Você está na página 1de 2

27/06/2018 3 passos para fixar na memória tudo que você estuda | Guia do Estudante

3 passos para fixar na memória tudo que


você estuda
Já ouviu falar sobre a curva do esquecimento? Entenda o que é e
como contornar isso
Por Carolina Vellei
access_time 21 jul 2017, 12h45 - Publicado em 29 abr 2015, 23h00

more_horiz
chat_bubble_outline

Uma das principais dificuldades do estudante é conseguir se lembrar


de tudo que aprendeu. Você até se lembra que foi para a aula, abriu
o livro e começou a leitura… Mas, e do conteúdo? Zero? Isso tem
uma explicação. Alberto Dell’Isola, conhecido como “o homem-
memória brasileiro”, conta no livro “Supermemória – Você também
pode ter uma” que esse esquecimento é algo normal do cérebro,
mas que existem maneiras de burlar o branco.

A curva do esquecimento

Dell’Isola explica que muitos estudantes o procuram preocupados


com a qualidade de leitura que fazem, alegando que ela é “tão
ineficiente”, que após alguns dias não se lembram mais do que
leram. Para o especialista, isso não tem nada a ver com o processo
da leitura em si, mas sim com uma coisa chamada “curva do
esquecimento”.

Descoberta em 1885 pelo filósofo alemão Hermann Ebbinghaus, a


curva mostra o quanto de informações nosso cérebro é capaz de
reter com o passar do tempo, após uma sessão de estudos com
uma hora de duração.

https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/dicas-estudo/3-passos-para-fixar-na-memoria-tudo-que-voce-estuda/ 1/2
27/06/2018 3 passos para fixar na memória tudo que você estuda | Guia do Estudante

Ela se inicia no zero, porque começa a contar um pouco antes do


momento em que o estudante inicia a sua sessão de estudo. Ao final
da leitura do conteúdo, a curva atinge o ponto máximo, o que
significa que ele se lembra de 100% do assunto ensinado (ou, como
diz Dell’Isola, “ao menos saberá o máximo que ele tem condições de
aprender, dado o conhecimento prévio sobre o assunto”).

Percebam que a curva vai caindo com o passar dos dias. Logo no
segundo dia depois do fim dos estudos, caso não tenha feito
nenhuma revisão, o estudante provavelmente se lembrará de pouca
coisa, por volta de 50% do que aprendeu. Segundo o especialista,
as pessoas se esquecem mais nas primeiras horas do que ao longo
de 30 dias. Ao final do primeiro mês, restará apenas uma vaga
lembrança e a impressão que ficará é a de que você nunca estudou
aquele conteúdo, porque nosso cérebro está acostumado a
descartar informações que não são reutilizadas com frequência.

Para mudar isso, Dell’Isola recomenda três passos:

1) Nas primeiras 24 horas após a sessão de estudo, para cada


leitura de uma hora, faça uma revisão de dez minutos. Ela deve
ser feita nesse período de tempo, porque é o momento em que mais
perdemos informações e isso será suficiente para “segurar” a sua
memória. Para ajudar no processo você pode usar fichas-resumo,
reler as informações anotadas no caderno ou gravar trechos da aula
para ouvi-los depois.

2) No sétimo dia após a sessão de estudo (ou seja, uma semana


depois) dedique apenas cinco minutos para reativar na memória
esse material.

3) Ao final de 30 dias, pratique o conteúdo durante 2 a 4


minutos e isso deverá ser suficiente para ajudá-lo a se lembrar
novamente do que estudou.

Essa técnica é útil para pessoas que estudam grandes volumes de


informações, como concurseiros e vestibulandos. Você pode colocá-
la em prática durante algumas semanas ou meses para ver se ela
funciona no seu caso. Muitas vezes os estudantes não têm tempo
para agendar revisões em seus cronogramas, mas essa aqui vale a
pena tentar! São pouco minutos (você só precisa revisar no máximo
durante 10 minutos uma sessão de uma hora) e se você revisa não
precisa passar mais outra hora reaprendendo o conteúdo antes das
provas.

https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/dicas-estudo/3-passos-para-fixar-na-memoria-tudo-que-voce-estuda/ 2/2

Interesses relacionados