Você está na página 1de 67

20 passos para Elaboração de um Projeto

Prof. MSc. Daniel Carlos


Engenheiro Eletricista
CREA-RN nº 211488381-7
danielcarloscc@outlook.com
2

20 passos para Elaboração de um Projeto

2
3

20 passos para Elaboração de um Projeto

3
4

20 passos para Elaboração de um Projeto

4
5

20 passos para Elaboração de um Projeto

5
6

20 passos para Elaboração de um Projeto

6
7

1. Determinar área e perímetro para


cada cômodo ou dependência

7
8

2. Determinar a potência mínima da


iluminação
No caso de residências e apartamentos nos quais em geral , se emprega a
iluminação incandescente. não há necessidade da elaboração de um
projeto luminotécnico. Para a determinação das cargas de iluminação pode
ser adotado o seguinte critério:
a) Em cômodos ou dependências com área ≤ 6 m2 deve ser prevista uma
carga mínima de 100 VA.
b) Em cômodos ou dependências com área > 6m2 deve ser prevista uma
carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m2, acrescida de 60 VA para
cada aumento de 4 m2 inteiros (NBR 5410).

8
9

2. Determinar a potência mínima da


iluminação
Exercício:
Para uma área de 25 m², qual a potência de iluminação estimada?

9
10

3. Determinar o número de TUG´s bem


como suas potências

Quantidades

10
11

3. Determinar o número de TUG´s bem


como suas potências
Residenciais (casas e apartamentos):
a) Cômodo ou dependência com área ≤ 6m², pelo menos 1 tomada.
b) Cômodo ou dependência com área > 6m², pelo menos 1 tomada para cada 5 m ou
fração de perímetro, uniformemente distribuídas.
c) Banheiros, 1 tomada junto ao lavatório (pia), no mínimo 60 cm do limite do boxe.
d) Cozinhas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias, 1 tomada para cada 3,5 m
ou fração de perímetro, sendo que acima de cada bancada (pia) com largura ≥ 30 cm,
deve ser prevista pelo menos 1 tomada.
e) Despensa, varandas, garagens e sótãos, 01 tomada no mínimo.

11
12

3. Determinar o número de TUG´s bem


como suas potências
Comerciais
a) Escritórios com área ≤ 40 m², 1 tomada para cada 3 m ou fração de
perímetro, ou 1 tomada para cada 4 m² ou fração de área (adota-se o critério
que conduz ao maior número de tomadas)
b) Escritórios com área ≥ 40 m². 10 tomadas para os primeiros 40 m²,
acrescentando – se 1 tomada para cada 10 m² ou fração de área restante.
c) Lojas. 1 tomada para cada 30 m² o u fração. não computadas as tomadas
destinadas a lâmpadas, vitrines e demonstração de aparelhos .

12
13

3. Determinar o número de TUG´s bem


como suas potências

Potências

13
14

3. Determinar o número de TUG´s bem


como suas potências
➢Em banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias
e locais análogos, no mínimo 600 VA por ponto de tomada, até três pontos, e
100 VA por ponto para os excedentes, considerando-se cada um desses
ambientes separadamente. Quando o total de tomadas no conjunto desses
ambientes for superior a seis pontos, admite-se que o critério de atribuição de
potências seja de no mínimo 600 VA por ponto de tomada, até dois pontos, e
100 VA por ponto para os excedentes, sempre considerando cada um dos
ambientes separadamente;
➢Nos demais cômodos ou dependências, no mínimo 100 VA por ponto de
tomada.

14
15

4. Prever as TUE´s, sua quantidade e


potência
Tomadas de Uso Específico (TUE 's) . Adota-se a potência nominal
(de entrada) do aparelho a ser usado. As tomadas de uso específico
devem ser instaladas no máximo a 1,5 m do local previsto para o
equipamento a ser alimentado.

15
16

16
17

17
18

18
19

19
20

20
21

21
22

22
23

23
24

5.Elaborar uma Tabela de Estimativa de


Carga

24
6. Determinar a Potência de Demanda (Demanda 25

Provável ou Potência de Alimentação). Obs.:


Utilizar os fatores g1 e g2.
A potência instalada Pinst ou potência nominal (Pn) de uma instalação
elétrica ou de um circuito elétrico é a soma das potências nominais
dos equipamentos de utilização (inclusive tomadas ele corrente)
pertencentes ao mesmo.

𝑃𝑖𝑛𝑠𝑡 = 𝑃𝑇𝑈𝐺´𝑆 + 𝑃𝑇𝑈𝐸´𝑠 + 𝑃𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜

25
6. Determinar a Potência de Demanda 26

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação). Obs.: Utilizar os fatores g1 e g2.
Fator de Demanda
É uma porcentagem de quanto das potências previstas serão
utilizadas simultaneamente no momento de maior solicitação de
carga pela instalação.
É usado para não superdimensionar os condutores do circuito de
alimentação geral;

26
6. Determinar a Potência de Demanda 27

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação).
Potência de Demanda
Potência inferior à potência instalada. Relação dada pelo fator de
demanda g. A potência de demanda (Pd) é dada por:
𝑃𝑑 = 𝑃𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 + 𝑃𝑇𝑈𝐺´𝑠 𝑎 + 𝑃𝑇𝑈𝐸´𝑆(𝑏 + 𝑐 + 𝑑 + 𝑒 + 𝑓 + 𝑔)
Onde:
a – Fator de Demanda para iluminação e TUG´s

27
28

28
29

29
6. Determinar a Potência de Demanda 30

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação). Obs.: Utilizar os fatores g1 e g2.

30
31
QUADRO 2

31
32

32
6. Determinar a Potência de Demanda 33

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação).

33
6. Determinar a Potência de Demanda 34

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação).
6 – A parcela “d” representa a demanda dos motores monofásicos e
trifásicos calculada utilizando – se valores dos Quadros 5 e 6

34
35

35
36

36
6. Determinar a Potência de Demanda 37

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação).

37
6. Determinar a Potência de Demanda 38

(Demanda Provável ou Potência de


Alimentação).

38
7.Dimensionar a Proteção Geral, condutores 39

de Ramal de Ligação e dos Eletrodutos de


Entrada.

39
7.Dimensionar a Proteção Geral, condutores 40

de Ramal de Ligação e dos Eletrodutos de


Entrada.

40
41

8.Realizar a divisão dos circuitos


terminais (verificar regras).
A divisão da instalação elétrica em circuitos terminais segue critérios estabelecidos
pela NBR 5410. Deve-se procurar dividir os pontos ativos (luz e tomadas) de modo
que a carga, isto é, que a potência se distribua, tanto quanto possível,
uniformemente entre as fases do circuito alimentador principal, e de modo que os
circuitos terminais tenham aproximadamente a mesma potência. Além disso, deve-
se atender aos critérios especificados a seguir.
➢Limitar as consequências de uma falta, quando ocorrerá apenas o desligamento do circuito
defeituoso;
➢Facilitar as verificações, os ensaios e a manutenção;
➢Evitar os perigos que possam resultar da falha de um circuito único, como no caso de
iluminação.

41
42

8.Realizar a divisão dos circuitos


terminais (verificar regras).
Os circuitos terminais devem ser divididos pela função dos equipamentos que alimentam. Em
particular. devem ser previstos circuitos distintos para: ILUMINAÇÃO e TOMADAS;
Devem ser previstos circuitos individuais para tomadas de uso geral (TUG ·s) da cozinha. Copa
cozinha e área de serviço;
Para cada equipamento eletrodoméstico fixo corresponde uma tomada de uso específico (TUE);
Devem ser previstos circuitos independentes para equipamentos de corrente nominal superior a
10A;
Limitar em 2.200 VA (no caso de 220 V) a potência nominal máxima dos circuitos, exceto para os
circuitos exclusivos das TUE ‘s;
Cada circuito partindo do quadro terminal de distribuição deve sempre que possível ser
projetado para corrente de 15 A, podendo chegar a 20 A e, no caso de chuveiros e torneiras
elétricas em circuito fase-neutro, para correntes nominais ainda maiores;

42
43

8.Realizar a divisão dos circuitos


terminais (verificar regras).
Cada circuito deve ter seu próprio condutor neutro;
Um condutor de proteção (terra) pode ser comum a vários circuitos (respeitando-se a
seção nominal);
Sempre que possível, deve-se projetar circuitos independentes para: quartos (ambientes
íntimos), salas (ambientes sociais) e cozinhas (dependências de serviço).
Para unidades residenciais, a norma francesa NFC 15-100 recomenda um máximo de 8
pontos para os circuitos terminais de iluminação e de tomadas (adotaremos um máximo
de 10 a 12 pontos ativos);
Nas instalações alimentadas com duas ou três fases, as cargas devem ser distribuídas
entre as fases, de modo a obter-se o maior equilíbrio possível (principalmente durante a
utilização dos equipamentos).
43
44

9.Elaborar a Tabela de Divisão dos


Circuitos Terminais

44
45

10.Determinar as correntes do circuito

Circuitos Resistivos (Lâmpadas 𝑷𝒏 𝑷𝒏


𝑰𝒏 = 𝑰𝒏 =
Monofásicos incandescentes e 𝑽𝑭 𝑽𝑳
resistências)
F + N; F + F; 2F + N
Indutivos (Reatores e 𝑷𝒏 𝑷𝒏
𝑰𝒏 = 𝑰𝒏 =
Motores) 𝑽𝑭 ∙ 𝒄𝒐𝒔𝝋 ∙ 𝜼 𝑽𝑳 ∙ 𝒄𝒐𝒔𝝋 ∙ 𝜼

45
46

10.Determinar as correntes do circuito

Equilibrados (3F) 𝑷𝒏
𝑰𝒏 =
Circuitos 𝟑 ∙ 𝑽𝑭 ∙ 𝒄𝒐𝒔𝝋 ∙ 𝜼
Desequilibrados (3F + 𝑷𝒏
Trifásicos 𝑰𝒏 =
N) 𝟑 ∙ 𝑽𝑭 ∙ 𝒄𝒐𝒔𝝋 ∙ 𝜼

46
47

11. Dimensionar os condutores elétricos


pelo critério de condução de corrente

47
48

11. Dimensionar os condutores elétricos


pelo critério de condução de corrente

48
49

11. Dimensionar os condutores elétricos


pelo critério de condução de corrente

49
50

11. Dimensionar os condutores elétricos


pelo critério de condução de corrente

50
51

12.Dimensionar os condutores pelo


método da queda de tensão

51
52

12.Dimensionar os condutores pelo


método da queda de tensão

52
53

53
54

54
13. Selecionar a área da seção transversal 55

(bitola) do condutor de acordo com o maior


valor encontrado nos dois métodos anteriores

55
56

14. Dimensionar os disjuntores para cada


circuito terminal

56
57

15.Determinar a corrente da proteção


geral pela regra da seletividade.

57
58

16.Determinar o diâmetro do eletroduto


para cada circuito

58
59

17.Determinar o tipo de sistema de


aterramento

59
60

17.Determinar o tipo de sistema de


aterramento

60
61

17.Determinar o tipo de sistema de


aterramento

61
62

17.Determinar o tipo de sistema de


aterramento

62
63

18.Determinar a seção nominal dos


condutores de proteção

63
64

19.Elaborar tabela de especificação do


material

64
65

19.Elaborar tabela de especificação do


material

65
66

20.Fazer diagrama elétrico unificar do projeto


utilizando a simbologia atualizada (NBR 5444)

66
67

Obrigado pela atenção!