Você está na página 1de 18

Aluno N.

º Turma Data - -

1 Considera num plano munido de um referencial o.n. Oxy os pontos


A (1 − 2k , 3 − k ) , k ∈ ℝ e B ( −1 , 3 ) .

Determina todos os valores de k de modo que:

1.1. o ponto A pertença ao 2.° quadrante;

1.2. os pontos A e B pertençam à mesma paralela a Oy .

2 No plano, em relação a um referencial o.n. Oxy , considera o seguinte conjunto


A = {P ( x , y ) : − 1 ≤ x ≤ 2 ∧ y + 2 ≥ 0} .

2.1. Dá exemplo das coordenadas de um ponto que não pertença ao conjunto A .

2.2. Representa geometricamente o conjunto A .

3 No espaço, em relação a um referencial o.n. Oxyz , considera o ponto P ( −2 , 3 , − 5 ) .

Indica as coordenadas da projeção ortogonal do ponto P sobre:

3.1. o plano yOz ;

3.2. o eixo Ox ;

3.3. o plano z = 1 .

4 Na figura está representado, em referencial o.n. Oxyz , um cubo.


Sabe-se que:
a face [OPUV] está contida no plano xOy ;
a face [OPQR] está contida no plano xOz ;
o centro do cubo é o ponto de coordenadas ( −2 , − 2 , 2) .

4.1. Indica as coordenadas dos vértices do cubo.

4.2. Indica um sistema de equações que defina a reta ST .

4.3. Define por uma condição a face [PQTU] .


1

1.1. Um ponto P (x , y) pertence ao 2.° quadrante quando x < 0 ∧ y > 0 .

1
1 − 2k < 0 ∧ 3 − k > 0 § − 2k < 1 ∧ − k > − 3 § k > − ∧k <3
2
 1 
Então, k ∈  − , 3  .
 2 

1.2. A e B devem ter a mesma abcissa para pertencerem à mesma reta paralela a Oy .
1 − 2k = −1 § −2k = −2 § k = 1

2
2.1. Por exemplo, (3 , 4) .

2.2. −1 ≤ x ≤ 2 ∧ y + 2 ≥ 0 § x ≥ −1 ∧ x ≤ 2 ∧ y ≥ −2

3
3.1. A projeção ortogonal de P ( −2 , 3 , − 5) sobre o plano yOz é (0 , 3 , − 5) .

3.2. A projeção ortogonal de P ( −2 , 3 , − 5) sobre o eixo Ox é ( −2 , 0 , 0) .

3.3. A projeção ortogonal de P ( −2 , 3 , − 5) sobre o plano z = 1 é P ( −2 , 3 , 1) .

4.1. As coordenadas dos vértices do cubo são O (0 , 0 , 0) ; P ( −4 , 0 , 0) ; U ( −4 , − 4 , 0) ;


V (0 , − 4 , 0) ; R (0 , 0 , 4) ; Q ( −4 , 0 , 4) ; T ( −4 , − 4 , 4) ; S (0 , − 4 , 4) .

4.2. A reta ST é definida por y = −4 ∧ z = 4 .

4.3. A face [PQTU] é definida por:


x = −4 ∧ −4 ≤ y ≤ 0 ∧ 0 ≤ z ≤ 4
Aluno N.º Turma Data - -

1 No plano, em relação a um referencial o.n., considera os pontos A ( −1 , 2) , B ( −3 , 4) e


C (3 , 2) .

1.1. Determina o comprimento da mediana do triângulo [ABC] em que uma das


extremidades é A .

1.2. Determina as coordenadas de um ponto P da reta AC , não pertencente a [AC] , tal


que BP = 8 .

2 Na figura está representado, em referencial o.n. Oxyz , um prisma triangular reto mas
não regular.

Sabe-se que:
AB = AC e DE = DF ;
a base [ABC] está contida no plano xOy ;
a face [BEFC] está contida no plano yOz ;
O é o ponto médio de [BC] ;
o ponto D tem de coordenadas (4 , 0 , 10) ;

AB = 5 .

2.1. Determina as coordenadas dos vértices B e F .

2.2. Representa por uma equação o plano que passa pelo ponto médio de [DE] e é
paralelo ao plano y = 3 .

2.3. Determina o volume do prisma.

2.4. Determina k de modo que o plano definido pela equação z = k divida o prisma em
dois, em que o volume do prisma cujos pontos têm cota não superior a k é 40% do
volume do prisma dado.
1

1.1. Se A é uma das extremidades da mediana, a outra é o ponto médio do lado oposto a
−3 + 3 4+ 2
A , isto é , [ BC ] . Seja M esse ponto. M 1  , , isto é, M 1 ( 0 , 3 ) .
 2 2 

( 0 + 1) + ( 3 − 2) =
2 2
AM = 2 . O comprimento da mediana é 2 .

1.2. Repara que os pontos A e C têm a mesma ordenada. Então, a reta AC é definida
pela equação y = 2 .

Os pontos cuja distância a B é 8 são os pontos


( x , 2) tais que:

BP 2 = 22 + ( x + 3 )
2

( 8)
2
= 4 + x 2 + 6x + 9 § x 2 + 6x + 5 = 0 §
−6 ± 16
§ x= § x = −1 ∨ x = −5
2
Os pontos da reta AC tais que BP = 8 são
( −1 , 2) e ( −5 , 2) .
O ponto que não pertence a [AC] é ( −5 , 2) .

2
2.1. Como o prisma é reto, a projeção ortogonal de D sobre o plano xOy é A .
Então, as coordenadas de A são (4 , 0 , 0) .

O triângulo [OAB] é retângulo. Como AB = 5 , pelo Teorema de Pitágoras, tem-se:

OB 2 + OA 2 = AB 2 § OB 2 + 42 = 52 § OB 2 = 9 . Logo, OB = 3 e OC = 3 também.
O ponto B tem coordenadas (0 , 3 , 0) e o ponto F tem coordenadas (0 , − 3 , 10) .

2.2. Sabe-se que D (4 , 0 , 10) e D (0 , 3 , 10) .


 3 
Sendo S o ponto médio de [DE] , tem-se S  4 , , 10  . O plano que passa
 2 
pelo ponto médio de [DE] e é paralelo ao plano y = 3 é o plano de equação y = 3
2
.

2.3. Seja V o volume do prisma . V = Abase × altura = BC × OA × AD


2
Então, V = 6 × 4 × 10 = 120 .
2

2.4. O prisma constituído pelos pontos de cota não superior a k tem base igual à do
prisma e altura igual a k , sendo k > 0 .
Seja V1 o volume do prisma de altura k .
6×4 48 §
V1 = 0,4 × V § × k = 0,4 × 120 § 12k = 48 § k = k =4
2 12
Aluno N.º Turma Data - -

1 No plano, em relação a um referencial o.n. Oxy , considera o triângulo [ABC] , sendo


A (1, − 2 ) , B ( 3 , 2 ) e C ( −4 , 3 ) .

1.1. Determina o comprimento do menor lado do triângulo [ABC] .

1.2. Mostra que o triângulo [AMC], sendo M o ponto médio de [AB], é retângulo em M.
1.3. Determina uma equação cartesiana, na forma reduzida, da mediatriz de [AC] .

2 No plano, em relação a um referencial o.n. Oxy , considera a circunferência definida pela


equação ( x + 1)2 + ( y − 3 )2 = 4 e o semiplano definido pela inequação y ≤ x + 4 .

2.1. Mostra que o centro da circunferência pertence à fronteira do semiplano.

2.2. Sejam A e B os pontos de interseção da circunferência dada com o eixo Oy .


Representa através de uma equação na forma reduzida a circunferência em que [AB]
é um dos diâmetros.

3 Na figura, em referencial o.n. Oxy , está representada a elipse de centro na origem do


referencial e vértices nos pontos de coordenadas ( 4 , 0 ) , ( −4 , 0 ) , ( 0 , 2 ) e ( 0 , − 2 ) .

O ponto F representa o foco da elipse que tem abcissa positiva.

3.1. Representa a elipse por uma equação na forma reduzida.

3.2. Determina as coordenadas do ponto F .

3.3. Mostra que PQ = 2 , sendo P e Q os pontos de interseção da elipse com a reta que
passa em F e é paralela a Oy .

4 No espaço, em relação a um referencial o.n. Oxyz , considera a esfera definida pela


inequação x 2 − 2 x + y 2 + z 2 + 4 z ≤ 4 .

4.1. Determina as coordenadas do centro da esfera e o raio.

4.2. Representa, através de equações cartesianas, todos os planos tangentes à esfera e


que sejam paralelos a um dos planos coordenados.
1
( 3 − 1) + ( 2 + 2) = ( − 4 − 3) + ( 3 − 2) =
2 2 2 2
1.1. AB = 20 ; BC = 50 ;

( − 4 − 1) + ( 3 + 2) =
2 2
AC = 50 . O menor lado é AB = 20 .

 1+ 3 −2 + 2
1.2. M  , = ( 2 , 0 ) . Pelo Teorema de Pitágoras,
 2 2 

( )
2 2
+  62 + ( −3 )  = 50 § 5 + 45 = 50 .
2
AM 2 + MC 2 = AC 2 § 12 + 22
 
O triângulo [AMC] é retângulo em M .
1.3. Seja P (x , y) um ponto da mediatriz de [AC] .
( x − 1) + ( y + 2) = ( x + 4) + ( y − 3)
2 2 2 2
AP = CP § §

x 2 − 2 x + 1 + y 2 + 4 y + 4 = x 2 + 8 x + 16 + y 2 − 6 y + 9 § −10 x + 10 y = 20 § y = x + 2
Mediatriz de [AC] : y = x + 2

2
( x + 1) + ( y − 3 ) = 4 é o ponto C ( −1, 3 ) .
2 2
2.1. O centro C da circunferência de equação
A fronteira do semiplano é a reta definida por y = x + 4 . Verifica-se que 3 = −1 + 4 ,
ou seja, o ponto C pertence à reta.
2.2. Sejam A e B os pontos de interseção da circunferência dada com o eixo Oy .
( x + 1)2 + ( y − 3 )2 = 4 ( y − 3 )2 = 3  y − 3 = 3  y − 3 = 3
 §  §  ›  §
 x = 0  x = 0  x = 0  x = 0
 y = 3 + 3  y = 3 − 3
§ 
 x = 0
› 
 x = 0
. Seja A 0 , ( 3+ 3 ) (
e B 0 , 3− 3 ) e M o

ponto médio de [AB] , isto é, M ( 0 , 3 ) . Como A , B e M pertencem ao eixo


Oy , a distância entre M e A é a diferença entre as suas ordenadas. MA = 3 .
A circunferência de diâmetro [AB] é definida por x 2 + ( y − 3 ) = 3 .
2

3
x2 y 2
3.1. Sabe-se que a = 4 e b = 2 . Então, a elipse é representada pela equação + = 1.
16 4
3.2. Seja F ( c , 0 ) , com c > 0 . Considere-se c 2 + b 2 = a 2 § c 2 + 4 = 16 § c 2 = 12 .
Então c = 12 . O ponto F é ( 12 , 0 . )
3.3. A reta que passa em F e é paralela a Oy é a reta de equação x = 12 .
 x2 y 2 12 y 2
 + =1  + =1 12 + 4y = 16  y = 1
2 2

 16 4 § 16 4 §  § 
 x = 12  x = 12  x = 12  x = 12
 
Seja P ( 12 , 1 e Q ) ( )
12 , − 1 . Então, PQ = (1 + 1)
2
=2 .
4

( x − 1) − 1+ y 2 + (z + 2) − 4 ≤ 4 §
2 2
4.1. x 2 − 2 x + y 2 + z 2 + 4 z ≤ 4 §

+ y 2 + ( z + 2) ≤ 9 Centro: (1, 0 , − 2 ) ; raio: 3


( x − 1)
2 2
§
4.2. x = −2 ; x = 4 ; y = −3 ; y = 3 ; z = −5 ; z = 1
Aluno N.º Turma Data - -

1 Na figura, sobre uma base quadriculada estão representados dois vetores u e v e um


ponto P .

Copia a figura e assinala os pontos A , B e C de modo que:

3
1.1. PA = − u
2

1.2. PB = u + v

1
1.3. PC = u −v
2

2 Na figura, em referencial o.n. Oxy , está representada


a circunferência de centro no ponto C ( 2 , 3 ) e que
passa pelo ponto A ( 0 , 1) .

2.1. Representa a circunferência através de uma


equação na forma reduzida.

2.2. Representa a reta AC através de equações


paramétricas.

2.3. Representa por uma inequação o conjunto de


pontos do plano que pertencem ao semiplano
superior fechado definido pela reta AC .

3 No espaço, em relação a um referencial o.n. Oxyz , considera o vetor u ( 2 , − 1, 3 ) e os


pontos A ( 2 , − 3 , 1) e B ( 6 , − 5 , 0 ) .

3.1. Os vetores u e AB são colineares? Justifica.

3.2. Seja r a reta que passa em A e tem a direção de u .


a) Representa a reta r através de uma equação vetorial.
b) Determina as coordenadas do ponto de interseção da reta r com o plano xOz .
1
3 3
1.1. PA = − u § AP = u
2 2

1.2. PB = u + v § B −P =u +v § B =P +u +v

1.3. PC = 1 u − v § C − P = 1 u − v § C = P + 1 u − v
2 2 2

2.1. Raio: AC = 8

( x − 2) + ( y − 3) = 8
2 2

2.2. AC = C − A = ( 2 , 2 ) ; equação vetorial: ( x , y ) = ( 0 , 1) + k ( 2 , 2 ) , k ∈ℝ

 x = 2k

 y = 1 + 2k , k ∈ ℝ

2.3. Seja y = mx + b a equação reduzida da reta AC . Como AC = ( 2 , 2 ) , tem-se


m = 1 . A ordenada na origem é 1 , uma vez que a reta passa por A .
O conjunto de pontos (x
, y ) do plano que pertencem ao semiplano superior
fechado definido pela reta AC são tais que y ≥ x + 1 .

3

3.1. AB = B − A = ( 4 , − 2 , − 1) .

Os vetores u e AB são colineares se ∃ k ∈ R : AB = k u .

(4, − 2 , − 1) = k ( 2 , − 1, 3 ) § (4 , − 2 , − 1) = ( 2k , − k , 3k ) §


2k = 4 k = 2
 
§ −k = −2 § k = 2 , impossível. Então, os vetores u e AB não são colineares.
3k = −1  1
 k = −
 3

3.2. a) (x , y , z ) = ( 2 , − 3 , 1) + k ( 2 , − 1, 3 ) , k ∈ R

b) O plano xOz é definido pela equação y = 0 .


Os pontos da reta r são tais que: (x , y , z ) = ( 2 + 2k , − 3 − k , 1 + 3 k ) , k ∈ R

Para pertencer ao plano verifica-se: −3 − k = 0 , isto é, k = −3 .


O ponto da reta que pertence ao plano xOz é ( −4 , 0 , − 8) .
Aluno N.º Turma Data - -

1 No plano, em relação a um referencial o.n. Oxy , considera os semiplanos fechados definidos


pelas inequações:
x ≥ −2 e y ≤ 3

Seja P um ponto do plano que pertence a um e a um só dos dois semiplanos.


As coordenadas do ponto P podem ser:
 5 7   3 7  5 7
(A)  −1 , (B)  , 2  (C)  − , (D)  − ,
 2   2   2 2   2 2 

No plano, munido de um referencial o.n. Oxy , a região colorida


2
corresponde a um conjunto de pontos P ( x , y ) .

O conjunto representado na figura pode ser definido pela


condição:

(A) ∼ ( x ≤ 1 ∨ y > 3 )
2

(B) ( −1 ≤ x ≤ 1 ∨ y ≤ 3 )

(C) ( x ≥ −1 ∧ y ≤ 3 )

(D) ∼ ( x > 1 ∨ y > 3 )


2

3 Em relação a um referencial o.n. Oxyz , considera os pontos A ( k , k + 5 , k 2 ) , k ∈ ℝ


e B ( −1 , 4 , 9) .

Os pontos A e B definem uma reta paralela ao eixo Oz se k é igual a:


(A) −1 (B) 3 (C) 4 (D) 0

4 Em relação a um referencial o.n. Oxyz , considera o ponto P ( −2 , 3 , − 5 ) e o plano


α que passa em P e é paralelo a yOz .
As coordenadas do ponto de interseção do plano α com o eixo Ox são:
(A) ( 0 , 0 , − 5 ) (B) ( −2 , 0 , 0 ) (C) ( −2 , 3 , 0 ) (D) ( 0 , 3 , 0 )

5 No espaço, em relação a um referencial o.n. Oxyz , seja P um ponto do 3.° octante.


O simétrico de P em relação ao eixo Ox pode ser:

(
(A) −3 , − 2 , − π ) (B) (3 , −π , − 5 )
(
(C) −π , 3 , − 5 ) (D) ( −3 , −π , 5 )
6 Na figura, em referencial o.n. Oxy , está representado
um quadrado [ABCD] .

Sabe-se que:
o centro do quadrado coincide com o ponto O ;
a reta AB é paralela a Ox ;
BD = 6

6.1. Determina as coordenadas dos vértices do


quadrado.

6.2. Dá exemplo das coordenadas de um ponto do 2.° quadrante que pertença a [BD] .

6.3. Determina para que valores de k o ponto P de coordenadas ( 2k 2


)
, k −1
pertence a [BD] e ao 4.° quadrante.

7 No espaço, em relação a um referencial o.n. Oxyz , considera o ponto P ( 2 , − 1 , 3 ) .

7.1. Indica as coordenadas da projeção ortogonal de P sobre Oz .

7.2. Determina k de modo que ( k , − 1 , k 2 − 7) sejam as coordenadas do simétrico


de P em relação Oy .

8 Na figura, em referencial o.n. Oxyz , está representado


um prisma quadrangular reto em que as bases são
trapézios.

Sabe-se que:
a face [OEFG] está contida no plano xOy ;
a base [OGDA] está contida no plano yOz ;
a face [ABCD] é um quadrado de área 9 e está
contida no plano definido pela equação z = 3 ;
as coordenadas do vértice F são (3 , 5 , 0) .

8.1. Determina as coordenadas do vértice C .

8.2. Define por um sistema de equações a reta BC .

8.3. Determina as coordenadas do ponto de interseção do plano definido pela equação


z = 2 com a reta CF .
1  3 7
Das quatro opções apresentadas, o ponto  − , pertence a um e um só dos
 2 2 
3 7
semiplanos dados. Basta notar que − ≥ −2 mas >3 .
2 2

Opção: (C)

2 (
∼ x2 > 1∨ y > 3 ) § x 2 ≤ 1 ∧ y ≤ 3 § x ≤ 1 ∧ x ≥ −1 ∧ y ≤ 3

Opção: (D)

3 Uma reta paralela a Oz e que passa por B é definida por x = −1 ∧ y = 4 sendo z ∈ ℝ .


Então, k = −1 ∧ k + 5 = 4 § k = −1 .

Opção: (A)

4 O plano a que passa em P e é paralelo a yOz tem por equação x = −2 .


Então, o eixo Ox interseta a no ponto ( −2 , 0 , 0) .

Opção: (B)

5 Um ponto P ( x , y , z ) pertencente ao 3.° octante é tal que x < 0 ∧ y < 0 ∧ z > 0 .

O seu simétrico é um ponto P ' ( x', y ', z' ) pertencente ao 6.° octante tal que
x' < 0 ∧ y ' > 0 ∧ z' < 0 .

Das opções dadas, apenas ( −π , 3 , − 5 ) satisfaz essas condições.

Opção: (C)

6.1. Seja AB = AD = a . Então, a 2 + a 2 = 62 § 2a 2 = 36 § a 2 = 18 .

Então, a = 18 = 3 2 .

Assim AB = AD = 3 2 .

 3 2 3 2 3 2 3 2 3 2 3 2  3 2 3 2
A − ,−  , B ,−  , C ,  , D − , 
 2 2   2 2   2 2   2 2 
   
6.2. A reta BD é a bissetriz dos quadrantes pares, definida por y = − x .
Para pertencer ao 2.° quadrante, o ponto deve ter abcissa negativa e ordenada
positiva.
 3 2 3 2
Por exemplo, o ponto D  − ,  satisfaz as condições.
 2 2 

6.3. Para pertencer ao 4.° quadrante, o ponto deve ter abcissa positiva e ordenada
negativa.
BD : y = − x

k − 1 = −2k 2 ‹ 2k 2 > 0 ‹ k − 1 < 0 § 2k 2 + k − 1 = 0 ‹ k ≠ 0 ‹ k < 1 §

§ k = −1 ± 1 + 8 ‹ k ≠ 0 ‹ k < 1 §  k = −1 ∨ k =  ‹ k ≠ 0 ‹ k < 1
1
4  2

Conclui-se que k ∈ 
1 
 −1 ,  .
 2 

7.1. A projeção ortogonal de P (2 , − 1 , 3) sobre Oz é o ponto (0 , 0 , 3) .

7.2. O simétrico de P (2 , − 1 , 3) em relação a Oy é o ponto (2 , − 1 , − 3) .

Então, k = −2 ∧ k 2 − 7 = −3 § k = −2 ∧ k 2 = 4 §

§ k = −2 ∧ ( k = 2 ∨ k = −2 ) § k = −2 .

8.1. Determina as coordenadas do vértice C .


BC 2 = 9 , ou seja, BC = 3 . Também AB = 3 .

Como a face [ABCD] está contida no plano z = 3 , tem-se BE = 3 .


Assim, C (3 , 3 , 3) .

8.2. x = 3 ∧ z = 3

8.3. CF = ( 3 , 5 , 0 ) − ( 3 , 3 , 3 ) = ( 0 , 2 , − 3 )

Uma equação vetorial de CF é (x , y , z ) = (3 , 5 , 0) + k (0 , 2 , − 3) , k ∈ R ,


isto é, ( x , y , z ) = ( 3 , 5 + 2k , − 3 k ) , k ∈ R .

Para pertencer ao plano z = 2 , tem-se −3 k = 2 § k = − 2 .


3
 11 
Então, ( x , y , z ) =  3 , , 2 .
 3 
Aluno N.º Turma Data - -
N
1 o plano, em relação a um referencial o.n. Oxy , são dados dois vetores não nulos tais que
u e v .
Sabe-se que u + v = u + v . Podes concluir que:

(A) A soma dos vetores é o vetor nulo.


(B) Os vetores são não colineares.
(C) Os vetores são colineares e têm o mesmo sentido.
(D) Os vetores são colineares e têm sentidos opostos.

2 Na figura, em referencial o.n. Oxy , está representada


uma circunferência de raio r e centro no ponto C .
Sabe-se que a circunferência interseta o eixo Ox nos
pontos A e B , sendo AB = 4 .
Qual dos seguintes valores pode corresponder ao raio da
circunferência?
(A) 2 (B) 5
(C) 2 (D) 3

3 No plano, em referencial o.n. Oxy , uma reta r é definida pela equação y = −2 x + 3 .


Uma equação vetorial da reta r pode ser:
(A) ( x , y ) = (1, 2 ) + k (1, − 2 ) , k ∈ R (B) ( x , y ) = (1, 1) + k ( −2 , 1) , k ∈ R
(C) ( x , y ) = ( −1, 5 ) + k ( 2 , - 1) , k ∈ R (D) ( x , y ) = ( -1, 5 ) + k ( -1, 2 ) , k ∈ R

4 Em relação a um referencial o.n. Oxy uma elipse é definida por uma equação do tipo
x2 y 2
+ = 1 , a > 2 . Sabe-se que a soma das distâncias de qualquer ponto da elipse aos
a2 4
focos é 4 3 . Podes concluir que o valor de a é:
(A) 2 3 (B) 12 (C) 4 3 (D) 48

5 No espaço, em referencial cartesiano Oxyz , uma superfície esférica, em que A e B são


extremos de um dos diâmetros, é definida pela equação x 2 + y 2 + 4 y + z 2 = 0 .
Uma equação do plano mediador de [AB] pode ser:
(A) − x + y − z = 1 (B) 2 x − y + z = 0

(C) x − 3 y + z = 6 (D) 2 x + y + z = 1
6 No plano, em relação a um referencial o.n. Oxy , considera os pontos A (1, − 2) e B ( −2 , 0 ) .
6.1. Determina uma equação na forma reduzida da:
a) mediatriz de [AB] ;
b) circunferência de diâmetro [AB] ;
1
6.2. Determina as coordenadas do ponto P , sabendo que OP = − BA .
2

7 Na figura está representado um triângulo [ABC] , sendo


[CD] uma mediana do triângulo.
Mostra que CA + CB = 2CD .

8 Na figura, em referencial o.n. Oxy , estão representadas uma elipse e duas circunferências
com centros em O (origem do referencial).
Sabe-se que:
o eixo maior da elipse é diâmetro da circunferência C1 ;
e o eixo menor é diâmetro da circunferência C2 ;
os pontos A e B são vértices da elipse;

x2 y 2
a elipse é definida pela equação + =1 .
25 9

8.1. Determina as coordenadas dos focos da elipse.

8.2. Representa a circunferência C2 por uma equação


na forma reduzida.

8.3. Define por uma condição o conjunto de pontos da região colorida, incluindo a fronteira.

9 Na figura, em referencial o.n. Oxyz , está representada uma pirâmide quadrangular regular.
Sabe-se que:
a base está contida no plano xOy ;
os vértices A e V têm coordenadas, respetivamente,
( 4 , 0 , 0) e ( 0 , 0 , 9) ;
o plano EFG é definido pela equação z = 6 .

9.1. Escreve uma equação vetorial da reta AV e determina


as coordenadas do ponto E .

9.2. Define por uma inequação a esfera de centro V e


tangente ao plano EFG .

9.3. Determina o volume da pirâmide [EFGHV] .


1 Se os vetores fossem não colineares ter-se-ia u +v < u + v .

Se os vetores são colineares com sentidos opostos ocorre uma das seguintes situações:

u = v e, neste caso, u = −v e u +v = 0 +0 ;

u ≠ v e, neste caso, u +v = u − v < u + v .

Se os vetores são colineares com o mesmo sentido, tem-se u +v = u + v .

Opção: (A)

2 Em qualquer circunferência o raio é sempre maior ou igual a metade do comprimento de


qualquer corda. O raio é igual a metade da corda no caso de a corda ser um diâmetro, não
sendo esse o caso.
Como AB = 4 e [AB] não é um diâmetro conclui-se que o raio é maior do que 2 .

Opção: (B)

3 A reta de equação y = −2 x + 3 tem declive - 2 .


Na opção (A), o declive da reta é - 2 mas o ponto (1 , 2) não pertence à reta dada.
1
Na opção (B), o declive da reta é − .
2

1
Na opção (C), o declive da reta é − .
2

Na opção (D), o declive da reta é - 2 e o ponto (- 1 , 5) pertence à reta dada.

Opção: (D)

4 Sabe-se que o eixo maior é igual à soma das distâncias de qualquer ponto da elipse aos
focos.
Então, 2a = 4 3 § a = 2 3 .
Opção: (A)

5
Sendo [AB] um diâmetro, o ponto médio é o centro da superfície esférica que terá de
pertencer ao plano mediador de [AB] .
2 2
( 2
)
x 2 + y 2 + 4 y + z 2 = 0 § x + y + 4 y + 4 + z = 4 § x 2 + ( y + 2) + z2 = 4
2

Centro da superfície esférica: (0 , − 2 , 0)

O centro pertence apenas ao plano dado na opção (C).

Opção: (C)
6
6.1. a) Seja P ( x , y ) um ponto qualquer da mediatriz de [AB] .

( x − 1) + ( y + 2) = ( x + 2) + y 2
2 2 2
PA = PB §

§ x 2 − 2 x + 1 + y 2 + 4y + 4 = x 2 + 4 x + 4 + y 2

3 1
§ −6 x + 4 y + 1 = 0 § y = x+
2 4

b) Centro da circunferência: ponto médio de [AB] .


 1 − 2 −2 + 0   1 
 2 ,  =  − , − 1
 2   2 

(1 + 2 ) + ( −2 − 0 )
2 2
Raio: AB = =
13
2 2 2
2
 1 13
Equação da circunferência:  x +  + ( y + 1) =
2

 2 4

6.2. Sejam (x , y) as coordenadas do ponto P .

BA = B − A = ( −2 , 0 ) − (1, − 2 ) = ( −3 , 2 )

1 1
OP = − BA § ( x , y ) = − ( −3 , 2) §
2 2

( x , y ) =  
3
§ , − 1
 2 
3 
As coordenadas do ponto P são:  , − 1
2 

7 Mostra que CA + CB = 2 CD .

CD = CA + AD

Como AD = DB , tem-se CD = CA + DB . (1)

Repara que DB = DC + CB . Substituindo em (1), tem-se: CD = CA + DC + CB .

Daqui resulta que CD − DC = CA + CB , ou seja, CD + CD = CA + CB ,

concluindo-se que CA + CB = 2 CD .
8
8.1. Seja 2c a distância focal.

Então, as coordenadas dos focos são do tipo ( c , 0) e ( −c , 0) .

Sabe-se que b 2 + c 2 = a 2 .

Neste caso, 9 + c 2 = 25 § c 2 = 16 . Então, c = 4 .

Coordenadas dos focos: ( 4 , 0) e ( −4 , 0 )

8.2. Em relação à circunferência C2 sabe-se que o centro é o ponto de coordenadas


(0 , 0) e o raio é igual ao semieixo menor da elipse, ou seja, o raio é 3 .

Equação da circunferência: x 2 + y 2 = 9

8.3. Em relação à circunferência C1 sabe-se que:


o centro tem de coordenadas (0 , 0) ;
o raio é igual ao semieixo maior da elipse, ou seja, 5 .

Equação da circunferência C1: x 2 + y 2 = 25

Em relação à reta AB sabe-se que:


coordenadas do ponto A : ( 5 , 0)
coordenadas do ponto B : ( 0 , 3)
um vetor diretor da reta é AB = B − A = ( 0 , 3 ) − ( 5 , 0 ) = ( −5 , 3 ) .

3
Declive da reta AB : −
5

Ordenada na origem da reta AB é 3 .

3
Equação na forma reduzida da reta AB : y = − x+3
5

O conjunto de pontos da região colorida da figura é definido pela condição:


3
x 2 + y 2 ≤ 25 ∧ y ≥ − x+3
5
9
9.1. Um vetor diretor da reta AV é AV = V − A = ( 0 , 0 , 9 ) − ( 4 , 0 , 0 ) = ( −4 , 0 , 9 ) .

Uma equação vetorial:

( x , y , z ) = A + k AV , k ∈ℝ

( x , y , z) = (4 , 0 , 0 ) + k ( −4 , 0 , 9 ) , k ∈ ℝ

Em relação ao ponto E sabe-se que a cota é 6 e pertence à reta AV .


( x , y , 6) = ( 4 , 0 , 0 ) + k ( −4 , 0 , 9 ) § ( x , y , 6 ) = ( 4 − 4k , 0 , 9k )

 8  4
 x =4−  x=
 x = 4 − 4k 3 3
  
y = 0 § y = 0 § y = 0
6 = 9k  2  2
 k = k =
 3  3

4 
As coordenadas do ponto E são:  , 0 , 6 
 3 

9.2. Centro da esfera V ( 0 , 0 , 9 ) e raio 3 (diferença entre a cota de V e a cota de


qualquer ponto do plano z = 9):

x 2 + y 2 + ( z − 9 ) ≤ 32 § x 2 + y 2 + ( z − 9 ) ≤ 9
2 2

9.3. AB 2 + BC 2 = AC 2 § 2AB 2 = 64 § AB 2 = 32

1 1
Volume da pirâmide [ABCDV] : AB 2 × 9 = × 32 × 9 = 96
3 3

Altura da pirâmide “grande” 9 e a altura da pirâmide “pequena” é 3 .


1
Se a altura da pirâmide “pequena” é da altura da pirâmide “grande”, então o
3
3
 1 1
volume da pirâmide “pequena” é   = do volume da pirâmide “grande”.
 
3 27

1 32
Assim, tem-se: × 96 =
27 9
32
O volume da pirâmide [EFGHV] é .
9