Você está na página 1de 29
GEOTÉCNICA CAPÍTULO 07 RODRIGO DE ANDRADE MACHADO VII – ÁGUA NO SOLO VII .1. Ciclo

GEOTÉCNICA

CAPÍTULO 07 RODRIGO DE ANDRADE MACHADO

VII ÁGUA NO SOLO

VII .1. Ciclo Hidrológico e a Infiltração da Água no Solo

VII .2. Distribuição Vertical da Água no Solo e Permeabilidade

ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA I. INTRODUÇÃO VIII.ÍNDICES FÍSICOS II. CROSTA TERRESTRE IX.

ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA

I.

INTRODUÇÃO

VIII.ÍNDICES FÍSICOS

II.

CROSTA TERRESTRE

IX.

GRANULOMETRIA

III.

MINERAIS

X.

CONSISTÊNCIA

IV.

ROCHAS

XI.

ESTRUTURA DOS SOLOS

V.

INTEMPERISMO

XII.

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA

VI.

FORMAÇÃO DOS SOLOS

VII. ÁGUA NO SOLO

O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza i. Precipitação (chuva) ii. Infiltração iii. Escoamento
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza

i. Precipitação (chuva)

ii. Infiltração

iii. Escoamento

iv. Evaporação

(chuva) ii. Infiltração iii. Escoamento iv. Evaporação Apostila prof. Eduardo – UFV Fonte: Dep.

Apostila prof. Eduardo UFV

Fonte: Dep. Geociências/UFPb, 2002

O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza ESCOAMENTO:  O escoamento ocorre devido a
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza

ESCOAMENTO:

O escoamento ocorre devido a ação da gravidade nos terrenos inclinados.

A água escoada vai atingir os curso d´águas: mares, lagos e rios

O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza INFILTRAÇÃO:  A infiltração é a penetração
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza

INFILTRAÇÃO:

A infiltração é a penetração da água que ocorre nos solos

e rochas.

O acúmulo de água subterrânea formam o lençol freático que dão origem as nascentes e alimentam os cursos

d´água.

A água infiltrada nos solos e rochas vão preencher os

vazios existentes na sua estrutura.

rochas vão preencher os vazios existentes na sua estrutura. http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

ciclo-hidrologico.html

O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza EVAPORAÇÃO:  A evaporação é o conjunto
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza
O Ciclo Hidrológico e a Água na Natureza

EVAPORAÇÃO:

A evaporação é o conjunto de fenômenos físicos que transformam em vapor a

água existente sobre a superfície da terra.

Chama-se de transpiração a água que os vegetais devolvem a atmosfera em

forma de vapor.

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA  A infiltração da água nos solos e nas rochas dependem de

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA

A infiltração da água nos solos e nas rochas dependem de vários fatores:

Permeabilidade

Topografia

Vegetação

Regime de precipitação

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-
INFILTRAÇÃO DA ÁGUA Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-
INFILTRAÇÃO DA ÁGUA Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

DA ÁGUA Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-
DA ÁGUA Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

ciclo-hidrologico.html

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA Fatores determinantes para a relação escoamento / infiltração / evaporação (CHIOSSE, 2013)

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA

Fatores determinantes para a relação escoamento / infiltração / evaporação (CHIOSSE, 2013)

   

ROCHA

FATORES

GRANITO

FOLHELHO

ARENITO

PERMEABILIDADE

BAIXA

BAIXA

ALTA

TOPOGRAFIA

ACIDENTADA

SUAVE

SUAVEMENTE ONDULADA

VEGETAÇÃO

MATA DENSA

MATA BAIXA

RASTEIRA

PREDOMINÂNCIA

ESCOAMENTO

EVAPORAÇÃO

INFILTRAÇÃO

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA ESTAÇÃO CHUVOSA ESTAÇÃO SECA http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o- ciclo-hidrologico.html

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA

ESTAÇÃO CHUVOSA

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA ESTAÇÃO CHUVOSA ESTAÇÃO SECA http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o- ciclo-hidrologico.html

ESTAÇÃO SECA

INFILTRAÇÃO DA ÁGUA ESTAÇÃO CHUVOSA ESTAÇÃO SECA http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o- ciclo-hidrologico.html

http://professora-dan.blogspot.com.br/p/o-

ciclo-hidrologico.html

VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS  Os vazios em solos e rochas são
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS

Os vazios em solos e rochas são os espaços não ocupados por matéria mineral sólida e

são chamados de poros ou interstícios.

Os vazios atuam como reservatórios ou condutores de água no subsolo.

A porosidade é uma propriedade física definida pela relação entre o volume de vazios e o

volume total:

=

MATERIAL

POROSIDADE

 

SOLO

50

60

ARGILA

45

55

AREIA

30

40

CASCALHO

30

40

ARENITO

10

20

FOLHELHO

1 10

CALCARIO

1 5

GRANITO

0,5 - 2

(CHIOSSE, 2013)

   
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS A água pode ser encontrada sob diversas formas
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS

A água pode ser encontrada sob diversas formas no subsolo:

CONSTITUIÇÃO aquela que faz parte da estrutura do mineral só sendo retirada se o mesmo for destruído (quimicamente);

(a) HIGROSCÓPICA retida ao grão por forças de adsorção, só pode

ser extraída por aquecimento (só retirada quando aquecida a 100ºC);

(b) PECULIAR forma uma película ao redor do grão (retirada pelas

raízes das plantas ou adsorção);

(c) CAPILAR retida entre dois grãos por ação de forças capilares;

(d) LIVRE movimenta-se livremente entre os vazios.

capilares;  (d) LIVRE – movimenta-se livremente entre os vazios. Apostila prof. Eduardo A.G. Marques –

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS Rochas Porosas  Rochas em os vazios são
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS

Rochas Porosas

Rochas em os vazios são porosos, como nos solos. Exemplos: rochas sedimentares

clásticas, como os arenitos, folhelhos, etc. São conhecidos como aquíferos porosos.

folhelhos, etc. São conhecidos como aquíferos porosos. Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV Fonte:

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV Fonte: Fletcher & Driscoll, 1995

VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS Rochas Cristalinas  A água ocorre preenchendo as
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS

Rochas Cristalinas

A água ocorre preenchendo as fraturas. Conhecidos como aquíferos fraturados.

Exemplos: granitos, gnaisses, xistos, ardósias, gabros, diabásios, etc.

Exemplos: granitos, gnaisses, xistos, ardósias, gabros, diabásios, etc. Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS Rochas Carbonáticas  A água ocupa os vazios
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS
VAZIOS NAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS

Rochas Carbonáticas

A água ocupa os vazios resultantes da dissolução. Conhecidos como aquíferos carbonáticos ou cársticos.

São, em geral, rochas sedimentares

químicas.

Exemplos:

calcário,

margas,

dolomitos,

etc.

• calcário, • margas, • dolomitos, • etc. Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

PERMEABILIDADE DAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS  A permeabilidade é um índice proporcional a
PERMEABILIDADE DAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS
PERMEABILIDADE DAS ESTRUTURAS DOS SOLOS E ROCHAS

A permeabilidade é um índice proporcional a velocidade que um fluido percorre os vazios

dos solos e rochas.

A unidade de medida é a mesma da velocidade.

Quanto maior o valor da permeabilidade mais rápido a água poderá percorrer os seus

vazios.

=∙

MATERIAL

PERMEABILIDADE

AREIA GROSSA

10

- 3 m/s

AREIA MÉDIA

10

- 4 m/s

AREIA FINA

10

- 5 m/s

ARGILA

10

- 9 m/s

Distribuição vertical da água no solo:

zonas de umidade

Distribuição vertical da água no solo: zonas de umidade Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV
Distribuição vertical da água no solo: zonas de umidade Apostila prof. Eduardo A.G. Marques – UFV

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Distribuição vertical da água no solo:

zonas de umidade

Zona de Aeração:

da água no solo: zonas de umidade  Zona de Aeração:  Nesta zona não temos

Nesta zona não temos água livre (os vazios contém água e ar).

Funciona como um escudo protetor da água subterrânea, pois é rica em ácidos orgânicos que atacam os poluentes.

Distribuição vertical da água no solo:

zonas de umidade

Zona de Capilaridade:

Forças capilares fazem a água subir a cima da cota da superfície

freática (nível d’água).

A espessura da “franja” capilar será maior para solo em solo menos porosos.

freática (nível d’água) .  A espessura da “franja” capilar será maior para solo em solo
freática (nível d’água) .  A espessura da “franja” capilar será maior para solo em solo

Distribuição vertical da água no solo:

zonas de umidade

Zona de Saturação:

da água no solo: zonas de umidade  Zona de Saturação:  Nesta zona temos água

Nesta zona temos água livre com todos os vazios preenchidos por água

É fonte de água subterrânea.

A superfície que delimita a zona de saturação da zona de aeração é denominada lençol freático ou nível freático ou nível d’água.

Distribuição vertical da água no solo:

zonas de umidade

Distribuição vertical da água no solo: zonas de umidade
Distribuição vertical da água no solo: zonas de umidade
Distribuição vertical da água no solo: zonas de umidade

Distribuição vertical da água no solo:

Aquíferos
Aquíferos
Distribuição vertical da água no solo: Aquíferos Toda e qualquer formação geológica que contenha e conduza

Toda e qualquer formação geológica que contenha e conduza água.

Exemplos:

• • • • •

areias,

arenitos,

calcário,

granito fraturado,

etc

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Distribuição vertical da água no solo:

Distribuição vertical da água no solo: Aquíferos Livre Confinado Obs.: Os aquíferos artesianos ou jorrantes são
Aquíferos Livre Confinado
Aquíferos
Livre
Confinado

Obs.: Os aquíferos artesianos ou jorrantes são confinados.

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Fonte: ABGE, 1998

Distribuição vertical da água no solo:

Aquífugo
Aquífugo

Toda e qualquer formação geológica que não contém água.

Exemplos:

• • •

granito maciço,

gabro maciço,

etc.

contém água. Exemplos: • • • granito maciço, gabro maciço, etc. Apostila prof. Eduardo A.G. Marques

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Distribuição vertical da água no solo:

Aquiclude
Aquiclude
Distribuição vertical da água no solo: Aquiclude Toda formação geológica que contém água mas não permitem

Toda formação geológica que contém água mas não permitem sua circulação.

Exemplos:

• • • •

Argilas,

folhelhos,

filitos,

etc.

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Distribuição vertical da água no solo:

Aquitardo
Aquitardo
Distribuição vertical da água no solo: Aquitardo Toda formação geológica que contém água e a transmite

Toda formação geológica que contém água e a transmite lentamente.

• • • • •

Exemplos:

Areia argilosa,

silte arenoso,

siltitos,

folhelhos arenosos,

etc.

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Distribuição vertical da água no solo:

Distribuição vertical da água no solo:  O movimento da água subterrânea se dá da Zona

O movimento da água subterrânea se dá da Zona de Recarga, passando pela Zona de Circulação, até a Zona de Descarga.

Quanto maior for o tamanho deste percurso, mais limpa será a água, pois maior será a sua

filtração mecânica.

será a água, pois maior será a sua filtração mecânica. Apostila prof. Eduardo A.G. Marques –

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

Fonte: ABGE, 1998

Distribuição vertical da água no solo:

Distribuição vertical da água no solo:  Zona de Recarga – é a área em que

Zona de Recarga – é a área em que ocorre a infiltração da água que vai “alimentar” o

aquífero;

Zona de Circulação é região por onde a água se movimenta em subsuperfície até atingir a

Zona de Descarga;

Zona de Descarga é o local onde o fluxo d’água subterrânea termina. Pode ser uma fonte, o

mar, ou uma barreira hidráulica

Apostila prof. Eduardo A.G. Marques UFV

BIBLIOGRAFIA:

BIBLIOGRAFIA: DAS, B. M. Fundamentos de Engenharia Geotécnica. Editora CENGAGE Learning. Tradução da 7ª edição

DAS, B. M. Fundamentos de Engenharia Geotécnica. Editora CENGAGE Learning.

Tradução da 7ª edição norte-americana.

SOUSA PINTO, C. Curso Básico de Mecânica dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos,

2000.

CAPUTO, P. H. Mecânica dos Solos e suas aplicações. Editora LTC Volume 1