Você está na página 1de 8

ESCOLA BÁSICA DE CORROIOS

Ano Letivo 2018/2019 – 1º Período


Correção da ficha de trabalho de Geografia - 8º Ano A professora Cecília Simões

1. Selecione a opção correta.


Como se designa a ciência cujo objeto de estudo é a população? b) Demografia.

A forma mais direta de conhecer o número de pessoas de um país ou região é através


de… b) censos/recenseamentos da população.

2. Os quadros A e B apresentam indicadores demográficos de cinco países, em 2011.

2.1. De acordo com os dados do quadro A, há dois países que registaram valores da taxa
de crescimento natural inferiores a 5 ‰, são... (C) Reino Unido e Portugal.

2.2. Segundo o quadro A, há países com realidades migratórias…


(A) opostas, são o caso da Austrália com saldo positivo de 8‰ e de São Tomé e
Príncipe com saldo negativo de −9‰.

2.3. Em termos demográficos os países desenvolvidos caracterizam-se por...


(B) reduzidas taxas brutas de natalidade e de mortalidade infantil e uma elevada
esperança de vida à nascença.

2.4. Tendo por base os dados do quadro B, a esperança de vida à nascença é mais
elevada… (C) nos países mais desenvolvidos.

2.5. Analisando a taxa de fecundidade apresentada no quadro B, verifica-se que…


(C) só os países africanos apresentam os valores que garantem a taxa de substituição da
população.
1
3. Observe as tabelas 1 e 2 que apresentam indicadores demográficos de alguns países da Europa,
em 2010.

Taxa bruta de Taxa bruta de Taxa de Taxa de Taxa de


Países natalidade mortalidade Países Crescimento crescimento crescimento
(‰) (‰) natural (‰) migratório (‰) efetivo (‰)
Dinamarca 11,4 9,8 Alemanha - 2,2 1,6 - 0,6
Estónia 11,8 11,8 Itália - 0,4 5,2 4,8
Finlândia 11,4 9,5 Irlanda 10,3 - 7,5 2,8
Letónia 8,6 13,4 Luxemburgo 4,2 15,1 19,3
Lituânia 10,8 12,8 Hungria - 4,0 1,2 - 2,8
Alemanha 8,3 10,5 Suíça 2,2 8,1 10,3
Tabela 1 Fonte: Eurostat, 2011 Tabela 2 Fonte: Eurostat, 2011

3.1. De acordo com os dados da tabela 1, os dois países da Europa que registaram valores da taxa de
crescimento natural inferiores a - 2‰ foram… (B) … a Letónia e a Alemanha.

3.2. De acordo com a tabela 2, os movimentos migratórios foram os principais responsáveis pelo
aumento da população de países como, por exemplo… (A) … a Itália e o Luxemburgo.

3.3. Segundo as tabelas, o crescimento da população registado na Alemanha em 2010 é justificado,


sobretudo, pelos elevados valores da…
(C) … taxa bruta de mortalidade resultantes do envelhecimento da população.

3.4. A imigração tem, para muitos países, consequências demográficas positivas como, por exemplo…
(A) … o rejuvenescimento da população.

4. Observe com atenção a figura 1.

Figura 1 Evolução da população mundial e fases do modelo de transição demográfica.

4.1 Identifique, quanto ao grau de desenvolvimento, o grupo de países responsável pela


evolução da população mundial registada entre 1750 e 1950.
Foram os países desenvolvidos
2
4.2 Justifique a resposta à questão 4.1.
Deverá responder que os países desenvolvidos foram alvo de transformações a nível
industrial, agrícola e tecnológico que alteraram as condições de saúde, alimentação,
higiene e segurança da população. Esta alteração nos modos de vida da população fez
com que a mortalidade diminuísse e a natalidade se mantivesse elevada, contribuindo
para o crescimento demográfico.

4.3 Explique por que razão a população mundial registou um aumento «explosivo» a partir
de 1950.
Deverá explicar que a razão se baseia no decréscimo da mortalidade e a manutenção dos
valores elevados da natalidade, em especial nos países em desenvolvimento.

4.4 Indique o grupo de países que, de acordo com as projeções, mais contribuirá para o
aumento da população mundial até 2050.
São os países em desenvolvimento.

5. Observa com atenção a tabela 3.


Dados País A País B
População total 81 990 800 13 883 600
Nados-vivos 885 200 645 500
Óbitos 534 000 209 700
Óbitos de crianças com menos de 1 2500 53 400
ano de idade
Tabela 3 Indicadores demográficos por país.

5.1 Calcule os indicadores demográficos dos países representados na tabela 3 e apresente


os cálculos na tabela 4.

Indicadores País A País B

Taxa bruta TBN = 885200 *1000 = 10,80‰ TBN = 645500 *1000 = 46,49‰
de natalidade 81990800 13883600

Taxa bruta TBM = 534000 *1000 = 6,51‰ TBM = 209700 *1000 = 15,10‰
de mortalidade
81990800 13883600

Taxa de
TCN = 10,80‰ - 6,51‰ = 4,29‰ TCN = 46,49‰ – 15,10‰ = 31,39‰
crescimento natural

Taxa de TMI = 2500 *1000 = 2,82‰ TMI = 53400 *1000 = 82,72‰


mortalidade infantil 885200 645500
Tabela 4 Exposição do cálculo de indicadores demográficos.

3
5.2 Classifique cada um dos países quanto ao seu grau de desenvolvimento, após a análise
dos resultados que obteve na questão 5.1.
A – país desenvolvido B – país em desenvolvimento

5.3 Justifique a resposta da questão 5.2.


Deverá justificar com base nos baixos valores da taxa de natalidade, mortalidade,
crescimento natural e mortalidade infantil do país A que deixam antever melhores
condições de vida e um maior grau de desenvolvimento. No país B os valores elevados
da taxa de natalidade, mortalidade, crescimento natural e mortalidade infantil, deixam
antever piores condições de vida e um menor grau de desenvolvimento.

5.4. Explique em que medida as TMI refletem o grau de desenvolvimento dos países.
A explicação reside no facto da diminuição da taxa de mortalidade infantil significar,
geralmente, uma melhoria da assistência médica pré e pós-parto, das condições
higiénico sanitárias e dos cuidados maternos. Esta situação é reflexo de um maior
desenvolvimento. O contrário mostra um menor desenvolvimento dos países.

6. A redução da taxa bruta de mortalidade iniciou-se após a Revolução Industrial e durante a


Revolução Agrícola, com maior impacto nos países desenvolvidos.
6.1 Apresente quatro fatores que contribuíram para o decréscimo da mortalidade nos países
desenvolvidos.
Poderá assinalar os seguintes fatores:
- melhoria dos cuidados de saúde;
- melhoria no abastecimento de água;
- melhoria na alimentação;
- melhoria nas condições higiénico sanitárias.

4
7. Observe as imagens e leia os documentos.
Da Antiguidade e até meados do século XVIII,
o crescimento da população dependia dos
recursos existentes no meio. Em épocas de
boas produções agrícolas, a população
aumentava, mas, em alturas de secas,
inundações ou tempestades, a mortalidade
era muito elevada. Por outro lado, nasciam
muitas crianças mas a mortalidade infantil era
alta. As pestes e epidemias dizimavam muitas
pessoas.

7.1. Descreva a figura que retrata uma família do final do século XVIII.
É uma família numerosa, onde um casal tem um elevado número de filhos.

7.2. Indique, a partir do texto, as características da população da época descrita.

Devem indicar-se as seguintes características:


- o crescimento da população dependia dos recursos existentes;
- nos bons anos agrícolas, a população aumentava;
- quando ocorriam secas, inundações ou tempestades, a mortalidade era muito elevada;
- nasciam muitas crianças, mas a mortalidade infantil era alta;
- as pestes e epidemias matavam muitas pessoas.

7.3. Explique o facto dos valores totais da população se manterem estáveis nessa época.

A explicação reside no facto da natalidade ser elevada, mas a mortalidade também era
elevada, logo o crescimento natural apresentava valores reduzidos, mantendo nessa
época um comportamento estável.

7.4. Explique o sentido da frase sublinhada no texto.

Nos nossos dias assiste-se a uma explosão


demográfica sentida de forma desigual no
mundo. Há áreas do mundo de forte
crescimento demográfico e outras onde a
população decresce.

Deverá referir-se que nos países em desenvolvimento o crescimento demográfico é


explosivo, ao passo que nos países desenvolvidos a situação é inversa e os baixos
valores da natalidade associados ao envelhecimento da população têm conduzido ao
decréscimo demográfico.

5
7.5. Dê exemplo de dois países que retratem a sua explicação.

Explosão demográfica – Angola e Moçambique


Decréscimo demográfico – Portugal e Itália

8. Observe atentamente a figura 2.

Figura 2 Distribuição mundial da taxa bruta de natalidade.

8.1 Selecione com X, considerando a figura 2, a opção correta para cada afirmação.

8.1.1 A taxa bruta de natalidade apresenta valores mais elevados…


(C) no centro e sul de África, na Ásia meridional e em alguns países da América Central
e do Sul.

8.1.2 A taxa bruta de natalidade apresenta valores mais baixos…

(A) na América do Norte, na Europa, no norte e centro da Ásia, na Austrália e na Nova


Zelândia.

8.1.3 A análise à distribuição mundial da taxa bruta de natalidade permite concluir que…

(C) nos países desenvolvidos apresenta valores inferiores aos da maioria dos países
em desenvolvimento.

6
8.2 Mencione quatro fatores responsáveis pelos valores registados na taxa bruta de
natalidade dos países em desenvolvimento.
Poderá assinalar os seguintes fatores:
- filhos vistos como fonte de rendimento;
- dificuldades no acesso a contracetivos;
- obstáculos à implementação do planeamento familiar;
- baixos níveis de instrução da população.

8.3 Apresente uma definição de taxa de fecundidade.


A taxa de fecundidade é o número de nados-vivos ocorridos durante 1 ano por cada 1000
mulheres em idade fértil (15-49 anos).

9. Analise com a atenção a seguinte notícia e o gráfico.

Nascer em Portugal é o tema da conferência


que a Presidência da República promove esta
sexta-feira. “O objetivo é perceber como poderá
ser a população portuguesa dentro de 10 ou 15
anos e desencadear a reflexão sobre esses
assuntos”, explica uma fonte do Palácio de
Belém. O nosso país tem uma das mais baixas
taxas da Europa e do mundo e, desde 1982 que
não assegura a renovação das gerações. Ou
seja, se o crescimento da população portuguesa
dependesse apenas da componente “natural” a
população definharia nos próximos anos. Aliás,
em 2009 e 2010, pela primeira vez desde a 1ª
Guerra Mundial – em que às vítimas do conflito
se juntaram as da pneumónica –, o número de
nascimentos foi inferior ao dos óbitos, isto é,
registou-se, pela primeira vez, um saldo natural
negativo em Portugal.

Adaptado de: Visão, 9 de fevereiro de 2012

9.1. Nomeie o assunto abordado. A fecundidade em Portugal.

9.2. Segundo o texto “desde 1982 que não se assegura a renovação das gerações”.
a) Indique o país onde se verifica este facto. Portugal

b) Refira a designação do indicador demográfico implícito na frase e o valor que o


caracteriza. Índice de renovação de gerações.

7
9.3. Indique, analisando o gráfico, por ordem decrescente, os países que:
a) em 1982, garantiam a renovação de gerações. Irlanda (2,94) e Islândia (2,27)
b) em 2011, garantiam a renovação de gerações. Nenhum país garante a renovação
de gerações.
9.4. Mencione quatro fatores que expliquem a alteração registada entre 1982 e 2011.
Para explicar a descida da taxa de fecundidade nos países da União Europeia deverão
mencionar-se os seguintes fatores:
- maior recurso ao uso de contracetivos e práticas de planeamento familiar;
- filhos vistos como fonte de despesa;
- casamentos tardios e adiamento do nascimento do primeiro filho;
- maior investimento em formação e na carreira profissional por parte das mulheres.

9.5. Comente a frase “Registou-se pela primeira vez, um saldo natural negativo, em
Portugal”, explanando como se calcula o saldo natural.
No comentário deve focar os seguintes aspetos:
- o saldo natural é a diferença entre a natalidade e a mortalidade;
- nos anos de 2009 e 2010 o número de nascimentos em Portugal foi inferior ao dos
óbitos, o que se traduziu no crescimento natural negativo.

Extra ficha, destaco a pergunta 1 da página 35 do manual que é importante, façam o favor de
a estudar.

1. Até ao século XX, nenhum ser humano assistiu à duplicação da população


humana em vida, mas atualmente há pessoas que a viram triplicar.

1.1. Comente a afirmação tendo em conta a evolução da população mundial.

Desde meados do século XX a população mundial duplicou, porém as pessoas com


mais idade, podem já ter visto a população triplicar, pois em 1930 existiam 2000
milhões de pessoas na Terra e atualmente já estamos acima de 7000 milhões. Esta
situação só é possível graças ao crescimento explosivo da população mundial e ao aumento
generalizado da esperança média de vida à nascença.