Você está na página 1de 31

CENTRO UNIVERSITARIO DE JOÃO PESSOA – UNIPÊ

DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGIA


CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

BÁRBARA LUÍSA BATISTA DUARTE

ANTEPROJETO DO CENTRO DE ARTES E CULTURA PARA A COMUNIDADE DO


TIMBÓ DO BAIRRO DOS BANCÁRIOS EM JOÃO PESSOA-PB

Plano de Trabalho de Conclusão de Curso

João Pessoa
2017
BÁRBARA LUÍSA BATISTA DUARTE

ANTEPROJETO DO CENTRO DE ARTES E CULTURA PARA A COMUNIDADE DO


TIMBÓ DO BAIRRO DOS BANCÁRIOS EM JOÃO PESSOA-PB

Plano de Trabalho de Conclusão de Curso

Anteprojeto apresentado ao Centro


Universitário de João Pessoa- UNIPÊ, como
requisito parcial para a elaboração do Trabalho
Final de Curso de Bacharelado em Arquitetura
e Urbanismo.

Orientadora: Profª. Cíntia Pedrosa Bezerra

João Pessoa
2017
Lista de Figuras

Figura 01: Centro de Artes e Teatro Pier K.............................................................10


Figura 02: Planta Baixa Térreo do Centro de Artes e Teatro Pier K ............................. 10

Figura 03: Imagem Interna do Teatro do Centro de Artes e Teatro Pier K.................11
Figura 04: Imagem Interna do Grande Café do Centro de Artes e Teatro Pier
K.................................................................................................................................12
Figura 05: Fachada do Centro de Artes e Teatro Pier K ................................................. 12

Figura 06: Planta Baixa Segundo Pavimento do Centro de Artes e Teatro Pier K.....13
Figura 07: Imagem Interna da Sala de Aula do Centro de Artes e Teatro Pier K.......14
Figura 08: Imagem Interna da Sala de Aula do Centro de Artes e Teatro Pier K ....... 14

Figura 09: Planta Baixa Terceiro Pavimento do Centro de Artes e Teatro Pier K ...... 15

Figura 10: Imagem Interna da Sala de Aula de Música do Centro de Artes e Teatro
Pier K ....................................................................................................................................... 16

Figura 11: Imagem Interna da Sala de Aula de Dança do Centro de Artes e Teatro
Pier K .....................................................................................................................................16
Figura 12: Imagem Interna da Circulação Vertical e das Aberturas da Entrada do
Centro de Artes e Teatro Pier K.................................................................................17
Figura 13: Fachada do Centro de Artes e Teatro Pier K............................................17
Figura 14: Fachada do Centro de Artes e Teatro Pier K............................................18
Sumário

Introdução ................................................................................................................................. 5

1. Tema .................................................................................................................................. 5

2. Área de estudo ................................................................................................................. 5

3. Problemática e universo de estudo............................................................................... 5

3.1. Contextualização ....................................................................................................... 5

4. Objeto de estudo .............................................................................................................. 6

4.1. Objetivo geral ............................................................................................................. 6

4.2. Objetivos específicos ................................................................................................ 6

5. Justificativa ....................................................................................................................... 6

6. Fundamentação Teórica ................................................................................................. 7

6.1. Educação através da arte ........................................................................................ 7

6.2. Arte e Cultura na cidade de João Pessoa............................................................. 8

6.3. Conceito de Centro de Artes ................................................................................... 9

7. Referencial Projetual ....................................................................................................... 9

7.1. Centro de Artes e Teatro Pier K / Ector Hoogstad Architecten.......................9


7.2. Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa / EDU – Empresa de
Desenvolvimento Urbano de Medellín....................................................................18
7.3. Centro de Artes Performativas Wagner Noel / Bora Architects + Rhotenberry
Wellen Architects....................................................................................................19
8. Procedimentos Metodológicos..................................................................................... 19

8.1. Pesquisa Bibliográfica ............................................................................................ 19

8.2. Quadro resumo ........................................................................................................ 19

Referências Bibliográficas .................................................................................................... 21


Introdução

1. Tema

Anteprojeto - Centro de Artes e Cultura.

2. Área de estudo

Projeto Arquitetônico.

3. Problemática e universo de estudo

3.1. Contextualização

Os jovens representam uma parcela da sociedade que possui estímulo por


aprendizado e prática de atividades que envolvam a arte e a cultura. No entanto nem
todos possuem acesso, principalmente os que se encontram em situação de
vulnerabilidade social. O centro de artes e cultura proporcionará atividades para
momentos de lazer, oportunidade de novos conhecimentos, interação social,
contribuindo para a formação do indivíduo, fazendo com que enxergue a vida sob
uma nova perspectiva. Diante disso as novas atividades farão a integração com
outros grupos da sociedade estimulando o conhecimento cultural, motivando o
autoconhecimento e a valorização pessoal.
De acordo com a pesquisa Perfil da Juventude Brasileira (2003), foram
entrevistados 3.500 pessoas em 198 municípios do Brasil, detectando que a cultura
e o lazer são os assuntos que os jovens mais se interessam.
A comunidade estudada nesta pesquisa é carente de espaços que incentivem
a arte e a cultura, um local que seja integrado com o espaço urbano e que tenha
uma finalidade de proporcionar lazer e entretenimento. Sobre as atividades de lazer
entendemos que, “(...) o lazer está intimamente ligado ao sentido de diversão e
liberdade das pessoas, à sua capacidade de auto-realização e auto-expressão, ao
processo de recreação e renovação, à possibilidade de escolha.” (PARKER, 1978, p.
49). Diante de todo esse contexto apresentado, será feita uma proposta de um
Centro de Artes em nível de anteprojeto, localizado na Zona Sul, bairro dos

1
Bancários nas proximidades da comunidade do Timbó. Apesar do terreno para o
projeto ainda não estar totalmente definido, existem algumas diretrizes que
orientarão os recortes espaciais, como a legislação, a área, os acessos e a
localização em relação a outros pontos importantes.

4. Objeto de estudo

Anteprojeto do Centro de Artes e Cultura para a comunidade do Timbó no


bairro dos Bancários em João Pessoa- PB.

4.1 . Objetivo geral

Propor, em nível de anteprojeto, um Centro de Artes e Cultura nas


proximidades da comunidade do Timbó que tenha como finalidade de tornar-se um
meio de inclusão social e um componente de valorização da cultura e da arte.

4.2. Objetivos específicos

 Identificar como a arte e a cultura podem ser uma forma de inclusão


social;
 Analisar a realidade construtiva do local para conceber um partido que se
integre com o entorno;
 Propor as atividades culturais de interesse com o intuito de transformar a
realidade dos jovens.

5. Justificativa

A presente proposta nasceu do interesse de oferecer novas oportunidades


aos jovens da comunidade do Timbó, através da arte e cultura (música, dança,
pintura e entre outros), visto que é notável a presença de jovens pelas calçadas da
comunidade como forma de ocupar o tempo ocioso, pois não existem espaços ou
equipamentos que promovam essas atividades para ocupação desse tempo livre
destes jovens.

2
6. Fundamentação Teórica

6.1. Educação através da arte

A educação, a arte e a cultura estão intimamente ligadas proporcionando


meios de aprendizagens em diversos âmbitos do conhecimento. Através da arte e da
cultura (música, dança, pintura, dentre outros) os jovens são atraídos para novos
conhecimentos e novas oportunidades.
Segundo Ferraz e Fusari (1993, p.21) “A educação escolar é um meio social
que exercem ação recíproca e permanente um sobre o outro”. Isto é, a educação
tem um papel importante na formação dos jovens sendo capaz de transformar a
realidade, principalmente dos jovens que vivem em periferias.
Notando assim, que as habilidades desenvolvidas através da arte desperta
nos jovens o interesse de expressar os seus sentimentos e suas qualidades,
estimulando a interação com as relações sociais. A arte e a cultura podem ser
visualizadas como um meio de inclusão social passando a influenciar na formação
pessoal do individuo.
[...] entende-se que aprender arte envolve não apenas uma atividade de
produção artística pelos alunos, mas também a conquista da significação do
que fazem, pelo desenvolvimento da percepção estética, alimentada pelo
contato com o fenômeno artístico visto como objeto de cultura através a
história e como conjunto organizado de relações formais [...]. Ao fazer e
conhecer a arte o aluno percorrer trajetos de aprendizagem que propiciam
conhecimentos específicos sobre sua relação com o mundo. (BRASIL 1998,
p.44, Apud FRANÇA 2010, p.144)

A arte e a cultura tem a capacidade de proporcionar para os jovens


transformações em sua vida, a exemplo disso é a integração da educação escolar
com outras atividades extraescolares e o Instituto Neymar, que é uma ONG sem fins
lucrativos é um grande exemplo da associação da educação escolar com outras
atividades. Segundo o Instituto Neymar1, para fazer parte das atividades às crianças
devem ter frequência escolar igual ou superior a 60% e desde o início dessas
atividades no Instituto, em abril de 2015, já aumentaram a frequência escolar para
88%. Isto mostra o quanto à integração das atividades escolares com outras

1
Informações obtidas no site: <http://www.institutoneymarjr.org.br/>

3
atividades extras aumenta no rendimento escolar dos jovens, despertando assim o
interesse para buscar novos conhecimentos. Porém, ainda é notável a ausência da
associação da arte e educação mesmo entendendo o desempenho obtido a partir
dessa relação.
Portanto a arte na educação tem seu papel fundamental no cotidiano dos
jovens, transformando essas vidas diante da vulnerabilidade social na qual estão
imersos. As atividades desenvolvidas através da arte tem sua contribuição não só na
expressividade dos jovens, como também para proporcionar a inclusão social dos
mesmos.

6.2. Arte e cultura na cidade de João Pessoa

A cidade de João Pessoa, localizada no estado da Paraíba, conta com a


Fundação Cultural de João Pessoa – FUNJOPE, que é uma entidade criada pela Lei
Municipal nº. 7.852 de 24 de agosto de 1995. E tem como propósitos promover,
incentivar, valorizar a cultura e a arte na cidade. Segundo a FUNJOPE (2017),
constitui-se assim algumas finalidades e objetivos básicos como o desenvolvimento
de atividades que venham a despertar na comunidade pessoense o gosto e o amor
por sua própria cultura, mediante eventos culturais e programas de participação
comunitária; a promoção de exposições, cursos, conclaves e outros atos de mesma
natureza, visando a integração da comunidade no trabalho contínuo de preservação
da cultura da Cidade de João Pessoa, e outros objetivos, indicados no regulamento
da Fundação.
A fundação luta pela democratização das informações e cultura, sendo notada
pela sua história e de seu povo, considerando-se que a cultura paraibana está
fincada em origens ibéricas, africanas e indígenas, embora tenha ganhado suas
particularidades ao longo do tempo e, mesmo ainda sendo, um processo lento, vem
crescendo ao decorrer do tempo.
A cultura paraibana vem sendo fortalecida com o passar dos anos e com o
incentivo da FUNJOPE que através dos eventos promovidos valorizam a cultura e a
arte. Exercer arte e cultura na cidade ainda é complicado pelo fato de que muitas
vezes o próprio pessoense não valoriza. Em João Pessoa ainda há muito o que

4
investir, para que possa ser mais valorizada e ensinada, seja nas escolas públicas
ou privadas ou em centros de artes.

6.3. Conceito de centro de artes

Conceituam-se centros de artes, espaços que conservam a atuação e o


ensino das manifestações culturais. Conforme Ramos,

(...) como o local de atividades menos convencionais e mais criativos, como


o teatro e as exposições. “ ... O centro cultural é o lugar onde a experiência
deve se dar e, por isso, deve haver espaço para se fazer circular ideias,
sons, imagens, pensamentos que propiciem que o frequentador explore sua
própria subjetividade e se encontre com suas próprias emoções. (2007, p.
84/97)

Centro de artes é um espaço que reúne vários ambientes, que proporcionam


conhecimentos de arte e cultura por meio de aulas de música, teatro, dança e até
apresentações em uma única edificação, existindo assim trocas de informações,
criações e em muitas vezes a descoberta de novos talentos.
Neves (2013, p.12) completa o conceito de Milanesi (2012) dizendo que:
centro de cultura é um espaço que deve construir laços com a comunidade
e os acontecimentos locais, funcionando como um equipamento
informacional, no qual proporciona cultura para os diferentes grupos sociais,
buscando promover a sua integração.

Ao proporcionar momentos de descontração e interação social com a


intenção não só educacional, mas no convívio entre as pessoas que os centros de
artes ocasiona, sendo este um local de aprendizado mútuo, formado em tempos
passados para atender algumas insuficiências dos humanos. Atualmente nos
conceitos trabalhados acerca de centros culturais temos como espaço de interação
para construção de sociabilidades.
(...) inventada há milhões de anos pelos seres humanos para satisfazer
algumas de suas necessidades. Como as necessidades humanas mudam
através dos séculos, assim também mudam os objetivos da arte. (1986, p.
61, Saunders.)

Os centros de artes são formas de reconhecimentos culturais, onde a


população tem acesso as mais variadas atividades culturais de forma ampla nos dias
de hoje. Segundo Saunders (1986, p. 65) “Na metade do século XIX a arte e o
conhecimento da arte indicavam o status social e econômico da classe média.” E a
partir disso, começaram a investir mais em atividades que envolviam a arte e cultura.

5
Começou então a ser ensinada nos colégios para os filhos dos ricos, de
maneira que pudessem ir à Europa e reconhecer as obras de arte originais
dos grandes mestres e não comprar obras falsificadas ou de qualidade
inferior. Com esta orientação, o ensino da arte continuou. (1986, p. 65,
Saunders.)

(FALTA COMENTAR A CITAÇÃO)

7. Referencial Projetual

7.1. Centro de Artes e Teatro Pier K / Ector Hoogstad Architecten

O Centro de Artes e Teatro Pier K é uma organização responsável pelas


atividades de arte e educação, que oferece educação artística. Localiza-se na
cidade de Haarlemmermeer, Holanda.
O projeto do arquiteto Joost Ector da agência de arquitetos Ector Hoogstad
Architecten, com sua construção de 2750 m² concluída em 2008, o centro de artes e
o teatro ocupa um lugar importante da cidade pela sua boa localização, pelo fato de
ser em uma praça cercada de edifícios residenciais com lojas, restaurantes e
estacionamentos.
Segundo o arquiteto acima citado, o maior desafio desse projeto foi de
projetar um edifício que se integrasse com o seu entorno e que tivesse
características tanto proeminente convidativas como “discreto e acolhedor”.
Figura 01: Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.ectorhoogstad.com/nl/projecten/pier-k-nieuw-vennep. Data de Acesso: 17/10/2017

6
O programa do projeto é expandido a partir de três andares que se encaixam
como um quebra-cabeça. Onde, no piso térreo se concentra o pódio, auditório, sala
multifuncional, o grande café, ou seja, todas as suas funções de serviço estão
situadas no térreo.
Figura 02: Planta Baixa Térreo do Centro de Artes e Teatro Pier K

3
2 3
3
1
3

2 3

Legenda:

Setor- Serviço Acesso – Público 1. Grande Café


Setor - Público Acesso – Serviço 2. Pódio/Teatro
Circulação Vertical 3. Sala Multifuncional
Circulação Horizontal

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-
hoogstad-architecten. Data de Acesso: 18/10/2017 – Editado por: Bárbara Duarte
O pódio é o local onde é concedida uma instalação completa de teatro que
tem a capacidade para 200 lugares, o hall de entrada que tem dois andares tem
vista para todos os pavimentos e que pode ser usado também como lobby e com o
grande café trazendo suporte para a praça com o seu terraço.

7
Figura 03: Imagem Interna do Teatro do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.ectorhoogstad.com/nl/projecten/pier-k-nieuw-vennep. Data de Acesso: 17/10/2017


O grande café tem vista para o entorno do terreno, onde temos uma praça, e
que a partir de sua fachada envidraçada torna o grande café um ambiente mais
harmônico, e fazendo assim uma forte ligação com o interior do edifício e o seu
entorno.
Figura 04: Imagem Interna do Grande Café do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten/5099a74428ba0d03f0000265-pier-k-theatre-and-arts-centre-ector-hoogstad-architecten-
photo. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte

8
Figura 05: Fachada do Centro de Artes e Teatro Pier K

2.

Legenda:

Integração do interior do edifício com o seu entorno através das fachadas de vidro

1. Acesso Público (Integração com o Grande Café)

2. Acesso Público (Integração Edificação Externo)

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte
As salas de aula de dança, artes visuais e música ficam no segundo e terceiro
andar do edifício.
Figura 06: Planta Baixa Segundo Pavimento do Centro de Artes e Teatro Pier K

2
2

1 1
3 2 2

9
Legenda:

Acesso – Público Circulação Vertical 1. Wc’s


Acesso – Serviço Circulação Horizontal 2. Salas de Aulas
Setor Educacional Paredes de Materiais 3. Sala de Aula de Artes
Naturais e Cores Vivas Visuais

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-
hoogstad-architecten. Data de Acesso: 18/10/2017 – Editado por: Bárbara Duarte
Tem o seu interior de materiais naturais que foram combinados com paredes
de cores vivas e ambientes com muita iluminação natural, tornando assim as salas
de aulas de certa forma acolhedoras.
Figura 07: Imagem Interna da Sala de Aula do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte
Com essa combinação de paredes de cores vivas e materiais naturais que
fazem ao mesmo tempo a diferença entre uma sala de aula e outra, se adaptam
assim as necessidades de cada ambiente.

10
Figura 08: Imagem Interna da Sala de Aula do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte
O terceiro pavimento encontra-se com as salas de aulas de música e de
dança, onde o seu interior tem uma grande captação de luz natural devido as suas
variadas janelas.
Figura 09: Planta Baixa Terceiro Pavimento do Centro de Artes e Teatro Pier K

1 3 3 3 3 3 4

2
4
1 1

2 2 4

11
Legenda:

Acesso – Público Circulação Vertical 1. Wc’s


Acesso – Serviço Circulação Horizontal 2. Salas de Aulas
Setor Educacional Variadas Janelas para 3. Sala de Aula de
Captação de Luz Música
4. Sala de Aula de
Dança
Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-
hoogstad-architecten. Data de Acesso: 18/10/2017 – Editado por: Bárbara Duarte
As salas de aulas de música e de dança têm espaços satisfatórios para as
atividades que ocorrem durante as aulas e as suas aberturas fazem uma grande
iluminação natural no interior das salas.
Figura 10: Imagem Interna da Sala de Aula de Música do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte

12
Figura 11: Imagem Interna da Sala de Aula de Dança do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte
Com as elevações envidraçadas a luz do dia penetra através das aberturas da
entrada servindo tanto para iluminação natural como vitrines para as atividades que
ocorrem no edifício. Durante a noite o prédio tem um intenso uso onde, as aberturas
apresentam mais visão do interior da edificação.
Figura 12: Imagem Interna da Circulação Vertical e das Aberturas da Entrada do Centro de Artes e
Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017
Com as fachadas compostas de painéis de vidro de alumínio que marcam a
entrada com o grande café, tornando assim o edifício mais transitável. Revestida de
ardósia fornecendo assim uma fachada mais viva e com painéis de madeira de
cedro vermelho ocidental, as fachadas de ardósia aparentemente foram

13
apresentadas com janelas de dimensões variadas que são distribuídas de forma
aleatória.
Figura 13: Fachada do Centro de Artes e Teatro Pier K

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-
architecten. Data de Acesso: 17/10/2017– Editado por: Bárbara Duarte

Legenda:

Janelas de Dimensões Variadas

Fonte: http://www.ectorhoogstad.com/nl/projecten/pier-k-nieuw-vennep. Data de Acesso: 17/10/2017–


Editado por: Bárbara Duarte

Justificativa
Este correlato será utilizado para o desenvolvimento do anteprojeto do Centro
de Arte e Cultura para a comunidade do Timbó, trazendo como questão o interesse
do arquiteto em implantar um projeto que integre com o entorno do local. E a partir
do grande café podemos entender que o arquiteto relacionou o interior com o
exterior.
E além da forma analisada como foram elaboradas as aberturas dos
ambientes, através do uso de janelas irregulares que faziam um movimento na
fachada, assim os ambientes internos recebiam uma maior captação de luz natural.

7.2. Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa / EDU – Empresa


de Desenvolvimento Urbano de Medellín

14
O Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa se trata de um
projeto que traz variadas atividades de artes e educação para realizar diversas e
verdadeiras mudanças sociais. Localiza-se na cidade Medellín, Colômbia.
Projeto idealizado pela Empresa de Desenvolvimento Urbano – EDU, com
sua construção de 5122.0 m² no ano de 2012, o centro educativo tem um impacto na
mudança dos bairros e de sua população através de desenvolvimento desses
espaços públicos para projetos educativos.
Um dos maiores desafios desse projeto para EDU foi de estabilizar o trabalho
em conjunto entre variadas instâncias governamentais e unificar todas as ações
conjuntas em um mesmo território. Outro desafio foi reunir vários serviços com o
objetivo de uma formação mais integral para a comunidade.
Figura 14: Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 12/11/2017

O projeto proporciona um programa concebido por um jardim de infância, um


colégio público de qualidade, e uma escola de música, integrando com um parque
ambiental para a comunidade.

15
Figura 16: Programa de Distribuição do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

2.

1.
3.
4.

Legenda:
1. Jardim de Infância 3. Escola de Música
2. Colégio 4. Parque Ambiental

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 12/11/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

Para o projeto em Medellín foi pensado um conceito de que uma escola


deveria ter espaços abertos, alterando o padrão de limite entre o público e o
ambiente escolar fazendo um encontro da comunidade com o acolhimento da
escola, uma prática de educar e reunir.
Figura 17: Integração com o Entorno do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

3.
2.

4.
1.

16
Legenda:
1. Jardim de Infância 3. Escola de Música
2. Colégio 4. Parque Ambiental

Transição entre o público e o escolar

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 12/11/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

No programa do projeto localizam-se planejadamente no seu primeiro


pavimento os equipamentos que são de constante uso comunitário, são eles, a sala
de informática, a área recreativa (com campo de futebol), o restaurante escolar
dentre outros.
Figura 18: Planta Baixa Térreo do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

7. 6.
10. 5.
8. 4. 3.
11.

9
11. 1.
2.

Legenda:

1. Estacionamento 7. Pré-Escolar
2. Escola de Música 8. Parque Infantil Coberto
3. Hall de Acesso Principal 9. Área Recreativa (Com Campo de Futebol)
4. Enfermagem e Loja 10. Restaurantes e Escritórios para Jardins
5. Sala de Computadores e Escritório Infantis
6. Cozinha e Sala de Jantar 11. Salas de Interação
Circulação Vertical Circulação Horizontal
Acesso - Público

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 12/11/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

17
No pré-escolar a estratégia foi baseada em um “Edifício-Brinquedo” onde as
salas são moduladas e atreladas a sua topografia, gerando uma experiência
totalmente lúdica para as crianças que frequentam a escola, um ambiente que foi
planejado sob medidas se tornando convidativo e acolhedor.
Figura 19: Salas Acopladas à Topografia do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

Legenda:

Salas Modulares que se Acoplam à Topografia

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

O segundo pavimento do colégio encontra-se com as salas de aula, sala


técnica e os banheiros, onde podemos observar que as salas são totalmente amplas
e de fácil acesso.

18
Figura 20: Planta Baixa Segundo Pavimento do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria
Correa

2.
1. 1. 1.
1. 3. 4. 1.
1.
1.
1.

Legenda:

1. Sala de Aula Circulação Vertical


2. Banheiro Circulação Horizontal
3. Sala Técnica
Sala de Aula Ampla
4. Banheiros

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

No terceiro pavimento estão localizadas as salas de aulas, laboratórios,


audiovisual, escritórios e biblioteca, onde os ambientes também são amplos e foram
construídos entre eles espaços dinâmicos para o encontro.
Figura 21: Planta Baixa Terceiro Pavimento do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria
Correa

4. 3. 2.
1.
1.
1.
1.

19
Legenda:

1. Sala de Aula Circulação Vertical


2. Laboratório Circulação Horizontal
3. Audiovisual e Escritórios

4. Biblioteca
Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

Os corredores de acesso às salas de aulas são equipados de qualidades


através de bancos que incentivam o conhecimento e a interação entre os cidadãos.
Figura 22: Corredor de Acesso as Salas de Aulas do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria
Correa

Legenda:

Bancos que incentivam a interação nos corredores

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

A sala dos professores fica no quarto pavimento, junto com outras salas de
aula e um vazio.

20
Figura 23: Planta Baixa Quarto Pavimento do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

2. 1. 1.
3.
1.

Legenda:

1. Sala de Aula Circulação Vertical


2. Vazio Circulação Horizontal
3. Sala dos professores

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

Para o projeto foi executado grandes corredores que servem tanto para a
circulação entre as salas como para varanda, onde podem ter uma visão de todo o
entorno da escola e uma boa captação de ventilação natural.
Figura 23: Corte Transversal do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

21
Legenda:

Grandes Corredores de Circulação

Captação de Ventilação Natural

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

O Centro Educativo chega a ser icônico, sendo possível de ser reconhecido


de diversas áreas da cidade, devido as suas cores acentuadas de seu acabamento
na fachada do prédio.
Figura 24: Fachada do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

Legenda:

Cores intensas nas fachadas

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

O prédio é notável de diversos lugares da cidade devido a sua fachada e


sendo de fácil acesso para os estudantes que residem pelas proximidades das áreas
do Centro Educativo.

22
Figura 25: Entorno e Fachada do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

Legenda:

Fachada Notável de Diversos Lugares


Fácil Acesso para os Estudantes

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

O projeto é concebido por um sistema estrutural de colunas metálicas em


conjunto formando um “buquê” que remetem às árvores do bosque.
Figura 26: Sistema Estrutural do Centro Educativo Montecarlo Guillermo Gaviria Correa

Legenda:

Colunas metálicas agrupadas em “buquês”

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/792755/centro-educativo-montecarlo-guillermo-gaviria-correa-
edu-empresa-de-desenvolvimento-urbano-de-medellin. Data de Acesso: 08/12/2017 - Editado por:
Bárbara Duarte

23
Justificativa
Deste correlato será retirado para o anteprojeto do Centro de Arte e Cultura
para a comunidade do Timbó o uso de um sistema estrutural de colunas metálicas
que marcam a entrada da edificação.
A forma como foi organizado todo o processo de execução do projeto, de
modo que atendessem as necessidades do território que por muitos anos fora
esquecido pela população.
7.3. Centro de Artes Performativas Wagner Noel / Bora Architects +
Rhotenberry Wellen Architects

Projeto em análise.

8. Procedimentos Metodológicos

Este tópico expõe as estratégias metodológicas que compõem a elaboração


do trabalho, em ordem cronológica, conforme quadro abaixo:

8.1. Pesquisa Bibliográfica (livros, artigos, sites)

Análise de Correlatos

8.2. Quadro resumo

Objetivo Objetivos Procedimentos Técnicas Fontes de


geral específicos metodológicos dados

Levantamento
Identificar Análise de projetual e
como a arte e projetos análise a partir
a cultura correlatos método de Artigos, livros,
podem ser Baker projetos, obras
uma forma de
Propor, em construídas
inclusão social.
nível de
anteprojeto, Legislações e Levantamento
um Centro condicionantes de legislações

24
de Artes e em um projeto de ligadas a
Cultura que Centro de Artes e projetos de
tenha como Cultura espaços de
finalidade de arte e cultura
tornar-se um
meio de Analisar a
inclusão realidade
social e um construtiva do
componente local para Estudos de
Levantamentos Artigos, livros,
de conceber um referências
fotográfico e projetos, obras
valorização partido que se (diretos e
projetual construídas
da cultura e integre com o indiretos)
da arte. entorno.

Propor as
atividades
culturais de
interesse com Estudos de Levantamentos Artigos, livros,
o intuito de referência diretos fotográfico e projetos, obras
transformar a
e indiretos projetual construídas
realidade dos
jovens.

Leituras, Legislação,
fichamentos, condicionantes
ambientais,
levantamento referencial
fotográfico do teórico do
trabalho
terreno,
croquis,
modelagem
em SketchUp,
desenhos em
AutoCAD.

25
Referências Bibliográficas

Livros

BARBOSA, Ana Mae. História da Arte-Educação: A experiência da Arte-Educação;


I Simpósio Internacional da História da Arte-Educação – ECA-USP. São Paulo, 1986.
FUSARI, Maria F. R.; FERRAZ, Maria H. C. T. Arte na educação escolar.
São Paulo: Cortez, 1992.
NEVES, Renata Ribeiro. Centro Cultural: a Cultura à promoção da Arquitetura.
Goiânia, 2012.
PEREGRINO, Yara Rosas; PENNA, Moura; COUTINHO, Sylvia Ribeiro; MARINHO,
VANILDO, Da Camiseta ao Museu: O ensino das artes na democratização da
cultura. João Pessoa. Universitária/UFPB, 1995. 150p.
RAMOS, Luciene Borges. O centro cultural como equipamento disseminador de
informação: Um estudo sobre a ação do Galpão Cine Horto. Belo Horizonte, 2007.
Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação).
Sites
BRASIL.ONG-Instituto Neymar Disponível em:<http://www.institutoneymarjr.org.br/>
Acesso em: 07 out. 2017.
CHILE. Archdaily Disponível em:<http://www.archdaily.com.br/br/01-85448/centro-
de-artes-e-teatro-pier-k-slash-ector-hoogstad-architecten/> Acesso em: 15 out. 2017.
FUNJOPE. Fundação Cultural de João Pessoa-PB Disponível em:
<http://www.joaopessoa.pb.gov.br/secretarias/funjope/> Acesso em: 09 set.
2017.
HOLANDA. Ector Hoogstad Architecten Disponível em:
<http://www.ectorhoogstad.com/nl/projecten/pier-k-nieuw-vennep> Acesso em: 16
out. 2017.
PARAÍBA. JP Cultura-PB Disponível em:

26
<http://jpcultura.joaopessoa.pb.gov.br/agente/12/> Acesso em: 05 out. 2017.
PARAÍBA. Paraíba Total-PB Disponível em:
<http://www.paraibatotal.com.br/a-paraiba/cultura/musica-e-danca> Acesso em: 09
set. 2017.

27