Você está na página 1de 65

https://TheVirtualLibrary.

org

Minha vida

Anton Chekhov
A história de um PROVINCIAL

Eu

O superintendente disse-me: “Eu só mantê-lo fora de consideração para o seu pai digno; mas para isso você teria
sido arremessado há muito tempo “, eu respondi-lhe:‘. Você me lisonjeia muito, Vossa Excelência, em assumir que eu
sou capaz de voar’E então eu ouvi-lo dizer:“Tome esse cavalheiro afastado ; ele fica em meus nervos “.

Dois dias depois, foi demitido. E deste modo eu, durante os anos tenho sido considerada como crescido, perdeu nove
situações, para grande mortificação do meu pai, o arquitecto da nossa cidade. Tenho servido em vários departamentos,
mas todos estes nove trabalhos foram tão parecidos como uma gota de água é outra: eu tive que sentar, escrever, ouvir
observações rudes ou estúpidas, e ir a fazê-lo até que eu estava demitido.

Quando eu vim para o meu pai estava sentado enterrado em uma poltrona baixa, com os olhos fechados. Seu rosto
seco, magro, com um tom de azul escuro onde foi raspada (ele parecia um velho organista Católica), expressa
mansidão e resignação. Sem responder à minha saudação ou abrir os olhos, ele disse:

“Se a minha querida esposa e sua mãe estavam vivendo, sua vida teria sido uma fonte de angústia contínua para ela. Eu vejo
a Divina Providência em sua morte prematura. Peço-lhe, menino infeliz “, continuou ele, abrindo os olhos,‘diga-me: o que vou
fazer com você’No passado, quando eu era mais jovem meus amigos e parentes sabia o que fazer comigo:? Alguns deles
usado para aconselhar-me para ser voluntário para o exército, outros para conseguir um emprego em uma farmácia, e outros
no departamento de telégrafo; agora que estou mais de vinte e cinco anos, que cabelos brancos estão começando a mostrar
em minhas têmporas, e que eu já ter estado no exército, e em uma farmácia, e no departamento de telégrafo, parece que
todas as possibilidades terrenas foram exausto, e as pessoas têm desistido de me aconselhar, e apenas suspirar ou abanam
a cabeça.

“O que você pensa sobre si mesmo?” Meu pai continuou. “No momento em que eles são a sua idade, os homens jovens têm uma
posição social segura, ao mesmo tempo olhar para você: você é um proletário, um mendigo, um fardo para o seu pai”

E como de costume ele passou a declarar que os jovens de hoje estavam na estrada para a perdição através
de infidelidade, o materialismo, e auto-presunção, e que teatro amador deve ser proibida, porque seduziu os
jovens de religião e suas funções . “Amanhã iremos juntos, e você deve se desculpar com o superintendente, e
prometer-lhe para trabalhar conscientemente”, ele disse em conclusão. “Você não deve continuar a ser um
único dia sem posição normal na sociedade.”

“Peço-lhe que me escute”, eu disse com tristeza, esperando nada de bom a partir desta conversa. “O que você chama uma
posição na sociedade é o privilégio de capital e de educação. Aqueles que têm nem riqueza nem educação ganham o seu pão
de cada dia de trabalho manual, e não vejo nenhuma razão para eu ser uma exceção.”
“Quando você começa a falar sobre o trabalho manual é sempre estúpido e vulgar!”, Disse meu pai com
irritação. “Entenda, você densa companheiro de entender, você cachola, que além de força física grosso você
tem o espírito divino, uma centelha do fogo sagrado, que distingue-lo da forma mais marcante do jumento ou o
réptil, e traz para você mais perto da Divindade! Este fogo é o fruto dos esforços do melhor da humanidade
durante milhares de anos. Seu bisavô Poloznev, o general, lutou em Borodino; seu avô era um poeta, um
orador, e um marechal da nobreza; seu tio é um professor; e, por último, eu, seu pai, sou um arquiteto! Todos os
Poloznevs ter guardado o fogo sagrado para você colocá-lo para fora!”

“É preciso ser justo”, eu disse. “Milhões de pessoas colocar-se com o trabalho manual.” “E deixá-los colocar-se com ele!
Eles não sabem como fazer qualquer outra coisa! Qualquer pessoa, mesmo o tolo mais abjeta ou criminal, é capaz do
trabalho manual; tal trabalho é a marca distintiva do escravo e o bárbaro, enquanto o fogo sagrado é concedida apenas
para alguns!”

Para continuar esta conversa foi inútil. Meu pai adorava a si mesmo, e nada foi convincente para ele, mas o que ele disse a si mesmo.
Além disso, eu sabia perfeitamente bem que o desdém com o qual ele falou de trabalho físico foi fundada não tanto em reverência ao fogo
sagrado de em pavor segredo que eu deveria tornar-se um trabalhador, e deve definir a cidade inteira falando de mim; o que era pior,
todos os meus contemporâneos há muito tempo tinha levado os seus graus e foram se dando bem, e o filho do gerente do Banco do
Estado já era um assessor colegiado, enquanto eu, seu único filho, não era nada! Para continuar a conversa era inútil e desagradável, mas
eu ainda estava ligado e fracamente respondeu, esperando que eu possa finalmente ser entendido. Toda a questão, é claro, era clara e
simples, e só se preocupa com os meios de minha ganhando a vida; mas a simplicidade dele não foi visto, e eu estava falou com frases
mawkishly arredondadas de Borodino, do fogo sagrado, do meu tio um poeta esquecido, que já tinha escrito versos pobres e artificiais; I foi
grotescamente chamado de addlepate e um companheiro densa. E como eu desejava ser entendido! Apesar de tudo, eu amava meu pai e
minha irmã e que tinha sido meu hábito desde a infância consultar-los- um hábito tão enraizado que eu duvido que eu jamais poderia ter se
livrado dela; se eu estivesse no certo ou errado, eu estava em constante temor de ferir-los, sempre com medo de que pescoço fino do meu
pai iria virar vermelho e que ele teria um derrame. I foi grotescamente chamado de addlepate e um companheiro densa. E como eu
desejava ser entendido! Apesar de tudo, eu amava meu pai e minha irmã e que tinha sido meu hábito desde a infância consultar-los- um
hábito tão enraizado que eu duvido que eu jamais poderia ter se livrado dela; se eu estivesse no certo ou errado, eu estava em constante
temor de ferir-los, sempre com medo de que pescoço fino do meu pai iria virar vermelho e que ele teria um derrame. I foi grotescamente
chamado de addlepate e um companheiro densa. E como eu desejava ser entendido! Apesar de tudo, eu amava meu pai e minha irmã e
que tinha sido meu hábito desde a infância consultar-los- um hábito tão enraizado que eu duvido que eu jamais poderia ter se livrado dela;
se eu estivesse no certo ou errado, eu estava em constante temor de ferir-los, sempre com medo de que pescoço fino do meu pai iria virar vermelho e

“Para sentar-se em um quarto abafado,” eu comecei, “para copiar, para competir com uma máquina de escrever, é vergonhoso e

humilhante para um homem da minha idade. O que pode o fogo sagrado tem a ver com isso?”‘É um trabalho intelectual, de

qualquer maneira’, disse meu pai. “Mas isso é o suficiente; vamos encurtar a conversa, e em qualquer caso, eu avisá-lo: se você

não voltar para o seu trabalho novamente, mas siga suas propensões desprezíveis, então a minha filha e eu vou banir-lo de nossos

corações. Vou atacar-te da minha vontade, eu juro pelo Deus vivo!”

Com sinceridade perfeita para provar a pureza dos motivos pelo qual eu queria ser guiado em todas as minhas ações, eu disse:

“A questão da herança não parece muito importante para mim. Vou renunciar a tudo de antemão.”

Por alguma razão ou outra, muito para minha surpresa, estas palavras foram profundamente ressentido por minha
pai. Ele ficou vermelho.

“Não ouse falar assim comigo, estúpido!”, Gritou ele com uma voz fina e estridente. “Wastrel!” E com um movimento
rápido, habilidoso, e habitual que ele me bateu duas vezes no rosto. “Você está esquecendo-se.”

Quando meu pai me bater quando criança eu tinha que ficar de pé, com as mãos segurou com firmeza aos meus costuras das
calças, e olhá-lo diretamente no rosto. E agora, quando ele me bateu eu estava totalmente sobrecarregado e, como se eu ainda
era uma criança, chamou-me e tentei olhar na cara dele. Meu pai era velho e muito magro, mas seus músculos delicados deve
ter sido tão forte como o couro, por seus golpes machucar um bom negócio.

Eu cambaleei de volta para a passagem, e lá ele pegou seu guarda-chuva, e com ele me bateu várias vezes na cabeça e
ombros; naquele momento minha irmã abriu a porta sala de visitas para descobrir o que o barulho era, mas ao mesmo
tempo se virou com um olhar de horror e piedade, sem dizer uma palavra em minha defesa.

Minha determinação de não voltar ao escritório do governo, mas para começar uma nova vida de trabalho, não era para
ser abalada. Tudo o que restou para mim fazer era fixar sobre o emprego especial, e não havia nenhuma dificuldade
particular sobre isso, como pareceu-me que eu era muito forte e equipado para o trabalho muito mais pesado. I foi
confrontado com uma vida monótona de labuta no meio da fome, grosseria e mau cheiro, continuamente preocupado com
ganhar o meu pão de cada dia. E, quem sabe? -como voltei do meu trabalho ao longo Grande Dvoryansky Street, eu
poderia muito provável inveja Dolzhikov o, engenheiro, que viveu por trabalho intelectual, mas, no momento, pensando
sobre todas as minhas futuras dificuldades me fez light-hearted . Às vezes eu tinha sonhado de atividade espiritual,
imaginando-me um professor, um médico, ou um escritor, mas esses sonhos permaneceu sonhos.

- para o teatro, por exemplo, e para a leitura, era uma paixão comigo, mas se eu tivesse alguma capacidade para o
trabalho intelectual não sei. Na escola eu tinha uma aversão insuperável para grego, de modo que eu estava apenas na
quarta classe quando eles tiveram que me tirar da escola. Por um longo tempo eu tive treinadores preparando-me para a
quinta classe. Então eu servido em vários escritórios do governo, gastando a maior parte do dia na ociosidade completa, e
me disseram que era um trabalho intelectual. Minha atividade na esfera escolar e oficial tinha requerido nem aplicação
mental, nem talento, nem qualificações especiais, nem impulso criativo; foi mecânica. Tal trabalho intelectual eu colocar em
um nível inferior ao trabalho físico; Eu desprezá-lo, e eu não acho que por um momento ele poderia servir como justificativa
para uma vida ociosa, descuidado, como é de fato nada mais que uma farsa, uma das formas de que mesmo ociosidade.
trabalho intelectual real que eu tenho com toda a probabilidade nunca conheci. À noite se aproximou. Nós viveu na Grã
Dvoryansky Street; que era o principal rua da cidade, e na ausência de jardins públicos decentes nosso monde_ _beau
usado para usá-lo como um passeio à noite. Esta charmosa rua fez até certo ponto, tomar o lugar de um jardim público,
como em cada lado dele havia uma fileira de álamos que cheirava doce, particularmente depois da chuva, e acácias,
arbustos altos de lilás, selvagem-cereja e maçã-árvores pairava sobre as cercas e palings. O crepúsculo de maio, a
vegetação concurso jovens com suas sombras movediças, o aroma do lilás, o zumbido dos insetos, o silêncio, o calor-how
fresco e maravilhoso tudo isso é, apesar de primavera é repetido todos os anos! Eu estava no portão do jardim e viu a
transeuntes. Com a maioria deles eu tinha crescido e em um brincadeiras tempo jogado; agora eles podem ter sido
desconcertado com o meu ser perto deles, pois eu estava
mal e fora de moda vestido, e eles costumavam dizer das minhas calças muito estreitas e enormes, botas desajeitadas que
eles eram como paus de macarrão preso em barcos. Além disso, eu tinha uma má reputação na cidade porque eu não tinha
posição social decente, e usado muitas vezes para jogar bilhar em bares baratos, e também, talvez, porque eu tinha em
duas ocasiões sido transportado antes de um oficial da polícia, embora Eu tinha feito nada a explicar isso. Na grande casa
em frente alguém estava a tocar piano aos Dolzhikov de. Estava começando a ficar escuro, e as estrelas brilhavam no céu.
Aqui meu pai, em uma antiga top-chapéu com aba larga arrebitado, caminhou lentamente pela com minha irmã em seu
braço, curvando-se em resposta aos cumprimentos.

“Olhe para cima”, disse ele à minha irmã, apontando para o céu com o mesmo guarda-chuva com o qual ele tinha me batido naquela
tarde. "Olhe para o céu! Até mesmo as estrelas mais minúsculos são todos os mundos! Quão insignificante é o homem em comparação
com o universo!”

E ele disse isso em um tom que sugeriu que era particularmente agradável e lisonjeiro para ele que ele era tão insignificante.
Como absolutamente desprovido de talento e imaginação que ele era! É triste dizer, ele era o único arquiteto na cidade, e nos
quinze a vinte anos que eu conseguia lembrar nem uma única casa decente tinha sido construído nele. Quando qualquer um
pediu-lhe para planejar uma casa, ele geralmente chamou pela primeira vez a sala de recepção e sala de visitas: assim como
em dias velhos os acidentes colégio interno sempre iniciado a partir do fogão quando eles dançaram, então suas idéias
artísticas só poderia começar e desenvolver a partir do corredor e quarto-de desenho. Para eles, ele cruzou em uma sala de
jantar, um berçário, um estudo, que liga os quartos, juntamente com portas, e assim todos eles inevitavelmente transformado
em passagens, e cada um deles tinha duas ou até três portas desnecessárias. Sua imaginação deve ter sido falta de clareza,
extremamente confusa, reduzido. Como se sentindo que algo estava faltando, ele invariavelmente recorreu a todos os tipos de
dependências, plantando um ao lado de outro; e eu posso ver agora as entradas estreitas, as passagens pouco acanhados, as
escadarias tortuosos que levam ao meio-desembarques onde não podia ficar em pé, e onde, em vez de um andar, havia três
grandes etapas, como as prateleiras de uma casa de banho ; ea cozinha era invariavelmente na cave com um piso de tijolo e
tectos abobadados. A frente da casa tinha uma expressão dura, teimoso; as linhas de que estavam rígidos e tímida; a cobertura
foi de baixa frequência e, por assim dizer, calcada para baixo; e a gordura, bem alimentados com aparência chaminés foram
invariavelmente coroado por tampas de arame com squeaking capuzes pretos. E por alguma razão todas essas casas,
construído pelo meu pai exatamente como um outro, vagamente me lembrado de sua cartola e parte de trás da cabeça, dura e
teimoso de aparência. No curso dos anos têm crescido usados ​na cidade para a pobreza de imaginação do meu pai. Ele criou
raízes e se tornar nosso estilo local. Este mesmo estilo meu pai tinha trazido para a vida da minha irmã também, começando
com o batismo dela Kleopatra (exatamente como ele havia me chamado Misail). Quando ela era pequena, ele assustou por
remissões para as estrelas, para os sábios dos tempos antigos, aos nossos antepassados, e discorreu longamente sobre a
natureza da vida e dever; e agora, quando ela tinha vinte e seis anos, ele manteve os mesmos hábitos, permitindo que ela anda
de braço dado com ninguém além de si mesmo, e imaginando, por alguma razão que, mais cedo ou mais tarde um jovem
adequado seria a certeza de aparecer, e ao desejo de entrar em matrimônio com ela do respeito pelas suas qualidades
pessoais. Ela adorava o meu pai, o temiam, e acreditava na sua inteligência excepcional. Foi bastante escuro, e, gradualmente,
a rua ficou vazia. A música tinha deixado na casa em frente; o portão estava escancarada, e uma equipe com três cavalos
trotou brincando
ao longo da nossa rua com um tilintar suave de pequenos sinos. Esse foi o engenheiro vai para uma movimentação com sua filha. Era
hora de dormir.

Eu tinha meu próprio quarto na casa, mas eu vivi em um galpão no quintal, sob o mesmo teto como um celeiro de tijolos que tinha
sido construído algum momento ou outro, provavelmente para manter arnês in; grandes ganchos foram empurrados para a
parede. Agora ele não era desejado, e durante os últimos trinta anos, o meu pai tinha guardado nele seus jornais, que por algum
motivo ele tinha encadernados em volumes semestrais e permitidos ninguém para tocar. Vivendo aqui, eu era menos susceptível
de ser visto por meu pai e seus visitantes, e imaginei que se eu não viver em um quarto real, e não ir para a casa todos os dias
para o jantar, as palavras de meu pai que eu era um fardo sobre ele não parecia tão ofensivo.

Minha irmã estava esperando por mim. Unseen por meu pai, ela me trouxe um pouco de ceia: não uma grande fatia de
vitela fria e um pedaço de pão. Em nossa casa esses dizeres como: “Um centavo poupado é um centavo ganho”, e “Cuide
da pence e as libras vão cuidar de si mesmos”, e assim por diante, foram frequentemente repetida, e minha irmã, pesado
para baixo por estes máximas vulgares, fez o seu melhor para reduzir as despesas, e por isso se saíram mal. Colocar o
prato sobre a mesa, sentou-se na cama e começou a chorar. “Misail”, disse ela, “o que é uma maneira de nos tratar!”

Ela não cobrir o rosto; suas lágrimas caíram sobre o peito e as mãos, e não havia um olhar de angústia no
rosto. Ela caiu de costas no travesseiro, e abandonou-se a suas lágrimas, chorando e tremendo todo.

“Você deixou o serviço novamente ...” ela articulada. “Oh, como é terrível!” “Mas entendo, irmã,
entendo ....” Eu disse, e fui tomado de desespero, porque ela estava chorando.

Como mal ele teria sorte, o querosene na minha pequena lâmpada estava exausto; ele começou a fumar, e estava
a ponto de sair, e os antigos ganchos nas paredes olhou carrancudo, e suas sombras piscaram.

“Tem misericórdia de nós”, disse minha irmã, sentando-se. “Pai está em perigo terrível e eu estou doente; Vou sair da
minha mente. O que será de você?”, Ela disse, soluçando e esticar os braços para mim. “Eu te peço, eu te imploro, por
amor a nossa querida mãe, peço-lhe para voltar para o escritório!”

“Eu não posso, Kleopatra!”, Eu disse, sentindo que um pouco mais e eu deveria ceder. “Eu não posso!” “Por que não?”
Minha irmã continuou. "Por que não? Bem, se você não pode obter com a cabeça, olhar para outro post. Por que você não
deve ter uma situação na estrada de ferro, por exemplo? Acabo de falar com Anyuta Blagovo; ela declara que iria levá-lo
na linha ferroviária, e até prometeu tentar obter um post para você. Pelo amor de Deus, Misail, pense um pouco! Pense um
pouco, eu te imploro.”

Conversamos um pouco mais e eu cedeu. Eu disse que o pensamento de um trabalho na estrada de ferro que estava sendo

construído nunca tinha me ocorrido, e que, se ela gostava eu ​estava pronto para tentar. Ela sorriu com alegria em meio às lágrimas

e apertou minha mão, e em seguida, passou a chorar porque não podia parar, enquanto eu fui para a cozinha para um pouco de

querosene.
II

Entre os defensores dedicados de teatro amador, concertos e _tableaux vivants_ para objetos de caridade do
Azhogins, que viveu em sua própria casa na Grã Dvoryansky Street, tomou um lugar de destaque; eles sempre desde
que o quarto, e levou sobre si todos os arranjos problemáticos e as despesas. Eles eram uma família de latifundiários
ricos que tinham uma propriedade de cerca de nove mil acres no distrito e uma casa de capital, mas eles não se
importava para o país, e viveu Inverno e no Verão na cidade. A família consistiu na mãe, uma alta e magra, senhora
refinada, com cabelo curto, uma jaqueta curta, e uma saia procurando Flat na moda Inglês, e três filhas que, quando
foram mencionados, foram chamados não por sua nomes, mas simplesmente: o mais velho, o meio, e o mais novo.
Todos eles tinham queixos pontiagudos feias, e foram míope e ombros redondos. Eles estavam vestidos como sua
mãe, que balbuciou desagradavelmente, e, no entanto, apesar de que, infalivelmente participou em todas as
desempenho e foram continuamente fazendo algo com uma atuação object- caridade, recitando, cantando. Eles foram
muito sério e nunca sorriu, e até mesmo em uma comédia musical que jogou sem o menor traço de alegria, com um ar
eficiente, como se eles estavam envolvidos em contabilidade.

Eu amei nossas representações teatrais, especialmente as numerosas, ruidosos, e bastante incoerentes ensaios, após o
que eles sempre deram uma ceia. Na escolha das peças e a distribuição das peças que eu não tinha mão em tudo. O
posto atribuído a mim por trás dos bastidores. Eu pintei as cenas, copiou as partes, solicitado, composta por rostos dos
atores; e me foi confiada, também, com vários efeitos de palco, como um trovão, o canto dos rouxinóis, e assim por diante.
Como eu não tinha posição social adequada e sem roupas decentes, nos ensaios eu segurei distante do resto nas
sombras das asas e manteve um silêncio tímido.

Eu pintei as cenas ao Azhogins' quer no celeiro ou no quintal. I foi assistido por Andrey Ivanov, um pintor de casa, ou, como ele
chamou a si mesmo, um empreiteiro para todos os tipos de decorações casa, uma muito fina homem alto, pálido de cinqüenta,
com uma caixa oca, com templos afundado, com anéis azuis volta de seus olhos, em vez terrível para olhar, na verdade. Ele
sofria de alguma doença interna, e a cada outono e primavera pessoas disseram que ele não iria se recuperar, mas depois de
ser reservada para um tempo ele iria se levantar e dizer depois com surpresa: “eu escapei de morrer novamente”

Na cidade, ele foi chamado Rabanete, e declararam que este era seu nome real. Ele gostava tanto do teatro como eu
estava, e assim que os rumores chegaram a ele que um desempenho estava sendo levantei, ele jogou de lado todo o
seu trabalho e foi para o Azhogins' para pintar cenas. O dia depois de minha conversa com minha irmã, eu estava
trabalhando no Azhogins' de manhã à noite. O ensaio foi fixado para sete horas da noite, e uma hora antes de começar
todos os amadores estavam reunidos no salão, e o mais velho, o meio, e as Azhogins mais jovens foram andando sobre
o palco, a leitura de livros manuscritos . Rabanete, em um sobretudo oxidado-vermelho longo e um lenço abafada em
volta do pescoço, já estava inclinando-se com a cabeça contra a parede, olhando com uma expressão devota no palco.
Madame Azhogin subiu primeiro para um e depois para outro convidado, dizendo algo agradável para cada um. Ela tinha
um jeito de olhar para o rosto, e falando suavemente como se
contando um segredo.

“Deve ser difícil para pintar paisagens,” ela disse suavemente, vindo até mim. “Eu estava falando com Madame
Mufke sobre superstições quando o vi entrar. Meu Deus, toda a minha vida eu tenho sido uma guerra contra
superstições! Para convencer os servos que bobagem todos os seus terrores são, eu sempre luz três velas, e
começar todos os meus compromissos importantes no dia treze do mês.”

A filha de Dolzhikov entrou, uma beleza feira gorda, vestida, como as pessoas diziam, em tudo, desde Paris. Ela não
agir, mas uma cadeira foi criado para ela no palco durante os ensaios, e as performances não começou até que ela
tinha aparecido na primeira fila, deslumbrante e surpreendente todos com suas roupas finas. Como um produto da
capital ela foi autorizada a fazer observações durante os ensaios; e ela fez com um sorriso indulgente doce, e
pode-se ver que ela olhou para o nosso desempenho como um diversões infantil. Dizia-se que tinha estudou canto no
Conservatório Petersburgo, e até cantou para um inverno inteiro em uma ópera privada. Eu pensei que ela muito
charmoso, e eu geralmente observava através dos ensaios e apresentações, sem tirar os olhos dela.

Eu tinha acabado de pegar o livro manuscrito para começar a avisar quando a minha irmã, de repente fez sua
aparição. Sem tirar sua capa ou um chapéu, ela veio até mim e disse: “Venha, eu lhe peço.”

Fui com ela. Anyuta Blagovo, também em seu chapéu e vestindo um véu escuro, estava de pé nos bastidores na
porta. Ela era a filha do Presidente Adjunto do Tribunal, que havia exercido o cargo em nossa cidade quase sempre
desde o estabelecimento do tribunal circuito. Desde que ela era alto e tinha uma boa figura, sua ajuda foi
considerada indispensável para _tableaux vivants_, e quando ela representou uma fada ou algo parecido Glória seu
rosto queimado com vergonha; mas ela não tomou parte em performances dramáticas, e veio para os ensaios
apenas um momento em alguma missão especial, e não ir para o corredor. Agora, também, era evidente que ela só
tinha olhado por um minuto. “Meu pai estava falando sobre você”, disse ela secamente, corando e não olhando para
mim. “Dolzhikov lhe prometeu um cargo na linha ferroviária. Se aplicam a ele amanhã;

I fez uma reverência e agradeceu-lhe para o problema que ela tinha tomado. “E você pode desistir

dessa”, disse ela, indicando o livro de exercícios.

Minha irmã e ela foi até Madame Azhogin e por dois minutos eles estavam sussurrando com ela olhando para
mim; eles estavam consultando sobre algo. “Sim, é verdade”, disse Madame Azhogin, suavemente vindo até mim
e olhando atentamente para o meu rosto. “Sim, de fato, se isso distrai-lo de perseguições graves”, ela pegou o livro
manuscrito de minhas mãos - “você pode entregá-la a outra pessoa; não se desgaste, meu amigo, ir para casa, e
boa sorte para você.”

Eu disse adeus a ela, e retirou-se superar com a confusão. Como eu desci as escadas, vi minha irmã e Anyuta
Blagovo indo embora; eles estavam acelerando junto, falando ansiosamente sobre algo, provavelmente sobre o meu
indo para o serviço ferroviário. Minha irmã nunca tinha sido em um ensaio antes, e agora ela foi provavelmente
atingida pela consciência, e
medo de que seu pai pode descobrir que, sem a sua permissão, ela tinha sido para o Azhogins'!

Eu fui para o próximo dia Dolzhikov entre doze e um. O criado conduziu-me a uma muito bela sala, que
era a sala de visitas do engenheiro, e, ao mesmo tempo, seu estudo de trabalho. Tudo aqui era suave e
elegante, e, para um homem tão acostumado a luxo como eu estava, parecia estranho. Havia tapetes
caros, enormes poltronas, bronzes, imagens, ouro e molduras de pelúcia; Entre as fotografias
espalhadas sobre as paredes havia mulheres muito bonitas, inteligentes, encantadores rostos, atitudes
fáceis; da sala de estar havia uma porta que leva direto para o jardim para uma varanda: podia-se ver
árvores lilás; podia-se ver uma mesa posta para o almoço, um número de garrafas, um buquê de rosas;
houve uma fragrância da primavera e caros charutos, uma fragrância de felicidade, e tudo parecia como
se diria:

“Você veio para ver o meu pai?”, Ela perguntou. “Ele está tendo um banho de chuveiro; ele estará aqui diretamente. Por favor,

sente-se e espere.”Eu me sentei.

“Eu acredito que você vive oposto?”, Ela me perguntou, depois de um breve silêncio. "Sim."

“Estou tão entediado que eu vê-lo todos os dias para fora da janela; você deve me desculpar “, continuou ela, olhando
para o jornal“, e muitas vezes eu ver sua irmã; ela sempre tem esse olhar de bondade e concentração.”

Dolzhikov entrou. Ele estava esfregando seu pescoço com uma toalha. “Papa,

Monsieur Poloznev”, disse sua filha.

“Sim, sim, Blagovo estava me dizendo,” ele virou bruscamente para mim sem me dar a mão. “Mas escute, o que posso lhe dar? Que tipo
de mensagens que eu tenho? Você é um conjunto estranha de pessoas!”, Ele continuou em voz alta em um tom como se estivesse me
dando uma palestra. “Uma pontuação de você continuar vindo para mim todos os dias; você imagina Eu sou o chefe de um
departamento! Estou construindo uma linha ferroviária, meus amigos; Eu tenho emprego para trabalho pesado: Eu preciso mecânicos,
ferreiros, navvies, carpinteiros, bem-ralos, e nenhum de vocês pode fazer nada, mas se sentar e escrever! Vocês são todos
funcionários.”

E ele pareceu-me ter o mesmo ar de felicidade como seus tapetes e poltronas. Ele era forte e saudável, corado de bochechas e de
peito largo, com uma camisa de algodão de impressão e calças cheios como uma china brinquedo trenó-piloto. Ele tinha uma
cacheados, barba e redondo não um único fio de cabelo, um nariz adunco cinza, e, escuro, olhos cândidos claras.

“O que você pode fazer?”, Ele continuou. “Não há nada que você pode fazer! Eu sou um engenheiro. Eu sou um homem de uma

posição assegurada, mas antes que eles me deram uma linha ferroviária eu estava há anos no chicote de fios; Eu tenho sido um

mecânico prático. Por dois anos eu trabalhei na Bélgica como um lubrificador. Você pode julgar por si mesmo, meu caro amigo, que tipo

de trabalho eu posso lhe oferecer?”‘Claro que é tão ...’eu murmurei em extrema confusão, incapaz de enfrentar seus olhos claros,

cândidos.
“Você pode trabalhar o telégrafo, de qualquer forma?”, Ele perguntou, depois de um momento de reflexão. “Sim, eu

tenho sido um funcionário de telégrafo.”

“Hm! Bem, vamos ver então. Enquanto isso, ir para Dubetchnya. Eu tenho um companheiro lá, mas ele é uma criatura
miserável.”

“E o que é que os meus deveres consiste?”, Perguntei.

"Veremos. Vá ali; Enquanto isso eu vou fazer arranjos. Só por favor, não se embriagar, e não me preocupar

com pedidos de qualquer tipo, ou eu te enviar as malas.”Ele se afastou de mim sem sequer um aceno de

cabeça.

Abaixei a ele e sua filha que estava lendo um jornal, e foi embora. Meu coração estava tão pesada, que, quando a minha irmã
começou a me perguntar como o engenheiro havia me recebido, eu não conseguia pronunciar uma única palavra.

Levantei-me cedo pela manhã, ao nascer do sol, para ir para Dubetchnya. Não havia uma alma no nosso Grande
Dvoryansky Street; todos estavam dormindo, e meus passos ressoou com um som solitário, oco. Os choupos, cobertos
com orvalho, preenchido com o ar suave fragrância. Fiquei triste, e não queria ir para longe da cidade. Eu gostava de
minha cidade natal. Parecia ser tão bonito e tão confortável! Eu amei o verde fresco, o ainda, manhã ensolarada, o
repicar dos nossos sinos; mas as pessoas com quem eu vivi nesta cidade foram chato, estranho para mim, às vezes até
repulsivo. Eu não gostava deles nem compreendê-los.

Eu não entendi o que essas sessenta e cinco mil pessoas viviam por e para. Eu sabia que Kimry vivido por botas, que Tula
fez samovares e armas, que Odessa era um porto de mar, mas o que nossa cidade foi, eo que ele fez, eu não sabia.
Grande Dvoryansky rua e as duas outras ruas mais inteligentes viviam dos rendimentos do capital, ou sobre os salários
recebidos pelos funcionários do tesouro público; mas o que os outros oito ruas, que corria paralela por mais de duas milhas
e desapareceu além das colinas, viveu em cima, sempre foi um enigma insolúvel para mim. E a maneira como essas
pessoas viviam um é vergonha para descrever! No jardim, há teatro, nenhuma banda decente; a biblioteca pública e na
biblioteca do clube só foram visitados por jovens judeus, de modo que as revistas e livros novos deitou por meses sem
cortes; pessoas ricas e bem-educados dormia perto, quartos abafado, em estrados de madeira infestada com insectos; seus
filhos foram mantidos em salas revoltingly sujas chamados viveiros, e os servos, até mesmo os antigos e respeitados
queridos, dormia no chão da cozinha, coberta com trapos. Em dias comuns as casas cheirava a sopa de beterraba, e em
dias de jejum de esturjão cozido em óleo de girassol. A comida não era boa, e a água potável era prejudicial. No conselho
da cidade, pelo governador de, na cabeça sacerdote, em todos os lados em casas particulares, as pessoas vinham dizendo
há anos e anos que a nossa cidade não tinha um bom e barato de abastecimento de água, e que era necessário obter uma
empréstimo de duzentos mil do Tesouro para deitado na água; pessoas muito ricas, dos quais três dúzias poderia ter sido
contados em nossa cidade, e que às vezes perderam propriedades inteiras de cartões, bebeu a água poluída, também, e
falou todas as suas vidas com grande emoção de um empréstimo para o abastecimento de água, e eu não entendia isso;
pareceu-me que teria sido mais simples para levar os duzentos mil fora de seus próprios bolsos e coloque-o sobre esse
objeto.

Eu não sabia que um homem honesto na cidade. Meu pai aceitaram suborno, e imaginou que eles foram-lhe dado
por respeito por suas qualidades morais; na escola, a fim de ser
moveu-se rapidamente de uma classe para outra, os meninos foram para embarcar com seus professores, que lhes pediram
somas exorbitantes; a esposa do comandante militar tomou subornos dos recrutas quando foram chamados antes do
conselho e até mesmo dignou a aceitar refrescos a partir deles, e em uma ocasião não podia levantar-se de joelhos na
igreja, porque ela estava bêbada; os médicos aceitaram suborno, também, quando os recrutas veio para exame, eo médico
da cidade e do médico veterinário cobrado um imposto regular sobre lojas dos talhos e restaurantes; na escola do distrito
fizeram um comércio de certificados, de qualificação para isenção parcial do serviço militar; o alto clero tomou subornos dos
sacerdotes mais humildes e para os anciãos da igreja; no Municipal, os Artisans', e todas as outras placas de cada
requerente foi perseguido um grito por: “Não se esqueça seus agradecimentos!” E o peticionário voltaria para dar seis pence
ou um xelim. E aqueles que não aceitam suborno, tais como os altos funcionários do Departamento de Justiça, foram
arrogante, ofereceu dois dedos em vez de apertar as mãos, foram distinguidos pela frigidez e estreiteza de seus
julgamentos, passou uma grande parte do tempo ao longo cartões, bebia em excesso, herdeiras casados, e, sem dúvida,
teve uma influência corruptora pernicioso sobre aqueles que os rodeiam. Foi apenas as meninas que ainda tinham a
fragrância fresca de pureza moral; a maioria deles tinha impulsos mais elevados, corações puros e honestos; mas eles não
tinham compreensão da vida, e acreditava que subornos foram dadas por respeito a qualidades morais, e depois eles se
casaram envelheceu rapidamente, deixar-se ir completamente, e afundou-se irremediavelmente no atoleiro do vulgar
existência burguesa, mesquinho.

III

A linha férrea foi sendo construído no nosso bairro. Na véspera de dias de festa as ruas estavam repletas de companheiros
irregulares quais os habitantes da cidade chamado “navvies”, e de quem eles estavam com medo. E mais de uma vez que
eu tinha visto um desses maltrapilhos com um semblante manchado de sangue sendo levado para a delegacia de polícia,
enquanto um samovar ou alguma roupa de cama, molhado da lavagem, foi levada para trás por meio de provas materiais.
Os navvies geralmente reuniam sobre as tabernas e do mercado local; bebiam, comiam, e usou a linguagem ruim, e
prosseguida com apitos estridentes cada mulher de comportamento luz que passavam. Para entreter essa ralé fome nossos
lojistas fez cães e gatos bebido com vodka, ou amarrado uma lata de querosene velha à cauda de um cão; um clamor foi
levantado, e que o cão correu ao longo da rua, balançando a lata, gritando de terror; ele alguma vez pensou monstro estava
perto em cima de seus saltos; ele seria executado longe da cidade para o campo aberto e não afundar exausto. Havia na
cidade da vários cães que foram sobre a tremer com o rabo entre as pernas; e as pessoas diziam esse desvio tinha sido
demais para eles, e eles tinham enlouquecido.

A estação estava sendo construído quatro milhas da cidade. Diz-se que os engenheiros pediu um suborno de
cinqüenta mil rublos para trazer a linha até a cidade, mas a prefeitura só iria consentir em dar quarenta mil; eles não
poderiam chegar a um acordo sobre a diferença, e agora as pessoas da cidade se arrependeu, pois eles tiveram que
fazer uma estrada para a estação e que, isso lhe foi imputado, custaria mais. Os dormentes e trilhos tinha sido
colocado ao longo de todo o comprimento da linha, e os trens correu para cima e para baixo, trazendo materiais de
construção e trabalhadores, e mais progresso só foi adiada por causa das pontes
que Dolzhikov estava construindo, e algumas das estações foram ainda não terminou. Dubetchnya, como nossa primeira estação foi

chamado, era um pouco menos de doze milhas da cidade. Eu andei. Os campos de milho, banhadas pelo sol da manhã, eram verde

brilhante. Era um país alegre plana, e ao longe, havia os diferentes contornos da estação, de suínos machos castrados antigos e distantes

herdades .... Que bom que foi lá fora no aberto! E como eu desejava ser preenchido com a sensação de liberdade, mesmo que apenas por

que uma manhã, que eu não poderia pensar que estava sendo feito na cidade, não acho que as minhas necessidades, não sentir fome!

Nada tão desfigurado minha existência como uma sensação aguda de fome, o que fez imagens de mingau de trigo sarraceno, rissoles, e

peixe assados ​misturam estranhamente com os meus melhores pensamentos. Aqui eu estava sozinho em campo aberto, olhando para cima

em uma brincadeira que pairavam no ar no mesmo local, trilling como se em histeria, e enquanto isso eu estava pensando: “Como seria bom

para comer um pedaço de pão e manteiga!” Ou eu iria sentar-se pela estrada para descansar, e fechei os olhos para ouvir os deliciosos

sons de Maio, eo que me assombrou foi o cheiro de batatas quentes. Embora eu era alto e fortemente construído, eu tinha como uma

pequena regra para comer, e assim a sensação predominante durante todo o dia foi a fome, e talvez fosse por isso que eu conhecia tão

bem como é que essas multidões de pessoas trabalham apenas para o seu diário pão, e podemos falar de nada além de coisas para comer.

No Dubetchnya foram reboco o interior da estação, ea construção de um piso superior de madeira para o galpão de bombeamento. Estava

quente; houve um cheiro de cal, e os operários passeou distraidamente entre os montes de aparas e entulho argamassa. O pointsman

dormia perto de sua guarita, eo sol estava brilhando cheia no rosto. Não havia uma única árvore. O fio telegráfico cantarolava baixinho e

falcões foram empoleira-se em-lo aqui e ali. I, errante, também, entre os montes de lixo, e não saber o que fazer, recordou como o

engenheiro, em resposta à minha pergunta o que os meus deveres consistiriam em, tinha dito: “Vamos ver quando você está lá”; mas o que

se poderia ver em que deserto? Os estucadores falou do capataz, e de uma certa Fyodot Vasilyev. Eu não entendia, e gradualmente fui

tomado pela depressão física depressão -a em que um está consciente de seus braços e pernas e corpo enorme, e não sabe o que fazer

com eles ou onde colocá-los. O pointsman dormia perto de sua guarita, eo sol estava brilhando cheia no rosto. Não havia uma única árvore.

O fio telegráfico cantarolava baixinho e falcões foram empoleira-se em-lo aqui e ali. I, errante, também, entre os montes de lixo, e não saber

o que fazer, recordou como o engenheiro, em resposta à minha pergunta o que os meus deveres consistiriam em, tinha dito: “Vamos ver

quando você está lá”; mas o que se poderia ver em que deserto? Os estucadores falou do capataz, e de uma certa Fyodot Vasilyev. Eu não

entendia, e gradualmente fui tomado pela depressão física depressão -a em que um está consciente de seus braços e pernas e corpo

enorme, e não sabe o que fazer com eles ou onde colocá-los. O pointsman dormia perto de sua guarita, eo sol estava brilhando cheia no

rosto. Não havia uma única árvore. O fio telegráfico cantarolava baixinho e falcões foram empoleira-se em-lo aqui e ali. I, errante, também,

entre os montes de lixo, e não saber o que fazer, recordou como o engenheiro, em resposta à minha pergunta o que os meus deveres

consistiriam em, tinha dito: “Vamos ver quando você está lá”; mas o que se poderia ver em que deserto? Os estucadores falou do capataz, e

de uma certa Fyodot Vasilyev. Eu não entendia, e gradualmente fui tomado pela depressão física depressão -a em que um está consciente de seus br

Depois que eu tinha andado sobre, pelo menos, um par de horas, notei que havia postes telegráficos correndo para a
direita da estação, e que terminou uma milha ou uma milha e meia de distância de uma parede de pedra branca. Os
operários me disse que o escritório estava lá, e, finalmente, eu refleti que era onde eu deveria ir.

Foi uma muito antiga casa senhorial, abandonado há muito tempo. A parede em volta dele, de pedra branco poroso, foi
mouldering e tinha caído em lugares, e o alojamento, a parede em branco do que parecia no campo aberto, tinha um
telhado oxidado com manchas de estanho-placa brilhantes aqui e ali, isto. Dentro dos portões podiam ser vistos um pátio
espaçoso, cheio de ervas daninhas difíceis, e uma antiga casa senhorial com toldos nas janelas, e um alto telhado
vermelho com ferrugem. Dois alojamentos, exatamente iguais, estavam um de cada lado da casa para a direita e para a
esquerda: um tinha suas janelas pregadas com tábuas; perto da outra, das quais as janelas estavam abertas, houve
lavagem na linha, e havia bezerros em movimento sobre. O último dos postes telegráficos estavam no pátio, eo fio dela
correu para a janela da loja, da qual a parede em branco olhou para o campo aberto. A porta aberta; Eu
entrou pelo aparelho telegráfico um cavalheiro com uma cabeça escuro encaracolado, vestindo um casaco reefer feito de

lona, ​estava sentado em uma mesa.; ele me olhou melancolicamente por baixo das sobrancelhas, mas logo sorriu e disse:

“Olá, melhor do que nada”

Foi Ivan Tcheprakov, um velho colega de escola do meu, que tinha sido expulso da segunda classe para fumar. Nós
utilizado de uma só vez, durante o outono, para pegar pintassilgos, tentilhões, e Linnets juntos, e vendê-los no mercado
no início da manhã, enquanto os nossos pais ainda estavam em suas camas. Vimos por bandos de estorninhos migram e
atirou-os com tiro pequeno, então pegou aqueles que foram feridos, e alguns deles morreram em nossas mãos em
agonias terríveis (Lembro-me até hoje como eles gemeu na gaiola à noite) ; aqueles que recuperou vendido, e jurou com
a maior desfaçatez que eles eram todos os galos. Em uma ocasião no mercado Eu tinha apenas um estorninho esquerda,
que eu tinha oferecido a compradores em vão, até que finalmente ele me vendeu por um ceitil. “De qualquer forma, é
melhor do que nada”, eu disse para mim mesmo confortar, como eu colocar o centavo no bolso, ea partir desse dia, os
meninos de rua e os estudantes me chamou: “Melhor do que o nada”; e até hoje os meninos de rua e os lojistas zombar
de mim com o apelido, embora ninguém se lembra de como ele surgiu.

Tcheprakov não era de constituição robusta: ele era estreito de peito, ombros redondo, e de pernas longas. Ele usava um
cordão de seda para um empate, tinha nenhum vestígio de um colete, e suas botas eram piores que o meu, com os
calcanhares pisada de um lado. Ele olhou, nem sequer piscar, com uma expressão tensa, como se estivesse indo só para
pegar alguma coisa, e ele estava sempre em confusão.

“Você espere um minuto”, ele diria fussily. "Você escuta… . O que quer que eu estava falando?”Entramos conversa.
Eu aprendi que a propriedade em que eu estava agora tinha até recentemente a propriedade do Tcheprakovs, e
tinha apenas o Outono, antes passou para a posse de Dolzhikov, que considerou mais rentável de colocar seu
dinheiro em terra do que para mantê-lo em notas , e já tinha comprado três bom tamanho propriedades hipotecadas
a nossa vizinhança. Na venda mãe de Tcheprakov tinha reservado para si o direito de viver para os próximos dois
anos em uma das lojas no lado, e tinha obtido um post para seu filho no escritório.

“Eu deveria pensar que ele poderia comprar!”, Disse Tcheprakov do engenheiro. “Veja o que ele Polares fora só os
contratantes! Ele Polares todos!”

Então ele me levou para jantar, decidindo fussily que eu deveria viver com ele na loja, e ter minhas refeições de
sua mãe.

“Ela é um pouco mesquinho”, disse ele, “mas ela não vai cobrar-lhe muito.”

Foi muito apertado nas pequenas salas em que sua mãe viveu; eles estavam todos, mesmo a passagem ea entrada,
empilhados com mobiliário que tinha sido trazida da casa grande após a venda; e os móveis foram todos old-fashioned
mogno. Madame Tcheprakov, uma senhora muito robusto de meia-idade com olhos oblíquos chineses, estava sentado
em uma grande poltrona perto da janela, tricotando uma meia. Ela me recebeu cerimoniosamente.

“Este é Poloznev, mamma”, Tcheprakov me apresentou. “Ele vai servir aqui.”


“Você está um nobre”, ela perguntou com uma voz estranha, desagradável: pareceu-me a soar como se a gordura

foram borbulhando na garganta. “Sim”, eu respondi. "Sentar-se."

O jantar foi um pobre. Nada foi servido, mas tortas cheio com coalhada amargo, e sopa de leite. Elena Nikiforovna, que
presidiu, manteve a piscar de uma maneira estranha, primeiro com um olho e depois com a outra. Ela falou, ela comeu,
mas ainda havia algo mortal sobre toda a sua figura, e um quase imaginou o leve cheiro de um cadáver. Havia apenas
um vislumbre da vida nela, um lampejo de consciência que ela tinha sido uma senhora que já tinha tido seus próprios
servos, que ela era a viúva de um general quem os servos tiveram que enfrentar como “Vossa Excelência”; e quando
estas relíquias frágeis da vida cintilou em seu por um instante que ela diria a seu filho:

“Jean, você não está segurando a faca corretamente!”

Ou ela diria para mim, respirando fundo, com o ar picagem de uma hostess tentando entreter um visitante:

“Você sabe que nós vendemos nossa propriedade. É claro que é uma pena, que são usados ​para o lugar, mas
Dolzhikov prometeu fazer Jean stationmaster de Dubetchnya, por isso não terá que ir embora; viveremos aqui na
estação, e que é apenas o mesmo que estar na nossa propriedade! O engenheiro é tão bom! Você não acha que ele
é muito bonito?”Até recentemente, o Tcheprakovs tinha vivido em um estilo rico, mas desde a morte do geral tudo
tinha sido mudado. Elena Nikiforovna tinha levado a brigar com os vizinhos, de ir para a lei, e não pagar seus oficiais
de justiça ou seus trabalhadores; ela estava em constante terror de ser roubado e, em alguns dez anos Dubetchnya
havia se tornado irreconhecível.

Por trás da grande casa era um antigo jardim que já havia correr solta, e foi cheio de ervas daninhas e arbustos. Eu
andava para cima e para baixo da varanda, que ainda era sólido e bonito; através das portas de vidro se podia ver um
quarto com piso parquetted, provavelmente desenho-sala de; um piano e fotos de old-fashioned em quadros de
mogno profundas
- não havia mais nada. Nos velhos canteiros tudo o que restava eram peônias e papoulas, que levantaram suas
cabeças vermelhas brancas e brilhantes acima da grama. bordos e olmos jovens, já mordiscou pelas vacas, cresceu ao
lado dos caminhos, elaborado e impedindo o crescimento do outro. O jardim era densamente cobertas e parecia
intransponível, mas este foi apenas perto da casa onde lá estava choupos, pinheiros e limetrees velhos, todos da
mesma idade, relíquias dos antigos caminhos. Mais adiante, além deles o jardim tinha sido apagado por uma questão
de feno, e aqui não era úmido e abafado, e havia teias de aranha não na boca e os olhos. Uma leve brisa soprava.
Quanto mais um foi o mais aberto que era, e aqui no espaço aberto foram cerejas, ameixas, e espalhando macieiras,
desfiguradas por adereços e pelo cancro; e pereiras-árvores tão altas que não se podia acreditar que eram de pêra
árvores. Esta parte do jardim foi deixar a alguns comerciantes da cidade, e foi protegido contra ladrões e estorninhos
por um camponês débil mental que vivia em um barraco na mesma.

O jardim, crescendo mais e mais aberto, até que se tornou definitivamente um prado, inclinado
até o rio, que estava cheio de ervas daninhas verdes e vimes. Perto do milldam foi o millpond, profunda e
completa de peixe; um pouco moinho com um telhado de palha estava trabalhando afastado com um som irado, e
rãs resmungou furiosamente. Círculos passado ao longo do tempo através da água lisa, como um espelho, e a
água-lírios tremia, agitada pelo peixe vivo. No outro lado do rio estava a pequena aldeia Dubetchnya. O ainda,
azul millpond foi sedutor com sua promessa de frieza e paz. E agora tudo isso, o millpond eo moinho eo banks-
aparência confortável pertencia ao engenheiro!

E assim o meu novo trabalho começou. I recebeu e encaminhou telegramas, escreveu vários relatórios, e fez cópias justo dos
bônus de requisitos, as queixas e os relatórios enviados ao escritório pelos capatazes analfabetos e operários. Mas para a maior
parte do dia eu não fiz nada, mas andar pela sala esperando por telegramas, ou feito um menino sentam-se no alojamento,
enquanto eu fui para uma caminhada no jardim, até que o menino correu para me dizer que houve uma batida na máquina de
funcionamento. Eu tinha jantar no Madame Tcheprakov de. Carne tivemos muito raramente: os nossos pratos foram todos feitos
de leite, e quartas-feiras e sextas-feiras eram dias de jejum, e nesses dias tivemos placas-de-rosa que foram chamados placas
quaresmais. Madame Tcheprakov estava continuamente a piscar -foi seu hábito invariável, e eu sempre sentia pouco à vontade
em sua presença.

Como não havia trabalho suficiente na loja para um, Tcheprakov não fez nada, mas simplesmente cochilou,
ou foi com sua arma para atirar patos no millpond. À noite ele bebeu demais na aldeia ou da estação, e
antes de ir para a cama olhou no espelho e disse: “Olá, Ivan Tcheprakov.”

Quando ele estava bêbado, ele estava muito pálido, e manteve esfregando as mãos e rindo com um som como um relincho:
“hee-hee-hee” A título de bravata que ele usou para tirar e correr sobre o país nu. Ele costumava comer moscas e dizer que
eles eram bastante azedo.

IV

Um dia, depois do jantar, ele correu sem fôlego para o lodge e disse: “Vá ao longo, sua irmã chegou”.

Fui para fora, e lá encontrei um freio contratados a partir da cidade de pé diante da entrada da grande casa. Minha
irmã tinha entrado com Anyuta Blagovo e um cavalheiro com uma túnica militar. Subindo mais perto eu reconheci a
última: era o irmão de Anyuta Blagovo, o médico do exército.

“Chegamos a você para um piquenique”, disse ele; "Esta tudo certo?"

Minha irmã e Anyuta queria perguntar como eu estava ficando aqui, mas ambos ficaram em silêncio, e simplesmente olhou para mim.
Fiquei em silêncio também. Eles viram que eu não gostava do lugar, e as lágrimas vieram aos olhos da minha irmã, enquanto Anyuta
Blagovo ficou vermelha.

Nós fomos para o jardim. O médico chegou à frente de todos nós e disse com entusiasmo: “O ar!

Santa Mãe, o ar!”

Na aparência, ele ainda era um estudante. E ele andava e falava como um estudante, eo
expressão de seus olhos cinza era tão penetrante, honesto e franco como um bom aluno de. Ao lado de sua irmã alto e bonito
que ele parecia frágil e magro; e sua barba era magra demais, e sua voz, também, era um tenor fino mas agradável. Ele estava
servindo em um regimento em algum lugar, e tinha voltado para casa para o seu povo para um feriado, e disse que estava indo
no outono para Petersburgo para seu exame como um médico de medicina. Ele já era um homem de família, com uma esposa
e três filhos, ele havia se casado muito jovem, em seu segundo ano na Universidade, e agora as pessoas na cidade disse que
estava infeliz em sua vida familiar e não estava vivendo com sua esposa.

“Que horas são?”, Minha irmã perguntou inquieto. “Temos de voltar em tempo útil. Papa deixe-me vir para ver o meu irmão com a

condição de que eu estava de volta às seis.”‘Oh, incomodar o seu papa!’, Suspirou o médico.

Eu defini o samovar. Nós colocamos um tapete antes da varanda da casa grande e tinha o nosso chá lá, eo
médico ajoelhou-se, bebeu fora de seu pires, e declarou que ele agora sabia o que felicidade era. Então
Tcheprakov veio com a chave e abriu a porta de vidro, e todos nós fomos para a casa. Lá estava meio escuro e
misterioso, e cheirava de cogumelos, e nossos passos tinha um som oco como se houvesse adegas sob o piso. O
médico parou e tocou as teclas do piano, e ele respondeu vagamente com um husky, tremendo, mas acordes
melodiosos; ele tentou a voz e cantou uma canção, franzindo a testa e batendo impaciente com o pé quando
alguma nota era mudo. Minha irmã não falar em ir para casa, mas caminhou sobre os quartos e ficava dizendo:
“Como estou feliz! Como estou feliz!”

Havia um tom de espanto em sua voz, como se parecia-lhe incrível que ela também podia sentir
light-hearted. Foi a primeira vez na minha vida que eu a tinha visto tão feliz. Ela realmente parecia mais
bonita. No perfil ela não parecia agradável; o nariz ea boca parecia ficar fora e tinha uma expressão
como se estivesse fazendo beicinho, mas ela tinha lindos olhos escuros, uma pele muito delicada
pálida, e uma expressão tocante de bondade e melancolia, e quando ela falou ela parecia encantador e
mesmo bonita. Nós dois, eu e ela, tomou depois da nossa mãe, foram ombros largos, fortemente
construído, e capaz de resistência, mas sua palidez era um sinal de falta de saúde; muitas vezes ela
tinha uma tosse, e eu às vezes pego em seu rosto que olha se vê em pessoas que estão gravemente
doentes, mas por alguma razão esconder o fato.

Mas quando a noite chegou e os cavalos foram trazidos rodada, minha irmã se afundou em silêncio e parecia
magro e encolhido, e ela entrou no freio como se estivesse indo para o cadafalso.

Quando todos tinham ido embora, e o som tinha morrido longe ... eu me lembrei que Anyuta Blagovo não tinha dito uma

palavra para mim o dia todo. “Ela é uma menina maravilhosa!”, Pensei. “Menina maravilhosa!”

rápido de St. Peter veio, e tivemos nada além de pratos quaresmais todos os dias. Eu estava sob o peso de depressão
física, devido à ociosidade e minha posição instável, e insatisfeito comigo mesmo. Apático e com fome, eu descansava
sobre o jardim e só esperou para uma adequada
vontade de ir embora.

Para a noite, um dia, quando Radish estava sentado no lodge, Dolzhikov, muito queimado e cinza com poeira, entrou
inesperadamente. Ele tinha sido de passar três dias em sua terra, e tinha vindo agora para Dubetchnya pelo vapor, e
caminhou até nós a partir da estação. Enquanto espera para o transporte, que estava para vir para ele a partir da cidade, ele
deu a volta a propriedade com seu oficial de justiça, dando ordens em voz alta, em seguida, sentou-se durante uma hora
inteira em nossa loja, escrevendo cartas. Enquanto ele estava lá telegramas veio para ele, e ele mesmo bateu fora as
respostas. Nós três ficaram em silêncio em atenção.

“O que uma confusão!”, Ele disse, olhando com desprezo para um livro de registro. “Em duas semanas eu estou transferindo o
escritório para a estação, e eu não sei o que estou a ver com você, meus amigos.”

“Eu faço o meu melhor, a sua honra”, disse Tcheprakov.

“Para ter certeza, eu ver como você fazer o seu melhor. A única coisa que você pode fazer é tomar o seu salário “, o engenheiro
continuou, olhando para mim; “Você continua contando com o patrocínio de _faire le carrière_ tão rapidamente e tão facilmente quanto
possível. Bem, eu não ligo para o patrocínio. Ninguém tomou qualquer problema em meu nome. Antes de eles me deram um contrato de
trem eu fui sobre como mecânico e trabalhou na Bélgica como um lubrificador. E você, Panteley, o que você está fazendo aqui?”, Ele
perguntou, virando-se para Radish. “Beber com eles?”

Ele, por algum motivo, sempre chamado pessoas humildes Panteley, e tal como eu e Tcheprakov desprezou, e
chamou-os bêbados, bestas e ralé para seus rostos. Ao todo ele era cruel para os subordinados humildes, e
usado para multá-los e desligá-los friamente, sem explicações.

Por fim os cavalos vieram para ele. Como ele disse adeus ele prometeu transformar-nos todos fora em duas semanas; ele chamou seu
oficial de justiça um blockhead; e então, pendendo à vontade em sua carruagem, dirigi de volta para a cidade.

“Andrey Ivanitch,” eu disse a Rabanete, “tomar-me como um operário.” “Ah, tudo bem!”

E partimos juntos na direção da cidade. Quando a estação ea casa grande com os seus edifícios foram
deixados para trás eu perguntei: “Andrey Ivanitch, por que você veio para Dubetchnya esta noite?”

“Em primeiro lugar meus companheiros estão trabalhando na linha, e em segundo lugar eu vim para pagar senhora do general
meu interesse. No ano passado eu emprestado cinquenta rublos dela, e eu pagar-lhe agora um rublo um interesse mês.”

O pintor parou e me levou pelo botão.

“Misail Alexeyitch, o nosso anjo”, ele continuou. “A maneira que eu olhar para ele é que se qualquer homem, suave ou simples, leva
mesmo o menor interesse, ele está fazendo o mal. Não pode haver verdade e da justiça de tal homem “.

Rabanete, magra, pálida, terrível-olhando, fechou os olhos, sacudiu a cabeça e, no tom de um filósofo,
pronunciado:

“Lice consumir a grama, a ferrugem consome o ferro, e deitado a alma. Senhor tenha piedade
sobre nós pecadores “.

Rabanete não era prático, e não foi de todo bom a formar uma estimativa; ele tomou mais trabalho do que ele poderia passar, e quando se

calcula que ele estava agitado, perdeu a cabeça, e assim foi quase sempre fora do bolso sobre seus trabalhos. Ele empreendeu pintura,

vidros, paperhanging e telhados ainda ladrilhos, e posso lembrar o seu correndo por três dias para encontrar tilers por causa de um trabalho

insignificante. Ele era um operário de primeira linha; às vezes ele ganhou tanto quanto dez rublos por dia; e se não fosse pelo desejo a todo

custo para ser um mestre, e para ser chamado um empreiteiro, ele provavelmente teria tido muito dinheiro. Ele foi pago pelo trabalho, mas

ele me e os outros operários pago ao dia, a partir de um e dois pence a dois shillings por dia. Quando estava bem seco e fizemos todos os

tipos de trabalho fora, principalmente pintar telhados. Quando eu era novo para o trabalho que fez meus pés queimam como se estivesse

andando em tijolos quentes, e quando eu colocar em botas se sentiam mais quente do que nunca. Mas este foi apenas no início; mais tarde

eu me acostumei com isso, e tudo correu às mil maravilhas. Eu estava vivendo agora entre as pessoas a quem o trabalho era obrigatório,

inevitável, e que trabalhou como carrinho-cavalos, muitas vezes sem a menor idéia do significado moral do trabalho, e, de fato, nunca

usando a palavra “trabalho” na conversa. Ao lado deles, eu também senti como um carrinho de-cavalo, crescendo cada vez mais imbuídos

do sentimento do caráter obrigatório e inevitável do que eu estava fazendo, e isso fez minha vida mais fácil, estabelecendo-me livre de toda

dúvida e incerteza. e tudo correu às mil maravilhas. Eu estava vivendo agora entre as pessoas a quem o trabalho era obrigatório, inevitável,

e que trabalhou como carrinho-cavalos, muitas vezes sem a menor idéia do significado moral do trabalho, e, de fato, nunca usando a

palavra “trabalho” na conversa. Ao lado deles, eu também senti como um carrinho de-cavalo, crescendo cada vez mais imbuídos do

sentimento do caráter obrigatório e inevitável do que eu estava fazendo, e isso fez minha vida mais fácil, estabelecendo-me livre de toda

dúvida e incerteza. e tudo correu às mil maravilhas. Eu estava vivendo agora entre as pessoas a quem o trabalho era obrigatório, inevitável,

e que trabalhou como carrinho-cavalos, muitas vezes sem a menor idéia do significado moral do trabalho, e, de fato, nunca usando a palavra “trabalho

No início, tudo me interessou, tudo era novo, como se eu tivesse nascido de novo. Eu poderia dormir no chão e ir sobre os pés
descalços, e que foi extremamente agradável; Eu poderia estar em uma multidão de pessoas comuns e haver nenhuma restrição
a ninguém, e quando um cavalo cabine caiu na rua eu corri para ajudá-la sem ter medo de sujar minhas roupas. E o melhor de
tudo foi, eu estava vivendo em minha própria conta e nenhum fardo para ninguém! Pintura telhados, especialmente com o nosso
próprio óleo e as cores, foi considerado como um trabalho particularmente rentável, e por isso este trabalho duro, sem brilho não
foi desdenhado, até mesmo por esses bons trabalhadores como Radish. Em calças curtas, e desperdiçado, roxo aparência
pernas, ele costumava ir sobre os telhados, parecendo uma cegonha, e eu costumava ouvi-lo, como ele exerceu seu pincel,
respirando pesadamente e dizendo: “ai, ai de nós pecadores !”

Ele caminhou sobre os telhados tão livremente como se estivesse em cima da terra. Apesar de seu estar doente e pálida como

um cadáver, sua agilidade foi extraordinário: ele usou para pintar as cúpulas e cúpulas das igrejas sem andaimes, como um

homem jovem, com apenas a ajuda de uma escada e uma corda, e foi em vez horrível quando de pé sobre uma altura muito

longe da terra; ele gostaria de chamar a si mesmo ereto, e por alguma razão desconhecida pronuncia: “Lice consumir grama,

ferrugem consome ferro, e deitado a alma!” Ou, pensando em algo, responderia seus pensamentos em voz alta: “Qualquer coisa

pode acontecer! Qualquer coisa pode acontecer!”

Quando eu fui para casa do meu trabalho, todas as pessoas que estavam sentadas em bancos por parte do
portões, todos os shopmen e meninos e seus empregadores, fez sarcástico e observações rancorosas depois de mim, e isso me

chateou em primeiro lugar e parecia ser simplesmente monstruoso. “Melhor do que o nada!” Ouvi de todos os lados. “Pintor de casa!

amarelo ocre!”E ninguém se comportou de modo ungraciously para mim como aqueles que só tinha recentemente sido eles próprios

pessoas humildes, e tinha ganho o seu pão com o trabalho manual duro. Nas ruas cheias de lojas eu estava mais uma passagem de

quando a água foi jogada em cima de mim como se por acidente, e em uma ocasião, alguém disparou para fora com uma vara em

mim, enquanto um peixeiro, um velho de cabelos grisalhos, barrado meu caminho um ironmonger e disse, olhando para mim com

raiva: “Eu não estou triste por você, seu idiota! É o seu pai Lamento.”

E meus conhecidos eram, por algum motivo superado com vergonha quando me conheceu. Alguns deles olhou para mim
como um peixe estranha e um tolo quadrinhos; outros eram pena de mim; outros não sabia que atitude tomar-se para
mim, e era difícil fazê-los fora. Um dia conheci Anyuta Blagovo numa rua lateral perto de Great Dvoryansky Street. Eu
estava indo para o trabalho, e estava levando duas escovas de comprimento e um balde de tinta. Reconhecendo me
Anyuta carmesim corada.

“Por favor, não dobrará a mim na rua”, disse ela, nervosa, duramente, e com voz trêmula, sem oferecer-me sua mão, e as
lágrimas de repente brilhou em seus olhos. “Se a sua mente tudo isso é necessário, que assim seja ... que assim seja, mas
peço-lhe para não me conhecer!” Eu já não vivia na Grã Dvoryansky Street, mas no subúrbio com a minha velha ama
Karpovna, um bom- humorada, mas sombrio velha, que sempre foreboded algum dano, tinha medo de todos os sonhos, e até
mesmo nas abelhas e vespas que voaram em seu quarto viu presságios do mal, eo fato de que eu havia me tornado um
trabalhador, ao seu pensamento, boded nada bom. “Sua vida está arruinada”, ela diria, tristemente sacudindo a cabeça,
“arruinada”. Seu filho adotivo Prokofy, uma enorme rude companheiro, de cabeça vermelha de trinta anos, com bigodes
eriçados, um açougueiro de profissão, viveu na pequena casa com ela. Quando ele me encontrou na passagem que ele iria
abrir caminho para mim em silêncio respeitoso, e se ele estava bêbado, ele me saudar com todos os cinco dedos de uma só
vez. Ele costumava ter ceia à noite, e através da parede divisória de placas podia ouvi-lo limpar a garganta e suspiro quando
ele bebeu um copo atrás.

“Mamma”, ele iria chamar em voz baixa.

“Bem”, Karpovna, que estava apaixonadamente dedicado a seu filho adotivo, responderia: “O que é isso, meu filho?”

“Eu posso mostrar-lhe um testemunho do meu afecto, mamma. Tudo nesta vida terrena eu vou amar você em seus anos de
declínio neste vale de lágrimas, e quando você morrer, eu vou enterrá-lo às minhas custas; Já o disse, e você pode
acreditar.”

Levantei-me todas as manhãs antes do nascer do sol, e fui para a cama cedo. Nós House Painters comeu muito e dormia
profundamente; a única coisa errada foi que meu coração batia violentamente à noite. Eu não brigar com meus companheiros.
abuso violento, juramentos desesperadas e desejos, tais como, “explodir seus olhos”, ou “A cólera levá-lo”, nunca deixou todo o
dia, mas, no entanto, vivemos em condições muito amigáveis. Os outros companheiros suspeita-me de ser algum tipo de
sectary religiosa, e fez piadas bem-humorada à minha custa, dizendo que mesmo meu próprio pai tinha
me deserdou, e, logo após gostaria de acrescentar que eles raramente entrou no templo de si mesmos a Deus, e que muitos
deles não tinha sido a confissão por dez anos. Eles justificou esta frouxidão da parte deles, dizendo que um pintor entre os
homens era como uma gralha entre as aves.

Os homens tinham uma boa opinião de mim, e me tratou com respeito; era evidente que o meu não beber, não fumar, mas
levando uma vida tranquila, estável agradou muito. Foi apenas um choque desagradável para eles que eu não tomou
nenhuma mão em roubar o petróleo e não ir com eles para pedir dicas de pessoas em cuja propriedade estávamos
trabalhando. Roubar petróleo e tintas daqueles que os empregava era costume de um pintor de casa, e não foi considerado
como roubo, e foi notável que mesmo assim ereta um homem como Radish sempre levar embora um pouco de chumbo
branco e petróleo como ele foi para casa do trabalho . E até mesmo os companheiros de idade mais respeitáveis, que
possuíam as casas em que viviam no subúrbio, não tinham vergonha de pedir uma dica, e isso me fez sentir vexada e
vergonha de ver os homens vão em um corpo de felicitar alguma nulidade no início ou a conclusão do trabalho, e
agradecer-lhe com degradante servilismo quando eles tinham recebido uns cobres. Com os povos em cujo trabalho eles
estavam envolvidos eles se comportavam como cortesãos astutos, e quase todos os dias eu fui lembrado de Polônio de
Shakespeare.

“Imagino que vai chover”, o homem cuja casa estava sendo pintada diria, olhando para o céu.

“É, não há dúvida que é”, os pintores concordaria. “Eu não acho que é uma nuvem de chuva, no

entanto. Talvez ele não vai chover depois de tudo.”“Não, não vai, a sua honra! Tenho a certeza que não

vai “.

Mas a sua atitude para seus clientes nas suas costas era geralmente um de ironia, e quando viu, por
exemplo, um senhor sentado na varanda lendo um jornal, eles iriam observar:

“Ele lê o papel, mas eu ouso dizer que ele não tem nada para comer.”

Eu nunca fui para casa para ver meu próprio povo. Quando voltei do trabalho muitas vezes eu encontrei esperando por mim
pequenas notas, breve e ansiosos, em que minha irmã me escreveu sobre o meu pai; que tinha sido particularmente preocupado
no jantar e tinha comido nada, ou que ele tinha sido vertiginosa e surpreendente, ou que ele tinha se trancado em seu quarto e
não tinha saído por um longo tempo. Tais itens de notícias me perturbaram; Eu não conseguia dormir, e às vezes até mesmo
orientado para cima e para baixo Grande Dvoryansky Rua na noite por nossa casa, olhando pelas janelas escuras e tentando
adivinhar se estava tudo bem em casa. Aos domingos, minha irmã veio me ver, mas veio em segredo, como se não fosse para
mim, mas nossa enfermeira ver. E se ela veio me ver que ela estava muito pálida, com olhos manchados de lágrimas, e ela
começou a chorar ao mesmo tempo.

“Nosso pai nunca vai viver com isso”, ela diria. “Se alguma coisa acontecer com ele por Deus conceda não-seu
pode consciência irá atormentá-lo por toda a vida. É horrível, Misail; pelo amor de nossa mãe Rogo-vos:
reformar as suas formas “.

“Minha irmã querida,” eu diria, “como posso reformar os meus caminhos se eu estou convencido de que estou agindo de
acordo com a minha consciência? Entenda!"
“Eu sei que você está agindo em sua consciência, mas talvez isso poderia ser feito de forma diferente, de alguma forma, de
modo a não ferir ninguém.”

“Ah, santos santos!” A velha suspirou pela porta. “Sua vida está arruinada! Haverá problemas, meus queridos,
não haverá problema!”

VI

Um domingo Dr. Blagovo apareceu inesperadamente. Ele estava vestindo uma túnica militar sobre uma camisa de seda e
botas altas de couro.

“Eu vim para ver você”, ele começou, apertando minha mão cordialmente, como um estudante. “Eu estou ouvindo sobre você todos
os dias, e eu estava querendo vir e ter uma conversa de coração para coração, como eles dizem. O tédio na cidade é horrível, não
há uma alma viva, ninguém para dizer uma palavra para. É quente, Santa Mãe “, continuou ele, tirando a túnica e sentado em sua
camisa de seda. “Meu caro amigo, deixe-me falar com você.”

Fiquei aborrecido mim mesmo, e teve por muito tempo sido craving para a sociedade de alguém que não um pintor de casa. Eu
estava realmente feliz em vê-lo.

“Vou começar dizendo”, disse ele, sentado na minha cama “, que eu simpatizo com você do fundo do
meu coração, e profundamente respeitar a vida que você está levando. Eles não entendem que você
aqui na cidade, e, de fato, não há ninguém para entender, vendo que, como você sabe, eles são todos,
com muito poucas excepções, porco Gogolesque regulares enfrenta aqui. Mas eu vi que você estava em
uma vez que o tempo no piquenique. Você é uma alma nobre, um homem de mente elevada honesto!
Eu respeito você, e sinto uma grande honra para apertar as mãos com você!”, Ele continuou com
entusiasmo. “Para ter feito uma mudança tão completa e violenta da vida como você tem feito, você
deve ter passado por uma crise espiritual complicado, e para continuar esta forma de vida agora, e para
manter o alto padrão de suas convicções continuamente, deve ser uma pressão sobre sua mente e
coração de dia para dia.

Nós conversamos, e quando chegamos mediante trabalho manual I expressa essa idéia: a de que o que se pretende é
que o forte não deve escravizar os fracos, que a minoria não deve ser um parasita sobre a maioria, nem um vampiro
para sempre sugando sua seiva vital ; Ou seja, todos, sem exceção, fortes e fracos, ricos e pobres, devem participar
igualmente na luta pela existência, cada um por sua conta, e que não havia melhor meio para equalizar as coisas dessa
forma de trabalho manual, na forma de serviço universal, obrigatório para todos. “Então você acha que todos, sem
exceção deve se envolver em trabalho manual?”, Perguntou o médico. "Sim."

“E você não acha que, se todos, incluindo os melhores homens, os pensadores e grandes cientistas, que
participam na luta pela existência, cada um em sua própria conta, vão
desperdiçam seu tempo quebrando pedras e telhados de pintura, não pode, que ameaçam um grave perigo para o progresso?”

“Onde está o perigo?”, Perguntei. “Por que, o progresso é em atos de amor, no cumprimento da lei moral; se você não
escravizar ninguém, se você não oprimir a ninguém, o progresso ainda mais você quer?”

“Mas, desculpe-me”, Blagovo repente despediu-se, levantando-se. “Mas, desculpe-me! Se um caracol em suas si sinais de ocupado
Shell sobre aperfeiçoando sua própria personalidade e confusões sobre a lei moral, que você chama que o progresso?”

“Por confusões?” Eu disse, ofendido. “Se você não forçar seu vizinho para alimentar e vestir-lhe, para transportá-lo de lugar
para lugar e defendê-lo de seus inimigos, com certeza, no meio de uma vida inteiramente descansando sobre a escravidão,
que é o progresso, não é? Para minha mente é o progresso mais importante, e talvez a única possível e necessário para o
homem.”“Os limites do progresso mundial universal estão no infinito, e para falar de alguns progressos 'possível' limitado por
nossas necessidades e teorias temporária é , desculpa a minha dizer isso, positivamente estranho.”

“Se os limites do progresso estão no infinito como você diz, segue-se que os seus objectivos não são definitivos”, eu disse. “Para viver
sem saber definitivamente o que você está vivendo para!”

"Que assim seja! Mas que 'não saber' não é tão aborrecido como o seu 'saber'. Estou subindo uma escada que se chama
progresso, civilização, cultura; Eu continuo e sem saber definitivamente onde eu vou, mas realmente vale a pena viver para o
benefício de que a escada delicioso; enquanto você sabe o que você está vivendo para, você vive para o bem de algumas
pessoas não é escravizar outros, que o artista eo homem que esfrega as tintas podem jantar igualmente bem. Mas você sabe
que é o mesquinho, burguesa, cozinha, lado cinza da vida, e certamente ele é revoltante para viver só por isso? Se alguns
insetos fazer escravizar outros, incomodá-los, deixá-los devoram uns aos outros! Não precisamos pensar sobre elas. Você
sabe que eles vão morrer e decadência apenas o mesmo, no entanto zelosamente você resgatá-los da escravidão. Devemos
pensar que grande milênio que aguarda a humanidade no futuro remoto.”

Blagovo argumentou calorosamente comigo, mas ao mesmo tempo pode-se ver que ele estava preocupado com alguma idéia
irrelevante.

“Eu suponho que sua irmã não está vindo?”, Disse ele, olhando para o relógio. “Ela estava em nossa casa ontem, e disse que ela
seria vê-lo a-dia. Você continua dizendo a escravidão, escravidão ...”ele continuou. “Mas você sabe que é uma questão especial,
e todas essas questões são resolvidas pela humanidade gradualmente.”

Nós começamos a falar de fazer as coisas de forma gradual. Eu disse que “a questão de fazer o bem ou o mal cada um
resolve por si mesmo, sem esperar até a humanidade se instala-lo pelo caminho do desenvolvimento gradual. Além disso, este
processo gradual tem mais do que um aspecto. Lado a lado com o desenvolvimento gradual das idéias humanas o
crescimento gradual de idéias de outra ordem é observada. A servidão não é mais, mas o sistema capitalista está crescendo. E
mesmo no auge de emancipar idéias, assim como nos dias de Baty, a maioria alimenta, roupas, e defende a minoria,
permanecendo com fome, inadequadamente vestidos, e indefesos. Tal ordem de coisas pode ser feito para caber em
finamente com todas as tendências e correntes de pensamento que você gosta, porque a arte de escravizar também está
gradualmente sendo cultivada. Nós já não flog
nossos agentes no estábulo, mas nós damos à escravidão formas refinadas, pelo menos, conseguimos encontrar uma
justificação para isso em cada caso particular. As ideias são ideias com nós, mas se agora, no final do século XIX, fosse
possível colocar o fardo dos mais desagradáveis ​de nossas funções fisiológicas sobre a classe operária, que certamente
deve fazê-lo, e depois, é claro, justificar-nos dizendo que, se as melhores pessoas, os pensadores e grandes cientistas,
estavam a desperdiçar o seu precioso tempo sobre estas funções, o progresso pode ser ameaçado com grande perigo.”

Mas neste momento a minha irmã chegou. Vendo o médico que ela estava se agitaram e perturbado, e começou a
dizer imediatamente que era hora de ela ir para casa com o pai. “Kleopatra Alexyevna”, disse Blagovo sinceramente,
pressionando as duas mãos para seu coração, “o que vai acontecer com o seu pai se você passar meia hora ou mais
com o seu irmão e me?” Ele foi franco, e sabia como se comunicar sua vivacidade para outras. Depois de pensar um
momento, minha irmã riu, e de repente tornou-se de repente gay como tinha sido no piquenique. Fomos para fora do
país, e deitada na grama continuou com a nossa conversa, e olhou para a cidade onde todas as janelas frente para o
oeste eram como ouro brilhante porque o sol estava se pondo.

Depois disso, sempre que a minha irmã estava vindo me ver Blagovo transformou-se também, e eles sempre se
cumprimentaram como se a sua reunião no meu quarto foi acidental. Minha irmã ouviu enquanto o médico e eu discutimos,
e em tais ocasiões sua expressão era alegria entusiasta, cheio de ternura e curiosidade, e pareceu-me que um novo mundo
que ela nunca tinha sonhado antes e que ela agora estava se esforçando para entender , foi gradualmente abrindo diante de
seus olhos. Quando o médico não estava lá, ela estava quieta e triste, e agora, se ela às vezes derramar lágrimas enquanto
ela se sentava na minha cama foi por razões que ela não falou.

Em agosto Radish ordenou-nos para estar pronto para ir para a linha ferroviária. Dois dias antes de nós foram “banidos” da
cidade, meu pai veio me ver. Sentou-se e de uma forma descontraída, sem olhar para mim, limpou o rosto vermelho, em
seguida, tirou do bolso a nossa cidade _Messenger_, e deliberadamente, com ênfase em cada palavra, leu a notícia de que
o filho do gerente da agência de o Banco do Estado, um jovem da minha idade, tinha sido nomeado chefe de um
departamento no Ministério das Finanças.

“E agora olhar para você”, disse ele, dobrando o jornal, “um mendigo, em trapos, bom para nada! Mesmo a classe
trabalhadora e camponeses obter educação, a fim de se tornarem homens, enquanto você, um Poloznev, com
ancestrais de classificação e distinção, aspirar a calha! Mas eu não vim aqui para falar com você; Já lavei minhas mãos
de você -”, acrescentou em uma voz sufocada, levantando-se. “Eu vim para descobrir onde sua irmã é, você homem de
Belial. Ela saiu de casa depois do jantar, e aqui é quase oito anos e ela não está de volta. Ela tomou para sair
frequentemente sem me dizer; ela é menos obediente -e vejo nele a sua influência maligna e degradante. Onde ela
está?"

Em sua mão ele tinha o guarda-chuva que eu conhecia tão bem, e eu já estava nervosa e puxou-me para cima como um

colegial, esperando meu pai para começar a bater-me com ele, mas ele percebeu o meu olhar para o guarda-chuva e mais

provável que o contido. “Viva como você por favor!”, Disse. “Eu não o darei a minha bênção!”
“Santos Santos!” Minha enfermeira murmurou atrás da porta. “Você, pobre, criança azarado! Ah, meu coração é um mau presságio!”

Eu trabalhei na linha ferroviária. Choveu sem parar tudo de Agosto; era húmido e frio; eles não tinham realizado o milho nos campos, e em
grandes fazendas onde o trigo tinham sido cortadas por máquinas que não estava em feixes, mas em montes, e me lembro de como esses
montes infelizes de trigo virou mais negro todos os dias e o grão foi brotando em eles. Foi difícil para o trabalho; a chuva estragou tudo o
que conseguiu fazer. Nós não foram autorizados a viver ou dormir nos edifícios de ferrovia, e refugiou-se nas cabanas de barro úmido e
imundas em que os trabalhadores braçais tinham vivido durante o verão, e eu não conseguia dormir à noite para o frio ea woodlice
rastejando em meu rosto e mãos. E quando nós trabalhamos perto das pontes as navvies costumavam vir à noite em uma gangue,
simplesmente, a fim de bater o painters- era uma forma de desporto para eles. Eles costumavam bater-nos, para roubar nossas escovas. E
para nos irritar e despertar-nos para lutar contra eles usaram para estragar o nosso trabalho; eles seriam, por exemplo, esfregaço sobre as
caixas de sinal com tinta verde. Para completar nossos problemas, Rabanete tomou a pagar-nos muito irregular. Todo o trabalho de pintura
na linha foi dado a um empreiteiro; ele deu-lo para outro; e este subcontratante deu a Radish depois de subtrair vinte por cento. para ele
mesmo. O trabalho não era um rentável em si, ea chuva fez pior; tempo foi desperdiçado; nós não poderíamos trabalhar enquanto Radish
foi obrigado a pagar os companheiros a cada dia. Os pintores famintos quase chegaram a bater nele, o chamou de fraude, um sugador de
sangue, um Judas, enquanto ele, coitado, suspirou, levantou a mão para o céu em desespero, e foi continuamente indo para Madame
Tcheprakov para o dinheiro. E para nos irritar e despertar-nos para lutar contra eles usaram para estragar o nosso trabalho; eles seriam,
por exemplo, esfregaço sobre as caixas de sinal com tinta verde. Para completar nossos problemas, Rabanete tomou a pagar-nos muito
irregular. Todo o trabalho de pintura na linha foi dado a um empreiteiro; ele deu-lo para outro; e este subcontratante deu a Radish depois de
subtrair vinte por cento. para ele mesmo. O trabalho não era um rentável em si, ea chuva fez pior; tempo foi desperdiçado; nós não
poderíamos trabalhar enquanto Radish foi obrigado a pagar os companheiros a cada dia. Os pintores famintos quase chegaram a bater
nele, o chamou de fraude, um sugador de sangue, um Judas, enquanto ele, coitado, suspirou, levantou a mão para o céu em desespero, e foi continua

VII

Outono veio, chuvoso, escuro e lamacento. A temporada de desemprego, em conjunto, e eu costumava sentar-se em casa fora
do trabalho por três dias em um trecho, ou fez vários trabalhos pequenos, e não na linha de pintura. Por exemplo, eu rodado terra,
ganhando cerca de quatro pence por dia por ele. Dr. Blagovo tinha ido embora para Petersburgo. Minha irmã tinha desistido de vir
me ver. Radish foi colocado em casa doente, esperando a morte de dia para dia.

E meu humor era outonal também. Talvez porque, tendo-se tornado um trabalhador, eu vi a nossa vida da cidade
apenas a partir do lado obscuro, era meu muito quase todos os dias para fazer descobertas que me reduzidos
quase ao desespero. Aqueles de meus concidadãos, sobre o qual eu não tinha opinião antes, ou que tinham
externamente apareceu perfeitamente decente, acabou agora de ser base, pessoas cruéis, capaz de qualquer
ação suja. Nós, pessoas comuns foram enganados, enganado, e ficar esperando por horas a fio na entrada do frio
ou da cozinha; que foram insultado e tratados com a maior grosseria. No outono eu forrado sala de leitura-o e dois
outros quartos do clube; I foi pago um centavo três farthings a peça, mas teve que assinar um recibo, à taxa de
halfpenny dois pence, e quando eu me recusei a fazê-lo, um senhor de aparência benevolente em óculos de aros
de ouro,

“Se você dizer muito mais, você canalha, eu vou bater o seu rosto em uma geléia!” E quando o flunkey

sussurrou-lhe que eu era, o filho de Poloznev o arquiteto, ele


ficou constrangido, ficou vermelha, mas logo se recuperou e disse: “Diabo levá-lo”

Nas lojas que espalmou fora em nós, operários de carne podre, farinha de mofo, e chá que tinha sido usado e seca de novo; a
polícia empurrou-nos na igreja, os assistentes e enfermeiros no hospital nos roubaram, e se eram pobres demais para dar-lhes
um suborno eles se vingou, trazendo-nos alimentos em recipientes sujos. No pós-escritório oficial pettiest considerado que ele
tinha o direito de nos tratam como animais, e a gritar com insolência grosseiro: “Você espera” “Onde você está empurrando
para” Mesmo os Housedogs eram hostis a nós, e caiu em cima? -nos com crueldade peculiar. Mas a coisa que mais me
impressionou de tudo na minha nova posição foi a completa falta de justiça, o que é definido pelos camponeses nas palavras:
“Eles se esqueceram de Deus.” Raramente fez passar um dia sem burla. Fomos enganados pelos comerciantes que nos
venderam petróleo, pelos contratantes e os trabalhadores e as pessoas que nos empregados. Não preciso dizer que nunca
poderia ser uma questão de nossos direitos, e sempre tivemos que pedir para o dinheiro que ganhou como se fosse uma
instituição de caridade, e estar em pé esperando por ele na porta dos fundos, de chapéu na mão.

Eu estava papering uma sala no clube ao lado da sala de leitura-a; à noite, quando eu estava me
preparando para ir, a filha de Dolzhikov, o engenheiro, entrou na sala com um pacote de livros debaixo do
braço. Abaixei a ela.

“Oh, como você faz!”, Disse ela, reconhecendo-me de uma vez, e estendendo a mão. “Estou muito contente de ver você.”

Ela sorriu e olhou com curiosidade e espanto para minha blusa, meu balde de pasta, de papel esticado no chão; Fiquei
envergonhado, e ela também me senti estranho.

“Deve desculpar minha olhando para você como este”, disse ela. “Foi-me dito muito sobre você. Especialmente pelo Dr.
Blagovo; ele é simplesmente apaixonado por você. E eu tenho feito o conhecimento de sua irmã também; um doce,
querida, mas eu nunca pode persuadi-la de que não há nada terrível sobre sua adoção de uma vida simples. Pelo
contrário, você se tornou o homem mais interessante na cidade “.

Ela olhou novamente para o balde de pasta e papel de parede, e continuou:

“Eu perguntei ao Dr. Blagovo para me fazer conhecer melhor com você, mas aparentemente ele se esqueceu, ou não teve tempo. De
qualquer forma, estamos familiarizados tudo a mesma coisa, e se você viria e me ver muito simplesmente I deve ser extremamente grato
a você. I tanto tempo para ter uma conversa. Eu sou uma pessoa simples “, acrescentou ela, estendendo a mão para mim,“e espero que
você vai se sentir nenhuma restrição comigo. Meu pai não está aqui, ele está em Petersburgo.”

Ela saiu para a sala de leitura-a, sussurrando suas saias, enquanto eu fui para casa, e por um longo tempo não conseguia pegar no
sono.

Naquele outono triste alguma alma amável, evidentemente que desejam aliviar a minha existência, me enviou de tempo
para hora do chá e limões, ou biscoitos, ou jogo assado. Karpovna me disse que eles estavam sempre interposto por um
soldado, e de quem eles vieram ela não sabia; eo soldado usado para perguntar se eu estava bem, e se eu comi todos os
dias, e se eu tinha roupas quentes. Quando começaram as geadas I foi apresentado da mesma forma na minha ausência
com um lenço de malha macia trazido pelo soldado. Houve um cheiro evasivo fraco
de perfume sobre isso, e eu imaginei que era a minha boa fada. O lenço cheiro de lírios-do-vale, o perfume
favorito de Anyuta Blagovo.

Rumo inverno havia mais trabalho e foi mais alegre. Radish recuperado, e nós trabalhamos juntos na igreja cemitério, onde
estávamos colocando o trabalho de base na ikon-stand antes de dourar. Foi um trabalho limpo, silencioso, e, como nossos
companheiros costumava dizer, rentável. Pode-se passar por um monte de trabalho em um dia, eo tempo passou
rapidamente, imperceptivelmente. Não houve xingamentos, sem riso, sem falar alto. O lugar em si compelido um para
tranquilidade e comportamento decente, e eliminados um a calma, pensamentos graves. Absorvidos em nosso trabalho nós
estivemos ou sentado, imóvel como estátuas; havia um silêncio de morte de acordo com o cemitério, de modo que se uma
ferramenta caiu, ou uma chama balbuciou na lâmpada, o ruído de tais sons soou abrupta e ressonante, e fez-nos olhar em
volta. Após um longo silêncio que iria ouvir um zumbido como o enxame de abelhas: foi o réquiem de um bebê que está
sendo cantado lentamente em voz baixa no pórtico; ou um artista, pintando uma pomba com estrelas redondas-lo em uma
cúpula começaria suavemente assobiando, e recordando-se com um começo ia imediatamente recaída em silêncio; ou
Radish, respondendo a seus pensamentos, diria com um suspiro: “Tudo é possível! Tudo é possível!”Ou um sino
desconsolado lento iria começar a tocar sobre nossas cabeças, e os pintores se observar que ele deve ser para o funeral de
alguma pessoa rica ....

Meus dias que passei nesse silêncio na penumbra da igreja, e nas longas noites eu joguei bilhar ou foi ao teatro na galeria vestindo as

calças novas que eu tinha comprado fora do meu próprio salário. Concertos e performances já tinha começado no Azhogins'; Radish usado

para pintar as cenas sozinho agora. Ele costumava me contar o enredo das peças e descrever o _tableaux vivants_ que ele testemunhou.

Ouvi-o com inveja. Eu me senti muito atraída para os ensaios, mas eu não poderia trazer-me para ir para a Azhogins'. Uma semana antes

do Natal Dr. Blagovo chegou. E mais uma vez nós discutimos e jogou bilhar à noite. Quando ele jogou ele usou para tirar o casaco e

desabotoar a camisa sobre o peito, e por algum motivo tentou completamente para assumir o ar de um ancinho desesperada. Ele não bebia

muito, mas fez um grande alvoroço sobre isso, e tinha uma faculdade especial para obter através de vinte rublos em uma noite em um pobre

taberna tão barato como o Volga. Minha irmã começou a vir me ver novamente; ambos expressaram surpresa cada vez que ao ver uns aos

outros, mas de seu rosto alegre, culpado era evidente que essas reuniões não foram acidentais. Uma noite, quando estávamos jogando

bilhar, o médico disse-me: “Eu digo, por que você não ir e ver a senhorita Dolzhikov? Você não sabe Mariya Viktorovna; ela é uma criatura

inteligente, encantador, um, de boa índole alma simples.”Eu descreveu como seu pai havia me recebido na primavera. rosto culpado era

evidente que essas reuniões não foram acidentais. Uma noite, quando estávamos jogando bilhar, o médico disse-me: “Eu digo, por que você

não ir e ver a senhorita Dolzhikov? Você não sabe Mariya Viktorovna; ela é uma criatura inteligente, encantador, um, de boa índole alma

simples.”Eu descreveu como seu pai havia me recebido na primavera. rosto culpado era evidente que essas reuniões não foram acidentais.

Uma noite, quando estávamos jogando bilhar, o médico disse-me: “Eu digo, por que você não ir e ver a senhorita Dolzhikov? Você não sabe

Mariya Viktorovna; ela é uma criatura inteligente, encantador, um, de boa índole alma simples.”Eu descreveu como seu pai havia me

recebido na primavera.

“Bobagem!”, Riu o médico, “uma coisa do engenheiro e ela é outra. Realmente, meu caro, você não deve
ser desagradável para ela; ir vê-la algumas vezes. Por exemplo, vamos vê-la amanhã à noite. O que você
disse?"

Ele me convenceu. Na noite seguinte eu colocar minhas novas calças de sarja e, em alguns agitação parti a Miss
Dolzhikov de. O lacaio não parecia tão arrogante e terrível, nem o mobiliário tão lindo, como naquela manhã quando eu
tinha vindo para pedir um favor. Mariya Viktorovna estava me esperando, e ela me recebeu como um velho conhecido,
apertando a mão de mim de uma forma amigável. Ela estava usando um vestido de tecido cinza com mangas cheias e
tinha o cabelo feito no estilo que costumava chamar de “orelhas de cães,” quando ele entrou em moda na cidade um
ano antes. O cabelo estava penteado para baixo sobre as orelhas, e isso fez o rosto de Mariya Viktorovna olhar mais
amplo, e ela pareceu-me este tempo muito parecido com seu pai, cujo rosto era largo e vermelho, com algo em sua
expressão como um motorista sledge-. Ela era bonito e elegante, mas não jovial; ela olhou trinta, embora, na realidade
ela não era mais do que vinte e cinco.

“Caro Doutor, como sou grato a você”, disse ela, fazendo-me sentar. “Se não fosse por ele não teria vindo para me

ver. Estou entediado até a morte! Meu pai foi embora e me deixou sozinho, e eu não sei o que fazer comigo nesta

cidade.”Então ela começou a me perguntar onde eu estava trabalhando agora, o quanto eu ganho, onde eu morava.

“Você gastar em si mesmo nada, mas o que você ganha?”, Ela perguntou. "Não."

“Feliz o homem!”, Suspirou. “Todo o mal na vida, parece-me, vem de ócio, tédio eo vazio espiritual, e
tudo isso é inevitável quando se está acostumado a viver à custa de outras pessoas. Não pense que eu
estou mostrando, digo-vos a verdade: não é interessante ou agradável para ser rico. 'Make para vós
amigos de riquezas da injustiça' é dito, porque não há e não pode ser um Mamom que é justo.”Ela olhou
em volta para o mobiliário com uma sepultura, expressão fria, como se ela queria contá-lo mais, e
passou:

“O conforto eo luxo tem um poder mágico; pouco a pouco, eles desenham em suas garras até mesmo pessoas de
temperamento forte. Em um pai de tempo e eu vivia simplesmente, não em um estilo rico, mas agora você vê
como! É algo monstruoso “, disse ela, dando de ombros; “Gastamos até vinte mil por ano! Nas províncias!”

“Um vem de olhar para o conforto e luxo como o privilégio invariável de capital e de educação”, eu disse “, e parece-me que
os confortos da vida pode ser combinado com qualquer tipo de trabalho, mesmo o mais difícil e mais suja. Seu pai é rico, e
ainda assim ele diz a si mesmo que tem sido o seu muito para ser um mecânico e um lubrificador.”

Ela sorriu e balançou a cabeça, em dúvida: “Meu pai às vezes come o pão mergulhado em kvass”, disse ela. “É uma

fantasia, um capricho!” Naquele momento havia um anel e ela se levantou.

“Os ricos e bem educados deve trabalhar como todos os outros”, disse ela, “e se há conforto que deveria ser igual para
todos. Não deve haver quaisquer privilégios. Mas isso é o suficiente filosofar. Diga-me uma coisa divertida. Conte-me
sobre os pintores. Quem são semelhantes? Engraçado?"

O médico entrou; Comecei dizendo-lhes sobre os pintores, mas, sendo acostumados a falar, vi-me obrigado, e
descreveu-os como um etnólogo, grave e tediosamente. O médico também disse-nos algumas histórias de homens que
trabalham: ele cambaleou sobre, derramar lágrimas, caiu de joelhos, e, até mesmo, imitando um bêbado, estava deitado
no chão; foi tão bom como um jogo, e Mariya Viktorovna riu até que ela gritou quando ela olhou para ele. Em seguida,
ele jogou no piano e cantou em sua fina tenor, agradável, enquanto Mariya Viktorovna estava junto e escolheu o que ele
estava a cantar, e corrigiu-o quando ele cometeu um erro.
“Ouvi dizer que você canta, também?”, Perguntei.

“Canta, também!”, Exclamou o médico de horror. “Ela canta primorosamente, um artista perfeito, e você fala de sua 'cantando
demasiado'! Que ideia!"

“Eu fiz estudo a sério de uma só vez”, disse ela, respondendo à minha pergunta “mas agora tenho dado tudo.”

Sentado em um banquinho baixo, ela nos disse de sua vida em Petersburgo, e imitou alguns cantores famosos,
imitando sua voz e maneira de cantar. Ela fez um esboço do médico em seu álbum, depois de mim; ela não
desenhar bem, mas ambos os retratos foram como nós. Ela riu, e estava cheio de malícia e caretas
encantadores, e isso lhe convinha melhor do que falar sobre o riquezas da injustiça, e pareceu-me que ela tinha
falado pouco antes sobre a riqueza e luxo, não a sério, mas em imitação de alguém. Ela era uma atriz cômica
soberba. Eu mentalmente comparou-a com os nossos jovens, e até mesmo o belo, digno Anyuta Blagovo não
poderia ser comparado com ela; a diferença foi imensa, como a diferença entre um bonito, rosa cultivada e uma
briar selvagem.

Tivemos o jantar juntos, nós três. O médico e Mariya Viktorovna bebeu vinho tinto, champanhe e café com
conhaque nele; eles brindaram e beberam à amizade, à iluminação, ao progresso, à liberdade, e não ficar
bêbado, mas apenas corada, e estavam continuamente, sem razão, rindo até que chorou. Então, para não
ser cansativo bebi vinho tinto também.

“Talented, naturezas ricamente dotado”, disse Miss Dolzhikov, “sabe como viver, e seguir seu próprio caminho; pessoas
medíocres, como eu, por exemplo, não sabe nada e nada pode fazer de si mesmos; não há mais nada para eles, mas para
discernir algum movimento social profunda, e para flutuar onde eles são levados por ele “.

“Como se pode discernir o que não existe?”, Perguntou o médico. “Nós pensamos

assim porque nós não vê-lo.”

"É assim mesmo? Os movimentos sociais são a invenção do novo literatura. Não há nenhum entre nós “.

Um argumento começou.

“Não há movimentos sociais profundas entre nós e nunca ter sido,” o médico declarou em voz alta. “Não há fim para o que
a nova literatura inventou! Ele inventou trabalhadores intelectuais no país, e você pode pesquisar através de todas as
nossas aldeias e encontrar, no máximo, alguns caipira em uma jaqueta reefer ou uma sobrecasaca preta que fará quatro
erros de ortografia uma palavra de três letras. vida culta ainda não começou entre nós. Não é a mesma selvageria, a
mesma grosseria uniforme, o mesmo trivialidade, como há quinhentos anos. Movimentos, correntes de lá ter sido, mas
tudo foi mesquinho, insignificante, curvado sobre vulgares e mercenários interesses e não se pode ver nada de importante
nelas. Se você acha que ter percebido um movimento social profunda, e no seguinte ele você dedicar-se a tarefas no
gosto moderno, tais como a emancipação de insetos de escravidão ou abstinência de rissoles de carne bovina, quero
felicitá-lo, Senhora. Devemos estudar, e estudar, e estudar e temos de esperar um pouco com os nossos movimentos
sociais profundas; não estamos maduros o suficiente para eles ainda; e para dizer a verdade, nós não sabemos nada
sobre eles.”
“Você não sabe nada sobre eles, mas eu faço”, disse Mariya Viktorovna. “Meu Deus, como cansativo você
estiver a-dia!”

“Nosso dever é estudar e estudar, para tentar acumular conhecimento, tanto quanto possível, para os movimentos
sociais genuínos surgem onde há conhecimento; e a felicidade da humanidade no futuro reside apenas no
conhecimento. Eu bebo para a ciência!”

“Não há dúvida sobre uma coisa: é preciso organizar a sua vida de alguma forma diferente”, disse Mariya Viktorovna,

depois de silêncio e um momento de reflexão. “A vida, tal como tem sido até agora, não vale a pena ter. Não vamos

falar sobre isso.”Quando chegamos longe dela o relógio catedral atingiu dois. “Você gosta dela?”, Perguntou o

médico; “Ela é legal, não é?”

No dia de Natal jantamos com Mariya Viktorovna, e todos com os feriados que fui vê-la quase todos os dias. Nunca houve
ninguém lá, mas nós mesmos, e ela estava certa quando disse que ela não tinha amigos na cidade, mas o médico e eu. O
nosso tempo em sua maior parte na conversa; às vezes o médico trouxe algum livro ou revista e ler em voz alta para nós.
Na realidade, ele foi o primeiro homem bem-educado eu tinha conheci na minha vida: eu não posso julgar se ele sabia
muita coisa, mas ele sempre mostrou seu conhecimento como se quisesse outras pessoas para compartilhá-lo. Quando ele
falou sobre qualquer coisa relativa à medicina não era como qualquer um dos médicos em nossa cidade, mas fez uma
impressão peculiar fresco em cima de mim, e eu imaginava que, se ele gostava que ele poderia ter se tornado um
verdadeiro homem de ciência. E ele foi, talvez, a única pessoa que teve uma influência real sobre mim naquele momento.
Ao vê-lo, e lendo os livros que ele me deu, eu comecei aos poucos a sentir uma sede para o conhecimento que teria dado
importância para o meu trabalho triste. Parecia estranho para mim, por exemplo, que eu não sabia até então que o mundo
inteiro era composta de sessenta elementos, eu não sabia o óleo era, o que pinturas eram, e que eu poderia ter conseguido
sem saber essas coisas . Minha familiaridade com o médico me elevada moral também. Eu estava constantemente
argumentando com ele e, embora eu geralmente permaneceu da minha própria opinião, mas, graças a ele, comecei a
perceber que tudo não estava claro para mim, e eu comecei a tentar descobrir tanto quanto eu podia convicções definidas
em eu mesmo, que os ditames da consciência pode ser definido, e que pode haver nada de vago em minha mente. No
entanto, embora ele era o homem mais cultivada e melhor na cidade, ele foi, no entanto, longe da perfeição. Em suas
maneiras, em seu hábito de transformar cada conversa em uma discussão, em seu tenor agradável, mesmo em seu uso,
havia algo grosseiro, como um estudante de teologia, e quando ele tirou o casaco e sentou-se em sua camisa de seda, ou
atirou uma dica para um garçom no restaurante, eu sempre imaginei que a cultura pode ser tudo muito bem, mas o Tatar
estava fermentando nele ainda.

Na Epifania ele voltou a Petersburgo. Ele saiu de manhã, e depois do jantar a minha irmã entrou. Sem tirar seu
casaco de pele e seu boné, sentou-se em silêncio, muito pálido, e manteve os olhos fixos no mesmo local. Ela foi
refrigerados pela geada e um podia ver que ela estava chateada por ele.

“Você deve ter pego frio”, eu disse.

Seus olhos se encheram de lágrimas; ela se levantou e saiu para Karpovna sem dizer uma palavra para mim, como se eu tivesse
ferido seus sentimentos. E um pouco mais tarde eu a ouvi dizendo, em tom de reprovação amarga:
“Nurse, o que eu estava vivendo em até agora? O que? Diga-me, não desperdicei minha juventude? Todos os
melhores anos da minha vida que não sabe nada, mas mantendo contas, derramando chá, contando o halfpence,
entreter os visitantes, e pensando não havia nada melhor no mundo! Enfermeira, entendo, eu tenho os desejos de
um ser humano, e eu quero viver, e eles me transformou em algo como uma dona de casa. É horrível, horrível!”Ela
jogou as chaves para a porta, e caíram com um jingle para o meu quarto. Eram as chaves do aparador, do armário
da cozinha, da adega e do chá-caddy, as chaves que minha mãe utilizados para transportar.

“Oh, céus misericordiosos!”, Gritou a velha mulher em horror. “! Santos Santos acima” Antes de ir para casa

a minha irmã entrou no meu quarto para pegar as chaves e disse: “Você deve me perdoar. Algo estranho

aconteceu comigo recentemente.”

VIII

Ao voltar para casa tarde da noite de Mariya Viktorovna de achei esperando no meu quarto um inspetor de polícia
jovem em um novo uniforme; ele estava sentado à minha mesa, olhando através de meus livros.

“Finalmente”, disse ele, levantando-se e esticar-se. “Esta é a terceira vez que tenha sido para você. O
Governador manda você para apresentar-se diante dele, às nove horas da manhã. Sem falhar.”

Ele tirou de mim uma declaração assinada que eu iria agir de acordo com a ordem de Sua Excelência, e foi embora. Esta
visita tardia do inspetor de polícia e um convite inesperado para o Governador teve um efeito predominantemente opressiva
em cima de mim. Da minha infância eu senti-terror atingidas na presença de gendarmes, policiais e oficiais de justiça lei, e
agora eu estava atormentado por mal-estar, como se eu fosse realmente culpado de alguma forma. E eu não conseguia
dormir. Minha enfermeira e Prokofy também ficaram chateados e não conseguia dormir. Minha enfermeira teve dor de ouvido
também; ela gemeu, e várias vezes começou a chorar de dor. Ouvir que eu estava acordado, Prokofy entrou no meu quarto
com uma lâmpada e sentou-se à mesa.

“Você deveria ter uma bebida de pimenta cordial”, disse ele, depois de um momento de reflexão. “Se alguém tem uma bebida
neste vale de lágrimas não faz mal. E se Mamma foram para derramar um pouco de pimenta cordial em seu ouvido que lhe faria
muito bem.”

Entre dois e três, ele estava indo para o matadouro para a carne. Eu sabia que não deveria dormir até de manhã agora,
e para passar o tempo até nove horas eu fui com ele. Caminhamos com uma lanterna, enquanto o menino Nikolka, de
treze anos, com manchas azuis nas bochechas de frostbites, um jovem bandido regular para julgar por sua expressão,
dirigiu depois de nós no trenó, insistindo sobre o cavalo com uma voz rouca.

“Eu suponho que eles vão puni-lo ao governador”, disse Prokofy para mim no caminho. “Existem regras do comércio para
governadores e regras para o alto clero e as regras para os oficiais e as regras para os médicos, e cada classe tem suas
regras. Mas você não ter mantido a
suas regras, e você pode não ser permitido.”

O matadouro foi atrás do cemitério, e até então eu só tinha visto na distância. Ela consistia de três celeiros sombrios, rodeado por uma cerca

de cinza, e quando o vento soprava a partir desse trimestre em dias quentes no verão, ele trouxe um cheiro sufocante deles. Agora indo

para o quintal no escuro Eu não vi os celeiros; I mantido vinda através cavalos e trenós, alguns vazio, alguns carregado com carne. Os

homens estavam andando com lanternas, jurando de forma repugnante. Prokofy e Nikolka jura apenas como revoltingly, e o ar foi em um

alvoroço contínua com jura, tosse, e o neighing de cavalos. Havia um cheiro de cadáveres e de esterco. Foi o descongelamento, a neve foi

se transformando em lama; e na escuridão parecia-me que eu estava andando através poças de sangue. Tendo amontoados os trenós

cheios de carne nós partimos para o açougue no mercado. Ele começou a ficar claro. Cozinha com cestas e senhoras idosas em mantos

veio um após o outro, Prokofy, com um helicóptero na mão, em um avental branco manchado de sangue, jurou juramentos terríveis,

benzeu-se na igreja, gritaram de todo o mercado de ouvir, que ele estava dando a carne a preço de custo e até mesmo em uma perda de si

mesmo. Ele deu peso a curto e mudança suma, os cozinheiros vi isso, mas, ensurdecido pelos seus gritos, não protestou, e só o chamava

de um carrasco. Brandindo e derrubar seu terrível helicóptero lançou-se em atitudes pitorescas, e cada vez pronunciado o som “Geck” com

uma expressão feroz, e eu tinha medo que ele realmente iria cortar a cabeça ou a mão de alguém. Passei toda a manhã no açougue, e

quando finalmente fui para o Governador, o meu casaco cheirava a carne e sangue. Meu estado de espírito era como se eu estivesse sendo

enviado lança na mão para atender um urso. Lembro-me da escada de altura com um tapete listrado sobre ele, e o jovem oficial, com

botões brilhantes, que em silêncio me fez sinal para a porta com ambas as mãos, e correu para me anunciar. Fui em um salão de luxo, mas,

espelhos estreitas friamente e tastelessly decorados, e a elevadas nos espaços entre as paredes, e as cortinas de janela amarelos

brilhantes, atingiu o olho particularmente desagradável. Podia-se ver que os governadores foram alteradas, mas os móveis permaneceu a

mesma. Mais uma vez o jovem oficial me fez sinal com as duas mãos para a porta, e eu fui até uma grande mesa verde em que um general

militar, com a Ordem de Vladimir sobre o seu peito, estava de pé. "Sr. Poloznev, Eu lhe pedi para vir “, começou ele, segurando uma carta

na mão, e abrindo a boca como uma rodada de‘o’,“Eu lhe pedi para vir aqui para o informar sobre isso. Seu pai altamente respeitado apelou

por carta e de boca em boca ao Marechal da Nobreza implorando-lhe para chamar-te, e se abriram para você a inconsistência de seu

comportamento com a patente de nobreza a que você tem a honra de pertencer. Sua Excelência Alexandr Pavlovitch, justamente supondo

que a sua conduta pode servir como um mau exemplo, e considerando que a mera persuasão de sua parte não seria suficiente, mas que a

intervenção oficial para valer era essencial, apresenta-me aqui nesta carta, com seus pontos de vista no que diz respeito a você, que eu

compartilho.” ”“Eu lhe pedi para vir aqui para o informar sobre isso. Seu pai altamente respeitado apelou por carta e de boca em boca ao

Marechal da Nobreza implorando-lhe para chamar-te, e se abriram para você a inconsistência de seu comportamento com a patente de

nobreza a que você tem a honra de pertencer. Sua Excelência Alexandr Pavlovitch, justamente supondo que a sua conduta pode servir

como um mau exemplo, e considerando que a mera persuasão de sua parte não seria suficiente, mas que a intervenção oficial para valer

era essencial, apresenta-me aqui nesta carta, com seus pontos de vista no que diz respeito a você, que eu compartilho.” ”“Eu lhe pedi para

vir aqui para o informar sobre isso. Seu pai altamente respeitado apelou por carta e de boca em boca ao Marechal da Nobreza

implorando-lhe para chamar-te, e se abriram para você a inconsistência de seu comportamento com a patente de nobreza a que você tem a

honra de pertencer. Sua Excelência Alexandr Pavlovitch, justamente supondo que a sua conduta pode servir como um mau exemplo, e

considerando que a mera persuasão de sua parte não seria suficiente, mas que a intervenção oficial para valer era essencial, apresenta-me

aqui nesta carta, com seus pontos de vista no que diz respeito a você, que eu compartilho.” e estabelecer antes de a inconsistência de seu

comportamento com a patente de nobreza a que você tem a honra de pertencer. Sua Excelência Alexandr Pavlovitch, justamente supondo

que a sua conduta pode servir como um mau exemplo, e considerando que a mera persuasão de sua parte não seria suficiente, mas que a

intervenção oficial para valer era essencial, apresenta-me aqui nesta carta, com seus pontos de vista no que diz respeito a você, que eu compartilho.”

Ele disse isso, em silêncio, respeitosamente, ereto, como se eu fosse seu oficial superior e olhando para mim sem nenhum
traço de severidade. Seu rosto parecia desgastado e enrugado, e foi todas as rugas; havia bolsas sob os olhos; seu cabelo
estava tingido; e era impossível dizer a partir de sua aparência quantos anos tinha-quarenta ou sessenta anos.

“Eu confio”, ele continuou, “que você aprecia a delicadeza do nosso Alexandr homenageado
Pavlovitch, que se dirigiu a mim, não oficialmente, mas em particular. Eu, também, pediram-lhe para vir aqui não

oficialmente, e eu estou falando com você, não como um governador, mas a partir de uma relação sincera para o seu pai.

E assim eu imploro, quer para alterar a sua linha de conduta e regresso às funções de acordo com a sua classificação, ou

para evitar um mau exemplo, remover para outro distrito onde não são conhecidos, e onde você pode seguir qualquer

ocupação quiser. No outro caso, serei forçado a tomar medidas extremas.”Ele se levantou por meio minuto em silêncio,

olhando para mim com a boca aberta. “Você é vegetariano?”, Perguntou. “Não, Excelência, eu comer carne.”

Sentou-se e tirou alguns papéis para ele. Eu inclinou-se e saiu. Não valia a pena agora para ir ao trabalho antes do
jantar. Fui para casa para dormir, mas não conseguia dormir de, um sentimento doentio desagradável, induzida pelo
matadouro e minha conversa com o governador, e quando a noite chegou eu fui, sombrio e fora das sortes, para
Mariya Viktorovna. Eu disse a ela como eu tinha sido no regulador, enquanto ela olhou para mim, perplexo, como se
ela não acreditava nisso, e de repente começou a rir alegremente, em voz alta, irrepreensivelmente, como só de boa
índole pessoas amantes riso pode. “Se somente um poderia dizer que em Petersburgo!” Ela trouxe, quase caindo de
tanto rir, e apoiando-se contra a mesa. “Se alguém poderia dizer que em Petersburgo!”

IX

Agora estamos habituados a ver uns aos outros, muitas vezes, às vezes duas vezes por dia. Ela costumava vir ao
cemitério quase todos os dias depois do jantar, e ler os epitáfios nas cruzes e lápides enquanto ela esperou por
mim. Às vezes, ela viria para a igreja, e, de pé por mim, ficaria em enquanto eu trabalhava. O silêncio, o trabalho
ingênua dos pintores e douradores, reflexões sábio do rabanete, eo fato de que eu não diferem externamente a
partir de outros trabalhadores, e trabalhou como fizeram no meu colete sem meias, e que eu era dirigida
familiarmente por eles, tudo isso era novo para ela e tocou. Um dia um operário, que estava pintando uma pomba
no teto, me chamou em sua presença: “Misail, entregar-me a tinta branca.”

Levei-o a tinta branca, e depois, quando me deixar para baixo pela andaimes frágil, ela olhou para mim, tocou
às lágrimas e sorrindo. “Que querida você é!”, Disse ela.

Lembrei-me da minha infância como um papagaio verde, pertencente a um dos homens ricos da cidade, tinha
escapado de sua jaula, e como há muito um mês depois, a bela ave tinha assombrado a cidade, voando de jardim
para jardim, sem-teto e solitário. Mariya Viktorovna me fez lembrar daquele pássaro.

“Há positivamente nenhum lugar para eu ir agora, mas o cemitério”, ela me disse com uma risada. “A cidade
tornou-se horrivelmente maçante. No Azhogins' eles ainda estão recitando,
canto, lisping. Eu cresci a detestar-los de tarde; sua irmã é uma criatura insociável; Mademoiselle Blagovo
me odeia por algum motivo. Eu não ligo para o teatro. Diga-me onde devo ir?”

Quando eu fui vê-la eu cheirava a tinta e aguarrás, e minhas mãos estavam manchadas de e gostava que; ela me queria
vir a ela em minhas roupas normais de trabalho; mas em sua sala de visitas essas roupas me fez sentir desconfortável.
Senti-me envergonhado, como se eu fosse de uniforme, então eu sempre colocar minhas novas calças de sarja, quando fui
para ela. E ela não gostava disso.

“Você deve possuir você não está completamente em casa em seu novo personagem”, ela disse-me um
dia. “Vestido do seu trabalhador não se sente natural para você; você é estranho nele. Diga-me, não é
porque você não tem uma firme convicção, e não estão satisfeitos? Exatamente o tipo de trabalho que
você escolheu-a sua pintura-certamente não satisfazê-lo, não é?”, Perguntou ela, rindo. “Eu sei pintura
torna as coisas mais bonitos e duram mais, mas essas coisas pertencem a pessoas ricas que vivem nas
cidades, e afinal de contas eles são luxos. Além disso, você já disse muitas vezes a si mesmo que todos
devem obter o seu pão com o trabalho de suas próprias mãos, mas você recebe dinheiro e não pão. Por
que você não deve manter o sentido literal de suas palavras? Você deve estar recebendo o pão, isto é,
você deve ser arar, semear, colher, debulhar,

Ela abriu um armário bonita que estava perto de sua escrivaninha, e disse: “Eu estou dizendo tudo isso para você porque
eu quero deixá-lo em meu segredo. _Voilà! _ Esta é a minha biblioteca agrícola. Aqui eu tenho campos, horta e pomar, e
cattleyard e colmeias. Eu os li com avidez, e já aprendi toda a teoria ao mais ínfimo pormenor. Meu sonho, minha
querida desejo, é para ir para o nosso Dubetchnya assim que março é aqui. É maravilhoso lá, requintado, não é? O
primeiro ano eu terei um olhar em volta e entrar em coisas, e no ano seguinte Vou começar a trabalhar corretamente
mesmo, colocando minhas costas para ele como eles dizem. Meu pai prometeu me dar Dubetchnya e eu vou fazer
exatamente o que eu quiser com ele.”

Corado, animado para lágrimas e rindo, ela sonhava em voz alta como ela iria viver em Dubetchnya, e que uma
interessante vida seria! Eu invejava. Março foi próximo, os dias iam ficando mais e mais, e em dias de sol brilhante água
escorria dos telhados ao meio-dia, e havia uma fragrância da primavera; Eu também desejava para o país. E quando
ela disse que ela deve se mover para Dubetchnya, percebi nitidamente que eu deveria permanecer na cidade sozinho, e
eu senti que eu invejava-la com seu armário de livros e sua agricultura. Eu não sabia nada do trabalho na terra, e não
gostou, e eu teria gostado de ter dito a ela que os trabalhos sobre a terra era labuta servil, mas lembrei-me que algo
semelhante tinha sido dito mais de uma vez por meu pai, e Eu segurei minha língua. Quaresma começou. Viktor
Ivanitch, cuja existência eu tinha começado a esquecer, chegou de Petersburgo. Ele chegou de forma inesperada, sem
sequer um telegrama a dizer que ele estava vindo. Quando eu entrei, como de costume, à noite, ele estava andando
sobre a sala de visitas, contando alguma história com o rosto lavado e barbeado, parecendo dez anos mais jovens: sua
filha estava ajoelhada no chão, tirando de suas caixas de troncos , garrafas, e livros, e entregá-los para Pavel o lacaio.
Eu involuntariamente recuou um passo quando vi o
engenheiro, mas ele estendeu as mãos para mim e disse, sorrindo, mostrando seus dentes fortes e brancos que pareciam
um trenó-motorista de:

“Aqui está ele, aqui está ele! Muito prazer em vê-lo, Sr. Casa-pintor! Masha me contou tudo sobre ele; ela foi cantando
seus louvores. Eu entendo muito bem e aprovar “, ele continuou, tomando meu braço. “Para ser um bom trabalhador é
sempre muito mais honesto e mais sensato do que desperdiçar papel do governo e vestindo um cocar na cabeça. Eu
próprio trabalhei na Bélgica com essas mesmas mãos e depois passou dois anos como mecânico ... “Ele estava vestindo
uma jaqueta reefer curto e chinelos interior.; ele andava como um homem com a gota, rolando um pouco de lado a lado e
esfregando as mãos. Cantarolando algo que ele suavemente ronronou e abraçou-se com satisfação por estar em casa
novamente no passado, e capaz de ter o seu banho de chuveiro amado.

“Não há dúvida”, ele me disse no jantar, “é indiscutível; você é todas as pessoas agradáveis ​e charmosos, mas por
alguma razão, assim que você toma ao trabalho manual, ou ir para salvar os camponeses, no longo prazo, tudo se a
não mais do que ser um dissidente. você não é um dissidente? Aqui você não tomar vodka. Qual é o significado de
que se ele não está sendo um dissidente?”

Para satisfazê-lo eu bebi um pouco de vodka e eu bebi um pouco de vinho, também. Nós provou o queijo, a salsicha,
os patês, os picles, e as iguarias de todos os tipos que o engenheiro tinha trazido com ele, e o vinho que tinha vindo
em sua ausência do exterior. O vinho foi de primeira linha. Por alguma razão, o engenheiro tem de vinhos e charutos
do exterior sem pagar imposto; o caviar e esturjão secas alguém o mandou para nada; ele não pagar o aluguel para o
seu apartamento como o dono da casa desde que o querosene para a linha; e completamente ele e sua filha produziu
em mim a impressão de que todo o melhor do mundo estava em seu serviço, e previa-los por nada.

Eu fui em ir para vê-los, mas não com a mesma avidez. O engenheiro me fez sentir constrangido, e em sua presença eu não me
sentia livre. Eu não poderia enfrentar seus olhos claros, cândidos, suas reflexões cansado e me enojado; Eu estava enojado,
também, pela memória que tão recentemente eu tinha sido no emprego desse homem com o rosto vermelho, bem alimentado, e
que ele tinha sido brutalmente rude comigo. É verdade que ele colocou o braço em volta da minha cintura, me deu um tapa no
ombro de uma forma amigável, aprovado meu modo de vida, mas eu senti que, como antes, ele desprezava a minha
insignificância, e só me aturar para agradar seu filha, e eu não poderia agora rir e falar como eu gostava, e eu me comportava
unsociably e ficava esperando que em um minuto ele iria me tratar como Panteley como ele fez o seu lacaio Pavel. Como o meu
orgulho como um provincial e um homem que trabalha estava revoltado. EU, proletário, um pintor de casa, ia todos os dias para
pessoas ricas que eram estranhas para mim, e quem a cidade inteira consideradas como se fossem estrangeiros, e cada dia eu
bebi vinhos caros com eles e comeu iguarias incomuns -Meus consciência se recusou a ser reconciliado com ele! No meu
caminho para casa Eu sullenly evitado conhecer pessoas, e olhou para eles debaixo de minhas sobrancelhas como se eu
realmente fosse um dissidente, e quando eu estava indo para casa do engenheiro de eu tinha vergonha da minha condição bem
alimentado.

Acima de tudo eu estava com medo de ser levado. Se eu estava andando na rua, ou de trabalho, ou falar com os
outros companheiros, eu estava o tempo todo pensando em apenas uma coisa, de ir à noite para ver Mariya
Viktorovna e estava imaginando sua voz, sua risada, seu
movimentos. Quando eu estava me preparando para ir para ela que eu sempre passei um longo tempo antes distorcida
olhando de vidro da minha enfermeira, como eu presos a minha gravata; minhas calças de sarja foram detestável nos meus
olhos, e eu sofria tormentos, e ao mesmo tempo me desprezava por ser tão trivial. Quando ela me chamou para fora do
outro quarto que ela não estava vestida e me pediu para esperar, eu a ouvia vestir; ele me agitado, eu senti como se o chão
estava cedendo sob meus pés. E quando eu vi a figura de uma mulher na rua, mesmo à distância, eu invariavelmente,
comparou. Pareceu-me que todas as nossas meninas e mulheres foram vulgar, que estavam absurdamente vestida, e não
sabia como manter-se; e essas comparações despertou um sentimento de orgulho em mim: Mariya Viktorovna foi o melhor
de todos eles! E eu sonhava com ela e eu à noite.

Uma noite, durante o jantar com o engenheiro comemos uma lagosta inteira Como eu estava indo para casa depois
lembrei-me que o engenheiro duas vezes me chamava de “meu caro amigo” no jantar, e eu refleti que eles me trataram
muito gentilmente naquela casa, como puderam um cão grande infeliz que tinha sido expulso pelos seus proprietários, que
eles estavam se divertindo comigo, e que quando eles estavam cansados ​de me eles me revelar-se como um cão.
Senti-me envergonhado e ferido, ferido ao ponto de lágrimas como se eu tivesse sido insultado, e olhando para o céu Eu fiz
um voto para pôr fim a tudo isso.

No dia seguinte, eu não ir para a Dolzhikov de. No final da noite, quando era bastante escuro e chovendo, eu caminhava
Grande Dvoryansky Street, olhando para as janelas. Todo mundo estava dormindo no Azhogins', ea única luz estava em
uma das janelas mais distantes. Foi Madame Azhogin em seu próprio quarto, costura à luz de três velas, imaginando
que ela estava combate à superstição. Nossa casa estava às escuras, mas ao Dolzhikovs', pelo contrário, as janelas
estavam iluminadas, mas pode-se distinguir nada através das flores e das cortinas. Eu continuei andando para cima e
para baixo da rua; a chuva de Março de frio me encharcado completamente. Eu ouvi meu pai chegar em casa do clube;
ele se batendo no portão. Um minuto depois, uma luz apareceu na janela e vi minha irmã, que se apressava para baixo
com uma lâmpada, enquanto com a outra mão ela estava torcendo seu cabelo espesso juntos como ela foi. Então, meu
pai andava a sala de visitas, conversando e esfregando as mãos, enquanto minha irmã estava sentada numa cadeira
baixa, pensando e não ouvir o que ele disse.

Mas então eles foram embora; a luz se apagou… . Olhei rodada no engenheiro de, e há, também, tudo estava escuro agora.
No escuro e a chuva Eu me sentia irremediavelmente sozinho, abandonado aos caprichos do destino; Eu senti que todos os
meus atos, meus desejos, e tudo o que eu tinha pensado e dito até então eram triviais em comparação com a minha solidão,
em comparação com o meu sofrimento presente, e o sofrimento que estava diante de mim no futuro. Infelizmente, os
pensamentos e ações dos seres vivos não são tão significativos como os seus sofrimentos! E sem perceber claramente o que
eu estava fazendo, eu puxou a campainha da porta da Dolzhikovs', partiu-o, e correu ao longo da rua como um menino
travesso, com um sentimento de terror no meu coração, esperando a cada momento que eles sairiam e reconhecer-me.
Quando parei no final da rua para tomar fôlego Eu podia ouvir nada, mas o som da chuva, e em algum lugar distante um vigia
impressionante em uma folha de ferro. Durante uma semana inteira eu não ir para a Dolzhikovs'. Minhas calças de sarja
foram vendidos. Não havia nada a fazer no comércio de pintura. Eu sabia que a angústia da fome outra vez, e ganhou de
dois pence para quatro pence por dia, onde eu poderia, pelo trabalho pesado e desagradável. lutando para cima
de joelhos na lama fria, forçando meu peito, eu tentei abafar minhas memórias, e, por assim dizer, para punir-me para os
queijos e preserva com a qual eu tinha sido regalou ao engenheiro de. Mas, mesmo assim, logo que eu estava deitada na
cama, molhado e com fome, minha imaginação pecaminosa imediatamente começou a pintar requintados, imagens
sedutoras, e com espanto eu reconheci a mim mesmo que eu estava apaixonada, apaixonado, e eu caí um som, o sono
pesado, sentindo que o trabalho duro só fez meu corpo mais forte e mais jovem. Uma neve noite começou a cair mais de
forma inadequada, e o vento soprava do norte, como se o inverno tinha voltado novamente. Quando voltei do trabalho
naquela noite eu encontrei Mariya Viktorovna no meu quarto. Ela estava sentada em seu casaco de pele, e tinha as duas
mãos no regalo.

“Por que você não vem me ver?”, Ela perguntou, erguendo os olhos claros, inteligente, e eu estava totalmente confuso com prazer e
ficou rigidamente ereta diante dela, como eu costumava ficar de frente para o meu pai quando ele estava indo para vencer mim; ela
olhou para o meu rosto e eu pude ver em seus olhos que ela entendia por que eu estava confuso.

“Por que você não vem me ver?”, Ela repetiu. “Se você não quiser vir, você vê, eu vim para você.”

Ela se levantou e chegou perto de mim.

“Não me abandonar”, disse ela, e seus olhos se encheram de lágrimas. “Eu estou sozinho, completamente sozinho.” Ela começou a

chorar; e, escondendo o rosto em seu regalo, articulada:

"Sozinho! Minha vida é difícil, muito difícil, e em todo o mundo Não tenho ninguém além de você. Não me abandonar!”

Procurando por um lenço para enxugar as lágrimas, ela sorriu; ficamos em silêncio por algum tempo, então eu coloquei meus braços
em volta dela e beijou-a, arranhando meu rosto até que ele sangrou com ela hatpin como eu fiz isso.

E nós começamos a falar uns com os outros como se tivéssemos sido nos termos mais próximos para as idades e idades.

Dois dias depois ela me mandou para Dubetchnya e eu era indescritivelmente feliz por ir. Enquanto eu caminhava em
direção à estação e depois, como eu estava sentado no trem, eu ficava rindo de nenhuma causa aparente, e as pessoas
olhavam para mim como se eu estivesse bêbado. Neve caía, e ainda havia geadas no período da manhã, mas as
estradas já estavam escuros coloridos e gralhas pairava sobre eles, grasnando.

No começo eu tinha a intenção de caber até uma morada para nós dois, Masha e eu, no lodge no lado oposto
lodge de Madame Tcheprakov, mas parecia que as pombas e os patos tinham vivido lá por um longo tempo, e
foi impossível limpá-lo sem destruir um grande número de ninhos. Não havia nada a fazer senão viver nas salas
de órfãos da casa grande com os toldos. Os camponeses chamada casa do palácio; havia mais de vinte quartos
na mesma, ea única mobília era um piano e poltrona de uma criança deitada na
o sótão. E se Masha tinha trazido toda a sua mobília da cidade devemos mesmo assim têm sido incapazes de se
livrar da impressão de imenso vazio e frio. Peguei três pequenas salas com janelas com vista para o jardim, e
trabalhou desde a manhã até a noite, colocando-os como direitos, colocando em novos painéis, papering as paredes,
enchendo os buracos e fendas nos andares. Foi fácil trabalho, agradável. I foi continuamente correndo para o rio
para ver se o gelo não estavam indo; Eu ficava imaginando que estorninhos estavam voando. E à noite, pensando
em Masha, ouvi com uma sensação indescritivelmente doce, com agarrando deleite para o barulho dos ratos eo
zumbido do vento e batendo acima do teto. Parecia que algum velho espírito casa estavam tossindo no sótão. A neve
era profunda; uma grande quantidade caiu mesmo no final de março, mas derreteu rapidamente, como se por magia,
e as enchentes de primavera passados ​em uma corrida tumultuada, de modo que até o início de abril os estorninhos
já eram barulhentos e borboletas amarelas estavam voando no jardim. Era tempo requintado. Todos os dias, ao
entardecer, eu costumava caminhar até a cidade para atender Masha, e que uma delícia foi para andar com os pés
descalços ao longo da secagem gradual, estrada ainda macio. No meio do caminho Eu costumava sentar e olhar
para a cidade, não se aventurar a chegar perto dela. A visão de que me perturbaram. Eu ficava imaginando como as
pessoas que eu conhecia iria se comportar para mim quando eles souberam do meu amor. O que meu pai disse? O
que me perturbava particularmente era o pensamento de que minha vida era mais complicada, e que eu tinha
perdido completamente todo o poder para definir isso direito, e que, como um balão, foi me levando para longe, Deus
sabe onde.

Masha usado para entrar um carro; Eu costumava ficar com ela, e nós dirigimos para Dubetchnya, sentindo-se
leve e livre. Ou, depois de esperar até que o sol se pôs, eu iria voltar insatisfeito e triste, perguntando por Masha
não tinha vindo; no portão ou no jardim eu seria atingido até um doce, inesperada aparição, era ela! Ele viria a que
ela tinha chegado por via férrea, e tinha orientado da estação. O que um festival que era! Em um vestido de lã
simples, com um lenço na cabeça, com um guarda-sol modesta, mas atado em, esbelto, em estrangeiros caros
botas, era uma atriz talentosa fazendo o papel de um pouco workgirl. Olhamos em volta nosso domínio e decidiu
que deve ser seu quarto, e que mina, onde teríamos a nossa avenida, a nossa horta, nossas colmeias.

Nós já tínhamos galinhas, patos e gansos, que nós amamos, porque eles eram nossos. Tivemos, todos prontos para a
semeadura, aveia, trevo, Timothy grama, trigo mourisco, e sementes de hortaliças, e sempre olhou para todas essas lojas e
discutido longamente a cultura que pode ter; e tudo Masha disse para mim parecia extraordinariamente inteligente, e multa.
Este foi o momento mais feliz da minha vida.

Logo após a semana de St. Thomas nos casamos em nossa igreja paroquial, na aldeia de Kurilovka, duas milhas de
Dubetchnya. Masha queria que tudo seja feito em silêncio; em seu desejo nossos “melhores homens” eram rapazes
camponeses, o sacristão cantou sozinho, e voltamos da igreja em uma pequena chaise, sacudindo que ela dirigiu-se.
Nosso único convidado da cidade era minha irmã Kleopatra, a quem Masha enviou uma nota três dias antes do
casamento. Minha irmã veio em um vestido branco e usava luvas. Durante o casamento, ela chorou em silêncio de
alegria e ternura. Sua expressão era maternal e infinitamente gentil. Ela foi intoxicado com a nossa felicidade, e sorriu
como se estivesse absorvendo um delírio doce, e olhando para ela durante o nosso casamento, eu percebi que para ela
não havia nada na
mundo mais elevado do que o amor, o amor terreno, e que ela estava sonhando com isso secretamente, timidamente, mas
continuamente e com paixão. Ela abraçou e beijou Masha, e, sem saber como expressar seu arrebatamento, disse a ela de
mim: “Ele é bom! Ele é muito bom!"

Antes que ela foi embora, ela mudou em seu vestido comum, e chamou-me para o jardim para falar comigo sozinho.

“Pai está muito ferido”, disse ela, “que não tem nada a ele escrito. Você deveria ter pedido a sua bênção. Mas,
na realidade, ele está muito satisfeito. Ele diz que este casamento vai levantá-lo aos olhos de toda a sociedade,
e que sob a influência de Mariya Viktorovna você começará a ter uma visão mais séria da vida. Falamos de
nada, mas você à noite agora, e ontem ele realmente usou a expressão: 'Nossa Misail' Isso me agradou.
Parece que ele tinha algum plano em sua mente, e eu imagino que ele quer definir um exemplo de
magnanimidade e seja o primeiro a falar de reconciliação. É muito possível que ele pode vir aqui para vê-lo em
um dia ou dois.”

Ela rapidamente fez o sinal da cruz em cima de mim várias vezes e disse: “Bem, Deus esteja com você. Seja feliz. Anyuta

Blagovo é uma menina muito inteligente; ela diz sobre o seu casamento que Deus está enviando-lhe um novo calvário. vida

para ter certeza-casados ​não só trazem alegria, mas sofrendo também. Que é obrigado a ser assim.”

Masha e eu andei um par de milhas para vê-la em seu caminho; voltamos devagar e em silêncio, como se estivéssemos
descansando. Masha segurou minha mão, meu coração estava leve, e eu não tinha inclinação para falar sobre o amor;
que havia se tornado mais e mais parecido agora que nos casamos, e sentimos que nada agora pode nos separar.

“Sua irmã é uma boa criatura”, disse Masha “, mas parece como se tivesse sido atormentado por anos.
Seu pai deve ser um homem terrível.”

Comecei dizendo a ela como minha irmã e eu tinha sido criado, e que sem sentido tortura nossa infância tinha sido
realmente. Quando ela ouviu como o meu pai tão recentemente havia me batido, ela estremeceu e se aproximou de mim.

“Não me diga mais nada”, disse ela. "É horrível!"

Agora, ela nunca me deixou. Vivemos juntos nos três quartos na casa grande, e à noite nós fechou a porta que dava para
a parte vazia da casa, como se alguém estivesse vivendo lá quem não sabia, e tinham medo. Levantei-me cedo, de
madrugada, e imediatamente começou a trabalhar de algum tipo. Eu costurei os carrinhos, fez caminhos no jardim, cavou
os canteiros de flores, pintou o teto da casa. Quando chegou o momento de semear a aveia Tentei para arar o solo de
novo, para atormentar e semear, e eu fiz tudo isso conscientemente, mantendo-se com o nosso trabalhador; Eu estava
desgastado, a chuva e o vento frio fez meu rosto e pés queimar por horas depois. Eu sonhava em terra arada à noite. Mas
o trabalho de campo não me atraem. Eu não entendi a agricultura, e eu não ligo para isso; era talvez porque meus
antepassados ​não tinham sido cultivadores do solo, e o próprio sangue que corria em minhas veias era puramente da
cidade. Eu amava a natureza ternamente; Eu amei os campos e prados e jardins de cozinha, mas o camponês que
transformou-se o solo com o arado e pediu em seu cavalo lamentável, molhado e esfarrapado, com o pescoço esticando,
foi para mim a expressão de grosseiro, selvagem, força feio, e cada vez que eu olhei para seus movimentos grosseiros eu
involuntariamente começou a pensar na vida lendária do passado remoto, antes que os homens conheciam a
uso do fogo. O touro feroz que correu com rebanho dos camponeses, e os cavalos, quando correu sobre a aldeia,
batendo os cascos, mudou-me a temer, e tudo bastante grande, forte e com raiva, se era o carneiro com seus chifres,
o ganso, ou o quintal-dog, pareceu-me a expressão do mesmo grosseiro, força selvagem. Este clima era
particularmente forte em mim no mau tempo, quando nuvens pesadas foram pendurado sobre a terra arada preto.
Acima de tudo, quando eu estava lavrar ou semear, e duas ou três pessoas ficaram olhando como eu estava fazendo
isso, eu não tinha a sensação de que este trabalho era inevitável e obrigatório, e pareceu-me que eu estava me
divertindo. Eu preferia fazer algo no quintal, e não havia nada que eu gostava tanto como pintar o telhado.

Eu costumava andar pelo jardim e do prado ao nosso moinho. Foi deixe a um camponês de Kurilovka chamado
Stepan, um companheiro escuro bonito com uma espessa barba negra, que parecia muito forte. Ele não gostou do
trabalho do moleiro, e olhou para ela como triste e inútil, e só viveu na fábrica a fim de não mora comigo. Ele era um
trabalhador leather-, e estava sempre rodeado por um agradável cheiro de alcatrão e couro. Ele não gostava de falar,
ele estava apático e lento, e foi sempre sentado na porta ou na margem do rio, cantarolando “oo-loo-loo.” Sua esposa
e mãe-de-lei, tanto pálida, lânguida e manso, usado às vezes vir de Kurilovka para vê-lo; eles fizeram baixos arcos a
ele e se dirigiu a ele formalmente, “Stepan Petrovitch”, enquanto ele continuou sentado na margem do rio, suavemente
cantarolando “oo-loo-loo, ”Sem responder por palavra ou movimento para os seus arcos. Uma hora e, em seguida, um
segundo passaria em silêncio. A mãe-de-lei e esposa, depois sussurrando juntos, iria se levantar e olhar para ele por
algum tempo, esperando que ele olhar em volta; em seguida, eles iriam fazer uma reverência, e em açucarado, vozes
cantando, dizer: “Adeus, Stepan Petrovitch”

E eles iriam embora. Depois disso Stepan, pegando o pacote que tinham deixado, contendo cracknels ou uma

camisa, iria dar um suspiro e dizer, piscando em sua direção: “O sexo feminino”

O moinho com dois conjuntos de mós trabalharam dia e noite. Eu costumava ajudar Stepan; Eu gostei do trabalho, e quando
ele saiu eu estava contente de ficar e tomar o seu lugar.

XI

Após o tempo quente brilhante veio um período de molhado; Todos podem chovia e fazia frio. O som das rodas de
azenha e da chuva, dispostas uma a preguiça e sono. O chão tremia, havia um cheiro de farinha, e que, também,
sonolência induzida. Minha esposa em um casaco forrado de pele curta, e em botas dos homens golosh altos, faria sua
aparência duas vezes por dia, e ela sempre dizia a mesma coisa:

“E isso é chamado de verão! Pior do que era em outubro!”

Estamos habituados a ter chá e fazer o mingau juntos, ou que se sentar por horas a fio sem falar, esperando a
chuva parar. Uma vez, quando Stepan tinha ido à feira, Masha ficou toda a noite na fábrica. Quando chegamos até
nós não poderíamos dizer que horas eram, como as nuvens de chuva cobriu todo o céu; mas galos sonolentos
foram cantante a Dubetchnya, e
landrails estavam chamando nos prados; ainda era muito, muito cedo .... Minha esposa e eu fui para baixo para o millpond e tirou a
rede que Stepan tinha jogado no durante a noite em nossa presença. Um grande pique estava lutando na mesma, e um
Cray-peixe foi torcendo aproximadamente, arranhando para cima com suas pinças.

“Deixe-os ir”, disse Masha. “Deixe-os ser feliz também.”

Porque temos tão cedo e depois não fez nada, naquele dia parecia muito longo, o dia mais longo da

minha vida. Para a noite Stepan voltou e eu fui para casa. “Seu pai veio a-dia”, disse Masha. “Onde ele

está?”, Perguntei.

“Ele foi embora. Eu não vê-lo.”

Vendo que eu permaneceu de pé e em silêncio, que eu estava triste por meu pai, ela disse: “É preciso ser consistente. Eu

não vê-lo, e mandou dizer a ele para não problemas para vir e ver-nos novamente.”

Um minuto depois, eu estava fora no portão e caminhar até a cidade para explicar as coisas para o meu pai. Foi enlameado e
escorregadio, frio. Pela primeira vez desde o meu casamento eu senti de repente triste, e no meu cérebro exausto por tanto
tempo, dia cinzento, não estava se mexendo o pensamento de que talvez eu não estava vivendo como deveria. Eu estava
esgotado; pouco a pouco, foi superado pelo desânimo e indolência, eu não queria se mover ou pensar, e depois passando um
pouco eu dei-o com um aceno de mão e virou-se.

O coordenador em um sobretudo de couro com um capuz estava em pé no meio do quintal. “Onde está o mobiliário?
Há utilizado para ser agradável móveis no estilo Império: costumava haver fotos, costumava haver vasos, enquanto
agora você pode jogar bola nele! Eu comprei o lugar com o mobiliário. O diabo levá-la!”

Moisey, um companheiro pock-marked fina de vinte e cinco anos, com olhos pequenos insolentes, que estava a serviço
da viúva do general, estava perto dele amassando o boné em suas mãos; uma de suas faces era maior do que o outro,
como se tivesse ficado muito tempo sobre ele. “Sua honra foi graciosamente o prazer de comprar o lugar sem os
móveis,” ele trouxe indeciso; "Eu lembro."

“Segure sua língua!”, Gritou o engenheiro; ele ficou vermelho e tremia de raiva ... e o eco no jardim alto
repetiu o grito.

XII

Quando eu estava fazendo nada no jardim ou quintal, Moisey iria ficar ao meu lado, e cruzando os braços atrás das
costas ele ficava preguiçosamente e descaradamente olhando para mim com seus olhinhos. E isso me irritou a tal
ponto que eu joguei o meu trabalho e foi embora.

De Stepan ouvimos que Moisey era amante de Madame Tcheprakov. Percebi que quando
pessoas vieram a ela para pedir dinheiro emprestado eles se dirigiram primeiro a Moisey, e uma vez eu vi um camponês,
preto da cabeça aos pés, ele deve ter sido um coalheaver-curvar-se aos pés de Moisey. Às vezes, depois de um pouco
sussurrando, ele deu o dinheiro a si mesmo, sem consultar sua amante, a partir do qual eu concluí que ele fez um pequeno
negócio por conta própria.

Ele usou para atirar no nosso jardim sob nossas janelas, levado provisões da nossa adega, emprestado
nossos cavalos sem pedir permissão, e nós ficaram indignados e começaram a se sentir como se
Dubetchnya não eram nossos, e Masha diria, empalidecendo: “Pode nós realmente temos que
continuar a viver com estes répteis mais dezoito meses?”o filho de Madame Tcheprakov, Ivan, estava
servindo como guarda em nosso ferroviária-line. Ele tinha crescido muito mais fino e mais fraco durante
o inverno, de modo que um único copo foi suficiente para fazê-lo bêbado, e ele tremeu fora do sol. Ele
usava o uniforme da guarda com aversão e tinha vergonha dele, mas considerou seu cargo uma boa,
como ele poderia roubar as velas e vendê-los. Minha nova posição excitado nele um sentimento misto
de admiração, inveja e uma vaga esperança de que algo do mesmo tipo poderia acontecer com ele.

“Escute, melhor do que nada”, disse ele fussily, reacender o cigarro a cada instante; havia sempre uma maca onde
estava, pois ele perdeu dezenas de partidas, acendendo um cigarro. “Escuta, minha vida agora é o mais desagradável
possível. O pior de tudo é qualquer subalterno pode gritar: 'Oi, lá, guarda' Tenho ouvido todos os tipos de coisas no
trem, meu menino, e você sabe, eu aprendi que a vida é uma coisa bestial! Minha mãe tem sido a ruína de mim! Um
médico no trem me disse que se os pais são imorais, seus filhos estão bêbados ou criminosos. Pense nisso!”

Uma vez que ele veio para o quintal, cambaleando; seus olhos olhou sobre fixamente, sua respiração era difícil; ele riu e chorou e
balbuciava como se em uma febre alta, e as únicas palavras que eu poderia pegar em seu discurso confuso foram: “Minha mãe!
Onde está minha mãe?”, Que ele pronunciou com um lamento como uma criança que perdeu sua mãe em uma multidão. Levei-o
para o nosso jardim e deitou-se debaixo de uma árvore, e Masha e eu nos revezamos para se sentar por ele todo aquele dia e toda
a noite. Ele estava muito doente, e Masha olhou com aversão em seu rosto pálido e molhado, e disse:

“É possível estes répteis vai continuar a viver mais um ano e meio no nosso quintal? É horrível! é horrível!”

E como muitas mortificações os camponeses nos causou! Quantas decepções amargas nesses primeiros dias nos
meses de primavera, quando assim desejava ser feliz. Minha esposa construiu uma escola. Eu desenhei um plano de
uma escola para sessenta meninos, e do Conselho Zemstvo aprovado dele, mas aconselhou-nos a construir a escola
em Kurilovka a grande aldeia que ficava a apenas duas milhas de nós. Além disso, a escola em Kurilovka em que as
crianças-de quatro aldeias, nosso Dubetchnya sendo um dos número foi ensinado, era velho e muito pequeno, eo chão
era pouco seguro andar em cima. No final de março no desejo de Masha, ela foi nomeado tutor da escola Kurilovka, e
no início de abril, três vezes convocou a assembléia da aldeia, e tentou convencer os camponeses que sua escola era
velho e
superlotadas, e que era essencial para construir um novo. Um membro do Conselho Zemstvo eo Inspector de
Camponês Escolas veio, e eles, também, tentou persuadi-los. Após cada reunião os camponeses nos rodeava,
implorando por um balde de vodca; estávamos quente no meio da multidão; logo estávamos exaustos, e voltou para
casa insatisfeito e um pouco mal-estar. No final, os camponeses separar um pedaço de terra para a escola, e foram
obrigados a trazer todo o material de construção da cidade com os seus próprios cavalos. E o primeiro domingo após o
trigo de primavera foi semeado carrinhos partiu de Kurilovka e Dubetchnya para buscar tijolos para as fundações. Eles
partiram, logo que ele era leve, e voltou tarde da noite; os camponeses estavam bêbados, e disse que eles foram
desgastado.

Como mal ele teria sorte, a chuva eo frio persistiu durante toda a maio. A estrada estava em um estado terrível: era profundo
na lama. Os carros geralmente dirigimos em nosso quintal quando voltaram da cidade e que uma horrível calvário que era.
Um cavalo barrigudo iria aparecer no portão, definindo suas patas dianteiras bem separados; seria tropeçar para frente
antes de vir para o quintal; uma viga, nove jardas de comprimento, molhados e viscosas para o futuro, penetrou em um
vagão. Ao lado dela, abafada contra a chuva, caminhou um camponês com as saias de seu casaco enfiado no cinto, sem
olhar para onde estava indo, mas percorrendo as poças. Outra carrinho apareceria com placas, em seguida, um terceiro
com uma viga, um quarto ... e o espaço antes de nossa casa foi gradualmente lotado com cavalos, vigas e tábuas. Homens
e mulheres, com suas cabeças abafado e as saias arregaçadas, olhava com raiva para nossas janelas, fazer um alvoroço, e
clamam para o amante para sair com eles; juramentos grosseiros eram audíveis. Enquanto isso Moisey situou-se em um
lado, e nós vez pensou que ele estava gostando de nossa derrota. “Nós não estamos indo ao carrinho mais,” os
camponeses gritava. “Estamos desgastado! Deixá-la ir e obter o material a si mesma.”

Masha, pálida e nervosa, esperando a cada minuto que eles iriam invadir a casa, iria enviá-los um meio-balde de vodca;

depois que o barulho iria diminuir e as vigas longas, um após o outro, iria rastejar lentamente para fora do quintal.

Quando eu estava partindo para ver o edifício minha esposa estava preocupado e disse: “Os camponeses são

rancoroso; Eu só espero que eles não vão fazer-lhe uma maldade. Espere um minuto, eu vou com você.”

Nós dirigimos para Kurilovka juntos, e ali os carpinteiros nos pediu para uma bebida. A estrutura da casa estava
pronta. Era hora de lançar as bases, mas os pedreiros não havia chegado; isso causou atraso, e os carpinteiros
reclamou. E quando finalmente os pedreiros veio, parecia que não havia areia; que tinha sido de algum modo
esquecido que seria necessário. Aproveitando a nossa posição impotente, os camponeses exigiram trinta
copeques para cada carrada, embora a distância do edifício para o rio onde eles tem a areia era menos de um
quarto de milha, e mais de quinhentas carroças foram encontrados para ser necessário . Não havia fim ao
mal-entendidos, juramento, e importunação; minha esposa ficou indignado, e o capataz dos pedreiros, Tit Petrov,
um velho de setenta anos, tomou-a pelo braço e disse:

“Você está aqui! Você olha aqui! Você só me traga a areia; Eu defini dez homens de uma só vez, e em dois dias vai ser
feito! Você olha aqui!”

Mas eles trouxeram a areia e dois dias se passaram, e quatro, e uma semana, e em vez das bases prometidas
ainda havia um buraco bocejando.
“É o suficiente para conduzir um de seus sentidos”, disse minha esposa, em perigo. "Quais pessoas! Quais pessoas!"

Em meio a essas ações desordenadas o engenheiro chegou; ele trouxe com ele parcelas de vinho e iguarias, e depois de
uma refeição prolongada deitou para um cochilo na varanda e roncava tão alto que os trabalhadores balançou a cabeça e
disse: “Bem” Masha não estava satisfeito com a sua vinda, ela fez não confiar nele, embora, ao mesmo tempo ela pediu o
seu conselho. Quando, depois de dormir por muito tempo depois do jantar, ele se levantou de mau humor e disse coisas
desagradáveis ​sobre a nossa administração do lugar, ou lamentou que ele tinha comprado Dubetchnya, que já tinha sido
uma perda para ele, o rosto do pobre Masha usava um expressão da miséria. Ela iria reclamar com ele, e ele bocejar e
dizer que os camponeses devem ser açoitado.

Ele chamou o nosso casamento e nossa vida uma farsa, e disse que era um capricho, um capricho. “Ela tem feito algo

do tipo antes”, ele disse sobre Masha. “Uma vez ela imaginou-se um grande cantor de ópera e deixou-me; Eu estava

olhando para ela por dois meses, e, minha querida alma, passei mil rublos em telegramas sozinho.”

Ele não me chamou um dissidente ou Mr. Painter, e não como no passado aprovação expressa da minha vida
como um operário, mas disse:

“Você é uma pessoa estranha! Você não é uma pessoa normal! Não vou arriscar a profetizar, mas você chegará a um
final ruim!”

E Masha dormido mal à noite, e estava sempre sentado em nosso pensamento janela do quarto. Não havia riso na ceia agora,
há caretas encantadores. Eu era um desgraçado, e quando chovia, cada gota que caiu parecia penetrar meu coração, como tiro
pequeno, e eu me senti pronto para cair de joelhos diante de Masha e pedir desculpas para o clima. Quando os camponeses fez
um barulho no quintal me senti culpado também. Por horas em um tempo eu ainda estava sentado no mesmo lugar, sem pensar
em nada, mas o que uma pessoa esplêndida Masha era, o que uma pessoa maravilhosa. Eu amei-a apaixonadamente, e eu era
fascinado por tudo o que ela fez, tudo o que ela disse. Ela tinha uma inclinação para tranquilos, perseguições estudiosos; ela
gostava de ler por horas a fio, de estudar. Embora seu conhecimento da agricultura foi apenas a partir de livros que ela
surpreendeu a todos nós com o que ela sabia; e cada pedaço de conselhos que ela deu era de valor; Não jamais foi jogado fora;
e, com tudo isso, o que a nobreza, o que gosto, o que graciosidade, que graciosidade que só é encontrado pessoas
bem-educadas.

Para esta mulher, com seu som, a inteligência prática, os arredores desordenados com preocupações mesquinhas e
ansiedades sórdidos em que estávamos vivendo agora eram uma agonia: Eu vi isso e não conseguia dormir à noite; meu
cérebro trabalhou arduamente e eu tinha um nó na garganta. Corri sobre não saber o que fazer.

Eu galopava para a cidade e trouxe Masha livros, jornais, doces, flores; com Stepan I pegar peixe, rasa por horas até
o pescoço na água fria na chuva para pegar enguia-faneca para variar a tarifa; Eu me humilhado para pedir os
camponeses não fazer barulho; Eu dobraram-los com vodka, comprou-los, fez todos os tipos de promessas. E como
muitas outras coisas loucas que eu fiz!

Finalmente a chuva cessou, a terra seca. Seria de se levantar às quatro horas da manhã; um iria para
o jardim, onde, havia orvalho brilhando sobre as flores, o
Twitter dos pássaros, o zumbido dos insetos, e não uma nuvem no céu; e para o jardim, os prados, eo rio era tão agradável,
mas havia memórias dos camponeses, dos seus carros, do engenheiro. Masha e eu dirigi para fora junto na droshky de
corrida para os campos de olhar para a aveia. Ela costumava dirigir, eu estava sentado atrás; os ombros foram levantadas e
o vento jogou com seu cabelo.

“Mantenha à direita!”, Ela gritou para aqueles que ela conheceu. “Você é

como um trenó-piloto,” eu disse a ela um dia.

"Talvez! Por que, meu avô, pai do engenheiro, era um trenó-piloto. você não sabia disso?”, ela perguntou, virando-se
para mim, e ao mesmo tempo ela imitou a maneira de trenó-drivers gritar e cantar.

“E graças a Deus por isso”, pensei enquanto ouvia. “Graças a Deus.” E novamente

memórias dos camponeses, dos carros, do engenheiro ....

XIII

Dr. Blagovo chegou em sua bicicleta. Minha irmã começou a vir muitas vezes. Novamente, houve conversas sobre
trabalho manual, sobre o progresso, cerca de um milênio aguardando a humanidade misteriosa no futuro remoto. O
médico não gosta de nosso trabalho agrícola, porque ele interferiu com argumentos, e disse que arar, colher, bezerros
pastoreio eram indignos de um homem livre, e todas estas formas grosseiras da luta para os homens de existência, com
o tempo relegar aos animais e máquinas, enquanto eles iria dedicar-se exclusivamente à investigação científica. Minha
irmã continuavam a pedir-lhes para deixá-la ir para casa mais cedo, e se ela ficasse em até tarde da noite, ou passou a
noite com a gente, não haveria fim à agitação.

“Céus, o que é um bebê que você ainda são!”, Disse Masha censura. “É positivamente absurdo.”

“Sim, é um absurdo”, minha irmã concordou, “Eu sei que é um absurdo; mas o que deve ser feito se eu não tenho a
força para superar isso? Eu continuo sentindo como se eu estivesse fazendo de errado “No fenação I doía todo do
trabalho desacostumado.; à noite, sentado na varanda e conversar com os outros, de repente caiu no sono, e eles
riram em voz alta para mim. Eles me despertou e me fez sentar-se para jantar; I foi vencido com sonolência e vi as
luzes, os rostos e as placas como se estivesse em um sonho, ouviu as vozes, mas não compreendê-los. E
levantar-se de manhã cedo, eu peguei a foice de uma vez, ou foi para o edifício e trabalhou duro durante todo o dia.

Quando eu permaneceu em casa nos feriados notei que minha irmã e Masha foram escondendo alguma coisa de mim, e até
mesmo parecia estar me evitando. Minha esposa estava concurso para mim como antes, mas ela teve pensamentos de seu
próprio aparte, que ela não compartilhar comigo. Não havia dúvida de que sua exasperação com os camponeses estava
crescendo, a vida foi se tornando mais e mais desagradável para ela, e ainda assim ela não se queixou para mim. Ela conversou
com o médico agora mais facilmente do que ela fez para mim, e eu não entendia por que era assim.
Era costume em nossa província na fenação e tempo de colheita para os trabalhadores a vir para a mansão à noite e
ser regalou com vodka; até mesmo as jovens bebeu um copo. Nós não acompanhar esta prática; os cortadores e as
camponesas ficou aproximadamente em nosso quintal até tarde da vodka esperando noite, e depois partiu-nos
abusar. E todo o tempo Masha franziu a testa severamente e não disse nada, ou murmurou ao médico com
exasperação: “Savages! Petchenyegs!”

No país recém-chegados são atendidas ungraciously, quase com hostilidade, como eles estão na escola. E fomos recebidos desta maneira.

No início, eram vistos, pessoas tolas como estúpidas, que tinham comprado uma propriedade simplesmente porque não sabem o que fazer

com o nosso dinheiro. Fomos riu. Os camponeses pastavam o gado em nossa madeira e até mesmo no nosso jardim; se afastavam vacas

e cavalos para a aldeia, e depois exigiu dinheiro para os danos causados ​por eles. Eles vieram em empresas inteiras em nosso quintal, e

em voz alta clamavam que no roçada tínhamos cortar algum pedaço de terra que não nos pertence; e como nós ainda não conhecia os

limites de nossa propriedade com muita precisão, tomamos a sua palavra para ela e paga danos. Posteriormente descobriu-se que não

houve erro no corte. Eles latiu as tílias em nossa madeira. Um dos camponeses Dubetchnya, um tubarão regular, que fez um comércio de

vodka sem uma licença, subornado nossos trabalhadores, e em colaboração com eles nos enganado de forma mais traiçoeira. Eles levaram

as novas rodas off nossos carrinhos e substituiu-os com os antigos, roubou nossa arnês aração e realmente vendeu-os para nós, e assim

por diante. Mas o que era mais humilhante de todos foi o que aconteceu no edifício; as camponesas roubou por placas de noite, tijolos,

telhas, pedaços de ferro. O ancião da aldeia com testemunhas fez uma busca em suas cabanas; a reunião da aldeia multou dois rublos

cada, e, depois, esse dinheiro foi gasto em bebida por toda a comunidade. Quando Masha ouviu falar sobre isso, ela diria ao médico ou a

minha irmã, indignado: “Que bestas! É horrível! horrível!" e em colaboração com eles nos enganado de forma mais traiçoeira. Eles levaram

as novas rodas off nossos carrinhos e substituiu-os com os antigos, roubou nossa arnês aração e realmente vendeu-os para nós, e assim

por diante. Mas o que era mais humilhante de todos foi o que aconteceu no edifício; as camponesas roubou por placas de noite, tijolos,

telhas, pedaços de ferro. O ancião da aldeia com testemunhas fez uma busca em suas cabanas; a reunião da aldeia multou dois rublos

cada, e, depois, esse dinheiro foi gasto em bebida por toda a comunidade. Quando Masha ouviu falar sobre isso, ela diria ao médico ou a

minha irmã, indignado: “Que bestas! É horrível! horrível!" e em colaboração com eles nos enganado de forma mais traiçoeira. Eles levaram

as novas rodas off nossos carrinhos e substituiu-os com os antigos, roubou nossa arnês aração e realmente vendeu-os para nós, e assim por diante. M

E ouvi-la mais de uma vez lamentar que ela já tinha tomado-lo em sua cabeça para construir a escola.

“Você deve entender,” o médico tentou persuadi-la, “que se você construir esta escola e fazer o bem, em geral,
não é por causa dos camponeses, mas em nome da cultura, em nome do futuro; eo pior os camponeses são
mais uma razão para a construção da escola. Entenda que!"

Mas havia uma falta de convicção em sua voz, e pareceu-me que ele e Masha odiava os
camponeses.

Masha muitas vezes foi ao moinho, levando minha irmã com ela, e ambos disseram, rindo, que foi para ter um olhar
para Stepan, ele era tão bonito. Stepan, ao que parecia, era torpe e taciturno apenas com homens; na sociedade
feminina suas maneiras eram livres e fácil, e ele falava incessantemente. Um dia, indo até o rio para se banhar, eu
acidentalmente ouviu uma conversa. Masha e Kleopatra, tanto em vestidos de branco, estavam sentados no banco
na sombra espalhando de um salgueiro, e Stepan estava de pé por eles com as mãos atrás das costas, e foi dizendo:

“São camponeses homens? Eles não são homens, mas, pedindo seu perdão, feras, impostores. O que a vida tem um camponês?
Nada além de comer e beber; tudo o que ele se preocupa com é víveres ser mais barato e swilling bebidas na taberna como um
tolo; e não há nenhuma conversa, nenhuma
maneiras, nenhuma formalidade, nada mais que ignorância! Ele vive na imundície, sua esposa vive na imundície, e seus
filhos vivem na imundície. O que ele se levanta, ele se deita para dormir; ele pega as batatas fora da sopa com os dedos;
ele bebe kvass com uma barata na mesma, e não se preocupa em soprar-la!”

“É a sua pobreza, é claro,” minha irmã colocar.

"Pobreza? Há quer ter certeza, há diferentes tipos de falta, Senhora. Se um homem está na prisão, ou digamos cego ou aleijado, que
realmente é o problema eu não desejaria a ninguém, mas se um homem livre e tem todos os seus sentidos, se ele tem seus olhos e suas
mãos e sua força e Deus , o que mais ele quer? É cockering-se, e é a ignorância, Senhora, não é a pobreza. Se você, vamos supor, bons
fidalgos, por sua educação, desejo por bondade para ajudá-lo, ele vai beber o seu dinheiro em sua maneira de baixo; ou, o que é pior, ele
vai abrir uma drinkshop, e com o seu dinheiro começar a roubar o povo. Você diz que a pobreza, mas não o camponês rico viver melhor?
Ele, também, pedindo seu perdão, vive como um porco: grosseiro, alto-boca, cabeças porrete, mais amplo do que ele é longo, gordura,
caneca com o rosto vermelho, eu gostaria de balançar meu punho e enviá-lo voando, o canalha. Há Larion, outra rica em Dubetchnya, e eu
aposto que ele retira a casca fora de suas árvores, tanto quanto qualquer pobre; e ele é um sujeito desbocado; seus filhos são os mesmos,
e quando ele teve uma queda muito ele vai derrubar com o nariz em uma poça e dormir lá. Eles são todos muito inútil, Senhora. Se você
mora em uma vila com eles é como o inferno. Ele foi preso em meus dentes, que vila tem, e agradecer ao Senhor, o Rei do Céu, eu tenho
muito para comer e roupa para vestir, eu servi o meu tempo nos dragões, eu era ancião da aldeia durante três anos, e agora eu sou um
cossaco livre, eu vivo, onde eu gosto. Eu não quero viver na aldeia, e ninguém tem o direito de me forçar. Dizem-minha esposa. Eles dizem
que você é obrigado a viver em sua casa com sua esposa. Mas por quê? Eu não sou seu homem contratado.” e eu aposto que ele retira a
casca fora de suas árvores, tanto quanto qualquer pobre; e ele é um sujeito desbocado; seus filhos são os mesmos, e quando ele teve uma
queda muito ele vai derrubar com o nariz em uma poça e dormir lá. Eles são todos muito inútil, Senhora. Se você mora em uma vila com
eles é como o inferno. Ele foi preso em meus dentes, que vila tem, e agradecer ao Senhor, o Rei do Céu, eu tenho muito para comer e
roupa para vestir, eu servi o meu tempo nos dragões, eu era ancião da aldeia durante três anos, e agora eu sou um cossaco livre, eu vivo,
onde eu gosto. Eu não quero viver na aldeia, e ninguém tem o direito de me forçar. Dizem-minha esposa. Eles dizem que você é obrigado a
viver em sua casa com sua esposa. Mas por quê? Eu não sou seu homem contratado.” e eu aposto que ele retira a casca fora de suas árvores, tanto q

“Diga-me, Stepan, você se casou por amor?”, Perguntou Masha.

“Amor entre nós na aldeia!”, Respondeu Stepan, e ele deu uma risada. “Propriamente falando, Senhora, se você se
importa de saber, este é o meu segundo casamento. Eu não sou um homem Kurilovka, eu sou de Zalegoshtcho, mas
depois fui levada Kurilovka quando me casei. Você vê meu pai não queria dividir a terra entre nós. Havia cinco de nós
irmãos. Pedi licença e fui para outra aldeia para viver com a família da minha esposa, mas a minha primeira esposa
morreu quando ela era jovem.”‘O que foi que ela morreu de?’

“É loucura. Ela costumava chorar e chorar e chorar sem motivo, e por isso ela definhou. Ela estava sempre bebendo algum
tipo de ervas para torná-la mais bonita, e eu suponho que ela danificou seu interior. E a minha segunda esposa é uma mulher
Kurilovka também, não há nada nela. Ela é uma mulher da aldeia, uma camponesa, e nada mais. I foi tomada em quando
eles me empenhada para ela. Eu pensei que ela era jovem e de pele clara, e que eles viviam em uma maneira limpa. Sua
mãe era apenas como um Flagellant e ela bebeu café, ea coisa principal, com certeza, elas foram impecáveis ​em seus
caminhos. Então, me casei com ela, e no dia seguinte nos sentamos para jantar; Mandei minha mãe-de-lei me dar uma
colher, e ela me dá uma colher, e eu vê-la eliminá-lo com o dedo. Tanto para você, pensei que eu; boa sorte do seu limpeza
é. Eu vivi um ano com eles e depois fui embora. Eu poderia ter casado com uma garota da cidade “, continuou ele depois de
uma pausa. “Dizem que uma mulher é uma companheira para o marido. O que eu quero com uma
companheira? Eu me ajudar; Eu prefiro que ela falou comigo, e não clack, clack, clack, mas circunstancialmente,
feelingly. O que é a vida sem uma boa conversa?”

Stepan repente parou, e logo houve o som de sua triste, monótona “oo- loo-loo-loo.” Isto significava
que ele tinha me visto.

Masha usado muitas vezes para ir para a fábrica e, evidentemente, sentia prazer em suas conversas com Stepan.
Stepan abusado os camponeses com tanta sinceridade e convicção, e ela foi atraída por ele. Toda vez que ela
voltou do moinho o camponês débil mental, que cuidava do jardim, gritou para ela:

“Rapariga Palashka! ! Hulla, moça Palashka”e ele iria latir como um cão:“Ga! Ga!”E ela iria parar e olhar para ele com
atenção, como se em latidos que idiota ela encontrou uma resposta para seus pensamentos, e provavelmente ele a
atraiu, da mesma forma como o abuso de Stepan. Em casa algum pedaço de notícias que esperam por ela, como, por
exemplo, como que os gansos da aldeia tinha arruinado o nosso repolho no jardim, ou que Larion tinha roubado as
rédeas; e dando de ombros, ela dizia com uma risada: “O que você espera dessas pessoas”

Ela ficou indignado, e não havia rancor em seu coração, e enquanto isso eu estava crescendo utilizado para os
camponeses, e eu sentia cada vez mais atraído por eles. Para a maior parte eles estavam nervosos, irritáveis, povo
oprimido; eles eram pessoas cuja imaginação tinha sido sufocada, ignorantes, com uma má perspectiva, Sombrio na vida,
cujos pensamentos estavam sempre o mesmo- da terra cinza, de dias cinzentos, de pão preto, as pessoas que traiu, mas
como pássaros escondendo nada, mas sua cabeça por trás das árvores, pessoas que não podia contar. Eles não viria para
cortar para nós por vinte rublos, mas eles vieram para metade de um balde de vodca, embora durante vinte rublos eles
poderiam ter comprado quatro baldes. Há realmente foi obscenidade e embriaguez e loucura e mentira, mas com todo esse
ainda sentia que a vida dos camponeses repousava sobre uma empresa, fundação som. No entanto uncouth um animal
selvagem o camponês seguir o arado parecia, e no entanto ele poderia entorpecer-se com vodka, ainda, olhando para ele
mais de perto, sentia-se que havia nele o que era necessário, algo muito importante, que não existe em Masha e no
médico, por exemplo, e que foi que ele acreditava que o principal coisa na terra era verdade e da justiça, e que a sua
salvação, e que de todo o povo, foi apenas para ser encontrado em verdade e justiça, e por isso mais do que qualquer
coisa no mundo, amou apenas lidar. Eu disse a minha esposa viu as manchas no vidro, mas não o vidro em si; ela não
disse nada em resposta, ou cantarolava como Stepan “oo-loo-loo-loo.” Quando essa mulher alegre e inteligente bom-
empalideceu com indignação, e com um tremor em sua voz falou ao médico da embriaguez e desonestidade, ele me
perplexo, e fiquei impressionado com a falta de sua memória. Como podia esquecer que seu pai o engenheiro bebia, e
bebia muito, e que o dinheiro com o qual Dubetchnya tinha sido comprado tinha sido adquirido por toda uma série de
desavergonhado, desonestidades insolentes? Como ela poderia esquecer?

XIV

Minha irmã também estava levando uma vida própria que ela cuidadosamente escondeu de mim. Ela era
muitas vezes sussurrando com Masha. Quando eu fui até ela, ela pareceu encolher dentro de si mesma, e havia um olhar de
culpa, implorando em seus olhos; evidentemente havia algo acontecendo em seu coração que ela tinha medo ou vergonha.
De modo a evitar me encontrar no jardim, ou ser deixado sozinho com mim, ela sempre manteve perto de Masha, e eu
raramente teve a oportunidade de falar com ela, exceto no jantar.

Uma noite, eu estava andando tranquilamente pelo jardim no meu caminho de volta do edifício. Estava começando a ficar
escuro. Sem me notar, ou ouvir os meus passos, a minha irmã estava andando perto de uma maçã-árvore velha
espalhando, absolutamente sem fazer barulho como se ela fosse um fantasma. Ela estava vestida de preto, e estava
caminhando rapidamente para trás e para a frente na mesma pista, olhando para o chão. Uma maçã caiu da árvore; ela
começou com o som, parou e apertou as mãos sobre as têmporas. Naquele momento eu fui até ela. Em uma onda de
ternura que de repente inundou meu coração, com lágrimas nos olhos, lembrando de repente minha mãe e nossa infância,
eu coloquei meu braço sobre os ombros ea beijou.

“Qual é o problema?” Eu perguntei a ela. “Você está infeliz; Eu já vi isso por um longo tempo. Me diga o que está errado?"

“Estou com medo”, disse ela, tremendo.

“O que é isso?”, Insisti. “Pelo amor de Deus, estar aberto!”

“Eu vou, eu vou estar aberto; Vou dizer-lhe toda a verdade. Para escondê-lo de que você é tão difícil, tão angustiante. Misail, eu
amo ...”, ela continuou em um sussurro,“Eu o amo ... Eu amo-o .... Estou feliz, mas por que estou tão assustado?”

Houve o som de passos; entre as árvores apareceu Dr. Blagovo em sua camisa de seda com suas botas altas superiores.
Evidentemente que tinham organizado para atender perto da macieira. Ao vê-lo, ela correu impulsivamente para ele com
um grito de dor, como se estivesse sendo tirado dela.

“Vladimir! Vladimir!”

Ela se agarrou a ele e olhou com avidez em seu rosto, e só então notei como pálida e magra, ela tornou-se nos últimos
tempos. Foi particularmente notável de sua gola de renda que eu tinha conhecido por tanto tempo, e que agora pendia mais
livremente do que nunca sobre o seu longo e fino pescoço,. O médico ficou desconcertado, mas ao mesmo tempo se
recuperou, e, acariciando seu cabelo, disse:

"Pronto pronto… . Por que tão nervoso? Você vê, eu estou aqui.”

Ficamos em silêncio, olhando de vergonha para o outro, então nós caminhamos, nós três juntos, e eu
ouvi o médico dizer-me:

“A vida civilizada ainda não começou entre nós. velhos consolar-se, fazendo que, se não há nada agora, havia
algo nos anos quarenta ou anos sessenta; essa é a idade: você e eu somos jovens; nossos cérebros ainda não
tenham sido tocados por senilis_ _marasmus; não podemos nos consolar com tais ilusões. O início da Rússia
estava em 862, mas o início de civilizada Rússia ainda não chegou.”

Mas eu não compreender o significado destas reflexões. Foi de alguma forma estranha, eu não podia
acreditar, que minha irmã estava apaixonada, que estava andando e segurando o braço de um estranho e olhando
carinhosamente para ele. Minha irmã, este nervoso, assustado, esmagado, criatura acorrentada, amava um homem
que era casado e tinha filhos! Senti pena por algo, mas o que exatamente eu não sei; a presença do médico foi por
algum motivo desagradável para mim agora, e eu não podia imaginar o que viria deste amor deles.

XV

Masha e eu dirigi para Kurilovka à dedicação da escola.

“Outono, outono, outono, ...”, disse Masha suavemente, olhando para longe. "O verão acabou. Não há pássaros e nada
é verde, mas os salgueiros “.

Sim, verão acabou. Havia finas, dias quentes, mas foi frescos na parte da manhã, e os pastores saíram em
suas ovelhas já; e no nosso jardim o orvalho não secar os ásteres todo o dia. Havia sons lamentosos o tempo
todo, e não poderia fazer se eles vieram das persianas rangiam em suas dobradiças enferrujadas, ou a partir
dos voadores-guindastes e o coração de um sentia leve, e um estava ansioso para a vida.

“O verão é longo”, disse Masha. “Agora eu e você pode equilibrar as nossas contas. Nós fizemos um monte de trabalho,
um monte de pensamento; nós somos o melhor para ele, toda honra e glória para US- conseguimos
auto-aperfeiçoamento; mas ter os nossos sucessos teve qualquer influência perceptível sobre a vida em torno de nós,
temos que trouxeram qualquer benefício para qualquer um que quer? Não. A ignorância, impureza física, embriaguez,
uma mortalidade appallingly infantil elevada, tudo permanece como era, e ninguém é o melhor para a sua tendo arada e
semeada, e eu ter desperdiçado dinheiro e ler livros. Obviamente, temos vindo a trabalhar só para nós mesmos e tiveram
idéias avançadas só para nós mesmos.”Tais raciocínios me perplexo, e eu não sabia o que pensar.

“Temos sido sincero do começo ao fim”, disse eu, “e se alguém é sincero ele está certo.”

“Quem contesta isso? Estávamos bem, mas nós não conseguimos adequadamente realizar o que estávamos no caminho certo. Para
começar, os nossos métodos externos eles mesmos-não são enganados? Você quer ser de utilidade para os homens, mas pelo próprio fato
de sua compra de uma propriedade, desde o início você cortar-se fora de qualquer possibilidade de fazer qualquer coisa útil para eles.
Então, se você trabalha, vestido, comer como um camponês que você santificar, por assim dizer, por sua autoridade, seu, vestido
desajeitado pesado, suas cabanas horríveis, suas barbas estúpidos .... Por outro lado, se supusermos que você trabalha durante longos,
longos anos, toda a sua vida, que no final são obtidos alguns resultados práticos, mas o que são eles, os resultados, o que podem fazer
contra tais forças elementares como a ignorância atacado , fome, frio, degeneração? Uma gota no oceano! são necessários outros métodos
de luta, forte, ousada e rápida! Se alguém quer realmente ser de uso deve-se sair do estreito círculo do trabalho social comum, e tentar agir
direto sobre a massa! O que se quer, em primeiro lugar, é uma propaganda forte, enérgico. Por que é que a arte-música, por exemplo, é tão
viva, tão popular, e, na realidade, tão poderoso? Porque o músico ou o cantor afeta milhares de uma só vez. Precioso da arte, precioso!”,
Ela prosseguiu, olhando sonhadora para o céu. “Art nos dá asas e nos leva longe, muito longe! olhando sonhadora para o céu. “Art nos dá
asas e nos leva longe, muito longe! olhando sonhadora para o céu. “Art nos dá asas e nos leva longe, muito longe!
Qualquer pessoa que está doente de sujeira, de interesses mesquinhos, mercenário, alguém que está revoltado, ferido, e

indignado, pode encontrar paz e satisfação apenas no bonito.”Quando nós dirigimos em Kurilovka o tempo estava brilhante e

alegre. Em algum lugar eles estavam malhando; houve um cheiro de palha de centeio. A cinza de montanha era vermelho atrás

das cercas obstáculo brilhante, e todas as árvores onde quer que se olhasse foram avermelhada ou dourada. Eles estavam

tocando os sinos, eles estavam carregando os ícones para a escola, e poderíamos ouvi-los cantar: “Santa Mãe, a nossa

Defender”, e como límpido o ar era, e quão alto as pombas estavam voando. O serviço estava sendo realizada na sala de aula.

Em seguida, os camponeses de Kurilovka trouxe Masha o ícone, e os camponeses da Dubetchnya ofereceu-lhe um grande pão e

um saleiro dourado. E Masha começou a soluçar.

“Se alguma coisa foi dito que não deveria ter sido ou algo não for feito ao seu gosto, perdoa-nos”, disse um
homem velho, e ele inclinou-se para ela e para mim.

Enquanto nos dirigíamos para casa Masha ficou olhando em volta na escola; o telhado verde, que eu havia pintado, e que
estava brilhando no sol, permaneceu à vista por um longo tempo. E senti que o olhar Masha virou em cima dele agora era
um de despedida.

XVI

À noite ela ficou pronto para ir para a cidade. De tarde ela tinha tomado a ir muitas vezes para a cidade e passar a noite lá.
Em sua ausência, eu não poderia trabalhar, minhas mãos senti fraco e flácido; nossa enorme pátio parecia um repugnante
buraco vazio triste,,. O jardim estava cheio de ruídos com raiva, e sem ela a casa, as árvores, os cavalos não eram mais
“nosso.” Eu não saí da casa, mas continuou sentada à sua mesa ao lado dela estante com os livros em terra trabalho, os
antigos favoritos não queria mais e olhando para mim agora tão envergonhado. Por horas inteiro juntos, ao mesmo tempo
que atingiu sete, oito, nove, enquanto a noite de outono, preto como fuligem, veio do lado de fora, eu ficava examinando sua
velha luva, ou a caneta com a qual ela sempre escreveu, ou suas pequenas tesouras. Eu não fiz nada, e percebi claramente
que tudo o que eu tinha feito antes, arar, cortar, cortar, tinha sido apenas porque ela desejasse. E se ela tinha me enviado
para limpar um poço profundo, onde eu tive que levantar a minha cintura em águas profundas, eu deveria ter se arrastou para
dentro do poço, sem considerar se era necessário ou não. E agora, quando ela não estava perto, Dubetchnya, com as suas
ruínas, a sua desordem, seus persianas seus laptops abertos, com seus ladrões de dia e de noite, pareceu-me um caos em
que qualquer trabalho seria inútil. Além disso, o que eu tinha para trabalhar aqui, por ansiedade e pensou sobre o futuro, se
eu sentisse que a Terra foi cedendo sob meus pés, que eu tinha jogado minha parte em Dubetchnya, e que o destino dos
livros sobre a agricultura era me aguardando também? Oh, que desgraça que era à noite, em horas de solidão, quando eu
estava escutando cada minuto em alarme, como se estivesse esperando a gritar que era hora de eu ir embora alguém! Eu
não lamento por Dubetchnya. I triste para o meu amor, que, também, foi ameaçado com seu outono. O que uma imensa
felicidade que é amar e ser amado, e quão terrível a sensação de que se está deslizando para baixo do que a alta auge!

Masha voltou da cidade em direção a tarde do dia seguinte. Ela estava descontente com alguma coisa, mas ela
escondeu-o, e só disse: Por que era todos os caixilhos das janelas tinha
foi colocado em para o inverno foi o suficiente para sufocar um. Peguei dois quadros. Nós não estávamos com fome, mas nós nos
sentamos para jantar.

“Vá e lave as mãos”, disse minha esposa; “Você cheira a massa de vidraceiro.”

Ela tinha trazido alguns novos papéis ilustrados da cidade, e nós olhamos-los juntos depois do jantar. Havia suplementos
com placas de moda e padrões. Masha olhou através deles casualmente, e foi colocá-los de lado para examiná-los
adequadamente mais tarde; mas um vestido com uma saia lisa tão completo como um sino e mangas grandes,
interessado, e ela olhou para ele por um minuto gravemente e atentamente. “Isso não é ruim”, disse ela.

“Sim, esse vestido seria servi-lo muito bem”, eu disse, “lindamente”.

E olhando de emoção para o vestido, admirando esse patch de cinza simplesmente porque ela gostou, eu fui em
ternamente:

“Um encantador, vestido requintado! Esplêndido, glorioso, Masha! Meu precioso Masha!”E as lágrimas caíram

sobre a placa de moda.

“Splendid Masha ...” eu murmurei; “Doce, muito Masha ...”. Ela foi para a cama, enquanto eu

me sentei mais uma hora olhando as ilustrações.

“É uma pena que você tirou os caixilhos das janelas”, disse ela a partir do quarto, “temo que pode ser frio. Oh,
caro, que um projecto não é!”

Eu li algo fora da coluna de probabilidades e extremidades, um recibo para fazer tinta barata, e uma conta do maior
diamante do mundo. Eu vim de novo em cima da placa de forma do vestido que ela gostava, e imaginei-la em uma bola,
com um ventilador, ombros nuas, brilhantes, esplêndidos, com uma plena compreensão da pintura, música, literatura e
como pequeno e quão breve a minha parte parecia!

Nosso encontro, nosso casamento, tinha sido apenas um dos episódios dos quais haveria muitos mais na vida desta
mulher vital, ricamente dotado. Todo o melhor do mundo, como eu já disse, estava ao seu serviço, e ela recebeu
absolutamente para nada, e até mesmo idéias e o movimento intelectual em voga serviu simplesmente para ela
recreação, dando variedade a sua vida, e eu estava apenas o trenó-motorista que levou de um entretenimento para
outro. Agora ela não precisa de mim. Ela iria tomar o vôo, e eu deveria estar sozinho. E como que em resposta ao
meu pensamento, veio um grito desesperado do jardim.

“He-e-ELP!”

Era uma voz estridente, womanish, e como se a imitar-lhe o vento assobiava na chaminé na mesma nota estridente.
Metade de um minuto se passou e, novamente, através do barulho do vento, mas vindo, ao que parecia, do outro
lado do pátio: “He-e-ELP”

“Misail, que você ouve?” Minha esposa perguntou-me suavemente. "Você escuta?"

Ela saiu do quarto de camisola, com seu cabelo para baixo, e ouviu,
olhando para a janela escura.

“Alguém está sendo assassinados”, disse ela. “Essa é a última gota.”

Eu levei a minha arma e saiu. Era muito escuro lá fora, o vento era alta, e era difícil de suportar. Eu fui até o
portão e ouviu, as árvores rugiu, o vento assobiava e, provavelmente no débil mental camponês, um cão uivou
preguiçosamente. Fora dos portões a escuridão era absoluta, e não uma luz sobre a linha ferroviária. E perto do
lodge, que um ano antes tinha sido o escritório, de repente soou um grito sufocado: “He-e-ELP”

“Quem está aí?” Eu chamei.

Havia duas pessoas que lutam. Uma foi empurrando o outro para fora, enquanto o outro foi resistindo, e ambos estavam
respirando fortemente.

“Deixar ir”, disse um deles, e eu reconheci Ivan Tcheprakov; era ele quem estava gritando em voz estridente, womanish:
“Vamos lá, você maldito bruta, ou eu vou morder sua mão fora.” O outro eu reconheci como Moisey. Separei-los, e como eu
fiz, então eu não pude resistir a bater Moisey dois golpes no rosto. Ele caiu, em seguida, levantou-se novamente, e eu bati
nele mais uma vez.

“Ele tentou me matar”, ele murmurou. “Ele estava tentando entrar para o peito de sua mamma .... Eu quero prendê-lo na
loja para a segurança.”

Tcheprakov estava bêbado e não me reconheceu; ele manteve desenho respirações profundas, como se estivesse indo só para
gritar “ajuda” de novo.

Deixei-os e voltou para a casa; minha esposa estava deitada em sua cama; ela tinha vestido. Eu disse a ela o que

tinha acontecido no quintal, e não escondeu o fato de que eu tinha batido Moisey. “É terrível viver no país”, disse ela.

“E o que uma noite longa que é. Oh querida, se apenas que foram mais!”‘He-e-ELP!’,

Ouvimos de novo, um pouco mais tarde. “Vou detê-los”, eu disse.

“Não, deixá-los morder garganta um do outro”, disse ela com uma expressão de desgosto. Ela estava olhando para o teto,

ouvindo, enquanto eu me sentei ao lado dela, sem se atrever a falar com ela, sentindo-se como se eu fosse o culpado por seus

gritos de “ajuda” no quintal e para a noite de parecendo tanto tempo.

Ficamos em silêncio, e eu esperava impacientemente por um raio de luz na janela, e Masha parecia o tempo todo
como se tivesse acordado de um transe e agora estava maravilhado como ela, tão inteligente e bem-educado, tão
elegante, tinha vir a este, provincial buraco lamentável, vazio entre um grupo de pequenos, pessoas insignificantes,
e como ela poderia ter até agora esqueceu-se como sempre a ser atraídos por uma dessas pessoas, e por mais de
seis meses ter sido sua esposa. Pareceu-me que naquele momento não lhe importava se era eu ou Moisey, ou
Tcheprakov; tudo por ela foi incorporada em que bêbado “ajuda” -I selvagem e nosso casamento, e nosso trabalho
juntos, e a lama e lama do outono, e quando ela suspirou e mudou-se para uma posição mais confortável que eu li
em sua
enfrentar: “Oh, que dia viria rapidamente!”

De manhã ela foi embora. Passei mais três dias no Dubetchnya esperando que ela, então eu embalado todas as nossas coisas em um

quarto, trancou-a e foi até a cidade. Já era noite quando eu liguei para o engenheiro de, e as lâmpadas de rua estavam queimando na Grã

Dvoryansky Street. Pavel me disse que não havia ninguém em casa; Viktor Ivanitch tinha ido para Petersburgo, e Mariya Viktorovna foi,

provavelmente, no ensaio na Azhogins'. Lembro-me com o que emoções eu fui para o Azhogins', como meu coração palpitava e vibraram

enquanto eu subia os degraus, e ficou esperando um longo tempo no patamar no alto, sem se atrever a entrar naquele templo das musas!

Na grande sala há foram acesas velas em todos os lugares, em uma pequena mesa, no piano, e no palco, em todos os lugares em grupos

de três; ea primeira prestação foi fixada para o décimo terceiro, e agora o primeiro ensaio foi em uma segunda-feira, um dia de azar. Tudo

parte da guerra contra a superstição! Todos os devotos da arte cênica estavam reunidos; o mais velho, o meio, e as irmãs mais jovens

estavam andando sobre o palco, lendo as suas peças em cadernos. Para além de tudo o resto ficou Radish, imóvel, com o lado de sua

cabeça pressionada contra a parede enquanto ele olhava com adoração ao palco, esperando para o ensaio começar. Tudo quanto

costumava ser. Eu estava fazendo meu caminho para minha anfitriã; Eu tive que pagar os meus respeitos a ela, mas de repente todo

mundo disse “Silêncio!” E me acenou para a etapa calmamente. Houve um silêncio. A tampa do piano foi levantada; uma senhora sentou-se

para ele estragar os olhos míopes para a música, e minha Masha caminhou até o piano, em um vestido decotado, olhar bonito, mas com

uma especial, novo tipo de beleza nem um pouco como a Masha que costumava vir e me encontrar na primavera na fábrica. Ela cantou:

“Por que eu amo a noite radiante” Foi a primeira vez durante toda a nossa familiaridade que eu a tinha ouvido cantar. Ela tinha uma voz fina,

suave, poderoso, e enquanto ela cantava eu ​senti como se estivesse comendo um, doce, melão perfumado madura. Ela terminou, o público

aplaudiu e sorriu, muito satisfeito, fazendo jogo com seus olhos, virando a música, alisando suas saias, como um pássaro que tem,

finalmente quebrado fora de sua gaiola e envaidece suas asas em liberdade. Seu cabelo foi arranjado sobre suas orelhas, e ela tinha uma

expressão desagradável, desafiador em seu rosto, como se quisesse derrubar um desafio para todos nós, ou para gritar para nós como ela

fez com seus cavalos: “Ei, lá, meus lindos!" “Por que eu amo a noite radiante?” Foi a primeira vez durante toda a nossa familiaridade que eu

a tinha ouvido cantar. Ela tinha uma voz fina, suave, poderoso, e enquanto ela cantava eu ​senti como se estivesse comendo um, doce,

melão perfumado madura. Ela terminou, o público aplaudiu e sorriu, muito satisfeito, fazendo jogo com seus olhos, virando a música,

alisando suas saias, como um pássaro que tem, finalmente quebrado fora de sua gaiola e envaidece suas asas em liberdade. Seu cabelo foi

arranjado sobre suas orelhas, e ela tinha uma expressão desagradável, desafiador em seu rosto, como se quisesse derrubar um desafio

para todos nós, ou para gritar para nós como ela fez com seus cavalos: “Ei, lá, meus lindos!" “Por que eu amo a noite radiante?” Foi a

primeira vez durante toda a nossa familiaridade que eu a tinha ouvido cantar. Ela tinha uma voz fina, suave, poderoso, e enquanto ela

cantava eu ​senti como se estivesse comendo um, doce, melão perfumado madura. Ela terminou, o público aplaudiu e sorriu, muito

satisfeito, fazendo jogo com seus olhos, virando a música, alisando suas saias, como um pássaro que tem, finalmente quebrado fora de sua

gaiola e envaidece suas asas em liberdade. Seu cabelo foi arranjado sobre suas orelhas, e ela tinha uma expressão desagradável, desafiador em seu

E ela deve, naquele momento, ter sido muito parecido com seu avô o trenó-piloto. “Você aqui também?”, Ela disse,
dando-me a mão. “Você ouviu-me cantar? Bem, o que você pensa sobre isso “e sem esperar pela minha resposta, ela
continuou:“É uma coisa muito boa que você está aqui. Estou indo hoje à noite para Petersburg por um tempo curto. Você
vai me deixar ir, não vai?”À meia-noite eu fui com ela para a estação. Ela me abraçou carinhosamente, provavelmente
sentindo grato a mim por não fazer perguntas desnecessárias, e ela prometeu escrever-me, e eu segurei suas mãos um
longo tempo, e beijou-os, quase incapaz de conter as lágrimas e não dizer uma palavra.

E quando ela tinha ido eu estava observando as luzes em retirada, acariciando-a na imaginação e suavemente murmurando:

“Minha querida Masha, glorioso Masha ...”.

Passei a noite em Karpovna de, e na manhã seguinte eu estava no trabalho com Rabanete, re-cobertura
o mobiliário de um comerciante rico que se casar com sua filha a um médico.

XVII

Minha irmã veio após o jantar no domingo e tinha chá comigo.

“Eu leio muito agora”, disse ela, mostrando-me os livros que ela havia obtido a partir da biblioteca pública em seu caminho para
mim. “Graças à sua esposa e para Vladimir, que me despertou para a auto-realização. Eles foram a minha salvação; eles me
fizeram sentir-me um ser humano. Antigamente eu costumava ficar acordado à noite com preocupações de todos os tipos,
pensando que uma grande quantidade de açúcar que tinha usado na semana, ou esperando que os pepinos que não seria muito
sal. E agora, também, eu fico acordado à noite, mas eu tenho pensamentos diferentes. Angustiado estou que metade da minha
vida tem sido passado de uma maneira tão tola, covarde. Eu desprezo o meu passado; Tenho vergonha disso. E eu olhar para o
nosso pai agora como meu inimigo. Oh, como sou grato para sua esposa! E Vladimir! Ele é uma pessoa maravilhosa! Eles
abriram meus olhos!”

“Isso é ruim que você não dorme à noite”, eu disse.

“Você acha que eu estou doente? De modo nenhum. Vladimir me soou, e disse que eu estava perfeitamente bem. Mas a saúde
não é o que importa, não é tão importante. Diga-me: estou certo “Ela precisava de apoio moral, isso era óbvio?. Masha tinha ido
embora. Dr. Blagovo estava em Petersburgo, e não havia mais ninguém na cidade, mas me, dizer-lhe que ela estava certa. Ela
olhou atentamente para o meu rosto, tentando ler meus pensamentos secretos, e se eu fosse absorvida ou em silêncio na
presença dela, ela achava que isso era por causa dela, e me afligi. Eu sempre tinha que estar em guarda, e quando ela me
perguntou se ela estava certa I apressou-se a garantir-lhe que ela estava certa, e que eu tinha um profundo respeito por ela.

“Você sabe que me deram uma parte no Azhogins'?”, Ela continuou. “Eu quero atuar no palco, eu quero viver-na verdade, eu quero
dizer para drenar o copo cheio. Não tenho talento, nenhuma, e parte é de apenas dez linhas, mas ainda assim este é
incomensuravelmente mais fina e mais elevada do que derramando chá cinco vezes por dia, e olhando para ver se o cozinheiro
tenha comido demais. Acima de tudo, que meu pai vê que eu sou capaz de protesto “.

Depois do chá, ela se deitou na minha cama, e ficou por pouco tempo com os olhos fechados, muito pálida.

“Que fraqueza”, disse ela, levantando-se. “Vladimir diz que todas as mulheres e meninas criado na cidade são anæmic de não fazer
nada. O que um inteligente homem Vladimir é! Ele está certo, absolutamente certo. Devemos trabalhar!”

Dois dias depois, ela veio para o Azhogins' com seu manuscrito para o ensaio. Ela estava usando um vestido preto com um
colar de coral em volta do pescoço, e um broche que a distância era como uma massa folhada, e nas orelhas brincos brilhando
com brilhantes. Quando eu olhei para ela eu me senti desconfortável. Fiquei impressionado com a sua falta de gosto. Que ela
tinha muito inadequadamente colocar brincos e diamantes, e que ela estava estranhamente vestida, foi observado por outras
pessoas também; Eu vi sorrisos nos rostos das pessoas, e ouvi alguém dizer, com uma risada: “Kleopatra do Egito”
Ela estava tentando assumir costumes da sociedade, para ser irrestrita e à vontade, e assim parecia artificial e estranho. Ela
havia perdido a simplicidade e doçura. “Eu disse ao pai só agora que eu estava indo para o ensaio,” ela começou, vindo até
mim “, e ele gritou que ele não me daria sua bênção, e realmente quase me atingiu. Apenas extravagante, eu não sei minha
parte “, disse ela, olhando para ela manuscrito. “Tenho certeza de fazer uma bagunça dele. Assim seja, os dados estão
lançados,”ela continuou com intensa emoção. “A sorte está lançada ...”.

Parecia-lhe que todo mundo estava olhando para ela, e que todos ficaram admirados com o passo importante que ela
tinha tomado, que todo mundo estava esperando algo especial dela, e teria sido impossível convencê-la que ninguém
estava prestando atenção às pessoas tão mesquinho e insignificante como ela e eu éramos.

Ela não tinha nada a fazer até o terceiro ato, e sua parte, a de um visitante, um compadre provincial, consistia apenas
em pé na porta como se ouvindo, e depois entregar um breve monólogo. No intervalo antes de sua aparência, uma
hora e meia, pelo menos, enquanto eles estavam se movendo sobre o palco lendo suas partes, beber chá e
discutindo, ela não sair do meu lado, e foi o tempo todo murmurando sua parte e nervosamente amassando o
manuscrito. E imaginando que todo mundo estava olhando para ela e esperando por sua aparência, com a mão
trêmula alisou o cabelo para trás e disse-me: “Hei de fazer uma bagunça dele .... O que uma carga em meu coração,
se você soubesse! Eu me sinto assustado, como se eu estivesse indo só para ser levado à execução.”Finalmente
chegou sua vez.

“Kleopatra Alexyevna, é a sua sugestão!”, Disse o gerente de palco.

Ela veio para a frente no meio do palco com uma expressão de horror em seu rosto, olhando feio e angular, e por meio

minuto ficou como se estivesse em um transe, perfeitamente imóvel, e apenas seus grandes brincos balançou em seus

ouvidos. “A primeira vez que você pode lê-lo”, disse alguém.

Ficou claro para mim que ela estava tremendo e tremendo tanto que ela não podia falar, e não poderia se
desdobrar seu manuscrito, e que ela era incapaz de agir sua parte; e eu já estava a ponto de ir até ela e dizer
alguma coisa, quando de repente ela caiu de joelhos no meio do palco e começou a soluçar alto. Tudo foi
comoção e agitação. Eu só ficou parado, encostado a cena lado, oprimido pelo que tinha acontecido, não
compreender e não saber o que fazer. Eu os vi levantá-la e levá-la embora. Vi Anyuta Blagovo vêm até mim; Eu
não tinha visto ela no quarto antes, e ela parecia ter saltado para fora da terra. Ela estava usando o chapéu e
véu, e, como sempre, tinha um ar de ter vindo apenas por um momento. “Eu disse a ela para não tomar parte”,
ela disse com raiva, empurrando para fora cada palavra abruptamente e transformando carmesim. “É loucura!
Você deveria ter impedido ela!”

Madame Azhogin, em um curto jaqueta com mangas curtas, com cinzas de cigarro em seu peito, olhando fina e plana,
veio rapidamente para mim.

“Minha querida, isso é terrível”, ela trouxe para fora, torcendo as mãos, e, como seu hábito era,
olhando atentamente para o meu rosto. "Isso é terrível! Sua irmã está em uma condição .... Ela está grávida. Levá-la
embora, eu te imploro ... “.

Ela estava sem fôlego com agitação, enquanto de um lado estavam as três filhas, exatamente como ela, fino e liso,
amontoando de uma forma assustada. Eles ficaram alarmados, oprimido, como se um condenado havia sido preso
em sua casa. Que vergonha, quão terrível! E, no entanto esta família estimável tinha passado sua vida em guerra, em
superstição; evidentemente eles imaginaram que toda a superstição e do erro da humanidade foi limitada aos três
velas, a treze do mês, e ao unluckiness de segunda-feira!

“Peço-lhe ... Eu imploro”, repetiu Madame Azhogin, franzindo-se os lábios na forma de um coração na sílaba “você”.
“Peço-lhe para levá-la para casa.”

XVIII

Um pouco mais tarde minha irmã e eu estávamos andando ao longo da rua. Eu cobri-la com as saias de meu casaco; que se
apressou, a escolha de volta ruas onde não havia lâmpadas de rua, evitando transeuntes; era como se estivéssemos fugindo.
Ela já não estava chorando, mas olhou para mim com os olhos secos. Para Karpovna de onde eu tirei ela, era apenas vinte
minutos a pé, e, por estranho que pareça, nesse curto espaço de tempo conseguimos pensar em toda a nossa vida; nós
conversamos sobre tudo, considerada a nossa posição, refletido ....

Decidimos que não podíamos continuar a viver nesta cidade, e que, quando eu tinha ganhado um pouco de dinheiro que iria
mudar para algum outro lugar. Em algumas casas todos dormiam, em outros eles estavam jogando cartas; que odiava essas
casas; tínhamos medo deles. Falamos do fanatismo, a aspereza do sentimento, a insignificância dessas famílias respeitáveis,
estes amadores de arte dramática quem tinha tão alarmado, e eu ficava perguntando de que maneira essas pessoas
estúpidas, cruéis, preguiçosos e desonestos foram superiores ao camponeses bêbados e supersticiosas de Kurilovka, ou de
que forma eles foram melhores do que os animais, que da mesma forma que são jogados em pânico quando algum incidente
perturba a monotonia de sua vida limitada por seus instintos. O que teria acontecido com a minha irmã agora se tivesse sido
deixado para viver em casa?

Que agonia moral que ela teria experimentado, falando com meu pai, encontrando todos os dias com conhecidos? Eu
imaginei isso para mim, e logo veio à minha mente as pessoas, todas as pessoas que eu conhecia, que tinham sido
lentamente feito até à morte por seus parentes mais próximos. Lembrei-me dos cães torturados, enlouquecido, os
pardais ao vivo arrancou nu por meninos e atirou na água, e uma longa longa série de misérias persistentes obscuros
que eu tinha olhado em continuamente desde a infância naquela cidade,; e eu não conseguia entender o que esses
sessenta mil pessoas viviam para, o que lêem o evangelho para, por que eles oraram, porque eles lêem livros e
revistas. Que bom se tivessem ganhou de tudo o que havia sido dito e escrito até então se eles ainda estavam
possuídos pela mesma escuridão espiritual e ódio da liberdade, como eram cem e trezentos anos atrás? Um mestre
carpinteiro passa seus construção de casas de vida inteira na cidade, e sempre, até o dia de sua morte, chama de
“galeria” a “galdery.” Então, esses sessenta mil pessoas foram leitura e audição da verdade, da justiça, da misericórdia,
de liberdade por gerações, e ainda de manhã até a noite, até
o dia da sua morte, eles estão mentindo, e atormentando o outro, e eles temem a liberdade e odiá-lo como um inimigo mortal.

“E assim que meu destino é decidido”, disse minha irmã, que chegamos em casa. “Depois do que aconteceu eu não
posso voltar _there_. Céus, como é bom que é! Meu coração se sente mais leve.”Ela foi para a cama ao mesmo tempo.
Lágrimas brilhavam em suas pestanas, mas sua expressão era feliz; ela caiu em um sono doce som, e pode-se ver que
seu coração estava mais leve e que ela estava descansando. Foi um longo, longo tempo desde que ela tinha dormido
assim. E assim começamos nossa vida juntos. Ela estava sempre cantando e dizendo que sua vida estava muito feliz,
e os livros eu a trouxe da biblioteca pública I levou de volta não lida, como agora ela não poderia ler; ela queria fazer
nada, mas sonho e falar do futuro, consertando meu linho, ou ajudando Karpovna perto do fogão; ela estava sempre
cantando ou falando de seu Vladimir, de sua inteligência, de suas maneiras encantadoras, de sua bondade, de seu
aprendizado extraordinário, e eu concordei com tudo o que ela disse, embora até agora eu não gostava de seu médico.
Ela queria trabalhar, para levar uma vida independente em sua própria conta, e ela costumava dizer que ela se tornaria
uma escola-professor ou um assistente do médico assim que sua saúde permitiria a ela, e ela mesma faria a lavagem e
a lavagem. Ela já foi apaixonadamente dedicado a seu filho; ele ainda não nasceu, mas ela já sabia a cor de seus
olhos, o que suas mãos seria como, e como ele iria rir. Ela gostava de falar de educação, e como ela Vladimir foi o
melhor homem do mundo, toda a discussão da educação poderia ser resumida na pergunta como fazer o menino tão
fascinante como seu pai. Não havia fim à sua conversa, e tudo o que ela disse fez intensamente alegre. Às vezes,
fiquei muito feliz, também,

Suponho que seu devaneio me contagiou. Eu também dei acima a leitura, e não fez nada, mas sonho. À noite, apesar
do meu cansaço, eu andava para cima e para baixo da sala, com as mãos nos bolsos, falando de Masha.

“O que você acha?” Gostaria de pedir a minha irmã. “Quando ela vai voltar? Eu acho que ela vai voltar no Natal, o mais

tardar; O que ela fazer lá?”“Como ela não escreve para você, é evidente que ela vai voltar muito em breve. “Isso é

verdade,” concordei, embora eu sabia perfeitamente bem que Masha não voltaria para a nossa cidade.

Eu sentia falta dela terrivelmente, e já não podia me enganar, e tentou obter outras pessoas para me enganar. Minha
irmã estava esperando seu médico, e I-Masha; e tanto de nós falava incessantemente, riu, e não percebeu que
estávamos evitando Karpovna de dormir. Ela se deitou no fogão e manteve murmurando:

“O samovar cantarolou esta manhã, ele fez hum! Oh, ele é um bom sinal não é bom, meus queridos, que não augura nada de bom!”

Ninguém nunca veio para nós, mas o carteiro, que trouxe minhas cartas irmã do médico, ver e Prokofy, que às vezes
veio para nos ver à noite, e depois de olhar para a minha irmã sem falar foi embora, e quando ele estava em a
cozinha disse: “Toda classe deve se lembrar suas regras, e qualquer um, que é tão orgulhoso que ele não vai
entender isso, vai achar que é um vale de lágrimas”.
Ele gostava muito da frase “um vale de lágrimas.” Um dia, era na semana do Natal, quando eu estava andando pelo
bazar ele me chamou para o açougue, e não apertar as mãos de mim, anunciou que ele tinha para falar comigo sobre
algo muito importante. Seu rosto estava vermelho do gelo e vodka; perto dele, atrás do balcão, estava Nikolka, com a
expressão de um bandido, segurando uma faca ensanguentada na mão. “Desejo expressar minha palavra a você”,
começou Prokofy. “Este incidente não pode continuar, porque, como você compreender a si mesmo que para tal um
vale, as pessoas vão dizer nada de bom de você ou de nós. Mamma, por pena, não posso dizer algo desagradável para
você, que sua irmã deve mudar para outro alojamento por conta de sua condição, mas eu não vou ter mais nada,
porque eu não posso aprovar seu comportamento.”

Eu entendi ele, e eu fui para fora da loja. No mesmo dia, a minha irmã e eu nos mudamos para Radish do. Não tínhamos
dinheiro para um táxi, e nós andamos a pé; Eu carregava uma parcela de nossos pertences nas minhas costas; minha irmã
não tinha nada em suas mãos, mas ela ofegou e tossiu, e ficava perguntando se devemos chegar lá em breve.

XIX

Finalmente chegou uma carta de Masha.

“Caro, boa MA” (ela escreveu), “nossa espécie, gentil 'anjo' como o velho pintor chama você, adeus; Eu estou indo
com meu pai para a América para a exposição. Em poucos dias, vou ver o mar, tão longe de Dubetchnya, é terrível
pensar! É muito e insondável como o céu, e eu quero estar lá em liberdade. Estou triunfante, eu sou louco, e você
vê como incoerente minha carta é. Caro, bom, dá-me minha liberdade, se apressam para quebrar o fio, que ainda
se mantém, você e me unir. O meu encontro e saber que você era um raio do céu, que iluminou minha existência;
mas eu me tornar sua esposa foi um erro, você entende isso, e eu estou oprimido agora pela consciência do erro,
e rogo-vos, de joelhos, meu amigo generoso, rapidamente, rapidamente, antes que eu comece para o oceano,
telégrafo que você consente para corrigir o nosso erro comum, para remover a pedra solitário de minhas asas, e
meu pai, que vai realizar todos os arranjos, me prometeu não sobrecarregá-lo muito com formalidades. E por isso
estou livre para voar para onde eu vou? Sim?

“Seja feliz, e Deus te abençoe; perdoe-me, um pecador.

“Eu estou bem, eu estou perdendo dinheiro, fazendo todo tipo de coisas tolas, e agradeço a Deus cada minuto que uma
mulher tão má como eu não tem filhos. Eu canto e ter sucesso, mas não é uma paixão; não, é meu refúgio, meu celular para
que eu vá para a paz. O rei Davi tinha um anel com uma inscrição sobre ele: "Todas as coisas passam. Quando alguém está
triste essas palavras fazer um alegre, e quando se está alegre faz um triste. Eu próprio tenho um anel como aquele com letras
hebraicas sobre ele, e este talismã me impede de paixões. Todas as coisas passam, a vida vai passar, se quer nada. Ou pelo
menos um quer nada, mas a sensação de liberdade, pois quando qualquer pessoa é livre, ele não quer nada, nada, nada.
Quebrar o fio. Um grande abraço para você e sua irmã. Perdoar e esquecer o seu M.”

Minha irmã costumava deitar em um quarto, e Radish, que tinha sido mal novamente e foi agora
melhor, em outra. Apenas no momento em que eu recebi esta carta minha irmã passou suavemente para a sala do pintor,
sentou-se ao lado dele e começou a ler em voz alta. Ela lia para ele todos os dias, Ostrovsky ou Gogol, e ele ouviu, olhando
para um ponto, não rir, mas balançando a cabeça e murmurando para si mesmo de vez em quando: “Qualquer coisa pode
acontecer! Qualquer coisa pode acontecer!”

Se algo feio ou indecorosa foram retratados na peça ele diria como se vindictively,
empurrando o dedo no livro: “Não é, mentindo! Isso é o que ele faz, mentir faz.”

As peças fascinava, tanto de seus súditos e sua moral, e de sua hábil construção, complexo, e ele ficou
maravilhado com “ele,” nunca mais chamar o autor pelo seu nome. Como ordenadamente _he_ colocou tudo
junto.

Desta vez minha irmã ler suavemente apenas uma página, e podia ler não mais: a voz dela não duraria para fora. Radish pegou
sua mão e, movendo os lábios ressecados, disse, dificilmente audível, com uma voz rouca:

“A alma de um justo é branca e suave como giz, mas a alma de um homem pecador é como pedra-pomes. A
alma de um justo é como óleo claro, mas a alma de um homem pecador é tar gás. Devemos trabalhar, devemos
tristeza, temos de sofrer a doença “, ele continuou,“e aquele que não trabalho e tristeza não vai ganhar o reino
dos céus. Ai, ai daqueles que são bem alimentados, ai o poderoso, ai do rico, ai dos agiotas! Não para eles é o
Reino dos Céus. Piolhos comer grama, ferrugem come ferro ...”

“E mentindo a alma”, minha irmã acrescentou rindo. Eu li a carta através de mais uma vez. Nesse momento entrou na
cozinha um soldado que tinha sido trazendo-nos duas vezes por semana parcelas de chá, pão francês e do jogo, que
cheirava a perfume, de algum doador desconhecido. Eu não tinha trabalho. Eu tinha de se sentar em marcha lenta casa por
dias inteiros juntos, e provavelmente quem nos enviou o pão francês sabia que estávamos em falta.

Eu ouvi a minha irmã a falar com o soldado e rindo alegremente. Então, deitado, ela comeu um pouco de pão francês e me
disse:

“Quando você não iria para o serviço, mas tornou-se um pintor de casa, Anyuta Blagovo e eu sabia desde o início que
você estava certo, mas estávamos com medo de dizê-lo em voz alta. Diga-me o vigor que é que nos impede de dizer o
que se pensa? Tome Anyuta Blagovo agora, por exemplo. Ela ama você, ela te adora, ela sabe que você está certo,
ela me ama também, como uma irmã, e sabe que estou certo, e eu ouso dizer que em sua alma me inveja, mas
alguma força a impede de vir para nos ver, ela nos foge, ela tem medo “Minha irmã cruzou os braços sobre o peito, e
disse apaixonadamente.:

“Como ela te ama, se você soubesse! Ela confessou seu amor a ninguém além de mim, e, em seguida, muito
secretamente no escuro. Ela me levou para um caminho escuro no jardim, e começou a sussurrar quão precioso você
fosse para ela. Você vai ver, ela nunca vai se casar, porque ela te ama. Você está triste por ela?”‘Sim.’

“É ela quem enviou o pão. Ela é absurdo realmente, qual é a utilidade de ser tão secreto? Eu
costumava ser um absurdo e tolo, mas agora eu tenho longe do que e tenho medo de ninguém. I pensar e dizer em voz alta o
que eu gosto, e estou feliz. Quando eu morava em casa eu não tinha uma concepção de felicidade, e agora eu não mudaria
com uma rainha.”

Dr. Blagovo chegou. Ele tinha tomado seu diploma de médico, e foi agora ficar em nossa cidade com seu pai; Ele estava
tomando um descanso, e disse que ele iria em breve voltar para Petersburgo novamente. Ele queria estudar anti-toxinas
contra o tifo, e, creio eu, a cólera; ele queria ir para o estrangeiro para aperfeiçoar seu treinamento, e depois de ser
nomeado professor. Ele já havia deixado o serviço militar, e usava uma jaqueta espaçoso Serge reefer, calças muito
cheios, e gravatas magníficas. Minha irmã estava em êxtase sobre o seu scarfpin, seus pregos, e o lenço de seda
vermelho que ele usava, eu suponho de foppishness, saindo do bolso de sua jaqueta. Um dia, não tendo nada a ver, ela e
eu contei-se todos os fatos que se lembrava dele vestindo, e chegou à conclusão de que ele tinha pelo menos dez. Ficou
claro que ele ainda amava a minha irmã como antes, mas nunca uma vez, mesmo em tom de brincadeira falou de levá-la
com ele para Petersburg ou no exterior, e eu não podia imaginar a mim mesmo claramente o que seria dela se ela
permaneceu viva e que seria de seu filho. Ela não fez nada, mas sonho sem parar, e nunca pensei seriamente no futuro;
ela disse que ele poderia ir para onde quisesse, e pode abandoná-la mesmo, contanto que ele estava feliz a si mesmo;
que o que tinha sido era suficiente para ela.

Como regra costumava soar muito com cuidado em sua chegada, e usado para insistir em seu leite tomada e
cai em sua presença. Era o mesmo nesta ocasião. Ele parecia ela e fez beber um copo de leite, e não havia
um cheiro de creosoto na nossa sala depois.

“Essa é uma boa menina”, disse ele, pegando o copo dela. “Você não deve falar muito agora; você tomou a
tagarelar como uma pega da tarde. Por favor, segure sua língua.”Ela riu. Então ele entrou no quarto de Radish onde
eu estava sentado e carinhosamente me deu um tapa no ombro.

“Bem, como vão as coisas, velho?”, Disse ele, curvando-se para o inválido.

“Sua honra,” disse Rabanete, movendo os lábios lentamente, “sua honra, atrevo-me a enviar .... Todos nós andar no
temor de Deus, todos nós temos que morrer .... Permita-me dizer-lhe a verdade .... Meritíssimo, o Reino dos Céus não
será para você!”

“Não há nenhuma ajuda para ele,” o médico disse jestingly; “Deve haver alguém no inferno, você sabe.”

E de repente algo aconteceu com a minha consciência; como se eu estivesse em um sonho, como se eu estivesse de
pé em uma noite de inverno no quintal matadouro e Prokofy ao meu lado, com cheiro de pimenta cordial; Fiz um
esforço para me controlar, e esfreguei os olhos, e imediatamente pareceu-me que eu estava indo ao longo da estrada
para a entrevista com o governador. Nada disso tinha acontecido comigo antes, ou que me aconteceu desde então, e
estas memórias estranhas que eram como sonhos, eu atribuída a overexhaustion dos meus nervos. I viveram a cena
no matadouro, ea entrevista com o governador, e ao mesmo tempo era vagamente consciente de que não era real.

Quando voltei a mim, vi que eu já não na casa era, mas na rua, e estava de pé com o médico perto de
um poste de luz.
“É triste, é triste”, ele estava dizendo, e as lágrimas escorrendo pelo seu rosto. “Ela é de bom humor, ela
está sempre rindo e esperançoso, mas sem esperança, querido menino de sua posição. Seu Radish me
odeia, e está sempre tentando me fazer sentir que eu a tratava mal. Ele está certo de seu ponto de vista,
mas eu tenho o meu ponto de vista também; e eu nunca deve se arrepender de tudo o que aconteceu. É
preciso amar; todos devemos amar-não devia nós? Não haveria vida sem amor; quem teme e evita o
amor não é livre.”Pouco a pouco ele passou para outros assuntos, começou a falar de ciência, de sua
dissertação que tinha sido gostava em Petersburg. Ele foi levado por seu assunto, e já não pensava na
minha irmã, nem de sua dor, nem de mim. A vida era de grande interesse para ele. Ela tem a América e
seu anel com a inscrição nele, pensei,

Quando eu disse adeus a ele, eu fui até o poste e leu a carta mais uma vez. E lembrei-me, eu me lembrava
vividamente como naquela manhã de primavera ela tinha vindo para mim no moinho, deitado e se cobriu com o
casaco, ela queria ser como uma camponesa simples. E como, em outra ocasião, era de manhã também -Nós
puxou a rede para fora da água, e pesadas gotas de chuva caíram sobre nós a partir dos salgueiros ribeirinha, e
nós rimos.

Estava escuro em nossa casa na Grã Dvoryansky Street. Eu tenho sobre a cerca e, como eu costumava fazer nos velhos
tempos, foi pelo caminho de volta para a cozinha para pegar uma lanterna. Não havia ninguém na cozinha. O samovar
assobiou perto do fogão, esperando meu pai. “Quem derrama o chá de meu pai agora?”, Pensei. Tomando o lanterna eu saí
para o galpão, construído-me até uma cama de jornais velhos e se deitou. Os ganchos nas paredes parecia proibindo, como
se usaram de idade, e suas sombras piscando. Estava frio. Senti que minha irmã iria entrar em um minuto, e traga-me a ceia,
mas ao mesmo tempo eu me lembrei que ela estava doente e estava deitado na Radish de, e pareceu-me estranho que eu
deveria ter pulou a cerca e estar mentindo aqui neste galpão sem aquecimento. Minha mente estava em um labirinto, e eu vi
todos os tipos de coisas absurdas.

Havia um anel. Um anel familiar da infância: primeiro o fio farfalhou contra a parede, em seguida, a uma curta
anel lamentoso na cozinha. Foi meu pai voltar do clube. Levantei-me e fui para a cozinha. Axinya o cozinheiro
juntou as mãos ao me ver, e por algum motivo explodiu em lágrimas.

“O meu próprio!”, Ela disse suavemente. "Meu precioso! Ó Senhor!"

E ela começou amassando o avental em sua agitação. Na janela havia parado frascos de frutas em vodka. Servi-me um
teacupful e avidamente beberam-lo, pois eu estava intensamente sede. Axinya tinha esfregado muito recentemente a
mesa e bancos, e houve aquele cheiro na cozinha, que é encontrada em cozinhas brilhantes, confortavelmente mantidos
por cozinheiros arrumado. E esse cheiro eo gorjeio do cricket usado para atrair-nos como as crianças para a cozinha, e
nos colocou no humor para ouvir contos de fadas e jogando em “Kings” ...

“Onde está Kleopatra?” Axinya perguntou suavemente, em um fluster, prendendo a respiração; “E onde está o seu boné, minha
querida? Sua esposa, você diz, foi para Petersburg?”

Ela tinha sido o nosso servo no tempo da nossa mãe, e usado uma vez para dar Kleopatra e me nossos banhos, e com ela
nós ainda eram crianças que tiveram que ser falado para o seu bem. Para
quarto de hora ou assim ela colocou diante de mim todas as reflexões que ela teve com a sagacidade de um velho criado
vindo a acumular na quietude daquela cozinha, o tempo todo, uma vez que tinha visto o outro. Ela disse que o médico
poderia ser forçada a casar com Kleopatra; ele só precisava ser completamente assustada; e que quando o recurso foi
escrito prontamente o bispo iria anular o primeiro casamento; que seria uma coisa boa para mim para vender Dubetchnya
sem o conhecimento da minha esposa, e colocar o dinheiro no banco em meu próprio nome; que se a minha irmã e eu
estávamos a curvar-se aos pés do meu pai e pedir-lhe adequadamente, ele pode talvez nos perdoar; que devemos ter um
serviço cantada para a Rainha do Céu ....

“Vem, ir junto, minha querida, e falar com ele”, disse ela, quando ouviu a tosse do meu pai. “Vá ao longo, falar com ele;
curvar-se, a cabeça não vai cair fora.”Eu entrei. Meu pai estava sentado à mesa esboçar um plano de uma moradia de
verão, com janelas góticas, e com uma torre de gordura como um bombeiro relógio torre, algo peculiarmente rígida e
insípido. Indo para o estudo Eu ainda estava onde eu podia ver este desenho. Eu não sei por que eu tinha ido para o
meu pai, mas eu me lembro que quando eu vi seu rosto magro, com o pescoço vermelho, e sua sombra na parede, eu
queria me jogar em seu pescoço, e como Axinya tinha me dito , prostrar a seus pés; mas a visão da casa de campo do
verão com as janelas góticas e a torre de gordura, me impediu. “Boa noite”, eu disse.

Ele olhou para mim, e imediatamente baixou os olhos em seu desenho. “O que você quer?”,

Ele perguntou, depois de esperar um pouco.

“Eu vim para dizer-lhe da minha irmã muito doente. Ela não pode viver muito tempo “, acrescentei em voz oca.

“Bem”, suspirou meu pai, tirando os óculos, e colocando-as sobre a mesa. “O que, quando semeias que tu colher. O que tu
semeias “, repetiu ele, levantando-se da mesa“, que farás colher. Peço-lhe para se lembrar de como você veio até mim há
dois anos, e neste mesmo lugar que eu implorei, roguei-lo a desistir de seus erros; Eu lembrei do seu dever, da sua honra,
do que você devia a seus antepassados ​cujas tradições que devemos preservar como sagrado. Será que você me
obedecer? Você desprezou os meus conselhos, e obstinadamente persistiu em agarrando-se a seus falsos ideais; pior
ainda você desenhou sua irmã no caminho do erro com você, e levou-à perder seus princípios morais e sentimento de
vergonha. Agora que ambos estão em um mau caminho. Bem, como quando semeias, então tu colher!”

Como ele disse isso, ele andava para cima e para baixo da sala. Ele provavelmente imaginou que eu tinha chegado a ele para confessar
minhas ações erradas, e ele provavelmente esperava que eu deveria começar pedindo-lhe para perdoar a minha irmã e eu. Eu estava com
frio, eu estava tremendo como se estivesse em uma febre, e falou com dificuldade com uma voz rouca.

“E peço-lhe, também, de lembrar,” eu disse, “neste mesmo lugar roguei que me entender, para refletir, para decidir comigo
como e para que vivamos, e na resposta que você começou a falar sobre a nossa antepassados, sobre o meu avô, que
escreveu poemas. Um diz-lhe agora que a sua única filha está irremediavelmente doente, e você vai novamente sobre
seus antepassados, suas tradições .... E tal frivolidade em sua velhice, quando a morte é fechar a mão, e você tem não
mais do que cinco ou dez anos esquerda!”
“O que você veio fazer aqui?” Meu pai perguntou severamente, evidentemente ofendido com a minha reprovando-o por
sua frivolidade.

"Eu não sei. Eu te amo, estou indescritivelmente triste que estamos tão distantes, tão você vê que eu vim. Eu ainda te
amo, mas minha irmã rompeu com você completamente. Ela não perdoá-lo, e nunca vai perdoá-lo agora. Seu próprio
nome desperta sua aversão para o passado, para a vida “.

“E quem é a culpa por isso?”, Gritou meu pai. “A culpa é sua, você canalha!” “Bem, suponho que é minha culpa?”, Eu disse.
“Eu admito que ter sido o culpado de muitas coisas, mas por que é que esta vida de vocês, o que você acha de ligação em
cima de nós, também, por que é tão triste, tão estéril? Como é que em nenhuma dessas casas você têm vindo a construir
nos últimos trinta anos tem havido alguém de quem eu poderia ter aprendido como viver, de modo a não ser o culpado?
Não é um homem honesto em toda a cidade! Estas casas de seus são ninhos de condenação, onde as mães e filhas são
feitos com a distância, onde as crianças são torturadas .... Minha pobre mãe!”Eu fui com desespero. “Minha pobre irmã! Um
deles tem de entorpecer-se com vodka, com cartões, com escândalo; um deve tornar-se um canalha, um hipócrita, ou ir em
desenho planos por anos e anos, de modo a não perceber todos os horrores que se escondem nestas casas. Nossa cidade
já existe há centenas de anos, e durante todo esse tempo não produziu um homem de serviço para o nosso não
country-um. Você tem sufocado no tudo germe, no mínimo, de estar e brilhante. É uma cidade de comerciantes, publicanos,
funcionários da casa Apuramento, hipócritas canting; é uma cidade inútil, desnecessária, que não uma alma iria se
arrepender se ele de repente afundou através da terra.”

“Eu não quero ouvi-lo, você canalha!”, Disse meu pai, e ele tomou a sua régua da mesa. "Você está bêbado. Não ouse vir
e ver o seu pai em tal estado! Eu digo a você pela última vez, e você pode repeti-lo para sua irmã depravada, que você vai
conseguir nada de mim, qualquer um de vocês. I ter rasgado meus filhos desobedientes fora do meu coração, e se eles
sofrem por sua desobediência e obstinação eu não tenho pena deles. Você pode ir onde você veio. Aprouve a Deus para
me castigar com você, mas vou dar o julgamento com resignação, e, como Jó, vou encontrar consolo nos meus
sofrimentos e um trabalho contínuo. Você não tem que cruzar o meu limite até que você tenha reparado seus caminhos.
Eu sou um homem justo, tudo o que eu digo é para seu benefício, e se você desejar o seu próprio bem que você deve se
lembrar toda a sua vida o que eu digo e vos disse ... “.

Eu acenei minha mão em desespero e foi embora. Não me lembro o que aconteceu depois, naquela noite e no dia
seguinte.

Disseram-me que eu andava pelas ruas com a cabeça descoberta, surpreendente, e cantando em voz alta, enquanto uma multidão de

meninos correu atrás de mim, gritando: “É melhor do que nada”

XX

Se eu queria pedir um anel para mim, a inscrição que devo escolher seria: “Nada passa longe” Eu
acredito que nada passa sem deixar rastro, e que cada
passo que damos, ainda que pequena, tem um significado para o nosso presente e nosso futuro existência. O que eu fui com não foi para

nada. Meus grandes problemas, a minha paciência, ter tocado o coração das pessoas, e agora eles não me chame de “Melhor do que o

nada”, eles não rir de mim, e quando eu ando pelas lojas que não jogue água sobre mim. Eles têm crescido usados ​para eu ser um

trabalhador, e não ver nada estranho no meu carregando um balde de tinta e colocando em janelas, embora eu sou da nobreza; pelo

contrário, as pessoas estão contentes de me dar ordens, e estou agora considerado um operário de primeira qualidade, eo melhor capataz

depois de Radish, que, embora tenha recuperado sua saúde e, embora, como antes, ele pinta a cúpula em campanário sem andaimes, já

não tem a força para controlar os trabalhadores; em vez da ele que agora correm sobre a cidade à procura de trabalho, I envolver os

trabalhadores e pagar-lhes, pedir dinheiro emprestado a uma alta taxa de juros, e agora que eu mesmo sou um empreiteiro, eu entendo

como é que alguém pode ter que perder três dias de corrida sobre a cidade em busca de tilers por conta de algum trabalho

twopenny-halfpenny. As pessoas estão civil para mim, eles me tratar educadamente, e nas casas onde eu trabalho, eles me oferecer chá, e

enviar para perguntar se eu não gostaria de jantar. Crianças e jovens muitas vezes vêm e olhar para mim com curiosidade e compaixão. e

enviar para perguntar se eu não gostaria de jantar. Crianças e jovens muitas vezes vêm e olhar para mim com curiosidade e compaixão. e

enviar para perguntar se eu não gostaria de jantar. Crianças e jovens muitas vezes vêm e olhar para mim com curiosidade e compaixão.

Um dia eu estava trabalhando no jardim do Governador, pintando um mandril lá para olhar como o mármore. O
governador, que passeava no jardim, veio até o caramanchão e, não tendo nada para fazer, entrou em conversa comigo, e
eu lembrei-lhe como ele havia me chamado para uma entrevista com ele. Ele olhou para o meu rosto atentamente por um
minuto, em seguida, fez a sua boca como um círculo “O”, atirou-se as mãos e disse: “Eu não me lembro” eu envelheci,
tornaram-se em silêncio, proa, e austero , eu raramente rir, e me disseram que eu tenho crescido como rabanete, e que
como ele me deu os trabalhadores por minhas exortações inúteis.

Mariya Viktorovna, minha ex-mulher, está vivendo agora no exterior, enquanto seu pai está construindo uma estrada de ferro
em algum lugar nas províncias orientais, e está comprando propriedades lá. Dr. Blagovo é também no exterior. Dubetchnya
passou novamente para a posse de Madame Tcheprakov, que a comprou depois de forçar o engenheiro para bater o preço
para baixo vinte por cento. Moisey vai sobre agora em um chapéu-coco; muitas vezes ele dirige para a cidade em um droshky
corridas em negócios de algum tipo, e pára perto do banco. Dizem que ele já comprou uma propriedade hipotecada, e está
constantemente a fazer perguntas no banco sobre Dubetchnya, o que ele significa para comprar também. Pobres Ivan
Tcheprakov foi por um longo tempo fora do trabalho, cambaleando sobre a cidade e beber. Tentei levá-lo para o nosso
trabalho, e por um tempo ele pintou telhados e colocar em vidraças em nossa empresa, e ainda tenho que gostar, e roubou
petróleo, pediu para sugestões, e bebeu como um pintor regular. Mas ele logo ficou doente do trabalho, e voltou a
Dubetchnya, e depois os operários me confessou que tinha tentado persuadi-los a se juntar a ele uma noite e assassinar
Moisey e Rob Madame Tcheprakov. Meu pai tem muito envelhecido; ele é muito inclinada, e à noite anda para cima e para
baixo perto de sua casa. Eu nunca ir para vê-lo.

Durante uma epidemia de cólera Prokofy adulterada alguns dos lojistas com pimenta cordial e passo, e levou o
dinheiro para fazê-lo, e, como eu aprendi com os jornais, foi açoitado por abusar os médicos quando ele se sentou
em sua loja. Sua loja menino Nikolka morreram de cólera. Karpovna ainda está viva e, como sempre, ela ama e
teme-la Prokofy. Quando ela
me vê, ela sempre balança a cabeça tristemente, e diz com um suspiro: “Sua vida está arruinada.”

Em dias úteis Estou ocupado de manhã à noite. Nos feriados, o tempo está bom, eu levo a minha pequena sobrinha (minha irmã
contava com um menino, mas a criança é uma menina) e caminhar de uma forma de lazer para o cemitério. Lá eu ficar de pé ou
sentar, e ficar um longo tempo olhando para a sepultura que é tão querido para mim, e dizer ao filho que sua mãe reside aqui.

Às vezes, junto ao túmulo, acho Anyuta Blagovo. Nós cumprimentar uns aos outros e ficar em silêncio, ou falar
de Kleopatra, de seu filho, de como a vida é triste neste mundo; em seguida, sair do cemitério andamos em
silêncio e ela afrouxa seu ritmo no propósito de andar ao meu lado um pouco mais. A menina, alegre e feliz, puxa
sua mão, rindo e apertando os olhos à luz do sol brilhante, e nós ainda estão de pé e junte-se a acariciar a cara
criança.

Quando chegar à cidade Anyuta Blagovo, carmesim agitado e rubor, diz adeus a mim e anda sozinho,
austera e respeitável .... E ninguém que conheci poderia, olhando para ela, imaginar que ela só estava
andando ao meu lado e ainda acariciando a criança.