Você está na página 1de 1

Construção de um mapa conceitual

Um mapa conceitual, de um modo geral, é um diagrama que indica relações entre conceitos, ou
entre palavras que usamos para representar conceitos. O objetivo do uso de um mapa conceitual é explicitar a relação
e a hierarquização dos conceitos por parte do autor do mapa dentro do tópico abordado [1]. Para isso o mapa
conceitual pode ser elaborado segundo o esquema abaixo:

Figura 1: Um modelo de mapa conceitual.

Verticalmente, o mapa representa uma relação hierárquica bem estruturada, ou seja, os conceitos
mais gerais são colocados no topo, os conceitos subordinados a esses ficam mais abaixo e os conceitos mais
específicos na base do mapa. Um mapa conceitual não precisa ter apenas três níveis, ele pode ter tantos níveis
quantos você julgar necessário, desde que estes respeitem as relações de hierarquia.

Horizontalmente, o mapa apresenta conceitos de mesma importância no conteúdo abordado. Mas


podemos enfatizar essas relações aproximando os conceitos mais próximos e afastando os conceitos considerados não
tão próximos. Para representar a relação entre esses conceitos usamos linhas para ligá-los. Essas linhas podem conter
pequenas frases ou palavras que ajudem na compreensão do mapa [2].

É importante ressaltar que não existe um único mapa conceitual correto sobre cada tema escolhido;
ele é dinâmico e varia com o seu nível de conhecimento. Contudo, é preciso cuidado para não cair em um relativismo
onde “tudo vale”: alguns mapas são definitivamente pobres e sugerem falta de compreensão. Também é importante
lembrar que um mapa conceitual não se explica por si só, ele precisa das explicações dadas por seu autor para ser
compreendido [1].

Para fazer um mapa sugere-se que:

1. Escreva todos os conceitos que se relacionam com o conceito gerador do mapa;

2. Organize-os em ordem de importância, os mais importantes estarão no topo do mapa, os


conceitos intermediários vão logo abaixo e os menos inclusivos na base do mapa.

3. Represente a relação entre estes conceitos usando linhas para conectá-los. Você pode usar, sobre
as linhas, palavras que facilitem a compreensão das relações entre conceitos. Estas relações não precisam ser apenas
horizontais ou verticais, elas também podem ser cruzadas.

4. Você pode acrescentar exemplos ao mapa conceitual, se julgar necessário. Geralmente eles ficam
embaixo do seu conceito correspondente, na base do mapa.

Bibliografia:

[1] MOREIRA, Marco Antônio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. Disponível em: . Acesso em: 14 Mai.
2009.

[2] MOREIRA, Marco Antônio. Mapas Conceituais e Diagramas V. Porto Alegre: E. do autor, 2006. 103 p.