Você está na página 1de 41

Plano de Gestão de Resíduos Sólidos

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

Presidência Superior Tribunal de Justiça


Laurita Hilário Vaz Governo Federal – Poder Judiciário

Vice Presidência CNPJ:


Humberto Eustáquio Soares Martins 004884780001- 02

Secretaria Geral da Presidência Endereço:


Marcos Aurélio Pereira Brayner SAFS - Quadra 06 - Lote 01 - Trecho III
CEP: 70095-900 - Brasília – DF
Diretoria- Geral Telefone: 3319 8000
Sulamita Avelino Cardoso Marques Site:
www.stj.jus.br

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO STJ

Coordenação da Assessoria de Gestão Socioambiental


Ketlin Feitosa de Albuquerque Lima Scartezini

Elaboração
Renata Silva Côrtes
Flavio Jose Piedade da Silva
Maria Helena Pereira
Brunno Cardoso de Medeiros

Revisão
Mari Lúcia Del Fiaco

Editoração e diagramação
Coordenação de MultiMeios
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 4 6 PROCEDIMENTOS 14

2 OBJETIVOS DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 5 6.1. RESÍDUOS PERIGOSOS 14


6.2. RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS 14
3 CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS 5
7 ETAPAS 14
3.1. RESÍDUOS CLASSE I – PERIGOSOS 6
3.2. RESÍDUOS CLASSE II – NÃO PERIGOSOS 6 7.1. IDENTIFICAÇÃO/SEGREGAÇÃO/ACONDICIONAMENTO 14
Resíduos Classe II - A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Resíduos secos/recicláveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Resíduos Classe II - B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Resíduos não recicláveis/indiferenciados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Resíduos perigosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
4 ETAPAS E CONCEITOS NO 7.2. COLETA/ARMAZENAMENTO/TRANSPORTE 15
GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 8 Áreas internas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Áreas externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4.1 PLANEJAMENTO/CONHECENDO OS RESÍDUOS 8 Armazenamento/pesagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.2. MINIMIZAÇÃO DA GERAÇÃO 8 Resíduos especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.3. MANUSEIO SEGURO 8 Resíduos de oficina mecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.4. TREINAMENTO 9 Resíduos de construção civil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4.5. IDENTIFICAÇÃO E SEGREGAÇÃO NA ORIGEM 9 7.3. PRÉ TRATAMENTO 17
Símbolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Resíduos de oficina mecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4.6. ACONDICIONAMENTO 12 Resíduos de Construção civil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.7. TRATAMENTO INTERNO 12 Resíduos químicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.8. COLETA E TRANSPORTE INTERNOS 12 Documentos sigilosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.9. ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO 12 Outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.10. REGISTROS PARA CONTROLE DOS RESÍDUOS 12 7.4. REGISTROS 17
4.11. COLETA E TRANSPORTE EXTERNOS 12 7.5. DESTINAÇÃO FINAL 17
4.12. TRATAMENTO EXTERNO 12
4.13. TRANSBORDO OU ESTAÇÕES DE TRANSFERÊNCIA 13 8 LEGISLAÇÃO 18
4.14. DISPOSIÇÃO FINAL 13
9 FONTES CONSULTADAS 21
5 IDENTIFICAÇÃO/DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS/
PRODUTOS NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA 14 10 DEFINIÇÕES 21

ANEXO I 26
1 INTRODUÇÃO

A Constituição Federal de 1988 estabelece, em seu art. 225, § 3º, o seguinte:


“As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeita-
rão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e adminis-
trativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados”.

O poder público, como gerador de resíduos, é responsável, junto com o


setor empresarial e a coletividade, pelos danos causados ao meio ambiente
decorrentes da gestão inadequada dos resíduos sólidos.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei n. 12.305/2010, esta-


belece princípios, objetivos, instrumentos e diretrizes para a gestão e
gerenciamento desses resíduos, as responsabilidades dos geradores, do
poder público e dos consumidores, bem como os instrumentos econômi-
cos aplicáveis à situação. Ela consagra um longo processo de amadure-
cimento de conceitos e princípios, como o da prevenção e precaução, do
poluidor-pagador, da ecoeficiência, da responsabilidade compartilhada
pelo ciclo de vida do produto, do reconhecimento do resíduo como bem
econômico e de valor social, do direito à informação e ao controle social,
entre outros.

A Lei n. 12.305/2010 contém instrumentos importantes para o enfrenta-


mento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decor-
rentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. Um deles é a instituição
da responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos: fabricantes,
importadores, distribuidores, comerciantes, cidadão e titulares de serviços
de manejo dos resíduos sólidos urbanos na logística reversa dos resíduos e
embalagens pré-consumo e pós-consumo.

A PNRS cria também uma hierarquia que deve ser observada para a ges-
tão dos resíduos: não geração, redução, reutilização, reciclagem, trata-
mento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada
dos rejeitos, instituindo uma ordem de precedência que deixa de ser
voluntária e passa a ser obrigatória.

•4•
2 OBJETIVOS DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ∞ Incentivar a minimização dos resíduos mediante a aplicação dos 5Rs –
repensar, recusar, reduzir, reutilizar e reciclar;
A implementação de um programa de gestão de resíduos (PGRS) exige ∞ Minimizar riscos e impactos ambientais;
mudança de atitudes, por isso é uma atividade que traz resultados a ∞ Reduzir custos de tratamento e disposição final dos resíduos;
médio e longo prazo, além de requerer monitoramento permanente. ∞ Reduzir acidentes de trabalho relacionados ao processo de trabalho;
Uma vez implementado, o PGRS terá atuação perene dentro da unidade ∞ Incentivar o surgimento de uma nova visão e comportamento relativos
geradora de resíduo, razão pela qual é muito importante que seja bem aos problemas ambientais;
equacionado, discutido e assimilado por todos que serão responsáveis por ∞ Proporcionar o cumprimento das legislações vigentes, evitando infra-
sua manutenção e sucesso. ções ambientais e sanções legais.

Um programa de gestão de resíduos deve sempre adotar o princípio da res- Vale mencionar que a Lei distrital n. 5.610, de 16 de fevereiro de 2016,
ponsabilidade objetiva, isto é, quem gerou o resíduo é responsável por ele. A regulamentada pelo Decreto n. 37.568/2016, dispõe sobre a responsabili-
segregação e a coleta dos resíduos sólidos devem ser uma atividade diária, dade dos grandes geradores de resíduos sólidos. São assim consideradas
preferencialmente realizada logo após o término do procedimento de rotina. as “pessoas físicas ou jurídicas que produzam resíduos em estabelecimen-
tos de uso não residencial, incluídos os estabelecimentos comerciais, os
O plano de gerenciamento é um conjunto de atividades cuja finalidade é públicos, os de prestação de serviço, os terminais rodoviários e aeroportu-
dar aos resíduos o destino final mais adequado, de acordo com suas carac- ários, cuja natureza ou composição sejam similares àquelas dos resíduos
terísticas. Compreende as etapas de caracterização, segregação, armaze- domiciliares e cujo volume diário de resíduos sólidos indiferenciados, por
namento ou acondicionamento, transporte, tratamento, recuperação e unidade autônoma, seja superior a 120 litros;”
eliminação dos resíduos.
De acordo com a Lei n. 5.610/16, o volume diário superior a 120 litros diá-
A primeira etapa do plano é a identificação e caracterização de todos os resí- rios de resíduos sólidos indiferenciados desobriga o Serviço de Limpeza
duos gerados pelo estabelecimento na execução de suas atividades. Nesse Urbana do Distrito Federal (SLU) da responsabilidade da prestar serviços
inventário, deve constar a quantidade e a periodicidade dos resíduos gerados. sem cobrança, conforme já estava previsto na Lei 12.305/2010, que isenta o
Estado do gerenciamento ambientalmente adequado dos materiais e do
Isso possibilita a reciclagem e o reúso de tudo o que é possível, bem como ônus decorrente disso.
habilita o resíduo para a sua destinação final.
Nesse sentido, a redução na geração do volume de resíduos tem impacto
O reúso e a reciclagem podem e devem ser exercitados e fomentados dentro direto na logística e nos custos de sua gestão e da destinação final.
do estabelecimento gerador. Entende-se por reúso o uso do resíduo como
insumo, sem que sofra qualquer tratamento. Já o reciclo envolve o uso do
material (ou do seu conteúdo energético) após algum tipo de tratamento. 3 CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Finalmente, tendo o estabelecimento gerador estocado a quantidade A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou
mínima de resíduo fruto de suas atividades, a pergunta esperada é esta: atividade que lhes deram origem, de seus constituintes e características e
Como tratar o resíduo? Qual a sua destinação final? a comparação desses constituintes com listagens de resíduos e substâncias
cujo impacto à saúde e ao meio ambiente seja conhecido. Tal identifica-
Os principais objetivos deste PGRS são: ção deve ser criteriosa e estabelecida de acordo com as matérias-primas, os
insumos e o processo que lhe deu origem.
∞ Estabelecer um manejo ambientalmente adequado e seguro dos resí-
duos desde a segregação até a disposição final; A NBR 10004/04 da ABNT dispõe sobre a classificação dos resíduos sólidos
∞ Conscientizar os servidores do Superior Tribunal de Justiça sobre a quanto aos seus riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública
correta destinação dos resíduos; para que possam ser gerenciados adequadamente (Figura 1)

•5•
De acordo com a NBR 10004, eles são classificados da seguinte forma: ∞ Lodos gerados no tratamento de efluentes líquidos de pintura industrial;
∞ Efluentes líquidos ou resíduos originados do processo de preservação da
CLASSE I CLASSE II madeira;
∞ Acumuladores elétricos à base de chumbo (baterias);
NÃO PERIGOSOS
QUE SÃO SUBDIVIDIDOS EM:
∞ Lâmpada com vapor de mercúrio após o uso (fluorescentes);
PERIGOSOS
• A – Não inertes
∞ Solventes halogenados e não halogenados, além de resíduos originados
• B - Inertes no processo de recuperação desses solventes ou de misturas que os con-
tenham;
∞ Óleos de isolamento térmico ou de refrigeração usados. Fluidos dielé-
∞ Os resíduos radioativos não são objeto da norma, pois são de competên- tricos, equipamentos, materiais e resíduos contaminados com bifenilas
cia exclusiva da Comissão Nacional de Energia Nuclear –CNEN. policloradas (PCB)

∞ Os resíduos de serviços de saúde deverão ser classificados conforme ABNT 3.2. RESÍDUOS CLASSE II – NÃO PERIGOSOS
NBR 12.808.
De acordo com a NBR 10004, os resíduos classe II – não perigosos – divi-
∞ Os resíduos gerados nas ETE domésticos e os resíduos sólidos domicilia- dem-se em:
res, excetuando-se os originados na assistência à saúde da pessoa ou do
animal, não serão classificados segundo os critérios de patogenicidade. RESÍDUOS CLASSE II - A

3.1. RESÍDUOS CLASSE I – PERIGOSOS NÃO INERTES • aqueles que não se enquadram nas classificações de resí-
duos classe I – perigosos ou de resíduos classe II B - Inertes. Os resíduos
Os resíduos classe I – perigosos – são aqueles cujas propriedades físicas, quími- classe II A – não inertes – podem apresentar propriedades como biodegrada-
cas ou infecto-contagiosas podem acarretar riscos à saúde pública e/ou riscos bilidade, combustibilidade ou solubilidade em água.
ao meio ambiente, quando o resíduo for gerenciado de forma inadequada.
Exemplos
Para que um resíduo seja apontado como classe I, ele deve estar contido O lixo comum em qualquer unidade industrial (proveniente de restauran-
nos anexos A ou B da NBR 10004 ou apresentar uma ou mais das seguintes tes, escritórios, banheiros etc.) é normalmente classificado como Classe II
características: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e A – não inerte.
patogenicidade.
RESÍDUOS CLASSE II - B
Os métodos de avaliação dos resíduos quanto às características acima
listadas estão descritos em detalhes na NBR 10004 ou em normas técnicas INERTES • quaisquer resíduos que, quando amostrados de uma forma
complementares e são amplamente aceitos e conhecidos no Brasil. representativa, segundo a ABNT NBR 10007, e submetidos a um contato
dinâmico e estático com água destilada ou desionizada à temperatura
Exemplo ambiente, conforme ABNT NBR 10006, não tiverem nenhum de seus cons-
∞ Óleo lubrificante usado ou contaminado; tituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabi-
∞ Óleo de corte e usinagem usado; lidade de água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor, con-
∞ Equipamentos descartados contaminados com óleo; forme anexo G, da NBR 10004.
∞ Lodos de galvanoplastia; O anexo H da NBR 10004 lista alguns resíduos classificados como não perigosos.

•6•
FIGURA 1
CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS.

Resíduo

O resíduo tem
origem conhecida ? NÃO
Resíduo não perigoso
SIM classe II

Consta nos
anexos A ou B ?
SIM

NÃO Possui constituintes que são


solubilizados em concentrações
Tem características de: superiores ao anexo G ?
inflamabilidade, corrosividade,
reatividade, toxicidade ou NÃO SIM NÃO
patogenicidade?

SIM
Resíduo não - inerte Resíduo inerte
Resíduo perigoso classe II A classe II B
classe I

•7•
4 ETAPAS E CONCEITOS NO GERENCIAMENTO DE ∞ Centralizar a compra de materiais;
RESÍDUOS
∞ Elaborar e manter atualizado um inventário de resíduos;
4.1 PLANEJAMENTO/CONHECENDO OS RESÍDUOS
∞ Incluir os procedimentos de tratamento e destinação de resíduos nas
O planejamento e a implantação de um plano de gerenciamento de rotinas operacionais.
resíduos sólidos (PGRS) estão vinculados ao levantamento dos aspectos
ambientais (os resíduos gerados) e requerimentos legais. Teoria dos 5Rs:
Repensar • Parte significativa dos danos causados por um produto não
O conhecimento dos resíduos gerados é etapa fundamental. Não se está em seu descarte, mas sim em seu processo de produção e em seu uso;
pode gerenciar o que não se conhece. E, para identificação das fontes por isso, quando compramos algo, devemos ter sempre em mente o ciclo
de geração de resíduos, é necessário percorrer os processos da empresa de vida daquele produto, ou seja, devemos considerar todos os impac-
ou órgão. tos envolvidos durante o ciclo produtivo, desde da extração da matéria-
-prima até o descarte.
Resíduos podem ser gerados em todos os processos, incluindo aquisi-
ções, prestação de serviços, manutenções e obras de engenharia. Recusar • recusar aqueles produtos que gerem impactos socioambientais
significativos. Antes do consumo, deve-se levar em conta a real necessi-
Nesta primeira etapa, são identificados e caracterizados todos os resí- dade do produto, as opções disponíveis, os impactos envolvidos durante
duos gerados pelo estabelecimento na execução de suas atividades. sua produção e como será sua destinação após o uso.
Neste inventário, devem constar a quantidade e a periodicidade dos
resíduos gerados. Redução da geração na fonte • inclusão de procedimentos que priorizam
a não geração dos resíduos. Estas ações podem variar de implantação de
4.2. MINIMIZAÇÃO DA GERAÇÃO novas rotinas operacionais a alterações tecnológicas no processo produtivo.

Deve-se buscar reduzir ou eliminar a geração de resíduos na sua origem Reutilização • trata-se do reaproveitamento do resíduo sem que haja
no sentido de que se minimizem os riscos de exposição a agentes perigo- modificações na sua estrutura. Ex. utilização dos dois lados de uma folha
sos, bem como reduzir custos para o gerenciamento. de papel.

A redução do volume de resíduos pode ser colocada em prática por meio Reciclagem • neste caso, há um beneficiamento no resíduo para que ele
de estratégias como substituição de certos produtos (pode-se também seja utilizado em outro (ou até no mesmo) processo. Ex. reciclagem de
reduzir a quantidade ou a periculosidade dos resíduos), controle de esto- latinhas de alumínio, garrafa pet.
ques, mudança de tecnologias e boas práticas de operação.
4.3. MANUSEIO SEGURO
Recomendações para minimização de resíduos:
Essa operação envolve risco potencial de acidente, principalmente para
∞ Substituir os reagentes/produtos tóxicos por outros de menor toxicidade; os profissionais que atuam na coleta, no transporte, no tratamento e na
disposição final dos resíduos.
∞ Reciclar e reaproveitar os resíduos;
Os funcionários que manuseiam os resíduos devem usar equipamentos de
∞ Oferecer treinamentos sobre coleta seletiva; proteção individual e/ou coletiva conforme previsto na Norma Regulamen-
tadora 6 – NR 6, Anexo I, do Manual de Segurança e Medicina do Trabalho.

•8•
∞ Equipamentos de proteção individual – EPI ∞ orientação quanto à execução das tarefas de coleta, transporte e arma-
Fonte: Web-Resol zenamento;

∞ utilização adequada de equipamentos de proteção individual – EPI ou


coletiva – EPC, necessários às suas atividades;

∞ procedimentos de emergência em caso de contato ou contaminação


com o resíduo, tanto individual quanto ambiental.

4.5. IDENTIFICAÇÃO E SEGREGAÇÃO NA ORIGEM

A primeira etapa do plano é o levantamento dos aspectos ambientais (os resí-


duos gerais). Trata-se da identificação e caracterização de todos os resíduos
gerados pelo estabelecimento na execução de suas atividades. Neste inventá-
∞ Equipamentos de proteção coletiva – EPC rio, deve constar a quantidade e a periodicidade dos resíduos gerados.
Fonte: Tem Sustentável
Tal operação deve ser feita no próprio ponto de geração e de acordo com
as características físicas, químicas, biológicas do resíduo, estado físico
(sólido e líquido). A segregação e a identificação são pontos cruciais no
gerenciamento dos resíduos sólidos. A segregação dos resíduos em dife-
rentes correntes tem como principal objetivo o de dinamizar os traba-
lhos de minimização, tratamento/destruição e disposição final.

Neste momento, é que deve ser feita a separação do resíduo. Em confor-


midade com a Lei n. 12.305/2010, os resíduos sólidos são classificados:
∞ Para o manuseio de frascos e embalagens de produtos perigosos, é obri-
gatória a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI), con- Quanto à origem:
forme especificações descritas nas fichas de informação de segurança de a) resíduos sólidos urbanos:
produtos químicos (FISPQ);
a.1) resíduos domiciliares: os originários de atividades domésticas em
∞ O produto originalmente acondicionado no frasco ou embalagem deve residências urbanas; 
ser conhecido, sendo identificado por meio do rótulo. a.2) resíduos de limpeza urbana: os originários da varrição, limpeza de
logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza urbana; 
4.4. TREINAMENTO
b) resíduos de estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços: os
Durante a implantação do PGRS, deve-se promover o treinamento das gerados nessas atividades, excetuados os referidos nas alíneas “a.2”, “c”, “e”,
pessoas envolvidas com o manuseio dos resíduos sólidos. “f” e “h”. Esses resíduos, se caracterizados como não perigosos, podem, em
razão de sua natureza, composição ou volume, ser equiparados aos resí-
O treinamento básico deve conter, no mínimo: duos domiciliares (a.1)

∞ informações quanto às características e aos riscos inerentes ao trato de c) resíduos dos serviços públicos de saneamento básico: os gerados nessas
cada tipo de resíduo; atividades, excetuados os referidos na alínea “a”; 

•9•
d) resíduos industriais: os gerados nos processos produtivos e instalações
industriais; 

e) resíduos de serviços de saúde: os gerados nos serviços de saúde, con-


forme definido em regulamento ou em normas estabelecidas pelos
órgãos do Sisnama e do SNVS; 

f) resíduos da construção civil: os gerados nas construções, reformas,


reparos e demolições de obras de construção civil, incluídos os resultan-
tes da preparação e escavação de terrenos para obras civis; 

g) resíduos agrossilvopastoris: os gerados nas atividades agropecu-


árias e silviculturais, incluídos os relacionados a insumos utiliza- Fonte: Web-Resol
dos nessas atividades; 
Objetivos da separação dos resíduos em grupos
h) resíduos de serviços de transportes: os originários de portos, aero-
portos, terminais alfandegários, rodoviários e ferroviários e passagens ∞ Facilitar e viabilizar o manuseio, a coleta, o transporte e o tratamento
de fronteira;  adequado dos resíduos sólidos.

k) resíduos de mineração: os gerados na atividade de pesquisa, extração ∞ Prevenir acidentes pela inadequada separação e acondicionamento dos
ou beneficiamento de minérios;  resíduos perigosos

Quanto à periculosidade: ∞ Racionalizar os custos financeiros que envolvem a gestão de resíduos;


a) resíduos perigosos: aqueles que, em razão de suas características de
inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, patogenicidade, ∞ Impedir a contaminação de grande quantidade de resíduo por uma pe-
carcinogenicidade, teratogenicidade e mutagenicidade, apresentam signi- quena quantidade de material perigoso.
ficativo risco à saúde pública ou à qualidade ambiental, de acordo com lei,
regulamento ou norma técnica;  ∞ Especificar o tipo e a cor dos sacos plásticos para os diversos grupos dos
resíduos, facilitando todo o processo de coleta e tratamento.
b) resíduos não perigosos: aqueles não enquadrados na alínea “a”. 
Sempre que possível, devem-se utilizar rótulos (símbolos e expressões)
A segregação é a parte inicial do processo de gerenciamento de resíduos para identificar os recipientes de acondicionamento, locais de armazena-
e é provavelmente a parte mais importante a ser realizada pelo gerador. mento, veículos de transporte interno e externo. Os símbolos facilitam a
O responsável técnico por um determinado produto/serviço também será comunicação e normalmente são encontrados nas fichas de informação
o encarregado da identificação e da separação dos resíduos, bem como de de segurança de produtos químicos (FISPQ - ABNT NBR 14725).
qualquer tratamento prévio que deva ser realizado. Geralmente quem está
na ponta do processo e manipula os materiais/produtos é quem vai ter Informações sobre toxicidade, reatividade e compatibilidade de inúmeras
noção da situação e será capaz de separar e identificar os possíveis resíduos. substâncias químicas podem ser encontradas em MSDS (Material Safety
A responsabilidade pela correta segregação do resíduo é de quem o gerou. Data Sheets), disponíveis em vários sites da internet e também na ficha
de informação de segurança de produto químico (FISPQ).

• 10 •
SÍMBOLOS

MATERIAIS RECICLÁVEIS

RESÍDUOS PERIGOSOS

Tóxico ou
altamente tóxico

Corrosivo

Explosivo

Nocivo
à natureza

Inflamável

Risco biológico

Outro símbolo muito usado é o diamante de


segurança – Diamante de Hommel. Trata-se
de um losango dividido em quatro quadrados,
cada um com uma cor. Cada um deles recebe
um número ou um código de letras.

• 11 •
4.6. ACONDICIONAMENTO dentes ocupacionais ou de danos ao meio ambiente. Em muitos casos, os
resíduos requerem algum tipo de pré-tratamento antes do seu encami-
É a colocação do resíduo em embalagens adequadas para coleta, trans- nhamento, o qual pode ser conduzido dentro ou fora das dependências
porte, armazenamento e disposição final adequados. Deve ser de acordo da empresa geradora e deve ser especificado no PGRS. Caso seja conduzido
com o tipo do resíduo e em conformidade com a Resolução Conama n. dentro da empresa, é necessário verificar com o órgão ambiental a neces-
275/2001, que estabelece o código de cores para os diferentes tipos de sidade de licença de operação para o processo em questão.
resíduos a ser adotado na identificação de coletores e transportadores e,
no que couber, conforme o estabelecido na Instrução Normativa SLU n. 4.8. COLETA E TRANSPORTE INTERNOS
89/2016. Os limites de enchimento também devem ser obedecidos.
∞ A COLETA 1 • consiste no recolhimento do resíduo diretamente do pon-
Os resíduos sólidos devem ser acondicionados em embalagens resistentes to de geração e remoção para local específico destinado ao armazena-
à ruptura e vazamento (ABNT NBR 9191-2008), com tampa provida de sis- mento temporário.
tema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resis-
tentes ao tombamento. O formato é importante quando pensamos na ∞ A COLETA 2 • consiste no recolhimento do resíduo do local de armazena-
facilidade de colocar e retirar o conteúdo e de guardar esses recipientes. mento temporário para o para o armazenamento externo (quando houver).

O manuseio e o acondicionamento correto dos resíduos possibilita a maxi- 4.9. ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO
mização das oportunidades com a reutilização e a reciclagem em virtude
do menor índice de contaminação, já que alguns materiais podem tor- Trata-se da contenção temporária de resíduos em área específica dentro
nar-se irrecuperáveis se não forem acondicionados de forma adequada, do estabelecimento, durante o aguardo da coleta 2. O armazenamento
bem como permite a redução dos riscos de danos ambientais e sociais e temporário poderá ser dispensado se a distância entre o ponto de geração
a racionalização dos recursos despendidos no gerenciamento de resíduos. e o armazenamento externo não for grande.

O acondicionamento de resíduos deve ser feito em local protegido, bem 4.10. REGISTROS PARA CONTROLE DOS RESÍDUOS
ventilado, longe de produtos inflamáveis. Os contêineres e/ou tambores
devem ser devidamente rotulados para possibilitar uma rápida identifi- O registro é a etapa que assegura o rastreamento dos resíduos sólidos. Os
cação dos resíduos armazenados. registros devem ser atualizados sistematicamente, para monitoramento
dos indicadores e fiscalização. As planilhas devem ser específicas para
O acondicionamento de resíduos perigosos como forma temporária de espera cada tipo de resíduo monitorado.
para reciclagem, recuperação, tratamento e /ou disposição final pode ser rea-
lizado em contêineres, tambores, tanques e/ou a granel. 4.11. COLETA E TRANSPORTE EXTERNOS

Obs. Deve-se ter atenção redobrada aos componentes químicos das solu- A coleta e o transporte externos consistem no recolhimento dos resíduos
ções e resíduos de modo que a embalagem não sofra deterioração durante e na sua remoção para a destinação visando ao tratamento ou à dispo-
o período de armazenamento. A incompatibilidade de químicos, volati- sição final. Quando se tratar de resíduos perigosos, a empresa transpor-
bilidade e as reações químicas à luz, umidade e temperatura também tadora deve observar o Decreto Federal nº 96.044, de 18 de maio de 1988.
devem ser considerados antes de guardá-los.
4.12. TRATAMENTO EXTERNO
4.7. TRATAMENTO INTERNO
A escolha dos métodos de tratamento e disposição final deve considerar
O tratamento interno consiste na aplicação de método, técnica ou pro- fatores técnicos, legais e financeiros.
cesso que modifiquem as características dos riscos inerentes a cada tipo
de resíduo, reduzindo ou eliminando o risco de contaminação, de aci- Os principais métodos de tratamento e disposição final estão descritos abaixo:

• 12 •
∞ Processo Térmico • consiste na utilização de técnicas de tratamento Existem também normas específicas sobre incineração, reciclagem e
baseadas na aplicação de calor aos resíduos. Os produtos resultantes outras formas de tratamento dos resíduos que são empregadas antes da
do emprego dessas técnicas dependem da quantidade de calor utiliza- disposição final, ou seja, os resíduos coletados passam por etapas e somente
da. As principais técnicas usadas são incineração, coprocessamento, o que não pode ser aproveitado deve ser destinado para os aterros.
pirólise, plasma.
Há diferentes tipos de aterro:
∞ Processo Físico • Normalmente é empregado como pré-tratamento
para que os resíduos sejam posteriormente encaminhados para trata- ∞ Aterro controlado • local onde os resíduos são descartados diretamente
mento e/ou disposição final. Os principais métodos utilizados são centrifu- no solo (sem nenhuma impermeabilização), porém com controles mí-
gação, separação gravitacional, redução de partículas. nimos (ex. monitoramento do lençol freático) no sentido de reduzir seu
impacto. Na maioria dos casos, trata-se apenas de um lixão que recebeu
4.13. TRANSBORDO OU ESTAÇÕES DE TRANSFERÊNCIA algumas adequações com o fim de atender a legislação vigente. Pode-se
dizer que o aterro controlado é uma espécie de transição entre os lixões
Instalação recomendada quando é grande a distância a ser percorrida e os aterros sanitários. Embora não seja uma forma de destinação ideal,
pelos resíduos até o ponto de disposição final, não havendo beneficia- costuma ser aceito pelos órgãos ambientais (isso varia de estado para
mento algum ou tratamento do resíduo nessa operação. estado) de forma temporária, enquanto o município procura outras for-
mas de destinação.
4.14. DISPOSIÇÃO FINAL
∞ Aterro sanitário • é um espaço destinado à deposição final de resíduos
A destinação final dependerá do tipo de resíduo. A partir dos critérios de sólidos gerados pela atividade humana: residências, indústrias, hospi-
classificação dos resíduos estabelecidos pela NBR 10004 é que são deter- tais, construções. De modo geral, são destinados aos resíduos provenien-
minadas as destinações adequadas para cada tipo de resíduo. tes do serviço de coleta municipal, mas ele também pode receber alguns
resíduos industriais não perigosos (classe II), podendo ser chamado tam-
Deve ser feita uma análise do custo/benefício dentro de todas as possibi- bém de “aterro classe II”. O solo do local onde será despejado o resíduo
lidades viáveis. As variáveis comumente avaliadas na definição da desti- deve ser impermeabilizado e são implantadas canaletas para coleta do
nação final de resíduos são as seguintes: chorume que será enviado para uma estação de tratamento de esgoto
(ETE). Também é feito o monitoramento do lençol freático e das emis-
∞ Tipo de resíduo; sões atmosféricas, podendo haver a captação dos gases gerados no aterro
∞ Classificação do resíduo; para geração de energia.
∞ Quantidade do resíduo;
∞ Métodos técnica e ambientalmente viáveis de tratamento ou disposição; ∞ Aterro industrial • possui o mesmo esquema básico do aterro sanitá-
∞ Disponibilidade dos métodos de tratamento ou disposição; rio; porém, para o aterro industrial, são enviados os resíduos provenien-
∞ Resultados de longo prazo dos métodos de tratamento ou disposição; tes da indústria. São áreas que contam com uma estrutura específica
∞ Custo dos métodos de tratamento ou disposição. e presença de profissional habilitado para que os resíduos da produção
industrial causem menos impacto ao meio ambiente. Nos aterros in-
Quanto aos locais de destinação, há também duas normas específicas: dustriais, os resíduos são dispostos em grandes áreas projetadas para re-
ceber os tipos resíduos específicos para o tipo de aterro. Existem aterros
∞ ABNT NBR 13896/97 • aterros de resíduos não perigosos – critérios para para os dois grandes grupos de resíduos classificados conforme a norma
projetos, implantação e operação; ABNT NBR 10004 : aterros classe I e classe II.

∞ ABNT NBR 10157/87 • aterros de resíduos perigosos – critérios para pro- ∞ Biorreatores • São chamados de biorreatores os aterros onde há uma
jeto, construção e operação. aceleração induzida do processo de decomposição dos resíduos median-

• 13 •
te o controle do pH do solo, da taxa de umidade da pilha de resíduos e, 7 ETAPAS
consequente, o aumento da atividade bacteriana.
7.1. IDENTIFICAÇÃO/SEGREGAÇÃO/ACONDICIONAMENTO
Os sistemas para tratamento externo dos resíduos sólidos perigosos são
passíveis de licenciamento ambiental, de acordo com a Resolução Conama RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS
nº 237/1997, e de fiscalização e controle pelos órgãos de vigilância sanitá- Papel, papelão, plástico, metal, isopor - são acondicionados em sacos plás-
ria e meio ambiente. Os sistemas de tratamento térmico por incineração ticos de cor azul, depositados em coletores e identificados conforme IN
devem obedecer ao estabelecido na Resolução Conama nº 316/2002. SLU n. 89/2016.

Deve-se requerer às empresas prestadoras de serviços de disposição final RESÍDUOS NÃO RECICLÁVEIS/INDIFERENCIADOS
de resíduos a apresentação de licença de funcionamento, operação, inclu- Vidros, pirex, espelhos, porcelanas, fitas e etiquetas adesivas, papéis higiê-
sive as condicionantes, caso haja, emitida pelo órgão ambiental para tra- nicos, fraldas descartáveis e absorventes, restos de comida em geral, pali-
tamento dos resíduos. Uma atividade relativamente simples que pode tos de madeira, papéis sujos e/ou engordurados - são acondicionados em
evitar sérios problemas aos responsáveis pelas instituições é a avaliação saco plástico preto, depositados em coletores identificados (resíduos orgâ-
cuidadosa da situação jurídica, econômica e técnica das empresas presta- nicos) para posterior encaminhamento para destinação final, conforme
doras dos serviços e das tarifas oferecidas. estabelecido na IN SLU n. 89/2016.

Observação: O resíduo de vidro será descartado como não reciclável, em


5 IDENTIFICAÇÃO/DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS/ saco preto, uma vez que no Distrito Federal ainda não há capacidade ope-
PRODUTOS NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA racional para encaminhamento para reciclagem.

A identificação/descrição dos serviços/produtos do Superior Tribunal de RESÍDUOS PERIGOSOS


Justiça consta no Anexo I.
Pilhas e baterias

6 PROCEDIMENTOS São acondicionadas em coleto-


res de cor laranja, para posterior
6.1. RESÍDUOS PERIGOSOS encaminhamento ao Programa
de Logística Reversa de Pilhas e
Os resíduos perigosos devem ser segregados na origem, embalados, iden- Baterias Portáteis da Associação
tificados e ter a sua destinação (tratamento, aterro, reciclagem, reutiliza- Brasileira da Indústria Elétrica e
ção etc.) formalmente documentada. Eletrônica – ABINEE.

6.2. RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS Lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e luz mista

Os resíduos sólidos e líquidos segregados, não perigosos e passíveis de recicla- Após a troca, as lâmpadas fluorescentes substituídas são acondiciona-
gem devem ser segregados, embalados, identificados e encaminhados para das na caixa da substituta, enroladas com fitas e depositadas na hori-
reciclagem. Os resíduos devem ser segregados de acordo com os princípios da zontal para armazenamento temporário (no depósito da engenharia)
coleta seletiva no STJ, em conformidade com sua Política de Sustentabilidade até a coleta por empresa contratada para transporte, tratamento e des-
(Portaria n. 293 de 31/5/2012), com a Lei nº 12.305/2010 – Política Nacional de tinação final;
Resíduos Sólidos, Lei Distrital nº 5.610/2016 e Instrução Normativa nº 89/2016.

• 14 •
Resíduos de serviços de saúde passagem entre os edifícios, praça do servidor, praça do anjo, guaritas e
estacionamentos internos) do Tribunal.
os resíduos gerados pelas atividades realizadas nos serviços de saúde
(Grupo A e B) descartados são acondicionados em coletores com saco Os resíduos são recolhidos pelos funcionários no período da manhã e à
branco leitoso. tarde, durante a limpeza das áreas, ou ainda, sempre que houver demanda.

Óleo lubrificante, seus resíduos e embalagens. ÁREAS INTERNAS


(salas, corredores, hall do elevador etc.)
∞ Óleo lubrificante usado: após o procedimento de troca, o óleo é acon-
dicionado em tambor exclusivo para seu armazenamento enquanto Os funcionários responsáveis pela conservação e limpeza recolherão:
aguarda o encaminhamento para a destinação final.
∞ Em saco azul • resíduos de papel das papeleiras*, resíduos de plástico
∞ Embalagens de óleo e seus resíduos: após o processo de “escorrimento” do em geral, isopor, resíduos metálicos.
óleo, as embalagens são acondicionadas dentro de um tambor exclusivo
para seu armazenamento temporário até o encaminhamento para a * Resíduos depositados nas papeleiras, caso haja a
destinação final. possibilidade do reuso do papel, serão encaminhados
à reprografia para a produção de blocos de anotação.
Pneus, fitões, câmara de ar
∞ Em saco preto • resíduos não recicláveis (classificado ou equiparado
após o uso são acondicionados em depósito disponível na Seção de a resíduo domiciliar) dos coletores para resíduo não reciclável/comum
Manutenção de Veículos para posterior encaminhamento para ponto (coletor preto/coletor com saco preto/coletor identificado para coleta de
de coleta de pneus inservíveis no DF, localizado no Complexo Norte/ resíduo comum, orgânico, não reciclável), das unidades administrativas,
NOR/SLU. copas e banheiros.

Resíduos de construção civil ∞ Em saco branco • resíduos de serviços de saúde são recolhidos em sacos
de cor branca (coletor com saco branco/coletor identificado para coleta
são acondicionados em caçamba apropriada para posterior encami- de resíduos de serviços de saúde). Após são depositados em recipiente
nhamento para destinação final. de coleta apropriado, fornecido em regime de comodato pela empresa
contratada, os quais são armazenadas no interior de contêiner exclusivo
Resíduos eletroeletrônicos para resíduos de serviços de saúde, localizado no térreo, ao lado do ed.
Ministros I
os resíduos eletrônicos de propriedade do STJ não patrimoniados (cabos,
CDs, DVDs, mouse, teclados) e aqueles oriundos de campanhas internas ÁREAS EXTERNAS
(Educação Ambiental) são acondicionados em contêiner para posterior Os funcionários responsáveis pela conservação e limpeza recolhem:
encaminhamento à destinação final.
∞ Em saco azul • resíduos de papel/ papelão, resíduos de plástico em geral,
7.2. COLETA/ARMAZENAMENTO/TRANSPORTE isopor, resíduos metálicos.

No STJ, a equipe de conservação e limpeza é responsável pelo recolhi- ∞ Em saco preto • resíduos não recicláveis (classificado ou equiparado
mento dos resíduos nas áreas internas (salas de julgamento, unidades de a resíduo domiciliar) dos coletores para resíduo não reciclável (coletor
trabalho, copas e banheiros, corredores e halls no interior dos edifícios, preto/coletor com saco preto/coletor identificado para coleta de resíduo
garagem subterrânea, auditório) e externas (térreo dos edifícios, áreas de comum, não reciclável).

• 15 •
∞ Pilhas e baterias • depositadas nos coletores de cor laranja são recolhidas RESÍDUOS ESPECIAIS
em saco preto, durante a limpeza e conservação de áreas externas.
Resíduos de oficina mecânica
∞ Resíduos de poda de plantas e grama • são recolhidos pelos funcioná-
rios responsáveis pelos serviços de jardinagem e depositados diretamen- Os resíduos gerados na oficina são coletados pelos funcionários respon-
te sobre o veículo (carretinha tracionada por trator) usado durante a sáveis pela prestaç serviços:
execução dos trabalhos. Em seguida, o material é recolhido pela empresa
contratada para os serviços de jardinagem ou transportado até a área de ∞ O óleo lubrificante usado retirado do veículo é vertido em tambor apro-
compostagem localizada no Bosque dos Tribunais. priado logo após o serviço. As embalagens de óleo são invertidas sobre o
tambor de óleo usado até que tenham escorrido por completo.
∞ Resíduos eletroeletrônicos • não patrimoniados e aqueles trazidos por
servidores e terceirizados (fruto de campanha de Educação Ambiental) são ∞ Pneus usados, após a troca, são recolhidos e armazenados em local apro-
recolhidos por funcionários em carrinho tipo gaiola ou caixa de papelão, priado localizado na Seção de Oficina Mecânica (SEMAN).
conforme demanda, durante os serviços diários de
limpeza e conservação. Após o recolhimento, são ∞ Baterias automotivas, após a substituição, são recolhidas pelos funcioná-
armazenados em contêiner apropriado localizado rios e armazenadas para posterior encaminhamento às empresas forne-
no subsolo do Ed. da Administração. A pesagem é cedoras, à base de troca.
realizada nas dependências do Tribunal.
Resíduos de construção civil
∞ Os resíduos de bitucas de cigarro • depositados
em bituqueiras são recolhidos em galões plásticos de ∞ Obras realizadas pela Seção de Obras Civis (SEOBC) – são acondicionados em
5 litros durantes os serviços de limpeza e conservação sempre que o volume caçamba apropriada para posterior encaminhamento à destinação final.
máximo da bituqueira for atingido e, diariamente, eventuais resíduos lança- Atualmente o STJ possui contrato específico para a prestação de serviço de
dos em locais diversos. remoção e transporte de resíduos de construção civil (Classe A e B- resolução
Conama 307/2002). As empresas contratadas somente poderão transportar
ARMAZENAMENTO/PESAGEM os resíduos coletados em conformidade com o Decreto nº 37782/2016;
Os resíduos de bitucas de cigarro, pilhas e baterias e eletrônicos recolhi-
dos no Tribunal, permanecem armazenados no subsolo do Ed. Da Admi- ∞ Obras contratadas pelo Superior Tribunal de Justiça – cabe ao contra-
nistração até que se atinja o volume mínimo para encaminhamento. tado a responsabilidade pelo gerenciamento de todos os resíduos decor-
rentes dos serviços.
Após a coleta, os resíduos recicláveis são pesados em balança própria e
armazenados em containers específicos, identificados para o armazena- 7.3 PRÉ TRATAMENTO
mento de resíduos secos/recicláveis, localizados no subsolo do ed. Minis-
tros I. São recolhidos do local de armazenamento temporário para o Nas operações com resíduos no STJ, são necessárias algumas ações pré-
armazenamento externo, localizado no estacionamento leste do Tribu- vias ao encaminhamento para destinação final
nal, às segundas, quartas e sextas-feiras no período da tarde.
Resíduos de oficina mecânica
Os resíduos não recicláveis (comum/orgânico/indiferenciado) são arma-
zenados temporariamente em containers identificados, localizados no ∞ “escorrimento” do óleo lubrificante antes do encaminhamento das emba-
subsolo do ed. Ministros I. Diariamente são recolhidos do local onde são lagens para o destino final. As embalagens de óleo lubrificante são vertidas
armazenados temporariamente para o armazenamento externo, locali- sobre o tambor de acondicionamento de óleo até que os resíduos escorram
zado no estacionamento leste do Tribunal. A pesagem é realizada antes por completo. Após esse procedimento, elas podem ser armazenadas tem-
da remoção para o armazenamento externo. porariamente até que se proceda ao recolhimento para destinação final.

• 16 •
∞ lavagem de peças automotivas contaminadas por óleos e graxas. As pe- A gestão dos resíduos é um indicador do Plano de Logística Sustentável
ças retiradas dos veículos devem ser lavadas previamente com desengra- estabelecido pela Resolução CNJ n. 201/2015.
xante apropriado. Os líquidos provenientes desse processo devem escor-
rer exclusivamente para a caixa separadora de óleo. Os resíduos gerados pelo Tribunal são pesados em balança própria pre-
viamente ao encaminhamento para destinação final.
Resíduos de Construção civil
A pesagem é registrada em livro próprio por funcionário encarregado. Os
As latas de tinta e solventes são recicláveis. Deve-se assegurar que as dados são lançados periodicamente em planilha elaborada pela Assessoria
latas estejam vazias e eventuais resíduos de tinta estejam secos antes de Gestão Socioambiental com a finalidade de monitoramento e controle.
do encaminhamento para o destino final;
7.5. DESTINAÇÃO FINAL
Resíduos químicos
∞ OS RESÍDUOS RECICLÁVEIS • são coletados por meio do serviço de co-
Os reagentes utilizados no Laboratório de Conservação de Documentos leta de resíduos recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva)
(LACOR) quando necessário e de acordo com os critérios de compati- para posterior encaminhamento aos centros de triagem de resíduos, que
bilidade, conforme estabelecido na ficha de informações de segurança são destinados ao trabalho das cooperativas e associações. O material
de produtos químicos, devem ser previamente neutralizados quimica- previamente separado e coletado é dividido de acordo com a tipologia,
mente, antes do descarte. para depois ser prensado e, posteriormente, comercializado para as in-
dústrias recicladoras.
Documentos sigilosos
∞ OS RESÍDUOS NÃO RECICLÁVEIS • (classificados ou equiparados a re-
Documentos (físicos ou digitais) devem ser destruídos previamente ao síduo domiciliar/indiferenciados) são encaminhados conforme previsto
encaminhamento reciclagem. na IN SLU nº 89/2016, transportados por empresa credenciada junto ao
Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal e encaminhamento para
∞ Os documentos e processos judiciais e administrativos são encaminha- aterro sanitário.
dos para a empresa Capital Recicláveis a fim de destruição prévia das
informações. ∞ OS RESÍDUOS ELETROELETRÔNICOS •
não patrimoniados e aqueles trazidos por
∞ Mídias magnéticas devem ser desmagnetizadas, a fim de que ocorra a servidores e terceirizados (fruto de cam-
destruição dos dados, antes do recolhimento para destinação final. panha de Educação Ambiental) são en-
caminhados, para a ONG Programando o
Outros Futuro ONG Programando o Futuro cujo
um dos principais projetos é a Estação de
Retirada do excesso de resíduos de embalagens utilizadas para acondi- Metarreciclagem que, além de dar uma destinação correta ao lixo eletrôni-
cionamento de alimentos (ex. marmitas de isopor); co, oferece capacitação técnica para jovens e adultos. A Seção de Limpeza e
Conservação é responsável pela solicitação da coleta, junto à ONG.
7.4. REGISTROS
∞ Os galões com RESÍDUOS DE BITUCAS DE CIGARRO • são encaminhados
O monitoramento dos resíduos é feito pela equipe da Seção de Limpeza ao Laboratório de Papel Artesanal - Artes/UnB, onde são transformados em
e Conservação em parceria com a Assessoria de Gestão Socioambiental. papel artesanal. O encaminhamento é realizado por servidores da AGS.

• 17 •
∞ RESÍDUOS DE OFICINA MECÂNICA: 8 LEGISLAÇÃO

Pneus • são encaminhados para o posto de coleta do SLU, localizado • Lei n. 6.938, de 31/8/1981 • Estabelece a Política Nacional do Meio
no Complexo Norte/NOR/SLU, responsável pela coleta de pneus usados Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, constitui o
no Distrito Federal. O encaminhamento é providenciado pela SEMAN; Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA) e institui o Cadastro de
Defesa Ambiental. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
Óleo automotivo usado • recolhido por empresa credenciada pela leis/L6938.htm;
ANP. A solicitação de coleta é feita pela SEMAN;
• Lei n. 8.666, de 21/6/1993 • Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Cons-
Embalagens de Óleo Lubrificante • recolhido pela empresa Jogue tituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Admi-
Limpo, responsável pela logística reversa de embalagens de lubrifican- nistração Pública e dá outras providências. Disponível em: http://www.
tes. A solicitação de coleta é feita pela SEMAN; planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8666cons.htm;

Baterias • recolhidas pelas empresas fornecedoras de baterias novas; • Lei n. 9.605, de 12/2/1998 • Dispõe sobre as sanções penais e adminis-
trativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e
Peças • encaminhadas para cooperativa/associação de reciclagem de dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cci-
resíduos, por intermédio do serviço de coleta de resíduos secos ofertado vil_03/leis/l9605.htm;
pelo SLU/DF, junto com os outros metais.
• Lei n. 9.966, de 28/4/2000 • Dispõe sobre a prevenção, o controle e a fis-
∞ RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE • são recolhidos por empresa con- calização da poluição causada por lançamento de óleo e outras substân-
tratada para a prestação de serviços de coleta, transporte e destinação cias nocivas ou perigosas em águas sob jurisdição nacional e dá outras
final de resíduos de serviços de saúde. providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/
L9966.htm;
∞ RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL • O STJ possui contrato específi-
co para a prestação de serviço de remoção, transporte e tratamento e • Lei n. 10.650, de 16/4/2003 • Dispõe sobre o acesso público aos dados e
destinação final de resíduos de construção civil e outros denominados informações existentes nos órgãos e entidades integrantes do Sisnama.
volumosos, gerados a partir dos serviços desenvolvidos pela SEOBC. As Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.650.
empresas contratadas somente poderão dispor os resíduos coletados nas htm;
áreas de transbordo autorizados pelo GDF (Decreto n. 4704/2011) em con-
formidade com o Decreto Distrital nº 37.782/2016. • Lei n. 11.445, de 5/1/2007 • Estabelece diretrizes nacionais para o sane-
amento básico. (Esta lei conceitua também limpeza urbana, manejo de
∞ Os RESÍDUOS VEGETAIS • são recolhidos pelos funcionários terceiriza- resíduos sólidos, e dá outras providências). Disponível em: http://www.
dos responsáveis pelo paisagismo e encaminhados para compostagem planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm;
no Bosque dos Tribunais (grama e folhas). Resíduos maiores (troncos de
arvores, galhos grandes) são recolhidos pela empresa contratada para os • Lei n. 12.187, de 29/12/2009 • Esta lei institui a Política Nacional sobre
serviços de jardinagem. Mudança do Clima - PNMC e estabelece seus princípios, objetivos, dire-
trizes e instrumentos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cci-
∞ LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES E CIRCULARES, FLUORES- vil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12187.htm;
CENTES COMPACTAS, DE VAPOR METÁLICO, DE VAPOR DE SÓDIO, DE
VAPOR DE SÓDIO BRANCA, DE VAPOR DE MERCÚRIO E LUZ MISTA, des- • Lei federal n. 12.305, de 2/8/2010 • Institui a Política Nacional de Resíduos
cartadas são recolhidas para destinação final por empresa especificamente Sólidos; altera a Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras pro-
contratada pelo Tribunal para esta finalidade. vidências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-
2010/2010/lei/l12305.htm;

• 18 •
• Lei n. 12.334, de 20/9/2010 • Estabelece a Política Nacional de Segurança • Decreto n. 2.657, de 3 de julho de 1998. • A Convenção nº 170 da OIT, rela-
de Barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos, à tiva à Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho, assi-
disposição final ou temporária de rejeitos e à acumulação de resíduos nada em Genebra, em 25 de junho de 1990, apensa por cópia ao presente
industriais, cria o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de decreto, deverá ser cumprida tão inteiramente como nela se contém.
Barragens e altera a redação do art. 35 da Lei n. 9.433, de 8 de janeiro de Disponível em http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_p2r2_1/_arqui-
1997, e do art. 4º da Lei n. 9.984, de 17 de julho de 2000. Disponível em: vos/106_legislacao09122008091448.pdf;
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12334.htm;
• Decreto n. 4.581, de 27/1/2003 • Promulga a emenda ao anexo I e adoção
• Lei n. 12.651, de 25/5/2012 • Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; dos anexos VIII e IX à Convenção de Basiléia sobre o controle do movi-
altera as Leis n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de mento transfronteiriço de resíduos perigosos e seu depósito. Disponível em:
1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis n. 4.771, de 15 de http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/98868/decreto-4581-03;
setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória n.
2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. (alterada pela • Decreto n. 5.472, de 20/6/2005 • Promulga o texto da Convenção de Esto-
Lei n. 12.727, de 17/10/2012). (ver art. 3º inc. VIII e art. 8º, sobre intervenções colmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adotada, naquela cidade,
em APPs para fins de saneamento ou gestão de resíduos, consideradas de em 22 de maio de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cci-
utilidade pública). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ vil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5472.htm;
ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm;
• Decreto n. 5.940, de 25/10/2006 • Institui a separação dos resíduos reci-
• Lei distrital n. 41, de 13/9/1989 • Dispõe sobre a Política Ambiental do cláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública
Distrito Federal e dá outras providências. Disponível em: http://www. federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às asso-
adasa.df.gov.br/images/stories/anexos/8Legislacao/Distrital/LEI_DF_41- ciações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras
1989.pdf; providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
Ato2004-2006/2006/Decreto/D5940.htm;
• Lei distrital n. 462, de 2/6/1993 • Dispõe sobre a reciclagem de resíduos
sólidos no Distrito Federal e dá outras providências. • Decreto n. 6.514, de 22/7/2008 • Dispõe sobre as infrações e sanções
administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo
• Lei distrital n. 5.610, de 16/2/2016 • Dispõe sobre a responsabilidade dos federal para apuração destas infrações, e dá outras providências. (Regu-
grandes geradores de resíduos sólidos e dá outras providencias. Disponí- lamenta a Lei n. 9.605/1998).
vel em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=316678;
• (Alterado pelo Decreto n. 7.640/2011). Disponível em: http://www.pla-
• Decreto n. 88.821, de 6 de outubro de 1983 • Aprova o Regulamento para nalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6514.htm;
a execução do serviço de transporte rodoviário de cargas ou produtos
perigosos, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto. • Decreto n. 6.686, de 10/12/2008 • Altera e acresce dispositivos ao
gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/D88821.htm; Decreto n. 6.514, de 22 de julho de 2008, que dispõe sobre as infra-
ções e sanções administrativas ao meio ambiente e estabelece o pro-
• Decreto n. 96.044, de 18 de maio de 1988 • Aprova o regulamento para o cesso administrativo federal para apuração destas infrações. Dispo-
transporte rodoviário de produtos perigosos e dá outras providências. Dispo- nível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/
nível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/d96044.htm; decreto/d6686.htm;

• Decreto n. 875, de 19/7/1993 • Promulga o texto da convenção (de Basiléia) • Decreto n. 7.217, de 21/6/2010 • Regulamenta a Lei nº 11.445, de 5 de
sobre o controle de movimentos transfronteiriços de resíduos perigo- janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento
sos e seu depósito. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ básico e da outras providências. Disponível em: http://www.planalto.
decreto/D0875.htm; gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/D7217.htm;

• 19 •
• Decreto n.7.404, de 23/12/2010 • Regulamenta a Lei n. 12.305, de 2 de RESOLUÇÃO ANTT 420/2004 • Documentos para o transporte terrestre de
agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, produtos perigosos.
cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos
e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística RESOLUÇÃO CONAMA 237/1997 • Dispõe sobre a revisão e complementação
Reversa, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto. dos procedimentos e critérios utilizados para o licenciamento ambiental.
gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7404.htm;
RESOLUÇÃO CONAMA 275/01 • Estabelece o código de cores para os dife-
• Decreto n.7.405, de 23/12/2010 • Institui o Programa Pró-Catador, deno- rentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e trans-
mina Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos portadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva.
Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis o Comitê Interminis-
terial da Inclusão Social de Catadores de Lixo criado pelo decreto de 11 RESOLUÇÃO CONAMA 313/2002 • Dispõe sobre o Inventário Nacional de
de setembro de 2003, dispõe sobre sua organização e funcionamento, e Resíduos Sólidos Industriais.
dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cci-
vil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7405.htm; RESOLUÇÃO CONAMA 316/2002 • Dispõe sobre procedimentos e critérios
para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos.
• Decreto n.8.141, de 20/11/2013 • Dispõe sobre o Plano Nacional de Sane-
amento Básico - PNSB, institui o Grupo de Trabalho Interinstitucional RESOLUÇÃO CONAMA 357/2005 • Dispõe sobre a classificação dos corpos
de Acompanhamento da Implementação do PNSB e dá outras provi- de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como
dências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011- estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras
2014/2013/Decreto/D8141.htm; providências.

• Decreto Distrital n.32.922/2011 • Institui o Comitê Intersetorial para RESOLUÇÃO CONAMA 358/2005 • Dispõe sobre o tratamento e a disposi-
elaborar e acompanhar a implantação das ações destinadas a execução ção final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências.
dos planos de resíduos sólidos no âmbito do Distrito Federal e entorno,
e dá outras providências; RESOLUÇÃO CONAMA 362/2005 • Dispõe sobre o recolhimento, coleta e
destinação final de óleo lubrificante usado ou contaminado.
• Decreto Distrital n.37.568, de 24/8/2016 • Regulamenta a Lei nº 5.610/2016,
que dispõe sobre a responsabilidade dos grandes geradores de resíduos sóli- RESOLUÇÃO CONAMA 401/2008 • Estabelece os limites máximos de
dos e altera o Decreto nº 35.816/2014, que regulamenta a Lei n° 5.281/2013, chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas no
que dispõe sobre o licenciamento para a realização de eventos; território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento
ambientalmente adequado, e dá outras providências.
• Decreto Distrital n.37.782, de 18/11/2016 • Dispõe sobre a gestão inte-
grada de resíduos da construção civil e de resíduos volumosos; INSTRUÇÃO NORMATIVA SLU N. 89/2016 • Regulamenta procedimentos
no âmbito do Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal e dispõe sobre
• Decreto Distrital 38.021de 21/02/2016 • Altera os artigos 26, 42 e 43 do as normas a serem observadas pelos grandes geradores de resíduos sólidos
Decreto nº 37.568/2016 e os artigos 3º , 10 e 13 do Decreto nº 35.816/2014 e e prestadores de serviços de transporte e coleta, bem como pelos responsá-
dá outras providências; veis pela realização de eventos em áreas, vias e logradouros públicos.

RESOLUÇÃO ADASA 14/2016 • Estabelece os preços públicos a serem NORMAS TÉCNICAS ABNT NBR 7500/2000 • Símbolos de risco e manuseio
cobrados pelo prestador de serviços de limpeza urbana e manejo de resí- para o transporte e armazenamento de material.
duos sólidos do Distrito Federal na execução de atividades de gerencia-
mento dos resíduos de grandes geradores, de eventos, da construção civil ABNT NBR 7500/2004 • Identificação para transporte terrestre, manuseio,
e dá outras providências; movimentação e armazenamento de produtos.

• 20 •
ABNT NBR 7503/2004 • Ficha de emergência e envelope para o transporte 9 FONTES CONSULTADAS
de produtos perigosos – características, dimensões e preenchimento.
http://www.scielo.br/pdf/qn/v21n5/2943.pdf, acesso em 05/02/2016 às 10:00
ABNT NBR 9191/2002 • Sacos plásticos para acondicionamento de lixo –
requisitos e métodos de ensaio. http://www.prefeiturarp.usp.br/pages/lrq/pdf/normas_gerenciamento.
pdf, acesso em 05/02/2016 às 10:42
ABNT NBR 9735/2004 • Conjunto de equipamentos para emergências no
transporte terrestre de produtos perigosos. http://www.ufscar.br/~ugr/docus/segregacao.php, acesso em 10/02/2016
às 11:30
ABNT NBR 10004/2004 • Resíduos sólidos - classificação.
http://www.resol.com.br/cartilha11/gerenciamento_etapas.php, acesso
ABNT NBR 10005/2004 • Procedimento para obtenção de extrato lixiviado em 12/02/16 às 08:30
de resíduos sólidos.
http://www.cidadessustentaveis.org.br/.../guia_elaboracao_planos_ges-
ABNT NBR 10006/2004 • Procedimento para a obtenção de extrato solubi- tao_resid...Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos,
lizado de resíduos sólidos. acesso em 12/02/2016 às 09:00

ABNT NBR 10007/2004 • Amostragem de resíduos sólidos. http://www.cetesb.sp.gov.br/, acesso em 12/02/2016 às 09:51

ABNT NBR 10157/87 • aterros de resíduos perigosos – critérios para projeto, http://grpunb.blogspot.com.br, acesso em 10/03/2015 às 8:40
construção e operação.
https://saudesemdano.org/america-latina/temas/minimizacao-resi-
ABNT NBR 11174/1989 • Armazenamento de resíduos classe II – não inertes duos, acesso em 23/08/2016 as 08:36
e II– inertes.
http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr6.htm, acesso em
ABNT NBR 12235/1992 • Armazenamento de resíduos sólidos perigosos. 23/08/2016 as 08:48

ABNT NBR 13221/2005 • Transporte de resíduos. http://www.slu.df.gov.br, acesso em 29/08/2016 às 12:00

ABNT NBR 13853/1997 • Coletores para resíduos de serviços de saúde perfu- http://venus.maringa.pr.gov.br/residuos/inicio.php?pag=voceSabia
rantes ou cortantes - Requisitos e métodos de ensaio. acesso em 17/01/2017 às 9:01

ABNT NBR 13896/97 • aterros de resíduos não perigosos – critérios para Manual de Gerenciamento de Resíduos SEBRAE – RJ
projetos, implantação e operação;

ABNT NBR 14095/2003 • Área de estacionamento para veículos rodoviários 10 DEFINIÇÕES


de transporte de produtos perigosos.
ACONDICIONAMENTO
ABNT NBR 14725/2001 • Ficha de informações de segurança de produtos colocação do resíduo em embalagens adequadas para coleta, transporte,
químico armazenamento e disposição final adequados.

• 21 •
ÁGUA DESTILADA estrutura específica e presença de profissional habilitado para que os resí-
água em sua forma mais pura, composta apenas de dois átomos de hidro- duos da produção industrial causem menos impacto ao meio ambiente.
gênio ligados a um átomo de oxigênio. A água destilada é obtida a partir
da destilação, processo de aquecimento que separa as substâncias, tor- BENEFICIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDO
nando a água mais pura. Esse tipo de água não é indicado para consumo, trata-se da transformação do material que resulta do tratamento de resí-
embora possa ter aplicações específicas. duos em matéria-prima para ser reutilizada em outros setores.

ÁGUA DEIONIZADA BIFENILAS POLICLORADAS


água cuja parte iônica (cátions/ânions) foi totalmente removida por meio classe de compostos organoclorados resultantes da adição de átomos de
de filtragem, tornando-se também isenta de sais minerais; é também cloro ao bifenilo, composto formado por anéis aromáticos ligados por uma
conhecida como água desmineralizada. É considerada ideal para processos ligação simples carbono-carbono.
químicos e usos industriais.
BIODEGRADABILIDADE
ÁREA DE TRANSBORDO OU ESTAÇÕES DE TRANSFERÊNCIA a característica de algumas substâncias químicas poderem ser usadas
instalação recomendada para deposição provisória de resíduos, quando como substratos por micro-organismos, que as empregam para produzir
é grande a distância a ser percorrida até o ponto de disposição final, não energia por respiração celular e criar outras substâncias como aminoáci-
havendo beneficiamento algum ou tratamento do resíduo nessa operação. dos, novos tecidos e novos organismos.

ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO BIODEGRADÁVEL


contenção temporária de resíduos em área específica dentro do estabeleci- todo material que após o seu uso pode ser decomposto pelos micro-orga-
mento, durante o aguardo da coleta 2, que poderá ser dispensado se a dis- nismos usuais no meio ambiente.
tância entre o ponto de geração e o armazenamento externo não for grande.
BIORREATOR
ATERRO CONTROLADO sistema usado em aterros onde há aceleração induzida do processo de
local onde os resíduos são descartados diretamente no solo, sem imper- decomposição dos resíduos mediante o controle do pH do solo, da taxa de
meabilização da base, porém com controles mínimos (ex. monitoramento umidade da pilha de resíduos e, consequentemente, o aumento da atividade
do lençol freático) no sentido de reduzir seu impacto. É uma categoria bacteriana, com menor risco de contaminação do solo e do lençol freático.
intermediária entre o lixão e o aterro sanitário.
CARCINOGENICIDADE
ATERRO SANITÁRIO propriedade que tem um agente, substância ou fenômeno em ser capaz de
local destinado à disposição adequada de resíduos sólidos gerados pela ati- induzir um carcinoma.
vidade humana: residências, indústrias, hospitais, construções. O terreno
deve ser impermeabilizado e são implantadas canaletas para coleta do CENTRIFUGAÇÃO
chorume que será enviado para uma estação de tratamento de esgoto método de separação de misturas que se baseia na diferença de densidade
(ETE), não havendo contaminação. Também é feito o monitoramento do entre os seus componentes e é utilizado para acelerar a decantação ou
lençol freático e das emissões atmosféricas, podendo haver a captação dos sedimentação, em que o corpo mais denso da mistura sólido-líquida depo-
gases gerados no aterro para geração de energia. Nesse sistema, não há sita-se no fundo do recipiente devido à ação da gravidade.
catadores em atividade.
COMBUSTIBILIDADE
ATERRO INDUSTRIAL propriedade dos compostos orgânicos em realizar a combustão (queima).
local destinado à deposição final dos resíduos perigosos, não reativos e não
inflamáveis provenientes das indústrias. Possui sistemas de impermeabi- COMPATIBILIDADE
lização, drenagem e tratamento de gases e efluentes e contam com uma qualidade daquilo que é compatível.

• 22 •
COPROCESSAMENTO GRANDES GERADORES DE RESÍDUOS
técnica em que os resíduos são utilizados como combustível alternativo pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, que geram resí-
para a produção do clínquer (cimento) em fornos de alta temperatura. Os duos sólidos por meio de suas atividades, cujo volume diário, por unidade
resíduos são reduzidos a compostos simples e cinzas, que são incorporados autônoma, seja superior a 120 litros.
ao cimento, não havendo geração de partículas.
DERIVADO HALOGENADO
CORROSSIVIDADE são compostos orgânicos obtidos pela substituição de pelo menos um
característica, particularidade ou condição do que é corrosível. átomo de hidrogênio de um hidrocarboneto por átomo de halogênio. A
Um resíduo é caracterizado como corrosivo (código de identificação D002) reação é denominada halogenação.
se uma amostra representativa dele (ABNT NBR 10007) apresentar uma
das seguintes propriedades: INCINERAÇÃO
processo de decomposição térmicaem que há redução de peso, do
a) ser aquosa e apresentar pH inferior ou igual a 2, ou superior ou igual a volume e das características de periculosidade dos resíduos, com a con-
12,5, ou sua mistura com água, na proporção de 1:1 em peso, produzir uma sequente eliminação da matéria orgânica e características de patoge-
solução que apresente pH inferior a 2 ou superior ou igual a 12,5; nicidade (capacidade de transmissão de doenças) mediante a combus-
tão controlada. A redução de volume é geralmente superior a 90% e, em
b) ser líquida ou, quando misturada em peso equivalente de água, produ- peso, superior a 75%.
zir um líquido e corroer o aço (COPANT 1020) a uma razão maior que 6,35
mm ao ano, a uma temperatura de 55°C, de acordo com USEPA SW 846 INFLAMABILIDADE
ou equivalente. é a facilidade com que algo queima ou entra em ignição, causando fogo
ou combustão.
DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS
destinação de resíduos incluindo a reutilização, e reciclagem, a composta- LIXÃO
gem, a recuperação e o aproveitamento energético, ou outras destinações depósito de lixo a céu aberto, sem nenhuma preparação prévia do solo.
admitidas pelos órgãos competentes. Não sistema de tratamento dos efluentes líquidos- chorume- que contêm
substâncias contaminantes para o solo e para o lençol freático.
DISTRIBUIÇÃO AMBIENTALMENTE ADEQUADA
distribuição ordenada dos rejeitos em aterros, observando as normas LOGÍSTICA REVERSA
específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e segurança e instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por
minimizando os impactos ambientais. um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a
coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para rea-
ECOEFICIÊNCIA proveitamento em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos ou outra des-
uso mais eficiente de materiais e energia, a fim de reduzir os custos eco- tinação final ambientalmente adequada.
nômicos e os impactos ambientais.
MANEJO
GALVANOPLASTIA conjunto de ações técnicas apropriadas ou medidas preventivas emprega-
processo químico ou eletroquímico de deposição de uma fina camada das para evitar acidentes, minimizar os riscos à saúde pública e preservar
de um metal sobre uma superfície, que pode ser metálica ou não. O o meio ambiente.
objetivo deste processo é embelezar as peças e também protegê-las
contra a corrosão, aumentar sua durabilidade, melhorar as proprieda- MUTAGENICIDADE
des superficiais e características de resistência, espessura, condutivi- propriedade que tem um agente, substância ou fenômeno em ser capaz de
dade e capacidade de estampar. induzir ou aumentar a frequência de mutação num organismo.

• 23 •
PATOGENICIDADE PLANO DE GERENCIAMENTO
um resíduo é caracterizado como patogênico se uma amostra repre- conjunto de atividades que tem por finalidade dar aos resíduos o des-
sentativa dele obtida segundo a ABNT NBR 10007 contiver, ou se hou- tino final mais adequado, de acordo com suas características. Com-
ver suspeita de conter, microorganismos patogênicos, proteínas virais, preende as etapas de caracterização, segregação, armazenamento ou
ácido desoxirribonuclêico (ADN) ou ácido ribonuclêico (ARN) recombi- acondicionamento, transporte, tratamento, recuperação e elimina-
nantes, organismos geneticamente modificados, plasmídios, cloroplas- ção dos resíduos.
tos, mitocôndrias ou toxinas capazes de produzir doenças em homens,
animais ou vegetais. PROCESSOS TÉRMICOS DE TRATAMENTO
utilização de técnicas de tratamento baseadas na aplicação de calor aos
PERICULOSIDADE DE RESÍDUOS resíduos. Os produtos resultantes do emprego dessas técnicas dependem
característica apresentada por um resíduo que, em função de suas pro- da quantidade de calor utilizada.
priedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode apresentar: As principais técnicas usadas são: incineração, co-processamento, pirólise,
plasma.
I. Risco à saúde pública, provocando mortalidade, incidência de doenças
ou acentuando seus índices; PROCESSOS QUÍMICOS DE TRATAMENTO
II. Risco ao meio ambiente, quando o resíduo for gerenciado de forma ina- são pré-tratamentos para que os resíduos sejam posteriormente encami-
dequada. nhados para tratamento e/ou disposição final.
Os principais métodos utilizados são centrifugação, separação gravitacio-
PIRÓLISE nal, redução de partículas.
processo em que a matéria orgânica é decomposta após ser submetida
a condições de altas temperaturas e ambiente desprovido de oxigênio. O REATIVIDADE
processo é endotérmico, logo é necessário que exista fornecimento externo capacidade que certos elementos e substâncias químicas têm de reagir entre si.
de calor para haver o êxito da reação.
RECICLAGEM
PLASMA processo de transformação dos resíduos sólidos, envolvendo alterações nas
um dos estados físicos da matéria, similar ao gás, no qual certa porção das propriedades biológicas, físicas e físico-químicas com vistas à transforma-
partículas é ionizada. O plasma, também conhecido como quarto estado ção em insumos ou novos produtos.
físico da matéria, é formado quando uma substância no estado gasoso é
aquecida até atingir um valor tão elevado de temperatura que faz com que REJEITO
a agitação térmica molecular supere a energia de ligação que mantém os parte dos resíduos sólidos que não tem como ser reaproveitada ou reci-
elétrons em órbita do núcleo do átomo. clada, cuja única destinação plausível é o encaminhamento para um
aterro sanitário licenciado ou para incineração. Apenas 10% dos resíduos
POTABILIDADE são considerados rejeitos.
qualidades físicas, químicas, biológicas e radioativas que não causem ris-
cos à saúde humana. RESÍDUOS SÓLIDOS
material, objeto substância ou bem descartado resultante de ativida-
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÕES des de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de
POPs - descrição detalhada de uma atividade, listando os materiais utili- serviços e de varrição. Ficam incluídos nessa definição os gases contidos
zados, o local , as condições necessárias, os procedimentos de segurança e em recipientes e líquidos cujas particularidades tornam inviável o lan-
o resultado esperado, buscando a padronização na realização da tarefa e çamento em rede pública de esgotos e corpos de água ou exijam solução
minimizando os erros. técnica inviável.

• 24 •
RESÍDUOS QUÍMICOS TOXICIDADE
resíduos resultantes de atividades médico-assistenciais, de pesquisa e propriedade potencial que o agente tóxico possui de provocar, em maior
industriais. Contêm substâncias químicas com características tóxicas, ou menor grau, um efeito adverso em consequência de sua interação com
corrosivas, cancerígenas, inflamáveis ou explosivas, que exponham riscos o organismo.
à saúde pública ou ao meio ambiente, ou estão contaminados por elas.
VOLATILIDADE
RESÍDUOS PERIGOSOS grandeza relacionada à facilidade que uma substância tem de passar do
aqueles que, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infecto- estado líquido ao estado de vapor ou gasoso
-contagiosas, podem apresentar riscos à saúde pública e ao meio ambiente,
quando gerenciados de forma inadequada.

RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS INERTES


aqueles que não interagem com o meio ambiente e não sofrem reações
físicas, químicas e biológicas. Eles não se degradam rapidamente e não
afetam o meio ambiente, apesar de ocuparem espaço físico.

RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS NÃO INERTES


aqueles que não apresentam periculosidade, mas podem interagir com o
meio ambiente em função de suas propriedades, tais como biodegradabi-
lidade, solubilidade em água ou combustibilidade.

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA
conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes,
importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titu-
lares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos
sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados,
bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à quali-
dade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos.

REUTILIZAÇÃO
processo de aproveitamento dos resíduos sem a transformação biológica,
física e físico-química.

SEGREGAÇÃO
separação dos resíduos no momento e local de sua geração, de acordo com
as características físicas, químicas e biológicas, o estado físico e os riscos
envolvidos.

TERATOGENICIDADE
propriedade que tem um agente, substância ou fenômeno em ser capaz de
induzir malformações no feto

• 25 •
ANEXO I
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/2010;
O termo de referência para aquisição das baterias prevê *Decreto nº 7.404/2010
BATERIA RESÍDUO que a empresa deverá providenciar o adequado reco- *Resolução Conama nº. 401/2008; LOGÍSTICA
NO BREAK
SELET • CEAR 8499 (SELET) •
CLASSE I lhimento das baterias originárias da contratação, para *Resolução CNJ 201/2015; REVERSA
destinação ambientalmente adequada. *Instrução Normativa IBAMA nº8/2012
* Portaria STJ 293/2012

*Lei nº 12.305/2010;
O termo de referência para aquisição de baterias au- *Decreto nº 7.404/2010
BATERIA RESÍDUO tomotivas, de responsabilidade da SEMAN, prevê que 7767 (SE- *Resolução Conama nº. 401/2008; LOGÍSTICA
AUTOMOTIVA
SEMAN • CTRP •
CLASSE I o fornecimento seja feito à base de troca. As baterias MAN) *Resolução CNJ 201/2015; REVERSA
substituídas deverão ser recolhidas pela fornecedora. *Instrução Normativa IBAMA nº8/2012
* Portaria STJ 293/2012

*Lei nº 12.305/2010;
O termo de referência para aquisição das baterias prevê *Decreto nº 7.404/2010
BATERIA PARA RESÍDUO que a empresa deverá providenciar o adequado reco- 8184 (SE- *Resolução Conama nº. 401/2008; LOGÍSTICA
ARMA TASER
SESOM • CSEG •
CLASSE I lhimento das baterias originárias da contratação, para SOM) *Resolução CNJ 201/2015; REVERSA
destinação ambientalmente adequada. *Instrução Normativa IBAMA nº8/2012
* Portaria STJ 293/2012

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


BEBEDOURO RESÍDUO STJ MATERIAL
(COLUNA E MESA)
Doação, após avaliação da Comissão de Desfazimento • CSUP 7676 (SPATI) • *Portaria STJ 293/2012;
CLASSE II B (GERAL) PATRIMONIADO
*Instrução Normativa STJ/GDG nº3/2016;

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
O material recolhido nas bituqueiras disponíveis em *Lei Distrital 5.610/2016;
BITUCA DE RESÍDUO
CIGARRO
CCOP pontos estratégicos do STJ é encaminhado para o Labo- • COSG  8368(SELIC) Bituqueira *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE I
ratório de Papel Artesanal da UnB. * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
BORRACHA nº 19/2017 *Lei Distrital 5.610/2016; COLETA
RESÍDUO SEMEC/ O material deve ser encaminhado à SELIC para destina-
(CORREIAS/ COSG 8368(SELIC) Preto *Resolução CNJ 201/2015 URBANA/
MANGUEIRAS) CLASSE II A SEBRI ção final junto com os resíduos indiferenciados . Vig. ATERRO
* Resolução ADASA 14/2016
31/12/2022 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

• 27 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
O material é encaminhado à SELIC, a qual providencia o *Lei Distrital 5.610/2016;
BORRA RESÍDUO
DE CAFÉ
SELIC encaminhamento dos resíduos para a área de composta- •  COSG  8368(SELIC)  Preto *Resolução CNJ 201/2015 COMPOSTAGEM
CLASSE II A
gem do Tribunal Superior do Trabalho (TST). * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993; RECICLAGEM
Resíduo eletrônico - encaminhar à ONG Programando o *Lei Distrital nº 4704/2011;
material reutilizável
Futuro. Quando se tratar de material misturado com re- *Lei Distrital 5.610/2016;
CABO E FIAÇÃO RESÍDUO - cobre pode
ELÉTRICA
SELET síduos de construção civil e não for possível a separação, • COSG 8368(SELIC)  Caçamba *Resolução Conama nº307/2002; ser separado
CLASSE II B
deve ser encaminhado junto com os outros resíduos de *Resolução Conama nº469/2015; encaminhamento
construção. (conforme Resolução Conama 307/2002). *Resolução CNJ 201/2015; às cooperativas/
* Portaria STJ 293/2012. ATERRO
* Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para


RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi-
mentos de coleta seletiva.
*Lei nº 12.305/ 2010;
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos *Lei Distrital nº 462/1993;
CAIXA/ recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Lei Distrital 5.610/2016;
EMBALAGEM RESÍDUO
DE ALIMENTOS
SECOP aos centros de triagem de resíduos, que são destinados • COSG 8368(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A
EM GERAL ao trabalho das cooperativas e associações. * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
O Acordo Setorial para Implantação do Sistema de Lo-
*Instrução Normativa SLU 89/2016
gística Reversa de Embalagens em Geral foi assinado
no dia 25/11/2015 (http://www.sinir.gov.br/web/guest/
embalagens-em-geral)

Resíduo reciclável a ser reaproveitado (em bom estado)


pelo projeto STJ Reutiliza. Se a solução for o descar- *Lei nº 12.305/ 2010;
te, deve ser depositado nos coletores para RESÍDUOS *Lei Distrital nº 462/1993;
SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedimentos de *Lei Distrital 5.610/2016;
CAIXA DE RESÍDUO coleta seletiva.
PROCESSO
SED • COSG 8368(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Resolução ADASA 14/2016
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Portaria STJ 293/2012.
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados *Instrução Normativa SLU 89/2016
ao trabalho das cooperativas e associações.

*Lei nº 12.305/ 2010;


Resíduo eletrônico. Encaminhar à SEALM para verificação *Lei Distrital nº 462/1993;
7562  Coletor DOAÇÃO/
CALCULADORA RESÍDUO STJ da possibilidade de reaproveitamento (Projeto STJ Reuti- *Lei Distrital 5.610/2016;
ELETRÔNICA
• CSUP/COSG (SEALM)/ Ecotrôni- LOGÍSTICA
CLASSE I (GERAL) liza). Caso a solução seja o descarte, encaminhar à ONG *Decreto nº. 5.940/ 2006;
REVERSA
8368 (SELIC) co
Programando o Futuro. *Resolução CNJ 201/2015
*Portaria STJ 293/2012

• 28 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

Resíduo a ser reaproveitado (em bom estado) pelo Pro-


jeto STJ Reutiliza ou descartado. A “capinha” feita de
plástico (parte de fora) deve ser separada e encaminhada
para reciclagem. Neste caso deve ser descartada nos
coletores para RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguin-
do os procedimentos de coleta seletiva. *Lei nº 12.305/ 2010;
*Lei Distrital nº 462/1993; A tinta é resíduo
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos químico. Descartar
CANETA RESÍDUO STJ recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Lei Distrital 5.610/2016;
ESFEROGRÁFICA
• COSG 8368(SELIC) Azul somente ao final
CLASSE I (GERAL) aos centros de triagem de resíduos, que são destinados *Decreto nº. 5.940/ 2006;
do uso total da
ao trabalho das cooperativas e associações. *Resolução CNJ 201/2015 carga.
*Portaria STJ 293/2012
A carga deve ser descartada no lixo comum.

** A Faber Castell, junto com a Terracycle criou um pro-


grama de reciclagem de instrumentos de escrita usados
(http://www.terracycle.com.br/pt-BR/brigades/brigada-
-de-instrumentos-de-escrita-faber-castell)

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento.
RESÍDUO STJ *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
CARPETE Quando não couber a doação, o material deve ser des- • CSUP 7676 (SPATI) •
CLASSE II A (GERAL) *Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
cartado junto com os resíduos de construção civil.
nº3/2016;

O descarte de resíduos de suprimentos de impressão


Contra-
é obrigação contratual da empresa contratada para os
to STJ nº 9104 (SEGEH) *Lei nº 12.305/ 2010; LOGÍSTICA
serviços de “outsourcing”. A empresa deve apresentar CORE
76/2017 Vig. REVERSA
certificado de destinação ambientalmente adequada dos *Lei Distrital 5.610/2016;
CARTUCHO RESÍDUO STJ 03/06/2018
/TONNER resíduos • *Decreto nº. 5.940/ 2006;
CLASSE I (GERAL)
*Resolução CNJ 201/2015
Os cartuchos antigos que não estão abrangidos pelos 7562 *Portaria STJ 293/2012 DOAÇÃO/
contratos do tribunal, são encaminhados para a ONG • CSUP/COSG (SEALM)/ LOGÍSTICA
“Programando o Futuro” 8368 (SELIC) REVERSA

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
CHAPA RESÍDUO CEAR/
DE ALUMINIO Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II B SEMAN
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
Coletor
RESÍDUO STJ Encaminhamento para reciclagem: ONG “Programando *Lei Distrital 5.610/2016;
CDS E DVDS •  COSG 8568(SELIC) Ecotro- RECICLAGEM
CLASSE I (GERAL) o Futuro”. *Decreto nº. 5.940/ 2006;
nico
*Resolução CNJ 201/2015
*Portaria STJ 293/2012

• 29 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO
CHAVE CSEG Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II B
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
COPO DE STJ
RESÍDUO
PLÁSTICO Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
DESCARTÁVEL CLASSE II A (GERAL)
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


CONDICIONADOR RESÍDUO STJ *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
DE AR
Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7676 (SPATI) •
CLASSE I (GERAL) *Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
nº3/2016;

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


RESÍDUO STJ *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
CPU (DESKTOP) Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7676 (SPATI)  •
CLASSE I (GERAL) *Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
nº3/2016;

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
CRACHÁ - *Lei Distrital 5.610/2016;
CARTÕES RESÍDUO Resíduo reciclável a ser reaproveitado. Encaminhado ao 8184 (SE- Papa
DE PVC -
SESOM •  CSEG *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II B coletor “PAPA CARTÕES”. SOM) Cartão 
SMART CARD * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

RECICLAGEM
Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para (Incluir no contrato
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei nº 12.305/ 2010; de fornecimento
mentos de coleta seletiva. dos equipamentos
*Lei Distrital nº 462/1993; a obrigatoriedade
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Lei Distrital nº 4704/2011; da coleta e
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Lei Distrital 5.610/2016; destinação
DUTOS DE AR RESÍDUOS STJ ambiental correta
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados *Resolução Conama nº307/2002;
CONDICIONADO CLASSE II A (GERAL) deste material
ao trabalho das cooperativas e associações. *Resolução Conama nº469/2015; - usado nas
*Resolução CNJ 201/2015; embalagens)
* Portaria STJ 293/2012
Os dutos flexíveis, compostos de manta de lã de vidro com Contrato * Instrução Normativa SLU 89/2016
nº 058/2017 RECICLAGEM
capa de alumínio devem ser encaminhados para destina- CEAR 8518(SEOBC) Caçamba
/ATERRO
ção final junto com os outros resíduos de construção civil Vig. 27/09/2018 

• 30 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

* Lei 8.666/93, art 17, II , a


* Lei 12.305/2010;
Equipamentos: doação após avaliação da Comissão de
* Lei Distrital nº 462/1993; DOAÇÃO/
ELETRO RESÍDUO STJ Desfazimento. Componentes: são encaminhados para
ELETRÔNICOS
• CSUP/COSG SPATI/SELIC • *Decreto nº 5.940/2006; LOGISTICA RE-
CLASSE I (GERAL) reciclagem ou recolhidos pela empresa terceirizada de
VERSA
*Resolução CNJ 201/2015;
acordo com previsão em contrato.
*Portaria STJ 293/2012;
* Instrução Normativa STJ/GDG nº3/2016

A embalagem é de polietileno de alta densidade (PEAD), *Lei nº 12.305/ 2010;


plástico rígido, inquebrável, resistente a baixas tempe- *Lei Distrital nº 462/1993;
EMBALAGEM raturas, leve, impermeável e com resistência química. *Lei Distrital 5.610/2016;
PLÁSTICA RESÍDUO 7768
DE ÓLEO
SEMAN Deve ser encaminhado para o Instituto Jogue Limpo. • CTRP • *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE I (SEMAN)
LUBRIFICANTE PEV no DF Central Brasília CNPJ: 03.869.232/0014-93 * Resolução ADASA 14/2016
Quadra 1 – Conjunto B – Lote 10; CEP: 72237-120 * Portaria STJ 293/2012.
Tel: 61 - 3013 - 6623 *Instrução Normativa SLU 89/2016

A destinação final das embalagens de produtos de


limpeza depende da indicação contida na ficha de in-
formações de segurança de produtos químicos (FISPQ)
ou informações contidas no rótulo da embalagem. De
modo geral, as embalagens de produtos de limpeza são
RECICLÁVEIS e devem ser descartadas nos coletores *Lei nº 12.305/ 2010;
para RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os *Lei Distrital nº 462/1993;
EMBALAGENS procedimentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO
DE PRODUTOS • • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
DE LIMPEZA CLASSE II A Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos
* Resolução ADASA 14/2016
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva)
* Portaria STJ 293/2012.
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados
*Instrução Normativa SLU 89/2016
ao trabalho das cooperativas e associações.

O acordo setorial para implantação do Sistema de Lo-


gística Reversa de Embalagens em geral foi assinado em
25/11/2015 (http://www.sinir.gov.br/web/guest/embala-
gens-em-geral)

RECICLAGEM
*Lei nº 12.305/ 2010; (Incluir no contrato
*Lei Distrital nº 462/1993; de fornecimento
Depositar nos sacos vermelhos. O material é destinado à Cooperativa dos equipamentos
Recicle a Vida *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO STJ Cooperativa Recicle a Vida, que faz a reciclagem, evitan- a obrigatoriedade
EPS (ISOPOR) COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 da coleta e
CLASSE II A (GERAL) do o descarte no meio ambiente. Atualmente é a única 3373-1810 * Resolução ADASA 14/2016 destinação
que recebe. (Cláudia Alves * Portaria STJ 293/2012. ambiental correta
*Instrução Normativa SLU 89/2016 deste material
- usado nas
embalagens)

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


RESÍDUO STJ *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
FAX (APARELHO) Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7676 (SPATI) •
CLASSE I (GERAL) *Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
nº3/2016;

• 31 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

Após o fim de seu potencial de aproveitamento, as ferra-


mentas em geral podem ser descartadas como resíduo *Lei nº 12.305/ 2010;
reciclável a ser descartado nos coletores para RESÍDUOS *Lei Distrital nº 462/1993;
SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedimentos de *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO STJ coleta seletiva.
FERRAMENTAS • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II B (GERAL)
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Resolução ADASA 14/2016
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Portaria STJ 293/2012.
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados *Instrução Normativa SLU 89/2016
ao trabalho das cooperativas e associações.

Ferragens em geral: fechaduras, dobradiças, maça-


netas, parafusos etc... - resíduo a ser aproveitado (em
bom estado), sugerindo-se doação para instituições ou *Lei nº 12.305/ 2010;
cooperativas (STJ solidário). Caso não possam ser rea- *Lei Distrital nº 462/1993;
proveitados, devem ser descartadas nos coletores para 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- AGS/CSUP/ DOAÇÃO/
FERRAGENS SEOBCI •  7677 (SPATI)/ Azul  *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE II B mentos de coleta seletiva. COSG  RECICLAGEM
8568 ( SELIC) * Resolução ADASA 14/2016
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Portaria STJ 293/2012.
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Instrução Normativa SLU 89/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados
ao trabalho das cooperativas e associações.

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
FILTRO
RESÍDUO
AUTOMOTIVO SEMAN Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
DE AR CLASSE II A
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo sólido proveniente da troca de veículos, com-


posto por carcaça metálica e filtro de papel contamina-
do com óleo. O processo de reciclagem deste tipo de
*Lei nº 12.305/ 2010;
resíduo consiste basicamente na separação da carcaça
*Lei Distrital nº 462/1993;
metálica e do papelão, a primeira é encaminhada para
FILTRO *Lei Distrital 5.610/2016; RECICLAGEM/
RESÍDUO empresas especializadas na reciclagem de sucatas 6193 (AGS)
AUTOMOTIVO SEMAN • AGS/COSG •  *Resolução CNJ 201/2015 ATERRO
DE ÓLEO CLASSE I metálicas e a segunda para aterro industrial e/ou co- 8568 (SELIC) INDUSTRIAL
* Resolução ADASA 14/2016
processamento. Atualmente as empresas que recolhem
* Portaria STJ 293/2012.
sucata metálica, recolhem também os filtros de óleo
*Instrução Normativa SLU 89/2016
descartados. O STJ está instruindo processo específico
para destinação dos resíduos perigosos que necessitam
de tratamento especial

• 32 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
FITA ADESIVA, nº 19/2017 *Lei Distrital 5.610/2016; COLETA
RESÍDUO STJ O material deve ser encaminhado à SELIC para destina-
CREPE, DUREX, COSG 8568(SELIC) Preto  *Resolução CNJ 201/2015 URBANA/
ETC CLASSE II A (GERAL) ção final junto com os resíduos indiferenciados. Vig. ATERRO
* Resolução ADASA 14/2016
31/12/2022 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

O material não deve ser disposto para destinação final no *Lei nº 12.305/ 2010;
aterro sanitário. Para o seu descarte, necessita de trata- *Lei Distrital nº 462/1993;
SCOM mento que inclui desmagnetização, desmonte e recicla- *Lei Distrital 5.610/2016; RECICLAGEM/
FITA VHS/MIDIA RESÍDUO 6193 (AGS)
MAGNETICA
gem do plástico e outros componentes. Foi instruído o  • AGS/COSG  • *Resolução CNJ 201/2015 ATERRO
CLASSE I /SOJ 8568 (SELIC) INDUSTRIAL
processo SEI 22733/2016 para levantamento diagnóstico * Resolução ADASA 14/2016
das mídias magnéticas para posterior contratação de * Portaria STJ 293/2012.
solução de descarte. *Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
GARRAFA STJ
RESÍDUO
PLÁSTICA Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
(500 ML) CLASSE II A (GERAL)
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
Resíduo a ser reaproveitado (em bom estado), suge-
nº 19/2017 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016; DOAÇÃO/
GARRAFA RESÍDUO rindo-se doação para instituições ou cooperativas (STJ AGS/CSUP/
TÉRMICA
SECOP 7677 (SPATI)/ Preto  *Resolução CNJ 201/2015 COLETA
CLASSE II A solidário). Caso não possa ser reaproveitado, deve ser Vig. COSG  URBANA
8568 ( SELIC) * Resolução ADASA 14/2016
destinado junto com os resíduos comuns não recicláveis 31/12/2022 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
GARRAFÃO nº 015/2017 *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO STJ Os garrafões são disponibilizados pela empresa contra- 8305
E ÁGUA COSG  • *Resolução CNJ 201/2015 COMODATO
(20 L) CLASSE II B (GERAL) tada para o fornecimento de água, a título de comodato. Vig. (SECOP)
* Resolução ADASA 14/2016
23/02/2018 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


Armazenamento temporário em recipientes resistentes
*Lei Distrital nº 462/1993;
a vazamentos e protegidos da chuva. Por se tratar de
*Lei Distrital 5.610/2016; RECICLAGEM/
RESÍDUO resíduo perigoso, não deve ser disposto para destinação 6193 (AGS)
GRAXA SEMAN • AGS/COSG •  *Resolução CNJ 201/2015 ATERRO
CLASSE I final em aterro sanitário (lixo comum). O STJ está ins- 8568 (SELIC) INDUSTRIAL
* Resolução ADASA 14/2016
truindo processo específico para destinação dos resíduos
* Portaria STJ 293/2012.
perigosos que necessitam de tratamento especial.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

• 33 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato para prestação de serviços de coleta, trans-
Contrato nº *Lei Distrital nº 462/1993;
porte e processamento e destinação final de resíduos e
LÂMPADA 19/2016 Embala- *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO STJ rejeitos de lâmpadas fluorescentes compactas, tubulares, LOGÍSTICA
FLUORESCENTE COSG 8568(SELIC) gem De *Resolução CNJ 201/2015
USADA CLASSE I (GERAL) de vapor de mercúrio, de vapor de sódio, de multiva- Vig. REVERSA
Lâmpada * Resolução ADASA 14/2016
pores metálicos ou mistas - STJ nº 19/2016, válido até 05/04/2017 * Portaria STJ 293/2012.
5/4/2017
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


RESÍDUO *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
LAPTOP STI Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7676 (SPATI)  •
CLASSE I *Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
nº3/2016;

Encaminhamento para Prolata Reciclagem por intermé-


dio da cooperativa Reciclo. Latas de aço são recicláveis
*Lei nº 12.305/ 2010;
e podem ser encaminhadas para cooperativas de cata-
*Lei Distrital nº 462/1993;
dores de materiais recicláveis, se estiverem vazias (ou
LATA DE 8518 *Lei Distrital 5.610/2016; RECICLAGEM/
RESÍDUO mesmo com restos de tinta seca - http://www.abrafati.
TINTA / VERNIZ SEOBC •  CEAR/COSG (SEOBC) •  *Resolução CNJ 201/2015 LOGÍSTICA
/ SOLVENTE CLASSE I com.br/wp-content/uploads/2013/06/cartilha-2012.
REVERSA
/8568 (SELIC) * Resolução ADASA 14/2016
pdf). O acordo setorial para implantação do Sistema de
* Portaria STJ 293/2012.
Logística Reversa de Embalagens em geral foi assinado
*Instrução Normativa SLU 89/2016
em 25/11/2015 ( http://www.sinir.gov.br/web/guest/em-
balagens-em-geral).

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para


RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi-
mentos de coleta seletiva.
*Lei nº 12.305/ 2010;
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos *Lei Distrital nº 462/1993;
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Lei Distrital 5.610/2016;
LATA DE RESÍDUO
ALIMENTOS
  aos centros de triagem de resíduos, que são destinados • COSG 8568(SELIC)  Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II B
ao trabalho das cooperativas e associações. * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
O acordo setorial para implantação do Sistema de Lo-
*Instrução Normativa SLU 89/2016
gística Reversa de Embalagens em geral foi assinado em
25/11/2015 (http://www.sinir.gov.br/web/guest/embala-
gens-em-geral)

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
Resíduo a ser reaproveitado (em bom estado), suge- DOAÇÃO/
LOUÇAS DE nº 19/2017 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO rindo-se doação para instituições ou cooperativas (STJ AGS/CSUP/ COLETA
CERÂMICA SECOP 7677 (SPATI)/ Preto  *Resolução CNJ 201/2015
OU VIDRO CLASSE II B solidário). Caso não possa ser reaproveitado, deve ser Vig. COSG  URBANA/
8568 ( SELIC) * Resolução ADASA 14/2016
ATERRO
destinado junto com os resíduos comuns não recicláveis 31/12/2022 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

• 34 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
Madeira - material reciclável a ser encaminhado para
Contrato nº *Lei Distrital nº 4704/2011;
Cooperativa de Catadores de Material Reciclável. Quan-
MADEIRA 058/2017 8518 *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO do se tratar de material misturado com resíduos de RECICLAGEM/
(RESÍDUO SEOBC CEAR/COSG (SEOBC) Caçamba  *Resolução Conama nº307/2002;
DE OBRA) CLASSE II A construção civil e não for possível a separação, deve ser Vig. ATERRO
/8568 (SELIC) *Resolução Conama nº469/2015;
encaminhado junto com os outros resíduos de constru- 27/09/2018  *Resolução CNJ 201/2015;
ção civil. (conforme Resolução Conama 307/2002).
* Portaria STJ 293/2012.
* Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
São descartados em local reservados para depósito deste
*Lei Distrital 5.610/2016;
MADEIRA - RESÍDUO material. Em geral são doados ao público interno que DOAÇÃO/
PALETES
CSUP • COSG 8568(SELIC)  • *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE II A frequentemente os solicita. O descarte é eventual. O en- RECICLAGEM
* Resolução ADASA 14/2016
caminhamento é feito para cooperativas de reciclagem.
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


Mantas de lã e vidro (divisórias) para isolamento acústico Contrato nº *Lei Distrital nº 462/1993;
e mantas de filtragem do ar condicionado (G3) que são 058/2017 *Lei Distrital 5.610/2016; COLETA
MANTAS RESÍDUO
DIVERSAS
CEAR descartadas quando não são mais reutilizadas devem ser CEAR 8518(SEOBC)  Caçamba *Resolução CNJ 201/2015 URBANA/
CLASSE II B Vig. ATERRO
encaminhadas para destinação final junto com os outros * Resolução ADASA 14/2016
resíduos de construção civil. 27/09/2018  * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

Torneiras, registros, válvulas, engates - resíduo a ser


aproveitado (em bom estado), sugerindo-se doação para
instituições ou cooperativas (STJ solidário). Caso não *Lei nº 12.305/ 2010;
possam ser reaproveitados, devem ser descartados nos *Lei Distrital nº 462/1993;
coletores para RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguin- 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
METAIS RESÍDUO STJ AGS/CSUP/ DOAÇÃO/
SANITÁRIOS do os procedimentos de coleta seletiva. •  7677 (SPATI)/  Azul *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE... (GERAL) COSG  RECICLAGEM
8568 ( SELIC * Resolução ADASA 14/2016
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Portaria STJ 293/2012.
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Instrução Normativa SLU 89/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados
ao trabalho das cooperativas e associações.

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


MOBILIÁRIO RESÍDUO *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
DE ESCRITÓRIO CLASSE STI Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7676 (SPATI)  •
*Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
II - B nº3/2016;

• 35 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº. 8.666/93, art.17 II, a.


RESÍDUO *Portaria STJ 293/2012; MATERIAL
MONITOR STI Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7676 (SPATI)  •
CLASSE I *Instrução Normativa STJ/GDG PATRIMONIADO
nº3/2016;

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
Resíduo a ser reaproveitado (em bom estado), suge- DOAÇÃO/
nº 19/2017 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
OBJETOS RESÍDUO STJ rindo-se doação para instituições ou cooperativas (STJ AGS/CSUP/ COLETA
EM ACRÍLICO
7677 (SPATI)/ Preto  *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE II A (GERAL) solidário). Caso não possa ser reaproveitado, deve ser Vig. COSG  URBANA/
8568 ( SELIC * Resolução ADASA 14/2016
ATERRO
destinado junto com os resíduos comuns não recicláveis 31/12/2022 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
Ao ser trocado, é colocado em recipiente disponível *Lei Distrital 5.610/2016;
ÓLEO DE RESÍDUOS SANUT/
COZINHA
na praça dos servidores do STJ para doação ao projeto • COSG 8568(SELIC)  Bombona *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE I SECOP BIGUA da CAESB para produção de biodiesel e de sabão. * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
*Lei Distrital 5.610/2016;
Resíduo perigoso a ser recolhido por empresa creden-
ÓLEO RESÍDUOS *Resolução CNJ 201/2015 LOGÍSTICA
LUBRIFICANTE
SEMAN ciada pela ANP para a destinação final adequada, em •  CTRP 7768 (SEMAN • 
CLASSE I *Resolução CONAMA 362/2005 REVERSA
conformidade com Resolução Conama nº 362/2005.
* Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo a ser descartado em coletores para PAPEL. Nas


unidades de trabalho, estão disponibilizadas papeleiras
para o seu recolhimento. Caso haja a possibilidade do
reuso do papel, serão encaminhados à reprografia para a *Lei nº 12.305/ 2010;
produção de blocos de anotação. *Lei Distrital nº 462/1993;
*Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO STJ Caso não haja possibilidade de reuso deve ser descarta-
PAPEL • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A (GERAL) do nos coletores para RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS * Resolução ADASA 14/2016
para posterior encaminhamento, por meio do serviço de * Portaria STJ 293/2012.
coleta de resíduos recicláveis secos ofertado pelo SLU/ *Instrução Normativa SLU 89/2016
DF (coleta seletiva), aos centros de triagem de resíduos,
que são destinados ao trabalho das cooperativas e as-
sociações.

• 36 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/ 2010;


PAPEL *Lei Distrital nº 462/1993;
(DOCUMENTOS De acordo com a política de segurança da informação
*Lei Distrital 5.610/2016;
COM RESÍDUO STJ do STJ e com os níveis de sigilo estabelecidos, o docu-
INFORMAÇÕES
• COSG 8568(SELIC) • *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A (GERAL) mento deverá passar por processo de destruição antes
SIGILOSAS, * Resolução ADASA 14/2016
de ser encaminhado para reciclagem.
PROCESSOS) * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO STJ
PAPELÃO Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A (GERAL)
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

As peças automotivas, se contaminadas com óleo lu-


brificante, devem ser previamente lavadas por produtos
apropriados antes do encaminhamento final. Após, *Lei nº 12.305/ 2010;
sugere-se verificar a possibilidade de reaproveitamento *Lei Distrital nº 462/1993;
(em bom estado) através de doação para instituições ou 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
PEÇAS RESÍDUO cooperativas (STJ solidário) ou devem ser descartadas CTRP/AGS/ 7767 (SE- *Resolução CNJ 201/2015
AUTOMOTIVAS
SEMAN nos coletores para RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - •  • RECICLAGEM
CLASSE II B COSG MAN)/ *Resolução CONAMA 362/2005
seguindo os procedimentos de coleta seletiva. 8568 (SELIC) * Resolução ADASA 14/2016
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Portaria STJ 293/2012.
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Instrução Normativa SLU 89/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados
ao trabalho das cooperativas e associações.

Resíduo reciclável (tubos, conexões, eletrodutos e


calhas de pvc já utilizados e” inservíveis” devem ser des- *Lei nº 12.305/ 2010;
cartados nos coletores para RESÍDUOS SECOS/RECICLÁ- *Lei Distrital nº 462/1993;
VEIS - seguindo os procedimentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
PLÁSTICOS RESÍDUO STJ
- PVC
• COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A (GERAL) Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Resolução ADASA 14/2016
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Portaria STJ 293/2012.
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados *Instrução Normativa SLU 89/2016
ao trabalho das cooperativas e associações.

• 37 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
PLÁSTICOS RESÍDUO STJ
EM GERAL Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
CLASSE II A (GERAL)
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
*Lei Distrital 5.610/2016;
PILHAS E RESÍDUO STJ Pilhas e baterias são encaminhadas para o programa ABI- LOGÍSTICA
BATERIAIS
• COSG  8568(SELIC) Laranja *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE I (GERAL) NEE recebe pilhas. REVERSA
* Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
São encaminhados para o posto de coleta do SLU, loca- *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO 7767 (SE- LOGÍSTICA
PNEUS SEMAN lizado no Complexo Norte/NOR/SLU, responsável pela • CTRP • *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE I MAN) REVERSA
coleta de pneus usados no Distrito Federal. * Resolução ADASA 14/2016
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
A coleta do resíduo deve ser feita por veículo que realize
RESÍDUO *Lei Distrital 5.610/2016;
sucção e deve ser encaminhado para tratamento físico-
DE CAIXA RESÍDUO 7767 (SE- *Resolução CNJ 201/2015 LOGÍSTICA
SEPARADORA
SEMAN -químico por empresas autorizadas pela ANP e licen- •  CTRP • 
CLASSE I MAN) *Resolução CONAMA 362/2005 REVERSA
DE ÁGUA E ÓLEO ciadas pelos órgãos ambientais. A empresa coletora do
* Resolução ADASA 14/2016
resíduo deve fornecer o manifesto de resíduo.
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
Os resíduos gerados pelas atividades realizadas nos
*Lei Distrital 5.610/2016;
serviços de saúde devem ser descartados nos coletores
RESÍDUOS Contrato nº *Resolução CNJ 201/2015
RESÍDUOS (com saco branco) para posterior encaminhamento para
DE SERVIÇOS SIS 054/2017 Vig. COSG 8568(SELIC) Branco * Resolução CONAMA 06/1991 INCINERAÇÃO
DE SAÚDE CLASSE I empresa com a qual o STJ mantém contrato para coleta,
14/09/2018 * Resolução CONAMA n. 358/2005
transporte, tratamento e destinação final de resíduos de
* RDC ANVISA 306/2004
saúde.
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

• 38 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
RESÍDUOS Os resíduos químicos gerados pelas atividades desenvol-
QUÍMICOS 6193 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUOS vidas pelo Lacor são encaminhados para a Comissão de
(LABORATÓRIO DE LACOR  •  AGS/SED 9384 (LA- • *Resolução CNJ 201/2015 DOAÇÃO
CONSERVAÇÃO DE CLASSE I Gerenciamento, Tratamento e Destinação de Resíduos
COR) * Resolução ADASA 14/2016
DOCUMENTTOS) Perigosos /RESQUI-UNB
* Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


Esses resíduos são compostos por pedaços de tijolo,
*Lei Distrital nº 462/1993;
concreto, argamassa, cerâmica, gesso. São encami-
Contrato nº *Lei Distrital nº 4704/2011;
nhados para destinação final por empresas contratadas
058/2017 *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUOS RESÍDUOS para a prestação de serviço de remoção e transporte de 8518 RECICLAGEM/
DE OBRAS
SEOBCI CEAR  Caçamba *Resolução Conama nº307/2002;
CLASSE II B resíduos de construção civil (Classe A e B- Resolução Vig. (SEOBC) ATERRO
*Resolução Conama nº469/2015;
Conama 307/2002). As empresas contratadas somente 27/09/2018  *Resolução CNJ 201/2015;
poderão dispor os resíduos coletados nas áreas de trans-
* Portaria STJ 293/2012.
bordo autorizados pelo GDF (Decreto n. 4704/2011).
* Instrução Normativa SLU 89/2016

*Lei nº 12.305/ 2010;


*Lei Distrital nº 462/1993;
Resíduos compostos por grama cortada, folhas e troncos  Contrato nº *Lei Distrital nº 4704/2011;
de árvores. Resíduos menores (grama e folhas) são enca- 070/2015 *Lei Distrital 5.610/2016;
RESÍDUO RESÍDUOS COMPOSTAGEM/
VEGETAL
SMAV minhados para compostagem no Bosque dos Tribunais. CEAR 8512 (SMAV)  • *Resolução Conama nº307/2002;
CLASSE II Vig. ATERRO
Os resíduos maiores são recolhidos por empresa contra- *Resolução Conama nº469/2015;
tada para os serviços de jardinagem no Tribunal. 01/09/2018 *Resolução CNJ 201/2015;
* Portaria STJ 293/2012.
* Instrução Normativa SLU 89/2016

Devem ser acondicionadas em sacos plásticos ou *Lei nº 12.305/ 2010;


SERRAGEM, tambores e deverão ter o mesmo destino final - aterro *Lei Distrital nº 462/1993;
ESTOPA, PANO industrial ou coprocessamento. Por se tratar de resíduo *Lei Distrital 5.610/2016; RECICLAGEM/
E PAPELÃO RESÍDUOS SEMAN/ 6193 (AGS)
CONTAMINADOS
perigoso, não deve ser disposto para destinação final em • AGS/COSG  • *Resolução CNJ 201/2015 ATERRO
CLASSE I SEMEC 8568 (SELIC) INDUSTRIAL
COM GRAXA aterro sanitário (lixo comum). O STJ está instruindo pro- * Resolução ADASA 14/2016
OU ÓLEO cesso específico para destinação dos resíduos perigosos * Portaria STJ 293/2012.
que necessitam de tratamento especial. *Instrução Normativa SLU 89/2016

Resíduo reciclável a ser descartado nos coletores para *Lei nº 12.305/ 2010;
RESÍDUOS SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedi- *Lei Distrital nº 462/1993;
mentos de coleta seletiva. *Lei Distrital 5.610/2016;
SUCATA STJ
RESÍDUOS
DE METAL Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos • COSG 8568(SELIC) Azul *Resolução CNJ 201/2015 RECICLAGEM
(DIVERSOS) CLASSE II B (GERAL)
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) * Resolução ADASA 14/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados * Portaria STJ 293/2012.
ao trabalho das cooperativas e associações. *Instrução Normativa SLU 89/2016

• 39 •
TIPOS DE RESÍDUOS - MAPA DA COLETA SELETIVA DO STJ - NOVEMBRO 2017
CLASSE DOS CONTATO/
EMPRESA/ IDENTIF.
RESÍDUOS SETOR VIGÊNCIA EXECUTOR DO
MATERIAL PROCEDIMENTO DE COLETA SETOR (COR DA LEGISLAÇÃO CORRELATA OBSERVAÇÕES
(ABNT GERADOR CONTRATO CONTRATO
RESPONSÁVEL LIXEIRA)
10004/2004) (Nº - NOME)

Resíduo a ser reaproveitado (em bom estado) pelo Pro-


jeto STJ Reutiliza, ou doação para instituições ou coope-
rativas (STJ Solidário). Caso não possa ser reaproveitado, *Lei nº 12.305/ 2010;
deve ser descartado nos coletores para RESÍDUOS *Lei Distrital nº 462/1993;
TESOURA/ 6781 (AGS)/ *Lei Distrital 5.610/2016;
GRAMPEADOR/ RESÍDUO STJ SECOS/RECICLÁVEIS - seguindo os procedimentos de AGS/CSUP/ DOAÇÃO/
PERFURADOR coleta seletiva. • 7677 (SPATI)/ Azul  *Resolução CNJ 201/2015
CLASSE II B (GERAL) COSG  RECICLAGEM
DE PAPEL 8568 ( SELIC * Resolução ADASA 14/2016
Encaminhado por meio do serviço de coleta de resíduos * Portaria STJ 293/2012.
recicláveis secos ofertado pelo SLU/DF (coleta seletiva) *Instrução Normativa SLU 89/2016
aos centros de triagem de resíduos, que são destinados
ao trabalho das cooperativas e associações.

*Lei Distrital nº 462/1993;


*Decreto nº 5.940/2006;
Os aparelhos de celular são contrato diretamente das
TELEFONES RESÍDUOS STJ *Lei nº 12.305/2010; LOGISTICA
CELULARES
empresas de telefonia, que são responsáveis pelo seu •  CSUP 7677 (SPATI) • 
CLASSE I (GERAL) *Portaria STJ 293/2012; Portaria STJ REVERSA
recolhimento e destinação final.
409/2014;
* Lei nº. 8.666/93, art. II, a).

*Lei Distrital nº 462/1993;


*Decreto nº 5.940/2006;
TELEFONES RESÍDUOS STJ *Lei nº 12.305/2010; MATERIAL
(APARELHOS)
Doação após avaliação da Comissão de Desfazimento. • CSUP 7677 (SPATI) • 
CLASSE I (GERAL) *Portaria STJ 293/2012; Portaria STJ PATRIMONIADO
409/2014;
* Lei nº. 8.666/93, art. II, a).

*Lei nº 12.305/ 2010;


Contrato STJ *Lei Distrital nº 462/1993;
nº 19/2017 *Lei Distrital 5.610/2016; COLETA
RESÍDUO STJ O material deve ser encaminhado à SELIC para destina-
VIDROS COSG  8568(SELIC) Preto  *Resolução CNJ 201/2015 URBANA/
CLASSE II B (GERAL) ção final junto com os resíduos indiferenciados. Vig. ATERRO
* Resolução ADASA 14/2016
31/12/2022 * Portaria STJ 293/2012.
*Instrução Normativa SLU 89/2016

• 40 •
• 41 •