Você está na página 1de 4

Uma introdução ao método dos elementos finitos

A descrição das leis da física para problemas dependentes de espaço e tempo


é geralmente expressa em termos de equações diferenciais
parciais (PDEs). Para a grande maioria das geometrias e problemas, esses
PDEs não podem ser resolvidos com métodos analíticos. Em vez disso, uma
aproximação das equações pode ser construída, geralmente baseada em
diferentes tipos de discretizações . Estes métodos de discretização
aproximam os PDEs com equações numéricas de modelo , que podem ser
resolvidos usando métodos numéricos. A solução para as equações do
modelo numérico é, por sua vez, uma aproximação da solução real para os
PDEs. O método dos elementos finitos (FEM) é usado para calcular tais
aproximações.

Tome, por exemplo, uma função de u que pode ser a variável dependente em
uma PDE (isto é, temperatura, potencial eléctrico, pressão, etc.) A função
de u pode ser aproximado por uma função u h utilizando combinações
lineares de funções de base de acordo com o seguintes expressões:

(1)

(2)

Aqui, ψ i denota as funções de base e u i denota os coeficientes das funções


que se aproximam u com u h . A figura abaixo ilustra esse princípio para um
problema 1D. u poderia, por exemplo, representar a temperatura ao longo do
comprimento (x) de uma haste que é não uniformemente aquecida. Aqui, as
funções de base linear têm um valor de 1 em seus respectivos nós e 0 em
outros nós. Neste caso, existem sete elementos ao longo da porção
do eixo x , onde a função u é definida (isto é, o comprimento da barra).
A função u (linha azul sólida) é aproximada com u h (linha vermelha tracejada), que é uma

combinação linear de funções de base linear ( ψ i é representado pelas linhas pretas sólidas). Os

coeficientes são denotados por u 0 através de u 7 .

Um dos benefícios do uso do método dos elementos finitos é que ele oferece
grande liberdade na seleção da discretização, tanto nos elementos que podem
ser usados para discretizar o espaço como nas funções básicas. Na figura
acima, por exemplo, os elementos são uniformemente distribuídos sobre
o eixo x , embora isso não tenha de ser o caso. Elementos menores em uma
região onde o gradiente de u é grande também poderiam ter sido aplicados,
como destacado abaixo.

A função u (linha azul sólida) é aproximada com u h (linha vermelha tracejada), que é uma

combinação linear de funções de base linear ( ψ i é representado pelas linhas pretas sólidas). Os

coeficientes são denotados por u 0 através de u 7 .

Ambas as figuras mostram que as funções de base linear selecionadas


incluem suporte muito limitado (diferente de zero em um intervalo estreito) e
se sobrepõem ao longo do eixo x . Dependendo do problema em questão,
outras funções podem ser escolhidas em vez de funções lineares.

Outro benefício do método dos elementos finitos é que a teoria é bem


desenvolvida. A razão para isso é a estreita relação entre a formulação
numérica e a formulação fraca do problema PDE ( veja a seção abaixo ). Por
exemplo, a teoria fornece estimativas de erros úteis, ou limites para o erro,
quando as equações numéricas do modelo são resolvidas em um
computador .

Olhando para trás, a história do FEM, a utilidade do método foi reconhecida


pela primeira vez no início dos anos 1940 por Richard Courant, um
matemático alemão-americano. Embora a Courant tenha reconhecido sua
aplicação em uma série de problemas, levou várias décadas até que a
abordagem fosse aplicada geralmente em campos fora da mecânica
estrutural, tornando-se o que é hoje.