Você está na página 1de 21

Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação

Disciplina: Redes de Computadores II


Lista de Exercı́cios 1 – 1o semestre de 2017 –
GABARITO
Questão 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
O objetivo deste exercı́cio é entender melhor a relação entre faixas de endereços IP, endereços
de rede, e endereços IPs. Repare que todo endereço de rede define uma faixa de endereços
IP e que todo endereço IP pertence a uma ou mais redes. O entendimento destes conceitos
é fundamental e será necessário para resolver outras questões desta avaliação.
(a) Determine se o endereços IP a seguir pertencem ou não às redes correspondentes.
i. O endereço 32.192.216.109 pertence à rede 32.192.0.0/15
ii. O endereço 226.157.135.183 não pertence à rede 226.144.0.0/15
iii. O endereço 204.195.64.239 não pertence à rede 205.128.0.0/10
iv. O endereço 101.107.106.187 pertence à rede 100.0.0.0/7
v. O endereço 94.94.25.139 pertence à rede 94.94.0.0/15
vi. O endereço 66.105.249.8 pertence à rede 66.0.0.0/8
vii. O endereço 168.134.185.98 não pertence à rede 168.160.0.0/11
viii. O endereço 85.253.87.88 não pertence à rede 85.224.0.0/12
ix. O endereço 222.89.21.249 não pertence à rede 196.0.0.0/6
x. O endereço 17.195.226.193 pertence à rede 17.192.0.0/10
(b) Nos itens a seguir, serão apresentados dois endereços, correspondentes a duas redes
distintas. Determine, em cada caso, se uma das redes é uma subrede da outra ou não.
Em caso positivo, identifique a subrede maior e a subrede menor.
i. 29.60.0.0/14 é disjunta de 29.38.32.0/19
ii. 166.188.128.0/18 é disjunta de 166.160.0.0/13
iii. 134.136.0.0/13 é disjunta de 135.0.0.0/8
iv. 17.110.63.0/24 contém 17.110.63.112/28
v. 140.152.0.0/13 está contida em 140.0.0.0/8
vi. 121.203.23.0/24 contém 121.203.23.128/26
vii. 171.65.176.0/22 está contida em 171.65.176.0/20
viii. 33.128.0.0/9 é disjunta de 35.0.0.0/12

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 1 de 21 (questão 1 continua)


(continuação da questão 1) Redes de Computadores II

ix. 48.160.0.0/11 é disjunta de 48.4.0.0/15


x. 86.68.0.0/15 é disjunta de 86.32.0.0/11

Questão 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
O problema de encaminhamento consiste em determinar por qual interface de rede um
pacote IP que chega a um roteador será transmitido. O encaminhamento dos pacotes é
realizado de acordo com a tabela de roteamento. O objetivo desta questão é compreender
como funciona este mecanismo na Internet.
Suponha que um roteador da Internet deva encaminhar seus pacotes de acordo com a tabela
abaixo, cujas faixas de endereços IP está representada em binário.
Faixa de endereço destino Interface
00001100 10010000 00000000 00000000
a 0
00001100 10011111 11111111 11111111
00110010 01110010 00000000 00000000
a 1
00110010 01110010 01111111 11111111
00110010 01110010 00110000 00000000
a 1
00110010 01110010 00111111 11111111
00110010 01110010 00011000 00000000
a 2
00110010 01110010 00011111 11111111
00110010 01110010 00011110 00000000
a 1
00110010 01110010 00011111 11111111
00001100 10010000 00000000 00000000
a 3
00001100 10010011 11111111 11111111
caso contrário 2

(a) Construa a tabela de roteamento com base nas informações da tabela acima, isto é,
determine o prefixo (em notação binária) correspondente a cada linha da tabela acima.
Sua tabela deve indicar a interface de rede correspondente a cada prefixo.

Resposta:

Prefixo Interface
00001100 1001 0
00110010 01110010 0 1
00110010 01110010 0011 1
00110010 01110010 00011 2
00110010 01110010 0001111 1
00001100 100100 3
- 2

(b) Reescreva a tabela de roteamento encontrada acima utilizando a notação a.b.c.d/x.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 2 de 21 (questão 2 continua)


(continuação da questão 2) Redes de Computadores II

Resposta:

Prefixo Interface
12.144.0.0/12 0
50.114.0.0/17 1
50.114.48.0/20 1
50.114.24.0/21 2
50.114.30.0/23 1
12.144.0.0/14 3
0.0.0.0/0 2

(c) Determine para qual interface de rede cada um dos pacotes abaixo, com os respectivos
endereços de destino, será encaminhado.

i. 50.114.41.143 → interface 1 vii. 12.144.222.159 → interface 3


ii. 12.130.183.147 → interface 2 viii. 12.147.226.40 → interface 3
iii. 12.159.224.152 → interface 0 ix. 50.114.29.215 → interface 2
iv. 50.114.20.63 → interface 1 x. 50.114.30.213 → interface 1
v. 50.114.24.16 → interface 2 xi. 12.145.15.232 → interface 3
vi. 50.114.120.63 → interface 1 xii. 12.189.188.156 → interface 2

(d) Determine quais regras (ou seja, linhas) da tabela de roteamento acima podem ser
removidas sem afetar o encaminhamento dos pacotes. Indique se isto não for o caso.1

Resposta:

A regra do prefixo 50.114.48.0/20 é redundante.

Questão 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Um problema fundamental em gerência de redes consiste em dividir uma determinada rede
em múltiplas subredes. Resolver este problema nos permite alocar endereços IP para as
estações pertencentes a cada uma destas subredes, visto que uma interface de rede de uma
estação ou roteador pertence a exatamente uma subrede.
Considere um roteador que interconecta diferentes subredes associadas às suas interfaces.
Cada item a seguir ilustra diferentes configurações para o roteador, indicando o endereço de
rede que deve ser dividido, o número de subredes a serem criadas (uma para cada interface
do roteador), e o número de estações em cada subrede.
Para cada configuração, determine os endereços das subredes na forma a.b.c.d/x para aten-
der aos requisitos, ou indique não ser possı́vel atendê-los (explique sua resposta neste caso).
Repare que não há uma solução única.2

1
Dica: procure por faixas mais especı́ficas.
2
Dica: aloque os endereços das subredes em ordem decrescente de seus tamanhos (i.e., maior primeiro).

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 3 de 21 (questão 3 continua)


(continuação da questão 3) Redes de Computadores II

i. R1 : 6.110.248.0/24 ii. R2 : 167.176.126.0/23 iii. R3 : 79.0.0.0/8


com 5 subredes: com 5 subredes: com 5 subredes:
R11 : 40 estações R21 : 40 estações R31 : 600000 estações
R12 : 60 estações 167.176.126.192/26 79.64.0.0/12
R13 : 10 estações R22 : 30 estações R32 : 500000 estações
R14 : 40 estações 167.176.127.0/27 79.96.0.0/12
R15 : 50 estações R23 : 30 estações R33 : 2200000 estações
167.176.127.0/26 79.0.0.0/10
Alocação impossı́vel R24 : 90 estações R34 : 500000 estações
167.176.126.0/25 79.112.0.0/12
R25 : 60 estações R35 : 600000 estações
167.176.126.128/26 79.80.0.0/12

Questão 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Considere o problema de encaminhamento de pacotes em uma rede baseada em circuitos
virtuais. Neste tipo de rede os roteadores possuem tabelas de roteamento que mapeiam a
interface de entrada e o número de circuito em uma interface de saı́da e outro número de
circuito virtual. Os pacotes de uma determinada conexão carregam o número do circuito
virtual do enlace sendo atravessado, que é atualizado pelo roteador ao encaminhá-lo. O
objetivo desta questão é entender como funcionam circuitos virtuais.

a b c

A B C

D E F

d e f

Tabela de A Tabela de B Tabela de C


Entrada Saı́da Entrada Saı́da Entrada Saı́da
a, 8 B, 1 A, 1 D, 5 F, 3 B, 4
D, 5 B, 4 b, 2 E, 5 E, 7 c, 5
a, 2 D, 9 b, 3 D, 6 c, 6 B, 9
C, 9 D, 1 F, 1 B, 8
C, 8 b, 2
D, 2 b, 4
A, 4 E, 4
D, 1 b, 9
b, 4 D, 7
C, 4 E, 1

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 4 de 21 (questão 4 continua)


(continuação da questão 4) Redes de Computadores II

Tabela de D Tabela de E Tabela de F


Entrada Saı́da Entrada Saı́da Entrada Saı́da
E, 2 d, 7 e, 6 D, 5 f, 6 E, 6
E, 5 B, 1 e, 8 F, 3 E, 4 C, 1
B, 1 d, 1 e, 1 F, 4 E, 3 f, 2
B, 6 d, 3 F, 6 C, 7
d, 1 A, 5 D, 7 e, 9
A, 9 E, 7 B, 4 e, 4
B, 7 d, 9 B, 5 D, 2
d, 8 B, 2
B, 5 d, 2

Considere a rede anterior, composta por estações e roteadores, e as tabelas de roteamento


destes roteadores. Note que todo enlace de saı́da na tabela de roteamento corresponde a
um enlace de entrada na tabela do roteador do outro lado do enlace. Por exemplo, a saı́da
E,3 na tabela do roteador A corresponde à entrada A,3 na tabela do roteador E.
(a) Em cada item a seguir, será apresentado um pacote, identificado por sua estação e
circuito virtual de origem. Determine o caminho que estes pacotes irão percorrer pela
rede. Em particular, determine a sequência de enlaces que cada pacote irá atravessar e,
para cada enlace, o número do circuito virtual que o pacote irá conter ao atravessá-lo.
8 2 4
i. (d, 8) : d → D → B → b
3 6 3
ii. (b, 3) : b → B → D → d
4 7 9
iii. (b, 4) : b → B → D → d
6 5 1 9
iv. (e, 6) : e → E → D → B → b
2 9 7 9
v. (a, 2) : a → A → D → E → e
8 1 5 2
vi. (a, 8) : a → A → B → D → d
(b) Considere agora que desejamos criar novos circuitos virtuais, indicados nos itens a
seguir. Determine o número de CV que será utilizado em cada enlace destes novos
circuitos. Considere que as numerações utilizada nos dois sentidos de cada enlace são
independentes, e que os circuitos criados em cada item continuam existindo nos itens
seguintes. Note que há mais de uma resposta correta.
2 3 1 1 1 1 3
i. d → D → B → b iii. f → F → E → B → b
1 2 1 1 1 2 3 4
ii. b → B → D → A → a iv. a → A → B → D → d

Questão 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
O algoritmo de Dijkstra — que leva o nome do professor holandês Edsger W. Dijkstra, que
o desenvolveu em 1956 — é um dos algoritmos mais utilizados para encontrar os caminhos
mais curtos em uma rede onde as arestas (enlaces) possuem pesos não negativos. Este
algoritmo é utilizado, por exemplo, na Internet, para que roteadores, conhecendo a topologia
da rede em questão, possam calcular rotas ótimas e encaminhar pacotes segundo estas rotas.
Algoritmos de roteamento que seguem esta ideia são ditos algoritmos do tipo estado de
enlace (link state). O objetivo desta questão é entender como funciona o algoritmo de
Dijkstra.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 5 de 21 (questão 5 continua)


(continuação da questão 5) Redes de Computadores II

Considere a rede ilustrada abaixo, onde os enlaces estão anotados com seus respectivos
custos.
12 3
A B C

5 6
5

D
3 E

1
4 6
4
F G

(a) Utilizando o algoritmo de Dijkstra, calcule os caminhos mais curtos a partir do nó C,
destacado em verde, para todos os outros nós da rede. Construa uma tabela igual à
mostrada em aula que mostra o funcionamento do algoritmo de forma iterativa.

Resposta:

N’ dA pA dB pB dD pD dE pE dF pF dG pG dH pH
0 C ∞ - 3 C ∞ - ∞ - ∞ - ∞ - ∞ -
1 CB 15 B 8 B 9 B ∞ - 6 B ∞ -
2 CBG 15 B 7 G 9 B 10 G ∞ -
3 CBGD 12 D 9 B 10 G ∞ -
4 CBGDE 12 D 10 G ∞ -
5 CBGDEF 12 D 13 F
6 CBGDEFA 13 F
7 CBGDEFAH

(b) A partir do resultado do item anterior, construa a árvore de caminhos mı́nimos a partir
de C calculada pelo algoritmo. Construa também a tabela de roteamento de C.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 6 de 21


Redes de Computadores II

Resposta:

A B C

D E

F G

H I J

FALTA A TABELA DE ROTEAMENTO!!

Questão 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Algoritmos de roteamento do tipo distance vector são algoritmos distribuı́dos para calcular
os caminhos mais curtos em uma rede com custos. Nestes algoritmos, os nós da rede
não possuem conhecimento da topologia da rede e atualizam seus caminhos mı́nimos em
função de mensagens trocadas com seus vizinhos — isto é, os nós devem continuamente
cooperar uns com os outros, através da troca de informações, para que todos descubram
seus caminhos mı́nimos. O objetivo desta questão é compreender como funcionam estes
algoritmos.

3 3

B C
6 2

11 2

D 1 E

(a) Considere a rede ilustrada acima, onde os enlaces estão anotados com seus respectivos
custos. Vamos assumir que os nós da rede executam uma versão sı́ncrona do algoritmo
distance vector, de forma que cada passo do algoritmo é executado por todos os nós
simultaneamente, antes de todos avançarem para o passo seguinte.
Antes da execução do algoritmo, todos os nós sabem apenas o custo dos enlaces que
os liga a seus vizinhos. Determine as tabelas de distância iniciais de cada nó. A partir
destas tabelas de distância, determine também os vetores de distância iniciais de cada
nó. Este é o “passo 0” do algoritmo.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 7 de 21 (questão 6 continua)


(continuação da questão 6) Redes de Computadores II

Resposta:

Passo 0:
custo até custo até custo até custo até custo até
A B C D E
B C D E A C D E A B D E A B C E A B C D
B 3 ∞∞∞ A 3 ∞∞∞ A 3 ∞∞∞ A 6 ∞∞∞ A 2 ∞∞∞

via

via

via

via
C ∞ 3 ∞∞ D ∞ ∞ 11 ∞ E ∞∞∞ 2 B ∞ 11 ∞ ∞ C ∞∞ 2 ∞
via

D ∞∞ 6 ∞ E ∞∞∞ 1 D ∞∞∞ 1
E ∞∞∞ 2

vetor de A vetor de B vetor de C vetor de D vetor de E


A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E
0 3 3 6 2 3 0 ∞ 11 ∞ 3 ∞ 0 ∞ 2 6 11 ∞ 0 1 2 ∞ 2 1 0

(b) Na primeira iteração do algoritmo, todos os nós enviam aos seus vizinhos os vetores de
distância calculados no passo 0. Cada nó utiliza os vetores recebidos para compor uma
nova tabela de distâncias, e utiliza esta nova tabela para atualizar o seu próprio vetor
de distâncias. Determine as novas tabelas de distância de cada nó e, a partir delas,
calcule os novos vetores de distância de cada nó. Isto conclui o passo 1 do algoritmo.

Resposta:

Passo 1:
custo até custo até custo até custo até custo até
A B C D E
B C D E A C D E A B DE A B C E A B C D
B 3 ∞ 14 ∞ A 3 6 9 5 A 3 6 9 5 A 6 9 9 8 A 2 5 5 8
via

via

via

via
C ∞ 3 ∞ 5 D 17 ∞ 11 12 E 4 ∞ 3 2 B 14 11 ∞ ∞ C 5 ∞ 2 ∞
via

D 17 ∞ 6 7 E 3 ∞ 3 1 D 7 12 ∞ 1
E ∞ 4 3 2

vetor de A vetor de B vetor de C vetor de D vetor de E


A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E
0 3 3 3 2 3 0 6 9 5 3 6 0 3 2 3 9 3 0 1 2 5 2 1 0

(c) As iterações seguintes do algoritmo procedem da mesma forma que a primeira, mas
utilizando os vetores de distância calculados no passo anterior. Esta dinâmica irá
continuar até a convergência do algoritmo, isto é, até que chegue um passo em que o
vetor de distâncias de todos os nós não se modifique. Repita o item anterior — isto é,
determine as novas tabelas de distância e recalcule os vetores de distância de todos os
nós — até que ocorra a convergência do algoritmo. Em quantos passos ocorreu esta
convergência?

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 8 de 21


Redes de Computadores II

Resposta:

O algoritmo irá convergir em apenas 3 passos.


Passo 2:
custo até custo até custo até custo até custo até
A B C D E
B C D E A C D E ABDE A B C E A B CD
B 3 9 12 8 A 3 6 6 5 A 3 6 6 5 A 6 9 9 8 A 2 5 5 5

via

via

via

via
C 9 3 6 5 D 14 14 11 12 E 4 7 3 2 B 14 11 17 16 C 5 8 2 5
via

D 15 9 6 7 E 3 6 3 1 D 4 10 4 1
E 7 4 3 2

vetor de A vetor de B vetor de C vetor de D vetor de E


A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E
0 3 3 3 2 3 0 6 6 5 3 6 0 3 2 3 6 3 0 1 2 5 2 1 0

Passo 3:
custo até custo até custo até custo até custo até
A B C D E
B CDE A C D E ABDE A B C E ABCD
B 3 9 9 8 A 3 6 6 5 A 3 6 6 5 A 6 9 9 8 A 2 5 5 5
via

via

via

via
C 9 3 6 5 D 14 14 11 12 E 4 7 3 2 B 14 11 17 16 C 5 8 2 5
via

D 12 9 6 7 E 3 6 3 1 D 4 7 4 1
E 7 4 3 2

vetor de A vetor de B vetor de C vetor de D vetor de E


A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E A B C D E
0 3 3 3 2 3 0 6 6 5 3 6 0 3 2 3 6 3 0 1 2 5 2 1 0

Questão 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Ao contrário de roteamento dentro de um sistema autônomo (intra-AS), que é orientado a
desempenho (encontrar caminhos mı́nimos pelos quais os pacotes irão transitar), o rotea-
mento entre sistemas autônomos (inter-AS) na Internet é orientado a polı́tica de uso. Os
sistemas autônomos negociam enlaces entre eles e polı́ticas de utilização para estes enla-
ces. O objetivo desta questão é compreender o funcionamento do protocolo de roteamento
inter-AS utilizado na Internet, o BGP.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 9 de 21 (questão 7 continua)


(continuação da questão 7) Redes de Computadores II

B4
b
c
B2 C2
B3 d
B5 C1

B1 C3

a A3 D1
A2

A1 D2

G5 E1
e
G4
G3 G1 E3
i E2

F2 F1 f

h G2
g

Considere a rede a seguir, onde as cores distintas identificam diferentes sistemas autônomos
(AS). Nesta rede, há dois tipos de enlaces entre ASs: os enlaces denotados por linhas
contı́nuas, que formam um ciclo entre todos os ASs, compõem o backbone da rede, e podem
ser utilizados por todo tipo de tráfego. Além disso, alguns ASs negociam peering links,
“atalhos” diretos entre eles, denotados por linhas tracejadas. Cada um destes enlaces so-
mente pode ser utilizado para comunicações entre estações destes ASs, não sendo permitido
tráfego de terceiros. As nuvens, identificadas por letras minúsculas, representam subredes.
(a) Determine se, entre cada um dos seguintes pares de roteadores, existe comunicação
iBGP ou eBGP (ou indique se não houver comunicação BGP entre eles).

i. B1 e E1 : — v. B5 e C1 : eBGP ix. A2 e A1 : iBGP


ii. D2 e D1 : iBGP vi. G5 e C1 : eBGP x. C1 e F2 : —
iii. F2 e C1 : — vii. G3 e G5 : iBGP xi. D2 e D1 : iBGP
iv. D2 e E1 : eBGP viii. E2 e C2 : — xii. C1 e B4 : —

(b) Considere, agora, que diversos pacotes serão enviados entre estas redes. Em cada item
abaixo, são apresentados as subredes de origem e destino de um destes pacotes. Deter-
mine quais ASs estes pacotes irão atravessar e, a partir desta informação, determine
os roteadores que ele irá atravessar até o seu destino.
i. f → e
ASs: E
Caminho: E2 - E1
ii. b → c
ASs: B - C
Caminho: B3 - B4 - B5 - C1

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 10 de 21 (questão 7 continua)


(continuação da questão 7) Redes de Computadores II

iii. i → c
ASs: G - C
Caminho: G4 - G2 - G3 - G5 - C1
iv. i → a
ASs: G - A
Caminho: G4 - G2 - G3 - G5 - A1 - A2
v. b → i
ASs: B - A - G
Caminho: B3 - B2 - B1 - A3 - A1 - G5 - G3 - G2 - G4
vi. b → h
ASs: B - A - G
Caminho: B3 - B2 - B1 - A3 - A1 - G5 - G3 - G2
vii. b → g
ASs: B - F
Caminho: B3 - B2 - B1 - F2
viii. e → c
ASs: E - D - C
Caminho: E1 - D2 - D1 - C3 - C2 - C1
ix. e → a
ASs: E - A
Caminho: E1 - E3 - A3 - A1 - A2
x. b → d
ASs: B - C
Caminho: B3 - B4 - B5 - C1 - C2 - C3
(c) Em cada item a seguir, os ASs apresentados devem tomar a decisão de anunciar ou não
uma rota até uma determinada subrede para um AS vizinho. Com base nas polı́ticas
de utilização descritas anteriormente, determine se os ASs realizarão tais anúncios.
Considere que a rota em questão é a rota que o AS anunciante utiliza para enviar seus
pacotes para a subrede destino.
i. AS B anuncia rota até b para AS D
ii. AS B anuncia rota até b para AS C
iii. AS D não anuncia rota até f para AS G
iv. AS E não anuncia rota até a para AS D
v. AS A anuncia rota até a para AS F
vi. AS B não anuncia rota até i para AS F
vii. AS E anuncia rota até f para AS D
viii. AS E anuncia rota até e para AS D

Questão 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Considere o problema de tradução de endereços entre a rede privada e a rede pública que
um NAT precisa resolver. Este problema é resolvido utilizando uma tabela de tradução de
endereços que é atualizada quando uma nova conexão é estabelecida entre uma estação na

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 11 de 21 (questão 8 continua)


(continuação da questão 8) Redes de Computadores II

rede privada e outra na rede pública. O objetivo desta questão é compreender exatamente
como funciona este mecanismo.
Considere um NAT cujo endereço IP na rede pública é 26.216.110.181 e que gerencia as
conexões da rede privada, que ocupa a faixa 172.16.0.0/12. Inicialmente o NAT em questão
possui a seguinte tabela de tradução, onde cada regra é identificada por um número:
(IP, porta) da estação local (IP, porta) da estação remota Porta pública no NAT
(1) 172.16.0.1, 15906 233.218.113.105, 27394 17307
(2) 172.16.0.2, 8617 163.111.75.90, 17330 17487
(3) 172.16.0.1, 21749 219.56.178.248, 5426 17283
(4) 172.16.0.3, 24084 254.141.146.184, 22487 18033
(5) 172.16.0.3, 6714 113.103.147.109, 28845 1027
(6) 172.16.0.3, 10824 159.43.70.246, 6537 31443
(7) 172.16.0.4, 29221 32.55.44.244, 23255 1025
(8) 172.16.0.2, 31512 62.208.200.185, 15946 14317
(9) 172.16.0.3, 17183 139.129.61.122, 20974 19605
(10) 172.16.0.1, 15994 41.216.158.115, 15700 22661

Suponha que todos os fluxos nesta questão são fluxos TCP, identificados unicamente pelos
endereços e portas das duas estações envolvidas na conexão.
(a) Considere que o NAT irá receber uma sequência de pacotes provenientes da rede pública
(cuja estação de destino está na rede privada). Em cada item a seguir, identificamos
os endereços e portas, de origem e destino, de um destes pacotes ao ser enviado pela
estação que o gerou. Para cada pacote, determine os endereços e portas, de origem e de
destino, que serão colocados no pacote quando o NAT realizar a tradução de endereços
e encaminhá-lo à rede privada. Se o NAT descartar o pacote em vez de encaminhá-lo,
indique isto em sua resposta.
i. Origem: 113.103.147.109, 28845; Destino: 26.216.110.181, 31443
descartado
ii. Origem: 62.208.200.185, 15946; Destino: 26.216.110.181, 14317
7−→ Origem: 62.208.200.185, 15946; Destino: 172.16.0.2, 31512
iii. Origem: 233.218.113.105, 27394; Destino: 26.216.110.181, 17307
7−→ Origem: 233.218.113.105, 27394; Destino: 172.16.0.1, 15906
iv. Origem: 32.55.44.244, 23255; Destino: 26.216.110.181, 1025
7−→ Origem: 32.55.44.244, 23255; Destino: 172.16.0.4, 29221
v. Origem: 150.242.218.152, 29692; Destino: 26.216.110.181, 17307
descartado
vi. Origem: 163.111.75.90, 17330; Destino: 26.216.110.181, 17487
7−→ Origem: 163.111.75.90, 17330; Destino: 172.16.0.2, 8617
vii. Origem: 157.210.151.98, 11287; Destino: 26.216.110.181, 31443
descartado
viii. Origem: 159.43.70.246, 6537; Destino: 26.216.110.181, 1027
descartado
ix. Origem: 254.141.146.184, 22487; Destino: 26.216.110.181, 18033
7−→ Origem: 254.141.146.184, 22487; Destino: 172.16.0.3, 24084
x. Origem: 139.129.61.122, 20974; Destino: 26.216.110.181, 17283
descartado

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 12 de 21 (questão 8 continua)


(continuação da questão 8) Redes de Computadores II

(b) Considere agora, que o NAT irá receber uma sequência de pacotes provenientes da
rede privada (cuja estação de destino está na rede pública). Os endereços e portas, de
origem e destino, destes pacotes são identificados nos itens a seguir.
Para cada pacote, determine se o NAT precisará ou não criar uma nova entrada em
sua tabela de tradução ao encaminhá-lo para a rede pública. Se a nova entrada for
necessária, determine o seu conteúdo; se não, identifique a entrada já existente que o
NAT irá utilizar para encaminhar o pacote. Considere que somente portas a partir da
1024 estão disponı́veis para o NAT. Note que há mais de uma solução correta.3
i. Origem: 172.16.0.3, 6714; Destino: 113.103.147.109, 28845
Encaminhado segundo a entrada (5)
ii. Origem: 172.16.0.2, 8617; Destino: 163.111.75.90, 17330
Encaminhado segundo a entrada (2)
iii. Origem: 172.16.0.1, 15906; Destino: 233.218.113.105, 12613
Nova entrada:
(IP, porta) local (IP, porta) destino Porta pública no NAT
(11) 172.16.0.1, 15906 233.218.113.105, 12613 1024

iv. Origem: 172.16.0.3, 24084; Destino: 254.141.146.184, 22487


Encaminhado segundo a entrada (4)
v. Origem: 172.16.0.3, 10824; Destino: 222.47.250.76, 22741
Nova entrada:
(IP, porta) local (IP, porta) destino Porta pública no NAT
(12) 172.16.0.3, 10824 222.47.250.76, 22741 1026

vi. Origem: 172.16.0.2, 8617; Destino: 163.111.75.90, 17330


Encaminhado segundo a entrada (2)
vii. Origem: 172.16.0.2, 31512; Destino: 93.237.83.164, 12704
Nova entrada:
(IP, porta) local (IP, porta) destino Porta pública no NAT
(13) 172.16.0.2, 31512 93.237.83.164, 12704 1028

viii. Origem: 172.16.0.2, 29728; Destino: 93.237.83.164, 12704


Nova entrada:
(IP, porta) local (IP, porta) destino Porta pública no NAT
(14) 172.16.0.2, 29728 93.237.83.164, 12704 1029

ix. Origem: 172.16.0.3, 24084; Destino: 254.141.146.184, 18736


Nova entrada:
(IP, porta) local (IP, porta) destino Porta pública no NAT
(15) 172.16.0.3, 24084 254.141.146.184, 18736 1030

x. Origem: 172.16.0.1, 21749; Destino: 219.56.178.248, 13820


Nova entrada:
(IP, porta) local (IP, porta) destino Porta pública no NAT
(16) 172.16.0.1, 21749 219.56.178.248, 13820 1031

(c) Utilizando sua resposta para o item (b), determine os endereços e portas, de origem e
destino, que o NAT irá colocar em cada um dos pacotes anteriores quando for enca-
minhá-lo à rede pública.

3
Dica 1: cuidado com as portas já utilizadas. Dica 2: a entrada que um pacote criar pode ser utilizada pelos
que forem enviados depois.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 13 de 21 (questão 8 continua)


(continuação da questão 8) Redes de Computadores II

i. Origem: 172.16.0.3, 6714; Destino: 113.103.147.109, 28845


7−→ Origem: 26.216.110.181, 1027; Destino: 113.103.147.109, 28845
ii. Origem: 172.16.0.2, 8617; Destino: 163.111.75.90, 17330
7−→ Origem: 26.216.110.181, 17487; Destino: 163.111.75.90, 17330
iii. Origem: 172.16.0.1, 15906; Destino: 233.218.113.105, 12613
7−→ Origem: 26.216.110.181, 1024; Destino: 233.218.113.105, 12613
iv. Origem: 172.16.0.3, 24084; Destino: 254.141.146.184, 22487
7−→ Origem: 26.216.110.181, 18033; Destino: 254.141.146.184, 22487
v. Origem: 172.16.0.3, 10824; Destino: 222.47.250.76, 22741
7−→ Origem: 26.216.110.181, 1026; Destino: 222.47.250.76, 22741
vi. Origem: 172.16.0.2, 8617; Destino: 163.111.75.90, 17330
7−→ Origem: 26.216.110.181, 17487; Destino: 163.111.75.90, 17330
vii. Origem: 172.16.0.2, 31512; Destino: 93.237.83.164, 12704
7−→ Origem: 26.216.110.181, 1028; Destino: 93.237.83.164, 12704
viii. Origem: 172.16.0.2, 29728; Destino: 93.237.83.164, 12704
7−→ Origem: 26.216.110.181, 1029; Destino: 93.237.83.164, 12704
ix. Origem: 172.16.0.3, 24084; Destino: 254.141.146.184, 18736
7−→ Origem: 26.216.110.181, 1030; Destino: 254.141.146.184, 18736
x. Origem: 172.16.0.1, 21749; Destino: 219.56.178.248, 13820
7−→ Origem: 26.216.110.181, 1031; Destino: 219.56.178.248, 13820

Questão 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
A técnica de bit de paridade é frequentemente usada para detectar erros em transmissões
de sequências de bits. O objetivo desta questão é entender como calcular o bit de paridade
e como a técnica é empregada para detecção de erros.
(a) Considere o mecanismo de paridade par. Calcule o bit de paridade para cada um dos
pacotes de 10 bits abaixo.

i. 1001010001 — paridade 0 xi. 1010111011 — paridade 1


ii. 0111101011 — paridade 1 xii. 0001011011 — paridade 1
iii. 0010110011 — paridade 1 xiii. 1011000000 — paridade 1
iv. 1110101111 — paridade 0 xiv. 0000010101 — paridade 1
v. 1000110000 — paridade 1 xv. 0000110011 — paridade 0
vi. 1001110100 — paridade 1 xvi. 1010000110 — paridade 0
vii. 0111100000 — paridade 0 xvii. 1000000110 — paridade 1
viii. 1100011010 — paridade 1 xviii. 1001101000 — paridade 0
ix. 0101000110 — paridade 0 xix. 0111000111 — paridade 0
x. 1111100100 — paridade 0 xx. 0000100011 — paridade 1

(b) Suponha que cada pacote acima foi transmitido juntamente com seu bit de paridade
por um canal de comunicação ruidoso. Este canal pode introduzir erros invertendo

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 14 de 21 (questão 9 continua)


(continuação da questão 9) Redes de Computadores II

os bits que são transmitidos, como um canal de rádio. Considere que a estação do
outro lado do canal recebeu os bits indicados nos itens abaixo (onde o último bit da
sequência é o bit de paridade recebido). Repare que o bit de paridade também está
sujeito aos erros introduzidos pelo canal!
Para cada pacote, determine a paridade da sequência recebida, e determine também se
o pacote será aceito ou rejeitado em função das paridades4 . Baseado neste resultado,
decida, para cada pacote, se a técnica de detecção de erro funcionou adequadamente,
ou seja, se os erros de bit apresentados pelo pacote foram detectados.

i. Pacote: 1001010001 x. Pacote: 1111100100


Recebido: 10011110010 Recebido: 11111011001
Paridade: 0 — Pacote aceito Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro não-detectado Resultado: Erro não-detectado
ii. Pacote: 0111101011 xi. Pacote: 1010111011
Recebido: 01110010111 Recebido: 10101101111
Paridade: 1 — Pacote rejeitado Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro detectado Resultado: Erro não-detectado
iii. Pacote: 0010110011 xii. Pacote: 0001011011
Recebido: 00101000111 Recebido: 00010110111
Paridade: 1 — Pacote rejeitado Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro detectado Resultado: Sem erro
iv. Pacote: 1110101111 xiii. Pacote: 1011000000
Recebido: 11101011110 Recebido: 11111000001
Paridade: 0 — Pacote aceito Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Sem erro Resultado: Erro não-detectado
v. Pacote: 1000110000 xiv. Pacote: 0000010101
Recebido: 10000100001 Recebido: 10100101011
Paridade: 1 — Pacote rejeitado Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro detectado Resultado: Erro não-detectado
vi. Pacote: 1001110100 xv. Pacote: 0000110011
Recebido: 01011101001 Recebido: 00001100110
Paridade: 0 — Pacote aceito Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro não-detectado Resultado: Sem erro
vii. Pacote: 0111100000 xvi. Pacote: 1010000110
Recebido: 01011000000 Recebido: 11100001100
Paridade: 1 — Pacote rejeitado Paridade: 1 — Pacote rejeitado
Resultado: Erro detectado Resultado: Erro detectado
viii. Pacote: 1100011010 xvii. Pacote: 1000000110
Recebido: 11000010101 Recebido: 00000101101
Paridade: 1 — Pacote rejeitado Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro detectado Resultado: Erro não-detectado
ix. Pacote: 0101000110 xviii. Pacote: 1001101000
Recebido: 01010001100 Recebido: 10011011000
Paridade: 0 — Pacote aceito Paridade: 1 — Pacote rejeitado
Resultado: Sem erro Resultado: Erro detectado
4
Lembre-se que o receptor dos dados não possui acesso ao pacote original, logo ele não pode comparar o
pacote recebido com o original para decidir se aceita ou não.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 15 de 21 (questão 9 continua)


(continuação da questão 9) Redes de Computadores II

xix. Pacote: 0111000111 xx. Pacote: 0000100011


Recebido: 00110001110 Recebido: 00001000111
Paridade: 1 — Pacote rejeitado Paridade: 0 — Pacote aceito
Resultado: Erro detectado Resultado: Sem erro

O protocolo TDMA é um protocolo de acesso a um meio de transmissão compartilhado. Ele


funciona alocando fatias de tempo (slots) às estações de forma sucessiva. Somente a estação
a quem o slot pertencer pode transmitir em um dado momento e, se ela não possuir dados,
o meio fica ocioso. Nesta questão você deve compreender como funciona este mecanismo.
Considere um meio compartilhado por 4 estações por TDMA, em slots de 70 ms. Suponha
que as estações transmitam dados a uma taxa de 40 Mbps, em quadros de 11666 bytes.
(a) Qual é a quantidade máxima de dados que uma estação pode transmitir em um slot?

Resposta:

Em um único slot, cada estação pode transmitir até 349980 bytes de dados.

(b) Qual é o maior número de quadros que uma estação pode transmitir em um slot?

Resposta:

Cada estação transmite no máximo 30 quadros por slot.

(c) Considere agora que as estações estejam prontas para transmitir seus dados conforme
a tabela a seguir. Repare que cada estação irá transmitir uma quantidade diferente de
dados, e que estes dados estarão disponı́veis em instantes de tempo diferentes.
Dados Pronta para transmitir em
Estação 1 5.32 Mbits 0.0 ms
Estação 2 3.92 Mbits 524.0 ms
Estação 3 3.08 Mbits 413.0 ms
Estação 4 5.04 Mbits 193.0 ms

Suponha que o primeiro slot pertence à estação 1 e segue em ordem crescente. Para
cada estação, determine:
i. Quantos quadros são necessários para transmitir seus dados;
ii. O instante de tempo em que seu primeiro quadro começa a ser transmitido;
iii. O instante de tempo em que a estação termina de transmitir seu último quadro;
iv. O retardo inicial da transmissão;5
v. A vazão média (throughput) obtida pela estação.6

5
Tempo decorrido entre a estação ter dados para transmitir e a transmissão efetivamente iniciar.
6
Razão entre a quantidade de dados transmitidos e o tempo necessário para transmitir estes dados, medido
entre a disponibilidade dos dados e o final da transmissão.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 16 de 21 (questão 9 continua)


(continuação da questão 9) Redes de Computadores II

Resposta:

(i) (ii) — (iii) (iv) (v)


Quadros Perı́odo de transmissão Retardo inicial Vazão média
Estação 1 57 quadros 0.0 ms — 343.0 ms 0.0 ms 15.5 Mbps
Estação 2 42 quadros 630.0 ms — 938.0 ms 106.0 ms 9.5 Mbps
Estação 3 33 quadros 420.0 ms — 707.0 ms 7.0 ms 10.5 Mbps
Estação 4 54 quadros 210.0 ms — 546.0 ms 17.0 ms 14.3 Mbps

A figura a seguir ilustra o cenário de transmissões observado:


4
3
2
1
1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4 1 2
t
0 193.0 524.0 707.0
0.0 343.0 546.0 938.0
413.0

(d) No cenário anterior, determine a vazão (throughput) média e a utilização média (fração
de tempo em uso) do meio de transmissão. Para ambos, considere o tempo desde a
primeira disponibilidade dos dados (entre todas as estações) até o final de todas as
transmissões.

Resposta:

Durante o perı́odo de tempo considerado, foi obtida uma vazão média de


18.51 Mbps. Isto corresponde a uma utilização do meio de 46.3% neste perı́odo.

Questão 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Em contraste com o protocolo TDMA, o protocolo Slotted ALOHA (S-ALOHA) é um
protocolo de acesso a meio de transmissão compartilhado com uma abordagem distribuı́da,
porém sincronizada e que ainda permite a ocorrência de colisões. Nesta questão você deve
compreender como funciona este protocolo.
Considere o seguinte perfil de transmissões realizadas por estações executando o protocolo
Slotted ALOHA.
Estação 1
Estação 2
Estação 3
Estação 4 slots
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

(a) Para cada slot de tempo mostrado na figura acima, determine se ocorreu uma trans-
missão com sucesso (S), uma colisão (C), ou se o slot permaneceu ocioso (O).

Resposta:

slot 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16
estado O O O O C O C O C S S S S C S C

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 17 de 21 (questão 10 continua)


(continuação da questão 10) Redes de Computadores II

(b) Considere que cada estação deseja transmitir o seguinte número de quadros a partir
do instante de tempo zero:
Estação Quadros para transmitir
Estação 1 4 quadros
Estação 2 3 quadros
Estação 3 3 quadros
Estação 4 2 quadros

Utilizando o perfil de transmissões ilustrado na figura acima, determine qual quadro


está sendo transmitido por cada estação em cada uma das transmissões realizadas.
Identifique cada quadro com o seu número de ordem na sequência transmitida por
aquela estação.

Resposta:

1 1 1 1 2 3 3 4
2 1 1 1
3 1 1
4 1 1 1 1 2 slots
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

(c) Determine o instante de tempo em que cada uma das estações consegue realizar sua
primeira transmissão de quadro com sucesso.

Resposta:

Estação Primeira transmissão


Estação 1 Slot 12
Estação 2 Nenhum sucesso
Estação 3 Nenhum sucesso
Estação 4 Slot 10

(d) Determine quantos quadros restam a ser transmitidos por cada uma das estações ao
final do tempo mostrado acima.

Resposta:

Estação Quadros restantes


Estação 1 1 quadros
Estação 2 3 quadros
Estação 3 3 quadros
Estação 4 0 quadros

(e) Determine a utilização e a eficiência de uso do canal — lembrando que a utilização é


dada pela fração de tempo que o canal foi utilizado, e a eficiência é dada pela fração
de tempo que o canal foi utilizado com sucesso.

Resposta:

A utilização do canal nesse perı́odo foi de 62.5%. Já a eficiência de uso do canal
foi bem inferior, 31.3%.

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 18 de 21


Redes de Computadores II

Questão 11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
O CSMA é um dos mecanismos mais utilizados para acessar o meio compartilhado, fazendo
parte do padrão Ethernet. Uma de suas principais caracterı́sticas é que, antes de inicia-
rem suas transmissões, as estações escutam o meio para detectar transmissões que estejam
em andamento, minimizando (mas não evitando) as colisões. O objetivo desta questão é
compreender melhor o funcionamento deste mecanismo.
Considere o cenário de transmissão ilustrado na figura a seguir, onde o posicionamento
das estações é apresentado no eixo horizontal, e o tempo no eixo vertical. Responda às
perguntas utilizando a figura.
h1 h2 h3 h4 h5 estações
t1
t2
t3
t4
t5
t6
t7
t8
t9
t10
t11
t12
t13
t14
t15
t16
t17
t18
t19

(a) Quais estações transmitiram? Em que instantes de tempo cada uma destas estações
iniciou e terminou sua transmissão?

Resposta:

Duas estações transmitiram: a estação h1 iniciou sua transmissão primeiro, uti-


lizando o meio entre os instantes de tempo t3 e t8 . Depois disto, a estação h4
transmite dados entre t5 e t12 .

(b) Considere todas as estações que não transmitiram. Determine o instante de tempo que
cada uma delas começa e termina de receber cada uma das transmissões.

Resposta:

Estação Transmissão de h1 Transmissão de h4


h2 t5 — t10 t8 — t15
h3 t6 — t11 t7 — t14
h5 t9 — t14 t6 — t13

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 19 de 21 (questão 11 continua)


(continuação da questão 11) Redes de Computadores II

(c) Para cada estação, determine o instante de tempo em que ela detecta a colisão.
(d) Para cada estação, determine o perı́odo de tempo em que ela percebe o meio como
ocupado.

Resposta:

Estação Vê meio ocupado entre: Detecta colisão em:


h1 t3 — t17 t10
h2 t5 — t15 t8
h3 t6 — t14 t7
h4 t5 — t13 t8
h5 t6 — t14 t9

(e) Considere os instantes de tempo t4 , t7 e t15 . Quais estações podem iniciar uma trans-
missão nestes instantes de tempo?

Resposta:

Estações:
t4 h2 , h3 , h4 , h5
t7 —
t15 h3 , h4 , h5

(f) Considere agora o mesmo cenário de transmissão acima, mas com o uso do protocolo
CSMA/CD, conforme ilustrado na figura a seguir. Repita os itens (a) a (e) para este
cenário.
h1 h2 h3 h4 h5 estações
t1
t2
t3
t4
t5
t6
t7
t8
t9
t10
t11
t12
t13
t14
t15
t16
t17
t18
t19

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 20 de 21 (questão 11 continua)


(continuação da questão 11) Redes de Computadores II

Resposta:

Novamente, as estações h1 e h4 transmitiram. Desta vez, a estação h1 transmitiu


entre os instantes de tempo t3 e t8 , e a estação h4 transmitiu entre os instantes de
tempo t5 e t9 . As demais estações recebem estas transmissões conforme a tabela a
seguir:

Estação Transmissão de h1 Transmissão de h4


h2 t5 — t10 t8 — t12
h3 t6 — t11 t7 — t11
h5 t9 — t14 t6 — t10

As estações irão receber transmissões e detectar a colisão das mesmas nestes ins-
tantes de tempo:

Estação Vê meio ocupado entre: Detecta colisão em:


h1 t3 — t14 t10
h2 t5 — t12 t8
h3 t6 — t11 t7
h4 t5 — t13 t8
h5 t6 — t14 t9

Por fim, nos instantes de tempo assinalados, as estações que enxergam o meio como
livre (e, portanto, podem transmitir) são as seguintes:

Estações:
t4 h2 , h3 , h4 , h5
t7 —
t15 h1 , h2 , h3 , h4 , h5

(g) Compare os perı́odos de tempo em que as estações percebem o meio como ocupado nos
dois casos. Qual foi o ganho de tempo trazido pelo CSMA/CD para cada estação?

Resposta:

O ganho de tempo, para cada estação, é dado pelo perı́odo em que a estação veria
o meio como ocupado com o protocolo CSMA, mas como livre com o protocolo
CSMA/CD. Este perı́odo de tempo é indicado nesta tabela:

Estação Ganho de tempo


h1 t14 — t17
h2 t12 — t15
h3 t11 — t14
h4 t13 — t13
h5 t14 — t14

Lista de Exercı́cios 1 - 2017/1 Página 21 de 21