Você está na página 1de 2

TEFC – Democracia

Um trabalho filosófico do Priorado Nobres Cavaleiros do Sertão nº98

Escrito pelo Ir. João Francisco de Sousa Filho

A Democracia, como é de conhecimento geral, tem sua origem na Grécia


Clássica do Séc. V A.C. (dēmokratía ou "governo do povo"), era o regime político
adotado por algumas cidades-estados e trás em seu cerne a ideia de autodeterminação,
ou seja, de que os cidadãos escolham os rumos políticos, econômicos, sociais e culturais
do Estado.

A democracia costuma vir associada a dois conceitos-chave: o de liberdade e o


de igualdade. Doses diferentes desenham formas diversas de democracia. Num extremo,
as liberdades individuais sobrenadam direitos coletivos, no outro, importa a igualdade
entre os cidadãos.

Partindo para o Brasil da contemporaneidade, a atual fase democrática do Estado


brasileiro teve inicio somente no ano de 1984, onde após vinte e um anos teve fim a
Ditadura Militar, período marcado por censuras e repressão onde o país foi governado
por Generais-Presidentes indicados pelo Estado-Maior do exército. Mesmo com a saída
dos militares o primeiro Presidente Civil do Brasil foi eleito de forma indireta, sem
participação do povo, e somente foi possível ver um presidente democraticamente eleito
passar a faixa presidencial para outro em 2002, quando Fernando Henrique Cardoso deu
posse a Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 2018, no ano que a Constituição Cidadã completa trinta anos, o país vive
grande inquietação política, isso dá se em parte pelas eleições presidenciais previstas
para o fim do ano, mas também pelos repetidos escândalos de corrupção, o que levou a
população a nutrir certo ceticismo em relação ao sistema democrático.

O filósofo Platão, que não é outro senão a raiz filosófica do pensamento


ocidental, da mesma maneira exibia grande desconfiança com relação à democracia,
tanto que o mesmo era admirador da cidade de Esparta, uma monarquia, e não de sua
cidade de Atenas, o modelo democrático da Grécia antiga. Ele dizia no Livro VIII de A
República, ao estabelecer sua hierarquia da corrupção dos regimes que “Em outros
termos, a democracia se caracteriza a princípio por um gosto excessivo pela liberdade
que se encontra convertida em licenciosidade.”. Para ele as cidades imperfeitas são
aquelas onde a razão é suplantada pelo vício, dai a necessidade de se buscar a
virtude. Eis porque Platão conclui que a democracia é "um governo agradável,
variegado e desordenado, que provê uma espécie de igualdade tanto ao que é desigual
quanto ao que é igual.” Ela é o fruto da demagogia, que é seu vício primeiro. Daí
decorre sua propensão à anarquia que a faz desembocar na tirania, governo da vaidade e
do crime.

É preciso se compreender que a democracia não é o sistema onde todo mundo é


ético, mas é o sistema onde os não éticos podem ser punidos; a democracia não é o
sistema onde todo mundo é bom, mas é o sistema onde alguns ruins podem ser punidos;
a democracia não é o sistema que garante o paraíso na terra, mas é o sistema que impede
que o inferno se instale, a democracia não é um sistema perfeito, nas palavras de
Winston Churchill: “É o pior de todos os sistemas, com exceção de todos os outros.”.

Palavras-chave: Democracia, História do Brasil, Platão.

Questionamentos:

1. Para você quais os grandes desafios para a consolidação da democracia no


Brasil?
2. O que você entende por direitos civis e qual a relação destes com a democracia?