Você está na página 1de 269

Sumário

Aula 1: Linguagem da Lógica de Predicados 15

1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

1.2 Linguagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

1.3 Aspectos das Linguagens . . . . . . . . . . . . . . . 16

1.4 Linguagem da Lógica de Predicados . . . . . . . . 18

1.4.1 Sintaxe da Linguagem da Lógica de Predicados 19

1.5 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

1.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

1.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

1.8 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 26

Aula 2: Conectivos e Quantificadores Lógicos 27

2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

2.2 Semântica da Linguagem da Lógica de Predicados . 28

2.3 Quantificadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

2.4 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

2.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

2.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

2.7 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 36


Aula 3: Valorações e Tabelas de Verdade 39
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.2 Valorações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.3 Álgebra de Boole . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.4 Tabela de Verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.4.1 Uso de Parêntese e Prioridade dos Conec-
tivos Lógicos . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.5 Tautologia, Contradição e Contingência . . . . . . 46
3.6 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.7 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.8 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.9 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 51

Aula 4: Regras de Inferência e Regras de Equivalência 53


4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
4.2 Regras de Equivalência . . . . . . . . . . . . . . . . 54
4.3 Subconjuntos Completos de Conectivos . . . . . . . 58
4.4 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
4.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
4.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.7 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 63

Aula 5: Teorias Axiomáticas 65


5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
5.2 Sistemas Axiomáticos . . . . . . . . . . . . . . . . 66
5.2.1 Exemplos de Alguns Sistemas Axiomáticos . 68
5.3 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
5.4 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
5.5 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
5.6 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 74

Aula 6: Teoria da Demonstração 75


6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
6.2 Teoria da Demonstração . . . . . . . . . . . . . . . 76
6.3 Tipos de Demonstração . . . . . . . . . . . . . . . 78
6.3.1 Demonstração Direta . . . . . . . . . . . . . 78
6.3.2 Demonstração Indireta Contrapositiva . . . 79
6.3.3 Demonstração Indireta por Redução ao Ab-
surdo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
6.4 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
6.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
6.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
6.7 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 84

Aula 7: Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel 85


7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
7.2 Teoria dos Conjuntos de Georg Cantor . . . . . . . 86
7.2.1 Conceito de Conjunto . . . . . . . . . . . . 87
7.2.2 Linguagem da Teoria dos Conjuntos . . . . 87
7.2.3 Axiomas da Teoria dos Conjuntos . . . . . . 89
7.2.4 Alguns Tipos de Conjuntos . . . . . . . . . 90
7.3 Paradoxo de Russel . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
7.4 Teoria dos Conjuntos de Zermelo-Fraenkel . . . . . 92
7.5 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
7.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
7.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
7.8 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 99
Aula 8: Operações com Conjuntos: União e Interseção101
8.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
8.2 União de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
8.2.1 Propriedades da União de Conjuntos . . . . 103
8.3 Interseção de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . 103
8.3.1 Propriedades da Interseção de Conjuntos . . 104
8.3.2 Propriedades da União e Interseção de Con-
juntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
8.3.3 Propriedades da Relação de Contido . . . . 105
8.4 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 105
8.5 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
8.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
8.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
8.8 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 110

Aula 9: Operações com Conjuntos: Diferença e Complementar111


9.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
9.2 Diferença de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . 112
9.2.1 Propriedades da Diferença de Conjuntos . . 112
9.3 Diferença Simétrica de Conjuntos . . . . . . . . . . 113
9.3.1 Propriedades da Diferença Simétrica de Con-
juntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
9.4 Complementar de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . 114
9.4.1 Propriedades do Complementar de Conjuntos 114
9.5 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 115
9.6 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
9.7 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
9.8 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
9.9 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 121

Aula 10: Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano123


10.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
10.2 Par Ordenado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
10.3 Produto Cartesiano de Conjuntos . . . . . . . . . . 128
10.3.1 Propriedades do Produto Cartesiano . . . . 129
10.4 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 130
10.5 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
10.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
10.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
10.8 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 135

Aula 11: Relações Binárias 137


11.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
11.2 Relações Binárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
11.2.1 Propriedades das Relações Binárias . . . . . 141
11.3 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 144
11.4 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
11.5 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
11.6 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
11.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 149

Aula 12: Relações de Ordem 151


12.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
12.2 Relações de Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
12.2.1 Cotas Superiores e Cotas Inferiores . . . . . 156
12.2.2 Elementos Maximal, Minimal, Máximo e Mí-
nimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
12.3 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 157
12.4 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
12.5 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
12.6 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
12.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 162

Aula 13: Relações de Equivalência 165


13.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
13.2 Relações de Equivalência . . . . . . . . . . . . . . . 166
13.2.1 Partições e Classes de Equivalência . . . . . 168
13.3 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 171
13.4 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
13.5 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
13.6 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
13.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 177

Aula 14: Funções 179


14.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
14.2 Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
14.2.1 Imagem Direta e Imagem Inversa . . . . . . 182
14.3 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 185
14.4 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
14.5 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
14.6 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
14.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 191

Aula 15: Tipos de Funções 193


15.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
15.2 Tipos de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
15.3 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
15.4 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
15.5 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
15.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 204

Aula 16: Propriedades das Funções 207


16.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
16.2 Propriedades das Funções Injetoras . . . . . . . . . 208
16.3 Propriedades das Funções Sobrejetoras . . . . . . . 209
16.4 Propriedades das Funções Bijetoras . . . . . . . . . 209
16.5 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 210
16.6 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
16.7 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
16.8 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
16.9 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 216

Aula 17: Números Naturais: Axiomas de Peano 219


17.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
17.2 Axiomas de Peano . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
17.3 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
17.4 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
17.5 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
17.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 227

Aula 18: Operações em N 229


18.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
18.2 Soma no Conjunto dos Números Naturais . . . . . 230
18.3 Propriedades da soma . . . . . . . . . . . . . . . . 231
18.4 Produto no Conjunto dos Números Naturais . . . . 231
18.5 Propriedades do Produto . . . . . . . . . . . . . . . 232
18.6 Relação de Ordem no Conjunto dos Números Naturais232
18.7 Propriedades da Relação de Ordem . . . . . . . . . 232
18.7.1 Demonstração de Algumas Propriedades . . 233
18.8 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
18.9 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
18.10ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
18.11REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 241

Aula 19: Princípio da Boa Ordem 243


19.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
19.2 Alguns Teoremas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
19.3 Princípio da Boa Ordem . . . . . . . . . . . . . . . 248
19.4 Primeiro Princípio da Indução Finita . . . . . . . . 252
19.5 Segundo Princípio da Indução Finita . . . . . . . . 252
19.6 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . . . . . 254
19.7 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
19.8 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
19.9 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
19.10REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS . . . . . . . . 259

Aula 20: Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis 261


20.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
20.2 Cardinalidade de um Conjunto . . . . . . . . . . . 262
20.2.1 Conjuntos Enumeráveis . . . . . . . . . . . 264
20.2.2 Algumas Demonstrações . . . . . . . . . . . 266
20.3 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
20.4 RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
20.5 ATIVIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
20.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . 272
1
LIVRO

Linguagem da Lógica
de Predicados
1
AULA

META:
Introduzir o conceito de Linguagem
da Lógica de Predicados

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Distinguir entre linguagem natural
e linguagem artificial;
Compreender e utilizar a sintaxe da
linguagem da lógica de predicados.
Linguagem da Lógica de Predicados

1.1 Introdução

Caro aluno, seja bem-vindo a nossa primeira aula de Fun-


damentos de Matemática! Nela conheceremos o conceito de lin-
guagem, como ela está estruturada, as diferenças entre linguagens
naturais e linguagens artificiais e, por fim, nosso real objetivo,
estudar quais elementos que a compõe e como é estruturada a Lin-
guagem da Lógica de Predicados.
Linguagem “S. f. O
uso da palavra artic-
ulada ou escrita como
meio de expressão e co- 1.2 Linguagens
municação entre pes-
soas” (Dicionário Au-
rélio). Pode ser de- Vocês já se perguntaram o que é uma linguagem? Nos di-
finida também como
“conjunto de sentenças,
cionários podemos obter algo do tipo: linguagem é um sistema
cada uma de compri-
de símbolos que serve como meio de comunicação. Notem que
mento finito e formadas
a partir de um conjunto o vocábulo comunicação não se restringe à comunicação hunano-
finito de símbolos”. A
primeira definição serve humano. A linguagem serve também para comunicação humano-
para descrever as lin-
guagens naturais (Por- máquina e máquina-máquina.
tuguês, Inglês, e.t.c.) a
segunda para descrever As definições de linguagem podem parecer um pouco vagas
as linguagens formais
(Linguagens de Progra- e não expressar a verdadeira dimensão e alcance do objeto lin-
mação, Teoria dos Con-
juntos e.t.c.) guagem. Não é pretensão definir corretamente linguagem, mas tão
somente deixar como tema de reflexão. O interesse é tão somente
estabelecer a linguagem da lógica de predicados, nosso maior ob-
jetivo.

1.3 Aspectos das Linguagens

As linguagens naturais apresentam três aspectos. A saber:


Morfológico diz respeito às regras de formação das palavras.
O Português, por exemplo, tem palavras baseadas em morfemas

16
Fundamentos da Matemática: Livro 1

que por sua vez são representados por cadeias de letras de um 1


conjunto de símbolos (alfabeto). Assim, as cadeias de letras “xz- AULA

zcdzxx” e “aeeeeexxaeeeee” não representam palavras morfologi-


camente válidas na língua portuguesa, enquanto que as palavras
“gato”, “jardim”, “morro” e “subir” atendem a este requisito.
Semântico: diz respeito ao significado das palavras. No caso do
conjunto de palavras morfologicamente válidas “xakação”, “xitei-
ções”, “gato”, “jardim”, “morro” e “subir” apenas “gato”, “jardim”,
“morro” e “subir”, são semanticamente válidas, isto é tem signifi-
cado a elas associado.
Pragmático diz respeito ao uso das construções lingüísticas pe-
los usuários de uma linguagem. Em outras palavras, diz respeito
ao significado subentendido de uma sentença. Vamos exemplificar
com uma piada. Joaquim viaja para o Brasil e deixa seu gato de
estimação aos cuidados de seu amigo Manuel. Dois meses depois,
recebe uma carta do amigo: “Joaquim, seu gato morreu”. Joaquim
quase morreu de susto e tristeza. De volta a Portugal, procura o
amigo e pergunta como o gato morreu. Ô Quim, seu gato subiu
no telhado. No telhado encontrou outro gato. Começou a brigar.
Seu gato caiu do telhado. Eu o levei ao veterinário. Convalesceu
alguns dias. E morreu. Pois é, diz Joaquim, você podia ter me
preparado primeiro para a notícia. Escreveria várias cartas. Na
primeira me dizia “Joaquim, seu gato subiu no telhado”. Na se-
gunda “Joaquim, seu gato encontrou outro gato no telhado”. Até
me contar que ele morreu e eu estaria preparado para a notícia.
De volta ao Brasil, dois meses depois Joaquim recebe mais uma
carta de Manuel. “Joaquim, sua mãe subiu no telhado”. Piada à
parte, a frase “Joaquim sua mãe subiu no telhado”, não quer infor-

17
Linguagem da Lógica de Predicados

mar a Joaquim que sua genitora escalou a cobertura da casa e sim


(significado pragmático) que sua mãe faleceu. Significados prag-
máticos são encontrados em maior profusão na linguagem infor-
mal, sobretudo nas gírias em que o significado normal das palavras
e sentenças é subvertido.

Aristóteles 384-322
a.C Filósofo grego
As linguagens artificiais, por outro lado, têm apenas os aspec-
nascido na cidade tos sintáticos e semânticos e são, convenientemente, destituídas
de Estagira, um dos
maiores pensadores de significado pragmático. Afinal, não é desejável em um pro-
de todos os tempos.
Prestou inigualáveis grama de computador significados pessoais e subtendidos dos pro-
contribuições para
o pensamento hu- gramadores. Isto daria um nó no interpretador da máquina.
mano, destacando-se:
ética, política, física,
metafísica, lógica,
psicologia, poesia,
retórica, zoologia,
biologia, história nat-
ural e outras áreas de
1.4 Linguagem da Lógica de Predicados
conhecimento. É con-
siderado, por muitos,ao
Pai da Lógica.
Agora que você já conheceu um pouco sobre as linguagens na-
tural e artificial, passaremos ao estudo da Lógica de Predicados.
Ela é a primeira e talvez a mais importante parte da Lógica, pois
além de ser a mais antiga (desenvolvida inicialmente por Aristó-
teles) serve de base para as demais Lógicas. Em um curso inicial
como o nosso é justo, portanto, começarmos pela defição:

Definição 1.1. Uma proposição é uma sentença a que podemos


associar um de dois valores de verdade: falso 0 ou verdadeiro 1.

Exemplo 1.1. Os seguintes exemplos são proposições:

• “O gato é um mamífero”. Valor de verdade associado: ver-


dadeiro.

18
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• “Pedro Álvares Cabral descobriu a Nova Zelândia”. Valor de 1


verdade associado: falso. AULA

• “O hidrogênio é o primeiro elemento da tabela periódica”.


Valor de verdade associado: verdadeiro.

Exemplo 1.2. Os seguintes exemplos não são proposições:

• “Flamengo é o melhor time do mundo”. Exprime uma opinião


pessoal. Verdade apenas para os torcedores do Flamengo.

• “Um sonho azul da cor do mar”. Uma sentença poética.

• “Por favor, não grite!”. Uma sentença exclamativa.

1.4.1 Sintaxe da Linguagem da Lógica de Predicados

Definição 1.2. A linguagem da Lógica de Predicados em seu as- A lógica de predicados


é a base para o desen-
pecto sintático é definida por: volvimento de inúmeras
outras lógicas como as
alética, deôntica, ep-
• um conjunto enumerável de constantes individuais a, b, . . . , t, stemológica, paracon-
sistente, paracompleta,
a1 , a2 , . . . (letras latinas minúsculas até o t) fuzzy etc. Você pode
fazer uma busca, por
informações, na IN-
• um conjunto enumerável de variáveis u, v, x, y, w, z, u1 , u1 , . . . TERNET sobre estes
tipos de lógicas.
(letras latinas minúsculas a partir de u)

• para cada número n natural um conjunto enumerável de


predicados enários A, B, . . . , a1 , . . . (letras latinas maiúscu-
las)

• os conectivos negação (¬), conjunção (∧), disjunção (∨), im-


plicação (→), dupla implicação (↔).

• os quantificadores universal (∀) e existencial (∃)

19
Linguagem da Lógica de Predicados

• símbolos de pontuação parênteses () para indicar a ordem de


aplicação dos operadores.

OBS 1.1. Constantes individuais são como nomes, identificam um


indivíduo ou um objeto. Neste sentido ’a’ pode representar ’Gato’
e ’b’ pode representar ’Pedro Álvares Cabral’ e as proposições “Gato
é um mamífero” e “Pedro Álvarez Cabral descobriu a Nova Zelân-
dia” podem ser escrtitas respectivamente “a é um mamífero” e “b
descobriu a Nova Zelândia”.

OBS 1.2. Algumas vezes podemos e devemos substituir uma con-


stante individual por uma variável. Então, se a proposição “x é um
homem” e tomarmos para variável ’x’ o valor ’Gato’ ela será obvia-
mente FALSA, enquanto que se a variável ’x’ tomar o valor ’Pedro
Álvares Cabral’ a proposição será obviamente VERDADEIRA. De
modo geral, uma variável tem seus valores tomados sobre um con-
junto denominado Conjunto Universo para a citada variável.

OBS 1.3. Um predicado representa propriedades de um indivíduo


ou grupo de indivíduos ou relações entre indivíduos. Na sentença
“x é um poeta,” é um poeta indica, quando substituída a variável
x, que o indivíduo desta substituição tem a propriedade de ser um
poeta. A sentença “Mara senta entre Fernanda e Lígia” representa
uma relação ternária entre três indivíduos e pode ser reescrita como
“a senta entre b e c” se associarmos ’a’ à ’Mara’, ’b’ à ’Fernanda’
e ’c’ à ’Lígia’. Simbolizando a relação “x senta entre y e z” por
P (x, y, z), podemos reescrever a proposição como P (a, b, c). Nem
todo predicado tem necessariamente uma ou mais variáveis em seu
escopo. A sentença “choveu ontem” pode ser FALSA ou VER-
DADEIRA e não faz referência a nenhum indivíduo ou entidade,

20
Fundamentos da Matemática: Livro 1

sendo classificada como predicado zerário. 1


AULA
OBS 1.4. Os conectivos servem para modificar ou criar novas
proposições a partir de outras proposições. Excetuando-se o conec-
tivo de negação que é unário, os demais conectivos são binários, isto
é, conectam duas proposições para construir uma nova proposição.
Assim, a proposição “João é poeta e Fernando é jogador de fute-
bol” pode ser representada, fazendo-se as associações ’a’ ’João’, ’b’
’Fernando’ e os predicados P (x) para “x é poeta” e Q(x) para “x
é jogador de futebol” podemos representar a proposição usando o
conectivo de conjunção por: P (a) ∧ Q(b).

OBS 1.5. O quantificador existencial diz respeito a proposições


do tipo “Alguem é poeta”. Nesta sentença estamos afirmando que
existe um indivíduo que tem a propriedade de ser poeta, sem, no
entanto especificar quem é este indivíduo. Já o quantificador uni-
versal diz respeito a proposições do tipo “Todo homem é mortal”.
Nesta sentença estamos afirmando que a totalidade dos homens
tem a propriedade de ser mortal.

Definição 1.3. Dado um predicado enário P (x1 , . . . , xk , . . . , xn ).


Dizemos que a variável xk é uma variável livre se, somente se xk
não está no escopo de nenhum quantificador.

Exemplo 1.3. Alguns exemplos:

• ∀x(x < 2). Nenhuma variável livre. A variável x está no


escopo de um ∀ quantificador universal.

• x < y 2 . x e y são variáveis livres. Pois, tanto x quanto y não


estão no escopo de nenhum quantificador.

21
Linguagem da Lógica de Predicados

• ∃x(x < y). Apenas y é variável livre. Pois a variável x está


no escopo do ∃ quantificador existencial.

Definição 1.4. Uma sentença em que aparecem uma ou mais vari-


áveis livres é denominada Sentença Livre ou Proposição Livre.

Definição 1.5. Seja P (x1 , . . . , xn ) um predicado enário. Defini-


mos como Átomos as proposição da forma P (a1 , . . . , an ) ou P (x1 ,
. . . , xn ).

OBS 1.6. Em uma proposição atômica não podem aparecer conec-


tivos. Uma proposição em que aparecem um ou mais conectivos
são chamadas Proposições Moleculares.

Exemplo 1.4. As seguintes proposições são átomos:

• A em que A é um predicado zerário.

• P (x) ou P (a) onde P é um predicado unário.

• P (x, y, z) ou P (a, b, c) onde P é um predicado terciário.

Exemplo 1.5. As seguintes proposições são proposições molecu-


lares:

• ¬A onde A é um predicado zerário. O conectivo de negação


¬ está modificando A.

• P (x)∧P (y) ou ¬P (a)∨A onde A e P são predicados zerário e


unário respectivamente. Na primeira proposição o conectivo
de conjunção ∧ liga dois átomos P (x) e P (y). Na segunda,
o conectivo de disjunção ∨ liga um átomo A à proposição
molecular ¬P (a).

22
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• ∀x∃yP (x, y, z) ou ∃zP (a, b, z) onde P é um predicado ter- 1


ciário. A proposição atômica P (x, y, z) é modificada pelos AULA

quantificadores universal ∀ e existencial ∃. E a proposição


atômica P (a, b, x) é modificada pelo quantificador ∃ existen-
cial.

Definição 1.6. As palavras (fórmulas) da linguagem do cálculo


de predicados são definidas por:

• um átomo é uma fórmula.

• se α e β são fórmulas então ¬α, α ∧ β, α ∨ β, α → β e α ↔ β


são fórmulas.

• Se P é um predicado enário e x1 , . . . , xn n variáveis. en-


tão ∀x1 , . . . , xn P (x1 , . . . , xn ) e ∃x1 , . . . , xn P (x1 , . . . , xn ) são
fórmulas.

• nada mais é fórmula.

Exemplo 1.6. Os seguintes exemplos são fórmulas válidas na lin-


guagem do cálculo de predicados:

• α

• α ∧ (β → γ)

• (α → (β ∧ ¬β)) → ¬α

• ∀x(∃y(x < y))

Exemplo 1.7. Os seguintes exemplos são fórmulas não válidas na


linguagem do cálculo de predicados:

• αβ dois átomos que não estão ligados por nenhum conectivo


binário.

23
Linguagem da Lógica de Predicados

• α ∧ (β∧ → γ) ∨ α os conectivos ∧ e → juntos.

• (α → (β¬∧¬β))¬ → ¬α o conectivo ¬ aplicado ao conectivo


→.

• ∀∃x(∃∀y(x < y)) os quantificadores ∀ e ∃ juntos.

1.5 Conclusão

A linguagem é a ferramenta essencial para a comunicação. É


atraves dela que podemos descrever os mecanismos de raciocínio
lógico, na qual utilizamos uma linguagem denominada de Lin-
guagem da Lógica de Predicados. Com regras simples, mas uni-
versais, possibilita que, tanto um Matemático chinês quanto um
Matemático brasileiro possam, sem problemas, ler e compreender
um texto baseado em Lógica de Predicados.

1.6 Resumo

Vimos que as linguagens naturais apresentam três aspectos: o


sintático, o semântico e o pragmático; enquanto que as linguagens
artificiais apresentam apenas dois o sintático e o semântico. O
mofológico diz respeito as regras de construção de palavras e de
frases. O semântico diz respeito ao significado das palavras e das
frases. O pragmático diz respeito aos possíveis significados subten-
dido das frases. A Linguagem da Lógica de Predicados trabalha
com proposições que são frases para as quais podemos associar um
valor verdadeiro ou falso. Vimos também, que a sintaxe da lin-
guagem da lógica de predicados consiste de constantes individuais,
variáveis, predicados enários, dos conectivos negação ¬ (unário),

24
Fundamentos da Matemática: Livro 1

conjunção ∧, disjunção ∨, implicação → e dupla implicação ↔ 1


(binários) e dos quantificadores existencial ∃ e universal ∀. Que AULA

uma variável é dita livre se não está no escopo de nenhum quan-


tificador. Que um átomo é um predicado zerário ou um predicado
enário determinado em um conjunto de n constantes individuais
e/ou variáveis. Que as fórmulas (palavras) da lógica de predicados
são definidas por:

• átomos são fórmulas

• se α e β são fórmulas, ¬α, α ∧ β, α ∨ β, α → β e α ↔ β são


fórmulas.

• se P é um predicado enário e x1 , . . . , xn n variáveis. então


∀x1 , . . . , xn P (x1 , . . . , xn ) e ∃x1 , . . . , xn P (x1 , . . . , xn ) são fór-
mulas.

• nada mais é fórmula.

1.7 Atividades

ATIV. 1.1. Escreva cinco exemplos de sentenças em seja seja pos-


sível encontrar aspectos pragmáticos da linguagem.

Comentário: Volte ao texto e reveja o que é significado prag-


mático.

ATIV. 1.2. Elabore a sintaxe de uma linguagem artificial com


apenas dois símbolos iniciais A e B.

Comentário: Observe a sintaxe da linguagem da lógica de predi-


cados.

25
Linguagem da Lógica de Predicados

1.8 Referências Bibliográficas

MORTARI, Cezar Augusto. Introdução à Lógica. Editora UNESP.


São Paulo. 2001.
GASPAR, Marisa. Introdução à Lógica Matemática. Disponível
em: http:// mjgaspar.sites.uol.com.br/logica/logica. Acessado em
13/01/2007
ABAR, Celina, Noções de Lógica Matemática. Disponível em:
http://www. pucsp.br/∼logica/. Acessado em 13/01/2007

26
1
LIVRO

Conectivos e
Quantificadores
2
AULA
Lógicos

META:
Introduzir os conectivos e quantifi-
cadores lógicos.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Compreender a semântica dos
conectivos lógicos;
Aplicar os quantificadores univer-
sal e existencial para modificar
proposições lógicas.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-01 os conhecimentos da sin-
taxe da Linguagem da Lógica de
Predicados.
Conectivos e Quantificadores Lógicos

2.1 Introdução

Em nossa primeira aula, vimos a sintaxe da Linguagem da


Lógica de Predicados. Nesta segunda, complementaremos intro-
duzindo a semântica . Mais precisamente, como os conectivos e
quantificadores modificam o valor de verdade das proposições.

2.2 Semântica da Linguagem da Lógica de


Predicados

Chegamos ao ponto em que é preciso dotar a linguagem do


cálculo de predicados de uma Semântica, isto é, de significado.
Individualmente, a cada átomo podemos associar um de dois valo-
res de verdade: 0 (falso) ou 1 (verdadeiro). Porém, para as fórmu-
las moleculares, precisamos dizer como os conectivos associam um
dos dois valores de verdade à fórmula molecular a partir dos valores
de verdade das fórmulas atômicas que a compõem. Descrevemos
a semântica de uma fórmula molecular usando uma denominada
tabela de verdade, em que cada linha representa uma das possíveis
combinações de valores de verdade de cada átomo que compõem a
fórmula molecular. Na próxima aula, entraremos em detalhe sobre
o uso de tabelas de verdade para a avaliação de fórmulas molecu-
lares. Para uma proposição composta de n átomos são necessárias
2n entradas. Como a maioria dos conectivos são binários, isto é,
conectam duas proposições, o número de possíveis entradas são 4
(quatro). Os conectivos permitem a análise de proposições mais
complexas do tipo “Se Maria tem mais de 18 anos e é mental-
mente sadia, então Maria é juridicamente responsável pelos seus

28
Fundamentos da Matemática: Livro 1

atos”. Notem que esta regra não é válida apenas para Maria, seja 2
lá quem for Maria, vale para todos. Daí, podemos dizer que “To- AULA

das as pessoas que têm mais de 18 anos e são mentalmente sadias


então são juridicamente responsáveis pelos seus atos”. Na segunda
proposição, além do uso de conectivos identificamos o uso do quan-
tificador universal quando dizemos que o predicado ou propriedade
vale para todos os indivíduos.
NEGAÇÃO A negação, como o próprio nome diz, nega a proposi-
ção que tem como argumento. Tem como símbolos ∼ α , ¬α, ou,
algumas vezes, uma barra sobre a variável lógica, ᾱ, ou o sinal nega-
tivo, −α, ou o símbolo barra invertida, /α, ou ainda, α0 . Lembre-se
de que o símbolo nada mais é que uma simples representação da
negação. O que é relevante é que o significado do símbolo seja
explicitamente declarado. Aqui usaremos o simbólo ¬ para re-
presentar a negação daqui para frente. A semântica do conectivo
negação.

α ¬α
1 0
0 1

Tabela 2.1: semântica do conectivo de negação da Linguagem da


Lógica de Predicados

Exemplo 2.1. Alguns exemplos de uso do conectivo de negação:

• se α =Maria tem um gato, ¬α =Maria não tem um gato.

• se α =O gato é um mamífero, ¬α =O gato não é um mamífe-


ro.

• se α =O rato é um pássaro, ¬α =O rato não é um pássaro.

29
Conectivos e Quantificadores Lógicos

CONJUNÇÃO A conjunção estabelece uma adição entre duas


proposições de modo que se α e β são duas proposições, a con-
junção de α e β será verdade somente no caso em que ambas α e
β forem verdadeiras. O símbolo mais utilizado para a conjunção é
α ∧ β, em Eletrônica Digital é o ponto α • β.

α β α∧β
1 1 1
0 1 0
1 0 0
0 0 0

Tabela 2.2: semântica do conectivo de conjunção da Linguagem


da Lógica de Predicados

Exemplo 2.2. Alguns exemplos de uso do conectivo de conjunção:

• caso α =Maria tem um gato malhado e β = O rato é um


pássaro amarelo, teremos então que α ∧ α =Maria tem um
gato malhado e o rato é um pássaro amarelo.

• caso α = A batata é um vegetal e β = Sergipe fica no


Nordeste do Brasil, teremos então que α ∧ β = A batata
é um vegetal e Sergipe fica no nordeste do Brasil.

• caso α = A é a última letra do alfabeto e β = Uma centopéia


tem apenas 11 pares de pernas, teremos então que α ∧ β =
A é a última letra do alfabeto e uma centopéia tem apenas
11 pares de pernas.

• caso α =Um juiz de Direito tem que ser formado em Medi-



cina e q = 4 = 2 teremos que α ∧ β =Um juiz de Direito

30
Fundamentos da Matemática: Livro 1


tem que ser formado em Medicina e 4 = 2. 2
AULA
DISJUNÇÃO A disjunção estabelece uma separação entre duas
proposições, entendida de modo inclusivo, de modo que se α e β
são duas proposições, a disjunção de α e β será falsa somente no
caso em que ambas α e β forem falsas. O símbolo mais utilizado
para a disjunção é α ∨ β, em Eletrônica Digital, é o mais α + β.

α β α∨β
1 1 1
0 1 1
1 0 1
0 0 0

Tabela 2.3: semântica do conectivo de disjunção da Linguagem da


Lógica de Predicados

Exemplo 2.3. Alguns exemplos de uso do conectivo de disjunção:

• caso α = O décimo elemento da tabela periódica é o oxigênio


e β = O rato é um pássaro amarelo, teremos então que α∨β =
O décimo elemento da tabela periódica é o oxigênio ou o rato
é um pássaro amarelo.

• caso α =O elefante africano é cinza claro e β =O céu é azul


turquesa, teremos então que α ∨ β =O elefante africano é
cinza claro ou o céu é azul turquesa.

• caso α =Um litro de água pesa um quilo e β = Partículas de


carga elétrica iguais se repelem, teremos então que α∨β =Um
litro de água pesa um quilo ou partículas de carga elétrica
iguais se repelem.

31
Conectivos e Quantificadores Lógicos

• caso α = Uma tartaruga pode viver mais de cem anos e β =


A meningite é uma doença que só ataca as pessoas do sexo
feminino, teremos então que α ∨ β = Uma tartaruga pode
viver mais de cem anos ou a meningite é uma doença que só
ataca as pessoas do sexo feminino.

IMPLICAÇÃO A implicação estabelece uma condição entre


duas proposições: a primeira chamada antecedente e a segunda
de conseqüente, de modo que se α e β são duas proposições, a
implicação α implica em β será falsa somente no caso em que α
(antecedente) for verdadeira e β (conseqüente) é falsa. O símbolo
mais utilizado para a implicação é α → β, menos usual α ⊃ β.

α β α→β
1 1 1
0 1 1
1 0 0
0 0 1

Tabela 2.4: semântica do conectivo de implicação da Linguagem


da Lógica de Predicados

Exemplo 2.4. Alguns exemplos de uso do conectivo de impli-


cação:

• se α =Maria tem um gato e β =O rato é um pássaro, teremos


então que α → β =Maria tem um gato leva a que o rato é
um pássaro.

• caso α =O elefante é cinza e β =O céu é azul, teremos que


α → β =Se o elefante é cinza implica em que o céu é azul.

32
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• caso α =Um litro de água pesa um quilo e β =O Brasil fica 2


na Ásia, teremos que α → β = Se um litro de água pesa um AULA

quilo então o Brasil fica na Ásia.



• caso α =Um time de futebol tem 5 jogadores e β = 4 = 2,
teremos que α → β =Se um time de futebol tem 5 jogadores

em conseqüência 4 = 2.

OBS 2.1. A implicação lógica (condicional) pode, a princípio,


parecer estranha pelo fato de que uma implicação é falsa apenas
no caso em que o antecedente é verdadeiro e o conseqüente é falso.
Este fato é a base de toda a Matemática, ou seja, de uma infor-
mação verdadeira jamais raciocinando matematicamente chegare-
mos a uma conclusão falsa. Na linguagem coloquial, frases como a
do terceiro exemplo não fazem sentido muito embora para a Lógica
de Predicados elas sejam verdadeiras.

DUPLA IMPLICAÇÃO A dupla implicação (bi-condicional)


estabelece uma condição bidirecional entre duas proposições de
modo que se α e β são duas proposições; a dupla implicação será
verdade quando ambas α e β tiverem o mesmo valor de verdade.
O símbolo mais utilizado para a dupla implicação é α ↔ β, menos
usual α ≡ β

Exemplo 2.5. Alguns exemplos de uso do conectivo de dupla


implicação:

• se α =Maria tem um gato e β =O rato é um pássaro, teremos


então que α ↔ β =Maria tem um gato se, somente se o
rato é um passaro.

• caso α =O elefante é cinza e β =O céu é azul, teremos então

33
Conectivos e Quantificadores Lógicos

α β α↔β
1 1 1
0 1 0
1 0 0
0 0 1

Tabela 2.5: semântica do conectivo de dupla implicação da Lin-


guagem da Lógica de Predicados

que α ↔ β =O elefante é cinza se, somente se, o céu é


azul.

• caso α =Um litro de água pesa um quilo e β =o hidrogênio


tem peso atômico 17, teremos então que α ↔ β =Um litro
de água pesa um quilo se, somente se, o hidrogênio tem
peso atômico 17.

2.3 Quantificadores

Quantificadores, em Lógica de Predicados, são elementos que


especificam a extensão da validade de um predicado sobre um con-
junto de constantes individuais. Assim, na proposição “todos os
homens são mortais”, estamos estendendo a todos os elementos do
conjunto dos homens a propriedade de ser mortal e na proposição
“existe um planeta com duas luas”, estamos querendo dizer que do
conjunto de todos os planetas ao menos um deles tem duas luas.
QUANTIFICADOR UNIVERSAL Uma proposição é quan-
tificada universalmente quando refere-se à todo elemento do con-
junto do domínio do predicado. O símbolo para o quantificador
universal é ∀.

34
Fundamentos da Matemática: Livro 1

QUANTIFICADOR EXISTENCIAL Uma proposição é dita 2


quantificada existencialmente quando refere-se à algum elemento AULA

do conjunto do domínio do predicado. O símbolo para o quantifi-


cador existencial é ∃.

Exemplo 2.6. Alguns exemplos de uso do quantificador universal


e do quantificador existencial:

• Todo homem é mortal. Podemos aqui representar por P =é


mortal, U =conjunto de todos os homens. Daí, a proposição
pode ser representada por: ∀x, P (x).

• Existe um mamífero de quatro patas. Podemos representar


por P =mamífero de quatro patas, U =conjunto de todos os
mamíferos. Temos então que a proposição pode ser represen-
tada por: ∃x, P (x).

OBS 2.2. A negação de proposições onde aparecem quantificadores


pode ser resumida por:

• ¬(∀x, P (x)) = ∃x, ¬P (x).

• ¬(∃x, P (x)) = ∀x, ¬P (x).

2.4 Conclusão

A Lógica de Predicados não teria muita utilidade sem os seus


conectivos. Eles ajudam a ligar proposições, de modo a formar
novas e mais complicadas proposições. Os conectivos exercem a
função de reunir fatos para que, posteriormente, possamos tirar
conclusões.

35
Conectivos e Quantificadores Lógicos

2.5 Resumo

A semântica dos conectivos da Linguagem da Lógica de Predi-


cados pode ser resumida na tabela abaixo.

α β ¬α α∧β α∨β α→β α↔β


1 1 0 1 1 1 1
0 1 1 0 1 1 0
1 0 0 0 1 0 0
0 0 1 0 0 1 1

Tabela 2.6: semântica dos conectivos da Linguagem da Lógica de


Predicados

2.6 Atividades

ATIV. 2.1. Para cada um dos conectivos da Lógica de Predicados


escreva três proposições logicamente válidas.
Comentário: Basei-se nos exemplos acima.

ATIV. 2.2. Para cada um dos quantificadores da Lógica de Pre-


dicados escreva uma proposição logicamente válidas.
Comentário: Basei-se nos exemplos acima.

2.7 Referências Bibliográficas

MORTARI, Cezar Augusto. Introdução à Lógica. Editora UNESP.


São Paulo. 2001.
GASPAR, Marisa. Introdução à Lógica Matemática. Disponível
em: http:// mjgaspar.sites.uol.com.br/logica/logica. Acessado em
13/01/2007

36
Fundamentos da Matemática: Livro 1

ABAR, Celina, Noções de Lógica Matemática. Disponível em: 2


http://www. pucsp.br/∼logica/. Acessado em 13/01/2007 AULA

37
1
LIVRO

Valorações e
Tabelas de Verdade
3
AULA

META:
Apresentar tabelas de verdade para
classificar proposições lógicas.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Aplicar valorações de um conjunto
de proposiçoes moleculares;
Usar tabelas de verdade para avaliar
as possíveis valorações de um con-
junto de proposições moleculares.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-02 os conhecimentos da
semântica da Linguagem da Lógica
de Predicados.
Valorações e Tabelas de Verdade

3.1 Introdução

Caro aluno, na aula anterior, vimos as definições semânticas


dos conectivos lógicos e dos quantificadores. Hoje, continuare-
mos ainda que em ritmo de valsa, a navegar no mar da Lógica
Matemática aproveitando o passeio para conhecê-la melhor. Nesta
aula, conceituaremos valorações que é uma das formas de se avaliar
as proposições moleculares. Esperamos que o pré-requisito soli-
citado seja realizado, pois ele facilitará a compreensão e o bom
andamento de nossa aula.

3.2 Valorações

Valorações constituem-se em uma das formas de se avaliar uma


proposição molecular a partir de suas proposições atômicas. Para
compreendermos melhor, iniciaremos pela definição:

Definição 3.1. Seja Γ = {α1 , . . . , αn } um conjunto com n proposi-


ções atômicas. Definimos uma valoração sobre Γ como uma função
v : Γ 7→ {0, 1}.

OBS 3.1. Uma valoração é uma função que associa a cada uma
das proposições de um conjunto de proposições um de dois valores
de verdade 0 para falso e 1 para verdade.

Exemplo 3.1. Como exemplo podemos tomar Γ = {α, β, γ} uma


possível valoração é v : Γ 7→ {0, 1} dada por:

v(α) = 1, v(β) = 0, v(γ) = 0

40
Fundamentos da Matemática: Livro 1

A lógica de predicados baseia-se no princípio de que a valoração 3


de uma proposição molecular é determinada unicamente pelas va- AULA

lorações de suas proposições atômicas. Para estabelecer as regras


que deteminam a valoração de uma proposição molecular, vere-
mos primeiramente algumas operações sobre o conjunto {0, 1}, no
âmbito da álgebra de Boole.
George Boole nasceu
em Lincoln - Inglaterra
em 2 de Novembro
3.3 Álgebra de Boole de 1815. Autodidata,
fundou aos 20 anos de
idade a sua própria
A álgebra de Boole ou álgebra booleana foi criada pelo matemá- escola e dedicou-se ao
tico inglês George Boole e consta do conjunto B = {0, 1} e três estudo da Matemática.
Em 1847 publicou The
operações + : B × B 7→ B uma soma, • : B × B 7→ B um produto Mathematical Analysis
of Logic em que in-
e ∗ : B 7→ B complementar. Definidas pelas tabelas abaixo: troduziu os conceitos
de lógica simbólica
demonstrando que
+ 0 1 • 0 1 * a lógica podia ser
reduzida a equações
0 0 1 0 0 0 0 1 algébricas. Wikipedia
1 1 0 1 0 1 1 0

OBS 3.2. É fácil verificar (verificação direta) as seguintes pro-


priedades da álgebra de Boole:

• a + b = b + a, ∀a, b ∈ B

• a + (b + c) = (a + b) + c, ∀a, b, c ∈ B

• a • b = b • a, ∀a, b ∈ B

• a • (b • c) = (a • b) • c, ∀a, b, c ∈ B

• a + (b • c) = (a + b) • (a + c), ∀a, b, c ∈ B

• a • (b + c) = (a • b) + (a • c), ∀a, b, c ∈ B

41
Valorações e Tabelas de Verdade

• a + a∗ = 1, ∀a ∈ B

• a • a∗ = 0, ∀a ∈ B

A partir de agora, caro aluno, podemos definir como calcular uma


valoração de uma proposição molecular a partir da valoração de
suas proposições atômicas. Para isto, usaremos a definição que
representa a semântica dos conectivos lógicos.

Definição 3.2. Sejam α e β proposições atômicas e v : {α, β} 7→


{0, 1} uma valoração então:

• v(¬α) = v(α)∗

• v(α ∧ β) = v(α) • v(β)

• v(α ∨ β) = v(α) + v(β)

• v(α → β) = v(α)∗ + v(β)

• v(α ↔ β) = (v(α)∗ + v(β) • (v(α) + v(β)∗ )

3.4 Tabela de Verdade

Dada uma proposição molecular podemos especular sobre quais


os possíveis valores de verdade que ela pode ter para uma deter-
minada valoração de seus átomos. Mais ainda, podemos especular
sobre os valores de verdade que ela pode ter para todas as pos-
síveis valorações de seus átomos. Podemos reunir todas as pos-
síveis valorações de uma proposição molecular em uma tabela, a
qual denominamos de TABELA DE VERDADE. Os possíveis
valores para uma proposição molecular, como vocês já sabem, são
dois: falso 0 e verdadeiro 1. Desta forma, o número de todas as

42
Fundamentos da Matemática: Livro 1

possíveis combinações de valores de verdade para um conjunto de 3


n proposições atômicas é 2n . AULA

OBS 3.3. Cada linha de uma tabela de verdade é denominada


uma instância ou simplesmente uma valoração.

Um conceito muito útil ao se manipular proposições moleculares


é o de subfórmula, que entre outras coisas serve para criação de
tabela de verdade. Vamos à definição:

Definição 3.3. Uma subfórmula é definida pelas seguintes regras:

• se α é uma fórmula então α é uma subfórmula.

• se α, β e γ são fórmulas e α = ¬β, α = β ∧ γ, α = β ∨ γ,


α = β → γ ou α = β ↔ γ então β e γ são subfórmulas de α.

• Se x é uma variável e α = ∀xP (x) ou α = ∃xP (x) então


P (x) é subfórmula de α.

• Se β é subfórmula de α e γ é subfórmula de β então γ é


subfórmula de α.

• nada mais é subfórmula.

Algoritmo s. m.
Vejamos a seguir como o conceito de subfórmula pode ser usado
Sistema particular de
na elaboração de um algoritmo para criar a tabela de verdade de disposição que se dá
a uma sucessão de
uma proposição molecular. Vamos ao algoritmo para construção cálculos numéricos.
Dicionário Prático
da tabela de verdade de uma proposição α molecular. Michaelis

Passo 1 Contar o número n de símbolos proposicionais.

Passo 2 Montar uma tabela com 2n linhas e tantas colunas, quan-


tas forem as subfórmulas da proposição α.

43
Valorações e Tabelas de Verdade

Passo 3 Preencher as colunas dos símbolos proposicionais com 1


ou 0 alternando de cima para baixo para a primeira coluna
1010..., para a segunda coluna 11001100..., para a terceira
coluna 1111000011110000... e assim por diante alternando
sempre em potências de 2.

Passo 4 computar o valor de verdade das outras colunas usando


a semântica dos conectivos lógicos.

3.4.1 Uso de Parêntese e Prioridade dos Conectivos


Lógicos

O uso de parênteses na construção de proposições moleculares


mais complexas é inprescindível. Porém, mesmo em proposições
moleculares relativamente simples o uso de parênteses também é
necessário para evitar ambigüidades. Como exemplo a proposição
α ∨ β ∧ γ que pode ser interpretada de duas maneiras diferentes:

• α ∨ (β ∧ γ)

• (α ∨ β) ∧ γ

Daí, se não usarmos parênteses não poderemos decidir que inter-


pretação teremos.

Em proposições moleculares mais complexas, o número de parên-


teses pode ser reduzido usando-se o subterfúgio da ordem de pri-
oridade. Em palavras mais simples, quem é mais forte do que
quem aplica aos quantificadores lógicos. A convenção para a or-
dem de prioridade dos conectivos lógicos, em ordem crescente de
prioridade é:

44
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• ¬ negação. 3
AULA

• ∧ conjunção e ∨ disjunção.

• → implicação e ↔ dupla implicação.

Onde, o conectivo ¬ negação é o mais fraco, tem prioridade mais


baixa. Os conectivos ∧ conjunção e ∨ disjunção vem a seguir com
mesmo nível de prioridade, seguidos da → implicação e ↔ dupla
implicação, que têm a maior prioridade, sendo os conectivos mais
fortes.

Desta forma, a proposição (α → (β ∧ γ)) pode dispensar o par de


parênteses externos e passar a forma α → (β ∧ γ) que por sua vez,
como a implicação → tem prioridade sobre a conjunção ∧, o par de
parênteses restante pode ser também dispensado. E a proposição
toma, sem ambigüidade, a forma final α → β ∧ γ. A propósito,
tomaremos esta proposição para exemplificar o algoritmo da tabela
de verdade. Primeiramente vemos que α → β ∧ γ tem três átomos.
A saber, α, β e γ, o que nos dá 23 = 8 linhas na tabela de verdade
e como as subfórmulas são: α, β, γ, β ∧ γ e α → β ∧ γ teremos
5 colunas na tabela de verdade. Na coluna referente ao átomo α
alternamos 10101010, na coluna referente ao átomo β alternamos
11001100 e na coluna referente ao átomo γ alternamos 11110000,
construindo a tabela 3.1 .

Finalmente, completamos as colunas restantes (tabela 3.2)


usando a semântica dos conectivos lógicos aplicada a cada uma
das subfórmulas restantes. A saber:

45
Valorações e Tabelas de Verdade

α β γ β∧γ α→β∧γ
1 1 1
0 1 1
1 0 1
0 0 1
1 1 0
0 1 0
1 0 0
0 0 0

Tabela 3.1: Proposição α → β ∧ γ.

3.5 Tautologia, Contradição e Contingência

Você já pensou na possibilidade de que uma proposição molec-


ular possa ser verdadeira independente de quais os valores de ver-
dade de suas proposições atômicas componentes? Se você respon-
deu que já, você acabou de antecipar um conceito importante
TAUTOLOGIA. Para oficializar vamos à definição.

Definição 3.4. Uma fórmula molecular é dita uma tautologia,


denotada >, somente se seu valor de verdade for 1 verdade, para
qualquer combinação de valor de verdade de seus átomos.

A contrapartida da TAUTOLOGIA é a CONTRADIÇÃO que


é falsa independentemete dos valores de verdade de suas proposições
atômicas componentes. Vamos à definição.

Definição 3.5. Uma fórmula molecular é dita uma contradição,


denotada ⊥, somente se seu valor de verdade for 0 falso, para
qualquer combinação de valor de verdade de seus átomos.

46
Fundamentos da Matemática: Livro 1

α β γ β∧γ α→β∧γ 3
AULA
1 1 1 1 1
0 1 1 1 1
1 0 1 0 0
0 0 1 0 1
1 1 0 0 0
0 1 0 0 1
1 0 0 0 0
0 0 0 0 1

Tabela 3.2: Proposição α → β ∧ γ.

Definição 3.6. Uma fórmula molecular é dita uma contingência,


somente se não for uma tautologia nem uma contradição.

Exemplo 3.2. Como exemplos temos:

• ¬(β → α) uma contingencia.

• α → (β → α) uma tautologia.

• α ∧ ¬(β → α) uma contradição.

Podemos confirmar verificando a tabela de verdade abaixo.

α β ¬α β→α ¬(β → α) α → (β → α) α ∧ ¬(β → α)


1 1 0 1 0 1 0
0 1 1 0 1 1 0
1 0 0 1 0 1 0
0 0 1 1 0 1 0

Tabela 3.3: Contingência, tautologia e contradição.

47
Valorações e Tabelas de Verdade

Caro aluno, por hoje é só. Faremos um pequeno resumo do assunto


exposto nesta aula e propomos algumas atividades de reforço. As
referências bibliográficas fornecem material adicional de consulta,
caso você queira aprofundar-se mais sobre o conteúdo abordado na
aula de hoje.

3.6 Conclusão

Embora as valorações forneçam um modo elegante de definir


a semântica de proposições, as tabelas de verdade constituem um
método mais prático e visual de, também, definir a semântica de
proposições moleculares.

3.7 Resumo

Começamos definindo o conceito de valoração. A saber:


Definição: Seja Γ = {α1 , . . . , αn } um conjunto com n proposições
atômicas. Definimos uma valoração sobre Γ como uma função
v : Γ 7→ {0, 1}.
Em seguida, vimos um tipo particular de álgebra definida sobre o
conjunto B = {0, 1} de valores de verdade, conhecida como álgebra
de Boole, e composta de três operações: uma soma, um produto e
um complementar, resumidos nas tabelas:

+ 0 1 • 0 1 *
0 0 1 0 0 0 0 1
1 1 0 1 0 1 1 0

Vimos que a álgebra de Boole permite definir de modo elegante e


conciso, a semântica dos conectivos lógicos, dada por:

48
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição: Se α e β são proposições atômicas e v : {α, β} 7→ 3


{0, 1} uma valoração então, a semântica para os conectivos lógicos AULA

fica definida pelas valorações v(α) e v(β), das proposições α e β,


respectivamente, por:

• v(¬α) = v(α)∗

• v(α ∧ β) = v(α) • v(β)

• v(α ∨ β) = v(α) + v(β)

• v(α → β) = v(α)∗ + v(β)

• v(α ↔ β) = (v(α)∗ + v(β) • (v(α) + v(β)∗ )

Que, para traçar a tabela de verdade, que resume todas as pos-


síveis valorações de uma proposição molecular, é útil o conceito de
subfórmula:
Definição: Uma subfórmula é definida pelas seguintes regras:

• se α é uma fórmula então α é uma subfórmula.

• se α, β e γ são fórmulas e α = ¬β, α = β ∧ γ, α = β ∨ γ,


α = β → γ ou α = β ↔ γ então β e γ são subfórmulas de α.

• Se x é uma variável e α = ∀xP (x) ou α = ∃xP (x) então


P (x) é subfórmula de α.

• Se β é subfórmula de α e γ é subfórmula de β então γ é


subfórmula de α.

• nada mais é subfórmula.

Que para traçar uma tabela de verdade para uma proposição mole-
cular usamos o seguinte algoritmo:

49
Valorações e Tabelas de Verdade

Passo 1 Contar o número n de símbolos proposicionais.

Passo 2 Montar uma tabela com 2n linhas e tantas colunas quan-


tas forem as subfórmulas da proposição p.

Passo 3 Preencher as colunas dos símbolos proposicionais com 1


ou 0 alternando de cima para baixo para a primeira coluna
1010..., para a segunda coluna 11001100..., para a terceira
coluna 1111000011110000... e assim por diante alternando
sempre em potências de 2.

Passo 4 computar o valor verdade das outras colunas usando as


a semântica dos conectivos lógicos.

Finalmente vimos as definições de tautologia, contradição e con-


tingência dadas por:
Definição: Uma fórmula molecular é dita uma tautologia, de-
notada > se, somente se seu valor de verdade é 1 verdade, para
qualquer combinação de valor de verdade de seus átomos
Definição: Uma fórmula molecular é dita uma contradição, de-
notada ⊥ se, somente se seu valor de verdade é 0 falso para qual-
quer combinação de valor de verdade de seus átomos
Definição: Uma fórmula molecular é dita uma contingência,
somente se não for uma tautologia nem uma contradição

3.8 Atividades

ATIV. 3.1. Construa a tabela de verdade para cada uma das


proposições moleculares abaixo:

• (α ∨ β) ∧ (α ∨ γ).

50
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• α → (β → γ). 3
AULA
Comentário: Reveja o algoritmo e exemplo da seção 3.4.

ATIV. 3.2. Verifique se cada uma das proposições moleculares


abaixo são tautologia, contradição ou contingência:

• (α ↔ β) ∧ (β ↔ γ) → (α ↔ γ).

• (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ).

• (α → β) ∧ (α ∧ ¬β).

Comentário: Use a tabela de verdade para cada uma das proposi-


ções. Reveja o algoritmo e exemplo da seção 3.4

3.9 Referências Bibliográficas

MORTARI, Cezar Augusto. Introdução à Lógica. Editora UNESP.


São Paulo. 2001.
GASPAR, Marisa. Introdução à Lógica Matemática. Disponível
em: http:// mjgaspar.sites.uol.com.br/logica/logica. Acessado em
13/01/2007
ABAR, Celina. Noções de Lógica Matemática. Disponível em:
http://www. pucsp.br/∼logica/. Acessado em 13/01/2007

51
1
LIVRO

Regras de Inferência
e Regras de
4
AULA
Equivalência

META:
Introduzir algumas regras de
inferência e algumas regras de
equivalência.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Reconhecer se uma proposição é
uma regra de inferência;
Reconhecer se uma proposição é
uma regra de equivalência.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-02 os conhecimentos da
semântica da Linguagem da Lógica
de Predicados.
Regras de Inferência e Regras de Equivalência

4.1 Introdução

Caro aluno, em nossas aulas anteriores, estabelecemos a lin-


guagem da lógica de predicados, conhecida também por lógica de
primeira espécie, estudamos como determinar a semântica de uma
proposição molecular usando tabelas de verdade. Aqui, daremos
um passo adiante, estudaremos as relações de equivalência e vere-
mos como usá-las na manipulação de proposição moleculares.

4.2 Regras de Equivalência

Começaremos nossa aula pela definição do que é uma regra de


equivalência e em seguida, listaremos uma seqüência das principais
regras de equivalência da lógica de predicados. Vejamos:

Definição 4.1. Dizemos que uma fórmula α é semanticamente


equivalente a fórmula β, denotado α ≡ β, somente se α ↔ β for
uma tautologia.

Aqui temos algumas das principais regras de equivalência:

E01 α ∧ α ≡ α (Idempotência da conjunção).


E02 α ∨ α ≡ α (Idempotência da disjunção).
E03 α ∧ β ≡ β ∧ α (Comutativa da conjunção).
E04 α ∨ β ≡ β ∨ α (Comutativa da disjunção).
E05 (α ∧ β) ∧ γ ≡ α ∧ (β ∧ γ) (Associativa da conjunção).
E06 (α ∨ β) ∨ γ ≡ α ∨ (β ∨ γ) (Associativa da disjunção).
E07 α ∧ (β ∨ γ) ≡ (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ) (Distributiva da conjunção).
E08 α ∨ (β ∧ γ) ≡ (α ∨ β) ∧ (α ∨ γ) (Distributiva da disjunção).
E09 ¬¬α ≡ α (Dupla negação).

54
Fundamentos da Matemática: Livro 1

E10 ¬(α ∧ β) ≡ ¬α ∨ ¬β (DeMorgan da conjunção). 4


E11 ¬(α ∨ β) ≡ ¬α ∧ ¬β (DeMorgan da disjunção). AULA

E12 α → β ≡ ¬α ∨ β (Implicação).
E13 α ↔ β ≡ (α → β) ∧ (β → α) (Dupla implicação).

Augustus De Morgan
OBS 4.1. As propriedades comutativas e associativas da con- nasceu em Madura,
na Índia, em 27 de
junção e da disjunção significam que em uma proposição envol- junho de 1806 - morreu
em Londres, 18 de
vendo só conjunções ou disjunções podemos dispensar o uso de
marco de 1871. Foi um
parênteses. Observamos também, que a dupla implicação também Matemático e Lógico
britânico. Formulou as
possui propriedades comutativa e associativa. Por outro lado a Leis de De Morgan e
foi o primeiro a tornar
implicação não é comutativa (vide a propriedade contrapositiva) rigorosa a idéia da
Indução Matemática.
nem associativa (vide propriedade da implicação). Wikipedia

OBS 4.2. As leis de De Morgan como o nome já indica foram


proposta pelo matemático inglês Augustus De Morgan e descrevem
como a negação é distribuída sobe a conjunção e sobre a disjunção.

OBS 4.3. Uma infinidade de outras regras de equivalência podem


ser propostas. As expostas acima são algumas das mais impor-
tantes, pois representam importantes propriedades dos conectivos
lógicos.

Da mesma forma definiremos primeiramente o que vem a ser uma


regra de inferência, para em seguida listar algumas das principais
regras de inferência da lógica de predicados. A saber:

Definição 4.2. Dizemos que uma fórmula β é semanticamente in-


ferida das fórmulas α1 , . . . , αn , denotado α1 , . . . , αn ` β se somente
se α1 ∧ · · · ∧ αn → β é uma tautologia.

Aqui temos algumas das principais regras de inferência:


I01 α, β ` α (Simplificação)

55
Regras de Inferência e Regras de Equivalência

I02 α ` α ∨ β (Adição)
I03 α, α → β ` β (Modus pones)
I04 ¬β, α → β ` ¬α (Modus Tollens)
I05 α → β, β → γ ` α → γ (Silogismo hipotético)

OBS 4.4. As regras de inferência, na lógica de predicados, são


infinitas. Porém, aqui listamos apenas algumas das mais impor-
tantes.

Completando as regras de inferência e de equivalência temos os


axiomas, sobre os quais a lógica de predicados é estabelecida. Axi-
omas são em si regras de inferências ou de equivalência tão especiais
que mereceram o status de axiomas isto é, proposições assumidas
como verdades absolutas. O conjunto de axiomas pode ter um ou
mais axiomas substituídos por outros. Mesmo o número de axi-
omas adotados pode variar dependendo da vontade, estilo ou telha
do Lógico Matemático que os propõe. Veremos aqui os axiomas
mais usuais. A saber:

A01 x = x Axioma da identidade.


A02 ((x = y) ∧ P (x)) ` P (y) Axioma da substituição.
A03 (α → (β ∧ ¬β)) ` ¬α Axioma da não-contradição.
A04 (α → β) ∧ (¬α → β) ` β Axioma do terceiro excluído.

OBS 4.5. O axioma da identidade diz que qualquer objeto é igual


a si mesmo. Embora possa parecer óbvio que qualquer coisa é
igual a ela mesma, este objeto do conhecimento comum tem que
ser axiomatizado, visto que em Matemática não existe nada óbvio

56
Fundamentos da Matemática: Livro 1

tudo tem que ser provado, demonstrado ou axiomatizado isto é, 4


assumido como verdade. AULA

OBS 4.6. O axioma da substituição, juntamente com o axioma da


identidade formam uma base sólida para muitas das demonstrações
em Matemática. Em particular o axioma da substituição diz que se
dois objetos matemáticos são iguais, onde aparecem uma instância
do primeiro, ela pode ser substituída pelo segundo.

OBS 4.7. O axioma da não-contradição cuida para que uma pro-


posição não possa ser provada dentro da lógica e que sua negação
também possa ser provada.

OBS 4.8. Um axioma do terceiro excluído, conhecido também


como axioma do meio termo excluído, diz que uma proposição
deverá ser ou falsa ou verdadeira, sendo vedado o direito de ser
falsa e verdadeira e também negado o direito de ser nem falsa nem
verdadeira. Estas duas proibições fincam a base da Matemática.
Porém, como a lógica é mais uma filosofia, desta forma a Lógica
Paraconsistente mantêm o princípio do terceiro excluído com ape-
nas a proibição de uma proposição ser nem falsa e nem verdadeira
e relaxando a proibição de ser falsa e verdadeira ao mesmo tempo.
Já a Lógica Paracompleta mantêm a proibição de uma proposição
ser falsa e verdadeira ao mesmo tempo, porém aceita que uma
proposição possa ser nem falsa e nem verdadeira.

Completando os axiomas acima, temos mais três esquemas de


axiomas. A saber:

A05 (α → (β → α))
A06 ((α → (β → γ)) → ((α → β) → (α → γ)))
A07 ((¬β → ¬α) → ((¬β → α) → β))

57
Regras de Inferência e Regras de Equivalência

4.3 Subconjuntos Completos de Conectivos

O conceito de subconjunto completo de conectivos é importante


para quem deseja desenvolver a lógica de predicados de forma mais
compacta em seu aspecto sintático, porém ao diminuir a quanti-
dade de conectivos para representar uma dada proposição, aumen-
tamos drasticamente o número de parênteses que por sua vez é uma
complicação manter a paridade abre parêntese, fecha parêntese.

Definição 4.3. Denotamos e definimos o conjunto de conectivos


básicos da Lógica de Predicados por:

C = {¬, ∧, ∨, →, ↔}

Definição 4.4. Seja A ⊂ C. Dizemos que A é completo, somente


se todos os conectivos de C poderem ser equivalentes a uma fór-
mula em que constem apenas conectivos de A.

Exemplo 4.1. A = {¬, ∧, ∨} é um conjunto completo de conec-


tivos.
PROVA:
01 α → β ≡ ¬α ∨ β implicação
02 α ↔ β ≡ (α → β) ∧ (β → α) dupla implicação
03 α ↔ β ≡ (¬α ∨ β) ∧ (¬β ∨ α) 1 em 2
Portanto, 1 e 3 garantem que A é um subconjunto completo de
conectivos de C. 

Vejamos também um segundo exemplo.

Exemplo 4.2. A = {¬, →} é um conjunto completo de conectivos.

58
Fundamentos da Matemática: Livro 1

PROVA: 4
01 α → β ≡ ¬α ∧ β implicação AULA
02 ¬α ∧ β ≡ α → β α≡β↔β≡α
03 ¬¬α ∧ β ≡ ¬α → β de 2 e α = ¬α
04 α ∧ β ≡ ¬α → β de 3 e ¬¬α ≡ α
Antes de continuar com a prova é necessário uma nova inferência.
A saber: α ≡ β ` ¬α ≡ ¬β.
PROVA:
05 α ≡ β Premissa
06 α↔β definição
07 (α → β) ∧ (β → α) dupla implicação
08 (¬β → ¬α) ∧ (¬α → ¬β) contrapositiva
09 (¬α → ¬β) ∧ (¬β → ¬α) comut. da conjunção
10 ¬α ↔ ¬β dupla implicação
11 ¬α ≡ ¬β definição
Podemos agora encontrar uma fórmula para disjunção. A saber:
12 ¬(α ∧ β) ≡ ¬(¬α → β) aplicando 11 em 4
13 ¬α ∨ ¬β ≡ ¬(¬α → β) De Morgan
14 ¬¬α ∨ ¬¬β ≡ ¬(¬¬α → ¬β) α = ¬α e β = ¬β
15 α ∨ β ≡ ¬(α → ¬β) ¬¬α ≡ α e ¬¬β ≡ β
Finalmente vamos encontrar uma fórmula para a dupla implicação.
A saber:
16 α ↔ β ≡ (α → β) ∧ (β → α) dupla implicação
17 α ↔ β ≡ ¬(α → β) → (β → α) usando 4 em 16
Portanto, 4, 15 e 17 garantem que A é um subconjunto completo
de conectivos de C. 

Podemos também, definir novos conectivos partindo de um con-


junto completo de conectivos, como na tabela abaixo.

59
Regras de Inferência e Regras de Equivalência

Descrição Símbolo Definição do conectivo


Tautologia > α ∨ ¬α
Contradição ⊥ α ∧ ¬α

Ou excluusivo ∨ (α ∧ ¬β) ∨ (¬α ∧ β)

Não-e ∧ ¬(α ∧ β)

Não-ou ∨ ¬(α ∨ β)
Uma pergunta agora seria muito natural. Seria possível encontrar
um conjunto completo de conectivos com apenas um elemento?
A reposta é sim, e esses conectivos são chamados de “barras de
Sheffer” ou “conectivos de Sheffer”, definidos por:

Definição 4.5. Sejam α e β duas proposições atômicas. Defini-


mos os conectivos de Sheffer, denotados, α ↓ β e α|β, por:

α β α↓β α|β
1 1 0 0
0 1 0 1
1 0 0 1
0 0 1 1

OBS 4.9. Como ¬α ≡ α ↓ α e α ∧ β ≡ (α ↓ α) ↓ (β ↓ β) e


A = {¬, ∧} é um conjunto completo. Logo B = {↓} é também um
conjunto completo.

OBS 4.10. Temos que, como ¬α ≡ α|α e α ∨ β ≡ (α|α)|(β|β) e


A = {¬, ∨} é um conjunto completo. Logo B = {|} é também um
conjunto completo.

60
Fundamentos da Matemática: Livro 1

4.4 Conclusão 4
AULA
Ao final dessa aula, podemos concluir que é possível fazer a
Lógica de predicados com um número menor de conectivos, porém
resulta na complexidade das proposições geradas por estes novos
conjuntos de conectivos.

4.5 Resumo

Começamos por definir o que é uma regra de equivalência:

Definição: Dizemos que uma fórmula α é semanticamente equi-


valente a fórmula β, denotado α ≡ β, somente se α ↔ β for uma
tautologia.
Em seguida vimos vários tipos de regras de equivalência:
E01 α ∧ α ≡ α (Idempotência da conjunção).
E02 α ∨ α ≡ α (Idempotência da disjunção).
E03 α ∧ β ≡ β ∧ α (Comutativa da conjunção).
E04 α ∨ β ≡ β ∨ α (Comutativa da disjunção).
E05 (α ∧ β) ∧ γ ≡ α ∧ (β ∧ γ) (Associativa da conjunção).
E06 (α ∨ β) ∨ γ ≡ α ∨ (β ∨ γ) (Associativa da disjunção).
E07 α ∧ (β ∨ γ) ≡ (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ) (Distributiva da conjunção).
E08 α ∨ (β ∧ γ) ≡ (α ∨ β) ∧ (α ∨ γ) (Distributiva da disjunção).
E09 ¬¬α ≡ α (Dupla negação).
E10 ¬(α ∧ β) ≡ ¬α ∨ ¬β (DeMorgan da conjunção).
E11 ¬(α ∨ β) ≡ ¬α ∧ ¬β (DeMorgan da disjunção).
E12 α → β ≡ ¬α ∨ β (Implicação).
E13 α ↔ β ≡ (α → β) ∧ (β → α) (Dupla implicação).
Vimos também a definição de regras de inferência, dada por:

61
Regras de Inferência e Regras de Equivalência

Definição: Dizemos que uma fórmula β é semanticamente inferida


das fórmulas α1 , . . . , αn , denotado α1 , . . . , αn ` β se somente se
α1 ∧ · · · ∧ αn → β é uma tautologia.
E algumas poucas regras de inferência. A saber:
I01 α, β ` α (Simplificação)
I02 α ` α ∨ β (Adição)
I03 α, α → β ` β (Modus pones)
I04 ¬β, α → β ` ¬α (Modus Tollens)
I05 α → β, β → γ ` α → γ (Silogismo hipotético)
Vimos que a Lógica Matemática é baseada em alguns axiomas, que
são proposições tomadas como verdadeiras independentemente de
demonstrações. E um conjunto de axiomas pode ser dado por:

A01 x = x Axioma da identidade.


A02 ((x = y) ∧ P (x)) ` P (y) Axioma da substituição.
A03 (α → (β ∧ ¬β)) ` ¬α Axioma da não-contradição.
A04 (α → β) ∧ (¬α → β) ` β Axioma do terceiro excluído.

Em seguida vimos a definição de conjunto completo de conectivos.


A saber:
Definição: Denotamos e definimos o conjunto de conectivos bási-
cos da Lógica de Predicados por: C = {¬, ∧, ∨, →, ↔}
Definição: Seja A ⊂ C. Dizemos que A é completo, somente se
todos os conectivos de C poderem ser equivalentes a uma fórmula
em que constem apenas conectivos de A.
Finalmente vimos os conectivos de Sheffer, definidos pela tabela
de verdade abaixo:
Definição: Sejam α e β duas proposições atômicas. Definimos os
conectivos de Sheffer, denotados, α ↓ β e α|β, por:

62
Fundamentos da Matemática: Livro 1

4
AULA
α β α↓β α|β
1 1 0 0
0 1 0 1
1 0 0 1
0 0 1 1

4.6 Atividades

ATIV. 4.1. Mostre que A = {¬, ∧} e A = {¬, ∨} são conjuntos


completos de conectivos.
Comentário: Reveja os exemplos da seção 4.3

ATIV. 4.2. Considere os conectivos de Sheffer e mostre, usando


tabela de verdade, que:

• ¬α ≡ α ↓ α

• α ∧ β ≡ (α ↓ α) ↓ (β ↓ β)

• ¬α ≡ α|α

• α ∨ β ≡ (α|α)|(β|β)

Comentário: Reveja a aula anterior sobre tabelas de verdade.

4.7 Referências Bibliográficas

MORTARI, Cezar Augusto. Introdução à Lógica. Editora UNESP.


São Paulo. 2001.
GASPAR, Marisa. Introdução à Lógica Matemática. Disponível
em: http:// mjgaspar.sites.uol.com.br/logica/logica. Acessado em
13/01/2007

63
Regras de Inferência e Regras de Equivalência

ABAR, Celina. Noções de Lógica Matemática. Disponível em:


http://www. pucsp.br/∼logica/. Acessado em 13/01/2007

64
1
LIVRO

Teorias Axiomáticas
5
AULA

META:
Apresentar teorias axiomáticas.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Criar teorias axiomáticas;
Provar a independência dos axiomas
de uma teoria axiomática.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-02 e Aula-04 os conhecimen-
tos da semântica da Linguagem
da Lógica de Predicados, das re-
gras de inferência e das regras de
equivalência .
Teorias Axiomáticas

5.1 Introdução

Caro aluno, em nossas aulas anteriores, estabelecemos a lin-


guagem da lógica de predicados, conhecida também por lógica de
primeira espécie. Vimos também como determinar a semântica de
uma proposição molecular usando tabelas de verdade. Estudamos
as relações de equivalência e vimos como usá-las na manipulação
de proposições moleculares. Na aula de hoje, dando continuidade
ao nosso estudo da Lógica, o assunto abordado será “Teorias Axi-
omáticas”.
Euclides, matemático
grego, nasceu em
Alexandria. Foi o
criador da famosa
5.2 Sistemas Axiomáticos
geometria euclidiana.
Escreveu Stoichia O primeiro sistema axiomático conhecido é a Geometria Eu-
(Os elementos, 300
a.C.) composto de 13 clidiana desenvolvida pelo Matemático grego Euclides. Embora
livros: cinco sobre
geometria plana, três em uma forma rudimentar, a Geometria Euclidiana tem basica-
sobre números, um
sobre a teoria das mente a mesma estrutura do que hoje denominamos de um sis-
proporções, um sobre
incomensuráveis e os tema axiomático. Seus críticos, no entanto, dizem que ela surgiu
três últimos sobre
geometria no espaço.
da incapacidade de Euclides provar certas proposições da geome-
Wikipedia tria plana. Se isto é verdade ou não, não sabemos, mas o fato é que
a Geometria Euclidiana teve uma grande importância na história
do desenvolvimento da Matemática.

Definição 5.1. Um Sistema axiomático é uma estrutura consti-


tuída de:

• Termos indefinidos.

• Termos definidos a partir dos termos indefinidos.

• Proposições envolvendo os termos indefinidos e/ou os ter-


mos definidos, assumidas como verdadeiras e denominadas

66
Fundamentos da Matemática: Livro 1

axiomas. 5
AULA
OBS 5.1. Para os antigos filósofos gregos, um axioma era uma
reivindicação que poderia ser vista como verdadeira sem nenhuma
necessidade de prova.

OBS 5.2. Na Geometria Euclidiana, Euclides não faz uso de ter-


mos indefinidos. Por exemplo, definiu ponto como: “ponto é aquilo
que não tem dimensão”. No entanto esta definição é vazia, já que o
termo dimensão não foi por ele definido nem assumido como termo
indefinido. Dos três aspectos que definem uma teoria axiomática
apenas os termos definidos podem ser dispensáveis.

Definição 5.2. Um sistema axiomático é dito consistente somente


se, partindo de seus axiomas não podermos provar uma proposição
envolvendo seus termos definidos e/ou indefinidos e provar também
a sua negativa.

Definição 5.3. Um sistema axiomático é dito completo, somente


se for possível provar ou refutar qualquer proposição envolvendo
seus termos definidos e/ou indefinidos.

Definição 5.4. Um sistema axiomático é dito independente, so-


mente se cada um de seus axiomas não pode ser deduzido a partir
dos demais axiomas.

OBS 5.3. Kurt Goedel mostrou que um sistema axiomático pode


ter a propriedade de consistência ou de completude, nunca as
duas ao mesmo tempo. Das duas propriedades a mais impor-
tante para a Matemática é a consistência. Não é admissível poder,
em Matemática, provar que um teorema é ao mesmo tempo falso

67
Teorias Axiomáticas

e verdadeiro. Quanto a independência, alguns matemáticos ad-


mitem sistemas axiomáticos redundantes, cujos axiomas não são
independentes.

5.2.1 Exemplos de Alguns Sistemas Axiomáticos

Exemplo 5.1. Considere o seguinte sistema axiomático

• Termos Indefinidos

TI1 O conjunto A de “termos indefinidos um”

• Termos Definidos

TD1 O operador : A × A 7→ A “operador um”

TD2 O operador  : A × A 7→ A “operador dois”

• Axiomas

A1 ∀a, b ∈ A, a b = b a

A2 ∀a, b, c ∈ A, (a b) c = a (b c)

A3 ∃x ∈ A|∀a ∈ A, a x = a

A4 ∀a ∈ A, ∃a∗ ∈ A|a a∗ = x

A5 ∀a, b, c ∈ A, (ab)c = a(bc)

A6 ∀a, b, c ∈ A, a(b c) = (ab) (ac), (b c)a =


(ba) (ca)

68
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Exemplo 5.2. Considere o seguinte sistema axiomático 5


AULA

• Termos Indefinidos

TI1 O conjunto A de “termos indefinidos um”, representados


por letras latinas maiúsculas

TI2 O conjunto a de “termos indefinidos dois”, representados


por letras latinas minúsculas

TI3 Uma relação de igualdade (=) entre os “termos indefinidos


um”

TI4 Uma relação binária ( ) entre os “termos indefinidos


um” e os “termos indefinidos dois”

• Axiomas

A1 ∀A, B, ¬(A = B), ∃!x|A x ∧ B x

A2 ∀x, ∃A, B, ¬(A = B)|A x ∧ B x

A3 ∃x, ∃A|¬(A x)

Exemplo 5.3. Considere o seguinte sistema axiomático

• Termos Indefinidos

TI1 O conjunto A de “termos indefinidos um”, representados


por letras latinas maiúsculas

TI2 O conjunto a de “termos indefinidos dois”, representados


por letras latinas minúsculas

TI3 Uma relação de igualdade (=) entre os “termos indefinidos


um”

69
Teorias Axiomáticas

TI4 Uma relação binária ( ) entre os “termos indefinidos


um” e os “termos indefinidos dois”

• Axiomas

A1 ∃A, B, C, ¬(A = B), ¬(A = C), ¬(B = C)

A2 ∀A, ∃!x|A x

A3 ∀x, ∃!A, B, ¬(A = B)|A x ∧ B x

Definição 5.5. Um modelo para um sistema axiomático é uma


estrutura bem definida que dá significado aos termos indefinidos e
satisfaz cada um de seus axiomas.

OBS 5.4. A existência de um modelo concreto para um sistema


axiomático prova a consistência do mesmo. Modelos servem tam-
bém para provar a independência dos axiomas de um sistema axi-
omático. Basta mostrar modelos em que cada um dos axiomas de
um sistema axiomático não é satisfeito, enquanto que os demais
são satisfeitos.

Vamos a alguns modelos para os sistemas axiomáticos exemplifi-


cados acima.

MODELO 5.1. Para o primeiro sistema axiomático, que em ál-


gebra define uma estrutura de anel, um modelo pode ser dado por
A = Z conjunto dos inteiros, = + soma nos inteiros e  = •
produto nos inteiros. Os axiomas terão, então, os seguintes sig-
nificados: A1 propriedade comutativa da soma, A2 propriedade
associativa da soma, A3 existência do elemento neutro aditivo,
A4 existência do elemento simétrico A5 propriedade associativa
do produto e A6 propriedade distributiva.

70
Fundamentos da Matemática: Livro 1

OBS 5.5. Outros modelos envolvendo conjuntos numéricos 5


constituim-se em um anel como os racionais Q, os reais R e os AULA

complexos C. Temos também em álgebra, muitos exemplos de


anéis finitos isto é, com um número finito de elementos.

MODELO 5.2. Para sistema axiomático do exemplo 2, conhecido


como primeira geometria da incidência, um modelo pode ser dado
por: A = {A, B, C} apenas três elementos, a = {{A, B}, {A, C}, {
B, C}} os três subconjuntos de A constituídos por dois elementos e
=∈ a relação de pertinência, no sentido da teoria dos conjuntos.
Os axiomas são verificados por exaustão.
A1:
¬(A = B) → ∃!x, x = {A, B}|A ∈ x ∧ B ∈ x
¬(A = C) → ∃!x, x = {A, C}|A ∈ x ∧ C ∈ x
¬(B = C) → ∃!x, x = {B, C}|B ∈ x ∧ C ∈ x
Logo:
∀A, B, ¬(A = B), ∃!x|A x ∧ B x
A2:
x = {A, B} → ∃A, B, ¬(A = B)|A ∈ x ∧ B ∈ x
x = {A, C} → ∃A, C, ¬(A = C)|A ∈ x ∧ C ∈ x
x = {B, C} → ∃B, C, ¬(B = C)|B ∈ x ∧ C ∈ x
Logo:
∀x, ∃A, B, ¬(A = B)|A x ∧ B x
A3:
x = {B, C} → ¬(A ∈ x)
Logo:
∃x, ∃A|¬(A x)
Desta forma todos os três axiomas são satisfeitos pelo modelo.

OBS 5.6. Como foi possível encontrar um modelo para os sis-

71
Teorias Axiomáticas

temas axiomáticos dos exemplos 1 e 2, estes sistemas axiomáticos


são consistentes. Porém, o sistema axiomático do exemplo 3 é in-
consistente, desde que com três elementos é impossível satisfazer
os axiomas A2 e A3.

Caro aluno, por hoje é só. Mas como podemos perceber no decor-
rer de nossa aula, o conteúdo abordado exigiu um pouco mais de
atenção e dedicação para obtermos uma compreensão melhor, por
isso continuem estudando e releiam a aula o quanto for necessário.
Não abandone o lápis e o papel e procure repetir as argumentações
apresentadas

5.3 Conclusão

Na Matemática também é necessário acreditar em alguma coisa


e admiti-la como verdade sem nenhuma prova, isto é, são os Sis-
temas Axiomáticos que possiblitam a existência da Matemática
como a conhecemos hoje. Que, dos vários aspectos de uma teoria
axiomática a que mais importa para a Matemática é a sua con-
sistência.

5.4 Resumo

Começamos por estabelecer, via definição, o conceito de sis-


tema axiomático. A saber:
Definição: Um Sistema axiomático é uma estrutura constituída
de:

• Termos indefinidos.

• Termos definidos a partir dos termos indefinidos.

72
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• Proposições envolvendo os termos indefinidos e/ou os ter- 5


mos definidos, assumidas como verdadeiras e denominadas AULA

axiomas.

Em seguida definimos três importantes propriedades de sistemas


axiomáticos. A saber:
Definição: Um sistema axiomático é dito consistente, somente
se partindo de seus axiomas não podermos provar uma proposição
envolvendo seus termos definidos e/ou indefinidos e também provar
a sua negativa.
Definição: Um sistema axiomático é dito completo, somente se
for possível provar ou refutar qualquer proposição envolvendo seus
termos definidos e/ou indefinidos.
Definição: Um sistema axiomático é dito independente, somente
se cada um de seus axiomas não pode ser deduzido a partir dos
demais axiomas.

5.5 Atividades

ATIV. 5.1. Modifique os axiomas do exemplo 3 de modo que o


novo sistema axiomático, assim constituído, seja consistente.
Comentário: Volte ao texto e reveja o conceito de consistência.

ATIV. 5.2. Escreva um sistema axiomático com três axiomas e


proponha um modelo para o mesmo.
Comentário: Não é necessário provar nenhuma das propriedades
dos sistemas axiomáticos: independência, completude ou consistên-
cia.

ATIV. 5.3. Proponha um modelo para o sistema axiomático do


exemplo 2.

73
Teorias Axiomáticas

Comentário: Volte ao texto e reveja os exemplos.

5.6 Referências Bibliográficas

MORTARI, Cezar Augusto. Introdução à Lógica. Editora UNESP.


São Paulo. 2001.
GASPAR, Marisa. Introdução à Lógica Matemática. Disponível
em: http:// mjgaspar.sites.uol.com.br/logica/logica. Acessado em
13/01/2007
ABAR, Celina. Noções de Lógica Matemática. Disponível em:
http://www. pucsp.br/∼logica/. Acessado em 13/01/2007

74
1
LIVRO

Teoria da
Demonstração
6
AULA

META:
Introduzir os procedimentos
lógicos para uma demonstração
matemática.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Diferenciar de um teorema a
hipótese e a tese;
Aplicar as técnicas de demonstração
na prova de teoremas.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-05 os conhecimentos de
sistemas axiomáticos.
Teoria da Demonstração

6.1 Introdução

Nas aulas anteriores, estabelecemos a linguagem da lógica de


predicados em seu aspecto sintático, conhecida também por lógi-
ca de primeira espécie. Estudamos também, como determinar a
semântica de uma proposição molecular. Fizemos um breve passeio
entre as regras de equivalência e das regras de inferência. Em
nossa aula anterior estudamos os Sistemas Axiiomáticos e suas
propriedades. Na aula de hoje, estudaremos e exemplificaremos
algumas Técnicas de Demonstração e veremos como isolar de um
teorema a hipótese e a tese.

6.2 Teoria da Demonstração

David Hilbert (Königs- A teoria da demonstração é uma subdivisão da Lógica Mate-


berg, 23/01/1862
- Göttingen, mática que encara as demonstrações como um objeto formal da
14/02/1943). Con-
solidou a Teoria Matemática. Uma demonstração pode, por exemplo, ser vista
dos Invariantes; ax-
iomatizou de forma como uma estrutura de dados conhecida como estrutura de árvore,
consistente a Geome-
tria Euclidiana e criou
sujeita a certos axiomas. A teoria da demonstração é um subpro-
os Espaços de Hilbert.
duto do esforço dos formalistas em sua pretensão de formalizar a
Matemática como uma teoria axiomática, em que sua consistência
fosse provada. Kurt Göedel, entretanto, deu um banho de água
fria nesta pretensão quando provou que um sistema axiomático se
é consistente não é completo e portanto, nem todas as proposições
válidas poderão ser provadas. Entretanto, a teoria da demon-
stração serve como guia para Matemáticos como uma base para ori-
entar as demonstrações nas diversas áreas da Matemática. Come-
çaremos por expor os axiomas propostos por David Hilbert para
sua Teoria da Demonstração:

76
Fundamentos da Matemática: Livro 1

A1 Axioma da identidade 6
∀x, x = x AULA

A2 Axioma da substituição
∀P ((x = y ∧ P (x)) → P (y)

A3 Indução de uma hipótese


α → (β → α)

A4 Omissão de uma hipótese


(α → (α → β)) → (α → β)

A5 Permutação de hipóteses
(α → (β → γ)) → (β → (α → β))

A6 Eliminação de uma proposição


(α → β) → ((γ → α) → (γ → β))

A7 Axioma da não contradição


(α → β ∧ ¬β) → ¬α

A8 Axioma da dupla negação


¬¬α → α

Em adição aos axiomas acima, são válidas as seguintes regras de


inferência:

I1 α ∧ β ` α

I2 α ∧ β ` β

I3 α ` (β → α ∧ β)

I4 α ` α ∨ β

77
Teoria da Demonstração

I5 α → γ, β → γ ` (α ∨ β) → γ

Existem outas versões da teoria da demonstração com apenas cinco


axiomas e uma regra de inferência (Modus ponnes) porém, não é
intenção esgotar o assunto nem extendê-lo mais que o necessário
em um primeiro curso de Fundamentos de Matemática.

6.3 Tipos de Demonstração

Na teoria da demonstração de Hilbert, omitimos o axioma re-


ferente a demonstração por indução. Para esta forma de demons-
tração voltaremos a nossa atenção nas aulas referentes a números.
Neste ponto veremos algumas das técnicas de demonstração seguida
de alguns exemplos ilustrativos. Podemos classificar as diversas
técnicas de demonstrações como:

6.3.1 Demonstração Direta

A demonstração direta consiste em, partindo das proposições α1 ,


. . . , αn em um modelo M , usar as regras de inferência e as regras
de equivalência até chegar na proposição β. Podemos representar
esquematicamente por:
α1 , . . . , αn |= β.
As proposições α1 , . . . , αn são ditas hipóteses ou premissas en-
quanto que a proposição β é dita tese.

OBS 6.1. De modo geral em uma demonstração, para simplificar


e encurtar ela, é necessário acrescentar ao conjunto de premissas
α1 , . . . , αn alguns teoremas já provados e conhecidos no âmbito
do modelo M . Este procedimento não se restringe à técnica da

78
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Demonstração Direta e sim usa-lo como complemento à todas as 6


técnicas aqui apresentadas. AULA

6.3.2 Demonstração Indireta Contrapositiva

A demonstração indireta contrapositiva consiste em partir da pre-


missa ¬β em um modelo M e usando as regras de inferência e as
regras de equivalência chegar no argumento ¬α1 ∨. . .∨¬αn . Em ou-
tras palavras consiste em provar a contra-positiva de α1 ∧· · ·∧αn →
β. Podemos representar esquematicamente por:
¬β |= ¬α1 ∨ . . . ∨ ¬αn .

6.3.3 Demonstração Indireta por Redução ao Ab-


surdo

A demonstração indireta por redução ao absurdo em um modelo


M consiste em demonstrar, usando as regras de inferência e as
regras de equivalência, que α1 ∧ · · · ∧ αn ∧ ¬β é uma contradição.
Veremos agora, alguns exemplos de demonstrações para ilustrar as
técnicas de demonstrações expostas acima. Mais exemplos poderão
ser encontrados nos livros de Matemática. Demonstração é uma
arte e as técnicas de demonstração são os instrumentos desta arte.
Só a prática leva a uma desenvoltura em demonstrar teoremas. A
intuição e principalmente a completa compreensão do enunciado
dos teoremas e o domínio da Lógica Matemática são essenciais a
uma demonstração.

Exemplo 6.1. Considerando o sistema axiomático 1 (Aula-05),


provaremos, usando demonstração direta, o seguinte teorema:
∀a ∈ A, xa = x

79
Teoria da Demonstração

PROVA: ∀a ∈ A
(xa) (xa)∗ = x De A4
x x=x De A3 fazendo a ← x
((x x)a) (xa)∗ = x Do axioma da substituição
((xa) (xa)) (xa)∗ = x De A6
(xa) ((xa) (xa)∗ ) = x De A2
(xa) x = x De A4
∀a ∈ A, xa = x De A3
Exemplo 6.2. Provaremos , usando demonstração indireta por
contra-positiva, o seguinte teorema:
∀n ∈ N|n2 é par então n é par.
PROVA: A forma contra-positiva do teorema é:
∀n ∈ N|n não é par então n2 não é par.
Que pode ser reescrita como:
∀n ∈ N|n é ímpar então n2 é ímpar.
n ∈ N é ímpar Premissa
∃k ∈ N|n = 2k + 1 Definição de número ímpar
n2 = n2 Axima da identidade
n2 = (2k + 1)2 Axioma da substituição
n2 = (2k + 1) · (2k + 1) Definição de potência
n2 = 4k 2 + 4k + 1 Distri. e associ. em N
n2 = 2(2k 2 + 2k) + 1 Distributividade em N
∃j ∈ N, j = 2k 2 + 2k|n2 = 2j + 1 Portanto n2 é impar.
Como exemplo, de uma demonstração indireta por redução ao ab-
surdo veremos uma demonstração de unicidade. Demonstrações
de unicidade seguem um padrão. Para demonstrar que só existe
um x que satisfaz a proposição p(x), isto é ∃!x|p(x), basta estabe-
lecer a Hipótese Nula ∃x1 , x2 , x1 6= x2 |p(x1 ) ∧ p(x2 ) e mostrar que
a mesma é uma contradição chegando que x1 = x2 .

80
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Exemplo 6.3. Considerando o sistema axiomático 1 (Aula-05), 6


provaremos, usando demonstração indireta por redução ao ab- AULA

surdo, o seguinte teorema:


∃!x ∈ A|∀a ∈ A, a x = a
PROVA: Usaremos a seguinte Hipótese Nula:
HN ∃x1 , x2 , x1 ∈ A 6= x2 |∀a ∈ A, (a x1 = a) ∧ (a x2 = a)
1 a x1 = a Premissa
2 x2 x1 = x2 Fazendo em 1 a ← x2
3 a x2 = a Premissa
4 x1 x2 = x1 Fazendo em 3 a ← x1
5 x2 x1 = x1 Usando em 4 o axioma A1
6 x1 = x2 x1 Propriedade reflexiva da igualdade
7 x1 = x2 De 2 e 6 e da transi. da igualdade
8 x1 6= x2 Premissa
9 (x1 = x2 ) ∧ (x1 6= x2 ) Absurdo.
HN é falsa e ∃!x ∈ A|∀a ∈ A, a x = a

Encerraremos por aqui o capítulo dedicado a Lógica Matemática.


Muito mais poderia ser exposto, porém para um primeiro contato
com os Fundamentos de Matemática, considero suficientes as idéias
aqui expostas. Para um aprofundamento do conteúdo, aconselho
dar uma olhada nas referências bibliográficas e consultar na IN-
TERNET os sites indicados

6.4 Conclusão

Concluímos que, embora demonstrar um proposição em Mate-


mática requera uma boa dose de experiência e inspiração, existem
regras e técnicas que ajudam nesta tarefa.

81
Teoria da Demonstração

6.5 Resumo

Começamos por expor, em uma forma simplificada, sem o axi-


oma da indução, a Teoria da Demonstração do Matemático alemão
David Hilbert, composta dos seguintes axiomas:

A1 Axioma da identidade
∀x, x = x

A2 Axioma da substituição
∀P ((x = y ∧ P (x)) → P (y)

A3 Indução de uma hipótese


α → (β → α)

A4 Omissão de uma hipótese


(α → (α → β)) → (α → β)

A5 Permutação de hipóteses
(α → (β → γ)) → (β → (α → β))

A6 Eliminação de uma proposição


(α → β) → ((γ → α) → (γ → β))

A7 Axioma da não contradição


(α → β ∧ ¬β) → ¬α

A8 Axioma da dupla negação


¬¬α → α

E das seguintes regras de inferência:

I1 α ∧ β ` α

82
Fundamentos da Matemática: Livro 1

I2 α ∧ β ` β 6
AULA
I3 α ` (β → α ∧ β)

I4 α ` α ∨ β

I5 α → γ, β → γ ` (α ∨ β) → γ

Quanto às Técnicas de Demonstração, resumimos desta forma:


Demonstração Direta: A demonstração direta consiste em,
partindo das proposições α1 , . . . , αn em um modelo M , usar as
regras de inferência e as regras de equivalência até chegar na pro-
posição β. Podemos representar esquematicamente por:
α1 , . . . , αn |= β.

Demonstração Indireta Contrapositiva: A demonstração


indireta contrapositiva consiste em partir da premissa ¬β em um
modelo M e usando as regras de inferência e as regras de equiva-
lência chegar no argumento ¬α1 ∨ . . . ∨ ¬αn . Podemos representar
esquematicamente por:
¬β |= ¬α1 ∨ . . . ∨ ¬αn .

Demonstração Indireta por Redução ao Absurdo A demon-


stração indireta por redução ao absurdo em um modelo M consiste
em demonstrar, usando as regras de inferência e as regras de equi-
valência, que α1 ∧ · · · ∧ αn ∧ ¬β é uma contradição.

6.6 Atividades

ATIV. 6.1. Prove que ∀n ∈ N. Se n é par então n2 é par.


Comentário: Reveja no texto o exemplo 6.2.

83
Teoria da Demonstração

ATIV. 6.2. Considere o sistema axiomático 1 (Aula-05)e prove


por redução ao absurdo que: ∀a ∈ A, ∃!a|a a = x.
Comentário: Reveja no texto o exemplo 6.3.

6.7 Referências Bibliográficas

MORTARI, Cezar Augusto. Introdução à Lógica. Editora UNESP.


São Paulo. 2001.
GASPAR, Marisa. Introdução à Lógica Matemática. Disponível
em: http:// mjgaspar.sites.uol.com.br/logica/logica. Acessado em
13/01/2007
ABAR, Celina. Noções de Lógica Matemática. Disponível em:
http://www. pucsp.br/∼logica/. Acessado em 13/01/2007

84
1
LIVRO

Teoria de Cantor e
Teoria de Zermelo
7
AULA
-Fraenkel

META:
Apresentar conjuntos segundo a
ótica da teoria de Georg Cantor e
da teoria de Zermelo-Fraenkel.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Reconhecer os axiomas da teoria
dos conjuntos de Cantor;
Reconhecer os axiomas da teoria
dos conjuntos de Zermelo-Fraenkel.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-05 os conhecimentos de
sistemas axiomáticos.
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

7.1 Introdução

A Matemática tem como motivação problemas oriundos da


Física, da Engenharia, recentemente da Biologia e muitas outras
áreas do conhecimento, sendo usada como uma linguagem univer-
sal e de ferramenta de lógica. Alguns matemáticos têm sua mo-
tivação na inspiração da própria Matemática resultando algumas
das maiores realizações do intelecto humano como a Teoria dos
Conjuntos. “Ninguém nos expulsará do paraíso que Cantor criou
para nos”. David Hilbert, com esta frase, sintetiza o que a teoria
dos conjuntos representa atualmente para a Matemática, em seus
fundamentos.
Nosso objetivo nesta aula é apresentar de forma axiomática a Teo-
ria dos Conjuntos. Embora o conteúdo de Matemática do Ensino
Fundamental inclua uma parte dos conceitos da Teoria dos Con-
juntos, este não é, nem deveria ser ensinado de forma axiomática
e desta forma passa uma visão deformada de sua importância.

7.2 Teoria dos Conjuntos de Georg Cantor

Na geometria euclidiana clássica existem conjuntos de axiomas


antigos, mas que são inadequados pelos padrões atuais da Mate-
mática. Podemos até questionar se Euclides estava tentando dar
um conjunto de axiomas no sentido moderno do termo ou se estava
apenas anotando algumas proposições que iria usar sem demons-
trar por conveniência do momento.
A teoria axiomática dos conjuntos foi concebida, inicialmente, por
Georg Cantor, tornan-se assim seu principal mentor. Outras ver-
sões da teoria dos conjuntos podem ser encontradas, cada qual com

86
Fundamentos da Matemática: Livro 1

suas virtudes e defeitos. 7


AULA

7.2.1 Conceito de Conjunto

Em sua teoria dos conjuntos, Georg Cantor definiu conjunto


da seguinte forma:

Definição 7.1. Conjunto é qualquer coleção de objetos bem defi-


nidos.

OBS 7.1. Aqui, não há qualquer restrição ao termo coleção de


objetos podendo ser de qualquer natureza, matrizes, polinômios
pessoas, carros, outros conjuntos etc. Os objetos são denomina-
dos elementos do conjunto ou membros do conjunto. Se um dado
objeto é elemento de um conjunto, dizemos que ele pertence ao
conjunto.

OBS 7.2. Em teorias axiomáticas mais elaboradas (não foi o caso


de Cantor, pois sua teoria dos conjuntos é conhecida também como
“Teoria Ingênua dos Conjuntos”) conjunto e elemento são termos
primitivos e, portanto sem definição. Neste ponto em particular, a
teoria dos conjuntos de Georg Cantor sofre do mesmo defeito que
a Geometria Euclidiana. Euclides definiu ponto , reta e plano sem
considerar nenhum termo primitivo isto é, sem definição. Aqui, em
uma análise, mesmo que superficial, vemos que os termos coleção
e conjuntos são na verdade sinônimos.

7.2.2 Linguagem da Teoria dos Conjuntos

Definição 7.2. A linguagem da Teoria dos Conjuntos é consti-


tuída de:

87
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

• VARIÁVEIS PROPOSICIONAIS: Letras latinas mi-


núsculas x, y, x, ... possivelmente indexadas, para indicar ob-
jetos conjuntos ou elementos. Letras latinas maiúsculas A, B,
C, ... possivelmente indexadas, para indicar conjuntos e letras
gregas minúsculas α, β, γ, ... possivelmente indexadas, para
representar proposições.

• OPERADORES: A linguagem da Teoria dos Conjuntos


de Cantor admite todos os operadores lógicos, ¬ negação, ∧
conjunção, ∨ disjunção, → implicação e ↔ dupla implicação.

• QUANTIFICADORES: A linguagem da Teoria dos Con-


juntos de Cantor admite os quantificadores lógicos, ∀ para
todo, quantificador universal e ∃ existe, quantificador exis-
tencial.

• OPERADOR DE ESPECIFICAÇÂO: A linguagem da


Teoria dos Conjuntos de Cantor admite também um opera-
dor especial de especificação Set(A) para indicar que A é um
conjunto.

• PREDICATIVOS BINÁRIOS: A linguagem da Teoria


dos Conjuntos de Cantor admite os símbolos predicativos
binários = igual para igualdade e ∈ relação de pertinência.

• SÍMBOLOS ADICIONAIS: A linguagem da Teoria dos


Conjuntos de Cantor admite os seguintes símbolos adicionais
( abre parêntesis, ) fecha parêntesis, { abre chave e } fecha
chave.

OBS 7.3. Na notação de Cantor ∀x, ∃y(Set(y)x ∈ Y ) presenta na


moderna Teoria dos Conjuntos ∀x, ∃y| x ∈ y.

88
Fundamentos da Matemática: Livro 1

7.2.3 Axiomas da Teoria dos Conjuntos 7


AULA
Georg Cantor formulou sua Teoria dos Conjuntos baseada em ape-
nas dois axiomas, o segundo dos quais é tão abrangente que mo-
tivou uma série de paradoxos.
Axioma 1 Extensionalidade:

∀a, ∀b, Set(a), Set(b)(∀x(x ∈ a ↔ x ∈ b) ↔ a = b)

OBS 7.4. Uma conseqüência deste axioma é que um conjunto


fica unicamente determinado pelos seus elementos. Deste modo os
conjuntos A = {1, 2, 3} e B = {2, 1, 3} são iguais, a ordem em que
os elementos são listados no conjunto é irrelevante. Os conjuntos
A = {a, b, c} e B = {a, a, a, b, b, b, c} são iguais, a repetição de
elementos é irrelevante.

Axioma 2 Compreensão:

∀π, ∃a, Set(a)(∀x, x ∈ a ↔ π(x))

OBS 7.5. O axioma da compreensão é também conhecido como


axioma da fundação. Tem um alcance muito grande ao garantir
que toda função proposicional π(x) gera um conjunto. Denotamos
A o conjunto gerado por π na forma: A = {x| π(x)}.

OBS 7.6. Os axiomas da extensionalidade e da compreensão jun-


tos implicam em que proposições diferentes podem gerar o mesmo
conjunto. Considere como exemplo as seguintes proposições:
π1 ≡ (x2 − 3x + 2 = 0) e π2 ≡ (x3 − 4x2 + 5x − 2 = 0) efetuando
o cálculo das raízes teremos:
A = {x| π1 (x)} = {1, 2} e B{x| π2 (x)} = {1, 2} que são conjuntos
iguais, embora as proposições π1 6= π2 sejam diferentes.

89
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

7.2.4 Alguns Tipos de Conjuntos

Conjuntos Unitários: Comjunto formado por um só elemento.


∀x, ∃A(∀y(y ∈ A ↔ y = x)).

OBS 7.7. A = {x|, π(x)} e escolhemos usando o Axioma da Com-


preensão π(x) ⇔ (y = x). Representamos também por A = {x}.

Conjunto Vazio: Conjunto que não possui elementos


∃φ(∀x, x ∈
/ φ)

OBS 7.8. φ = {x| π(x)} e escolhemos usando o Axioma da Com-


preensão π(x) ≡ ¬(x = x) ou qualquer contradição. Representa-
mos também por φ = {}.

7.3 Paradoxo de Russel

Em 1901, Bertrand Russell tomou conhecimento do trabalho


desenvolvido por Gottlob Frege em “Grundgesetze der Arithmetik”.
Mas apenas em 1902, teve oportunidade de analisá-lo detalhada-
mente e de “fazer um estudo mais rigoroso”. Nesta obra, Frege
tentava reduzir a aritmética à lógica. Ao analisá-la, Russell desco-
bre uma contradição no sistema proposto. Esta contradição viria
a ser conhecida como “ Paradoxo de Russell”.
Em sua versão popular o “Paradoxo de Russell”, pode ser enunci-
ado da seguinte maneira:
Há em Sevilha um barbeiro que reúne as duas condições seguintes:

• Faz a barba de todas as pessoas de Sevilha que não fazem a


barba a si próprias.

• Só faz a barba a quem não faz a barba a si próprio.

90
Fundamentos da Matemática: Livro 1

O paradoxo surge quando tentamos saber se o barbeiro faz a barba 7


a si próprio ou não. Se fizer a barba a si próprio, não pode fazer AULA

a barba a si próprio, para não violar a segunda condição; mas


se não fizer a barba a si próprio, então tem de fazer a barba a si
próprio, pois essa é a primeira condição. Em sua versão moderna e
matemática o Paradoxo de Russell”, pode ser enunciado da seguinte
maneira: seja y o conjunto de todos os conjuntos que não são
membros de si próprio, isto é, y = {x| x ∈
/ x}. Pode-se mostrar
que: y ∈ y ↔ y ∈
/ y e isto é uma contradição.

OBS 7.9. Primeiramente teremos para o conjunto de Russell y =


{x| π(x)}, π(x) ≡ (x ∈
/ x)
Para mostrar o “Paradoxo de Russell”, tomaremos o seguinte estudo
de casos: ou y é um elemento de y ou y não é um elemento de y
isto é y ∈ y ∨ y ∈
/y
a) caso y ∈ y temos que:
y ∈ y ↔ π(y). Da definição de π temos:
π(y) ↔ y ∈
/ y. Logo:
y∈y↔y∈
/ y, que é uma contradição Por outro lado.
b) caso y ∈
/ y temos que:
y∈
/ y ↔ ¬π(y). Da definição de π temos:
¬π(y) ↔ ¬(y ∈
/ y) ↔ y ∈ y. Logo:
y ∈
/ y ↔ y ∈ y, que também é uma contradição. Logo os dois
possíveis casos levam a contradições e portanto, o conjunto de
Russel é paradoxal. 

OBS 7.10. O paradoxo de Russel ocorre porque o axioma da


extencionalidade não impõe qualquer restrição à construção de
conjuntos. E noções como “o conjunto de todos os conjuntos”,
(conjunto universal) e de “o conjunto dos conjuntos que não são

91
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

elementos de si mesmos”, podem ser aceitas no âmbito da teo-


ria dos conjuntos de Cantor. Para corrigir este defeito, vários
matemáticos reformularam a teoria dos conjuntos, propondo axi-
omas alternativos. Entre todas as proposta a que mais se destacou
foi a “Teoria dos Conjuntos de Zermelo-Fraenkel”, dois matemáti-
cos alemães Ernst Friedrich Ferdinand Zermelo e Adolf Abraham
Halevi Fraenkel, que veremos logo em seguida.

7.4 Teoria dos Conjuntos de Zermelo-Fraen-


kel
Zermelo nasceu em
A teoria axiomática dos conjuntos foi concebida inicialmente
Berlim, 27/07/1871 e
morreu em Friburgo, por George Cantor, tornam-se assim seu principal mentor. Outras
21/05/1953 foi um
matemático e filósofo versões da teoria dos conjuntos podem ser encontradas, cada qual
alemão. Formulou uma
teoria axiomática dos com suas virtudes e defeitos. Aqui, procuraremos dar uma visão
conjuntos que levou
seu nome. Wikipedia geral da formulação de Ernst Zermelo e Abraham Fraenkel conhe-
cida como Teoria de Zermelo-Fraenkel ZF.
Fraenkel nasceu em
Munique, 17/02/1891 e
morreu em Jerusalém,
15/10/1965 foi um Na formulação de Zermelo-Fraenkel, os termos primitivos são “con-
matemático judeu
nascido e criado na junto” representados por letras latinas maiúsculas A, B, C, ..., “e-
Alemanha. Em 1922,
lementos”, qualquer objeto de domínio, representados por letras
melhorou o sistema
axiomático criado latinas minúsculas ou maiúsculas, já que um conjunto pode ser
por Ernst Zermelo.
Wikipedia elemento de outro conjunto, e “pertence”, uma relação entre ele-
mentos e conjuntos representada pelo símbolo ∈ onde: x ∈ A lê-se
“o elemento x pertence ao conjunto A”.
A linguagem da teoria dos conjuntos de Zermelo-Fraenkel é basi-
camente a mesma da teoria dos conjuntos de Cantor, na qual é
retirado o operador de especificação.

92
Fundamentos da Matemática: Livro 1

7
Quanto aos axiomas, a teoria ZF listaremos os nove abaixo:
AULA

Começaremos pelo primeiro axioma, Axioma da Existência do


Conjunto Vazio, que é equivalente a definição do conjunto vazio,
um conjunto ao qual nenhum elemento pertence. Visa garantir a
existência do conjunto vazio.
A01 ∃φ|∀x, ¬(x ∈ φ)
O segundo axioma é o Axioma da Extensionalidade que equi-
vale a definição de igualdade entre conjuntos.
A02 ∀A, ∀B(∀x(x ∈ A ↔ x ∈ B) ↔ A = b)

OBS 7.11. Como na teoria dos conjuntos de Cantor, o Axioma da


Extensionalidade nos diz que um conjunto fica unicamente definido
pelos seus elementos. O axioma diz que dados dois conjuntos, eles
são iguais se possuem os mesmos elementos.

O terceiro, axioma, a pedra de toque da axiomática de Zermelo-


Fraenkel, é o Axioma da Separação:
A03 ∀A, ∀π, ∃B(∀x(x ∈ B ↔ (x ∈ A ∧ π(x))))

OBS 7.12. Aqui π é uma fórmula da linguagem, na qual a vari-


ável x não ocorre livre. Este esquema de axiomas (um para cada
fórmula π) diz-nos que dado um conjunto A e uma fórmula π, é
possível separar os elementos de A em dois conjuntos - no conjunto
dos elementos de A que satisfazem π e no conjunto dos elementos
de A que não satisfazem π. Na verdade, este axioma não é um
axioma e sim um “esquema de axiomas” pois, depende de cada
fórmula π da linguagem.

O quarto axioma, Axioma da Formação de Pares nos per-


mite, dados dois conjuntos, formar um conjunto que possui como

93
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

elementos esses dois conjuntos.


A04 ∀A, ∀B, ∃C(∀x(x ∈ C → (x = A ∨ x = B)))

OBS 7.13. Isto diz, que para todo par de conjuntos A e B exis-
te um conjunto C que contem A e B e nenhum outro elemento.
Formalmente C = {A, B}.

O quinto axioma, Axioma da União. Dado um conjunto A de


conjuntos, a união dos elementos de A é um conjunto. O axioma
da união permite construir um conjunto com elementos de outros
conjuntos.
A05 ∀A, ∃B(∀x(x ∈ B ↔ ∃C(C ∈ A ∧ x ∈ C)))

OBS 7.14. Isto diz, que dado um conjunto A existe um conjunto


B que é a união de todos os elementos dos conjuntos que são e-
lementos de A. Isto é, para todo x que pertence a B deve existir
um C pertencente a A tal que x pertence a C. Do axioma da
extensionalidade o conjunto B é único e denotamos B = ∪(A).

OBS 7.15. Para melhor compreensão veja os seguintes exemplos:

• Se A = {a, {b, c}, d, {e, f, g}}} então B = ∪(A) = {b, c, e, f, g}.


Pois {b, c} e {e, f, g} são elementos de A.

• Se A = {a, b, c, d, e, f, g} então B = φ. Pois, A não tem


conjuntos como elementos.

Definiremos agora uma operação entre conjuntos denominada união,


pois a usaremos no estabelecimento do sexto axioma.

Definição 7.3. Sejam A e B conjuntos. Definimos a união de A


e B , denotada A ∪ B, por:
∀A, ∀B(∀x((x ∈ A ∨ x ∈ B) ↔ x ∈ A ∪ b)).

94
Fundamentos da Matemática: Livro 1

OBS 7.16. Podemos definir alternativamente como A ∪ B = ∪({ 7


A, B}). AULA

O sexto axioma, Axioma do Infinito, garante a existência de um


conjunto infinito.
A06 ∃A(φ ∈ A ∧ (∀x(x ∈ A → (x ∪ {x} ∈ A))))

OBS 7.17. Embutido no Axioma do Infinito está a definição dos


números naturais, que são definidos axiomaticamente como um
conjunto N, tal que, contém um elemento 0 e que se n pertence
a N então seu sucessor n + 1 também pertence a N. Neste caso,
associamos 0 ao conjunto vazio φ e definimos a função “sucessor”
por: se n está associado a x então n + 1 está associado a x ∪ {x}.

Definiremos agora uma relação entre dois conjuntos denominada


contido, pois a usaremos no estabelecimento do sétimo axioma.

Definição 7.4. Dados dois conjuntos A e B, dizemos que A está


contido em B, denotado A ⊂ B da seguinte forma:
∀A, ∀B(∀x((x ∈ A → x ∈ B) ↔ A ⊂ B)).

O sétimo axioma, Axioma da Potenciação, garante a existência


do conjunto das partes de um conjunto.
A07 ∀A, ∃B(∀C(C ⊂ A → C ∈ B)).

OBS 7.18. Do axioma da extensionalidade o conjunto é único e


denotamos B = P(A).

OBS 7.19. Se A = {a, b, c} o conjunto das partes de A é dado


por B = P(A) = {φ, {a}, {b}, {c}, {a, b}, {a, c}, {b, c}, {a, b, c}}.

O oitavo axioma, Axioma da Substituição, este também é um


“esquema de axiomas”.
A08 ∀A, ∀π((∀x(π(x, y) = π(x, z) → y = z) → ∃B(∀x ∈ A, ∃y ∈
B ∧ π(x, y))).

95
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

OBS 7.20. Em outras palavras, dada uma proposição π binária tal


que, ∀x(π(x, y) = π(x, z) → y = z) isto é, a proposição define uma
função cujo domínio é o conjunto A, então a imagem do conjunto
A pela função definida por π também é um conjunto denominado
de imagem de A pela função π. O axioma da extensionalidade
garante a unicidade do conjunto imagem.

O nono axioma, Axioma da Fundação, também conhecido como


Axioma da Regularidade, diz que para todo conjunto A não
vazio existe um elemento x disjunto de A.
A09 ∀A(∃x(x ∈ A) → ∃B(B ∈ A ∧ ¬∃z(z ∈ A ∧ z ∈ B))).

OBS 7.21. Este axioma diz, que um conjunto não pode ter ele
mesmo como único elemento isto é, o conjunto A = {A} não é
um conjunto na axiomática de Zermelo-Fraenkel. Entretanto o
conjunto A = {{b}, A} parece a princípio que não é descartado
pelo axioma da fundação pois, tem dois elemento {b} e A. Como
{b} ∩ A = φ , já que o único elemento de {b} é b e b não é elemento
de A, o axioma parece a princípio satisfeito. Porém, o axioma da
formação de pares descarta qualquer conjunto que tenha ele mesmo
como elemento. Acompanhe o raciocínio: do axioma da formação
de pares para todo par de conjuntos A e B existe um conjunto C,
único pelo axioma da extencionalidade tal que C = {A, B}. Em
particular podemos tomar B = A. Logo C = {A, A} = {A} . Daí
se admitirmos A = {{b}, A} teremos que, como o único elemento
de C é A como A é também elemento de A teremos C ∩ A 6= φ,
o que contraria o axioma da fundação. Desta forma, qualquer
conjunto que contenha a si mesmo como elemento é descartado.

Em adição a estes nove axiomas, podemos acrescentar um décimo


axioma denominado Axioma da Escolha, polêmico, pois não

96
Fundamentos da Matemática: Livro 1

possui um caráter construtivista. E a nova teoria dos conjunto é 7


denominada Teoria dos Conjuntos de Zermelo-Fraenkel com Axi- AULA

oma da Escolha ou simplesmente ZFC.


A10 ∀{As }s∈S ((∀s ∈ S, As 6= φ) → ∃B(∀s ∈ S, ∃!y(y ∈ As ∧ y ∈
B)))

OBS 7.22. A unicidade exigida de cada elemento de As na cons-


trução do conjunto B permite construir uma função, denominada
função escolha do conjunto de todos os As .
Existem outras formas de enunciar o Axioma da Escolha . Porém,
este, na minha opinião, é o mais adequado ou nosso texto.

OBS 7.23. Toda a matemática que escrevemos está calcada no a-


xioma da fundação. Esse axioma, em outra formulação, nos conta
que todo conjunto foi recursivamente construído a partir dos a-
xiomas ZFC, isto é, todo conjunto tem uma partícula mínima.
Vejamos: ∃x(x ∈ A) é equivalente a dizer que A não é vazio.
Nesse caso, existe um elemento B de A cuja interseção com A é
vazia. Em resumo, não podemos fazer conjuntos sem um “tijolo”
inicial.

Por hoje é só. Em nossa próxima aula, veremos algumas operações


sobre conjuntos.

7.5 Conclusão

Caro aluno, uma teoria dos conjuntos bem fundamentada e


isenta de paradoxos é fundamental para o desenvolvimento da
Matemática. Portanto, a teoria dos conjuntos de Zermelo-Fraenkel
é a linguagem usada pela maioria dos matemáticos na construção
de novas teorias.

97
Teoria de Cantor e Teoria de Zermelo -Fraenkel

7.6 Resumo

Os axiomas para a Teoria dos Conjuntos de Cantor são:


A01 Extensionalidade
∀a, ∀b, Set(a), Set(b)(∀x(x ∈ a ↔ x ∈ b) ↔ a = b)
A02 Compreensão
∀π, ∃a, Set(a)(∀x, x ∈ a ↔ π(x))
E os axiomas para a Teoria dos Conjuntos de Zermelo-Fraenkel
são:
A01 Existência do Conjunto Vazio
∃φ|∀x, ¬(x ∈ φ)
A02 Extensionalidade
∀A, ∀B(∀x(x ∈ A ↔ x ∈ B) ↔ A = b)
A03 Separação
∀A, ∀π, ∃B(∀x(x ∈ B ↔ (x ∈ A ∧ π(x))))
A04 Formação de Pares
∀A, ∀B, ∃C(∀x(x ∈ C → (x = A ∨ x = B)))
A05 União
∀A, ∃B(∀x(x ∈ B ↔ ∃C(C ∈ A ∧ x ∈ C)))
A06 Infinito
∃A(φ ∈ A ∧ (∀x(x ∈ A → (x ∪ {x} ∈ A))))
A07 Potenciação
∀A, ∃B(∀C(C ⊂ A → C ∈ B)).
A08 Substituição
∀A, ∀π((∀x(π(x, y) = π(x, z) → y = z) → ∃B(∀x ∈ A, ∃y ∈
B ∧ π(x, y))).
A09 Fundação
∀A(∃x(x ∈ A) → ∃B(B ∈ A ∧ ¬∃z(z ∈ A ∧ z ∈ B))).

98
Fundamentos da Matemática: Livro 1

A10 Escolha 7
∀{As }s∈S ((∀s ∈ S, As 6= φ) → ∃B(∀s ∈ S, ∃!y(y ∈ As ∧ y ∈ B))) AULA

7.7 Atividades

ATIV. 7.1. Considere os axiomas da teoria ZF e prove a existên-


cia de um conjunto unitário.
Comentário: Use o axioma da existência do conjunto vazio como
base para a demonstração.

ATIV. 7.2. Considere os axiomas da teoria ZF e prove a existên-


cia do conjunto {φ, {φ}}.
Comentário: Use o exercício anterior como base para a demons-
tração.

7.8 Referências Bibliográficas

FERREIRA, Fernando.Teoria dos Conjuntos: Uma Vista, Boletim


da Sociedade Portuguesa de Matemática 38: 29-47, 1998.
HALMOS, Paul Richard, Naive Set Theory, Springer-Verlag, 1974.
CASTRUCCI, Benedito. Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

99
1
LIVRO

Operações com
Conjuntos:
8
AULA
União e Interseção

META:
Introduzir algumas propriedades da
união e da interseção de conjuntos.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Demonstrar propriedades envol-
vendo união de conjuntos;
Demonstrar propriedades envol-
vendo interseção de conjuntos.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-04 e Aula-07 os conhecimentos
das regras de inferência e das
regras de equivalência e da teoria
axiomática dos conjuntos.
Operações com Conjuntos: União e Interseção

8.1 Introdução

Na aula anterior, vimos duas teorias axiomáticas dos conjun-


tos. A primeira (Teoria dos Conjuntos de Cantor) que teve sua
importância histórica por ser a primeira a lançar sementes para teo-
rias mais elaboradas como a de Zermelo-Fraenkel. A segunda vista,
com mais detalhes (Teoria dos Conjuntos de Zemelo-Fraenkel) cor-
rigiu alguns dos defeitos da primeira e é hoje em dia a base dos
Fundamentos da Matemática. Embora importante por si só, uma
teoria axiomática é como uma criança cheia de potencial, mas que
é preciso ser desenvolvida. Na aula de hoje, continuaremos por de-
senvolver a Teoria dos Conjuntos, definindo as operações de união
e intersecção e provando algumas de suas propriedades.

8.2 União de Conjuntos

Começaremos nossa aula, definido união de conjuntos. Como


o nome indica, a união de conjuntos é uma idéia intuitiva de criar
um conjunto a partir de dois outros juntando todos os elementos
de cada um dos dois conjuntos.

Definição 8.1. Sejam A e B dois conjuntos. Definimos a união


de A com B, denotada A ∪ B, por:
∀A, ∀B(∀x(x ∈ A ∨ x ∈ B) ↔ x ∈ A ∪ B).

Antes de continuar com as propriedades da união de conjuntos,


observaremos que a definição de igualdade entre conjuntos pode
ser modificada do seguinte modo:
∀A, ∀B(∀x(x ∈ A ↔ x ∈ B) ↔ A = b)
Como α ↔ β ≡ (α → β) ∧ (β → α) temos:

102
Fundamentos da Matemática: Livro 1

∀A, ∀B(∀x((x ∈ A → x ∈ B) ∧ (x ∈ B → x ∈ A)) ↔ A = b) 8


Da definição de contido, temos: AULA

∀A, ∀B((A ⊂ B) ∧ (B ⊂ A) ↔ A = b)
Que é uma forma mais conveniente para demonstrações.

8.2.1 Propriedades da União de Conjuntos

Para a união de conjuntos listamos aqui, entre outras, as seguintes


propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos,valem então as seguintes propriedades:

• φ∪A=A

• A∪A=A

• A∪B =B∪A

• A⊂A∪B

• A ∪ (B ∪ C) = (A ∪ B) ∪ C

8.3 Interseção de Conjuntos

Vamos começar esta secção, definindo interseção de conjuntos.


Como o nome indica, a interseção de conjuntos é uma idéia intu-
itiva de criar um conjunto a partir de dois outros, juntando todos
os elementos compartilhados pelos dois conjuntos.

Definição 8.2. Sejam A e B dois conjuntos, definimos a interseção


de A com B, denotada A ∩ B, por:
∀A, ∀B(∀x(x ∈ A ∧ x ∈ B) ↔ x ∈ A ∩ B).

103
Operações com Conjuntos: União e Interseção

OBS 8.1. Nem sempre dois conjuntos A e B compartilham ele-


mentos em comum, neste caso dizemos que os conjuntos são dis-
juntos e escrevemos A ∩ B = ∅.

8.3.1 Propriedades da Interseção de Conjuntos

Para a interseção de conjuntos listamos aqui, entre outras, as


seguintes propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades:

• φ∩A=φ

• A∩A=A

• A∩B =B∩A

• A∩B ⊂A

• A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C

8.3.2 Propriedades da União e Interseção de Con-


juntos

Para a união e interseção de conjuntos listamos aqui, entre outras,


as seguintes propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades:

• A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)

• A ∪ (B ∩ C) = (A ∪ B) ∩ (A ∪ C)

Adicionalmente listaremos também algumas propriedades da re-


lação de contido.

104
Fundamentos da Matemática: Livro 1

8.3.3 Propriedades da Relação de Contido 8


AULA
Para a relação de contido entre conjuntos listamos aqui, entre ou-
tras, as seguintes propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades:

• φ⊂A

• A⊂A

• (A ⊂ B ∧ B ⊂ C) → A ⊂ C

8.4 Algumas Demonstrações

Nesta seção, vamos demonstrar algumas das propriedades vis-


tas acima.
Vamos provar a primeira das propriedades da união e interseção.
A saber:
Propriedade1: A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ (A ∩ C).
PROVA É suficiente mostrar que:
A∩(B∪C) ⊂ (A∩B)∪(A∩C) e que (A∩B)∪(A∩C) ⊂ A∩(B∪C).
a) Primeiramente mostraremos que: A∩(B∪C) ⊂ (A∩B)∪(A∩C)
∀x, x ∈ A ∩ (B ∪ C)
Da definição de interseção de conjuntos:
x ∈ A ∧ x ∈ (B ∪ C)
Da definição de união de conjuntos:
x ∈ A ∧ (x ∈ B ∨ x ∈ C)
Como α ∧ (β ∨ γ) ≡ (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ) temos:
(x ∈ A ∧ x ∈ B) ∨ (x ∈ A ∧ x ∈ C)
Da definição de interseção de conjuntos:
x ∈ (A ∩ B) ∨ x ∈ (A ∩ B)

105
Operações com Conjuntos: União e Interseção

Da definição de união de conjuntos:


x ∈ (A ∩ B) ∪ (A ∩ B)
Daí, teremos que:
∀x, x ∈ A ∩ (B ∪ C) → x ∈ (A ∩ B) ∪ (A ∩ B)
Da definição de contido:
A ∩ (B ∪ C) ⊂ (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)
b) Em seguida mostrarmos que: (A ∩ B) ∪ (A ∩ C) ⊂ A ∩ (B ∪ C)
∀x, x ∈ (A ∩ B) ∪ (A ∩ B)
Da definição de união de conjuntos:
x ∈ (A ∩ B) ∨ x ∈ (A ∩ B)
Da definição de interseção de conjuntos:
(x ∈ A ∧ x ∈ B) ∨ (x ∈ A ∧ x ∈ C)
Como α ∧ (β ∨ γ) ≡ (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ) temos:
x ∈ A ∧ (x ∈ B ∨ x ∈ C)
Da definição de união de conjuntos:
x ∈ A ∧ x ∈ (B ∪ C)
Da definição de interseção de conjuntos:
x ∈ A ∩ (B ∪ C)
Daí, teremos que:
∀x, x ∈ (A ∩ B) ∪ (A ∩ B) → x ∈ A ∩ (B ∪ C)
Da definição de contido:
(A ∩ B) ∪ (A ∩ C) ⊂ A ∩ (B ∪ C)
Das partes a) e b) teremos:
(A∩(B ∪C) ⊂ (A∩B)∪(A∩C))∧((A∩B)∪(A∩C) ⊂ A∩(B ∪C))
Portanto, da definição de igualdade de conjuntos temos:
A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ (A ∩ C) 

Veremos agora mais uma demonstração de uma das propriedades


da interseção. A saber:

106
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Propriedade2: A ∩ B = B ∩ A 8
PROVA É suficiente mostrar que: AULA

A ∩ B ⊂ B ∩ A e que B ∩ A ⊂ A ∩ B.
a) Primeiramente mostraremos que: A ∩ B ⊂ B ∩ A
∀x, x ∈ A ∩ B
Da definição de interseção temos:
x∈A∧x∈B
Como α ∧ β ≡ β ∧ α temos:
x∈B∧x∈A
Da interseção de conjuntos temos:
x∈B∩A
Daí, teremos que:
∀x, x ∈ A ∩ B → x ∈ B ∩ A
Da definição de contido:
A∩B ⊂B∩A
b) Em seguida mostraremos que: B ∩ A ⊂ A ∩ B
∀x, x ∈ B ∩ A
Da definição de interseção temos:
x∈B∧x∈A
Como α ∧ β ≡ β ∧ α temos:
x∈A∧x∈B
Da interseção de conjuntos temos:
x∈A∩B
Daí, teremos que:
∀x, x ∈ B ∩ A → x ∈ A ∩ B
Da definição de contido:
B∩A⊂A∩A
Das partes a) e b) teremos:

107
Operações com Conjuntos: União e Interseção

(A ∩ B ⊂ B ∩ A) ∧ (B ∩ A ⊂ A ∩ A)
Portanto, da definição de igualdade de conjuntos temos:
A∩B =B∩A 

Caro aluno, a nossa aula termina aqui, mas como você deve ter
percebido o conteúdo abordado, devido ao seu aspecto técnico, exi-
ge uma dedicação maior. Na próxima aula, prosseguiremos vendo
mais operações sobre conjuntos. Em particular detalharemos a
diferença e o complementar.

8.5 Conclusão

Caro aluno, não é sufuciente ter uma teoria dos conjuntos livre
de paradoxos. Precisamos completá-la com operações sobre con-
juntos. Duas operações em especial, a união e a interseção de dois
conjuntos, formam um terceiro reunindo todos os elementos de
cada conjunto e separando os elementos que são comuns aos dois
respectivamente.

8.6 Resumo

Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades


para a união de conjuntos:

• φ∪A=A

• A∪A=A

• A∪B =B∪A

• A ∪ (B ∪ C) = (A ∪ B) ∪ C

108
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades 8


para a interseção de conjuntos: AULA

• φ∩A=φ

• A∩A=A

• A∩B =B∩A

• A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C

Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades


para a união e interseção de conjuntos:

• A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)

• A ∪ (B ∩ C) = (A ∪ B) ∩ (A ∪ C)

Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades


para a relação de contido:

• φ⊂A

• A⊂A

• A ⊂ B ∧ B ⊂ C) → A ⊂ C

8.7 Atividades

Deixamos como atividades a demonstração de alguma das pro-


priedades acima.

ATIV. 8.1. Sejam A e B conjuntos. Mostre que:

109
Operações com Conjuntos: União e Interseção

• φ∪A=A

• A∪A=A

Comentário: Reveja a seção: Algumas Demonstrações.

ATIV. 8.2. Sejam A e B conjuntos. Mostre que:

• φ⊂A

• A ⊂ B ∧ B ⊂ C) → A ⊂ C

Comentário: Reveja a seção: Algumas Demonstrações.

8.8 Referências Bibliográficas

FERREIRA, Fernando.Teoria dos Conjuntos: Uma Vista, Boletim


da Sociedade Portuguesa de Matemática 38: 29-47, 1998.
HALMOS, Paul Richard, Naive Set Theory, Springer-Verlag, 1974.
CASTRUCCI, Benedito. Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

110
1
LIVRO

Operações com
Conjuntos: Diferença
9
AULA
e Complementar

META:
Apresentar algumas propriedades
da diferença e do complementar de
conjuntos.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Demonstrar propriedades envol-
vendo diferença entre conjuntos;
Demonstrar propriedades envol-
vendo complementar de conjuntos.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-04 e Aula-07 os conhecimentos
das regras de inferência e das
regras de equivalência e da teoria
axiomática dos conjuntos.
Operações com Conjuntos: Diferença e Complementar

9.1 Introdução

Na aula anterior, vimos operações de união e intersecção en-


tre dois conjuntos e algumas propriedades envolvendo as mesmas.
Provamos duas delas e deixamos outras como atividades em sala de
aula. Na aula de hoje, continuando o estudo das relações entre con-
juntos veremos mais três operações entre conjuntos. A diferença
entre conjuntos e uma operação semelhante denominada diferença
simétrica e o complementar de um conjunto. Veremos também al-
gumas das propriedades destas operações e finalizando, provaremos
duas das propriedades.

9.2 Diferença de Conjuntos

Começaremos nossa aula, definindo a diferença de conjuntos.


Como o nome indica, a diferença de conjuntos é uma idéia intuitiva
de criar um conjunto a partir de dois outros, juntando todos os
elementos de um conjunto que não está no outro conjunto.

Definição 9.1. Sejam A e B dois conjuntos. Definimos a diferença


de A menos B, denotada A\B, por:
∀A, ∀B(∀x(x ∈ A ∧ x ∈
/ B) ↔ x ∈ A\B).

9.2.1 Propriedades da Diferença de Conjuntos

Para a diferença de conjuntos listamos aqui, entre outras, as se-


guintes propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades:

• A\A = φ

• A\φ = A

112
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• A\(B ∪ C) = (A\B) ∩ (A\C) 9


AULA
• A\(B ∩ C) = (A\B) ∪ (A\C)

• (A\B) ∪ (A ∩ B) = A

9.3 Diferença Simétrica de Conjuntos

Começaremos definindo a diferença simétrica de conjuntos. Co-


mo o nome indica, a diferença de conjuntos não é uma idéia intu-
itiva. A idéia aqui é de criar um conjunto a partir de dois outros,
juntando todos os elementos de um conjunto que não está no outro
conjunto e vice-versa.

Definição 9.2. Sejam A e B dois conjuntos. Definimos a diferença


simétrica de A e B, denotada A∆B, por:
∀A, ∀B(∀x(x ∈ (A ∪ B) ∧ x ∈
/ (A ∩ B)) ↔ x ∈ A∆B).

9.3.1 Propriedades da Diferença Simétrica de Con-


juntos

Para a diferença simétrica de conjuntos listamos aqui, entre outras,


as seguintes propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades:

• A∆A = φ

• A∆φ = A

• A∆B = B∆A

• A∆(B∆C) = (A∆B)∆C

• A ∩ (B∆C) = (A ∩ B)∆(A ∩ C)

113
Operações com Conjuntos: Diferença e Complementar

9.4 Complementar de Conjuntos

Começaremos essa seção, definindo o complementar de um con-


junto relativo a outro conjunto que o contém. Como o nome indica,
o complementar de um conjunto relativo a outro conjunto que o
contém é uma idéia intuitiva de criar um conjunto a partir de dois
outros, juntando todos os elementos que pertençam ao primeiro
conjunto e que falta ao segundo para completar o primeiro.

Definição 9.3. Sejam A e B dois conjuntos tais que B ⊂ A.


Definimos o complementar de B relativo a A, denotado {A (B),
por:
∀A, ∀B((B ⊂ A)∀x(x ∈ A ∧ x ∈
/ B) ↔ x ∈ {A (B)).

9.4.1 Propriedades do Complementar de Conjuntos

Para o complementar de conjuntos listamos aqui, entre outras, as


seguintes propriedades:
Sejam A, B e C conjuntos tais que B, C ⊂ A. Valem então as
seguintes propriedades:

• {A (A) = φ

• {A (φ) = A

• {A ({A (B)) = B

• {A (B ∪ C) = {A (B) ∩ {A (C)

• {A (B ∩ C) = {A (B) ∪ {A (C)

114
Fundamentos da Matemática: Livro 1

9.5 Algumas Demonstrações 9


AULA

Nesta seção, demonstraremos algumas das (mais precisamente


duas) propriedades vistas acima.
Provaremos primeiramente a quarta das propriedades da diferença
entre conjuntos. A saber:
Propriedade1: sejam A, B e C tais que, B ⊂ A e C ⊂ A então
A\(B ∪ C) = (A\B) ∩ (A\C).
PROVA É suficiente mostrar que:
A\(B ∪ C) ⊂ (A\B) ∩ (A\C) e que (A\B) ∩ (A\C) ⊂ A\(B ∪ C)
a) Primeiramente mostraremos que: A\(B ∪ C) ⊂ (A\B) ∩ (A\C)
∀x, x ∈ (A\(B ∪ C))
Da definição de diferença entre conjuntos temos:
(x ∈ A) ∧ x ∈
/ (B ∪ C)
Ou de outra forma:
(x ∈ A) ∧ ¬(x ∈ (B ∪ C))
Da definição de união de conjuntos temos:
(x ∈ A) ∧ ¬(x ∈ B ∨ x ∈ C)
Da lei de De Morgan ¬(α ∨ β) ≡ ¬α ∧ ¬β temos:
(x ∈ A) ∧ ¬(x ∈ B) ∧ ¬(x ∈ C)
De outro modo:
(x ∈ A) ∧ (x ∈
/ B) ∧ (x ∈
/ C)
Como α ≡ α ∧ α temos:
(x ∈ A) ∧ (x ∈ A) ∧ (x ∈
/ B) ∧ (x ∈
/ C)
Rearrumando temos:
((x ∈ A) ∧ (x ∈
/ B)) ∧ ((x ∈ A) ∧ (x ∈
/ C))
Da definição de diferença de conjuntos temos:
x ∈ (A\B) ∧ x ∈ (A\C)

115
Operações com Conjuntos: Diferença e Complementar

Da definição de interseção de conjuntos temos:


x ∈ (A\B) ∩ (A\C)
Daí,
∀x, x ∈ (A\(B ∪ C)) → x ∈ (A\B) ∩ (A\C)
Da definição de contido temos:
A\(B ∪ C) ⊂ (A\B) ∩ (A\C)
b) Em seguida, mostrarmos que: (A\B) ∩ (A\C) ⊂ A\(B ∪ C)
∀x, x ∈ (A\B) ∩ (A\C)
Da definição de interseção de conjuntos:
x ∈ (A\B) ∧ x ∈ (A\C)
Da definição de diferença de conjuntos:
((x ∈ A) ∧ (x ∈
/ B)) ∧ ((x ∈ A) ∧ (x ∈
/ C))
Reagrupando temos:
(x ∈ A) ∧ (x ∈ A) ∧ (x ∈
/ B) ∧ (x ∈
/ C)
Como α ≡ α ∧ α temos:
(x ∈ A) ∧ (x ∈
/ B) ∧ (x ∈
/ C)
De outro modo:
(x ∈ A) ∧ ¬(x ∈ B) ∧ ¬(x ∈ C)
Da lei de De Morgan ¬(α ∨ β) ⇔ ¬α ∧ ¬β temos:
(x ∈ A) ∧ ¬(x ∈ B ∨ x ∈ C)
Da definição de união de conjuntos temos:
(x ∈ A) ∧ ¬(x ∈ (B ∪ C))
De outra forma:
(x ∈ A) ∧ x ∈
/ (B ∪ C)
Da definição de diferença de conjuntos temos:
x ∈ (A\(B ∪ C))
Daí,
∀x, x ∈ (A\B) ∩ (A\C) → x ∈ (A\(B ∪ C))

116
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Da definição de contido: (A\B) ∩ (A\C) ⊂ A\(B ∪ C) 9


Das partes a) e b) temos: AULA

(A\(B ∪ C) ⊂ (A\B) ∩ (A\C)) ∧ ((A\B) ∩ (A\C) ⊂ A\(B ∪ C))


Portanto, da definição de igualdade de conjuntos temos:
A\(B ∪ C) = (A\B) ∩ (A\C) 

Veremos agora mais uma demonstração de uma das propriedades


do complementar. A saber:
Propriedade2: {A ({A (B)) = B
PROVA É suficiente mostrar que:
{A ({A (B)) ⊂ B e que B ⊂ {A ({A (B))
a) Primeiramente mostraremos que: {A ({A (B)) ⊂ B
∀x, x ∈ {A ({A (B))
Da definição de complementar temos:
x∈A∧x∈
/ {A (B)
De outro modo:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ {A (B))
Da definição de complementar temos:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A ∧ x ∈
/ B)
De outro modo:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A ∧ ¬(x ∈ B))
Da lei de De Morgan ¬(α ∧ β) ≡ ¬α ∨ ¬β temos:
x ∈ A ∧ (¬(x ∈ A) ∨ ¬¬(x ∈ B))
Como ¬¬α ≡ α temos:
x ∈ A ∧ (¬(x ∈ A) ∨ x ∈ B)
Como α ∧ (β ∨ γ) ≡ (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ) temos:
(x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A)) ∨ (x ∈ A ∧ x ∈ B)
Como ⊥≡ (x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A)) temos:
⊥ ∨(x ∈ A ∧ x ∈ B)

117
Operações com Conjuntos: Diferença e Complementar

Como ⊥ ∨α ≡ α temos:
x∈A∧x∈B
Como B ⊂ A então x ∈ A ∧ x ∈ B → x ∈ B. Logo:
x∈B
Daí, temos:
∀x, x ∈ {A ({A (B)) → x ∈ B
Da definição de contido:
{A ({A (B)) ⊂ B
b) Em seguida, mostrarmos que: B ⊂ {A ({A (B))
∀x, x ∈ B
Como B ⊂ A, x ∈ B → x ∈ A ∧ x ∈ B temos:
x∈A∧x∈B
Como ⊥ ∨α ≡ α temos:
⊥ ∨(x ∈ A ∧ x ∈ B)
Como ⊥≡ (x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A)) temos:
(x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A)) ∨ (x ∈ A ∧ x ∈ B)
Como α ∧ (β ∨ γ) ≡ (α ∧ β) ∨ (α ∧ γ) temos
x ∈ A ∧ (¬(x ∈ A) ∨ x ∈ B)
Como ¬¬α ≡ α temos:
x ∈ A ∧ (¬(x ∈ A) ∨ ¬¬(x ∈ B))
Da lei de De Morgan ¬(α ∧ β) ≡ ¬α ∨ ¬β temos:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A ∧ ¬(x ∈ B))
De outro modo:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ A ∧ x ∈
/ B)
Da definição de complementar temos:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ {A (B))
De outro modo:
x∈A∧x∈
/ {A (B)

118
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Da definição de complementar temos: 9


x ∈ {A ({A (B)) AULA

Daí, temos:
∀x, x ∈ B → x ∈ {A ({A (B))
Da definição de contido:
B ⊂ {A ({A (B))
Das partes a) e b) teremos:
({A ({A (B)) ⊂ B) ∧ (B ⊂ {A ({A (B)))
Portanto, da definição de igualdade de conjuntos temos:
{A ({A (B)) = B 

Essa aula caro aluno, devido ao seu aspecto técnico como a


aula anterior, exige uma dedicação maior. Resolva as atividades
propostas e procure esclarecer suas dúvidas, pois na próxima aula,
prosseguiremos vendo mais operações sobre conjuntos e detalhare-
mos produto cartesiano.

9.6 Conclusão

Na aula de hoje, vimos mais duas novas operações sobre con-


juntos, diferença e complementar, e podemos concluir que apesar
de úteis, são menos intuitivas que as da aula anterior união e in-
terseção.

9.7 Resumo

Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades


para a diferença de conjuntos:

119
Operações com Conjuntos: Diferença e Complementar

• A\A = φ

• A\φ = A

• A\(B ∪ C) = (A\B) ∩ (A\C)

• A\(B ∩ C) = (A\B) ∪ (A\C)

• (A\B) ∪ (A ∩ B) = A

Sejam A, B e C conjuntos. Valem então as seguintes propriedades


para a diferença simétrica de conjuntos:

• A∆A = φ

• A∆φ = A

• A∆B = B∆A

• A∆(B∆C) = (A∆B)∆C

• A ∩ (B∆C) = (A ∩ B)∆(A ∩ C)

Sejam A, B e C conjuntos ,tais que B, C ⊂ A. Valem então as


seguintes propriedades para o complementar de conjuntos:

• {A (A) = φ

• {A (φ) = A

• {A ({A (B)) = B

• {A (B ∪ C) = {A (B) ∩ {A (C)

• {A (B ∩ C) = {A (B) ∪ {A (C)

120
Fundamentos da Matemática: Livro 1

9.8 Atividades 9
AULA
Deixamos como atividades a demonstração de alguma das pro-
priedades acima.

ATIV. 9.1. Sejam A e B conjuntos. Mostre que:

• A\A = φ

• A\(B ∪ C) = (A\B) ∩ (A\C)

Comentário: Volte ao texto e reveja com calma e atenção as


demonstrações acima, elas lhe servirão de guia.

ATIV. 9.2. Sejam A, B e C conjuntos, tais que B, C ⊂ A. Mostre


que:

• {A (φ) = A

• {A (B ∪ C) = {A (B) ∩ {A (C)

Comentário: Volte ao texto e reveja com calma e atenção as


demonstrações acima, elas lhe servirão de guia.

9.9 Referências Bibliográficas

FERREIRA, Fernando,Teoria dos Conjuntos: Uma Vista, Boletim


da Sociedade Portuguesa de Matemática 38: 29-47, 1998.
HALMOS, Paul Richard, Naive Set Theory, Springer-Verlag, 1974.
CASTRUCCI, Benedito, Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

121
1
LIVRO

Operações com
Conjuntos:
10
AULA
Produto Cartesiano

META:
Introduzir propriedades para o
produto cartesiano de conjuntos.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Demonstrar propriedades envol-
vendo pares ordenados;
Demonstrar propriedades envol-
vendo produto cartesiano de
conjuntos.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-04 e Aula-07 os conhecimentos
das regras de inferência e das
regras de equivalência e da teoria
axiomática dos conjuntos.
Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano

10.1 Introdução

Nas duas aulas anteriores, vimos as operações de união e in-


terseção entre dois conjuntos e algumas propriedades que as en-
volvem. Provamos duas delas e deixamos outras como atividades
em sala de aula. Vimos também, a diferença entre conjuntos, a
diferença simétrica entre conjuntos e por fim o complementar de
um conjunto com relação a outro que o contenha. Na aula de
hoje, continuaremos estudando as relações entre conjuntos e vere-
mos também, produto cartesiano de conjuntos

10.2 Par Ordenado


Kazimierz Kura-
Começaremos nossa aula, definindo par ordenado. Um conceito
towski nasceu no dia
02/02/1896 em Varso- importante, pois sem ele a Geometria analítica não seria possível.
via, mesmo lugar onde
morreu em 18/06/1980. Como vimos na aula 07, a ordem em que os elementos são listados
Matemático e Lógico
polonês, entre em um conjunto é irrelevante. Porém, há ocasiões em que a ordem
suas contribuições
encontram-se uma em que os elementos são introduzidos tem relevância. Quem é o
caracterização dos
Espaços de Hausdorff primeiro, quem é o segundo e assim consecutivamente, Quem é o
conhecido como Axi-
omas de Fechamento
primeiro, quem é o segundo, o terceiro e assim consecutivamente, é
de Kuratowski e a exemplo do conceito de par ordenado, introduzido pelo matemático
carecterização de pares
ordenados. Wikipedia polonês Kuratowski . Em seguida, definiremos também o conceito
de n-úpla ordenada.

Definição 10.1. Sejam a e b objetos quaisquer. Definimos o par


ordenado, denotado (a, b), por:
def
(a, b) = {{a}, {a, b}}.

OBS 10.1. A definição acima foi elaborada por Kuratowski. O


fato de a ser o primeiro objeto do par ordenado X pode ser expresso

124
Fundamentos da Matemática: Livro 1

como: 10
∀x ∈ X, a ∈ x AULA

e o fato de b ser o segundo objeto do par ordenado X pode ser


expresso como:
(∃x ∈ X|b ∈ x) ∧ (∀x1 , x2 ∈ X|x1 6= x2 → (b ∈
/ x1 ∨ b ∈
/ x2 ))
A definição vale no caso de a = b pois, se X = (a, a) = {{a}, {a, a}
} = {{a}, {a}} = {{a}} e como a condição x1 6= x2 não pode
ser satisfeita por X, a definição de a ser o segundo objeto fica
vaziamente satisfeita (F → V é verdade).

Teorema 10.1. Sejam X = (a, b) e Y = (c, d) dois pares orde-


nado. X = Y somente se a = c e b = d.

PROVA: Provaremos primeiramente que X = Y → a = c∧b = d.


Para isso usaremos o estudo de casos:
a) Caso a = b
def
X = (a, b) = {{a}, {a, b}}:
Como a = b temos:
X = {{a}, {a, a}}
Do axioma da extensionalidade (a repetição de elementos é irrele-
vante) temos:
X = {{a}, {a}}
X = {{a}}
Por outro lado:
def
Y = (c, d) = {{c}, {c, d}}
Como X = Y temos:
{{a}} = {{c}, {c, d}}
Do axioma da extensionalidade (um conjunto fica unicamente de-
terminado pelos seus elementos) temos:

125
Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano

{a} = {c} = {c, d} → a = c = d


Portanto:
a=b=c=d
b) Caso a 6= b
def
X = (a, b) = {{a}, {a, b}} e:
def
Y = (c, d) = {{c}, {c, d}}
Como X = Y temos:
{{a}, {a, b}} = {{c}, {c, d}}
Do axioma da extensionalidade temos duas possibilidades {c} =
{a, b} ou {c} = {a}
b1) Caso {c} = {a, b}
Do axioma da extensionalidade temos:
{c} = {a, b} → c = a = b
Daí, temos:
a 6= b ∧ a = b que é um absurdo. Logo vale a segunda opção:
b2) Caso {c} = {a}
{c} = {a}
Do axioma da extensionalidade:
{c} = {a} → a = c
Ok, ainda restam duas possibilidades para {c, d}. {c, d} = {a} ou
{c, d} = {a, b}.
b21) Caso {c, d} = {a}
{c, d} = {a}
Do axioma da extensionalidade:
{c, d} = {a} → c = d = a
Daí, do axioma da extensionalidade temos:
c = d → Y = (c, d) = {{c}, {c, d}} = {{c}, {c, c}} = {{c},
{c}} = {{c}}

126
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Como X = Y , do axioma da extensionalidade temos: 10


{{c}} = {{a}, {a, b}} → {c} = {a} = {a, b} → c = a = b AULA

Daí,
a 6= b ∧ a = b absurdo. Logo vale a segunda opção:
b22) Caso {c, d} = {a, b}
{c, d} = {a, b}
Como a = c temos:
{a, d} = {a, b}
Do axioma da extensionalidade temos:
{a, d} = {a, b} → b = d
Dai, temos:
a = c ∧ b = d.
Em segundo lugar, provaremos que a = c ∧ b = d → X = Y .
Como a = c ∧ b = d e X = (a, b) ∧ Y = (c, d).
É trivial que Y = (a, b) e portanto:
X =Y.
Portanto conclui-se que:
X = Y ↔ a = c ∧ b = d .

Podemos definir termo ordenado usando o conceito de par orde-


nado da seguinte forma:

Definição 10.2. Sejam a, b e c três objetos quaisquer. Definimos


terno ordenado, denotado (a, b, c), por:
def
(a, b, c) = (a, (b, c)).

OBS 10.2. Seguindo a definição de Kuratowski para par orde-


nado, para um terno ordenado temos:
(a, b, c) = (a, (b, c)) = {{a}, {a, (b, c)}}

127
Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano

(a, b, c) = {{a}, {a, {{b}, {b, c}}}}.

O conceito de n-úpla ordenada pode ser definido interativamente


por:

Definição 10.3. Sejam x1 , x2 , . . . xn n objetos. Definimos intera-


tivamente a n-úpla ordenada, denotada (x1 , x2 , . . . , xn ) por:
def
(x1 , x2 , . . . , xn ) = (x1 , (x2 , . . . , xn )),
onde (x2 , . . . , xn ) é uma n-1-úpla ordenada.

10.3 Produto Cartesiano de Conjuntos

O produto cartesiano leva este nome em homenagem ao Mate-


mático francês Renné Descartes, que o usou na definição da Ge-
ometria Analítica. Consiste em formar, partindo de dois conjun-
tos, um conjunto constituído de todos os pares ordenados, cujo
primeiro objeto pertence ao primeiro conjunto e o segundo objeto
pertence ao segundo conjunto. Vamos à definição:

Definição 10.4. Sejam A e B dois conjuntos. Definimos o produto


cartesiano de A por B, denotado A × B, por:
def
A × B = {(a, b), ∀a ∈ A ∧ ∀b ∈ B}.

Exemplo 10.1. Sejam A = {a, b, c} e B = {1, 2} então o produto


cartesiano A × B é dado por:
A × B = {(a, 1), (b, 1), (c, 1), (a, 2), (b, 2), (c, 2)}
enquanto que o produto cartesiano B × A é dado por:
B × A = {(1, a), (1, b), (1, c), (2, a), (2, b), (2, c)}

Podemos estender o conceito de produto cartesiano à três conjun-


tos, definindo:

128
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição 10.5. Sejam A, B e C três conjuntos. Definimos o 10


produto cartesiano de A, B e C, denotado A × B × C, por: AULA
def
A × B × C = {(a, b, c), ∀a ∈ A, ∀b ∈ B, c ∈ C}.

Podemos estender facilmente a definição para o produto cartesiano


de n conjuntos. A saber:

Definição 10.6. Sejam A1 , A2 , . . . , An n conjuntos. Definimos o


produto cartesiano de A1 , A2 , . . . , An , denotado A1 ×A2 ×· · ·×An ,
por:
def
A1 ×A2 ×· · ·×An = {(a1 , a2 , . . . , an ), ∀a1 ∈ A1 , ∀a2 ∈ A2 , . . . , ∀an
∈ An }.

10.3.1 Propriedades do Produto Cartesiano

Listaremos aqui, algumas das propriedades do produto cartesiano.


A saber:

Sejam A,B e C três conjuntos, então valem as seguintes pro-


priedades:

• A × B 6= B × A, se A 6= B e A 6= φ ou B 6= φ.

• A × B × C = A × (B × C) 6= (A × B) × C

• A×φ=φ×A=φ

• A × (B ∪ C) = (A × B) ∪ (A × C)

• A × (B ∩ C) = (A × B) ∩ (A × C)

129
Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano

10.4 Algumas Demonstrações

Nesta seção, demonstraremos duas propriedades vistas acima.


Provaremos, primeiramente, a segunda das propriedades do pro-
duto cartesiano de conjuntos. A saber:
Propriedade1: Sejam A, B e C conjuntos então, A × B × C =
A × (B × C) 6= (A × B) × C.
PROVA Da definição do produto cartesiano de n conjuntos, no
caso particular de n = 3 temos:
def
A × B × C = {(a, b, c), ∀a ∈ A∀b ∈ B∀c ∈ C}
def
Da definição de terno ordenado (a, b, c) = (a, (b, c)) temos: A ×
def
B × C = {(a, (b, c)), ∀a ∈ A∀b ∈ B∀c ∈ C}
Por outro lado, da definição de produto cartesiano de dois conjun-
tos temos:
def
B × C = {(b, c), ∀b ∈ B∀c ∈ C}
Novamente da definição de produto cartesiano de dois conjuntos,
em que o primeiro é A e o segundo é B × C temos:
def
A × (B × C) = {(a, x), ∀a ∈ A∀x ∈ B × C}
Daí, como x ∈ B × C → x = (b, c), ∀b ∈ B∀c ∈ C temos:
def
A × (B × C) = {(a, (b, c)), ∀a ∈ A∀b ∈ B∀c ∈ C}
Do axioma da extensionalidade (dois conjuntos são iguais, somente
se tem os mesmos elementos) temos:
A × B × C = A × (B × C)
Que encerra a primeira parte da demonstração.
Para a segunda parte, usando a definição de produto cartesiano de
dois conjuntos temos:
def
A × B = {(a, b), ∀a ∈ A∀b ∈ B}
Novamente da definição de produto cartesiano de dois conjuntos,

130
Fundamentos da Matemática: Livro 1

em que o primeiro é A × B e o segundo C temos: 10


def
(A × B) × C = {(x, c), ∀x ∈ A × B∀c ∈ C} AULA

Daí, como x ∈ A × B → x = (a, b), ∀a ∈ A∀b ∈ B temos:


def
(A × B) × C = {((a, b), c), ∀a ∈ A∀b ∈ B ∈ A × B∀c ∈ C}
Poderíamos pensar que (A × B) × C = A × (B × C) se ((a, b), c) =
(a, (b, c)). Porém, da definção de Kuratowski de par ordenado
temos:
(a, (b, c)) = {{a}, {a, (b, c)}}
Como (b, c) = {{b}, {b, c}} temos:
(a, (b, c)) = {{a}, {a, {{b}, {b, c}}}}
E também:
((a, b), c) = {{(a, b)}, {(a, b), c}}
Como (a, b) = {{a}, {a, b}} temos:
((a, b), c) = {{{{a}, {a, b}}}, {{{a}, {a, b}}, c}}
Daí, fica claro que de modo geral ((a, b), c) 6= (a, (b, c)) e portanto:
(A × B) × C 6= A × (B × C). 

Veremos agora, mais uma demonstração de uma das propriedades


do produto cartesiano. A saber:
Propriedade2: A × (B ∪ C) = (A × B) ∪ (A × C)
PROVA É suficiente mostrar que:
A×(B∪C) ⊂ (A×B)∪(A×C) e que (A×B)∪(A×C) ⊂ A×(B∪C).
a) Primeiramente mostraremos que: A×(B∪C) ⊂ (A×B)∪(A×C)
∀x, x ∈ A × (B ∪ C)
Da definição de produto cartesiano temos:
x = (a, z), a ∈ A, z ∈ (B ∪ C)
De definição de união temos:
x = (a, z), a ∈ A, (z ∈ B ∨ z ∈ C)

131
Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano

Podemos reescrever como:


(x = (a, z), a ∈ A, z ∈ B) ∨ (x = (a, z), a ∈ A, z ∈ C)
Da definição de produto cartesiano temos:
(x ∈ A × B) ∨ (x ∈ A × C)
Da definição de união temos:
x ∈ (A × B) ∪ (A × C)
Logo:
∀x, x ∈ A × (B ∪ C) → x ∈ (A × B) ∪ (A × C)
Da definição de contido temos:
A × (B ∪ C) ⊂ (A × B) ∪ (A × C)

b) Em seguida mostrarmos que: (A × B) ∪ (A × C) ⊂ A × (B ∪ C)


∀x, x ∈ (A × B) ∪ (A × C)
Da definição de união temos:
x ∈ (A × B) ∨ x ∈ (A × C)
Da definição de produto cartesiano temos:
(x = (y, z), y ∈ A, z ∈ B) ∨ (x = (u, w), u ∈ A, w ∈ C)
Que pode ser reescrita como:
x = (a, t), a ∈ A, (t ∈ B ∨ t ∈ C)
Da definição de união temos:
x = (a, t), a ∈ A, t ∈ (B ∪ C)
Da definição de produto cartesiano temos:
x ∈ A × (B ∪ C)
Logo:
∀x, x ∈ (A × B) ∪ (A × C) → x ∈ A × (B ∪ C)
Da definição de contido temos:
(A × B) ∪ (A × C) ⊂ A × (B ∪ C)
Das partes a) e b) temos:
(A×(B∪C) ⊂ (A×B)∪(A×C))∧((A×B)∪(A×C) ⊂ A×(B∪C))

132
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Portanto, da definição de igualdade de conjuntos temos: 10


A × (B ∪ C) = (A × B) ∪ (A × C)  AULA

Aqui encerra-se nosso primeiro módulo, e como algumas aulas ante-


riores, devido ao seu aspecto técnico, essa aula também exige uma
dedicação maior em seu estudo. No próximo módulo, iniciaremos
nossa aula vendo relações binárias

10.5 Conclusão

Ao final dessa aula, concluimos que, embora a ordem dos ele-


mentos de um conjunto seja irrelevante, como afirma o axioma da
extensionalidade, podemos criar ordem em um conjunto usando
como base o conceito de conjuntos e, conseqüentemente, teremos
as n-úplas ordenadas.

10.6 Resumo

Nosso resumo hoje consta das seguintes definições e proprieda-


des:
Definição de par ordenado:
Definição: Sejam a e b objetos quaisquer. Definimos o par
ordenado, denotado (a, b), por:
def
(a, b) = {{a}, {a, b}}.
Definição de n-úpla ordenada:
Definição: Sejam x1 , x2 , . . . xn n objetos. Definimos interativa-
mente a n-úpla ordenada, denotada (x1 , x2 , . . . , xn ) por:
def
(x1 , x2 , . . . , xn ) = (x1 , (x2 , . . . , xn )),
onde (x2 , . . . , xn ) é uma n-1-úpla ordenada.

133
Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano

Definição de produto cartesiano de dois conjuntos:


Definição: Sejam A e B dois conjuntos. Definimos o produto
cartesiano de A por B, denotado A × B, por:
def
A × B = {(a, b), ∀a ∈ A ∧ ∀b ∈ B}.
Produto cartesiano de n conjuntos:
Definição: Sejam A1 , A2 , . . . , An n conjuntos. Definimos o pro-
duto cartesiano de A1 , A2 , . . . , An , denotado A1 × A2 × · · · × An ,
por:
def
A1 ×A2 ×· · ·×An = {(a1 , a2 , . . . , an ), ∀a1 ∈ A1 , ∀a2 ∈ A2 , . . . , ∀an
∈ An }.
Propriedades Para o produto cartesiano vale as seguintes pro-
priedades. Sejam A,B e C então::

• A × B 6= B × A, se A 6= B e A 6= φ ou B 6= φ.

• A × B × C = A × (B × C) 6= (A × B) × C

• A×φ=φ×A=φ

• A × (B ∪ C) = (A × B) ∪ (A × C)

• A × (B ∩ C) = (A × B) ∩ (A × C)

10.7 Atividades

Deixamos como atividades a demonstração de alguma das pro-


priedades acima.

ATIV. 10.1. Sejam A e B conjuntos. Mostre que:

134
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• Se A = {{a}, {a, b}} e B = {{c}} então A = B ↔ a = b = c 10


A = {a} e B = {b, c} então A = B ↔ a = b = c AULA

Comentário: Reveja as demonstrações desta aula, pois servirão


como guias.

ATIV. 10.2. Sejam A, B e C conjuntos, tais que B, C ⊂ A.


Mostre que:

• A×φ=φ×A=φ

• A × (B ∩ C) = (A × b) ∩ (A × C)

Comentário: Reveja as demonstrações desta aula, sobretudo a


segunda que servirá como sua guia.

10.8 Referências Bibliográficas

FERREIRA, Fernando,Teoria dos Conjuntos: Uma Vista, Boletim


da Sociedade Portuguesa de Matemática 38: 29-47, 1998.
HALMOS, Paul Richard, Naive Set Theory, Springer-Verlag, 1974.
CASTRUCCI, Benedito, Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

135
1
LIVRO

Relações Binárias 11
AULA

META
Introduzir o conceito de relações e
suas propriedades.

OBJETIVOS
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Determinar a imagem e o domínio
de uma relação.
Verificar as propriedades de uma
relação.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-10 os conhecimentos de
produto cartesiano
Relações Binárias

11.1 Introdução

Olá caro aluno, iniciaremos nosso segundo módulo vendo re-


lações e suas propriedades. O conceito de relação é bastante in-
tuitivo. Diariamente podemos presenciar vários exemplos de re-
lações. Entre os habitantes de uma cidade, o casamento define
então uma relação entre seus habitantes; entre os times de futebol
de um campeonato, o time x jogou com o time y, também define
uma relação; entre o conjunto dos alunos do Curso de Matemática
e o conjunto das disciplinas do Curso de Matemática, podemos
definir uma relação por : o aluno x cursou a disciplina y. Esses
são alguns de muitos outros exemplos que poderiam ser citados.
Nesta aula, tornaremos a noção de “relação” precisa no sentido da
Matemática.

11.2 Relações Binárias

Começaremos nossa aula diretamente com o conceito (definição)


de relação binária:

Definição 11.1. Sejam A e B dois conjuntos. Definimos como


uma relação binária do conjunto A com o conjunto B, denotado
R, à qualquer subconjunto do produto cartesiano de A por B:
R ⊂ A × B.

Exemplo 11.1. Sejam A = {a, b, c, d} e B = {1, 2, 3}:

• R1 = {(a, 1), (b, 3), (d, 2)} é, conforme a definição acima,


uma relação entre o conjunto A e o conjunto B Fig 11.1.

• R2 = {(1, c), (3, a), (2, a)} por sua vez, é uma relação entre o
conjunto B e o conjunto A Fig 11.2.

138
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• R3 = {(a, 1), (3, b), (c, d)} não é uma relação pois (a, 1) ∈ 11
A × B enquanto que (3, b) ∈ B × A AULA

Figura 11.1: Relação R1 Figura 11.2: Relação R2

OBS 11.1. Dados dois conjuntos A e B e uma relação R ⊂ A × B


e um par ordenado (a, b), podemos representar de várias formas
o fato do par pertencer a relação. A saber: (a, b) ∈ R ou a R b
para indicar que a está na relação R com b. Podemos representar
o fato do par (a, b) não pertencer a relação escrevendo (a, b) ∈
/R
ou alternativamente a 6 R b.

Dois conceitos são importantes no estudo das relações: o conceito


de domínio e o conceito de imagem de uma relação. Abaixo esta-
beleceremos estes conceitos definindo-os.

Definição 11.2. Sejam A e B conjuntos e R ⊂ A×B uma relação


de A em B. Definimos o domínio de R, denotado Dom(R), por:
def
Dom(R) = {x ∈ A| ∃y ∈ B ∧ (x, y) ∈ R}

Definição 11.3. Sejam A e B conjuntos e R ⊂ A×B uma relação


de A em B. Definimos a imagem de R, denotada Img(R), por:
def
Img(R) = {y ∈ B| ∃x ∈ A ∧ (x, y) ∈ R}

139
Relações Binárias

OBS 11.2. Em palavras simples, o domínio de uma relação é cons-


tituído pelos primeiros elementos de todos os pares ordenados que
pertencem a relação, e a imagem de uma relação é constituída pelos
segundos elementos de todos os pares ordenados que pertencem a
relação.

Exemplo 11.2. Sejam os conjuntos A = {a, b, c, d}, B = {1, 2, 3}


e a relação R = {(a, 2), (a, 3), (b, 1), (c, 1)} Fig 11.3. Desta forma
temos para domínio da relação:
Dom(R) = {a, b, c}
e para imagem da relação:
Img(R) = {1, 2, 3}

Figura 11.3: Relação R

Podemos também definir a inversa de uma relação. A saber:

Definição 11.4. Sejam A e B conjuntos e R ⊂ A×B uma relação


de A em B. Definimos a inversa da relação R, denotada R−1 , por:
def
R−1 = {(y, x) ∈ B × A| (x, y) ∈ R}

Exemplo 11.3. Sejam os conjuntos A = {a, b, c, d}, B = {1, 2, 3}


e a relação R = {(a, 2), (a, 3), (b, 1), (c, 1)} Fig 11.4. Desta forma
temos para a relação inversa de R−1 :
R = {(2, a), (3, a), (1, b), (1, c)} Fig 11.5

140
Fundamentos da Matemática: Livro 1

11
AULA

Figura 11.4: Relação R Figura 11.5: Relação R−1

11.2.1 Propriedades das Relações Binárias

Veremos agora, algumas propriedades das relações de um con-


junto A sobre ele mesmo. Esses tipos de relações são importantes
na definição de relações de ordem e relações de equivalência, que
veremos com detalhes nas próximas aulas.

Definição 11.5. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade reflexiva, somente se:
∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

OBS 11.3. A relação “maior ou igual” (≥) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade reflexiva pois,
∀x ∈ R, x ≥ x.

Definição 11.6. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade irreflexiva, somente
se: ∀x ∈ A, (x, x) ∈
/R

OBS 11.4. A relação “maior do que” (>) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade irreflexiva pois,
∀x ∈ R, ¬(x > x).

141
Relações Binárias

Definição 11.7. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade coreflexiva, somente
se: ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → x = y

OBS 11.5. A relação de igualdade (=) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade coreflexiva. A
verificação é trivial pois, ∀x, y ∈ R se x = y então x = y.

Definição 11.8. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade simétrica, somente
se: ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R

OBS 11.6. A relação de parentesco entre as pessoas de uma rua


é um exemplo de relação simétrica pois, se x é parente de y então
y é parente de x.

Definição 11.9. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de


A em A. Dizemos que R tem propriedade anti-simétrica, somente
se: ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → x = y

OBS 11.7. A relação “maior ou igual” (≥) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade anti-simétrica
pois, ∀x, y ∈ R, x ≥ y ∧ y ≥ x então x = y.

Definição 11.10. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade assimétrica, somente
se: ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈
/R

OBS 11.8. A relação “maior do que” (>) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade assimétrica pois,
∀x, y ∈ R, se x > y não podemos ter y > x.

142
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição 11.11. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação 11


de A em A. Dizemos que R tem propriedade transitiva, somente AULA

se: ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R

OBS 11.9. A relação “maior ou igual” (≥) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade transitiva pois,
∀x, y, z ∈ R, x ≥ y e y ≥ z então x ≥ z.

Definição 11.12. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade total, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∨ (y, x) ∈ R

OBS 11.10. A relação “maior ou igual” (≥) no conjunto dos


números reais R é um exemplo de relação com propriedade to-
tal pois, ∀x, y ∈ R teremos x ≥ y ou y ≥ x, isto é, qualquer par de
números reais é comparável pela relação “maior ou igual”.

Definição 11.13. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade tricotômica, somente
se: ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R Y (y, x) ∈ R Y x = y

OBS 11.11. A relação “maior do que”, (>) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade tricotômica pois,
∀x, y ∈ R teremos de forma exclusiva ou x = y ou x > y ou y > x.

Definição 11.14. Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R tem propriedade euclidiana, somente
se: ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (x, z) ∈ R → (y, z) ∈ R

OBS 11.12. A relação de igualdade (=) no conjunto dos números


reais R é um exemplo de relação com propriedade euclidiana. A
verificação é trivial pois, ∀x, y, z ∈ R se x = y e x = z então y = z.

143
Relações Binárias

11.3 Algumas Demonstrações

Veremos agora, algumas demonstrações envolvendo relações


binárias e suas propriedades.
Primeiramente vamos mostrar que:

Propriedade 11.1. Seja A um conjunto e R, S ⊂ A × A duas


relações sobre o conjunto A se R e S são transitivas então, R ∩ S
é transitiva.

PROVA ∀x, y, z ∈ R ∩ S se (x, y) ∈ R ∩ S ∧ (y, z) ∈ R ∩ S temos


que:
Como (x, y) ∈ R ∩ S então (x, y) ∈ R ∧ (x, y) ∈ S
Por outro lado como (y, z) ∈ R ∩ S então (y, z) ∈ R ∧ (y, z) ∈ S
Daí, como (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R e R é transitiva temos que:
(x, z) ∈ R.
Do mesmo modo, como (x, y) ∈ S ∧ (y, z) ∈ S e S é transitiva
temos que:
(x, z) ∈ S.
Portanto, temos:
(x, z) ∈ R ∧ (x, z) ∈ S.
Conseqüentemente:
(x, z) ∈ R ∩ S.
Finalmente:
∀x, y, z ∈ R∩S se (x, y) ∈ R∩S∧(y, z) ∈ R∩S então (x, z) ∈ R∩S.
E a relação R ∩ S é transitiva. 
seguida mostraremos que:

Propriedade 11.2. Sejam A, B conjuntos e R, S ⊂ A × B re-


lações de A em B então R−1 ∩ S −1 = (R ∩ S)−1 .

144
Fundamentos da Matemática: Livro 1

PROVA É suficiente mostrar que R−1 ∩ S −1 ⊂ (R ∩ S)−1 e 11


(R ∩ S)−1 ⊂ R−1 ∩ S −1 . AULA

a) Primeiramente mostraremos que: R−1 ∩ S −1 ⊂ (R ∩ S)−1 .


∀(x, y) ∈ R−1 ∩ S −1 temos:
(x, y) ∈ R−1 ∧ (x, y) ∈ S −1 .
Da definição de relação inversa temos:
(x, y) ∈ R−1 → (y, x) ∈ R.
Do mesmo modo da definição de relação inversa temos:
(x, y) ∈ S −1 → (y, x) ∈ S.
Logo temos:
(y, x) ∈ R ∧ (y, x) ∈ S.
Da definição de interseção temos:
(y, x) ∈ R ∩ S.
Da definição de relação inversa temos:
(x, y) ∈ (R ∩ S)−1 . Daí, temos:
∀(x, y) ∈ R−1 ∩ S −1 → (x, y) ∈ (R ∩ S)−1 .
Da definição de contido temos:
R−1 ∩ S −1 ⊂ (R ∩ S)−1 .
b) Em seguida mostraremos que: (R ∩ S)−1 ⊂ R−1 ∩ S −1 .
∀(x, y) ∈ (R ∩ S)−1 .
Da definição de relação inversa temos:
(y, x) ∈ R ∩ S.
Da definição de interseção temos:
(y, x) ∈ R ∧ (y, x) ∈ S.
Da definição de relação inversa temos:
(y, x) ∈ R → (x, y) ∈ R−1 .
Do mesmo modo da definição de relação inversa temos:
(y, x) ∈ S → (x, y) ∈ S −1 .

145
Relações Binárias

Logo temos:
(x, y) ∈ R−1 ∧ (x, y) ∈ S −1 .
Da definição de interseção temos:
(x, y) ∈ R−1 ∩ S −1 .
Daí, temos:
∀(x, y) ∈ (R ∩ S)−1 → (x, y) ∈ R−1 ∩ S −1 .
Da definição de contido temos:
(R ∩ S)−1 ⊂ R−1 ∩ S −1 .
Das partes a) e b) temos:
(R−1 ∩ S −1 ⊂ (R ∩ S)−1 ) ∧ ((R ∩ S)−1 ⊂ R−1 ∩ S −1 )
Portanto, da definição de igualdade de conjuntos temos:
R−1 ∩ S −1 = (R ∩ S)−1 

11.4 CONCLUSÃO

Caro aluno, ao final dessa aula, podemos concluir que relações


constituem-se em um dos aspectos da Matemática de aplicação
prática mais ampla. Podemos, em teoria, fazer relações com qual-
quer par de conjuntos.

11.5 RESUMO

Nosso resumo consta das seguintes definições:


Definição de relação binária:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos. Definimos como uma
relação binária do conjunto A com o conjunto B, denotado R, à
qualquer subconjunto do produto cartesiano de A por B:
R⊂A×B
Definição de domínio de uma relação.

146
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição: Sejam A e B conjuntos e R ⊂ A × B uma relação de 11


A em B. Definimos o domínio de R, denotado Dom(R), por: AULA
def
Dom(R) = {x ∈ A| ∃y ∈ B ∧ (x, y) ∈ R
Definição de imagem de uma relação.
Definição: Sejam A e B conjuntos e R ⊂ A × B uma relação de
A em B. Definimos a imagem de R, denotada Img(R), por:
def
Img(R) = {y ∈ B| ∃x ∈ A ∧ (x, y) ∈ R
Definição de inversa de uma relação.
Definição: Sejam A e B conjuntos e R ⊂ A × B uma relação de
A em B. Definimos a inversa da relação R, denotada R−1 , por:
def
R−1 = {(y, x) ∈ B × A| (x, y) ∈ R}
Definição de propriedade reflexiva de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R tem propriedade reflexiva, somente se:
∀x ∈ A, (x, x) ∈ R
Definição de propriedade irreflexiva de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R tem propriedade irreflexiva, somente se:
∀x ∈ A, (x, x) ∈
/R
Definição de propriedade coreflexiva de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R tem propriedade coreflexiva, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → x = y
Definição de propriedade simétrica de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R tem propriedade simétrica, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R
Definição de propriedade anti-simétrica de uma relação.

147
Relações Binárias

Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de A


em A. Dizemos que R tem propriedade anti-simétrica, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → x = y
Definição de propriedade assimétrica de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de A
em A. Dizemos que R tem propriedade assimétrica, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈
/R
Definição de propriedade transitiva de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R tem propriedade transitiva, somente se:
∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R
Definição de propriedade total de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação
de A em A. Dizemos que R tem propriedade total, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∨ (y, x) ∈ R
Definição de propriedade tricotômica de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de A
em A. Dizemos que R tem propriedade tricotômica, somente se:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R Y (y, x) ∈ R Y x = y
Definição de propriedade euclidiana de uma relação.
Definição: Seja A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R tem propriedade euclidiana, somente se:
∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (x, z) ∈ R → (y, z) ∈ R

11.6 ATIVIDADES

Deixamos como atividade a demonstração de algumas pro-


priedades acima.

148
Fundamentos da Matemática: Livro 1

11
AULA
ATIV. 11.1. Sejam A um conjunto e R, S ⊂ A × A duas relações
sobre o conjunto A. Mostre que, se R e S são transitivas então
R ∪ S é transitiva.
Comentário: Volte ao texto e reveja com atenção as demons-
trações desta aula.

ATIV. 11.2. Sejam A, B conjuntos e R, S ⊂ A × B relações de


A em B. Mostre que:
R−1 ∪ S −1 = (R ∪ S)−1 .
Comentário: Volte ao texto e reveja com atenção as demons-
trações desta aula.

11.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

DOMINGUES, Higino Hugueros. e IEZZI, Gelson. Álgebra Moder-


na. Atual Editora LTDA. São Paulo. 1979.
CASTRUCCI, Benedito. Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

149
1
LIVRO

Relações de Ordem 12
AULA

META:
Apresentar o conceito de relações
de ordem e suas propriedades.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Determinar se uma dada relação é
uma relação de ordem.
Determinar os elementos ninimais,
mínimo, maximais e máximo de um
dado conjunto.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-11 os conhecimentos de
relações binárias.
Relações de Ordem

12.1 Introdução

O conceito de relação de ordem é bastante intuitivo. Podemos


ver diariamente muitos exemplos de relações de ordem, como por
exemplo: uma fila em uma sorveteria, a ordem de prioridades de
execução das nossas tarefas diárias, a ordenação léxica de nomes
em uma lista de presença, a ordenação numérica de itens a serem
comprados ordenados pelos respectivos preços e outros. Nessa
aula, faremos uma formalização das idéias por trás do conceito
de ordem.

12.2 Relações de Ordem

Começaremos nossa aula conceituando (definindo) relação de


ordem:

Definição 12.1. Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R é uma relação de ordem se, somente
se:

PO1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

PO2 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → x = y

PO3 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R.

OBS 12.1. Em outras palavras, dizemos que uma relação R sobre


um conjunto A é uma relação de ordem se R for: reflexiva, anti-
simétrica e transitiva. A relação de ordem como acima definida é
conhecida também como “relação de ordem parcial”.

Exemplo 12.1. Vejamos alguns exemplos de relações de ordem


parciais.

152
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• A relação “maior ou igual”, (≥) no conjunto dos reais R. 12


AULA
• Dado um conjunto A a relação de “incluso ou igual”, ⊆ sobre
P(A) o conjunto das partes de A.

Podemos definir em um conjunto A, parcialmente ordenado, uma


relação de ordem estrita. A saber:

Definição 12.2. Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.


Definimos a relação ≺∈ A × A por:
∀x, y ∈ A, x ≺ y ↔ x  y ∧ ¬(x = y).

OBS 12.2. O fato de que x ≺ y lê-se: “x precede estritamente y”.

Um tipo particular de relação de ordem é a relação de ordem lexi-


cográfica, definida por:

Definição 12.3. Sejam A e B conjuntos parcialmente ordenados


e ≺A e ≺B suas relações de ordem estrita. Definimos uma relação
de ordem ≺, denominada ordem lexicográfica sobre A × B por:
∀(a1 , b1 ), (a2 , b2 ) ∈ A × B, (a1 , b1 ) ≺ (a2 , b2 ), somente se:

• a1 ≺A a2 ou

• a1 = a2 ∧ b1 ≺B b2

Podemos definir também o conceito de quasi-ordem. A saber:

Definição 12.4. Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R é uma relação de quasi-ordem, somente
se:

QO1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R.

QO2 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R.

153
Relações de Ordem

OBS 12.3. Em outras palavras, dizemos que uma relação R sobre


um conjunto A é uma relação de quasi-ordem se R for: reflexiva e
transitiva.

Exemplo 12.2. Vejamos alguns exemplos de relações de quasi-


ordem.

• No conjunto N dos números naturais, a relação “divide”, (|)


em que a|b lê-se a divide b.

• Dado um conjunto A a relação de “incluso ou igual”, ⊆ sobre


P(A) o conjunto das partes de A.

Podemos definir também, o conceito de ordem total. A saber:

Definição 12.5. Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R é uma relação de ordem total, somente
se:

TO1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

TO2 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → x = y

TO3 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R.

TO4 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∨ (y, x) ∈ R

OBS 12.4. Em outras palavras, dizemos que uma relação R sobre


um conjunto A é uma relação de ordem total se R for: reflexiva,
anti-simétrica, transitiva e total.

Exemplo 12.3. Vejamos alguns exemplos de relações de ordem


total.

• Seja A o conjunto de todos os acontecimentos na vida de um


cidadão. A relação “aconteceu antes de ou ao mesmo tempo
que”, () sobre A.

154
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• A relação “maior ou igual” (≥) no conjunto dos reais R. 12


AULA
OBS 12.5. Uma relação de ordem total é também uma relação
de ordem parcial. Um conjunto A com uma relação R ∈ A × A de
ordem parcial é denominado “conjunto parcialmente ordenado”, e
o par (A, R) é dito um “POSET”. Costuma-se, em uma relação de
ordem, denotar o fato de (x, y) ∈ R por x  y que se lê: x precede
y na relação R.

Exemplo 12.4. Mais alguns exemplos de relações de ordem.

• Sejam A = {a, b, c} e R1 = {(a, a), (b, b), (c, c), (a, b), (a, c)}.
R1 é uma relação de ordem parcial pois, nem (b, c) ∈ R1 nem
(c, b) ∈ R1 e as propriedades reflexiva, anti-simétrica são veri-
ficadas por testes diretos e transitiva é trivialmente satisfeita
pois, nenhum par de elementos de R satisfaz a premissa da
propriedade transitiva.

• Sejam A = {a, b, c} e R2 = {(a, a), (b, b), (c, c)}. R2 é uma


relação de quasi-ordem. Pois, todos os pares da forma (x, x),
x ∈ A pertence a R2 o que garante a propriedade reflexiva e
propriedade transitiva é trivialmente verificada.

• Sejam A = {a, b, c} e R3 = {(a, a), (b, b), (c, c), (a, b), (b, c),
(a, c)}. R3 é uma relação de ordem total. Pois, todos os
pares da forma (x, x), x ∈ A pertence a R3 , nenhum par
da forma (x, y), x, y ∈ A, x 6= y que pertence a relação
(x, y) ∈ R3 arrasta seu simétrico ou seja (y, x) ∈
/ R3 . A pro-
priedade transitiva pode ser verificada por exaustão (a, a) ∧
(a, b) → (a, b), (b, b) ∧ (b, c) → (b, c), (a, a) ∧ (a, c) → (a, c) e
(a, b) ∧ (b, c) → (a, c) e a propriedade total é satisfeita pelos

155
Relações de Ordem

pares (a, b), (b, c), (a, c) para os pares da forma (x, y), x, y ∈
A, x 6= y e pelos pares (a, a), (b, b), (c, c) para os pares da
forma (x, y), x, y ∈ A, x = y.

12.2.1 Cotas Superiores e Cotas Inferiores

Veremos a seguir, algumas definições relativas a subconjuntos


de conjuntos parcialmente ordenados. Começaremos pela definição
de cota superior de um subconjunto de um conjunto parcialmente
ordenado.

Definição 12.6. Sejam (A, ) um conjunto parcialmente orde-


nado e X ⊂ A. Dizemos que um elemento x̄ ∈ A é uma cota
superior de X, se, somente se: ∀x ∈ X, x  x̄

De modo semelhante podemos definir cota inferior de um subcon-


junto de um conjunto parcialmente ordenado. A saber:

Definição 12.7. Sejam (A, ) um conjunto parcialmente orde-


nado e X ⊂ A. Dizemos que um elemento x̄ ∈ A é uma cota
inferior de X, se, somente se: ∀x ∈ X, x̄  x

12.2.2 Elementos Maximal, Minimal, Máximo e Mí-


nimo

Veremos a seguir, algumas definições relativas a conjuntos par-


cialmente ordenados. Começaremos pela definição de elemento
minimal de um conjunto parcialmente ordenado.

Definição 12.8. Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.


Dizemos que um elemento a ∈ A é um elemento minimal, se, so-
mente se: ∀x ∈ A, x  a → x = a

156
Fundamentos da Matemática: Livro 1

De modo semelhante podemos definir um elemento maximal em 12


um conjunto parcialmente ordenado. A saber: AULA

Definição 12.9. Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.


Dizemos que um elemento a ∈ A é um elemento maximal, se,
somente se: ∀x ∈ A, a  x → x = a

Adicionalmente definiremos elemento mínimo e elemento máximo


de um conjunto parcialmente ordenado. A saber:

Definição 12.10. Seja (A, ) um conjunto parcialmente orde-


nado. Dizemos que um elemento a ∈ A é o elemento mínimo de
A, se, somente se: ∀x ∈ A, a  x

Definição 12.11. Seja (A, ) um conjunto parcialmente orde-


nado. Dizemos que um elemento a ∈ A é o elemento máximo deA,
se, somente se: ∀x ∈ A, x  a

12.3 Algumas Demonstrações

Veremos agora algumas demonstrações envolvendo relações de


ordem e suas propriedades.

Teorema 12.1. Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado


então ∀x, y, z ∈ A, x  y ∧ y ≺ z → x ≺ z

PROVA ∀x, y, z ∈ A, x  y ∧ y ≺ z.
Da definição de y ≺ z ↔ y  z ∧ ¬(y = z) temos:
x  y ∧ (y  z ∧ ¬(y = z)).
Como (p ∧ q) ∧ r ≡ p ∧ (q ∧ r) temos:
(x  y ∧ y  z) ∧ ¬(y = z).
De PO3 x  y ∧ y  z → x  z temos:

157
Relações de Ordem

(x  z) ∧ ¬(y = z).
Como p ` p ∨ q temos:
(x  z) ∧ (¬(x = y) ∨ ¬(y = z)).
Usando De Morgan temos:
(x  z) ∧ (¬((x = y) ∧ (y = z))).
Da propriedade transitiva da igualdade (x = y) ∧ (y = z) → x = z
temos:
(x  z) ∧ ¬(x = z).
Da definição da relação “precede estritamente”, (x  z) ∧ ¬(x =
z) ↔ x ≺ z temos:
x ≺ z.
Portanto:
∀x, y, z ∈ A, x  y ∧ y ≺ z → x ≺ z. 
Em seguida mostraremos que:

Teorema 12.2. Sejam A um conjuntos e R ⊂ A × A uma relação


de ordem parcial em A, então R−1 é uma relação de ordem parcial
em A.

PROVA É suficiente mostrar que R−1 satisfaz as propriedades


PO1, PO2 e PO3.
a) Primeiramente mostraremos que R−1 satisfaz PO1.
Como R é uma relação de ordem parcial em A R satisfaz PO1 e
temos:
∀x ∈ (x, x) ∈ R.
Da definição de relação inversa (x, x) ∈ R → (x, x) ∈ R−1 e temos:
∀x ∈ A, (x, x) ∈ R−1 .
b) Em segundo lugar mostraremos que R−1 satisfaz PO2.
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R−1 ∧ (y, x) ∈ R−1 .

158
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Da definição de relação inversa (x, y) ∈ R−1 ↔ (y, x) ∈ R e tam- 12


bém (y, x) ∈ R−1 ↔ (x, y) ∈ R. Daí, temos: AULA

∀x, y ∈ A, (y, x) ∈ R ∧ (x, y) ∈ R.


Como R é uma relação de ordem parcial em A. Logo R satisfaz
PO2 (y, x) ∈ R ∧ (x, y) ∈ R → y = x e temos:
y = x.
Como a igualdade tem propriedade comutativa y = x → x = y e
temos:
x = y.
Portanto:
∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R−1 ∧ (y, x) ∈ R−1 → x = y.
c) Em terceiro lugar mostraremos que R−1 satisfaz PO3.
∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R−1 ∧ (y, z) ∈ R−1 .
Da definição de relação inversa (x, y) ∈ R−1 ↔ (y, x) ∈ R e tam-
bém (y, z) ∈ R−1 ↔ (z, y) ∈ R. Daí, temos:
∀x, y, z ∈ A, (y, x) ∈ R ∧ (z, y) ∈ R.
Como p ∧ q ≡ q ∧ p temos:
∀x, y, z ∈ A, (z, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R.
Como R é uma relação de ordem parcial em A. Logo R satisfaz
PO3 (z, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → (z, x) ∈ R e temos.
(z, x) ∈ R
Da definição de relação inversa (z, x) ∈ R ↔ (x, z) ∈ R−1 e temos:
∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R−1 ∧ (y, z) ∈ R−1 → (x, y) ∈ R−1 .
De a), b) e c) R−1 satisfaz PO1, PO2 e PO3 logo é também uma
relação de ordem parcial sobre A. 

159
Relações de Ordem

12.4 CONCLUSÃO

As relações de ordem são constantes tanto na vida real, na


natureza quanto na Matemática. E a classificação das relações de
ordem em diversos tipos como ordem parcial, quasi-ordem e ordem
total, também tem seus pares na vida real.

12.5 RESUMO

Nosso resumo hoje consta das seguintes definições:


Definição de relação de ordem parcial:
Definição: Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R é uma relação de ordem, se, somente se:

PO1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

PO2 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → x = y

PO3 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R

Definição de relação de quasi-ordem:


Definição: Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de A
em A. Dizemos que R é uma relação de quasi-ordem, se, somente
se:

QO1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

QO2 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R

Definição de relação de ordem total:


Definição: Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de A
em A. Dizemos que R é uma relação de ordem total, se, somente
se:

160
Fundamentos da Matemática: Livro 1

TO1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R 12
AULA
TO2 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, x) ∈ R → x = y

TO3 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R.

TO4 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R ∨ (y, x) ∈ R

Definição de cota superior de um subconjunto de um conjunto


parcialmente ordenado:
Definição: Sejam (A, ) um conjunto parcialmente ordenado e
X ⊂ A. Dizemos que um elemento x̄ ∈ A é uma cota superior de
X, se, somente se: ∀x ∈ X, x  x̄
Definição de cota inferior de um subconjunto de um conjunto par-
cialmente ordenado:
Definição: Sejam (A, ) um conjunto parcialmente ordenado e
X ⊂ A. Dizemos que um elemento x̄ ∈ A é uma cota inferior de
X, se, somente se: ∀x ∈ X, x̄  x
Definição elemento minimal de um subconjunto de um conjunto
parcialmente ordenado:
Definição: Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.
Dizemos que um elemento a ∈ A é um elemento minimal, se, so-
mente se: ∀x ∈ A, x  a → x = a
Definição de elemento maximal de um subconjunto de um conjunto
parcialmente ordenado:
Definição: Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.
Dizemos que um elemento a ∈ A é um elemento maximal, se,
somente se: ∀x ∈ A, a  x → x = a
Definição de elemento mínimo:
Definição: Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.

161
Relações de Ordem

Dizemos que um elemento a ∈ A é o elemento mínimo de A, se,


somente se: ∀x ∈ A, a  x
Definição de elemento máximo:
Definição: Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado.
Dizemos que um elemento a ∈ A é o elemento máximo deA, se,
somente se: ∀x ∈ A, x  a

12.6 ATIVIDADES

Deixamos como atividades algumas demonstrações sobre re-


lações de ordem

ATIV. 12.1. Seja (A, ) um conjunto parcialmente ordenado en-


tão ∀x, y, z ∈ A, x ≺ y ∧ y ≺ z → x ≺ z.
Comentário: Reveja a demonstração do teorema 12.1. Ela será
seu ponto de partida. Com alguma modificação poderá ser usada
para provar a proposição desta atividade.

ATIV. 12.2. Considere o conjunto A = {1, 2, 3, 4, 6, 9, 12, 18, 36}


e escreva a relação de ordem R dada por: ∀x, y ∈ A, (x  y ↔ x|y
(x precede y se, somente se x divide y).
Comentário: Note que esta relação não é de ordem total. Por
exemplo nem par (3, 4) nem (4, 3) está na relação já que nem 3
divide 4 nem 4 divide 3.

12.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

DOMINGUES, Higino Hugueros. e IEZZI, Gelson., Álgebra Mo-


derna. Atual Editora LTDA. São Paulo. 1979.

162
Fundamentos da Matemática: Livro 1

CASTRUCCI, Benedito., Elementos da Teoria de Conjuntos. São 12


Paulo: GEEM, 1970. AULA

163
1
LIVRO

Relações de
Equivalência
13
AULA

META:
Introduzir o conceito de relações de
equivalência e suas propriedades.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Identificar se uma dada relação é
uma relação de equivalência.
Determinar as classes de equivalên-
cia de uma relação de equivalência.
Determinar a partição de um
conjunto por uma relação de
equivalência.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-11 os conhecimentos de
relações binárias.
Relações de Equivalência

13.1 Introdução

O conceito de relação de equivalência assim como o conceito de


relação de ordem também é bastante intuitivo. Podemos ver di-
ariamente muitos exemplos de relações de equivalência. Em uma
farmácia podemos classificar como equivalentes os remédios que
têm o mesmo princípio ativo; em uma biblioteca podemos classi-
ficar como equivalentes os livros que tratam do mesmo tema etc.
Nessa aula, faremos uma formalização das idéias, por trás, do con-
ceito de relação de equivalência.

13.2 Relações de Equivalência

Começaremos diretamente ao conceito (definição) de relação de


equivalência:

Definição 13.1. Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de A em A. Dizemos que R é uma relação de equivalência se,
somente se:

E1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

E2 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R

E3 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R.

OBS 13.1. Em outras palavras, dizemos que uma relação R sobre


um conjunto A é uma relação de equivalência se R for: reflexiva,
simétrica e transitiva.

Exemplo 13.1. Vejamos alguns exemplos de relações de equiva-


lência.

166
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• A relação “igual a”, (=) no conjunto dos reais R. 13


AULA
– ∀x(x = x)

– ∀x, y ∈ R(x = y → y = x)

– ∀x, y, z ∈ R(x = y ∧ y = z → x = z).

• A relação de congruência módulo m sobre o conjunto dos in-


teiros Z i.e. Dizemos que x, y ∈ Z são equivalentes, somente
se x ≡ y mod m (o resto da divisão de x − y por m > 0 é
zero).

– ∀x ∈ Z(x ≡ x mod m)

– ∀x, y ∈ Z(x ≡ y mod m → y ≡ x mod m)

– ∀x, y, z ∈ Z(x ≡ y mod m ∧ y ≡ z mod m → x ≡ z


mod m).

• Seja A o conjunto de todas as retas de um dado plano. A re-


lação de paralelismo entre duas retas é uma relação de equiva-
lência.

– ∀x ∈ A(x k x)

– ∀x, y ∈ A(x k y → y k x)

– ∀x, y, z ∈ A(x k y ∧ y k z → x k z).

• Seja A = {a, b, c} é de equivalência a relação R ∈ A×A dada


por:
R = {(a, a), (b, b), (c, c), (a, b), (b, a)}.
Para este caso temos:

– Como (a, a), (b, b), (c, c) ∈ R isto garante que ∀x ∈


A, (x, x) ∈ R

167
Relações de Equivalência

– Como (a, a) → (a, a), (b, b) → (b, b), (c, c) → (c, c),
(a, b) → (b, a) e (b, a) → (a, b) isto garante que ∀x, y ∈
A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R

– Como (a, a) ∧ (a, a) → (a, a), (b, b) ∧ (b, b) → (b, b),


(c, c) ∧ (c, c) → (c, c), (a, b) ∧ (b, b) → (b, b), (a, a) ∧
(a, b) → (a, b), (b, a) ∧ (a, a) → (b, a) e (b, b) ∧ (b, a) →
(b, a) isto garante que ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈
R → (x, z) ∈ R.

OBS 13.2. Relações de equivalência podem ser vistas como ex-


tensões do conceito de igualdade. De modo geral, sempre que não
houver dúvidas quanto a relação de equivalência em um dado con-
junto, denotaremos x ≡ y para escrever que x é equivalente a y.

13.2.1 Partições e Classes de Equivalência

Existe uma forma alternativa de se pensar relações de equiva-


lências. Para isto, precisamos de duas definições. A definição de
partição de um conjunto não vazio e a definição de classes de equiv-
alência. Começaremos pela definição de classes de equivalência

Definição 13.2. Sejam A um conjunto não vazio, R ⊂ A × A


uma relação de equivalência em A e a ∈ A. Definimos a classe de
equivalência do elemento a ∈ A, denotada ā, por:
def
ā = {x ∈ A| (x, a) ∈ R}

Exemplo 13.2. Seja A um cesto de frutas e peguemos sacolas


plásticas e separemos as frutas nas sacola segundo a relação de
equivalência: duas frutas são equivalentes se são da mesma espé-
cie. Cada sacola, neste caso, comportará apenas frutas de mesma
espécie. Cada sacola representa uma classe de equivalência.

168
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definimos o conjunto quociente por: 13


AULA
Definição 13.3. Sejam A um conjunto não vazio e R ⊂ A × A
uma relação de equivalência em A. Definimos o conjunto quociente
de A por R, denotado A/R, por:
def
A/R = {x̄, ∀x ∈ A}

Exemplo 13.3. Seja A = {a, b, c} e a relação de equivalência


R ⊂ A × A dada por:
R = {(a, a), (b, b), (c, c), (a, b), (b, a)}.
Para este caso temos:

• ā = {a, b}

• b̄ = {a, b}

• c̄ = {c}

• A/R = {{a, b}, {c}}

Exemplo 13.4. Voltando ao exemplo do conjunto A, um cesto


de frutas. O conjunto de sacolas plásticas com as frutas separadas
por espécies e arrumadas dentro da cesta representa o conjunto
quociente A/R.

Um teorema, só para relaxar, cujo conteúdo mostra que: elementos


que estão relacionados em uma relação de equivalência têm mesma
classe de equivalência.

Teorema 13.1. Sejam A um conjunto não vazio e R ⊂ A × A


uma relação de equivalência, ∀a, b ∈ A, (a, b) ∈ R → ā = b̄.

PROVA: ∀z ∈ ā, da definição temos:


(z, a) ∈ R.

169
Relações de Equivalência

Da hipótese (a, b) ∈ R. Dai, temos:


(z, a) ∈ R ∧ (a, b) ∈ R.
Como R é uma relação de equivalência, vale a propriedade transi-
tiva e temos:
(z, a) ∈ R ∧ (a, b) ∈ R → (z, b) ∈ R.
Como (z, b) ∈ R, da definição de classe de equivalência temos:
z ∈ b̄.
Daí, temos:
∀z ∈ ā → z ∈ b̄.
Da definição de contido temos:
ā ⊂ b̄.
Do mesmo modo, podemos mostrar que:
b̄ ⊂ ā.
Logo:
(ā ⊂ b̄) ∧ (b̄ ⊂ ā).
Da igualdade de conjuntos temos:
ā = b̄
E finalmente:
∀a, b ∈ A, (a, b) ∈ R → ā = b̄. 
Outro conceito importante é o de partição. A saber:

Definição 13.4. Sejam A um conjunto e P ⊂ P(A) um sub-


conjunto das partes de A. Dizemos que P é uma partição de A,
somente se:

i - ∀X ∈ P, X ⊂ A ∧ X 6= ∅

ii - ∀X, Y ∈ P, X 6= Y → X ∩ Y = φ

iii - ∪P = A

170
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Exemplo 13.5. Seja A = {a, b, c, d, e}. P = {{a, b}, {c}, {d, e}} é 13
uma partição de A. AULA

OBS 13.3. A definição de partição não se restringe a conjuntos


finitos. Conjuntos infinitos também podem ter partições. É o caso
de tomarmos A = [0, +∞) ⊂ R e P = {Xn = [n, n + 1), ∀n ∈ N}.
Temos que ∀Xn ∈ P, Xn 6= ∅, ∀Xn , Xk ∈ P, n 6= k, Xn ∩ Xk = ∅ e
A = ∪P .

13.3 Algumas Demonstrações

Veremos agora, que uma relação de equivalência determina uma


partição sobre um conjunto e que uma partição determina uma
relação de equivalência sobre uma conjunto.
Primeramente vamos mostrar que:

Teorema 13.2. Sejam A um conjunto e R ⊂ A × A uma relação


de equivalência sobre A então, A/R é uma partição de A.

PROVA:
a)∀ā ∈ A/R.
Como R é uma relação de equivalência (a, a) ∈ R. Portanto:
a ∈ ā.
Daí, temos:
ā 6= ∅.
Logo:
∀ā ∈ A/R, ā 6= ∅.
b) ∀ā, b̄ ∈ A/R, ā 6= b̄.
Consideremos a hipótese nula:
HN ā ∩ b̄ 6= ∅.
Daí, temos:

171
Relações de Equivalência

∃z ∈ ā ∩ b̄.
Logo:
z ∈ ā ∧ z ∈ b̄.
Da definição de classe de equivalência.
(z, a) ∈ R ∧ (z, b) ∈ R.
Como R é uma relação de equivalência tem propriedade simétrica
(z, a) ∈ R → (a, z) ∈ R e temos:
(a, z) ∈ R ∧ (z, b) ∈ R.
Como R é uma relação de equivalência tem propriedade transitiva
(a, z) ∈ R ∧ (z, b) ∈ R → (a, b) ∈ R e temos:
(a, b) ∈ R.
Do teorema 13.1 (a, b) ∈ R → ā = b̄ e temos:
ā = b̄.
Daí, e da hipótese temos:
(ā = b̄) ∧ (ā 6= b̄).
Absurdo. Logo HN é falsa e ā ∩ b̄ = ∅.
Portanto.
∀ā, b̄ ∈ A/R, ā 6= b̄ → ā ∩ b̄ = ∅.
c) ∀a ∈ A, ā ∈ A/R.
Logo:
[
ā ⊂ A.
a∈A
Por outro lado:
∀x ∈ A.
Como R é uma relação de equivalência tem propriedade reflexiva
e (x, x) ∈ R e temos:
x ∈ x̄.
Logo:

172
Fundamentos da Matemática: Livro 1

13
[
x∈ ā.
a∈A AULA
Dai, temos:
[
∀x ∈ A → x ∈ ā.
a∈A
Da definição de contido temos:
[
A⊂ ā.
a∈A[ [
Como ( ā ⊂ A)∧(A ⊂ ā), da igualdade de conjuntos temos:
[ a∈A a∈A
S
ā = A ou escrevendo de outra forma A/R = A.
a∈A
Juntando as proposições temos:

i - ∀ā ∈ A/R, ā 6= ∅

ii - ∀ā, b̄ ∈ A/R, ā 6= b̄ → ā ∩ b̄ = ∅
S
iii - A/R = A

Logo A/R é uma partição de A. 


Conversivelmente, uma partição determina uma relação de equiva-
lência sobre um conjunto dado, como mostra o teorema a seguir.

Teorema 13.3. Sejam A uma conjunto e P ⊂ P(A) uma partição


de A, então existe uma relação R ⊂ A × A de equivalência em A
tal que A/R = P .

PROVA:
Seja R ⊂ A × A a relação definida por:
(x, y) ∈ R ↔ ∃X ∈ P | x ∈ X ∧ y ∈ X.
Daí, temos:
a) ∀x ∈ A, como P é uma particão de A, ∃X ∈ P | x ∈ X.
Logo: (x, x) ∈ R.
Daí, temos:
∀x ∈ A, (x, x) ∈ R.

173
Relações de Equivalência

b) ∀x ∈ A∀y ∈ A.
Da definição da relação R temos:
(x, y) ∈ R ↔ ∃X ∈ P | x ∈ X ∧ y ∈ X.
Como x ∈ X ∧ y ∈ X ≡ y ∈ X ∧ x ∈ X temos:
(x, y) ∈ R ↔ ∃X ∈ P | y ∈ X ∧ x ∈ X.
Da definição da relação R temos:
∃X ∈ P | y ∈ X ∧ x ∈ P ↔ (y, x) ∈ R.
Portanto:
(x, y) ∈ R ↔ (y, x) ∈ R.
Portanto temos:
∀x, y ∈ A((x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R).
c) ∀x ∈ A∀y ∈ A∀z ∈ A.
Da definição da relação R temos:
(x, y) ∈ R ↔ ∃X1 ∈ P | x ∈ X1 ∧ y ∈ X1 .
(y, z) ∈ R ↔ ∃X2 ∈ P | y ∈ X2 ∧ z ∈ X2 .
Como y ∈ X1 ∧ y ∈ X2 temos:
X1 ∩ X2 6= ∅.
Como X1 , X2 ∈ P e P é uma partição temos:
X1 ∩ X2 6= ∅ → X1 = X2 .
Portanto:
x ∈ X1 ∧ z ∈ X1 .
Daí, temos:
∃X1 ∈ P | x ∈ X1 ∧ z ∈ X1 .
Da definição da relação R temos:
∃X1 ∈ P | x ∈ X1 ∧ z ∈ X1 ↔ (x, z) ∈ R.
Logo:
∀x, y, z ∈ A((x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R).
Juntando as proposições temos:

174
Fundamentos da Matemática: Livro 1

i - ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R 13
AULA
ii - ∀x, y ∈ A((x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R)

iii - ∀x, y, z ∈ A((x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R)

Logo, R ⊂ A × A é uma relação de equivalência em A. 

13.4 CONCLUSÃO

Concluímos que, assim como as relações de ordem, as relações


de equivalência também são muito comuns. Na prática, as relações
de equivalência são aquilo que definimos como igualdade de obje-
tos.

13.5 RESUMO

Hoje, nosso resumo consta das seguintes definições:


Definição de relação de equivalência:
Definição: Sejam A um conjuntos e R ⊂ A × A uma relação de
A em A. Dizemos que R é uma relação de equivalência se, somente
se:

E1 ∀x ∈ A, (x, x) ∈ R

E2 ∀x, y ∈ A, (x, y) ∈ R → (y, x) ∈ R

E3 ∀x, y, z ∈ A, (x, y) ∈ R ∧ (y, z) ∈ R → (x, z) ∈ R.

Definição de classe de equivalência:


Definição: Sejam A um conjunto não vazio, R uma relação de
equivalência em A e a ∈ A. Definimos a classe de equivalência do

175
Relações de Equivalência

elemento a ∈ A, denotada ā, por:


ā = {x ∈ A| (x, y) ∈ R}
Definição de conjunto quociente:
Definição: Sejam A um conjunto não vazio e R uma relação de
equivalência em A. Definimos o conjunto quociente de A por R,
denotado A/R, por:
A/R = {x̄, ∀x ∈ A}
Definição de partição de um conjunto:
Definição: Sejam A um conjunto e P ⊂ P(A) um conjunto de
partes de A. Dizemos que P é uma partição de A, somente se:

i - ∀X ∈ P, X ⊂ A ∧ X 6= ∅

ii - ∀X, X ∈ P, X 6= Y → X ∩ Y = φ

iii - ∪P = A

13.6 ATIVIDADES

Deixamos como atividades a demonstração de alguma pro-


priedades acima.

ATIV. 13.1. Seja A é um conjunto e R ⊂ A × A uma relação de


equivalência sobre A. Mostre que: ∀a, b ∈ A, ā = b̄ ∨ ā ∩ b̄ = ∅.
Comentário: Reveja a demonstração do teorema 13.1. Esta ativi-
dade é sua contrapositiva.

ATIV. 13.2. Sejam A um conjunto e P ⊂ P(A uma partição de


A dados por:
A = {a, b, c, d, e, f } e
P = {{a, b}, {c}, {d, e, f }}.

176
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Determine a relação de equivalência R ⊂ A × A associada a P . 13


Comentário: Lembre-se que, cada elemento de cada elemento da AULA

partição estará na relação.

13.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

DOMINGUES, Higino Hugueros. e IEZZI, Gelson. Álgebra Mo-


derna. Atual Editora LTDA. São Paulo. 1979.
CASTRUCCI, Benedito. Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

177
1
LIVRO

Funções 14
AULA

META:
Apresentar o conceitos de funções.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Identificar se uma dada relação é
uma função.
Determinar a imagem direta e a
imagem inversa de subconjuntos
por uma função.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-11 os conhecimentos de
relações binárias.
Funções

14.1 Introdução

Caro aluno, o conceito de função, diferentemente do conceito de


relação, não é intuitivo. Muito embora vejamos no dia a dia muitos
exemplos de funções. Em uma sala de aula a altura associada a
cada aluno é uma função (cada aluno só tem uma altura). Em uma
cesta de frutas o peso de cada fruta é uma função do conjunto das
frutas da cesta no conjunto dos números reais etc. Aqui faremos
uma formalização das idéias do conceito de função.

14.2 Funções

Começaremos diretamente ao conceito (definição) de função:

Definição 14.1. Sejam A e B dois conjuntos e F ⊂ A × A uma


relação. Dizemos que F é uma função de A em B, denotada F :
A 7→ B se, somente se:

Func1 ∀x ∈ A, ∃y ∈ B| (x, y) ∈ F

Func2 ∀x ∈ A, ∀y, z ∈ B, (x, y) ∈ F ∧ (x, z) ∈ F → y = z

OBS 14.1. Em outras palavras, dizemos que uma relação F ⊂


A × B do conjunto A sobre o conjunto B é uma função quando
todos os elementos do conjunto A participam da relação e cada
elemento do conjunto A está em relação com apenas um único
elemento do conjunto B.

OBS 14.2. O conjunto A é denominado de domínio da função F e


denotado Dom(F ) = A enquanto que o conjunto B é denominado
de contradomínio de F e denotado Cdom(F ) = B.

180
Fundamentos da Matemática: Livro 1

OBS 14.3. Dados A e B dois conjuntos, para denotar que uma 14


relação F ⊂ A × B em particular é uma função e x ∈ A e y ∈ B AULA

estão relacionados pela função (x, y) ∈ F , escrevemos y = F (x).


O objeto x é denominado argumento da função e o objeto y é
denominado imagem de x pela função F . Um conjunto importante
def
é o denominado imagem da função e dado por: Img(F ) = {y ∈
B| ∃x ∈ A, y = F (x)}.

Exemplo 14.1. Vejamos alguns exemplos de funções.

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A relação F1 ⊂ A × B dada por F1 = {(a, 1), (b, 3),
(c, 2), (d, 2)} é uma função Fig 14.1. Neste caso, o domínio
de F1 é Dom(F1 ) = A = {a, b, c, d} e o contradomínio de F1
é Cdom(F1 ) = B = {1, 2, 3}.

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A relação F2 ⊂ A × B dada por F2 = {(a, 2), (b, 1),
(c, 1), (d, 1)} é uma função Fig 14.2. Neste caso nem to-
dos os elementos do conjunto B participam da relação. O
domínio de F2 é Dom(F2 ) = A = {a, b, c, d} e o contradomínio
de F2 é Cdom(F2 ) = {1, 2} =
6 B.

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A relação F3 ⊂ A × B dada por F3 = {(a, 1), (b, 1),
(b, 3), (d, 2)} não é uma função Fig 14.3 pois, viola Func1
o elemento c ∈ A não participa da relação F3 e viola Func2
pois o elemento b ∈ A está relacionado com dois elementos
1, 3 ∈ B.

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A relação F4 ⊂ A × B dada por F4 = {(a, 2), (a, 3),

181
Funções

(b, 1), (c, 1)} não é uma função Fig 14.4. pois viola Func1
o elemento d ∈ A não participa da relação F4 e viola Func2
pois, o elemento a ∈ A está relacionado com dois elementos
2, 3 ∈ B.

Figura 14.1: Função F1 Figura 14.2: Função F2

Figura 14.3: Não função F3 Figura 14.4: Não função F4

14.2.1 Imagem Direta e Imagem Inversa

Neste momento, introduziremos dois conceitos importantes no


estudo das funções. São os conceitos de imagem direta de um
subconjunto do domínio e o de imagem inversa de um subconjunto
do contradomínio. Começaremos pela definição de imagem direta.

182
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição 14.2. Sejam A e B dois conjuntos não vazios, F : A 7→ 14


B uma função de A em B e X ⊂ A um subconjunto do domínio AULA

da função F . Definimos a imagem direta de X por F , denotada


F (X), por:
def
F (X) = {y ∈ B| ∃x ∈ X, y = F (x)}.

Exemplo 14.2. Seguindo o exemplo da função F1 : A 7→ B com


A = {a, b, c, d} e B = {1, 2, 3} dada por F1 = {(a, 1), (b, 3), (c, 2),
(d, 2)} Fig 14.1 a imagem direta do conjunto {a, c, d} é F1 ({a, c, d})
= {1, 2} e a imagem direta do conjunto {a, b, c} é F1 ({a, b, c})
= {1, 2, 3}.

A imagem direta de subconjuntos do domínio de uma função F :


A 7→ B tem, entre outras, as seguintes propriedades:

i - ∀X, Y ⊂ A, F (X ∪ Y ) = F (X) ∪ F (Y )

ii - ∀X, Y ⊂ A, F (X ∩ Y ) ⊂ F (X) ∩ F (Y )

iii - ∀X, Y ⊂ A, X ⊂ Y → F (X) ⊂ F (Y )

iv - F (A) = Img(F )

v - F (∅) = ∅

Quanto a imagem inversa de subconjuntos do contradomínio de


uma função, sua definição é:

Definição 14.3. Sejam A e B dois conjuntos não vazios, F :


A 7→ B uma função de A em B e Y ⊂ B um subconjunto do
contradomínio da função F . Definimos a imagem inversa de Y por
F , denotada F −1 (Y ), por:
def
F −1 (Y ) = {x ∈ A| F (x) ∈ Y }.

183
Funções

Exemplo 14.3. Seguindo o exemplo da função F2 : A 7→ B com


A = {a, b, c, d} e B = {1, 2, 3} dada por F2 = {(a, 2), (b, 1), (c, 1),
(d, 1)}, Fig 14.2, a imagem inversa do conjunto {1, 2} é F2−1 ({1, 2})
= {a, b, c, d} e a imagem inversa do conjunto {3} é F2−1 ({3}) = ∅
pois 3 ∈ B não está relacionado com nenhum x ∈ A.

A imagem inversa de subconjuntos do contradomínio de uma função


F : A 7→ B tem, entre outras, as seguintes propriedades:

i - ∀X, Y ⊂ B, F −1 (X ∪ Y ) = F −1 (X) ∪ F −1 (Y )

ii - ∀X, Y ⊂ B, F −1 (X ∩ Y ) = F −1 (X) ∩ F −1 (Y )

iii - ∀X, Y ⊂ B, X ⊂ Y → F −1 (X) ⊂ F −1 (Y )

iv - ∀X ⊂ B, F −1 ({B (X)) = {A (F −1 (X))

v - F −1 (B) = Dom(F )

vi - F −1 (∅) = ∅

Um conceito importante no estudo das funções é o de composição


de funções. A saber:

Definição 14.4. Sejam A, B, C três conjuntos e F : A 7→ B e


G : B 7→ C duas funções. Definimos a função composta de G com
F , denotada G ◦ F , por:
def
(G ◦ F )(x) = G(F (x)), ∀x ∈ A

Exemplo 14.4. Vejamos um exemplo de composição de funções:


Sejam A = {a, b, c}, B = {x, y} e C = {1, 2, 3} três conjun-
tos e F : A 7→ B e G : B 7→ C duas funções dadas por F =
{(a, x), (b, y), (c, x)} e G = {(x, 1), (y, 3)}. A função composta
G ◦ F : A 7→ C é dada por G ◦ F = {(a, 1), (b, 3), (c, 1)} Fig 14.5.

184
Fundamentos da Matemática: Livro 1

14
AULA

Figura 14.5: Função Composta

14.3 Algumas Demonstrações

Nesta seção, demonstraremos algumas das propriedades da ima-


gem direta de subconjuntos do domínio de uma função e algu-
mas das propriedades da imagem inversa de subconjuntos do con-
tradomínio de uma função.
Primeiramente mostraremos que:

Teorema 14.1. Sejam A, B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função de A em B então ∀X, Y ⊂ A, F (X ∪ Y ) = F (X) ∪ F (Y ).

PROVA: É suficiente mostrar que: F (X ∪ Y ) ⊂ F (X) ∪ F (Y ) e


que F (X) ∪ F (Y ) ⊂ F (X ∪ Y ).
a) Primeiramente vamos mostrar que F (X ∪ Y ) ⊂ F (X) ∪ F (Y )
∀z ∈ F (X ∪ Y ).
Da definição de imagem direta temos:
∃x ∈ (X ∪ Y ) ∧ z = f (x).
Daí, temos:

185
Funções

(∃x ∈ X ∧ z = f (x)) ∨ (∃x ∈ Y ∧ z = f (x)).


Da definição de imagem direta temos:
(z ∈ F (X)) ∨ (z ∈ F (Y )).
Da definição de união de conjuntos temos:
z ∈ F (X) ∪ F (Y ).
Portanto:
∀z ∈ F (X ∪ Y ) → z ∈ F (X) ∪ F (Y ).
Da definição de contido:
F (X ∪ Y ) ⊂ F (X) ∪ F (Y ).
b) Nesse segundo momento mostraremos que F (X) ∪ F (Y ) ⊂
F (X ∪ Y )
∀z ∈ F (X) ∪ F (Y ).
Da definição de união de conjuntos temos:
z ∈ F (X) ∨ z ∈ F (Y ).
Da definição de imagem direta temos:
(∃x1 ∈ X ∧ z = f (x1 )) ∨ (∃x2 ∈ Y ∧ z = f (x1 ).
Logo: ∃(x ∈ X ∨ x ∈ Y ) ∧ z = F (x).
Da definição de união de conjuntos temos:
∃x ∈ X ∪ Y ∧ z = F (x).
Da definição de imagem direta temos:
z ∈ F (X ∪ Y ).
Daí, temos:
∀z ∈ F (X) ∪ F (Y ) → z ∈ F (X ∪ Y ).
Da definição de contido temos:
F (X) ∪ F (Y ) ⊂ F (X ∪ Y ).
Das partes a) e b) temos:
(F (X ∪ Y ) ⊂ F (X) ∪ F (Y )) ∧ (F (X) ∪ F (Y ) ⊂ F (X ∪ Y )).
Finalmente, da igualdade de conjuntos temos:

186
Fundamentos da Matemática: Livro 1

∀X, Y ⊂ A, F (X ∪ Y ) = F (X) ∪ F (Y ).  14
Vamos agora a uma demonstração de uma das propriedades da
AULA

imagem inversa de subconjuntos do contradomínio de uma função.


A saber:

Teorema 14.2. Sejam A, B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função de A em B então ∀X ⊂ B, F −1 ({B (X)) = {A (F −1 (X)).

PROVA: É suficiente mostrar que: F −1 ({B (X)) ⊂ {A (F −1 (X))


e {A (F −1 (X)) ⊂ F −1 ({B (X)).
a) Primeiramente, mostraremos que F −1 ({B (X)) ⊂ {A (F −1 (X))
∀x ∈ F −1 ({B (X)).
Da definição de imagem inversa temos:
F (x) ∈ {B (X).
Da definição de complementar temos:
F (x) ∈ B ∧ F (x) ∈
/ X.
Como F (x) ∈ B → x ∈ A temos:
x ∈ A ∧ ¬(F (x) ∈ X).
Da definição de imagem inversa temos:
x ∈ A ∧ ¬(x ∈ F −1 (X)).
Daí, temos:
/ F −1 (X).
x∈A∧x∈
Da definição de complementar temos:
x ∈ {A (F −1 (X)).
Logo:
∀x ∈ F −1 ({B (X)) → x ∈ {A (F −1 (X)).
Da definição de contido temos:
F −1 ({B (X)) ⊂ {A (F −1 (X)).
b) Em segundo lugar mostraremos que {A (F −1 (X)) ⊂ F −1 ({B (X)).

187
Funções

∀x ∈ {A (F −1 (X)).
Da definição de complementar temos:
/ F −1 (X).
x∈A∧x∈
Como da definição de função x ∈ A → F (x) ∈ B temos:
/ F −1 (X).
F (x) ∈ B ∧ x ∈
De outro modo:
F (x) ∈ B ∧ ¬(x ∈ F −1 (X)).
Da definição de imagem inversa temos:
F (x) ∈ B ∧ ¬(F (x) ∈ X).
Daí, temos:
F (x) ∈ B ∧ F (x) ∈
/ X.
Da definição de complementar temos:
F (x) ∈ {B (X).
Da definição de imagem inversa temos:
x ∈ F −1 ({B (X)).
Logo: ∀x ∈ {A (F −1 (X)) → x ∈ F −1 ({B (X)).
Da definição de contido temos:
{A (F −1 (X)) ⊂ F −1 ({B (X)).
Das partes a) e b) temos:
(F −1 ({B (X)) ⊂ {A (F −1 (X))) ∧ ({A (F −1 (X)) ⊂ F −1 ({B (X))).
Finalmente, da igualdade de conjuntos temos:
∀X ⊂ B, F −1 ({B (X)) = {A (F −1 (X)). 

14.4 CONCLUSÃO

Funções são menos intuitivas que as relações. Porém, nem por


isto são menos importantes.

188
Fundamentos da Matemática: Livro 1

14.5 RESUMO 14
AULA
Nosso resumo consta das seguintes definições e propriedades:
Definição de função:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F ⊂ A×A uma relação.
Dizemos que f é uma função de A em B, denotada F : A 7→ B se,
somente se:

Func1 ∀x ∈ A, ∃y ∈ B| (x, y) ∈ F

Func2 ∀x ∈ A, ∀y, z ∈ B, (x, y) ∈ F ∧ (x, z) ∈ F → y = z

Definição de função composta:


Definição: Sejam A, B, C três conjuntos e F : A 7→ B e G :
B 7→ C duas funções. Definimos a função composta de G com F ,
denotada G ◦ F , por:
def
(G ◦ F )(x) = G(f (x)), ∀x ∈ A
Definição de imagem direta de um subconjunto do domínio:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos não vazios, F ⊂ A × B
uma função de A em B e X ⊂ A um subconjunto do domínio
da função F . Definimos a imagem direta de X por F , denotada
F (X), por:
F (X) = {y ∈ B| ∃x ∈ X ∧ y = F (x)}.
Definição de imagem inversa de um subconjunto do contradomínio:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos não vazios, F ⊂ A × B
uma função de A em B e Y ⊂ B um subconjunto do contradomínio
da função F . Definimos a imagem inversa de Y por F , denotada
F −1 (Y ), por:
def
F −1 (Y ) = {x ∈ A| F (x) ∈ Y }.
Propriedades da imagem direta de subconjuntos do domínio de
uma função F : A 7→ B:

189
Funções

i - ∀X, Y ⊂ A, F (X ∪ Y ) = F (X) ∪ F (Y )

ii - ∀X, Y ⊂ A, F (X ∩ Y ) ⊂ F (X) ∩ F (Y )

iii - ∀X, Y ⊂ A, X ⊂ Y → F (X) ⊂ F (Y )

iv - F (A) = Img(F )

v - F (∅) = ∅

Propriedades da imagem inversa de subconjuntos do contradomínio


de uma função F : A 7→ B:

i - ∀X, Y ⊂ B, F −1 (X ∪ Y ) = F −1 (X) ∪ F −1 (Y )

ii - ∀X, Y ⊂ B, F −1 (X ∩ Y ) = F −1 (X) ∩ F −1 (Y )

iii - ∀X, Y ⊂ B, X ⊂ Y → F −1 (X) ⊂ F −1 (Y )

iv - ∀X ⊂ B, F −1 ({B (X)) = {A (F −1 (X))

v - F −1 (B) = Dom(F )

vi - F −1 (∅) = ∅

14.6 ATIVIDADES

Deixamos como atividades a demonstração de algumas das pro-


priedades acima.

ATIV. 14.1. Sejam A e B dois conjuntos não vazios, F ⊂ A × B


uma função de A em B. Mostre que: ∀X, Y ⊂ A, F (X ∩ Y ) ⊂
F (X) ∩ F (Y ).
Comentário: Reveja as demonstrações da seção 14.3. Note que
basta provar a inclusão; a igualdade de modo geral não vale. Como
na função A = {a, b, c}, B = {1, 2, 3} e F : A 7→ B dada por:

190
Fundamentos da Matemática: Livro 1

F (a) = 1, F (b) = 1 e F (c) = 3. Para esta função temos F ({a}) = 14


{1}, F ({b}) = {1} o que dá F ({a}) ∩ F ({b}) = {1} =
6 ∅ enquanto AULA

que {a} ∩ {b} = ∅ e das propriedades F ({a} ∩ {b}) = F (∅) = ∅.


Ou seja, para esta função F ({a} ∩ {b}) = ∅ e F ({a}) ∩ F ({b}) 6= ∅.

ATIV. 14.2. Sejam A e B dois conjuntos não vazios, F ⊂ A × B


uma função de A em B. Mostre que: ∀X, Y ⊂ B, X ⊂ Y →
F −1 (X) ⊂ F −1 (Y ).
Comentário: Reveja as demonstrações da seção 14.3.

14.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

DOMINGUES, Higino Hugueros. e IEZZI, Gelson. Álgebra Mo-


derna. Atual São Paulo: Editora LTDA. 1979.
CASTRUCCI, Benedito., Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.
LIMA, Elon Lages, Curso de Análise. Volume 1, IMPA, Projeto
Euclides, Rio de Janeiro, 8a edição, 1995.

191
1
LIVRO

Tipos de Funções 15
AULA

META:
Introduzir os diversos tipos de
funções.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Determinar se uma dada função é
injetora, sobrejetora ou bijetora.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-14 os conhecimentos de
funções.
Tipos de Funções

15.1 Introdução

Caro aluno, o conceito de função, que vimos na aula anterior,


será explorado um pouco mais na aula de hoje, classificaremos o
conjunto das funções de um dado conjunto em outro conjunto,
segundo alguma de suas propriedades. Focaremos nossa atenção
nas funções classificadas como injetoras , sobrejetoras e em bije-
toras. Veremos também o conceito de função inversa. Teremos
que cuidar para não confundir função inversa com o conceito de
imagem inversa, visto na aula anterior. Boa aula!

15.2 Tipos de Funções

Começaremos diretamente ao conceito (definição) de função


injetora. A saber:

Definição 15.1. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Dizemos que F é uma função injetora se, somente se:
∀x, y ∈ A, x 6= y → F (x) 6= F (y).

OBS 15.1. Em outras palavras, dizemos que uma função F : A 7→


B do conjunto A no conjunto B é uma função injetora quando ele-
mentos diferentes do domínio são levados pela função em elementos
diferentes na imagem da função.

OBS 15.2. Denotamos Inj(A, B) o conjunto de todas as funções


injetoras do conjunto A no conjunto B.

OBS 15.3. Levando-se em conta que p → q ≡ ¬q → ¬p podemos


reformular a definição de função injetora para uma forma mais útil
nas demonstrações. A saber:

194
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição 15.2. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma 15


função. Dizemos que F é uma função injetora se, somente se: AULA

∀x, y ∈ A, F (x) = F (y) → x = y.

Exemplo 15.1. Vejamos alguns exemplos de funções injetoras:

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3, 4, 5}. A função F1 : A 7→ B dada por F1 = {(a, 2),
(b, 1), (c, 3), (d, 4)} é uma função injetora Fig 15.1.

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A função F2 : A 7→ B dada por F2 = {(a, 2), (b, 1),
(c, 1), (d, 1)} não é uma função injetora Fig 15.2. Neste
caso, o elemento do contradomínio 1 ∈ B está relacionado
com três elementos distintos b, c, d ∈ A do domínio.
2x + 1
• A função F : R − {1} 7→ R dada por F (x) = é uma
x−1
função injetora.
PROVA: ∀x, y ∈ R − {1}, F (x) = F (y).
Substituindo a regra de associação de F temos:
2x + 1 2y + 1
= .
x−1 y−1
Da igualdade de frações temos:
(2x + 1)(y − 1) = (2y + 1)(x − 1).
Desenvolvendo os produtos temos:
2xy + y − 2x − 1 = 2xy + x − 2y − 1.
Simplificando a expressão acima temos:
3y = 3x.
Daí, temos:
3(y − x) = 0.
Portanto y − x = 0 e temos:
x = y.

195
Tipos de Funções

Logo: ∀x, y ∈ R − {1}, F (x) = F (y) → x = y.


Portanto, F é uma função injetora. 

• A função F : [−b/2a, +∞) 7→ [−(b2 − 4ac)/4a, +∞) definida


por F (x) = ax2 + bx + c em que: a, b, c ∈ R, a > 0 é uma
função injetora.
PROVA: ∀x, y ∈ [−b/2a, +∞), F (x) = F (y).
Substituindo a regra de associação de F temos:
ax2 + bx + c = ay 2 + by + c.
Simplificando a expressão acima temos:
a(x2 − y 2 ) + b(x − y) = 0
Como x2 − y 2 = (x + y)(x − y) temos:
a(x + y)(x − y) + b(x − y) = 0.
Colocando x − y em evidência temos:
(a(x + y) + b)(x − y) = 0.
Por outro lado do domínio de F tiramos que:
∀x, y ∈ [−b/2a, +∞) → x ≥ −b/2a ∧ y ≥ −b/2a.
Daí, somando temos:
x + y ≥ −b/2a − b/2a.
Logo:
x + y ≥ −b/a.
De que tiramos:
a(x + y) + b ≥ 0.
Daí, temos:
(a(x + y) + b)(x − y) ∧ a(x + y) + b ≥ 0 → x − y = 0 ∨ a(x +
y) + b = 0.
Observemos que: no domínio da função a(x + y) + b = 0 ↔
x = −b/2a ∧ y = −b/2a que leva também a x = y.
Logo:

196
Fundamentos da Matemática: Livro 1

∀x, y ∈ [−b/2a, +∞), F (x) = F (y) → x = y. 15


Portanto, F é uma função injetora.  AULA

Figura 15.1: Injetora Figura 15.2: Não injetora

Em continuação vamos à definição de função sobrejetora:

Definição 15.3. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Dizemos que F é uma função sobrejetora, somente se:
∀y ∈ B, ∃x ∈ A| y = F (x).

OBS 15.4. Em outras palavras, dizemos que uma função F :


A 7→ B do conjunto A no conjunto B é uma função sobrejetora
quando todos os elementos do contradomínio entram na dança.
E, o contradomínio e o conjunto imagem se confundem isto é
Cdom(F ) = Img(F ).

OBS 15.5. Denotamos Sobre(A, B) o conjunto de todas as funções


sobrejetoras do conjunto A no conjunto B.

Exemplo 15.2. Vamos à alguns exemplos de funções sobrejetoras:

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A função F1 : A 7→ B dada por F1 = {(a, 1), (b, 3),
(c, 2), (d, 2)} é uma função sobrejetora Fig 15.3.

197
Tipos de Funções

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A função F2 : A 7→ B dada por F2 = {(a, 2), (b, 1),
(c, 1), (d, 1)} não é uma função sobrejetora Fig 15.4. Neste
caso, o elemento do contradomínio 3 ∈ B não está rela-
cionado com nenhum elemento do domínio.

Figura 15.3: Sobrejetora Figura 15.4: Não sobrejetora

• A função F : R 7→ R dada por F (x) = ax + b em que a 6= 0


é uma função sobrejetora.
PROVA: ∀y ∈ R, procuraremos, caso exista, um x ∈ R tal
que y = F (x).
Substituindo a regra de associação de F temos:
y = ax + b.
Daí, como x ∈ R temos:
x = (y − b)/a.
Logo x ∈ R e:
F (x) = F ((y − b)/a) = a(y − b)/a + b = y.
Portanto:
∀y ∈ R, ∃x ∈ R| y = F (x).
E a função F é sobrejetora. 

• A função F : [−b/2a, +∞) 7→ [−(b2 − 4ac)/4a, +∞) definida

198
Fundamentos da Matemática: Livro 1

por F (x) = ax2 + bx + c em que: a, b, c ∈ R, a > 0, é uma 15


função sobrejetora. AULA

PROVA: ∀y ∈ [−(b2 − 4ac)/4a, +∞), procuraremos, caso


exista um x ∈ R tal que y = F (x).
Substituindo a regra de associação de F temos:
y = ax2 + bx + c.
Daí, temos:
ax2 + bx + c − y = 0.
Como a > 0, dividindo por a temos:
b c−y
x2 + x + = 0.
a a
b2 b2
Adicionando o termos nulo − temos:
4a 4a
b b2 b2 c−y
x2 + x + − + = 0.
a 4a 4a a
Completando
 2 o 2quadrado temos:
b b c−y
x+ − + = 0.
2a 4a a
Operando  as frações temos:
b 2 b2 − 4ac + 4ay

x+ − = 0.
2a 4a2
De
 outromodo:
b 2 b2 − 4ac + 4ay
x+ = .
2a 4a2
Como y ∈ [−(b2 − 4ac)/4a, +∞) → y ≥ −(b2 − 4ac)/4a.
Daí, temos:
b2 − 4ac + 4ay ≥ 0.
Portanto, rpodemos extrair a raiz quadrada e obter:
b b2 − 4ac + 4ay
x+ = .
2a 4a2
Daí, temos: r
b b2 − 4ac + 4ay
x=− + .
2a 4a2
Obviamente x ∈ [−b/2a, +∞).
Logo x ∈ [−b/2a, +∞) e F (x) = y.

199
Tipos de Funções

Portanto:
∀y ∈ [−(b2 − 4ac)/4a, +∞), ∃x ∈ [−b/2a, +∞)| y = F (x).
E a função F é sobrejetora. 

Finalmente, vamos ao conceito de função bijetora:

Definição 15.4. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Dizemos que F é uma função bijetora, somente se:

1. ∀x, y ∈ A, x 6= y → F (x) 6= F (y)

2. ∀y ∈ B, ∃x ∈ A| y = F (x)

OBS 15.6. Em outras palavras, dizemos que uma função F : A 7→


B do conjunto A no conjunto B é uma função bijetora quando for
ao mesmo tempo injetora e sobrejetora. Cada elemento do domínio
está associado a um único elemento do contradomínio e vice versa.
Representamos o fato de uma função F ser bijetora dizendo que
“F é 1-1”.

OBS 15.7. Denotamos Bij(A, B) o conjunto de todas as funções


bijetoras do conjunto A no conjunto B.

Exemplo 15.3. Vamos à alguns exemplos de funções bijetoras:

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3, 4}. A função F1 : A 7→ B dada por F1 = {(a, 2), (b, 1),
(c, 3), (d, 4)} é uma função bijetora Fig 15.5.

• Sejam A, B dois conjuntos dados por A = {a, b, c, d} e B =


{1, 2, 3}. A função F2 : A 7→ B dada por F2 = {(a, 2), (b, 1),
(c, 1), (d, 1)} não é uma função bijetora Fig 15.6. Neste caso,
o elemento do contradomínio 3 ∈ B não está relacionado com
nenhum elemento do domínio é o bastante para a função não
ser sobrejetora e portanto não ser também bijetora.

200
Fundamentos da Matemática: Livro 1

15
AULA

Figura 15.5: Bijetora Figura 15.6: Não bijetora

• A função F : R 7→ R dada por F (x) = ax + b em que a 6= 0


é uma função bijetora.
PROVA: Temos que mostrar que F (x) é ao mesmo tempo
injetora e sobrejetora. Como já foi mostrado que F (x) é
sobrejetora, basta mostrar que F (x) é injetora.
∀x, y ∈ R, F (x) = F (y).
Substituindo a regra de associação de F temos:
ax + b = ay + b
Portanto:
a.(x − y) = 0
Como a 6= 0 temos:
x−y =0
Logo:
x=y
Logo temos:
∀x, y ∈ R, F (x) = F (y) → x = y.
E a função F (x) é injetora. Como já mostramos que F (x) é
sobrejetora, concluimos que F (x) é bijetora. 

Para algumas funções é possível reverter seus efeitos e a função

201
Tipos de Funções

encarregada deste feito é denominada de função inversa. Sua


definição é:

Definição 15.5. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Definimos a inversa de F , caso exista, e denotada por
F −1 : B 7→ A, por:

i - F −1 (F (x)) = x, ∀x ∈ A

ii - F (F −1 (y)) = y, ∀y ∈ B

Para outras funções não é possível a definição de uma inversa.


Porém, pode ser possível a definição de uma inversa à esquerda ou
de uma inversa à direita. Vamos aos conceitos:

Definição 15.6. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Definimos a inversa à esquerda de F , caso exista, e deno-
tada por Fe−1 : B 7→ A, por:
Fe−1 (F (x)) = x, ∀x ∈ A

Definição 15.7. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Definimos a inversa à direita de F , caso exista, e denotada
por Fd−1 : B 7→ A, por:
F (Fd−1 (y)) = y, ∀y ∈ B

Nossa aula encerra-se aqui. As propriedades das funções injetoras,


sobrejetoras, bijetoras e inversa, bem como as demonstrações de
algumas delas, serâo abordadas específicamente em nossa próxima
aula.

15.3 CONCLUSÃO

As funções podem classificadas quanto as suas características


em injetoras, sobrejetoras e bijetoras. Injetoras se cada elemento

202
Fundamentos da Matemática: Livro 1

da imagem está associado a um só elemento do domínio. Sobreje- 15


tora se todos os elementos da imagem têm pelo menos um elemento AULA

do domínio a ele associado. E bijetora se é injetora e sobrejetora


ao mesmo tempo.

15.4 RESUMO

Nosso resumo de hoje consta das seguintes definições:


Definição de função injetora:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma
função. Dizemos que F é uma função injetora, somente se:
∀x, y ∈ A, x 6= y → F (x) 6= F (y).
Definição de função sobrejetora:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma
função. Dizemos que F é uma função sobrejetora, somente se:
∀y ∈ B, ∃x ∈ A| y = F (x).
Definição de função bijetora:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma
função. Dizemos que F é uma função bijetora, somente se:

1. ∀x, y ∈ A, x 6= y → F (x) 6= F (y)

2. ∀y ∈ B, ∃x ∈ A| y = F (x)

Definição de função inversa:


Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma
função. Definimos a inversa de F , caso exista, e denotada por
F −1 : B 7→ A, por:

i - F −1 (F (x)) = x, ∀x ∈ A

ii - F (F −1 (y)) = y, ∀y ∈ B

203
Tipos de Funções

Definição de função inversa à esquerda:


Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma função.
Definimos a inversa à esquerda de F , caso exista, e denotada por
Fe−1 : B 7→ A, por:
Fe−1 (F (x)) = x, ∀x ∈ A
Definição de função inversa à direita:
Definição: Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma
função. Definimos a inversa à direita de F , caso exista, e denotada
por Fd−1 : B 7→ A, por:
F (Fd−1 (y)) = y, ∀y ∈ B

15.5 ATIVIDADES

Deixamos como atividades as seguintes questões:


1
ATIV. 15.1. Seja f : [0, +∞) 7→ R dada por f (x) = .
1 + x2
Mostre que f é injetora.
Comentário: Volte ao texto e reveja as demonstrações da aula.
E lembre-se que x2 − y 2 = (x + y)(x − y).

ATIV. 15.2. Seja f : [0, 1] 7→ [0, 1] dada por f (x) = 1 − x2 .
Mostre que f é sobrejetora.
Comentário: Volte ao texto e reveja as demonstrações da aula.
E lembre-se que se x ∈ [0, 1] então o ≤ x ≤ 1 e que 0 ≤ x ≤ 1 →
0 ≤ x2 ≤ 1.

15.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

DOMINGUES, Higino Hugueros. e IEZZI, Gelson. Álgebra Mo-


derna. Atual Editora LTDA. São Paulo. 1979.

204
Fundamentos da Matemática: Livro 1

CASTRUCCI, Benedito. Elementos da Teoria de Conjuntos. São 15


Paulo: GEEM, 1970. AULA

Funções Injetoras, Funçoes Sobrejetoras. Disponível em: www.fund


198.ufba. br/apos_cnf/funcinsob.pdf. Acessado em 20 mai. 2007

205
1
LIVRO

Propriedades das
Funções
16
AULA

META:
Demonstrar algumas propriedades
das funções.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de
Demonstrar propriedades das
funções injetoras, sobrejetoras e
bijetoras.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-14 os conhecimentos de
funções.
Propriedades das Funções

16.1 Introdução

O conceito de função que vimos nas aulas anterior será ex-


plorado um pouco mais aqui demonstrando-se algumas de suas
propriedades. Focaremos nossa atenção nas funções classificadas
como injetoras, como sobrejetoras e como bijetoras. Esta aula,
devido ao seu contudo técnico, será, em número de páginas, mais
curta que as anteriores. Ném por isso deverá ser dedicado menos
tempo para absorver seu conteúdo. Bom mão a obra.

16.2 Propriedades das Funções Injetoras

Para começar, vale a pena ver de novo a definição de função


injetora. A saber:

Definição 16.1. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Dizemos que F é uma função injetora se, somente se:
∀x, y ∈ A, x 6= y → F (x) 6= F (y).

Vamos diretamente às propriedades das funções injetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


injetoras então g ◦ f : A 7→ C é injetora.

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se g◦f : A 7→ C


é injetora então f é injetora.

• Sejam f : A 7→ B uma função e X ⊂ A. Se f é injetora


então f −1 (f (X)) = X.

• Sejam f : A 7→ B uma função e X, Y ⊂ A. Se f é injetora


então f (X ∩ Y ) = f (X) ∩ f (Y ).

208
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• Sejam f : A 7→ B e g, h : C 7→ A funções então f é injetora 16


se, somente se f ◦ g = f ◦ h → g = h. AULA

16.3 Propriedades das Funções Sobrejetoras

Aqui começaremos também, revendo a definição de função so-


brejetora. A saber:

Definição 16.2. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Dizemos que F é uma função sobrejetora se, somente se:
∀y ∈ B, ∃x ∈ A| y = F (x).

Em continuação vamos às propriedades das funções sobrejetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


sobrejetoras então g ◦ f : A 7→ C é sobrejetora.

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se g◦f : A 7→ C


é sobrejetora então g é sobrejetora.

• Sejam f : A 7→ B uma função e X ⊂ B. Se f é sobrejetora


então f (f −1 (X)) = X.

• Sejam f : A 7→ B uma função. Se f é sobrejetora ∃g : B 7→


A| f ◦ g = IB .

• Sejam f : A 7→ B e g, h : B 7→ C funções então f é sobreje-


tora se, somente se g ◦ f = h ◦ f → g = h.

16.4 Propriedades das Funções Bijetoras

Começaremos também, revendo a definição de função bijetora.


A saber:

209
Propriedades das Funções

Definição 16.3. Sejam A e B dois conjuntos e F : A 7→ B uma


função. Dizemos que F é uma função bijetora se, somente se:

1. ∀x, y ∈ A, x 6= y → F (x) 6= F (y)

2. ∀y ∈ B, ∃x ∈ A| y = F (x)

Finalmente as propriedades das funções bijetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


bijetoras então g ◦ f : A 7→ C é bijetora.

• Seja f : A 7→ B uma função. Se f é sobrejetora então ∃g :


B 7→ A| g = f −1 .

• Sejam f : A 7→ B e g, h : B 7→ C funções então f é bijetora


se, somente se g ◦ f = h ◦ f → g = h.

16.5 Algumas Demonstrações

Vamos, aqui, demonstrar algumas das propriedades das funções


injetoras, sobrejetoras e injetoras. As demais podem ficar como ex-
celentes exercícios. Vamos lá.

Primeiramente vamos demonstrar uma das propriedades das funções


injetoras. Mais precisamente.
Propriedade1: Sejam f : A 7→ B uma função e X ⊂ A. Se f é
injetora então f −1 (f (X)) = X.
PROVA: Precisamos de um resultado intermediário, que vale para
qualquer função. A saber:
Resultado A: f : A 7→ B uma função e X ⊂ A então X ⊂
f −1 (f (X)).

210
Fundamentos da Matemática: Livro 1

PROVA: ∀x ∈ X. 16
Da definição de imagem direta de uma função temos: AULA

f (x) ∈ f (X)
Da definição de imagem inversa de uma função temos:
x ∈ f −1 (f (X))
Logo:
∀x ∈ X → x ∈ f −1 (f (X))
Portanto, da definição de contido:
X ⊂ f −1 (f (X)). 
Voltemos à prova propriamente dita.
∀x ∈ f −1 (f (X)) → f (x) ∈ f (X)
Como f é injetora temos:
f (x) ∈ f (X) → x ∈ X.
Caso contrario, ∃y ∈
/ X|f (x) = f (y) e como x ∈ X ∧ y ∈
/ X temos
x 6= y ∧ f (x) = f (y) o que contraria o fato de f ser injetora. Logo:
∀x ∈ f −1 (f (X)) → x ∈ X.
Portanto da definição de contido temos:
f −1 (f (X)) ⊂ X.
Juntando isto ao Resultado A temos:
(f −1 (f (X)) ⊂ X) ∧ (X ⊂ f −1 (f (X))).
Da definição de igualdade de conjuntos temos:
f −1 (f (X)) = X.
Portanto:
Se f é injetora então f −1 (f (X)) = X. 

Continuando, vamos agora a uma propriedade das funções sobre-


jetoras. A seguinte:
Propriedade2: Sejam f : A 7→ B uma função e Y ⊂ B. Se f é
sobrejetora então f (f −1 (Y )) = Y .

211
Propriedades das Funções

PROVA: Precisamos de um resultado intermediário, que vale para


qualquer função. A saber:
Resultado B: f : A 7→ B uma função e Y ⊂ B então f (f −1 (Y )) ⊂
Y.
PROVA: ∀y ∈ f (f −1 (Y ))
Da definição de imagem direta de uma função temos:
∃x ∈ f −1 (Y )| y = f (x)
Daí, temos:
y = f (x) ∧ f (x) ∈ Y
Logo:
y ∈Y.
Daí, temos:
∀y ∈ f (f −1 (Y )) → y ∈ Y
Portanto, da definição de contido temos:
f (f −1 (Y )) ⊂ Y. 
Voltemos à prova propriamente dita.
∀y ∈ Y
Como f é sobrejetora temos:
∃x ∈ f −1 (Y )| y = f (x).
E neste caso temos:
y = f (x) ∧ f (x) ∈ f (f −1 (Y )).
Logo:
y ∈ f (f −1 (Y )).
Daí, temos:
∀y ∈ Y → y ∈ f (f −1 (Y ))
Da definição de contido temos:
Y ⊂ f (f −1 (Y )).
Juntando isto ao Resultado B temos:

212
Fundamentos da Matemática: Livro 1

(Y ⊂ f (f −1 (Y ))) ∧ (f (f −1 (Y )) ⊂ Y ). 16
Da definição de igualdade de conjuntos temos: AULA

f (f −1 (Y )) = Y .
Portanto:
Se f é sobrejetora então f (f −1 (Y )) = Y. 
Vamos concluir esta seção com uma demonstração de uma pro-
priedade das funções bijetoras.
Propriedade3: Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se
f e g são bijetoras então g ◦ f : A 7→ C é bijetora.
PROVA Dividiremos a prova em duas partes:
a) Primeiramente vamos provar que g ◦ f é injetora.
∀x, y ∈ A
(g ◦ f )(x) = (g ◦ f )(y).
Da definição de composição de funções temos:
g(f (x)) = g(f (y)).
Fazendo u = f (x) e w = f (y) temos:
g(u) = g(w).
Como g é bijetora é também injetora. Daí, temos:
u = w.
f (x) = f (y).
Como f é bijetora é também injetora. Daí, temos:
x = y.
Juntando tudo.
∀x, y ∈ A, (g ◦ f )(x) = (g ◦ f )(y) → x = y.
Portanto g ◦ f é injetora.
b) Em segundo vamos provar que g ◦ f é sobrejetora.
∀z ∈ C.
Como g é bijetora é também sobrejetora. Daí,

213
Propriedades das Funções

∃y ∈ B| g(y) = z.
Por outro lado, como f é bijetora:
∃x ∈ A| y = f (x).
Daí, temos:
z = g(y) ∧ y = f (x) → g(f (x)) = z → (g ◦ f )(x) = z.
Combinando tudo temos:
∀z ∈ C, ∃x ∈ A| (g ◦ f )(x) = z.
Portanto g ◦ f é sobrejetora.
Das partes a) e b) temos que g ◦ f é portanto bijetora. 

16.6 CONCLUSÃO

Concluímos que a operação de composição de funções preserva


a característica das mesmas. Assim, a composição de funções inje-
tora é injetora, a composição de funções sobrejetoras é sobrejetora
e a composição de funções bijetoras é bijetora.

16.7 RESUMO

Nosso resumo hoje consta das seguintes propriedades:

Propriedades das funções injetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


injetoras então g ◦ f : A 7→ C é injetora.

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se g◦f : A 7→ C


é injetora então f é injetora.

• Sejam f : A 7→ B uma função e X ⊂ A. Se f é injetora


então f −1 (f (X)) = X.

214
Fundamentos da Matemática: Livro 1

• Sejam f : A 7→ B uma função e X, Y ⊂ A. Se f é injetora 16


então f (X ∩ Y ) = f (X) ∩ f (Y ). AULA

• Sejam f : A 7→ B e g, h : C 7→ A funções então f é injetora


se, somente se f ◦ g = f ◦ h → g = h.

Propriedades das funções sobrejetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


sobrejetoras então g ◦ f : A 7→ C é sobrejetora.

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se g◦f : A 7→ C


é sobrejetora então g é sobrejetora.

• Sejam f : A 7→ B uma função e X ⊂ B. Se f é sobrejetora


então f (f −1 (X)) = X.

• Seja f : A 7→ B uma função. Se f é sobrejetora então ∃g :


B 7→ A| f ◦ g = IB .

• Sejam f : A 7→ B e g, h : B 7→ C funções então f é sobreje-


tora se, somente se g ◦ f = h ◦ f → g = h.

Propriedades das funções bijetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


bijetoras então g ◦ f : A 7→ C é bijetora.

• Seja f : A 7→ B uma função. Se f é bijetora então ∃g : B 7→


A| g = f −1 .

• Sejam f : A 7→ B e g, h : B 7→ C funções então f é bijetora


se, somente se g ◦ f = h ◦ f → g = h.

215
Propriedades das Funções

16.8 ATIVIDADES

Deixamos como atividades a demonstração de algumas das pro-


priedades acima.

ATIV. 16.1. Prove as seguintes propriedades das funções inje-


toras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se g◦f : A 7→ C


é injetora então f é injetora.

• Sejam f : A 7→ B e g, h : C 7→ A funções então f é injetora


se, somente se f ◦ g = f ◦ h → g = h.

Comentário: Reveja as demonstrações acima.

ATIV. 16.2. Prove as seguintes propriedades das funções sobre-


jetoras:

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se f e g são


sobrejetoras então g ◦ f : A 7→ C é sobrejetora.

• Sejam f : A 7→ B e g : B 7→ C duas funções. Se g◦f : A 7→ C


é sobrejetora então g é sobrejetora.

Comentário: Reveja as demonstrações acima.

16.9 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

DOMINGUES, Higino Hugueros. e IEZZI, Gelson., Álgebra Mo-


derna. Atual Editora LTDA. São Paulo. 1979.
CASTRUCCI, Benedito., Elementos da Teoria de Conjuntos. São
Paulo: GEEM, 1970.

216
Fundamentos da Matemática: Livro 1

FIFS:Funções Injetoras, Funçoes Sobrejetoras. http://www.fund 16


198.ufba.br/ funcinsob.pdf. Acessado em 20 mai. 2007 AULA

217
1
LIVRO

Números Naturais:
Axiomas de Peano
17
AULA

META:
Introduzir o conceito de números
naturais através dos axiomas de
Peano.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de
Definir o conjunto dos números na-
turais, usando para isto os axiomas
de Peano e demonstrar algumas de
suas propriedades.

PRÉ-REQUISITO: Aula-05
e Aula-15 os conhecimentos de
sistemas axiomáticos e de tipos de
funções
Números Naturais: Axiomas de Peano

17.1 Introdução

O conceito de conjunto dos números naturais é fundamental


para a Matemática. Ele serve de base para a definição dos demais
conjuntos numéricos. Desde os tempos mais antigos o homem tem
usado os números naturais, mas só no século XIX é que surgiu
a idéia de axiomatizar esta teoria. O primeiro a fazer isto foi
Grassman, depois Peano que completou e sistematizou os axiomas
de Grassman, e seus axiomas são os usados até hoje para construir
a teoria dos números naturais.

17.2 Axiomas de Peano

O conjunto dos números naturais, como idealizado por Peano,


é um sistema axiomático com trés termos indefinidos:
Termos Indefinidos:

• N o conjunto dos números naturais

• s : N 7→ N a função sucessor e

• 1 ∈ N um número natural especial denominado “um”.

três axiomas envolvendo os termos indefinidos:


Axiomas

A1 ∃!1 ∈ N| 1 ∈
/ s(N)

A2 ∀m, n ∈ N, s(m) = s(n) → m = n

A3 X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X → X = N

Vejamos algumas observações sobre os axiomas:

220
Fundamentos da Matemática: Livro 1

OBS 17.1. O primeiro axioma ∃!1 ∈ N| 1 ∈


/ s(N) diz que o número 17
natural especial é único e que não é sucessor de nenhum número AULA

natural. Em outras palavras, a função s sucessor não é sobrejetora.

OBS 17.2. O segundo axioma ∀m, n ∈ N, s(m) = s(n) → m = n


diz que a função s sucessor é injetora. Equivale também a definição
de igualdade no conjunto N dos números naturais. Pois, como s é
uma função temos: m = n → s(m) = s(n) e portanto: ∀m, n ∈
N, s(m) = s(n) ↔ m = n

OBS 17.3. O terceiro axioma X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X →


X = N é também conhecido como “Princípio da Indução Finita”,
gerando uma técnica de demonstração de proposições definida so-
bre o conjunto dos números naturais denominada “Demonstração
por Indução”.

Há uma pergunta que não quer calar. Será que os axiomas A1,
A2 e A3 são realmente independentes? A resposta é positiva e
seguiremos dando exemplos de três conjuntos, cada um munido de
uma função sucessor que satisfaz a um par de axiomas sem satis-
fazer ao terceiro.
MODELO 1 tomaremos {1∗ , N∗ , s∗ } em que 1∗ = 1, N∗ = N e
s∗ : N∗ 7→ N∗ dada por ∀n∗ ∈ N∗ , n∗ = n, s∗ (n∗ ) = s(s(n)). Este
modelo satisfaz os axiomas A1 e A2 e não satisfaz A3.
PROVA: Dividiremos a prova em três partes:
a) HN ∃n∗ ∈ N∗ |s∗ (n∗ ) = 1∗ .
Das definições de 1∗ e s∗ temos:
s(s(n)) = 1 e portanto 1 é sucessor de s(n) o que viola A1 para o
modelo {1, N, s}.
Portanto HN é falsa e para o modelo {1∗ , N∗ , s∗ } temos:
1∗ ∈
/ s∗ (N∗ )

221
Números Naturais: Axiomas de Peano

Logo {1∗ , N∗ , s∗ } satisfaz o axioma A1.


b) ∀m∗ , n∗ ∈ N∗ , s∗ (m∗ ) = s∗ (n∗ ).
Da definição do modelo temos:
s(s(m)) = s(s(n)).
Como s é injetora temos:
s(m) = s(n).
Novamente, como s é injetora temos:
m = n.
Da definição do modelo m∗ = m e n∗ = n. Daí, temos:
∀m∗ , n∗ ∈ N∗ , s∗ (m∗ ) = s∗ (n∗ ) → m∗ = n∗ .
Portanto, para o modelo {1∗ , N∗ , s∗ } A2 é satisfeita.
c) Seja X = N − {s(1)}.
Pela construção de X ∗ e do modelo temos:
X ⊂ N∗ .
Por outro lado como 1 ∈ N ∧ 1 ∈
/ {s(1)} temos:
1 ∈ X ∧ 1∗ = 1
Portanto:
1∗ ∈ X.
Por sua vez,
∀m∗ ∈ X, temos:
casso 1 m∗ = 1∗ .
Da definição do modelo temos:
s∗ (m∗ ) = s∗ (1∗ ) = s(s(1)).
Daí, temos:
s∗ (m∗ ) ∈ N∗ .
Como s(s(1)) 6= s(1) temos:
s∗ (m∗ ) 6= s(1) → s∗ (m∗ ) ∈
/ {s(1)}.
Logo: s∗ (m∗ ) ∈ N ∧ s∗ (m∗ ) ∈
/ {s(1)} → s∗ (m∗ ) ∈ X.

222
Fundamentos da Matemática: Livro 1

caso 2 m∗ 6= 1∗ . 17
Da definição do modelo e como s é injetora temos: AULA

m∗ 6= 1 → s∗ (m∗ ) 6= s(1) → s∗ (m∗ ) ∈


/ {s(1)}.
E também:
s∗ (m∗ ) ∈ N.
Daí, temos também neste caso:
s∗ (m∗ ) ∈ N ∧ s∗ (m∗ ) ∈
/ {s(1)} → s∗ (m∗ ) ∈ X.
Portanto:
∀m∗ ∈ X → s∗ (m∗ ) ∈ X
Logo:
s∗ (X) ⊂ X.
Daí, temos:
1∗ ∈ X ∧ s∗ (X) ⊂ X.
No entanto X 6= N∗ .
Portanto, A3 não é satisfeito para este modelo. 
MODELO 2 Tomaremos {1∗ , N∗ , s∗ } em que 1∗ = 1, N ∗ = {1∗ }
e s∗ : N∗ 7→ N∗ dada por s∗ (1∗ ) = 1∗ . Este modelo satisfaz os
axiomas A2 e A3 e não satisfaz A1.
PROVA: Dividiremos a prova em três partes:
a) ∀m∗ , n∗ ∈ N∗ , s∗ (m∗ ) = s∗ (n∗ ).
Da definição do modelo, temos:
∀m∗ , n∗ ∈ N∗ → m∗ = 1∗ ∧ n∗ = 1∗
Daí, temos::
m∗ = n∗ .
Portanto:
∀m∗ , n∗ ∈ N∗ , s∗ (m∗ ) = s∗ (n∗ ) → m∗ = n∗ .
Logo s∗ é injetora e A2 é satisfeito.
b) Como, da definição do modelo, N ∗ = {1∗ } temos:

223
Números Naturais: Axiomas de Peano

X ⊂ N∗ → X = ∅ ∨ X = {1∗ }
Daí, temos:
X ⊂ N∗ ∧ 1∗ ∈ X → X = {1∗ }
Como do modelo, N ∗ = {1∗ } temos:
X ⊂ N∗ ∧ 1∗ ∈ X → X = N∗
Daí, podemos construir a proposição (tautologia):
X ⊂ N∗ ∧ 1∗ ∈ X, s∗ (X) ⊂ X → X = N∗
E o axioma A3 é satisfeito.
c) Como, da definição do modelo:
s∗ (1∗ ) = 1∗ .
Temos que:
1∗ ∈ s∗ (N∗ ).
Logo o axioma A1 não é satisfeito. 
MODELO 3 Tomaremos {1∗ , N∗ , s∗ } em que 1∗ = 1, N ∗ =
{1∗ , n∗ }, n∗ = n = s(1) e s∗ : N∗ 7→ N∗ dada por s∗ (1∗ ) =
n∗ ∧ s∗ (n∗ ) = n∗ . Este modelo satisfaz os axiomas A1 e A3 e
não satisfaz A2.
PROVA: Dividiremos a prova em três partes:
a) Da definição do modelo temos:
N∗ = {1∗ , n∗ } e s∗ (1∗ ) = n∗ ∧ s∗ (n∗ ) = n∗ .
Daí, temos:
s∗ (N∗ ) = {n∗ }.
Portanto:
1∗ ∈
/ s∗ (N∗ ).
E o axioma A1 é satisfeito.:
b) Da definição do modelo N∗ = {1∗ , n∗ }.
Daí, temos:
X ⊂ N∗ → X = ∅ ∨ X = {1∗ } ∨ X = {n∗ } ∨ X = {1∗ , n∗ }.

224
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Por outro lado: 17


X⊂ N∗ ∧ 1∗ ∈X→X= {1∗ } ∨X = {1∗ , n∗ }. AULA

Como, da definição do modelo, s∗ (1∗ ) = n∗ ∧ s∗ (n∗ ) = n∗ . Daí,


temos:
X ⊂ N∗ ∧ 1∗ ∈ X ∧ s∗ (X) ⊂ X → X = {1∗ , n∗ }.
Como, da definição do modelo, N ∗ = {1∗ , n∗ }. Daí, temos:
X ⊂ N∗ ∧ 1∗ ∈ X ∧ s∗ (X) ⊂ X → X = N∗ .
E o axioma A3 é satisfeito.
c) Como, da definição do modelo, s∗ (1∗ ) = n∗ ∧ s∗ (n∗ ) = n∗ . Daí,
temos:
s∗ (1∗ ) = s∗ (n∗ ) ∧ 1∗ 6= n∗ .
De outra forma:
¬(∀m∗ , n∗ ∈ N∗ , s∗ (m∗ ) = s∗ (n∗ ) → m∗ = n∗ ).
Logo o axioma A2 não é satisfeito. 

Finalizaremos nossa aula com um teorema que ilustrará o método


de demonstração conhecido como “Indução Finita”:

Teorema 17.1. ∀n ∈ N, n 6= s(n).

PROVA: Definimos o subconjunto de X ⊂ N dado por:


X = {n ∈ N|n 6= s(n)}.
Mostraremos que X = N usando o axioma A3.
Do axioma A1 temos:
1∈
/ s(N).
Logo:
1 6= s(1).
Daí, temos:
1 ∈ X.

225
Números Naturais: Axiomas de Peano

Por outro lado:


∀n ∈ X → n 6= s(n).
Como s é injetora temos:
n 6= s(n) → s(n) 6= s(s(n)) → s(n) ∈ X.
Portanto:
∀n ∈ X → s(n) ∈ X.
Da definição de contido temos:
s(X) ⊂ X.
Juntando tudo:
X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X.
Do axioma A3 temos que:
X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X → X = N.
Portanto:
∀n ∈ N, n 6= s(n). 

17.3 CONCLUSÃO

Do conteúdo visto nessa aula concluímos que: os três axiomas


de Peano são independentes e nenhum número natural é sucessor
de si mesmo.

17.4 RESUMO

O conjunto dos números naturais pode ser definido através do


uso de trés termos indefinidos e três axiomas. Na forma proposta
por Peano temos:

226
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Termos Indefinidos: 17
AULA
• N o conjunto dos números naturais

• s : N 7→ N a função sucessor e

• 1 ∈ N um número natural especial denominado “um”.

três axiomas envolvendo os temos indefinidos:


Axiomas

A1 ∃!1 ∈ N| 1 ∈
/ s(N)

A2 ∀m, n ∈ N, s(m) = s(n) → m = n

A3 X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X → X = N

17.5 ATIVIDADES

Hoje, deixaremos as seguintes atividades:

ATIV. 17.1. Mostre que existem três elementos diferentes entre


si em N.
Comentário: Construa os mesmos usando a função sucessor e
reveja o teorema 17.1.

ATIV. 17.2. Construa um modelo em que N∗ seja finito satis-


fazendo os axiomas A1 e A2 porém, não satisfazendo o axioma
A3. Prove.
Comentário: Reveja os modelos apresentados nesta aula.

17.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

CARAÇA, Bento de Jesus. Conceitos Fundamentais da Matemáti-


ca. Livraria Sá da Costa. Editora Lisboa, 1984.

227
Números Naturais: Axiomas de Peano

COELHO, Sonia Pitta, MILIES, Francisco César Polcino. Números


- Uma Introdução à Matemática. Editora EDUSP, terceira edição
2006.

228
1
LIVRO

Operações em N 18
AULA

META:
Definir as operações de soma e
produto e uma relação de ordem no
conjnto dos números naturais.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de
Demonstrar propriedades da soma
e do produto no conjunto dos
números naturais,
Demonstrar propriedades da relação
de ordem no conjunto dos números
naturais.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-04 e Aula-17 os conhecimentos
de regras de inferência e regras
de equivalência e dos axiomas de
Peano.
Operações em N

18.1 Introdução

Em nossa aula anterior, tivemos nosso primeiro contato com os


axiomas de Peano na definição do conjunto dos números naturais
e provamos a independência deles. Hoje, definiremos uma soma,
um produto e uma relação de ordem no conjunto dos números na-
turais e provaremos alguma de suas propriedades. Devido ao seu
conteúdo mais técnico, a aula de hoje é mais curta que as anteri-
ores. Espero que você tenha cumprido o pré requisito solicitado,
pois ele ajudará na compreensão e no bom andamento dessa aula.
Concentre-se e tenha uma ótima aula.

18.2 Soma no Conjunto dos Números Natu-


rais

Em nada adiantaria definir axiomaticamente o conjunto dos


números naturais se não fosse possível, partindo dos axiomas, defi-
nir e provar as propriedades de operações como a soma e o produto
no conjunto dos números naturais. Algumas destas propriedades
foram provadas inicialmente por Grassmam em seus trabalhos so-
bre a axiomática dos números naturais; outras foram por Peano,
que consolidou a definição dos números naturais com seus axi-
omas. Além das operações citadas, complementaremos o assunto
definindo uma relação de ordem no conjunto dos naturais e suas
propriedades. Começaremos então pela definição de soma.

Definição 18.1. Definimos a soma + : N × N 7→ N, de modo


recorrente, por:

i - ∀n ∈ N, n + 1 = s(n)

230
Fundamentos da Matemática: Livro 1

ii - ∀m, n ∈ N, m + s(n) = s(m + n) 18


AULA

18.3 Propriedades da soma

A soma, acima definida tem, entre outras, as seguintes pro-


priedades:

S1 ∀m, n, p ∈ N, m + (n + p) = (n + m) + p (propriedade associa-


tiva).

S2 ∀m, n ∈ N, m + n = n + m (propriedade comutativa).

S3 ∀m, n, p ∈ N, m + p = n + p → m = n (lei do corte).

S4 ∀m, n ∈ N apenas uma das condições ocorre:

i- m=n

ii - ∃p ∈ N|m = n + p

iii - ∃q ∈ N|n = m + q (tricotomia).

18.4 Produto no Conjunto dos Números Na-


turais

Prosseguindo definiremos aqui, um produto no conjunto dos


números naturais. A saber:

Definição 18.2. Definimos o produto • : N × N 7→ N, de modo


recorrente, por:

i - ∀n ∈ N, n • 1 = n

ii - ∀m, n ∈ N, m • s(n) = (m • n) + n

231
Operações em N

18.5 Propriedades do Produto

O produto, acima definido tem, entre outras, as seguintes pro-


priedades:

P1 ∀m, n, p ∈ N, m•(n•p) = (n•m)•p (propriedade associativa).

P2 ∀m, n ∈ N, m • n = n • m (propriedade comutativa).

P3 ∀m, n, p ∈ N, m • p = n • p → m = n (lei do corte).

P4 ∀m, n, p ∈ N, (m + n) • p = (m • p) + (n • p) (propriedade
distributiva).

18.6 Relação de Ordem no Conjunto dos Nú-


meros Naturais

Para finalizar, definiremos uma relação de ordem no conjunto


dos números naturais. A saber:

Definição 18.3. Definimos uma relação de ordem no conjunto dos


números naturais, ≥⊂ N × N por:
∀m, n ∈ N, m ≥ n ↔ (m = n) ∨ (∃p ∈ N|m = n + p)

OBS 18.1. Podemos definir uma relação de ordem estrita >⊂


N × N por:
∀m, n ∈ N, m > n ↔ ∃k ∈ N| m = n + k.

18.7 Propriedades da Relação de Ordem

A Relação de Ordem, acima definida, tem entre outras, as


seguintes propriedades:

232
Fundamentos da Matemática: Livro 1

O1 ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n → m + p ≥ n + p (compatibilidade com 18


a soma). AULA

O2 ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n → m • p ≥ n • p (compatibilidade com o


produto).

O3 ∀m, n, p ∈ N, m + p = n + p → m = n (transitividade).

O4 ∀m, n ∈ N apenas uma das condições ocorre:

i- m=n

ii - m > n

iii - n > m (tricotomia).

18.7.1 Demonstração de Algumas Propriedades

Neste momento, demonstraremos três das propriedades listadas


acima. As demais ficam como excelentes exercícios.

Começaremos demonstrando a propriedade associativa da soma.


A saber:
Propriedade 1 ∀m, n, p ∈ N, m + (n + p) = (m + n) + p.
PROVA: Começamos definindo o conjunto X ⊂ N dado por:
X = {p ∈ N|∀m, n ∈ N, m + (n + p) = (m + n) + p}.
a)Da segunda parte da definição de soma temos:
∀m, n ∈ N, m + s(n) = s(m + n).
Da primeira parte da definição de soma temos:
s(n) = n + 1 ∧ s(m + n) = (m + n) + 1.
Daí, temos:
∀m, n ∈ N, m + (n + 1) = (m + n) + 1.
Portanto:

233
Operações em N

1 ∈ X.
b) Por outro lado,
∀p ∈ X.
∀m, n ∈ N, m + (n + p) = (m + n) + p.
Como s é uma função temos:
s(m + (n + p)) = s((m + n) + p).
Da segunda parte da definição de soma temos:
s(m + (n + p)) = m + s(n + p).
Da segunda parte da definição de soma temos:
s(m + (n + p)) = m + (n + s(p)).
Por outro lado, da segunda parte da definição de soma temos:
s((m + n) + p) = (m + n) + s(p).
Como s(m + (n + p)) = s((m + n) + p), s(m + (n + p)) = m + s(n +
s(p)) e s((m + n) + p) = (m + n) + s(p) temos:
m + (n + s(p)) = (m + n) + s(p)
Da definição de X temos:
s(p) ∈ X.
Logo: ∀p ∈ X → s(p) ∈ X.
Da definição de contido temos:
s(X) ⊂ X.
Juntando tudo:
X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X.
Do axioma A3 temos:
X = N.
Portanto:
∀m, n, p ∈ N, m + (n + p) = (m + n) + p. 

Partimos agora à demonstração da propriedade distributiva do


produto sobre a soma. Admitiremos como provadas, pois serão

234
Fundamentos da Matemática: Livro 1

necessárias, as propriedades: associativa S1 e comutativa S2 da 18


soma. Vejamos: AULA

Propriedade 2 ∀m, n, p ∈ N, (m + n) • p = (m • p) + (n • p).


PROVA: Começamos por definir o conjunto X ⊂ N dado por:
X = {p ∈ N|∀m, n ∈ N, (m + n) • p = (m • p) + (n • p)}.
a) Da primeira parte da definição de produto temos:
∀m, n ∈ N, (m + n) • 1 = m + n.
Também, da primeira parte da definição de produto m = m•1∧n =
n • 1. Dai, temos:
(m + n) • 1 = (m • 1) + (n • 1).
Portanto:
1 ∈ X.
b) Por outro lado:
∀p ∈ X.
∀m, n ∈ N, (m + n) • p = (m • p) + (n • p).
Da segunda parte da definição de produto temos:
(m + n) • s(p) = (m + n) • p + (m + n).
Daí, temos:
(m + n) • s(p) = ((m • p) + (n • p)) + (m + n).
Da propriedade associativa da soma S1 temos:
(m + n) • s(p) = (m • p) + ((n • p) + (m + n)).
Da propriedade comutativa da soma S2 temos:
(m + n) • s(p) = (m • p) + ((n • p) + (n + m)).
Da propriedade associativa da soma S1 temos:
(m + n) • s(p) = (m • p) + (((n • p) + n) + m).
Como da segunda parte da definição de produto (n•p)+n = n•s(p)
temos:
(m + n) • s(p) = (m • p) + ((n • s(p)) + m).

235
Operações em N

Da propriedade comutativa da soma S2 temos:


(m + n) • s(p) = (m • p) + (m + (n • s(p))).
Da propriedade associativa da soma S1 temos:
(m + n) • s(p) = ((m • p) + m) + (n • s(p)).
Como da segunda parte da definição de produto (m • p) + m =
m • s(p) temos:
(m + n) • s(p) = (m • s(p)) + (n • s(p)).
Da definição de X temos:
s(p) ∈ X.
Logo: ∀p ∈ X → s(p) ∈ X.
Da definição de contido temos:
s(X) ⊂ X.
Juntando tudo:
X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X.
Do axioma A3 temos:
X = N.
Portanto:
∀m, n, p ∈ N, (m + n) • p = (m • p) + (n • p). 

Para finalizar, faremos a demonstração da propriedade transitiva


da relação de ordem. Admitiremos como provadas, pois serão
necessária, as propriedades associativa S1, comutativa S2 e a lei
do corte da soma S3.

Propriedade 3 ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n ∧ n ≥ p → m ≥ p.
PROVA: para: ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n ∧ n ≥ p temos:
((m = n) ∨ (m > n)) ∧ ((n = p) ∨ (n > p)).
Distinguimos quatro casos:
Caso 1 (m = n) ∧ (n = p).
Neste caso, usando a propriedade transitiva da igualdade temos:

236
Fundamentos da Matemática: Livro 1

m = p. 18
Como m = p ` (m = p) ∨ (m > p). Regra de inferência adição. AULA

Logo:
m ≥ p.
Caso 2 (m = n) ∧ (n > p).
Do axioma da substituição da Lógica Matemática.
(m = n) ∧ (n > p) → m > p.
Por outro lado da regra de inferência adição temos:
m > p ` (m = p) ∨ (m > p).
Logo:
m ≥ p.
Caso 3 (m > n) ∧ (n = p).
Do axioma da substituição da Lógica Matemática.
(m > n) ∧ (n = p) → m > p.
Por outro lado da regra de inferência adição temos:
m > p ` (m = p) ∨ (m > p).
Logo:
m ≥ p.
Caso 4 (m > n) ∧ (n > p) o mais complicadinho.
Como m > n ∧ n > p da definição da relação de ordem no conjunto
dos números naturais temos:
∃k1 , k2 ∈ N|m = n + k1 ∧ n = p + k2 .
Do axioma da substituição da Lógica Matemática temos:
m = (p + k2 ) + k1 .
Da propriedade associativa da soma S1 temos:
m = p + (k2 + k1 ).
Daí, temos:
∃k ∈ N, k = k2 + k1 |m = p + k.

237
Operações em N

Portanto:
m > p.
Da regra de inferência adição temos:
m > p ` (m = p) ∨ (m > p).
Portanto:
m ≥ p.
Em todos os casos temos:
m ≥ n ∧ n ≥ p → m ≥ p.
Daí, finalmente temos:
∀m, n, p ∈ N, m ≥ n ∧ n ≥ p → m ≥ p. 

18.8 CONCLUSÃO

Concluímos que, embora, feita de forma interativa, as definições


de soma e de números naturais pareçam artificiais, elas têm as mes-
mas propriedades intuitivas a que estamos acostumados.

18.9 RESUMO

Resumiremos nossa aula com as seguintes definições e pro-


priedades:

Definição da soma no conjunto dos números naturais:


Definição:
Definimos a soma + : N × N 7→ N, de modo recorrente, por:

i - ∀n ∈ N, n + 1 = s(n)

ii - ∀m, n ∈ N, m + s(n) = s(m + n)

238
Fundamentos da Matemática: Livro 1

A soma no conjunto dos números naturais tem, entre outras, as 18


seguintes propriedades: AULA

S1 ∀m, n, p ∈ N, m + (n + p) = (n + m) + p (propriedade associa-


tiva).

S2 ∀m, n ∈ N, m + n = n + m (propriedade comutativa).

S3 ∀m, n, p ∈ N, m + p = n + p → m = n (lei do corte).

S4 ∀m, n ∈ N apenas uma das condições ocorre:

i- m=n

ii - ∃p ∈ N|m = n + p

iii - ∃q ∈ N|n = m + q (tricotomia).

Definição do produto no conjunto dos números naturais:


Definição:
Definimos o produto • : N × N 7→ N, de modo recorrente, por:

i - ∀n ∈ N, n • 1 = n

ii - ∀m, n ∈ N, m • s(n) = (m • n) + n

O produto no conjunto dos números naturais tem, entre outras, as


seguintes propriedades:

P1 ∀m, n, p ∈ N, m•(n•p) = (n•m)•p (propriedade associativa).

P2 ∀m, n ∈ N, m • n = n • m (propriedade comutativa).

P3 ∀m, n, p ∈ N, m • p = n • p → m = n (lei do corte).

P4 ∀m, n, p ∈ N, (m + n) • p = (m • p) + (n • p) (propriedade
distributiva).

239
Operações em N

Definição de uma relação de ordem no conjunto dos números na-


turais:
Definição:
Definimos uma relação de ordem ≥⊂ N × N por:
∀m, n ∈ N, m ≥ n ↔ (m = n) ∨ (∃p ∈ N|m = n + p)
A relação de ordem no conjunto dos números naturais, acima
definida, tem, entre outras, as seguintes propriedades:

O1 ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n → m + p ≥ n + p (compatibilidade com


a soma).

O2 ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n → m • p ≥ n • p (compatibilidade com o


produto).

O3 ∀m, n, p ∈ N, m + p = n + p → m = n (transitividade).

O4 ∀m, n ∈ N apenas uma das condições ocorre:

i- m=n

ii - m > n

iii - n > m (tricotomia).

18.10 ATIVIDADES

Deixamos como atividades a demonstração de algumas pro-


priedades acima.

ATIV. 18.1. Prove a propriedade comutativa da soma ∀m, n ∈


N, m + n = n + m.
Comentário: Primeiramente mostre que a soma de 1 com qual-
quer número natural n ∈ N é comutativa, partindo do conjunto
X = {n ∈ N| n + 1 = 1 + n}. Em seguida, defina o subconjunto

240
Fundamentos da Matemática: Livro 1

dos números naturais Z = {m ∈ N| m + n = n + m, ∀n ∈ N} e 18


mostre então que Z = N. AULA

ATIV. 18.2. Prove a propriedade comutativa do produto ∀m, n ∈


N, m • n = n • m.
Comentário: Primeiramente mostre que o produto de 1 com qual-
quer número natural n ∈ N é comutativo, partindo do conjunto
X = {n ∈ N| n • 1 = 1 • n}. Em seguida, defina o subconjunto dos
números naturais Z = {m ∈ N| m • n = n • m, ∀n ∈ N} e mostre
então que Z = N.

18.11 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

CARAÇA, Bento de Jesus. Conceitos Fundamentais da Matemáti-


ca. Livraria Sá da Costa. Editora Lisboa, 1984.
COELHO, Sonia Pitta, MILIES, Francisco César Polcino. Números
- Uma Introdução à Matemática. Editora EDUSP, terceira edição
2006.

241
1
LIVRO

Princípio da
Boa Ordem
19
AULA

META
Introduzir o princípio da boa ordem
nos números naturais e algumas de
suas conseqüências.

OBJETIVOS
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Aplicar o princípio da boa or-
dem na demonstração de algumas
proposições envolvendo números
naturais.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-18 os conhecimentos das
operações no conjunto dos números
naturais.
Princípio da Boa Ordem

19.1 Introdução

A relação de ordem, definida na aula anterior no conjunto dos


números naturais, é uma relação de ordem total e como veremos
em nesta aula, ela garante no conjunto dos números naturais o
Princípio da Boa Ordem, isto é, todo subconjunto dos naturais
possui um menor elemento. Este fato será provado como base
para o segundo princípio da indução finita.

19.2 Alguns Teoremas

Para começar, veremos o seguinte teorema:

Teorema 19.1. ∀n ∈ N, s(n) > n. Todo número natural é menor


que seu sucessor.

PROVA: Da primeira parte da definição de soma no conjunto dos


números naturais temos:
∀n ∈ N, n + 1 = s(n).
Da propriedade comutativa da igualdade temos:
∀n ∈ N, s(n) = n + 1.
Que podemos reescrever como:
∀n ∈ N, ∃k ∈ N, k = 1|(n) = n + k.
Da definição da relação de ordem estrita temos:
∀n ∈ N, s(n) > n. 

Teorema 19.2. ∀n ∈ N, n ≥ 1.

PROVA: ∀n ∈ N, distinguimos dois casos:


Caso 1 n = 1.
Da regra de inferência adição temos:

244
Fundamentos da Matemática: Livro 1

n = 1 ` (n = 1) ∨ (n > 1). 19
Portanto: AULA

n ≥ 1.
Caso 2 ¬(n = 1).
E usamos a hipótese nula:
HN 1 > n.
Da definição de > temos:
∃p ∈ N|1 = n + p.
Da propriedade comutativa da soma S2 temos:
1 = p + n.
Como ¬(n = 1) do axioma A1 temos:
∃m ∈ N|n = s(m).
Daí, temos:
1 = p + s(m).
Da segunda parte da definição de soma temos:
1 = s(p + m).
Do axioma A1 isto é um absurdo (1 não é sucessor de nenhum
número natural). Portanto a hipótese nula é falsa e:
¬(n < 1).
Como ¬(n = 1) ∧ ¬(n < 1), da tricotomia da relação de ordem
temos que a única opção é:
n > 1.
Dos dois casos temos:
(n = 1) ∨ (n > 1).
Portanto, da definição da relação de ordem temos:
∀n ∈ N, n ≥ 1. 

OBS 19.1. O teorema 19.1 diz que o conjunto N dos números


naturais é limitado inferiormente e seu elemento mínimo é o 1.

245
Princípio da Boa Ordem

Uma conseqüência do teorema 19.2 é que não existe um número


natural entre um número natural e seu sucessor, como veremos no
próximo teorema. A saber:

Teorema 19.3. ∀n ∈ N, @m ∈ N|n < m < s(n).

PROVA: Consideremos a seguinte hipótese nula:


HN ∃n ∈ N, ∃m ∈ N|n < m < s(n).
Como n < m temos:
∃k ∈ N|m = n + k e,
Como m < s(n) temos:
∃p ∈ N|s(n) = m + p.
Daí, temos:
s(n) = (n + k) + p.
Da propriedade associativa da soma S1 temos:
s(n) = n + (k + p).
Da primeira parte da definição de soma temos:
n + 1 = n + (k + p).
Da lei do cancelamento da soma temos:
1 = k + p.
Logo:
1 > k.
Do teorema 19.2 temos:
k > 1.
Da tricotomia temos que:
1 > k ∧ 1 < k é um absurdo, pois apenas uma das possibilidade é
verdadeira. Logo HN é falsa e:
∀n ∈ N, @m ∈ N|n < m < s(n). 

246
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Os teoremas a seguir darão sentido à relação de ordem no conjunto 19


dos números naturais. A saber: AULA

Teorema 19.4. ∀n ∈ N, n ≥ n. (propriedade reflexiva)

PROVA: Como do axioma da igualdade da Lógica Matemática


∀n ∈ N, n = n.
Da regra de inferência adição temos:
n = n ` n = n ∨ n > n.
Portanto:
∀n ∈ N, n ≥ n. 

Teorema 19.5. ∀m, n ∈ N, n ≥ m ∧ m ≥ n → m = n. (pro-


priedade anti-simétrica)

PROVA: Da hipótese do teorema temos:


n ≥ m ∧ m ≥ n.
Da definição da relação de ordem temos:
(n = m ∨ n > m) ∧ (m = n ∨ m > n).
Da regra de equivalência distributiva da conjunção sobre a dis-
junção temos:
(n = m ∧ (m = n ∨ m > n)) ∨ (n > m ∧ (m = n ∨ m > n)).
Novamente da regra de equivalência distributiva da conjunção so-
bre a disjunção temos:
((n = m ∧ m = n) ∨ (n = m ∧ m > n)) ∨ ((n > m ∧ m = n) ∨ (n >
m ∧ m > n)).
Como a disjunção tem propriedades associativa e comutativa, são
desnecessários parênteses para indicar a ordem de precedência deste
modo temos:
(n = m ∧ m = n) ∨ (n = m ∧ m > n) ∨ (n > m ∧ m = n) ∨ (n >

247
Princípio da Boa Ordem

m ∧ m > n).
A propriedade de tricotomia diz que as opções 2, 3 e 4 não são
possíveis isto é, n = m ∧ m > n ≡⊥, n > m ∧ m = n ≡⊥ e
n > m ∧ m > n ≡⊥ e temos:
(n = m ∧ m = n)∨ ⊥ ∨ ⊥ ∨ ⊥.
Portanto:
m = n.
Logo:
∀m, n ∈ N, n ≥ m ∧ m ≥ n → m = n. 
Desta forma a nossa relação ≥⊂ N × N dada por ∀m, n ∈ N, m ≥
n ↔ (m = n ∨ ∃p ∈ N|m = n + p) possui as seguintes propriedades:

1. ∀m ∈ N, m ≥ m.

2. ∀m, n, ∈ N, m ≥ n ∧ n ≥ m → m = n.

3. ∀m, n, p ∈ N, m ≥ n ∧ n ≥ p → m ≥ p.

4. ∀m, n ∈ N, m ≥ n ∨ n ≥ m

Portanto nossa relação ≥ é uma relação de ordem total no con-


junto N dos números naturais. As propriedades 3 e 4 ficam como
exercícios.

19.3 Princípio da Boa Ordem

Veremos agora, o Princípio da Boa Ordem que diz que qual-


quer subconjunto não vazio do conjunto N dos números naturais
tem um menor elemento, isto leva à definição:

248
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição 19.1. Sejam A um conjunto e ≥ A × A uma relação de 19


ordem total em A. Dizemos que A é bem ordenado, somente se: AULA

∀X ⊂ A|X 6= ∅, ∃x ∈ X, z ≥ x, ∀z ∈ X.

A seguir, um teorema de fácil demonstração porém, útil na de-


monstração do princípio da boa ordem no conjunto N dos números
naturais.

Teorema 19.6. ∀n ∈ N, ¬(a > a).

PROVA: Do axioma da igualdade da Lógica Matemática temos:


a = a.
Portanto, da tricotomia temos:
¬(a > a). 
Agora ao teorema da boa ordem. A saber:

Teorema 19.7. ∀A ⊂ N, A 6= ∅, ∃a ∈ A|x ≥ a, ∀x ∈ A.

PROVA: Como A 6= ∅, dois casos são possíveis:


Caso 1 1 ∈ A.
Neste caso, como ∀n ∈ N, n ≥ 1 temos:
∃a ∈ A, a = 1|x ≥ 1, ∀x ∈ A.
E a = 1 é o menor elemento de A e está provado o teorema.
Caso 2 1 ∈
/ A.
Neste caso, definimos o conjunto X ⊂ N dado por:
X = {x ∈ N|z > x∀z ∈ A}.
Vamos a alguns fatos:
Primeiramente como ∀n ∈ N, ¬(n > n) temos:
∀a ∈ A¬(a > a).

249
Princípio da Boa Ordem

Portanto:
∀a ∈ A → a ∈
/ X.
Desta forma:
A∩X =∅
E como A 6= ∅ temos:
X 6= N.
Em segundo como ∀n ∈ N, n ≥ 1 temos:
∀z ∈ A, z ≥ 1.
Como 1 ∈
/ A da tricotomia temos:
∀z ∈ A, z > 1.
Daí, temos:
1 ∈ X.
Vamos agora a uma hipótese nula:
HN ∀x ∈ X → s(x) ∈ X.
Da HN temos:
s(X) ⊂ X.
Logo:
X ⊂ N ∧ 1 ∈ X ∧ s(X) ⊂ X.
Do axioma da indução A3 temos:
X = N.
Daí, temos:
X 6= N ∧ X = N.
Absurdo. Logo HN é falsa e sua negativa verdadeira:
∃x ∈ X|x ∈ X ∧ s(x) ∈
/ X.
Como x ∈ X temos:
z > x∀z ∈ A.
Por outro lado como s(x) ∈
/ X temos:
∃a ∈ A|s(x) ≥ a.

250
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Mais uma hipótese nula: 19


HN1 s(x) > a. AULA

Neste caso temos:


s(x) > a > x.
Do teorema 19.3 temos:
¬(s(x) > a > x) ∧ s(x) > a > x.
Absurdo. Logo HN1 é falsa e temos:
¬(s(x) > a).
Daí, temos:
s(s) ≥ a ∧ ¬(s(x) > a).
Da definição de ≥ temos:
((s(x) = a) ∨ (s(x) > a)) ∧ ¬(s(x) > a).
Portanto, temos:
s(x) = a.
Vamos à última hipótese nula.
HN2 ∃z ∈ A|a > z.
Como x ∈ X ∧ z ∈ A temos:
z > x.
Como de HN2 a > z ∧ s(x) = a temos:
s(x) > z > x.
Do teorema 19.3 temos:
¬(s(x) > z > x) ∧ s(x) > z > x.
Absurdo. Logo HN2 é falsa e temos:
∀z ∈ A, ¬(a > z).
Da tricotomia temos:
∀z ∈ A, z ≥ a.
E a ∈ A é o menor elemento.
Juntando os caso 1 e caso2 temos:

251
Princípio da Boa Ordem

∀A ⊂ N, A 6= ∅, ∃a ∈ A|x ≥ a, ∀x ∈ A. 

19.4 Primeiro Princípio da Indução Finita

O Primeiro Princípio da Indução Finita nada mais é que uma


reinterpretação do terceiro axioma de Peano reescrito da seguinte
forma:
Primeiro Princípio da Indução Finita Seja p(n) uma proposi-
ção aberta satisfazendo:

i - p(1)

ii - p(n) → p(s(n))

então ∀n ∈ N, p(n).
O Primeiro Princípio da Indução Finita pode ser ilustrado com o
seguinte raciocínio:
Tendo como exemplo uma fileira de pedras de dominó:
a) a primeira pedra cai.
b) se n-ésima pedra cai então a (n + 1)-ésima pedra cai.
Conclusão: todas as pedras do dominó caem.

19.5 Segundo Princípio da Indução Finita

Usaremos aqui o teorema da boa ordem para provar o Segundo


Princípio da Indução. Um princípio mais elaborado que o primeiro
e tão útil quanto este.
Segundo Princípio da Indução Finita Seja p(n) uma proposi-
ção aberta satisfazendo:

i - p(1)

252
Fundamentos da Matemática: Livro 1

ii - (∀z ∈ N, 1 < z < n, p(z)) → p(n) 19


AULA
então ∀n ∈ N, p(n)
PROVA: Vamos supor, por absurdo, a hipótese nula de que sejam
válidos o ítem i e a hipótese do ítem ii porém, a conclusão do ítem
ii seja falsa para alguma proposição p(n) aberta no conjunto N dos
números naturais isto é:
HN

i - p(1)

ii - (∀n ∈ N, (∀z ∈ N, 1 < z < n, p(z)) → p(n)) ∧ ¬(∀n ∈ N, p(n))

e definimos o conjunto:
X = {n ∈ N|¬p(n)}.
Como assumimos a hipótese nula:
X 6= ∅.
Primeiro fato:
Como p(1) temos:
1∈
/ X. Do teorema 19.7 X tem um menor elemento:
∃m ∈ X|m ≤ z, ∀z ∈ X.
Como 1 ∈
/ X temos:
m 6= 1.
Portanto, como m é o menor elemento de X temos:
∀z ∈ N, 1 ≤ z < m, z ∈
/ X.
De outra forma:
∀z ∈ N, 1 ≤ z < m, p(z).
Portanto, do item ii da suposição temos:
(∀z ∈ N, 1 ≤ z < m, z, p(z)) → p(m).
Porém, como m ∈ X temos:
¬p(m).

253
Princípio da Boa Ordem

Daí, temos:
p(m) ∧ ¬p(m).
Absurdo. Logo HN é falsa e:

i - p(1)

ii - (∀n ∈ N, (∀z ∈ N, 1 < z < n, p(z)) → p(n)) → (∀n ∈


N, p(n)). 

19.6 Algumas Demonstrações

Aqui vermos algumas demonstrações que ilustraram aplicações


do Princípio da Indução Finita. Nas atividades serão propostas
também alguns problemas, cuja solução envolve a aplicação do
Princípio da Indução Finita.
PROBLEMA 1: ∀n ∈ N, n < 2n .
PROVA: Considerando a proposição aberta:
p(n) ≡ n < 2n .
a) A proposição é verdade para n = 1 pois,
p(1) ≡ 1 < 21 é verdade.
b) Supondo que a desigualdade vale para um número natural n
temos:
p(n) ≡ n < 2n .
Para n+1 , do axioma da igualdade da Lógica Matemática, temos:
n + 1 = n + 1.
Como, ∀n ∈ N, 1 ≤ n temos:
n + 1 ≤ n + n.
De outra forma:
n + 1 ≤ 2n.
Como, por suposição, n < 2n temos:

254
Fundamentos da Matemática: Livro 1

n + 1 < 2.2n . 19
Usando propriedade das potências de mesma base temos: AULA

n + 1 < 2n+1 .
Daí, temos:
p(n + 1) = p(s(n)) ≡ n + 1 < 2n+1 é verdade.
Portanto:

1. p(1)

2. p(n) → p(s(n))

Do Primeiro Princípio da Indução Finita temos:


∀n ∈ N, p(n).
De outra forma:
∀n ∈ N, n < 2n . 

n(n + 1)
PROBLEMA 2: ∀n ∈ N, 1 + 2 + 3 + · · · + n = .
2
PROVA: Considerando a proposição aberta:
n(n + 1)
p(n) ≡ 1 + 2 + 3 + · · · + n = .
2
a) A proposição é verdade para n = 1 pois,
1(1 + 1)
p(1) ≡ 1 = , é verdade.
2
b) Supondo que a fórmula vale para o natural n ∈ N temos:
n(n + 1)
p(n) ≡ 1 + 2 + 3 + · · · + n =
2
Para n + 1 podemos escrever:
1 + 2 + 3 + · · · + (n + 1) = (1 + 2 + 3 + · · · + n) + (n + 1).
Como supomos que a proposição vale para o natural n ∈ N temos:
n(n + 1)
1 + 2 + 3 + · · · + (n + 1) = + (n + 1).
2
Operando a fração do lado direito da expressão temos:
n(n + 1) + 2(n + 1)
1 + 2 + 3 + · · · + (n + 1) = .
2
Simplificando temos:

255
Princípio da Boa Ordem

(n + 1)(n + 2)
1 + 2 + 3 + · · · + (n + 1) = .
2
Que pode ser reescrita como:
(n + 1)((n + 1) + 1)
1 + 2 + 3 + · · · + (n + 1) = .
2
Ou seja p(n + 1) = p(s(n)) é verdade.
Daí, temos:
p(n) → p(s(n)).
Como:

i - p(1)

ii - p(n) → p(s(n))

Do Princípio da Indução Finita temos:


∀n ∈ N, p(n).
Ou seja:
n(n + 1)
∀n ∈ N, 1 + 2 + 3 + · · · + n = .
2

Para finalizar, vamos a um problema em que, para sua solução, é


necessário o segundo princípio da indução finita.

PROBLEMA 3: ∀n ∈ N, n ≥ 2, n = p1 .p2 · · · pm em que m ∈ N


e p1 , p2 , . . . , pm são primos possivelmente repetidos.
PROVA: Considerando a proposição aberta:
p(n) ≡ n = p1 .p2 · · · pm
a) A proposição é verdade para n = 2 pois,
p(2) ≡ 2 = 2
em que m = 1 e p1 = 2.
b) Supondo que ∀k ∈ N, 2 ≤ k ≤ n, p(n) vale temos, para n + 1
dois casos:
Caso 1: n + 1 é primo. Neste caso:

256
Fundamentos da Matemática: Livro 1

p(n + 1) ≡ n + 1 = p1 19
E a proposição vale para n + 1. AULA

Caso 2 n + 1 não é primo. Neste caso:


n + 1 = a.b em que 2 ≤ a ≤ n e 2 ≤ b ≤ n.
Como ∀k ∈ N, 2 ≤ k ≤ n, p(n) temos:
a = p1 · · · pm e b = pm+1 · · · ps .
Daí, temos:
p(m + 1) = p1 · · · pm pm+1 · · · ps .
Ou seja p(n + 1) = p(s(n)) é verdade.
Daí, temos:
(∀k ∈ N, 2 ≤ k ≤ n, p(n)) → p(s(n)).
Como:

i - p(2)

ii - (∀k ∈ N, 2 ≤ k ≤ n, p(n)) → p(s(n))

Do Segundo Princípio da Indução Finita temos:


∀n ∈ N, p(n).
Ou seja:
∀n ∈ N, n ≥ 2, n = p1 .p2 · · · pm em que m ∈ N e p1 , p2 , . . . , pm são
primos. 

19.7 CONCLUSÃO

Concluímos que o Princípio da Boa Ordem corresponde a mossa


experiência do dia a dia, em qualquer conjunto de números naturais
um deles será o menor de todos.

257
Princípio da Boa Ordem

19.8 RESUMO

Nosso resumo hoje consta dos seguintes teoremas:

TEOREMA 1 ∀n ∈ N, n ≥ 1.

TEOREMA 2 ∀n ∈ N, n ≥ 1.

TEOREMA 3 ∀n ∈ N, @m ∈ N|n < m < s(n).

TEOREMA 4 ∀n ∈ N, n ≥ n.

TEOREMA 5 ∀m, n ∈ N, n ≥ m ∧ m ≥ n → m = n.

TEOREMA 6 ∀n ∈ N, ¬(a > a).

TEOREMA 7 ∀A ⊂ N, A 6= ∅, ∃a ∈ A|x ≥ a, ∀x ∈ A.

19.9 ATIVIDADES

Deixamos como atividades a demonstração de algumas proposi-


ções definidas sobre o conjunto N dos números naturais.

ATIV. 19.1. Mostre que: ∀n ∈ N, 7n − 1 é divisível por 6.


Comentário: Escreva a proposição aberta p(n) ≡ 6|7n − 1 (seis
divide 7n − 1) e use o princípio da indução finita.

ATIV. 19.2. Mostre que: ∀n ∈ N, 12 + 22 + 32 + · · · + n2 =


n(n + 1)(2n + 1)
.
6

258
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Comentário: Escreva a proposição aberta p(n) ≡ 12 + 22 + 32 + 19


n(n + 1)(2n + 1) AULA
· · · + n2 = e use o princípio da indução finita.
6

19.10 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

CARAÇA, Bento de Jesus. Conceitos Fundamentais da Matemáti-


ca. Livraria Sá da Costa. Editora Lisboa, 1984.
COELHO, Sonia Pitta, MILIES, Francisco César Polcino. Números
- Uma Introdução à Matemática. Editora EDUSP, terceira edição
2006.

259
1
LIVRO

Cardinalidade e
Conjuntos
20
AULA
Enumeráveis

META:
Estabelecer os conceitos de cardina-
lidade e de conjuntos enumeráveis.

OBJETIVOS:
Ao fim da aula os alunos deverão
ser capazes de:
Conceituar cardinalidade de con-
juntos.
Conceituar conjuntos enumeráveis.

PRÉ-REQUISITOS
Aula-16 os conhecimentos de
funções injetoras, sobrejetoras e
bijetoras.
Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis

20.1 Introdução

Caro aluno, chegamos à nossa última aula e para ercerrar-


mos nossa disciplina veremos cardinalidade e conjuntos enueráveis.
Trata portanto, de forma analítica, do problema da contagem, isto
é, um problema de comparação entre conjuntos. Este é, na ver-
dade, um dos problemas mais antigos que aguçaram a imaginação
dos seres humanos. Desde o tempo das cavernas a humanidade
percebeu a necessidade de contar: contar seus parentes, os animais
no rebanho etc. No bojo, o problema da cardinalidade arrasta o
problema da comparação de conjuntos infinitos. Vamos lá e boa
aula.

20.2 Cardinalidade de um Conjunto

Cardinalidade é a medida do tamanho de um conjunto, e se


tratando de um conjunto finito é o número de elementos do con-
junto. A saber:

Definição 20.1. Sejam A e B dois conjuntos. Dizemos que A e


B são equinumerosos, denotado A ∼ B, somente se existe uma
bijeção f : A 7→ B.

OBS 20.1. Se dois conjuntos são finitos e equinumerosos eles têm


o mesmo tamanho, no sentido em que podemos podemos empa-
relhar seus elementos. Mesmo conjuntos infinitos é possível, em
alguns casos, emparelhar seus elementos, como veremos mais adi-
ante no conceito de conjuntos enumeráveis.

Uma característica importante da equinumerosidade entre conjun-


tos é que a mesma trata-se de uma relação de equivalência, visto

262
Fundamentos da Matemática: Livro 1

que: 20
a) Para todo conjunto A, a função identidade I : A 7→ A, tal que AULA

∀a ∈ A, I(a) = a é uma função bijetora. Logo A ∼ A e a equinu-


merosidade de conjuntos tem propriedade reflexiva.
b) Para todos conjuntos A e B, se A ∼ B, existe uma bijeção
f : A 7→ B. Daí, como f é uma bijeção possui uma inversa
f −1 : B 7→ A que também é uma bijeção de B em A. Portanto,
B ∼ A. Logo A ∼ B → B ∼ A e a equinumerosidade de conjuntos
possui propriedade simétrica.
c) Para todos conjuntos A, B e C, se A ∼ B e B ∼ C, então
existem bijeções f : A 7→ B e g : B 7→ C. Daí, a composta
h : A 7→ C, dada por ∀a ∈ A, h(a) = g(f (a)), é uma bijeção de A
em C. Portanto, A ∼ C. Logo, A ∼ B ∧ B ∼ C → A ∼ C e a
equinumerosidade de conjuntos tem propriedade transitiva.
Dos ítens a) b) e c) acima concluimos que a equinumerosodade de
conjuntos é uma relação de equivalência.
Georg Cantor fez uma definição genial: dois conjuntos seriam de
mesma cardinalidade quando houvesse alguma bijeção entre eles.
E, a aparente obviedade deste conceito fica por conta de tudo pare-
cer extraordinário. A saber:

Definição 20.2. Sejam A e B dois conjuntos. Dizemos que A e B


são cardinalmente equivalentes isto é, têm mesma cardinalidade,
denotado |A| = |B| somente se: A ∼ B.

OBS 20.2. A definição acima diz apenas quando dois conjuntos


tem a mesma cardinalidade, sem no entanto, definir a cardinalidade
em si. Isto será feito em partes. Primeiramente definiremos classes
de equivalência de conjuntos.

263
Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis

A classe de equivalência de conjuntos equinumerosos pode ser defi-


nida por:

Definição 20.3. Seja A um conjunto. Definimos a classe de equi-


valência de A, denotada Ā por:
Ā = {X|A ∼ X}.

agora, podemos definir a cardinalidade de um conjunto como sua


classe de equivalência. Formalmente temos:

Definição 20.4. Seja A um conjunto. Definimos a cardinalidade


de A por:
def
|A| = Ā.

OBS 20.3. Os conjuntos A = {1, 2, 3} e B = {a, b, c} têm mesma


cardinalidade, já que a função f : A 7→ B dada por f (1) = a,
f (2) = b e f (3) = c é uma bijeção de A em B.

A definição 20.2 pode parecer prematura, no entanto, isto reflete


apenas formas diferentes de encarar o conceito de cardinalidade.
A primeira definição é um modo funcional de encarar a cardiali-
dade, enquanto que, a definição em si da cardinalidade incorpora a
noção de número cardinal (que mede o tamanho de um conjunto).
Normalmente só pensamos em conjuntos finitos e estas diferenças
podem parecer sem sentido.

20.2.1 Conjuntos Enumeráveis

Para conjuntos finitos o conceito de cardinalidade é excelente


e constitui-se em uma das noções comuns mais intuitivas. In-
tuitiva a ponto de ser compartilhada com muitos animais. Afi-
nal, experiências têm mostrado que alguns animais possuem a

264
Fundamentos da Matemática: Livro 1

noção de contagem embora limitada a um máximo de 6 (caso do 20


macaco). Porém, somente o homem concebe conjuntos infinitos. AULA

Quanto a isto, a noção predominante de quantidade que vinha dos


primórdios da civilização, acenava haver mais números naturais
que números pares. Um dos axiomas admitidos por Aristóteles
dizia que o todo é sempre maior que suas partes. Galileu Galilei
contudo, conhecia o fato de que existem tantos pares quantos os
naturais, postos emparelhados pela bijeção: f (n) = 2n, o que der-
rubava a crença de que o todo é sempre maior que suas partes, isto,
como vemos, não vale para conjuntos infinitos. No entanto, coube
a Cantor ser o primeiro Matemático a conceituar com precisão a
noção de conjunto infinito bem como, tratar da comparação de con-
juntos infinitos, introduzindo o conceito de conjunto enumerável.

Definição 20.5. Seja A um conjunto. Dizemos que A é um con-


junto enumerável, somente se A é vazio ou ∃ϕ ∈ Sobre(N, A).

OBS 20.4. A denominação “enumerável”, justifica-se pois, se A


não é vasio então ϕ(1), ϕ(2), ϕ(3), . . . é uma enumeração dos ele-
mentos de A.

Um outro conceito importante é o de numeração, definido da se-


guinte forma:

Definição 20.6. Seja A um conjunto. Dizemos que ϕ : A 7→ N é


uma numeração de A, somente se: ϕ ∈ Inj(A, N).

OBS 20.5. Veremos adiante, na forma do teorema 17.1 que, se


um conjunto é numerável então ele é enumerável. Muitas vezes é
mais fácil mostrar que um determinado conjunto é numerável.

Com base na observação acima, vejamos alguns exemplos de con-


juntos enumeráveis:

265
Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis

Exemplo 20.1. O conjunto A = N × N é enumerável. Basta


mostrar (veja as atividades) que a numeração de Göedel ϕ : N ×
N 7→ N dada por ϕ(k, n) = 2k 3n é uma função injetora de N × N
em N.

Exemplo 20.2. O conjunto A = Z dos números inteiros é enu-


merável.Basta mostrar que a função ϕ : N 7→ Z dada por:
 k, n = 2k + 1, k = 0, 1, 2, . . .
ϕ(n) =
 −k, n = 2k, k = 0, 1, 2, . . .
é injetora. Os primeiros valores de ϕ(n) são: ϕ(0) = 0, ϕ(1) =
1, ϕ(2) = −1, ϕ(3) = 2, ϕ(4) = −2, · · · .

20.2.2 Algumas Demonstrações

Veremos agora, algumas demonstrações de propriedades de con-


juntos enumeráveis.

Teorema 20.1. Seja A uma conjunto infinito. A é enumerável


se, somente se, existe ϕ ∈ Inj(A, N).

PROVA: Dividimos a demonstração em duas partes.


a) Primeiramente vamos mostrar que se A é enumerável então e-
xiste uma função injetora de A em N. Faremos isso, definindo uma
tal função.
Da definição de conjunto enumerável, existe ϕ ∈ Sobre(N, A).
Seja h : A 7→ N, dada por:
∀a ∈ A, h(a) = k em que ϕ(k) = a ∧ ∀n ∈ N|ϕ(n) = a, k ≤ n.
Isto é, k é o menor número natural associado a cada a ∈ A. Como
ϕ é sobrejetora, a função h está portanto bem definida.
Por outro lado, da definição de h temos:
∀a, b ∈ A, h(a) = h(b) → ϕ(h(a)) = ϕ(h(b)) → a = b.

266
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Daí, ∀a, b ∈ A, h(a) = h(b) → a = b. 20


Portanto, h ∈ Inj(A, N). AULA

Logo, se A é enumerável então existe h ∈ Inj(A, N).


b) Em segundo lugar vamos mostrar que se existe uma função
injetora de a em N então A é um conjunto enumerável.
Seja h ∈ Inj(A, N) uma função injetora. Como A 6= ∅ então
∃b ∈ A. Vamos então definir uma outa função ϕ : N 7→ A dada
por: 
 a, ∃a ∈ A|h(a) = n
ϕ(n) =
 b, @a ∈ A|h(a) = n
Como h é injetora, para cada a ∈ A existe no máximo um n ∈ N
tal que h(a) = n. Daí, a função ϕ está bem definida.
Por outro lado, como h está definida para todo a ∈ A, a função ϕ
é naturalmente uma função sobrejetora.
Daí, A é um conjunto enumerável.
Logo, se existe h ∈ Inj(A, N) então A é enumerável.
Dos ítens a) e b) temos que: A é enumerável, somente se existe
h ∈ Inj(A, N). 
Como conseqüência do teorema acima temos dois corolários. O
primeiro deles pode ser usado como uma definição alternativa de
conjuntos enumeráveis. A saber:

Corolário 20.1. Seja A uma conjunto infinito. A é enumerável


se, somente se, existe ϕ ∈ Bij(A, N).

Corolário 20.2. Sejam A e B conjuntos infinitos e enumeráveis


então existe ϕ ∈ Bij(A, B).

O teorema a seguir, consideramos uma obra prima de Georg Can-


tor, trata da comparação entre qualquer conjunto e o conjunto de
suas partes.

267
Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis

Teorema 20.2. Seja A um conjunto então |A| < |P(A)|.

PROVA: Este teorema equivale a dizer que não existe nenhuma


função sobrejetora de A em P(A). Portanto, vamos tomar a
hipótese nula:
HN ∃ϕ ∈ Sobre(A, P(A)).
Definindo o conjunto:
def
X = {x ∈ A|x ∈
/ ϕ(x)}.
Como pela definição X ⊂ A temos:
X ∈ P(A).
Daí, como de HN ϕ é sobrejetora temos:
∃m ∈ A|X = ϕ(m).
Consideraremos então dois casos:
Caso 1 m ∈ X.
Neste caso:
m∈X→m∈
/ ϕ(m) → m ∈
/ X.
Logo:
(m ∈ X) ∧ (m ∈
/ X).
Absurdo.
caso 2 m ∈
/ X.
Nste caso:
m∈
/ X → ¬(m ∈
/ ϕ(m) → m ∈ ϕ(m) → m ∈ X.
Logo:
(m ∈ X) ∧ (m ∈
/ X).
Absurdo.
Portanto, HN é falsa e:
@ϕ ∈ Sobre(A, P(A)).
Concluimos que:
|A| < |P(A)|. 

268
Fundamentos da Matemática: Livro 1

OBS 20.6. O teorema acima mostra que a cardinalidade de um 20


conjunto é sempre menor que a cardinalidade do conjunto das parte AULA

do conjunto. Em particular, isto quer dizer que P(N) é um con-


junto infinito maior que N. Coisa impensável antes de Cantor. O
teorema acima, também nos dá uma forma de construir conjun-
tos infinitos com cardinalidades cada vez maior. Como exemplo
P(P(N)) tem cardinalidade maior que P(N), que por sua vez
tem cardinalidade maior que N.

Teorema 20.3. O conjunto X = (0, 1) ⊂ R não é enumerável.

PROVA: Suponhamos por absurdo que X seja um conjunto enu-


merável e que ϕ : N 7→ X seja uma enumeração de X. Como
X = (0, 1) são os reais entre zero e um, podemos usar represen-
tação decimal para escrever todos os elementos de X. Deste modo:

ϕ(0) = 0, x01 x02 x03 x04 · · ·


ϕ(1) = 0, x11 x12 x13 x14 · · ·
ϕ(2) = 0, x21 x22 x23 x24 · · ·
ϕ(3) = 0, x31 x32 x33 x34 · · ·
.. ..
. .

Aqui, xkn representa a n-ésima casa decimal de ϕ(k). Podemos


agora, criar um número decimal x ∈ X de modo que: x = 0, a1 a2 a3
a4 a5 a6 · · · em que an é a e-ésima casa decimal de x e que escolhe-
mos 
 0, xnn 6= 0
an = Construido deste modo temos que x ∈ X e
 1, x = 0
nn
também que ϕ(n) 6= x, ∀n ∈ N e portanto x escapa da enumeração
de X, não importando que seja a função ϕ, o que representa um
absurdo. Logo X é não enumerável. 

269
Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis

Terminaremos nossa aula com o seguinte teorema:

Teorema 20.4. O conjunto R dos números reais é não enumerável.

PROVA: Basta ver que a função f : (0, 1) 7→ R dada por:


f (x) = tan(π(x − 1/2))
é uma bijeção de X = (0, 1) em R.
Daí, se R fosse enumerável X também o sería. .
Chegamos ao fim de nosso curso. Espero que você tenha gostado
e que nossas aulas tenham possibilitado a você uma idéia, ainda
que superficial, do que são os Fundamentos da Matemática.

20.3 CONCLUSÃO

Caro aluno, na aula de hoje, podemos cuncluir que conjuntos


infinitos também podem ser comparados. Existem conjuntos in-
finitos maiores que outros; infinitos mais infinitos que outros por
assim dizer. O conjunto das partes de um conjuto é maior que o
conjunto, seja ele infinito ou não. Agora completamos 100% do
curso de Fundamentos da Matemática. Até breve.

20.4 RESUMO

Nosso resumo consta das seguintes definições e teoremas:

Definição de equinumerosidade:
Definição: Sejam Ae B dois conjuntos. Dizemos que A e B são
equinumerosos, denotado A ∼ B,somente se existe uma bijeção
f : A 7→ B.
Definição de equivalência de conjuntos por equinumerosidade:

270
Fundamentos da Matemática: Livro 1

Definição: Sejam A e B dois conjuntos. Dizemos que A e B 20


são cardinalmente equivalentes isto é, têm mesma cardinalidade, AULA

denotado |A| = |B| somente se: A ∼ B.


Definição de classes de equivalência de conjuntos por equinumerosi-
dade:
Definição: Seja A um conjunto. Definimos a classe de equivalên-
cia de A, denotada Ā por:
Ā = {X|A ∼ X}.
Definição de cardinalidade:
Definição: Seja A um conjunto. Definimos a cardinalidade de A
por:
def
|A| = Ā.
Definição de conjunto enumerável:
Definição: Seja A um conjunto. Dizemos que A é um conjunto
enumerável, somente se A é vasio ou ∃ϕ ∈ Sobre(N, A).
Definição de numeração:
Definição: Seja A um conjunto. Dizemos que ϕ : A 7→ N é uma
numeração de A, somente se: ϕ ∈ Inj(A, N).
Teorema:
Seja A uma conjunto infinito. A é enumerável, somente se, existe
ϕ ∈ Inj(A, N).
Corolário:
Seja A uma conjunto infinito. A é enumerável, somente se, existe
ϕ ∈ Bij(A, N).
Corolário:
Sejam A e B conjuntos infinitos e enumeráveis então existe ϕ ∈
Bij(A, B).
Teorema:

271
Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis

Seja A um conjunto então |A| < |P(A)|.


Teorema:
O conjunto X = (0, 1) ⊂ R não é enumerável.
Teorema:
O conjunto R não é enumerável.

20.5 ATIVIDADES

Deixamos como atividades a demonstração dos seguintes pro-


blemas:
n
ATIV. 20.1. Seja ϕ : N 7→ Q dada por: ϕ(n) = . Mostre
1+n
n
que ϕ é injetora e portanto A = {z ∈ Q|z = , ∀n ∈ N} é um
1+n
subconjunto infinito enumerável de Q.
Comentário: Reveja a aula-15 sobre tipos de funções. Especial-
mente a parte de demonstrações de que certas funções são inje-
toras.

ATIV. 20.2. Mostre que numeração de Göedel dada por ϕ :


N × N 7→ N dada por ϕ(k, n) = 2k 3n é uma função injetora de
N × N em N e conclua que o conjunto N × N é enumerável.
Comentário: Reveja a aula-15 sobre tipos de funções. Especial-
mente a parte de demonstrações de que certas funções são inje-
toras. Notem também que 3a 2b = 1 ↔ a = 0 ∧ b = 0.

20.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CARAÇA, Bento de Jesus. Conceitos Fundamentais da Matemáti-


ca. Livraria Sá da Costa. Editora Lisboa, 1984.
COELHO, Sonia Pitta, MILIES, Francisco César Polcino. Números

272
Fundamentos da Matemática: Livro 1

- Uma Introdução à Matemática. Editora EDUSP, terceira edição 20


2006. AULA

273