Você está na página 1de 1

AS CRISES DA LINGUAGEM EM RIMBAUD E MALLARM A PARTIR DE GEORGE STEINER

a ruptura da aliana entre a palavra e o mundo que constitui uma das muito
poucas revolues do esprito na histria do Ocidente e que assim define a prpria
modernidade. (George Steiner)

A modernidade, para George Steiner, reveste-se de uma decadncia cultural que leva, fruto
de uma crise de valores e moralidade, naturalmente decadncia da linguagem.

Ainda que para este autor no haja limites nem fronteiras para a linguagem, esta est
integrada dentro de uma organizao estruturada, que define o que so as palavras e aquilo
que representam. No entanto, Steiner considera que a palavra, uma marca fontica, no tem
nenhuma relao com aquilo que representa no sentido em que no existe na sua
composio tome-se a palavra rosa, por exemplo nada que corresponda ao objecto que
se imagina que tal palavra refere (uma palavra no tem espinhos, nem caule, nem ptalas,
etc.)

George Steiner tem, assim, uma viso algo cptica que o aproxima das ideias de Stphane
Mallarm para quem o uso da palavra como correspondncia ao real, a um objecto concreto,
no passa de um comportamento ilusrio, impuro, revestido de runa.

Mallarm encara o Logos de uma forma crtica, afastando-o de referncias exteriores,


criando uma desordem que parte de uma ausncia real contrapondo-se assim presena
real do Logos ordenado. Stphane Mallarm reduz a palavra a uma servido que resulta na
quebra entre a linguagem e o mundo.

A modernidade , ento, definida pelo isolamento, na linguagem, de significado e


significante, por um perodo de ps palavra caracterstico da degenerao do simbolismo
da poesia moderna de Mallarm e Rimbaud.

Em Arthur Rimbaud a desconstruo do eu aponta para uma crise do sujeito, uma auto
destruio perceptvel na frase Je est un autre, um eu um pouco incoerente mas que acaba
por ser fundamental para a separao de palavra e mundo, para a modernidade que
confronta a tradio. Rimbaud subverte violentamente o sentido clssico da palavra eu,
despersonalizando-o.

Assim Mallarm e Rimbad ultrapassam os limites da linguagem servindo-se do pensamento


e da auto conscincia criadora para apontarem as causas da runa do mundo e dos seus
valores.

BIBLIOGRAFIA

STEINER, George Presencias Reales. Compaia Editora Espasa Calpe Argentina S.A,
Buenos Aires, 1993

STEINER, George Extraterritorial. A Literatura e a Revoluo da Linguagem. Companhia


das Letras, Editora Schwarcz Ltda., So Paulo, 1990

Marisa Colao