Você está na página 1de 27

Clicar

As minas de sal de Wieliczka

As profundidades do solo polaco


contêm um grande tesouro,
pouco conhecido fora deste país
da Europa de Leste.
Durante séculos, os mineiros têm
extraído o sal, deixando para trás
obras deslumbrantes e únicas.
Dê uma olhada na mina de sal
mais incrível do mundo.
Vista de fora, a mina de sal de Wieliczka não tem nada de especial. O
local está muito bem conservado para um lugar onde não parece existir
aquela atividade. Mas, a mais de 200 metros de profundidade, um
segredo surpreendente. A mina de sal foi transformada numa galeria de
arte, com uma catedral e um lago subterrâneo.
Situada na região de Cracóvia, na Polónia, Wieliczka é uma pequena
cidade de cerca de 20.000 habitantes. Foi fundada no século XII por um
duque, para ali operar um solo rico em sal. A extração do sal foi a
atividade da cidade até 1996, mas as gerações de mineiros conseguiram
muito mais que a recolha do sal. Os mineiros deixaram ali um
impressionante testemunho dos momentos vividos no subsolo, na forma
de estátuas de figuras mitológicas, históricas e religiosas.
Eles até criaram capelas para as suas orações mas, o seu legado mais
surpreendente é a enorme catedral subterrânea que construíram para
a posteridade.
Wieliczka é a reminiscência de uma aventura de Júlio Verne. Depois de
150 metros de descida por escadas de madeira, o visitante vai descobrir
paisagens incríveis. O mais surpreendente em termos de seu próprio
tamanho e ousadia é a Capela de Santa Kinga. Durante séculos, os
polacos eram católicos devotos e a construção da capela era mais do que
um passatempo para lutar contra o tédio, foi um autêntico acto de fé.
Os próprios lustres da catedral são de sal. Eles não foram simplesmente
extraídos a partir do solo e, em seguida, montados. O processo de
implementação é muito mais trabalhoso. Após a extração, o bloco de sal
é dissolvido em primeiro lugar. É então reconstituído após purificação
para a aparência do vidro.
Muitos visitantes têm em mente o sal que usam nas refeições e imaginam
que outras partes da mina será parecido com o cristal dos lustres… Mas
o sal de rocha natural é cinza (com tons diferentes, como o granito).
No entanto, isso não impede que cerca de um milhão de turistas
(nacionais e estrangeiros) vejam, entre muitas outras coisas, como
o sal era extraído antigamente.
Por razões de segurança, menos de 1% das galerias estão abertas ao
público, mas são mais do que 4 km, o suficiente para cansar o visitante
médio. A mina foi fechada por duas razões: a extração era demasiado
cara para o preço do sal e a água infiltrada condenou certas áreas
daquele espaço.
As esculturas religiosas são grande atração para os visitantes,
principalmente devido à sua extraordinária relação com a cultura cristã.
Neste quadro, Jesus mostra ao incrédulo Tomé o estigma dos seus pulsos.
Outra escultura notável é a da Última Ceia, um trabalho meticuloso e
notável. Na verdade, mesmo durante o auge da mina, no século XIX, já
uma elite de intelectuais europeus a visitavam, como atesta a longa lista
de seus nomes no cadastro de visitantes.
Estes relevos são, talvez, os mais importantes daquela comunidade
cristã. No entanto, é surpreendente que só desde 1978 estejam
classificados como Património Mundial pela UNESCO.
Muitas estátuas de grande escala necessitavam de meses ou anos de
trabalho duro. Dentro das paredes da mina, há também uma série de
informações sobre os escultores, suas ferramentas e máquinas, algumas
que datam de vários séculos. A inundação de 1992, condenou
definitivamente a extração do sal, e a mina agora não é mais que uma
visita ao local. No entanto, pequenas quantidades de água salgada são
extraídos para preservar o risco de inundações.
Algumas obras não têm conotação religiosa. Podem ser atribuídas a um
senso de humor, como a representação de Branca de Neve e os sete anões,
ou a imagem da criança na luta contra o sal ...
Um dragão está também ali representado, recordando as condições
duras e as longas horas de trabalho dos mineiros que ali labutavam.
Por fim, há a destacar um grande lago, de velas acesas com eletricidade.
A representação das reuniões secretas dos primeiros cristãos?
O visitante também deve apreciar o contraste entre o ruído e o suor
do trabalho, na calma de uma breve meditação...
Pps de autor não identificado

Reformatação
e tradução do texto
de JBVieira
Novembro / 2013