Você está na página 1de 2

Pense em algo que precisou renunciar para alcançar algo maior ou melhor.

– Quem quiser servir a Deus diante de multidões, precisa renunciar às multidões de coisas que
está envolvido, Hb 12.1. Renunciar e continuar renunciando é a única alternativa para o
sucesso em qualquer área da vida humana.

– O êxito tem um preço. O êxito do Cristianismo custou o preço mais alto do Universo: o
sangue incontaminado de Jesus, o Filho de Deus.

– Renunciar é “desistir (da posse ou exercício de um direito); abdicar, resignar, abandonar,


deixar espontaneamente a posse de, recusar, rejeitar, abjurar de, renegar”. (Dicionário
Michaelis).

– Renunciar, no aspecto cristão, é dizer “sim” para Deus. Todas as vezes que o “sim” for
pronunciado, virá seguido de uma renúncia.

– A renúncia é condição sine qua non para:

a) seguir a Jesus e garantir a salvação da alma – Mt 16.24-26;


b) ser discípulo de Jesus – Lc 14.33; Jo 21.15;
c) demonstrar virtudes cristãs – Ti 2.12-14.

A COMPANHEIRA DA RENÚNCIA: é a obediência. No reino de Deus a renúncia anda em rota


contínua com a obediência. Isto é um tratamento com o caráter humano, que herdou de Adão o
estigma da desobediência.

– O espírito da desobediência opera inclusive na educação familiar, onde os pais,


desenvolvendo um caráter sem retidão diante de Deus, permitem que mal idêntico se instale no
caráter dos filhos.

– A Bíblia nos chama a termos o mesmo Espírito (ou caráter) de Cristo, Fp 2. 5-8. Antes de ser
exaltado, Jesus foi humilhado, ao renunciar à glória e à própria vida, em favor dos pecadores.
A Sua obediência irrestrita ao Pai trouxe-Lhe exaltação eterna, Fp 2.9-11.

– Quando renunciamos estamos nos submetendo à autoridade legítima sobre as nossas vidas,
que é o Deus que nos criou. Dizer “sim” para o Senhor representa dizer “não” para nossa
vontade própria.

– O LIMITE DA OBEDIÊNCIA É A MORTE – Fp 2.5. Quando estabelecemos nossas próprias


cláusulas, artigos, vontades, etc., estamos perdendo terreno para a exaltação, que é a
recompensa para quem deixa tudo e segue a Jesus.

– O Sl 112 demonstra que a geração do justo (obediente) terá um nome com dupla honra: na
descendência e na prosperidade. Sl 91:14: “por que a mim se apegou com amor…”

A RENÚNCIA É UM ATO CONSCIENTE.


– Nem sempre entendemos, mas obedecemos pela fé (a pesca maravilhosa: sobre a tua
palavra, Lc 5.4; Jo 6 – a multiplicação dos pães).

– Obedecer não significa concordar (Jonas).

– A obediência requer renúncia sem murmuração (Abraão; o moço rico, Mt 19.20-22).

– Toda renúncia é dolorosa, nunca agradável (a mãe que foi queimada para salvar a filha).

– Não existe renúncia sem valor, o preço é alto (Mt 3.18-22).

– Não é fácil renunciar ao ego (At 20.24).


– Toda renúncia significativa tem por trás de si uma história de vida. Se quiser ser uma pessoa
de história, tem que renunciar (Gl 2.20; 6.14).

– É preciso crer que Deus nunca vai exigir renúncias para que saiamos perdendo. As perdas
momentâneas são o caminho para os ganhos futuros e eternos (Fp 4.11-13).

– “Todos os que, pela obediência, são vaiados, pela obediência serão aplaudidos”.