Você está na página 1de 30

Assuntos

Geodésia
conceitos, enfoques, objetivos, funções
Histórico
Modelos Terrestres
real, físico, geométrico, combinado
Relações Inter-superfícies

Conceito

"Geodésia é a ciência que trata das


investigações da forma e das dimensões
da superfície terrestre."

/Hosmer/
Conceito

"A principal tarefa científica da Geodésia Superior é o


estudo da figura (forma e medidas) e do campo
gravitacional exterior da Terra."

/Zakatov/

Conceito

"Geodésia é o ramo da matemática aplicada que determina, por


meio de observações e medições, a exata posição de pontos,
figuras e áreas de grandes porções da superfície terrestre, a
forma e o tamanho da Terra e as variações da gravidade
terrestre."

/USA - Comittee on Geodesy


The National Research Council/
Conceito

"Geodésia é a disciplina que lida com a medição e


representação da Terra, incluindo seu campo de gravidade,
com variações no espaço-tempo."

/National Research
Council of Canada/

Enfoques
Geométrico determinação de posições relativas a partir de
medições angulares e lineares horizontais ou
verticais.
Físico ou Dinâmico determinação do vetor da gravidade (direção e
intensidade).
Astronômico determinação de posições na superfície terrestre a
partir da observação de corpos celestes naturais.
Espacial ou Celeste determinação de posições na superfície terrestre a
partir da observação de satélites artificiais.
Relacionamento dos Enfoques
Medições angulares e lineares são afetadas de gravidade;
Controle de redes clássicas era obtido por pontos de Laplace;
Posicionamento por satélites é baseado em observação de
distâncias;
Posicionamento astronômico é baseado em observação de
ângulos verticais e horizontais;
Satélites estão sob ação do campo gravitacional.

Objetivos
Estabelecimento e manutenção de redes geodésicas
terrestres de controle, tridimensionais, nacionais ou
globais, reconhecendo o aspecto temporal destas;
Medição e representação de fenômenos geodinâmicos
(movimento do polo, marés terrestres, tectonismo);
Determinação do campo da gravidade terrestre, incluindo
suas variações temporais.
Funções
Posicionamento
Campo da Gravidade
Variações Temporais

Modelos Terrestres
Superfície Real
Modelos Físicos
Modelos Geométricos
Modelos Combinados

Parâmetros de escolha ⇒ Objetivo do trabalho


Everest
9.000 m
Superfície Real
apenas as partes sólidas Challenger

contato com a troposfera -11.000 m

totalmente irregular
não matemática
discretização
6.371 km X 9 km : 0,14%
não rígida
forma variável

Água Terra Troposfera

2.400 a.C.
mapa mais antigo
vale do rio Eufrates
pontos cardeais

1.333 a.C. / 1.300 a.C.


Ramsés II
cadastro do vale do Nilo
625 a.C. / 547 a.C.
Tales de Mileto
Oceano infinito
OCEANO

Mediterraneo

Modelo Plano
pequenas porções
achatamento infinito
distância erro planimétrico erro altimétrico
0,5 km 0,0 mm 20,0 mm
5,0 km 1,0 mm 196,0 mm
20,0 km 65,7 mm 3.139,0 mm

Plano de
Referencia

Superficie Fisica
Topografia
pequenas áreas não considera a curvatura
alta precisão usina nuclear
baixa precisão pequenas propriedades rurais

Geodésia
grandes áreas considera a curvatura
alta precisão tectonismo
baixa precisão cálculos preliminares

580 a.C. / 500 a.C.


Pitágoras
1ª noção de esfericidade
perfeição divina

± 500 a.C.
Filolau
Universo não geocentrico - Héstia
384 a.C. / 322 a.C.
Aristóteles
explica a esfericidade por observações
1ª idéias sobre gravidade
Equador, Polos e Trópicos

326 a.C. / 296 a.C.


Dicaercus
coordenadas esféricas

Aproximação de navios nos portos


Sombra da Terra na Lua

276 a.C. / 194 a.C. : Eratóstenes

Alexandria

α Sol

α
Assuan
Trópico de Cancer

solstício de verão
1/50 da circunferência
250.000 stadias
erro máximo = 15 %
135 a.C. / 50 a.C. : Posidônio
Horizonte em Rhodes

Canopus

α
Horizonte em
Alexandria

α mais precisão
refração atmosférica
erro máximo = 10%

Modelo Esférico
L.G. dos pts equidistantes de um pto central
achatamento = 0
modelo simples Z

2 2 2 a
X +Y +Z a
=1
a2 a Y

X
Idade Média
período de trevas
autores proibidos Nicolau Copérnico
Johannes Kepler
Galileu Galilei
mundo cristão europeu cópias de mapas romanos
"Orbis Terrarum" realidade física x pensamento religioso
mundo árabe
legado grego
aspecto científico
mundo chines

Grandes Navegações
1250 - 1300 Cartas Portulanas
1401 - 1464 Nicolau de Cusa
Movimento diurno, universo infinito
1451 - 1512 Américo Vespúcio
costa do Pacífico Norte, separação Ásia-América
1492 Cristóvão Colombo
cruza o Atlântico
1497 Vasco da Gama
Cabo da Boa Esperança
1519 - 1522 Fernão de Magalhães
Circumnavegação terrestre - prova da esfericidade
1564 / 1642
Galileu Galilei
movimento de queda livre
movimento pendular
1643 / 1727
Isaac Newton
gravitação universal - elipsóide achatado
1713 / 1765
A.C. Clairaut
relação entre os achatamentos geométrico e gravimétrico

1734 / 1744 : Academia de Ciências de Paris


Newton-Huygens x Cassini
Peru 1735 / 1744 ⇒ 1° = 110.614 metros
Lapônia 1736 / 1737 ⇒ 1° = 111.949 metros

α
α
α α
PN

M
PS

Força Gravitacional (F)

Isaac Newton
atração entre dois corpos m
d
G = 6,672 e-11 m³/kg s
M,m = massas F

M m
F=G M


Força Centrífuga (f)

"fuga do centro" f
movimento de rotação w
d
perpendicular ao eixo
d = distância ao eixo m
m = massa do corpo em rotação
w = velocidade angular

f=dmw²

Força de Gravidade (g) PN gf =


=F
0

f = Força Centrífuga
g f
F = Força Gravitacional F
g
resultante de f e F Equador
F
f máx
F g mín
Campo de Gravidade g
F
Campo Gravífico F g f
Máxima nos Polos
Mínima no Equador f
≠ 0,54% PS gf =
=F
0
Elipsóide de Revolução
2 eixos iguais
rotação de uma elipse em torno do eixo Z
superfície quadrática
achatamento = ( a - b ) ÷ a

X2 + Y 2 Z2
+ =1
a2 b2

Z Z
achatamento = 0

b
b
a a
a Y a Y
a=b;

X
X
Esfera :

Elipsóide de Revolução Achatado Elipsóide de Revolução Alongado


a>b a<b
achatamento > 0 achatamento < 0
Elipsóide Terrestre
f = 1 / 300

Esfera : f = 0
f = 1 / 50
b = 2,0 % a
f=1/5
b = 20,0 % a
f=1/2
b = 50,0 % a

1792 / 1798
remedição do meridiano de Paris
Dunquerque - Barcelona f = 1 / 334
padrão métrico : 1 / 10.000.000 do quadrante meridiano de Paris
1816 / 1852
arco entre foz do Danúbio e Noruega f = 1 / 289,6
Carl Friedrich Gauss : Método dos Mínimos Quadrados
1831 / 1838 arco Prussiano
1866 Elipsóide de Clarke : NAD-27
± 1900

± 1960
Elipsóide a (m) 1/f Local

Airy 1830 6.377.563,396 299,3249646 Inglaterra


Bessel 1841 6.377.397,155 299,1528128 Japão, Indonésia
Clarke 1866 6.378.206,4 294,9786982 EUA, Caribe
Clarke 1880 6.378.249,145 293,465 África
Everest 1830 6.377.276,345 300,8017 Índia
G.R.S. 1967 6.378.160,0 298,247167427 Hemisf.Sul UGGI - Int. Lucerna, 1967
G.R.S. 1975 6.378.140,0 298,257
G.R.S. 1980 6.378.137,0 298,257222101 EUA, UGGI - Int. Camberra, 1979
Hayford 1908 6.378.388,0 297,0 Europa, CA UGGI - Int. Madri, 1924
Krassovsky 1940 6.378.245,0 298,3 Rússia
Sul Americano 69 6.378.160,0 298,25 Am.Sul, Austrália Nacional Australiano
WGS 60 6.378.165,0 298,3 Global
WGS 66 6.378.145,0 298,25 Global
WGS 72 6.378.135,0 298,26 Global
WGS 84 6.378.137,0 298,257223563 Global

1873 J. B. Listing : termo e conceito de Geóide

1874 Küstner : movimento do polo

1878 H. Bruns : Geodésia tridimensional - bases

1899 criação do ILS - International Latitude Service

1919 criação da UGGI - União Geodésica e Geofísica Internacional

1927 Vening-Meinesz : desvio da vertical e anomalias de gravidade

1945 Molodenskii : Quasi-Geóide


Concentração densidades
de massas diferentes

Terra Homogênea
Linhas de Força
Normais
Linhas de Força
visão qualitativa do campo
direção de atuação da força

Terra
densidade variável
curvas reversas
curvatura e torção

Geopes
equipotenciais
geopotenciais
pts de mesmo potencial
gravífico
perpendiculares às linhas
de força
não paralelas
Geóide
potencial do nível médio dos
mares, homogêneo, livre de
perturbações, em repouso, sob
ação exclusiva da gravidade
Geope origem
aproximação = NMM
≠ 1 a 2 metros
marégrafos - 19 anos
GEM, OSU - desvios à Terra rígida

1957 Sputnik -I
1958
O'Keefe : achatamento por observação de satélites
concepção do Sistema TRANSIT
1962 criação do IPMS - International Polar Motion Service
1965 National Geodetic Satellite Program - NASA
1980 1º satélite GPS em órbita
Elipsóide Escaleno
Elipsóide tri-axial Z
3 eixos diferentes
modelo complexo
pouco utilizado c
b
2 2 2 a Y
X Y Z
+ + =1
a2 b2 c2
X

Normal

Superfície Física

Elipsóide
Vertical do Lugar
Linha de Força

Superfície Física

Geóide

Desvio da Vertical
Normal
Vertical do Lugar

Superfície Física
Linha de Força

Geóide

Elipsóide
Desvio da Vertical
Vertical
Normal

Terra = Geóide
Elipsóide

Vertical do Lugar

Linha de Força

Deflexão
Topográfica
Superfície
Física

Geóide
Ondulação Geoidal
Vertical Normal

Sup.Física P

h
Elipsóide Pe H

Geóide N
Pg

Superfície Física

H
h

Geóide N
Ondulação Geoidal

Elipsóide

Aproximação Prática : N = h - H
Ondulação Geoidal ou Desnível Geoidal ( N )
Diferença entre a Altitude Ortométrica ( H ) e a Altura Elipsóidica ( h )
N=h-H
H = comprimento da linha de força entre o ponto da superfície física e
seu homólogo projetado no Geóide através da linha de força.
h = comprimento da normal entre o ponto da superfície física e seu
homólogo projetado no Elipsóide.

Válido se negligenciados o Desvio da Vertical e a Deflexão Topográfica.

Elipsóide Médio Terrestre


Elipsóide de Nível

Pizzetti & Somigliana


Parâmetros Geométricos e Físicos
Superfície Geopotencial
W = cte

Superfície Esferopotencial
U = cte
Não possui forma elipsoidal
Exceto Elipsóide de Nível

Quasi-Geóide
Coincide com o Geóide na superfície dos oceanos
e em qualquer lugar da superfície terrestre onde
o potencial seja igual ao da superfície dos
oceanos.

Molodenskii, Eremev e Yurkina - 1962


Teluróide
Hirvonen, 1960
Lugar geométrico dos pontos Q, homólogos aos
pontos P da superfície física, onde:
U0 - UQ = W0 - WP
Geopotenciais
Geóide : W = W0
Superfície Física : W = WP
Esferopotenciais
Elipsóide Médio Terrestre : U = U0
Teluróide : U = UQ

Θn
(Molodenskii)
Θ (Helmert)
P
Sup. Física
w=wp
Teluróide
u=uq
Q

Θ0 (Pizzeti)
Quasi-Geóide

w=w0 Geóide
N ζ

u=u0 P' P" Elipsóide


Desvio da Vertical
Helmert
Ângulo formado, na superfície física, entre a vertical do lugar
e a normal ao elipsóide.
Pizzetti
Ângulo formado, na superfície do geóide, entre a tangente à
linha de força e a normal ao elipsóide.
Molodenskii
Ângulo formado, na superfície física, entre a vertical do lugar
e a normal ao teluróide.

Anomalia Altimétrica

Afastamento linear, contado sobre a normal ao


Elipsóide, entre esta superfície e o Quasi-Geóide

Afastamento linear, contado sobre a normal ao


Teluróide, entre esta superfície e a Superfície Física
Terrestre