Você está na página 1de 5

CONVERGÊNCIA 2016

Entrevista com Rc Campos - CE
Ação performática: Carvão Para Seus Olhos Tocarem
Denis Pereira da Silva (Denis Casima) – Graduado em Teatro Licenciatura
pela Universidade Federal do Tocantins, Ator Pesquisador/Professor/Performer,
Membro do Núcleo de Pesquisa em Performance Arte do Sesc Tocantins 2013, 2014,
2015 e 2016.
Denis Casima: Faça um breve currículo sobre RC Campos.
Rc Campos: Trabalho e pesquiso arte, buscando experimentar com vídeo,
performance e instalação, criando trabalhos inspirados por questões envolvendo
Antropoceno, Arqueologia das Mídias, Etnografia Sensorial e afetividades de
corporificação e de deslocamento. Fiz meu bacharelado em Audiovisual e Novas Mídias
na Universidade de For e atualmente faço mestrado em Artes na Universidade Federal
do Ceará.
Denis Casima: De onde vem o nome da ação realizada no Convergência
2016 e o que te levou a realizar está ação?
Rc Campos: O título está bastante influenciado por teorias fílmicas (vide
Vivian Sobchack e Laura Marks, por ex.) que pensam a percepção visual não de um
ponto de vista meramente óptico, mas também tátil, háptico, abrindo margem para uma
relação mais multissensorial com a imagem em movimento. Conforme o trabalho tem
um foco imagético no carvão mineral que coletei em uma paisagem marcada pela
poluição ambiental aqui no Ceará, o título influencia o desenvolvimento do trabalho
dentro desse enquadramento, pensando constantemente como a imagem desse carvão e
imagens que de alguma forma sejam relacionadas a ele podem ser pegajantes na
sensorialidade de quem se relaciona com o trabalho.
A motivação em si está relacionada a uma problemática que tem acontecido
na cidade de São Gonçalo do Amarante, a partir do Complexo Industrial e Portuário do
Pecém, aqui no Ceará. Algumas matérias minerais como o carvão, advindo da
Colômbia, circulam bastante pela região, alimentando siderúrgicas e termelétricas.
A partir de uma série de vazamentos de pó e partículas de carvão nas
Esteiras Transportadoras de Minério, atingindo lagoas, o mar e as pessoas da região,
comecei esse trabalho, que se relaciona com os fluxos de deslocamento global e local de
matérias e pessoas nesse contexto.

creio que existem uma multiplicidade de mensagens que podem ser geradas. não exatamente por mim. estudadas e pesquisadas do que o são. narrativas. deveriam ser mais conhecidas. mas pelo próprio evento da performance. Creio que esses modos de apresentação exploram de maneira especial as possibilidades de relação entre corpo e imagem: a imagem em movimento corporificada e a corporificação da imagem em movimento. passando por experiências do berço da contemporaneidade até experiências bem recentes.Denis Casima: Existe uma ligação entre o trabalho que você apresentou no Convergência 2015 e o que realizou este ano. de descaso. utilizando-me em ambas de máscaras audiovisuais para contribuir com essa multiplicidade e experimentar relações de performatividade entre corpo e imagem. A partir desse desejo. Denis Casima: Qual mensagem pretende passar com a abordagem desta ação performática? Rc Campos: Creio que a abordagem adotada implica. em um interesse pelo contato.. questões afetivas. questões de saúde. de identidade cultural.. Em termos pessoais. e outras que eu realmente estava interessado em provocar e que podem estar relacionadas a questões ambientais. no geral. questões sociais. você se deixa inundar pelas experiências ecológicas na composição da persona diante do caos em que estamos inseridos. Denis Casima: Em sua ação. Qual a importância em utilizar recursos do audiovisual nestes trabalhos? Rc Campos: Em ambos os trabalhos eu apresento uma multiplicidade de imagens em movimento (através de split-screens em 2015 e duas projeções em 2016). . o Ceará. São mensagens que por vezes nem eu mesmo previ. creio que me ponho em relação com uma variedade de práticas históricas com a imagem em movimento. e todas essas. primeiramente. como objetos. pelo simples desejo de que olhos sejam tocados pelo carvão mineral que encontrei em um contexto de poluição ambiental em um lugar do estado em que vivo. desde os pré-cinemas. produzi uma multiplicidade de coisas. como para o meu corpo e para o corpo das pessoas que se dispõem a compartilhar a experiência de serem tocadas por essas matérias. Com isso. performatividades para matérias. realizando esses tipos de experimentações. imagens fotográficas e videográficas.

qual a mensagem que poderíamos carregar ao ver suas ações? Rc Campos: Acho que essa resposta se relaciona com a da outra pergunta em que comentei sobre a questão de que há uma multiplicidade de mensagens que podem se dar a partir do evento performativo. Duncan White and Steven Ball. as frutas que comemos estão repletas de agrotóxicos. Closer: performance. sendo uma referência legal o livro The Place of Artists Cinema: space. O ar que respiramos está contaminado.L. de Susan Kozel. do contato tátil com as materialidades das . e Expanded Cinema: Art. Denis Casima: Existe alguma referência teórica ou mesmo da performance para a composição de seus trabalhos? Quais? Rc Campos: Sim. A. Technologies. amigos e nós mesmos estamos em um devir-doença por conta disso tudo. do ponto de vista teórico. Em relação a performance. que funciona em um fluxo de retroalimentação entre práticas performativas. site and screen de Meave Connoly. me influencio pelos livros Performing Landscape: notes on site-specific work and artistic research. O espaço da arte precisa estar se relacionando com toda essa vibe. deslocamento e espaço. Carvão Para Seus Olhos Tocarem é um projeto de pesquisa de mestrado como performance ou pesquisa baseada em artes. caso contrário ele estará se desconectando completamente do aspecto enfermo que marca a contemporaneidade. produção de imagens audiovisuais e pesquisa teórica. Rees. nossos pais. nossos rios estão sendo cobertos de minérios e lixo. phenomenology. editado por David Curtis. Performance and Film.Seria uma conscientização política para a necessidade em que o mundo se encontra sobre a importância para as discussões do ecossistema? Rc Campos: Sim. conceitual e histórica. de Annette Arlander. muitas. então a performance é uma forma de estar compartilhando essa pesquisa. creio que tod@s estamos sendo afetados diretamente pelos efeitos desastrosos da destruição do planeta pelo modo de vida de seus habitantes humanos. The transformative power of performance: a new aesthetics de Erika Fischer-Lichte. nossas florestas sendo destruídas pela indústria carnista. Mas existem referências teóricas no campo da teoria fílmica e principalmente em relação a instalação cinematográfica com múltiplas projeções na discussão sobre relações entre lugar. Denis Casima: Sobre transformação do homem e do ecossistema. realizada com o apoio da Funcap.

por mutações irreversíveis.ações que levo. relacionado a geologia. Denis Casima: Poderia nos falar um pouco do conceito do Antropoceno dentro do seu trabalho e outros que são abordados? Rc Campos: É um conceito que tem ganhado destaque na última década a partir do campo da estratigrafia. no percurso da modernidade e da industrialização. e revela que conforme o anthropos. constituiu-se enquanto estrato geológico. Creio que as imagens que (a)presento são uma imagens dessa era. como Donna Haraway. suicida ou ecocida. O Antropoceno seria a atual era geológica. da visualização dos vídeos que ganham performatividade na ação. e que propõem alternativas de nomenclatura para essa mesma situação. que criticam o termo. e que vem se aderindo a outros diversos campos do pensamento crítico. Apesar de esse ano ter sido reconhecido institucionalmente no campo da geologia. o ‘Homem’ com H maiúsculo. em um tempo muito curto. ar. como ‘Capitalosceno’.wix. ou ainda Jussi Parikka que fala de um ‘Antropobsceno’. Acho que a resposta da próxima pergunta dimensiona esse aspecto da transformação do ecossistema em um nível conceitual que é interessante para se pensar sobre essa questão. etc. Denis Casima: Como podemos acompanhar mais sobre seus trabalhos? Rc Campos: bem. sucessora do Holoceno.com/work Denis Casima: Nos faça críticas em relação a realização do Convergência e de que forma a realização do evento contribui para a discussão do fazer artístico para está região do país que se encontra fora dos grandes centros urbanos? . assim como da Arte. eu tenho um site mais ou menos organizado em que coloco algumas das coisas que tenho feito: http://rc-campos. foi se extraindo da natureza. constituindo uma nova era geológica. ainda existem autores no campo das artes e da cultura. solo) se tornaram tão vastos que o planeta tem passado. Os efeitos humanos nos elementos que constituem a Terra (água. explicitando uma continuidade material e sistêmica entre os gestos humanos e o meio no qual esses gestos operam.

Rc Campos: Me senti bastante privilegiado por poder estar participando pela segunda vez do evento. Acho que esses lugares que estão fora dos eixos mais estabelecidos são os mais potentes para a experimentação e para que se abram diálogos entre especificidades locais e as abordagens múltiplas das artes. mas também por ser no Tocantins. convergindo com uma diversidade de performers do país. Espero que a instituição e as pessoas envolvidas. da existência de um núcleo de pesquisa em performance e também que eu continue produzindo ações no campo da performance e quem sabe participe uma terceira vez :D Denis Casima: Meus agradecimentos em nome do NPPA – Sesc/TO. organizado por um núcleo de pesquisa em performance em uma instituição que não é uma universidade. sigam tendo consciência do valor do evento. que foram muito massa comigo nas duas vezes. . em um evento singular não só por ser um evento de 3 dias de performance. que possamos estar convergindo em outras oportunidades com você em busca das inquietações a respeito do fazer artístico no mundo contemporâneo.