumos. fazendo alusão às plantas propriamente ditas. é da terra. buscou-se na disposição interna do equipamento. a mesma recebeu um revestimento externo em placas cimentícias. sugerindo.

ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . gerando uma vista panorâmica para o parque central do complexo. Portanto. este princípio foi aplicado de modo a elaborar a boate abaixo do Teatro. Neste projeto. estão presentes nos pavimentos superiores. sendo a última projetada para atender a demanda da área do piquenique. A biblioteca e o restaurante. os quais distribuem o fluxo para os demais níveis através de duas circulações verticais: dois elevadores sociais e uma rampa. a visualização das exposições temporárias ao longo de sua extensão e nos pavimentos superiores. sendo possível identificar se o evento está bom ou não. outro aspecto fundamental foi que todo o complexo tivesse um único acesso. de uma vista agradável e relaxante. sendo este externo ao equipamento – são acessados através da recepção e lobby. Conforme observado nos estudos de caso. a maioria dos ambientes – com exceção apenas da boate e da lanchonete. ambos acessíveis à portadores de necessidades especiais. Assim. A boate apresenta um acesso exclusivo por ser um ambiente direcionado a um público em específico – jovens – evitando conflitos de fluxo interno.PE 51 Na distribuição espacial do equipamento. Vista Panorâmica. além do ambiente. ideal para leituras ao ar livre. que acredita que um único acesso à todo equipamento proporciona maior interação social à medida que todos se encontram em um só ponto. A rampa também proporciona. Autoria: acervo pessoal. além de externo ele foi voltado para a via de maior fluxo de veículos. 2011 . Além deste fator. assim como observado positivamente nos estudos de caso. o acesso à boate serve como “vitrine” do evento. Esquema 03. no primeiro e segundo andar respectivamente. Outro aspecto importante é o isolamento acústico deste ambiente. a boate locada no subsolo era ideal para isolamento acústico. as pessoas poderão desfrutar. Este é um dos critérios defendidos por Milanesi (2003). através do pé direito triplo. aproveitando ainda o desnível das arquibancadas do último. Deste modo. através do qual o fluxo seria distribuído para os demais ambientes.

apresentando acessos através destas duas vias.PE 52 Foi elaborado também o semi-enterrado. Assim sendo. de apelo lúdico. foi elaborado um nela um mirante. facilitando o fluxo independentemente do sentido que se encontra a via. área nobre do terreno. deixando os pavimentos superiores livres para as atividades as quais o equipamento se destina. Outro aspecto relacionado ao estacionamento diz Esquema 04. sem atrapalhar o funcionamento do complexo. junto à rampa. Locação do estacionamento. por sua vez. Aproveita também uma área que é dificilmente aproveitada para áreas sociais. 2011 . levou em consideração os acessos através das vias secundárias. com a finalidade de comportar os serviços de armazenamento e de carga/descarga dos produtos. A locação do estacionamento. Este pavimento foi criado exclusivamente para estes serviços a fim de facilitar as operações de serviço. por dificuldade de ventilação. serve como elemento indutivo e setorização dos ambientes. com percursos delimitados. ou seja. atividades que demandam público. Desta forma. além do apelo lúdico. em relação ao nível zero. Esta divisão em pisos de variadas cores. partindo do intuito de aproveitar a coberta. o qual também foi planejado como espaço para pequenos eventos. o estacionamento se encontra no encontro das vias de menor fluxo de veículos. Por fim e não menos importante. podemos citar a presença de uma parede inclinada. 4ª Análise: Implantação O ponto de partida para a implantação foi dispor a edificação próximo as vias de maior fluxo. gerando maior visibilidade ao equipamento. e o piso colorido em manta vinílica. áreas verdes para locação de cadeiras e espelhos d’água.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . No interior da edificação. tornando-se uma área contemplativa. Autoria: acervo pessoal. Dentre eles. o teto jardim recebeu uma paginação especial. foram projetados alguns elementos surpresa.

propriedades estas desejadas para o conforto ambiental contra a insolação direta no edifício e contra ruídos . principalmente. não há necessidade de vigas e. Deste modo. a partir da racionalização do espaço. ortogonal e racional. utilizando assim o sistema estrutural de laje nervurada e pilares em concreto armado. a exemplo do São João. contanto que estejam dentro da área de influência do pilar inferior. Esquema 05. o que criou uma relação com o mesmo e proporcionou um espaço de apoio para eventos nos períodos festivos. diferente do irregular presente no restante do complexo. A placa cimentícia foi escolhida para vedação externa do equipamento por apresentar principalmente propriedades térmicas e acústicas. Este último aspecto exerceu grande auxílio na locação dos pilares ao longo dos pavimentos. ela possibilita certa flexibilidade dos pilares. Assim. Outra observação relevante para a disposição do equipamento diz respeito à proximidade do terreno trabalhado com o Pátio de Eventos de Caruaru. o espaço para shows com palco externo do teatro foi disposto na lateral próxima ao Pátio de Eventos. Este fato se refere às necessidades de facilidade de fluxo desta área. as paredes não coincidem e consequentemente. Relação com o Pátio de Eventos Autoria: acervo pessoal. a estrutura também. de modo a obter-se um resultado satisfatório. pois. por apresentar traçados irregulares em todos eles. 2011 5ª Análise: Materiais Empregados e Sistemas Construtivos Optou-se por um sistema de construção convencional. já que o Brasil ainda não dispõe de técnicas avançadas de construção como no exterior.PE 53 respeito ao traçado do mesmo.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . por existir similaridades de demanda de uso. não necessitando locá-los um acima do outro. o qual influenciou a locação de alguns ambientes. Esta laje foi escolhida por inúmeras vantagens que ela proporciona: grandes vãos livres. a mesma foi adequada a cada um dos pavimentos.

piso em carpete e poltronas estofadas. foi escolhida a manta vinílica. apresenta tratamento especial acústico. colorido. Este sistema quando comparado aos demais se adequou ao projeto.PE 54 dos veículos nas vias de fluxo intenso. além de placas com tratamento acústico (lã de vidro) para evitar a reverberação sonora. como a refrigeração de todo o equipamento. O sistema de refrigeração escolhido foi o Multi Split. contudo. Além deste fator. Para o piso. recebendo revestimentos laterais em tecidos. são facilmente aplicadas. oferecendo características desejadas pelo mesmo. por ser um sistema de refrigeração central. autoportantes e oferecem a possibilidade de realizar desenhos através de perfurações a laser. ideal para locais de fluxo intenso. . sendo este último também aplicado na boate. pois além de sua fácil aplicação e diversidade de cores disponíveis no mercado. O Teatro. além da possibilidade de controle individual de temperatura de cada ambiente.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . sem a necessidade de coluna d’água. apresenta grande resistência mecânica e à abrasão.

PE 55 12 | CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao longo deste trabalho. elaborado para conclusão do curso de Arquitetura e Urbanismo. estimulando seu desenvolvimento qualitativo e. ele possa vir a contribuir com pesquisas futuras. portanto. é esperado que a pesquisa realizada tenha contribuído para um resultado final satisfatório. diversas discussões foram levantadas à respeito dos centros culturais e todo o contexto que o cerca. percebe-se que os centros de cultura são equipamentos de grande importância para as cidades. espera-se ainda que. Realizando uma reflexão geral. Constata-se também que todas as etapas desenvolvidas auxiliam e embasaram o desenvolvimento do anteprojeto para um complexo cultural em Caruaru e. de algum modo. Ao término deste trabalho. contribuindo o campo de conhecimento de forma geral e específica sobre o tema.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . levando em consideração os objetivos propostos. é fundamental sua implantação nas cidades. .

2005.gov. Versão 5. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. Índices de analfabetismo de Pernambuco. Rio de Janeiro. br/c/portal/layout ?p_l_id=PUB.0. PIB Municipal 2008. 2011. Evolucionismo cultural: Textos de Morgan.63>. CECON. 1914.gov. HALL.do.pe. GOOGLE EARTH. Disponível em <http://www.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . fevereiro de 2011.). Revista PROJETODESIGN. Jean Nouvel: pavilhão. CORBIOLI. Software.com. Tylor e Frazer. Nanci. Tradução Cézar Tozzi. Acesso em abril de 2011. Disponível em: <http://www. IBGE. versão 1. Centro de Convenções de Pernambuco. 2003 ANTÔNIO. São Paulo: Edição 372. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Edward T.1557. Celso (org.0.ibge. Caruaru – PE.gov. São Paulo: Edição 367. 2006.br/portal/montarDetalheConteudo. História. BENEDICT.htm?1>. Feira de Caruaru.jsessionid=57E3740C4 9CCD94B1F867B046CECEE70?id=13492&sigla=Institucional&retorno=detalheInstitucIonal >. Agência Estadual de Planejamento e Pesquisa em Pernambuco. Londres. Tradução Waldéa Barcellos. Acesso em abril 2011. setembro de 2010. Revista PROJETODESIGN. A dimensão oculta. Acesso em abril 2011. IPHAN. Acesso em abril 2011 CONDEPE/ FIDEM. Diller Scofidio + Renfro: museu. São Paulo: Editora Perspectiva. CASTRO.condepefidem. Ruth. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. São Paulo: Martins Fontes.PE 56 13 | REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO. 2005. Foto Aérea de Caruaru.cecon-pe.iphan. O Crisântemo e a Espada..1.br/cidadesat/topwindow. Disponível em <http://www2. Ricardo..br/empetur/Principal/historia>. .0. Disponível em <http://portal.

Dados da cidade. São Paulo: Papirus.rbceonline. São Paulo: Martins Fontes. Belo Horizonte: UFMG. n. São Paulo: Ateliê Editorial: 2003. . Nelson Carvalho. 2009. 2006. Disponível em < http://www. Acesso em março 2011. cultura e lazer em tempos de globalização. Rev.PE 57 LARAIA. Cienc. revisão técnica Sylvia Ficher.php/RBCE/article/view/767/ 441>. MILANESI. RYKWERT. Kevin. São Paulo: Martins Fontes. 1997. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. Lazer e minorias sociais. Tradução Jefferson Luiz Camargo. MELO. As aparências em arquitetura. Tradução Valter Lellis Siqueira. Campinas. A imagem da cidade. MARCELLINO. 2001. 121-143. 24. Esporte. 1926. 18ª Edição.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . 4ª Edição. Fernando. Disponível em <http://www. Criatividade e processos de criação. v. MASCARENHAS. 3. Roque de Barros.br/revista/index. O pedaço situado: cidade. Fayga. p. A casa da invenção. OSTROWER. A sedução do lugar: a história e o futuro da cidade.com >. Acesso em junho 2011. Victor Andrade de. Petrópolis: Vozes. maio 2003. Escritório Zaha Hadid Architects. Luís. Cultura: um conceito antropológico. Maria Lucia. Via contato eletrônico. 2011. 12ª Edição. São Paulo: IBRASA.vilnius. 14ª Edição. 1987. Joseph. ZAHA. 2007. Bras.org. Projeto e informações do Museu e Centro Cultural em Vilnius. MALARD. 2004. Lazer e educação. LYNCH. 2003.. VILNIUS.

Você sente falta de alguma opção diferenciada de cultura e lazer? ( ) Sim ( ) Não 5.ARQUITETANDO O SABER: Anteprojeto para um Complexo Cultural em Caruaru . Liste abaixo quais opções de CULTURA que você gostaria que Caruaru oferecesse: 6.PE 58 14 | APÊNDICE FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA – FAVIP DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PESQUISA IN LOCU – TRABALHO DE GRADUAÇÃO Entrevista – Interesses dos Moradores de Caruaru Idade Sexo ( ) Feminino ( )Masculino Bairro Profissão Renda Familiar ( )até 1 salário mín. Você sente falta de um local para fazer pesquisas e leituras em Caruaru? ( ) Sim ( ) Não 3. O que costuma fazer para se divertir nos finais de semana? 4. Liste abaixo quais opções de LAZER que você gostaria que Caruaru oferecesse: . ( )de 1 à 3 salários ( ) de 3 à 5 salários ( )mais de 5 salários 1. Costuma realizar pesquisas e leituras? ( ) Sim ( ) Não 2.