Você está na página 1de 62
INTRODUGAO Pré-Teste .. Objetivo e Espirito do Curso . Requisitos Gerais da Criagao Mental ... Importancia e Necessidade de Teoria .. Importancia e Necessidade de Pratica Nossa Recomendacao Quanto a Teoria e Pratica Como Fazer o Curso es A Arte de Estudar © Elemento Compreensao .. © Elemento Memorizacdo © Elemento Assimilagao Uso dos Cassetes . Sumario. MODULO | - PRIMEIRA PARTE Pré-Teste . . © Cosmo e o Ser Humano.. A Mente Césmica .... © Campo Césmico ... Leis Cosmicas .. Energias Césmicas © Ser Césmico . Observagées Especi llustragoes ‘Sumario... MODULO | - SEGUNDA PARTE Pre-Teste 3 4 © Principio de Criatividade no Campo Cosmico A Nogao de Criagdo. A Nogao de “Nada”. A Esséncia © Silogismo Basico da Criagao Mental A Mente Humana ...... Mente Gonsciente ...... Mente Subconsciente Observacoes Especiais ... Mlustragdes s ‘Sumario .... (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL, MODULO! INTRODUGAO, Pré-Teste Nao nos envie suas respostas as perguntas abaixo. Elas se destinam a que vocé faga uma auto-avaliagdo de suas expectativas e do seu estado de conhecimento antes de entrar na situagao de aprendizagem que Ihe vamos propor. Isto € particularmente importante neste caso, por se tratar de um curso que nao sora desenvolvido “ao vivo”, com acompanhamento pessoal direto. Em outras palavras, 6 necessdrio que vocé tome consciéncia de suas nodes aeste respeito, para que tenda naturalmente a confronta-las com as do Curso. Isto resultaré em conscientizagao mais forte das alteragdes que deva fazer em suas nog6es (do ponto de vista deste Curso) e também om reforgo (positive no tocante a motivaco) dos pontos em que suas nogdes sejam concordantes com as do Curso. Faremos constar um pré-teste deste tipo antes de cada parte de cada Médulo (conjunto de apostila e cassete) deste Curso. Se vocé se sentir inclinado a dar respostas mais extensas, faga-o em folhas de papel a parte e junte-as a este formulério, para que possa confrontar suas respostas completas com nossas exposicdes e nossos esclarecimentos. E, se vocé nao tiver nenhuma resposta a dar a alguma pergunta de pré-teste, deixe-a em branco (nao faca pesquisa para responder); isto também sera ut para sua auto-avaliacao. AVA 1. Se vocé ja tem alguma nogao ou algum conhecimento do assunto, Que € CRIAGAO MENTAL? 2. Que espera vocé de um Curso de Criagéo Mental? 3. Por que vocé acha que o ser humano é capaz de criar mentalmente? a youn nos acauz ne cRIAGAO MENTAL 4. Vocé acha que ha algum limite para essa capacidade de criagdo mental do ser humano? 5. Que 6 a mente humana, afinal? Esté ela estruturada de algum modo? Como (quais sao suas “divisées")? 6. Admitido 0 poder de criagéo mental do ser humano. quais sao as possiveis aplicagdes do mesmo (na sua _ vida particular, principaimente)? 7. Como se deve estudar? (Tente citar trés requisitos fundamentais de um estudo completo e bem aproveitado.) 8. Vocé acha que teoria é importante? Necessdria? Por qué? E pratica? AVA (CURSO ROSACAUZ DE CRIAGAG MENTAL Objetivo e Espirito do Curso Nosso tema é a criagdo mental. Todo ser humano civilizado sabe por experiéncia direta de vida que ele 6 um ser mental (capaz de pensar, por exemplo) @ tem alguma nogao pratica do que seja criar. O que nem todo individuo sabe, porém, 6 que, como ser humano, ele é capaz de criar mentalmente; isto 6, de usar as faculdades mentais que conhece na pratica (através daquela experiéncia direta), de certo modo, com o objetivo de fazer existirem ou acontecerem coisas e situagdes em sua vida. Em outras palavras, a criagéo mental néo 6 um conhecimento inato © consciente no ser humano em geral. Na verdade, relativamente poucos individuos humanos j4 adquiriram esse conhecimento. Nosso objetivo com este Curso é precisamente colocar essa informagao a disposigao de muitas outras pessoas, indicando-lhes o modo certo de se fazer uma criagao mental. © espirito com que fazemos isto se revelard explicita implicitamente no desenrolar do préprio Curso. Podemos adiantar, nao obstante, que nos anima 0 empenho de contribuir para o ideal de evolugéo da humanidade, através do esforgo de tornar os individuos que a compéem mais esclarecidos quanto a suas potencialidades como seres humanos e mais desenvolvidos no uso volitivo e consciente dessas potencialidades. Isto esta em perfeita consonancia com 0s ideais e objetivos da propria Ordem Rosacruz, AMORC; mais ainda, com sua razao de ser. AVA Iniciamos aqui os conjuntos de perguntas que serao inseridos ao longo de todo 0 texto deste Curso. Vocé deverd tentar respondé-las, de preferéncia a lépis, e comparar suas respostas com o trecho correspondente do texto acima das perguntas; deverd entao corrigir e completar suas respostas. Se achar muito dificil trabalhar assim, leia as perguntas e procure as respostas no texto (mas tente respondé-las antes). Instrugao mais detalhada a este respeito seré dada mais adiante, nesta Introdugao. AVA — A criagao mental é um conhecimento inato em todo ser humano? — Qual é 0 objetivo deste Curso? a fa EB a Com que espirito 0 oferecomos? a we se a a ee Requisitos Gerais da Criacao Mental E evidente, em fungéio do que foi dito anteriormente, que a erlagao mental consciente e volitiva requer esclarecimento (conhecimento correto) & desenvolvimento de uma aptidao natural. Ou seja, € necessério primeiro que o individuo adquira nogées ou fundamentos quanto & sua propria constituigaéo mental ou estrutura psiquica, quanto as faculdades do seu ser que deverd usar na criagdo mentale, segundo, que ele desenvolva a necessaria habilidade nesse uso particular ou especial de tais faculdades. A aptidao basica 6 humana: a habilidade especifica é individual. Isto @, todo ser humano & potencialmente criador, mas os individuos precisam aprender a criar. ‘S40 dois, portanto, os requisitos gerais da criacéo mental: conhecimento e desenvolvimento. O primeiro exige esiudo; o segundo, trabalho (exercicio). Por isto nosso Curso tem uma parte teérica (informagdes e explicagbes) & uma parte prética (exercicios demonstrativos). Isto parece evidente, parece dispensar maiores explicages, mas preferimos desenvolver e enfatizar desde jd a importancia © necessidade destes dois requisitos gerals, para que © estudante possa se situar 0 mais corretamente possivel ante 0 Curso € aproveitd-io ao maximo. AVA — Que 6 necessério para a criagéo mental consciente @ volitiva? ee a TT — Quais so entao os dois requisitos gerais da criagdo mental? SO Oe (CURSO ROSACRUZDE CRIAGAOMENTAL ts Que exige o primeiro? E 0 segundo? aa = Como atende o Curso a estes requisitos? AVA Importancia e Necessidade de Teoria Muitas pessoas tém aversdo a estudos tedricos. Isto pode ser devido a sua prépria constituigo mental e organica, a nao terem elas aprendido o valor desses estudos, e a no terem adquirido o habito de estudar. Essas pessoas perguntam: “que devo fazer’? Querem entao receber instrugées praticas diretas, sem quaisquer explicagées, e se pér a trabalhar, ansiosas por resultados imediatos. E natural que uma pessoa que nao se desenvolveu no trabalho mental ou intelectual de esiudar sinta aversao por isto e encontre dificuldade para fazé-lo. Mas este fato nao anula o valor do estudo teérico, que leva o individuo a mais profunda assimilagao e conscientizagéo dos fundamentos de sua pratica, tornando-o mais poderoso, seguro e eficaz, na mesma. Por um lado, existem realmente tipos de aprendizagem que dispensam explicagao te6rica de fundamentos. Isto se deve a que 0 conhecimento da natureza dos fendmenos envolvidos na pratica ¢ irrelevante, dado o carater exclusivamente utilitario desta ultima. Por exemplo, ninguém precisa conhecer a fisico-quimica da combustdo por atrito, nem @ quimica da composigao de um fosforo e de sua Teagdio ao ser atritado na caixa, para aprender a utilizar 0 fosforo na pratica e obter fogo. Num caso como este, basta que se saiba o que fazer. Por outro lado, estender oxtremadamente esses casos particulares a toda e qualquer aprendizagem 6, em primeiro lugar, condenar-se a insucesso em muitas aprendizagens importantes e, em segundo lugar, deixar de reconhecer que a propria evolugao da humanidade resultou de mais do que um processo puramente pratico de tentativa e foi impuisionada pelo crescente ¢ progressive uso da racionalidade pelos seres humanos. 14 (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL — Por que hd pessoas que tém aversao a estudos tedricos? Cite tras, causas. — Qual é 0 proveito de um estudo teérico, como base para uma pratica? ava Importancia e Necessidade de Pratica Outras pessoas sentem forte fascinio por estudos tedricos, mas néo se dispéem a qualquer trabalho sistematico para desenvolvimento e aplicagao Prética. Os motivos sao semelhantes aos do primeiro caso. Com efeito, isto pode ser devido & constituigao mental e organica dessas pessoas; a nao se terem elas conscientizado de que nada existe de fato “em teoria”, ou seja, de que qualquer coisa sé existe realmente “em pratica”; © a ndo terem elas adquirido 0 habito de trabalhar sistematicamente para desenvolver habilidades. Como no caso anteriormente abordado, é natural que uma pessoa que néo desenvolveu 0 poder da vontade (ou a forga de vontade) e a autodisciplina necessérios a esse trabalho sistemdtico sinta aversio a ele © encontre dificuldade para sustentd-lo com a regularidade que se impde a qualquer aprendizagem com desenvolvimento de habilidades. As pessoas deste tipo perguntam: “Que 6 isto? Como ¢ isto? Como se oxplica isto?” Querem entao receber explicagdes, tao completas, detalhadas e profundas quanto possivel, mas absolutamente ndo se dispdem a trabalhar a fim de se tornarem hdbeis para fazer. Em muitos casos, nem se interessam em saber o que se pode © deve fazer na pratica; em outros, tomam-se de algum interesse tedrico neste particular, isto 6, tornam-se aptas a responder a pergunta: “que se deve fazer para realizar isso na pratica”? Ora, quaisquer que sejam as justificativas, neste caso, elas ndo anulam o fato ja mencionado de que NaoA existe EM TEoRIA. Alias, quanto mais subjetiva ¢ uma aprendizagem, e quanto mais subjetiva 6 a aplicacdo do seu resultado (a habilidade aprendida e desenvolvida), mais 6 importante a profunda assimilagao do conhecimento de causa e razao de ser; mas, por outro lado, mais importante € também a experiéncia pessoal a ser adquirida pela prdtica. Precisamente devido ao carater subjetivo da aprendizagem, ndo é possivel reduzi-la a instrugdes concretas, como a de manipulagao de objetos. O que se pode fazer € oferecer um modelo teorico (explicagao, teoria) e dar uma orientagao pratica baseada em experiéncia ja CURSO ROSACRUZ DE CRIACAO MENTAL adquirida e comprovada, a fim de que cada individuo possa fazer tentativas mais proveitosas e adquirir sua propria experiéncia, individual e intransferivel (diretamente). Este é tipicamente o caso de uma aprendizagem como a da criagéio mental, como ficara evidente ao longo deste Curso. AVA — Por que ha pessoas que gostam de estudos tedricos mas nao se dispdem a coloca-los em pratica? No caso de uma aprendizagem subjetiva (nao concreta), por que a pratica 6 particularmente importante? AVA Nossa Recomendagao Quanto a Teoria e Pratica Por conseguinte e em suma, as pessoas que S6 fizerem 0 estudo teérico deste Curso ficarao informadas sobre 0 que é criagao mental e o que se deve fazer para este fim; mas n&o se tornardo aptas a fazer criacées mentais. Por outro lado, aquelas que desprezarem o estudo tedrico e s6 se interessarem pelas tentativas praticas poderdo ter algum éxito em fazer criagées mentais, mas estarao sujeitas a errar mais e sua eficacia sera menor. Por isto recomendamos desde jé & pessoa interessada neste Curso que estue a parte tedrica (nao apenas leia, como quem |é um romance) e praTique oS exercicios e a técnica basica de criagao mental. Para ajuda-la, tentaremos reduzir as explicagGes tedricas a um minimo fundamental, evitando exposiges abstratas e filosoficas longas demais (algumas exposigdes deste género seréo necessdrias). Procuraremos também usar uma linguagem relativamente simples, jA de dominio publico, que possa ser compreendida e assimilada por qualquer pessoa de cultura média, sem recorrermos a conhecimento especializado nos diversos campos das ciéncias ffsicas, bioldgicas e psicolégicas. Usaremos a constituigao ou estrutura da mente adotada pela Ordem Rosacruz, AMORC, porque 6 simplificada (e a simplificaremos ainda mais neste Curso) e permite o emprego daquele tipo de linguagem. mec nosacauz DECRIAGAOMENTAL — Que obtera a pessoa que sé estudar a parte tedrica deste Curso? E a pessoa que sé fizer a parte pratica, sem estudar a teoria? — Qual é a nossa recomendagao final a este respeito de teoria e pratica? AVA Como Fazer 0 Curso Em primeiro lugar, enfatizamos que esta publicacao da Ordem Rosacruz, AMORC, é um curso. Portanto, este material destina-se a ser estudado e, nao, lido de maneira continua, sem trabalho de assimilagdo. A atitude do “leitor” deve ser de estudo e, por isto mesmo, ele é chamado de estudante, no texto. Ora, muitas pessoas desenvolveram-se na arte de estudar, ao longo de sua formagaio escolar. Muitas outras, porém, nao tiveram chance de fazé-lo ou 0 fizeram de maneira defeituosa. Como a Ordem Rosacruz, AMORC, é uma instituigao educacional, cabe-nos oferecer uma breve orientagao a estas, pessoas que ainda néo sabem estudar ou ndo foram corretamente iniciadas nesta arte. Mesmo porque, se este material nao for devidamente estudado, seu aproveltamento sera precario ou mesmo nulo. Ava A Arte de Estudar Estamos usando aqui a palavra arte, para ndo reduzirmos este trabalho (de estudar) a uma espécie de técnica universal, aplicavel exatamente do mesmo modo para todas as pessoas. E preciso sempre levar em conta que, se somos. semelhantes como seres humanos, estamos diferenciados como (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL individuos. Por conseguinte, aprendida uma técnica basica ou, pelo menos, aprendidos os elementos que a devem constituir, cabe a cada individuo interessado em estudar usar sua propria experiéncia para fazer os ajustes apropriados a suas caracteristicas individuais, transformando assim essa técnica numa arte. Passamos entao a apontar esses elementos, considerando que, por outro lado, nao nos cabe aqui uma exposicao detalhada e desenvolvida de uma técnica de estudo. Sao trés esses elementos basicos: compreensao; = memorizacao; = assimilagao. Ava — Por que usamos a palavra arte, relativamente ao estudo? — Quais s4o os elementos basicos de um estudo completo? AVA O Elemento Compreensao Um estudo como este que vamos fazer tem por finalidade a aquisigao e a aplicagao de um conhecimento. Para isto, o primeiro passo. ou a providéncia de partida, é a obtencao da informagao necessaria. No nosso caso, isto serd feito através de leitura. Mas esta leitura precisa ser compreendida; isto 6, ndo se trata de uma leitura para mero deleite momentaneo, distragao, ou qualquer outra finalidade passageira. Em outras palavras, a simples leitura nao dotard o individuo da verdadeira informagao, como elemento basico do conhecimento que ele deseja obter e aplicar. Assim sendo, cabe ao individuo realmente interessado em adquirir esse conhecimento trabalhar de modo que adquira de fato uma informacao compreendida. \sto significa que ele devera ler com “preocupacao” wu ROSACALZ DE CRIAGAO MENTAL constante de significado. Por exemplo, deverd procurar num bom diciondrio ounuma enciclopédia (conforme 0 caso) o significado de toda palavra que nao conhega ou cujo sentido nao consiga inferir do seu uso no texto. De nossa parte, procuraremos detinir todos os termos especiais (terminologia especifica deste Curso) © mesmo algumas palavras de uso nao generalizado. Por outro lado, para nao redigirmos 0 texto do Curso tao didaticamente que ele se tornasse “mecanico” e “frio”, colocamos essas definiges, em parte, no fluxo natural da exposigao (com freqiiéncia entre parénteses), quando do primeiro uso de uma dessas palavras incomuns no texto. Por isto a leitura deveré ser muito atenta, com aquela “preocupacao” de significado. Os vocdbulos que constituem a terminologia especifica do Curso esto destacados de varios modos (com letras maitisculas, por exemplo), bem como as correspondentes definicdes. Além disso, para ajudar o estudante nesse elemento de compreensao e mesmo induzir seu trabalho neste sentido (quebrando também a monotonia do estudo tedrico), inserimos perguntas no texto, em seguida a trechos de extensdo varidvel. As respostas esto contidas no trecho correspondente as perguntas e encerram os pontos basicos que o estudante nao deve deixar de aprender. Uma das diferengas entre leitura e estudo esta em que, a cada trecho que cantém um conjunto completo de idéias, ou em que sao apresentadas novas nogoes, etc., o estudante deve suspender a leitura e se perguntar, “que li?” ¢ “que significa isso que li” ? Nossas perguntas inseridas no texto vao ajuda-lo neste trabalho. Ainda com referéncia a esse elemento de compreensao, recorremos também a.um pré-teste para cada parte do Curso e a ilustragées no final de cada parte (numa sinopse simbOlica dos pontos principais), entre outras coisas. A finalidade mais especifica dos pré-testes esta explicada logo no primeiro deles, como vocé ja viu no inicio desta Introdugao. Quanto as ilustragdes, destinam-se a auxilid-lo em seu trabalho de assimilagao dos fundamentos da criagao mental. ava — Com que “preocupacao" constante vocé deve ler o texto deste Curso? — Que encerram as respostas a perguntas como estas que vocé esta respondendo? ee CURSO ROSAGRUZ DE CRIAGAO MENTAL tn — Que outros recursos empregamos para ajudd-lo na compreensao deste Curso? AVA O Elemento Memorizagao Quanto ao elemento memorizagao, trata-se de que o estudante registre em sua mente os pontos basicos da teoria e das instrugoes praticas do Curso. Naturalmente, nao se pretende que ele memorize as frases propriamente; o importante 6 que aprenda as /déias que tentamos transmitir através delas. E claro também que ele deveré memorizar certas palavras e seus significados, visto que elas constituem a terminologia escolhida para o Curso. Os recursos que usamos para o elemento compreensao iro ajuda-lo tambem neste particular. AVA = Que deve vocé memorizar do texto deste Curso? AVA O Elemento Assimilacéo O terceiro elemento, para o qual escolhemos o termo assimilagao, significa que 0 estudante deve adquirir um conhecimento que se torne DELE. Isto 6, ndo apenas uma informagdo que ele seja capaz de repetir de memoria, mas, um conjunto de nogées, idéias, conceitos, que ele se torne apto a usar criativamente. Quer dizer, ele deve se tornar a tal ponto senhor desse conhecimento que possa dar ao mesmo uma expresso diferente, propria, individual, em outros termos. Assim, deve ser capaz de explicar o que aprendeu a uma outra pessoa, ajustando a linguagem ao vocabuldrio e a outras caracteristicas dessa pessoa. Alids, ai esta um bom recurso para assimilagao: imaginar que tem de explicar o que aprendeu a alguém que nao pode compreender a explicagao nos termos em que a aprendeu. O conhecimento assimilado deve ser também criativo no sentido de que o individuo tenha se tornado capaz de desenvolvé-lo, complementa-lo, amplia-lo, 20. —— CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL e aplicd-lo a diferentes situagdes. Nossos recursos jé mencionados contribuem para isto, além dos exercicios especiais através dos cassetes. O ponto importante esta em que o estudante deve trabalhar a informagao compreendida e memorizada, para que ela se transforme em experiéncia pessoal. E isto que faz o verdadeiro conhecimento: EXPERIENCIA PESSOAL. Isto se constata em outros estudos, como o de Matematica e Fisica, em que a assimilagdo se faz através de exercicios, ou da resolugao de problemas, e de aplicagées praticas. AVA — Que significa assimilagao como elemento de um estudo completo? — De que modos 0 conhecimento assimilado deve ser criativo? Cite dois. AVA Em forma de instrugao pratica, vamos agora resumir como voce devera fazer este Curso. 1. Para cada parte do Curso, faca o pré-teste. Instrugdes especificas esto inseridas no mesmo. 2. Leia cada trecho do texto que precede um conjunto de perguntas. Suspenda a leitura e tente responder as perguntas sem consultar o trecho. Compare depois suas respostas com as que estado contidas no préprio texto. Responda as perguntas que nao tenha conseguido responder da primeira vez e corrija as que tenha respondido errado. (O uso de lapis é recomendavel.) Por raz6es econémicas (menor custo do Curso), em alguns casos o espago previsto para resposta é pequeno. Em parte vocé pode resolver isto usando somente as palavras principais, sem formar frases completas (um bom exercicio e até ajuda a assimilacdo). Se nao puder fazer isto, use folhas de papel a parte do texto (com o cuidado de identificar as perguntas). 3. Tendo terminado 0 estudo de uma parte do Curso, como indicamos acima, vocé encontrara uma ou mais ilustragdes (desenhos). Conforme instruimos na primeira delas, vocé devera analisar as ilustragées, procurando (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL ee reconhecer nelas 0 ensinamento basico da parte lida, SEM CONSULTAR OTEXTO. E recomendavel que anote sumariamente sua andlise. Depois, devera ler a explicagdo das ilustragées, que encontraré na pagina ou nas paginas seguintes. Naturalmente, vocé jA deve ter percebido que, como este 6 um curso feito pelo proprio individuo, sem um instrutor, vocé serd induzido a fazer uma freqiiente auto-avaliagdo. Em seu proprio interesse, faca isto com rigor e seriedade. 4. Neste Curso, com freqiiéncia uma explicagao tedrica é seguida de um exemplo ou uma analogia, como se costuma fazer em qualquer curso. Recomendamos que vocé leia a explicagao tedrica, estude a analogia ou © exemplo e, depois, leia de novo a explicagao tedrica, que se tornaré entdo mais clara ou compreensivel. ‘Ao término de cada parte do Curso, apés as ilustragdes e suas explicagées, fizemos constar um Sumario da matéria estudada. Ele servira para vocé fazer consultas e revis6es rapidas. Além disso, ajudara 0 trabalho de assimilagao, evidenciando melhor a sequéncia basica e didatica da exposigao da matéria. Por isto, recomendavel que vocé o estude uma primeira vez apés 0 trabalho com as ilustragées; isto, alias, auxiliara em trabalhos posteriores de consulta e pesquisa. AVA Responda mentaimente as perguntas abaixo. — Que deverd vocé fazer antes de cada parte do Curso? — Como devera proceder quanto as perguntas inseridas no texto? — Que deverd fazer quanto as ilustragées no final de cada parte? = Como vocé deverd se utilizar dos Sumarios? AVA Uso dos Cassetes Um outro ponto importante é que este Curso esté estruturado em Médulos. Cada Médulo é composto de um texto em varias partes e um cassete. No texto vocé receberd instrugGes oportunas para suspender a leitura e escutar um trecho especifico do cassete. E vice-versa: no cassete, a voz 0 remetera 2 CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAQ MENTAL de volta ao texto. E importante que vocé siga exatamente essas instrug6es, porque elas encerram um plano didatico de progressao para 0 objetivo do Curso. Isto 6, vocé nao deve escutar a fita por completo de uma s6 vez (contenha sua curiosidade!). E, cada vez que escutar um trecho, ndo a enrole nem avance; deixe-a no ponto em que for instruido a parar de escuta-la (evidentemente, assim ela estara pronta para 0 prosseguimento do trabalho com a mesma, conforme instrugao na apostila). AVA Responda mentalmente as perguntas abaixo. — Como esté estruturado este Curso? — Como devera vocé utilizar os cassetes? AVA Finalmente, mais uma palavra a respeito do objetivo deste Curso, do ponto de vista de sua aplicagao pelo estudante. Neste sentido, nosso objetivo encerra uma habilidade a ser adquirida. Isto requer treinamento. Ora, um treinamento completo para este fim exigiria um curso muito mais longo e detalhado, com um planejamento didatico mais minucioso, e isto 0 tornaria muito oneroso. Assim sendo, a parte pratica do nosso Curso consiste em exercicios demonstrativos. \sto 6, ante a inconveniéncia de treinarmos 0 estudante, fazemos demonstragdes de como ele proprio deverd treinar, se quiser de fato SE desenvolver a ponto de adquirir a necessaria habilidade. O real aproveitamento do Curso, portanto, depende do seu esforco para assimilar o conhecimento oferecido naquelas demonstragbes (bem como no texto) e aplicd-lo em exercicios que vocé poderé até criar, 4 semelhanca dos nossos (pelo menos poderé repetir os nossos) Em suas maos, entao, 0 que é mais importante a propdsito deste Curso: que VOCE se torne apto a fazer criagdes mentais! wk kw (QURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL Sumario — Criagdo Mental: Criar na mente, usando de certo modo faculdades mentais comuns, para alguma coisa ou situago se concretizar. — Criagao Mental requer: conhecimento e _habilidade. Para isto é necessari estudo e trabalho (exercicio). Importantes entéo: teoria e _ pratica. Teoria sem pratica resulta somente em informagao. Pratica sem teoria resulta em habilidade defeituosa e menos eficaz. — Elementos basicos de uma técnica de estudo: = compreensao; memorizagao; assimilagao. A Informagao deve ser compreendida (preocupagao de significado). Os pontos bdsicos da teoria e das instrugées praticas devem ser memorizados. O estudante deve assimilar o conhecimento oferecido no Curso, de modo que possa usé-lo criativamente. — O estudante deve usar os exercicios demonstrados no Curso para treinar até adquirir a habilidade necessaria a que ele SE torne apto a fazer criagdes mentais. NOTA—_ Lembramos que a terminologia empregada nos Médulos | e Il deste Curso néo é a que se usa na Ordem Rosacruz, AMORC, nos ensinamentos que esta proporciona aos seus Membros. No Médulo Ill trataremos de aplicagoes misticas da técnica basica de criagao mental. Usaremos entao a terminologia Rosacruz, com escla- recimentos que permitam essas aplicagdes a pessoas ndo-afiliadas & AMORC e que sintam inclinagdo para esse género de trabalho mental mais sublime. [GuRSO ROSACRUZDE CRIAGAO MENTAL 28 FUNDAMENTOS PRIMEIRA PARTE Pré-Teste . Ao responder as perguntas abaixo, ndo se preocupe em fazer com que suas respostas sejam cientificamente corretas. O mais importante 6 o que voce Pensa! Nao faga pesquisa para responder estas perguntas. E tenha em mente que as respostas So para Seu USO. Ndo tera de mostra-las a ninguém. AVA 4. Para vocé, que € 0 universo? Qual 6 a sua idéia do cosmo? Que fendémenos principais vocé reconhece em sua composigéo? 2. Vocé jd ouviu falar em Mente Césmica ou Mente Universal? Que pensa a este respeito? 8. Vocé sabe o que é campo (nogao da Fisica, mesmo a nivel elementar)? Defina em poucas palavras. 4. Que idéia vocé forma em sua mente da expressdo “Campo Césmico”? 5. Vocé ja ouviu falar em leis naturais, como as que sao estudadas em Fisica, Quimica, etc. Que € que vocé entende por lei natural? cus Rosa RUZ DE CRIAGAO MENTAL 6. Tente expressar também 0 que vocé entende por energia. 7. Vocé acha que existe o nada absoluto? Ou néo? Por qué? 8. Finalmente, qual a relagdo que existe entre vooé mesmo 0 a idéia de ‘Campo Césmico” que formou em sua mente? AVA © Cosmo e o Ser Humano fato fundamental que permite a criagao mental 6 a constatagao de que 0 cosmo (0 universo em geral) é um conjunto de manifestacdes ou fenémenos que podem ser classificados em duas grandes categorias: matériae mente (ou inteligéncia). Isto 6, reconhecemos no Coswo a existéncia de coisas materiais, desde as inanimadas (como pedras e minérios, por exemplo) aquelas que servem de suporte & manifestagao da vida (fenémenos biolégicos); e reconhecemos também a manifestagdo de fungdes mentais ou de inteligéncia (particularmente no nosso planeta), nos animais e no ser humano. E este duplo reconhecimento que nos permite afirmar, como ponto de partida, que o Cosmo é composto de matéria e mente, do ponto de vista de manifestagdes ou fendmenos, a luz do tipo de inteligéncia de que somos naturalmente dotados. Ora, se 0 Cosmo se manifesta nossa inteligéncia através desses dois tipos de fenémenos (matéria e mente), podemos inferir logicamente que a eles correspondem atributos da sua natureza. Assim, quando consideramos uma pedra, por exemplo, nao devemos pensar nela como uma coisa material & parte da existéncia ou da “substancia” do Coswo e, sim, como manifestagao dessa esséncia. A mesma atitude devemos ter com relagao a matéria que compée © nosso organismo, 0 nosso corpo fisico. Analogamente, quando pensamos em nossas fungées mentais, néo devemos pensar nelas como fenémenos “nossos”, a parte da natureza do Cosmo, e sim como manifestagdes de um atributo da natureza e esséncia do proprio Coswo, através do nosso organismo, ou “em nds’ CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL__ Isto pode ser resumido assi MATERIA E MENTE SAO MANIFESTAGOES DA ESSENCIA DO COSMO. Ou: MATERIA E MENTE SAO MANIFESTAGOES DE ATRIBUTOS DA NATUREZA DO COSMO. AVA — Quais sao as duas grandes categorias em que podemos classificar 05 fenémenos que compéem o Cosmo? — Qual a relacdo entre as coisas materiais e a esséncia do Cosmo (seja esta o que for)? — E quanto as fungdes mentais que conhecemos em nés mesmos? AVA A Mente Césmica O detalhe relevante para o nosso Curso, a respeito das afirmagées que ja fizemos, 6 que, se a mente do homem 6 manifestagdo de uma fungao do COSMO, entdo é valido pensarmos na existéncia da Mente Cosmica. \sto 6, ao fenémeno mente, que observamos e reconhecemos no ser humano (¢ nos animais), corresponde um atributo da natureza do COSMO que podemos chamar de Mente Césmica. Portanto, simplificando: A MENTE HUMANA E MANIFESTAGAO DA MENTE COSMICA. Concluimos assim que hé uma relagao direta entre a mente humana e a Mente Césmica. visto que a primeira pode ser considerada manifestacao parcial (em termos de poder ¢ limitagdes) da segunda. Ou, ainda, as funcoes da mente humana devem corresponder a atributos da Mente Césmica. —— ___cunso ROsACRUZ DE CRIAGAO MENTAL Talvez uma analogia de ordem pratica ajude-o a compreender melhor essa relago entre fendmeno (ou manifestacao) e atributo. Assim, pense numa faisca elétrica; este 6 um fendmeno comum que vocé jé deve ter visto mais de uma vez. Fenémeno, aqui, é qualquer coisa que acontega e que vocé possa observar, direta ou indiretamente, gragas aos seus sentidos fisicos (viséio, audigao, otc.). Ora, vocé nao pode dizer que a faisca é a eletricidade e, sim, que ela manifesta uma ou mais propriedades da eletricidade, sendo portanto um fenémeno que corresponde a um atributo (uma caracteristica de natureza) da eletricidade. E mais ou menos através de um raciocinio como o desta analogia que atribuimos os fenémenos mentais que observamos em nés mesmos a uma espécie de propriedade do Cosmo, inferindo a existéncia da Mente Césmica, manifesta parcialmente na mente humana. AVA = Qual o argumento que nos permite postular a existéncia de uma ou DA Mente Césmica? — Que tipo de relagao existe entre a mente humana e a Mente Cosmica? AvA © Campo Césmico Precisamos agora da nog&o de campo (em termos qualitativos e acessiveis a qualquer leigo em Fisica e Matematica). Todo mundo sabe o que é um ima e que pdlos opostos de dois imas se atraem e pdlos iguais se repelem. Pois bem, imaginemos entéo um {mA preso sobre uma mesa. Aproximamos dele um outro ima, sem prendé-lo (empurrando-o levemente). A certa distancia do primeiro ima (sem tocé-lo, portanto), o segundo se move, na diregao do primeiro ou afastando-se dele, conforme os pdlos que aproximamos. O ponto importante, aqui, 6 que 0 jogo de acao e reagdo que resulta no movimento do segundo ima ocorre antes que os dois se toquem. Portanto, ha alguma propriedade no espaco ao redor de um ima, decorrente da natureza deste. Ea todo espacgo assim, onde se manifestam sistematicamente uma ou mais propriedades observaveis que se dé o nome de campo. No caso do ima, tem-se um campo magnético. (GUBSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL lg Esse espago de um campo, aparentemente vazio, é de fato um nada aparente ©, por conseguinte, no pode ser identificado e caracterizado diretamente ou de maneira absoluta. Sua identificagao e sua caracterizagao dependem da observagao de fenémenos que nele ocorram em fungao ou conseqiiéncia de suas propriedades. As propriedades de um campo, entao, devem ser encaradas como potenciais de manifestacao desse campo (através de fendmenos observaveis). Além disso, tais propriedades estdo potencialmente presentes em todo o campo; isto é, podem se manifestar identicamente em qualquer ponto dele. AVA — Que é campo? — Segundo a nogéo dada acima, que caracteriza um campo? AVA INSTRUGOES Agora, 6 interessante que vocé faga um primeiro trabalho mental para se conscientizar melhor da nog&o especial que pretendemos Ihe dar nesta parte do Curso. Para isto, Apos Len Comptetamente Estas Instrucoes, vocé devera suspender a leitura da apostila e escutar 0 cassete deste Médulo, no Lado A (ou 1), logo no comego da fita (se esta nao estiver no comego, enrole-a novamente antes de escuté-la). Primeiro, vocé devera colocar 0 cassete no toca-fitas, ligar este ultimo e deixar tudo pronto para comegar a escutar a fita (s6 faltando ligar a tecla “play”) Depois deverd se acomodar numa poltrona ou cadeira confortavel (é bom que tenha as costas apoiadas). Dever entao relaxar, naturalmente (nao faca nenhum esforgo especial para isto). Mantenha as pernas e os pés separados entre si, e também os bragos e as maos. O importante aqui é evitar que qualquer parte do corpo faga pressao sobre outra, para que vocé nao sinta caibra nem seja distraido em seu trabalho mental. Evite ainda que qualquer parte da sua roupa (ou dos sapatos) esteja apertando ou incomodando de algum modo. Previna-se também contra qualquer coisa do ambiente que possa distrai-lo ou incomoda-lo, como luzes ou ruidos fortes. Em suma, ponha-se bem a vontade confortavelmente instalado, para escutar a fita. Faga sempre assim, quando tiver de escuta-la go cuts ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL Antes de comegar a escutar a fita, respire varias vezes um pouco mais fundo (sem forgar), exalando prolongadamente cada vez, como num gostoso suspiro. Quando se sentir razoavelmente relaxado, descontraido, aperte a tecla “play” do toca-fitas e passe a seguir as instrugdes que ouvir. A fita comega com um pouco de musica suave, para ajudé-lo a se descontrair. Passe entdo a seguir as instrugdes acima e escutar a fita. A voz Ihe dird quando devera parar a fita e voltar a ler a apostila. Marque esta pagina, para localiza-la mais facilmente apos o trabalho com o cassete. AVA EXERCICIO N° 1 — Comentarios Para que vocé possa aproveitar melhor o efeito do trabalho mental que fez com 0 auxilio do cassete, vamos registra-lo agora por escrito, a fim de que vocé tome plena consciéncia, intelectualmente, da nogao fundamental que ele encerra. Isto sera Util também para fins de consulta e usaremos este procedimento ao longo de todo o Curso. Naturalmente, havera alguma diferenga entre a apresentagao do trabalho no cassete e sua descrigao na apostila. Vocé imaginou um pequeno campo esférico (uma pequena “esfera de espago vazio” com propriedades sistematicas ou potenciais de manifestagdo). Depois foi expandindo esse campo esférico. Ele foi aumentando, aumentando. . . até abranger todo 0 nosso sistema solar, toda a nossa galaxia, e assim por diante, © tornar-se to imenso que vocé j nao podia imaginar seu limite (a “superficie da esfera de espaco”). Esse campo imenso, maior do que possamos imaginar ‘ou sempre maior do que alguém possa imaginar, 6 0 que vamos chamar de Campo Césmico. Evidentemente, ele contém todo o Cosmo ou universo como © conhecemos (e, é claro, toda a parte dele que ainda nao conhecemos). Com isto, situamos 0 Cosmo ou universo que conhecemos, no Campo Césmico, como um conjunto de manifestagdes de propriedades deste ultimo. Esse trabalho que vocé fez seguindo as instruges do cassete teve 0 objetivo de ajuda-lo a assimilar a nogaéo de Campo Césmico. Esta nogao, se adquirida apenas através de uma exposigao por meio de palavras, 6 fracamente assimilada, é “fria’. Psicologicamente, o trabalho que vocé fez deu-Ihe um carater emocional, de experiéncia pessoal, ¢ é justamente isto que pode ajuda-lo a assimilar melhor ou mais fortemente essa nogéo. Além disso, 0 trabalho mental que vocé efetuou 6 do género do que vocé tera de fazer na aplicacao da técnica de criagéo mental. Evidentemente, portanto, isto o est4 preparando para essa aplicagao. AVA (CURSO ROSACAUZ DE CRIAGAO MENTAL — Que chamamos aqui de Campo Césmico? — Qual @ a relagao entre esse Gampo Gésmico e 0 Cosmo como o conhecemos? AVA Leis Césmicas Consideremos agora, particularmente, as propriedades do Campo Césmico. Ja dissemos duas coisas a respeito delas: que elas sao sistematicas e que 8&0 potenciais do manifestagao de atributos da natureza do Campo Césmico. Com sisteméaticas, queremos dizer que elas sempre ocorrem do mesmo modo bdsico, nas mesmas condigées. Os fenémenos que observamos, entao, sao agdes e reagdes que acontecem segundo relagdes sistematicas de causa e efeito. A essas rolagdes vamos dar o nome de Leis e, com referéncia ao Campo Césmico, vamos chamé-las de Lets Cosmicas. Podemos portanto afirmar: LEIS COSMICAS SAO RELAGOES SISTEMATICAS DE CAUSA E EFEITO, SEGUNDO AS QUAIS CCORREM AGOES E REAGOES QUE RESULTAM NOS FENOMENOS COSMICOS (MATERIA E MENTE). Podemos obter uma nogao “mais concreta” disto mediante nossa observagao do comportamento de um ima. Com efeito, SEMPRE que aproximamos deum pdlo de um im 0 pdlo oposto de um outro ima, os dois imas se atraem até se juntarem. Nestas condigées, isto acontece sempre e do mesmo modo basico. Temos aqui uma relagdo sistematica de causa e efeito, caracterizando uma lei. Trata-se, portanto, neste caso, de uma lei do campo magnético. Por analogia, fica facil entender a nogdo de Lei Césmica. Ou seja, no Campo Césmico em geral, ou no Cosmo em particular, certo fendmeno acontece em conformidade com uma ou mais Leis Cosmicas. Um Angulo importante desta idéia é o de que, estabelecidas as condigées corretas e necessdrias, no Campo Césmico, certo fenémeno acontece, de certo modo. Para vocé fazer uma idéia ainda melhor a respeito de campo em geral, Campo Césmico em particular e Leis Cosmicas, vamos Ihe propor uma analogia baseada em fenémenos comuns que vocé ja conhece. 2 a CURSO ROSACAUZ DE CRIAGAO MENTAL Pense no céu, esse espago imenso acima da superficie da Terra. Imagine um momento de céu perfeitamente limpido; isto 6, vocé nao vé nada nele, exceto a cor azul. Enquanto vocé o observa, porém, comegam a se formar nuvens, que vao ficando mais densas e escuras, até que comega a chover. Compare mentalmente esta situagaio com o que Ihe dissemos antes. De inicio vocé tinha um espaco aparentemente vazio; depois, surgiram coisas e aconteceram fenémenos nesse espago, como se tivessem provindo de um nada absoluto. Isto se explica assim: Primeiro, 0 céu 6 um espago apenas aparentemente vazio; na realidade, ele contém ar e umidade, que s4o coisas materiais mas invisiveis. Devido a propriedades da agua (umidade) e dos Atomos e moléculas das substancias gasosas que compdem 0 ar, goticulas de Agua se reuniram formando as nuvens. Depois, gracas a uma outra propriedade do nosso “campo” (0 céu), em sua relagdo com a Terra, comumente chamada de “forga da gravidade", a agua das nuvens, condensada, precipitou-se em forma de chuva. Com isto vocé pode compreender que um espago vazio para vocé nao é necessariamente um nada absoluto; nele podem existir substancias e propriedades que vocé nao pode perceber diretamente, mas que podem fazer surgirem coisas e acontecerem fenémenos perceptiveis (como se viessem do nada). As nuvens e a chuva parecem coisas & parte do céu; na verdade, porém, sAo manifestagdes de coisas que ja existiam no céu mas eram invisiveis, e essas manifestagdes foram possiveis gragas ao que podemos chamar aqui de propriedades ou “leis do céu”. AVA = Que sao leis césmicas? — Qual é a relagdo entre elas e os fendémenos que compdem o Cosmo? AVA Energias Césmicas Voltemos agora nossa atencdo para as agées e reagdes nas quais as Leis Césmicas se tornam manifestas 4 nossa observagao. Um ima se move no campo magnético de um outro ima. Ora, sabemos que todo movimento se faz CURSO ROSACAUZ DE CRIAGAO MENTAL __ gragas Aquilo que chamamos de energia. Vamos deixar de lado a definigaéo de energia em Fisica; ela serve as necessidades de expressao e calculo matemiaticos, de que nao precisamos em nosso Curso. Aos nossos fins serve uma nog&o qualitativa de energia. Etimologicamente, energia ver do grego enérgeia, que, segundo Aristoteles, significava “forea motriz”. Esta expressao ja nos dé a nogao qualitativa de que necessitamos. Mas, para nao particularizarmos energia a fenémenos de deslocamento (como no caso dos nossos {m&s) e ndo nos enredarmos nas complicagdes de que este tema (energia) é passivel, vamos usar manifestagao como termo genérico. Vamos entender energia, de modo geral, como aquilo que torna a esséncia do Campo Césmico manifesta 4 nossa observac¢ao, ou a “forca motriz” das manifestagdes césmicas. Manifestagoes, para nos, serao entao as coisas e os fendmenos que existem ou ocorrem no Gosmo como 0 conhecemos e que o compéem. Ou seja, manifestagado é tudo aquilo que é perceptivel e compreensivel para nés, direta ou indiretamente, no Cosmo. Assim, uma pedra é uma manifestagao, e um pensamento também. Agora, independentemente da classificagao dos diversos tipos de energia em Fisica, vamos fazer a nossa classificagao das energias césmicas. Em consonancia com nossa premissa de que 0 Cosmo se compée de matéria e mente, vamos considerar a energia da matéria, responsavel pelas manifestacdes materiais (natureza da matéria e fendmenos fisicos) e a energia da mente, responsavel pelas manifestagdes mentais (pensamentos, por exemplo). E, para nao ficarmos o tempo todo repetindo estas duas expressoes, vamos identificar as duas energias por letras gregas; vamos chamar a energia da matéria de Energia Mai (ou Energia ;:) e a energia da mente de Energia Psi (ou Energia y). No primeiro caso, 0 “M" lembra matéria; no segundo, “psi” lembra “psique”, “psiquico”, etc. E facil de guardar. Reformulando agora nossas afirmagées iniciais, que estavam particula- rizadas ao Cosmo (ou universo observavel), podemos nos expressar assim: © caAMPo COSMICO E O POTENCIAL ILIMITADO DE MANIFESTACOES MATERIAIS & MENTAIS QUE OCORREM ATRAVES DAS ENERGIAS MU E PSI E CONSTITUEM O COSMO (UNIVERSO) SEGUNDO LEIS DO PROPRIO CAMPO. Em suma, particularizando isso ao nosso caso, estamos dizendo que o nosso mundo (Cosmo ou universo) existe e se move gracas a esse fendmeno de energia; nele tudo depende de energia. E dispensavel que vocé tenha compreensao cientifica desse fenémeno de energia, mas 6 util e mesmo importante que tenha uma espécie de senso pratico do mesmo. Para isto, considere os exemplos e comentdrios que se seguem. Pense num carro ou automével. Ele pode ser movido de varias maneiras. Pode ser empurrado por um homem ou puxado por um animal; neste caso 6 usada a energia animal ou muscular. Pode rolar por si mesmo, se colocado CURSO ROSACAUZ DE CAIACAO MENTAL numa ladeira; neste caso entra em agao a energia associada a “lei da gravidade”. Pode ser movido a gasolina; neste caso é usada a energia quimica da gasolina, no fenémeno de explosao. O fato, enfim, 6 que 0 carro nao pode ser movido sem a intervengao de alguma espécie de energia. Por isto 6 que a idéia de energia esta associada a de “forca motriz” OU FORGA QUE MOVE OU FAZ MOVER. Portanto, a idéia central nesta nogdo de energia é a idéia de movimento. E fcil entendé-la nos exemplos que demos acima, em que um carro se Move ou 6 movido. JA nao é tao facil entendé-la no tocante a propria e simples existéncia de alguma coisa independentemente de que ela esteja se movendo, ou soja, de uma coisa parada (por exemplo, uma pedra num solo firme). Sabe-se hoje, no entanto, que qualquer coisa material (como uma pedra) é constituida de tomos, moléculas, particulas enfim, que estaéo em movimento. Sem entrarmos em detalhes cientificos a este respeito, o fato 6 que a idéia da necessidade de movimento © energia para a existéncia das coisas e a ocorréncia dos fendémenos pode ser levada a extremos quase abstratos. Assim, vocé pode imaginar que o pensamento é uma espécie de “movimento” muito sutil da fase mental do nosso ser, que requer algum tipo de energia. E isto vem justificar nossa nogao de uma energia da matéria e uma energia da mente (ou energia psiquica). Esperamos que isto 0 ajude a formar 0 seu sentimento pessoal do fato de que tudo 0 que existe e acontece (no Campo Césmico) depende dessas energias que aqui estamos chamando de Mii e Psi. Ou seja, para que uma coisa exista ou acontega, 6 preciso que se ponha em agao uma dessas energias, conforme o caso (ou ambas). Um Angulo interessante desta questao 6 que, se uma coisa nao existe e vocé quer que ela exista, o que vocé tem a fazer 6 desencadear a acdo das energias necessérias. Pense nisto! E é importante que vocé ndo pense no Campo Césmico como algo que nao tem nada a ver com vocé e o mundo em que vocé vive, ou seja, como uma coisa “puramente tedrica”. Vocé e 0 mundo em que vocé vive sdo manifestagdes de propriedades desse Campo Césmico de que estamos falando. AVA — Que vamos entender por energia, neste Curso? E por manifestag&o ou manifestages? CURSO ROSACUZ DE CRIAGAQ MENTAL — Quais sdo as duas energias fundamentais do Campo Cosmico? Defina cada uma delas e indique 0 seu nome e 0 seu simbolo (conforme vamos usar neste Curso). AVA O Ser Césmico A essa nog&o de Campo Césmico que jé estabelecemos © que inclui a inteligéncia, as energias e as leis de manifestacdo de tudo o que existe e pode existir, os Rosacruzes dao o nome de O Césmico. Mas, como esta nogao de O Cosmico contém também um elemento mais sutil, transcendente, de sentimento mistico, em beneficio dos estudantes que néo so Membros da AMORC, usaremos de preferéncia a expresso Campo Césmico. ‘Além disso, como esse Campo Césmico é por definigao um espago “vazio” com certas propriedades, é importante compreendermos e termos em mente que esse “vazio” nao é um nada absoluto e, sim, um nada aparente, relativo as nossas caracteristicas (humanas) de percepgdo e compreensao intelectual. Portanto, 0 Campo Césmico é “cheio de alguma coisa”, ou um espaco ilimitado “ocupado por algum ser’. E logicamente valido e razoavel chamarmos esse ser que “ocupa” o Campo Césmico de Ser Césmico. E é importante que fagamos referéncia a ole ou que o tenhamos em mente, para no cairmos na tentativa ingénua de reduzir O Césmico a um modelo racional ‘ou matematico, dado que ele 6 sempre muito mais (ilimitadamente) do que possamos pensar a seu respeito e nunca 6 propriamente o que possamos afirmar a seu respeito. AVA — Como chamam os Rosacruzes 0 Campo Césmico e quais séo os elementos que constituem este campo assim denominado? — O Campo Césmico 6 “vazio” (um nada absolut) ou “cheio de alguma coisa”? __CURSO ROSACRUZDE CRIAGAG MENTAL — Que é Ser Césmico? AVA Observacées Especiais Feita e enfatizada esta importante ressalva (de que o Campo Césmico nao é um nada absoluto), voltemos a considerar a expressao conclusiva que destacamos acima, sobre 0 Campo Césmico, no sentido de que ele 6 “o potencial ilimitado de manifestagdes materiais e mentais que ocorrem através das energias Mi e Psi e constituem o Cosmo segundo leis do proprio campo”. Ela requer ou merece algumas observagées: 1. OCampo Césmico é um potencial ilimitado de manifestagées. Na palavra potencial deixamos implicita a nogéio de que o campo propriamente (bem como o Ser que 0 “ocupa”) 6 transcendente. Isto é, ultrapassa nossas caracteristicas e nossa capacidade de percepoao direta (sentidos fisicos) e de compreensao intelectual. Nao podemos conhecé-lo diretamente por estes meios (sentidos e intelecto), em sua natureza. A palavra ilimitado 6 evidente © contém o reconhecimento de nossas préprias limitagdes como manifestacao parcial do Ser Césmico no Campo Cosmico. 2. Areferéncia a manifestagdes materiais e mentais situa tudo o que existe e pode existir na propria natureza do Campo Césmico, de modo que nada é isolado, absolutamente independente ou “desligado”. Além disso, ressalta a inteligéncia imanente ao Ser Césmico (prépria da natureza deste Ser). 3. A referéncia a leis e energias do Campo Césmico faz ver que qualquer manifestagdo neste campo nao pode ser feita arbitrariamente, pura © simplesmente por desejo do ser humano. Este precisa conhecer e observar aquelas leis, para que possa desencadear 0 trabalho daquelas energias na concretizagao dos seus desejos. A liberdade absoluta é impossivel, ja que até 0 Campo Césmico “funciona” segundo suas propriedades ¢ | e nao de qualquer modo arbitrario. AVA (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL ge — O Campo Césmico é um potencial limitado ou ilimitado? De qué? — Por que dizemos que o Campo Césmico é transcendente? — Existe alguma coisa fora da natureza do Campo Césmico? (Seja sua resposta sim, ou nao, indique por qué.) — Por que dizemos que as manifestagdes que ocorrem no Campo Césmico nao sao arbitrarias? — Que é necessario ao ser humano para que ele possa concretizar seus desejos no Campo Césmico? AVA Instrugao Vamos fazer mais um pequeno trabalho mental, com o auxilio do cassete. Antes, porém, revise as instrugées da pagina 29. Se vocé ja revisou aquelas instrugées, passe a escutar a fita, a partir do ponto em que parou no final do primeiro trabalho mental. E nao esquega de marcar esta pagina. —__—_—_—. 33 cus Ro sACRUZ DE CRIAGAO MENTAL AVA EXERCICIO N° 2— Comentarios Vamos agora registrar por escrito 0 que vocé fez com 0 auxilio do cassete para a finalidade j explicada. A expresso Campo Césmico, que estivemos comentando antes, oferece uma nogao do que costumamos chamar de A Criagao. Com efeito, podemos entender que, por impulso criativo potencial da natureza do Campo Césmico, dirigido pela Inteligéncia imanente ao Ser Cosmico (a Mente Césmica), surgiu a Energia Ma, que foi aplicada e organizada de maneira a constituir a matéria do Cosmo; e, sempre dirigida por aquela Inteligéncia, foi ela aplicada de modo a possibilitar e manifestar os fenoOmenos fisicos do Cosmo; a organizagéo da Energia Mi atingiu o estagio mais complexo de formagao de organismos adequados a manifestagao, no Cosmo, das fungdes da Energia Psi, surgindo assim os seres vivos dotados de mente consciente, dos quais 0 ser humano é o dpice evolutivo em nosso planeta. E tudo Isso ocorreu segundo as Leis Césmicas que regem as propriedades do Campo Césmico e que s4o fungdes da natureza do Ser Césmico. Por isto: MATERIA E MENTE SAO MANIFESTAGOES DA ESSENCIA DO CAMPO COSMICO E DA NATUREZA DO SER COSMICO. e A MENTE HUMANA E IMANENTEMENTE LIGADA A MENTE COSMICA! Cabe-nos neste ponto fazer uma ressalva quanto ao trabalho mental que vocé efetuou. Antes, porém, lembramos que este trabalho teve a finalidade de ajudd-lo a assimilar melhor as nogoes desta parte do curso e, também, de leva-lo a ja vivenciar um pouco o tipo. de trabalho que devera efetuar em suas aplicagdes da criagdo mental. A ressalva que nos compete fazer 6 quanto ao aspecto cosmogénico. (isto 6, de origem do universo) do trabalho que vocé efetuou. A verdadeira origem do nosso universo, a maneira como ele se formou, ainda néo 6 cabalmente QURSO ROSACAUZ DE CRIAGAO MENTAL conhecida. Existem varias teorias a este respeito, das quais talvez a mais defendida pelos cosmélogos seja a hipétese da “grande explosao” de uma espécie de “bola de fogo” primordial. Esta teoria esta baseada em dados cientificos relacionados com o estudo de espectros de galaxias distantes. Seja como for, 0 fato 6 que a origem do nosso universo ainda é discutida. Com relagéo ao seu trabalho de “testemunhar a criagéo do COSMO”, portanto, vocé deve fazer abstragdo desse problema cosmogénico e atentar para a proposicdo basica deste curso quanto a agai criativa de uma Mente Césmica através de duas energias primordiais (aqui chamadas de Mi e Psi). Essa proposigao basica pode ser expressa assim: Porque a Mente Cosmica 6 criadora e é ela que se manifesta ou reflete na mente humana, esta é criadora através daquela. AVA — Com relagao a Criagao, = qual foi o fator da natureza do Campo Césmico que desencadeou a criagaéo do Cosmo (A Criagao)? = qual foi 0 atributo do Ser Césmico que dirigiu esse primeiro passo da Criagéo? = como atuaram esse fator e esse atributo para formacao do Cosmo? = como surgiram os seres vivos em geral e 0 ser humano em particular? ag cuts ROS ACRUZ DE CRIAGAG MENTAL — Que sao materia e mente em relagao ao Campo Cosmico? E em relacao ao Ser Césmico? AVA llustragées Observe e estude as duas figuras abaixo, procurando reconhecer nelas o ensinamento desta Primeira Parte dos nossos Fundamentos. INAo Gonsutte 0 Texto! Quando esgotar seu trabalho neste sentido, leia a explicagdo das figuras ou ilustragdes a partir da pagina seguinte. / \ so go \ )}=>/'g @? AVA CURSO ROSAGAUZ DE CRIAGAO MENTAL gt Explica¢ao das Ilustragées da Pagina Anterior FIGURA A-— Temos aqui um simbolo que pode representar 0 Campo Césmico. O circulo se presta para isto porque, uma vez tragado, nao tem comego nem fim (sua circunferéncia é por definicao continua). Por outro lado, a circunferéncia do circulo se impée visualmente como um limite, “isolando” um trecho do papel. Por isto a representamos por uma linha interrompida, sugerindo assim que ela nao representa esse limite, j4 que o Campo Césmico é ilimitado. © Campo Césmico é aparentemente “vazio”, porque 6 transcendente em relagao a nds e ao Cosmo. Isto est representado no fato de que ndo hd nada dentro do circulo (o branco do papel representa o nada aparente do Campo. Césmico). Esse nada aparente do Campo Césmico é na realidade “preenchido por alguma coisa” que tem o potencial de se fazer manifesta segundo as Leis que regem as propriedades desse Campo. FIGURA B — Podemos aproveitar o simbolo da Figura A para uma ilustragao que sintetize o contetide basico desta Primeira Parte da nossa teoria. Nesta figura, temos desenhos dentro do circulo, representando as manifestagSes do Campo Cosmico que compdem 0 Cosmo como 0 conhecemos. Naturalmente, esta representagdo tem carater genérico, indicando apenas os elementos principais do Cosmo. Assim, o cristal representa o reino mineral; a Arvore, 0 reino vegetal; 0 ser humano, o reino animal. O relampago representa os fendmenos materiais independentemente de classificagao nesses trés reinos. Os circulos concéntricos ao redor da cabega humana representam os fendmenos mentais em geral © a mente humana em particular. As duas energias fundamentais, Mi e Psi, estéo representadas nessas manifestagdes, bem como a idéia de que o Cosmo é composto de matéria e mente (fendmenos materiais e fenOmenos mentais). As manifestagdes assim indicadas estao ocorrendo NO Campo Césmico, ja que nada poderia e» fora dele. Além disso, a seta da Figura A para a Figura B sugere que essas manifestagdes provieram e fazem parte daquilo que “ocupa” ou “preenche” o Campo Césmico, jé que nao hd nada, entre as duas figuras, acrescentando os elementos ilustrativos ou desenhos que surgem na Figura B. Temos assim uma representagdo esquematica da Criagdo, ou seja, do ‘surgimento do Coswo NO Campo Césmico, como um conjunto de manifestagdes neste Campo, através das energias e propriedades do mesmo e segundo as leis que as regem. AVA ——EEEs ee ____CUBSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL Sua reflexao sobre este simbolo do Campo Césmico e a ilustragao da Criagdo, enquanto os contempla, cumprira finalidades importantes no Curso, como a de ajuda-lo a registrar ou memorizar o contetido basico desta parte da teoria. AVA Sumario COSMO: conjunto de fendmenos que classificamos em duas categorias — Materia & MENTE. A matéria, no Cosmo, € evidenciada nas coisas e nos fendmenos em geral. A mente, no Cosmo, é evidenciada nas fungdes e faculdades mentais dos animais e dos seres humanos. Marénia © Mente sho Manirestagdes ba Esséncia 00 Cosmo. Maréria & MENTE SAo MANIFESTAQOES DE ATRIBUTOS DA NATUREZA D0 Cosmo. Mente humana: manifestagao de uma fungao do Cosmo. Entaéo: & mente humana corresponde a Mente Cosmica. E: A Mente HumaNa & MANIFESTAGAO DA MENTE COsMICA. © Campo: espago caracterizado por uma ou mais propriedades sistematicas. Propriedades de um campo: no espago em que o campo se manifesta, certas situages (causas) produzem certos fendmenos (efeitos). Campo Césmico: 0 campo ilimitado onde tudo o que existe esta contido. © Cosmo € MANIFESTAGAO DAS PROPRIEDADES DO Campo Césmico. © Leis Césmicas: relagdes sistematicas de causa e efeito na manifestagao das propriedades do Campo Cosmico. Os FenOmenos Coswicos NAO Sho DesonDENAbos; Seauem Leis Cosmicas © Manifestagées: coisas e fenémenos em geral. ‘As manifestagdes do Gampo Césmico, no Cosmo, requerem Enenaia. Energia: A “forga motriz” das agdes e reagdes que produzem as manifestagées. Energia Ma: a energia das manifestagdes materiais. a energia das manifestagdes mentai (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL ® Ser Césmico: 0 ser que “ocupa” ou “preenche” 0 Campo Césmico. Nao existe o nada absoluto. Nada é uma nogao relativa da mente humana. © Campo Césmico: um potencial ilimitado de manifestagées. © Cosmo E ManirestagAo vo Ser Céosmico No Campo Césmico. Maréria & Mente SAo MANiFEsTacoes 0a Esséncia Do Campo Cosmico E DA Natureza 00 Ser Cosmico. A Mente Humana € IMANENTEMENTE LiGADA A MENTE Cosmica. (CURSO ROSACRUZDECRIAGAO MENTAL fn FUNDAMENTOS SEGUNDA PARTE Pré-Teste 1. Vocé acha que o Ser Césmico é criativo por natureza? Por qué? 2. Qual é a sua idéia de criagao? Que é criar, para vocé? 3. Vocé sabe 0 que significa imanente? (Explique ou defina.) 4. Que entende vocé por mente humana? Quais as fungées, ati ou faculdades do seu ser que vocé atribui A mente? 5. Como vocé classifica as fung¢des mentais, numa espécie de “estrutura da mente”? Em quantas e quais partes vocé divide a mente? Quais so as caracteristicas que identificam cada uma dessas partes? 6. Como vocé relaciona sua mente ou suas fungdes mentais com o seu ser em geral e o seu organismo em particular? _______ curso Rosacauz DE CRIACAO MENTAL 7. Como vocé relaciona sua mente com a Mente Césmica? 8. Vocé acha que a sua mente 6 criativa? Por qué? AVA © Principio de Criatividade no Campo Césmico O Ser Césmico é criativo por natureza. Seu campo, portanto, o Campo Coésmico, 6 um campo de criagdo. Podemos falar em “principio de criatividade” como um impulso de criar imanente ao Ser Césmico (préprio da natureza do Ser Césmico) e, conseqiientemente, uma propriedade do Campo Césmico. Vamos fazer uma argumentagao razodvel a este respeito, para que este principio fundamental nao parega uma premissa totalmente arbitraria. AVA — Que vamos entender aqui por “principio de cri AVA A Nogao de Criagao. A Nocao de “Nada”. A Esséncia Cosmica. Consideremos primeiro a nogdo de criacdo. Do estudo da Primeira Parte destes Fundamentos deve ter ficado claro que nao admitimos (os Rosacruzes) a nogao de criacdo a partir de um nada absoluto (fazer existir alguma coisa a partir de nada). Entendemos por criag&o alguma manifestagao da propria esséncia do Ser Césmico, no Campo Césmico — gracas a propriedades desse campo, manifestas através de energias do mesmo e segundo leis CURSO ROSACRUZDECRIAGAQMENTAL ge a ele inerentes. A idéia de “nada”, repetimos, deve se tornar para nos uma referéncia valiosa dentro de nossas limitagdes de percepgao fisica e da correspondente racionalizagao ou concep¢ao e interpretacao intelectual. Por exemplo, dizemos que um espago onde havia um objeto tornou-se vazio; “nada” existe nele. E evidente que esse “nada” é relativo a presenga anterior do objeto. Assim sendo, com referéncia ao Campo Césmico, devemos substituir a idéia de “nada” pela de uma esséncia transcendente (em nosso simbolo do Campo Césmico, representada pelo branco do papel dentro do circulo de circunteréncia interrompida). A palavra esséncia 6 melhor do que “substancia”, por causa da conotagaéo material, concreta, desta Ultima. Com a expressao Esséncia Césmica, estamos nos referindo a idéia de que o Campo Césmico é “ocupado” por algo que de fato existe e é a “substancia” das manifestagées no COSMO; ele ndo é um vazio absoluto. Paralelamente, afirmamos que o Ser Césmico E algo; nao é um nada absoluto. A palavra transcendente qualifica essa Esséncia Césmica como algo que esta fora do alcance de nossa percepgao fisica e de nossa interpretacao puramente intelectual. E esta qualificagdo que elucida o carater relativo de nossa concepgao usual de “nada”. A Criagaéo (0 COSMO), portanto, € algo que surge de um nada aparente (0 real transcendente) para um real que podemos observar e compreender intelectualmente. © fato de que o Ser Césmico é criativo (através da Inteligéncia que Ihe é imanente e das propriedades de sua Esséncia) praticamente dispensa argumentagao. A Criagéo € prova disto! A propria existéncia do COSMO 6 Prova disto! O que cabe ainda ressaltar como ja fizemos acima, é que essa criatividade se exerce a partir de um nada aparente (um real transcendente), para uma manifestagdo observavel. Esta idéia ja deve ter ficado clara para vocé através da analogia que Ihe propusemos antes, isto 6, do céu limpido em que foram se formando nuvens que acabaram se precipitando sob forma de chuva. Nesta analogia, o nada aparente 6 0 vazio do céu limpido (exceto pela cor azul). Esse nada aparente é um real transcendente no sentido de que o céu na verdade contém ar e umidade; com efeito, o ar e a umidade (vapor de agua) sao reais, existem de fato no céu limpido, mas sao transcendentes no sentido de que ndo os podemos perceber ou ver diretamente. Ainda nesta analogia, o principio de criatividade 6 representado pelas “leis do céu” (as propriedades das substancias que o compéem) responsaveis pela formagao das nuvens. A Inteligéncia do Ser Césmico é representada pela légica dessas leis, ou seja, das relagoes sistematicas de causa e efeito que permitem a formagao das nuvens. A Criacao é representada pelo aparecimento das nuvens. curso nos acti DE CRIAGAO MENTAL AVA — Que vamos entender por criacaéo? = Por qual idéia devemos substituir a nogdo de nada absolute? — Que entendemos por Esséncia Césmica? — Por que dizemos que a Esséncia Césmica é transcendente? — Qual 6 a grande ou a maior prova de que o Ser Césmico 6 criativo? AVA © Silogismo Basico da Criagdo Mental Dentro da nogéio comum de silogismo como uma dedugao ldgica ou formal, podemos justificar filosoficamente nossa nogao de criatividade e criagdo lembrando de inicio que o Ser Césmico 6 necessariamente alguma Verdade (embora transcendente em relacdo a nés). Nao temos justificativa ldgica para admitir que essa Verdade tenha tido um comego e possa vir a ter um fim, nem que ela comece em algum ponto do espago e termine num outro (como podemos admitir em relag&o 4 Criagdo). Com efeito, dentro de nossas noges relativas de tempo e espaco, que haveria antes da Criagao? Alguma “nao- verdade"? E depois dela? E ainda, se o Campo Césmico tem algum limite, que existe “fora dele”? Algum “nada absoluto”? Logo, temos de admitir que © Ser (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAOMENTAL a ‘Césmico é uma Verdade (ou Realidade Transcendente) eterna e infinita. A dinamica da sua natureza leva-o a manifestar-se no Cosmo (e em nds mesmos) num modo que podemos perceber e compreender. O principio césmico de criatividade, evidenciado na Criagao, € portanto uma espécie de “necessidade” da natureza do Ser Césmico. Se admitimos que a Criagao teve um comego e teré um fim, podemos estabelecer um paralelo entre isto e o exemplo do “objeto que havia em certo espago”, que jé demos. Assim, na Primeira Parte deste Médulo vocé fez um Pequeno trabalho mental imaginando a criagéo do Cosmo; ou seja, vocé “presenciou” ou “testemunhou’ a Criagao a partir do nada aparente do Campo Césmico. E isto aconteceu dentro de vocé, da sua mente! Pois bem, imaginemos entdo um ser que observasse de fato a Criagao. Ele a teria visto comegar a surgir e a veria desaparecer no espago (no Campo Césmico). Relativamente, poderia ele pensar: “antes da Criagdo nao existia nada e, agora, nao existe mais nada outra vez”. Levando mais longe nossa especulagao, podemos até imaginar que, durante a existéncia da Criagdo, o préprio Ser Césmico seria esse “observador” (como vocé naquele trabalho mental). Ele estaria entaéo “observando” suas manifestagdes, em si mesmo, numa espécie de reflexo. Antes e depois da Criacao, ele estaria “SentiNDO” a si mesmo e @ sua existéncia ou Vida transcendente no Campo Cosmico, sem reflexo. Mais uma vez, nossa analogia do céu e das nuvens pode ajudd-lo a compreender e sentir melhor esta proposigdo. E como se vocé, em lugar de estar observando 0 céu como algo situado fora de vocé, fizesse parte da esséncia ou “substancia” transcendente do céu, como uma espécie de “consciéncia dissolvida no ar’. Entao, vocé estaria testemunhando a formagao das nuvens como uma mudanga no estado da sua prépria “substancia” — tudo estaria se passando “dentro de vocé mesmo”. Esta ultima idéia pode parecer uma digresséo sem qualquer proveito. Na realidade, porém, tem proveito em seu efeito psicolégico, se vocé a considerar seriamente. Estard ent&o se preparando para assumir espontaneamente o estado mental adequado ou propicio a criagdo mental. Por isto, nao a despreze de todo em sua reflex4o sobre o assunto. Agora podemos concluir este trecho da Segunda Parte dos nossos Funda- mentos, montando nosso silogismo a partir da idéia (premissa) do principio de criatividade: curso Rosacauz DE CRIAGAO MENTAL © PRINCIPIO DE CRIATIVIDADE E IMANENTE AO SER COSMICO (QUE E DOTADO DE MENTE COSMICA). Ora— A MENTE HUMANA E MANIFESTAGAO DA MENTE COSMICA (IMANENTEMENTE LIGADA A ELA). Logo- © PRINCIPIO DE CRIATIVIDADE E IMANENTE A MENTE HUMANA. AVA Como imanente significa “que faz parte da natureza de” ou “que 6 parte intrinseca de”, a importancia do silogismo acima esta em justificar e validar, ou mesmo evidenciar o potencial de criatividade, a capacidade inata de criagao da mente humana. E importante que vocé SE convenga disto a ponto de que essa convicgdo se torne emocional, de que ela ganhe Forca pe EmocAo! AVA — Por que dizemos que o Ser Césmico é uma Verdade eterna e infinita? — Enuncie o silogismo que nos permite afirmar que a mente humana é imanentemente criativa. (Nao deixe escapar uma so palavra ou expresso do silogismo sem compreender seu significado.) AVA A Mente Humana Todos sabemos 0 que 6 mente, por nossa experiéncia direta como seres mentais. Nao precisamos ir muito além dessa nogado da experiéncia para fazermos criagdes mentais. A rigor, basta aprendermos como usar a mente para este fim. No entanto, por duas boas razées 6 necessdria esta fundamentagao teorica que Ihe estamos oferecendo. Em primeiro lugar, 0 trabalho de criag&o mental requer certa atitude interna, e esta atitude depende de que vocé esteja emocionalmente convicto de que o principio de criatividade é de fato proprio do seu ser, 6 uma verdade césmica de que VOCE pode se °" UNIZarr Por OulTd 1adG, Pare Yue Sear PUSiTE® lastchegterse_—— ‘CURSO ROSACRUZ DE CRIACAO MENTAL st aprendizagem, 6 necessario um acordo terminolégico: isto 6. precisamos escolher um conjunto de termos, claramente definidos, que permitam a comunicagao dessas instrugdes. AVA — Quais sao as duas razées principais para a fundamentacdo teérica que estamos estudando? AVA Suspenda agora o estudo desta apostila e escute o cassete deste Médulo a partir do comego do Lado B (ou 2). E lembre-se de marcar esta pagina. ava EXERCICIO Ne 3 — Comentarios Apés este pequeno trabalho mental, passemos a definir os termos que vamos usar neste Curso, quanto a mente humana. Procuraremos usar as definigdes mais simples possiveis, com referéncia aquela experiéncia direta que todos temos e que mencionamos de inicio, e também ao trabalho que vocé fez com auxilio do cassete. Faremos isto mesmo com prejuizo do rigor e da profundeza de um estudo completo do assunto. Por mente, entendemos 0 aspecto (ou a fase) do nosso ser que se manifesta © evidencia para nés na atividade interna que chamamos. comumente de pensamento. E é nesse pensamento que temos a mais direta e evidente experiéncia da mente como fungao do nosso ser. Considerado estritamente, o pensamento envolve atividades como a memorizagao e a recordagao, a associacao de idéias e 0 raciocinio, e aplicagdes disto como. na imaginagao. O senso comum que temos destas atividades e aplicagoes 6 suficiente para os nossos fins; nado precisamos tentar dofinir cada uma delas com rigor e profundeza (muito menos provar ou demonstrar que elas existem!). Portanto, a primeira fungao que estamos evidenciando como caracteristica do nosso aspecto mental é a funcao PENSAMENTO. Nao vamos estudar esta fung&o (nem as outras) com profundeza, mas convém mencionarmos que, segundo a nossa terminologia, o pensamento é um resultado do trabalho realizado pela Energia Psi através das propriedades fisico-quimicas dos neurénios (nervos) cerebrais. Ora, a Energia Psi 6 uma propriedade do oc RS CUZ DE CRIAGAO MENTAL Campo Césmico, como fungdo da natureza do Ser Césmico. Segue-se de imediato que a mente “humana” 6 uma fun¢ao césmica, ou melhor, um conjunto de tungoes (como o pensamento) que refletem aquela fungao da natureza do Ser Césmico (a Mente Césmica). Esta nogao é importante para o estudante se conscientizar, primeiro, de que o poder de criar mentalmente é inerente sua natureza humana e, segundo, de que esse poder nao é propriamente seu. Este Ultimo aspecto desta nogao tem um papel psicologicamente positivo a desempenhar na atitude necessaria ao trabalho de criagdo mental. Recorrendo novamente a nossa analogia do céu e das nuvens, vocé pode alcangar um sentimento mais “forte” deste ponto. A idéia basica é a de quea fungaio mente no ser humano € manifestagao da fungéo mente no Ser Césmico (transcendentalmente presente no Campo Césmico). Isto 6, 0 pensamento do ser humano, por exemplo, 6 uma fungao césmica, Pols bem, na analogia, vocé pode pensar que a fungao umidade esté transcendentalmente presente no céu, que representa o Campo Césmico onde se manifestam as propriedades da natureza do Ser Césmico. Quando da formagdo das nuvens e sua precipitagao final em forma de chuva, a mesma fungao, umidade, esta concretamente presente em cada gota de agua. A chuva molha porque a fungéio umidade do céu nela se manifesta objetivamente. 0 efeito concreto ou objetivo de molhar é causado pela gota de chuva, mas a funcdo umidade 6 transcendentalmente propria das moléculas de agua, de inicio presentes de maneira invisivel no céu. Imagine uma gotinha de dgua dotada de inteligéncia ou autoconsciéncia, que pensasse: “o poder de molhar 6 meu, porque a fungao umidade 6 minhal” Que aconteceria a essa gotinha quando o poder maior do Sol a evaporasse? Ela perderia sua identidade de gota de agua e seu téo precioso poder de molhar. Aquilo que dela persistiria, nas moléculas de agua, seria novamente incorporado ao céu, com a funcdo umidade como o potencial transcendente da ago concreta de molhar. ‘A mente 6 ainda 0 aspecto do nosso ser que se manifesta na atividade interna que chamamos de sensa¢ao, como a sensagao de ver. Neste particular, ela é menos evidente como experiéncia interna, porque fomos acostumados a pensar na vis&o, por exemplo, como um sentido fisico. Na realidade, é fisico 0 meio de captagao daquilo que deve ser percebido na sensagao de ver. Os olhos, os nervos dticos e o cérebro sao fisicos; mas a sensagao de ver pela qual percebemos é... (como dizer?) ... “interna”, da mente (6 uma fungao transcendente). Assim, uma cmara de televisdo nao vé; capta ou recebe luz (refletida ou emitida pelo objeto), como os nossos olhos, e produz uma imagem do objeto em seu interior, mas nao tem a sensagdo de ver! Esta sensagao sé ocorre nos animais e no ser humano. CURSO ROSAGRUZ DECRIAGAO MENTAL ig A segunda fun¢ao que salientamos como caracteristica do nosso aspecto mental 6 entao a fungao SENSAGAO. Aqui estamos particularizando a palavra sensacao a percepgao decorrente do funcionamento dos sentidos fisicos. E as mesmas consideragées feitas quanto ao pensamento, relativamente a Energia Psi, etc., aplicam-se a este caso. A mente é também o aspecto do nosso ser pelo qual tomamos consciéncia da espécie de sensacao que chamamos de emogao. Assim, vemos um pér-do-sol numa regio tropical ou subtropical e num panorama natural. Temos ento a sensagao de ver e SENTIMOS uma emogao que nos faz pensar ou exclamar: “Que lindo!”. A camara de televisdo capta 0 por-do-sol e o reproduz numa imagem em seu interior, mas. A terceira fungao da nossa mente que estamos destacando 6, portanto, a EMOGAO. Trata-se, aqui também, de um resultado do trabalho da Energia Psi através de varias estruturas do nosso organismo, como 0 cérebro e as glandulas endécrinas. Enquanto estamos neste assunto, vale a pena destacarmos que estas trés fungdes bdsicas que caracterizam o nosso aspecto mental néo sao de fato, do “ponto de vista da natureza”, fungdes estanques, separadas. independentes: na realidade, estdo intimamente relacionadas entre si, como manifestagdes do que podemos entender ou postular como uma funcdo transcendente do nosso ser (a mente como fungao do Ser Césmico em nés). Em suas manifestagdes através das estruturas especializadas do nosso organismo 6 que essa fungao césmica parece multiplicar-se. O que estamos tentando esclarecer com isto 6 que ha “algo comum” a pensamentos, sensagdes (‘fisicas”) e emogdes. Do ponto de vista de nossa consciéncia destas fungoes, poderiamos chamé-las todas de sensagées. Falariamos ent&éo em “sensagao de pensar”, “sensag4o de perceber" e “sensagao de emocionar-se”. Mas isto complicaria nossa terminologia e causaria confusao. Preferimos por isto especializar 0 termo sensagao ao caso das percepcoes “fisicas”. Mas vocé deve ter em mente essa idéia geral de sensagao, aplicada a pensamentos, percepgées “fisicas” e emogdes, com a sequinte definicdo: reagéo da nossa sensibilidade natural as manifestagées decorrentes do trabalho da Energia Psi, através das estruturas especializadas do nosso organismo. Isto 6, a idéia geral que deve pairar sempre em sua mente 6 a de SENTIR. Como analogia para este ponto, vocé pode pensar na eletricidade e suas inumeras aplicagdes resultando em efeitos muito diversificados. Uma faisca, uma luz, transmissdo e reprodugao de sons musicais e ruidos, movimentos de maquinas, etc., sao diferentes efeitos, manifestagdes ou expressdes de uma 86 causa fundamental, a eletricidade com as propriedades de sua natureza. Uma luz e a reprodugao de um programa musical sao fendmenos diferentes, a CURSO ROSACAUZ DE CRIACAO MENTAL mas por tras deles esta, digamos, um mesmo fendmeno fundamental (a eletricidade). Assim, pensamentos, percepgoes “fisicas” e emogdes sao fenémenos diferentes, mas por trds deles esté um mesmo fenémeno fundamental: sensagao. Com o trabalho mental que o levamos a fazer através do cassete, esperamos justamente que se tenha conscientizado disso, ou seja, da “sensagao de pensar” (idéias a propésito de vela), da “sensacao de perceber” (imagem mental da vela sendo acesa), e da “sensa¢ao de emocionar-se” (pelas emogoes € os sentimentos proprios de um jantar romantico intimo a luz de velas). E justamente essa sensacdo, ou esse SENTIR, nestas trés manifestagdes, que vocé deve usar no trabalho de criacao mental. AVA Nas perguntas abaixo, fizemos constar somente os pontos mais importantes do texto correspondente, que vocé nao deve deixar de assimilar. — Que 6 a mente humana, para os fins deste Curso? Em sua definigéo, indique quais s&o as fungées, atividades ou faculdades do nosso ser que caracterizam nossa mente (cite trés). — Quais sao as principais atividades proprias do pensamento? Cite uma aplicagao importante dessas atividades. — Que é realmente fisico na visdo, na audic¢ao, etc.? E que € mental nas mesmas fungoes? (CURSO ROSACRUZ DE CRIAGAO MENTAL a 55 — Que importante idéia geral vocé deve ter em mente a respeito de pensamentos, percepgées “fisicas” e emogées? AVA Mente Consciente As fungées mentais que apreciamos até este ponto tém em comum o fato de que temos consciéncia direta de sua ocorréncia. E conveniente, por isto, agruparmos essas fungdes numa espécie de “diviséo” da mente e chamarmos essa “diviséo” de Mente Consciente. Isto servira a fins didaticos e de comunicagao. E a designacao é facil de guardar porque contém a palavra consciente, que lembra aquele fato comum a essas fungdes mentais (pensamento, sensag&o e emogao). AVA Suspenda novamente o estudo da apostila e passe a escutar 0 cassete e seguir suas instrugdes. Marque esta pagina. AVA EXERCICIO Ne 4— Comentarios Vamos agora dar tratamento tedrico ao trabalho que vocé executou através do cassete. Mente Subconsciente Existem fungdes mentais que néo conhecemos diretamente, isto 6, de que nao tomamos consciéncia como nos casos de pensamentos, sensagées & emogées. Inferimos sua existéncia de fatos que podemos perceber e apreciar (observar). As fungées internas do nosso organismo, por exemplo, sao “automaticas” e, normalmente, néo temos consciéncia de que elas estado ocorrendo. Exemplos disto sdo a circulagdo do sangue e o funcionamento das. glandulas. Mesmo as atividades organicas de que em certos momentos e certas. condigdes tomamos consciéncia (como o batimento cardiaco) nao sao dirigidas pela nossa Mente Consciente (pela nossa vontade). Além disso, até nas agoes ‘© reagdes que deliberamos pela vontade, o “mecanismo” das préprias agdes e reagdes também nao é dirigido pela Mente Consciente, Podemos até desconhecer totalmente esse “mecanismo”, 0 que ocorre de fato no caso da so —— _____cunso.nosacauz nk cRIAGAO MENTAL maioria esmagadora das pessoas. Assim, decidimos caminhar e esse caminhar acontece “automaticamente”. S6 decidimos caminhar e para onde, com que velocidade, etc.; 0 resto “nao somos nés que fazemos”. A mesma constatagao se aplica ao que voce fez para desligar e religar 0 cassete. Se isto dependesse de que vocé dirigisse volitivamente os atos necessérios... Outros fatos & exemplos poderiam ser citados, mas vamos ganhar tempo e passar para a conclusao. Na observagao desses fatos, torna-se evidente a atuagéo de alguma inteligéncia;isto 6, as aces e reagSes executadas “automaticamente” seguem uma légica, so inteligentes. E conveniente entdo atribuirmos & mente essas funcées do nosso ser de que nao temos consciéncia, ou que nao temos consciéncia de dirigir, e as agruparmos numa outra “diviséo” chamada Mente Subconsciente. ‘Temos assim a Mente Consciente, como a fase da mente de que temos consciéncia nos pensamentos, nas percepgées “fisicas” e nas emogées; a Mente Subconsciente, como a fase da mente de que nao temos consciéncia direta e cujas fungées nao dirigimos diretamente. AVA — Que é Mente Consciente? (Dé sua definig&o com referéncia as fungdes desta Mente — quais sao e que tém elas em comum.) — Que 6 Mente Subconsciente? (Defina também com referéncia as funges desta Mente.) AVA Observagées Especiais Duas observagées fazem-se agora necessarias. Primeiro, a de que isto é uma simplificagéio da estrutura da mente e evita complicarmos demais a nossa fundamentagao tedrica. Nesta observagéo, convém salientarmos que, como toda simplificagao, esta deve ter seus pontos vulneraveis & discutiveis. O importante, porém, € que ela sirva aos nossos fins praticos de instrugao para criag&o mental. A segunda observacao 6 a de que, deixando de lado detalhes CURSO ROSACAUZ DE CRIAGAO MENTAL sz e diferencas de terminologia, esta “divisdo” ou “estruturagao” da mente 6 hoje de dominio pubblico, isto 6, “todo mundo sabe disso”. Portanto, como nao estamos interessados aqui num estudo profundo e minucioso do psiquismo humano, podemos passar para a criacao propriamente dita. O importante é que ja estabelecemos a nossa terminologia, para fins didaticos e de comunicagao. No estudo da criagéo mental, acrescentaremos o que for necessério, a respeito da mente, a partir dessa terminologia. Podemos entao registrar: A MENTE HUMANA SE MANIFESTA PARA NOS DE DOIS MODOS: CONSCIENTEMENTE (MENTE CONSCIENTE) E INCONS- CIENTEMENTE (MENTE SUBCONSCIENTE). PODEMOS DIRIGIR ALGUMAS DAS FUNGOES DA MENTE CONSCIENTE (COMO OS PENSAMENTOS). NAO PODEMOS DIRIGIR_DIRETAMENTE AS FUNGOES DA MENTE SUB- CONSCIENTE. Algumas observagées que fagamos ainda, agora, poderao ser proveitosas para as nossas instrug6es para criagao mental, desencadeando uma reflexao Preparatéria. So as seguintes: 1. Nao devemos esquecer que mesmo a Mente Consciente (que podemos em parte dirigir pelo uso da vontade) nao é estritamente “nossa”, j4 que a nossa “divisdo” 6 apenas didatica e a mente como um todo é uma funcao césmica (do Ser Césmico no Campo Césmico). 2. Tanto no caso da Mente Consciente como no caso da Mente Subconsciente, alguma energia é empregada para o trabalho proprio das fungdes e atividades mentais. Neste Curso, estamos chamando essa energia de Energia Psi, a energia da mente, uma propriedade do Campo Césmico (um atributo do Ser Césmico) responsavel pelas manifestagdes mentais. 3. A Mente Subconsciente é a fase transcendente da nossa mente. O significado desta palavra ja foi estabelecido. Nao podemos ter consciéncia direta, na Mente Consciente, da fase transcendente do Campo Césmico, nem da natureza do Ser Césmico. Portanto, 6 na Mente Subconsciente (que é transcendente) que estamos “mais diretamente ligados” & Mente Cosmica. Podemos entao finalizar assim: ———__5 2 __________cuniso osackuz D£ cRIAgAG MENTAL AMENTE HUMANA E IMANENTEMENTE LIGADA A MENTE COSMICA, ATRAVES DA MENTE SUBCONSCIENTE DO SER HUMANO; e A MENTE HUMANA E CRIATIVA, DEVIDO AO PRINCIPIO DE GRIATIVIDADE INERENTE AO CAMPO COSMICO E A NATUREZA DO SER COSMICO. AVA De que modos se manifesta para nés a nossa mente? (Cite dois. Quais as fungdes da nossa mente que podemos dirigir diretamente? Qual 6 a faculdade que usamos para isto? Que importante fator de trabalho é empregado para as fungdes e atividades mentais? Especifique este fator através da letra grega que estamos usando aqui. Qual é a relagdo deste fator com o Campo Césmico? Através de qual das duas “divises” da nossa mente estamos “mais diretamente ligados” & Mente Cosmica? AVA (CURSO ROSACRUZDE CRIAGAO MENTAL lustracées Segundo as instrugdes que voce ja recebeu para este aspecto do Curso, analise as ilustragSes abaixo e depois estude as explicagdes que damos a seguir. eo cs ROSACHUZ DE CRIAGAO MENTAL FIGURAS C, D,E- Sempre usando 0 nosso simbolo de Campo Césmico, temos aqui uma representagao do artificio que usamos no texto, de imaginarmos um ser que observasse a Criagao. Em C, temos esse observador, no Campo Césmico, contemplando o nada aparente deste Ultimo. Em D, o mesmo observador contemplando a Criagdo. Em E, ele contempla de novo o nada aparente do Campo Césmico. A ilustragao fala por si mesma quanto aos detalhes. Estude-os. E lembre-se de que, em nossa especulacao, 0 observador poderia ser o proprio Ser Cosmico! Por isto fizemos constar na ilustragao uma terceira seta (interrompida), “voltando” ao ponto ou a situagao “inicial”. AVA Sua reflexdo a respeito disto podera ser muito frutifera e emocionante! AVA FIGURA F— Temos aqui uma ilustragao da Mente Consciente, com seus contetidos bdsicos e comuns: sensagées (a imagem do pér-do-sol, exemplificando uma sensagao visual); pensamentos (representados entre parénteses na palavra “pér-do-sol’); e emogées (representadas na palavra “Lindo!”, entre parénteses). Note que a mente humana (neste caso a Mente Consciente) esta representada pelos circulos concéntricos ao redor da cabega humana, os quais abrangem os contetidos de sensa¢ao, pensamento e emogao. E também que, em consonancia com nossa experiéncia comum, 0 por-do-sol propriamente estd “situado fora do ser humano’. Finalmente, néo deixe de atentar para o fato de que tudo isso esté se passando dentro do Campo Cosmico (0 circulo interrompido). FIGURAG — _ Esta ilustragao é para a Mente Subconsciente. Lembramos que, no texto, dissemos que 6 esta Mente que dirige o “mecanismo” do nosso caminhar, por exemplo. Observe que os circulos concéntricos representativos de mente estao no ser humano e refletindo-se sobre ele mesmo. E sempre no Campo Césmico, como manifestagao de sua esséncia, suas propriedades, suas energias e suas leis, e sob a diregdo da Mente Cosmica! ava (CURSO ROSACRUZDE CRIAGAO MENTAL — 8 NOTA — Estamos representando a mente humana por circulos centrados na cabega de um individuo hummano. Mas nao queremos dizer com isto que a mente esteja situada na cabeca! Usamos esta representacao porque ela 6 conhecida, comum, e graficamente adequada. Além disso, na pratica, é de fato na cabeca que sentimos as fungdes mentais, porque 6 no cérebro que. se realiza 0 trabalho da Energia Psi. A discussao deste ponto, isto é, de onde esta situada a mente, no corpo humane, ¢ irrelevante para © NOsse Curso. Faga total abstragao disto. (Ou, se preterir, situe-a na cabega, se isto o ajudar @ esquecer o assunto.) AVA Concluimos assim o Primeiro Médulo do nosso Curso. Nele vocé recebeu a Fundamentagao Teorica Basica da criagao mental. Se a estudou como propusemos, deve ter compreendido e memorizado os pontos principais e deve ter dado inicio ao processo de assimilagao, isto 6, o conhecimento que adquiriu deve ter comegado a se integrar A sua mento, A sua estrutura pefquica, nao apenas como uma informacao (simplesmente adicionada a essa estrutura), mas, como um elemento criativo, que sua mente possa elaborar internamente, derivando dele novas conclusées, novas reflexdes, e abrindo caminho para novos estudos e pesquisas. No préximo Médulo vocé tera a Fundamentagao Tedrica da Criac&éo Mental (propriamente) e a instrugao pratica para fazer criagdes mentais. CURSO ROSACRUZ DE CRIACAO MENTAL, Sumario Ser Césmico: é criativo por natureza. Criagéio: manifestagao da esséncia do Ser Césmico (a Esséncia Césmica) no Campo Césmico. N&o se pode fazer existir alguma coisa a partir de nada. Silogismo Basico da Criacao: © PRINCIPIO DE CRIATIVIDADE E IMANENTE AO SER COSMICO (QUE E DOTADO DE MENTE COSMICA). Ora- AMENTE HUMANA E MANIFESTAGAO DA MENTE COSMICA (IMANENTEMENTE LIGADA A ELA). Logo— © PRINCIPIO DE CRIATIVIDADE — IMANENTE A MENTE HUMANA. Imanente significa: “que faz parte de” ou “que é parte intrinseca do”. Mente Humana: Aspecto ou fase do ser humano que se evidencia nas atividades internas que chamamos de pensamento, sensagao, e emogao, bem como em atividades sutis quo conhecemos indiretamente, através de efeitos de que podemos tomar consciéncia. Mente Consciente: A “diviséo” da mente de cujas atividades podemos ter consciéncia direta (pensamentos, sensagdes, emogoes). Mente Subconsciente: A “divisdo” da mente de cujas atividades ou fungoes nao podemos ter consciéncia direta (atividades organicas involuntarias, por exemplo), Atividades da Mente Consciente: podemos dirigir diretamente. Atividades da Mente Subconsciente: nao podemos dirigir diretamente. (CURSO ROSACRUZDECRIAGAOMENTAL —— 53 * AMENTE HUMANA E IMANENTEMENTE LIGADA A MENTE COSMICA, ATRAVES DA MENTE SUBCONSCIENTE DO SER HUMANO. * A MENTE HUMANA E CRIATIVA, DEVIDO AO PRINCIPIO DE CRIATI- VIDADE INERENTE AO CAMPO COSMICO E A NATUREZA DO SER COSMIC. Nota explicativa sobre a: ORDEM ROSACRUZ, AMORC Antecipando perguntas que venham a mente dos estudantes deste Curso que nao sejam Membros da AMORG, esclarecemos que a Ordem Rosacruz & uma associagao fraternal, ndo-sectaria, de homens e mulheres interessados no estudo e na aplicagao pratica das leis que regem o universo e a vida humana, com vistas a uma vida melhor, individualmente, e a maior evolugao do ser humano, numa perspectiva global. A Ordem Rosacruz, AMORC, oferece aos interessados 0 conhecimento daquelas leis e um programa para o desenvolvimento pessoal. Os interessados em conhecer mais acerca da toria e dos proveitosos ensinamentos da Ordem podem adquirir 0 livro A Ordem Rosacruz, AMORC, em Perguntas e Respostas, através da Divisao Financeira da Grande Loja da Jurisdigéo de Lingua Portuguesa (Caixa Postal 4450, 82501-970, Curitiba - PR; telefone (0**41)351-300 u através do e-mail: financeiro @ amorc.org.br). Aqueles que desejarem conhecer a proposi¢ao de estudo e desenvolvimento pessoal da AMORG, para considerarem sem compromisso sua conveniéncia de se afiliarem & Ordem, podem escrever a Divisao de Atendimento (Caixa Postal 4450, 82501-970, Curitiba / PR; telefone (0**41) 351-3000); ou através do e-mail: atendimento@amorc.org.br), a qual prestard todas as informagoes necessarias através do livreto gratuito intitulado “O Dominio da Vida”. Ter ORNL Soe ee oe Pert en ers Oot ket ee ce ee SAL) Peet Cone wn eR Ciuc cue oe cnr ene ee em a ear oy Pennie Ct no a eRe Ceo NOC OE eee cc RTC ice cre eut RC No cassete que o acompanha, porém, o estudante é levado a fazer vérios trabalhos mentais Pere cr ct tien et er Re Cee oem Ree ey Modulo, é um BRINDE! Nao pode ser vendido separadamente. TSBN 8537 gig assil701244l>)

Você também pode gostar