Você está na página 1de 43

05/06/2017

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” Departamento de Produção Vegetal

Cultura da Videira

de Agricultura “Luiz de Queiroz” Departamento de Produção Vegetal Cultura da Videira Prof. Marcel Bellato Spósito

Prof. Marcel Bellato Spósito

Centros de dispersão da videira

Eurásia

América

Centros de dispersão da videira Eurásia América Mar Mar Cáspio Negro
Mar Mar Cáspio Negro
Mar
Mar
Cáspio
Negro

05/06/2017

Centros de dispersão da videira

Eurásia

Principal espécie de uva no mundo

Vitis vinifera

Mar Mar Cáspio Negro
Mar
Mar
Cáspio
Negro

Centros de dispersão da videira

América

30 espécies Vitis são nativas desde o Canadá até a América Central

de dispersão da videira – América – 30 espécies Vitis são nativas desde o Canadá até

05/06/2017

Dispersão da videira para a Europa

6.000 anos aC. Fonte: Mielle, A. O sabor do vinho (2003)
6.000 anos aC.
Fonte: Mielle, A. O sabor do vinho (2003)

Dispersão da videira para a América

Fonte: Mielle, A. O sabor do vinho (2003)
Fonte: Mielle, A. O sabor do vinho (2003)

05/06/2017

A videira

História no Brasil

A videira História no Brasil 1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas

1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas

A videira História no Brasil 1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas
A videira História no Brasil 1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas
A videira História no Brasil 1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas
A videira História no Brasil 1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas
A videira História no Brasil 1532 - na Capitania de São Vicente Brás Cubas

A videira

História no Brasil

A videira História no Brasil D. Maria I 5 de janeiro de 1785 Proibido qualquer manufatura

D. Maria I 5 de janeiro de 1785 Proibido qualquer manufatura no Brasil

5 de janeiro de 1785 Proibido qualquer manufatura no Brasil Bloqueio continental (1806) Dom João VI
5 de janeiro de 1785 Proibido qualquer manufatura no Brasil Bloqueio continental (1806) Dom João VI

Bloqueio

continental

(1806)

Proibido qualquer manufatura no Brasil Bloqueio continental (1806) Dom João VI 1 de abril de 1808

Dom João VI 1 de abril de 1808 Revogou a proibição

05/06/2017

A videira

O oídio na Europa

1820 – Difusão mundial das variedades americanas

- Meio potencial de combate ao oídio na França, Itália, Portugal, etc.

– Difusão mundial das variedades americanas - Meio potencial de combate ao oídio na França, Itália,
– Difusão mundial das variedades americanas - Meio potencial de combate ao oídio na França, Itália,

A videira

Filoxera na Europa

40% dos vinhedos dizimados

A videira Filoxera na Europa 40% dos vinhedos dizimados Cartoon from Punch, September 6, 1890, page
A videira Filoxera na Europa 40% dos vinhedos dizimados Cartoon from Punch, September 6, 1890, page
A videira Filoxera na Europa 40% dos vinhedos dizimados Cartoon from Punch, September 6, 1890, page
A videira Filoxera na Europa 40% dos vinhedos dizimados Cartoon from Punch, September 6, 1890, page
A videira Filoxera na Europa 40% dos vinhedos dizimados Cartoon from Punch, September 6, 1890, page

Cartoon from Punch, September 6, 1890, page 110

05/06/2017

A videira Praga: Filoxera ( Daktulosphaira vitifoliae ) • Hemiptera - inseto sugador • pulgão
A videira Praga: Filoxera ( Daktulosphaira vitifoliae ) • Hemiptera - inseto sugador • pulgão
A videira Praga: Filoxera ( Daktulosphaira vitifoliae ) • Hemiptera - inseto sugador • pulgão

A videira

Praga: Filoxera (Daktulosphaira vitifoliae )

Hemiptera - inseto sugador

pulgão (< 1 mm de comprimento)

Alimenta-se da parte aérea e raízes da videira

Os maiores prejuízos - quando o inseto se alimenta nas raízes (forma radícola) de plantas de Vitis vinifera cultivadas como pé-franco

Todas as videiras são enxertadas utilizando como porta-enxerto cultivares americanas

A videira

Brasil

A videira Brasil Fazenda Morumby – São Paulo John Rudge 1830 – plantio da cultivar americana

Fazenda Morumby – São Paulo

John Rudge

1830 – plantio da cultivar americana Isabel

A videira Brasil Fazenda Morumby – São Paulo John Rudge 1830 – plantio da cultivar americana
A videira Brasil Fazenda Morumby – São Paulo John Rudge 1830 – plantio da cultivar americana

05/06/2017

A videira

História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul

A videira História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul
A videira História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul
A videira História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul
A videira História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul
A videira História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul
A videira História no Brasil 1880 - imigração italiana – Sudeste e Sul

Produção mundial de uvas

Por país

Produção mundial de uvas Por país Fonte: FAO (2012)

Fonte: FAO (2012)

05/06/2017

Uva no mundo

Produção - 62 mi t Área plantada – 7,9 mi ha

Uva no mundo Produção - 62 mi t Área plantada – 7,9 mi ha

Importância da viticultura no Brasil

Importância da viticultura no Brasil Área (ha) e produção (t) de uva no Brasil (IBGE, 2011).

Área (ha) e produção (t) de uva no Brasil (IBGE, 2011).

05/06/2017

Importância da cultura em São Paulo

Importância da cultura em São Paulo Fonte: Anuário Brasileiro da Fruticultura (2014)
Importância da cultura em São Paulo Fonte: Anuário Brasileiro da Fruticultura (2014)
Importância da cultura em São Paulo Fonte: Anuário Brasileiro da Fruticultura (2014)

Fonte: Anuário Brasileiro da Fruticultura (2014)

Importância da uva

Importância da uva Mesa Processamento Suco Processamento Vinho

Mesa

Importância da uva Mesa Processamento Suco Processamento Vinho

Processamento

Suco

Importância da uva Mesa Processamento Suco Processamento Vinho

Processamento

Vinho

05/06/2017

Mercado brasileiro de sucos

RS – 90% do abastecimento

Estimativa de safra 600-700 mil t

50% para suco

130

mil t – suco integral (1,3 Kg/L)

120

mil t – concentrado p/ néctar (6 Kg/ Kg concentrado)

50 mil t de mosto

Preço ao produtor

R$ 0,92/Kg de Isabel

Fonte: Ibravin (2017)

Néctar de Fruta

Fatia da classe A/B que consome 46% Frutas preferidas Uva Pêssego 18% 18% Laranja Manga
Fatia da classe A/B
que consome
46%
Frutas preferidas
Uva
Pêssego
18%
18%
Laranja
Manga
15%
13%

Fonte: Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (2014)

Vinho no Brasil

Vinho no Brasil Gradua ç ão alcoólica de 10 ° a 13 ° G.L. Finos ou

Graduação alcoólica de 10° a 13° G.L.

no Brasil Gradua ç ão alcoólica de 10 ° a 13 ° G.L. Finos ou Nobres

Finos ou Nobres: Vinhos produzidos somente de uvas viníferas (variedades europeias).

Comuns ou de Mesa: Vinhos produzidos predominantemente com variedades híbridas ou americanas.

05/06/2017

Consumo de Vinho no Brasil

15 o

Consumo de Vinho no Brasil 15 o Fonte: Vinexpo, International Wine & Spirit Research (2011)

Fonte: Vinexpo, International Wine & Spirit Research (2011)

Classificação Botânica

Descrição

Ordem Vitales

Família Vitaceae

Classificação Botânica Descrição Ordem Vitales Família Vitaceae Gênero mais importante – Vitis (+50 espécies)

Gênero mais importante – Vitis (+50 espécies)

05/06/2017

Descrição da planta

Descrição da planta

Descrição da planta

Inflorescência

Cachos compostos - panícula

Flores

Pequenas, verde-claras

Descrição da planta Inflorescência Cachos compostos - panícula Flores Pequenas, verde-claras Hermafroditas calíptra

Hermafroditas

calíptra

Descrição da planta Inflorescência Cachos compostos - panícula Flores Pequenas, verde-claras Hermafroditas calíptra
Descrição da planta Inflorescência Cachos compostos - panícula Flores Pequenas, verde-claras Hermafroditas calíptra

05/06/2017

Descrição da planta Fruto baga Agrupadas em cacho – engaço Pruína – substância cerosa que
Descrição da planta Fruto baga Agrupadas em cacho – engaço Pruína – substância cerosa que

Descrição da planta

Fruto

baga Agrupadas em cacho – engaço Pruína – substância cerosa que reveste a baga Sementes (0-4) Não-climatérico

baga Agrupadas em cacho – engaço Pruína – substância cerosa que reveste a baga Sementes (0-4)

Espécies de videiras

Videiras europeias – uvas finas

Vitis vinifera

Espécie mais cultivada no mundo

Vinho, suco e fruta de mesa

Mais sensíveis a doenças fúngicas

Sensíveis a filoxera

mais cultivada no mundo Vinho, suco e fruta de mesa Mais sensíveis a doenças fúngicas Sensíveis

05/06/2017

Variedades de copa

Vitis vinifera

Uvas para mesa

Com sementes

Variedades de copa Vitis vinifera Uvas para mesa Com sementes Itália Benitaka Rubi Brasil

Itália

Variedades de copa Vitis vinifera Uvas para mesa Com sementes Itália Benitaka Rubi Brasil

Benitaka

Variedades de copa Vitis vinifera Uvas para mesa Com sementes Itália Benitaka Rubi Brasil

Rubi

Variedades de copa Vitis vinifera Uvas para mesa Com sementes Itália Benitaka Rubi Brasil

Brasil

Variedades de copa

Vitis vinifera

Uvas para mesa

Thompson Seedless (Sultanina)

Sem sementes

Alta qualidade dos frutos

Vale do São Francisco (PE/BA)

Crimson

mesa Thompson Seedless (Sultanina) Sem sementes Alta qualidade dos frutos Vale do São Francisco (PE/BA) Crimson
mesa Thompson Seedless (Sultanina) Sem sementes Alta qualidade dos frutos Vale do São Francisco (PE/BA) Crimson

05/06/2017

Variedades de copa

Vitis vinifera

Uvas para vinho

Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Vale do São Francisco

Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Vale do São Francisco Cabernet Franc Tannat M a l

Cabernet

Franc

Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Vale do São Francisco Cabernet Franc Tannat M a l

Tannat

Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Vale do São Francisco Cabernet Franc Tannat M a l

Malbec

Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Vale do São Francisco Cabernet Franc Tannat M a l

Merlot

Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Vale do São Francisco Cabernet Franc Tannat M a l

Riesling

Itálico

Espécies de videiras

Videiras Americanas – uvas rústicas

Vitis labrusca

Sabor foxado (antranilato de metila)

Vinho mercado interno, suco e mesa

– uvas rústicas Vitis labrusca Sabor foxado (antranilato de metila) Vinho mercado interno, suco e mesa

05/06/2017

Variedades de copa

Vitis labrusca

Uvas para suco e vinho

Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná

Variedades de copa Vitis labrusca Uvas para suco e vinho Rio Grande do Sul, Santa Catarina

Isabel

Variedades de copa Vitis labrusca Uvas para suco e vinho Rio Grande do Sul, Santa Catarina

Concord

Variedades de copa Vitis labrusca Uvas para suco e vinho Rio Grande do Sul, Santa Catarina

Bordô

Variedades de copa

Vitis labrusca

Uvas para mesa

São Paulo

Paraná

Variedades de copa Vitis labrusca Uvas para mesa São Paulo Paraná Niágara branca Niágara rosada

Niágara branca

Variedades de copa Vitis labrusca Uvas para mesa São Paulo Paraná Niágara branca Niágara rosada

Niágara rosada

05/06/2017

Centro de dispersão da videira – porta-enxertos

Vitis cinerea

Centro de dispersão da videira – porta-enxertos Vitis cinerea Vitis riparia Vitis caribea

Vitis riparia

Vitis caribea

Variedades de porta-enxerto

1103 Paulsen

( V. berlandieri x V. rupestris)

- tolerância à fusariose

- RS

x V. rupestris) - tolerância à fusariose - RS SO4 ( V. berlandieri x V. Riparia

SO4

( V. berlandieri x V. Riparia )

- confere boas produtividades à maioria das copas

- sensibilidade à fusariose

- boa resistência à seca

- SC

Riparia ) - confere boas produtividades à maioria das copas - sensibilidade à fusariose - boa

05/06/2017

Variedades de porta-enxerto

'IAC 766' – ‘Campinas’

( '106-8 Mgt' V. riparia x ( V. rupestris x V. cordifolia ) x V. tiliifolia )

- Vigoroso

- adaptado a SP e PR

) x V. tiliifolia ) - Vigoroso - adaptado a SP e PR 'IAC 572' –

'IAC 572' – ‘Jales’

( V. tiliifolia x ‘101-14 Mgt’)

- Muito vigoroso, raramente perde as folhas

- uvas de mesa

- Jales-SP e Vale do São Francisco - PE/BA

x ‘101-14 Mgt’) - Muito vigoroso, raramente perde as folhas - uvas de mesa - Jales-SP

Uvas europeias x Uvas americanas

Características

Europeia

Americana

Centro de dispersão

Cáucaso

América do Norte

Espécies

V. vinifera

Várias (ex. V. labrusca)

Uso

copa

Copa e porta-enxerto

Uso variedades copa

Vinho fino e fruta de mesa

Vinho comum, suco e mesa

Variedades vinho e suco

Cabernet, Merlot, etc.

Isabel, Bordô e Concord

Variedades de mesa

Itália e sem sementes

Niágara Rosada e Branca

Variedades porta-enxerto

 

IAC 766, IAC 572, etc.

05/06/2017

Efeitos dos fatores climáticos no cultivo da uva

Temperaturas

Bastante resistente ao frio no período de dormência Vitis vinifera -10 a -20 o C

Americanas

-20 a -30 o C

Bastante resistente ao frio no período de dormência Vitis vinifera -10 a -20 o C Americanas
Bastante resistente ao frio no período de dormência Vitis vinifera -10 a -20 o C Americanas

Efeitos dos fatores climáticos no cultivo da uva

Temperaturas

Condições para a cultura

Quebra dormência: < 7,2 o C (50-400 horas)

• Quebra dormência: < 7,2 o C (50-400 horas) • Fase de desenvolvimento frutos: 22 o

Fase de desenvolvimento frutos: 22 o C

Fase de maturação: 27 o C

Temperatura letal :

brotação: -2,5 o C florescimento: -1,0 o C maturação: -0,5 o C

27 o C • Temperatura letal : brotação: -2,5 o C florescimento: -1,0 o C maturação:

05/06/2017

Efeitos dos fatores climáticos no cultivo da uva

Efeitos dos fatores climáticos no cultivo da uva Radiação solar Fertilidade das gemas: Ramos de sol:

Radiação solar

Fertilidade das gemas:

Ramos de sol:

- apresentam maior número de gemas férteis

- formato cilíndrico e internódios relativamente curtos

Ramos sombreados:

- Menor número de gemas férteis

- ramos achatados, com internódios longos.

relativamente curtos Ramos sombreados: - Menor número de gemas férteis - ramos achatados, com internódios longos.

Efeitos dos fatores climáticos no cultivo da uva

Necessidades hídricas

Bastante resistente à seca

adapta-se bem 500 a 1200 mm/ano

- Doenças fúngicas

- Prejudicial na fase de maturação

- podridão de cachos

- rachadura de bagas

bem 500 a 1200 mm/ano - Doenças fúngicas - Prejudicial na fase de maturação - podridão
bem 500 a 1200 mm/ano - Doenças fúngicas - Prejudicial na fase de maturação - podridão

05/06/2017

Propagação e formação das videiras

Sistema de condução de videiras

Latada

Propagação e formação das videiras Sistema de condução de videiras Latada Espaldeira

Espaldeira

Propagação e formação das videiras Sistema de condução de videiras Latada Espaldeira

Sistemas de condução

Latada

Espaçamento: 2-2,5 m x 2-3 m Altura: 1,8-2,0 m Prod. 20-25 t/ha

2000 plantas/ha (Jales)

m Altura: 1,8-2,0 m Prod. 20-25 t/ha 2000 plantas/ha (Jales) • Plantas no plano horizontal; •

Plantas no plano horizontal;

Ambiente úmido, sombreado e pouco ventilado;

Zona de produção 1,80 m do solo

Frutos: < açúcar e > acidez

Indicado para uvas de mesa

Custo estrutura por hectare ~ R$ 70.000,00

• Frutos: < açúcar e > acidez • Indicado para uvas de mesa • Custo estrutura

05/06/2017

05/06/2017 Sistemas de condução Espaldeira Espaçamento: 1,5-2 m x 0,9-1,0 m Altura: 1,8-2,0 m Prod. 10-15

Sistemas de condução

Espaldeira

Espaçamento: 1,5-2 m x 0,9-1,0 m Altura: 1,8-2,0 m Prod. 10-15 t/ha

5882

plantas/ha (Campinas-SP)

7400

plantas/ha (S.M. Arcanjo-SP)

Plantas no plano vertical;

Ambiente seco, ensolarado e ventilado;

Zona de produção 1 a 1,20 m do solo

Frutos > açúcar e < acidez

Custo estrutura hectare ~ R$ 18.000,00

de produção 1 a 1,20 m do solo • Frutos > açúcar e < acidez •
de produção 1 a 1,20 m do solo • Frutos > açúcar e < acidez •

05/06/2017

05/06/2017 Implantação da cultura operações 1 o ano Estaquia de porta-enxertos: ago - estacas lenhosas

Implantação da cultura

operações 1 o ano

Estaquia de porta-enxertos:

Implantação da cultura operações 1 o ano Estaquia de porta-enxertos: ago - estacas lenhosas de 30-40

ago - estacas lenhosas de 30-40 cm (3-4 gemas)

Implantação da cultura operações 1 o ano Estaquia de porta-enxertos: ago - estacas lenhosas de 30-40
Implantação da cultura operações 1 o ano Estaquia de porta-enxertos: ago - estacas lenhosas de 30-40
Implantação da cultura operações 1 o ano Estaquia de porta-enxertos: ago - estacas lenhosas de 30-40
Implantação da cultura operações 1 o ano Estaquia de porta-enxertos: ago - estacas lenhosas de 30-40

05/06/2017

Implantação da cultura

Mudas de porta-enxerto: um ano no campo se desenvolvendo

Implantação da cultura Mudas de porta-enxerto: um ano no campo se desenvolvendo

Propagação e formação das videiras

operações 2 o ano

Enxertia : Fim do inverno

- 30-70 cm do solo

- Garfagem fenda cheia

- 1-2 gemas

- 30-70 cm do solo - Garfagem fenda cheia - 1-2 gemas Enxerto Porta-enxerto E n

Enxerto

30-70 cm do solo - Garfagem fenda cheia - 1-2 gemas Enxerto Porta-enxerto E n x

Porta-enxerto

30-70 cm do solo - Garfagem fenda cheia - 1-2 gemas Enxerto Porta-enxerto E n x

Enxertia

30-70 cm do solo - Garfagem fenda cheia - 1-2 gemas Enxerto Porta-enxerto E n x

Proteção da

enxertia

30-70 cm do solo - Garfagem fenda cheia - 1-2 gemas Enxerto Porta-enxerto E n x

05/06/2017

Formação das videiras

operações 2 o ano

Instalação do sistema de condução - mourões e arames para conduzir as plantas

das videiras operações 2 o ano Instalação do sistema de condução - mourões e arames para

Formação das videiras

Operações no 2 o ano

Latada

Formação das videiras Operações no 2 o ano Latada

05/06/2017

Formação das videiras

Formação das videiras (Foto: J. Dimas G.M)

(Foto: J. Dimas G.M)

Formação das videiras

Espaldeira

Formação das videiras Espaldeira
Formação das videiras Espaldeira
Formação das videiras Espaldeira

05/06/2017

05/06/2017 27
05/06/2017 27

05/06/2017

Formação das videiras

Desenvolvimento Desponte

Formação das videiras Desenvolvimento D e s p o n t e Primavera/verão

Primavera/verão

Formação das videiras Desenvolvimento D e s p o n t e Primavera/verão

Período de Dormência

Período de Dormência

05/06/2017

Tratos culturais no ciclo da videira

fev a

jun

jun a ago

Poda Dormência Queda das folhas Brotação Florescimento Frutificação Acúmulo de reservas Maturação
Poda
Dormência
Queda das folhas
Brotação
Florescimento
Frutificação
Acúmulo de reservas
Maturação

dez/jan

set/nov

Poda

Poda Onde podar? Qual gema??

Onde podar? Qual gema??

05/06/2017

Poda

Poda FERTILIDADE DE GEMAS - Uvas rústicas (ex. Niágara Rosada, Isabel) • desde a base -

FERTILIDADE DE GEMAS

- Uvas rústicas (ex. Niágara Rosada, Isabel)

desde a base

- Uvas finas com sementes (ex. Itália, Rubi)

entre a 6 a 12ª gemas

- Uvas finas apirênicas (ex. Thompson, Crimson)

entre a 13 a 18ª gemas

Itália, Rubi) • entre a 6 a 12ª gemas - Uvas finas apirênicas (ex. Thompson, Crimson)
Itália, Rubi) • entre a 6 a 12ª gemas - Uvas finas apirênicas (ex. Thompson, Crimson)

Poda uvas rústicas de mesa

Niágara Rosada

espaldeira ou latada:

poda curta (1 a 2 gemas)

Poda uvas rústicas de mesa Niágara Rosada espaldeira ou latada: poda curta (1 a 2 gemas)
Poda uvas rústicas de mesa Niágara Rosada espaldeira ou latada: poda curta (1 a 2 gemas)
Poda uvas rústicas de mesa Niágara Rosada espaldeira ou latada: poda curta (1 a 2 gemas)
Poda uvas rústicas de mesa Niágara Rosada espaldeira ou latada: poda curta (1 a 2 gemas)

05/06/2017

Poda em uvas finas de mesa

Latada

Poda em uvas finas de mesa Latada Poda longa (8ª a 13ª gema)

Poda longa (8ª a 13ª gema)

Poda em uvas finas de mesa Latada Poda longa (8ª a 13ª gema)
Poda em uvas finas de mesa Latada Poda longa (8ª a 13ª gema)

Poda em uvas finas de mesa

latada

Poda mista:

Poda na 6-8 gema (produção)

Poda na 2 gema (vegetativo)

Poda em uvas finas de mesa latada Poda mista: Poda na 6-8 gema (produção) Poda na
Poda em uvas finas de mesa latada Poda mista: Poda na 6-8 gema (produção) Poda na

05/06/2017

Poda uvas finas de mesa

Poda uvas finas de mesa L L C C Poda Mista: longa (8 gemas) e curta
L L C C
L
L
C
C

Poda Mista: longa (8 gemas) e curta (1 gema) (fim do inverno)

Poda longa forma ramos com frutos e poda curta forma ramos para a próxima poda (primavera-verão)

Inversão da Poda Mista: longa e curta (fim do inverno)

Poda longa forma ramos com frutos e poda curta forma ramos para a próxima poda (primavera-verão)

Quebra de dormência de gemas

Reguladores vegetais:

a) Cianamida hidrogenada (Dormex):

pincelamento de gemas Doses: 5% p.c

dormência de gemas Reguladores vegetais: a) Cianamida hidrogenada (Dormex  ): pincelamento de gemas Doses: 5%

05/06/2017

Desenvolvimento dos ramos

Desenvolvimento dos ramos
Desenvolvimento dos ramos
Desenvolvimento dos ramos
Desenvolvimento dos ramos
Desenvolvimento dos ramos

Tratos culturais

Tutoramento: ramos

Tratos culturais Tutoramento: ramos

05/06/2017

Tratos culturais

Desponte dos ramos

Desnetamento

Retirada de gavinhas

Tratos culturais • Desponte dos ramos • Desnetamento • Retirada de gavinhas
Tratos culturais • Desponte dos ramos • Desnetamento • Retirada de gavinhas

Desenvolvimento dos frutos

Desenvolvimento dos frutos
Desenvolvimento dos frutos
Desenvolvimento dos frutos

05/06/2017

Desenvolvimento dos frutos

(Kennedy, 2002)
(Kennedy, 2002)

Tratos culturais uva fina de mesa

Raleio de flor

30-60% - inflorescência desenvolvida

Tratos culturais uva fina de mesa Raleio de flor 30-60% - inflorescência desenvolvida
Tratos culturais uva fina de mesa Raleio de flor 30-60% - inflorescência desenvolvida

05/06/2017

Tratos culturais uva fina de mesa

Raleio de frutinho

Tesoura:

50-60% - chumbinho 800 cachos/homem/dia

Tratos culturais uva fina de mesa Raleio de frutinho Tesoura: 50-60% - chumbinho 800 cachos/homem/dia
Tratos culturais uva fina de mesa Raleio de frutinho Tesoura: 50-60% - chumbinho 800 cachos/homem/dia

Tratos culturais uva fina de mesa

Tratos culturais uva fina de mesa
Tratos culturais uva fina de mesa

05/06/2017

Tratos culturais uva fina de mesa

Controle do tamanho

Ácido Giberélico (GA 3 ): Progibb

a) Uvas sem sementes:

-

GA 3 20-40 mg.L -1

-

estádio de meia baga

b)

Uvas com sementes:

- GA 3 10-30 mg.L -1

- 20-30 dias após florescimento

de meia baga b) Uvas com sementes: - GA 3 10-30 mg.L - 1 - 20-30

Sem GA 3

Com GA 3

b) Uvas com sementes: - GA 3 10-30 mg.L - 1 - 20-30 dias após florescimento

05/06/2017

Tratos culturais uva rústica de mesa

Tratos culturais uva rústica de mesa

Colheita uva fina de mesa

Maturação: 100-150 dias após a poda

Colheita:

coloração % de açúcar: 15 o Brix c/sementes 22 o Brix s/sementes Ø da baga: 22mm (Itália) 24mm (Benitaka e Red Globe) 17mm (sem sementes)

o Brix c/sementes 22 o Brix s/sementes Ø da baga: 22mm (Itália) 24mm (Benitaka e Red
o Brix c/sementes 22 o Brix s/sementes Ø da baga: 22mm (Itália) 24mm (Benitaka e Red
o Brix c/sementes 22 o Brix s/sementes Ø da baga: 22mm (Itália) 24mm (Benitaka e Red

05/06/2017

Casa de Embalagem

Casa de Embalagem
Casa de Embalagem
Casa de Embalagem
Casa de Embalagem

Armazenamento uva fina de mesa

Pré-refrigeramento: 3-4 o C por 8 horas

Câmaras frias: 0-1 o C uvas sem sementes 2 o C uvas com sementes 90-95% UR (até 3 meses)

o C por 8 horas Câmaras frias: 0-1 o C uvas sem sementes 2 o C
o C por 8 horas Câmaras frias: 0-1 o C uvas sem sementes 2 o C
o C por 8 horas Câmaras frias: 0-1 o C uvas sem sementes 2 o C

05/06/2017

Colheita e embalagem

‘Niágara Rosada’

- Colheita com 14-18 ºBrix;

- Colheita no período da manhã;

- colheita e embalagem no próprio campo;

- preservar a pruína.

.

com 14-18 ºBrix; - Colheita no período da manhã; - colheita e embalagem no próprio campo;
com 14-18 ºBrix; - Colheita no período da manhã; - colheita e embalagem no próprio campo;
com 14-18 ºBrix; - Colheita no período da manhã; - colheita e embalagem no próprio campo;
com 14-18 ºBrix; - Colheita no período da manhã; - colheita e embalagem no próprio campo;

Ciclo da videira

Ciclo da videira

05/06/2017

Regiões produtoras de uva em São Paulo

Região de Jundiaí – duas podas de produção

150 dias

Colheita no Colheita no verão inverno (dez-jan) (mai-jun) 130 dias
Colheita no
Colheita no
verão
inverno
(dez-jan)
(mai-jun)
130 dias
Poda de Poda de produção produção inverno verão (jul-ago) (jan-fev)
Poda de
Poda de
produção
produção
inverno
verão
(jul-ago)
(jan-fev)

Cwa : subtropical inverno seco < 18ºC (sem geadas) verão quente > 22ºC

Regiões produtoras de uva em São Paulo

Região de São Miguel Arcanjo - uma poda de produção

Colheita no

verão

(fev-mar)

150 dias

uma poda de produção Colheita no verão (fev-mar) 150 dias Poda de produção inverno (ago-set) Cwa

Poda de

produção

inverno

(ago-set)

(fev-mar) 150 dias Poda de produção inverno (ago-set) Cwa : subtropical – inverno seco < 18ºC

Cwa : subtropical – inverno seco < 18ºC (geadas) verão quente > 22ºC

05/06/2017

Tratamentos fitossanitários

Tratamentos fitossanitários

Doenças

Míldio (Plasmopara viticola)

Oídio (Uncinula necator)

Antracnose (Eusinoe ampelina)

Ferrugem (Phakopsora euvitis)

( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (
( Plasmopara viticola ) Oídio ( Uncinula necator ) Antracnose ( Eusinoe ampelina ) Ferrugem (

05/06/2017

Filoxera Daktulosphaira vitifoliae Tabela. Resistência de espécies de Vitis à forma radicular da filoxera. Adaptado

Filoxera

Daktulosphaira vitifoliae

Tabela. Resistência de espécies de Vitis à forma radicular da filoxera. Adaptado de Bravo & Oliveira, 1974 (Embrapa Uva e Vinho).

de espécies de Vitis à forma radicular da filoxera. Adaptado de Bravo & Oliveira, 1974 (Embrapa
de espécies de Vitis à forma radicular da filoxera. Adaptado de Bravo & Oliveira, 1974 (Embrapa
de espécies de Vitis à forma radicular da filoxera. Adaptado de Bravo & Oliveira, 1974 (Embrapa