Você está na página 1de 12

Introdução

As empresas vivem em um cenário de alta concorrência em termos de qualidade


e custo de seus produtos, isso acarreta em uma constante evolução das empresas para
que as mesmas consigam se manter no mercado. Dessa forma, é de suma importância
conhecer bem os custos industriais, possibilitando um planejamento eficiente e uma
correta tomada de decisões. Assim o estudo em questão mostra a aplicação do método
de custeio ABC em uma microempresa do setor metalomecânico.
O custo corresponde ao esforço económico que se deve realizar para realizar um
objetivo como pagamento de salários, a compra de materiais, a fabricação de um
produto, a obtenção de fundos para o financiamento, a administração da empresa, etc.
Se por um acaso, esse objetivo não seja alcançado, a empresa provavelmente sofrerá de
perdas/prejuízos. Existem diversos métodos de custeio, os mais comuns são:
• Custeio por Absorção: todos os custos de produção são alocados
aos bens produzidos ou serviços prestados, custos fixos e variáveis, diretos e
indiretos;
• Custeio Variável: somente são apropriados como custos de
fabricação os custos variáveis, diretos e indiretos. Os custos fixos existem se tiver
ou não produção, logo não são considerados como custos de produção e sim
como despesas, sendo alocados no resultado do período.
• Custeio ABC: rastreia as atividades relevantes do processo
produtivo, aloca os custos às atividades para então distribuí-los aos produtos.

Metodologia
Ao contrário dos métodos de custeio tradicionais, que rateiam os custos
diretamente aos produtos, o método de custeio ABC rateia de acordo com as atividades
relevantes do processo produtivo, aloca os custos à essas atividades e então o rateia
entre os produtos desenvolvidos. O centro de interesse do ABC concentra-se nos gastos
indiretos. A característica desse método é a atribuição mais rigorosa desses ao objeto
de custo, permitindo um controle mais efetivo dos mesmos e oferecendo melhor
suporte às decisões gerenciais (LEONE 2000).
No método de custeio ABC, os recursos de uma organização são consumidos por
suas atividades e não pelos produtos que elas fabricam, logo, todas as atividades
exercidas devem receber uma parte dos custos. As atividades são definidas como “um
processo que combina, de forma adequada, pessoas, tecnologias, materiais, métodos e
seu ambiente, tendo como objetivo a produção de produtos” (NAKAGAWA, 1994,p.42).
Todos os recursos necessários para desempenhar uma atividade deve ser considerado,
como por exemplo, salários com os respectivos encargos sociais, materiais, depreciação,
energia, uso de instalações, dentre outros.
Seguindo o raciocínio dos autores consultados, LEONE (2000) e NAKAGAWA
(1994), podemos separar a implantação do método de custei ABC em seis etapas:
1) Identificação das atividades exercidas na produção ou serviço prestado;
2) Determinar os recursos consumidos por cada atividade exercida;
3) Separar tais atividades de acordo com o departamento em que é
executada;
4) Determinação dos direcionadores de custo de cada atividade;
5) Determinação dos custos das atividades baseado nas informações dos
direcionadores de custo;
6) Agregação dos custos das atividades aos custos diretos do produto ou
serviço produzido.
Implantação do Sistema ABC
Porttale é uma indústria do setor metalomecânico que fabrica esquadrias em
alumínio (portas, janelas, box e outros), localizada no município de Marau-RS. A linha de
produtos é dividida em doze tipos de produtos, porem o décimo segundo tipo é sobre
encomenda dos clientes, podendo ser diversos itens, que vão desde sacadas e
corrimões, até galerias para troféus (Tabela 1).
A Porttale divide seus processos de manufatura em cinco processos: processo de
concorrência, processo de manipulação da matéria-prima, processo de produção,
processo de montagem e processo de instalação (Figura 1). Em cada um desses
processos são executadas diversas atividades que geram custa para a empresa e os
mesmos não são alocados de forma correta aos seus produtos. Por isso, a implantação
do sistema de custeio ABC, que foi dividida em seis etapas:
• 1ª Etapa– Ferramentas de Implantação: a empresa fez uso de planilhas de
cálculos feitas no Excel da Microsoft. Já existem disponíveis no mercado
softwares voltados para a metodologia de custeio ABC, porém a empresa não
possui recursos para a aquisição do mesmo.
• 2ª Etapa – Atividades e Centros de Custos: identificação das atividades de
produção e suporte à produção, bem como as atividades que não têm relação
com a área industrial, mas que são alocadas aos produtos. Foi feita uma folha de
atividades diretamente relacionadas com os diferentes departamentos da
empresa (Tabela 2).
• 3ª Etapa – Determinação dos Direcionadores: determinação dos direcionadores
de custo, buscando direcionadores comuns a todos os produtos para cada
processo analisado, facilitando o cálculo do custo da atividade por produto.
• 4ª Etapa – Distribuição dos Custos: Nesta etapa foram distribuídos todos os
custos para cada departamento da empresa pelo intermédio dos direcionadores
de custo, chegando a um valor total consumido por cada departamento (Tabela
3).
• 5ª Etapa – Determinação do Custo Unitário das Atividades: a partir do custo
total de cada departamento chegou-se ao custo unitário por atividade, levando
em conta o tempo gasto pelo departamento na execução de cada atividade
(Tabela 4).
• 6ª Etapa – Determinação do Custo dos Produtos: após terem sido calculados
todos os custos unitários das atividades, foram agregados ao produto os custos
de todas as atividades que são consumidas na sua manufatura (Tabelas 5,6 e 7).
Com o método de custeio ABC foi possível determinar com melhor precisão o
custo dos produtos e identificar a rentabilidade por produto (Figura 2). Os custos
indiretos são elevados, causando uma distorção no custo final de cada produto, e uma
má distribuição de custos poderia levar a empresa a uma situação financeira de risco.
Foi possível determinar também a rentabilidade por produto comparada com os
volumes de produção em Kg e identificando a real dimensão da rentabilidade por
produto (Figura 3). Foi gerado um gráfico comparativo entre a matéria-prima, mão-de-
obra direta, custos indiretos e lucro de cada produto (Figura 4).
Com estes resultados a gerência da empresa deve-se nortear na identificação
dos produtos que devem ter os seus custos revisados e analisar algumas possibilidades,
como a redução dos custos dos produtos de baixa rentabilidade e incentivo na produção
e venda dos produtos com boa rentabilidade.
Conclusões
A utilização do sistema ABC para a determinação de custos gera uma
determinação mais precisa de custos, com resultados de interesse para a administração
da empresa que poderá tomar decisões estratégicas com maior conhecimento de causa,
pois as proporções entre custo e lucro se tornam mais certas com a aplicação do sistema
ABC.
A empresa deve-se atentar na definição dos direcionadores, o que é fundamental
na aplicação do sistema ABC, assim como todos os lançamentos contábeis devem estar
à disposição para que sejam utilizados na implantação do sistema ABC.
Assim, a empresa poderá elaborar estratégias para aumentar os volumes de
produção e venda dos produtos que geram maior lucro, iniciando esforços para diminuir
os custos, mediante um controle dos direcionadores, dos produtos que possuem uma
margem menor.

Referências Bibliográficas
LEONE, George S. G.. Contabilidade de Custos. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
NAKAGAWA, Masayuki. Custeio Baseado em Atividades. São Paulo: Atlas, 1994
Tabelas e Figuras
Tabela 1 – Lista de produtos.
Grau de Número de Número de Volume de prod. em Kg ano
Descrição do produto dificuldade perfis acessórios p/ família de produtos

1- Porta Camarão 8 16 25

2- Porta Três Planos 6 15 15


3500 (29%)
3- Porta de Giro 5 9 6

4- Porta de Correr 3 15 17

5- Janela Camarão 8 15 24

6- Janela Basculante 7 14 7

7- Janela Três Planos 6 15 15 6000 (50%)

8- Janela de Correr 3 11 14

9- Janela Maxim-ar 1 9 7

10- Box em “L” 4 8 12


800 (7%)
11- Box Reto 2 7 12

12- Produtos Especiais 9 - - 1700 (14%)

Figura 1- Fluxograma dos Processos e Atividades


Tabela 2 – Valor Total dos Centros de Custo (Departamentos).
Planilha de acumulação de despesas por centros de custos

Natureza do Gasto C.C. Natureza do Gasto C.C.


Vendas Finanças

Telefone 30 Telefone 10

Secretária 35 Contabilidade 80

Publicidade 180 Secretária 20

Energ. Elétrica 3 Energ. Elétrica 3

Material escritório 5 Terreno e instalações 15

Terreno e instalações 15 Total 127

Total 267

Natureza do Gasto C.C.

Natureza do Gasto C.C. Engenharia

Compras Energ. Elétrica 3

Transp. Material 30 Secretária 46

Telefone 40 Material escritório 10

Secretária 35 Desenvolvimento 800

Energ. Elétrica 3 Orçamento 300

Material escritório 5 Telefone 15

Terreno e instalações 15 Terreno e instalações 15

Total 127 Total 1188

Natureza do Gasto C.C. Natureza do Gasto C.C.

Produção Almoxarifado

Energ. Elétrica 41 Energ. Elétrica 4

Afiação de serras 15 Terreno e instalações 25

Material p/ produção 10 Total 29

Terreno e instalações 40

Água 10 Despesas C.C.

Total 116 Instalação

Transp. Material 169

Natureza do Gasto C.C. Telefone 5

Montagem Publicidade 10

Energ. Elétrica 20 Total 184

Material p/ produção 10

Terreno e instalações 20 Natureza do Gasto C.C.

Publicidade 10 Qualidade

Total 65 Terreno e instalações 10

Energ. Elétrica 5

Material escritório 5

Total 20
Tabela 3 – Valor das Atividades e dos Processos da Empresas.
Planilha de Processos

Atividades Valor ($) Direcionadores Nível 1 Taxa Departamentos

Processo 1

Recebimento de orçamento 267 Tempo Gasto no Depart. 100% Vendas

Aprovação de crédito 127 Tempo Gasto no Depart. 100% Finanças

Desenv. prod. especiais 475 Tempo Gasto no Depart. 40% Engenharia

Confecção do orçamento 713 Tempo Gasto no Depart. 60% Engenharia

Total processo 1 1582

Processo 2

Identificação do fornecedor 38 Tempo Gasto no Depart. 30% Compras

Compra da matéria-prima 89 Tempo Gasto no Depart. 70% Compras

Recepção da matéria-prima 2 Tempo Gasto no Depart. 10% Qualidade

Conferência da matéria-prima 4 Tempo Gasto no Depart. 20% Qualidade

Estocagem da matéria-prima 29 Tempo Gasto no Depart. 100% Almoxarifado

Transp. M.P. para produção 12 Tempo Gasto no Depart. 10% Produção

Total processo 2 176

Processo 3

Preparação da ordem de prod. 6 Tempo Gasto no Depart. 30% Qualidade

Corte 46 Tempo Gasto no Depart. 40% Produção

Furação 24 Tempo Gasto no Depart. 20% Produção

Estampagem 34 Tempo Gasto no Depart. 30% Produção

Colocação de acessórios 20 Tempo Gasto no Depart. 30% Montagem

Total processo 3 133

Processo 4

Montagem 45 Tempo Gasto no Depart. 70% Montagem

Inspeção final 8 Tempo Gasto no Depart. 40% Qualidade

Total processo 4 53

Processo 5

Transporte 74 Tempo Gasto no Depart. 40% Instalação

Instalação prod. acabado 110 Tempo Gasto no Depart. 60% Instalação

Total processo 5 184


Tabela 4 – Valor Unitário de cada Direcionador.

Planilha das Atividades

Custo das Direcionador de Quantidade do Custo p/


Atividades atividades Nível 2 Direcionador Direcionador

Recebimento de Orçamento 267 N. Orçamentos 30 8,90

Aprovação de Crédito 127 N. Orçamentos 30 4,23

Desenv. Prod. Especiais 475 N. Produtos 10 47,50

Confecção do Orçamento 713 Horas 60 11,88

Identificação Fornecedor 38 N. Fornecedores 10 3,80

Compra da Matéria-Prima 89 N. Itens 35 2,54

Recepção da Matéria-Prima 2 Hora-Homem 2 1,00

Conferência Matéria-Prima 4 Volume 20 0,20

Estocagem Matéria-Prima 29 Volume 20 1,45

Transp. Matéria-Prima p/ Prod. 12 Volume 20 0,60

Preparação da O.P. 6 N. O .P. 15 0,40

Corte 46 Hora-Máq. 72 0,58

Furação 24 Hora-Máq. 48 0,50

Estampagem 34 Hora-Máq. 24 1,42

Colocação de Acessórios 20 Hora-Homem 30 0,66

Montagem 45 Hora-Homem 84 0,53

Inspeção Final 45 Hora-Homem 24 1,88

Transporte 74 Km Rodados 400 0,19

Instalação 110 N. Itens Inst. 70 1,57

Total ($) 2160.00


Tabela 5 – Custo Final dos Produtos 1, 2, 3 e 4.
Planilha dos Produtos

Produto 1 Produto 2 Produto 3 Produto 4

Mix de produção 3 5 8 8

Quant. Custo Quant. Custo Quant. Custo Quant. Custo


Atividades Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ.

Receb. de Orçam. 1 8,90 2 17,8 3 26,7 3 26,7

Aprov. de Crédito 1 4,23 2 8,46 3 12,69 3 12,69

Desenv. Prod. Esp. 2 95,00

Conf.o do Orçam. 10 118,80 7 83,16 5 59,40 3 35,64

Ident. Fornecedor 1 3,80 1 3,80 1 3,80 1 3,80

Compra M.P. 4 10,16 3 7,62 2 5,08 2 5,08

Recepção M.P. 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16

Conferência M.P. 2 0,40 2 0,40 1 0,20 1 0,20

Estocagem M.P. 2 2,90 2 2,90 1 1,45 1 1,45

Transp. M.P. p/ Prod. 2 1,20 2 1,20 1 0,60 1 0,60

Preparação da O.P. 0,5 0,20 0,5 0,20 1,5 0,60 1,5 0,60

Corte 5 2,90 5 2,90 4 2,32 4 2,32

Furação 4 2,00 4 2,00 7 3,50 3 1,50

Estampagem 4 5,68 4 5,68 3 4,26

Colocação de Aces. 3 1,98 3 1,98 2 1,32 2 1,32

Montagem 7 3,71 6 3,18 7 3,71 5 2,65

Inspeção Final 2 3,76 2 3,76 2 3,76 2 3,76

Transporte 15 2,85 15 2,85 20 3,80 30 5,70

Instalação 2,5 3,93 2,5 3,93 8,5 13,35 5,5 8,64

Total p/ Mix Produção 177,53 329,54 237,44 117,07

Total p/ Produto 59,18 65,91 29,68 14,63


Tabela 6 – Custo Final dos Produtos 5, 6, 7 e 8.
Planilha de Produtos

Produto 5 Produto 6 Produto 7 Produto 8

Mix de produção 5 10 10 20

Quant. Custo Quant. Custo Quant. Custo Quant. Custo


Atividades Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ.

Receb. de Orçam. 1 8,90 1 8,90 3 26,7 6 53,4

Aprov. de Crédito 1 4,23 1 4,23 3 12,69 6 25,38

Desenv. Prod. Esp. 2 95,00

Conf.o do Orçam. 4 47,52 3 35,64 3 35,64 2 23,76

Ident. Fornecedor 1 3,80 0,5 1,90 1 3,80 0,5 1,90

Compra M.P. 4 10,16 5 12,70 3 7,62 2 5,08

Recepção M.P. 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16

Conferência M.P. 2 0,40 3 0,60 2 0,40 1 0,20

Estocagem M.P. 2 2,90 3 4,35 2 2,90 1 1,45

Transp. M.P. p/ Prod. 2 1,20 3 1,80 2 1,20 1 0,60

Preparação da O.P. 0,5 0,20 2 0,80 0,5 0,20 3 1,20

Corte 5 2,90 12 6,96 5 2,90 18 10,44

Furação 4 2,00 6 3,00 4 2,00 3 1,50

Estampagem 4 5,68 4 5,68 2 2,84

Colocação de Aces. 3 1,98 4 2,64 3 1,98 2 1,32

Montagem 7 3,71 12 6,36 7 3,71 5 2,65

Inspeção Final 2 3,76 2 3,76 2 3,76 2 3,76

Transporte 25 4,75 40 7,60 25 4,75 45 8,55

Instalação 5 7,85 10 15,70 5 7,85 15 23,55

Total p/ Mix Produção 112,10 212,10 123,94 167,74

Total p/ Produto 22,42 21,21 12,39 8,39


Tabela 7 – Custo Final dos Produtos 9, 10, 11 e 12.
Planilha de Produtos

Produto 9 Produto 10 Produto 11 Produto12

Mix de produção 15 4 8 10

Quant. Custo Quant. Custo Quant. Custo Quant. Custo


Atividades Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ. Direc. p/ Ativ.

Receb. de Orçam. 5 44,50 5 44,5

Aprov. de Crédito 5 21,15 5 21,15

Desenv. Prod. Esp. 6 285,00

Conf.o do Orçam. 2,5 29,70 0,25 2,97 0,25 2,97 20 237,6

Ident. Fornecedor 1 3,80 0,5 1,90 0,5 1,90 2 7,60

Compra M.P. 2 5,08 1,5 3,81 1,5 3,81 5 12,70

Recepção M.P. 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16

Conferência M.P. 1 0,20 1 0,20 1 0,20 3 0,60

Estocagem M.P. 1 1,45 1 1,45 1 1,45 3 4,35

Transp. M.P. p/ Prod. 1 0,60 1 0,60 1 0,60 3 1,80

Preparação da O.P. 1 0,40 1,5 0,60 1,5 0,60 1 0,40

Corte 4 2,32 2,5 1,45 3 1,74 4,5 2,61

Furação 4 2,00 2 1,00 1 0,50 6 3,00

Estampagem 3 4,26

Colocação de Aces. 3 1,98 1 0,66 1 0,66 3 1,98

Montagem 5 2,65 6 3,18 4 2,12 13 6,89

Inspeção Final 2 3,76 2 3,76 2 3,76 2 3,76

Transporte 35 6,65 40 7,60 50 9,50 60 11,40

Instalação 4 6,28 2,5 3,93 4 6,28 5,5 8,64

Total p/ Mix Produção 136,94 33,27 36,25 654,14

Total p/ Produto 9,13 8,32 4,53 65,41


Figura 2 – Rentabilidade do Produto.
100

90

80

70

60

50

40

30

20

10

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Produtos

Figura 3 – Rentabilidade em $ X Volume de Produção em Kg.


Rentabilidade $ Vol. Produção Kg

700 250

600

200

500

150
400

300
100

200

50

100

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Produtos
Figura 4 – Comparação Matéria-Prima, Mão-de-obra Direta, Custos Indiretos e Lucro.