Você está na página 1de 1

TENDLER

Para Tendler (1998), no Ceará houve uma mudança profunda na forma de gestão
pública, ocasionada por uma renovação nos quadros diretivos do governo estadual, a
partir do governo de Tasso Jereissati. Políticas modernizadoras, investimentos em
infraestrutura, mecanismos de coibição de práticas clientelistas, estímulo à criação de
um ambiente para negócios, aumento da accountability, contratos com pequenas e
médias empresas informais, campanhas de informação pública, apoio à
descentralização e à participação da sociedade civil são alguns dos elementos
encontrados por Tendler para explicar o bom desempenho do Ceará quando comparado
aos demais estados do Nordeste brasileiro
Tendler (1998), analisa quatro programas desenvolvidos pelo governo do Ceará
de 1986 a 1994: o programa de medicina preventiva; extensão para negócios e contratos
públicos para pequenas empresas; empregos de emergência através da construção de
obras públicas; e extensão rural para pequenos produtores. Tendler, através de suas
evidências, comprova o contrário do que as tradicionais teorias da administração pública
gerencial e da economia institucional pregam sobre descentralização e prestação de
serviços públicos. Em sua pesquisa, ao contrário do que normalmente se pensa, o
governo estadual assumiu a prestação de serviços dos municípios ou criou condições
para que o governo municipal assumisse os serviços, e não simplesmente os entregou
à competência do município. Além disso, em vez de entregar a prestação dos serviços a
ONGs ou empresas privadas, como prescrevem os organismos multilaterais de
financiamento, o próprio governo, através de seus funcionários, desenvolveu os
programas, que tiveram como principais aspectos-chave de sucesso: Autoestima do
funcionalismo recuperada; incentivos e reconhecimento do governo ao serviço; maior
desempenho, voluntarismo, poder de decisão e autonomia dos funcionários; espírito
público e colaboração mútua por parte da comunidade. O trabalho de Tendler é mais
uma prova de sinergia criando capital social a partir da combinação de
complementaridade e inserção “o Governo levou a sociedade civil a se formar, ao mesmo
tempo que a sociedade civil agiu independentemente do governo externo para contestar
sua sensatez e suas ações ou para reivindicar um serviço melhor. Portanto, até onde a
sociedade civil contribuiu para o bom desempenho ela não era necessariamente
preexistente ou independente do governo” (Tendler, 1998:199).
Tendler (1998) destaca como um dos resultados do processo de modernização
da gestão no governo do Ceará, que é o alto grau de compromisso dos funcionários
públicos estaduais com a obtenção de resultados para os seus “clientes”.