Você está na página 1de 3

Mestrado em Ensino do 1.º e do 2.

º Ciclo do Ensino Básico


Unidade curricular – Epistemologia e Inovação Educacional

NOVAS TECNOLOGIAS DA EDUCAÇÃO/ IMPLICAÇÕES EM EDUCAÇÃO

Recolhido em http://www.cienciapt.net/pt/ em 9/6/2010

“O conhecimento científico e tecnológico cumulativo e multidisciplinar. A


complexidade do sistema de conhecimento para gerar invenções, que possam ser
traduzidas em procedimentos tecnológicos incorporáveis pela economia, envolve um
longo tempo de maturação, o que torna os investimentos em inovação uma actividade
pouco atraente para o empresário. Sendo assim, a inovação depende de instituições e
empresas as mais diversas, o que torna o processo de sua produção forçosamente
cooperativo, demandando articulações institucionais complexas, por vezes de natureza
internacional.”

CAMPANÁRIO, Abreu Milton, (2002) recolhido em


http://www.oei.es/salactsi/milton.htm

A importância crescente das novas tecnologias, o investimento em inovação educacional e o


papel que desempenham na escola actual, constituem o ponto de partida desta reflexão.

Assim, a inserção das novas tecnologias na educação, nomeadamente o computador, o


principal potencial educativo das novas tecnologias, visto este poder-se associar a uma
variedade enorme de software tecnológico, é hoje em dia uma das mais valias na prática
educativa.

A evolução das tecnologias de informação e da comunicação impôs uma nova forma de


redefinir o espaço de trabalho, as nossas salas de aulas, as nossas escolas foram apetrechadas
com material tecnológico. Hoje é mais rápido enviar um e-mail do que uma carta por correio.

Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Educação, Comunicação e


Desporto
Mestrado em Ensino do 1.º e do 2.º Ciclo do Ensino Básico
Unidade curricular – Epistemologia e Inovação Educacional

Cada vez menos será o trabalhador a deslocar-se ao trabalho, e cada vez mais será o trabalho
que virá até ao trabalhador. Trabalhar a partir de casa parece ser cada vez mais a hipótese
acertada numa altura em que a flexibilidade se tornou num dos assuntos na ordem do dia.

Também na área educativa esta realidade começa a despontar. Podemos utilizar o micro-
ensino, aulas por videoconferência, o correio electrónico, as plataformas, como forma de
divulgar ou transmitir conhecimentos ou informações pertinentes aos alunos, pais ou restante
comunidade educativa.

Desta forma o mundo, assiste hoje à integração e à implementação de novos meios


que permitem uma maior rapidez e eficácia na troca de informação. A Internet aparece
como o factor principal, desencadeante de tantas mudanças, os sites acompanham as
tendências em todos os domínios: profissionais, culturais ou pedagógicos.

É preciso que todos os profissionais, independentemente do domínio profissional a


que pertençam se apercebam desta realidade, logo, quem estiver ligado à educação tem
responsabilidades muito mais acrescidas nesta área, obrigatoriamente tem que estar
atento às constantes mudanças que se operam neste campo em constante actualização.1

No entanto, não devemos descurar a existência de outras metodologias, outras formas


de concretizar os objectivos educacionais, que poderão da mesma maneira contribuir
para o desenvolvimento e aquisição de conhecimentos por parte dos alunos.

Pierre Badin (1991:10), questionava já nesta altura a “ (…) invasão dos media por
todo o planeta (…) “2, logo a sua linguagem tornou-se uma linguagem universal, “(…)
uma cultura mediática (…) “3 opondo-se de certa forma à linguagem literária.

Nesse debate, discute-se “como a nova infra-estrutura da informação e da


comunicação pode contribuir para ampliar ou renovar os conhecimentos, levando-se
em conta que os meios informáticos oferecem acessos a múltiplas possibilidades de
interacção, mediação e expressão de sentidos, propiciados, tanto pelos fluxos de
informação e diversidade de discursos e recursos disponíveis – textuais, visuais e
sonoros – como pela flexibilidade de exploração”.MORAES, Raquel, (2006),
( recolhido em http://www.alaic.net/ponencias ).
1
- A este respeito podemos também consultar o site http://www.imesexplica.com, “Novas tecnologias,
vantagens e desvantagens” e Milton Abreu, (2002), Tecnologia, Inovação e Sociedade, em
http://www.oei.es/salactsi/milton.htm
2
- Supressão nossa
3
- Supressão nossa
Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Educação, Comunicação e
Desporto
Mestrado em Ensino do 1.º e do 2.º Ciclo do Ensino Básico
Unidade curricular – Epistemologia e Inovação Educacional

Podemos concluir que estas transformações na educação trouxeram um novo


paradigma metodológico de ensino, o modelo da educação tradicional, marcado pela
rigidez e pela falta de autonomia, transformou-se num tipo de comunicação /
informação mais dialogante e mediatizada. No entanto, não devemos esquecer que todos
os excessos / rotinas aprisionam a inovação e a aprendizagem, então como educadores
que somos devemos ter uma atitude crítica e reflexiva sobre esta realidade educativa.
Terminamos remetendo para a questão do uso dos recursos tecnológicos, não como
meros recursos técnicos ou meios que veiculam conteúdos pedagógicos, mas como
novos processos de aprendizagem, potenciadores de metodologias inovadoras,
atractivas e cativantes.

BIBLIOGRAFIA:

BABIN, Pierre, (1991), Linguagem e Cultura dos Media, Bertrand Editora

CAMPANÁRIO, Milton de Abreu, (2002), Tecnologia, Inovação e Sociedade,


recolhido em 9/6/2010 em http://www.oei.es/salactsi/milton.htm

MORAES, Raquel de Almeida, (2006), As Tecnologias da Informação e


Comunicação na Educação: as perspectivas de Freire e Bakhtin, recolhido em 9/6/2010
em http://www.alaic.net/ponencias/UNIrev_Moraes_e_outros

Novas tecnologias, vantagens e desvantagens , recolhido em 9/6/2010,


http://www.imesexplica.com.br/1612_novastecnologias_vantagens_des.asp

A aluna, Isabel Maria Sousa da Fonseca

Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Educação, Comunicação e


Desporto