Você está na página 1de 44

05:01-01

Edição 1.1 pb

Caixa de mudanças

GR801
GR900
GRS890
GRS900
GRS920
GRSH900
GRSO900

Descrição de funcionamento

© Scania CV AB 2005, Sweden


1 714 648
Índice

Índice
Descrição de funcionamento GR801....................................................................... 3
GR900....................................................................... 4
GRS900 .................................................................... 5
GRS890 .................................................................... 6
GRS920 .................................................................... 6
GRSO900 ................................................................. 7
Operação................................................................... 8
Caixa de mudanças principal.................................... 9
Sincronizador.......................................................... 13
Seção planetária...................................................... 18
Tampa da caixa de mudanças ................................. 22
Carcaça de mudanças ............................................. 23
Engrenagem de divisão e seção planetária
(range)..................................................................... 24
Válvula do ponto morto (válvula 3/2) .................... 29
Válvula de bloqueio da engrenagem de divisão ..... 29
Sensor de velocidade de rotação indutivo com
proteção contra sobrevelocidade ............................ 30
Manopla da alavanca de mudanças ........................ 31
Sistema de lubrificação........................................... 32
Mudança de marcha................................................ 33
Fluxo de energia para diferentes engrenagens,
caixa de mudanças principal................................... 35

Especificações Relações.................................................................. 39
Tomada de força ..................................................... 43

© Scania CV AB 2005, Sweden


2 05:01-01
GR801

Descrição de funcionamento

GR801
GR801 é uma caixa de mudanças de As marchas são trocadas passando-se primeiro
8 velocidades que compreende uma seção para por todas as marchas principais com a seção
engrenagem principal de 4 velocidades e uma planetária engrenada na engrenagem baixa
seção para seção planetária. (low range). Depois disso, o procedimento é
repetido com a seção planetária engrenada na
A caixa de mudanças é do tipo com seção engrenagem alta (high range).
planetária, o que implica que a seção para
engrenagem principal tem relações da A caixa de mudanças pode ser usada junto com
engrenagem curtas e que a seção planetária tem o CS (Comfort Shift) ou CAG (Troca de
duas velocidades: high range e low range. marcha computadorizada). Com CS, são
usadas apenas sete das oito marchas na caixa
de mudanças.

1 Árvore primária 5 Tampa da caixa de mudanças


2 Sincronizador, terceira e quarta marchas 6 Seção planetária
3 Árvore secundária 7 Bomba de óleo
4 Sincronizador, primeira e segunda 8 Eixo secundário
marchas 9 Eixo da marcha à ré

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 3
GR900

GR900
GR900 é uma caixa de mudanças de As marchas são trocadas passando-se primeiro
9 velocidades que compreende uma seção para por todas as marchas principais com a seção
engrenagem principal de 4 velocidades e uma planetária engrenada na engrenagem baixa
seção para seção planetária e engrenagem (low range). Depois disso, o procedimento é
superlenta. repetido com a seção planetária engrenada na
engrenagem alta (high range).
A caixa de mudanças é do tipo com seção
planetária, o que implica que a seção para Também há disponível uma engrenagem
engrenagem principal tem relações da superlenta na low range, fornecendo um total
engrenagem curtas e que a seção planetária tem de nove marchas.
duas velocidades: high range e low range.

1 Árvore primária 4 Seção para seção planetária


2 Carcaça de mudanças 5 Eixo secundário
3 Árvore secundária

© Scania CV AB 2005, Sweden


4 05:01-01
GRS900

GRS900
GRS900 é uma caixa de mudanças de As marchas são trocadas passando-se primeiro
14 velocidades que compreende uma seção por todas as marchas principais com a seção
para engrenagem principal de 3 velocidades planetária engrenada na engrenagem baixa (low
com engrenagem de divisão integrada e uma range). Depois disso, o procedimento é repetido
seção para seção planetária e engrenagem com a seção planetária engrenada na
superlenta. engrenagem alta (high range).
A caixa de mudanças é do tipo com split e Cada marcha pode, por sua vez, ser dividida
seção planetária, o que implica que a seção para novamente através da engrenagem de divisão, o
engrenagem principal tem relações da que significa que há disponível 12 marchas. Na
engrenagem curtas e que a seção planetária tem low range, também há disponível uma
duas velocidades: low range e high range. engrenagem superlenta que pode ser dividida
via engrenagem de divisão, fornecendo um
total de 14 marchas.

1 Seção para seção planetária 5 Eixo secundário


2 Árvore secundária 6 Tomada de força
3 Carcaça de mudanças 7 Engrenagem da seção planetária
4 Árvore primária

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 5
GRS890, GRS920

GRS890
GRS890 é uma caixa de mudanças de As diferenças são encontradas na árvore
12 velocidades com relações aproximadas, secundária; GRS900 tem uma engrenagem
derivada da GRS900 mas sem a engrenagem com um mancal de agulhas para a engrenagem
superlenta. superlenta, enquanto que a GRS890 tem uma
luva espaçadora (veja as ilustrações).

GRS900

GRS890
102141

Diferença entre GRS900 e GRS890

GRS920
GRS920 é idêntica à GRS900, mas foi A diferença entre GRS900 e GRS920 se
desenvolvida para aguentar os níveis de torque encontra nas engrenagens para 1ª, 2ª e 3ª
sempre crescentes produzidos pelos motores marchas, onde o método de fabricação e o
modernos. material são diferentes.

© Scania CV AB 2005, Sweden


6 05:01-01
GRSO900

GRSO900

Z 36
Z 32

Z 31
Z 34

1
133 809

1 Split alto
Coletor de óleo
2 Split baixo

GRSO é uma caixa de mudanças com baixo foram mudados de lugar. O número de
sobremarcha, o que significa que pelo menos dentes na árvore primária foi aumentado para 36
uma marcha tem uma relação de transmissão e o número de dentes na engrenagem do eixo
inferior a 1:1. secundário foi reduzido para 31. Isso modificou
a relação de transmissão de 1,23:1 para 0,81:1
Isso faz o eixo de saída girar mais rapidamente (sobremarcha).
que a árvore primária na engrenagem máxima e
isso possibilita dirigir mais rapidamente nas Além disso, foi acrescentado um coletor de óleo
rotações do motor mais baixas. para assegurar a lubrificação das engrenagens de
divisão.
GRSO900 é basicamente a mesma caixa de
mudanças que a GRS900, mas os splits alto e

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 7
Operação

Operação
A caixa de mudanças principal tem
sincronizador em todas as marchas à frente além
da engrenagem superlenta. As marchas
principais, a engrenagem superlenta e a marcha
à ré são selecionadas manualmente com uma
alavanca.
Consulte também a informação de serviço para
"Carcaça de mudanças".

Carcaça de mudanças

© Scania CV AB 2005, Sweden


8 05:01-01
Caixa de mudanças principal

Caixa de mudanças principal


A caixa de mudanças principal tem quatro eixos/árvores: Árvore primária, árvore secundária, eixo
secundário e eixo da marcha à ré. Todas as engrenagens na caixa de mudanças são cortadas na forma
espiral.

1 Árvore primária 5 Bomba de óleo


2 Carcaça de mudanças 6 Eixo secundário
3 Árvore secundária 7 Eixo da marcha à ré
4 Tampa da caixa de mudanças

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 9
Caixa de mudanças principal

Árvore primária
A árvore primária está assentada em dois
rolamentos de roletes cônicos. O da frente é
inserido na parede dianteira da carcaça da caixa
de mudanças e o de trás na extremidade
dianteira da árvore secundária. A árvore também
é apoiada por um rolamento de esferas no centro
do volante.
A árvore é instalada com dois anéis de pistão na
canalização do óleo perfurada transversalmente
para minimizar as quedas de pressão no sistema
de lubrificação. O mancal de agulhas é
lubrificado via canais perfurados do lado de
dentro da árvore.
Em caixas de mudanças com engrenagem de
divisão, o cubo do sincronizador dessa Árvore primária. As setas indicam os anéis de
engrenagem é conectado à árvore através de pistão.
uma junta estriada. A engrenagem do split alto
na GRSO900 e a engrenagem do split baixo para
outras caixas de mudanças com split estão
assentadas em um mancal de agulhas.

Eixo da marcha à ré
O eixo da marcha à ré se encontra à esquerda do
eixo secundário. O eixo é firmemente fixado em
um suporte na carcaça da caixa de mudanças e
na chapa traseira dessa carcaça.
A engrenagem da marcha à ré, que fornece a
direção oposta de rotação à árvore secundária
quando a marcha à ré é engatada, se encontra no
eixo. A engrenagem está assentada em um
mancal de agulhas e é lubrificada por salpico.
As versões mais antigas têm uma canalização do
óleo no eixo.

© Scania CV AB 2005, Sweden


10 05:01-01
Caixa de mudanças principal

Árvore secundária
A extremidade dianteira da árvore secundária
está assentada em um rolamento de roletes
cônico na árvore primária, e a extremidade
traseira está assentada em um mancal cônico na
chapa traseira da carcaça da caixa de
mudanças. As engrenagens da árvore
secundária estão assentadas sobre mancais de
agulhas. A engrenagem do split baixo na
GRSO900 e a engrenagem do split alto em Árvore secundária, caixa de mudanças sem
outras caixas de mudanças com split estão engrenagem de divisão
assentadas em dois rolamentos de roletes
cônicos na árvore secundária.
Os cubos do sincronizador para as engrenagens
sincronizadas e o acionador para a engrenagem
superlenta e marcha à ré são conectados na
árvore secundária através de uma junta
estriada. A engrenagem solar e o cone

05_5433
sincronizador para a seção planetária são
instalados na extremidade traseira da árvore
secundária com uma junta estriada à árvore. Árvore secundária, caixa de mudanças com
Os mancais da engrenagem são lubrificados engrenagem de divisão
através de canais perfurados na árvore.

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 11
Caixa de mudanças principal

Eixo secundário
Em caixas de mudanças GR, as engrenagens
para marcha à ré e engrenagem superlenta são
fresadas diretamente no eixo. As engrenagens
para a 1ª, 2ª e 3ª marchas e a árvore primária
são ajustadas a pressão no eixo, com composto
de travamento nas juntas.
Em caixas de mudanças GRS, as engrenagens Eixo secundário, caixa de mudanças sem
para marcha à ré e engrenagem superlenta, engrenagem de divisão
assim como para a 1ª marcha são fresadas
diretamente no eixo. A engrenagem para a
2ª marcha e as engrenagens para árvore
primária, split baixo e split alto são ajustadas a
pressão no eixo, com composto de travamento
nas juntas.
O eixo secundário está assentado em mancais

05 5545
cônicos nas paredes dianteira e traseira da caixa
de mudanças. É instalada uma chave quadrada
para a bomba de óleo na extremidade dianteira Eixo secundário, caixa de mudanças com
do eixo. A chave quadrada é usinada engrenagem de divisão
diretamente no eixo.

© Scania CV AB 2005, Sweden


12 05:01-01
Sincronizador

Sincronizador

A caixa de mudanças principal é equipada com A finalidade do sincronizador é fazer com que a
dois ou três sincronizadores, conforme o tipo de engrenagem da marcha em questão siga
caixa de mudanças. rapidamente a mesma velocidade da árvore
secundária.
A engrenagem superlenta e a marcha à ré não
têm sincronizador e têm, por isso, apenas uma Isso também significa que o eixo secundário, a
luva de acoplamento, engatando diretamente árvore primária com disco de embreagem e as
com os dentes de acoplamento na engrenagem outras engrenagens na árvore secundária
respectiva quando trocando de marcha. atinjam uma velocidade apropriada para a
marcha atual.

05_5649

Caixa de mudanças sem engrenagem de divisão, GR900

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 13
Sincronizador

Sincronizador simples
O sincronizador para todas as marchas exceto a
1ª é conhecido como sincronizador simples. O
acionador com bola de travamento, êmbolo e
mola, luva de engate e cone de segurança são
instalados diretamente na árvore secundária.
Eles sempre giram na mesma velocidade que a
árvore secundária. No entanto, os cones
sincronizadores são instalados através de uma
junta estriada na engrenagem da árvore
secundária da marcha em questão.
A luva de engate tem estrias internas e pode ser
ajustada no acionador. As estrias da luva têm
uma unidade de travamento que encaixa os
dentes do cone sincronizador para manter a
marcha quando o torque é aplicado.
A luva de engate tem uma canaleta interna para
as bolas de travamento. As bolas têm duas
funções: de um lado manter a luva de engate na 1 Cone sincronizador
posição neutra e de outro, quando o
sincronizador começa a pressionar o cone de 2 Mola
segurança em direção ao cone sincronizador, 3 Êmbolo
ajustar a velocidade da engrenagem àquela da 4 Cone de segurança
árvore.
5 Bola de travamento
O cone sincronizador tem uma superfície de 6 Luva de engate
fricção polida com uma canaleta em forma de
7 Acionador
meia-lua para drenar óleo na superfície do
cone. O cone de segurança tem uma superfície 8 Engrenagem
de fricção injetada com chama com uma 9 Árvore secundária
canaleta de drenagem de óleo na superfície do
cone.
O cone de segurança e o cone sincronizador
têm dentes externos de cão, ou seja, o
acoplamento é do tipo de garras. O cone de
segurança tem quatro alhetas externas que
engrenam com os recessos correspondentes no
acionador.
Os recessos no acionador são um pouco mais
largos que as alhetas no cone de segurança. O
cone de segurança pode assim ser um pouco
virado de modo que os dentes da luva de engate
e do cone sincronizador não se coincidam, mas
forneçam uma função de travamento. Isso
significa que a marcha não pode ser engatada
até a luva de engate e o cone sincronizador
terem a mesma velocidade.

© Scania CV AB 2005, Sweden


14 05:01-01
Sincronizador

Sincronizador duplo
O sincronizador para a 1ª marcha, que é
normalmente a mais dura de engatar, é
conhecido como sincronizador duplo. Com o
sincronizador duplo a superfície de fricção é
maior, resultando em sincronização mais
efetiva.
O cone sincronizador, que é instalado nos
sincronizadores de outras engrenagens de
avanço, foi substituído por um disco de
acoplamento e um cone intermediário. Duas
superfícies de cone, uma entre o cone de
segurança e o cone intermediário e a outra entre
o cone intermediário e o cone interno, facilitam
o engate da marcha.
O cone de segurança e o cone interno são
conectados via disco acionador. O cone
intermediário é conectado ao disco de 1 Luva de engate
acoplamento por oito pinos nos quais o cone
pode se mover axialmente. 2 Bola de travamento, 4x
3 Cone de segurança
O torque de frenagem é obtido pelo cone de 4 Cone intermediário
segurança ser pressionado contra o cone
intermediário, que por sua vez, é pressionado 5 Pino, 8x
contra o cone interno. O cone intermediário, 6 Cone interno
que é conectado ao disco de acoplamento, é 7 Disco de acoplamento
travado, possibilitando a troca de marcha.
8 Disco acionador
Além disso, a informação fornecida sobre o 9 Êmbolo, 4x
sincronizador simples também é aplicável para
10 Mola, 4x
o sincronizador duplo.
11 Acionador
12 Árvore secundária

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 15
Sincronizador

Mudança de marcha
A ilustração na próxima página mostra em oito 8 A mudança de marcha está concluída.
passos como uma marcha é engatada através do Visto que ambos a luva de engate e o cone
sincronizador. sincronizador têm alguns dentes cônicos, a
marcha é mantida engatada via unidade de
1 Uma troca de marcha começa quando a travamento.
luva de engate é movida em direção ao
cone de segurança.
2 A luva de engate pressiona o rolete
cilíndrico em direção ao cone de
segurança. (O rolete cilíndrico tem outra
função, o que significa que deve centralizar
a luva de engate no ponto morto.)
3 Quando os cones são pressionados em
direção um ao outro, o cone de segurança
seguirá o cone sincronizador em uma ou na
outra direção, dependendo se a marcha
deve ser aumentada ou diminuída.

O cone de segurança só pode se mover


metade da largura do dente em uma ou na
outra direção antes de ser impedida de
fazer isso pelas quatro alhetas que passam
pelos recessos correspondentes no
acionador. Uma vez que a luva de engate
tiver ido tão longe a ponto de os dentes da
luva estarem apoiando com seus flancos de
travamento nos flancos de travamento nos
dentes do cone de segurança, a força axial
é transferida para o cone sincronizador, que
começa a travar.
4 A luva de engate pode agora ser movida
mais adiante para engrenar entre os dentes
do cone de segurança. Isso é possível
porque o cone de segurança é um pouco
movido em volta de seu eixo. Visto que
ainda há contato entre os cones, quando ele
se move, o conjunto inteiro vira também.
5 A luva de engate se move em direção ao
engrenamento com o cone sincronizador. O
cone de segurança se solta.
6 Quando a luva de engate atinge os dentes
do cone sincronizador, esse cone vira de
modo que possa iniciar o engate.
7 A luva de engate pode, a seguir, ser movida
adiante para engrenar com o cone
sincronizador.

© Scania CV AB 2005, Sweden


16 05:01-01
Sincronizador

A função do sincronizador durante a mudança de marcha

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 17
Seção planetária

Seção planetária

Generalidades
A caixa de mudanças da seção planetária tem 2 velocidades e é combinada com a traseira da caixa de
mudanças principal. Ambas as engrenagens alta e baixa têm sincronizador.
A seção planetária consiste de uma coroa regulável com dentes internos e dentes de acoplamento,
uma engrenagem solar fixada na árvore secundária na caixa de mudanças principal e de cinco
engrenagens satélite entre a coroa e a engrenagem solar. As engrenagens satélite são montadas no
eixo de saída, que atua, ao mesmo tempo, como porta-engrenagem satélite.

Seção planetária, componentes principais

1 Eixo de saída, caixa de mudanças principal 6 Cone sincronizador, baixo


2 Cone sincronizador, alto 7 Eixo de saída, seção planetária
3 Coroa 8 Cone de segurança
4 Engrenagem satélite (5x) 9 Engrenagem solar
5 Garfo seletor

© Scania CV AB 2005, Sweden


18 05:01-01
Seção planetária

Low range
Ao conduzir na low range (seção planetária
baixa), a engrenagem solar aciona as
engrenagens satélite. A coroa, que é imóvel, é
travada à carcaça da engrenagem satélite via
disco de acoplamento fixo na carcaça. Visto que
a coroa é imóvel, as engrenagens satélite e o
porta-engrenagem satélite com eixo de saída são
forçados a girar, resultando na diminuição da
marcha.

High range
Ao conduzir na high range (seção planetária
alta), a coroa é travada à engrenagem solar via
cone sincronizador que está fixado à
engrenagem solar através de uma junta estriada.
A seção planetária inteira girará então como
uma unidade e não ocorrerá diminuição de
marcha.

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 19
Seção planetária

Sincronizador
A caixa de mudanças da seção planetária é
equipada com um sincronizador tipo cone, cuja
função é, em princípio, a mesma que da caixa
de mudanças principal. A finalidade do
sincronizador é levar o eixo de saída da caixa
de mudanças principal (árvore secundária) até a
mesma velocidade que a do eixo de saída da
seção planetária quando a seção planetária alta
(high range) é engatada e a seguir a seção
planetária baixa (low range) é engatada.
O sincronizador compreende dois cones de
segurança, dois cones sincronizadores e a coroa
que atua como luva de engate. Um dos cones
sincronizadores é fixado à engrenagem solar e
o outro é instalado na carcaça da seção
planetária. Na coroa há 12 bolinhas de engate
providas de molas, seis em cada lado, cuja
tarefa é ajustar os cones uns aos outros no
estágio inicial da sincronização.
Os cones de segurança só podem se mover
metade da largura do dente em uma direção na
coroa. Por esse motivo, efetuam a mesma tarefa
que os cones de segurança no sincronizador da
caixa de mudanças. As superfícies de fricção
do cone de segurança e cone sincronizador têm 1 Coroa
o mesmo design que aquelas na caixa de
mudanças. 2 Cone de segurança
3 Cone sincronizador
A coroa, finalmente, atua ao mesmo tempo
como luva de engate. A coroa tem dentes de 4 Bolinha de engate
acoplamento em cada lado para engrenar com o
cone sincronizador apropriado. Para a função
do sincronizador, consulte o sincronizador da
caixa de mudanças.

© Scania CV AB 2005, Sweden


20 05:01-01
Seção planetária

Operação
Durante a mudança de marcha, a coroa é
deslocada por meio de dois cilindros de
comando diametralmente posicionados. As
hastes da caixa de mudanças do cilindro de
comando são conectadas uma na outra através
de uma alavanca. Quando não há torque, a
marcha é retida com duas travas que atuam a
alavanca.
Os cilindros são pressurizados apenas no ponto 1 Coroa
morto na caixa de mudanças principal.
2 Alavanca
3 Haste da caixa de mudanças
4 Cilindro de comando

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 21
Tampa da caixa de mudanças

Tampa da caixa de
mudanças Três êmbolos providos de molas estão
A tampa da caixa de mudanças é equipada com assentados na parte superior da tampa da caixa
três ou quatro garfos de articulação que são de mudanças intencionados para prender a barra
montados em dois suportes. Os garfos de de manobra relevante após o engate ou
articulação da caixa de mudanças principal são desengate de uma marcha enquanto a caixa de
ativados a partir da carcaça de mudanças via mudanças não transmite torque. Quando se
barras de manobra. aplica torque, a marcha é retida pela luva de
engate do sincronizador, cujas estrias são
equipadas com uma unidade de travamento.

Tampa da caixa de mudanças, caixas de Tampa da caixa de mudanças, caixas de


mudanças GR mudanças GRS

© Scania CV AB 2005, Sweden


22 05:01-01
Carcaça de mudanças

Carcaça de mudanças
Há instalado na carcaça de mudanças uma
haste da caixa de mudanças assentada em um
mancal de agulhas com um seletor de marchas
para operar a caixa de mudanças principal. Há
uma válvula do ponto morto para operar a
seção planetária posicionada na extremidade
dianteira.
Em um terminal da haste da caixa de mudanças
há uma mola de curso lateral para prevenir que
a engrenagem superlenta e a marcha à ré sejam
engatadas involuntariamente ao conduzir para
frente. Não há molas de curso lateral entre as
engrenagens principais.
O seletor de marchas, enroscado na haste,
opera em um guia para prevenir o engate de
mais de uma marcha.
A válvula do ponto morto é ativada diretamente
pelo seletor de marchas e foi projetada de
modo a liberar o ar para a válvula 4/2 da seção
planetária quando o seletor de marchas está no
ponto morto.
1 Mola de curso lateral
O cilindro de comando para a engrenagem de
divisão é instalado na parte traseira da tampa da 2 Guia
caixa de mudanças. O cilindro ativa o garfo de 3 Válvula do ponto morto
articulação através da haste da caixa de 4 Haste da caixa de mudanças
mudanças. Há uma válvula 4/2 enroscada no
5 Interruptor da luz de marcha à ré
cilindro de comando.
Carcaça de mudanças, caixa de mudanças sem
Uma bolinha de engate provida de molas, que engrenagem de divisão
atua na barra de manobra diretamente do
cilindro do split, é instalada no friso de reforço
no lado de baixo da tampa da caixa de
mudanças. A função da bolinha de engate é
prevenir que uma marcha seja desengatada
quando não há torque. Quando o pedal da
embreagem é liberado, o cilindro de comando é
despressurizado.

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 23
Engrenagem de divisão e seção planetária (range)

Engrenagem de divisão e seção planetária (range)


Esquema elétrico e esquema pneumático para seção planetária (range)

+L
(−H)
H L
9
5 Range
H L
Range

Range
8
H
L (NO)

7
4
3
+24V

−H
2
1 +24V

05_5648
7 bar

6
= A
= B
= C
1 Eixo de saída A Tubulação de ar, pressurizada/não
2 Sensor de velocidade de rotação pressurizada
3 Proteção contra sobrevelocidade B Tubulação de ar, pressurizada
4 Junção C Cabo elétrico
5 Interruptor da seção planetária
6 Tanque de ar
7 Garfo de engate
8 Válvula do ponto morto
9 Dois cilindros da seção planetária com
uma válvula reguladora

© Scania CV AB 2005, Sweden


24 05:01-01
Engrenagem de divisão e seção planetária (range)

Esquema elétrico e esquema pneumático para engrenagem de divisão e seção planetária


(range), GRS900, GRS890 e GRS920

+L
(−H)
Split H L
13
6 Range
H L
Range

5
Range Split
12
H H
L L (NO)

11
4
3
Split
H L
+24V

−H
2 10
+L
+24V (−H)
1
9
+

(NC)
7 bar 8

7
05 5168
−NO
+24V
A

1 Eixo de saída 11 Garfo de engate


2 Sensor de velocidade de rotação 12 Válvula do ponto morto
3 Proteção contra sobrevelocidade 13 Dois cilindros da seção planetária com
4 Junção válvula reguladora
5 Interruptor da seção planetária A Tubulação de ar, pressurizada/não
pressurizada
6 Interruptor do split
B Tubulação de ar, pressurizada
7 Tanque de ar
C Cabo elétrico
8 Interruptor do pedal da embreagem
9 Válvula solenóide (válvula de bloqueio do
split)
10 Cilindro do split com válvula reguladora

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 25
Engrenagem de divisão e seção planetária (range)

Esquema elétrico e esquema pneumático para engrenagem de divisão e seção planetária


(range), GRSO900

1 Eixo de saída 12 Válvula do ponto morto


2 Sensor de velocidade de rotação 13 Dois cilindros da seção planetária com
3 Proteção contra sobrevelocidade válvula reguladora
4 Junção A Tubulação de ar, pressurizada/não
pressurizada
5 Interruptor da seção planetária
B Tubulação de ar, pressurizada
6 Interruptor do split
C Cabo elétrico
7 Tanque de ar
8 Interruptor do pedal da embreagem
9 Válvula solenóide (válvula de bloqueio do
split)
10 Cilindro do split com válvula reguladora
11 Garfo de engate

© Scania CV AB 2005, Sweden


26 05:01-01
Engrenagem de divisão e seção planetária (range)

Válvula reguladora do split/seção planetária


A válvula reguladora, que é do tipo 4/2, Ao mesmo tempo, o outro lado do cilindro de
compreende essencialmente duas partes: a comando é ventilado pelas conexões 22 e 24 na
própria carcaça da válvula com todas as carcaça da válvula. O ar sai pelo respiro na
conexões de ar e a parte magnética com válvula reguladora.
conexões elétricas.
Na condição ativada, o êmbolo de válvula é
Há um êmbolo de válvula provido de molas na deslocado por meio do ar de operação, conexão
carcaça da válvula que distribui ar de 12, em direção ao lado de respiro da carcaça da
fornecimento ao cilindro de comando. válvula.
Na condição não ativada, é, por isso, a mola O ar de fornecimento sai pelas conexões 22 e
que mantém o êmbolo de válvula contra o lado 24. Agora é possível ventilar, ao invés, as
magnético da carcaça da válvula. O ar de conexões 21 e 23.
fornecimento pode sair pelas conexões 21 e 23.

1 Pressão, entrada 22 Pressão, saída


3 Respiro 23 Pressão, saída
12 Pressão, entrada (controle) 24 Pressão, saída
21 Pressão, saída

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 27
Engrenagem de divisão e seção planetária (range)

O ar de operação, que controla o êmbolo de Na condição não ativada, o ar de operação é


válvula, é controlado, por sua vez, pela parte ventilado pela parte magnética.
magnética. Dentro da parte magnética há um
pino de regulagem pequeno, que é ativado pelo Quando a válvula reguladora não está ativada,
eletromagneto. Quando o eletromagneto opera, ambas as funções de split e seção planetária se
o pino abre uma conexão à carcaça da válvula. encontram na posição para relação de
O ar de operação então neutraliza a força da transmissão alta. GRSO900 forma uma
mola no êmbolo de válvula e a desloca em exceção: quando a válvula reguladora não está
direção ao lado de respiro da carcaça da ativada, a engrenagem de divisão se encontra
válvula. na relação de transmissão baixa.

Posição da engrenagem baixa Posição da engrenagem alta

1 Ar de fornecimento
3 Retorno de ar de fornecimento
12 Ar de operação

© Scania CV AB 2005, Sweden


28 05:01-01
Válvula do ponto morto, válvula de bloqueio da engrenagem de divisão

Válvula do ponto morto


(válvula 3/2)
A válvula do ponto morto é ativada
mecanicamente de um came instalado na haste
da caixa de mudanças na tampa da caixa de
mudanças.
Quando a engrenagem está no ponto morto, o ar
de operação passa da conexão 1 pela válvula e
sai pela conexão 2 para seguir adiante para a
válvula reguladora da seção planetária.
Quando uma marcha é engatada, o êmbolo na
válvula é pressionado e a conexão 1 fecha. Ao
mesmo tempo, a conexão 2 é ventilada pelo
respiro 3. A tubulação de ar de fornecimento é a
seguir despressurizada.

Válvula de bloqueio da
engrenagem de divisão
A válvula de bloqueio é uma válvula solenóide
convencional, válvula 3/2. O mesmo tipo é
usado na válvula solenóide para tomada de
força, trava do diferencial, etc. Há um conector
no componente da embreagem que fornece
corrente à válvula de bloqueio quando o pedal é
pressionado. A válvula de bloqueio em seguida
passa ar de fornecimento para a válvula
reguladora e somente então pode ocorrer troca
de marcha na válvula do split. Quando o pedal
da embreagem é liberado, a tubulação de ar de
fornecimento é despressurizada.

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 29
Sensor de velocidade de rotação

Sensor de velocidade de rotação indutivo com proteção


contra sobrevelocidade
O sensor de velocidade de rotação envia pulsos
para a proteção contra sobrevelocidade. A
velocidades acima de cerca de 30 km/h
(conforme a relação de transmissão do eixo
traseiro), o sensor de velocidade de rotação
envia pulsos para a proteção contra
sobrevelocidade. Ele interrompe, a seguir, o
circuito à parte magnética da válvula
reguladora da seção planetária. Não é possível
mudar para low range prevenindo a
sobrevelocidade da embreagem e do motor.
A velocidades abaixo de cerca de 30 km/h, o
circuito é fechado na proteção contra
sobrevelocidade. A parte magnética na válvula
reguladora pode então atuar o ar de operação,
que em seguida move o êmbolo de válvula para
a posição de engrenagem baixa.
A proteção contra sobrevelocidade tem uma 1 Sensor de velocidade na estrada
função de monitoramento embutida, o que 2 Sensor de velocidade de rotação para
implica que quando a proteção detecta certas proteção contra sobrevelocidade
falhas no circuito do sensor, ela previne a
engrenagem baixa de ser engatada. As falhas
são as seguintes:
1 Curto-circuito à massa
2 Curto-circuito à tensão da bateria
3 Circuito aberto no circuito do sensor
O modo de funcionamento limitado pode ser
ativado caso houver uma falha na proteção
contra sobrevelocidade se a proteção foi
substituída por um relé padrão (p. ex. 243 460).
Designs mais novos de proteção contra
sobrevelocidade não têm a função de
monitoramento. Apenas o design novo está
disponível como peça de reposição.

© Scania CV AB 2005, Sweden


30 05:01-01
Manopla da alavanca de mudanças

Manopla da alavanca de mudanças


Há disponível dois modelos de manopla da
alavanca de mudanças, a antiga e a nova. Ambos
têm um interruptor para a engrenagem da seção
planetária ou engrenagem de divisão e seção
planetária.

Engrenagem da seção planetária


Há um interruptor na manopla da alavanca de
mudanças. Na low range, o interruptor fecha o
circuito à parte magnética da válvula reguladora,
fazendo o ar de operação atuar o êmbolo de
válvula.

127 939
O supracitado será somente aplicável desde que

136 202
o circuito também seje fechado na proteção
contra sobrevelocidade.
Versão mais velha Versão mais nova

Engrenagem de divisão e seção


planetária (range)
Há dois interruptores na manopla da alavanca de
mudanças; um para a engrenagem de divisão e
um para a engrenagem da seção planetária. Em
uma situação que ambos os interruptores estão
na engrenagem baixa, eles fecham o circuito à
parte magnética da válvula reguladora, fazendo
o ar de operação atuar o êmbolo de válvula. O
supracitado será aplicável para a seção
planetária (range) desde que o circuito também
127 938

seje fechado na proteção contra


sobrevelocidade.
136 201

Versão mais velha Versão mais nova

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 31
Sistema de lubrificação

Sistema de lubrificação
A lubrificação é proporcionada através de uma Há uma outra válvula de alívio, chamada de
combinação de lubrificação por salpico e válvula de esvaziamento rápido, no sistema que
lubrificação por pressão. A lubrificação por é intencionada para proteger a bomba de óleo
salpico é efetuada pelos dentes do eixo contra contrapressão excessiva, p. ex. quando o
secundário girarem abaixo do nível de óleo na óleo da caixa de mudanças está extremamente
carcaça da caixa de mudanças e atuarem como frio. A válvula de esvaziamento rápido,
rotor da bomba. montada na carcaça da caixa de mudanças
imediatamente atrás do filtro de óleo, abrirá a
A lubrificação por pressão é proporcionada por seguir, despejando o óleo diretamente na caixa
meio de uma bomba de óleo, tubos e canais de mudanças novamente.
perfurados nos eixos. O sistema de lubrificação
também é equipado com um filtro de óleo e Um pouco do óleo pressurizado saindo do filtro
válvula de alívio. de óleo é forçado através da árvore primária e
árvore secundária para a seção planetária. O
A bomba de óleo é do tipo rotor instalada na restante do óleo pressurizado é fornecido à
carcaça da embreagem e acionada pelo eixo seção planetária através de um tubo de óleo
secundário. A bomba atrai óleo através de um interno.
filtro no fundo da carcaça da caixa de
mudanças. O óleo é empurrado adiante da Há canais perfurados na árvore secundária que
bomba de óleo por um filtro com uma válvula fornecem óleo aos diferentes mancais e às
de alívio embutida e a seguir distribuído por diferentes engrenagens para a seção planetária
vários dutos na carcaça da embreagem. via engrenagem solar. O tubo de óleo interno
fornece óleo ao mancal do eixo de saída através
de bicos de borrifo.

© Scania CV AB 2005, Sweden


32 05:01-01
Mudança de marcha

Mudança de marcha
Caixa de mudanças principal Engrenagem da seção planetária
A caixa de mudanças principal tem três ou A engrenagem da seção planetária (range) é
quatro marchas e uma marcha à ré. Algumas uma seção planetária do sincronizador que se
versões também têm uma engrenagem encontra atrás da caixa de mudanças principal.
superlenta. As engrenagens da caixa de A engrenagem da seção planetária duplica as
mudanças principal têm sincronizador, mas relações da engrenagem na caixa de mudanças
aquelas da engrenagem superlenta e da marcha principal em low range e high range. Ela é
à ré não têm. A operação é realizada movendo- operada com um botão na alavanca de
se a alavanca de mudanças para cada posição mudanças.
de marcha.
A caixa de mudanças é equipada com proteção
contra sobrevelocidade que previne que low
Engrenagem de divisão range seja engatada a velocidades acima de
aproximadamente 30 km/h.
A engrenagem de divisão está situada na parte
da frente da caixa de mudanças principal. A A relação de transmissão entre low range e
engrenagem de divisão divide cada relação da high range é 3,75.
engrenagem, 1-3, em baixa e alta. Desta
maneira, é possível obter 6 relações da
engrenagem. Além disso, a engrenagem
superlenta e a marcha à ré também podem ser
divididas em split alto e split baixo.
A seleção da engrenagem de divisão é efetuada
através de um botão de embutir que se encontra
na alavanca de mudanças.
A relação de transmissão entre os splits alto e
baixo é aproximadamente 23%.

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 33
Mudança de marcha

Mudança de marcha, caixa de mudanças com Mudança de marcha, caixa de mudanças sem
engrenagem de divisão engrenagem de divisão

© Scania CV AB 2005, Sweden


34 05:01-01
Fluxo de energia

Fluxo de energia para diferentes engrenagens, caixa de


mudanças principal
Consulte o módulo "Caixa de mudanças GR/GRS, Seção para seção planetária" para o fluxo de
energia pela seção planetária.

GR801 2ª e 6ª marchas

1ª e 5ª marchas

3ª e 7ª marchas 4ª e 8ª marchas

Marcha à ré

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 35
Fluxo de energia

GR900

Engrenagem superlenta 1ª e 5ª marchas

05 5595

05 5596
2ª e 6ª marchas 3ª e 7ª marchas
05 5597

05_5598
4ª e 8ª marchas Marcha à ré
05 5599

05 5600

© Scania CV AB 2005, Sweden


36 05:01-01
Fluxo de energia

GRS900, GRS920 e GRS890 exceto engrenagem superlenta

Engrenagem superlenta, split baixo Engrenagem superlenta, split alto

05 5602

05 5603
1ª e 4ª marchas, split baixo 1ª e 4ª marchas, split alto

05_5604

05 5605
2ª e 5ª marchas, split baixo 2ª e 5ª marchas, split alto

05 5607
05 5606

3ª e 6ª marchas, split baixo 3ª e 6ª marchas, split alto


05 5608

05_5609

Marcha à ré, split baixo Marcha à ré, split alto


05 5610

05 5611

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 37
Fluxo de energia

GRSO900

Engrenagem superlenta, split baixo Engrenagem superlenta, split alto

1ª e 4ª marchas, split baixo 1ª e 4ª marchas, split alto

2ª e 5ª marchas, split baixo 2ª e 5ª marchas, split alto

3ª e 6ª marchas, split baixo 3ª e 6ª marchas, split alto

Marcha à ré, split baixo Marcha à ré, split alto

© Scania CV AB 2005, Sweden


38 05:01-01
Especificações

Especificações

Relações

GR801

Marcha Relação de
transmissão
Manual/CAG CS
1 1 9,15
2 2 6,31
3 4,69
4 3 3,75
5 4 2,44
6 5 1,68
7 6 1,25
8 7 1,00
R R 8,21

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 39
Especificações

GR900

Marcha Relação de
transmissão
C 16,86
1 10,10
2 7,10
3 5,09
4 3,75
5 2,69
6 1,89
7 1,36
8 1,00
RL 16.42

© Scania CV AB 2005, Sweden


40 05:01-01
Especificações

GRS900, GRS920 e GRS890 exceto engrenagem superlenta

Marcha Relação de
transmissão
CL 16,38
CH 13,28
1L 11,38
1H 9,23
2L 7,17
2H 5,81
3L 4,63
3H 3,75
4L 3,03
4H 2,46
5L 1,91
5H 1,55
6L 1,23
6H 1,00
L RL 14,74
L RH 11,95

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 41
Especificações

GRSO900

Marcha Relação de 13,28


transmissão
CL 13,28
CH 10,76
1L 9,23
1H 7,48
2L 5,81
2H 4,71
3L 3,75
3H 3,04
4L 2,46
4H 1,99
5L 1,55
5H 1,26
6L 1,00
6H 0,81 0,81

L RL 14,74

135 775
6L 5L 4L 3L 2L 1L CL
6H 5H 4H 3H 2H 1H CH
L RH 11,95

© Scania CV AB 2005, Sweden


42 05:01-01
Especificações

Tomada de força
Todas as caixas de mudanças podem ser equipadas com tomada de força da série EG600.

Caixas de mudanças GR

Tomada Acionamento Relação de Torque


de força transmissão
EG601 Acionamento direto 1,24 700 Nm
EG603 Acionamento direto 1,13 500 Nm
EG611 Tomada de força simples acionada pela árvore de 0,93 1200 Nm
transmissão
EG612 Tomada de força simples acionada pela árvore de 0,92 1200 Nm
transmissão
EG621 Tomada de força dupla acionada pela árvore de 1,24 700 Nm
transmissão 0,93 1200 Nm *
* O torque não pode ultrapassar 600 Nm se ambas as tomadas de força estiverem sendo usadas.

Caixas de mudanças GRS

Tomada Acionamento Relação de Torque Engrenagem de


de força transmissão divisão
EG600 Acionamento direto 1,45 600 Nm split baixo
1,78 500 Nm split alto
EG604 Acionamento direto 1,12 500 Nm split baixo
1,37 500 Nm split alto
EG606 Acionamento direto 1,16 500 Nm split baixo
1,44 500 Nm split alto
EG610 Tomada de força simples 0,94 1200 Nm split baixo
acionada pela árvore de 1,15 1100 Nm split alto
transmissão
EG620 Tomada de força dupla 1,45 600 Nm split baixo
acionada pela árvore de 1,78 500 Nm split alto
transmissão 0,94 1200 Nm * split baixo
1,15 1100 Nm * split alto
* O torque não pode ultrapassar 600 Nm se ambas as tomadas de força estiverem sendo usadas.

© Scania CV AB 2005, Sweden


05:01-01 43
© Scania CV AB 2005, Sweden
44 05:01-01